Page 1

MENSAGEM À COMUNIDADE

O ESPÍRITO SANTO ACOMPANHA AS COMUNIDADES

A

comunhão de que falamos é verdadeiramente uma realidade, mas muito sublime, tão sublime que poderia permanecer como um ideal entre o céu e a terra, e não se traduzir no cotidiano concreto de nossas vidas. Num estudo preciso e calculado, o sociólogo Jean Séguy se perguntou: Como é que a Igreja católica dos Estados Unidos, que era a menos segregacionista no século XIX, conta relativamente com poucos negros, enquanto estes se ligam mais às comunidades batistas ou metodistas? É, diz ele, que entre nós existia uma comunhão ao nível da fé, da prática litúrgica, mas faltava aquilo que Séguy chama de comunhão sociológica: poderíamos dizer uma comunhão humana efetiva e concreta. O negro e o branco comungavam lado a lado junto ao mesmo altar, mas voltavam para seus lugares de braços cruzados. Olhos baixos, e saíam da igreja sem se falar, sem apertar as mãos, sem nenhum intercâmbio. Em resumo, a comunhão mística, cujo princípio soberano é o Espírito Santo, requer traduções concretas no plano das relações humanas pessoais. Eis alguns exemplos. Um engenheiro de cinqüenta anos de idade, batizado aos vinte e três dizia: A igreja é um ambiente frio e bem pouco fraternal. Dois escoteiros, dois alunos da escola, dois veteranos do 151º regimento de infantaria, etc., são mais irmãos do que dois católicos! E uma religiosa batizada aos vinte e um anos: Eu sofri muito no ambiente paroquial por causa da falta de acolhida e, praticamente, nunca vi esse momento em que a paróquia formasse uma comuni-

dade. Graças a Deus, há testemunhos mais positivos, como o daquela mãe de família, também ela batizada aos vinte e um anos: O batismo e a primeira comunhão foram minha adesão a Cristo, e por isso mesmo minha entrada, mais do que minha entrada, minha integração na Igreja. Eu fazia de fato parte da “família” e eu podia partilhar suas alegrias, suas riquezas e seus esforços. Comecei uma nova vida. Revejo-me no primeiro domingo após o meu batismo no meio da multidão de uma paróquia. Senti uma grande alegria, exaltante por fazer parte do povo de Deus e creio nunca ter cantado e creio nunca ter cantado de tanto coração!” Outra mãe de família, batizada aos vinte e três anos, escreve: A Igreja, para mim, é uma família. Nessa família, como nas famílias humanas, uns são solidários e tributários dos outros. Somos pecadores e devemos nos aceitar como tais. [...] É o aspecto imediatamente sensível da solidariedade cristã, mas certo professor, batizado aos vinte e cinco anos, observava, revendo a caminhada que havia feito: Minha ajuda mais poderosa me vinha por assim dizer sem o conhecimento daquele ou daqueles que me ajudavam, o que me tornou muito sensível à solidariedade invisível dos homens. [...] Por mais que dependa de nós expressar essa solidariedade e torná-la sensível, não nos esqueçamos de que, se a caridade é sublime, aquela que o Espírito Santo coloca em nossos corações é também bem concreta. Isso é muito claro no capítulo 13 da primeira carta aos Coríntios: O amor tem paciência, o amor é serviçal,

não é ciumento, não se pavoneia, não se incha de orgulho, nada faz de inconveniente, não procura o próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor... Tudo isso, que é bem concreto, bem prático, estava incluído no que dissemos mais acima sobre a caridade, raiz da comunhão dos santos, tendo ela mesma por princípio o Espírito Santo de Deus. O mais concreto, o mais comum faz parte do mais sublime. O Espírito Santo foi dado a Igreja, Ele foi prometido aos apóstolos, mas em vista do novo povo. O Espírito Santo, princípio de unidade. Santo Agostinho nos diz: “amor pela paz, pela concórdia mútua, pela unidade, o contrário pelo espírito individualista, sectário e carismático. O Espírito Santo é toda a comunidade na qual o individuo é recebido pelo batismo. Ele é uma comunhão, uma fraternidade de pessoas. A pessoa “Igreja” não se reduz a simples totalidade dos indivíduos que a compõem, ela tem uma realidade própria a qual se aplicam propriedades específicas tais como a unidade, a santidade, a catolicidade, a indefectibilidade – não olheis nossos pecados, mas a fé da vossa Igreja. (Fonte: CONGAR, Yves. Ele é o Senhor e dá Vida. São Paulo: Paulinas, 2005.)


