Page 1

Ano XXXIV - nº 398 Janeiro de 2018 Distribuição gratuita Informativo da Paróquia Nossa Senhora de Loreto Fundada em 6.3.1661 www.loreto.org.br


Índice Expediente EDITOR CHEFE: Pe. Sebastião N. Cintra DIREÇÃO ESPIRITUAL: Pe. Sebastião N. Cintra COORDENAÇÃO: Hélia Fraga EDIÇÃO: Ana Clébia CONSELHO EDITORIAL: Pascom Loreto FOTOS: Dennys Silva, Geraldo Viana e David Martins CAPA: Corredeira COMERCIAL: Bira e Claudete DIAGRAMAÇÃO: Lionel Mota IMPRESSÃO: Gráfica Grafitto

14

Editorial................................................................................................................................ 3 Temas Bíblicos.................................................................................................................... 4 Profissão de Fé.................................................................................................................... 5 Espaço teológico ................................................................................................................ 6 Loretando............................................................................................................................. 7 O ano do leigo..................................................................................................................... 8 Bem-Estar...........................................................................................................................10 Loreto em Ação.................................................................................................................12 Festa da Padroeira 2017 �������������������������������������������������������������������������������������������������14 Coluna Jovem....................................................................................................................18 Santuário da Adoção.......................................................................................................19 Escritos de Santo Antônio Maria Zaccaria ���������������������������������������������������������������20 Pé na estrada, terço na mão ������������������������������������������������������������������������������������������21 Falando Francamente.....................................................................................................22 São Timóteo e São Tito..................................................................................................23 Fé e Política........................................................................................................................24 Anote em sua Agenda......................................................................................................25 Loretinho............................................................................................................................26

Expediente Paroquial MATRIZ PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE LORETO End.: Ladeira da Freguesia, 375 - Freguesia Jacarepaguá - RJ - CEP 22760-090 Tel.: 3392-4402 e 2425-0900 Emails: adm@loreto.org.br (Administração) secretaria@loreto.org.br (Secretaria) Site: www.loreto.org.br

NOSSA SENHORA DO AMPARO Est. de Jacarepaguá, 6883 Anil - Tel: 2447-6802

4ª18h Sáb 16h (catequese) Dom 7h30

HORÁRIO DA SECRETARIA Segunda a Domingo das 08:00 às 20:00 horas HORÁRIO DAS MISSAS Segunda a sexta7h e 19h30. Sábado7h e 18h30. Dom7h; 8h30 (crianças); 10h30 e 19h.

marcar) Sábado de 9 às 11h na secretaria

CONFISSÕES 3ª a 6ªde 9 às 11h e de 15 às 17h 3ª a 6ª das 20h às 22h. (Ligar antes para

BATISMO Atendimento na Sacristia Inscrições - 5ª e Sábado9h às 11

CAPELAS Endereços das Capelas e os Horários das Missas NOSSA SENHORA DE BELÉM

SANTO ANTONIO

Rua Edgard Werneck, 217 - Freguesia Tel: 2445-2146

Rua Edgard Werneck 431 Freguesia Tel: 3094-4139

Terças e Quintas 17h30 Dom 16h30

Nossa Senhora da Piedade

SÃO JOSÉ (CARMELO)

Estr do Pau Ferro. 945 Freguesia - Tel:3392-2521

Rua Timboaçu, 421 Freguesia - Tel: 3392-0408

3ª, 4ª e 5ª - 6h15 Domingo - 9h

EUCARISTIA para doentes Atendimento domiciliar e hospitalar. Marcar por telefone com a Secretaria.

Seg. a Sábado 7h30 Domingo 9h

Terças-feiras 17h30 Quarta, quinta e sexta 6h30 Sábados 18h Domingos 10h30 NOSSA SENHORA DA PENNA: Ladeira N. S. da Penna, s/nº Tel. 2447-9570

Dom 11h


Feliz e abençoado Ano Novo!

Editorial Pe. Sebastião Noronha Cintra*

Querido paroquiano, prezado leitor. Feliz e abençoado Ano Novo! Com estes votos quero marcar o início de mais um ano a ser vivido como o tempo do Senhor. Será oportunidade para sentir sempre a presença do Deus salvador que recebemos no Natal. É tão importante que essa presença não seja experimentada somente nas festas do fim do ano. Os grandes apelos do dia mundial da Paz, contidas na Mensagem do Papa Francisco, devem nortear o agir dos fiéis para que haja paz no mundo. O que impressiona é o número dos migrantes, foco da mensagem deste ano. No mundo são mais de 250 milhões os migrantes e, dentre eles 22,5 milhões os refugiados. E estão em todos os lugares da terra, procurando um lugar para viver em paz. “Estamos cientes de que não basta abrir os corações para o sofrimento deles. Há muito que fazer antes de os nossos irmãos e irmãs poderem voltar a viver em paz.” E o Papa deixa quatro marcos para a ação: acolher, proteger, promover e integrar os refugiados e migrantes. Dessa forma, o Papa se une aos Pactos Globais a serem aprovados pelas Nações Unidas para a implementação desses quatro verbos nas políticas públicas e também na conduta e ação das comunidades cristãs. Dia primeiro de janeiro é o dia escolhido pelo calendário litúrgico para celebrar Nossa Senhora com o seu título mais significativo: Mãe de Deus. Esta solenidade surgiu na Liturgia depois do Concílio Vaticano II, mas este título foi proclamado como verdade de fé pelo Concílio de Éfeso em 431. Nosso Santuário celebra assim mais uma data mariana, a do mais importante título de Nossa Senhora. Os Bispos do Brasil proclamaram 2018 o “Ano do Laicato”. Conforme o documento Lumen Gentium do Vaticano II, o lugar do leigo é o mundo, em todas as profissões e trabalhos, na vida familiar e social, na trama de sua existência. Explica o papa Paulo VI: “Sua tarefa é (...) o vasto e complicado mundo da política, da realidade social e da economia, como também o da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos ‘mass media’ e, ainda outras realidades abertas à Evangelização, como sejam o amor, a família, a educação das crianças e dos adolescentes, o trabalho profissional e o sofrimento.” (Evangelii Nuntiandi, 70) Enorme trabalho, mas que é confiado aos leigos, a imensa maioria do povo de Deus. Nesse dia 6 de janeiro lembramos agradecidos a chegada, em 1921, dos Barnabitas à nossa paróquia. Nesses 97 anos queremos agradecer a Deus pelo trabalho, dedicação e testemunho de tantos padres e irmãos barnabitas. Maria, Mãe da Igreja, rogai por nós.

O lugar do leigo é o mundo, em todas as profissões e trabalhos, na vida familiar e social, na trama de sua existência

Janeiro 2018

O Mensageiro

3


Temas bíblicos

Carta aos colossenses (4) Cl 1,24-2,5: O Apóstolo

Padre Fernando Capra

comentariosbiblicospadrefernandocapra.blogspot.com.br

E

stamos diante de uma perícope de cunho autobiográfico. Ela nos permite entender a grandeza moral e a santidade segundo a qual Paulo vive a sua vocação. Paulo nos garante que o que se apresenta como causa de sofrimento enquanto vive o seu ministério é, de fato, a fonte da sua mais profunda alegria espiritual, no Espírito Santo. Isto porque, como já lembrava em Rm 5,3, desse modo, a sua vida acaba associada a Cristo Jesus na sua paixão. A mesma alegria, agora, está nele, porque está vivendo a sua imolação por Cristo Jesus. O trabalho vivido para que a salvação merecida por Cristo com a sua Morte chegue a todos e produza fruto de vida eterna neles, é a complementação que o dignifica e é, também, sua fonte de vida. Enquanto o trabalho apostólico o consome, ele produz vida não somente naqueles aos quais anuncia o Evangelho, como, também, em si. Ele trabalha, portanto, com toda dedicação, motivado até pela riqueza da Palavra que anuncia e que provoca plenitude de vida em quem o escuta. A sua mensagem é Cristo “Riqueza da Glória e esperança da Glória” (1,27). Trata-se da Revelação com que Deus quer enriquecer e tornar a todos perfeitos em Cristo Jesus. Por causa disso, Paulo sente-se profundamente motivado a viver, no máximo da sua dedicação, o seu ministério apostólico, “insistindo com todos os homens e instruindo-os em toda sabedoria” (v.28). A condição a que o levou a constância, adquirida pela perseverança nas tribulações, que coroou a sua caridade com uma esperança que nunca esmorece, produz nele uma força, fruto do poder do Espírito Santo, que o leva a trabalhar com todo empenho e a promover nos fiéis os dons do Espírito, condição para que neles

