Page 1

11 de Agosto

SANTA CLARA PÁG. 9

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO • RIO DAS OSTRAS

FAMÍLIA

Comunicar a alegria do amor na família Pág. 3

ACONTECEU

Igreja celebra 1º Missa com as crianças

ANO V • EDIÇÃO 66•AGOSTO 2016

Irmãs Sacramentinas: um espelho de adoração ao Santíssimo No mês de agosto, a Igreja celebra as vocações e que tem tamanha importância, pois se torna o início de tudo. Ou seja, é um chamado que convida a seguir Jesus, uma escolha pessoal que vem de Deus. E para comemorar o mês das vocações, que nos leva a descobrir nosso papel e compromisso com a Igreja e sociedade, o jornal Bendito traz um pouco da história das Irmãs Sacramentinas.

Pág. 6

Pág. 5

VATICANO

“Oração, principal instrumento de trabalho e salvação de vida”

Pág. 7


2

Editorial Vocação. Vocação é o mesmo que “chamado”. Neste mês que iniciamos, refletiremos, como Igreja, no tema vocação.

Por que agosto é o mês vocacional?

Todos nós somos chamados por Deus. A primeira vocação que recebemos foi a vocação à vida. Em seguida, vamos descobrindo, ao longo dos anos, a nossa vocação específica, sem nunca perder de vista à vocação comunitária que temos: fazer parte da grande família de Deus, a Sua Igreja. Caso você ainda não tenha conseguido discernir qual o chamado que o Senhor te faz, o nosso jornal O Bendito quer neste mês te ajudar. Nesta edição, a vocação à vida religiosa será o destaque, com as nossas amadas irmãs sacramentinas abordando sua vocação. As notícias sobre nossas comunidades teste-

O Bendito tem procurado ser fiel à vocação que recebeu de Deus e da nossa Comunidade Paroquial. E você? Tem sido fiel à sua vocação? Já descobriu qual o chamado que o Pai tem feito a você? Esperamos que esta edição te ajude nesta bela experiência de ouvir Aquele que te chama, pois como diz a canção: “aquele que vos chamou, aquele que vos chamou... é fiel, é fiel... fiel é aquele que vos chamou”! Boa leitura!

T

odo ano em agosto celebramos em nossas Igrejas o Mês Vocacional. Mas, você já parou para se perguntar por que temos essas comemorações no Brasil? Em 1981, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em sua 19ª Assembleia Geral, instituiu agosto como o Mês Vocacional. O objetivo principal era o de conscientizar as comunidades da responsabilidade que compartilham no processo vocacional.

É por isso que cada domingo do mês de agosto é dedicado à celebração de uma determinada vocação. No primeiro, celebra-se sacerdócio e os ministérios ordenados; no segundo, o matrimônio junto à semana da Família; no terceiro, a vida consagrada, e por fim, no quarto, a vocação dos Leigos. Mesmo após 34 anos da instituição do Mês Vocacional, o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB,

Paróquia Nossa Senhora da Conceição CNPJ: 28.600.559/0036-00

Rodovia Amaral Peixoto, 4565 - Centro - Rio das Ostras - RJ

Tel.: (22) 2764-3309 jornalbendito2014@gmail.com www.senhoradaconceicao.org

dom Jaime Spengler, diz que ainda é preciso criar uma cultura vocacional na juventude católica. “Quando falamos de vocação ou de cultura vocacional, quase sempre temos em mente os ministérios ordenados ou a vida consagrada. Na verdade, trata-se de uma compreensão muito mais ampla da questão. Quanto é necessário, por exemplo, que nas diversas dimensões da vida social haja pessoas leigas, comprometidas com a fé, dispostas a cooperar em construir

Expediente

munharão a força do Povo de Deus atuando na história, vocação cristão leiga em tantos ministérios e apostolados. A voz da Igreja que apresentaremos, através do Santo Padre e do Bispo Diocesano, vocação religiosa e sacerdotal. Enfim, esta é uma edição vocacional de nosso O Bendito.

um mundo um pouco melhor para as futuras gerações”, afirmou em entrevista ao site da CNBB, ressaltando: “Urge apresentar aos jovens e adolescentes os distintos caminhos do serviço do Senhor e do seu Reino: como leigos engajados nos diversos âmbitos da vida social; casados que assumem o compromisso do matrimônio; consagrados por causa do Reino dos Céus; e ministros ordenados a serviço do povo, nas diversas comunidades de fé”. http://www.a12.com/

Realização: Pastoral da Comunicação Impressão: Gráfica Lance Jornalistas: Rafaela Azevedo Verônica Côrtes Diagramação: Gilismar Correa Tiragem: 3.000 exemplares Circulação: Rio das Ostras Periodicidade: Mensal Colunistas: Dom Edney Gouvêa Mattoso Leonardo Teixeira Ramos Gabriel Sousa


Comunicar a alegria do amor na família

M

ais uma rica palavra do nosso iluminado Papa Francisco ecoa nos campos da Igreja: a Exortação Apostólica Amoris Laetitia , tratando da alegria do Amor na Família, que é a conclusão de uma longa jornada de reflexão com os bispos durante dois sínodos em 2014 e 2015.. Com uma introdução e nove capítulos, o Papa trata do tema em 325 números , com uma abertura inspirada na Sagrada Escritura, considerando a partir daí a situação atual das famílias, lembrando a seguir alguns elementos essenciais da doutrina da Igreja sobre o matrimônio e a família, dedicando depois dois capítulos ao Amor. Destaca, em seguida, alguns caminhos pastorais que nos levem a construção familiar sólida e fecunda, conforme o plano de Deus, com um capítulo especial para a educação dos filhos. Faz após “um convite à misericórdia

