Page 1

Ano XXVII - nº 355 Junho de 2014 Distribuição gratuita Informativo da Paróquia Nossa Senhora de Loreto Fundada em 6.3.1661 www.loreto.org.br


14

Índice Expediente Direção Espiritual

Pe Sebastião Coordenação

Hélia Fraga Equipe de Trabalho

Ana Clébia, Bira, Pascom Loreto, Badá, Corredeira, Thiago Santos Diagramação

Lionel Mota Impressão

Gráfica Stamppa

Editorial................................................................................................................... 3 Temas Bíblicos....................................................................................................... 4 Santo Antônio Maria Zaccaria �������������������������������������������������������������������������� 5 Os mistérios da vida pública de Jesus ������������������������������������������������������������� 6 Coral Nossa Senhora de Loreto �������������������������������������������������������������������������� 8 Pastoral da Liturgia............................................................................................10 O Espírito Santo e a Igreja................................................................................12 150 anos das Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus............................................................. 14 Nossa Senhora de Fátima..................................................................................18 O Amor é a expressão máxima da vida cristã ����������������������������������������������20 Santíssima Trindade...........................................................................................22 Falando Francamente........................................................................................23 Fé e Política...........................................................................................................24 Anote em sua Agenda.........................................................................................25 Loretinho...............................................................................................................26

Expediente Paroquial MATRIZ PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE LORETO End.: Ladeira da Freguesia, 375 - Freguesia Jacarepaguá - RJ - CEP 22760-090 Tel.: 3392-4402 e 2425-0900 Emails: adm@loreto.org.br (Administração) secretaria@loreto.org.br (Secretaria) Site: www.loreto.org.br

NOSSA SENHORA DA PENNA: Dom.............................................................11h NOSSA SENHORA DO AMPARO Est. de Jacarepaguá, 6883 Anil - Tel: 2447-6802

4ª..................................................................18h Sáb..........................................16h (catequese) Dom.......................................................... 7h30

HORÁRIO DA SECRETARIA Segunda a Domingo..............das 8h às 19h HORÁRIO DAS MISSAS Segunda a sexta.......................... 7h e 19h30. Sábado.......................................... 7h e 18h30. Dom...... 7h; 8h30 (crianças); 10h30 e 19h.

CONFISSÕES 3ª a 6ª.................de 9 às 11h e de 15às 17h 3ª a 6ª...................................... de 20h às 22h Sábado................. de 9 às 11h na secretaria EUCARISTIA para doentes Atendimento domiciliar e hospitalar. Marcar por telefone com a Secretaria. BATISMO Atendimento na Sacristia Inscrições - 5ª e Sábado................. 9h às 11

CAPELAS Endereços das Capelas e os Horários das Missas NOSSA SENHORA DE BELÉM

SANTO ANTONIO

Rua Edgard Werneck, 217 - Freguesia Tel: 2445-2146

Rua Edgard Werneck 431 Freguesia Tel: 3094-4139

Terças e Quintas..................................17h30 Dom........................................................16h30 SÃO JOSÉ (CARMELO) Rua Timboaçu, 421 Freguesia - Tel: 3392-0408

Seg. a Sábado.......................................... 7h30 Domingo......................................................9h

2º a 6º...................6h15 (durante as aulas), Sáb................................................................17h Dom.............................................................. 8h INSP Estr do Pau Ferro. 945 Freguesia - Tel:3392-2521

Dom...............................................................8h


Não deixemos que nos roubem a comunidade.

A nossa Paróquia vai dando continuidade às metas estabelecidas nos planos de pastoral. Graças a Deus. Como nos tempo de São Paulo, em Éfeso

Editorial Pe. Sebastião Noronha Cintra*

Querido paroquiano, prezado leitor. Concluiu-se neste dia 1º de junho mais um grupo da Iniciação Cristã de Jovens e Adultos com a celebração do sacramento da Confirmação de quase 90 candidatos. Linda e alegre celebração presidida pelo nosso novo Vigário Episcopal, P. Robert foi concelebrada pelo pároco e ainda os Padres Miguelito e Francisco. Cresce o número dos fiéis desejosos de receber os sacramentos da iniciação cristã. Foi muito importante a decisão que tomamos de fazer duas turmas por ano para a preparação aos sacramentos. Na Vigília Pascal já tivemos o batismo com a confirmação de 7 catecúmenos além de um grande número de candidatos adultos à primeira comunhão. Em outubro teremos outro grupo que está se preparando desde agosto do ano passado. Esses candidatos aos sacramentos são o sinal mais visível da evangelização que acontece em variados ambientes paroquiais. Acontece nas celebrações dominicais, nos encontros de jovens, de adolescentes e de casais ou no Fé e Dons. Acontece nas famílias tocadas pela celebração dos sacramentos dos filhos, como a primeira comunhão. Assim a nossa Paróquia vai dando continuidade às metas estabelecidas nos planos de pastoral. Graças a Deus. Como nos tempo de São Paulo, em Éfeso (At 19). Os discípulos tinham recebido somente o batismo de João, o batismo de conversão. Paulo então os batizou no nome de Jesus e eles receberam o Espírito Santo. Damos sequência às reportagens sobre as pastorais com a Pastoral da Liturgia. Certamente é uma das Pastorais mais importantes em toda paróquia com a missão de preparar e ajudar a realizar todos os encontros da comunidade que celebra. Ela deve cuidar das celebrações dos sacramentos, sendo o da Eucaristia o que mais se destaca. É muito bom podermos constatar o número considerável de participantes e a disponibilidade para servir. Como alerta o Papa Francisco, é bom, salutar, libertador, esperançoso sair de si mesmo para se unir aos outros, viver juntos, misturar-nos, encontrar-nos, trilhar o caminho da experiência da fraternidade. Não deixemos que nos roubem a comunidade. (A Alegria do Evangelho, 87-92) Celebramos este mês várias solenidades litúrgicas: Pentecostes, vinda do Espírito Santo que dá vida à Igreja: é o nascimento da Igreja; Santíssima Trindade, o mistério central da revelação que Deus faz de si; Corpus Christi para proclamar esse modo que Jesus inventou para estar sempre entre nós; o Sagrado Coração de Jesus, manifestação carinhosa do amor dEle por nós. E não vamos esquecer as festas de Santo Antonio, São João e São Pedro que nos convidam para as tradicionais barraquinhas. Vamos festejar juntos! Interceda por nós Maria, a santa Mãe de Deus. Junho 2014

