Page 1

cctv ecstasy by the webcam operators


Contents cctv ecstasy/ the webcam operators 5 Live actions in WebCamNow 7 rehearsals

11

scripts cctv X live

21 27

placing the practice within the context of writings in the field of art-based research with references to auto-ethnography, webcamming and mediatized digital performance 63 n達o compreendiam muito bem o que tinha ocorrido

70


*for this event, the webcam operators were: paula roush as cctvecstasy; in london and derby: marie josiane agossou as marie_pix at the london south bank university, lina jungerg책rd as opaean at the area 10, aaron de montesse as de montesse at home, and deej fabyc as deedee4000, at the elastic gallery; and in malmo: lara morais as byme and maria lusitano as alfazema, at the malmo academy of art, and anne marte overaa as anne marte, in her home. susana mendes silva was to perform as one of the webcam operators but last minute technical problems prevented her from participating.


cctv ecstasy by the webcam operators*

a networked performance for eight webcam channels. performed live at the quad in derby and online at webcamnow.com

a commission for agm09: under_ctrl. january 15th - 25th, 2009, at quad (art centre and cinema), derby, uk. part of the radiator biennial festival and symposium, nottingham.


Live actions in WebCamNow * is an extract from the essay by paula roush published in “From webcamming to social life-logging: intimate performance in the surveillantsousveillant space. Conspiracy dwellings: surveillance in contemporary art. Edited by Pam Skelton and Outi Remes. Cambridge Scholars Publishing. 2010.


Live actions in WebCamNow *

After rehearsing for two weeks, “cctvecstasy� was organised around a loose script that developed from our daily encounters with the WebCamNow community. A variety of hetero and LGBTQ (lesbian, gay, bisexual, transgender and queer) people operate their webcams, playing with multiple strategies: from the staged authenticity of those that set up the webcam in their rooms, placing their life under scrutiny, to others that masquerade into hyperstaged versions of femininity/masculinity and fetish, performing to a particular group of devotees. We used the webcamming and textual chat tools freely available to us to work synchronously across separate rooms and communicate with other videochat rooms. We attempted to develop a textual, audio and visual language that responded to the context and arose from the issues affecting us.


The scenes developed into eight interventions in eight different channels and highlight the willingness of the Webcam Operators to engage with what we felt were the spectatorial conditions inherent in that webcam portal. For the performance proper, seven Webcam Operators were webcamming live in real time (four in London, three in Malmo), whilst myself- the eight Operator-performed live at the QUAD in Derby, in front of a live audience that was also captured in a live feed and streamed into a channel. The audience sat behind me, and could see my face projected onto the screen every time I zapped into my channel. Throughout the 20-minute performance, the Webcam Operators played with concepts of self-representation and spectatorial power by controlling forms of visibility and destabilising fixed viewers’ positions.

Sometimes they used irony to resist the promise of photographic authenticity associated with webcams. In the marie_pix channel, Marie Josianne Agossou alternated between micro-scenes of digital labour and leisure: close-ups of her hands took turns knitting and text-chatting with the audience that populated the chatroom. In her channel, ByMe, Lara Morais covered her face behind a 1:1 scale self-portrait from where she deleted her mouth, swapping this for other drawings as the performance developed. In the Ope


aen channel, Lina Jungergård was masked and wearing an orange overall moved in and out of visibility, brandishing a long spade. The weapon went on threatening an invisible victim… or the viewer. In deedee4000 channel, Deej Fabyc set up a still life with two mannequins in an old fashioned bedroom, one standing up, wearing only a jacket and a hat, her back to the cam, the other laying naked in bed, her body only half visible. Nothing else happened in the visual field but female shouts interrupted the scene.

Other actions supported the Webcam Operators’ play with the camera and control over the spectator’s gaze through an empowered sight. In Alfazema channel (Maria Lusitano), an extreme close-up of fingers caressed the calix of a pomegranate; as time unfolded, the pomegranate was opened and the seeds spread into Alfazema’s eyes. Anne Marte’s channel (Anne Marte Overaa) presented a wide-angle view of her living room where she was absorbed in daily routine of house cleaning and removing festive decorations from a large Christmas tree. Eventually she dragged the tree across the room and threw it out of the window (to applause of the audience that had been gathered around her channel). In deMontesse’s channel, Aaron de Montesse performed an act of transsexual dragging for the audience in real time.


rehearsals


scripts .


draft handmade script


working digital script


cctv X live

paula roush with the webcam operators, live synchronous performance at the webcamnow.com and the quad, derby. agm09: under_ctrl and the radiator festival, nottingham.