e ao discernimento pastoral perante situações que não correspondem plenamente ao que o Senhor nos propõe”. No final traça breves linhas de espiritualidade familiar, concluindo a Exortação com uma Oração à Sagrada Família. Todas as famílias , sem exceção, são oportunidades e não problemas, afirma o Papa ( n. 7). Falar da família é falar de uma boa notícia (n. 1). Insiste na sua beleza, missão e valor , inclusive a incompleta ( nn. 296300 ) . Reafirma a ideia central de que a família é o lugar de realização e de amor , mesmo tendo falhas e limitações.Crê que ela é espaço de felicidade sempre e encoraja a todos a apreciar os dons do matrimônio e da família, a uma convivência familiar. Reflete sobre a dignidade do casal ( homem e mulher ) e da família na Sagrada Escritura, a união conjugal que os leva a “tornar-se uma só carne” , quando se tornam “mestres da fé para

seus filhos”, devendo educá-los, destacando-se nas famílias a virtude da ternura, nestes “tempos de relações frenéticas e superficiais”(n.28). Estas são as temáticas do primeiro capítulo (nn.8-30). Num segundo capítulo (nn. 31-57), é apresentado o quadro atual da família e seus desafios, as luzes e sombras da instituição familiar. Por um lado , mais liberdade e distribuição das tarefas em casa ,com uma comunicação pessoal valorizada. Por outro, os elementos que desagregam e destroem: individualismo, pressa e estresse, desvalorização do matrimônio, a cultura do provisório, a afetividade sem limite, o enfraquecimento da fé e da prática religiosa. Manifesta grande preocupação pra com as questões delicadas como o abuso sexual de crianças, as migrações, a miséria e a exclusão, as pessoas com deficiências e os idosos. Ressalta também os desafios como a violência, a desconstru-

ção jurídica da família, a negação da diferença e da reciprocidade natural entre homem e mulher, o desemprego. Há uma profunda reflexão no terceiro capítulo sobre os ensinamentos de Jesus e da Igreja sobre a família , o valor do matrimônio(nn .61-75). O Papa Francisco apresenta a presença divina, as “sementes do Verbo” , nas situações de imperfeição. E “o olhar de Cristo , cuja luz ilumina cada homem”( Jo 1,9; Gaudium et Spes n. 22) que “inspira o cuidado pastoral da Igreja pelos fiéis que simplesmente convivem ou que só contraíram o casamento civil, ou então que são divorciados recasados. Na perspectiva da pedagogia divina, a Igreja dirige-se com amor a quantos participam da vida dela de modo imperfeito: invoca com eles a graça da conversão, encoraja-os a realizar o bem, a cuidar com amor um do outro e a por-se a serviço da comunidade na qual vivem e trabalham...”( n. 78). E relembra aos Pastores: “ Diante de situações difíceis e de famílias feridas, é necessário recordar sempre um princípio geral: ‘ Saibam os pastores que, por amor à verdade, estão obrigados a discernir bem as situações’ ( Familiaris Consortio n. 84).O grau de responsabilidade não é igual em todos os casos e podem existir fatores que limitam a capacidade de decisão. Por isso, enquanto se deve expressar claramente a doutrina, é preciso evitar juízos que não levam em consideração a complexidade das diversas situações,e é necessário prestar atenção ao modo como as pessoas vivem e

sofrem por causa da sua condição”(n.79).Exalta também o matrimônio como “íntima comunidade de vida e de amor conjugal que constitui um bem para os próprios esposos e a sexualidade está ordenada para o amor conjugal entre o homem e a mulher”. E ,por isso, a vida conjugal cheia de sentido humano e cristão pode ser concretizada pelos “esposos a quem Deus não concedeu ter filhos”.”Contudo, essa união está ordenada para a geração ‘por sua própria natureza” (n. 80). Ressalta ,ainda : “É preciso redescobrir a mensagem da Encíclica Humanae Vitae do Beato Paulo VI que sublinha a necessidade de respeitar a dignidade da pessoa na avaliação moral dos métodos de regulação da natalidade(...) A escolha da adoção e do acolhimento exprime uma fecundidade particular da experiência conjugal. E completa: “Com particular gratidão.a Igreja apoia as famílias que acolhem ,educam e rodeiam de carinho os filhos portadores de necessidades especiais.” (n. 82). Rejeita, com firmeza, o aborto, a eutanásia e a pena de morte. “...se a família é o santuário da vida , o lu-

3

gar em que a vida é gerada e cuidada, constitui uma contradição pungente fazer dela o lugar em que a vida é negada e destruída” E recorda a obrigação moral de objeção de consciência àqueles que trabalham nas estruturas de assistência de saúde (n.83). Conclui, reafirmando que a Igreja “é chamada a colaborar com uma ação pastoral adequada , para que os próprios pais possam cumprir a sua missão educativa” (n. 85 ) a começar pela iniciação cristã, através de comunidades acolhedoras , lembrando que “a educação integral dos filhos é, simultaneamente, ‘dever gravíssimo’ e ‘ direito primário’ dos pais”(n. 84). “ A Igreja é família de famílias constantemente enriquecida pela vida de todas as igrejas domésticas”(n. 87). Continuaremos refletindo sobre a Amoris Laetitia e sua riqueza nos próximos artigos, comunicando a alegria do amor na família. Pe Luiz Cláudio Azevedo de Mendonça Assessor Eclesiástico da Pastoral da Comunicação de Nova Friburgo. Professor dos Cursos de Teologia da Diocese.


Aconteceu!!!

4

dade eira i c r e t da julina a t s Fe

rgo Fribu a v o –N nhas i o r o os C tro d n o c En

Aconteceu no último sábado do mês de junho na Comunidade de Santa Amaro o dia da “Celebração da Vida”. Nesse dia acolhemos com carinho as famílias, fizemos oração do Pai Nosso, pesamos as crianças,

brincamos, partilhamos lanches e explanamos o significado da Pastoral e a importância dos pais no desenvolvimento de suas crianças. O dia da “CELEBRAÇÃO DA VIDA é um testemunho vivo de fé.”

ntro

Enco

uese

teq da Ca

-

rança

ve Perse

ni-

Comu – l e igu no M uzia i n e ta L do m ado dade San z i t a B

s.

