Issuu on Google+

PAULA HELENA BEDIN


LAVANDERIA AMBULANTE O projeto visa melhorar a autoestima e higiene pessoal de pessoas desabrigadas ou desalojadas por desastres naturais, buscando modificar sua autoimagem e o relacionamento dessas pessoas com a sociedade, facilitando a recuperação psicológica dos desalojados e desabrigados e diminuindo o tempo de reinserção social do indivíduo. A lavanderia ambulante se destina a atender regiões que tenham passado por desastres naturais e onde hajam famílias desabrigadas ou desalojadas. Trata-se de um baú de carreta modificado e equipado para atender às exigências do cuidado com o vestuário. Com máquinas de lavar e secar, tanques, aparelhos que alisam roupa a vapor, reservatório de água e topo coberto com células fotovoltaicas, que produzem a energia exigida pelo sistema, a lavanderia busca ser um sistema autônomo, com produção de energia própria e coleta de águas pluviais, exigindo nada ou pouco das infraestruturas das regiões afetadas. O equipamento, quando aberto, conta com uma cobertura de ETFE inflável, para proteger os usuários de agentes climáticos e da ação dos raios UV.


VISTA SUPERIOR ESCALA 1:200

VISTA LATERAL SEM ESCALA


VISTA FRONTAL SEM ESCALA

1 2 3 4 5 6 7 8

MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA TANQUE RESERVATÓRIO DE ÁGUA SECADORAS DE ROUPA ARMÁRIOS COBERTURA DE ETFE VAPORIZADORES DE ROUPA ÁREA DE ESPERA E DESCANSO

6

1

7

3 4 2

5

8


HABITÁCULO PARA AEROPORTO É sabido que os vôos estão cada vez mais acessíveis. Diferentes pacotes com benefícios adicionais aumentam a abrangência do serviço, lotando os aeroportos. Diariamente, cerca de 100mil pessoas transitam pelo aeroporto de Guarulho, que liga a cidade de São Paulo a 33 países e 75 cidades do Brasil e do mundo. Não é cenário incomum ver pessoas dormindo nos saguões dos aeroportos do país e do mundo, sem conforto e privacidade. O projeto visa fornecer um espaço tranqüilo aos passageiros em trânsito cujos vôos tenham sofrido atrasos e cancelamentos. Um espaço onde eles possam dormir, recarregar a bateria do celular, usar o computadore fazer sua higiene pessoal com conforto e privacidade. Formado por dois módulos, um seco e um molhado, o equipamento diminui de tamanho para ser transportado e pode ser instalado em pequenos espaços residuais em aeroportos.


CENOGRAFIA Desenvolvimento de cenário para um ato da peça infantil “As aventuras da Bruxa Cacofonia”, de Mirian Giannella e Emmanuel Bing. Atividade proposta no curso de cenografia de Lucienne Grecco, cenógrafa e diretora de arte, que participou de importantes projetos como O Castelo Rá-Tim-Bum, produzido e exibido pela TV Cultura de 1994 a 1997. A cena se passa em um labirinto, onde a protagonista deve passar para chegar ao castelo dos Sons. A proposta era fazer um cenário com materiais baratos e sustentáveis. O labirinto proposto é feito de placas de papelão corrugado. A altura das peças é variável, para que o expectador aviste o labirinto como em sobrevoo e consiga ver a personagem no interior dele e apreender o cenário como um todo.


VISTA FRONTAL SEM ESCALA


PROJETO VISUAL GRÁFICO A proposta do projeto é desenvolver a identidade visual do museu dos insetos do Instituto Biológico, localizado na Vila Mariana. Visitado por desenas de crianças e adultos todos os dias, o museu abriga algumas espécies de insetos brasileiros, apresentando esses organismos aos visitantes de maneira dinâmica e interativa. Não há porém, um projeto de identidade visual nas peças da exposição nem identificação das áreas de apoio, o que torna a comunicação com os visitantes falha. Inspirado no design gráfico New Wave de April Graiman, o projeto apresenta a maior atração do museu, os insetos,


INSETOS

No i trá nstit s o uto Am m b éri aior iológ de ca z i ou Lat ooló co, e gra tro ina gic xp tui mu . U o d osiç Bio ta, nd m e i ão m ns in lóg o M o. u e n C t tas ico us om do os set d os e a ab eu d mo pr re do entr ent a st ese su In ad ro


