Page 1

Ano XXIX - nº 365 Abril de 2015 Distribuição gratuita Informativo da Paróquia Nossa Senhora de Loreto Fundada em 6.3.1661 www.loreto.org.br


Índice Expediente Direção Espiritual

Pe Sebastião Coordenação

Hélia Fraga Equipe de Trabalho

Ana Clébia, Bira, Pascom Loreto, Badá, Corredeira, Thiago Santos Diagramação

Lionel Mota Impressão

Gráfica Stamppa

14

Editorial...............................................................................................................................3 Temas Bíblicos...................................................................................................................4 Profissão de Fé...................................................................................................................5 Loretando............................................................................................................................6 Escritos de Santo Antônio Maria Zaccaria ����������������������������������������������������������������7 Espaço teológico................................................................................................................8 Coluna Cultural.................................................................................................................9 Campanha da Fraternidade... ������������������������������������������������������������������������������������� 10 Entrevista Pastoral.................................................................................................................................... 12 Comunhão e fraternidade ��������������������������������������������������������������������������� 14 Jornada Diocesana da Juventude ������������������������������������������������������������������������������� 15 Falando francamente.................................................................................................... 18 A Anunciação do Senhor ��������������������������������������������������������������������������������������������� 19 Fé e Política...................................................................................................................... 20 Anote em sua Agenda.................................................................................................... 21 Loretinho.......................................................................................................................... 22

Expediente Paroquial MATRIZ PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE LORETO End.: Ladeira da Freguesia, 375 - Freguesia Jacarepaguá - RJ - CEP 22760-090 Tel.: 3392-4402 e 2425-0900 Emails: adm@loreto.org.br (Administração) secretaria@loreto.org.br (Secretaria) Site: www.loreto.org.br

NOSSA SENHORA DA PENNA: Dom.............................................................11h NOSSA SENHORA DO AMPARO Est. de Jacarepaguá, 6883 Anil - Tel: 2447-6802

4ª..................................................................18h Sáb..........................................16h (catequese) Dom.......................................................... 7h30 INSP Estr do Pau Ferro. 945 Freguesia - Tel:3392-2521

Dom...............................................................8h

HORÁRIO DA SECRETARIA Segunda a Domingo..............das 8h às 19h HORÁRIO DAS MISSAS Segunda a sexta.......................... 7h e 19h30. Sábado.......................................... 7h e 18h30. Dom...... 7h; 8h30 (crianças); 10h30 e 19h.

CONFISSÕES 3ª a 6ª.................de 9 às 11h e de 15às 17h 3ª a 6ª...................................... de 20h às 22h Sábado................. de 9 às 11h na secretaria EUCARISTIA para doentes Atendimento domiciliar e hospitalar. Marcar por telefone com a Secretaria. BATISMO Atendimento na Sacristia Inscrições - 5ª e Sábado................. 9h às 11

CAPELAS Endereços das Capelas e os Horários das Missas NOSSA SENHORA DE BELÉM

SANTO ANTONIO

Rua Edgard Werneck, 217 - Freguesia Tel: 2445-2146

Rua Edgard Werneck 431 Freguesia Tel: 3094-4139

Terças e Quintas..................................17h30 Dom........................................................16h30 SÃO JOSÉ (CARMELO) Rua Timboaçu, 421 Freguesia - Tel: 3392-0408

Seg. a Sábado.......................................... 7h30 Domingo......................................................9h

3ª feira................................................ 17:30hs 4ª a 6ª feira:....................................... 06:30hs Exceto a 1ª sexta............................... 18:00hs E última 4ª quarta do mês (Missa de Cura) .................................................. 20:00 hs Sábados ............................................. 18:00 hs Domingos ........................................ 09:00 hs


Feliz Páscoa

Chega então para nós o momento de acolher com muito carinho todos os que foram iniciados nos sacramentos.

Editorial Pe. Sebastião Noronha Cintra*

Querido paroquiano, prezado leitor. Feliz Páscoa! Desejo que você possa desfrutar muito dos frutos de sua Páscoa. Com a celebração dos sacramentos da iniciação cristã, os jovens e adultos se unem às crianças e adolescentes na participação dos mistérios pascais do Senhor Ressuscitado que nos comunica os seus dons pela graça dos sacramentos. “Seja a Vigília Pascal o tempo próprio para a iniciação nos sacramentos dos candidatos.” (RICA) Assim nós teremos este mês na Vigília Pascal o Batismo e a primeira Comunhão dos jovens e adultos. Em seguida, nos domingos do tempo pascal, teremos a primeira Comunhão das crianças. Serão quatro domingos em que a comunidade paroquial acompanhará as crianças da nossa catequese que iniciam sua participação plena na Ceia do Senhor. No último domingo de abril, dia 26, jovens e adultos serão confirmados na celebração presidida por D. Edson. Chega então para nós o momento de acolher com muito carinho todos os que foram iniciados nos sacramentos. Para isso a Paróquia precisa passar pela conversão pastoral, isto é, encontrar novos modos de viver em comunidade de tal forma que esses que receberam os sacramentos sejam integrados e não se afastem. Continuando junto com os membros antigos da comunidade, possam se tornar também futuros evangelizadores missionários. Para que isso aconteça, os padres e diáconos, os catequistas e os pais e outros familiares precisam se envolver no acompanhamento dos que receberam os sacramentos. Destaque na nossa revista deste mês são os jovens que se apresentam na entrevista pastoral no Setor Juventude. Há cinco anos trabalhamos nesta formatação adotada pela CNBB. O Setor juventude congrega os representantes jovens dos diversos grupos da paróquia com os Assessores e atuam oferecendo subsídios e organizando atividades que envolvem todos os grupos. Dentre as ações concretas da Campanha da Fraternidade deste ano está ‘... debater, traçar metas e estratégias de mobilização, em vista da contribuição à necessária reforma política.’ (Texto Base, 239) Depois da Plenária da CF 2015, acontecida dia 24/03, assumimos a responsabilidade de conseguir assinaturas nos formulários para apresentação do Projeto de Lei de Iniciativa Popular elaborado pela Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas, promovida pela CNBB, OAB e outras entidades de todo o Brasil. Convoco a todos para trabalhar nessa ação. “Mulher, eis o teu filho; filho, eis tua Mãe”. Papa Francisco comenta que Jesus na cruz não se preocupava com alguém que cuidasse de sua mãe. Queria que ela cuidasse dos discípulos como seus filhos. Maria, nossa Mãe, cuida de nossa paróquia. Abril 2015

O Mensageiro

3


Temas bíblicos

1Jo (12) Vida cristã (II): Fé (5,4b-13)