Pastoral da Criança

eq

a Cat

ad Junin

iança

s cr om a

ac

Miss

Festa

triz

Ma uese

l da stora

Pa

Fes

ça

crian

Perseverança No sábado, dia 23/7, a Catequese de Perseverança, recebeu a visita do Padre Tonny durante o encontro, cujo tema foi EUCARISTIA E PARTILHA. Foi gratificante e muito proveitoso para os catequistas e os quase 40 adolescentes e crianças que perseveram na

ina ta jun

caminhada de fé, ouvir suas sábias palavras. Um clima de oração e emoção tomou conta de todos, que estavam unidos num gigantesco abraço fraterno. Obrigado, Padre Tonny Obrigado, Senhor!

(Claudia Mara)

Sta idade

n

comu

s

omen

os h rco d

Te

Clara

V encontro diocesano de coroinhas

No dia 6 de agosto aconteceu o V Encontro Diocesano de Coroinhas em Nova Friburgo. A programação iniciou no Seminário Diocesano Imaculada Conceição, com acolhida, café DA manhã e dinâmicas de grupo. As demais atividades do evento ocorreram no Colégio Nossa Senhora das Dores, tendo destaque para o Momento

Mariano e a Celebração Eucarística presidida pelo bispo Dom Edney Gouvêa Mattoso. Nesta Celebração foram investidos OS novos coroinhas, dentre else, vinte e seis DA Paróquia Nossa Senhora DA Conceição. No final DA Celebração, Dom Edney comunicou que o VI Encontro Diocesano, acontecerá no Vicariato Litoral, na Paróquia São Vicente de Paulo.


Aconteceu!!! Igreja celebra 1º Missa com as crianças No sábado, dia 16 de julho, foi celebrado com muita alegria a 1° missa com as crianças. A catequese, suas famílias juntamente com a comunidade reunida estavam presentes na santa missa. A celebração foi emocionante e teve a participação das crianças nas leituras, nos cânticos e em todos os momentos litúrgicos. O co-

ral infantil contagiou de alegria a assembléia presente. O presidente da celebração, Pe. Tonny nos lembrou as palavras exortadoras de Jesus: “ Deixai vir a mim as criancinhas, porque delas é o Reino dos céus...” e completou dizendo que este foi um grande dia para todos nós, pois as crianças são o futuro da Igreja.

Parabéns aos pais da catequese pelo incentivo e compromisso com a Igreja. Que nossas crianças continuem servindo ao Senhor cada dia mais. Lembrando que a missa com as crianças acontecerá todo terceiro sábado de cada mês. Rosemere Gonçalves

Festa Julina Vicentinos setor pastoral Nova Cidade Neste sábado dia 23/07/16, os Vicentinos do Setor Pastoral Nova Cidade, Comunidade São Francisco e Santa Clara e Comunidade Nossa Senhora de Fátima da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, rea-

lizaram uma belíssima Festa Julina, que intitularam como: “1ª Festa do Arraiá da Alegria”. O Arraiá da Alegria foi realizado no espaço cedido da Pousada Recanto da Praia em Nova Cidade.

O espaço bem ornamentado, muita música, dança, bingo, pescaria, comidas típicas, Barraca de fotos e muita gente bonita e animada, a festa realmente confirmou o nome do Arraiá. (Zenilton Castilho)

A Pastoral Familiar e Os Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística (MECE) realizam passagem pela Porta Santa DA Misericórdia. No último sábado, dia 23/07/16, na Paróquia São João Batista, em Macaé, a Mece (Ministros Extraordinário da Comunhão Eucarística) e a Pastoral Familiar da Matriz Nossa Senhora da Conceição, Rio das Ostras-RJ participaram do evento de passagem pela “Porta Santa da Misericórdia”

e celebração da Santa Missa. Foi um momento extraordinário! Inicialmente os grupos se encontraram em frente a Paróquia São João Batista, onde participaram dos Ritos Iniciais, dirigido por um membro da Pastoral Familiar. Em seguida, os fiéis foram, em procissão, rezando e cantando até o

momento do “rito de passagem pela Porta Santa”. Às 17 horas, teve início a Santa Missa, onde todos tiveram a oportunidade de participar da belíssima celebração. Ao final, o Celebrante Pe. José Luiz, agradeceu a presença de todos os peregrinos da Paróquia Nossa Senhora da Conceição.

5

Encontro de Casais

Nos dias 30 e 31 de julho foi realizado o 14º. Encontro de Casais, sob a responsabilidade da Pastoral Familiar. Foram 29 casais escolhidos por Deus para viven-

ciar esses dois dias, onde puderam receber bênçãos e graças derramadas do céu. Terminou o Encontro com a Missa das 18h, onde os casais puderam ser

recebidos por familiares, amigos e a comunidade, felizes e cheios do Espírito Santo. Jesus, Maria e José, a nossa família Vossa é! Luciane – Coordenadora


6

A vocação de cada um!!!

T

radicionalmente, no mês de agosto, a Igreja no Brasil celebra o mês refletindo a vocação para que os batizados se tornem pessoas melhores e mais próximas do Deus que Jesus Cristo revelou. Vocação a vida! Somos e estamos vivendo! Entre metáforas e história vamos redescobrindo figuras e pessoas que se tornaram modelos de vocacionados e seguidores do ideal de Jesus. Nossa história vocacional inicia no chamado de um Deus que se preocupa com os sofridos e não descansa até ouvir o clamor de um povo que necessita de libertar-se da escravidão e conquistar novas terras. Todo livro do Êxodo é referencia histórico fundante da imagem e realidade vocacional da busca de realização e consolidação de pessoas e comunidade com Deus que faz aliança. Para esse povo se tornar numeroso como as estrelas no céu, personagens e situações vão iluminando o itinerário da felicidade construída por um amor e amantes que vão encontrar vocacionados de todos os tipos, temperamentos, gêneros, condição social, etc . Adão/Eva – vocação de viventes primeiros; Abraão/Sara patriarca e matriarca; Salomão rei; /Ester a rainha sábia e astuta; Debora a juíza corajosa, Profetas e profetisas, onde Jeremias se destaca como protótipo vocacional. No Antigo testamento, “chamar pelo nome” significa eleição, vocação para ser e exercer uma função. Assim os chamados, na maioria das vezes tinham seus nomes alterados. No Novo testamento, os Evangelhos narram: “E Jesus os chamou... eis os nomes dos Doze... primeiro Pedro...” É o próprio Jesus que disse: “muitos são chamados poucos escolhidos (Mt 22,14; 20,16) talvez para dizer que o chamado é pura graça, sem merecimento algum. Até porque a maioria dos chamados eram explícitos pecadores! Para São Paulo em Rm 1,7 os cristãos são chamados a serem santos e a uma esperança (Ef 1,18) para alcançar a graça de Deus (2 Ts 2,14).

