Page 1


Voz Viva

02

Abril 2012

“O senhor não daria banho em um enfermo nem por um milhão de dólares? Eu também não. Só por amor se pode dar banho a um enfermo”. (Madre Teresa de Calcutá)

Editorial

O transbordamento da alegria pascal e o compromisso batismal Pe. Otacílio Lacerda Pároco

E

stamos vivendo o transbordamento da alegria Pascal. A vida venceu a morte, o amor de Deus falou mais forte, pois Ele tem a última e definitiva Palavra. Não podia calar para sempre a Palavra que se Encarnou por amor incondicional, total, extremo, por nós: Jesus. Depois de percorrido um itinerário quaresmal longo e frutuoso, com oração, jejum e partilha, em atitudes de sincera e necessária conversão, reconciliação com Deus e com os irmãos e irmãs, estamos vivendo o Tempo Pascal com a riqueza imensurável da Palavra proclamada. Dentre as tantas passagens que a Liturgia Pascal nos oferece, ressalto a caminhada dos discípulos de Emaús (Lc 24,1335). Três dias haviam passado, depois da morte dAquele no qual colocavam toda a esperança, e nada aconteceu, segundo a lógica existencial e humana daqueles discípulos (Cléofas e seu companheiro). Somente a presença do Ressuscitado, com eles caminhando, explicando-lhes as Escrituras, e somente a acolhida em sua casa – “fica conosco, pois cai a tarde e o dia já declina” – na partilha do pão abençoado, assentados à mesa, é que O reconhecem como Aquele que agora vive: Ressuscitou! Aleluia! Era tarde para que o peregrino Jesus continuasse o caminho, mas não bastante escuro e tarde, para que eles fossem imediatamente ao encontro dos outros discípulos para contar o acontecido. A escuridão exterior foi vencida pela luz interior que o Ressuscitado nos oferece.

A Palavra comunicada, explicada, acolhida no mais profundo do ser, fez com que seus corações ardessem. No Pão partilhado, seus olhos foram abertos para o reconhecimento e a mais bela contemplação: a presença e a Vida do Cristo Ressuscitado! Corações ardentes, olhos abertos. É tempo de uma fé pascal; fé que se manifesta em ações concretas, e que se torna missão. A fé pascal, iniciada para os discípulos no encontro com o Ressuscitado, é a fé que todos nós cristãos devemos continuamente e corajosamente amadurecer em nossa vida pessoal e de compromissos pastorais, vivendo a vida nova do Batismo, com o selo do Espírito, na fidelidade ao Pai, prolongando a vida e ação de Jesus. Uma fé Pascal exige todo o reconhecimento de que Aquele que é o vivente entre nós e conosco caminha, continua a ser para sempre o Crucificado e a Sua história de sofrimento não foi anulada com a Ressurreição. A fé Pascal nos provoca o lançar de um olhar completamente novo sobre a realidade, em renovados compromissos com o Reino. Não poderíamos, portanto, deixar de oferecer ao leitor reflexões que ajudem neste amadurecimento da fé pascal: imperdíveis os artigos que nos falam da loucura da Cruz; uma nova série sobre os Mandamentos da Lei de Deus, para uma Catequese permanente, desejável e ensinada pela Igreja, uma luz para que os pais e mães sejam seus primeiros catequistas de seus filhos. Retratamos também os sinais Pascais incontáveis que Deus nos propicia a cada instante, sem deixar de olhar para frente procurando luzes para as Eleições

Municipais que acontecerão este ano. Refletindo também sobre a importância da valorização da vida, em breve depoimento (STF e aborto de anencéfalos). Muito temos para glorificar a Deus e, para que nossas Eucaristias revelem cada vez mais a presença do Ressuscitado, é providencial a realização do 1.º Seminário Eucarístico de nossa Paróquia, momento de grande espiritualidade, sobretudo, para os Agentes de Pastoral, em preparação à Festa de Corpus Christi. É Páscoa! Que nossos corações ardam cada vez mais, nossa mente e olhos se abram, para que passos sejam firmados no testemunho da Vida do Ressuscitado. É Páscoa! Vivamos intensamente o amor de Deus que nos transforma e nos coloca em imediato compromisso com os desfigurados da história. Somente quem ama, vê e crê na presença do Ressuscitado, poderá viver o que o Apóstolo Paulo chamou de loucura da cruz, que nos configura a Cristo, Morto e Ressuscitado. Vivamos sempre uma fé pascal. Amém. Blog – http://peotacilio.blogspot.com

Recados

1º SEMINÁRIO EUCARÍSTICO DA CAPELA NOSSA SENHORA DE SION

E

ucaristia é um dos sete Sacramentos da Igreja Católica, no qual Jesus Cristo se acha presente sob as aparências de Pão e Vinho, com o seu Corpo, Alma e Divindade. Fazer um aprofundamento

Data 26/04 03/05 10/05 17/05 24/05 31/05

sobre esse tema é muito importante. Por isso, nós do Grupo de Oração Mãe da Divina fonte, convidamos a todos para participarem do 1º Seminário Eucarístico, conforme os temas abaixo:

Tema Instituição da Eucaristia Eucaristia, mistério da Fé A Santa Missa A Santa Comunhão Adoração O Senhor está no meio de nós

Local: Capela Nossa Senhora do Sion, na Rua Guaratinguetá, 61, Gopoúva, sempre às quintas-feiras, às 19:30h. Mais informações nos telefones: 2468-1192/6092-3154 (falar com Nelly)

BINGÃO DA SION

Dia19 de maio às 19h. Participe desta festa conosco (Rua Guaratinguetá, 61 - Vila Sion)


“Jesus, por amor, desceu ao mais profundo do poço da miséria humana. Que Amor! Que incrível Amor!” (Painel Litúrgico)

Voz Viva

03

Abril 2012

Fé e Cidadania

“Os Filhos das Trevas ...

