Issuu on Google+

Boletim Informativo Paróquia de Cossourado |Propriedade: Conselho Económico Paroquial | Supervisão: Pe. Manuel Baptista

| Director: Joaquim Casa Nova | Ano VI | Nº 63| Junho 2011 | Edição Mensal (3º Dom.) | Distribuição Gratuita

Festa do Corpo de Deus...

Nesta edição:

CATEQUESE: Festa do Credo Proclamação das Bem-Aventuranças

P2

ESCUTEIROS Lobitos na sua 1º actividade

P5

Excursão de Cossourado Passeio que já é tradição

P6

Convívio de S. João… no largo da Sra. da Cadavosa

P7

O Santíssimo Sacramento caminhou sobre os quadros floridos...

PASSEIO do GRUPO de CATEQUESE Um dia de convívio que foi do agrado de todos os participantes, por isso para o ano há mais ………………………Pag 3

Devido à Páscoa ter sido muito alta no Calendário, a festa do Corpo de Deus celebrou-se em Cossourado no dia 23 de Junho… Véspera de S. João. Como todos os anos, os preparativos iniciaram-se logo na quarta-feira. Quer os membros da Confraria do Senhor, quer várias pessoas de boa vontade apareceram para ajudar…

21 de AGOSTO

Na Quinta-Feira, os mais jovens seriam uma dúzia , oriundos dos escuteiros e da catequese, ou até sem rótulo nenhum, colocavam os caixilhos, carregavam serrim colorido e enchiam os interstícios das matrizes de madeira. Eram rapazes e raparigas muito animados, muito empenhados e muito dinâmicos; alguns, já vieram no ano passado……………... Pag 4


Boletim Informativo Paróquia de Cossourado

- Junho 2011

Festa do Credo Proclamação das Bem - Aventuranças No passado dia 29 de Maio a nossa Paróquia esteve mais uma vez em festa, pois o grupo do 5º ano de Catequese celebrou a sua Festa do Credo e os mais crescidos, o grupo do 7º ano celebrou a Festa das Bem-Aventuranças. Podemos dizer que muitas são as vezes em que rezamos o credo, nas missas dominicais, em casa, na catequese, mas será que sempre que o fazemos, pensamos e meditamos no seu significado? O Credo que rezamos trata da vida de Deus na vida dos Homens, e também da vida dos Homens na vida de Deus. Quando recitamos o Credo, não estamos a dizer ideias abstractas, mas a professar a fé dos apóstolos, que foram os primeiros a expressar estas verdades. Temos também a certeza de que não estamos sós nesta caminhada: Jesus está connosco apontando o caminho para o Pai, levando nos lábios a alegria de acreditar naquilo que constitui o fundamento da nossa Fé. Os mais pequenos acreditam e crêem em Deus, por isso, no dia da sua festa

agradeceram a Jesus o ano de Catequese que tiveram e proclamaram sua fé, para que não se esqueçam dela, para que cada dia esteja mais presente na vida de cada um de nós, para que se torne cada vez mais viva e forte, para que dela possamos dar testemunho na nossa vida de cada dia e no mundo em que vivemos. Quanto ao 7º ano, pode-se dizer que estes catequizandos foram ao longo deste ano foram descobrindo o sentido das palavras, Verdade, Justiça, Paz, Amor, que se encontram presentes na prática das Bem-Aventuranças no nosso dia-a-dia. Assim, durante a eucaristia fizeram a proclamação das Bem-Aventuranças explicando o sentido de cada uma delas para que todos os presentes relembrassem também parte da mensagem que Jesus nos deixou no sermão da montanha. As Bem – aventuranças são um testamento de Amor do Pai, de Esperança e de Vida Eterna para toda a Humanidade. Por isso, nunca é de mais voltar recordá-las:

Página 2 “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus; Felizes os que choram, porque serão consulados; Felizes os mansos, porque possuirão a terra; Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados; Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia; Felizes os puros de coração, porque verão a Deus; Felizes os construtores da paz, porque serão chamados filhos de Deus.” Os nossos catequizandos ao analisarem e ao apreenderem o sentido das bem-aventuranças não estão a fazer mais do que a enriquecerem-se de valores para a vida e para o seu quotidiano, o que faz cada vez mais sentido numa sociedade cada vez mais individualista. É com este espírito de acreditar, de ter fé, de querer aprender cada vez mais e de querer viver de acordo com aquilo que Jesus nos tem vindo a ensinar ao longo destes anos de Catequese que estas crianças e estes jovens afirmaram Jesus como seu Deus diante de toda a comunidade e diante de Jesus, que está sempre connosco, revelando-nos o Pai e acariciando-nos com o seu Espírito. É desta forma que os nossos catequizandos vão traçando o seu caminho em direcção a Cristo e à Igreja. Artigo: Fátima Araújo/Marinha Ferreira