Entretanto, os personagens históricos que talvez mais influenciaram e ainda hoje fascinam todos os vocacionados cristãos: Maria, José e os discípulos apóstolos. Bom lembrar que o papa Francisco declarou o dia 22 de julho Santa Maria Magdalena, como festa de Apóstola. Nada como uma autoridade petrina sadia para colocar fim à patologias clericais! Todo verdadeiro seguidor de Jesus sempre se tornou ícone vocacional para todo jovem na igreja e na sociedade! Pacônio, Antão, Bento, Agostinho, Francisco, Antônio, Domingos, Terezas.... os santos de ontem e de hoje, os famosos e anônimos são os grandes que arrastam numerosas pessoas a mergulharem no mais profundo do ser e agir como aqueles que querem e permanecem no ficar com Ele. Ficar com Jesus é o segredo dos vocacionados que relativizam tudo e escolhem o essencial, pois decidem por priorizar Deus em sua vida! O primado de Deus é a chave da vocação na Igreja! É claro que em nossa sociedade onde o mercado se coloca como deus, também corremos o risco de nos agrupamentos religiosos a vocação se tornar mercadoria barata nas mãos de egos e doentes que pensam poder dispor de súditos para realizar fantasias no olimpo. Tal qual o mercado, também ouvimos muitos dizerem: “armemos ciladas contra ele para ver se é de Deus!” nas empresas de capital especulativo dizem: “ vejam se ele agüenta negociar a propina de 10%!” É o fracasso da destruição da subjetividade e dignidade humana, pois para o cristianismo o santuário da pessoa é o seu consciente coração! As proposta de orientação vocacional nas ciências humanas especialmente em psicopedagogia também experimentam o fracasso dos testes de aptidão e aconselhamento vocacional numa sociedade em que o mercado e a mídia ditam e falseiam a realidade fazendo mentiras se tornarem verdades e trazendo as exigências das profissões do mercado. O que sobra? A certeza que Vocação

é um chamado de Deus para você realizar um projeto de vida que tem tudo a ver com a história de hoje e que a partir da realidade se descobre um amor concreto que transcende pois é o próprio Deus que pede de cada ser uma parcela na construção de um mundo melhor! Ele que dialoga com você e faz propostas ... para que se torne melhor pessoa e se aproxime cada vez mais do projeto que Ele tem pra você ser feliz! “ Fique comigo!” Diz Jesus! Ficar com Jesus o tempo inteiro é a chave do segredo da vocação de cada um. Fazer tudo para os irmãos com a intenção de estar servindo a Deus! Nesse caminho vocacional pais e mães, professores, avós, familiares, religiosos vão demonstrando o quanto são sadios ou doentes... e as dificuldades e alegrias são intensas... as vezes chegam ao sofrimento, dos que infelizes pelas suas escolhas, fazem de tudo para destruir o Deus que cada um carrega! Características dos loucos, dos fascistas, dos frustrados... é impor o medo! Para nós cristãos católicos: Não tenha medo! Disse o anjo a Maria! Não tenhas medo disse o anjo a José! Não tenha medo disse Jesus Ressuscitado! Dizia: Estou convosco todos os dias até o fim! Coragem, eu venci o mundo!” Que a vocação que cada um recebeu por puro Amor, desde o batismo, se renove a cada dia e nos traga a certeza que Ele nos chama, acompanha e permanece fiel ao chamamento pela Graça em nós ! Toda resposta a um chamado é um sinal que Deus continua renovando o mundo! O Chamado vocacional, de toda vocação é de Deus e todo respeito ao vocacionado significa respeito a Deus! Quando você julga a vocação de alguém está julgando Deus! Que direito você tem de julgar Deus! Rezemos pelos vocacionados! Rezemos pela vocação de cada um de nós! Diác. Enio Costa Ferreira

Irmãs Sacramentinas: um espelho de adoração ao Santíssimo

Neste mês das vocações, o jornal Bendito fala do trabalho da Congregação em Rio das Ostras No mês de agosto, a Igreja celebra as vocações e que tem tamanha importância, pois se torna o início de tudo. Ou seja, é um chamado que convida a seguir Jesus, uma escolha pessoal que vem de Deus. E para comemorar o mês das vocações, que nos leva a descobrir nosso papel e compromisso com a Igreja e sociedade, o jornal Bendito traz um pouco da história das Irmãs Sacramentinas. A Congregação das Irmãs do Santíssimo Sacramento é uma ordem católica romana destinada a homens e mulheres dedicados a adoração do Santíssimo, fundada em novembro de 1715. Os sacramentinos definem sua missão em colaboração com os leigos como um empenho para formar na Igreja comunidades cristãs que tenham a Eucaristia como o centro da vida. Eles vivem em comunidades, que buscam ser lugares de oração, reconciliação e celebração. Atualmente, três Irmãs Sacramentinas vivem em Rio das Ostras: Irmã Andréa (coordenadora da Casa), Irmã Assunção e Irmã Benigna. Segundo as irmãs, a Congressão delas foi fundada pelo Padre Julio Maria de Lombaerde, na cidade de Manhumirim, em Minas Gerais, e o nome Sacramen-

