Page 1

Boletim Informativo da Paróquia São José do Ipiranga - nº 47- maio de 2013

Q

APRESENTANDO O BOLETIM

ueridos paroquianos e leitores,

Neste mês saudamos de forma especial a Nossa Senhora e celebraremos importantes festas litúrgicas. Muitos títulos são atribuídos a Virgem Maria, mas é sempre a mesma e única, Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo. Iniciamos com o artigo sobre São José Operário. Rezamos e homenageamos todas as mães que a cada dia nos mostram o rosto maternal de Deus. No artigo ‘Conhecendo um pouco mais’, vamos aprofundar sobre o tema Maria Mãe de Deus. Unidos a Jesus celebraremos sua ascensão e acolheremos os dons do Espírito Santo com festa de Pentecostes. Em seguida mergulharemos no mistério da Santíssima Trindade e no dia 30 celebraremos a solenidade de Corpus Christi. No artigo ‘Conhecendo nossos paroquianos’, veremos a história do sr. Antônio Carlos Gonçalves. Convidamos a todos para participar no dia 27 do terço mariano. Famílias participem conosco da semana missionária que acontecerá de 17 a 21 de julho (JMJ). E por fim, apresentamos as informações e atividades de nossa paróquia. Nossa Senhora de Sion, rogai por nós! Padre Ramires Henrique de Andrade, nds

São José Operário 1º de maio

O

santíssimo São José, protetor da Igreja Universal, assumiu este compromisso de não deixar que nenhum trabalhador de fé – do campo, indústria, autônomo ou não, mulher ou homem – esqueça-se de que ao seu lado estão Jesus e Maria. A Igreja, nesta festa do trabalho, autorizada pelo Papa Pio XII, deu um lindo parecer sobre todo esforço humano que gera, dá a luz e faz crescer obras produzidas pelo homem: "Queremos reafirmar, em forma solene, a dignidade do trabalho a fim de que inspire na vida social as leis da equitativa repartição de direitos e deveres." São José, que na Bíblia é reconhecido como um homem justo, é quem revela com sua vida que o Deus que trabalha sem cessar na santificação de Suas obras, é o mais desejoso de trabalhos santificados: "Seja qual for o vosso trabalho, fazei-o de boa vontade, como para o Senhor, e não para os homens, cientes de que recebereis do Senhor a herança como recompensa... O Senhor é Cristo" (Col 3,23-24). São José Operário, rogai por nós!

Oração para as Mães "Pai, Tu, sendo Deus, quiseste mostrar entre nós Tua face materna, por isso criaste todas as mães! Peço-Te por minha mãe, sinal concreto e visível de Teu amor entre nós, multiplicai seus dias em nosso meio! Acompanha-a em todo riso e em toda lágrima, todo trabalho e toda prece, todo dia e toda noite! Que Tua bênção cubra de luz a vida de minha mãe para que, inundada de Ti, ela represente a presença do divino em minha vida. Amém!"


MARIA - MÃE DE DEUS

A

o fazer-se um de nós, Deus quis poder chamar a alguém com o doce nome de Mãe.

Resolveu dar uma mãe a Seu Filho, e escolheu Maria, a jovem simples de Nazaré. Estamos acostumados a ver Maria em suas imagens vestida com mantos de rainha e coroada. Mas é preciso que a vejamos também varrendo e arrumando a casa, lavando as roupas de seu Filho e de seu esposo, como a mulher do povo que ela era. E foi justamente por sua vida normal de dona de casa, mulher simples é que ela se tornou a maior santa, desde o começo até o fim do mundo. E não fez milagre algum durante a vida. Em Lucas 1,26-38 lemos como Deus veio a ter com Maria e chamou-a a participar do Plano da Redenção, e como ela seria a Mãe do Messias prometido. Ela fica espantada com o anúncio, pois não entendia como poderia conceber e ser mãe sendo virgem?! Então Deus lhe diz que ela conceberá por obra do Espírito Santo. Provavelmente ela ficou ainda mais espantada, e mesmo assustada, sem nada compreendendo, deu a resposta própria de quem crê realmente em Deus e se dispõe a serví-Lo. “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim conforme a Vossa palavra”. Naquele instante Maria passou a ser mãe. E Mãe do Filho de Deus! O Concílio Vaticano II dedicou à Maria o Capítulo VIII da “Lumen Gentium” quando trata de modo especial do Cristo Continuado que é a Igreja. E esse mesmo Concílio reafirmou-lhe um título síntese: Mãe da Igreja. Sabemos que quando nos dirigimos a um santo, ainda mesmo que seja à Maria, estamos pedindo que interceda por nós, pois só Deus pode nos conceder graças. Ao atender o pedido de Sua Mãe nas bodas de Caná, não estaria uma “dica” de Jesus para que recorramos a Ele através de sua Mãe, e que isso seria de Seu agrado? Como intercessora ela é também Medianeira das graças de Deus. Peçamos, pois, a ela, a graça de sermos seus imitadores na fé, na confiança inabalável, na fidelidade, no amor perseverante e na disponibilidade. Ó Mãe de Deus, derramai sobre a humanidade inteira as graças eficazes da vossa chama de amor, agora e para sempre. Amém!

