Issuu on Google+


Capítulo 1 Minhas palmas suavam e meu coração estava preso na garganta enquanto o avião aterrissava em Londres. Mal podia acreditar que estava fazendo aquilo, que tive a coragem de fugir de casa. Enxuguei as mãos nos jeans e me perguntei se mamãe já havia descoberto. Ela estava dormindo, curando uma ressaca, quando saí de casa e, por vezes, ela dormia vinte e quatro horas seguidas em situações como aquela. Eu queria ser uma mosca na parede quando ela encontrasse o bilhete que deixei. Talvez o fato de me perder finalmente a sacudisse a ponto de parar de beber. Mas eu não prendia o fôlego esperando. Não tive problemas para localizar meu pai. Mamãe nunca sonhou em me contar seu nome estando sóbria e ele não constava na minha certidão de nascimento, mas tudo o que precisei foi fazer algumas perguntas investigatórias quando ela estava embriagada e contente para descobrir que o nome dele era Seamus Stuart. Os feéricos, ela confidenciou, não usavam sobrenomes em Faerie, mas aqueles que moravam em Avalon os adotaram, pelo bem da população humana.


De modo geral, Avalon era minúscula, com uma população com menos de 10 mil habitantes, por isso, quando chequei a lista telefônica pela Internet, não tive problemas para localizar meu pai; ele era o único Seamus Stuart listado. E quando liguei para perguntar se ele conhecia alguém com o nome da minha mãe, ele prontamente admitiu ter tido uma namorada com aquele nome no passado, e eu logo concluí ter encontrado o cara certo. Antes de a primeira conversa terminar, ele já havia me convidado para visitá-lo em Avalon. Até mesmo me ofereceu uma passagem de primeira classe para Londres. Sem nunca pedir para falar com minha mãe, nem mesmo perguntar se eu tinha permissão para ir visitá-lo. Fiquei surpresa com isso, a princípio, mas logo concluí que ela esteve certa ao pensar que se ele tivesse sabido de mim, teria me levado para Avalon sem pestanejar. Não olhe os dentes do cavalo dado, procurei me lembrar. O avião tocou na pista com um baque. Respirei fundo para me acalmar. Ainda levaria horas para que eu me encontrasse com meu pai. Sendo nativo de Faerie, ele não podia pôr os pés no mundo mortal. (Caso quisesse me raptar, precisaria de cúmplices mortais para ajudá-lo.) A magia singular de Avalon era a de que a cidade existia tanto em Faerie como no mundo mortal – era o único local em que os dois planos de existência se sobrepunham. Quando meu pai ficava no limite da cidade e olhava para fora, tudo o que ele via era Faerie e, se ele cruzasse a fronteira, nós do mundo mortal não conseguiríamos mais vê-lo. Ele providenciou para que um amigo mortal me recebesse no aeroporto de Londres e me levasse para Avalon. Só quando eu passasse pela imigração de Avalon, eu poderia me encontrar com ele. Passei pela imigração e alfândega de Londres meio que entorpecida. Estive excitada e nervosa demais para dormir no avião, e isso agora começava a me afetar. Segui a multidão e comecei a perscrutar a vastidão de placas à procura do meu nome.

14

Glimmerglass


Não encontrei. Olhei de novo, examinando cada placa com cuidado, só para me certificar de que meu nome não tivesse sido escrito errado e, por isso, eu não o tivesse notado. Mordi o lábio e consultei o relógio, já ajustado para o horário local. Eram 8h23 da manhã, e da última vez em que conversei com meu pai, ele calculou que, se o avião chegasse no horário, eu seria liberada pela imigração por volta das 8h15. O amigo dele já deveria ter chegado. Respirei fundo mais algumas vezes, procurando manter a calma. Ele só estava oito minutos atrasado. Não valia a pena entrar em pânico. Encontrei uma confortável cadeira perto das portas, com meu olhar seguindo todas as direções à procura de alguém que se apressasse pelo terminal. Vi várias pessoas assim, mas nenhuma carregava uma placa com meu nome. Quando, às 8h45, o meu motorista ainda não havia dado as caras, resolvi que poderia começar a sentir um pouquinho de pânico. Abri o celular, resolvendo ligar para o meu pai, só para descobrir que eu não tinha sinal. Com certo atraso, me perguntei se os celulares americanos funcionavam em Londres. Engoli mais uma pontada de nervoso. Papai me enviara um adorável presente pelo nosso encontro, um camafeu branco-rosado, e eu me vi tocando nele ansiosamente. Passei boa parte de minha vida entrando e saindo de aeroportos, e, se o voo fosse longo o bastante, mamãe estaria largada na hora da aterrissagem. Mesmo aos oito anos, eu era capaz de guiá-la pelo aeroporto, encontrar nossa bagagem e conseguir um táxi que nos levasse ao nosso destino. Tudo bem, o lugar mais exótico em que estivemos foi o Canadá, mas caramba, aquilo era a Inglaterra, não a Índia. Tentando me convencer de que não precisava me preocupar, encontrei uma fileira de telefones públicos. Já que minha mãe era incapaz de controlar as contas e as compras, eu