PG 2

NOVO MUNDO BOLETIM INFORMATIVO PAROQUIAL

A PASTORAL PAROQUIAL

O QUE É VIVER BEM?

U

repórter perguntou à CORA CORALINA O que é viver bem? Ela disse-lhe: “Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice. E digo prá você, não pense. Nunca diga estou envelhecendo ou estou ficando velha. Eu não digo. Eu não digo que estou ouvindo pouco. É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso. Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê. O bom é produzir sempre e não dormir de dia. Também não diga prá você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais. Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima. Eu não digo nunca que estou cansada. Nada de palavra negativa. Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica. Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio! Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha não. Você acha que eu sou? Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes. O importante é semear, produzir milhões de

CATEQUESE DA 1ª. EUCARISTIA

N

o dia 26 de Maio foi celebrada mais uma Eucaristia para as crianças e pais da Catequese Paroquial. Dessa vez a catequese da Missa foi realizada sobre a Liturgia da Palavra. Com a colaboração da Pastoral da Liturgia e o empenho das Catequistas, padre Boim presidiu este momento evangelizador, cuja perspectiva é instar a Paróquia a ser uma comunidade de “pedras vivas”, renovada em seu ardor missionário.

PASTORAL DA LITURGIA

A sorrisos de solidariedade e amizade. Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça. Digo o que penso, com esperança. Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor. Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.” – Cora Coralina viveu em Jaboticabal, morreu em 1985 aos 95 de idade, cuidou do seu interior mais do que seu exterior, tinha todas as linhas da vida no rosto, e que vida... (Fonte: Jornal O Combate, Jaboticabal, Edição

Pastoral da Liturgia realizou mais uma noite de formação litúrgica com a presença do prof. Gabriel Frade, que abordou a Liturgia da Palavra. Devido à amplitude da matéria e riqueza de simbolismos, esta parte da sagrada liturgia será tema do encontro de formação de Agosto, para o qual, desde já, todos estão convidados, especialmente os que exercem o ministério da proclamação da Palavra nas missas da comunidade.

ENCONTRO DE NAMORADOS COM CRISTO

de 08/04/2011)

CARREATA DA SOLIDARIEDADE

N

o dia 22 de Maio aproximadamente 168 carros antigos desfilaram pelas ruas de Moema. Carregando mais que sua beleza estética, os carros e todos os voluntários levavam uma mensagem de que solidariedade é atitude cotidiana na sociedade contemporânea. Durante três horas foram recolhidos alimentos, roupas, fraldas e, especialmente, foi deixada uma reflexão no coração dos moradores de Moema: “Todas as vezes que o fizestes (dar de comer, beber, vestir, etc.) a um destes pequeninos, que são meus irmãos, foi a mim que o fizestes”, disse Jesus (Mt 25, 40). Em 2012, ultrapas-

S sando o limite do 10º. Ano de Carreata Solidária, cá estaremos para anunciar que é ‘preciso tirar coisas novas das coisas velhas’. Obrigado à organização e aos paroquianos e moradores de Moema pelas doações e compreensão!

e você está namorando há mais de um ano, então a Pastoral da Família convida o casal a participar do próximo Encontro de Namorados com Cristo. Este encontro acontecerá no dia 10 de Julho próximo, no Santuário de São Judas Tadeu. As inscrições e outras informações podem ser adquiridas na secretaria da nossa Paróquia.


NOVO MUNDO BOLETIM INFORMATIVO PAROQUIAL

PASTORAL DA CARIDADE

PASTORAL DO DÍZIMO

ATIVIDADES JUNHO/2011 2 Curso Bíblico: no Salão Superior, às 20h30. 4 Espiritualidade da Família: no Colégio Cia. de Maria, das 13h30 às 18h30.