Caros Cossouradenses, no próximo dia 21 de Agosto vamos ter mais um cortejo de oferendas, é vontade da organização (comissão de obras) que este ano o cortejo tenha um cariz mais cultural, vamos fazer deste cortejo um dia de festa onde os usos e costumes dos nossos antepassados estejam representados.

Contamos com a vossa criatividade para que este cortejo seja um êxito.

21 de Agosto


Boletim Informativo Paróquia de Cossourado - Junho 2011

Página 3

PASSEIO do GRUPO de CATEQUESE No passado dia 29 de Maio o nosso Grupo de Catequese realizou o seu habitual passeio de final de ano. Assim, por volta das 8 horas saímos do recinto da Igreja Paroquial com destino aos Arcos de Valdevez, onde fizemos uma pequena paragem, na qual foi possível um pouco de diversão e apreciar a beleza da paisagem junto ao Rio Vez. Depois seguimos em direcção aos Espigueiros do Soajo, um local desconhecido para a maioria do nosso grupo e onde foi possível fazer o lanche da manhã. Seguiu-se a visita à Senhora da Peneda, onde visitamos o Mosteiro, assim como, todas as capelinhas que acompanham aquela grande e imponente escadaria. Nesta paragem ainda houve tempo para um momento de descanso e descontracção, onde foi possível admirar a calmia e o sossego deste local. Por outro lado, outros catequizandos optaram por desenvolver alguns jogos, para assim passarem o tempo. Lamas de Mouro era o próximo destino que estava traçado no nosso trajecto, onde chegamos por volta das 13horas para almoçar. Um local com uma paisagem de uma beleza extraordinária, que já era nosso conhecido de outro passeio, apesar da maioria já não se lembrar do local. Depois de um almoço sossegado, uns grupos optaram por comer um gelado na esplanada, outros optaram por descobrir o local a pé, outros por fazer jogos, saltar à corda, jogar à bola entre outros. Contudo de repente começou a chover e uma foi uma correria a arrumar tudo para o autocarro, apesar de sairmos do local um pouco à pressa a verdade é que até foi bastante divertido. O nosso próximo destino eram as Muralhas de Valença, onde fizemos uma visita ao interior das mesmas e só depois de termos percorrido todo este espaço a pé, é que nos deslocamos ao parque de merendas de Valença, que se encontrava completamente cheio, onde fizemos o lanche da tarde. Depois do lanche já eram horas de fazer a viagem de regresso a Cossourado, onde chegamos por volta 20 horas. Foi mais um dia de convívio que parece ter sido do agrado de todos os participantes, por isso, fica aqui a promessa de que para o ano há mais. Fotos/ Artigo: Marinha Ferreira


Boletim Informativo Paróquia de Cossourado – Junho 2011

Página 4

Festa do Corpo de Deus… grande afluência… o Santíssimo Sacramento arrasta multidões... Mário Pereira

Continuação pag 1

Com o altifalante activado, e vedetas como A. Canário, Emanuel ou Quim Barreiros a animar Cossourado, os trabalhos avançaram a grande ritmo. Por volta da 17h00, todas as hastes estavam erguidas, todos os estandartes estavam colocados e alinhados, e algumas grinaldas atravessavam a avenida que chega ao adro da igreja. Os trabalhadores que não temeram o sol daquele dia de calor tórrido colocavam agora as flores de hortênsias. Na Quinta-feira de manhã, como já é hábito, contavase que, por volta das 9h00, aparecessem os jovens, os escuteiros, alguns fiéis para preparar os tapetes… Por volta das 9h00, ainda estava pouca gente. O Sr. Gonçalves ficou este ano encarregue as cores (vermelho, azul, amarelo, castanho e outras variações sobre o tema…), assim misturavam o serrim com uma técnica magistral, e preparava uma infinita variedade de tons e nuances. Outros 4 senhores colocavam as cordas, mantinham o alinhamento e o paralelismo entre as duas cordas, enchiam com a serradura incolor e alisavam. Incansavelmente estes repetiram esta operação até perto do meio-dia, hora em que conseguiram

