Page 1

O Jornalismo na Nova MĂ­dia

1


A Mudança da Ilha de Edição para a Produção em Rede  Definição de um ambiente de notícias digital • Televisão e notícias em vídeo através da transmissão em rede, é o início do processo de transformação da digitalização em escala total, direcionando a Emissora para o ambiente completamente digital. • Um ambiente de notícias digital é aquele no qual cada componente do processo de informação esta em digital na forma computadorizada. Todos os textos, dados, gráficos, áudio e vídeo são digitais. 2


A Mudança da Ilha de Edição para a Produção em Rede  As vantagens de um ambiente de notícias digital • Aumento da eficiência. • Melhoria da produtividade. • Melhoria aprimorada da criatividade. • Melhoria na precisão, cobertura e tempo apropriado. • Total investigação na procura de arquivos digitais ou novas bibliotecas. • Editores tem a habilidade de navegar, editar, processar e armazenar o vídeo com muito mais eficiência. Isto permite poupar tempo, possibilitando que mais atividades sejam direcionadas para outras 3 produções, melhorando a produtividade e produzindo


Por que um ambiente sem fitas é melhor 

A mudança da captação, produção e operação de exibição existentes em fita (videocassete) para operações baseadas em arquivo.

Editar e transferir conteúdo de jornalismo num tempo mais rápido do que no ambiente com videocassete (velocidade de play normal).

Redução do tempo das matérias produzidas estarem prontas para serem exibidas.

Melhoria do acesso ao arquivo de mídia. 4


Por que um ambiente sem fitas é melhor 

A rede de dados é o meio de comunicação que interliga os dispositivos não lineares (computadores), substituindo o movimento de fitas como meio de transporte.

O sistema não linear associado a rede de dados é apropriado para o acesso simultâneo do mesmo conteúdo em vários locais.

Automatizar e gerenciar sistemas sem fitas é mais simples e eficiente, pois todos estes sistemas estão baseados em computadores e estão conectados em rede de dados 5


Por que um ambiente sem fitas é melhor 

Ter a percepção que o pior caminho na fase de transição é adotar cada processo de operação em gravação com fita, para depois transferir o material para uma operação com servidor.

Mudança do fluxograma de trabalho existente, iniciando pelo conteúdo do videocassete para operações baseadas em arquivo.

A vulnerabilidade - dropout, cópias, trafego, arquivo - das edições baseadas em fita (edição linear).

Focar que a decupagem e a edição em baixa resolução, otimizam a performance para o 6 material produzido ( alta resolução)


A Digitalização do Sinal de Vídeo Redefine • • • • •

Um novo sistema de transmissão. Um novo formato de sinal a ser usado no estúdio. Novos servidores de vídeo digital. Nova forma de manipular e transferir material de vídeo. Uma mudança do vídeo descomprimido para o comprimido. • Vídeo em um PC. • Vídeo na WEB.

7


Os Principais Aspectos da Digitalização  Sinal analógico para o sinal digital • Liberdade de criação • Elimina gerações múltiplas. • Mantém a qualidade sobre múltiplas gerações. Quadros de vídeo

Placa de captura

Amostragem dos quadros

11010 Amostragem dos quadros

Digitalização

Amostragem dos quadros

8


Os Principais Aspectos da Digitalização  Gravadores de fita para servidores de vídeo • A compressão corta custos de armazenagem em até 50%. • Múltiplos usuários podem acessar o mesmo material. • A digitalização corta os custos de manutenção em até 80%. Amostragem dos quadros de vídeo digitalizados

Compressão

Vídeo comprimido 11010

Edição Linear

Armazenamento

Edição N/Linear

9


Os Principais Aspectos da Digitalização  Roteamento da redes de dados • O trafego do sinal é predeterminado. • Numa rede de dados há garantia da integridade do sinal. Contribuição

Distribuição

Fibra

Aquisição Remota

Produção em Rede

Produção Local

Transmissão 10


Os Principais Aspectos da Digitalização  Qualidade da imagem • Para a mesma largura de banda, podemos colocar muito mais informação no sinal digital do que no sinal analógico. • Nenhuma degradação da qualidade sobre distancias longas, já que os sistemas digitais são menos sujeitos a distorções dos sinais, desse modo a sua informação é mais precisa e tem uma qualidade melhor.

