Issuu on Google+

Tiago Walter Vera

Queremos chegar a um ponto em que a cirurgia não seja mais necessária, apenas aplicando as células no local. Alcy Vilas Boas, especialista em cirurgia do joelho.

AS CÉLULAS DA REGENERAÇÃO roso, no sangue ou parede do cordão umbilical e nos próprios órgãos de um organismo já desenvolvido, mas funcionam de forma mais limitada. A esperança da ciência e da medicina é que os dois tipos possam ser utilizados para regenerar órgãos que estejam lesionados e perdendo seus componentes celulares, afetando suas funções. As pesquisas vêm mostrando resultados surpreendentes, mas ainda há muito para descobrir. O uso das células-tronco embrionárias desperta polêmicas porque envolve questões

biológicas, éticas e religiosas. Por isso as pesquisas só acontecem baseadas em leis de cada país, obedecendo a normas rígidas. Já as células-tronco adultas são mais fáceis de ser obtidas e não apresentam os mesmos problemas legais das embrionárias. Porém, apresentam menor potencial de diferenciação. Podem estimular as células-tronco e as células do tecido do órgão lesado a entrar novamente no ciclo celular, moderando as reações inflamatórias e impedindo a morte das células.

Tiago Walter Vera

A ciência já sabe que as células-tronco podem levar à cura e controle de muitas doenças devido suas propriedades intrínsecas. Os cientistas pesquisam como elas funcionam, o que são capazes de fazer e como podem ser aplicadas. Estas células são muito versáteis e têm a capacidade de transformar-se em qualquer tecido do corpo. Podem ser embrionárias ou adultas. As embrionárias surgem no embrião e dão origem a todo o organismo. As adultas podem ser encontradas na medula dos ossos, no tecido gordu-

A paciente Araci em recuperação após cirurgia com o uso de células-tronco

PARANÁ FAZ CIÊNCIA

21


Revista Parana Faz Ciência - Edição 1