perfazer a volta à capela de S. Simão. Os mais jovens seriam uma dúzia - , oriundos dos escuteiros e da catequese, ou até sem rótulo nenhum, colocavam os caixilhos, carregavam serrim colorido e enchiam os interstícios das matrizes de madeira. Eram rapazes e raparigas muito animados, muito empenhados e muito dinâmicos; alguns, pouco já vieram no ano passado, mas sendo menos numerosos do que no ano passado, a organização dos diferentes grupinhos, que funcionavam a volta dum caixilho, era muito maior; A eficiência foi tal, que nessa manhã até colocaram as cruzes e painéis coloridos a volta da capela de S.

pálio. O Sr Padre pregador, é oriundo da Meadela, e volta a Cossourado após ter estado entre nós no ano passado. Como já é seu hábito, chegou mais de meia hora adiantado. Focou a imagem do Deserto, a importância da nossa procura constante e incessante do Senhor e o papel das procissões para o Povo de Deus. Fez várias citações de textos do Santo Padre Bento XVI. Ainda focou a importância da solidariedade Cristã para com os desempregados, os doentes, os mais pobres, mais tristes, mais infelizes, mas sempre nossos irmãos. Longe de nós qualquer egoísmo, qual-

progressão da Hóstia Santa, Cristo Vivo entre nós. Ninguém pisa o tapete colorido preparado com tanto carinho pelos jovens, senhoras e senhores de boa vontade de Cossourado. E o Santíssimo Sacramento sai da Igreja, sai à rua, irrompe pelas nossas vidas, caminhou no caminho de Flores e cores que Lhe oferecemos… hoje; Cristo vem ao teu encontro… “Queremos Deus que é nosso Pai”… Os cânticos de louvor não param como se o nosso povo gritasse o seu amor ao seu Senhor, e que esse grito fosse em harmonia com o canto dos pássaros, e com os burburinho dos rios… E calmamente a procissão regressa ao altar, o Sr. Padre Pregador continua connosco, com o seu passo sereno. Mais umas orações ao Santíssimo Sacramento, outras a Virgem Maria, um Tantum Ergo e uma profunda e sentida inclinação diante do nosso Deus… e regressamos a Cossourado. Alegres. Sorridentes… e os foguetes estoiram… Em paz, nos saudamos…

Mário Pereira

Simão. Três ou quatro senhoras ajudadas por 2 ou 3 meninas colocavam granjas, rosas, camélias e até orquídeas, nos diferentes motivos coloridos. Ao toque do Angelus, ao meio-dia em ponto estava tudo pronto para procissão da tarde. Tempo de instalar umas fita de resguardo para impedir os carros de pisar os quadros floridos instalados pela avenida abaixo A missa estava prevista para as 15h30, e a hora certa inicio. Na sacristia era o frenesim habitual, a preparar as bandeiras, os círios, a cruz e o

quer tentativa de “fechar as nossas mãos…” como dizia D. António Couto em Fevereiro passado aquando da sua visita a Cossourado. No final, anunciou a nomeação dos mesários da confraria do Santíssimo Sacramento; os portadores de lanternas, os portadores do palio, as zeladoras e o portador da Bandeira foram também nomeados por 1 ano. No final da Santa Missa, a procissão formou-se e arrancou. Cá fora, estava um calor abrasador. A frente, vai o nosso Agrupamento de Escuteiros, ritmando com tambores e clarim a

Já agora : Participou na preparação dos tapetes? Participou na fanfarra, ou na procissão? Ajudou a levar uma bandeira? Não? Então, como sentiu o chamamento de Cristo neste dia, se fechou os ouvidos… do seu coração?