tinas é porque seguem o Carisma, Maria e Eucaristia. A Irmã Benigina diz que estão em Rio das Ostras, prestando serviços a comunidade e a Igreja Matriz desde 1975. Quanto a sua vocação, ela diz que sentiu um chamado forte de Deus e já tem 54 anos de vida consagrada. “Na época a minha família não aceitou, mas hoje todos têm orgulho da minha escolha. Eu amo a minha Congregação e este é o caminho que Deus mostrou para mim, de serví-lo, e também aos irmãos mais necessitados”, destaca a Irmã. Desde a chegada das Irmãs Sacramentinas na cidade, eram realizados trabalhos com a Catequese, assistência aos pobres, Liturgia e outros. Agora, já com mais idade, participam da Legião de Maria, Apostolado da Oração, Assistência aos doentes, levando a Eucaristia, Terceira Idade e Círculos Bíblicos. Já a Irmã Assunção conta que sua família era profundamente cristã, e que ela e seus irmãos foram educados dentro das mais sérias convicções religiosas. Então, houve uma aceitação geral quanto à sua opção. “A minha Congregação tem para mim um valor extraordinário, pelo seu ideal, carisma e seus fundadores,

tendo Maria e a Eucaristia como seus pilares. O exemplo heróico deixado pelos fundadores, a vida e as virtudes daqueles que nos precederam, arrasta-nos para uma vida ideal”, acrescenta. As Irmãs Sacramentinas sempre foram testemunhas de uma vida de doação, de entrega total à Igreja e de serviços nas comunidades. A irmã Assunção ressalta que as pessoas que procuram se engajar na Igreja, principalmente os jovens que ainda não têm certeza de suas vocações, precisam de mais palavras de encorajamento, entusiasmo e amor à vida religiosa. E a Irmã Benigna completa, dizendo que é preciso rezar e escolher a Congregação que mais se identificam, levando em conta o carisma e o trabalho realizado. “Se quiserem conhecer a nossa Congregação, deêm um passeio por Manhumirim e vão conhecer as maravilhas realizadas pelo nosso fundador”. A Congregação das Irmãs Sacramentinas de Nossa Senhora foi criada em Manhumirim na noite de Natal de 1929, e seu fundador Padre Julio Maria de Lombaerde, era um missionário belga, inteligente e culto, conhecido como pregador ardoroso de profunda espiritualidade.


7

“Oração, principal instrumento de trabalho e salvação de vida”

A

importância da oração como ‘ferramenta de trabalho’ e salvação de vida: este foi o fulcro das palavras do Papa Francisco em sua reflexão antes de rezar a oração mariana do Angelus, no domingo, 24 de julho. Milhares de fiéis, principalmente jovens, participaram do encontro, e muitas bandeiras brasileiras enfeitaram a Praça São Pedro. A comitiva de São João

da Boa Vista (SP), bastante numerosa, foi saudada pelo Papa no momento final. “Senhor, ensina-me a rezar” foi a frase que o Pontífice destacou do Evangelho do dia (Lc 11, 1-13), recordando que a palavra ‘Pai’ é o segredo ‘fundamental’ da oração. “É a chave que Ele nos dá para que possamos entrar também na relação de diálogo íntimo com o Pai”, afirmou, reiterando que “insistir com Deus não

Homenagem aos Pais

serve para convencê-lo, mas para fortalecer a nossa fé, nossa capacidade de lutar com Deus pelas coisas realmente importantes”. E dentre elas, o Papa apontou o Espírito Santo. Citando a oração do ‘Pai Nosso’, Francisco lembrou que Lucas menciona três súplicas: o pão, com o qual Jesus nos mostra o que é necessário e não o supérfluo; o perdão, que recebemos antes de tudo de Deus e que nos torna capazes de realizar gestos de reconciliação; e enfim, o terceiro pedido: ‘não nos deixeis cair em tentação’, um conceito que expressa a nossa condição de estarmos sempre à mercê do mal e da corrupção. “Não se pode viver sem pão, não se pode viver sem perdão e não se pode viver sem a ajuda de Deus para não cairmos em tentação”, assegurou o Pontífice, concluindo: “Sabemos bem o que são as tentações!”. (from Vatican Radio)

As Mãos do Meu Pai

As tuas mãos tem grossas veias como cordas azuis sobre um fundo de manchas já cor de terra — como são belas as tuas mãos — pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram na nobre cólera dos justos... Porque há nas tuas mãos, meu velho pai, essa beleza que se chama simplesmente vida. E, ao entardecer, quando elas repousam nos braços da tua cadeira predileta, uma luz parece vir de dentro delas...

Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente, vieste alimentando na terrível solidão do mundo, como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento? Ah, Como os fizeste arder, fulgir, com o milagre das tuas mãos. E é, ainda, a vida que transfigura das tuas mãos nodosas... essa chama de vida — que transcende a própria vida... e que os Anjos, um dia, chamarão de alma... Mario Quintana

Dom Edney Gouvêa Mattoso

A insensibilidade do discípulo Caros amigos, ser cristão é belo e ao mesmo tempo muito exigente. Nosso Senhor ofereceu aos seus discípulos a cruz e o mandamento do amor fraterno como distintivos do discipulado: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e siga-me” (Mt 16, 24) e “quem não carrega sua cruz e não caminha após mim, não pode ser meu discípulo” (Lc 14,27) e, ainda, “nisto conhecerão todos que sois os meus discípulos: se vos amardes uns aos outros” (Jo 13, 35). Nesta escola, portanto, o discípulo deve confrontar-se todos os dias com a cruz, que consiste em suportar e abraçar nossos próprios pesos e também as cargas do irmão; e com o amor, que dá sentido a todas as cruzes e nos assemelha a Deus, que é Amor. Concordo que esta exigência pode parecer ainda maior por causa da cultura em que estamos imersos. O Papa