O Mensageiro

3


Temas bíblicos Padre Fernando Capra

N

Evangelho deJoão 1Jo (3) Esquema da carta (1,1-2,28; 2,29-5,21)

os primeiros dois capítulos, João apresenta os conteúdos da sua carta e os desenvolve com uma primeira reflexão. A partir do último versículo do segundo capítulo (2,29), através de retomadas, os explicitará a todos, até nos dar uma exposição completa de uma doutrina apostólica de suma importância. De fato ela é o que, de autoridade apostólica, João quis apresentar como mensagem de Jesus Cristo. Implementada, torna-se garantia de vida eterna. João e os outros Apóstolos receberam de Jesus Cristo a missão de testemunhar e transmitir fielmente a mensagem, que se resume fundamentalmente em três pontos doutrinais: 1º) Tendo Deus tornado Jesus Cristo vítima de expiação pelos nossos pecados, devemos nos purificar no seu Sangue; 2º) Tendo-nos Jesus dado o mandamento do amor, devemos andar como ele andou, guardando tudo os que ele nos ordenou; 3º) Devemos nos ater ao impulso do Espírito e viver em comunhão de fé com os Apóstolos se quisermos estar em comunhão de vida com o Pai e seu Filho Jesus Cristo. Tudo isto porque “Deus é luz e nele não há treva alguma”. Como filhos da Luz, devemos andar segundo a verdade. Engana-se a si mesmo aquele que pensa não ter pecado, não observa os mandamentos de Cristo e não vive em comunhão de fé com os Apóstolos. 1, 1-4 É o exórdio da carta que quer apresentar Jesus na sua condição divina e como Cristo do Senhor Deus. Quer, também lembrar a condição dos Apóstolos como testemunhas e enviados. Por isto os que a eles escutam, a Deus escutam. 1, 5-2,2 Após ditar o lema da vida cristã: “Deus é Luz e nele não há treva alguma”, apresenta a primeira condição para termos em nós a vida eterna: a purificação dos pecados. 2, 3-11 É apresentada a segunda condição para termos a vida eterna em nós: a observância dos mandamentos de Cristo, para vivermos o amor ao irmão em toda a sua plenitude.

Tenho lido muitos artigos, ouvido muitas homilias e outras... Não lembro de ter ouvido, ou lido, por que precisamos nos converter, mudar de vida, observar os mandamentos... Não há referência à pureza do Céu, onde EU SOU é. E a exigência de Jesus em nossa 4

O Mensageiro

Junho 2014

2,12-17 João sintetiza todas as motivações para vivermos em perfeição a vontade de Deus e termos a vida eterna em nós. 2,18-28 João nos exorta a viver em comunhão de fé com os Apóstolos. A partir de 2,29 vemos que João retoma o tema da purificação e o aprofunda desenvolvendo os temas da justiça e da vitória sobre o pecado que Jesus realizou com a sua Morte (2,29-3,10). Com 3,11, retoma o tema dos mandamentos (3,11-24) Com 4,1 retoma o tema dos anticristos para estabelecer o critério pelo qual os fiéis permanecerão “no Verdadeiro, em Jesus Cristo” (5,20) (4,1-6). Com 4,7 João entra no tema específico do amor aos irmãos, o mandamento que resume em si toda Lei e os Profetas. Pelo seu dinamismo estamos em Deus e Deus está em nós (4,7-5,4). Com 5,5 retoma o tema da importância de permanecer unidos na fé aos Apóstolos (4,4). São eles que, no Espírito, dão testemunho que Jesus é o Filho de Deus (5,13). Após uma consideração final sobre o amor aos irmãos e a sua condição perfeita, João resume a carta ditando seus temas (5,18-20): a purificação, a nossa condição de filhos que já não são do mundo porque vivem segundo o Espírito a compreensão das verdades até chegar à comunhão com o Pai e o seu Filho Jesus Cristo, Deus verdadeiro, Vida eterna. A conclusão, dessa forma, nos remete ao início da carta (1,2-3).

Perguntas para revisão:

1ª) Segundo quais obrigações devemos desenvolver a vida cristã? 2ª) O que são as retomadas? 3ª) De que forma a conclusão da carta nos remete ao seu início?

purificação é levada ao extremo, quando Ele se refere ao 5º mandamento, dizendo “22 Mas eu vos digo: todo aquele que se irar contra seu irmão será castigado pelos juízes. Aquele que disser a seu irmão: Raca, será castigado pelo Grande Conselho. Aquele que lhe dis-

ser: Louco, será condenado ao fogo da geena. (Mateus (BAV) 5) Essas palavrinhas são corriqueiras, mas expressam um resquício de falta de amor ao irmão... E a pureza deve ser tal, que pensar isso, também é impureza...


Santo Antônio Maria Zaccaria e o social

N

em só de espiritualidade vive o homem, mas a Espiritualidade deve estar presente em todas as atividades humanas, motivando e dando sentido a tudo o que fazemos. É como a água que rega as plantas. Se elas estão verdes e bonitas, é sinal que estão bem fornecidas de água! Alguns anos atrás, a dimensão social da Igreja estava forte, mas, de algum tempo pra cá, houve uma queda vertiginosa no compromisso social dos católicos! Influência dos movimentos pentecostais? Pode ser. Afinal, refugiar-se no aconchego do louvor traz alívio para as nossas dores, mas, e depois? E os compromissos com o amor fraterno? Não é àtoa que a Arquidiocese do Rio de Janeiro está promovendo o ano da caridade para despertar nos católicos a necessidade de ter olhos para os aspectos sociais da prática cristã. Santo Antônio Maria Zaccaria teve preocupações sociais e deu exemplo concreto de vivência dessa dimensão essencial da vida cristã, pois “todas as vezes que vocês fizeram isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim

que o fizeram.” (Mt 25,40). Dessa forma, o nosso santo foi um humanista fervoroso, não separando o homem de Deus, o que pode ser constatado ao lermos os seus Escritos; suas palavras deixam transparecer profunda sintonia com o Cristo Crucificado, ao mesmo tempo que coloca a pessoa humana como ponto de partida, como sujeito responsável pela condução da vida. Mais concretamente, alguns exemplos da vida de Santo Antônio Maria Zaccaria no campo social: - Ainda adolescente, não teve dúvidas em dar a um pobre o seu manto numa noite gelada de Cremona; - Como médico, assistiu a população pobre de sua cidade natal, Cremona, devastada pelas do-

enças epidêmicas da época, como a peste; - Como catequista, abriu sua casa para os mais necessitados, sem deixar de cuidar das pessoas de outras classes; - Enfrentou os invasores espanhóis que sitiavam Cremona, que acabaram desistindo da invasão, diante de tamanha força moral daquele jovem; por isso, ele mereceu a homenagem de seus concidadãos com o título de “pai da pátria”; - Defendeu com coragem seu pai espiritual, Frei Batista de Crema, contra as acusações de heresia; - Lavrou muitos atos notariais em questões de heranças e, principalmente nas disputas por terras, para que se fizesse justiça. Animados pelo exemplo do nosso santo, recuperemos a dimensão social dos nossos compromissos pastorais, que vão muito além das atividades corriqueiras dos nossos grupos e movimentos. Pensemos nisso, afinal, nós evangelizamos pessoas de carne e osso, muito longe de serem anjos! Pe. Luiz Antônio do Nascimento Pereira CRSP


Os mistérios da vida pública de Jesus Jane do Térsio

Jesus morreu por nossos pecados segundo as Escrituras

D

esde os tempos do Antigo Testamento vemos em Isaías (Is 53,7-9) a profecia do Servo Sofredor que nos mostra que Sua morte aconteceria segundo as Escrituras. S. Paulo professa que “Cristo morreu por nossos pecados segundo as Escrituras” Em  Mt 20,28 podemos ver que o próprio Jesus apresenta o sentido de sua vida e de sua morte à luz do Servo Sofredor. “Do mesmo modo que o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em redenção por muitos”. O serviço de Cristo à humanidade vai encaminhando para a salvação.

