Issuu on Google+


Carta ao leitor

Paraty é uma das cidades mais bonitas do Brasil e do estado do Rio de Janeiro, e esse ano conseguimos por meio do estudo do meio, conhecê-la. Como é possível ver a cidade no passado vivia em torno dos maçons que lá construíram diversas casas e a cidade toda foi planejada por eles, e caminhando na cidade, é possível percebemos a época de seu auge e a sua decadência, quando não conseguiam ter acesso a nenhuma outra cidade, até que foi construído o Caminho do Ouro, e a partir dai a cidade começou a aparecer mais e ai surgiu o aumento dos turista. Além de conhecer Paraty, também fomos para Angra conhecer as usinas nucleares, que atualmente abastecem boa parte do Rio de Janeiro. As usinas nucleares se localizam perto do bairro Ilha das Cobras, e boa parte dos moradores é contra elas pois eles tem medo de que se ocorrer um vazamento ele possa vir a cidade, só que o que eles não sabem é que as usinas tem baixo risco de acidentes. Além de um estudo para nós, essa viagem foi muito mais do que isso, ela marcou o fim do nosso ano, nossa ida para o Ensino Médio, a nossa despedida dos colegas que irão mudar de colégio e principalmente a despedida da nossa sala, que provavelmente nunca mais terá as mesmas pessoas. O ano passou muito rápido, mas de qualquer jeito foi um dos melhores porque a nossa classe é a mais unida de todos, e com certeza não esqueceremos nunca da viagem e muito menos desse ano.

Boa leitura 


Comunidade Caiçara

O Saco do Mamanguá se localiza em Paraty, Rio de Janeiro. O oceano do Mamanguá se da pelos longas trilhas iniciadas em Paraty-Mirim ou Laranjeiras. Esse fato deixa muito cansativo a viagem, e faz com que turistas aluguem uma baleeira(escunas normalmente não fazem esse trajeto devido a distância); ou melhor, lanchas. A população local é pequena e composta por poucas famílias, das quais se encontram na Ilha devido ás gerações anteriores que lá construíram a vida através das atividades pesqueiras (principalmente), apesar de estar apresentando problemas devido á diminuição no número de peixes da região. Assim, para diminuírem sua dependência, começaram a praticar outras atividades, como artesanato, que é muito vendido aos turistas que passam pela região. De qualquer lugar do Mamanguá, podemos avistar os morros cobertos pela Mata Atlântica, em diferentes estágios de desenvolvimento. O Costão Rochoso é uma das principais características da paisagem da ilha, já que nele é possível encontrar diversos reinos, entre eles o animal(como peixes, tartarugas), reino animália (esponjas) e vegetal (algas) entre outros. Com isso, observamos a riqueza da diversidade natural presentes. Podemos concluir, que devido a dificuldade de acesso, o Saco do Mamanguá se mantém, até hoje , como uma região bem preservada bem no meio do litoral mais frequentado do país. Mas a ameaça de degradação é constante, como já havíamos percebido com a atividade pesqueira.


VIDA SIMPLES

Numa tarde ensolarada, no Saco do Mamanguá, do dia 03 de outubro de 2012, Renato Souza Nascimento, de 39 anos, nascido em 24 de fevereiro, conta um pouco sobre sua vida como morador de Paraty. Um flamenguista muito bem humorado e de bem com a vid, também fala sobre as dificuldades passadas pelos moradores.

CSL: No caso dos moradores da cidade ou região, como sobrevivem economicamente? Sua profissão está ligada direta ou indiretamente ao turismo? Renato: Sou barqueiro e artesão. Meu trabalho está relacionado diretamente com o turismo. CSL: Quais as principais dificuldades vividas pela população local? R: Com certeza é a falta de luz e energia a gás. CSL: Já pensou em deixar a cidade para “tentar a sorte” em outro local? Por quê? R: Não, como eu já tenho o meu trabalho aqui, prefiro não arriscar perdê-lo. CSL: O meio ambiente local é preservado? Você observa alguma ação do governo para garantir essa preservação? Exemplifique. R: Sim, o meio ambiente é bem preservado e conseguimos perceber a ajuda do órgão ambiental. CSL: O que você pensa sobre viver tão perto de uma usina nuclear? Cite vantagens e desvantagens. R: Acho um pouco perigoso. A vantagem é que a usina fornece energia, mas se acontecesse algum acidente, não penso que o sistema de evacuação fosse funcionar.