Francisco usa os termos “globalização da indiferença” e “cultura do bem-estar” para denunciar este mal que poderíamos chamar também de insensibilidade do discípulo (Cfr. EG 54). O Mestre sempre lutou contra esta situação, que é inimiga do homem e da mulher de fé. Pois ouvir a voz de Deus e seguir seus mandamentos, amá-lo sobre todas as coisas e fazer o bem ao próximo são atitudes exigentes, que pedem de nós esforço e uma sensibilidade apurada. É fácil construir castelos de ilusão sobre uma vida cômoda e aparentemente devotada à causa do Evangelho, mas outra será a perspectiva daquele que se dispor ao serviço concreto do Reino de Deus, amando aos irmãos com o amor de Jesus. De fato, não se pode servir a Deus senão pela continua luta contra as próprias paixões e vícios, que insensibilizam o coração

e não nos permitem ouvir os convites e apelos divinos. Em contrapartida, a tradição da Igreja sempre recomendou o exame de consciência e a oração como armas poderosas para assegurar a fidelidade a Deus. Algo precisa despertar todos os dias na alma de um discípulo! E é a partir do olhar crítico para consigo mesmo e do confronto cotidiano com o alto ideal de sua vocação, que o cristão poderá vencer a insensibilidade que o espreita e assola a sociedade que estamos vivendo. Este convite, porém, Deus o faz com suavidade e paciência a cada um de nós. Seu olhar é sempre de misericórdia: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, eu entrarei em sua casa e tomaremos a refeição, eu com ele e ele comigo” (Ap 3, 20). Oxalá encontre uma resposta generosa, ao menos, em nossos corações. Deus abençoe a todos.


8

Medalhistas da natação Analise as conclusões para descobrir quais foram os nadadores que ganharam medalha. Cinco competidores (A, B, C, D e E) disputam uma prova de natação que premia o 1º, 2º e 3º colocados com medalhas de ouro, prata e bronze, respectivamente. As seguintes conclusões sobre a prova são falsas, mas uma afirmação de cada uma delas (note que cada conclusão possui duas afirmações) pode ser verdadeira. • A não ganhou o ouro e B não ganhou a prata; • D não ganhou a prata e B não ganhou o bronze; • C ganhou uma medalha, já D não ganhou nenhuma; • A ganhou uma medalha, já C não ganhou nenhuma; • D ganhou uma medalha e E também. Resposta página 10

Vendedores de maçãs Decifre o que aconteceu com os R$ 0,50 da venda das maçãs. Dois garotos vendem maçãs. Cada um deles vende 30 maçãs por dia. O garoto I vende suas maçãs cobrando “50 centavos por duas maçãs” (e, com isso, ganha R$ 7,50 por dia). O garoto II vende suas maçãs cobrando “50 centavos por três maçãs” (e, com isso, ganha R$ 5,00 por dia). Conseqüentemente, o total recebido pelos dois garotos, por dia, é R$ 12,50. Certo dia, o garoto I fica doente, e o garoto II junta suas maçãs com as dele e sai para vendê-las. Para compensar os dois diferentes modos de venda de cada um, ele resolve vender as 60 maçãs cobrando “1 real por 5 maçãs”. Porém, vendendo dessa forma ele lucrará somente R$ 12,00 ao fim do dia. O que aconteceu com os outros R$ 0,50? Resposta página 10


9

11 de Agosto

C

lara nasceu em Assis no ano 1193, no seio de uma família da nobreza italiana, muito rica. Mas sua vida mudou radicalmente: Clara foi a primeira mulher da Igreja a se entusiasmar com o ideal franciscano. Desde jovem adquiriu o hábito de rezar diariamente e se mortificar. Também exercitava com frequência a piedade cristã, distribuindo esmolas e atendendo com disponibilidade as pessoas necessitadas que a procuravam. Fazia isto espontaneamente, como demonstração de seu sincero e fervoroso amor a Deus. Aos dezenove anos de idade, fugiu de casa se apresentou na igreja de Santa Maria dos Anjos, onde era aguardada por Francisco e seus frades. Nesta noite, fez uma oração de renúncia ao mundo “por amor ao Sagrado e Santíssimo Menino Jesus”. Entregou aos frades sua veste luxuosa e vestiu uma túnica de lã, semelhante a deles, ajustada ao corpo por um cinto de corda. Clara viveu num mosteiro beneditino para conhecer o ritmo

SANTA CLARA de uma vida comunitária. Depois, conduzida por Francisco, foi para o mosteiro de São Damião, formando com outras mulheres a ordem segunda Franciscana, depois chamadas de “Clarissas”. Em 1216 Clara aceitou para a sua Ordem as regras beneditinas e o título de abadessa, mas manteve o carisma franciscano. A partir de 1224, Clara adoeceu e aos poucos foi definhando. De sua cela, através de visões, acompanhou o funeral de francisco. Por essas visões que pareciam filmes projetados numa tela, Santa Clara é considerada padroeira da televisão e de todos seus profissionais. Clara morreu no ano de 1253 e foi proclamada santa dois anos após sua morte. Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR REFLEXÃO Nos diz a tradição que antes de morrer Clara assim rezou: “Vai em paz minha alma, pois você tem um guia seguro que lhe mostrará o caminho, Aquele que lhe criou, santificou, amou e não cessou de vigiá-la com a ternura de uma mãe que zela pelo filho único de seu amor. Dou graças e bendigo ao

Senhor porque Ele criou a minha vida”. Assim rezando partiu para o Pai. ORAÇÃO Creio firmemente que sabeis que o reino dos céus não é prometido e dado pelo Senhor senão aos pobres, porque, quando se ama uma coisa temporal, perde-se o fruto

da caridade. Não se pode servir a Deus e às riquezas, porque ou se ama a um e se odeia às outras, ou servese a Deus e desprezam-se as riquezas. Não dá para ser glorioso no mundo e lá reinar com Cristo. Ajudainos a escolher o melhor caminho. Amém.

