Page 1

N otícia V erde Encontro em Jaú define Ano 0 v Número 1 v Junho de 2012

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

PV em todo o lugar

estratégias para eleição 2012 A reunião da Bacia 15 do Partido Verde, realizada em Jaú, em 5 de maio, reuniu representantes da legenda de 36 cidades, incluindo presidente do partido em Lençóis Paulista, Ailton Tipó Laurindo. O evento marcou a integração estratégica dos municípios do interior do Estado de São Paulo visando a disputa eleitoral neste ano. Durante a atividade foram debatidas as principais diReunião da Bacia 15 reuniu mil filiados em Jaú; partido pretende dobrar número de vereadores

retrizes do Partido Verde para a região, primando pela preservação do patrimônio ambiental e o aumento da qualidade de vida da população. O encontro contou com a presença do presidente nacional do PV, o Deputado Federal José Luiz de França Penna, e da Deputada Estadual, Regina Gonçalves, líder do PV na Assembleia Legislativa. O Prefeito de Jaú, que

também é presidente da Bacia 15, Osvaldo Franceschi Junior, destacou a importância do evento. “Fico muito feliz em ser anfitrião. O partido nos honra muito e confere força para a nossa administração. Tivemos mais de 10 milhões de votos no último pleito para presidente. Temos ideologia forte e projeto de crescer pautados nas necessidades sociais”, avaliou.

Bacia 15 No Estado de São Paulo o Partido Verde é dividido em 21 Bacias Hidrográficas (administrações regionais). São elas que congregam as executivas municipais do partido. A Bacia 15 abrange 35 municípios. Os maiores são Bauru, Araraquara, Jaú, São Carlos e Lençóis Paulista.

Dia Mundial do Meio Ambiente Dia 5 de Junho é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente. A importância desse dia tem precedentes. O meio ambiente e a ecologia passaram a ser uma preocupação em todo o mundo. A segurança do Ailton Tipó Laurindo e o Presidente Nacional do Partido Verde, Deputado Federal José Luiz de França Penna durante o encontro da Bacia 15, em Jaú

planeta, a manutenção da vida, são prioridades para o Partido Verde. Esse dia é aproveitado em todo o mundo para chamar a atenção política para os problemas e para a necessidade urgente de ações. Nessa da-

ta, chamamos a atenção de chefes de Estado, prefeitos, secretários e ministros devem reafirmar o compromisso de cuidar bem do planeta e realmente tomar atitudes para que isso aconteça de fato.


2

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

Editorial

Lei da Transparência é arma do eleitor nestas eleições municipais A Lei nº 12.527/2011, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, permite que qualquer cidadão solicite informações às empresas públicas, às administrações direta e indireta de todos os Poderes, e ainda às entidades não governamentais sem fins lucrativos que recebem recursos públicos. Todos eles são obrigados a responder aos questionamentos no prazo de vinte dias, prorrogável por mais dez, sob pena de apuração de responsabilidade. A Lei de Acesso à Informação também define que todos os sites possibilitem acesso às informações básicas de cada órgão de governo. A legislação atinge os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público, nas esferas municipal, estadual e federal. Às vésperas de mais uma eleição municipal, a legislação que está sendo chamada de Lei da Transparência, constitui uma arma importante para o eleitor. É mais uma ferramenta para obter informações e analisar cuidadosamente o perfil de candidatos que já elegeram cargos públicos e, dessa forma, fazer uma escolha consciente nas urnas. No Estado de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin publicou, na mesma semana em que o texto foi sancionado pela presidenta Dilma, decreto que regulamenta a Lei de Acesso à Informação. O decreto do governador cria os Serviços de Informações aos Cidadãos (SIC) em todos os órgãos e entidades da administração pública estadual. Caberá aos

SIC o atendimento presencial ou eletrônico dos pedidos de informações feitos pelo público, que poderão ser feitos pessoalmente, por telefone ou por e-mail. Até que os SIC estejam plenamente organizados, o cidadão deverá encaminhar seu pedido de informações aos atuais serviços de atendimento ao público dos órgãos e entidades do Estado. De acordo com o documento, as autoridades dos órgãos e entidades estaduais terão até 30 dias para definir os responsáveis pelo Serviço, que terão e-mail e telefone divulgados pela internet. Para cidades com mais de 10 mil habitantes a transparência deve ser um ato compulsório. A administração pública é obrigada a publicar na internet todos os seus gastos. A legislação, entretanto, não é perfeita. Uma das principais críticas é quanto à ausência de órgãos reguladores e fiscalizadores. Entretanto, os principais órgãos de defesa de direitos humanos e civis qualificam a lei como um avanço para consolidação da democracia participativa e acesso à informação, que inclusive está previsto na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Se não for atrapalhada pela burocracia e for utilizada com sabedoria, a lei será um grande trunfo da sociedade no combate à corrupção em todo o país. Mas para que a legislação ‘pegue’, como se diz no popular, deve haver realmente a participação dos eleitores. É importante que os cidadãos consultem e cobrem a transparência de seus representantes municipais, estaduais e federais.