Oração em Honra a Santa Gravidez de Nossa Senhora (para mulheres grávidas ou que querem engravidar) Ó Maria, Virgem Imaculada, Porta do Céu e Causa da Nossa Alegria, respondendo com generosidade ao Anúncio do Arcanjo São Gabriel, Vós pudestes dar curso ao plano de Deus para a minha salvação. Vós fostes, pela Providência Santíssima, desde toda a eternidade, constituída Vaso de Eleição e morada digna do verbo de Deus Encarnado. Pelo vosso “sim” e fidelidade ao Pai Celeste, o Espírito Santo teceu em vosso ventre Nosso Senhor, Javé Salvador. Eis que desejando que o Filho de Deus que quis nascer em Vós, nasça também em meu coração e conceda-me o perdão de meus pecados, prostro-me aos vossos pés e vos imploro, Nossa Senhora, com todo o fervor de minha alma, que vos digneis alcançar-me, do vosso Amadíssimo Filho, a graça que tanto necessito de engravidar e de ser mãe, junto com minhas companheiras nessa oração (colocar o nome das demais). Ouvi minha súplica, ó Virgem Santíssima, Nossa Senhora de Pentecostes, Vós que, perante o Trono da Graça, sois a “Onipotência Suplicante”, enquanto vou considerando, com reverência e filial afeto, todos os momentos de dor e de alegria, de desolação e de providência, que vos acompanharam em vossa bendita, augusta e singular Gestação, na qual trouxestes em vosso ventre o Filho do Deus Altíssimo. E se não bastassem os meus pedidos, ó Senhora, ainda vos peço, em virtude de vossos cuidados e suplícios para com Jesus em vosso ventre, por todas as mães grávidas, para que tenham uma boa hora e também por todas aquelas que passam por uma gestação delicada, pelas que são atormentadas pela ideia de abortar seus filhos e pelas que não podem ou não conseguem tê-los. Ó Senhora, mão e colo que embalaram Jesus, consolai e recompensai todas as mães que geram filhos para Deus, instruindo-os na fé ou entregando-os para a vida sacerdotal e religiosa. "Benditas sejam a Santa Gravidez e a Imaculada Conceição da Bem-Aventurada sempre Virgem Maria, Mãe de Deus e Nossa Mãe. Rogai por nós, Santa Mãe de Deus!"


Solenidade da Ascensão do Senhor 09 de maio

A

Ascensão celebra a glorificação de Jesus que, voltando ao Pai, depois de cumprida a sua missão na terra, reaparece em sua gloriosa condição divina que, no momento da encarnação, havia ocultado. Jesus volta vitorioso sobre o pecado e vencedor sobre a morte. O Filho de Deus que sobe aos céus não é o mesmo que desceu. Ao se encarnar no seio da Bem-aventurada Virgem Maria, Ele era só Deus. Hoje, Ele retorna ao Pai em divindade e também com sua humanidade, com a nossa carne humana. Por isso, a Igreja celebra a solenidade e a festa do envio para a missão única de Jesus e da Santa Igreja Católica, uma missão salvadora que se realiza com a mesma graça santificante. Somos membros do Corpo Místico de Cristo Ressuscitado e a sua subida não significa afastamento, mas um novo modo de estar presente no meio de nós: “Já não sou eu quem vive, é Cristo quem vive em mim” (Gal 2,20), já sentenciava São Paulo para demonstrar a presença contínua de Cristo na vida da Santa Igreja e na nossa vida de caminhada de fé.