Comunidade São Francisco e Santa Clara Dia 11/08/16 - Quinta Feira – Dia da Padroeira 7h – Ofício Divino das Comunidades 19h30m – Missa - Celebrante: PE. Tonny

Conhecendo um pouco mais sobre Pastorais e Movimentos Por: Gabriel Souza

Pastoral Familiar Uma Pastoral que atravessa toda a Comunidade Paroquial. Essa é a grande característica da Pastoral Familiar. Uma Pastoral que evidencia a maternidade da Igreja em relação aos seus filhos e filhas, pois os membros dessa pastoral acompanham os cristãos desde a fase do namoro ou noivado até chegar aos encontros de casais. Em algumas paróquias, a Pastoral Familiar também trabalha com situações especiais, como as dos viúvos, solteiros etc. Atualmente, dentro dessa dinâmica apresentada pelo Papa Francisco, a Pastoral também tem se preocupado em ter uma atenção pastoral também com aqueles casais que não receberam o Sacramento do Matrimônio ou estão em segunda união. A nossa Paróquia possui uma Pastoral Familiar bastante atuante, promovendo encontros, e retiros para casais, abordando espiritualidade e aspectos da vida conjugal e familiar. A nossa Pastoral Familiar oferece “um serviço que se realiza na Igreja e com a Igreja, de forma organizada e planejada por meio de agentes específicos, com metodologia própria, tendo como objetivo apoiar a família a partir da realidade em que se encontra, para que possa existir e viver dignamente, estabelecer relacionamentos e formar as novas gerações conforme o plano de Deus. Abrange todas as famílias, independentemente de sua situação familiar, com o propósito de promover a inclusão e resgatar os valores e a dignidade de cada pessoa”. Os coordenadores da Pastoral Familiar em nossa paróquia são: Vitor Hugo e Luciane (Tel: 998827-8333). As reuniões são realizadas às 5as. Feiras, às 19h30, em nossa Comunidade Matriz.


10

Dizimistas Agosto

Cantinho dos Vicentinos

M 1 - Arlete da Costa Keto e 1 - Sérgio Flor Assumpção 1 - Arlete da Costa Neto 1 - Alfredo Soares 2 - Maria José da Silva Neves 2 - Fábio Mota Silva 3 - Luiz Carlos Pedrolli 3 - Nulziene Aparecida Cabral C. de Souza 3 - Ivan Celestino de Oliveira 4 - Placidina Vidal do Nascimento 4 - Sandra Ribeiro 6 - Juliana Oliveira de Cavalcanti Lima 6 - Liliane Desiderio Barbaroto Oliveira 6 - Teresinha Bezerra dos Anjos 7 - Lisandra Pontoja Pinheiro Lobato 8 - Gauter Gomes dos Santos 8 - Mauro Pereira da Silva 8 - Odete Sales Marinho 8 - Dayane Guimarães Paulino 8 - Raphael Tavares Brandão 9 - Ana Jaqueline Macedo Costa 9 - Arlete Lucinda da Silva Pedra 9 - Ivone Cardoso de Andrade 9 - Luis Carlos de Araujo Pol 9 - Adeilson Francisco de Freitas 9 - Ceni de Souza Ramos do Monte 10 - Elany de Almeida Faria 10 - Jose Carlos da Silva 10 - Maria Ene de Andrade 11 - Adriana Dias Alfradique 11 - Maria Imaculada Conceição Silva 11 - Marineta dos Santos de Oliveira 11 - Adriana da Silva Pacheco Bom 11 - Fabiola Barbosa Dantas 11 - Rita de Kacya da Silva 11 - Adriana da Silva Pacheco Bom 12 - André Maria da Conceição 12 - José Antonio Miguel 12 - Leandra dos Santos Marques 12 - Paulo Cesar da Silva 12 - Tatiana Cohen 13 - Angela Maria Sampaio Morgado 13 - Elen de Carvalho Lima 13 - Eliete Cortes de Brito 13 - Gabriel Fernandes Queiroz 13 - Marinelse Schuindt Calil 14 - Adriana da Silva Soares 14 - Nazareth R. Rosa e Ailton Oliveira Rosa 14 - Tânia Lu de Paula 14 - Vera Lucia da Silva Gonçalves 14 - Tania Lu de Paula 15 - Glória Maria de Souza Nepomuceno 15 - Luiz Gustavo Gomes Pontes

15 - Maria Aparecida Kalempa Cumin 15 - Otilia da Conceição Nascimento 17 - Ana Cristina Benites 18 - Aguida Maria de Melo Lozano 18 - Gilvando Camilo 18 - Maria Judite da Silva 18 - Reinaldo Oliveira Lima 19 - Marlene Círico 19 - Bruno José Machado Pirozi 20 - Elena Dalva de Rezende Linares 20 - Elias Olimpio Savino (Diacono) 20 - Georgina da Silva Ramos 20 - Jose Carlos de Vasconcelos Luna 20 - Odair Leandro Silva Ferreira 20 - Olga Maria Souza Santos 20 - Maria Raquel 21 - Waldeci Julio Vicente 21 - Francineide isabela 21 - Lucas Ribeiro Jacintho Silva 22 - Andréa Gomes Valente 22 - Anna Lopes Cardozo 22 - Eloiza Terezinha Guimarães 22 - Edenice da Silva Soares 23 - Maria de Lourdes M. Rodrigues 23 - Rosilene Oliveira de Almeida 24 - Vanusa Moreira de Oliveira 24 - Andreia de Oliveira Batista 24 - Roberto Castro de Oliveira 24 - Andreia de Oliveira Batista 25 - Jacqueline C. da Silva Pereira 25 - Rosane Constâncio dos Santos 25 - Nilson Gonçalves do Nascimento 25 - Roseni Constâncio dos Santos 25 - Fayna Cristina Talon Rangel 26 - Maria Izilda de Oliveira Canedo 26 - Mariluce Trindade Dutra 26 - Margareth S. Rosa de Paula 26 - Rosemary Barcelos Macedo 26 - Josielma Nves Pinheiro Barata 26 - Andrea de Souza Vitoria 27 - Magna Silvana da Silva Peçanha 28 - Leonor R. Tavares 28 - Jose Carlos Guimarães Andrade 28 - Maria Augusta Pereira N. 28 - Joyce Ouriques Veiga 29 - Rosa Rodrigues de Souza 29 - Sandra Carneiro 29 - Daniele Bessa de Souza 30 - Cirlene de Souza Pinheiro 31 - Fernanda Fernandes de Souza 31 -Gabriella Souza Fria Rabello 31 - Vair de Aguiar Junior 31 - Mª Raimunda da Costa