N otícia V erde

Lençóis Paulista v Junho de 2012

ARTIGO A gente sempre ouviu dizer que um minuto pode salvar uma vida. Ou podemos perder uma vida em um minuto. Em outubro, no dia 7, teremos eleições para escolher nosso futuro prefeito e os 12 vereadores que vão estar na Câmara fiscalizando, apresentando projetos e ajudando a construir a nossa cidade. O Partido Verde tem certeza que muitas vidas podem ser salvas, muitos sonhos podem ser realizados se escolhermos certo os nossos representantes. São 60 segundos ou um minuto. Tempo suficiente para o lençoense escolher quem vai defender seus interesses a partir de 2013. Todas as pessoas que realmente querem o bem do Município, devem escolher representantes que honrem e dignifiquem o voto recebido nas urnas. Infelizmente, nem todos os políticos após eleitos têm honrado o voto sagrado dos eleitores. A maioria deles tem agido como se a coisa pública fosse sua, sem ter cuidados com o dinheiro público e sem respeitar os princípios constitucionais escritos no artigo 37 da Constituição Federal: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e

eficiência no trato do dinheiro público. Isso tem que ser respeitado e nós precisamos dar um basta em quem não tem respeito pelo bem público! O Partido Verde defende de forma veemente o respeito aos princípios constitucionais e o respeito ao voto do cidadão. E é com esse pensamento que o PV defende as investigações que o Ministério Público vem realizando para apurar possíveis irregularidades na Câmara Municipal de Lençóis Paulista. Não podemos aceitar que alguns políticos tratem o bem público como se fosse bem privado, bem de uso pessoal. Administrar o bem público é função de quem não é o senhor absoluto da coisa. Quem administra o bem público não é proprietário daquilo que administra. O verdadeiro administrador traça um programa e executa-o (dirige, governa, exerce a vontade com o objetivo de obter um resultado útil, sempre visando o bem comum e não o interesse próprio). A população de Lençóis quer ética na política e já se convenceu que nas próximas eleições é imprescindível votar em gente séria, honesta, correta.

Ailton Tipó Laurindo é advogado, professor, mestre em Direito e presidente do Partido Verde em Lençóis Paulista

Seja para o cargo de Prefeito, seja para Vereador. Ética também é bandeira do Partido Verde. O administrador público não pode desviar o foco do bem comum, não pode esquecer de cuidar muito bem da cidade, das pessoas, dos seres humanos. Nós do Partido Verde, sabemos muito bem que governar para as pessoas significa melhorar suas condições de vida. Começando com o trabalho - possibilitando e incentivando definitivamente a vinda de novas empresas para o Município e oferecendo cursos profissionalizantes que atendam todas as atividades profis-

sionais do município, indo para a saúde - implantando programas que resolvam o problema das pessoas mais carentes e sem um plano de saúde, diminuindo o tempo de espera para consultas e exames, passando pela educação - com um sistema que proporcione um ensino de qualidade preparando nossos jovens para que possam, no vestibular, competir em igualdade de condições com aqueles que estudam em escolas particulares, sem esquecer do lazer e do esporte. É urgente também a resolução dos problemas caóticos causados pelo nosso sistema de Trânsito.

Juventude Verde

A militância do PV começa ainda na adolescência. A Juventude Verde nasceu de um movimento cuja tese central era a criação de

um espaço de discussão para “oxigenar” as ideias no Partido. Este movimento evoluiu e neste amadurecimento lutamos inter-

namente para que os Jovens tivessem direito a voz e voto na Executiva Nacional, Estadual e Municipal. Na última Convenção

da Executiva Nacional do Partido Verde, conseguimos incluir em seu estatuto esta grande conquista para os jovens verdes do Brasil.