despontem os seus frutos de “amor, alegria, paz, longanimidade benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e autodomínio” (Gl 5,22). O intuito dessas confidências todas é aquele de alcançar a consideração dos colossenses a respeito do seu grande esforço para que, por ele sustentados na fé, guardem “a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Ef 4,3), a partir do entendimento pleno do “Mistério de Deus, que é Cristo” “no qual se acham escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento” (2,3). Paulo espera que a sua argumentação ajude os colossenses a distinguir entre os falsos doutores e ele, que somente deseja que fiquem na disciplina correta e firmes na fé em Cristo. A exposição que Paulo faz da sua condição de Apóstolo apresenta formas invejáveis de santificação das quais podem usufruir os próprios fieis. Cada um deles pode experimentar a consolação de completar na sua carne o que falta à Paixão de Cristo, caso viva a mesma solidariedade do Apóstolo em relação à Igreja. Tanto isto é verdade que o próprio Paulo lembra aos que abraçaram a fé que eles poderão crescer em santidade e se tornarem herdeiros do Céu caso se preocupem em propagá-la e dela dar testemunho, perseverando nas tribulações que derivam das perseguições. É nessas condições que os dons do Espírito se desenvolvem nele, a ponto de experimentar o poder do Espírito que o torna apto para toda boa obra à qual Deus o destinou. Torna-se capaz de “entender profunda e plenamente o mistério de Deus Pai e de Jesus Cristo” (3,2), porque “Aquele que iniciou nele a sua obra, a leva à perfeição pelo Filho”.

A exposição que Paulo faz da sua condição de Apóstolo apresenta formas invejáveis de santificação

Este espaço pode ser seu! 3392-4402 / 2425-0900 99916-9699 4

O Mensageiro

Janeiro 2018

Acesse nosso site e saiba de tudo que acontece no Loreto www.loreto.org.br


Profissão de Fé Jane do Térsio

Creio na vida eterna

A

o morrer, o cristão vê a morte como um caminhar ao encontro de Jesus e uma entrada na Vida Eterna. A vida eterna começará logo depois da morte. Ela não terá fim, pois nossa alma é espiritual e como tal é imortal. Será precedida para cada um por um juízo particular por obra de Cristo, juiz dos vivos e dos mortos, e será sancionada pelo juízo final. O Juízo Particular O Novo Testamento afirma a retribuição, imediatamente depois da morte, de cada um em função de suas obras e de sua fé. A parábola do pobre Lázaro e a palavra de Jesus na cruz ao bom ladrão, assim como outros textos do Novo Testamento, fala de um destino ultimo da alma, que pode ser diferente para uns e outros. Na morte, cada pessoa chega ao momento da Verdade. Nessa altura nada mais pode ser reprimido ou ocultado, nada mais pode ser alterado. Deus nos vê como somos. Talvez tenhamos de passar por um processo de purificação, no purgatório; talvez possamos entrar de imediato na felicidade do céu ou talvez estejamos tão cheios de maldade, de ódio que afastando a nossa face do amor de Deus para sempre, caímos na condenação eterna no inferno. O Céu O Céu é o fim último e a realização das aspirações mais profundas do homem, o estado de felicidade suprema e definitiva. Os que morrem na graça e na amizade de Deus, e que estão totalmente purificados,

são reunidos em torno de Jesus e de Maria, dos anjos e dos santos. Formam a Igreja do céu. Vivem para sempre com Cristo. São para sempre semelhantes a Deus, por que o vêem “tal como ele é” (1 Jo 3,2), face a face (1 Cor 13,12), vivem em comunhão de amor com a Santíssima Trindade, intercedendo por nós e ajudando nossa fraqueza por sua solicitude fraterna. Por sua Morte e Ressurreição, Jesus Cristo nos “abriu” o Céu. A vida dos bem-aventurados consiste na posse em plenitude dos frutos da redenção operada por Cristo para os que creram nele e que ficaram fiéis à sua vontade. Este mistério de comunhão bem-aventurada com Deus e com todos os que estão em Cristo supera toda compreensão e toda imaginação. A Escritura usa imagens tais como: vida, luz, paz, festim de casamento, vinho do Reino, casa do Pai, Jerusalém celeste, Paraíso, mas como diz São Paulo na 1 Cor 2,9: “O que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem não percebeu, isso Deus preparou para aqueles que o amam”. Por ser Deus transcendente, Ele só poderá ser visto tal como é quando Ele mesmo abrir seu mistério à contemplação direta do homem e o capacitar para tanto. Esta contemplação de Deus em sua glória celeste é o que a Igreja chama de “visão beatífica”. A purificação final ou Purgatório O Purgatório frequentemente imaginado como um lugar é an-

tes um estado dos que morrem na graça e na amizade com Deus, mas, embora seguros de sua salvação eterna, passam depois de sua morte, por uma purificação necessária a fim de se santificarem para poderem entrar na bem-aventurança celeste. Lembremos que a purificação final dos eleitos no purgatório é completamente distinta do castigo dos condenados. Sobretudo nos concílios de Florença e de Trento, a Igreja formulou a doutrina da fé relativa ao purgatório, baseando-se em trechos da Sagrada Escritura, de onde tira o ensinamento da pratica da oração pelos defuntos. Assim lemos em 2Mc 12,46: “Eis por que ele (Judas Macabeu) mandou oferecer esse sacrifício expiatório pelos que haviam morrido, a fim de que fossem absolvidos de seus pecados”. Quando uma pessoa morre, não pode fazer mais nada por si. O tempo da prova expirou. O Senhor olha-nos cheio de amor e nós sentimos uma ardente vergonha e um arrependimento pelo nosso comportamento mau. Desde os primeiros tempos da Igreja, ela honrou a memória dos defuntos e em virtude da Comunhão dos Santos, os fiéis ainda peregrinos nesta terra podem ajudar as almas do purgatório, oferecendo por elas orações de sufrágio, em particular o Sacrifício Eucarístico, mas também esmolas, indulgências e obras de penitência.

Janeiro 2018

O Mensageiro

5


Espaço teológico Michele Amaral - Bacharel em Teologia – PUC-Rio

“Já não sou eu quem vive”

N

os últimos meses falamos sobre as relações básicas da vida: com Deus, com o próximo e conosco mesmo. Ainda iremos trabalhar mais sobre essas relações em outros momentos, mas nesse mês iremos conversar um pouco sobre o momento que a Igreja está celebrando, o ano do laicato. Esse tema foi proposto pela Igreja para aumentar a consciência do papel do leigo. Mas quem são os leigos? A palavra Leigo deriva do Latim “laicus” cuja origem vem do grego “laikós”. É sinônimo de “laico” ou “laical”. Na Igreja, leigo é todo cristão batizado que não participa do clero, ou seja, não são ordenados nem fazem parte da hierarquia eclesiástica. Sua vocação principal e primeira é a de buscar o Reino de Deus, exercendo funções no mundo, no trabalho, mas ordenando-as segundo o Plano e a vontade de Deus. Dentro de nossas comunidades os leigos são convidados assumir sua missão, dentro e fora da Igreja. Cada um com sua missão, com direito de agir, testemunhar e animar a sociedade e a Igreja, ou seja, devemos ser testemunhas do Cristo ressuscitado onde moramos, vivemos e trabalhamos. Em nossa missão como batizados podemos agir em diversos ministérios, nos serviços básicos da comunidade de fé, animando a liturgia, a catequese e os serviços eclesiais, círculos bíblicos, grupos de reflexão e outros, bem como o testemunho no serviço aos mais carentes. Mas o nosso ministério não termina dentro da Igreja, mas devemos continuar fora também desenvolvendo relações na sociedade, na política, na economia e em todos os campos que nos ajude a proteger a dignidade humana. O essencial é ser um cristão autentico independente de qual “classe” da Igreja você pertença, pois pelo

Leigo é todo cristão batizado que não participa do clero batismo possuímos a mesma dignidade. Que assumamos a nossa missão para podermos então dizer que somos “Sal da terra e luz do mundo” (Mt 5,13), ou seja, a nossa fé deve transparecer, devemos ter a coragem de sermos diferentes no mundo por meio de nossas obras e que possamos iluminar todos à nossa volta. O leigo sabe bem o sentido das palavras de São Paulo aos Galátas 2,20 “já não sou eu quem vive...” Quando um cristão vive uma verdadeira experiência com Cristo, uma real conversão, nada pode pará-lo. Então, saiba que, independente do que você vive hoje, a graça de Deus é o único caminho para uma vivência de fé e serviço. O Espírito Santo é a fonte da mudança, e é por meio d’Ele que conseguimos caminhar com a Igreja, em direção ao próximo. Você não muda de vida pela Igreja, mas com ela descobre o seu lugar e como é importante o seu testemunho na sociedade. Quem vive essa experiência não consegue ser mais o mesmo.