Padre Fernando Capra comentariosbiblicospadrefernandocapra.blogspot.com.br

5,4b E esta é a vitória que venceu o mundo: a nossa fé. É o segundo tema da Vida cristã. A nossa fé é vitoriosa, isto é, nos liberta dos tentáculos do Maligno que aprisionam o mundo, em virtude da nossa adesão à Pessoa divina de Jesus e à sua mensagem. 5,5 Quem é o vencedor do mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?  De fato, guardando os mandamentos de Cristo Jesus, nos livramos das concupiscências do mundo. Dessa forma, temos em nós o amor de Deus (2,15). 5,6 Este é que veio pela água e pelo sangue: Jesus Cristo Vemos nessa afirmação uma alusão a Jo 3, onde Jesus anuncia a sua Morte que dará origem a uma regeneração do homem pela ação do Espírito, que a água do batismo simboliza. Quando Jesus morre na Cruz, o quadro de Jo 19,34 retrata essa verdade: Jesus é o Cordeiro imolado no altar do Novo Templo do qual sai a água da Vida (Ez 47). 5,6 Não com a água somente, mas com a água e o sangue  Jesus se caracteriza como realizador da profecia, tipificada pelo precursor. João Batista negou ser o Cristo, afirmando que batizava somente pela água. Aquele que viria após ele, mas que existia antes dele, sobre quem repousa o Espírito, é o Filho de Deus que batiza no Espírito. Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. O Filho do Homem, a Glória de Iahweh, pelo sangue do seu sacrifício, lava os nossos pecados. A água passou da condição de sinal de ablução a sinal sensível da graça invisível. 5,6 E é o Espírito que testemunha porque o Espírito é a Verdade O Espírito, que é a Verdade, disso dá testemunho pelo Apóstolo que chegou a entender claramente o que viu aos pés da Cruz. Viu e acreditou que Jesus é o “Eu sou” (Jo 8, 24.28). 5,7-8 Porque três são os que testemunham, o Espírito, a água e o sangue Pelo Espírito, surgiu em João o testemunho diante da Morte de Jesus, ao compreender o sentido da água e do sangue que saiam do lado direito do Cordeiro pascal transpassado. 5,9 Se aceitamos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior. João está se referindo ao testemunho que o Espírito suscitou nele. Por ele chegou a toda verdade, seja por ter compreendido as Escrituras, como, também, por ter compreendido o que Jesus disse a Nicodemos (Jo 3). 5,9 Pois este é o testemunho de Deus: testemunho que deu de seu Filho Não há dúvidas acerca do testemunho de Deus que João proclama. Pelo Espírito, dá testemunho do valor re-

dentor da Morte de Cristo: a água e o sangue que saem do lado direito de Cristo morto na Cruz (Jo 19,34) simbolizam o Espírito merecido pela imolação, enquanto realizam a profecia de Ez 47,1. 5,10 Aquele que dá a sua adesão de fé ao testemunho dos Apóstolos experimenta em si o testemunho do Espírito. 5,10b Aquele que não acolhe o testemunho do Espírito vai contra o Verdadeiro, Aquele que, pelo seu Espírito, está dando testemunho do seu Filho. 5,11 Este é o testemunho do Espírito em nós: Deus nos deu a vida eterna e esta vida está no seu Filho. É na base desse testemunho que João e os outros Apóstolos chegaram à fé proclamada em 1,1-3. Dela desejam que os fiéis não se afastem, porque é condição de vida eterna (1,4). 5,12 Quem acolhe o Filho tem a vida (Jo 1,13). Quem não acolhe o Filho de Deus a perde (Jo 3,18). 5,13 Isto vos escrevo: saibam todos os que crêem na Vida que se manifestou, que eles têm a vida eterna, porque acreditaram no Nome do Filho de Deus. Jesus é o “Eu sou”. Nele se manifestou a Glória da Divindade. Nela nós cremos em virtude das obras que realizou. Comentário No exórdio, João lembrou a maneira pela qual os Apóstolos chegaram à fé na divindade de Jesus: foi no momento em que ele mostrou as suas chagas gloriosas. Aqui revela qual foi a sua experiência. Pelo que viu no Calvário, acreditou. Isto aconteceu sob a ação do Espírito que é a Verdade (5,6b) Diante da forma pela qual o Espírito agiu nele, aquilo que os anticristos pregam não tem peso algum. Os fiéis, diante disso, advertem que também os outros pontos da mensagem de Jesus são ensinados pelos Apóstolos sob a inspiração do Espírito Santo. Se é fundamental confessar que Jesus é o Cristo, é também condição de vida eterna andar na luz praticando a purificação e os mandamentos de Cristo. É pelo Espírito que contemplamos, admirados, que “o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo”, e compreendemos que “aquele que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele e ele em Deus “(4,15). Mas, é, também, pelo Espírito que “temos reconhecido o amor de Deus por nós e nele acreditamos” (4,16). Por isso permanecemos no amor pela observância dos mandamentos (3,24); e “nisto reconhecemos que Deus permanece em nós pelo Espírito que nos deu” ( 4,13).


Profissão de Fé Jane do Térsio

Jesus subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai Todo Poderoso

A

pós a Páscoa, Jesus permaneceu com seus Apóstolos, com seu corpo glorioso. Bebeu e comeu com seus discípulos e deu instruções sobre o Reino. Depois deste tempo Cristo sobe aos céus (Ascensão) e onde se senta à direita do Pai e vive eternamente para interceder por nós, como Mediador que nos garante permanentemente a efusão do Espírito Santo. Ele como Filho de Deus reina com sua humanidade na glória eterna. Isto significa que Ele não está mais visível na terra, embora esteja presente e disponível. Sua glória permanece ainda velada aos olhos humanos. Há uma diferença de manifestação entre a glória de Cristo ressuscitado e a de Cristo exaltado à direita do Pai. É interessante citarmos a explicação de São João Damasceno: “Por direita do Pai entendemos a glória e a honra da divindade, onde aquele que existia como Filho de Deus antes de todos os séculos como Deus e consubstancial ao Pai se sentou corporalmente depois de encarnar-se e de sua carne ser glorificada”. O sentar-se à direita do Pai significa a inauguração do Reino do Messias e os Apóstolos se tornaram as testemunhas do “Reino que não terá fim”. A humanidade só tem acesso à “Casa do Pai”, à vida e à felicidade de Deus porque Cristo pôde abrir esta

porta para o homem. Sendo Cristo a Cabeça da Igreja e nós os membros do seu Corpo, vivemos na esperança de estarmos um dia eternamente com Ele. Donde virá julgar os vivos e os mortos Ele voltará na glória Cristo já reina pela Igreja... A Ascensão de Cristo ao céu significa sua participação, em sua humanidade, no poder e na autoridade do próprio Deus. Ele é o Senhor do Universo e da história. “Cristo morreu e reviveu para ser Senhor dos mortos e dos vivos” (Rm 14,9). Ele é também a Cabeça da sua Igreja, que é seu Corpo. O Filho foi enviado pelo Pai com uma missão, após o seu pleno cumprimento, Ele voltou ao Pai elevando-se ao céu. Já glorificado, Ele permanece misteriosamente em sua Igreja, onde o seu Reino já está pre-

sente, “germe e início deste Reino na terra” (LG 5). Desde a Ascensão, o desígnio de Deus entrou em sua consumação. Lemos na 1 Jo 2,18: “Filhinhos, é chegada a última hora”. Portanto a era final do mundo já chegou entre nós. Já na terra a Igreja se reveste de verdadeira santidade, embora imperfeita. ...À espera que tudo lhe seja submetido. O Reino de Cristo ainda é atacado pelos poderes maus, embora esses já tenham sido vencidos pela Páscoa de Cristo. Cristo Senhor já reina pela Igreja, mas ainda não lhe estão submetidas todas as coisas deste mundo. Por esta razão rezamos, principalmente na Missa, com as palavras de São Paulo em 1 Cor 11,26 “... todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes desse cálice, estareis anunciando a morte do Senhor até que Ele venha”. Para apressar a volta de Cristo dizemos “Vem, Senhor” (Ap 22,20). O próprio Cristo afirmou que ainda não havia chegado a hora do estabelecimento glorioso do Reino messiânico onde haveria para todos os homens justiça, amor e paz. Assim o tempo presente é o tempo do Espírito e do testemunho, mas é também um tempo ainda marcado pela “tristeza” e pela provação do mal, que não poupa a Igreja. É um tempo de expectativa e de vigília. Continua na próxima edição Abril 2015