EXPEDIENTE PARTIDO VERDE DE LENÇÓIS PAULISTA: PRESIDENTE: Ailton Aparecido Tipó Laurindo. DIRETORES: José Antonio Foganholi, Luiz Fernando Capelari, Gilson Carlos Zaguiar, Anderson da Silva Buratto, Sônia Aparecida Martins Bento de Oliveira, José Valdeci da Silva, Marcos Bento de Oliveira, Aline Cristina Domingues, Raquel da Silva dos Santos e Jonas Galli. JORNALISTA RESPONSÁVEL: Rodrigo Rosseto (MTB 60376/SP). DIAGRAMAÇÃO: Bistrô Serviços de Publicidade LTDA ME (CNPJ: 10.744.028/0001-97). Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores. CONTATO: partidoverdelp@gmail.com.


Lençóis Paulista v Junho de 2012

N otícia V erde

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

3

Presidente Nacional defende

fortalecimento do Partido Verde Em seu discurso o Deputado Federal José Luiz de França Penna, que é presidente nacional do PV, destacou a importância de fortalecer o movimento que pressiona pelo veto da Presidente da República Dilma Roussef ao projeto que prevê alterações ao Código Florestal. Penna também reforçou que o PV é um partido municipalista e o projeto de ter candidatos a prefeito nas cidades onde for possível. “Nós queremos ter candidato e lista própria de vereadores. Onde isso não for possível, faremos as alianças programáticas necessárias para as nossas ideias avançarem. Nós somos um partido municipalista. Essa eleição para nós é fundamen-

tal e dará para a força necessária para implementarmos uma grande vitória em 2014”. Nominalmente, citou o presidente do PV lençoense Ailton Tipó Laurindo. “Encontrei um Tipó remoçado”. O presidente nacional do PV também destacou a atuação do partido nas últimas eleições presidenciais. A candidata Marina Silva recebeu 10 milhões de votos. “Prometemos que na próxima eleição vamos dar um susto ainda maior nos conservadores”. O deputado também falou sobre ideologia partidária, sempre pautada pela ética, principalmente, no tangente a alianças que virão a ser firmadas ainda para as eleições de 2012.

Penna antes de presidir a mesa diretora, recebeu e conversou com diversas lideranças regionais do Partido Verde, entre elas, Tipó

“No Brasil, o perfil dos partidos muda de município a município, de estado a es-

tado. O grau de comprometimento com as mudanças sociais necessárias

é que vai orientar as alianças. A missão é maior do que qualquer um de nós. O

comprometimento com o partido deve estar em primeiro lugar”.

Líder na Assembleia fala sobre crescimento De acordo com a Deputada Estadual Regina Gonçalves, líder do PV na Assembleia Legislativa, a expectativa para as eleições municipais é dobrar o número de vereadores e de prefeitos da legenda. “Queremos continuar nessa curva frequente de crescimento que estamos no Estado de São Paulo. Para isso, temos que ter direções municipais fortes, com projetos políticos consistentes, e que a sociedade tenha oportunidade de conhecer as nossas propostas, nos ajudar a ter uma definição das políticas públicas necessárias”. A deputada também

A Deputada Estadual Regina Gonçalves, líder do PV na Assembléia Legislativa, ao lado de Tipó, fala sobre crescimento do partido. O Presidente Nacional do Partido Verde, José Luiz de França Penna, também cumprimentou e instruiu os pré-candidatos a vereador de Lençóis Paulista Val da Papelaria e Anderson Prado

confirmou que os representantes na Assembleia Legislativa darão total apoio às candidaturas municipais.

“Nós estaremos presentes em todas as candidaturas, conferindo apoio, dentro do possível. Vamos estu-

dar a melhor estratégia para otimizar essas campanhas, procurar o fortalecimento dos nossos vereadores,

vice-prefeitos e prefeitos. Vamos nos dividir regionalmente para que possamos prestar apoio moral políti-

co, inclusive com participação em comícios, dando entrevistas, em programas de rádio”.


4

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

N otícia V erde

Lençóis Paulista v Junho de 2012

O Partido Verde apoia as investigações do Ministério Púb

Mediante às possíveis irregularidades administrativas do Poder Legislativo no município de Lençóis P esclarecer qualquer ação que venha lesar o patrimônio público e os cidadãos lençoenses. O Partido V Gilson Carlos Aguiar

Prado

Paulão

Carlos Paccola

Estou no PV porque acredito que é possível participar da política com integridade, com respeito ao próximo e com a natureza.

O Partido Verde, mais que uma sigla partidária, constitui um movimento pela sustentabilidade, pela liberdade, pela modernização da democracia no Brasil e no mundo. É um movimento que se preocupa com o ambiente e com o ciclo da vida. É mais que um partido. É um ideal.

Filiei-me ao PV em 2003 por acreditar muito em sua ideologia voltada na preservação e sustentabilidade do meio ambiente. Desde então, passei a ter mais consciência política.