História de Paraty

Bela cidade colonial,considerada Patrimônio Histórico Nacional, preserva até hoje os seus inúmeros encantos naturais e arquitetônicos. Passear pelo Centro Histórico de Paraty é entrar em outra época, onde o caminhar é vagaroso devido às pedras "pés-de-moleque" de suas ruas. As construções de seus casarões e igrejas traduzem um estilo de época e os misteriosos símbolos maçônicos que enfeitam as suas paredes nos levam a imaginar como seria a vida no Brasil de antigamente. A proibição do tráfego de automóveis no Centro contribui para esta viagem pelo "Túnel do tempo". A cidade foi fundada em 1667 em torno Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, sua padroeira. Teve grande importância econômica devido aos engenhos de cana-de-açúcar (chegou a ter mais de 250), sendo considerada sinônimo de boa aguardente. No século XVIII, destacou-se como importante porto por onde se escoava das Minas Gerais, o ouro e as pedras preciosas que embarcavam para Portugal. Porém, constantes investidas de piratas que se re fugiavam em praias como Trindade, fizeram com que a rota do ouro fosse mudada, levando a cidade a um grande isolamento econômico. Após a abertura da Estrada Paraty-Cunha,e principalmente, após a construção da Rodovia Rio-Santos na década de '70, Paraty torna-se pólo de turismo nacional e internacional, devido ao seu bom estado de conservação e graças às suas belezas naturais. Em sua área encontram-se o Parque Nacional da Serra da Bocain a, a Área de Proteção Ambiental do Cairuçú, onde está a Vila da Trindade, a Reserva da Joatinga, e ainda, faz limite com o Parque Estadual Serra do Mar. Ou seja, é Mata Atlântica por todo lado.

http://www.paraty.com.br/historia.asp


Paraty: patrimônio histórico nacional

Paraty hoje em dia é considerada uma cidade patrimônio nacional do nosso país porque ela é muito bem conservada em seus monumentos(casas maçônicas, chão ‘pé de moleque’, igrejas, museus) e sua natureza. Atualmente a cidade vive do turismo das pessoas que vem conhecer um pouco mais da parte histórica do Rio de Janeiro que tanto influenciou o Brasil. No passado, Paraty vivenciou diversas crises que foram geradas pelo saque das mercadorias que vinham até a cidade por piratas, queda no preço do açúcar e a falta de rodovias que facilitassem o transporte de produtos de Paraty até outras cidades. Apesar de tudo isso, décadas mais tarde foi construída a estrada Paraty-Cunha e em 1970 construíram a rodovia Rio-Santos. Depois da construção de ambas as rodovias, Paraty começou a ser mais visitada por turistas de todas as partes do Brasil e do mundo, e graças a essa construção foi possível fazer com que o mundo tivesse mais facilidade de locomoção para conhecer a cidade muito bem conservada e que anos depois seria considerada patrimônio histórico nacional. Um dos principais patrimônios da cidade é a Igreja de Santa Rita que foi construída em 1722 por homens pardos, e foi construída em homenagem ao Menino Jesus, Santa Rita e Santa Quitéria. Em 1952 a a Secretaria do Patrimônio Histórico Nacional tombou o conjunto, e a restauração foi feita no período de 1967 a 1976. Atualmente a igreja funciona como um Museu de Arte Sacra da Cidade de Paraty e é um dos museus mais visitados por turistas.

Foto da Igreja de Santa Rita.


Curta Paraty

O projeto de filosofia consistia na criação de um vídeo no qual deveríamos relacionar diversas matérias (como por exemplo história, geografia, ciências, matemática) com a criação e relação da cidade histórica de Paraty com ou átomos ou transformações ou números. No nosso vídeo, fomos encarregados de fazer a ligação de átomos com Paraty e juntar os conteúdos de cada matéria para assim criarmos uma boa relação entre o tema com a teoria do filósofo Demócrito, que acreditava que os átomos criaram o mundo que conhecemos hoje em dia e que eles estão presentes em todos os lugares; já para história relacionamos os átomos com a segunda guerra mundial e a criação das bombas atômicas que destruíram as cidades de Hiroshima e Nagasaki; com matemática relacionamos o quanto os átomos estão presentes no mundo científico na hora da construção e projeção de uma usina nuclear e das bombas nucleares; e com ciências relacionamos os átomos a energia nuclear, já que eles fazem grande parte da composição da energia nuclear http://www.youtube.com/watch?v=msD2xVXRcAw&feature=youtu.be


Cartão Postal

Em inglês, o trabalho feito foi um cartão postal no qual deveríamos enviar de Paraty para os pais em inglês. A ideia feita pela professora era de aprimorarmos nossa escrita em inglês e ao mesmo tempo fazermos uma coisa diferente, já que atualmente os cartões postais estão esquecidos porque a internet tomou conta. A foto abaixo é de uma da frente dos cartões postais que mandamos de Paraty para São Paulo.

Cartão postal do centro histórico de Paraty


BELEZA Natural

A partir de fotos do Saco do Mamanguá escolhidas pela professora, fizemos um quadro com características do impressionismo. Em todos os quadros deveríamos usar grande quantidade de tinta para fazer relevo na pintura, dar pinceladas rápidas para assim dar esta impressão de ilusionismo e as cores eram primárias, assim para obter um determinado tom que não tinha deveríamos misturar varias cores até chegar nele.