I coudn find you I ve been searching you Can you touch the screen please Show me your fingerprints High speed connection Slow upload delay stream Deferral Are you waiting Can you wait Come and see me Im waiting Delay is frustration Are you getting what you want


Perfect image perfect satisfaction Fulfilling your desire NeAarliiy pPerfFeect iMmage SlipPPpage of Ddesire Rrepetition… deferral Shared space…intimacy Proximity Disavowal of distance Self production You are a spectacle Micro celebrity Diy aesthetic Cam girls


in the marie_pix channel, marie josianne agossou alternated between micro-scenes of digital labour and leisure: close-ups of her hands took turns knitting and text-chatting with the audience that populated the chatroom.


in her channel, byme, lara morais covered her face behind a 1:1 scale self-portrait from where she deleted her mouth, swapping this for other drawings as the performance developed.


In Alfazema channel (Maria Lusitano), an extreme close-up of fingers caressed the calix of a pomegranate; as time unfolded, the pomegranate was opened and the seeds spread into Alfazema’s eyes


.....................

Welcome to alfazema chat room

HI LIKE C2C ADD ME ON YAHOO BINS1210@YAHOO.COM - binsbins: HIII

- smlrdnmz59: WANNA C2C WITH ME?

- smlrdnmz59: LIKE C2C ADD ME ON YAHOO BINS1210@YAHOO.COM - binsbins: hi

- andymw: Hello babe

- yourcupid: wow

- yourcupid: what an angel

- yourcupid: you view cams?


- yourcupid: hi

- skippingrocks: hi

- g1963: looks like its cold there - g1963: Ignore

.....................

Welcome to De_Montesse chat room

hope u dont mind me watching

- deforested: ca see you watcha doin sexy? - jaimzfl: on cam here - deforested:


The cam you were watching has closed

.....................

Welcome to De_Montesse chat room

The cam you were watching has closed

.....................


Welcome to De_Montesse chat room

jaimzfl: i lik eit

so r u a drag king?

- jaimzfl: good stuff De montesse - marie_pix: lov e - cctvecstasy

need a mirror

- De_Montesse:

left right is not working - De_Montesse:


In deMontesse’s channel, Aaron de Montesse performed an act of transsexual dragging for the audience in real time.


In deedee4000 channel, Deej Fabyc set up a still life with two mannequins in an old fashioned bedroom, one standing up, wearing only a jacket and a hat, her back to the cam, the other laying naked in bed, her body only half visible. Nothing else happened in the visual field but female shouts interrupted the scene.


.....................Welcome to AnneMarte chat room

- da_vid: hello anne marte it’s

- alfazema: High speed connectionSlow upload delay stream - cctvecstasy: hmmm charlie brown’s xmas tree........

- nosy2: hi anne - justt48: hi da

- cctvecstasy: how r u????????

- justt48: how r u???????

- justt48: hi cc

- da_vid:pull the dress up in back

- yardman1: hi

- cctvecstasy: wow nice house


- livewire08: or is it apartment - GT1965: hola anna

- SPEEBOY_DJ: where is she that it’s

dark outside?

- johnthegoon: western europe

- da_vid: rgr

- johnthegoon: i think - da_vid: anne hola

- SPEEBOY_DJ: were did she go - livewire08: off screen

- da_vid: take the tree out

-- da_vid:it’s a performance

.....................

Welcome to AnneMarte chat room


Anne Marte’s channel (Anne Marte Overaa) presented a wide-angle view of her living room where she was absorbed in daily routine of house cleaning and removing festive decorations from a large Christmas tree. Eventually she dragged the tree across the room and threw it out of the window (to applause of the audience that had been gathered around her channel).


