Issuu on Google+

Ano VII - N潞 87

Par贸quia Santo Ant么nio de Gopo煤va

Fevereiro - 2013


página

02 Voz Viva Editorial

Fevereiro 2013

RECADOS

Padre Otacílio de Lacerda

Quaresma: tempo de graça e reconciliação

I

EXPEDIENTE

niciamos o Tempo Litúrgico da Quaresma, tempo de conversão e prontidão ao chamado divino. E, é com estas Palavras do Apóstolo que a Igreja nos convida a viver este Tempo frutuoso: “Em nome de Cristo suplicamo-vos: reconciliaivos com Deus... Como seus colaboradores, exortamo-vos a não receber em vão a graça de Deus. Pois Ele diz: No tempo favorável ouvi-te e, no dia da salvação, vim em teu auxílio. É este o tempo favorável, é este o dia da salvação” (2 Cor 5,20 – 6 2 – cf. na íntegra). Nisto consiste a Quaresma, tempo favorável de nossa conversão, meditação e aprofundamento do Mistério da Vida, Paixão e Morte de nosso Senhor, para que, também a Ele configurados neste Mistério, trilhemos para a desejada Páscoa, como a mais bela Vitória de Sua Ressurreição. Não podemos receber em vão a graça de Deus, como bem nos falou o Apóstolo. É preciso, como os Profetas, dizer sim a Deus que Se nos revela em cada instante, do mesmo modo que nos chama, envia, acompanha e garante o êxito na missão. Entretanto, para que o Projeto de Deus Pai verdadeiramente aconteça, na fidelidade a Jesus, abrindo-se sempre ao Espírito Santo, protagonista principal da Evangelização, a Ele devemos responder como fez o Profeta Isaías: “Eis-me aqui, envia-me a mim” (Is 6,8). Nesta Edição os diversos artigos expressam a resposta ao convite de reconciliação com Deus e com os irmãos. Planejamento em mãos (cf. Apresentação pág. 09), urge nos colocarmos em atitude generosa e alegre nas diversas atividades pastorais, dentro e fora dos espaços da comunidade. Sejamos também enriquecidos com a reflexão à luz da Mensagem do Papa para esta Quaresma, que nos exorta a viver a caridade como expressão de nossa fé, dando conteúdo sólido à nossa esperança. Inspirados no Profeta Isaías, queremos, como Igreja, olhar para a realidade de nossa juventude, refletir sobre a mesma e procurar caminhos para que os jovens reencontrem seu espaço e missão na Igreja e no mundo. A primavera da Igreja é possível quando não fechamos os olhos, coração e ouvidos para a

peotacilio@terra.com.br

realidade da juventude e, juntos, somamos e multiplicamos as riquezas e diferenças possíveis entre eles e os que não são mais sociologicamente jovens, mas carregam a chama e a beleza da alegria, do sonho, da força e o ardor da juventude. Como Isaías, inseridos na realidade social, sermos uma voz profética na defesa da vida, de sua dignidade, de nossos direitos inalienáveis. Empenhados com a justiça e a vida para que esta seja mais humana e fraterna. Neste sentido, apresentamos o artigo sobre um problema que tem afetado a população: o aumento do IPTU. Como Isaías, apesar dos séculos que nos separam, não podemos ficar indiferentes aos novos espaços da comunicação da Palavra divina, e através deste meio, continuamos nosso itinerário no Que a graça Ano da fé, dando mais um passo, acolhendo uma pre- de Deus mais ciosa proposta de conversão uma vez seja e busca do Sacramento da acolhida no Penitência e reconciliação. Como tantos outros Profe- mais profundo tas, que foram sensíveis aos de nosso apelos de Deus e suas macoração nifestações, nos unimos ao nosso Papa Bento XVI que, consciente de suas limitações e primando pelo bem maior da Igreja, fará sua renúncia, abrindo espaço para que outro continue a missão de lançar as redes em águas mais profundas. Que bela lição de desapego ao poder está nos dando o Papa. Que a graça de Deus mais uma vez seja acolhida no mais profundo de nosso coração, sequioso de água cristalina, mas para isto, de nada adiantam mudanças superficiais, é preciso “rasgar nosso coração”, como nos fala o Profeta Joel, rompendo com tudo que nos escravize, para maior fidelidade ao Projeto Divino. E, assim, vivendo a graça batismal, seremos Profetas, Sacerdotes e Reis. Com lábios e coração puros, aos céus nossas palavras subirão, e nossa vida e missão serão uma contínua e corajosa resposta ao Senhor: “Eis-me aqui, envia-me a mim.” Pe. Otacílio F. Lacerda – Pároco http://peotacilio.blogspot.com

Informativo Mensal da Igreja Santo Antônio de Gopoúva: Largo Santo Antônio, nº 7 - Gopoúva - Guarulhos - Tel: 2440-9930 / Coord. Geral: Padre Otacilio Lacerda e Pascom / Projeto Gráfico: Hei! Comunicação - Diagramação: Ivanildo de Lima - 96712-0795 - 97697-3276 / Impressão: Atlântica Gráfica e Editora: 4615-4680 / Tiragem: 3.000 exemplares / Distribuição Gratuita blogger: santoantoniodegopouva.blogspot.com / facebook: Santo Antônio de Gopoúva / twitter: @psagopouva

Tradicional Festa do Sorvete Convidamos você e sua família para participar da tradicional Festa do Sorvete no dia 09 de março, a partir das 19:30h no Salão da Igreja Santo Antônio de Gopoúva. Venha passar momentos agradáveis conosco!

Missa do Sagrado Coração de Jesus 01 de março às 07:30h, na Capela Nossa Senhora de Sion

HOMENAGEM

Feliz Aniversário Pe. Paulo

Com muita alegria, celebramos os 14 anos de Ordenação Presbiteral do nosso Vigário Pe. Dr. Paulo Afonso, completados no dia 07 de fevereiro. São anos dedicados à Evangelização sob a proteção da Virgem Mãe das Dores da qual ele é devoto. Agradecemos a Deus pelo nosso vigário e pedimos para que renove em seu coração a vocação, no amor a Deus e em profunda e sincera fidelidade a Nossa Senhora.