6 MHz

11


Os Conceitos Básicos da Digitalização  Codificação e decodificação • Em sistemas com entradas e saídas analógicas a qualidade de saída é determinada somente pelos conversores de analógico para digital e de digital para analógico.

O10111 T EST- O F- T HE- A RT

POWER

FAULT

12


Os Conceitos Básicos da Digitalização  Redes de Computadores • Pela conversão dos sinais de vídeo e áudio para dados, temos a facilidade de usar as técnicas de armazenagem, processamento e transmissão que tem sido desenvolvidas para os computadores.

Armazenamento

13


Os Conceitos Básicos da Digitalização  Compressão digital • O propósito de comprimir é reduzir a taxa de bits para que possamos armazenar e transmitir esses dados em função da largura de banda e do meio físico escolhido, objetivando a melhor performance custo/qualidade. Codifica Comprime A V A V AV A V

Edita

Reproduz Transmite

A V A V AV A V

14


Os Conceitos Básicos da Digitalização  Compressão digital • A qualidade da imagem geralmente diminui com a maior quantidade de compressão (adição artefatos).

15


Os Conceitos Básicos da Digitalização  Compressão digital • O sistema de compressão MPEG-2 tornou-se um padrão mundial, porque permite flexibilidade no tipo de compressão para todos os níveis .

Terrestrial DTV

DSS MPEG-2

4:2:2 DVD

Home

MPEG-2

4:2:2 Digital CableMPEG-2 4:2:2

16


Os Conceitos Básicos da Digitalização  Compressão digital • Nas seqüências de vídeo com grande velocidade de ação, é particularmente necessário um esquema de compressão como o MPEG-2 para se evitar artefatos (blockiness).

17


A Convergência de Redes e Broadcasting  Conceito de arquitetura • A implementação de redes, permitem a flexibilidade de expansão e a facilidade de somar novas tecnologias conforme as necessidades evoluam.

Edição

Corte/Exibição

Geração/Recepção

Armazenamento

Arquivo Central

Redação

18


A Convergência de Redes e Broadcasting  Servidores de vídeo digital • Servidores de vídeo armazenam as informações de áudio e vídeo em discos de computadores de alta capacidade.

Servidor Estação de Edição

Rede de Alta Velocidade

Local Storage

Local Storage

19


A Convergência de Redes e Broadcasting  Servidores de vídeo digital • O conceito é similar a uma rede interna LAN (AVID, Intranet), usadas para interligar computadores. • Permite um caminho de migração para todas as instalações digitais que não são limitadas pelo formato.

20


A Convergência de Redes e Broadcasting  Armazenagem de dados de vídeo/áudio ligada em rede • Implementa uma nova tecnologia de compartilhamento de arquivos e armazenagem de dados em redes, cuja principal característica é a flexibilidade, escalabilidade e a sua alta confiabilidade. Dispositivo

Sistema Arquivos

Ethernet 21


A Convergência de Redes e Broadcasting  Fluxo de gerenciamento de dados na rede Clientes

cita ção

de A ces so

Dad

Storage

Soli

Dados

Eth switch

os Dados Vídeo

G

ere

ia nc

Dados Vídeo

Dispositivos de Armazenamento

m

to n e

Servidor

Capacidade Capacidade validada validada

22


A Convergência de Redes e Broadcasting  Fluxo de dados de vídeo na rede

Armazenamento Compartilhado / Espelhado para Disco

Edi ção Alta Resolu ção

Ethernet

Duplica ção para Fita Dispositivo NAS

Cedoc 23


O Modelo de Distribuição do Vídeo Digital  A integração de todos os processos • A utilização dos mesmos padrões dos sistemas de compressão, de redes e protocolos de transferência, possibilitam a integração dos formatos de dados (vídeo e áudio digitais) para distribuição. • A contribuição de vídeo deve ser fornecido por rede (gravação e edição de mídia). m