Trabalho de Paula Hampshire e Guilherme Barrucho


‘quem gosta de trabalhar não tem dificuldade’ Em uma tarde ensolarada do dia 2 de outubro de 2012, no bairro Ilha das Cobras em Paraty, o trabalhador Arildo Benedito de Oliveira, de 50 anos, casado e sem filhos, contou sobre sua profissão, como é ser morador do bairro, as dificuldades encontradas, a preservação do lugar e o medo de morar tão perto de uma usina nuclear. Colégio São Luís: No caso dos moradores da cidade ou região, como sobrevivem economicamente? Sua profissão está relacionada direta ou indiretamente ao turismo? Arildo Benedito de Oliveira: Eu acho que a maioria das pessoas trabalha com algo relacionado ao turismo. Eu trabalho como marinheiro e me relaciono diretamente com o turismo particular pois transportamos turistas diariamente. CSL: Quais as principais dificuldades vividas pela população local? ABO: Eu acredito que para nós, pessoas que trabalhamos todos os dias, não há dificuldades, mas para quem não trabalha como nós ou é desempregado, aí sim encontra dificuldades. CSL: Já pensou em deixar a cidade para “tentar a sorte” em outro lugar? Por quê? AOB: Eu tentei e consegui. Recebi oportunidades de trabalhar fora da cidade e aceitei, mas apesar de trabalhar fora da ilha porque aqui as condições de trabalho são ruins e os pagamentos fracos, eu continuo morando aqui. CSL: O meio ambiente local é preservado? Você observa alguma ação do governo para garantir essa preservação? Exemplifique. AOB: Eu acredito que sim. O governo não faz força para a preservação do ambiente, mas para mim, essa preservação tem que ser executada pelos moradores, que por exemplo, não devem jogar lixo no chão. CSL: O que você pensa sobre viver tão perto de uma usina nuclear? Cite vantagens e desvantagens. AOB: Eu penso que é extremamente perigoso. A única vantagem é o fato de melhoramento de energia e maior distribuição, e a desvantagem é que, se ocorrer vazamento, ele pode vazar para a cidade e contaminá-la.


Simetria em Paraty Em Paraty foi observado que existem simetrias em todas as partes, nos casarões maçônicos, nas plantas, no chão “pé de moleque” do centro histórico, nas igrejas e em símbolos espalhados pela cidade. O projeto de matemática era tirar 10 fotos na cidade de Paraty que apresentam simetria e depois colocar legenda identificando que tipo de simetria apresentavam. Para isso deveríamos ou fazer um cartaz que tivesse as 10 fotos e as legendas ou um objeto tri dimensional, como por exemplo um casarão maçônico e colocássemos as fotos no trabalho. Nosso grupo optou por fazer um casarão maçônico que tivessem os símbolos assim como os originais, que tivesse as cores azul e branco que são as cores dos maçônicos e as fotos do lado externo da casa.

Trabalho de simetria do grupo


polêmica nuclear A produção brasileira é dividida em questão nuclear, isto é, uma parte é contra e outra a favor. Indubitavelmente, a energia nuclear possui um número maior de vantagens do que de desvantagens. Em primeiro lugar, essa energia corresponde a 16% de toda a energia usada no mundo se os 439 reatores instalados em mais de 30 países forem desativados, a economia mundial entraria em colapso. Com isso, cientistas japoneses estão trabalhando em novas tecnologias para reduzir a radioatividade de lixo descartado, para que esse não seja um motivo de desativação de das usinas nucleares. Em segundo lugar, as usinas não contribuem para o efeito estufa, já que lançam apenas vapores d’agua na atmosfera. Dessa forma, nos dias de hoje a melhor forma de gerar energia sem piorar o efeito estufa futuramente é a energia nuclear, que apresenta, em sua produção, baixos índices de emissão de gases prejudiciais. Embora no Japão o acidente nuclear ter sido considerado uma das piores catástrofes ocorridas, a população tem uma percepção do risco consideravelmente maior do que o verdadeiro. Enquanto 26 mil pessoas morreram no terremoto seguido do tsunami, não houve relato de morte com o acidente nuclear. De acordo com o expresidente da Associação Nuclear Nacional Brasileiro, Roberto Garcia Esteves, isto se deve á familiarização da população japonesa com terremoto/tsunamis, ou seja, eles estão acostumados e preparados para uma catástrofe natural, diferentemente da relação com a usina de Fukushima. Com isso, a energia nuclear deve continuar sendo usada, uma vez que seu uso até 2030 deve crescer entre 13% e 30% e os riscos de acidente vem se reduzindo drasticamente. Então, a produção de tal energia traz para a população benefícios muito maiores do que malifícios.

Bianca Amelio


GANGNAM STYLE (PSY) EM PARATY! LOUCURA! O hit de psy que bombou no mundo mundo inteiro em Paraty!



para ti