“Muitos” aqui não se contrapõe a “todos” mas a “um”: Um é o que salva e a todos é oferecida a salvação. Mesmo depois de sua Ressurreição, Ele interpreta desse modo as Escrituras tanto para os discípulos de Emaús: “Então, Ele disse-lhes: ó homens sem compreensão e lentos de espírito em crer em tudo o que disseram os Profetas. Não tinha o Messias de sofrer essas coisas, para entrar na Sua glória? Depois, começando por Moisés e seguindo por todos os profetas, explicou-lhes em todas as Escrituras o que Lhe dizia respeito”.(Lc 24,2527) Jesus, em resposta ao desalento

dos discípulos, vai pacientemente descobrindo lhes o sentido de toda a Sagrada Escritura acerca do Messias. Com essas palavras o Senhor desfaz a ideia que ainda poderiam ter de um Messias terreno e político, fazendo-lhes ver que a missão de Cristo é sobrenatural: a Salvação do gênero humano. Quanto para os próprios Apóstolos: “Depois disse-lhes: Foram estas as palavras que vos disse, quando ainda Me achava entre vós: “Tem de cumprir-se tudo o que está escrito a Meu respeito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”(Lc 24,44-45).   Aquele que não conhecera o pecado, Deus o fez pecado por causa de nós  Os pecados dos homens, depois do pecado original, são sancionados pela morte (Cf  Rm 5,12). Deus Pai envia seu próprio Filho na condição de escravo, condição de uma humanidade decaída e fadada à morte por causa do pecado (Fl 2,7).   Jesus torna-se solidário de nós pecadores e tendo se entregado por nós, nós somos “reconciliados com o Pai pela morte de seu Filho”. “Se, quando éramos inimigos de Deus, fomos reconciliados com Ele pela morte de seu Filho, quanto mais agora, estando já reconciliados, seremos salvos por sua vida!” (Rm 5,10). ( Continua no próximo número)

6

O Mensageiro

Junho 2014


Coral Nossa Senhora de Loreto canta no

V Canta Del Rei

C

om as bênçãos de nosso pároco e amigo Pe. Sebastião e com grande alegria, garra e disposição, partimos para o V CANTA DEL REI, Festival Nacional de Corais, realizado entre 1º e 4 de maio em São João Del Rei, terra das igrejas, das pontes, dos corações. Ao pisarmos em solo mineiro, após uma viagem um pouco mais longa do que o “normal”, por volta das sete da noite, fomos recebidos com um espetáculo de Deus: um límpido céu, com lua e estrelas em perfeita harmonia com a silhueta de uma das” igrejas”, que lembrava nossos desenhos da velha infância. Rapidamente refeitos da viagem, partimos para nossa primeira apresentação: Teatro Municipal, abertura do Evento, onde treze corais se apresentaram e pela ordem, éramos os últimos, e por este motivo, cerca de apenas cem pessoas ficaram para nos assistir, visto a hora avançada e o cansaço natural do primeiro dia de viagem, a maioria

8

O Mensageiro

Junho 2014

de outros estados. Porém, isto não nos abalou e apresentamos empolgadamente nosso repertório: “Meu Pais”, “Caçador de mim” e “We are the World”, esta última, arrancando da pouca, mas atenciosa platéia os brados de: Lindo, lindo, valeu, bis! Na manhã seguinte, paralelamente ao evento cultural, curtimos várias atividades na cidade como passeios a pé, de trem “Maria Fumaça” com seu famoso e velho “apito” nos mostrando orgulhosamente as maravilhas da Serra da Mantiqueira, e claro, as delícias da cozinha típica mineira caseira: feijão, torresmo, além das deliciosas sobremesas. À tarde, nossa apresentação aconteceu no Teatro Conservatório de Música PE José Maria Xavier. Desta vez, fomos o sexto a nos apresentar e com público bem maior, “We are the world” tornava-se nosso sucesso. À noite uma surpresa, reunidos num restaurante um excelente pianista, nosso maestro Luis e um “crooner”, Ismael da Rita deram

“Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto a vós, felicidade sem limites, delicia eterna e alegria ao vosso lado” Sl. 15(16) um show para todos os presentes, esbanjando bom gosto na escolha das músicas, talento e versatilidade e muita alegria, conquistando os “corações” de “S.João del Rei”, cidade das artes. Nosso prazer em cantar e poder evangelizar com os talentos que Dele recebemos, só confirmam o que é tanto anunciado pelo nosso Papa Francisco: a importância da alegria do cristão no mundo de hoje. Iniciamos o sábado com o tradicional Cortejo Canta Del Rei, com a participação da Banda Santa Cecília da Prefeitura Municipal, simplesmente inesquecível. Com a sensação de uma “volta ao passado”, tempo de “ginásio”, onde sempre cabia um momento de civismo e desfile com galhardia (essa é da antiga) lá íamos nós marchando e entoando vibrantes canções, acompanhados pela excelente banda, irradiando alegria e fé pelas ruas ao empunharmos nossas bandeiras, orgulhosos em apresentar e louvar nossa protetora e Mãe Nossa Senhora de Loreto. O desfecho desta atividade aconteceu nas escadarias do Teatro com todos os corais apresentando o hino oficial da cidade hospitaleira. Ainda neste dia participamos de uma de nossas mais bonitas apresentações, na Igreja de São Gonçalo Garcia, juntando-se ao ambiente mais do que propício, casa de Deus a perfeita acústica, cantamos emocionados: “Obrigado, Senhor”, “Ave Maria Gounod”, “Oração pela Paz”, e “Exodus”, calorosamente aplaudidos.


Iniciamos nosso domingo, último dia, com a Santa Missa na Igreja S. Francisco de Assis com a participação de um magnífico coral. Após a missa, pudemos apreciar a beleza das pinturas e quadros sobre a vida do santo padroeiro expostas nos diversos altares da própria igreja. Daí seguimos para as escadarias da Igreja de Nossa Senhora das Mercês, onde todos os corais formaram o “Grande Coral Canta Delirei” apresentando: “No Rancho Fundo” e “Aquarela do Brasil”, sob a regência do maestro Paulo Miranda, ao qual rendemos nossa gratidão pelo empenho, dedicação e organização de todo o Evento. Cabe ressaltar o agradecimento especial a todos que nos proporcionaram esta alegria: nosso pároco e amigo Pe. Sebastião, Tio Sergio mentor do Coral, nosso querido maestro e amigo Luis Lima, que “insiste” em confiar em nós, coralistas, e toda Equipe de apoio, que leva o trabalho com muita competência e profissionalismo. Esperamos de coração, que tenhamos levado não só a beleza da música, mas a paz que dela emana, elevando-nos ao diálogo com Deus. Paulo e Dayse. Junho 2014

