Issuu on Google+

Interação Patológica – Radiológica Ferramentas Luiz Fernando Ferraz da Silva Curso de Introdução à Radiologia - 2013 São Paulo, agosto de 2013


Escolha da Modalidade / Exame Médico Requisitante: Hipótese e pergunta clínica Médico Patologista: Estratégia para responder à pergunta, tentar definir diagnóstico, respostas a tratamento e prognósticos

Escolha da técnica / Laudo


O processamento


O processamento


O processamento


O processamento


O que a imagenologia tem a ver com isso?


O que a imagenologia tem a ver com isso?


O que a imagenologia tem a ver com isso?


O que a imagenologia tem a ver com isso?


Ferramentas • Duas Ferramentas Fundamentais


O mundo em roxo e rosa! • Principal Método • Rápida • Permite avaliação de padrões morfológicos • Distinção núcleo – citoplasma


Para ver mais a fundo! • Microscopia Eletrônica • Poucos centros • Seleção prévia – Pensar antes!!! • Doenças específicas!


Mas nós também gostamos de cores • Métodos Histoquímicos • Rápidos • Avaliação de estruturas específicas • Colágeno – Picro-Sirius, Massom • Fibra Elástica – Verhoeff e Resorcina-Fucsina • Membrana basal – PAS


Mas nós também gostamos de cores • Métodos Histoquímicos • Avaliação de microorganismos • Bactérias – BH (Gram da histologia) • Fungos – Grocott • BAAR – Ziehl-Nielsen


Mas nós também gostamos de cores • Métodos Histoquímicos • Avaliação de substâncias • • • •

Muco – PAS e Alcian Blue Gordura – Oil Red Ferro – PERLS Melanina – Fontana Masson


Dando nomes aos bois! • Imunohistoquímica • Acrescente pelo menos 24 horas ao laudo! • Reação específica para identificação “in situ” de proteínas


Dando nomes aos bois! • Imunohistoquímica • Importância do padrão de coloração / localização


Prá quem gosta do escuro! • Imunofluorescência


Algumas coisas são mais “frescas” • Testes moleculares • PCR • Hibridização in situ



Burns aula radio 2013