O Mensageiro

5


Loretando Paulo Sobrinho e Solange - loretando@oi.com.br

Nossos talentos O tempo passa, o tempo voa e a comunidade do Loreto continua numa boa e evolui cada vez mais. O tempo passa e os talentos aqui descobertos vão se aflorando mundo a fora. São tantos que não consigo enumerar a todos e com certeza vou cometer um grande pecado por esquecer alguns nomes, mas, por favor, entendam que minha memória já não é a mesma. O campo das artes é um caminho infinito onde nossos jovens se embrenham e conquistam seus espaços. É lindo de ver aqueles que um dia tocavam e cantavam nas missas, hoje se lançando profissionalmente. Eu, como tio coruja assumido, compareço sempre que possível nos shows, peças teatrais e outros eventos onde eles estão. Nomes como Analu Pimenta, Débora Marins, Thiago Garcia, Anderson Virtuoso, Tércio Reis, meu sobrinho e é claro, minha filha Amanda Zagnoli, hoje atriz e professora de teatro, são os poucos nomes que me vem à mente neste momento, são garotos e garotas que um dia, aqui nesta comunidade iniciaram seus primeiros contatos com o público divulgando sua arte, pois cantar nas missas, atuar, dirigir, montar e coordenar equipes técnicas é uma forma de aprendizado que serve como parâmetro para se iniciar uma carreira. Esses jovens que cantam, tocam e batucam por aqui, fazem muito sucesso por aí. De vez enquanto encontramos um na televisão ou no teatro e quando vemos seus nomes lembramos-nos desse início maravilhoso e vamos prestigiar. É muito legal e eu tenho muito orgulho quando comento com alguém: - aquele ali é meu sobrinho, começou lá no Loreto. A comunidade alavanca esses talentos, que são vários e neste caso estou sendo específico nas artes. Você já foi a alguma peça teatral, algum show ou

6

O Mensageiro

Abril 2015

num dos diversos estabelecimentos onde nossos sobrinhos atuam/trabalham? Faça isso e quando for, comprimente, diga que é do Loreto eles ficaram muito felizes, pois somos referência para eles. O Loreto é o porto seguro de todos nós. Lembro-me de quando assisti ao primeiro espetáculo que minha filha dirigiu, o coração queria explodir, assim como quando ouvi Analu cantando Beatles. É um orgulho absurdo. Nossos talentos são diversos e a coragem de abraça-los de corpo e alma depende do quando de apoio existe ao redor. São carreiras difíceis, um leão por dia, mas vejo prazer nos olhos de cada um deles. Certa vez fui com minha banda, sim, acreditem, eu toco numa banda, fazer o show de abertura num restaurante na Barra e quem era o técnico de som naquele dia? Meu sobrinho Tércio Reis, nunca a sonorização foi tão boa. Fiquei muito orgulhoso ao dizer para o dono do estabelecimento, meu amigo, que aquele garoto do som era da família. Abro a internet, faço uma busca com esses nomes e encontro coisas maravilhosas, tenho assim a certeza de que estamos no caminho certo e que ainda tem muito por vir. Parabéns a todos que um dia vislumbraram seu futuro nas artes quando realizaram seus talentos aqui na paróquia, parabéns a todos os outros que não estão com seus nomes escritos neste texto, mas tenham a certeza de que estão guardados no meu coração e de todos dessa comunidade que tem um terreno fértil para todas as atividades. Continuem a divulgar seus talentos mundo a fora. P.S.: “o artista tem que estar onde o povo está” P.S. do P.S. Talento é tudo aquilo que fazemos com prazer.


Escritos de Santo Antônio Maria Zaccaria

Diálogo com Cristo “Procure dialogar com Cristo a respeito de tudo que acontecer, até sobre dúvidas e dificuldades, especialmente nos momentos das maiores incertezas, dizendo para Ele o que está a favor e o que atrapalha as suas decisões. Faça isso da maneira mais breve possível, dizendo-Lhe a decisão que parece ser a melhor ou, então, perguntando ao Cristo o que Ele acha a respeito. Certamente que Ele não lhe negará sua opinião, se você insistir; aliás, eu lhe garanto que Ele atenderá os seus pedidos.” “Procure aumentar sempre aquilo que você começou em si mesmo e nos outros, porque o tamanho da perfeição é infinito.” “A oração impede de errar a quem quer andar, e conduz com grande facilidade quem quer progredir.” “Tenham a certeza que Cristo Crucificado tomará a iniciativa antes que vocês falem e estará ao seu lado em todas as palavras e boas intenções.” “A nossa mente pode ser comparada com um moinho d’água que não pára de girar: se você colocar trigo nele, ele mói se colocar joio ou outro grão ruim, ele mói também”.


Espaço teológico Michele Amaral - Bacharel em Teologia – PUC-Rio

Vigília Pascal

Mãe de todas as Vigílias

E

sse mês, em nosso espaço de reflexão iremos refletir um pouco sobre a Vigília Pascal, também conhecida como a celebração da Luz, realizada na noite do Sábado Santo. Segundo a tradição neste dia a noite deve se fazer em memória à noite em que Cristo ressuscitou, deve ser considerada a Mãe de todas as santas Vigílias (Santo Agostinho). Pois nela, a Igreja se mantém de vigia à espera da Ressurreição do Senhor. A Vigília Pascal é o cume do ano litúrgico. Sua celebração se realiza de noite; mas de maneira a não terminar antes da aurora do Domingo. Com a proclamação da Páscoa (o canto do Exultem) e as leituras que temos nessa celebração relembramos todas as maravilhas que Deus realizou por nós desde a criação do mundo, como também a passagem do povo Hebreu para a Terra Prometida e de maneira singular a Ressurreição do Senhor. Por isso, essa é a solenidade mais importante da Igreja. Esta celebração se divide em quatro partes: A primeira parte é liturgia da luz e da benção do fogo novo, sinal muito importante dessa liturgia é a escuridão. O fogo é a imagem de Jesus Cristo que disse: “Eu sou a luz do mun-