Laurindo Vanícola Equipe de Fé e Cidadania

S

ão mais espertos do que os filhos da luz!” Esta afirmação está escrita no Evangelho segundo Lucas, capítulo 16, versículo 8. E ela deve ser uma preocupação permanente para todos nós, que nos consideramos ser filhos da luz. O que cabe a uns (luz) fazerem e o que os outros (trevas) fazem? Aí está a diferença entre o bem e o mal. Ou seja, os das trevas não ficam melhores porque os da luz não vão até eles. Nós, também, quando desejamos fazer alguma coisa “feia”, praticar algum mal, procuramos um lugar em trevas. E está claro que os que são do mal sempre fogem da luz. Bem, dado este pequeno “introito”, vamos à reflexão de hoje. Como todos já sabem, 2012 é um ano eleitoral em

que deveremos eleger prefeito e vereadores para Guarulhos. O mais triste de tudo é que muita gente, mesmo pertencendo ao grupo dos filhos da luz, consideram o fato como sendo apenas mais um ano eleitoral. Como o dia da eleição é “feriado” e ninguém trabalha, a não ser os obrigados, deixam até de votar para pegarem uma praia. E depois reclamam que os vereadores nada fazem, que o prefeito não administra corretamente o Município, que as calçadas estão sujas e danificadas, que falta luz, falta água e ainda têm que pagar IPTU. “Cada povo tem o governo que merece!” Se isto for verdadeiro é porque nós o merecemos já que, embora sendo filhos da luz, nos relaxamos ao cumprir com nosso dever de cidadão ou cidadã. Com referência ao ano eleitoral, como agem os filhos das

trevas? Procurando sempre vencer; agem com astúcia, comprando votos, fazendo promessas de emprego aos eleitores, desrespeitando as leis eleitorais, afirmando inverdades, caluniando; embora sendo lobos vorazes, aparecem em pele de cordeiros, com cara e jeito de santo, beijando criancinhas, dando tapinhas nas costas, indo às igrejas ficam nos primeiros bancos; seus objetivos são os de aparecer em todo lugar, principalmente onde houver muita gente. E os filhos da luz, os que devem votar para escolher o melhor vereador ou vereadora, o melhor prefeito ou prefeita, como agem? Geralmente com indiferença ou até com insatisfação pelo acontecimento. Deveria ser um dia alegre e festivo porque iremos participar com galhardia de um dia pleno de liberdade

NOTÍCIAS DA CATEQUESE

veis por dar sabor à vida dessas crianças, ser o sal da convivência. Os pais devem encontro de formação ser as primeiras pessoas, os de pais da catequese 1ª responsáveis pela educação etapa proporcionou a inte- solidificada na Palavra de gração de pais, catequistas Deus. e catequizandos e teve como foco a Palavra de Deus na Como ser sal na vida dos vida de todos. filhos? Sensíveis à grandeza da PaAtravés dos exemplos polavra Sagrada, os catequistas sitivos e da sua fidelidade a e os pais leram e refletiram o Cristo, devem sempre permaEvangelho de Jesus Cristo, necer firmes na educação de narrado por Mateus 5,13 - vida e de fé. Tudo isso é o sal 16, que conclama a todos à que dá sabor à vida, consermissão evangelizadora . De- va a união da família, assim vemos ser sal da terra e luz distanciando das ações negado mundo na vida dos nossos tivas que o mundo apresenta. irmãos. Jamais devem esmorecer, O sal necessita do alimento perder o gosto. Jesus disse para cumprir a sua função, no Evangelho: “Se o sal perder como a luz necessita de um o sabor, se ficar insosso não espaço para iluminar. serve mais para nada, somenRefletindo com os pais da te para ser pisado.” catequese, concluímos que, antes do catequista, os pais Como encontrar esse satêm a missão fundamental bor, essa força? na educação de fé dos seus Os pais encontram esse safilhos. Eles são responsá- bor e essa força no Evangelho,

O

causa do seu nome, pela sua beleza, porque é um artista de TV, porque fala bem, porque é comediante, soldado, general, padre, advogado, operário, médico? Votar bem não é tarefa fácil. Mas como temos eleições quase todo ano, se você amigo leitor e eleitor, começar a esforçar-se desde já na escolha do seu candidato, lendo e pesquisando bastante, com certeza, depois de duas ou três eleições, estará apto a cumprir adequadamente com seu dever cívico. Viva os filhos da luz!

Dízimo

Ser sal na vida dos filhos Izabel Araújo Pastoral da Catequese

e democracia, mas não o é porque quase ninguém se preparou para esse dia. Em outubro próximo, devo comparecer às urnas e aí depositar a minha escolha, livre e consciente. E como foi feita esta escolha? Ao acaso ou procurei obter todas as informações para poder votar livre e conscientemente? O meu candidato escolhido é uma pessoa que, com certeza, fará um bom governo, atuará com justiça e igualdade para todos? Ou, contrariamente, vou votar no meu candidato por

nos ensinamentos de Jesus e na Eucaristia. A Palavra de Deus é pão que alimenta, junto com a Eucaristia renova as forças. Sem as duas Mesas Sagradas, a nossa fé fica abalada e a nossa missão fica sem sabor. Ser luz na vida e na caminhada de catequese de nossos filhos. Como ser esta luz? A luz é a fé. Somos luz quando levamos o brilho da fé para o outro, quando ajudamos a iluminar o caminho do outro. Os pais serão luz para seus filhos, quando a caminhada de fé estiver unida aos passos de Jesus, através da Palavra vivida, edificada e refletida no amor fraterno, amor doação. Todos os pais são chamados a ser o sal da terra e a luz do mundo, missão esta, santificadora. S e ja m o s S A L , s e ja m o s LUZ!