Estou filiado ao PV porque tenho como principal ideal a busca pela redução das desigualdades sociais e um país mais justo, onde, o ser humano, principalmente, os menos privilegiados possam ter sua condição de vida melhorada, sendo que este meu ideal também faz parte da ideologia do Partido Verde.”

Babá

Jaja do Bar

João Garçom

Fernando Sorriso

É hora de pensarmos em um planeta melhor, por isso, eu sou Partido Verde.

Estou no Partido Verde porque acredito no “V” da verdade. E são nas cidades governadas pelo PV que temos garantia disso.

Estou no Partido Verde para ajudar o meio ambiente e pela transparência na luta por uma vida melhor a todos.

Acredito que o Partido Verde possa melhorar a sua vida e de sua família em todos os sentidos, principalmente, na área da saúde e educação.

Piruí da Autoescola

Bete

Professor Américo

Professor Leandro

Hoje estou no Partido Verde porque ele quer que nossa cidade cresça cada vez mais. Vamos juntos lutar por uma cidade cada vez melhor.

Sou filiada ao PV porque acredito na seriedade e no trabalho deste partido. Sou Partido Verde de coração e acredito que juntos podemos fazer muito por nossa cidade.

Acredito no Partido Verde no que diz respeito aos projetos sociais (saúde e educação) e desenvolvimento sustentável.

Estou no Partido Verde porque admiro a ideologia e os conceitos que nos transmite. E me faz feliz devido à preocupação com o meio ambiente, sustentabilidade e a vida.


Lençóis Paulista v Junho de 2012

N otícia V erde

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

5

blico sobre possíveis irregularidades na Câmara Municipal

Paulista, o Partido Verde local apoia as iniciativas e investigações do Ministério Público para Verde é a sigla partidária nacional com melhor avaliação nos quesitos transparência e honestidade Val da Papelaria

Cleide Rafael

Jura

Geninho

A única forma de alcançarmos um mundo melhor é cuidando do bem estar da humanidade e da natureza.

Escolhi o Partido Verde porque acredito num futuro melhor. Melhor em saúde e nos direitos humanos.

Estar no Partido Verde é poder confiar em um país melhor, pois a natureza faz parte de nossa vida.

Faço parte do PV porque acredito que desenvolvimento e sustentabilidade podem andar juntos.

Mano

Cássio Paccola

Pastor Wilson

Vila

Sou filiado porque acredito que o PV pode fazer um governo melhor.

Estou no Partido Verde por ainda acreditar em um futuro melhor para as próximas gerações. Pois hoje não há preocupação quanto ao meio ambiente. As empresas não estão preocupadas com um mundo melhor. E o principal – a água – que não estamos dando valor.

Filiei-me ao Partido Verde, porque acredito em melhorias para nossa cidade e também gosto do Verde.

O Partido Verde é a essência de um planeta melhor.

Wilinha do Núcleo

Marta Valente

Borges

Zé Bocão

Sou filiado ao PV por ser um partido voltado ao meio ambiente, que se preocupa com a saúde e o bem estar da população.

Estou no Partido Verde porque acredito que pode haver mudanças, confio no Partido Verde, pois nosso planeta tem tudo para ser melhor. Amo minha cidade e quero vê-la melhor.

Sou muito feliz por ser filiado ao Partido Verde porque o amo de coração.

Como todos os filiados, acredito muito no Partido Verde e em suas propostas.


6

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

N otícia V erde

Lençóis Paulista v Junho de 2012

BIOGRAFIA

José Antônio Foganholi, o Pardal, é filiado atuante do PV

José Antônio Foganholi, o Pardal, é o fundador do grupo Proeste, hoje constituído de oito concessionárias e dois showrooms. Sua carreira começou partir da

venda do seu único patrimônio, um Corcel laranja 1971. Na época, percebeu a oportunidade de trabalho e começou a negociar a compra e venda de carros. Com o passar do tempo e muita dedicação, Pardal conquistou seu primeiro grande objetivo. Em 1981, comprou a Cred-Car Multimarcas em Lençóis Paulista. Oito anos depois, em 1989, a Cred-Car Multimarcas ficou conhecida como “Estacionamento do Pardal”. Em 1993, veio a sua primeira grande conquista. Pardal comprou a Proeste – concessionária Chevrolet de Piraju/SP. A partir daí os negócios passaram a cres-