O Mensageiro

9


Pastoral da Liturgia

C

omo foi divulgado na edição passada, estamos iniciando uma série de entrevistas com as Pastorais para que os paroquianos tenham uma ideia do que faz cada uma, como se organizam e o que é preciso para fazer parte. A Pastoral da Liturgia inaugura então os trabalhos. Pelo O Mensageiro, Tamara Ribeiro, entrevistou a coordenadora da Liturgia, Odete Gomes, que nos deu detalhes sobre a Pastoral. O Mensageiro: A primeira dúvida que as pessoas têm é sobre o que afinal é a Pastoral da Liturgia e o que faz. Odete: Da maneira mais direta, é uma pastoral de serviço, de ação, ação essa do Povo de Deus, reunido em Jesus Cristo na comunhão do Espirito Santo. E a Pastoral tem como responsabilidade inúmeras tarefas como organizar toda a Missa (desde os leitores, salmistas, comentaristas, organizar o ofertório e coleta, até organizar fila da comunhão e qualquer outra atividade dentro da celebração que se faça necessária à presença e apoio da equipe). Além das missas, também existe a responsabilidade de organizar importantes datas na paróquia, como Semana Santa (Domingo de Ramos até Domingo de Páscoa), Tapete de Sal (Corpus Christi), Vigília de Santo Antonio Maria Zaccaria, Mãe da Divina Providencia, Visita do Círio de Nazaré, Novena da Padroeira, e qualquer outra atividade litúrgica em nossa Paróquia. Também participa das demais atividades da paróquia, como a festa Junina na barraca de Caldos e festa da Padroeira. Para 10

O Mensageiro

tantas atribuições, é necessária uma equipe comprometida e unida, obviamente, uma vez que existem atividades todos os dias do ano, pois há Missas todos os dias. O Mensageiro: Mas então para participar da equipe, a pessoa tem que ter disponibilidade todos os dias? Odete: Não. Se você ficou preocupado “Mas eu não tenho como estar disponível todos os dias da semana, pois eu trabalho ou estudo”, não tem problema. A organização da equipe é por horário de missa, e cada horário tem dois coordenadores que são responsáveis pela sua equipe. Ou seja, é possível servir em qualquer dia da semana, basta estar disponível. O Mensageiro: Então fale um pouco mais sobre a organização da Pastoral. Odete: Uma vez por mês a coordenação geral, que é responsável por todos os horários, reúne a equi-

Junho 2014

pe durante a semana à noite (cerca de 110 agentes, jovens e adultos, distribuídos em missas dominicais e semanais). Essa reunião acontece geralmente na primeira quinta-feira do mês, para fazer um balanço do que aconteceu e programar as atividades que serão realizadas durante o próximo mês. Além disso, há um plano de formação, que reúne a Pastoral a cada dois meses, para conhecer e aprofundarem um tema de Fé, normalmente auxiliadas pelo diretor espiritual que é o Padre Luiz Antônio. Além disso, o Pe. Luiz orienta com toda a parte litúrgica e com grande apoio nas inovações, como o Vídeo pedindo pela Paz, vídeo no dia mundial da Juventude, comemoração com entrada de velas na missa de Nossa Senhora das Candeias (apresentação do Senhor no templo), presépio Vivo na Missa de Natal, etc. Uma vez por mês há reunião das coordenações da Liturgia, MESC, coroinhas e cerimoniários com o Pe. Luiz, para programar o que aconte-


cerá no mês seguinte e cada vez mais melhorar a parte litúrgica. No geral, a equipe tem três coordenadores gerais que se dividem em parte litúrgica (reunião com Padre, missas e as atividades extras) e de formação; parte “prática” e com as atividades semanais e apoio para tudo o que é preciso e com a coordenação da barraca da Liturgia nas festas Junina e da Padroeira por exemplo. O Mensageiro: Perguntamos sobre como foi a preparação para a Semana Santa, que marcou muito a comunidade, pois foi de fato emocionante, em todas as celebrações. A resposta não podia ser outra, vinda de pessoas que servem a Deus e estão à disposição Dele: Odete: “Agora chegaram às lágrimas...”, e continuou: A Semana Santa este ano foi simplesmente mágica. Já faz alguns anos que eu não via a comunidade participar tão ativamente de todas as atividades da Semana e no Tríduo. Foi maravilhoso! Por ser uma semana com muitas atividades, necessita-se de um mês de preparação. Reunião com o Pe. Luiz e as pastorais ligadas as celebrações, para

organizar cada dia, pois são muitos detalhes. “Somos uma Igreja muito rica em tradição e nosso trabalho é esse, manter a tradição”. Também é necessária reunião com o pároco, Padre Sebastião. “O ponto alto foi a Missa do Sábado Santo”, nessa celebração, são 8 leituras e 7 salmos. A pastoral da Liturgia convida um de cada equipe para cada dia, pois são muitos leitores e salmistas, e como sabemos, não dá para colocar todos. Para finalizar o Tríduo, no domingo de Páscoa celebramos a Ressurreição de Cristo e teve até um batizado, de uma criança. O Mensageiro: Depois desse testemunho emocionante, pode ser que algumas pessoas queiram servir neste importante ministério, que é a Pastoral da Liturgia. Existe algum pré-requisito para ingressar na Pastoral? Odete: Para entrar para a Liturgia não há nenhum impedimento, nem é necessário que a pessoa tenha os sacramentos da iniciação cristã ou esteja participando deles. Basta gostar de servir a Comunidade. E mesmo quem não gosta de falar em público ou de fazer leituras, não pre-

cisa se preocupar, pois tem muito trabalho. Para fazer as leituras, nós colocamos pessoas da equipe, pois entendemos que a Palavra de Deus deve ser muito bem proclamada. Muitos dos leitores passam por preparação, já fizeram curso com os padres para aprender a proclamar, da melhor forma possível, além disto, eles recebem uma escala onde eles sabem com antecedência qual leitura fará para estarem preparados. Entretanto, isso não impede a comunidade de participar mais. Qualquer pessoa pode ajudar nas celebrações. É só falar com a equipe que gostaria de ajudar e nós colocamos para fazer a coleta (cestinhas) ou as preces. Então, não se acanhe e esteja pronto a servir! Por último, fica este apelo: A equipe é composta por mais de 100 agentes, mas sempre é preciso mais e mais pessoas, pois a Liturgia também é uma porta de entrada na comunidade, na Igreja. Muitas pessoas somente vão à missa e não tem convivência com os que trabalham na comunidade, então somos muito solicitados e desempenhamos com alegria este acolhimento, visando levar mais pessoas ao serviço pastoral, não somente na Liturgia, mas também nas outras pastorais. “Não tem nada melhor que servir a Cristo. Venha colocar o Jaleco branco você também!” O Mensageiro: Como mencionado, se você quiser se tornar membro da pastoral, entre em contato com os coordenadores – Odete, Josué ou Nizete – ou entre em contato com a secretaria. “Se alguém me quer servir, siga-me; e, onde eu estiver, estará ali também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará.” (Jo 12, 26). Tamara Ribeiro – Pascom Loreto. Junho 2014