C

omo o Pai me enviou, também eu vos envio”. E depois de ter dito isto, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo”. (João 20, 21-22). Muitos de nós, que lemos esta reflexão, somos católicos batizados e crismados (Sacramento da Confirmação). Desse modo, como Deus Pai nos abençoou com vontade própria e livre, podemos decidir avivar ou decidir extinguir o Espírito (1Ts 5,19) em nossas vidas. Assim sendo, será que aproveitaremos a Festa de Pentecostes? Reconheçamos que “recebemos um espírito de filhos adotivos” (Rm 8, 14.15). Pensemos que cada um de nós é único, e que somos batizados em um único corpo (1Cor 12,13). Que nós possamos viver para Deus e para o próximo, usando os dons espirituais para crescer no reino de Deus. Jesus, a Palavra de Deus, revelou-nos tudo o que é necessário para nossa salvação. Ele disse: “Eu rogarei ao Pai e Ele vos dará outro Paráclito, para que convosco permaneça para sempre”. (Jo 14,16). Confie em Jesus e em sua santa Palavra. Receba o Espírito Santo! (Jo 20, 22).

Santíssima Trindade - 26 de maio

A

s três pessoas da Santíssima Trindade estabelecem uma comunhão e união perfeita, formando um só Deus. Elas possuem a mesma natureza divina, a mesma grandeza, sabedoria, poder, bondade e santidade. As suas principais atividades desempenhadas e o seu modo de operar está registrado nas Sagradas Escrituras e claramente resumido no Credo Niceno-Constantinopolitano. • PAI – Não foi criado nem gerado. É o “princípio e o fim, princípio sem princípio” da vida e está em absoluta comunhão com o Filho e com o Espírito Santo. Foi o Pai que enviou o seu Filho, Jesus Cristo, para salvar-nos da morte espiritual, pelo sacrifício vicário. Isto revela o amor infinito de Deus sobre os homens e o não-abandono aos seus filhos adotivos. O Pai, a primeira pessoa da Trindade, é considerado como o Pai Eterno e Perfeito. É atribuído a esta pessoa divina a criação do mundo. • FILHO – Eterno como o Pai e consubstancial (pertencente à mesma natureza e substância) a Ele. Não foi criado pelo Pai, mas gerado na eternidadade da substância do Pai. Encarnou-se em Jesus de Nazaré, assumindo assim a natureza humana. O Filho, a segunda pessoa da Trindade, é considerado como o Filho Eterno (Filho sob a ótica humana no sentido de que se tornando homem, deixou sua divindade, tornando-se totalmente dependente de Deus), com todas as perfeições divinas: a Ele é atribuída a redenção (salvação) do mundo. • ESPÍRITO SANTO – Não foi criado nem gerado. Esta pessoa divina personaliza o Amor íntimo e infinito de Deus sobre os homens, segundo a reflexão de Santo Agostinho. Manifestou-se primeiramente no Batismo e na Transfiguração de Jesus e plenamente revelado no dia de Pentecostes. Habita nos corações dos fiéis e estabelece entre estes e Jesus uma comunhão íntima, tornando-os unidos num só Corpo. O Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade, é considerado como o puro vínculo de amor. Atribui-se a esta pessoa divina a santificação da Igreja e do mundo com os seus dons.

A

Corpus Christi - 30 de maio

festa de Corpus Christi tem por objetivo celebrar solenemente o mistério da Eucaristia - o Sacramento do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo. Acontece sempre em uma quinta-feira, em alusão à Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste sacramento. Durante a última ceia de Jesus com seus apóstolos, Ele mandou que celebrassem Sua lembrança comendo o pão e bebendo o vinho que se transformariam em seu Corpo e Sangue. “O que come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna e, eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue é verdadeiramente bebida. O que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. O que come deste pão viverá eternamente” (Jo 6, 55 - 59). Através da Eucaristia, Jesus nos mostra que está presente ao nosso lado, e se faz alimento para nos dar força para continuar. Jesus nos comunica seu amor e se entrega por nós.