Loretando Paulo Sobrinho e Solange - loretando@oi.com.br

Bom ano para todos

B

em amigos do Loreto, mais um ano que se vai e muita ansiedade pelo que virá. 2017 foi um ano tenso, onde para tudo e para todos tivemos dificuldades. Definitivamente não foi um ano fácil. Nunca tivemos tanta necessidade de se apegar a Deus e a Nossa Senhora, pois o que tínhamos pela frente era muito pesado e precisava de força máxima para superar. Começamos e terminamos o ano sem empregos e sem salários, quem dependeu do estado ficou literalmente a mingua, tem servidores que até hoje não recebeu o décimo terceiro de 2016. Um ano em que a corrupção nos foi jogada na cara e tivemos a terrível sensação de impotência, nada poderíamos fazer, até mesmo quando recorremos à corte suprema do país e lá nos decepcionamos também, pois a classe política mostrou não ser merecedora de nossa consideração e respeito. Juntando a isso, vimos a família ser chacoalhada e jogada ao chão com tantas “novidades” e por pouco não nos esquecemos do Cristo para nos amparar e segurar as pontas. Foi um ano de muita oração e somente assim chegamos ao final deste ano, inteiros, com alguns arranhões aqui e ali, mas muito firmes nas nossas convicções. Tivemos muitos desafios e todos eles foram superados. Não será diferente o

ano que vem, pois nossa missão é lutar sempre, temos muito que remar para chegar ao porto seguro, mas vamos conseguir. Desejo a todos um ano novo de muita luz e paz no coração, que Jesus Cristo possa nos perdoar das nossas faltas, como sempre, e até aquelas que não julgamos cometer. Jesus e Nossa Senhora são nossos portos seguros, então vamos focar nessa caminhada e saiba que, mesmo com muitas quedas, os braços do Pai será sempre nosso aconchego. Valorize ainda mais sua família e os seus amigos, pois são tudo de concreto que temos, o resto é mera especulação. Creia que o ano novo é muito mais que uma simples troca de datas, mas um bom momento para refletirmos sobre nossas vidas e fazer o possível para que o melhor aconteça, só depende de nós. Fiquem com Deus, aproveitem a virada do ano, comemorem e se encham de forças para uma nova jornada. Vejo vocês por este ano que será de extrema importância para todo o povo brasileiro. P.S. Ano Novo, vida nova. P.S. do P.S. Ano Novo com mais Cristo em nossas vidas.

Janeiro 2018

O Mensageiro

7


O ano do leigo Sabendo da importância do leigo para a Igreja vamos celebrar, no Brasil, no período de 26 de novembro de 2017 à 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”. O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14.

O

s leigos são aqueles que foram incorporados a Cristo pelo Batismo, que formam o Povo de Deus, mas não fazem parte da hierarquia da Igreja. Estão na linha mais avançada da vida da Igreja e devem ter uma consciência clara, não somente de pertencerem à Igreja, mas de “serem e sentirem com a Igreja”, isto é, a comunidade dos fiéis na terra em unidade com o Santo Padre, o Papa, e em comunhão com seus Bispos, juntos, como Igreja. Para Dom Severino Clasen, presidente da Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato (SC), o papel dos leigos na Igreja é ser testemunho do Cristo ressuscitado onde moram, vivem e trabalham. Através do batismo, os leigos tornam-se membros efetivos no corpo da Igreja, onde Cristo é a cabeça. “É dever de cada batizado conhecer Jesus Cristo, viver seus sentimentos de amor e ajudar os mais necessitados a serem felizes e a todos se santificarem para a glória de Deus”. Dentro da comunidade eclesial os leigos são chamados a cumprir tarefas, como também os ordenados e consagrados. Cada um com sua missão, com direito de agir, testemunhar e animar a sociedade e a Igreja. Os diversos ministérios apontam o horizonte onde o

leigo deve agir, seja na formação, nos serviços básicos da comunidade de fé, animando a liturgia, a catequese e os serviços eclesiais, círculos bíblicos, grupos de reflexão e outros, bem como o testemunho no serviço aos mais necessitados e carentes. Mas há também e, não menos importante, a missão do leigo fora da Igreja, que está na sociedade, onde vive e busca seu sustento. O leigo concentrou-se demais nas funções dentro da Igreja e esqueceu-se da sociedade, lugar onde ele vive e trabalha. Por isso, tanta injustiça, tanta corrupção e tanta miséria. É porque os leigos não estão assumindo sua missão na sociedade, na política e na transformação do ambiente onde vivem. Seguir Jesus Cristo é dar condições a todo ser humano para que viva a dignidade de filhos de Deus. Eis então, uma das grandes missões do leigo, que é a de criar condições para a proteção do próprio ser humano também fora da Igreja” O leigo deve ser testemunha de Cristo aonde o sacerdote não chega. Ele deve levar a luz de Cristo aos ambientes de trevas, de pecado, de injustiça, de violência, enfim, ao mundo de hoje, com suas virtudes e mazelas. Assim, no mundo do trabalho, levando tudo a Deus, o

Objetivos específicos  Comemorar os 30 anos do Sínodo Ordinário sobre os leigos (1987) e os 30 anos da publicação da Exortação Apostólica Christifidelis Laici, de São João Paulo II, sobre a Vocação e Missão dos Leigos na Igreja e no mundo (1988);   Dinamizar o estudo e a prática do documento 105, “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade”, e demais documentos do Magistério, em especial do Papa Francisco, sobre o Laicato;   Estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, “verdadeiros sujeitos eclesiais” (Dap, n. 497a), como “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade.

8

O Mensageiro

Janeiro 2018


leigo contribui para o louvor do Criador. Ele constrói o mundo pelo trabalho, e assim coloca na obra de Deus a sua assinatura. O Concílio Ecumênico Vaticano II trouxe à tona mais ainda a atividade do leigo na Igreja: Os leigos que forem capazes e que se formarem para isto podem também dar sua colaboração na formação catequética, no ensino das ciências sagradas e atuar nos meios de comunicação social.” (CIC §906) Os leigos são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, “eles têm a obrigação e gozam do direito, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente por meio deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que sem ela o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito”. (CIC §900). Os leigos podem também sentir-se chamados ou vir a ser chama- dos para colaborar com os próprios pastores no serviço da comunidade eclesial, para o crescimento e a vida da mesma, exercendo ministérios bem diversificados, segundo a graça e os carismas que o Senhor quiser depositar neles.” (CIC §910). Nesse sentido, além do trabalho essencial dos leigos no mundo, a colaboração intraeclesial também é muito importante como membros da Igreja. Após o Concílio, os leigos tiveram sua missão consideravelmente revalorizada, mas ainda não compre-

endida o suficientemente. Existe ainda em muitos lugares uma mentalidade clericalista na cabeça da hierarquia e dos leigos, e isso deve ser superado. Por isso, a Assembleia Geral da CNBB de 2014, trouxe a intenção de aprofundar a missão dos leigos e leigas na Igreja e na sociedade, para quebrar paradigmas e somar forças para encurtar distâncias entre leigos e hierarquia. Juntos devemos compreender que todo o batizado se torna filho da Igreja. Segundo Papa Francisco: “em virtude do Batismo recebido, os fiéis leigos são protagonistas na obra de evangelização e promoção humana”. “Incorporado à Igreja, cada membro do Povo de Deus é inseparavelmente discípulo e missionário. É preciso sempre reiniciar dessa raiz comum a todos nós, filhos da Mãe Igreja”. Busquemos assumir a nossa missão como filhos e juntos construamos uma Igreja santa, agradável, acolhedora e um mundo justo, fraterno e digno de se morar e viver para a glória de Deus. Durante o ano do Laicato serão desenvolvidas diversas atividades para criar consciência do papel do leigo na Igreja. A Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato organizou as atividades em cinco eixos: 1) Eventos; 2) Comunicação, catequese e celebração; 3) Seminários temáticos nos Regionais; 4) Publicações; e 5)“Legados” - o que fica como legado após o Ano Nacional do Laicato (bandeiras de compromisso e ação). Fontes: CNBB; Arqrio; A12.com; News.va/pt Janeiro 2018