O Mensageiro

11


O Espírito Santo e a Igreja N

ós, Cristãos, celebramos no dia de Pentecostes - a vinda do Espírito Santo. O Evangelho de São Lucas, nos Atos dos Apóstolos (At 2,14) nos dá ideia do que pode ter sido um dos momentos mais emocionantes vividos pelos nossos irmãos que nos precederam na fé. Era, pois, um encontro que estava marcado desde o início dos tempos. Gosto de pensar assim,/ fico imaginando como tudo aconteceu. Da mesma forma que uma multidão de anjos entoou cânticos de glória no momento da encarnação de Jesus, sonho com esses mesmos anjos rodeando, voando invisíveis em todas as direções, preenchendo todo o cenáculo, com uma mistura de cheiros e cores jamais vista antes. O fogo santo que descia em línguas sobre os que ali estavam era a luz que vinha iluminar o caminho daqueles que naquele dia fundariam a Igreja de Deus. Nossos irmãos não estavam sentados discutindo como seria essa Igreja, não estavam colocando

em votação o tema da pregação que deveriam fazer dali para frente. Aliás, muito pelo contrário, tudo era contraditório entre eles. Havia os que queriam retomar suas vidas, seus afazeres, voltar para casa. Havia os que estavam muito assustados, com medo de ter o mesmo final trágico do Mestre e havia também aqueles que estavam esperando, sem saber ao certo o que, sem saber como se cumpriria a promessa do Pai, que Jesus anunciara. Estavam ali, cada um com o seu pensamento, numa mistura de sentimentos de fraqueza e confiança. E foi então que o Espírito veio sobre eles. Seja como um vento forte ou um sopro suave ou uma chama ardente, Ele veio e eles finalmente estavam cheios, repletos daquela luz. Ungidos por Deus na terceira pessoa da Trindade para permanecerem na fé e seguirem o caminho que já estava traçado e que era sem volta: O caminho dos que iam anunciar a Boa Nova ao mundo. “Ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, a não ser pela ação do Espírito Santo” (1Cor 12, 3). Sem dúvida o Espírito Santo é a luz da Igreja. Ela nasceu e vive sob a Sua ação, fundamentada no Cristo ressuscitado, mas que antes foi o Cristo servidor. Por isso ela está no mundo para ser luz, para amar e caminhar de mãos dadas com aqueles que sofrem, com os excluídos e marginalizados pela sociedade, com os pobres. No entanto, desde a criação do mundo e da revelação de Deus aos homens, passando pelo Cristo até a Igreja atual, que caminha como povo de Deus, muita coisa aconteceu e nem sempre no decorrer dos séculos fomos totalmente fieis e abertos à ação do Espírito, que sopra onde quer e que respeita a liberdade de todos, deixando-nos escrever, cada um, a sua própria história. Por isso, não há como falar de uma longa caminhada sem tocar nos erros e acertos que se teve no trajeto. Sim, erramos muitas vezes e acertamos outras tantas.


São João Paulo II, quando Papa, pediu perdão ao mundo pelos erros cometidos pela Igreja, através dos tempos. Mesmo assim, muitas pessoas quando falam da história da Igreja dão maior ênfase às fases sombrias que atravessamos. Isso é natural, é próprio do ser humano. Cabe-nos rezar por elas e por todos nós. Cabe-nos seguir os passos de Pedro e dos que estavam no cenáculo naquele dia fabuloso e de Paulo que viveu o seu próprio pentecostes ao se encontrar com o Cristo às portas de Damasco. Sigamos como corpo de Cristo, a serviço do próximo, amparando os aflitos, dando abrigo e ternura aos sem esperança, sendo a voz dos fracos, a luz dos esquecidos. A Igreja nos convida a ser Igreja todo dia. O 11º PPC da nossa Arquidiocese, que dá as diretrizes da

ação da nossa Igreja, passou por nossas mãos para ser criado e está em nossas mãos para ser executado. Temos que ter coragem de colocá-lo em prática. Sair em missão, como Paulo; firmes na fé que professamos, como Pedro. Eu tenho certeza que este é o lugar onde eu quero estar. Aqui, no Loreto, aos pés do meu Senhor, porque não posso mais viver sem a sua proteção. Espero que esse seja também o sentimento de cada um de vocês. Como comunidade de fé, como Igreja, sigamos sempre em frente, com a certeza de que mais conta o caminho que desejamos ainda trilhar. ”E por mil estradas onde andarmos nós, qual semente nos levará?” Ana Clébia - Pascom


Histórico da Congregação das Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus Tudo começou quando Laurence Revière Dejean, uma jovem de 19 anos de idade hesitante sobre o seu futuro recorre ao Cura D’Ars, ou seja, São João Maria Vianey, homem inspirado por Deus, para orientá-la sobre seu futuro. Surpresa ouviu estas palavras: “Sereis religiosa um dia em vossa cidade natal”. Vendo nessas palavras a manifestação da vontade divina, ela se orientou desde então para os bens do alto, entregando-se de corpo e alma, ao cuidado dos pobres: ajudando na catequese, visitando os doentes, confeccionando paramentos... Laurence nutria sua alma com a leitura da Sagrada Escritura e o culto a mãe de Deus, que escolheu como modelo, costumava dizer a jovens que se agrupavam em torno dela: “Tende uma vida de fé, generosidade, abnegação e zelo que vos leva a buscar a glória de Deus. Esperai só dele a vossa recompensa. A SSma. Virgem vos ajudará a santificar-vos e perseverar na graça da vossa vocação”. Por esse tempo, o Cura da Catedral de São João, o Revmo Cônego Bouisse e seu coadjutor Pe. Félix Brunel, projetaram fundar uma casa para recolher crianças vítimas do conflito entre católicos e protestantes e o serviço aos doentes a domicílio. Conhecendo Laurence e suas colaboradoras, expuseram a elas o seu duplo projeto. Vendo neste apelo “ a hora de Deus”, deram o seu sim prontamente... A obra foi crescendo...e assim nasceu a Congregação das Religiosas da Pequena Família do Sagrado Coração de Jesus, a 03 de junho de 1864, Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, na cidade de Alès, Sul da França. Laurence recebeu o nome de Madre Francisca do Sagrado Coração e sua colaboradora mais direta, Sophia Veillon, recebeu o nome de Madre Joana do Calvário. A Congregação continuava a crescer cada vez mais, até que a 9 de junho de 1890, chegaram as primeiras Irmãs ao Brasil. Começaram a surgir muitas vocações brasileiras e a Congregação foi se expandindo cada vez mais... Hoje ela tornou-se brasileira e é conhecida como 14

O Mensageiro

Junho 2014

Congregação das Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus e conta com várias obras nos estados do RJ,SP,MG,PE e BA, tendo como carisma seguir o Cristo pobre, humilde e crucificado a exemplo de São Francisco de Assis, vivendo o amor do Coração de Jesus presente na Eucaristia, a serviço dos irmãos. Para Concretizar este ideal estamos ao lado das crianças, jovens, doentes, idosos e do povo em geral... Somando forças caminhamos na certeza de que, se hoje ao completar 150 anos, continuamos o carisma dado à Fundadora Madre Francisca do Sagrado Coração... Isto, porque “ O Amor atravessa os tempos, constrói história e deixa sementes de vida” Vale à pena segui-lo! Ser Franciscana do Sagrado Coração de Jesus: uma opção para ser feliz! Maiores informações: Rua Edgard Werneck,431- Jacarepaguá – Tel: (21) 3094-4145 ou ir.analu@ig.com.br – site: WWW. franciscanasscj.com.br