Padre Paulo: Ministro de Deus, na igreja de Cristo, para a salvação das Almas! (Lema da Ordenação Presbiteral do Pe. Paulo Afonso)


Voz Viva

Fevereiro 2013

CATEQUESE

Décimo Mandamento da Lei de Deus “Não cobiçarás... coisa alguma que pertença ao teu próximo .” (Ex 20, 17)

SIDNEY L. VITORINO PASCOM Proibindo aos tementes a Deus de cobiçar as coisas que não lhe pertencem, completa o nono mandamento, que proíbe a cobiça da carne. Desta forma, mais necessário que nunca esta ordem divina ecoa sobre as mentes que todos os dias degladiam com o consumismo e a desvalorização da pessoa humana. Infelizmente muitos são conhecidos e valorizados pelo que possuem e não pelo que são ou fazem para fazer valer a sua presença. Estes mesmos tão abastados e providos da riqueza do mundo, quando encontram alguém que possa competir em quantidades de posses, sentem-se ameaçados. E, mesmo com tantos bens, pode acabar desejando as coisas do outro, até de quem não tem nada. A Bíblia não condena que se coma quando se tem fome, se tenha moradia contra o clima, mas condena como sério pecado quem deseja ter as coisas do outro, ainda que o outro perca tudo para que fiquem em termos de igualda-

de, já que ele não consegue possuir as coisas em mesmo valor ou quantidade. Sendo assim, o mandamento condena a posse sem medida e desnecessária, o egoísmo e a inveja, uma vez que exalta a pobreza de espírito de quem quer conhecer a face do Senhor e se doa, ou divide sem olhar a quem, e sem mesmo querer algo em troca, reconhecendo no irmão a presença divina. Certa vez Jesus pediu aos seus discípulos, para que tivessem um coração, desprendido das riquezas, libertados da preocupação do amanhã e preparados para a bem-aventurança dos «pobres em espírito, porque deles é o Reino dos céus» (Mt 5, 3). Por isso, que respeitando e valorizando as pessoas, felizes por suas conquistas e vitórias, devemos reconhecer e diferenciar as ambições razoáveis dos desejos injustos, uma vez que posso admirar e até mesmo querer algo igual ao do meu irmão, mas buscar de forma justa e honesta maneiras para tal realização e não simplesmente querer o que é dele.

CARTA DE RENÚNCIA “Queridíssimos irmãos, Convoquei-os a este Consistório, não só para as três causas de canonização, mas também para comunicarvos uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Após ter examinado perante Deus reiteradamente minha consciência, cheguei à certeza de que, pela idade avançada, já não tenho forças para exercer adequadamente o ministério petrino. Sou muito consciente que este ministério, por sua natureza espiritual, deve ser realizado não unicamente com obras e palavras, mas também e em não menor grau sofrendo e rezando. No entanto, no mundo de hoje, sujeito a rápidas transformações e sacudido por questões de grande relevo para a vida da fé, para conduzir a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor tanto do corpo como do espírito, vigor que, nos últimos meses, diminuiu em mim de tal forma que eis de reconhecer minha incapacidade para exercer bem o ministério que me foi encomendado. Por isso, sendo muito consciente da seriedade deste ato,

com plena liberdade, declaro que renuncio ao Ministério de Bispo de Roma, sucessor de São Pedro, que me foi confiado por meio dos Cardeais em 19 de abril de 2005, de modo que, desde 28 de fevereiro de 2013, às 20 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro ficará vaga e deverá ser convocado, por meio de quem tem competências, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice. Queridísimos irmãos, lhes dou as graças de coração por todo o amor e o trabalho com que levastes junto a mim o peso de meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora, confiamos à Igreja o cuidado de seu Sumo Pastor, Nosso Senhor Jesus Cristo, e suplicamos a Maria, s u a

Mensagem ao povo de Deus a respeito da renúncia do Papa Bento XVI propõe sua renúncia como expressão de sua fé, fundamentada nos acontecimentos que está experimentando, e deixa seu lugar para aquele que Deus escolher como novo Papa. Na Igreja, Deus chama, o homem responde e é investido da missão de santificar, governar e ensinar o Povo de Deus. Isto vale para todo batizado, todo consagrado, e também para o Papa.

Nada temos a recriminar em relação à vida e atitudes do papa Bento XVI, mas apenas bendizer por seu amor, serviço, dedicação e sacrifícios em favor do Povo de Deus ao longo de toda sua vida. O Papa afirma que o motivo de sua renúncia não são os problemas que a Igreja enfrenta, mas sua situação pessoal, que ele assume com espírito de fé, caridade e de serviço, e a que ele dará conti-

“Maria, verdadeira porta de fé aberta sobre o mundo.” (Ieda - 1ª Noite do Tríduo)

03

Mãe Santíssima, que assista com sua materna bondade os Cardeais a escolherem o novo Sumo Pontífice. Quanto ao que diz respeito a mim, também no futuro, gostaria de servir de todo coração à Santa Igreja de Deus com uma vida dedicada à oração. Vaticano, 10 de fevereiro 2013.”

MENSAGEM

A paz esteja convosco! A Diocese de Guarulhos recebeu com surpresa e admiração a notícia da renúncia do Papa Bento XVI, prevista para o dia 28 de fevereiro de 2013. Esta atitude, apesar de incomum, está prevista no Código de Direito Canônico, Canon 332 § 2, que expressa que tal renúncia deve ser feita livre e espontaneamente pelo Romano Pontífice; e, uma vez feita, não requer que seja aceita por alguém, porque o Papa é a instância máxima na Igreja. Partindo do princípio de que a autoridade na Igreja é serviço, o Papa, diante de seus limites de saúde, vê que não pode mais responder satisfatoriamente às exigências da missão;

página

nuidade no local que escolher para retirar-se, prosseguindo, assim, a sua missão, orando e intercedendo pelo Povo de Deus. No próximo dia 22 de fevereiro, Festa da Cátedra de São Pedro, às 12h, na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, convidamos a todos para a Santa Missa em Ação de Graças pela vida e missão do Papa Bento XVI. Pedimos que em todas as paróquias seja colocada esta mesma intenção nas missas e celebrações. Guarulhos, 11 de fevereiro de 2013, Festa de Nossa Senhora de Lourdes. + Dom Joaquim Justino Carreira Bispo Diocesano de Guarulhos


página

04 Voz Viva

Fevereiro 2013

MediTação

Reflexão

Encontremos o equilíbrio

O Reino de Deus está no coração de cada um de nós “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8)

Tiago JanuáRio Pascom O Reino de Deus não virá de forma esplendorosa, com holofotes e pompas, não haverá local físico, não será aqui e nem ali. Sim, o Reino de Deus já está formado, e o local é dentro de cada um de nós, no coração. “Se alguém me ama, guardará a minha Palavra e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada (Jo 14,23). Deus age de forma magnífica em cada um de nós, moldando-nos ao longo da vida, para que sejamos verdadeiros discípulos e missionários a serviço do bem. Para que isso ocorra, devemos primeiramente estar em constante oração, em intensa sintonia com o Pai, ouvindo sua voz e obedecendo a seus ensinamentos, para que cada semente lançada cresça em nosso coração e produza frutos. Bons frutos nascem em

solo fértil.Por isso, devemos sempre preparar o nosso espírito para que esteja fértil e ao recebermos a semente, a Palavra, esta produza frutos. Por isso precisamos da constante limpeza interior, livrando-nos de todos os pecados, rancores, ódios e tudo o que o mundo perverso coloca em nosso caminho, sem jamais nos esquecermos de propagar o amor ao próximo, assim como Ele nos ensinou. Paulo afirma na Carta aos Romanos que “o pecado não deve imperar mais em vosso corpo mortal” (Rm 6,12). A tarefa não é fácil, pois preparar o terreno interior para o Reino do Pai necessita de autoconhecimento, renúncias, perdão, amor ao próximo, oração constante, trabalho em prol da Igreja e tantos outros ensinamentos por Ele deixados. Talvez, se o Reino de Deus tivesse endereço e local físico, a chegada seria mais fácil e muitos conseguiriam, porém, não

seríamos plenamente realizados. O encontro pessoal com Deus, saber que Ele habita o nosso ser, é que faz cada um de nós mais feliz. “O Reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo” (Rm 14,17). E, na dúvida, “Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho? Jesus lhe respondeu: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim (Jo 14, 5-7). Portanto, não busquemos o endereço do Reino de Deus, pois a morada está em nós. Basta aceitá-Lo, ouvi-Lo e, depois ir e pregar tudo o que dentro de nós germinou. É um desafio. Aceitemo-lo. E que o Reino de Deus cresça cada vez mais em nosso interior. Fonte base: Catecismo da Igreja Católica (Reino de Deus) e Homilia de Orígenes (Opúsculo sobre la oracíon).