8

O Mensageiro

Abril 2015

do. Quem me segue não andará nas trevas”. Nas igrejas de todo o mundo será introduzida a luz do Círio Pascal que simboliza Cristo Ressuscitado. Ele dissipou todas as trevas. Ele mostrou o caminho, a saída. Na sua luz, podemos sair das nossas trevas, do nosso medo, do nosso egoísmo para enxergarmos melhor o nosso próximo. Da luz do círio pascal acenderemos também nossas velas para que a semelhança de Cristo luz do mundo possamos iluminar o mundo fazendo com que os que jazem entre as trevas possam irradiar-se desta luz que não se apaga. A segunda parte é a liturgia da palavra, a Igreja nos recorda os fatos importantes. O ponto alto desse momento é a recordação do Mistério Pascal de Cristo, onde somos colocados em profunda relação com a Trindade, pois por meio dele somos tocados e atingidos pela força do Espírito que faz de nós novas criaturas. A terceira parte da Vigília Pascal que é a Liturgia do Batismo. Era costume, nesta noite de Vigília na Igreja primitiva, batizar os catecúmenos, ou seja, aqueles que recebem os Sacramentos da Iniciação Cristã. Renovemos também nós nesta Noite Santa as promessas do nosso Batismo, assumindo com empenho a missão de ser sal da terra e luz do mundo. Na última parte da Vigília Pascal, somos convidados a participar da Mesa da Comunhão Eucarística. Somos pela Eucaristia, alimentados e sustentados pelo próprio Jesus que morrendo destruiu o muro da inimizade, possibilitando o encontro de todo o gênero humano com sua Pessoa e sua mensagem. Na Eucaristia recebemos a força do Ressuscitado que nos impele na construção de um mundo novo. Como não exultar com o coração? Como não cantar com a voz e com os lábios diante da grande e sempre Boa-Nova de que a vida e não a morte tem agora a última palavra porque a Palavra Eterna, que armou sua tenda entre nós, nos deu a certeza de que a vida é soberana! ‘Não está aqui; ressuscitou como disse’. Sim o Senhor venceu a morte, Nele somos mais que vencedores: somos vitoriosos! Feliz Páscoa!


Coluna Cultural

Indicação do Mês:

Em Abril, a entrevista da Coluna Cultural é com Maria Conceição, que nos falou um pouco sobre ela e sobre o seu trabalho, o ainda não lançado CD,

“Tua Presença”.

“Eu sou essa voz, eu sou essa inspiração, eu sou uma pessoa que fui preparada para isso sem saber que estava sendo preparada. Os dons vão aflorando à medida que você vai se desenvolvendo. Ele vai te preparando e te dando uma confiança.” Já a música que dá nome ao CD foi composta há 34 anos, porém foi gravada apenas agora. “Eu estava na praia e comecei a cantar essa música que ficou guardada como conversa, como melodia. E quando comecei a trabalhar, ela virou, de uma música que não tinha nada, uma música como a que está no CD”. Mesmo não tendo sido lançado oficialmente, “Tua Presença” já encanta aos que já ouviram, tanto que as pessoas já queriam ligar para a Rádio Catedral para pedir a música. “Dom Orani recebeu um CD, em mãos, na missa pelo dia das Consagradas, que ele celebrou nas Irmãs de Belém”. Maria Conceição partilhou conosco que um dos desejos dela era cantar para o Papa. “Eu queria muito cantar com o Andrea Bocelli, mas o meu desejo é de cantar para o Papa.” Ela encerrou a entrevista dizendo que gostaria de preparar a todos que já ouviram e gostaram do primeiro trabalho, que aguardem, pois em breve virá o segundo. http://www.loreto.org.br/coluna-cultural-cd-tua-presenca


Campanha da Fraternidade

N

o dia 24/03, com o plenário do Cepar lotado, a comissão da Campanha da Fraternidade deu inicio às atividades de formação sobre o tema, com a Plenária da Campanha, amplamente divulgada na comunidade. A Campanha deste ano se fundamenta nos documentos do Concílio Vaticano II, principalmente o “Gaudium et Spes” sobre a Igreja no mundo de hoje. Procurou-se esclarecer neste primeiro momento, dúvidas a respeito da petição popular que deverá recolher 1.500.000 assinaturas, para, tal qual ocorreu com a lei da Ficha Limpa, induzir o Congresso Nacional a votar a chamada “proposta de iniciativa popular para a Reforma Política”. O documento, de iniciativa da CNBB, do CONIC (conselho nacional das igrejas cristãs do Brasil) e de outras entidades, elaborado pela OAB deve ser conhecido por todos para que possamos reivindicá-lo como uma resposta concreta ao tema da Campanha deste ano: Igreja e Sociedade. Robson Leite, nosso paroquiano e divulgador do documento, apresentou em linhas gerais, na plenária, os pontos mais importantes da proposta de reforma, que são: yy Fim do financiamento empresarial para as campanhas políticas. yy Doações de pessoas físicas limitadas a R$ 700,00. yy Eleições proporcionais em dois 10

O Mensageiro

Abril 2015

turnos, onde no primeiro turno, os partidos apresentarão seus programas de governo, dando-se a votação para determinar o número de cadeiras para cada um. No segundo turno cada partido com representação concorrerá com o dobro de candidatos para o total de cadeiras alcançadas, sendo metade dos candidatos do sexo masculino e metade feminino. yy Aumento da fiscalização, com maior poder ao TSE. yy Entre outras. O formulário para a coleta das assinaturas pode ser adquirido acessando: www.reformapoliticademocratica.org.br , assim como outras informações. Padre Sebastião agradeceu a participação da comunidade, que foi excelente e, chamou a atenção para a necessidade de conhecermos a fundo o que nos propõe a CF deste ano, continuando a participar de todos os debates que ainda teremos. Fizemos algumas perguntas a Equipe da Campanha da Fraternidade, que prontamente nos respondeu: 1- Como será a divulgação e aprofundamento do tema da CF no Loreto? A divulgação da CF 2015 na comunidade do Loreto teve início efetivamente nas missas da quarta fei-

ra de Cinzas onde os padres fizeram o lançamento da CF e a Equipe de Coordenação apresentou o tema, o lema e objetivos da campanha, nesta ocasião foram apresentados o cartaz e o banner da campanha. A divulgação prosseguiu com a apresentação no Conselho Pastoral dos principais atos litúrgicos da Quaresma e com o encaminhamento, pela PASCOM, de e-mails para as pastorais e movimentos da Igreja. Outras atividades, algumas já programadas outras não, irão contribuir com a divulgação, tais como: através dos círculos, avisos de missas, a palestra do Prof. Robson Leite do dia 24/3 e outras palestras que estão sendo programadas para após a Quaresma. 2- Na prática, o que a CF pode deixar de legado para nossa comunidade?  O maior legado que a campanha da fraternidade pode nos deixar é que o cristão possa tomar consciência de sua ação no mundo e a ampliação do diálogo entre a igreja e sociedade. Como já diz a letra do hino da campanha da fraternidade: “Uma Igreja de portas abertas sem medo de amar”. Isso tudo depende muito do empenho da comunidade em divulgar e em colocar em prática os objetivos da campanha: “Objetivo geral: aprofundar, à luz do Evangelho, o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade, propostos pelo Concílio


