Issuu on Google+

Diário Notícias 15­02­2013

Periodicidade: Diario

Temática:

Sociedade

Classe:

Informação Geral

Dimensão:

720

Âmbito:

Nacional

Imagem:

S/Cor

Tiragem:

56361

Página (s):

14

Um em cada dez trabalha

mas continua a ser pobre Carências Relatório da Cáritas Europa sublinha o agravar da pobreza infantil taxa sempre

alta no País e o problema das pessoas empregadas cujo salário não cobre necessidades básicas peias 20 5 pelo menos nos úl timos oito anos Neste grupo inse rem se os menores cujos pais não

uma taxa de risco de pobreza de 24 4 superior a média europeia 23 4 Depois das transferências

instituição de Sintra Aqui têm

ficiente não podendo cumprir as

um dos membros do casal está de

cês uma das 13 criadas no conce

aquecimento e alimentação Neste documento que analisa a situação social e económica dos cinco países intervencionados por entidades externas Portugal Es

para os 18 o que representa mais de 1 9 milhões de pessoas Aqui o País surge em 20 ° sendo apenas ultrapassado por Itália Grécia Lituânia Bulgária Espanha Roménia e Letónia Os números não surpreendem

se média que caiu na pobreza

nosso país surge em 2011 com

duas cantinas sociais da Cercitop

RITA CARVALHO

Aos 42 anos Ana tem um salário

lugar

de 318 euros que não chega para pagar a sua alimentação e a do fi lho de oito anos O marido está de

sempregado e a famíliavê se obri gada a ir buscar almoço e jantar à cantina social da Tapada das Mer lho de Sintra para alimentar a clas Esta empregada de limpeza é

uma das muitas pessoas que têm

emprego mas cujo retomo do tra balho não é suficiente para evitar estar no limiar da pobreza valor que foi reduzido e está hoje nos 421 euros Em Portugal é um em cada dez trabalhadores o que cor responde a uma taxa de 10 3 bastante superior à média euro peia 8 3 segundo o relatório da Cáritas Europa divulgado ontem As crianças surgem também como as mais afetadas pela auste ridade imposta para responder à crise da dívida Um grupo já parti cularmente afetado em Portugal que apresenta sempre taxas mui to elevadas 22 4

do total em

2011 e superiores às médias euro

têm trabalho ou não auferem o su

necessidades básicas de vestuário

panha Irlanda Grécia Itália

o

sociais do Estado esta taxa baixa

Fátima Faustino coordenadora de

chegado muitas famílias da classe média que nunca tinham recorri do à ação social mas como agora

compromissos sozinhas disse ao DN a assistente social sublinhan

do que os filhos sofrem sempre e diretamente as privações

sempregado e o outro ganha pou co o dinheiro não é suficiente pa ra cobrir as despesas básicas da renda gás água ou eletricidade

Desemprego mais elevado

ciadas Algumas mães têm empre go mas não conseguem assumir os

veis bem acima da média da

Outro problemas são as famí lias monoparentais e recém divor

O relatório da Cáritas põe o enfo que também na questão do de semprego em especial entre os jo vens e de longa duração e que nestes cinco países apresenta ní

União Europeia Os últimos nú

meros nacionais apontam para os 923 mil desempregados José Manuel Cordeiro dadireção da Cáritas Portuguesa considera

que este estudo demonstra que as medidas de austeridade como so

lução principal para o combate à

crise estãoaarrastarmuitas famílias

para novas situações de pobreza para as quais há cada vezmenos res posta Neste contexto em vez de es tarem a ser diminuídos os apoios so

ciais devíamos estar a recuperar o estado social afirmou ao DN

A Cáritas considera ainda que as medidas previstas no Programa de Emergência Social lançado pelo Governo para responder à crise não resolvem as necessida des imediatas das famílias


Entrevista presidente Cáritas