Boletim Informativo Paróquia de Cossourado - Junho 2011

Página 5

Nos passados dias 4 e 5 de Junho, a I Secção do Agrupamento de Escuteiros de Cossourado realizou a sua primeira actividade com os novos elementos, tendo esta decorrido no lugar de Vacaria em Carvoeiro. Os 15 lobitos de idades entre os 5 e os 10 anos, acompanhados por dois dirigentes, viveram um fim de semana inesquecível como muitos caracterizaram, tendo sido uma prova à sua responsabilidade, autonomia e agilidade. Eram 9h do dia de sábado quando saíram da igreja de Cossourado rumo à Sede do Clube de Caçadores de Carvoeiro onde iriam acantonar. Até à hora de almoço tinham como objectivo adquirir informações sobre o lugar onde se situavam, tradições e

Lobitos realizam a sua primeira actividade na Associação! costumes dos habitantes, quem era o Pároco e quais os santos que eram venerados naquela freguesia entre muitas outras descobertas… não fosse a curiosidade e a procura de respostas atitudes próprias destas idades. A hora do almoço foi muito aguardada, pois energias tinham sido descarregadas e tinham conhecimento de uma tarde bastante dura. Após um breve descanso começaram o grande jogo da tarde, o Jogo do Conhecimento que iria decorrer durante um raid até ao Lago dos Peixes. Desde de manha que estes lobitos andavam a percorrer os trilhos em redor do lugar onde iriam dormir mas o entusiasmo e o espírito aventureiro destes pequenos eram surpreendentes, e nenhum vacilava. Tinham várias tarefas para cumprir ao longo do percurso, entre as quais: a recolha de seres vivos, o preenchimento de questionários acerca de conhecimentos adquiridos nas reuniões anteriores, jogos de destreza física e de espírito de equipa, e a preparação de peças para o Fogo de Conselho. No final da tarde o cansaço foi-se apoderando destes pequenos jovens e a chegada a campo parecia tardar pois a última subida era íngreme e sem fim. A preparação do jantar após chegada a campo foi muito animada fazendo desaparecer algum tipo de cansaço ainda visível, pois todos participaram, todos contribuíram com um gesto

para o banquete que devoraram em três tempos. Importante é dizer que cada um trouxe o seu prato, talheres, copo e guardanapo, assim como os produtos de higiene, a toalha, o lanche, o pijama… cada um teve que tomar conta de si, sempre debaixo do olhar atento dos dirigentes, mas tendo a noção que tinham que se responsabilizar pelas suas coisas, adquirindo autonomia. No Fogo de Conselho os lobitos receberam a visita dos exploradores, de dirigentes e de alguns pais, participando todos nos jogos e peças preparadas para o momento. Houve dança e cânticos, peças cómicas com temas actuais e momentos de verdadeiro divertimento… pequenos, jovens, dirigentes e pais interagiram e partilharam o espírito escutista. A despedida foi demorada… preocupação de mãe em ver se estaria tudo bem foi a grande responsável, juntamente com a energia destas crian-

ças que não demonstravam os kms que percorreram ao longo do dia. No dia seguinte a euforia tomou conta destes lobitos: quem acordou primeiro? Quem foi o último? Quem tinha arrumado a mochila como deve ser? Onde estavam as coisas de cada um? Quem se tinha despachado e fardado primeiro? O alvoroço era muito, mas a partida tinha que ser breve pois às 10h era a Missa Dominical em Cossourado. Os principais objectivos do Lobitismo foram assim praticados, sendo eles: promover a acção criativa de cada criança, despertar nos Lobitos o gosto pela natureza de modo a que sintam a acção de Deus na própria natureza e a preparar física, moral e psiquicamente as crianças, para as fases seguintes das suas vidas. Sandra Costa


Boletim Informativo Paróquia de Cossourado - Junho 2011

Excursão de Cossourado… Passeio religioso que já se tornou tradição. Durante os primeiros dias do mês de Maio, correu a notícia de que haveria um passeio em Junho para São Bento da Porta Aberta e outro, em Julho, para Santiago de Compostela. Pouco depois, ninguém falava mais em nada… Julguei legitimamente: será que foram cancelados estes passeios? Não duvidei que a crise a bater às portas de Portugal, e a mexer com a carteira do povo de Cossourado, fosse a razão mais óbvia para o fracasso desta programação. Ao falar com a organizadora acerca

deslocam-se a imponente igreja,… umas orações, uma romaria, e um café para acordar… Próxima Paragem : A Sra. da Abadia. O imponente mosteiro de Terras de Bouro é mais um marco nas nossas peregrinações. De facto, muitos dos nossos conterrâneos acreditam e recordam que a imagem da Sra. de Abadia seja a imagem de Sra. da Cadavosa. È de relembrar que o Sr. Pe. Américo Teixeira cita um documento registado na Torre do Tombo, que indica que, “aquando da invasão dos mouros em 716-719, um abade ou ermi-

destes eventos falhados, ela confirmoume que eu estava completamente enganado! “Em menos de 15 dias, confirmou-me a senhora, já não havia lugar nem para um sítio, nem para o outro!”. Afinal, Cossourado escapou à crise ou precisa de desanuviar!