cer cada vez mais rápido, e então, em 1995, Pardal adquiriu a Cre-Car Multimarcas em Ourinhos/SP. Em 1995, foi inaugurado o novo prédio da Proeste de Piraju, com infraestrutura moderna e equipamentos de última geração. Em 1997, Pardal adquiriu a Divelpa – concessionária Chevrolet de Lençóis Paulista/SP. Em 1998, veio o Consórcio Nacional Proeste-Divelpa. Em 2000, foi inaugurado o novo prédio da Divelpa – concessionária Chevrolet de Lençóis Paulista/SP, hoje uma das maiores concessionárias Chevrolet do Brasil. Em 2001, Pardal adqui-

riu a Proeste-Prodive – concessionária Chevrolet de Botucatu/SP. Em, 2002 adquiriu a Prodivel – Corretora de Seguros, e no mesmo ano, a Proeste Avaré – concessionária Chevrolet de Avaré/SP. Em, 2005 Pardal deu início ao grande projeto de construção do novo prédio da Proeste-Prodive de Botucatu - finalizado em agosto de 2007, deu-se a grande inauguração. Hoje o grupo Proeste conta com mais de 500 colaboradores comprometidos em oferecer o melhor serviço e atendimento aos clientes, proporcionando total satisfação e conforto. O grupo também con-

ta com um showroom em São Manuel/SP, com perspectiva de uma nova construção ainda este ano. Recentemente, em janeiro de 2010, o grupo Proeste conquistou três novas concessionárias Chevrolet, em Adamantina, Tupã e Dracena, também nomeadas Proeste. No final de novembro de 2011, Pardal finalizou mais um grande projeto, este ainda mais desafiador, pois saiu totalmente fora do ramo automobilístico: foi inaugurado o grande e luxuoso Passer Hotel em Lençóis Paulista, com 39 apartamentos requintados com o que há de melhor. No começo de

2012, foi inaugurado o showroom da Proeste-Divelpa no centro de Lençóis Paulista e um showroom em Osvaldo Cruz/SP, filial da concessionária Chevrolet de Adamantina. Recentemente a Proeste de São Manuel inaugurou seu novo prédio com 2.000 metros quadrados de construção que oferece veículos novos, seminovos e uma oficina completa para cuidar dos veículos dos clientes de São Manuel. A marca Proeste está ganhando força no Centro-Oeste Paulista e convidamos todos para fazer parte dessa história que não termina aqui, mas promete trazer muito mais.

ARTIGO

A reabilitação cardiopulmonar e metabólica (RCPM) Tratamento não farmacológico de portadores de doenças crônicas cardiovasculares, pulmonares e metabólicas é essencial para a conquista de melhores condições física e mental, visando a uma vida ativa e produtiva e representando, em última instância, uma boa qualidade de vida. Embora o foco principal seja o exercício físico, a RCPM é mais do que um programa de condicionamento físico, devendo municiar o paciente de informações básicas sobre a fisiopatologia de sua(s) doença(s) e sua relação com a atividade física, a atividade sexual, a vida social, o trabalho e os fármacos em uso. Na RCPM, o paciente recebe orientações sobre uma alimentação saudável, estratégias para cessação do tabagismo e técnicas para controle do estresse. Apesar de ser uma modalidade terapêutica que proporciona uma redução dra-

mática da morbidade e da mortalidade, com acentuada melhoria da qualidade de vida, insuperável em termos de custo-efetividade; o que se traduz portanto em um excelente investimento, a RCPM encontra-se na prática indisponível aos pacientes brasileiros, refletindo a desinformação e a má atitude política que prevalece nos setores de saúde. Fases da reabilitaçãoFase 1 - Nesta fase, o principal objetivo é possibilitar alta hospitalar com as melhores condições físicas e psicológicas possíveis e o paciente munido de informações referentes ao estilo saudável de vida. Inicia-se, em geral, imediatamente após alta da UTI. Fase 2 - é a primeira etapa extra-hospitalar. Iniciase imediatamente após a alta ou alguns dias após a descompensação clínica de natureza cardiovascular, pulmonar e metabólica. A duração prevista é de quatro a seis meses, podendo em algumas situações

se estender por mais tempo. Pode funcionar em estrutura que faça parte do complexo hospitalar ou outro ambiente próprio para a prática de exercícios físicos, sendo ideal em clínica de cardiologia com espaço para exercício (sala de ginástica). A equipe básica deve ser composta por um médico (responsável, coordenador), um educador físico ou fisioterapeuta e um profissional da área de enfermagem. O programa de exercícios deve ser individualizado em termos de intensidade, duração, frequência, modalidade de treinamento e progressão (idealmente após realização de um teste de esforço). Devem existir equipamentos para aferir a frequência cardíaca (FC) e a pressão arterial (PA). Nesta fase, o principal objetivo é possibilitar ao paciente o breve retorno às atividades sociais e laborais. Fase 3 - além de atender aos pacientes vindos da fase 2, destina-se ao atendi-