O Mensageiro

9


Bem Estar

Cuidados com a pele no verão

Febre Amarela se tor

Eliminação dos focos das larvas do Aedes ae

Proteção solar, hidratação e roupas leves são p estação mais quente do ano também reforça o ale clima facilita a proliferação dos ovos do mosquit Amarela, enfermidade relacionada mais recentem estas doenças são similares e acabam causando avaliação médica para definição da melhor conduta

Aproveitar o sol, com moderação e protetor solar, traz benefícios ao organismo

A dermatologista do Hospital Rios D’Or, Dra. Helena Reich Camasmie, esclareceA Febre algumas quesAmarela é uma doença febril aguda vira desde a década de 80, porém no in tões sobre os principais cuidados amazônicas necessários com cidades como Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia c a pele: - A maioria das pessoas infectadas pelo vírus da Feb

A

Quais as indicações para a proteção da pele no verão? O uso regular do filtro solar é o principal cuiCombate ao Aedes aegypti – A prevenção, com a formade de evitar a doença, mas a vacinação també dado, e deve ser aliado ao uso diário hidratantes Amarela, sendo indicada para moradores ou visitan de idade alcançando eficácia de até 97% aplicados, preferencialmente, após60 anos o banho. UtiliMundial de Saúde. A vacina contra febre amare particulares, éroupas contraindicada para gestant zação de chapéus e bonés, óculos clínicas escuros e seis meses e pessoas com mais de 60 anos. Pacient podemsão ser vacinados com indicação médica, assim com fator de proteção solar também importantes. Não se pode esquecer da ingestão de água que >>>Conheça os principais sintomas da Febre Amar deve ser de ao menos 2 litros por dia.

pele, o maior órgão do corpo humano, deve ter atenção redobrada no verão – estação mais quente do ano. Isso porque é comum que neste período algumas doenças tenham maior incidência, como herpes e micoses. Além disso, são frequentes as queimaduras por sol. O que também é importante é lembrar que os raios ultravioletas são essenciais para a síntese da vitamina D, ativo na regulação do metabolismo do cálcio, entre inúmeros outros benefícios. Portanto, sol com moderação é indicado para todos.

e cefaleia com duração média de dois dias, mas em apresentando dor muscular, nas articulações, náu pode ter hemorragia causando icterícia, um sintom aspecto amarelado. Não existem tratamentos m tratamento visa melhorar os sintomas e, em cas perdido nas hemorragias, diálise para os rins afeta infectologista Sílvia Oliveira, do Hospital Rios D’Or.

Febre Amarela

Zik

Febre alta, O uso do protetor solar é recomendação diária. Febre sempre presente Nos períodos de exposição solar mais intensa

Sintomas

É baixa estar pr

Dores de Cabeça

Sempre presente

Dores nas articulações

Dores principalmente nas costas Ausente

Manchas vermelhas na pele Náuseas

CONSULTÓRIOS MÉDICOS RIOS D'OR - ANÚNCIO 15X9CM

10

O Mensageiro

Janeiro 2018

sexta-feira, 11 de novembro de 2016 17:56:05

Pode estar presente

Sempre p

Dores le podem prese Quase s prese

Ause


o fator de proteção tem que ser maior? Qual a indicação? O fator de proteção solar (FPS) mínimo recomendado é de 30, mas pode variar em função da cor da pele. Mais importante que o FPS é a reaplicação constante do filtro e em quantidade suficiente. No período entre 10h e 16h a exposição solar deve ser evitada.

além de estar associado ao aumento na incidência de tumores de pele, como os carcinomas basocelular, espinocelular e melanoma – o câncer de pele.

Quais as orientações para uso do protetor solar? Aplicar sempre o filtro 30 minutos antes da exposição solar, reaplicar de 2/2 h e sempre após mergulhos no mar ou piscina. Evitar o uso de bronzeadores. Procurar sempre por um filtro com proteção UVA e UVB. Crianças a partir dos 6 meses também devem fazer uso, conforme recomendação do pediatra.

Quais doenças têm maior ocorrência neste período? Nesse período é comum a reativação do vírus herpes simples, pois a exposição solar excessiva é um dos fatores precipitadores de recorrências. Devemos ter atenção para queimaduras provocadas por frutas cítricas, como limão, figo e caju. Sempre que houver contato com essas frutas, lembrar de lavar bem as mãos antes da exposição solar. A incidência de micoses também aumenta devido a maior sudorese, pois os fungos se proliferam mais em ambientes quentes e úmidos.

Quais são os perigos do bronzeamento excessivo? O excesso de exposição solar causa dano às células da pele, podendo resultar em queimaduras e bolhas,

Hospital Rios D’Or Estrada dos Três Rios, 1366 Freguesia - Jacarepaguá RJ (21) 2448-3600

m e a t s e f Sua ! o l i t s e alto Andrea ou Rita (21) 3392-4402 / 2425-0900 r.205 Ladeira da Freguesia, 250 Freguesia - Jacarepaguá adm@loreto.org.br - www.loreto.org

Janeiro 2018

O Mensageiro

11


Loreto em Ação

Escola Mater Ecclesiae

E

m março serão abertas as inscrições para a nova turma da Escola Mater Ecclesiae, destinada à formação de catequistas, professores de religião e para todos que desejam aprofundar seus conhecimentos sobre a doutrina católica. Idealizada há 54 anos pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e, posteriormente, elaborada pelo Pe Dom Estevão Bittencourt, a Escola Mater Ecclesiae (EME) é um órgão da Arquidiocese do Rio de Janeiro, que oferece o curso com aulas presenciais em 34 núcleos na cidade e também 24 cursos, por correspondência, para todo o Brasil. Na paróquia N.S. de Loreto, a EME, cujo título é uma homenagem à Virgem Maria, Mãe da Igreja, é coordenado pela Irmã Lúcia, da Congregação N. S. de Belém. O curso é composto por 17 módulos como Teologia, Sagrada Escritura, História da Igreja, Psicopedagogia Religiosa, Pastoral Catequética, Liturgia, Cristologia e Mariologia, entre outros. As aulas são ministradas nas salas de Catequese do Loretão, aos sábados, das 13h30 às 18h. O objetivo da EME é propiciar “uma formação doutrinária básica e sólida, que permita ao estudante sentir a beleza e a coerência das verdades católicas”, como explica o site www.materecclesiae.com. br da Arquidiocese. O curso, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), tem duração de três anos e meio e conta com um corpo docente composto por padres, diáconos, religiosos e professores leigos, graduados e, vários, com doutorados nas principais faculdades de Teologia, Filosofia e Pedagogia do 12

O Mensageiro

Confraternização no encerramento do Ano Letivo de 2017. Rio de Janeiro. Entre os estudantes, encontramos pessoas de diversas formações e idades, unidas pelo desejo de se aprofundar na fé cristã, como a guia de Turismo Kátia Carneiro que se sente, após um ano de curso, mais segura em relação à nossa religião: “Estou muito agradecida pela oportunidade de conhecer melhor o catolicismo”. Já a advogada Daniele Soares se matriculou no EME do núcleo Freguesia, após a formação para a Crisma: “Que curso maravilhoso! Que professores iluminados pelo Espírito Santo!” A nutricionista Márcia Andrade resolveu acabar com a curiosidade e realizou seu desejo de fazer o curso “As matérias são fascinantes! Estou gostando muito”, disse.