MaRia da Saúde Proclamadora da Palavra O “mundo” gira em torno da tecnologia. Em qualquer lugar onde estivermos lá estará ela. Somos “obrigados” a nos adequar a ela ou ficar de fora sem entender muito bem o que está a acontecer ou sempre depender de alguém para nos orientar. Isso é a globalização. Você fala com quem está do outro lado do mundo, mas esquece de olhar para quem está ao seu lado, precisando de sua atenção e seu sorriso. Você acaba por se “isolar” em seu mundo. Toda essa tecnologia acaba nos assustando e mostrando que os mais novos

fazem isso com a maior facilidade, deixando de fora os mais idosos. Diante de tanta rapidez com que tudo chega às nossas mãos, tudo se torna descartável, sem valor. Tudo pode ser resolvido num clicar ou deletar. Temos que manter o equilíbrio diante de tanta novidade e facilidade, e percebermos que dá para conciliar o uso da tecnologia com a manutenção das tradições da história. Precisamos aproveitar a tecnologia para criar relações mais fraternas. Fonte: Alfredo J. Gonçalves/revista Missões - 29/01/2013

díziMo

Missão do Cristão Batizado Pastoral do dízimo O Cristão Batizado pode sustentar a Igreja em sua missão no mundo de três maneiras: 1ª Na Oração; 2ª Na Participação e 3ª No Dízimo. Todo batizado tem o dever de ir à missa todos os domingos, honrando o Senhor com sua presença e sua oração em comunidade. Agradecendo a Deus pelo Dom da Vida e por tudo de bom que Ele tem realizado em sua vida. Alimentando-se na Palavra de Deus e da Eucaristia. Ao participar da comu-

“Deus Pai juntou todas as águas e chamou-as mar; juntou as suas graças e chamou-as Maria.” (Nelson - 2ª Noite do Tríduo)

nidade o cristão batizado a sustenta também com a sua vida, participando na vida da comunidade, buscando desenvolver algum trabalho pastoral ou colaborar ativamente na ação da Igreja de Evangelizar. O cristão batizado sustenta a sua Igreja com o seu Dízimo, que é gratidão, devolução, partilha e serviço. Participando assim ativamente da comunidade e em seus projetos de Evangelização e manutenção do Evangelho com recursos financeiros.


Voz Viva

Fevereiro 2013

PASTORAL DO ACOLHIMENTO

página

05

Acolhidos para acolher “Sede hospitaleiros uns com os outros, sem murmurar”. Desde a formação das primeiras comunidades, os cristãos são chamados a serem acolhedores, fundamentados na Palavra de Deus, nos ensinamentos da Igreja, observando e atendendo às necessidades da comunidade. Assim como o Senhor nos acolhe a cada instante, também nós somos chamados a nos acolher mutuamente. Além disto, temos em nossa Paró-

Casal Mauricéia e Sidney 1 - Começamos a participar da comunidade em maio de 2011. 2 - Sempre fomos católicos, porém éramos muito afastados, íamos de vez em quando à Missa. No começo do ano passado passamos por algumas tribulações e com isso decidimos buscar a Deus. Começamos a participar das Missas na Igreja Santo Antônio de Gopoúva, nos sentimos muito acolhidos, pela forma como as pessoas nos receberam, com muito amor, demonstrando carinho. Somos muito felizes fazendo parte dessa caminhada. Muitas pessoas dizem que precisam de outra religião para encontrar Jesus, nós encontramos Jesus dentro da Igreja que sempre frequentamos, dentro da Igreja Católica, a Igreja do Pai. 3 - Fomos acolhidos pela Izabel, e foi num momento mais frágil, que ela veio e se mostrou solidária. 4 - Ainda não tivemos oportunidade de acolher. Casal José Luis De Toledo (Rubinho) e Margareth Navarro De Toledo 1 - Começamos a participar em 2006. 2 - Quando mudamos pertencíamos à Paróquia São Pedro, mas na primeira Missa o Pe. Otacilio nos cativou. 3 - Os amigos Rose e Serginho.

quia, há quase 07 anos, a Pastoral do Acolhimento, da qual de forma efetiva, com sugestões e observações, todos podem e devem participar. Para termos uma visão da importância do acolhimento, entrevistamos agentes de diversas pastorais, das três comunidades, fazendo as seguintes perguntas: • 1 - Quando começou a participar da comunidade? • 2 - Como começou?

4 - Sim, já acolhemos várias pessoas. Casal Alaíde Célia e Orípes Januário 1 - Comecei a participar quando conheci o Oripes na quermesse em 1982. 2- Comecei ajudando-o na catequese com as crianças e também na Pastoral do Dízimo. 3 - Primeiramente fui acolhida pelo Orípes e depois pelo Padre Tito, 4 - Sim, acolhi. Tenho muito facilidade de cativar as pessoas e uma delas foi a família Perez. Casal Francisco e Mônica 1 - Participamos da comunidade há mais ou menos 10 anos. 2 - Começamos por influência da família da Mônica, pois são católicos praticantes. 3 - Fomos acolhidos pela Luzia, que era a catequista de nosso filho, e a partir daí começamos a participar mais da comunidade. 4 - Estamos tentando resgatar a namorada do nosso filho, pois estava ela em outra religião, ou seja, por uma boa acolhida uma ovelha está sendo trazida de volta. Senhora Guiomar 1 - Participo da comunidade há 2

• 3 - Quem o acolheu? • 4 - Você já acolheu alguém? Vejamos as respostas dos agentes entrevistados: Concluindo, que estes depoimentos nos levem cada vez mais a acolher o Senhor na pessoa do nosso próximo, pois Ele mesmo afirmou: “Quem vos ouve a mim ouve, quem vos despreza a mim despreza, e quem me despreza, despreza Aquele que me enviou” (Lc 10, 16).

anos. 2 - Resolvi participar aqui pela proximidade da Igreja, pois antes participava da Igreja Matriz. 3 - Fui acolhida pela dona Lourdes e dona Jô. 4 - Pelo pouco tempo de comunidade ainda não acolhi ninguém, ou melhor, ainda não trouxe ninguém. Sra. Cilene e sua filha Luana 1 - Participamos da Capela há poucos meses. 2 - Começamos a participar da Capela São Judas porque moramos perto. 3 - Trabalho no Colégio N. S. Das Dores, e foi a Ir. Gilda quem nos indicou a Capela São Judas. 4 - Trouxe minha filha Luana para participar comigo. Casal Gilberto e Maria 1 - Participamos aproximadamente há 22 anos da comunidade. 2 - Fomos convidados pelo Pe. Lauro para fazermos o ECC na Paróquia Santo Antônio e a partir daí, fui chamada para a Pastoral da Criança (convite feito pela coordenadora da época, dona Isabel). 3 - Meu marido e eu, ajudamos na construção da Capela São Judas e participamos até hoje da comunidade.