mento de outros pacientes estáveis que estão ingressando na RCPM, sem a gravidade que exija a fase 2. A supervisão de exercícios deve ser feita por profissional especializado em exercício físico (profissional de educação física e/ ou fisioterapeuta). Deve-se sempre contar com a coordenação geral de um médico e dispor de condições para eventual monitoração cardíaca. Nesta fase, o principal objetivo é o aprimoramento da condição física, mas devem ser considerados também a necessidade de promoção do bem-estar e os demais procedimentos que contribuam para a redução do risco de complicações clínicas, como são os casos das estratégias para cessação do tabagismo e da educação nutricional. Fase 4 - é a fase “de vida inteira” com o exercício físico, devendo ser adequado ao estilo de vida e às preferências do paciente. Nesta fase, os pacientes após ca-

da avaliação médica, principalmente quando são submetidos aos testes ergométricos cuja periodicidade não deve exceder a um ano, devem ser orientados na prática, sempre que possível com algumas sessões supervisionadas de exercícios, sendo considerado como objetivo principal o aumento ou a manutenção dos níveis de aptidão física. Embora a RCPM seja reconhecida como uma modalidade terapêutica com excelentes resultados em termos de custo-efetivida-

de, os seus benefícios raramente chegam aos pacientes brasileiros; já que temos em nosso país uma medicina excessivamente intervencionista. Considerando-se experiências bem sucedidas de outros países que evidenciam sua grande aplicabilidade, acreditamos que sua adoção como estratégia prioritária pelo sistema de saúde (público e privado) brasileiro significaria uma revolução para a saúde, repercutindo em excelentes ganhos sociais.

Dr. Fábio Flosi é médico cardiologista e filiado ao Partido Verde


Lençóis Paulista v Junho de 2012

N otícia V erde

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

7

ARTIGO

Qual é o Papel de um Vereador? Nos tempos internet, para tudo que queremos saber, é só clicar no “Google”. E pelo site “Brasil Escola” eu pude confirmar que a função de um vereador é criar ou adaptar leis municipais e, além disso, servir como mediadores da população com o Poder Executivo, ou seja, o Prefeito Municipal. Teriam que ser, portanto, nossos parceiros, pessoas a qual deveríamos nos queixar e pedir soluções para problemas que sozinhos, como cidadãos, não conseguiríamos resolver; mas eles como vereadores poderiam ter mais voz para interceder por nós. Além disso, nossos vereadores podem fazer mais, podem ter contatos com as lideranças da política regional e estadual, auxiliando o poder executivo no planejamento e execução de projetos e financiamentos, mais claramente, ajudando a trazer dinheiro para investimentos públicos em nossa cidade.

Exerci até há cerca de um mês o cargo de Diretor Presidente de uma cooperativa, e lá temos muita transparência, somos obrigados ao final de cada ano publicar um balanço e um relatório de gestão para que todos possam verificar a real situação. Lá temos critérios técnicos para credenciar ou cooperar um novo membro ou prestador, tudo depende de capacitação técnica, de estudo e currículo, e não apenas de vontade de um ou de outro e, não há protecionismo sem mérito. Na política isso poderia até ser parecido, depende apenas da capacidade de alguns. Conheço vários indivíduos de bem, Vereadores que se orgulham ao expor o que fizeram durante seu período como nossos representantes. Mas, cada vez isso é mais raro. O vereador deveria trabalhar para dar dignidade às pessoas, para que nosso município pudesse ter melhor resolutividade para os problemas das pessoas. Os vereado-

res deviam ter que publicar o que fizeram ao final de seu mandato para que nós eleitores pudéssemos ver o que realmente fizeram, pois muitos podem até não fazer mal a ninguém, mas, pela omissão, também pecam, pois eles recebem dinheiro público para trabalhar para nós cidadãos, dinheiro jogado fora. Quando uso tais expressões estou sim falando de saúde, já que, alguns vereadores utilizam-se desse recurso para ganhar votos. Pergunte aos oftalmologistas da cidade se eles não querem operar catarata pelo SUS aqui em Lençóis. Lembrem-se de que há alguns anos o SUS liberou cotas para cirurgias aqui na cidade durante a chamada “campanha de catarata”, e, o que ocorreu? Os pacientes foram operados aqui mesmo. Nossa, acho que vou surpreender mais ainda as pessoas. Então, vamos lá. Os médicos oftalmologistas não são os “Malvados e Gananciosos” que não aceitam a