13 a 17 Retiro dos Padres: em Atibaia, o dia todo. 16 Formação (padre Ney): no Salão Paroquial, às 20h30. 19 Encontro de Noivos: no Salão Paroquial, das 8 às 17h. 21 Bazar da Pastoral da Caridade: no Salão Paroquial, a

A

Pastoral da Caridade convida a comunidade paroquial para prestigiar o BAZAR que acontecerá no dia 21 de Junho, das 13h30 às 17h, no Salão Paroquial. Como sempre é feito, os frutos do Bazar auxiliarão as obras assistenciais atendidas pela Paróquia Nossa Senhora da Esperança. Bem vindo à participação!

N

D

ízimo é uma doação espontânea. O Dízimo que temos é o espelho da Comunidade que somos! Com alegria comunicamos a adesão dos novos Dizimistas: José Luiz Kherlakian, Derlange Aragão, José Mauro Marques, Eduardo Mura Buchaim, Solange Sardinha, Maria Izabel Ferreira, João Coloni, Hudson Bezerra de Oliveira, Marlene Lindel e Grisi, Miriam Veiga Atra. Que Nossa Senhora da Esperança os proteja sempre! (Colaboração: Pastoral do Dízimo)

PASTORAL DO BATISMO

o dia 30 de Maio a Pastoral do Batismo se reuniu para mais uma noite de formação, sob a coordenação de um dos agentes e a orientação dos padres, o tema abordado foram os símbolos do Batismo. Após a apresentação houve espaço para perguntas, observações e esclarecimentos das dúvidas. O próximo passo ocorrerá no final de Junho, cujo estudo será dedicado ao ritual do Batismo e suas orientações.

MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA SAGRADA COMUNHÃO

D

ia 28 de Maio ocorreu mais um encontro dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão, revisando a concepção de ministérios e abordando a palavra do Diretório dos Sacramentos da Arquidiocese sobre os MESC, além das orientações oferecidas por Paulo VI na Immensae Caritatis.

EXPEDIENTE PAROQUIAL MISSAS: Terça à Sexta, às 18h • Sábado, às 16h • Domigo, às 8h30,11h e 19h. SECRETARIA: Segunda, das 13h30 às 17h30 • Terça à Sexta, das 8h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h30 • Sábado, das13h30 às 17h30

Informações pelo tel./fax.: (11) 5531-9519 ou pelo e-mail: pnsesperanca@uol.com.br

partir das 13h30. Conselho Administrativo Paroquial: no Salão Superior, às 18h30. Conselho Pastoral Paroquial: no Salão Superior, às 20h30.

23 Missa Solene de Corpus Christi: na Igreja, às 16h. Festa Junina das Pastorais: Salão Paroquial, às 19h.

27 Formação Pastoral Batismo: no Salão Superior, às 20h30.

28 Conselho Pastoral do Setor: N. Sra. Aparecida, às 20h30. 29 Festa Junina – Pastoral Amizade: no Salão Paroquial, às 20h.

Segunda a Sexta-feira: Narcóticos Anônimos – das 20 às 22h (nas Salas Inferiores). Segunda-feira: Grupo Gente Ativa – das 13h45 às 17h30 (no Salão Paroquial). Terça-feira: Grupo de Oração – das 14 às 15h (na Igreja), Pastoral da Caridade – das 14 às 16h30 e Catequese – das 18h30 às 19h30 (nas Salas Inferiores). Quarta-feira: Catequese – das 18h30 às 19h30 (nas Salas Inferiores) e Pastoral da Amizade – às 20h (no Salão Paroquial). Quinta-feira: Catequese – das 8h30 às 10h e das 14 às 15h30 (nas Salas Inferiores).

PG 3


PG 4

NOVO MUNDO BOLETIM INFORMATIVO PAROQUIAL

40 ANOS EVANGELIZANDO: DE ESPERANÇA EM ESPERANÇA

O DIA DO SENHOR A

(ADAPTADO DE DIES DOMINI, CARTA APOSTÓLICA DE JOÃO PAULO II, NN. 11-16)

vida inteira do homem e todo o seu tempo devem ser vividos como louvor e agradecimento ao seu Criador. Entretanto, a relação do homem com Deus necessita também de momentos explicitamente de oração, nos quais esta relação se torne um diálogo intenso, envolvendo toda a dimensão da pessoa. O “dia do Senhor” é, por excelência, o dia desta relação, no qual o homem eleva a Deus o seu canto, tornando-se eco da inteira criação. É também o dia do repouso: a interrupção do ritmo muitas vezes oprimente das ocupações exprime, com a linguagem figurada da “novidade” e do “desprendimento”, o reconhecimento de que nós mesmos e todo o universo dependemos de Deus. Tudo é de Deus! ... O repouso não alude à “inatividade” nem se restringe ao descanso e ao lazer, mas é um momento de lançar um olhar “contemplativo”, que não visa a novas realizações, mas sobretudo a apreciar a ação amorosa de Deus sobre os homens, particularmente sobre nossas vidas.