In

ge

st

Ed

ão

m r A

a

n e z

e g a

vo i u q Ar

i D

ri t s

i u b

o ã ç

t u o y a l P

24


O Modelo de Distribuição do Vídeo Digital  A integração de todos os processos • A produção deve ser baseada em servidores de vídeo digitais em todas as instalações. • A rede de mídia deve possuir servidores de vídeo digitais distribuídos (transmissão). • O arquivamento de vídeo e áudio digitais é realizado em fitas de dados (online/nearline). Ingest Armazenamento Armazenamento

Ingest Ingest

Edição Edição Edição

Playout

Playout Playout

Arquivo Arquivo 25


O Modelo de Distribuição do Vídeo Digital  A integração de todos os processos • A interconexão com a redes de dados faz do servidor de vídeo um componente essencial no sistema de distribuição, em vez de um sistema isolado. • A infra-estrutura de vídeo e áudio é um sistema híbrido:  SDI vídeo e AES/EBU áudio.  SDTI vídeo (comprimido).  Transferência de dados via redes de alta velocidade. Aquisição

Produção/Distribuição Servidor

LAN

Servidor

26


O Modelo de Distribuição do Vídeo Digital  A integração de todos os processos • As instalações das emissoras são desenvolvidas numa única planta edificada para geograficamente distribuir as operações. As redes de dados que podem operar localmente com uma taxa e formato definido simplificam a distribuição das operações, sendo que com a utilização dos mesmos protocolos o custo de operação diminui.

27


O Modelo de Distribuição do Vídeo Digital  A integração de todos os processos • A utilização de protocolos padrão em equipamentos de rede não proprietários, permite termos um melhor suporte dos dispositivos de estúdio e de rede, diminuindo os custos de mantenabilidade do sistema. • A utilização de um protocolo de arquivo padrão para toda a rede de dados, permite a transferência de materiais dentro da mesma instalação ou entre emissoras durante a operação normal, sendo que o FTP oferece diversas vantagens: ele esta disponível na quase totalidade do sistema operacional utilizado atualmente. Servidor on line Dados Dados

28


O Modelo de Distribuição do Vídeo Digital  A integração de todos os processos • Os materiais de vídeo também são transferidos em SDI. Este processo transfere o conteúdo no domínio digital, mas o ciclo de compressão-descompressão reduz a qualidade de imagem, mas a confiabilidade da estrutura é muito alta em redes internas. Em redes WAN ocorrem freqüentes erros de transferência que podem ser difíceis de detectar e podem ser imperceptíveis. Gigabit Gigabit

Ethernet

Ethernet SDI

SDI

Ingest

Arquivo

CM

29

SW

Edição


O Cenário de Compartilhamento da Mídia  Edição Não Linear • Melhora a eficiência do fluxo de operação. • Operação de edição mais rápida. • Operação a um custo mais baixo.

11010

  

Captura Edita Reproduz

30


O Cenário de Compartilhamento da Mídia  Edição Não Linear • Uma vez que o material tenha sido digitalizado e armazenado, o tempo de acesso e reprodução é instantâneo. • Permitem que o material armazenado seja utilizado simultaneamente por múltiplos usuários.

31


O Cenário de Compartilhamento da Mídia  Fluxo de produção atual do Jornalismo (edição linear) Ingest Ingest

Edição Edição

• Gravações manuais. • Classificação manual. • Entrega de fita manual. • Falta de integração dos equipamentos.

• Edição Lenta (VTs dubbing). • Dificuldades de encontrar mídia do arquivo. • Entrega de fita manual

CEDOC CEDOC

• Distribuição em vários formatos. • Atrasos no arquivamento. • Lento para pesquisar e para encontrar.