tabela do SUS e não querem operar. É que aqui em Lençóis eles não são autorizados a fazer isso. Mas, por que? É estranho não é. Porque estamos acostumados com outro mecanismo para conquistar o atendimento que a população deveria ter como direito básico. O mecanismo do jeitinho. Temos que mendigar um favor para que nosso representante legislativo nos arrume transporte para lá em Bauru sermos tratados adequadamente, quando aqui na cidade não faltam recursos humanos, técnicos ou materiais para resolver tais problemas. E o Papel do Vereador é esse? Não, com certeza não é. O papel do vereador é auxiliar o Poder Executivo a conquistar para Lençóis o atendimento adequado. Onde está nossa Quimioterapia? Tínhamos espaço físico, médicos e enfermagem para tratar nossos pacientes aqui. Mas o SUS não credenciou. Cadê o “Hospital de Olhos?”

Dr. Marcelo Fernando Ranzani é Médico Infectologista, Mestre em Medicina Tropical pela Unesp, Ex-Diretor Técnico do Hospital Nossa Senhora da Piedade, Ex-Presidente da Unimed Lençóis, Atual Diretor Superintendente da Unimed Lençóis e filiado ao Partido Verde.

A resposta é a mesma. Gostaria que todos se lembrassem disso quando forem às urnas em 2012. Nós cidadãos de Lençóis Paulista precisamos ter dignidade e atendimento adequados aqui. Precisamos melhorar o atendimento Hospitalar aqui. Temos condições técnicas para ampliar em muito a resolu-

ção dos problemas de saúde de nossa população. Mas para isso precisamos de todos, inclusive dos nossos vereadores, pensando em resolver nossos problemas. Não precisamos de esmolas ou de favores, queremos apenas que nosso Poder Legislativo cumpra com o seu verdadeiro papel.

80 anos do voto feminino no Brasil O voto feminino no Brasil ainda é uma conquista muito recente, de muita luta, coragem e determinação. Mulheres obstinadas sonharam com o direito a fazer sua própria escolha política por meio do voto. As mulheres brasileiras protagonizaram importantes mudanças ao longo do último século,

que alteraram significativamente as estatísticas socioeconômicas do País. Mas a luta por um mundo fraterno, sem desigualdades, sem violência e mais justo continua. A democracia representativa ainda está impregnada dos perfis racista, sexista e classista da sociedade brasileira, que consolidaram um

poder hegemônico de face masculina, branca e heterossexual, em que pesam as diferenças político-ideológicas entre os partidos. Essa situação tem sido ainda agravada pelos sistemas econômicos e de massa que restringem as possibilidades de disputa política para muitos segmentos, em especial às mulheres.

Apesar da conquista política formal por meio do direito ao voto, as mulheres permanecem em minoria absoluta no Parlamento, no Executivo e no Judiciário – seja nas esferas municipal, estadual ou federal -, apesar da existência de ações afirmativas (garantia de 30% de participação para um dos sexos nas chapas eleitorais)

partidárias, ainda restritas ao processo eleitoral. A aprovação da Lei 12.034/09, determina que 5% do recurso oriundo do Fundo Partidário, destinado ao partido, seja aplicado na criação e manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres. A Câmara Federal tam-

bém analisa projeto que estabelece a distribuição igualitária entre homens e mulheres no preenchimento de cargos nos órgãos de direção e de deliberação partidários. A proposta tramita em regime de prioridade. Será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois será votada em Plenário.


8

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

N otícia V erde

Lençóis Paulista v Junho de 2012

Partido Verde lamenta

o não funcionamento da estação de tratamento de esgoto e cobra providências Matéria escrita por Tânia Morbi e publicada no Jornal Sabadão de 18 de Fevereiro de 2012, edição nº 21.

ETE deve começar a tratar esgoto ainda este ano Expectativa é de que início do funcionamento ocorra antes das eleições; anúncio foi feito pela prefeita Izabel um ano e oito meses depois da inauguração e de ETE receber quase R$ 2 milhões em investimentos extras Após a Estação de Tratamento de Esgoto ficar um ano e cinco meses sem funcionamento e depois de quatro meses da publicação de uma reportagem do jornal Sabadão, que tornou publica a informação de que o esgoto de Lençóis Paulista continuava sem tratamento, a prefeita Izabel Lorenzetti (PSDB) anunciou essa semana que o Governo do Estado vai liberar R$ 1,6 milhão para os serviços de impermeabilização da segunda e maior lagoa da ETE do município. A prefeita e seu vice, Luiz Carlos Trecenti (DEM), estiveram em São Paulo na terça-feira, dia 14, e foram recebidos pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), que anunciou a liberação dos recursos. O diretor do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgotos) e responsável pela obra, José Antonio Marise, não participou do encontro. O não funcionamento da estação teria ocorrido, segundo o Saae, em função de vazamento diagnosticado durante os testes na lagoa menor. Um mês após a matéria divulgada pelo Sabadão, o SAAE informou que havia duas opções para solucionar o problema. A primeira seria rever a compactação, processo mais