Janeiro 2018

Além do alto nível dos professores e da qualidade do conteúdo doutrinário, a EME conta com o carinho e a doçura das Irmãs de Belém, sempre atenciosas com os alunos. Elas aquecem nosso estado de espírito, semanalmente, com frases-pensamento como esta: “Se formos almas conquistadas por Deus, seremos almas conquistadoras para Deus” (Madre Mª Helena Cavalcante). Mas é em Mateus 5,13 - “Vós sois o sal da terra e luz do mundo”, e em Atos 13,47 – “Porque o Senhor assim no-lo mandou: Eu te estabeleci para seres luz das nações e levares a salvação até os confins da Terra”, que vem nossa maior inspiração. Não perca esta chance, faça a sua inscrição. Colaborou: Solange Ribeiro – EME.


Coral Nossa Senhora de Loreto

T

radicionalmente o Coral Nossa Senhora de Loreto encerra as suas atividades com apresentações em vários locais, para trazer a alegria, a todos os ouvintes. Em 2017 iniciamos o mês de dezembro com uma Cantata, no dia 08, no CATI, um abrigo para pessoas da terceira idade. A Cantata foi precedida de uma Celebração Eucarística, presidida pelo Pe. Sivonaldo. Logo após a apresentação, participamos da Novena da Padroeira e nos apresentamos após o encerramento dela. No dia 09/12 o Coral apresentou-se no MAP, com uma coletânea de músicas clássicas e do cancioneiro popular. No dia 10/12 a apresentação foi durante a Missa Solene da Padroeira, celebrada pelo nosso Cardeal Arcebispo Dom Orani João Tempesta. No dia 15/12 fizemos uma apresentação na Estância São

José, outro abrigo para pessoas da terceira idade. Nessa apresentação inovamos ao apresentarmos músicas populares, como Carinhoso, Cidade Maravilhosa, Aquarela do Brasil, e outras, o

que fez com que o público todo participasse cantando junto com o Coral, o que trouxe para todos os coralistas muita alegria. Finalmente a tradicional Cantata de Natal, realizada no dia 16/12, no Santuário, após a missa das 18h30min. O Coral Nossa Senhora de Loreto deseja a todos os paroquianos um Feliz Ano Novo com muita Paz e realizações. Colaborou: João Adauto Ramos

Janeiro 2018

O Mensageiro

13


Festa da Padroeira 2017

A

Festa da Padroeira já se consolidou como um tempo de convivência interpastoral em nossa comunidade de fé. É tempo de confraternizar, conhecer pessoas, reforçar amizades antigas e, sobretudo, unir esforços para oferecer a cada ano uma festa melhor, bem à altura de Nossa mãezinha e Padroeira, Nossa Senhora de Loreto. Que sorte a nossa, termos Maria como padroeira! Exemplo de santidade e de dedicação sem limites, Maria vem abençoar a cada um de nós, como mãe amorosa, e, como a festa sempre se dá no tempo do advento, ela nos insere ainda mais à preparatória para chegada do Filho, no Natal que se aproxima. Começando pela novena, 01/12 a 09/12, cujo tema geral foi Maria Nossa Mãe, Loreto Nosso Santuário, iniciava-se com a reza do Santo Terço, seguida celebração da Eucarística e uma benção, dedicada a um público especifico, como crianças, jovens, idosos, casais etc. Quem conseguiu acompanhar todos os dias da novena, aproveitou os momentos de extraordiná14

O Mensageiro

Janeiro 2018

rias meditações propostas nos temas apresentados a cada dia: A Tenda do Encontro; Maria Mãe que cuida dos seus filhos para que tenham grandes ideias; Santuário, sinal de esperança; Maria sustento dos cristãos; Santuário sinal da presença do Pai; Maria é a mãe que nos leva a Deus; Santuário lugar da Palavra e da Escuta; Toda a existência de Maria é um hino de amor à vida e, por fim, Santuário Profecia do Amanhã de Deus no Hoje do Mundo. Também, a cada dia, duas ou mais pastorais e/ou movimentos se encarregaram de conduzir os terços e o lanche no final. No dia 09/12, sábado, como costume aconteceu a grande carreata pelas ruas do nosso bairro, atraindo a atenção das pessoas que se apressavam para conseguir pegar um dos terços benzidos pelo Pe. Sebastião, antes da saída. Muitos se emocionavam, acenado e saudando a nossa Mãe. A festa como um todo, mais do que um espaço de convivência ou fonte de arrecadação de recursos para a paróquia é, sobretudo, uma oportunidade de divulgação da devoção a Nossa Senhora, mas a carreata, especialmente, é quando preenchemos um


espaço vago no coração das pessoas que raramente sobem a ladeira para ir ao encontro da Mãe e do Filho. É o momento quando vamos ao encontro dessas pessoas, levando a elas a certeza de um olhar vigilante da mãe, que ora pelos filhos, que intercede por eles, aliás, por todos nós. Que preciosidade é essa festa, em cada detalhe, em cada atividade realizada! Esse espaço é pequeno para contar. A chegada da carreata, de volta ao Santuário, foi re-

cebida pela Banda da Aeronáutica, que homenageou lindamente a sua padroeira, permanecendo ali durante a reza do Terço Luminoso, que caminhou do Santuário com a imagem de Nossa Senhora até o Loretão, onde se deu a Santa Missa e iniciou-se após, a festa externa, com barracas e atrações musicais. No domingo, dia da Padroeira e do Santuário Aberto, nosso Cardeal Arcebispo Dom Orani João Tempesta, celebrou a missa solene, às 10h30min horas, com


a apresentação magnífica do Coral Nossa Senhora de Loreto. Emocionante! Durante o dia, intenso revezamento nas barracas, garantiu a permanência das pessoas que ali almoçaram, lancharam e aproveitaram as atrações. À noite, após a Missa, que foi antecipada para as 18h00min horas, o EJC apresentou o auto de Natal, relatado a seguir pelo Alan Luiz Abreu. O resultado financeiro líquido da festa, foi de R$ 7.900, que irá ajudar nas despesas da paróquia do mês de janeiro, quando a arrecadação do dízimo sempre sofre queda em função das férias, mas, como já dito, o saldo desses dias foi valioso, aos olhos do Pai. Enche nosso coração de esperança, nos renova e fortalece a fé. Também, nessas últimas linhas, queremos parabenizar toda a equipe do Santuário, os chamados guardiões, em especial ao Vitor e a Julia, incansáveis na preparação da parte religiosa da festa. Também a Comissão de Eventos, que organizou, contratou e preparou a festa externa e enfim a todas as pastorais, grupos e movimentos por sua participação fiel. Ana Clébia e Adauto – Pascom.

16

O Mensageiro

Janeiro 2018


Auto de Natal Na noite do dia 10 de dezembro, como de costume, após a Missa da noite, o grupo de teatro do EJC encenou um lindo auto de natal. Esse ano os jovens se vestiram de crianças, que enquanto esperavam o papai Noel chegar, ficavam se perguntando de onde ele vinha. Ele explicou que a sua origem é da Turquia um lugar ‘bem mais quente’ do que o polo norte. Ele também disse que as crianças podiam falar com ele todas as noites em suas orações ao invés de pensar nele só no Natal, como é de costume. Contaram também em paralelo, a história do menino Jesus, como sua mãe, Maria, o concebeu e que na manjedoura ele foi presenteado pelos reis magos com ouro, incenso e mirra. O último ato da peça foi Maria apresentando Jesus ao público cantando a música Anunciação (Tu vens) do cantor Alceu Valença, para anunciar

o nascimento do Menino Jesus. Essa foi, sem dúvida, uma das melhores encenações do auto, realizada pelo EJC. Emocionou ao mesmo tempo em que divertiu, tirando do público presente lágrimas e sorrisos. Alan Luiz Abreu – Pascom.