Carisma

A Congregação traz em seu nome o projeto de vida das Irmãs e dos Irmãos Leigos, que começam a fazer parte desta família. Franciscanas – A partir da espiritualidade franciscana, fundamentada pelo encontro com Jesus nos pequenos, na alegria e simplicidade de vida, a busca de um mundo mais fraterno, na Paz e o Bem, que é o próprio Deus. Francisco, o Pobrezinho de Assis, nos deixou a marca deste seguimento de Jesus. Em seu despojamento e em sua busca de encarnar o Evangelho de Jesus, mudou a si mesmo, a Igreja de sua época, o mundo ao seu redor. Este sonho toda a família franciscana traz em seu coração e busca fazer acontecer em nosso mundo tão marcado pela indiferença, pelo desamor. O Coração de Jesus – aqui se funde uma única fonte de espiritualidade: Jesus amado por Francisco é o Coração Humano, Deus que desce até as profundezas da realidade do homem, experimentando tudo igual a nós, exceto no pecado. “Este Coração tão humano, só poderia ser Divino”. Nele encontramos nosso refúgio, o sentido de dar a vida, de viver a entrega, o despojamento bebendo nesta fonte que jorra de sua presença na Eucaristia e em cada coração. A missão de toda Consagrada Franciscana do Sagrado Coração de Jesus e de cada leigo que faz parte desta família é única: levar o amor deste Coração que tão pouco é amado pelos homens. Cada criança, jovem, idoso a quem servimos é um destinatário deste amor!

Junho 2014

O Mensageiro

15


Nossa missão Levar o Amor do Coração de Jesus na educação

E

m nossas Escolas e Creches, cada criança e adolescente não somente recebe uma educação atualizada, segundo às exigências de nossa sociedade, mas acima de tudo todos se empenham para que a educação seja evangelizadora, integradora e acima de tudo privilegiando os valores cristãos e franciscanos. Nossos tempos atuais clamam por uma educação onde o respeito, a fraternidade, a solidariedade vençam a indiferença e desamor tão presentes nos modelos muitas vezes aplaudidos pela mídia. Como Igreja nos unimos à missão evangelizadora semeando a esperança de um futuro de cidadãos cristãos, construtores da Paz! Nossas escolas em São José dos Campos -SP, (C.F. N. Sra. Aparecida) Belo Horizonte – MG (C.F.C. de Maria), Cabo Frio- RJ (C.F.S. C. de Jesus), Alcântara- RJ (C.F. N. Sra. das Graças), Rio de Janeiro – RJ ( C.F. Santo Antonio), Salvador-BA ( C. F. Sta.

Clara), Caruaru – PE C. F. Srta. Maria dos Anjos), marcam a história de nossa Congregação. Levar o Amor do Coração de Jesus aos pequenos Nossos projetos sociais em Mata

de S. João- BA (Casa N. Sra. do Líbano), Salvador- BA (Projeto por um mundo melhor), Belo Horizonte – MG Educandário Sto. Antonio, São José dos Campos – SP (Creche N. Sra. Aparecida) e Rio de Janeiro – RJ (Residência Escolar Sto.Antonio, são nossa presença junto aos pequenos, aqueles privilegiados do Pai. Levar o Amor do Coração de Jesus aos idosos e doentes Nosso asilo Sto. Antonio em São José dos Campos – SP, oferece não somente um cuidado especial com cada idoso, mas os acolhem com carinho e amor! Levar o Amor do Coração de Jesus aos doentes Diante da falência da saúde em


nosso país, cada vez se torna mais atual nossa missão junto à saúde. São muitos desafios, mas com a doação e amor ao Irmão doente, tudo se vence! Nossos hospitais em Rio das Pedras – SP (Hospital F. S. Vicente de Paulo) e Alcântara – RJ (Hospital F. N. Sra. das Graças) primam pelo atendimento humanizado, onde cada pessoa é tratada como imagem do Cristo Sofredor que espera nosso cuidado, nosso amor. Levar o Amor do Coração de Jesus junto do povo, como discípulas missionárias Seja em nossas obras ou nas missões populares, nas missões em preparação para profissão religiosa, em comunidades de pastorais, nossas Irmãs atuam em catequese, evangelização, com o ideal de levar o amor do Coração de Jesus aos jovens, às famílias, para que Ele seja amado e que outros jovens também descubram a alegria de seguí-lo na radicalidade do Evangelho. Conclusão: Celebrar 150 anos de caminhada é celebrar a misericórdia do Coração de Jesus que conduziu em sua fidelidade amorosa cada Irmã que já escreveu a sua história com a própria entrega de sua vida! Celebrar 150 anos de caminhada é celebrar com gratidão e esperança a Presença amorosa do Coração de Jesus que continua nos conduzindo e nos enviando vocações para que um novo capítulo seja escrito, com o mesmo entusiasmo e audácia de tantas que nos precederam. Celebrar 150 anos é olhar para o horizonte onde nosso Papa Francisco nos diz para sermos Mães fecundas gerando o amor em cada coração, saindo para as periferias existenciais e deixando sementes de vida! Junho 2014

O Mensageiro

17


A História das aparições de

Nossa Senhora de Fátima – em Portugal L úcia, Francisco e Jacinta estavam brincando num lugar chamado Cova da Iria. De repente, observaram dois clarões como de relâmpagos, e em seguida viram sobre a copa de uma pequena árvore chamada azinheira, uma Senhora de beleza incomparável. Era uma Senhora vestida de branco, mais brilhante que o sol, irradiando luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina, atravessado pelos raios do sol mais ardente. Sua face, indescritivelmente bela, não era nem alegre e nem triste, mas séria, com ar de suave censura. As mãos juntas, como a rezar, apoiadas no peito, e voltadas para cima. Da sua mão direita pendia um Rosário. As vestes pareciam feitas somente de luz. A túnica e o manto eram brancos com bordas douradas, que cobria a cabeça da Virgem Maria e lhe descia até os pés. Lúcia jamais conseguiu descrever perfeitamente os traços dessa fisionomia tão brilhante. Nossa Senhora apareceu mais cinco vezes num total de seis:

sa Senhora mostra uma visão do inferno e pede: Quando rezardes o terço, dizei depois de cada mistério: Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem”. 4ª 15 de agosto de 1917 – Nossa Senhora faz um pedido. Que construam uma capela em honra de Nossa Senhora do Rosário. 5ª 13 de setembro de 1917 – Às vésperas de um milagre. Lúcia pede que ela faça um milagre para que as pessoas acreditem neles. Ela promete fazer em outubro. 6ª 13 de outubro de 1917 – O

milagre do sol. Quando Lúcia gritou “olhem para o sol!”, as nuvens se entreabriram, deixando ver o sol como um imenso disco de prata. Brilhava com intensidade jamais vista, mas não cegava. A imensa bola começou a “bailar”. Como uma gigantesca roda de fogo, girava rapidamente. Parou por certo tempo, mas, em seguida, começou a girar sobre si mesmo, vertiginosamente. Depois, seus bordos tornaram-se vermelhos, e deslizou no céu, como um redemoinho, espargindo chamas de fogo. As Aparições de Nossa Senhora em Fátima foram reconhecidas pela Igreja em 1930.