“A oração do Rosário é uma forma de unir o homem a Deus” (Soninha - 3ª Noite do Tríduo)

4 - Acolhemos várias pessoas neste período. Nelly Santana 1 - Morava em Suzano, e comecei a participar na Capela Sion no ano 2000. 2 - Comecei com a catequese dos meus filhos (estavam na catequese em Suzano e terminaram aqui). 3 - Fui acolhida pelo Pedro e pela Norma, e também pela Roselena, que foi a catequista dos meus filhos. 4 - Já acolhi e acolho muitas pessoas. Ivete 1 - Recomecei a participar em 2010. 2 - Voltei através da catequese dos meus filhos. 3 - Fui acolhida pela catequista Vera. 4 - Ainda não acolhi ninguém. Paula 1 - Comecei a participar da comunidade há 4 anos. 2 - Morava em Mogi das Cruzes, mudei para Guarulhos, fui morar bem próximo da Capela. 3 - Fui acolhida com um forte abraço acolhedor de uma irmã da comunidade, a Zileuda. 4 - Acolhi várias pessoas.


página

06 Voz Viva

Fevereiro 2013

TRÍDUO DE NOSSA SENHORA DE SION

Os Mistérios do Rosário PASTORAL LITURGIA O Tríduo em louvor a Nossa Senhora do Sion, três dias dedicados à fé viva e inabalável de Maria. As Missas foram presididas pelo vigário paroquial Pe. Paulo Afonso, com belas homilias plantou no coração dos presentes que a cura de nossas dificuldades está no amor a Jesus Cristo e reforçou a importância da fé vivida por Maria. Com os corações nutridos com o Pão da Palavra e o Pão da Eucaristia, fomos agraciados com belíssimas motivações, presenteando cada dia do Tríduo. Na primeira noite, a motivadora Ieda nos presenteou com uma belíssima reflexão falando sobre a fé, e deu como exemplo a Virgem Maria, mulher de fé e oração escolhida por Deus para ser a mãe do Salvador. Ela fez um paralelo entre a fé de Maria com a fé de Zacarias, e questionou a força de nossa fé, a certeza ou a dúvida e nos mostrou com riqueza de suas palavras a fé imensurável da Mãe Santíssima, mulher que viveu com intensidade os Mistérios de Cristo, mulher de oração, verdadeira porta de fé aberta sobre o mundo. Explica que quando rezamos o Rosário sintonizamos as lembranças de Maria, e acrescenta a importância em meditar o Rosário e contemplar cada Mistério, em silêncio e com a força da fé. E finaliza a sua reflexão enfatizando que o Rosário é uma devoção mariana, porém é uma oração cristológica, pois tem Cristo como centro e Maria como intercessora que nos leva a Deus

Uno e Trino. Assim somos chamados à oração. Só a oração nos leva ao caminho da santidade. O senhor Nelson , motivador da segunda noite, além de tocantes palavras, trouxe a emoção da devoção Mariana e mergulhou no tema:” Maria exemplo de uma fé viva e inabalável “, Mistério de Cristo, mistérios da Mãe. Ele iniciou sua motivação e reforçando “...que não basta ouvir a voz de Deus, é necessário estar preparado para escutá-la e aceitá-la.” Maria, através do silêncio da alma e da oração constante, escutou e aceitou os planos de Deus e hoje, seguindo os passos da Mãe Santíssima, é que nos preparamos para escutar o que Deus quer nos revelar sobre os Mistérios de Seu Filho. O motivador Nelson explica que o Rosário tem tudo a ver com o silêncio e a oração constante, e requer que cada contemplação seja feita como se fosse a primeira vez. Reforça a importância de rezar o Rosário, principalmente no Ano da Fé, pois Maria é inspiração de fé. E com uma sábia explicação, fala sobre a inserção dos Mistérios Luminosos. Os Mistérios Luminosos contemplam a vida pública de Jesus, iniciando-se no Batismo do Senhor no Jordão até o início da sua Paixão. E encerra com uma emocionante mensagem à nossa querida Maria Amélia. Na terceira noite, a querida Soninha nos felicitou com o tema: “Para mim, o viver é Cristo.” Muito dinâmica, a motivadora nos mostrou que a ação de rezar

Padre Tito: Vocação acertada, Vida Feliz!

ANO DA FÉ o terço é como uma expressão de amor, aquele amor que não acaba nunca. Pelo contrário, se renova a cada dia, através da oração. A repetição da Ave- Maria é a confirmação desse amor. E acrescenta que a oração do Rosário é uma forma de unir o homem a Deus. Em sua explanação, Soninha nos trouxe as palavras do Papa João Paulo II, que chama a atenção para que haja uma renovada exigência de meditação. O Papa reforça a importância da entrega de cada um para a recitação do Rosário, como: a escuta da Palavra de Deus nas meditações, a importância do silêncio, o Pai-Nosso como alicerce cristológico–mariano, As dez Ave-Marias (saudação a Maria e exaltação a Cristo), o Gloria ao Pai (Cristo caminho que conduz ao Pai através do Espírito Santo) e outras partes do Rosário que devem ser meditadas com alma e coração. A nossa motivadora finaliza dizendo que a oração do Rosário “ é uma oração orientada para a paz, pois consiste na contemplação de Cristo, “Príncipe da Paz.” No dia 20 de janeiro, a Missa Solene em louvor a Nossa Senhora do Sion, momentos registrados em nossas memórias e guardados em nosso coração. Iluminados pela Palavra de Deus, fortalecidos pela Eucaristia, podemos viver este momento coroando Nossa Senhora, e agradecendo a Deus pelos 69 anos presbiteral de nosso querido Pe. Tito, que soube inspirar a sua vocação no exemplo de fé viva e inabalável de Maria.