Janeiro 2018

O Mensageiro

17


#ColunaJovem Temos um encontro marcado com o Papa Francisco

O

ano acabou de começar... Janeiro é aquele mês que começamos a escrever uma lista de coisas, resoluções e planos para ao longo dos 12 meses do ano irmos realizando ou pelo menos queimando etapas para até a hora dos fogos no fim do ano termos cumprido, né? Então, aproveita que o ano está no início e que você tem um pouquinho mais de 12 meses para juntar as economias, planejar, programar férias, ajustar os documentos e embarcar rumo ao Panamá. Aí você me pergunta: O que eu vou fazer no Panamá em 12 meses? É, se você realmente se fez essa pergunta, vamos relembrar aqui... Junho, 2013, Copacabana, peregrinos... Sacou agora? Éééé, como o tempo passa rápido... Desde lá, já foi uma galeeeera pra Cracóvia encontrar com o Papa e toda juventude católica do mundo, e novamente o Papa vem pra América, para a 37ª edição da Jornada Mundial da Juventude! Dessa vez, o encontro tá marcado lá no Panamá – e calma, não é tão impossível você estar lá! As JMJs são encontros incríveis que acontecem normalmente de 3 em 3 anos (com algumas exceções), cada vez em um país diferente, onde normalmente por uma semana, católicos do mundo inteiro estão reunidos em catequeses, eventos culturais, exposições, missas com o Papa, eventos musicais, rezando, celebrando, falando línguas diferentes, mas comunicando ao mesmo tempo um mesmo ideal! Não tem como explicar, só vivendo (e certamente seu coração deu uma acelerada se você já participou de pelo menos uma) para entender o que isso vai significar pelo resto da sua vida! Mas vamos ao que interessa! Quando e onde vai ser? A JMJ vai acontecer de 22 a 27 de janeiro de 2019, no Panamá. Ou seja, tá na hora de planejar isso aí! Hehehehehe Como eu faço para participar?

O primeiro passo é entrar no site oficial (www. panama2019.pa), ler tudo com calma e depois disso procurar ou montar seu próprio grupo. De maneira resumida, o seu responsável vai te ajudar a se inscrever e efetuar sua inscrição – e quanto antes, melhor! Mas se eu não tenho condições de comprar passagem e/ou a inscrição? Eu sei que levantar tantos mil dinheiros assim em um ano não é uma missão tããão fácil, mas também não é impossível. Sabe aquele tio que vive viajando e compra coisa a beça no cartão de crédito? Pede umas milhas pra ele de presente. E aquele dinheiro que você ganha pra sair e comer na rua? Já pensou em dar uma segurada nas saídas, comer em casa e fazer uma mini-poupança? Seu aniversário certamente não passou, então aproveita e quando alguém te perguntar o que você quer de presente, já sabe... Fala que tá juntando dinheiro pra viajar, converte seu presente em dinheiro e economiza aí também! Fora isso, tá valendo organizar rifa, vender doce, pastel, qualquer coisa pra levantar uma graninha... Com força de vontade, dá pra chegar lá! Pega aquela lista de metas do ano e inclui a JMJ nela, você certamente não vai se arrepender... Não é só uma viagem, nem só um encontro com o Papa... É uma viagem onde você e o Papa vão encontrar toda juventude do mundo e vivenciar verdadeiramente o que é ser Igreja! Você não vai se arrepender! Aline Paggy - Pascom


Santuário da Adoção

Atitude adotiva Toda pessoa pode colaborar com a divulgação da nova cultura da adoção, para que este gênero de filiação possa ser entendido pela sociedade como realmente é: um encontro de amor, terno e eterno, que se destina a formação de um vínculo de paternidade ou maternidade responsável. Mesmo que uma pessoa não se sinta apta ou não deseje adotar uma criança, sua participação nesta causa é valiosa: pode ajudar a vencer preconceitos, reverter abandonos, educar a juventude e dialogar com as autoridades. Todo tipo de colaboração é bem-vinda. Você pode: yy Apadrinhar afetivamente uma criança institucionalizada, visitando-a, dando a ela um pouco de afeto; yy Ser voluntário numa instituição de acolhimento (abrigo), de acordo com sua aptidão e tempo disponível; yy Criar ou apoiar um grupo de apoio à adoção, promovendo reuniões sobre o tema, para preparação de pais adotivos bem informados e, dialogar com o Ministério Público, a Magistratura e as equipes técnicas para encontrar soluções para as crianças sem família; yy Ser família acolhedora de crianças em situação de risco social; yy Realizando debates, palestras e eventos nas escolas, igrejas, universidades e nos meios de comunicação sobre o tema, divulgando a adoção como uma forma segura de colocação de crianças em família; yy Informar-se sobre a adoção em seus aspectos legais para poder aconselhar os que desejam descumprir a lei e se expor ao risco de uma “adoção ilegal”;

yy Vestir a camisa da adoção, usar um boton ou adesivo para que a sociedade se acostume a ver o nome adoção, deixando de ser tema de segredo familiar e possa ser celebrada como um encontro de almas; yy Visitar um abrigo para tomar conhecimento da existência de crianças que não vivem em família e descobrir a razão pela qual elas não retornam a suas famílias, nem são dirigidas a outras; yy Dizer ao seu filho, ainda que ele seja apenas biológico, que o ama muito e, desta forma, adotá-lo hoje mesmo; yy Realizar campanhas periódicas para tratar do tema, concursos em colégios para frases ou redações sobre adoção, ir ao abrigo promover um torneio de futebol, uma peça de teatro, uma festa de Natal. yy Você pode, inclusive, ser pai ou mãe por adoção e descobrir um tipo de amor diferente e contundente, que pode transformar sua vida e mostrar que todos nós podemos viver amores sem fim e sem tipologias impostas. Amor e liberdade. Você pode romper a passividade e ser um agente de transformação amorosa do mundo, com atitudes bem simples e ao seu alcance. Um grupo de amigos, os companheiros de um futebol e os irmãos de uma igreja podem ser motivados para esta luta: dar a cada criança uma família, seja a sua de origem, seja a adotiva, qualquer uma das duas, desde que amorosa. Há muitos afazeres. Escolha sua missão. (Sávio Bittencourt – pai adotivo e fundador do Grupo de Apoio à Adoção de Niterói - Quintal da Casa de Ana)

Janeiro 2018

O Mensageiro

19


Escritos de Santo Antônio Maria Zaccaria Para iniciarmos o Ano Novo refletindo mais profundamente a respeito da vida e de como a conduzimos, selecionamos alguns pensamentos dos escritos de SAMZ para que guardemos no coração. “Procure dialogar com Cristo a respeito de tudo que acontecer, até sobre dúvidas e dificuldades, especialmente nos momentos das maiores incertezas, dizendo para Ele o que está a favor e o que atrapalha as suas decisões. Faça isso da maneira mais breve possível, dizendo-Lhe a decisão que parece ser a melhor ou, então, perguntando ao Cristo o que Ele acha a respeito. Certamente que Ele não lhe negará sua opinião, se você insistir; aliás, eu lhe garanto que Ele atenderá os seus pedidos.” “Procure aumentar sempre aquilo que você começou em si mesmo e nos outros, porque o tamanho da perfeição é infinito.” “A oração impede de errar a quem quer andar, e conduz com grande facilidade quem quer progredir.” “Tenham a certeza que Cristo Crucificado tomará a iniciativa antes que vocês falem e estará ao seu lado em todas as palavras e boas intenções.” “A nossa mente pode ser comparada com um moinho d’água que não pára de girar: se você colocar trigo nele, ele mói se colocar joio ou outro grão ruim, ele mói também”. Feliz 2018.

20

O Mensageiro

Janeiro 2018


Pé na estrada Terço na mão Gostaram da nova coluna? Que tal seguir viagem pelo leste europeu? Falemos, então de Viena (capital da Áustria), cidade onde além de nos deparamos com edifícios históricos monumentais e palácios encantadores, podemos visitar uma bela igreja barroca, a Igreja de St Charles Borromeo ou Karlskirche (em alemão).