Venha ser dizimista Pastoral do Dízimo Equipe

No dia 08 de abril celebramos a Páscoa, a Ressurreição de Cristo. E em cada domingo estaremos celebrando esse momento santo. É para a Igreja uma das festas mais importantes que acontece porque, pela Ressurreição, Cristo iniciou o novo reino e nos alcançou a glória da imortalidade, ainda que morramos no tempo presente, tornandonos eternos. Nós devemos ser responsáveis pelo que assumimos em nossa fé, e um modo é a manutenção de nossa Igreja contribuindo alegre e conscientemente com o Dízimo, para que ela sirva o Reino de Deus em toda parte. E a nossa comunidade tem o compromisso de evangelizar muitas pessoas.

Esse Cristo sofredor que veio para pedir ajuda e para nos ajudar. Jesus via as coisas e fazia e ele passou a vida inteira fazendo o bem. E isso vale para tudo em nossa vida. Vamos deixar esse Cristo Ressuscitado entrar em nossa vida, mude o seu modo de agir e de pensar. O nosso Deus espera que abramos o nosso coração para que faça morada. Vamos ser diferentes, vamos começar agora. Esse é o momento. Venha ser dizimista e ajudar a nossa Igreja a ser mais Evangelizadora!


Voz Viva

04

Abril 2012

“Hosana ao Filho de Davi! Mestre da justiça, da fidelidade e amor incondicional ao Pai até o fim!” (Painel Litúrgico)

Ensinamentos da Quaresma

Que o jejum seja expressão permanente do nosso amor Benedita S. Fernandes Ministra - Capela São Judas Tadeu

N

a quaresma e em todo tempo devemos nos preocupar em viver a fé. Uma vez que Jesus passou por todos os sofrimentos só por causa de nós, precisamos amar mais, perdoar e servir incansavelmente. Ele deseja tão apenas que amemos a Deus e ao nosso próximo. Também em todo tempo não podemos deixar de praticar os exercícios quaresmais Oração, jejum e partilha. E, é sobre o jejum que proponho uma reflexão: Primeiramente, o que é de fato o jejum? Para que serve, como deve ser e qual o sentido de falar em jejum hoje? Vejamos algumas breves respostas, a partir da Sagrada Escritura: “Agora, diz o Senhor, voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos, rasgai o coração e não as vossas vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; Ele é benigno é compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo” (Jl 2,12). O profeta Isaias diz como deve ser o jejum que agrada o Senhor. “Acaso o Jejum que prefiro não é outro – quebrar as cadeias injustas, desligar as amarras do jugo, tornar livres os que estão detidos, enfim, romper todo tipo de sujeição? Não é repartir o pão com o faminto, acolher em casa os pobres e peregrinos? Quando encontrares um nu, cobre-o, e não desprezes a tua carne. Então trilhará tua luz como

a aurora e tua saúde há de recuperar-se mais depressa; à frente caminhará tua justiça e a glória do Senhor te seguirá. Então invocarás o Senhor e Ele Te atenderá, pedirás socorro, e Ele dirá – Eis me aqui” (Is 58,6-9a). O jejum, a penitência e a oração só têm valor, só alcançam a Deus se forem acompanhados por obras de caridade e pela prática da justiça, que edifica a paz. Quando Jesus caminhava com os discípulos, o jejum não era preciso, porém depois da sua Morte e Ressurreição vivemos o tempo da Igreja, e a necessidade de fazermos jejum até que Ele venha! Se fizermos jejum, como a Bíblia nos ensina, fica garantida a nossa dignidade, e, assim, revelaremos a face de Deus, porque somos sua perfeita imagem. Temos ouvido insistentemente esta afirmação: “na vida de fé quem não avança recua”. Portanto, avancemos na prática da oração, do jejum e da partilha, amando e sendo amados pela fonte do amor eterno: JESUS.

AGENDA 21

Năo sabe o que fazer com as pilhas usadas? Traga para a secretaria da Paróquia Santo Antônio de Gopoúva, que a Pascom resolve.

Os dez mandamentos

1º Mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas Natália Yara Catequista de Crisma

O

s Dez Mandamentos ou conforme a Bíblia “A Lei dos Dez Mandamentos” (Ex 20), nos faz conhecer melhor os nossos deveres, direitos e nossa missão como cristão. A Pastoral da Comunicação, a partir deste mês, dá início à publicação dos dez mandamentos, para que de alguma forma seja um indicativo a viver a vida cristã. Esse mês apresento o 1º Mandamento: Amar a Deus Sobre todas as coisas, ou “Eu sou o Senhor, Teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão” (Ex 20,2). Este mandamento nos orienta que o primeiro ato da virtude da religião é adorar a Deus e reconhecê-Lo como único Deus, como o Criador e o Salvador. Ele nos ordena que O amemos acima de tudo. Nosso dever em relação a Deus consiste em crer Nele e dar testemunho Dele. Há também proibições, de não servir outros deuses, pois é impossível representar o verdadeiro Deus com imagens ou ideias que correm sempre o perigo de ser manipuladoras.