Itinerário para uma fé fecunda Sintamo-nos como que parando num pequeno oásis, para beber água cristalina e saciar nossa sede de Deus... BERNADETE MORISCO PASCOM Fazendo mais uma pequena parada no longo e frutuoso itinerário para uma fé mais fecunda, nesta edição propomos o segundo passo: ir à Confissão. “Como participar da Missa, os católicos encontram fortaleza e aprofundam no crescimento de sua fé através da participação no Sacramento da Penitência e da Reconciliação. A confissão exorta aos fieis a buscar a Deus, expressar sua pena pelas faltas e abrir suas vidas ao poder curador da graça de Deus. Perdoa as faltas do passado e fornece a fortaleza para o futuro.” (Dom David Ricken) Temos na Sagrada Escritura, em diversas passagens, a fundamentação necessária para não duvidarmos da importância do Sacramento da Penitência, tampouco dos benefícios que ele nos traz. Disse o Senhor: “Todos os pecados que perdoardes, serão perdoados, todos os que retiverdes serão retidos” (Jo 20, 23). Também a Igreja determina, em seus Mandamentos, a Confissão ao menos uma vez por ano. Todavia, é importante perceber que, mais que Mandamento a cumprir, este Sacramento deve ser buscado por nós, cristãos católicos, com gratuidade, uma vez que é

através dele que recebemos a cura dos males espirituais. Além do que, a Confissão, se feita com um coração contrito, arrependido, que se dispõe a não mais cometer as mesmas faltas, serve para nós como um “freio”, que nos faz parar e pensar antes de agir, avaliando se a nossa atitude agradará ou ofenderá a Deus. Iniciando a Quaresma, tempo favorável de conversão, de rever atitudes e caminhos feitos, temos momento oportuno de nos prepararmos, através de orações, jejuns e da prática da caridade, e nos aproximarmos do Senhor humildemente, suplicando o perdão de nossas faltas e uma consciência reta para não incorrermos no pecado. Que experimentando a misericórdia divina, através do Sacramento da Penitência, como o Apóstolo Paulo nos exorta, reconciliemo-nos com Deus e com nosso próximo (2 Cor 5, 20). Celebrando e vivendo o Sacramento da Penitência nossa alma se eleva, nosso coração é purificado, nossas mãos se abrem à partilha e à solidariedade, são generosas a quem precisa, e nossos pés são fortalecidos para a caminhada de fé. Assim, de Confissão em Confissão, nos aperfeiçoamos, amadurecemos e nos santificamos, santificando tudo ao nosso redor.


Voz Viva

Fevereiro 2013

CAMPANHA DA FRATERNIDADE

Juventude é o tema da Campanha da Fraternidade 2013 SILVANA OLIVEIRA PASCOM A CF (Campanha da Fraternidade) é coordenada pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e é realizada anualmente pela Igreja sempre no período da Quaresma. Seu objetivo é despertar a solidariedade e reflexão dos seus fiéis e da sociedade em relação a um assunto que envolve a todos. A cada ano é escolhido um tema, que define a realidade concreta a ser transformada,e um lema, que explicita em que direção se busca a transformação. O lançamento acontece sempre na Quarta-feira de cinzas, depois do carnaval; quando também começa o período da Quaresma. A Campanha deste ano será de 13 de fevereiro a 24 de março. Após 21 anos da CF de 1992, que abordou como tema central a juventude, a deste ano, na sua 50ª edição, terá a mesma temática. Esse ano o tema será “Fraternidade e Juventude” e o lema “Eis-me aqui, enviame!” (Is 6,8). No contexto do Ano da Fé, esta

Campanha deseja mobilizar a Igreja e, os segmentos da sociedade a se solidarizarem com os jovens. No texto base da CF 2013 a Igreja manifesta como solicitude olhar a realidade dos jovens, acolhendo-os com a riqueza de suas diversidades, propostas e potencialidades. O objetivo geral é acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção da vida, da justiça e da paz. Ao abordar o tema da Juventude e da cultura midiática na qual se faz presente, a CF 2013 visa tantos os jovens quanto os adultos em seu processo de amadurecimento enquanto cristão e cidadão. O lema escolhido ressalta o reconhecimento da parte da Igreja do valor do jovem, provocando neles este compromisso de serem comunicadores da vida e da verdade. Baseado no site: http://www.jovensconectados.org.br

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE LEANDRO REZENDE ALBANEZ PASTORAL DA JUVENTUDE No último dia 19 de Janeiro, nossa Diocese vivenciou um momento único na Paróquia Nossa Senhora Aparecida do Cocaia, onde tivemos a 1ª Vigília de Jovens Adoradores Diocesana. Preparada pela Comissão Diocesana para a Semana Missionária e presidida pelo Pe. Cristiano, os jovens voluntários de toda Diocese tiveram a oportunidade de sentir, durante a Adoração ao Santíssimo Sacramento, que Cristo está, de fato, caminhando conosco e intercedendo para que

Vigília dos Jovens Adoradores todos nossos trabalhos produzam bons frutos, que esses peregrinos sejam bem acolhidos e levem, ao retornarem para suas casas, boas lembranças e exemplos maravilhosos de nossa Diocese.

Paralelamente aos trabalhos diocesanos, nossa Paróquia tem vivido momentos importantes nos últimos dias com a definição do calendário paroquial da Semana Missionária, que será distribuído em breve na reunião com todos os voluntários e famílias acolhedoras, ainda com data a ser definida. Caso alguém possa dispor de sua casa para acolher um peregrino ou até mesmo um pouco de seu tempo para acompanhálos nas atividades durante a semana missionária, faça sua inscrição na secretária até o dia 24 de Fevereiro ou entre em contato pelo e-mail mjsantoantonio-

“Deve-se olhar o sacerdote, quando está no altar, como se fosse o próprio Deus”. (São João Maria Vianney)

página

07


página

08 Voz Viva

Fevereiro 2013

FORMAÇÃO CATEQUÉTICA

LEANDRO REZENDE (PASTORAL DA JUVENTUDE/PASCOM) Há quem diga que a preguiça é a mãe de todos os pecados e como toda mãe é preciso respeitá-la. Outros dizem que é o melhor dos sete pecados, pois nos impede de fazer os outros seis. Brincadeiras à parte, os dicionários de Língua Portuguesa definem a preguiça como propensão para não trabalhar, demora ou lentidão em agir, gosto de estar na cama, de se levantar tarde. Já o Catecismo da Igreja Católica nos diz que existem dois tipos de preguiça, a tibieza e a acídia. A tibieza é hesitação ou negligência em corresponder ao amor divino. A acídia ou preguiça espiritual, por sua vez, chega a recusar a alegria que vem de Deus, até a ter horror ao bem divino (CIC §2094). Padres espirituais entendem esta palavra como uma forma de depressão devida ao relaxamento da prática da devoção (ascese), à diminuição da vigilância, à negligência do coração. Como diz o Evangelho “O espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt 26,41). Quanto mais alto se sobe, tanto maior a queda. O desânimo doloroso é o inverso da presunção. Quem é humilde não se surpreende com sua miséria. Passa então a ter mais confiança, a perseverar na constância. (CIC §2733)

Preguiça

Padre Zezinho em seu artigo “Preguiça Espiritual” critica os Católicos que anunciam tudo o que aprenderam, mas por não gostarem de ler ou estudar, não buscam aumentar seu conhecimento sobre as “coisas de Deus” e acabam falando “da boca pra fora” em algumas situações. Em um dos trechos diz “Crer sem raciocinar é mergulhar de ponta cabeça sem medir a profundidade das águas” O pecado da preguiça, entre outras coisas, nos alerta para a falta de caridade com o nosso próximo, muitas vezes por não encontrar tempo, diante das atividades cotidianas, ou simplesmente por não querer. A his-

tória a seguir, nos ajuda a compreender melhor esse pecado e a forma correta de agir.