Deus, ao santificar o sétimo dia com uma benção especial, faz dele “o seu dia” por excelência. O repouso assume valor sagrado: o fiel é convidado a repousar não só como Deus repousou, mas a repousar no Senhor, oferecendo-lhe toda a criação, no louvor, na ação de graças, na intimidade filial e na amizade esponsal, ou seja, a aliança nupcial entre Cristo e sua Igreja. É neste clima de oração, de festa de louvor e agradecimento a Deus e de diálogo de amor e de aliança que acontecem as celebrações da Eucaristia. É neste clima comunitário que Jesus se torna presente em alma e divindade, doando-

se totalmente em corpo e sangue, na sagrada comunhão. Caros crismandos, pais e padrinhos, a nossa comunidade, que reza continuamente por vocês, os incentiva a participarem assiduamente da Santa Eucaristia, a fim de que possam desfrutar em plenitude das alegrias e graças provenientes desta aliança com o nosso Criador. Em particular, no mês de junho teremos as grandes celebrações da festa de Pentecostes e de Corpus Christi, venham todos festejar conosco como uma só família! (Colaboração: Catequese da Confirmação)

PALAVRA DO PÁROCO

SANTA MISSA: FAZER MEMÓRIA

A

cruz e a mesa são a identidade dos seguidores de Jesus. A Missa, em essência, é fazer memória da morte e ressurreição de Jesus. É a recordação de uma história de fidelidade. Sua lembrança dará consistência e sentido à nossa existência, sustentará nossa esperança e encherá de força a nossa vida, diante das persistentes tentações de fadiga e abandono. E fazemos memória dEle ao redor da mesa, não por iniciativa própria, mas em virtude do pedido que ele nos faz na véspera de sua morte: “Fazei isto em memória de mim”. Recordai sempre o que fiz por vós; que nunca vós vos esqueçais. Reuni-vos e fazei constantemente memória disso, de geração em geração. Não vos esqueçais das minhas palavras, dos meus atos, da minha morte e ressu-

rreição, porque nisso está o sentido da vossa existência. Para nós “memória” é recordar coisas, um acontecimento passado. Memorial, no que diz respeito à Eucaristia, é muito mais que uma mera recordação. Significa atualização de um fato, torná-lo presente, tornar presente Jesus, ressuscitado! Os primeiros cristãos celebravam em sua assembleia dominical não uma simples comemoração ou recordação da ressurreição do Senhor. Eles a viviam como um prolongamento das aparições do Ressuscitado. Nos seus escritos eles manifestam que suas eucaristias eram encontros com o Senhor, que nelas o Senhor se fazia presente a eles, vivo e ressuscitado. Façamos também nós, em nossas assembleias dominicais, um encontro com

NOVO MUNDO BOLETIM INFORMATIVO PAROQUIAL Ano XV • Edição 158 • Junho/2011 Tiragem: 1.000 exemplares • Periodicidade: mensal

Distribuição: gratuita • Responsável: Cônego Dagoberto Boim • Projeto gráfico e diagramação: Minha Paróquia (minhaparoquia.com.br) • Impressão: Gráfica Serrano (11) 7733 6247

o Senhor, sinal de vida e esperança frente aos sinais de morte com os quais nos deparamos no dia a dia. É tempo de atitude mais firme no seguimento de Jesus: “Fica conosco Senhor... Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” Fraternalmente, Cônego Dagoberto Boim

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA ESPERANÇA Endereço: Av. dos Eucaliptos, 556 - Moema São Paulo, SP • CEP 04517-050 Tel/Fax.: (11) 5531-9519 • e-mail: pnsesperanca@uol.com.br

Boletim Informativo Novo Mundo - Junho/2011  

Paróquia Nossa Senhora da Esperança Av. dos Eucaliptos, 556 - Jardim Novo Mundo Tel.: (11) 5531.9519

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you