Quanto às imagens, a propósito, o Catecismo da Igreja nos diz: “O culto das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos”. De fato, “a honra prestada a uma imagem se dirige ao modelo original”, e quem venera uma imagem venera a pessoa que nela esta pintada. “A Honra prestada às santas imagens é uma “veneração respeitosa”, e não uma adoração, que só compete a Deus”. Será que nos dias de

hoje, cumprimos bem este mandamento? Nos deixamos levar pela idolatria do mundo? Com tantas informações, modernidades, prestamos “culto” a mídia, que muitas vezes são manipuladoras de opiniões? Amamos a Deus verdadeiramente? O mandamento também quer reforçar a nossa missão em estar mostrando Deus com nosso testemunho e atitudes de que Ele vive e reina em todo lugar! Paz e Bem em Cristo!!

Depoimento

Supremo Tribunal Federal aprova legalização do aborto de anencéfalo Neli Cristina Pereira Catequista na Comunidade Irmãs de Santo André

C

ada vez mais o ser humano é tratado como um objeto, sem valor por sinal. Ao aprovar uma lei que permite descartar um ser humano, o STJ está dizendo para a sociedade que se essa pessoa tem um defeito,

pode ser jogada fora. Tantas pessoas tem defeito de alma, no entanto, estão por aí fazendo maldades e tantas outras coisas ruins. As pessoas querem fugir do sofrimento, não querem carregar sua cruz, no entanto, estão carregando dentro de si sentimentos e intenções horríveis, que destroem lares, famílias, jovens, crianças e idosos.


“O mundo é um livro, e quem fica sentado em casa Voz Viva lê somente uma página”. (Santo Agostinho)

05

Abril 2012

Capa

A Cruz e o Amor de Deus

Encenação da Paixão de Cristo, promovido pela Pastoral da Juventude da Paróquia Santo Antônio de Gopoúva.

Silvana Oliveira Pascom

A

A vida exige a loucura da Cruz Tiago Januário Pascom “A linguagem da Cruz é loucura para aqueles que se perdem, mas para aqueles que se salvam, para nós, é poder de Deus” (ICor 1,18).

A

loucura da Cruz em primeira instância aparenta uma vivência desnecessária, sem lógica, a busca de um sofrimento, mas à medida que a vivenciamos surge o maior aprendizado da vida. Nela todos se tornam firmes e fortes na fé em Cristo. Atualmente, muitas igrejas angariam milhares de fiéis com a proposta de um cristianismo fácil (ganhar o céu, cura de doenças e até conquista de bens materiais). Não se engane! A vivência de fé, seguindo os ensinamentos de Jesus Cristo, e a vida em comunidade apontam para um caminho árduo, de cruz. Com efeito, Jesus nos diz: “entrai pela porta estreita, porque largo e espaçoso é o caminho que conduz à perdição. E muitos

são os que entram por ele. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho que conduz à Vida. E poucos são os que o encontram” (Mt 7, 13-14). A vida no mundo globalizado, com tantas acomodações, tantas informações de facilidades e promessas, nos prega um falsa ideia da loucura da Cruz, declarando que ninguém é obrigado a sofrer. É preciso ter claro que viver a loucura da Cruz não é sofrer por sofrer, mas enfrentar com maestria as dificuldades; é lutar contra a injustiça, perdoar e amar. É, enfim, fazer dessas loucuras uma vivência que gera aprendizados e crescimento pessoal e espiritual. Jesus viveu a loucura da Cruz, e mais que isto, morreu na Cruz. A loucura imposta pelo mundo, entretanto, gera o individualismo, a competição excessiva e, consequentemente, a pessoa se vê numa situação de depressão, de tristeza, de desesperança. A loucura do mundo

impõe uma falsa sabedoria, mas “o que é loucura de Deus é mais sábio do que os homens, e o que é fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. Mas o que é loucura no mundo, Deus o escolheu para confundir os sábios; e, o que é fraqueza no mundo, Deus o escolheu para confundir o que é forte;” (I Cor 1, 25-27) Viver a loucura da Cruz é lutar como uma borboleta que precisa sair do casulo: a força para rompê-lo é grande, mas se ela não passar por esse momento nunca poderá desfrutar de um belo voo. Portanto, parece loucura viver uma loucura de cruz que motiva a luta no sofrimento, mas “a linguagem da cruz é loucura para aqueles que se perdem, mas para aqueles que se salvam, para nós, é poder de Deus” (I Cor 1,18). Viva a loucura da Cruz! Baseado no texto “Na Cruz com Cristo” de João Bosco Gomes, Comunidade Família de Nazaré.

“loucura do amor” de Deus no mistério da cruz envolve e acompanha a vida do cristão. A cruz é sempre a forte lembrança da maior prova do amor de Deus pela humanidade e foi nela que Deus entregou o seu Filho único pela vida do mundo. Ela está estreitamente ligada à Paixão de Cristo e à nossa salvação. É o símbolo mais eloquente do grandioso amor do Pai por nós. Na cruz, Jesus venceu a morte e nos deu a vida eterna. O ser humano só é feliz de fato se viver diariamente essa verdade da cruz de Cristo que liberta de todo engano e de toda ilusão deste mundo passageiro. A convicção desse fato faz a pessoa viver com segurança, fé, paz e amor. Confesso que falar desse tão profundo tema me faz relembrar o momento em que tive minha experiência pessoal com Jesus. Experiência esta que me fez enxergar a magnitude deste tão precioso mistério. A “loucura da cruz” nos desafia a desprender-nos de nosso apego ao “Eu” e nos arranca do constante giro em torno de nós mesmos e dos nossos planos. A experiência com Cristo preenche de tal forma que não sobra nenhum espaço para futilidades porque ela nos faz mergulhar no universo da espiritualidade, da fé, da busca ardente de Deus, da santidade e de um mundo fraterno. Na cruz experimentamos a dor que nos purifica e santifica. Se soubermos vivenciá-la em Deus, nos contagiaremos pela alegria que dela advém pois Deus, em sua infinita sabedoria, permitiu que Jesus passasse por ela para manifestar impetuosamente a Sua glória. Temos que enxergar na cruz o seu real significado: nosso instrumento de salvação! Há pessoas que olham para ela como um simples objeto de decoração, como uma jóia, o que é lastimável. Diante da morte de Jesus na cruz, precisamos refletir constantemente