Ecumênico Vaticano II, como serviço ao povo brasileiro, para a edificação do Reino de Deus (CNBB)”. Acreditamos que a CF é um momento para a comunidade debater sobre temas que atingem, em cheio, o seio da sociedade, conscientizando a comunidade que é responsabilidade de todos melhorar nossa sociedade. 3- Alguma pastoral em particular terá uma função direta nas atividades propostas pela CF? Quais e como se dará? A luz do tema da CF “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e do lema “Eu vim para servir (Mc. 10,45)”, todas as pastorais tem sua participação, cada uma dentro do seu perfil como pastoral, pois é parte integrante da comunidade. Todas

as pastorais e movimentos, imbuídos do tema e lema da CF e tendo como foco os seus objetivos, devem procurar contribuir com ações concretas que possam aproximar Igreja e Sociedade. Todas as Pastorais estão envolvidas, não existe uma em particular, no entanto, as pastorais Familiar e da Ação Social já vem desempenhando suas atividades mais próximas à comunidade. 4- Lendo o texto, nos parece que o SERVIÇO a que nos chama a Igreja, passa por além das fronteiras dos trabalhos cotidianos das pastorais. Como envolver e comprometer as pastorais e grupos diversos a esta proposta? Esse serviço deve ser posto em prática na sociedade em que habi-

tamos, no nosso trabalho cotidiano, e nos leva a recordar a vocação do cristão de fé, que é o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade. Como cristãos devemos ser um sinal que indica a direção, o rumo certo. Mas não basta apenas a boa intenção, é preciso passar à ação, como por exemplo: palestras de conscientização e de esclarecimento; a atuação dos religiosos nas comunidades carentes (padres, diáconos e congregações de irmãs); e a atuação da Igreja junto aos órgãos governamentais procurando o bem comum, uma sociedade mais ouvida, particularmente, os mais necessitados. (Pela Pascom: Ana Clébia, pela CF Walmir e Selma) Abril 2015

O Mensageiro

11


ENTREVISTA PASTORAL - Setor Juventude

Onde estão os nossos jovens? Entrevistados: Maria Beatriz – EAC, Felipe Ferreira – MAC, Matheus Santos – EAC e Maria Eduarda – EAC. Buscando estar mais atentos aos jovens da nossa comunidade, nesta edição, vamos falar um pouco mais sobre eles e contar como compõem o corpo da nossa paróquia. Fomos conversar com grupo pouco visto, porém muito vivo. Trata-se do Setor Juventude, que é formado pelos jovens dos grupos: EAC, MAC, EJC, MEJ e FÉ & DONS, (com os Assessores), que nos revela onde está o futuro da nossa igreja! A definição programática do Setor Juventude, diz que ele não é mais um grupo jovem, mas àquele que reúne todos os grupos. “É o espaço que articula, convoca e propõe orientações para a Evangelização da Juventude, respeitando o protagonismo juvenil, a diversidade dos carismas, a organização e a espiritualidade para a unidade das forças ao redor de algumas metas e prioridades comuns à luz do documento 85 da CNBB “Evangelização da Juventude”, das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil e do Documento de Aparecida”. O Mensageiro: O que é o setor juventude? É um acolhimento de todos os jovens, ou seja, um apoio a todos os jovens de todos os grupos da paróquia, e que existe para acompanhar tudo o que está acontecendo nos diversos grupos jovens Aqui no Loreto, por exemplo, nós temos dentro do Setor Juventude, pelo menos uma pessoa de cada movimento/grupo. Assim, temos o conhecimento de como anda a administração, a agenda, o caminhar do grupo como um todo, e podemos saber aonde atuaremos para ajudar a melhorar, além de acompanhar a paróquia toda e encaminhar outros jovens que estejam sem grupo para encontrar um lugar onde possam se encaixar. O Mensageiro: E como ele é formado? E por quantas pessoas? O setor é formado por jovens de todos os grupos da paróquia, estipula-se um número de acordo com o tamanho do movimento, não há um numero fixo, vai de acordo com a necessidade. Atualmente é formado por 13 jovens, um ca12

O Mensageiro

Abril 2015

sal de Assessores, mais o nosso pároco Padre Sebastião e a nossa dirigente espiritual Irmã Graça. O Mensageiro: Quais os grupos que participam? Todos os grupos/movimentos de jovens da nossa paróquia, entre eles nós temos: o EAC (Encontro de Adolescentes com Cristo); o MEJ (Movimento Eucarístico Jovem); EJC (Encontro de Jovens com Cristo); FeD (Fé & Dons) e MAC (Maturidade Cristã). O Mensageiro: Como surgiu a ideia de montar o Setor Juventude? Há mais de 10 anos já existia na paróquia uma pastoral da juventude, onde primeiramente foi formada uma comissão pastoral da juventude, que tinha como função, articular os representantes de todos os grupos em uma época que existiam entre 10 grupos ou mais. Diante do tamanho da comissão, esta passou então a ser uma pastoral, surgindo assim a Pastoral da Juventude, porém com menos representantes, já que não se achava necessário um de cada grupo. Dentro da CNBB, surgiu o Setor Juventude como modo de atuar em todo o Brasil na área da juventude, propondo a repetição dessa organização nas Dioceses e nas paróquias. A própria pastoral organizou um curso à distância, para a formação de assessores jovens e adultos, mas, infelizmente, foram poucos que concluíram o curso. O pároco Padre Sebastião, com o auxilio da irmã Graça, selecionou alguns jovens dentre os que concluíram o curso, para formar o SJ, pois se percebeu a necessidade de aumentar o número de representantes, fazendo com que todos os movimentos fossem mais representados, formando então um colegiado visando ter um maior alcance entre os jovens. Durante um tempo ambos os grupos PJ e SJ, existiram juntos e por terem mais ou menos a mesma função a PJ cedeu lugar à nova organização do SJ. Mas gostamos de deixar claro que “Nós não somos uma coordenação, somos um espaço de debate”. O Mensageiro: Quais as áreas em que o setor atua?


Primeiramente nós agimos nas áreas gerais, não visamos apenas um grupo, mas sim, apoiamos a todos. E, em caso de emergência, estamos dispostos e prontos a dar apoio no que for necessário. Além de promovermos a intermediação de tudo o que acontece na paróquia e na arquidiocese. O Mensageiro: O setor atua de alguma forma em conjunto com alguma pastoral? Já atuamos com a pastoral familiar, organizando o retiro de namorados. Entendemos que a pastoral familiar também visa à realidade do jovem, assim como o SJ, a diferença é que ela não possui representantes dos grupos jovens, como no Setor. O Mensageiro: Além do já conhecido retiro da Semana Santa Jovem, quais são os outros projetos do setor para aproximar o jovem? Começamos com um Retiro para Coordenadores de todos os grupos jovens da paróquia, e ao longo do ano vamos realizar eventos atrativos a eles, visando à arrecadação de fundos para auxiliar na execução de outras ideias. A nossa função principal é envolver a juventude com tudo o que acontece na igreja durante o ano. O Mensageiro: E quais os outros projetos para o ano? O retiro de namorados já é uma ideia concreta, mas também como já falamos vamos aproximar as ideias da Arquidiocese para a paróquia e levar o jovem a participar das coisas que estão rolando também em outras paróquias. O Mensageiro: E como vocês acreditam que o Setor Juventude Vicarial (que foi criado aqui em Jacarepaguá há um mês) pode melhorar a vida do jovem na paróquia? Ter um Setor Juventude em cada paróquia irá facilitar a comunicação e a forma de interagir com o jovem. O setor atuará como um apoio e um centro fixo. Um lugar para jovem se comunicar não só com outros grupos, mas também com a paróquia e a arquidiocese. No Loreto como esse apoio já existia não afetará muito, porém em outras paróquias pode vir a ser um diferencial. Acreditamos que a nossa função agora é ajudar no funcionamento do Setor em outras comunidades, como já está funcionando na nossa, passando a experiência que já temos. O Setor Juventude Vicarial também vai facilitar a formação das agendas, evitando conflitos de datas, para que haja a interação das paróquias.