Apresentando nossos Paroquianos

SERVIÇO PASTORAL

Antonio Carlos Gonçalves

C

omo acontece com os precedentes do interior, cheio de esperança profissional, cheguei à cidade de são Paulo ao anoitecer de 01/02/1971. Na manhã do dia seguinte, meu primeiro desejo foi procurar a “Casa do Pai”. Ao subir as escadarias de acesso ao adro da igreja, fui recebido, com sorriso largo, pelo irmão Manoel Cardoso, que concluía a varredura externa. Fraternalmente nos apresentamos e cordialmente nos abraçamos. Ele acolheu este forasteiro como se dele fora velho conhecido. Que alegria! Com a vassoura, ainda em punho, irmão Manoel me acompanhou pelas dependências da Igreja. Falou-me do carisma da Congregação dos Religiosos de Nossa Senhora de Sion, nds - e das atividades da paróquia. Senti ter encontrado na comunidade Josefina o que ansiosamente procurava. A beleza arquitetônica do templo, salientando a composição majestática do presbitério com: baldaquino românico cobrindo o altar-mor finamente esculpido em mármore em cujo interior abriga o sacrário e a pedra d’ara, ladeado pelo cadeiral, dossel e genuflexório artisticamente entalhados em madeira de lei estabelecem sua organização. Também causa encantamento o refinamento dos afrescos e das pinturas sobre tela de autoria de Oscar Pereira da Silva, objetos de arte, alfaias , requinte das imagens sacras, arranjos florísticos e a iluminação interior acolhedora propícia à meditação me acalentaram à primeira vista. No domingo, ainda cheio de nostalgia e saudoso de minha comunidade paroquial do interior, participei da celebração eucarística matutina da São José. Desta vez, fui recebido na porta da igreja, com alegria esfuziante, por Célia Mieto. Este tipo de acolhida nos refaz o ânimo enfraquecido e nos traz renovados vigor à nova caminhada. Oxalá toda a igreja contasse em suas comunidades paroquiais com equipes laicas de acolhimento bem preparadas que tocasse não apenas o físico, mas principalmente a fragilidade interior

dos irmãos carentes de solidariedade, afeto, compaixão, carinho. Melhor seria ainda se estas equipes contassem com sacerdotes com “cheiro de povo”. No início dos anos 80 por intermédio de Frei Leonardo Martim, FFR – superior da Casa da Reconciliação, realizei antigo sonho, isto é, dedicar-me à causa da unidade da Igreja. A Região Episcopal Ipiranga e a Casa da Reconciliação elegeram-me coordenador da Pastoral de Ecumenismo e de Diálogo Inter-religioso. Isto me facultou fazer parte de outros organismos ecumênicos de esferas mais abrangentes, tais como: CEDRA – Comissão de Ecumenismo e de Diálogo Inter-religioso da Arquidiocese de São Paulo; MOFIC - Movimento de Fraternidade Cristã; MUC – Movimento de Unidade Cristã e também nos organismos de relacionamento na área do diálogo interreligioso: Judaísmo, Budismo, Islamismo, Bramanismo, Cultos Afros, cujos membros se revelaram bons parceiros de caminhada. Com o auxílio do Padre Frederico Bassani, de saudosa memória, a Pastoral do Ecumenismo foi implantada na Paróquia São José. Padre Frederico foi nomeado por Dom Antônio Celso de Queiroz o primeiro animador d pastoral em nível Regional. Também na São José, por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, foi celebrado o primeiro Culto Ecumênico da Região Episcopal Ipiranga, com a presença dos irmãos da Igreja Metodista da Praça Nami Jafet cujo pastor presidiu a cerimônia e fez a homilia. Ao longo destes anos a Pastoral do Ecumenismo e de diálogo Inter-religioso promoveu na Região Episcopal Ipiranga diversas celebrações tanto na área de reconciliação entre as denominações cristãs gerando aproximação entre as Igrejas irmãs quanto na área do diálogo Inter-religioso promovendo cordiais relacionamentos entre as diferentes religiões. Aos 16 de novembro de 1991 recebi, juntamente com Maria Teresa Marani, mandato de Ministro Extraordinário da Santa Comunhão em celebração eucarística presidida por Padre José Miguel Lisboa, concelebrada por Frei Leonardo Martin e Padre Astor Salgado. Após a celebração houve comemoração festiva servida por guloseimas e refrigerantes e abrilhantada por pequeno conjunto musical que resultou em animado baile. Nossos mandatos de ministros foram sendo renovados até a presente data, o que muito nos honra.

Antonio Carlos Gonçalves

HORÁRIO DAS MISSAS

Site oficial da Jornada Mundial da Juventude Acesse: http://www.rio2013.com Conheça a Semana Missionária JMJ Acesse: http://www.prejmjsp.com

Os objetivos da “Semana Missionária” são os seguintes: 1 – Um encontro pessoal com Cristo que muda a vida e enche-a de alegria, especialmente nos sacramentos da Eucaristia e da Reconciliação; 2 – Experiência vital da universalidade da Igreja católica como comunhão e da paternidade espiritual do Papa; 3 – Redescobrimento da vocação batismal à santidade, chamados a serem membros ativos da Igreja, responsáveis pela nova evangelização do mundo contemporâneo. Participe desta grande "aventura da fé" junto a milhões de jovens de todas as partes do mundo Organize seu grupo, prepare a mala e o coração. O Rio de Janeiro espera você de braços abertos.

Lojinha da Paróquia São José

Conheça os artigos religiosos de nossa Paróquia.

Boletim informativo de maio de 2013  

Boletim Informativo de Maio de 2013.pdf