Glimmerglass

15


tinha meu próprio cartão de crédito, que logo usei para fazer a ligação à longa distância para Avalon. Deixei o telefone tocar umas dez vezes, mas ninguém respondeu. Desliguei e mordi o lábio. Eu já estava nervosa o bastante, quanto a toda esta aventura. Agora eu estava abandonada no aeroporto de Heathrow e meu pai não atendia ao telefone. Acrescente a isso um caso severo de fadiga de voo, e tudo o que eu queria fazer era me enroscar numa cama quentinha e macia e dormir. Sufoquei um bocejo. Se eu começasse, não haveria como parar. Às 9h15 tive de admitir que as chances de o amigo do meu pai aparecer eram ínfimas. Meu pai não devia estar atendendo o telefone porque estava me esperando na fronteira de Avalon, conforme prometido. Tudo bem, só o que eu precisava fazer era pegar um táxi que me levasse até a fronteira. Seria uma viagem de quarenta quilômetros para fora de Londres. Nada demais, certo? Troquei um pouco de dinheiro, depois entrei num daqueles enormes táxis pretos ingleses. Achei estranho ver o motorista do lado errado, e ainda mais esquisito quando ele começou a dirigir do outro lado da pista. O taxista dirigia como um maníaco e falou o tempo inteiro até o Portão Sul de Avalon. Não distingui seu sotaque, mas só compreendi um terço do que ele disse. A sorte foi que ele não pareceu precisar de respostas, aparte um sorriso e um aceno ocasional. Só espero que ele não tenha notado que me retraí todas as vezes em que ele esteve prestes a atropelar alguém. Como todas as outras pessoas do Universo, vi diversas fotos de Avalon. Havia milhares delas nos guias de turismo dedicados à cidade (eu tinha dois em minha bagagem), e praticamente todos os filmes de fantasia tinham uma ou duas cenas rodadas em Avalon, já que era o único lugar do mundo mortal em que a magia, de fato, funcionava. Porém, ver Avalon pessoalmente me lembrou a experiência de ver o Grand

16

Glimmerglass


Canyon pela primeira vez: nenhuma fotografia no mundo lhe fazia justiça. Avalon se situava numa montanha. Sim, uma montanha de verdade. Aquela coisa apontava para o céu no meio de uma planície verdejante cheia de ovelhas, dando a impressão de que alguém pegara um pedaço dos Alpes e o deixara cair num lugar a que não pertencia. Casas, lojas e prédios comerciais foram construídos em cada metro quadrado dos declives, e uma única estrada pavimentada circundava a montanha desde a base até o castelo fincado no topo. Havia outras estradinhas de pedra que partiam dessa principal, mas essa era a única larga o bastante para o tráfego de carros. A base da montanha era completamente circundada por um fosso escuro de água espessa, também circundado por uma alta cerca elétrica. Só havia quatro entradas para a cidade, uma para cada ponto cardeal. Meu pai deveria me encontrar no Portão Sul. O motorista me deixou na portaria, uma construção de três andares do tamanho de um quarteirão, e eu senti uma pontada renovada de apreensão quando ele se afastou. A entrada de carros era permitida em Avalon, mas o motorista precisaria ter um visto para poder entrar. De mochila nas costas, arrastei a mala por um labirinto, seguindo as placas para os visitantes. Claro que a fila para os residentes era muito menor. Quando cheguei ao início da fila, praticamente dormia em pé, apesar da ansiedade. Havia um pequeno estacionamento logo depois do ponto de inspeção e, tal qual no aeroporto, vi pessoas paradas com placas. Contudo, enquanto esperava que o guarda da alfândega carimbasse meu passaporte, não vi meu nome em nenhuma delas. – Um minuto, senhorita – o guarda disse, depois de ter examinado meu passaporte, por, pelo que pareceu, dez anos. Fiquei confusa quando o vi abandonar o posto, levando meu passaporte.