tão terá fugido com a imagem da Sra. da Cadavosa, para que não fosse profanada pelos infiéis”. Outros especialistas de Historia local afirmam com a maior convicção que a imagem presente no Mosteiro não terá mais do que 300 anos. Afinal, em quem podemos acreditar? Não posso responder, por enquanto. Próxima Paragem : S. Bento da Porta Aberta. Chegamos a tempo para a Santa Missa. Com ofertas de cravos, ou exvotos de cera, os devotos “fazem romarias” a volta do mosteiro, rezam e tocam a imagem de S. Bento com muita fé, devoção e respeito. Hora para o almoço… pausa terrena! A paragem obrigatória é nas tendas de mel e chá de ervas do Gerês. No fim do almoço, apareceu uma banda de música de Barcelos, e muitos dos nossos saltaram para Barcelos, e juntando-se aos músicos, começaram a dançar. Uma senhora até comprou uma concertina, de tão entusiasmada que ficou com o bailarico improvisado, mas estragou-a antes de subir para o autocarro. Próxima Paragem : S. Torcato, perto de Guimarães. O Santo bispo em carne e

Assim, no passado sábado 18 de Junho, por volta das 7h00, o autocarro percorreu a freguesia de par em par, recolhendo os sortudos que conseguiram o precioso lugar. Esta um tempo muito agradável, nem quente, nem frio, com céu azul… Um verdadeiro dia de Primavera. O destino principal era São Bento da Porta Aberta, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, mas o programa preciso era extenso, numa volta ao Minho dos grandes santuários. Primeira paragem, a Sra. do Alívio. Muitos ainda estão moles e mal acordados porque estas noites de quase verão são muito curtas e há que aproveitar o fim de tarde para as regas de plantações, cereais, flores e hortaliças. Descendem do autocarro e calmamente

Página 6 osso continua na zona do altar-mor. Dentro do mosteiro, um ensaio para uma missa de 1ª comunhão. Veneração e oração… Lá fora, o calor é convidativo para percorrer os 500m até a capela de Fonte do Santo, e beber à fonte propriamente dita. Ali muitos beberam nesta fonte milagrosa e refrescaram a cara e os pés. Assim, aliviados nesta tarde de calor regressaram para o autocarro. Alguns ainda aproveitaram a feira semanal a frente do Mosteiro para adquirir cerejas e pêssegos… Próxima Paragem : Sra. da Penha. Muito embora tenha um titulo religioso esta etapa destina-se a promover o lanche e, em particular, o convívio nas tascas, construídas entre os rochedos, que servem sardinha assada, bacalhau, crepes de pão milho e caldo verde. Mesmo que não tenhamos fome, o convívio leva-nos a sentar, saborear e conversar entre amigos. Uma visita ao santo Elias (advogado de sono), à Sra. do Carmo na sua capela esculpido num único rochedo, e à outra igreja da Sra. da Penha. Ao regressar para autocarro, há um grupo de concertinas, e os nossos viajantes entraram num baile frenético. Próxima Paragem : Sra. do Sameiro. Pela primeira vez, conseguimos entrar no santuário em excursão. Já só havia uma porta aberta, mas o responsável permitiu que todos entrassem, e fizessem uma pequena oração, virados para o altar majestoso da Rainha do Céus, Advogada dos pecadores, a Santa Mãe de Deus… Com mais algum tempo de folga, uns ainda foram até à estatua de Bronze de Beato João Paulo II, outros vieram para a capela Nova de Oração perpetua (e surpreenderam-se com o olhar vivo dos anjos que acompanham a Sra. Sameiro), outros andaram a avaliar os painéis de azulejos alusivos aos mistérios gloriosos, outros foram tomar um refresco no final desta tarde quente de verão. Regressamos a casa por volta das 21h00. Grande périplo pelos santuários católicos do Minho. A companhia foi excelente, muito animada, e dançarina. O convívio foi cheio de entusiasmo, de riso e de alegria… Um convívio entre amigos, entre famílias, entre cristãos… Podia aqui fazer o convite para as próximas saídas, mas já não há lugar. Talvez ainda haja algum para Fátima, mas não garanto… Por outro lado, ao ver a alegria do Povo de Cossourado, poderíamos dizer que se Portugal gerisse a sua contas como o nosso povo, Portugal ainda estaria firme e feliz, e a Troika só precisava de passar por cá para passar ferias… mas assim não foi… Foto e texto Mário Pereira