E

sta igreja foi construída entre 1716 e 1739, fruto de uma promessa de Karl VI ao santo como retribuição ao fim da peste em 1713. Façamos uma pausa aqui... vocês conhecem a história de São Carlos Borromeu? Carlos nasceu em 2 de outubro de 1538 e, em 1562, recebeu a graça do sacerdócio. Ele foi um importante elemento para a reorganização da Igreja Católica, particularmente através do Concílio de Trento. Foi um homem inteligente, mas destacou-se especialmente pela caridade. Ele doou grande parte de sua receita e herança aos pobres, reservando para si, só o indispensável. Quando a  fome e uma epidemia, semelhante à peste,  invadiram a cidade de Milão, ele mesmo pedia esmolas para os pobres, abrindo assim fontes de auxílio aos

necessitados, aos quais também consolava e concedia os santos sacramentos. Em outubro de 1584, teve fortes febres, as quais não deu importância, dizendo:  “Um bom pastor de almas, deve saber suportar três febres, antes de se meter na cama”. A doença progrediu e ele faleceu em 03 de novembro de 1584. O Papa Paulo V, canonizou-o em 1610 e fixou-lhe a festa para o dia 04 de novembro, sendo ele conhecido pelo auxílio às vítimas da praga. Conhecer essa história é o pontapé inicial para admirar os detalhes da Igreja São Carlos cujas colunas em alto-relevo contam a história do santo. Na entrada vemos dois anjos (um segura uma cruz com uma cobra e o outro a cruz de Cristo) simbolizando o Antigo e o Novo Testamento. O triângulo no centro da entrada simboliza

o quanto a peste afetou a cidade, a oração por auxílio e a salvação da cidade. E se a fachada da igreja já encanta, seu interior também guarda belas surpresas como um elevador que te leva ao centro da cúpula, onde visualizamos de perto a representação do Espírito Santo e os afrescos das paredes. Essa cúpula oval atinge cerca de 70 metros e com as grandes janelas da igreja cria uma brilhante nave aberta de onde podemos contemplar a vista aérea da cidade. Se isso já não fosse o bastante, no final do ano, costuma ocorrer uma feira natalina em frente à Igreja, onde podemos saborear quitutes locais e esse ano foi montada uma “grande manjedoura” onde as crianças se divertiam e os adultos descansavam tranquilamente. Por: Giselle Lopes

Janeiro 2018

O Mensageiro

21


Falando Francamente Zamoura

Prezados leitores e amigos, todos os anos em comemoração ao aniversário do informativo O Mensageiro, é celebrada uma Missa de Ação de Graças. A data é mais do que especial, pois é justamente o dia da Imaculada Conceição, 08 de dezembro. Fiz estes versos, pois como não poderia participar da celebração, gostaria que alguém pudesse lê-los no final, mas como isso não foi possível resolvemos publica-lo na coluna. É a nossa singela homenagem. Nosso Loreto se alegra Por motivo verdadeiro Aniversário da revista Me refiro ao O Mensageiro Matérias interessantes Colunas bem redigidas Cada qual com seu estilo Mas todas são sempre lidas Sua distribuição mensal Satisfaz a todos nós É lida pelos papais, E também pelos avós Quanto ao editorial Escrito em cada edição É muito bem redigido Por padre Sebastião

Supervisionando a revista Nosso casal Fraga e Hélia Muito bem assessorados Por Corredeira e Ana Clébia Matéria boa não falta Para o agrado geral Fala em cada movimento E no trabalho pastoral Colunistas conhecidos Que estão sempre na ativa Paulo sobrinho, padre Fernando Robson Leite e o Zamoura da Diva Uma coluna famosa Cuja leitura faz bem Tem nome de loretinho Sempre escrita com carinho Pelas irmãs de Belém Salve, salve O Mensageiro Por mais um ano ativo Que deus abençoe sempre Este nosso informativo Louvores e Glória a Deus Zamoura (da Diva) 15º ECC zamouraediva@oi.com.br


Timóteo e Tito

N

o ano dedicado ao Laicato, nada mais justo do que iniciarmos nossas homenagens da contracapa, trazendo à memória São Timóteo e São Tito, ambos colaboradores do Apóstolo dos Gentios, São Paulo. A correlação entre gentios e laicato pode não ser perfeita, mas analisando a comparação (de forma bastante superficial), sabemos que gentios era o povo pagão, que não seguia as leis e o credo judaico. Esse povo, somado a muitos judeus convertidos ao cristianismo, deu inicio a formação das comunidades de fé cristã, lideradas pelos apóstolos e discípulos de Jesus. Com a multiplicação dessas comunidades, foi formada a Igreja, que as cartas de São Paulo e os Evangelhos escritos pelas comunidades, ajudou a unificar. Já podemos vislumbrar aqui, a constituição hierárquica da Igreja nascente: sucedidos pelos epíscopos (bispos), os Apóstolos tomam a frente no governo da Igreja, ao passo que os ‘setenta e dois’ discípulos, encarregados de trabalhar na messe do Senhor, são como que os precursores dos futuros  presbíteros (padres). Resumindo, o clero substituiu os apóstolos e discípulos na missão do anúncio da Boa Nova e os fiéis continua sendo o povo convertido à Igreja de Jesus, ou seja, os leigos. Terminada a tentativa de correlacionar os gentios e os leigos, voltemos aos nossos santos, dedicados anunciadores do Cristo, sobretudo aos gentios, ao povo mais pobre, as mulheres, aos excluídos de um modo geral. A data de 26 de janeiro foi reservada para celebrarmos as suas memórias, e é justamente, o dia seguinte à festa da conversão de São Paulo, o Apóstolo dos gentios. Timóteo, um santo muito antigo, venerado há muitos e muitos séculos, morreu no ano de 97. Timóteo era o “braço direito” do apóstolo Paulo, seu grande amigo e companheiro, sendo considerado, ao lado do mestre, como o primeiro e corajoso pregador do cristianismo. Quase sempre evangelizaram juntos, mas por várias vezes, Paulo o mandou como representante, em quase todos os lugares importantes daquela época, enquanto ele próprio abria novos caminhos. Timóteo nasceu em Listra, Ásia. Seu pai era grego e pagão, a mãe se chamava Eunice e era judia. Foi educado dentro do judaísmo. Fiel colaborador de Paulo, o acompanhou em suas viagens. Exceto quando ele o enviava para algumas missões nas igrejas que tinham fundado, com o objetivo de corrigir erros e manter a paz. Como fez em Tessalônica, com o seu aspecto de rapaz frágil. Porém “que ninguém

despreze a tua jovem idade”, lhe escreveu Paulo na primeira das duas cartas pessoais. E aos cristãos de Corinto o apresenta assim: “Estou lhes mandando Timóteo, meu filho dileto e fiel no Senhor: manterá em suas memórias os caminhos que lhes ensinei”. Quando Paulo retornou da prisão na Palestina, por volta do ano 66, Timóteo era o bispo de Éfeso e, com este cargo, foi nomeado pelo apóstolo para liderar a Igreja da Ásia Menor. As epístolas de Paulo, a ele endereçadas, viraram pura literatura cristã e se tornaram documentos preciosos de todos os tempos, como leme e bússola para a Igreja. TITO foi o segundo grande colaborador de Paulo. Provinha do paganismo. Foi convertido e batizado por Paulo. Em 49 já estava com Paulo em Jerusalém, para entregar a importância duma coleta em favor dos cristãos pobres. Companheiro dos momentos importantes, como a famosa reunião do concílio de Jerusalém, que teve como principal decisão ‘diminuir’ o peso da lei mosaica sobre a Igreja nascente, confirmando assim o ingresso e a aceitação dos gentios na fé cristã. Tito, porém, foi também um mediador persuasivo, e entusiasmou Paulo resolvendo uma grave crise entre ele e os Coríntios. Entre os anos 64 e 65, o apóstolo Paulo foi com ele para a ilha de Creta, onde fundou uma comunidade cristã, que confiou a Tito. Mais tarde, visitou a Paulo em Nicópolis. Voltou novamente à Ilha de Creta, onde recebeu uma carta do próprio mestre, Paulo, que figura entre os livros sagrados. Depois, retornou a Roma para se avistar com o apóstolo que o mandou provavelmente evangelizar a Dalmácia, onde seu culto ainda hoje é intenso. Segundo a tradição, Tito permaneceu como bispo de Creta até sua morte. São Paulo o chama repetidamente “meu companheiro e colaborador”, e na segunda carta aos Coríntios, num momento de especial amargura, diz: “Deus me consolou com a chegada de Tito”. As três cartas escritas pelo apóstolo Paulo a estes dois discípulos têm alto valor, pelo conteúdo exclusivamente pastoral, de tal modo que podem ser consideradas como primeiro guia pastoral dos bispos de todos os tempos. Que nossos Santos Timóteo e Tito roguem por nós, leigos servidores na seara do Senhor!