Lúcia, Francisco e Jacinta

1ª. 13 de maio de 1917 – Seu recado era um aviso aos pecadores, para que se convertessem. 2ª. 13 de junho de 1917 – Mostra seu Imaculado Coração, e pede que seja motivo de devoção. 3ª. 13 de julho de 1917 – NosJunho 2014

O Mensageiro

19


O amor

é a expressão máxima da vida cristã

H

á algo na vida cristã que precede todas as coisas e o ser humano: o amor de Deus. O amor é a expressão máxima da vida cristã. Daí que o primeiro na vida cristã não é fazer algo por alguém. O primeiro é aceitar que se é amado e

escolhido por Deus. O agir em favor de alguém é fruto do reconhecimento desse amor primeiro (1 Jo 4,19). Daí que para o cristianismo, o amor não é uma ideia, nem boas intenções. O amor é um modo de


viver. Amar Jesus, como diz o evangelho , é acolher e viver sua palavra (vv. 21.23.24). O mundo a que Judas se refere é tudo o que se opõe ao desígnio salvífico de Deus; é símbolo do fechamento do ser humano ao Deus revelado em Jesus Cristo. É em razão desse fechamento e da recusa em ouvir a palavra de Jesus que o mundo não é capaz de reconhecer a manifestação de Deus em Jesus. O Espírito Santo prometido será para os discípulos um “Defensor”, pois sua missão é, comparativamente, a de hermeneuta, de intérprete das palavras e gestos de Jesus. É o Espírito Santo, enviado pelo Pai, quem fará os discípulos compreenderem o sentido de toda a existência de Jesus. Carlos Alberto Contieri, sj Do Portal das Paulinas

Este espaço pode ser seu! 3392-4402 / 2425-0900 7801-5092 Acesse nosso site e saiba de tudo que acontece no Loreto www.loreto.org.br


Santíssima Trindade A Comunidade Perfeita

A

Santíssima Trindade é um mistério, portanto, não pode ser explicado, só é aceito pela fé. É o mais belo exemplo de convivência, numa interação completa e perfeita. Nossa inteligência é muito pequena para compreender como três pode ser um e um pode ser três. Matematicamente falando, impossível. Porém nada explica satisfatoriamente o mistério da Santíssima Trindade. Este mistério está acima da razão e não contra. Absurdo seria a nossa inteligência limitada apreender completamente a Inteligência Suprema. Diante da grandeza do mistério da Santíssima Trindade, a melhor atitude não é de especulação, mas a de fé e amor. Existe um ícone na Rússia, pintado por Andrey Rublev, monge da Igreja Ortodoxa, que viveu de 1365 a 1430 e que nos dá uma explicação belíssima . EXPLICAÇÃO DO ÍCONE “O ícone da Santíssima Trindade é um convite a sentar-se à mesa, a beber do cálice… Nada pode ser mais íntimo e comprometedor do que beber do sangue de Jesus. Esse é com certeza um convite de amigo para amigo. No ícone, o espaço vazio da mesa é um convite aos que estão dispostos a se tornar participantes do sacrifício divino oferecendo a vida como testemunhas do amor. Só aquele que participa do sacrifício

22

O Mensageiro

participa também da Salvação. Na disposição dos “anjos celestes”, vemos da esquerda pra direita o Pai, com a túnica dourada, lembrando-nos sua realeza. Sua mão direita se ergue num sinal de bênção ao Filho (o do meio) e ao Espírito (o da direita) que estão totalmente voltados para o Pai numa posição de prontidão e obediência à Sua Vontade. A túnica do filho em grande parte é de cor escarlate, fazendo referência à Sua humanidade: Aquele que mais se revelou. O altar nos recorda o mundo, o lugar do sacrifício. O Filho toca o altar com dois dedos - duas dimensões, a humana e a divina. O Espírito que também se revela, porém menos que o filho, toca o altar com apenas um dedo, apenas na dimensão divina.

Fevereiro 2014

A contemplação desse ícone é uma maneira de compreender mais profundamente os segredos e mistérios da vida divina, de estar no mundo sem, no entanto, pertencer a ele. É um convite à “casa do amor”, casa de onde viemos e para onde voltaremos… “Quanto mais contemplamos essa imagem sagrada com os olhos da fé, mais nos damos conta de que é pintada não como uma decoração adorável para a igreja de um convento nem como explicação útil de uma doutrina difícil, mas como um lugar santo no qual podemos entrar e permanecer. Quando nos colocamos diante do ícone em oração, experimentamos um delicado convite a participar da conversa íntima que está ocorrendo entre os três anjos divinos e nos juntar a eles em volta da Mesa. Assim orar com esse ícone leva-nos ao mistério da auto-revelação de Deus, mistério que ultrapassa a história, mas é tornado visível por ela. Mistério divino, mas também humano. Mistério de júbilo, dor e glória que transcende todas as emoções humanas, mas não deixa de tocar nenhuma delas.” (Henri J. M. Nouwen, Contempla a face do Senhor – Orar com ícones)” (fonte: http://www.marista.org.br ) Texto organizado por Helia Fraga


Falando Francamente Zamoura

Dia dos Namorados: O Dia do Amor Nos chamados “anos dourados”, namoro era coisa séria e marca o início de uma existência a dois que frutifica na descendência e uma abertura do caminho para o noivado. Naquele tempo os namoros eram, tranqüilos e tinham as cores do outono e, por isso mesmo, se revestiam de beleza inusitada, inclusive no escurinho do cinema. Na velhice, o sentimento de namoro não se apaga, dotando de poesia o que resta ainda a ser vivido. Todavia, esta marcha natural do amor não prescreve regras porque ele pode surgir, com toda a sua verdade, não apenas na juventude quando ocorrem os casamentos, mas na meia idade ou mesmo na velhice, como que numa explosão rara de renovação. Tem beleza igual, emocional e se revela com toda a sua ternura. Por tudo isso e muito mais, o amor descortina, em qualquer idade o esplendor do mundo e da beleza, pois muito se engana quem acredita que o amor tem unicamente a face jovem. Privilégio maior possui o homem que em qualquer fase da vida tem a coragem de viver seu próprio tempo de amor e se deixa por ele iluminar. O namoro é a essência da vida que se renova no cotidiano em especial no DIA DOS NAMORADOS, O DIA DO AMOR. Louvores e Glórias a Deus Zamoura (da Diva) 15º E.C.C zamouraediva@oi.com.br

Nos chamados “anos dourados”, namoro era coisa séria e marca o início de uma existência a dois

C

aracterizado por festas populares e religiosas tradicionais, junho tem no seu calendário uma comemoração merecedora de destaque - O Dia dos Namorados. O 12 de junho, antecedendo com propriedade o dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro, pode muito bem ser chamado o Dia do Amor. Na troca de presentes e juras entre os apaixonados, ele serve para demonstrar que mal grado as dificuldades e a violência do mundo atual, ainda há lugar para este sentimento sublime que é o amor. O amor acompanha o ser humano desde a infância, quando decide se manifestar nos corações inocentes dos pequeninos, como que os treinando para sentimentos que virão mais forte no futuro. Na adolescência, ele é igual ao brotar das flores, vem cheio de sonhos, devaneios, para, por fim, ressurgir com toda a carga de emoções físicas e espirituais na idade adulta, quando a juventude explode. Marca o início de uma existência a dois, que resulta, frutificando na descendência. Na meia idade, ele se retempera, e o saudosismo acontece vindo à memória os belos tempos do “Só vou se você for”, os ciuminhos daquele amigo ou amiga dela ou dele, principalmente nos bailes quando era comum convidarem sua namorada para dançar. Tudo piorava quando o cara dançava bem e ela se empolgava, dava vontade de entrar no meio dos dois e separá-los.