A lição da Coruja e o Falcão Conta-se que na Idade Média, numa antiga cidade da Europa, foi erguida uma grande Catedral, e na sua torre passou a viver uma coruja que, infelizmente, era cega. Todos os dias um camponês, muito indolente e preguiçoso, passava perto daquela Catedral quando voltava de seu trabalho. Certo dia, o camponês viu um falcão agarrar um passarinho e levá-lo para alimentar aquela velha coruja enfraquecida. O preguiçoso

homem pensou: “Ah! A Divina Providência encontra um meio de sustentar a todos. Se ela tem cuidado assim de uma coruja cega, mandando-lhe um falcão alimentá-la, como poderia deixar-me morrer de fome? Não trabalharei mais e hei de viver. De agora em diante, irei pedir esmola, certo de que Deus não me desamparará”. No dia seguinte, à tarde, lá estava o camponês feito um cego, pedindo esmolas, quando lhe apareceu um amigo e, vendo-o tão sadio e forte, perguntou-lhe por que estava naquela situação. Então, o preguiçoso camponês explicou-lhe a história da coruja e do falcão. O amigo lhe respondeu: “Ora, o falcão queria dar-te uma lição de bondade para com os pobres e não te incentivar à preguiça”. Assim, o trabalho é necessário não somente para uma boa formação do caráter, mas porque é nosso dever, com o fruto do trabalho, sermos canais de graça e alívio para aqueles que são mais necessitados. Nossos bens e talentos devem estar a serviço do bem comum. Fontes: Catecismo da Igreja Católica Dicionário Priberam da Língua Portuguesa http://www.padrezezinhoscj.com http://www.comshalom.org/

FÉ E POLÍTICA

IPTU – Na OAB, Prefeitura admite que pode ter cometido erros

29/01/2013 18:31 O secretário municipal de Assuntos Jurídicos, Severino José da Silva, afirmou nesta tarde, durante audiência pública na OAB Guarulhos, que a Prefeitura pode ter cometido alguns erros no recadastramento dos imóveis. Vinte dias depois que a polêmica sobre os reajustes abusivos de IPTU, patrocinados pela administração do prefeito Sebastião Almeida (PT), tomou conta de Guarulhos, a subseção local da OAB se mexeu e realizou uma audiência pública para debater o assunto. No chamado à socieda-

de, a entidade entendeu que houve “majoração desproporcional do tributo comparado com os exercícios anteriores”. Participaram da audiência, além do presidente da OAB Guarulhos, Fabio de Souza Santos, os secretários de Assuntos Jurídicos, Severino José da Silva, e o de Governo, João Roberto, que se tornou o porta-voz da crise neste período em que Almeida, coincidentemente, saiu de férias. Nesta terça-feira, o chefe do Executivo, que voltou ao trabalho nesta semana, está em Brasília no encontro Nacional de Prefeitos.

Severino tentou explicar os aspectos jurídicos que respaldam o aumento e garantiu que até o momento a Prefeitura não foi notificada sobre qualquer ação que questione a legalidade das cobranças. Entretanto, admitiu que “podem sim ter ocorrido erros no recadastramento dos imóveis da cidade” que não eram feitos há 18 anos. Ele lembrou que o reajuste deste ano está respaldado em duas leis. A 6793 de 2010 regulamenta a cobrança do IPTU, que estava irregular desde 2002, quando o então prefeito Elói Pietá (PT) promoveu o último reajuste da

Planta Genérica de Valores mas não promoveu a publicação no prazo legal previsto pela legislação. Também definia a tabela do padrão construtivo e estabelece o recadastramento dos imóveis, algo que não era feito há 18 anos. Já a lei 7087 de 2012, aprovada em dezembro pela Câmara Municipal, reajusta a PGV em até 30% sobre o valor de 2012. Severino deixou claro que nos casos em que a Prefeitura reconhecer algum erro o Município irá repará-lo sem ônus aos contribuintes. Fonte/ Guarulhos WEB

“Dê-me, Senhor, agudeza para entender, capacidade para reter, método e faculdade para aprender, sutileza para interpretar, graça e abundância para falar. Dê-me, Senhor, acerto ao começar, direção ao progredir e perfeição ao concluir.” (Santo Tomás de Aquino)


Voz Viva

Fevereiro 2013

Notícias da Nossa igreja

Paróquia em ação

Igreja e Realidade

Ato de Solidariedade a Dom Pedro Casaldáliga e ao Povo Xavante

Hélio de sousa reis Professor Realizou-se na quinta-feira, dia 07/02, no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo, um Ato de Solidariedade a Dom Pedro e aos índios Xavantes. Havia mais de 400 pessoas presentes, representando várias entidades como Igreja (CPT, CIMI, Pastoral Operária, Pastoral da Juventude, CEB’s, Bispo, padres, freiras. ..), movimentos populares, sindicatos, partidos políticos, etc.. O Bispo Emérito de São Félix do Araguaia, no Mato Grosso, vem recebendo ameaças de morte por sua luta em favor da devolução das terras denominadas Marãwatsédé aos índios Xavantes. No início de dezembro, após a Justiça ter declarado improcedentes os recursos que tentavam adiar a retirada dos não indígenas da região, Dom Pedro, por motivo de segurança, teve que abandonar temporariamente a Prelazia. Mesmo com as ameaças, o bispo regressou a São Félix no dia 29 de dezembro, com proteção policial. Também vários líderes indígenas e agentes de pastoral estão ameaçados de morte, desde que o Governo deu início ao processo de desocupação da área xavante. Dom Pedro faz 85 anos no dia 16 de fevereiro. Os conflitos da Prelazia de São Félix do Araguaia não são de hoje. Para Dom Pedro são mais de 40 anos de testemunho, de denúncia, de resistência, de perseguição. O drama do Povo Xavante se arrastava por mais de 50 anos. É um escândalo, uma vergonha para a Nação Brasileira, que a grande mídia não tem interesse em revelá-lo para a opinião pública. As terras de Marãwatsédé, segundo estudos antropológicos, já eram ocupadas pelos xavantes desde muito antes dos primeiros não índios chegarem.