Fé e Política Robson Leite

“Que saudade dos anos 80...”

H

oje se escuta muito falar sobre cidadania, mas talvez poucos compreendam o verdadeiro significado desta palavra. Ser cidadão não é apenas conhecer seus direitos e deveres, mas participar, acima de tudo, de forma ativa na sociedade através de grupos e movimentos que tentam fazer com que os direitos, as oportunidades e o bem estar social sejam realmente para todos. Nós, cristãos, acreditamos que a dignidade humana e a vida não são privilégios de alguns. Sendo assim, todos, sem exceção, precisam ter acesso à saúde, à educação e ao trabalho digno. Entretanto, infelizmente, não é o que vemos em nossa sociedade. Para mudar esse cenário, nós lutamos com as armas da cidadania: o voto e a participação. É muito triste perceber que o neoliberalismo com seus valores individualistas e consumistas conseguiu desarticular ou enfraquecer muitos dos diferentes grupos, que de forma organizada, buscavam melhores condições de vida para todos. Guardo com carinho e admiração à atuação de alguns destes em nossa paróquia e em nosso bairro. Na década de 70 e 80 tínhamos em nossa paróquia um grupo chamado Comunijovem. Foi um grupo que deixou saudades porque conseguia verdadeiramente combinar a fé e a política na perspectiva de construir, aqui e agora, o Reino de Deus. Além de refletir sobre questões sociais e políticas, esse belo grupo de jovens tinha a preocupação de se articular com outros grupos que lutavam pelo bem comum. Lembro aqui com muito carinho da AMAF (Associação dos Moradores Amigos da Freguesia que funciona muito bem até hoje, mas que carece de jovens em seus quadros) e do GRUDE (Grupo de Defesa Ecológica) que, em conjunto com a própria Comunijovem, tiveram participação em diversas lutas pela melhoria da qualidade de vida em nosso bairro. Foi pela atuação deles que conseguimos ter a vista da pena preservada com a limitação na altura de construções de prédios na freguesia; e também o Bosque da Freguesia, onde muitos podem, hoje, ter atividades de lazer. Foi um tempo bom, onde as pessoas ainda acreditavam que valia a pena se unir, ainda valia a pena pensar no coletivo, no outro. Hoje, fora honrosas exceções como a AMAF, isso faz parte do passado. A realidade é muito triste. Os valores individuais são sempre lembrados como desculpas para impedir que as pessoas de nossas comunidades em Jacarepaguá se reúnam e se articulem para melhorar a qualidade de vida dos nossos cidadãos e da nos24

O Mensageiro

Janeiro 2018

sa sociedade. Frases como “não tenho tempo” ou “tenho coisas mais importantes para fazer” são constantemente ouvidas quando convidamos pessoas para reuniões ou debates políticos onde a pauta de discussão é a melhoria da qualidade de vida que está ao nosso redor. Os meios de comunicação influenciam negativamente as pessoas a se entregarem cada vez mais ao dinheiro e às suas carreiras em detrimento à família e à comunidade em que vivem. Um excelente exemplo que ilustra esse raciocínio é a falta de convivência entre vizinhos. Qual casal jovem que tenha menos de 10 anos de casado que conhece ou conversa pelo menos uma vez por semana com algum morador do seu condomínio? Normalmente, as famílias da era do “neoliberalismo” não possuem contato algum com os vizinhos. E o motivo é o mesmo de sempre: a falta de tempo. A família então, nem pensar. Fica em segundo plano. Talvez isso explique em parte a crescente onda de violência dos jovens da classe média conhecidos como “pit-boys”. Filhos de pais ausentes, eles encontram na violência uma forma de chamar a atenção dos pais. O lamentável disso tudo é que a nossa sociedade acha muito normal os pais destes adolescentes ficarem completamente ausentes do lar por motivos profissionais. Afinal de contas, precisamos trabalhar e nos dedicar ao crescimento profissional e as nossas carreiras. Isso sim é muito importante, pois é através delas que “conseguimos pagar as boas escolas”, “comprar os melhores carros”, “passar as férias na Europa ou na Disney”. Será mesmo? Será que isso é o mais importante para os nossos filhos? Onde depositamos a nossa felicidade? Ficam aí as perguntas para que possamos refletir e olhar com um pouco mais de carinho para as nossas escolhas. Quem sabe não é o momento de aproveitar o ano do laicato e discutir um pouco em casa o que é realmente mais importante: o nosso dinheiro e as nossas carreiras ou as nossas famílias, pastorais, movimentos, associações, comunidades e etc? Será que o caminho do Reino não está nessas ações coletivas ou invés das individuais? Afinal de contas, na oração que Jesus nos ensinou o “Pai é Nosso” e não apenas meu. (*) Robson Leite é professor, escritor, membro da nossa paróquia, Ex-Superintendente Regional do Ministério do Trabalho e Emprego no RJ e foi Deputado Estadual de 2011 a Janeiro de 2014. Site: www.robsonleite.com.br Página do Facebook: www.facebook.com.br/robsonleiteprofessor


Anote em sua agenda

As demais atividades do mês estão em: www.loreto.org.br

Janeiro

DATA

HORÁRIO

EVENTO

09/01

16:00hs

MISSA NÚCLEO INDEPENDÊNCIA

12/01

16:00hs

MISSA NO CATI

19/01

15:00hs

MISSA NA ESTANCIA SÃO JOSÉ

26/01

15:00hs

MISSA NO HOSPITAL RIO’S DOR

DATA

HORÁRIO

PASTORAL

LOCAL

EVENTO

10/01

07H00 às 21H00

GUARDIÕES

SANTUÁRIO

SANTUÁRIO ABERTO

14/01

08H00 às 19H00

EJC

TODO CEPAR

APROFUNDAMENTO

17/01

19H00 às 22H00

SANTUÁRIO DA ADOÇÃO

PLENÁRIO

PALESTRA

28/01

13h00 às 18h00

ECC

PLENÁRIO

FORMAÇÃO PARA ECC VICARIAL

28/01

07H00 às 12H00

AÇÃO SOCIAL

ZACCARIA

ENTREGA DAS CESTAS AOS ASSISTIDOS

SÃO SEBASTIÃO – PADROEIRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

20/01

09H00

MISSA SOLENE NA BASÍLICA DE SÃO SEBASTIÃO NA TIJUCA - ARQUIDIOCESE

20/01

16H00

PROCISSÃO DE SÃO SEBASTIÃO DA BASÍLICA ATÉ A CATEDRAL DO RJ - ARQUIDIOCESE

Programação completa da TREZENA DE SÃO SEBASTIÃO e demais atividades do mês em: www.loreto.org.br

ADQUIRA JÁ O SEU! O NOVO LIVRO DE ROBSON LEITE DISPONÍVEL NA LOJA DA PARÓQUIA OU PELA INTERNET EM: WWW.ROBSONLEITE.COM.BR


loretinho Para esta edição nossas queridas irmãs de Belém, que estão em retiro, para a retomada com força total em fevereiro, nos enviaram fotos da catequese quando registraram o Passeio, a Confraternização e o Encerramento com as turmas.

Elaborado pelas Irmãs de Belém

Nossa gratidão as incansáveis irmãs e a todas as catequistas, pelo carinho dedicado às nossas crianças. Que Jesus seja a vossa alegria e sustento nas dificuldades e que Nossa Senhora de Belém interceda por cada uma de suas servas, hoje e sempre. Amém.

“Nossa Senhora de Belém mostrai o vosso coração de Mãe”. 26

O Mensageiro

Janeiro 2018


São Timóteo

São Tito

O Mensageiro - Janeiro 2018  

O Mensageiro é a Revista da Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto cujo objetivo é servir à comunidade na sua vocação missionária de f...

O Mensageiro - Janeiro 2018  

O Mensageiro é a Revista da Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto cujo objetivo é servir à comunidade na sua vocação missionária de f...

Advertisement