Page 1

Conselho Pedagógico da Escola EB 2/3 Dr. José Pereira Tavares Formanda: Paula Ramos Professora Bibliotecária Novembro/2009


O papel e mais valias da autoavaliação da BE  “As bibliotecas enfrentam, neste novo contexto e

na sua relação com a escola, novos desafios que obrigam à redefinição de práticas e a uma liderança e demonstração de valor que as integrem na estratégia de ensino/aprendizagem da escola e nas práticas de alunos e professores”. In Texto da Sessão, pág. 2 .


O papel e mais valias da autoavaliação da BE Reconhecer as maisvalias da autoavaliação da BE

Articular os programas e projectos em desenvolvimento com as actividades da BE

Compreender a pertinência da avaliação da BE

Desenvolver uma cultura de avaliação

Colaborar com as actividades planificadas pela BE

Objectivos de AutoAvaliação da BE

Articular a avaliação da BE com a avaliação da escola


O papel e mais valias da autoavaliação da BE  “A ligação entre a biblioteca escolar, a escola e o

sucesso educativo é hoje um facto assumido por Organizações e Associações Internacionais que a definem como núcleo de trabalho e aprendizagem ao serviço da escola.”, Katherine Mansfield, in texto da sessão


O papel e mais valias da autoavaliação da BE  Assim, as bibliotecas escolares podem contribuir

positivamente para o ensino e a aprendizagem, podendo-se estabelecer uma relação entre a qualidade do trabalho da e com a BE e os resultados escolares dos alunos.


O papel e mais valias da autoavaliação da BE A existência de um professor bibliotecária e de uma equipa coesa Desenvolvimento de estratégias de cooperação com outras bibliotecas Integração das TIC na BE como suporte às actividades de ensino aprendizagem

Relação directa entre a missão da escola e o trabalho contínuo com professores e alunos, adequando o trabalho da BE aos objectivos educativos e ao sucesso dos alunos


O papel e mais valias da autoavaliação da BE  A auto-avaliação da BE permite que esta se possa

caracterizar;  Ao conhecê-la melhor podemos reflectir e devemos mudar as práticas;  Melhorar as práticas implica traçar planos de melhoria e realizar as mudanças necessárias;  As mudanças feitas obrigam a recolher novas evidências para serem avaliadas;


O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento  O processo de auto-avaliação deve enquadrar-se no

contexto da escola e ter em conta as estruturas com as quais é necessário interagir: 1

2 3

• Director (deve ser líder coadjuvante no processo e aglutinar vontades e acções) • Professores e Alunos • Pais e Outros agentes


O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento O processo de avaliação passa:  pela escolha do domínio a avaliar;  pela recolha de evidências, através dos elementos da comunidade escolar;  pela avaliação e reflexão sobre evidências recolhidas;  pela divulgação dos resultados, “que deve integrar o relatório da escola”;  pela construção de um plano de melhoria que coloque a biblioteca no centro da escola, associada ao sucesso educativo dos alunos


O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento Apoiar o professor bibliotecário e a equipa Colaborar na recolha de evidências

Sugerir mudanças nas práticas, de e para a qualidade educativa

Contribuir para a análise dos resultados


O processo e o necessário envolvimento do Agrupamento O

processo de auto-avaliação deverá ser encarado, pela escola “como uma necessidade própria e não como algo que lhe é imposto desde o exterior”. . Sendo o objectivo da BE o sucesso educativo dos alunos “a auto-avaliação da Biblioteca deve ainda ser incorporada no processo de auto-avaliação da própria escola”.


A relação com o processo de planeamento Escolha fundamentada do domínio a avaliar Feita pelo Professor Bibliotecário e sua equipa

Junto dos órgãos de direcção e de decisão pedagógica;

Implementação dos diferentes níveis de trabalho e de gestão Comunicação dos resultados da avaliação, num relatório de autoavaliação. Gestão dessas evidências ao nível da escola Gestão e interpretação da informação recolhida, que permitirá ajuizar e retirar consequências e linhas de orientação do processo Recolha de evidências


A relação com o processo de planeamento  “

ste

plano

deve

instituir-se

como

um

compromisso da escola, na sua globalidade, já que um melhor desempenho da biblioteca irá beneficiar o trabalho de todos, docentes e alunos”. In Modelo de Auto-Avaliação


A integração dos resultados na auto-avaliação da escola presentação do relatório de autoavaliação e do plano de melhoria para discussão e aprovação em Conselho Pedagógico; laboração de uma síntese para ser integrada no relatório da avaliação interna, a qual irá permitir à inspecção avaliar o impacto da BE no Agrupamento

Power Point para apresentar no Pedagógico  

Conselho Pedagógico da Escola EB 2/3 Dr. José Pereira Tavares Formanda: Paula Ramos Professora Bibliotecária Novembro/2009  “As bibliotecas...