O Mensageiro: Qual a importância para a juventude e para todos a JDJ e o DNJ? O quanto isso pode influenciar jovens não católicos? É importante poder unir todos os jovens da arquidiocese no mesmo espaço, e assim melhorar a unidade Igreja, também a comunidade ver as outras paróquias, quantos jovens e pessoas têm nelas e além de tirar um pouco a vivência de Igreja de dentro do ambiente da mesma e “sair para fora” como diz o Papa Francisco. Com isso, as pessoas que não são frequentadoras da Igreja Católica tem a oportunidade de ter esse contato, de ver num lugar fora da Igreja um evento grande, cheio de gente, com shows, com animação... Assim eles podem descobrir que também é possível ser jovem, se divertir, principalmente tendo uma religião, assim como muitos se surpreenderam na JMJ aqui no Brasil. A face jovem da Igreja católica vai muito além, e precisa ser mostrada para todo o mundo. A JDJ (Jornada Diocesana da Juventude) é mais ou menos a JMJ (Jornada Mundial da Juventude), só que acontece dentro de cada diocese, a cada ano, no Domingo de Ramos, todas celebrando ao mesmo tempo. Além do retiro de formação para coordenadores jovens abordando: A Liderança através dos Apóstolos, ocorrido no final de fevereiro, nosso Setor incentivou e participou com os jovens do JDJ, tradicionalmente realizado no sábado de Ramos. Este ano, se deu em uma caminhada na praia da Barra da Tijuca, Santa Missa e um teatro com a encenação da Paixão. O Loreto esteve representado com cerca de 65 jovens. Entrevista Carolina Siciliano/Pascom – Loreto

Abril 2015

O Mensageiro

13


ENTREVISTA PASTORAL - SETOR JUVENTUDE ARQUIDIOCESANO

Comunhão

e fraternidade: Comunhão e fraternidade: Setor Juventude do Rio de Janeiro reúne expressões da Arquidiocese para a unidade na evangelização O Setor Juventude (SJ) da Arquidiocese do Rio de Janeiro (ArqRio) nasceu dentro do contexto de formação dos setores em várias dioceses brasileiras.  Após o impulso a partir de diversas iniciativas de âmbito nacional, na década de 90 e novo milênio, as dioceses encontraram um momento favorável para organização dos setores. Entre estas iniciativas estavam: o aumento do número de projetos e expressões que trabalham com os jovens; elaboração do Documento 85 da CNBB (sobre a Evangelização da Juventude), em 2007; pedido ao Papa Bento XVI para o Brasil sediar uma Jornada Mundial da Juventude (JMJ); e depois peregrinação dos símbolos da Jornada por todo Brasil, de 2011 a 2013. Outro forte estímulo foi a consciência cada vez maior, por parte das dioceses e das expressões que atuam com juventude, da diversidade  de carismas como um elemento-chave para gerar comunhão e fazer crescer e amadurecer a evangelização juvenil.

Deste modo, foi nesta perspectiva que se deu a criação do SJ da ArqRio, em 2010, e suas primeiras atividades com a juventude carioca foram a Jornada Diocesana da Juventude (JDJ), Dia Nacional da Juventude (DNJ), Hora Santa da Juventude (na semana de Corpus Christi) e Folia com Cristo. E depois de confirmada a Jornada no Rio de Janeiro, o Setor passou a organizar as vigílias mensais em preparação à JMJ Rio2013. Hoje, o SJ do Rio de Janeiro reúne representantes de movimentos, novas comunidades, congregações e Pastoral da Juventude, continua a promover eventos como estes, mas, sobretudo, pretende ser um espaço de comunhão e participação para unir e articular todos os segmentos juvenis diocesanos num trabalho conjunto, com alguns objetivos e prioridades comuns em vista da evangelização da juventude, como assim indica o Documento 103 da CNBB, “Pastoral Juvenil no Brasil – Identidade e Horizontes”. Como ainda orienta o Documento 85, “o Setor não substitui a organização própria de cada segmento (...). Cada experiência (...) mantém sua organização própria, com a novidade de projetos e eventos assumidos e realizados coletivamente. Inclusive, a diversidade é considerada uma riqueza e precisa cada vez mais ser conhecida, acolhida e valorizada”. Sendo assim, é neste objetivo que o SJ quer valorizar a diversidade e a comunhão, tudo em vista da missão e do desejo de levar muitos jovens ao encontro pessoal com Cristo. (Por Gracielle Reis, membro do Setor Juventude da Arquidiocese do Rio de Janeiro).


Jornada Diocesana da

Juventude

N

o dia 28 de Março tivemos, em nosso Vicariato, a realização da Jornada Diocesana da Juventude. Nos anos em que não temos a Jornada Mundial, as JDJ são realizadas no mesmo final de semana mundialmente. Os jovens de nossa paróquia, conduzidos pelo Setor Juventude, estiveram presentes nesse momento, junto com jovens de toda Diocese, seminaristas, padres e nosso Cardeal, o Arcebispo Dom Orani. A concentração teve início às 14h, e logo depois houve uma encenação da Paixão de Cristo. D. Orani iniciou a celebração abençoando os ramos e a procissão seguiu em direção a Igreja São Francisco de Paula, no Largo da Barra. Durante todo o trajeto, os jovens seguiam louvando e rezando, evangelizando a todos que encontravam pelo caminho – fosse com panfletos informativos, fosse distribuindo os ramos; marca e sinal da nossa fé.


Chegando à igreja, Dom Orani deu continuidade à celebração da Santa Missa relembrando que novamente os jovens marcaram uma praia do Rio de Janeiro com a sua presença, evangelização e criatividade e relembrou trechos dos discursos do Papa Francisco, ao explicar para todos os presentes o “ser revolucionário” do jovem cristão. Eduardo Viana, membro do EJC e do Setor Ju-

16

O Mensageiro

Abril 2015

ventude nos contou um pouco sobre o JDJ, “Achei muito interessante fazer um evento assim em lugar aberto e movimentado. As pessoas da Barra e de outros lugares estavam indo à praia em mais um dia normal e se depararam com uma multidão católica animada. Durante a procissão veio uma mulher me perguntar o que era e perguntou se podia ficar ali com a gente. A animação dos jovens católicos de fato contagia”. Mas lamentou a pouca adesão das paróquias, Só gostaria que as paróquias aderissem mais, com maior divulgação antes do evento. Assim o tema poderia ser discutido nos grupos jovens paroquiais como uma “preparação” e talvez a JDJ como um todo fosse ainda mais abraçada E também elogiou Dom Orani Achei incrível também nosso querido Dom Orani presente o tempo todo, incansável. Ele é realmente um bom pastor.