sobre os rastros que queremos imprimir neste mundo. Devemos incansavelmente parar, meditar, contemplar e adorar o Crucificado que foi suspenso no madeiro. Ele é o motivo de nossa esperança. É admirável a misericórdia de Deus para conosco! Toda a obediência de Jesus em cumprir os desígnios de Deus nos serve como grande exemplo para rompermos com coragem e paciência, independente da “loucura” da nossa cruz. O que deu forças para Cristo superar todo aquele sofrimento foi a confiança plena na promessa do Pai, promessa esta que valeu a pena acreditar. A esperança levou Jesus a contemplar antecipadamente a Ressurreição, dando-lhe forças para perseverar. “Embora sendo Filho de Deus, aprendeu a obediência por meio dos sofrimentos que teve. E uma vez chamado ao seu termo, tornou-se autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem” (Hb.5, 8-9). Podemos nos convencer de que a “loucura da Cruz” é a nossa vitória. É contemplando Jesus na cruz que percebemos o quanto aquele sacrifício atingiu a humanidade e nos deu a chance de um dia estarmos na morada Celestial. A cruz é a marca eterna que Deus imprimiu neste mundo, mostrando a todos os seres humanos que o amor de Deus venceu. O escândalo da cruz de Cristo foi a derrota radical dos doutores da lei, do pecado, dos ateus e do mundo e essa estupenda missão de Cristo foi obra única da nossa eterna e bendita salvação realizada pela Santíssima Trindade. Desejo que, com os olhos fixos em Deus e apoiados na sua graça, saibamos abraçar com alegria a cruz de cada dia, certos de que as chagas dolorosas de Jesus se tornaram fôlego de vida para nós. Vamos acolher, com o coração puro e liberto, a glória da cruz que se irradia no céu e na terra, cruz esta que nos encoraja a prosseguir firmes e fortes nesta caminhada rumo ao Pai.


Voz Viva

06

Abril 2012

“É Páscoa! Sequemos as lágrimas. O Tempo do medo e das trevas terminou. A Vida venceu a morte!” (Painel Litúrgico)

Missão

Pastoral da Criança

A Evangelização Pastoral Natália Fontenele Pascom

N

o dia 22 de janeiro deste ano, foi celebrada a missa em que o Bispo Dom Joaquim Justino Carreira tomou posse na Diocese de Guarulhos, sendo o 3º Bispo da cidade. Em sua homilia, ele deixa claro o slogan da sua administração, que é “a Evangelização Pastoral, nos convidando a anunciar a palavra de Deus”, ou seja, a de assumirmos a missão evangelizadora como verdadeiros discípulos de Cristo. Dom Joaquim nos relembra que todos nós, membros da Igreja, somos responsáveis pela missão de anunciar a Palavra de Deus, trazendo mais membros para a Igreja, demonstrando que somos verdadeiros discípulos de Jesus, demonstrando a importância e a responsabilidade de ser um Agente de Pastoral. Mas, para que possamos assumir a missão de evangelizar, devemos nos converter

ao próprio Evangelho. Essa conversão consiste em aceitar a Palavra, crendo no Evangelho e, principalmente, testemunhar a nossa crença. E para tanto, não podemos ser egocêntricos, mas sim, assumirmos o papel de evangelizar e viver a partilha com nossos irmãos. Por isso, Dom Joaquim nos relembra que um dos maiores mandamentos que deveríamos pregar e vivenciar seria o amor fraterno, com meu irmão, além da esperança na misericórdia Divina. Como agente jovem da nossa Comunidade, fico entusiasmada com a preocupação do nosso Bispo D. Joaquim com o trabalho missionário, considerando que em meu ponto de vista, todos os agentes de pastorais terão bastante trabalho pela frente, acreditando também que todos os jovens da nossa Comunidade devam se engajar nesse processo de missão evangelizadora, com uma participação mais colaborativa para a Comunidade.

Campanha Nacional

Pastoral da Criança

A campanha “Antibiótico: primeira dose imediata” é uma promoção da Pastoral da Criança, em parceria com o Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Unicef, Associação Brasileira de Enfermagem (ABEN), Sociedade de Pediatria (ABP), Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), Academia Brasileira Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas/RS. Seu objetivo é orientar os gestores municipais de saúde, e principalmente a sociedade, sobre a necessidade de ministrar a primeira dose de antibiótico nas Unidades Básicas de Saúde(UBS) logo após a consulta, em especial nos casos de crianças com suspeita de pneumonia A campanha é de abrangência nacional e prevê a utilização de várias mídias. Em muitos municípios, a mãe ou responsável pela criança recebe o medicamento na Uni-