Boletim Informativo Paróquia de Cossourado - Junho 2011

Convívio de S. João… no largo da Sra. da Cadavosa No passado dia 26 de Junho a Comissão de Festas em Honra da Sra. da Cadavosa organizou um arraial, afim de preparar a festa de próximo mês de Setembro. O Sr. Padre Manuel Baptista anunciou no passado domingo 19 de Junho que haveria uma festa no adro de Nª Sra. da Cadavosa, e que haveria muitas concertinas. E acrescentou “Será no próximo sábado 26 a partir das 19h00”. Os altifalantes correram a nossa pequena aldeia nos dias 24 e 25 de Junho. Ninguém pode dizer que não sabia que havia convívio na Cadavosa, no dia 26, a menos que tivesse estado fora da freguesia durante perto de 15 dias. Obviamente, para os que festejaram o S. João no Porto, em Braga ou Famalicão, eram muitas noitadas, muito juntas, mas como é só uma vez no ano, e para um bom convívio, ninguém podia decentemente recusar o convite. Então, como estava convidado, apareci por lá. O largo à frente da Capelinha estava repleto de gente. Do lado esquerdo, estava a tasca que funciona habitualmente ao domingo, em apoio aos Jogos populares. Permitam-me relembrar que há jogos populares como malha e tiro ao alvo todos os domingos. Já agora saliento que muitos dos nossos conterrâneos falam comigo e reclamam; dizem que é pena que a capela nem sempre esteja aberta, mas Sra. Zeladora nem sempre está por Cossourado ao

domingo à tarde… então, fica aqui o pedido dos devotos de Maria… pedido para o qual não sei a solução… Voltando à festa, Na tasca servem as bebidas, do lado direito servem as comidas. Perto das escadas, está um tractor com equipamento de sonorização. Cinco colunas com quase dois metros de altura estão no adro. Em cima da parede colocaram sistemas luminosos que criam jogos de luzes em movimento, ou a rodopiarem. Agora acende verde, e a seguir vermelho e agora é amarelo. Parece uma discoteca ao ar livre… Os jovens e os menos jovens dançam, e agitam-se ao som do José Malhoa ou do Tony Carreira. Depois, mudam o ritmo, e os mais jovens experimentam danças africanas chamadas de “Kuduro”; parecem danças tribais…!

Página 7 Por detrás do serviço para as mesas, um jovem trata de assar sardinhas. Mas que sardinhas tal enormes carapaus. Tenho que provar… E efectivamente temos aqui a mítica sardinha do S. João que pinga na broa de milho… Um regalo… Mais uma… O vinho é bom, e cai bem, com estes peixes saborosos… Olhando a volta, conheço muitos dos presentes, gente de Cossourado, de Ardegão e de Panque. O ambiente é de convívio; Por volta da 23h00, começam a assar fêveras. Mais tarde anunciam que o Caldo verde está pronto. Mais um amigo, mais uma conversa animada, mais uma risada… Uma noite bem passada entre amigos da nossa terra, entre vizinhos, entre famílias. Grande convívio… grande arraial. Um grande bem-haja para esta Comissão de Festas 2011 que tanto se esforça para a nossa maior festa anual. Para os incansáveis, a festa durou até cerca das 2h00 da manhã, mas para isso era preciso não ter feito uma noitada de S. João, na antevéspera… Um pequeno reparo, veio pouco gente do lado da Portela, já que a maioria dos presentes era de Navió, Grimancinhos, Bouças, Cadavosa, Barreiro… Será que os outros não veneram a nossa Santa Mãe do Céu? Ou não querem que a festejemos na Cadavosa? A comissão promete relançar esta iniciativa do arraial ainda este verão, esperemos que, mudando de atitude, os lugares da Portela alinhem um pouco mais... Grande festa… Quando me lembro, até voltava lá agora mesmo, mas… acabou o São João… ou talvez não! Textos e fotos Mário Pereira


Boletim Informativo Par贸quia de Cossourado - Junho 2011

P谩gina 8


Boletim Informativo da Paróquia de Cossourado, Junho de 2011