Já Fernanda Campos, outra integrante do EJC, falou um pouco de como foi essa sua primeira vez na JDJ. Gostei bastante, foi revigorante. Às vezes a gente fica meio desanimado, mas esses momentos reacendem nossa chama, nos faz ter cada vez mais a certeza de que a nossa fé não é morta, que a nossa igreja é uma igreja jovem, alegre e que não desiste de remar contra a maré. Por: Thiago Santos Pascom Loreto

Este espaço pode ser seu! 3392-4402 / 2425-0900 96499-3016 Acesse nosso site e saiba de tudo que acontece no Loreto www.loreto.org.br

Abril 2015

O Mensageiro

17


Falando Francamente Zamoura

Eu não sou água pra me tratares assim (atendendo a pedidos) Queridos irmãos leitores, não se espantem com o título deste artigo, esta frase foi cantada num dos carnavais da década de 1950, numa música de grande sucesso, denominada: A FONTE SECOU, de autoria de Monsueto, compositor já falecido. Esta frase precede outras duas com as seguintes palavras: SÓ NA HORA DA SEDE É QUE PROCURAS POR MIM, A FONTE SECOU, QUERO DIZER QUE ENTRE NÓS TUDO ACABOU. . Pois  bem, trazendo este tema para nossa realidade e  considerando que dia 20 de março foi o Dia Mundial da Água, nos preocupamos com a gravíssima situação da falta d´água no nosso planeta,  em  que pese nossa riqueza do precioso líquido. Através da mídia, sabemos que o Rio São Francisco, está  morrendo  pela falta d’ água e a estiagem  é evidente em  muitas cidades não só no nordeste como aqui mesmo no nosso  Rio  de  Janeiro  e  em  São Paulo,  onde  a  chuva outrora constante fica sem dar o ar de sua graça por longos períodos. Chuva, falada e decantada por tantos poetas, através de músicas e páginas literárias,    recordemos algumas:  TOMARA  QUE  CHOVA  TRES DIAS SEM PARAR //É

HOJE QUE EU VOU ME ACABAR COM CHUVA OU SEM CHUVA EU VOU PRA LÁ// A NOITE ESTÁ TÃO FRIA CHOVE LÁ  FORA//  CHOVE CHUVA, CHOVE  SEM  PARAR //CHUVA  VAI  CHUVA VEM, CHUVA MIUDA NÃO MATA NINGUEM. Pois é... Até  chuva  miúda  virou raridade. Estamos falando em chuva, pois é ela quem garante o enchimento dos açudes, barragens, ribeirões etc., além disso, há um forte relacionamento entre água e energia elétrica, razão pela qual precisamos nos conscientizar, quanto à necessidade premente de  economizarmos água. Sabe-se  que no verão, logicamente o consumo de água é bem maior: Piscinas,  Lavagem de  carro, banhos constantes, tudo isso ocorre de forma exagerada e  abusiva. Portanto, queridos irmãos leitores, baseado em tudo que acabamos de escrever, só nos resta um caminho  ECONOMIZAR ÁGUA, com seriedade  e  responsabilidade acima de tudo, inclusive trocando o cachorro pelo gato, pois gato não toma banho. Louvores e Glórias a Deus

Queridos irmãos leitores, baseado em tudo que acabamos de escrever, só nos resta um caminho ECONOMIZAR ÁGUA

Zamoura (Da Diva) 15º E.C.C zamouraediva@oi.com.br


A Divina Misericórdia é o tema da nossa contra capa deste mês.

A

arte que escolhemos para nossa homenagem é o óleo sobre tela, encomendado pelo confessor de Irmã Faustina, Pe. Michal Supocko, que pediu a ela que escrevesse os seus diálogos espirituais, o que resultou em centenas de páginas escritas pela Irmã. Padre Michal colheu todas as informações e detalhes para que o quadro retratasse exatamente a mensagem recebida por ela de Jesus. “Ofereço aos homens um vaso,com o qual devem vir buscar graças na fonte da misericórdia.Esse vaso é a Imagem com a inscrição: Jesus, eu confio em Vós” (Diário, 327). A imagem está no altar da Igreja do Espírito Santo, em Vilnius – Lituânia e foi restaurada em 2003. Datada de 1934 e de autoria do pintor Vilna Eugenio Kazimirowski. A festa da Divina Misericórdia celebrada no segundo domingo da Páscoa, esse ano, dia 12/04, reúne milhares de devotos no mundo inteiro. A ArqRio promove atividades e a celebração da Missa da Misericórdia, na Catedral Metropolitana. “Ajuda-me, Senhor, que minhas mãos possam ser misericordiosas e cheias de boas ações. Eu só sei fazer o bem ao próximo, tomar sobre mim o trabalho mais pesado. Ajuda-me, que o meu pé possa ser misericordioso, para que eu possa correr para ajudar o meu próximo, vencendo a própria fadiga e cansaço. Meu verdadeiro descanso está a serviço dos outros. Ajuda-me, Senhor, que meu coração seja misericordioso, para que eu possa sentir em mim todos os sofrimentos dos outros...” (Santa Faustina, Diário, 163).


Fé e Política Robson Leite

Redução da maioridade penal: solução ou retrocesso?

É

triste e lamentável ver que alguns setores da nossa é a polícia. Antes, precisamos de cultura, educação, lazer... sociedade continuam olhando para as consequ- Precisamos de oportunidades, sobretudo para essa juvenências da violência e não para a causa dela. A redu- tude esquecida pelos governos. Reduzir a maioridade penal será jogar esses jovens que ção da maioridade penal, se for aprovada pelo Congresso Nacional conforme está sendo anunciada pela mídia, podem ser facilmente recuperados, desde que haja vontade política, nas grandes universidades será um dos maiores retrocessos do crime: o sistema penitenciário. que testemunharemos em nosso Nos 54 países que Será, de forma triste e lamentável, país nos últimos anos. Os dados reduziram a maioridade uma maneira de criminalizar de vez estatísticos da violência mostram penal não se registrou a nossa juventude. Será jogar, como que a juventude é vítima da violêndiz um velho ditado, «criança, bacia cia, e não algoz como parte signiredução da violência. A e água fora quando bastava apenas ficativa da imprensa tenta impor à Espanha e a Alemanha trocar a água». opinião pública. Para nós, que defendemos a vida Eu faço aqui algumas perguntas voltaram atrás na decisão de para ajudar a nossa reflexão: será criminalizar menores de 18 da concepção à morte natural, coma cultura de morte é um princíque aquele jovem que está com um anos. Hoje, 70% dos países bater pio fundamental na conduta de um fuzil na mão em uma comunidade dominada pelo crime é a origem estabelecem 18 anos como cristão. E as experiências vividas no mundo onde se reduziu a maioridada violência? Ou será que ele é conidade penal mínima. de penal provam que ela não reduziu sequência de um sistema perverso (Fonte: Núcleo Especializado de a violência. Alguns países, inclusive, e absurdamente concentrador de Infância e Juventude da Defensoria voltaram atrás dessa decisão como rendas e de oportunidades apenas Pública de São Paulo) a Espanha e a Alemanha. Por isso, para uma parcela da sociedade que diga não a redução da maioridade não contempla esse jovem? O que levou esse jovem ao tráfico? Será que ele chegou para o pai penal compartilhando essa idéia: a juventude quer viver! em casa e disse estar em dúvida entre ser médico, advoga(*) Robson Leite é professor, escritor, membro da nossa do, engenheiro ou traficante? Esse jovem teve família? Frequentou escola? Teve acesso a projetos culturais de teatro, paróquia, funcionário concursado da Petrobras e foi Deputado Estadual de 2011 a Janeiro de 2014. música ou artes? Claro que não. Os dados estatísticos goSite: www.robsonleite.com.br vernamentais sobre essa juventude mostram isso. O proPágina do Facebook: www.facebook.com.br/robsonleiteblema está nas oportunidades. O último braço do Estado professor que deveria entrar em uma comunidade dita «pacificada»