dade Básica de Saúde, depois da consulta, e só oferece a primeira dose para a criança ao chegar em casa. Em outras situações precisa buscar os medicamentos receitados em uma Unidade Central QUANTO MAIS CEDO COMEÇAR O de Medicamentos, des- TRATAMENTO, MAIS FÁCIL É A CURA. perdiçando horas de tratamento que podem A prevenção inclui o aleitasignificar um internamento hospitalar evitável e, o que é pior, a mento materno exclusivo, alimentação saudável que ajuda morte da criança. A primeira dose de antibiótico no fortalecimento do sistema dada logo após a consulta, ainda imunológico , a qualidade do ar no posto de saúde, poderia evitar dentro de casa e imunização por uma parte significativa das cerca meio de vacinas. Os Articuladode 4 mil mortes anuais entre res da Pastoral da Criança junto crianças menores de 5 anos no aos Conselhos de Saúde visitam Brasil, registradas no Ministério mensalmente as Unidades Báda Saúde. Segundo dados do sicas de Saúde (UBS) Até maio, governo, as infecções respira- de 2011 foram visitadas – média tórias causadas por bactérias mensal – 1.228 UBS em 795 são a segunda causa de morte municípios. Entre as unidades de crianças no país. As doenças visitadas, 73% delas tinham respiratórias respondem por antibiótico em estoque, mas 19,7% das causas de morte de somente 37% (472 unidades) crianças entre 1 e 4 anos de ida- declararam dar a primeira dose de, 6,2% das crianças menores do medicamento para a criança na própria UBS. de um ano.

Missionários

Espírito Missionário, Conversão, Avaliação e Atualização

Nelson Rogério Pai de Catequizando – 2ª Etapa

A

Homilia do nosso Bispo Dom Joaquim Justino Carrera na Missa da sua posse, como 3º Bispo da Cidade de Guarulhos, nos faz perceber o objeto que será bastante trabalhado por ele durante sua administração, demonstrando não apenas uma tendência isolada do nosso Bispo frente aos problemas da Igreja Católica, mas sim, uma preocupação da própria alta cúpula da Igreja Católica já que o mesmo tema foi objeto do Pontíficie Bento XVI na mensagem para a Quaresma. Esse objeto corresponde aos trabalhadores da vinha: sacerdotes e agentes pastorais. Dom Joaquim nos coloca a sua visão de que os trabalhadores deles estão perdendo a essência cristã: a de ser missionário apostó-

lico, anunciando o Evangelho aos quatro cantos do mundo (seja ela o mundo = planeta, seja o nosso mundo particular que envolve a nossa vida em todos os aspectos (família, Comunidade, emprego). Por isso, Dom Joaquim quer deles uma mudança de atitude, assumindo ou reassumindo seus compromissos conferidos pelo sacramento do Batismo e confirmado pelo sacramento do Crisma. Portanto, Dom Joaquim não quer os trabalhadores dele como missionários de quatro paredes, mas sim, ele quer missionários que sejam conduzidos pelo Espirito Santo e possam atuar fora das paredes físicas da Igreja que, muitas vezes, servem para nos fazer prisioneiros do nosso “eu”. Mas para voltar à origem da essência cristã e ser verdadeiros missionários apostólicos, Dom Joaquim nos coloca que se faz necessário a conversão ao próprio Evangelho que

ele quer que seja divulgado mundo afora, enfatizando ser necessário um processo de conversão diária para que não se esqueça dos compromissos assumidos, como comentado anteriormente. E essa conversão diária requer que não haja apego a essa Igreja ou àquela Igreja, a esse Padre ou àquele Padre, a essa Pastoral ou a minha ou àquela Pastoral, que por si só, representam as “coisas que passam”. A conversão diária é ter somente Jesus (Amor) como bem maior das “coisas que não passam”, e esse Jesus como alicerce da Igreja Católica (Universal). Dessa forma, Dom Joaquim deixa claro aos trabalhadores dele que devem viver uma constante conversão e evolução, caminhando junto com o mundo, utilizando de todos os recursos possíveis (internet, blogs, entre outros) na missão evangelizadora, buscando se aprimorar no conhecimento

do Evangelho, no tratamento das pessoas, no seu próprio caminhar, no seu potencial de amar, oferecendo testemunhos que podem fazer com que os cristão católicos não atuantes possam ser inspirados e convidados por esse testemunho a partilhar também do trabalho da vinha do Senhor. Durante sua visita em nossa Paróquia, Dom Joaquim deixou bastante claro que vai exigir da Comunidade uma avaliação constante de todos os trabalhadores dele na atuação frente à Igreja de Cristo, utilizando-se do mesmo mecanismo da denominada “correção fraterna” que o Pontífice Bento XVI explicou com muita propriedade na sua Mensagem Quaresmal. Os que estiveram presentes na Paróquia na noite do dia 2 de março, tiveram a oportunidade de realizar um leve exercício do que seria essa correção fraterna. Para os sacerdotes e agentes que atuam há bastante

tempo nas Igrejas e Pastorais, entendo que é hora de buscar a conversão diária e exercitar a correção fraterna, que logo será exigida deles. Para os sacerdotes e agentes novos, entendo que a hora é de introduzir novidades e atualidades, trabalhando no aperfeiçoamento dos instrumentos de evangelização, ao invés de se acostumar e conviver com as coisas erradas ou ultrapassadas. Para os jovens, entendo que é hora de se unirem aos antigos e novos, participando desse processo que a Igreja Católica está exigindo dos seus trabalhadores, para que eles (jovens) atuem futuramente com menos proporcionalidade de risco aos erros que levaram muitos trabalhadores entregues ao “ismo”, conforme bem colocado por Dom Joaquim. Somente assim podemos crescer como verdadeira Comunidade Cristã Paz e Graça a todos.