Contudo, em 1966, o Governo Militar, num conluio de fazendeiros, FAB, FUNAI, os removeu forçadamente para cerca de 400 km de seu território tradicional, enviando-os para a Missão Salesiana de São Marcos, onde dois terços dos indivíduos acabaram sendo dizimados devido a um surto de sarampo. E as terras dos xavantes foram incorporadas à Fazenda Suiá Missu que se tornou na época o maior latifúndio do mundo. Em 1980, a Suiá Missu foi vendida à empresa petrolífera italiana Agip Petróleo, que foi pressionada, inclusive internacionalmente, a devolver o território aos indígenas. Na Conferência ECO2, ocorrida no Rio de Janeiro, a empresa informou que realizaria a devolução das terras aos xavantes. Em 1998, o Presidente Fernando Henrique Cardoso homologou e registrou a área indígena como terra nacional. Imediatamente, grandes fazendeiros, vários prefeitos e até desembargador se anteciparam, invadiram e lotearam a terra indígena, mesmo agindo de má fé, como grileiros. Como sempre usaram o povo, os pequenos ,como massa de manobra, incitaram para que invadissem também. A Prelazia, através do bispo, dos padres e agente de pastorais, alertou para que não o fizessem porque era área indígena. Mas preferiram ouvir a voz da ganância, dos grileiros. O núcleo de resistência dos invasores era o Posto da Mata, noticiado pela imprensa. Por ironia, a mata não existe mais. A área foi totalmente devastada. Os latifundiários foram multados pelo IBAMA em Cr$ 156 milhões, nunca pagos. Em relação à devastação da natureza, o Cacique Xavante Damião Paridzane prevê a volta da vida: “Os animais não podem sofrer mais com tanta destruição da natu-

reza. Quando a terra for devolvida para nosso povo, a floresta vai viver novamente. Vão voltar animais e plantas. Nossa mãe vai ficar muito forte e bonita como sempre foi. É assim que vai ser.” Paulo Maldos, da Secretaria Geral da Presidência da República, presente no Ato, ressaltou o papel do Estado em relação às comunidades: “O papel do Estado é servir... Uma lição : quando o Estado se une, entra em sintonia, seja o Executivo com o Judiciário e com o Legislativo, até o impossível pode acontecer. A gente acha que pode sim defender as conquistas em favor dos povos indígenas, dos quilombolas, das populações tradicionais e a gente também sabe que esses são setores mais frágeis da nossa sociedade.” No final, o índio Xavante, Bruno Rami agradeceu o apoio: “Agradecemos o apoio de todos. Nós não vamos desistir, vamos morrer lutando por nossa terra, pois é dela que tiramos nosso sustento e preservamos nossa cultura.” O Ato fez um apelo às organizações de direitos humanos, movimentos populares , sindicatos, pastorais, movimento estudantil e a todos os que lutam pela transformação da sociedade, que se mantenham unidos para denunciar a situação de violência e tensão na região de Marãwatsédé, onde, mais uma vez, , se ameaçam vidas em nome da ganância e da acumulação de capital. E que em cada cidade se crie um Comitê de Solidariedade. Não há paz sem justiça. Sabemos que, na História da Igreja, os bispos profetas também incomodaram a Hierarquia, a Cúria Romana. A voz de Dom Pedro continua clamando. Eis o seu lema pastoral: “Nada possuir, nada carregar, nada pedir, nada calar e, sobretudo, nada matar.” Fontes: Rádio Vaticano, Jornal Brasil de Fato

página

09

A esperança dilata o coração, a sua ausência cria apatia e desânimo

“Santificai a Cristo, o Senhor, em vossos corações, estando sempre prontos a dar razão da vossa esperança a todo aquele que vo-la pede...”

Pe. otacílio F. lacerda Pároco Em pleno Ano da Fé (2012 - 2013), proposto pelo Santo Padre para toda a Igreja, apresento, com alegria, o Planejamento Paroquial 2013. Inspirado nas palavras do Apóstolo Paulo, exorto os Agentes de Pastoral à urgência de avançarmos firme e corajosamente na caminhada de fé, dando razão de nossa esperança, intensificando relações de caridade dentro e fora da Comunidade: “Santificai a Cristo, o Senhor, em vossos corações, estando sempre prontos a dar razão da vossa esperança a todo aquele que vo-la pede; fazei-o, porém, com mansidão e respeito, conservando a vossa boa consciência, para que, se em alguma coisa sois difamados, sejam confundidos aqueles que ultrajam o vosso bom comportamento em Cristo.” (1Pd 3, 15-16). O Planejamento Paroquial é fruto da participação de muitas pessoas, em vários momentos significativos, sob a ação do Santo Espírito. Nele se encontram os nomes dos Agentes de Pastoral eleitos em Assembleia para coordenar a Paróquia, as três Comunidades, e as diversas pastorais, nos próximos quatro anos, bem como os Agentes eleitos Secretários (as) para o mesmo período. Todos em comunhão com seus Pastores. Em cada linha, temos a participação de toda a Paróquia; pessoas que se reuniram para avaliar, planejar e, que ousaram pensar novos caminhos evangelizadores em resposta aos desafios levantados nas reflexões das pastorais, que prontamente atenderam ao apelo de nosso bispo Dom Joaquim, dando passos imprescindíveis rumo à Assembleia Diocesana no próximo ano. Como não ressoar em nosso coração tantas preocupações

Amor e verdade são fontes de vida, são a vida. E uma vida sem amor não é vida - Papa Bento XVI

apontadas pelas pastorais? Como num refrão, concluiuse que é preciso investir recursos e tempo na evangelização da família, como espaço sagrado da formação de novos cristãos e cidadãos; fortalecer a catequese permanente (da criança ainda no ventre ao idoso em seu declínio natural); fortalecer a comunhão, a amizade entre os Agentes; promover maior unidade entre Paróquias e Padres, com mesma linguagem e orientações; abertura à vida da Diocese; empenho na desafiante evangelização da juventude; sair dos espaços internos da Igreja e adentrar os espaços também desafiadores das escolas, condomínios, hospitais, universidades, presídios, shoppings e outros tantos lugares; intensificar esforços para que a Palavra seja anunciada na mídia em suas múltiplas possibilidades (rádio, TV, internet, facebook, blogs, sites etc.); ser presença junto aos enfermos, nos quais Jesus se faz presente... As virtudes divinas: fé, esperança e caridade, crescem e revelam o esplendor da face de Deus, quando não nos omitimos e enfrentamos juntos os desafios. Vivendo intensamente a fé, dando razão de nossa esperança, a caridade seja para todos nós princípio vital na caminhada de Comunidade – “... já que o Cristo nos deu a escada da caridade pela qual todo cristão pode subir ao céu, conservai fielmente a caridade verdadeira, exercitai-a uns para com os outros e, subindo por ela, progredi sempre mais no caminho da perfeição.” (São Fulgêncio de Ruspe, bispo séc. IV). Que nossa esperança cristã não seja apenas uma expectativa, mas uma missão a ser assumida e vivida por todos com a força e ação do Santo Espírito, o protagonista primeiro da Evangelização.


página

10

Voz Viva

Fevereiro 2013

Utilidade Pública

Leia para seu filho erika Garcia Professora – Pascom Ao iniciar mais um ano letivo, sempre nos perguntamos como participar da vida de nossos filhos para estimulá-los para o estudo e seu desenvolvimento na escola. Uma das maneiras mais fáceis para se envolver na educação das crianças é a leitura. A leitura estimula o desenvolvimento pedagógico e psicológico, além de estreitar os laços familiares que funcionam como mediação entre um adulto, a criança e o mundo. A leitura para ambos precisa ser algo prazeroso. Pois, é nesta atividaFaixa etária De 1 a 2 anos

de que a criançada entra em contato com o imaginário e a ficção. Por meio das histórias, as crianças têm contato com emoções, adquirindo conceitos e vivenciando experiências valorosas. Ao ouvir sua leitura, a criança se familiariza com a linguagem, constrói o vocabulário e amplia a capacidade de memorização. Então, escolha um bom livro, prepare a entonação e boa leitura. Dúvida quanto ao que ler? Acompanhe a indicação literária para cada faixa etária: Fonte: “Literatura Infantil” José Nicolau Gregorin Filho

Como deve ser o texto As histórias devem ser rápidas e curtas.