Junho 2014

O Mensageiro

23


Fé e Política Robson Leite

O Brasil e a emissão de

gases poluentes O

Brasil se tornou um dos países mais preparados no combate aos avanços e impactos do aquecimento global. É o que diz o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, divulgado em abril, na cidade de Yokohama, no Japão. O relatório revelou que todas as nações estão sujeitas aos efeitos do possível aumento da temperatura global. As medidas e políticas adotadas ao longo dos anos, no entanto, colocam o Brasil em papel de destaque diante da comunidade internacional. Sozinho, o Brasil reduziu, em 2010, o dobro dos índices verificados por todos os países desenvolvidos. Além disso, a redução de gases gerada pelo controle do desmatamento em apenas um ano equivale às emissões totais anuais de locais como a Espanha e o Reino Unido. Essa notícia, de fato, é muito boa. Mas muito ainda tem que ser feito. Por exemplo: o governo tem que investir ainda mais no combate ao desmatamento, contratar mais agentes e guardas florestais. Cabe ao nosso país não decepcionar todas as expectativas mundiais criadas com a proteção à nossa natureza, principalmente em relação à floresta amazônica. Mas não podemos esquecer jamais que 24

O Mensageiro

reprodução

O desmatamento ainda é um desafio a ser vencido pelo país o desenvolvimento sustentável não pode existir sem pensarmos nas pessoas e no bem comum. Desenvolvimento sustentável significa não só a proteção à natureza, mas também criar trabalho e condições dignas de vida para as pessoas. A CNBB já nos alertou para o tema em 2011, com a campanha da fraternidade, com o tema: Fraternidade e a vida no planeta: A criação geme como em dores de parto. Esse é o caminho para construirmos aqui e agora o reino de amor e justiça prometido pelo Evangelho.

Junho 2014

(*) Robson Leite é professor, escritor, funcionário concursado da Petrobras e foi Deputado Estadual de 2011 a Janeiro de 2014. É paroquiano da Igreja da Nossa Senhora do Loreto há mais de 30 anos, tendo sido fundador e coordenador do Grupo de Fé e Política da paróquia. Também foi coordenador da Pastoral de Crisma, MEJ e da Pastoral da Juventude e, atualmente, participa da Pastoral dos políticos católicos da arquidiocese, dos círculos bíblicos e é voluntário da Rádio Catedral Site: www.robsonleite.com.br Página do Facebook: www.facebook.com.br/robsonleiteprofessor


Anote em sua agenda Junho

Dia 1º

Crisma – Pelo P. Robert – 15h no Loretão

Dia 3

Conselho Pastoral – às 20h30m – Col. S. Antônio.

Dia 8

Apresentação do Coral na missa de 10h30m e na Festa Junina.

Dia 18

Confecção dos tapetes de sal – 20h ( todas as pastorais e movimentos)

Dia 19

Corpus Christi ( dia santo de guarda)

Dia 27

Missa em honra do Sagrado Coração de JesusMEJ 19he 30m Festa em homenagem ao sagrado Coração de Jesus – MEJ ( após a missa) Missas nos Hospitais e Casas de Saúde e outros

- CATI

Dia 13 - às 16h

- Estância São José

Dia 20 às 16h

- Hospital Rios D’OR

Dia 27 às 15h

- Missa no Conjunto Independência

Dia 11 – às 19:30h

- Missa no Colégio Bahiense

Dia 06 às 18h Catequese

- Batismo da Catequese

Dia 08 – às 10:30h n Santuário

- Retiro anual da Catequese da Arquidiocese

Evento realizado fora

- Rebanhão

Dia 07 das 08 às 12 no Cepar

- Retiro espiritual do MEJ

Dia 15 ( das 07 às 17h)

- Retiro para os Catequistas do Loreto

Dia 29 – ( das 07 às 15h e 30m Pastoral da Família

- Santificação do Matrimônio

Dia 27 após a Missa das 19H e 30m Pastoral da Juventude

- Retiro do Namoro Cristão

Dia 10 ( Ir. Graça) – Evento realizado fora. Ação Social

Entrega de bolsas aos assistidos

Dia 29

Festa Junina

Dias 6, 7 e 8 na praça N. S. de Loreto.

Festa Junina da Alfabetização

Dia 11

Festa Junina do EJC

Dia 28 - Evento realizado fora.

Festivas:

Curso: Grupo de Oração Jesus Ressurgiu

Toda segunda-feira às 14h30m – Santuário

Grupo de Oração N. Sra. de Loreto

Toda segunda-feira às 20h30m – Santuário

Terço dos Homens

Toda terça-feira às 20h30m – Santuário

Terço da Misericórdia

Toda quarta-feira às 15h - Santuário

Coral do Loreto

Ensaios toda segunda-feira às 17h e sexta-feira às 20h - Salão Zaccaria.


loretinho

Elaborado pelas Irmãs de Belém

Junho, mês do Sagrado Coração de Jesus!

Querido (a) amigo (a), “O Coração de Jesus foi aberto pela lança. Jorrou Sangue e água. Amou-nos até o fim. Não é fácil ser bom, às vezes nos tomam por bobos, ou por fracos; mas vale apena acreditar que o homem é feito à imagem e semelhança de Deus, que possui a chama desse Divino Coração e anseia por amor e felicidade embora se saia frequentemente tão mal nessa busca, procurando endereços errados.” (Madre Maria Helena Cavalcanti) Neste mês a Igreja nos convida a contemplar de modo particular o Sagrado Coração de Jesus, contemplar e deixar-nos transformar por Ele, pois Jesus é o único endereço e se faz exemplo: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração.”

PARA REZAR... Dia 9 de junho - São José de Anchieta.

CAÇA-PALAVRAS Procure no diagrama: Festa da Eucaristia que celebraremos neste mês. Cidade Fundada por São José de Anchieta. Dom do Espírito Santo Virtudes do Coração de Jesus (2) Congregação Religiosa de José de Anchieta

Anote em sua agenda... 12 de Junho a 16 de julho – Recesso para as atividades da Catequese da Infância e Adolescência. 29 de junho – Retiro para os catequistas no CEPAR.

26

O Mensageiro

Junho 2014


28

O Mensageiro

Junho 2014

Profile for Loreto

O mensageiro jun2014  

O mensageiro jun2014  

Advertisement