In the Opeaen channel, Lina Jungergürd was masked and wearing an orange overall moved in and out of visibility, brandishing a long spade. The weapon went on threatening an invisible victim‌ or the viewer


placing the practice within the context of writings in the field of art-based research with references to auto-ethnography, webcamming and mediatized digital performance


performance theories and their relationship to digital performance

-focus: live streaming webcast performances & performance collaborations online. ‘digital performance’

0. mainstream/ subculture

I address the fact that many of the camgirls I studied in 2001 have since stopped

webcamming, although they still tend to maintain their LiveJournals. I argue that the growing presence of both surveillance hardware and “social software” in our

everyday lives has made network politics the stuff of the mainstream, rather than the subcultural fringe. [Terri Senft]


1. The grab: grabbing> camgirls and web spectatorship>

def camgirls:

women who use webcams and online journals for autobiographical purposes. [Terri Senft]

Web spectatorship

It is common to hear camgirls discussed as “mediated voyeurism,� a term that

depends on cinematic gaze theory as its reference point...Yet I believe that rather than gazing, Web viewers to take in what they see in bits and pieces, out of se-

quence, re-making it according to their own desires, often recirculating it as their own


Yet I believe that rather than gazing, Web viewers to take in what they see in bits and pieces, out of sequence, re-making it according to their own desires, often recirculating it as their own.

I suggest that rather than the cinematic gaze or even the televisual glance, the term ““grab”” (with all of its connections to temporality, embodiment, power and politics) more accurately describes the dynamics of Web spectatorship.

Continuing in a psychoanalytic vein, ““grabbing”” represents not voyeurism, but

rather commodity fetishism and its attendant belief that what matters is what can

be owned, if even for a moment. I believe camgirls are interesting not because they seamlessly enable commodity fetishism, but because of their inevitable failure to please all consumers/viewers, all the time. [Terri Senft]


não compreendiam muito bem o que tinha ocorrido. em janeiro de 2009 participei numa performance online. funcionava a mesma do

seguinte modo: utilizava-se uma plataforma online de webchating, e um grupo de vários artistas, escolhidos através de uma rede de amizades à volta do elemento impulsionador do projecto, organizava cada um um“quadro performativo” que viria a ser “zappado para uma audiencia live, pela acção supra performativa do elemento impulsionador do projecto.

durante vários dias os elementos participantes nesta performance, juntavam-se

á volta dos seus portáteis e das suas web cams, e através da comunicação sempre centralizada no elemento impulsionador, desenvolviam em colaboração com o mesmo, a sua performance, em ensaios que oscilavam entre a investigaçao do

modo de funcionamento do suporte online (webcamnow) e o desenvolvimento criativo duma cena performatica.


interface utilizado: webchatnow, é um interface de comunicacao online atravës

de webcam, chat e voice. sendo um dos primeiros existentes, tendo sido iniciado em 1998. está organizado do seguinte modo: o ecran encontra-se dividido

verticalmente em duas metades: na metade direita decorre o chat entre os utilizadores da webcam, e na metade esquerda, dividida em duas secções

horizontalmente, encontram-se embaixo os icones dos utilizadores/camaras

naquele momento online. quando uma camara é seleccionada, a imagem da mesma aparece numa janela 4x maior, no quanto superior esquerdo, ao mesmo tempo que no lado direito do chat, se transita para o espaço “privado” de chat dessa mesma camara/utilizador.

o utilizador, necessita de se inscrever no site, para participar. no entanto, pode

optar ou nao por ter a camara ligada, assim como por ter o audio ligado ou nao. um dispositivo conta também o numero de utilizadores, que naquele momento

vêm a nossa própria camara. atraves de um grafico de barras, que acompanha cada icone de utilizador conectado nesse momento ao site, podemos tambem verificar a popularidade dos diversos utilizadores, contabilizada em termos do numero de

outros utilizadores, observando a nossa camara, ou participando no nosso espaco “privado” virtual de chat.


no início do projecto, passámos algum tempo a investigar o site webcamnow: assim, depressa se tornou evidente o teor do tipo de comunicação que

predominava no site. e esse teor era de conteúdo sexual. para além de ser de conteúdo sexual, a nível de numero de utilzadores, era predominantemente

masculino. poder-se-ia dizer que haviam 3 padrões de tipos de utilizadores (e respectiva imagem): a mais comum de todas (cerca de 60-70 % das camaras)

era a imagem dum pénis sendo masturbado . como segundo padrão tinhamos o

grupo que correspondia ao de pessoas, sentadas na sua secretária, frente ao seu ecran de computador, normalmente tendo como pano de fundo o escritorio ou

quarto. finalmente, havia um grupo mais heterogéneo, onde ocorriam uma espécie de “performances” improvisadas ou não, para a camara, e em muitas destas encontravamos mulheres nuas, “actuando” para a camara.