“Aleluia! Caminhemos confiantes porque o Senhor está Vivo no meio de nós. Alegremo-nos e Nele exultemos!” (Painel Litúrgico)

Trabalho Pastoral MAtriMônio Equipe do Matrimônio

A

conteceu na Paróquia Santo Antônio de Gopoúva nos dias 3, 10 e 17 de março o Encontro de Noivos. Os casais que pretendem se casar reuniram-se para a preparação da tão linda atitude de fé cristã. “A família é patrimônio da humanidade; porque

A

conteceu nos dias 24 e 25 de março de 2012 no CDP (Centro Diocesano de Pastoral) o “Curso de Formação para Novos Agentes da Pastoral da Sobriedade” que contou com a presença de Dom Joaquim Justino Carreira, do Pe.Otacílio, Pe.Paulo Afonso, Pe. Berardo e Pe.Chico e dos agentes da Pastoral da Sobriedade da Diocese e da Paróquia Santo Antônio de Gopoúva, sendo eles Maria Luzia, Isabel Moreira, Tereza, Edmar e Adriano. Foram momentos de muita alegria, serviço e espiritualidade. No curso foram apresentados diversos temas para reflexão

A Procissão de Ramos foi inesquecível

e aprendizado. O primeiro: Pronunciamento do Papa João Paulo II, documentos da Igreja e história da Pastoral da Sobriedade. Segundo: Objetivo geral; objetivos específicos; estratégias de ação e funções das equipes de coordenação. Terceiro: Missão da Pastoral e dos agentes. Quarto: identidade da Pastoral. Quinto: a espiritualidade do programa de Vida Nova. Sexto: a estrutura do grupo de autoajuda e funções das equipes. Sétimo: a reinserção e atuação política. Oitavo: os efeitos das drogas. Nono: normas para implantar a Pastoral da Sobriedade. O curso encerrou-se com a entrega dos certificados e confraternização. Agradeço de coração as doações enviadas através

Bernadete Morisco Proclamadores

H

de tantos amigos. Deus os abençoe. Sobriedade e paz, só por hoje graças a Deus. SAúde Pastoral da Saúde

A

Pastoral da Saúde agradece a todos que se dispuseram na Missa do Domingo da Misericórdia, 15 de abril, se doando aos enfermos e idosos de nossa comunidade. Jovens, proclamadores, perseverantes, animadores, cantores, os “motoristas de Jesus”, os que gentilmente colaboraram com lanches e café, ao Pároco Pe. Otacílio e a todos que participaram rezando para que aquela tarde fosse Santa. O nosso muito obrigado e até a próxima.

Celebração Pe. Otacílio. Sábio em suas palavras, um grande escritor. Enriquece espiritualmente a todos com sua imensa sabedoria, transmitindo sempre o amor, a esperança, o perdão e a amizade. Parabéns pelos 24 anos de vida Sacerdotal completados no dia 10 de abril Paróquia Santo Antônio de Gopoúva, pelas três Comunidades. Pe. Paulo Afonso. Conhecimento é a palavra-chave que o descreve. Conhecimento este que é transmitido para toda a comunidade, promovendo um grande aprendizado dos ensinamentos de Jesus Cristo. Parabéns pelos 39 anos de idade completados no dia 18 de março. Capela São Judas Tadeu, pelas três Comunidades.

07

Abril 2012

Semana Santa

é mediante a família que conforme o desígnio de Deus deve-se prolongar a presença do homem sobre aterra. Nas famílias cristãs, fundadas no sacramento do matrimônio, a fé nos vislumbra maravilhosamente o rosto de Cristo, esplendor da verdade que enche de luz e alegria os lares que inspiram a vida no Evangelho.” Papa João Paulo II.

SobriedAde Tereza Braga Pastoral da Sobriedade

Voz Viva

Pe. Tito. Homem de Fé. Devoto de Maria. Um grande exemplo de sacerdócio que dedicou á vida as doutrinas da Igreja. Que a Paz e a Misericórdia do Cristo Ressuscitado Reine em Teu Coração. Parabéns pelos 95 anos de idade completados no dia 15 de abril. Capela Nossa Senhora de Sion, pelas três Comunidades.

á riquezas que não podem ser guardadas. Exemplo disto, as reflexões feitas, em clima orante, pelos jovens de nossa Paróquia na Procissão de Ramos, providencialmente também Dia Mundial da Juventude. Foram breves e profundas, sintetizando o Itinerário Quaresmal que fizemos rumo à Páscoa do Senhor: Fomos com Jesus ao deserto, onde Ele por durante quarenta dias foi tentado, vivendo em luta permanente contra as propostas do inimigo, opostas ao Plano de Deus. Também nós sofremos as provações e temos que viver confiantes no Pai, para que sejamos inebriados pela alegria ao Celebrar a Páscoa do Senhor; acreditando na força dos jovens, que buscam incansavelmente um mundo de justiça e de paz, seduzidos e comprometidos com Jesus Cristo. Subimos com Jesus à Montanha, e aprendemos que a fala de Pedro: “Mestre, é bom estarmos aqui, vamos construir três tendas. [...]”, revela o desejo de querer prolongar um momento privilegiado. Porém, Jesus nos ensina que é necessário descer a montanha; que é preciso cumprir com nossas obrigações como discípulos e missionários, para que todos os povos se convertam a Ele. A Transfiguração é o novo olhar para os desfigurados de nossa sociedade, que são hoje portadores de uma esperança pura, para que consigam transformar suas vidas, e para podermos todos nos unirmos como irmãos. Num mundo que desfigura a humanidade pela miséria, pelo lucro sem medida, pelas injustiças sociais que mancham a dignidade humana, escolhamos a Deus para cumprirmos nossa missão e construirmos a esperança que nos renova e que também nos transfigura. Ouvimos a Palavra de ordem: “Convertei-vos e credes no Evangelho” que é sempre um convite para avançarmos na experiência de viver segundo os ditames do amor de Deus que sempre nos busca;