ês de Julho, mês de férias, festas, alegrias e muitos agradecimentos. Nós, vicentinos da Matriz, da comunidade Santa Rita e comunidade São Francisco e Santa Clara, queremos agradecer, com muita alegria, à comissão organizadora do nosso retiro espiritual, ocorrido em 10 de Julho passado. Foi gratificante passar horas em oração, com a grande

família vicentina, onde a espiritualidade aguçada nos convidou a ouvir Deus falar conosco, através da natureza a nossa volta. Nosso muito obrigado a todos. Queremos agradecer também, a direção do estabelecimento comercial “O Segredo”, por tantas doações de alimentos, utilidades para o lar, brinquedos e doações de carinho que, com certeza, contribuem para o bem es-

tar de todos da comunidade. Os vicentinos continuam em festa, estamos nos preparando para as comemorações da morte de São Vicente, em 27 de Setembro. Pe. Vicente viveu 80 anos cheios de lutas, conquistas e doações. Ele dizia que: “É preciso ver Jesus Cristo no pobre, e ver no pobre a imagem de Cristo.” LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO.

Medalhistas da natação

A ganhou a medalha de ouro, D levou a medalha de prata e C ganhou a medalha de bronze.

Vendedores de maçãs

Após dez vendas de cinco maçãs, todas as maçãs de “3 por 50 centavos” estarão vendidas; o restante ainda é vendido a “1 real por 5 maçãs”, quando deveriam ser vendidas no esquema de “2 por 50 centavos”


11

Agenda Paroquial Agostos 04 - Dia do Pároco 06 – Encontro Diocesano dos Coroinhas 07 e 8 – Feira da Economia Fraterna 08 – Início do Tríduo de Santa Clara

15 – Assunção da Virgem Maria Início do Congresso Eucarístico Nacional – Belém - PA 20 – Encerramento Vicarial da Semana Nacional da Família Encontro da Pascom - Matriz – 17h 25 – Chá Fraterno – Pastoral da Terceira Idade – 15h-

10 – Dia dos Diáconos

27 – XXXIX Unidade Diocesana em Conselheiro Paulino – Casimiro de Abreu

11 – Dia de Santa Clara – Chá em homenagem aos Pais – Pastoral da Terceira Idade

29 – 29º. Aniversário de Ordenação Sacerdotal de D. Edney

14 – Dia dos Pais – Início do Dia Nacional da Família

Martírio de São João Batista - Comunidade São João Batista – 19h30

A comunidade na Rede Social Comunidade Nossa Senhora Aparecida https://www.facebook.com/aparecidaderiodasostras/ Comunidade Santa Rita de Cassia https://www.facebook.com/sritacassia Comunidade São João Batista https://www.facebook.com/comunidadesjbatistariodasostras Comunidade Santo Amaro https://www.facebook.com/SantoAmaroRiodasOstras

07 DE AGOSTO - 19º DOMINGO COMUM EVANGELHO - LC 12, 32-48 14 DE AGOSTO - 20º DOMINGO COMUM EVANGELHO - LC 12, 49-53 21 DE AGOSTO - ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA EVANGELHO - LC 1, 39-56 28 DE AGOSTO - 22º DOMINGO COMUM EVANGELHO - LC 14, 1.7-14

Congresso Eucarístico Nacional 2016 apresentado em Belém “A Arquidiocese de Belém tem em mãos a responsabilidade de mostrar para o Brasil as nossas riquezas. A maior riqueza que podemos oferecer é a nossa fé”, disse o arcebispo de Belém (PA), Dom Alberto Taveira Corrêa, no lançamento do projeto do Congresso Eucarístico Nacional 2016 (CEN), no dia 5. O evento ocorrerá de 15 e 21 de agosto do próximo, com o tema “Eucaristia e Partilha na Amazônia Missionária” e lema “Eles o reconheceram no partir do Pão”. A cerimônia de apresentação do CEN, realizada em parceria com a Federação das Indústrias do Pará (FIEPA) e Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (FAEPA), contou com a presença dos bispos Dom Alberto Taveira Corrêa e Dom Irineu Roman, que formalizaram a parceria entre arquidiocese de Belém e as entidades. Na ocasião, Dom Alberto destacou a importância da parceria para o êxito do Congresso Eucarístico, que comemorará o quarto centenário de Belém e os quatrocentos anos de evangelização na Amazônia. Durante a solenidade, foram apresentados o hino do primeiro Congresso Eucarístico, em Belém, em 1953, e o hino do próximo CEN. CEN2016 A organização estima receber mais de meio milhão de pessoas no Congresso Eucarístico

Nacional 2016. São esperados leigos, religiosos, comunidades de vida e religiosa, sacerdotes, além de 300 bispos. O núncio apostólico no Brasil, Dom Giovanni D’Aniello, já confirmou presença. A programação incluirá celebrações eucarísticas no Estádio do Mangueirão; Feira de Exposição Arte-Sacra, Feira Católica, Simpósio Teológico e workshops no Hangar Eventos. Haverá, ainda, procissão eucarística fluvial, no Portal da Amazônia e diversas celebrações nas paróquias e catedral com presidência de cardeais e bispos. A missa de encerramento será no Forte do Presépio, local da fundação da cidade de Belém do Pará e o início da evangelização da Amazônia. História O primeiro Congresso Eucarístico foi celebrado em 1881 em Lille (França), por iniciativa de um grupo de fiéis leigos, apoiados por São Pedro Julião Eymard. A celebração solene contou com participação de fiéis e bispos de vários países da Europa que, posteriormente, passaram a realizar o evento. No Brasil, foram realizados dezesseis Congressos Eucarísticos Nacionais. O primeiro aconteceu em 1933, na cidade de Salvador (BA). Último Congresso teve como sede Brasília, no período de 13 a 16 de maio de 2010. http://br.radiovaticana.va/


12

Jornal bendito ed 66 agosto site  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you