FOTOMONTAGEM SINALIZAÇÃO ENTRADA DO MUSEU

FOTOMONTAGEM SINALIZAÇÃO TOALETES


det. 1

det. 2

det. 3 zy ge

nt Exe om livro mpl o: a Tam Traç a de mai anh s de o: 1,4 200 espécm cies

pri

me

iro

insetos O corpo dos insetos é revestido por um exoesqueleto quitinoso. Seu corpo é dividido em três segmentos (cabeça, tórax e abdómen), três pares de patas articuladas, olhos compostos e duas antenas. Seu nome vem do latim insectum. Pertencem à classe Insecta e compõem o maior e mais largamente distribuído grupo de animais do filo Arthropoda e, consequentemente, dentre todos os animais. A ciência que se dedica a estudar os insetos é conhecida como Entomologia. Os insetos são o grupo de animais mais diversificado existente na Terra. Embora não haja um consenso entre os entomologistas, estima-se que existam de 5 a 10 milhões de espécies diferentes, sendo que quase 1 milhão destas espécies já foram catalogadas. Os insetos podem ser encontrados em quase todos os ecossistemas do planeta, mas só um pequeno número de espécies se adaptaram à vida nos oceanos. Existem aproximadamente 5 mil espécies de Odonata (libelinhas), 20 mil de Orthoptera (gafanhotos e grilos), 170 mil de Lepidópteros(borboletas), 120 mil de Dípteros (moscas), 82 mil de Hemipteros (percevejos e afídeos), 350 mil de Coleópteros (besouros) e 110 mil deHymenópteros (abelhas, vespas e formigas). Os insetos atuais são geralmente pequenos e têm o [corpo (anatômico segmentado, protegido por um exosqueleto rígido de um material conhecido como quitina. Podem ser caracterizados como animais de simetria bilateral. O corpo é dividido em três partes distintas ou tagmas, que são interligadas entre sí: cabeça, tórax e abdome.

do perío era

s eu

QUANDO OS INSETOR SURGIRAM?

O Dom ca rio tamb ínio taxo ém nte os seres refer nôm s celul vivos idos ico cons ar rode com com Euka riota célul o euca No eque ado núcle ntem por riota , Euka as enqu s ou ria, ente uma euca o Os anto está cont sepa mem riótic euca Euka euca uma bran as, riont rya, pluri riota part ida rado do a ou seja, es Euka a maio se doscelulares s são e men citop(DNA com inclu ryota Varia proc cons port or r part lasm compart um i todo , anto está s e a) e mult m desdariot tituíd imen núcle cont do as. os os orga ida mate com vário tado o funç icelularese orga por rial ões célul nism nos mito gené s orga, os dive , nos nismos as dota vivos cônd tico, nelo rsas, quai unice das unice rios. o DNA s. não s as lular de , sobr célul es núclelulares evive as se até ou o, distin ndo difer gigantes isola encia guin dam m cos orga doente e dese nism . mpe os nham

primeiros procariontes ntes, não Procario tas ou os e que procario tos são organism maioria delimitado vasta procario res na sua genético possuem por não s, seres unicelula am seu material Estes ação interna organela apresent membrana. imentaliz outras várias Golgi e o fuso por uma tipo de compart ausentes o de s nenhum nas, estando o Complex domínio os dos membra mitocôndrias, as os organism como . todos engloba mitótico . Esta definição e Archaea Bacteria

ico eozó ico arqu rozó prote

pré-cambriano

icos teríst tas s caracas do classe obi podes apen o na é a, artró ficad ecido são orph itas , conh o, classi itom trilob zóico O grup Trilob hos. Os . lasse marin Paleo do tro fóssilsub-c entes regis ita da ambi Trilob sivo de

tril

exclu

e

sid

ad

er div

hexapoda entognatha Ectognatha é um termo que é descrito como um Superordem ou classe de insectos. Estes tipos de insectos são feitas de ou composto do Pterygota e Thysanura encontrados nos grupos ectognathous.