é um alerta para deixarmos de lado a prática religiosa das aparências, a religião da superficialidade, que não leva a lugar nenhum senão à sustentação da nossa vaidade; é um chamado para aprofundarmos nossa relação com Deus, redescobrindo a cada instante que Jesus é o único Deus e Senhor, Salvador e Redentor do homem, nenhuma outra experiência humana nesta vida, será tão transformadora e autêntica como a vocação cristã. Neste sentido, muito pode nos ajudar os exercícios quaresmais que devemos cultivar em todo tempo: jejum, oração e partilha. No jejum Deus exige um sacrifício pessoal, na oração um momento de adoração Àquele que deu a vida por nós; e na esmola a atenção com as necessidades dos irmãos, especialmente os doentes. Amando o irmão e vivendo o dom de reciprocidade fazemos da nossa vida o verdadeiro templo de Jesus, contemplado pelo amor e oração. Contemplamos o grande amor de Deus, que nos deu o Seu próprio Filho. A novidade do novo Mandamento, revelada por Jesus ao morrer na Cruz, em amor incondicional pela humanidade. O Mandamento do Amor exige empenho para favorecer o bem do outro, através da correção fraterna. É preciso um olhar que ama e corrige, que conhece e reconhece, discerne e perdoa, como fez e faz Deus com cada um de nós! Finalmente, compreendemos que Jesus é o grão de trigo que morreu para nos dar vida em plenitude. Ele é a Boa Nova da Salvação para a humanidade, ontem, hoje e sempre. Mas, ao mesmo tempo, Ele é também o primeiro e supremo evangelizador, revelando-nos sua glória, como o grão de trigo que cai na terra para produzir e dar vida a todos os povos. Após a tradicional Procissão pelas ruas de nossa paróquia, continuamos na Igreja a solene Eucaristia do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor, abrindo a grande Semana Santa como um grande Retiro do Povo de Deus.


Voz Viva

08

Abril 2012

A eficácia da palavra do Sacerdote – na pregação, na celebração dos sacramentos, na direção espiritual e no trato com as pessoas – provém do mesmo princípio: emprestar sua voz ao Senhor (São Josemaría).

Culinária

Batata rösti ao forno

(baixo colesterol) Rendimento 4 porções Ingredientes -500g de batatas grandes -1 colher( chá) de orégano -sal a gosto -100g de ricota passada pela peneira -100g de cream cheese ligth -2 colheres(sopa) de requeijão light -margarina para untar -1 colher(sobremesa) de queijo parmesão light ralado -1 colher(chá) de salsinha picada -2 colheres (sopa) de azeite Modo de preparo Cozinhe as batatas, deixando-as firmes. Depois de frias, rale-as em um ralador grosso ou no pro-

cessador. Tempere com o sal e o orégano. Em um refratário untado, coloque metade das batatas raladas e temperadas. Em um recipiente, misture a ricota, o requeijão e o cream cheese. Coloque sobre as batatas e regue com metade do azeite. Cubra com o restante das batatas. Adicione o azeite restante. Salpique o queijo ralado e leve ao forno preaquecido, por aproximadamente 25 minutos. Salpique a salsinha e sirva. Calorias- 226; proteínas 10g; carboidratos 25 g; gorduras totais 10g; gorduras saturadas 5g; colesterol 31mg; fibras 1g (dados para cada porção)

ACUPUNTURA POPULAR

Oasis Terapias – Todas as quartas-feiras, das 14 às 18h. e sextas-feiras das 9 às 11h. Av. Emílio Ribas, 757 - Gopoúva. Tel: 2408- 6815 - GISELE MOYA

Suco refrescante de manga Bata no liquidificador 1 manga grande, 1 xícara de água, ½ xícara de folhas de hortelã. Obs.: Esse suco dispensa o uso de açúcar e adoçante

Você Sabia?

CF 2012 - Fraternidade e Saúde Pública  A expectativa de vida tem aumentado no Brasil. Hoje, o país tem 21 milhões de idosos. Ao nascer, a expectativa de vida dos brasileiros é de 72 anos. Entre os homens a média é de 69 anos e entre as mulheres de 76 anos.  Atenta a essa realidade do crescimento no número de idosos a Igreja por meio da Pastoral da Pessoa Idosa empreende ações para a consolidação dos direitos das pessoas nesta etapa da vida, para que todos tenham acesso às políticas públicas de saúde e assistência social, valorizando e dando dignidade e essas pessoas que tanto contribuíram com o país.  O tabagismo é a principal causa evitável de morte no mundo. É incontestável a associação entre o cigarro, com suas mais de quatro mil substancias tóxicas, como desenvolvimento de, derrame cerebral, ataque cardíaco, doenças pulmonares crônicas, problemas de circulação. 90% dos casos de câncer de pulmão estão associados ao tabagismo. No Brasil 15,1% da população adulta fuma.

AGENDA 21 Năo sabe o que fazer com as pilhas usadas? Traga para a secretaria da Paróquia Santo Antônio de Gopoúva, que a Pascom resolve.

PRESTIGIE NOSSOS COLABORADORES. ELES CONTRIBUEM NA EVANGELIZAÇÃO

Jornal Voz Viva - Abril/12  

Jornal Voz Viva - Abril/12