Page 1

Etiqueta em minha causa esta crudando um nome que não é meu de batismo ou de cartória um nome estranho... meu bruzão trais lembrente de bebida que já mais puis na boca nessa vida em minha camiseta a marca de cigarro que não fumo e até hoje não fumei minha meias fala de produto que nunca esperimentei mais são comunicado ao meu peis meu tenis é proclama colorido de alguma coisa não provada por este provador de longa idade meu lenso, meu relógio,meu chaveiro, minha gravada e cinto e escova e pente meu copo ,e minha xícara , minha toalha de banho e sabonente, meu isso, e meu aquilo, deste a cabeça ao bico do sapato, são mensagem, letra falantes, gritos visuais, ordem de uso ,abuso,e reincidencias, costume,hábito,permência indispensabilidade e fazem de mim homem- anúncio itinerante escravo da materia anúciada. Estou, na moda.é durto andar na moda, ainda que a moda seja de negar a minha identidade trocarla por mil açombarcando todas as marcas registradas, todos os loucos tipos do mercados. Com que inocência demindo me dincer eu que antes era e mem sabia,tam diversos


de outros ,tão mim mesmo ser pensante sentinte e solitátio com outros e consciente de sua humana invensível condição. A gora sou anúncio ora vulgar bizarro em linguanacional ou qualquer lingua (qualquer principamente) e nisto me comparo tiro glorio de minha anulação não sou vê-la anúncio contrado. Eu é que mi mosamente pago para vender,para anunciar e vender em praia,festa,piscina ,bares,pérgulas e bem á vista exito essa etiqueta globol no corpo que ede existem de ser feste e sadalha de uma exencia tão viva idepedenteque moda ou suborno algum a cropomente onde terei jogado fora meu gosto e capacidade de escolher minha indiossiocrancias tão pessoais tão minhas que no rosto se espelhava que cada gesto, e cada olhar cada vinco da roupa sou cravado de forma universal saio da estaparia não de casa da vitrine me tirão e recolocam, objento mais objento mais que que se oference comosigno dos outros objetos estaticos tarifados por miosentar assim tão orgulhoso disser não eu mais artigo industrial pesso que meu nome retifique já nã me convenio o titulo de homem meu nome novo é coisa


eu sou a coisa, coisa mente (carlos drumo de andrade)

poesia  

poesia de carlos drumo de andrade sobre a maneira das pessoas se coportarei com uma propagada abulante fazendo propaganda das cabeças aos p...

Advertisement