Por exemplo: a mulher jovem, que passeia nua, com um vibrador, sorrindo inequívoca e sedutoramente para os seus admiradores etc....


Poder-se-ia dizer assim, que existiam no webcam, dois tipos de abordagens:

tanto a abordagem exibicionista e bastante genderizada (as raparigas dando espectáculo, os rapazes exibindo o seu pénis sendo masturbado), como a

prespectiva não exibicionista. Esta podia ser vigilante, ou neutral. De qualquer modo, as prespectivas intercruzavam-se. O mesmo utilizador podia ser um dia exibicionista e outro dia neutro, vigilante.

Quanto ás prespectivas exibicionistas: tanto tinhamos a do homem que passiva e mecanicamente se masturbava frente a um filme porno, na sua monotonia repetitiva, como a de utilizadores que esses sim, faziam espectaculo para a

camara. Esses, como as referidas webcamgirls hiperfabricadas, de outro tipo de sites semelhantes a este, reproduziam uma nova “persona”.

Quanto ao segundo padrão referido, para mim foi o que mais me chamou a atenção no início do projecto, Neste, pura e simplesmente se viam pessoas

olhando para o ecran,(ou seja não comunicando com ninguem) ou assim o dando


a entender, uma vez que o tipo de olhar nao era expressivo. era sim, o olhar de

atenção de farejamento ou investigação, típico de alguém que surfa num brouser,

onde imagens de video, som e texto, se cruzam a toda a hora, dispersando o nosso olhar.

ASSIM, EVIDENCIAVA-SE neste padrão de WEBCAMNOW, ao contrário da imagem video da televisão, ou até de outro tipo de sites de webcam girls hiperfabricados e performativos, uma imagem em fotocópia da normalidade quotidiana na qual todos nos inscreviamos. A imagem de alguém tão semelhante a todos nós, que

olhava para um écran. Por detrás dessa face nua e desse olhar, um quarto. Banal.

O espectaculo, se é que espectaculo era, era cru, monótono, e completamente real. despudorado. O que subvertia essa relação, e daí o contrastar com a televisão, é que a banalidade do quotidiano, virava, só por si mesma “espectáculo”,

relembrando programas de reality show. No entanto, neste padrão de webcamnow, não havia edição dos momentos mais hot, não havia “nada”. Só realidade banal.


Assim, e sobretudo com este segundo padrão, tinha-se a sensação de invasão

de espaco privado, que parecia tomar lugar. se bem que o acto fosse voluntario,

pois as pessoas voluntariamente ligavam ou desligavam as camaras, o podermos observar o quarto de outras pessoas, que olhando para o ecran, se esqueciam do mesmo , e se despojavam por períodos de “máscaras”, era perturbador.

o conceito do espaço privado e de espaco de intimidade, era aqui posto em causa. redefinido. mas aqui, novamente uma segunda questão teria que ser reflectida:

a de que a internet como espaço de construcção cultural, tem 20 anos, nem isso.

assim, supor-se-ia que existia toda uma geração com menos de vinte anos que foi e

está a ser construída em termos de conceitos de privacidade/intimidade, tendo em conta outro tipo de padroes que a internet tinha e tem vindo a redefinir. havia toda uma geração de miudos, que partilhavam os quartos e os corpos, de uma forma completamente diferente de uma geracao que sendo mais velha, ainda é bem

nova. Que poderia apanhar essa “camioneta” de reconstrução identitária ou não. Misturando-a com os seus próprios padrões anteriores. Onde o segredo era bem mais salvaguardado.


A famosa e velha historia do segredo, na sua construcção e reenforçamento de tabus, estaria assim a ser posta em causa? Ou novos segredos surgiriam?