20

O Mensageiro

Abril 2015


Anote em sua agenda Abril

07/04

SCJ - após a Missa das 19h30min - Conselho Pastoral

08/04

CEPAR – 19h30min – Missa de Entrega EAC

10/04

SANTUÁRIO - após a Missa das 19h30min - Santificação do Matrimônio

11 e 12/04

CEPAR – EAC

16/04

Santuário – após a Missa das 19h30min Adoração Vocacional Missas nos Hospitais, Casas de Saúde e Outros

08/04

Independência

19h30min

10/04

CATI

16h

17/04

Estância São José

15h

24/04

Hospital Rios D’Or

15h

26/04

Salão Zaccaria – 09h

Pastorais Entrega das Cestas aos Assistidos - Ação Social Grupos de Oração Jesus Ressurgiu

Santuário todas as 2ª feiras -14h30min

N. Sra. De Loreto

Santuário todas as 2ª feiras – 20h30min

Dos Homens

Santuário todas as 3ª feiras - 20h30min

Da Misericórdia

Santuário todas as 4ª feiras - 15h

Terços


Loretinho

loretinho

Loretinho

Elaborado pelas Irmãs de Belém

Queridas crianças, nesteneste mês celebramos Queridas crianças, mês celebramos uma festa uma festa muito importante da Igreja: a Páscoa! muito importante da Igreja: a Páscoa! Páscoa significa “passagem”, mudança Páscoa significa "passagem", mudança para uma vida nova, e compromisso de viverpara uma vida nova, e compromisso de mos mais unidos com Jesus. vivermos mais unidos com Jesus. Com a Ressurreição de Jesus, o Domina Ressurreição de Jesus, o Domingo go seCom para os cristãos Atornou Última Ceia de Jesuso DIA DO SEpara osvocê cristãos o DIA DO NHORsee,tornou cada Domingo deve celebrar, SENHOR cada Domingo você deve com a Igreja, a sua e, Páscoa.

A última ceia de Jesus

CAÇA-PALAVRAS celebrar, com a Igreja, a sua Páscoa.

Caça Palavras A Última Ceia de Jesus Procure as respostas no Caça-Palavras:

* Dia em que Jesus morreu para nos salvar...

CAÇA-PALAVRAS * Dia em que Jesus ressuscitou...

* A primeira pessoa a ver Jesus ressuscitado foi ..

D S Q A Z X C V B E I

P

F Y T P I O O P M V * E X T A F E I R A C * U E T S G H J K Z D * C V B C O D A R S A * A E D O M I N G O Q respostas Caça-Palavras: d R Procure A U as A I Tno A C Z U * I D H S S Y T C A I e S * Dia G em G que F Jesus S morreu T P para U nos Q salvar... K * T * Dia H em M que G Jesus A ressuscitou... E Z O E P I *A J primeira N J pessoa Y E P S U A a ver Jesus ressuscitado foi C .. A * Jesus K M A deixou-nos L E Num alimento A antesAde D morrer

alimento D* Jesus F antes Y deTmorrer P deixou-nos I O umO P deMvida V eterna, a ... S * NaESanta X .......... T reapresentamos A F E a Deus I oRúnicoAe C Qeterno U Sacrifício E Tde Jesus S Cristo. G H J K Z D festa na A* A C V qual B celebramos C O a vitória D de A Jesus R Cristo S A e a morte.. Zsobre A o pecado E D O M I N G O Q de Xvida eterna, a ... X R SIM A U A I T A C ZMARQUE U COM NÃO SIM OU NÃO * Na Santa C I D H S S Y T deCJesus A é a passagem I A Páscoa da morte para.......... a vida? reapresentamos a Deus o único e eterno Sacrifício de Jesus Cristo. MARQUE CO V S G G F ASPáscoa T dos P judeus U éQ K SIM a passagem da escravidão para a liberdade? A Páscoaade Jesus édea passagem *A na qual celebramos vitória Jesus B T H M G A AEPáscoa Z dos Ocristãos E éPa passagem dofesta bem para o mal? A Páscoa dos judeus é a passagem da Cristo sobre o pecado e a morte.. E I J N JA Páscoa Y dos E cristãos P Sé a passagem U A do pecado para a vida nova em Cristo? A Páscoa dos cristãos é a passage I A K M AVamos D à Missa A L E N A todos os domingos celebrar o Mistério da Paixão, Morte e

SIM OU NÃO SIM

Ressurreição de Jesus?

PARA REFLETIR... MARQUE COM X

A Páscoa dos cristãos é a passagem do pec Vamos à Missa todos os domingos celebrar o Mi de Jesus?

NÃO

PARA REZAR A Páscoa de Jesus é a passagem da morte para a vida? “Concedei-nos Senhor a PARA REFLETIR... “Eucaristia é também o Sacramento da Páscoa. A Páscoa dos judeus é a passagem da escravidão paraoaSacramento liberdade? grande alegria sermos “Eucaristia é também dadePáscoa. Toda Comunhão é uma festa da Ressurreição. fiéis mensageiros de Vossa A Páscoa dos cristãos é a passagem do bem para o mal? Toda Comunhão é uma festa da Ressurreição. Ressurreição, por uma É uma passagem: A Páscoa dos cristãos é a passagem do pecado para a vida nova em É uma passagem: tomada deCristo? consciência na fé, - Do pecado para a graça testemunho de vida da Vamos à Missa domingos celebrar da Paixão, Morte e Ressurreição - Doo Mistério pecado para a graçaum - Da todos morte os para a vida esperança e um anúncio da de- Jesus? Da morte para a vida salvação na caridade.” - Do terreno para o celestial Do terreno para o celestial (Madre Maria Helena Cavalcanti) - Do efêmero para o definitivo. Do efêmero para o definitivo. PARA REFLETIR... (Madre Maria Helena Cavalcanti) PARA REZAR... (Me. Mª Helena Cavalcanti) “Eucaristia é também o Sacramento da Páscoa.

Toda Comunhão é uma festa da Ressurreição. 22 O Mensageiro Abril 2015 É uma passagem: - Do pecado para a graça

“C de

“Concedei-nos Senhor a grande alegria de sermos fiéis mensageiros de Vossa Ressurreição, por uma tomada de

co v


Profile for Loreto

Mensageiro abr2015  

Informativo oficial da Igreja Nossa Senhora de Loreto

Mensageiro abr2015  

Informativo oficial da Igreja Nossa Senhora de Loreto

Advertisement