barato, segundo Marise, ou aplicar a manta asfáltica, escolha que teria o custo de cerca de R$ 2 milhões, para aplicar a manta nas duas lagoas. Na mesma época, seu diretor disse que havia feito pedido por liberação da verba de R$ 1,6 milhão à Secretaria Estadual de Saneamento. O dinheiro iria para a impermeabilização da lagoa maior. No mês passado, o SAAE anunciou a licitação da obra para a lagoa menor ao custo de R$ 266 mil, com dinheiro próprio da Prefeitura. A licitação foi cancelada, por questionamentos de uma das empresas participantes, e outro certame foi aberto. A abertura dos envelopes está prevista para o dia 3 de março, na sede da autarquia. Embora seja a escolha mais cara, a aplicação da manta foi a opção, por ser um processo mais seguro contra futuros vazamentos. Ontem, da Secretaria Estadual de Agricultura, em São Paulo, por telefone, a prefeita Izabel Lorenzetti explicou que o vazamento ocorreu apenas em uma das lagoas, mas que a decisão em buscar recursos para a impermeabilização da lagoa maior é preventiva. A prefeita negou que o recurso

tenha sido liberado rapidamente, já que a administração estaria buscando soluções para o problema, desde que a lagoa menor apresentou vazamento. “Primeiro chamamos os técnicos para verificar qual a razão (do vazamento), depois com laudos começamos através da Secretaria de Agricultura, através da Codasp (Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo) que executou (a obra), ai vamos para a Secretaria de Saneamento... então foi trajetória”. Segundo Izabel, a insistência desde o início foi para que o recurso para a obra fosse liberado pelo governo do Estado. “Visto que a cidade investiu recursos próprios até aquele momento e como a gente não entra no programa Água Limpa, que faz tratamento de esgoto para cidades com até 50 mil habitantes, nessa hora que estávamos precisando de um investimento alto para nós, não queríamos colocar recursos próprios de novo, por isso foi se arrastando”, explicou. A confirmação da liberação dos recursos foi feita informalmente, de acordo com a prefeita, no dia 26 de dezembro, pelo governador durante uma cerimônia de assinatura de convênios

Vista aérea atual da estação de tratamento de esgoto; lagoa de decantação continua seca

no Palácio dos Bandeirantes. Do encontro, durante o qual foi oficializada a liberação dos recursos, participaram o deputado estadual Pedro Tobias e o secretário da Casa Civil, Rubens Cury. Entre a liberação de recursos e a realização de uma nova licitação para contratação da empresa que faça o restauro também da lagoa maior, a expectativa da Prefeitura é de que transcorram, no mínimo três meses e que a ETE entre em operação ainda em 2012. Como é A estação conta com duas lagoas integrantes do sistema de tratamento. A primeira e menor delas, com 120 metros de com-

primento, 70 de largura e profundidade média de 3,5 metros, é chamada de lagoa anaeróbia. Nela as bactérias iniciam a degradação da matéria orgânica sem oxigênio. Foi nessa lagoa que durante os testes com água surgiu o problema de vazamento, causado pela compactação do terreno. O complexo de tratamento de esgoto de Lençóis possui, além da própria estação e das duas lagoas de estabilização, de uma estação elevatória de esgoto (EEE), localizada nas proximidades da rodovia Marechal Rondon. Conta com interceptores, estações elevatórias intermediárias, dispositivos de transposição (travessia aérea), emissários,

linha de recalque, linha de retorno do esgoto tratado e escada de aeração. Redes de interceptores são linhas de tubos dispostos ao longo do Rio Lençóis, Ribeirão da Prata, Ribeirão do Corvo Branco nessas linhas estão as estações elevatórias intermediárias e é justamente nessas estações que o esgoto vem sendo despejado nas águas do rio e dois córregos sem nenhum tipo de tratamento, interrompendo o sistema, já que as estações elevatórias intermediárias não estão em funcionamento. Uma dessas estações, inclusive, está localizada dentro da sede do SAAE, onde também o esgoto é despejado diretamente no Rio Lençóis.

Notícia Verde - Edição 01  

Informativo do Partido Verde de Lençóis Paulista

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you