E de que modo estaríamos nós a usar estes novos utensílios? Havia toda uma

panóplia de gente que os utilizava, agora, das mais diversas gerações. Todo um

tecido de tipos de relacionamento se envolvia com os social media: havia gerações mais autoritárias e mais rigidamente codificadas nos seus relacionamentos

emotivos que usavam e aproveitavam os social media, e havia gerações super novas, que nem vinte anos tinham, e que educadas num modelo bem mais

democrático e por isso mesmo eram mais hábeis na utilização de instrumentos

de diálogo com o outro, e assim, construíam os seus padrões de relacionamentos, fluidamente entrando e saindo dos social media, usando as webcams, os moveis e a net, como uma segunda pele, bem coladinha ao seu próprio corpo.

Saltando fora do webcamnow, relembro a historia de um dos últimos filmes de Nanni Moretti, curiosamente chamado NO QUARTO DO FILHO. Nesse terno e


trágico filme, um jovem de 15 anos, desenvolvia uma intimidade profunda e um namoro online, com uma amiga de outro país. Na intimidade partilhada de dois quartos, á distância de centenas de kms, trocavam emails, vídeos e fotografias. No entanto, uma promessa e um desejo de encontro real e planeado, era impossibilitado, pela morte prematura do mesmo.

Mas uma coisa era a utilização das webcam stream na sua construção mais

privada, mais até, próxima da realidade, como alguns social media são, organizados à volta de amigos ou colegas de escola. Outra, era esse espaco comunitário,

webcamnow. Espaco esse, onde o cruzamento de códigos de conduta social, com códigos de conduta privada, com códigos de conduta performática (uma

vez que vários estratagemas eram utilizados para nos atrair à performance tais

como a qtdd de gente que via a nossa janela), obrigava a que se confundissem as águas e se originassem fissuras e rompimentos com as normas vigentes. Novas subjectividades surgiam.


Tendo o conceito de webcam como espaços comunitários, sido inventado nos

finais dos anos 90, por sua vez, os mesmos apresentavam fases diferentes durante a sua curta história de 10 anos. Agora, com as suas potencialidades de expressão

sexual (o caso do webcamnow) através de audio, video e chat, estes permitem uma plataforma de comunicação tão complexa e proxima da realidade corporal que

nada tinha que ver com o aproveitamento pornográfico e por sua vez protegido, de carácter unívoco, que tinham no início da sua invenção. Era algo de diferente.

Se inicialmente o cenário de disembodiment estava super presente, o cenário comunicativo que agora predominava, quebrava a concepção binária. Uma

fluida comunicação online e offline é estabelecida. Quem quiser, pode expor-se

“totalmente”: a sua imagem, a sua voz, as suas expressões faciais, o seu quarto.

Além do mais, os utilizadores que hoje podiam usar webcamnow, podiam tb usar facebook ou skype.


Seria que sendo tão facil comunicar nos dias de hoje através de webcamstream, social media etc, a webcamnow, tinha uma componente de autoterapia e de possibilidade de reconstrução de potencialidades escondidas, dos que por

algum motivo, não eram/ nao estavam tão hábeis a comunicar de outra forma?

Já uma questão em comum que o espaço comunitário webcamnow tinha com os

simples sites de webcam ( skype) , ou os social media (facebook) era a questão da vigilância, vigilância essa partilhada. Em quaisquer destes meios , uma sensação de vigilância dos passos de alguém/algo, era reinforcada. Mas ao mesmo tempo,

essa sensação, promovia o reenforçamento do interesse por. Não víamos o outro, mas víamos a sua bolinha verde no skype.

Durante o decorrer do nosso projecto artístico, aprecebi-me no entanto, que

algo existia em webcammnow, comum a qualquer plataforma online: e isso era o fenômeno da atenção/desatenção. ciclos de atenção/desatençao. ou seja, por vezes lembravamo-nos que estavamos a ser observados por alguém, mas logo

esqueciamos e ficavamos desatentos, devido não só às caracteristicas do proprio


site, onde uma pessoa podia zapar dum canal para outro, como ás caracteristicas típicas do brouser da internet e até do próprio computador, onde uma pessoa

podia ficar frente ao ecran a trabalhar em diversos programas ao mesmo tempo.

ou seja: uma pessoa podia estar no webcamnow, e ao mesmo tempo podia estar a ver um filme no youtube, ou a trabalhar uma imagem em photoshop.

logo no início, e eu propria vítima desses ciclos de atenção/desatenção, dei por mim, a tratar a imagem do meu interlocutor, o elemento impulsionador, como

imagem, esquecendo-me, devido ao artefacto do webvideo, que aquela imagem correspondia a alguém que por sua vez me vigiava.

assim, pus-me a fazer áquela imagem, “fotografias” que enviava ao mesmo.