CEU RE S E ICO O APA SETO OZÓ IC S IN OS NO NAL PALE OZÓ A DO EM EC ES FI O D O M AIORI ONH protodonata N C Primeiros insetos com asas A M UE Q OJE H

iano o cambr vician ordo

paleozóico

siluriano devoniano

co um pou i- por a hec um uem com con rrem em da or-co istit os, e e con átic bém s ocotida nom : ple erf ei- s ra a) gos sup primasa em a tam Ele ter aquas, os. Antár ). O gre -se te suír sed cop tos crit ter da 0m icais am doses de pos de op elh rempar (Ple inse des lóp o 560 ec não ão os de s per eçã a s rad em dife s pl ter em écie ou exc es (0 doi Ass mas doi por duç pro a. , os cóp ord 0 esp os. , à tud de eos a a ple a lári ndo alti ção rad eos e pel Os uen 200 per mu de jun dob biíd s embiíd par dos peq is de o o o o na a asa e em asa ma com tod iaçã em ific s o das dos liza dos se var orig sign ero açã rem ecia ópt ven dife esp qua nde gra tem que a ort à osas; nas demptera, nte ção ran per los. oce de rela + me mb cial em me par ça de ros em eiro sen ser prim pre o pela e

uem poss que do as ido tos brin sent res o inse erio relh de s, reco seu a m no post apa ina, as r, o orde ácea s ter cori rada pern tégm op salta é s e dob asa th os são suma uem asas de reta as, dos poss das para de par é pter riore s largtos e par oria é pria ndo ortó supe s mai inse mai tos part eiro Os asas riore Tais s, apro li. A inse uma prim segu o as infe inal. ante O , e o vôo. tabo es ime o dess and asas itud poss dor. eção para hem cant , atrit long as e mastiga prot a o seja long al e para utilizad é por , , ou sons buc zadas osa ento ação utili bran lvim uzemidul a. mem nvoos prod estr outr O desepter ido portra a ortó segu o con con corp do

a

tas an s pl eira as primbóre s ar anta ares e pl scul va

or

ephemeroptera São animais longos, de corpo mole e de tamanho pequeno a médio, podendo atingir até quatro cm de comprimento. O nome efémera está relacionado com o fato do adulto viver apenas poucas horas, sem se alimentar, dedicadas apenas à reprodução e à postura dos ovos da geração seguinte. Possuem asas membranosas com numerosas veias, sendo as asas posteriores menores que as anteriores. Apresentam antenas pequenas, olhos compostos bem desenvolvidos e três longos filamentos no abdome. As efémeras adultas caracterizam-se por peças bucais atrofiadas e um sistema digestivo não funcional, enquanto que as ninfas possuem peças bucais do tipo mastigadoras. As ninfas das efémeras vivem na água, em geral escondidas sobre rochas. A maioria das espécies alimenta-se de detritos ou matéria vegetal, mas algumas são predadoras. Ao contrário do adulto, que vive pouco tempo (de algumas horas até 2 dias), as ninfas podem viver de várias semanas até três anos. São os únicos insetos que sofrem muda após terem adquirido asas funcionais.

o ro er fe íf

on carb

co

leo

pte

Os ra uma coleó conh orde ptero s cons asas ecido m com ante s comde inset titue o um riore A m os o núm orde “esto s rígid beso popu vivos ero m Cole jo” as, uros. larm de opte as que Um ente anim — prot par part al cerca espécies ra possasas post egem de de vora icam mais erior ente diver 350 dent ui o zes pred qual sifica mil — re todo maio es. ador quer do send s os r es de habi exist oo seres pulg tat. ente. grup ões. Algu Ocup o am ns são

iso

pte

ra

Os isópt inset eros como os euso (Isop tera) térm cupim ciais conh são (em ite ou ou itapic ecida uma Com Angola)térmita uim1 popu ordem bichoe insec que (em (no larme de e no cerca os da m u Portu Brasi mund de much nte inset s como flage ços de em preju 2 800 ém to-pa gal), l), Os ecido o, esses o-os camu espéc(em Moça salalé praga ízos econ conh (ou insecnte es a peda inset rçand ies mbiq celuló s de folhasua eficie lhant s, disfa madeômicos os são catalogad ue). seme folha apesa sicos, notó que por ira a . causa rios as ou espéc r de ou aindae de os torna pelos ira tação apen outro m como carac ies conh as como made a vege s teríst pragamateriais ecida cerca meio icas. s de de 10% s agríc cupim das olas, possu ir estas

ea ea são tod atod sma e bicholha), m Phasm -pau to-fo pha orde

tas ra res ba se s são bano ur

dermaptera Os dermápteros (Dermaptera) são uma ordem de insetos pterigotos, com cerca de 1800 espécies descritas em todo o mundo. São conhecidos popularmente como tesourinhas ou forfículas.