Glimmerglass

17


Senti a garganta secar quando o vi falar com uma mulher alta e imponente, vestindo um uniforme azul-marinho... e com uma pistola e algemas no cinto. Ela ficou ainda mais seca quando o guarda apontou na minha direção e ela olhou para mim. Óbvio que em seguida ela se aproximou. Vi que o guarda entregara meu passaporte para ela. Aquilo não parecia nada bom. – Por favor, me acompanhe, Srta... – Ela abriu o passaporte para verificar. – Hathaway. – Ela tinha um sotaque estranho, meio britânico, mas não exatamente. Nesse meio tempo, o guarda acenou para o próximo da fila. Tive de me aproximar da mulher para não ser atropelada pela família de cinco pessoas que me empurrava por trás. – Algum problema? – perguntei; embora tentasse passar tranquilidade, acho que minha voz saiu trêmula. Ela sorriu, apesar de a expressão não atingir os olhos. Ela também esticou a mão para me puxar pelo braço, guiandome até uma porta que levava para o interior do edifício. Tentei pegar a alça da mala, mas um homem chegou antes de mim, colocando uma tarja laranja fosforescente e levandoa para trás da mesa do guarda. Fiquei me perguntando se era o caso de fazer uma cena, mas concluí que isso só pioraria minha situação. – Não tenha medo – a mulher disse, rebocando-me até a porta. Bem, ela não me rebocava de fato. O toque dela era bem leve, era como se estivesse somente me guiando. Mas tive a nítida impressão de que se eu diminuísse o passo, ela não estaria mais me guiando. – Temos um procedimento padrão de entrevistar determinado número de visitantes. – O sorriso se alargou quando ela passou um cartão pela porta. – Hoje só é seu dia de sorte. Eu estava mais do que cansada e nervosa, e meus olhos começaram a arder com o indício de lágrimas. Mordi o interior da bochecha para contê-las. Se aquilo era apenas uma seleção aleatória, por que o guarda examinou meu passaporte por

18

Glimmerglass


tanto tempo? E por que meu pai não me contou sobre essa possibilidade? Eu, por certo, não li nada a respeito nos meus guias de viagem. Fui conduzida a um escritório cinzento estéril que se assemelhava aos restos de um dormitório de faculdade com cheiro estranho como o de lã molhada. A mulher imponente apontou para uma cadeira de metal dobrável, em seguida, se acomodou numa poltrona com rodinhas muito mais confortável do outro lado da escrivaninha. E sorriu de novo. – Meu nome é Grace – ela disse. Fiquei sem saber se era seu nome ou sobrenome. – Sou comandante da patrulha de fronteira e preciso lhe fazer algumas perguntas sobre sua visita a Avalon; depois disso pode seguir seu caminho. Eu engoli antes de responder: – Está bem. – Como se eu tivesse escolha. Grace se inclinou e pegou um caderno espiralado de uma das gavetas, depois posicionou uma caneta de prata toda gravada. Imagino que os feéricos não sejam fãs das Bics. – Qual o propósito de sua visita a Avalon? – ela perguntou. Puxa, tendo dezesseis anos, não podia ser viagem de negócios, não? – Vim para visitar minha família. Ela escreveu, depois olhou para mim por sobre o topo do caderno. – Não é jovem demais para viajar desacompanhada? Eu me endireitei na cadeira. Sim, eu tinha dezesseis anos, mas não era tão jovem assim. Eu tinha idade para conciliar as contas do banco, pagar contas, e dirigir pela minha mãe quando ela estava embriagada demais para ficar atrás do volante. Os olhos de Grace se iluminaram de diversão quando eu me mostrei indignada, por isso procurei abafar minha reação antes de falar. – Era para alguém ter ido até o aeroporto me encontrar – disse, apesar de isso não ser a resposta para a pergunta dela.

Glimmerglass

19


– Ninguém apareceu, por isso peguei um táxi. Meu pai devia estar me esperando na alfândega. Grace assentiu e escreveu um pouco mais. – Qual o nome do seu pai? – Seamus Stuart. – Endereço? – Hum... Ashley Lane, 25. – Fiquei feliz por ter perguntado o endereço antes de viajar. Nem sabia que precisaria dele. – Ele estava no estacionamento? Pode pedir para ele vir até aqui se preferir. – Hum, na verdade, nunca o vi, por isso não sei se ele está lá ou não. – Só esperava não estar corando. Não sei por que eu considerava o fato de nunca ter visto meu pai vergonhoso, mas era isso que eu sentia. Ela escreveu mais e, eu me perguntei como ela conseguia escrever tanto. Eu não estava exatamente contando a história da minha vida. E por que a patrulha de fronteira precisava desse tipo de informação? Tive de responder a maioria dessas perguntas ao solicitar o visto. – Vou receber minha bagagem de volta? – perguntei, nervosa demais para ficar quieta só esperando. – Claro, querida – respondeu ela, com mais um daqueles sorrisos falsos. Foi nessa hora que a porta se abriu. O homem que levara minha mala colocou a cabeça para dentro e esperou que Grace o notasse. Ela olhou para ele com uma sobrancelha arqueada. – Foi confirmado – ele disse. Pela primeira vez o sorriso de Grace pareceu genuíno. – O que foi confirmado? – perguntei; o sorriso genuíno, por algum motivo, me enervando mais que o falso. – Ora, querida, a sua identidade. Parece que você é mesmo filha de Seamus Stuart. Meu queixo caiu. – Como confirmaram isso?

20

Glimmerglass


– Permita que eu me apresente adequadamente – ela disse em vez de responder. – Meu nome completo é Grace Stuart. – O sorriso dela se tornou verdadeiramente endiabrado. – Mas pode me chamar tia Grace.

Glimmerglass

21


Glimmerglass