á posteriori compreendo agora que algum tipo de atracção subconsciente se

havia começado nesse momento a desenhar. não habituada ao medium, tomava


o medium por um ecran de televisão, ou um video youtube, onde o que eu via era a imagem duma face, despojada da sua fisicalidade corporal, e despojada da sua correspondencia a alguem real, que naquele momento comunicava comigo.

devido aos ciclos de atenção desatenção, uma máscara de controlo social caía por terra. despreocupadamente, naquele momento, tirava fotografias aquele rosto,

como se o acariciasse, seduzida pelo mesmo, tratando-o como se este fosse só um video banal, e não a imagem de alguém, que do outro lado me poderia, consoante estivesse atento ou desatento, a olhar-me.

quanto ao nosso grupo, foi no momento em que se inciaram os ensaios da

performance, que o foco de atenção se desviou das outras câmaras, para o nosso grupo de artistas, utilizando a plataforma.


influenciados pelo conteúdo do site, muitos de nós acabaram por desenvolver situações performativas á volta do tema da sexualidade, tão presente na plataforma webcamnow, funcionando o tema como uma espécie de site especificidade. A ideia era CONSTRUIr, DESCONSTRUIr, BRINCar.

O elemento impulsionador do projecto, utilizava por suas vez estratégias de

engagement tentando assim evitar os problemas decorrentes da distância física,

utilizando hábilmente os social media skype e facebook, para nos cativar, enviando fotografias dos ensaios ou filmes.

Influenciado pelo teatro do oprimido, o elemento impulsionador funcionava como

“joker”, e através de meios estéticos todos nós metiamos mãos à obra á tentativa de expandir a capacidade de compreensão deste mundo (webcamnow) e de nós mesmos.

explicando a minha propria actuação neste projecto, e o impacto que a mesma teve em mim o que se passa foi o seguinte:


devido por um lado ao ambiente próprio da performance, na sua fisicalidade nada física, devido á minha absoluta inexperiencia com webcam, devido a descobertas intelectuais recentes que reposicionavam a minha construcção de género, e

sobretudo devido ao clima afectivo (próprio de performance, e por a mesma ter

sido construida através duma rede de amigos) que acabou por se construir, muito orientado pelo elemento impulsionador no seu papel de joker, um click se fez em mim.

de repente, percebi que havia possibilidades de construcção identitária

alternativas, possibilidades essas tão validas e tão passíveis de desafios e

descobertas fantásticas, como outras quaquer. a webcamnow, intercruzada com outros social media, tinha premitido o ensaio e repetição necessários, que a

permitissem construir como uma possibilidade viável. antes, havia TENDIdo PARA A NORMA, construída por controlo social e reenforçamento da norma através de narrativas visuais, de reenforçamento de gender


No entanto, penso que esta performance online, teve este impacto de descoberta pessoal e este impulsionamento ao envolvimento com o meio (webcamnow)

devido ao tal clima afectivo que se criou. Continuo a achar, que a afectividade é um dos meios mais poderosos de compreensão do mundo, de crescimento pessoal.

Se misturado com outras possibilidades que permitem o rompimento com os padrões mais comuns, ainda melhor é.

As nossas actuações performáticas, vieram por sua vez a ter impacto nos

utilizadores de webcamnow, o que se podia verificar sobretudo no chat. Estes estavam espantados, e não compreendiam muito bem o que tinha ocorrido.


design: pr http://www.msdm.org.uk/index.php?/projects/webcam-operators/

cctv X  

cctv ecstasy by the webcam operatorsa networked performance for eight webcam channels. performed live at the quad inderby and online at webc...