hemip

o ininan perm

er- dípt c, cara das a a asasctos zido a ter s, pter inse redu ênci dua m de o min anh proe (Di orde tam era Dipt é uma pelo s e pelas. os) ada eira teira teriz tras dian

bla tta

dip

tera

de insetos ordem s são uma de 67 500 espécies Os hemíptero de cerca s distribuída que compreen s. ordem -se dos outros à conhecidaespécies desta distinguembucais adaptadas Existem “tromba” o mundo; peças de seiva numa longa por todo por possuírem alojado , alimente insetos e sucção a maioria se (fitófagos)-se de perfuração Ainda que s por plantas(alimentam gas as ou “bico”. sucos produzido hematófag são entomófa e outros espécies são e outras algumas de outros animais insectos). sangue) es de outros (predador

asas asas das

meg

alo

pte

Os Megal ra ordem optera de 300 de insetos constit ampla espécie pterigouem uma s descrit peque tos, regiõe mente com menor s tempe distribuída as. A ordem cerca na diversi radas, e é aprese diversa dade nos trópicontando nas uma s.

Blatt ria de aria inset ou popu os Blatt É um larm cujo odea s algu grup ente represené uma conh cons mas o cosm ecido tant orde espé m es opol bara idera das cies (men ita, s com são tran tas dom com send o bara pata smissão éstic o sinanos de o que tas. se 1%) as feze de vária são tróp são s pelo s resp icas. s locaidoen onsáveisAs ças, s onde atrav pela pass és das am.

plantas com sement es

ico triáss

cico jurá

mesozóico

cretác

eo

zo

ra

pte

Os ra zoráp pequ teros conh ena de (Zora um ecida inset ptera s Cretáextinto apen os, com ) são conte as, distri cerca uma Grim ceo (Xen ndo buída de 30ordem espé aldi, 2002 ozor uma muit s otyp única em doisespécies o alcan cies. São ), us e gêne Possu çand anim o outro burm espé o meno ais iticus cie do ros: mon em cerco pequ conte Enge s iliform s segmde 3 mmenos ndo as l and es divid entad de em tamadema is comp idas em os e anten rimennho, nove to. anten as ômer os.

a das iori orre em ma dec soa ord a ular pes cabeça us, do. a da -de e pop um s, de olvi ios. to inse va-anom bra nde env e afíd s de lem gra des um lou ade vas é s de . Seu to nte bem moscasacid lou , ea deu écie ical inse me en nte cap , os rias sa s de- esp trop o, o tiva óm od eno tató pre ho- 0 sub sad abd lme pelaven rap r a cipa da m alin 240 e pou tos relao e são segura cav a de ical prin lita ou cerc trop está insepronotam faci possue que a a, us te ndo são res par -de . Há bien us com caç cad não erio ras, . que bos o ida , qua -de va-a dea am ant o garsum que va-a eito vos em Comnas lou nto em de lou x estr essi al de us. com con Ma is -de s per as to é qua fato . Os tóra s agr ger va-a sua caduan do ndo lar, ore em as difi ora ngu dad a do lou com , mo enq tria pre é feit São caça gem tamou seja ufla con A cam eus a-d

nt

ma

O

rio terciá io rnár quate

cenozóico

PAINEL LINHA DO TEMPO EXPOSIÇÃO

FOTOMONTAGEM SINALIZAÇÃO ENTRADA

PAINEL INTALA ÇÃO E ACESSIBILIDADE EXPOSIÇÃO


MODELOS 3D Modelos tridimensionais feitos no software Rhinoceros e renderizados em V-Ray. Os modelos foram feitos utilizando diferentes suportes. Para a cadeira Wassily e para o celular, foram utilizados desenhos técnicos. Os modelos das garrafas de bebida foram feitos com imagens retiradas da internet, o anel dourado com levantamento de medidas utilizando paquímetro e o apartamento utilizando desenho DWG, para prover uma mudança de escala aos estudos. As câmeras disponíveis no software de renderização também foram exploradas, brincando com pontos focais e abertura de lentes para se alcançar diferentes efeitos.



Portfólio de Paula Bedin