Redação Redação

Redação Redação Pouca funcionalidade entre todos os sistemas

Playout Playout 32


O Cenário de Compartilhamento da Mídia  Fluxo de produção do Jornalismo em rede (edição não linear) Gigabit Ethernet

Redação Gigabit Ethernet SDI

Gigabit Ethernet SDI

Ingest

SW

Arquivo

CM

Edição

33


O Cenário de Compartilhamento da Mídia  Fluxo de produção do Jornalismo em rede (edição não linear) • Material sempre disponível para editar. • Nenhuma cópia, nenhuma espera. • Imediata transferência de arquivos numa velocidade maior que o tempo real para o armazenamento central. • Multicanal automatizado para ingest de material. ------------------------------

Aquisi ção

Edi ção

Servidor

------------------------------

------------------------------

VTR Reda ção

------------------------------

Arquivo

------------------------------

34


O Cenário de Compartilhamento da Mídia  Fluxo de produção do Jornalismo em rede (edição não linear) • Migração para o armazenamento compartilhado. • Simultâneas edições sem perda de qualidade. • Direcionamento para um sistema de arquivos que tem facilidade de pesquisa, para encontrar o clip desejado. • Browsing na redação com distribuição por IP para sites remotos. • Playout totalmente integrado para edição e arquivo. Ingest

Arquivo

Edição

Playout

Servidor Arquivo

Browsing

LAN LAN

35


O Jornalismo na Era Digital


Sistema de Edição Digital - Ferramentas 

Multicanais automatizados e gravação de vídeos programada.

Captação em disco óptico

Plataformas de edição •

Alta resolução (edição e pós-produção)

Baixa resolução (edição no desktop da redação)

Servidor de browse (verificação de matérias armazenadas e arquivadas).

Servidor de exibição de matérias produzidas

Arquivo digital com catalogação das principais características da matéria

37


Fluxograma de Trabalho Captação

Produção LRA

LRC

Desktop Redação

Baixa Reso. Streaming

se ow i ng Br am re St

Servidor Captura

Ilha Pós Produção

EDL

Editor Chefe Browse

Reprodução HRB

HRE

HRD

HRF

Al t Tr a Re an so sfe . r

Decupagem

HRE

Servidor Exibição

Servidor Principal HRB

HRB LRB

Sala do Trafego

HRF

LRF

HRB

LRB

LRC

LR A

HR1ALR1A

EDL Servidor Consolidação

HRC

HRC

LRC

HRD

LRD

HR1A

LR1A

Arquivo

nndias dias

LRC

Rede Rede

Distribuição

HR – vídeo/áudio alta resolução LR - vídeo/áudio baixa

38


Formato MXF (material de baixa resolução) A V A V A V A V XDCAM

A V A V A V A V 01101101110

Trilhas

Output • Formato intercambiável • Independente de rede e codec de compressão • Independente de sistema operacional

Server Timecode Vídeo Áudio Story board 39


Ciclo de produção baseado no formato MXF

Produção

40

Distribuição


41


42


Futuro fluxograma de geração de matérias na externa

Fibra Ótica

43


Futura transferĂŞncia de conteĂşdo na rede Rede IP - Copel

TV Coroados TV Paranaense

TV Cultura44 TV Esplanada

TV Cataratas


Futuro fluxograma de geração das afiliadas LR - Baixa resolução HR - Alta resolução EDL – Lista Decisão Edição Arquivo HR Arquivo LR

FTP

Rede IP

Arquivo EDL TV Coroados

TV Paranaense

Streaming vídeo/áudio

Rede IP

packets packets packets packets packets Pacotes

45


Arquitetura do Sistema Sony

46


“O Futuro é Hoje” 47


Paulo Silveira Engenheiro Eletroeletr么nico mailto:pauloc_silveira@ig.com.br http://br.linkedin.com/in/paulosilveiracv http://paulocesilveira.wordpress.com

48

Projeto Parceria do Conhecimento - Digitalização Jornalismo  

Para que o Jornalismo assimilasse a tecnologia de Digitalização e Edição em Sistema Não Linear, fui responsável pelo planejamento e realizaç...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you