Ilustrações Tipos de livro e formas de contar Uma gravura em cada página, mostrando Prefira os livros de pano, madeira e de pláscoisas simples e atrativas. tico. É recomendado o uso de fantoches. De 2 a 3 anos As histórias devem ser rápidas, com texGravuras grandes e com poucos detaOs fantoches continuam sendo o matetos curtos que se aproximem das vivências lhes. rial mais adequado. Música exerce fascínio e da criança. pode ajudar a envolver a criança no enredo. De 3 a 6 anos Os livros devem propor vivências do Predomínio absoluto da imagem, com Livros com dobraduras simples. O contacotidiano familiar. É a fase do “mãe (pai), textos brevíssimos. dor pode usar roupas e objetos caracterísconta outra vez”. ticos. A criança acredita que ele se transforma no personagem. Trabalho com figuras de linguagem que Ilustração integrada ao texto. Uso de leO contador e a criança podem recriar A partir de 6 ou 7 anos (fase de al- explorem o som das palavras. Construções tras ilustradas, de tamanhos e formatos di- passagens da história usando instrumentos fabetização) enxutas. Personagens da coletividade, favo- ferentes. musicais, massinha, tintas, lápis de cor, entre outros materiais. recendo a socialização. Inserção de poesia.

Profissões/ProfissioNais

Novas exigências no Mercado de trabalho Natalia Yara /aliNe ribeiro (crisma/ Pascom) Há certo tempo um curso superior ou de especialização não era tão exigido, muitas pessoas tinham suas profissões por meio de aprendizado familiar, herdado de seus pais ou por aprendizado ao longo da vida e, assim, garantiam seu sustento. Quem não conhecia o tintureiro, a costureira, o alfaiate e o sapateiro que hoje são profissões pouco exercidas, talvez, quase extintas. Hoje, forma-se um novo perfil de

profissão, diretamente relacionado ao ensino superior e suas especializações. Para essas novas exigências se fazem necessárias mudanças nos candidatos às vagas de emprego. Nesse caso, a educação precisa preparar os jovens para ingressar nas Universidades e auxiliá-los na aquisição de visão mais apurada e perspicaz no que se refere ao mercado de trabalho. Para tanto foram criados programas de incentivo à carreira em nível superior, porém ainda é necessário incorporar maior número de pessoas

na nova realidade das profissões ligadas a esse nível de ensino que auxilia na atualização dos futuros candidatos às vagas de empregos e na busca por maior versatilidade para alcançar as necessidades de mercado num mundo que está em constante movimento. Mesmo com novos perfis profissionais e exigências de mercado, a perspectiva de emprego está em crescimento no Brasil. Há sensível queda no número de desempregados em nosso país. Tal queda ocorre desde 2007 e, em 2012, alcançou o

índice de 5,4%, sendo esse o menor índice obtido até o momento. Portanto, é perceptível que mudanças, adaptações e evoluções no mercado de trabalho podem proporcionar motivação para que o brasileiro busque qualificação e adequação às exigências. É fundamental que haja aumento nessa busca, para que os profissionais se tornem mais competentes e os serviços prestados através das profissões sejam mais abrangentes e atendam melhor seus objetivos.

Quem deixa entrar Cristo na sua vida não perde nada, nada, absolutamente nada do que faz a vida livre, bela e grande - Papa Bento XVI


Voz Viva

Fevereiro 2013

ACONTECEU

página

11

SÔNIA SALES PASCOM A Pascom da Paróquia Santo Antônio de Gopoúva promoveu nos dias 23 e 24 de janeiro, mais um curso de Comunicação, que teve como tema “ Comunicação à luz do Concílio Vaticano II “ e como lema “50 anos de Voz Viva na Igreja “. Agradecemos a presença de todos, especialmente ao Padre Otacílio pelo apoio, e aos Padres Paulo Afonso e Marcos Vinícius que, de forma brilhante, conduziram as palestras.

Foi com muita alegria que nossa comunidade comemorou no dia 16 de janeiro de 2013 os 69 anos de Ordenação Sacerdotal do nosso querido Padre Emérito, Pe. Tito. Uma vida sublime e religiosa, com total devoção a Maria. Contigo somos convidados a refletir sobre nossa caminhada religiosa, e assim a dizer Sim para Deus. Pedimos a Virgem Santa que te proteja e ilumine. Carinhosamente, Paróquia Santo Antônio de Gopoúva.

“Aconteceu nos dias 17,18 e 19 de janeiro o Tríduo em louvor a Nossa Senhora de Sion.” (confira a matéria na pág. 6)

“Quaresma é um tempo favorável a conversão. A quaresma deve ser marcada por três exercícios espirituais: oração, jejum e esmola. Três exercícios feitos na humildade, como uma atitude interior respondendo ao amor de Deus para conosco. Quaresma é o momento de aumentar nosso amor a Deus”. (Homília Pe. Otacílio 13/02/2013)

Quem descobriu Cristo deve levar os outros para Ele. Uma grande alegria não se pode guardar para si mesmo. É necessário transmiti-la - Papa Bento XVI


página

12

Voz Viva

Fevereiro 2013

CRIANÇA

Vamos Colorir ?

CULINÁRIA

Queijadinha do Amor

Ingredientes: - 1 lata de leite condensado - 6 ovos - 4 colheres (sopa) de margarina - 100g de coco ralado seco hidratado em 1 xícara (chá) de leite quente - margarina e farinha para untar a forma Modo de preparo: Num liquidificador, bata o leite condensado, os ovos, a margarina e o coco ralado (já hidratado; 5 minutos são suficientes para o leite hidratar o coco). Transfira para uma forma de pudim (19cm x 8cm de altura), untada com margarina e enfarinhada e leve para assar em forno pré- aquecido a 180°C por cerca de 45 minutos. Desenforme depois de morno.

ACUPUNTURA POPULAR

Oasis Terapias Todas as quartas-feiras, das 14 às 18h. e sextas-feiras das 9 às 11h. Av. Emílio Ribas, 757 - Gopoúva. Tel: 2408- 6815 - GISELE MOYA

PRESTIGIE NOSSOS COLABORADORES. ELES CONTRIBUEM NA EVANGELIZAÇÃO “A Igreja precisa de vós jovens, para manifestar ao mundo o rosto jovem de Cristo e de sua Igreja” (Papa Bento XVI)


Jornal Voz Viva Fevereiro 2013