Issuu on Google+

43

Reestruturação das diretorias de RH e Financeiro

A Paper foi a campeã na categoria mídia impressa da etapa São Paulo do Prêmio Aberje 2011, uma das mais prestigiadas premiações de comunicação empresarial do País. Organizado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), o Prêmio tem o objetivo de reconhecer a qualidade dos projetos corporativos em aspectos como criatividade, inovação, adequação da proposta, design e qualidade gráfica. Além de assuntos relevantes para a sociedade, a revista, elaborada pela área de Marketing Institucional da IP, aborda temas relacionados aos negócios da companhia e as diversas possibilidades de utilização gráfica do papel.

Equipe de Comunicação e Marketing Institucional da IP e Agência Ideal recebem o troféu do Prêmio Aberje Regional 2011.

International Paper apoia o Prêmio Jabuti A 53ª edição do Prêmio Jabuti será realizada no dia 30 de novembro, em São Paulo. Uma das principais premiações da Literatura no Brasil, o Jabuti conta com 29 categorias e, este ano, a expectativa é que tenham se inscrito mais de três mil pessoas. A IP apoia o evento, ciente da importância do incentivo à produção literária no Brasil. O catálogo oficial da premiação será impresso em papel Chambril. “Participamos de importantes iniciativas no segmento editorial em 2011, como a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, o Concurso Literário Benvirá, entre outros. Agora também apoiamos o Prêmio Jabuti, o mais antigo prêmio literário nacional”, afirma Gisele Gaspar, gerente de Serviços de Marketing da IP. O objetivo da companhia é estar cada vez mais próxima desse segmento.

novembro 2011

DOUG HAEFER, diretor de Recursos Humanos da IP América Latina

MARC VAN LIESHOUT, diretor Financeiro (CFO) da IP América Latina

CIDADE DO LIVRO ITINERANTE CHEGA A TRÊS LAGOAS

Febracorp recebe patrocínio da IP

Entre 31 de outubro e 11 de novembro, Três Lagoas (MS) recebeu o projeto Cidade do Livro Itinerante. Realizado pelo Instituto International Paper (IIP) em parceria com a prefeitura da cidade, a iniciativa busca incentivar a leitura por meio de peças teatrais dedicadas a crianças de cinco a dez anos. Em um espaço cenográfico, distribuído em 275 m², foi abordada a importância dos livros, além de temas atuais como saúde, meio ambiente, pluralidade cultural, ética e cidadania. Essa foi a primeira vez que o programa foi realizado fora do Estado de São Paulo. Cerca de 7.700 crianças participaram da programação, incluindo alunos da região e filhos de profissionais da IP.

Nos dias 4 e 5 de outubro, a International Paper participou de um evento da Federação Brasileira de Desenvolvimento Corporativo (Febracorp). Foram realizadas diversas palestras com o objetivo de compartilhar conhecimentos sobre gestão e casos de sucesso de algumas empresas. Dois profissionais da IP palestraram: Luciano Fusaro falou sobre o tema “Strategic sourcing” e Marcos Scalabrin apresentou “Implementando inteligência em compras”. O público estimado do evento foi de 450 pessoas, entre diretores, gerentes e especialistas de médias e grandes empresas, das áreas de Supply e Suprimentos. Além das palestras, a IP participou com um estande onde expôs o papel Chamex.

IP participa do Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica (CONGRAF) A 15ª edição do CONGRAF foi realizada entre os dias 8 e 11 de outubro, em Foz do Iguaçu. O evento acontece a cada três anos e é voltado para profissionais do setor gráfico, com uma série de palestras e estandes de alguns dos maiores fornecedores da indústria gráfica. A International Paper patrocinou o evento com a marca Chambril e ofereceu uma palestra com o tema “Certificações ambientais como diferencial competitivo nos negócios”, ministrada pelo especialista em Melhoria de Processos da IP, Aluizio Sales.

• Diretoria Jurídica e de Assuntos Corporativos Ricardo C. Zangirolami • Direção do projeto Luis Fernando Madella - Gerente-geral de Relações Institucionais (email: luis.madella@ipaperbr.com) • Coordenação do Projeto Tayla Monteiro - Comunicação e Marketing Institucionais (email: tayla.monteiro@ipaperbr.com) • Estagiária de Comunicação e Marketing Fernanda Camargo • Criação e produção Agência Ideal • Direção de arte e Projeto Gráfico Tom Comunicação • Coordenação Editorial Marina Rodriguez • Redação Camila Gonçalves e Marina Rodriguez • Revisão Ricardo Cesar • Impressão Ogra • Jornalista responsável Ricardo Cesar – MTB 33669. • Colaboraram nesta edição Antonio Carlos Amador Pereira, psicoterapeuta e professor do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade de São Paulo (USP); Arthur Cristino, analista de Trade de Marketing da IP; Carlos Bacellar, coordenador do Arquivo Público do Estado de São Paulo e professor do departamento de História da Universidade de São Paulo (USP); Carolina Rodrigues, estudante de cinema; Fabiana Silva, analista de Marketing da IP; Fabiano Ghessi, analista de Trade de Marketing da IP; Gisele Gaspar, gerente de Serviços de Marketing da IP; Gláucia Faria, analista de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da IP; Paula Souza, coordenadora de Prevervação da Biblioteca Mário de Andrade.

esta é uma publicação mensal da

GISELE GASPAR e ARTHUR CRISTINO, da área de Marketing da IP, no estande de Chamex na Febracorp

Pense

Com a aproximação das festas de final de ano, é natural que o consumo aumente. Fique atento e compre apenas produtos cuja cadeia de produção seja certificada. Não vale a pena adquirir presentes mais baratos que possam ter sido feitos ou distribuídos de forma ilegal. Guarde as embalagens para encaminhá-las à reciclagem. Se for organizar uma festa, a premissa é a mesma: opte por copos e talheres recicláveis e, sempre que possível, utilize a criatividade para reaproveitar a decoração em outro evento.

nisso

Na próxima edição: Fim de Ano Esta publicação foi impressa em papel certificado pelo programa brasileiro de certificação florestal

Ciclo do papel nas nossas vidas

Paper foi impressa em papel Chambril 240 g/m² da International Paper, com verniz localizado.

Paper vence o Prêmio Aberje 2011

Buscando fortalecer os negócios na América Latina, a IP reestruturou duas importantes áreas da companhia no Brasil. O cargo de diretor de Recursos Humanos passa a ser ocupado pelo norte-americano Doug Haefer. Já o cargo de diretor Financeiro (CFO) da IP América Latina fica sob responsabilidade de Marc Van Lieshout. Os dois executivos da IP, que atuavam em outras unidades fora do País, foram transferidos para o Brasil e estão trabalhando no escritório da companhia, em São Paulo.


companheiro desde

sempre O papel está presente em todas as fases da vida, e ajuda a registrar a existência de cada um de nós. Conheça algumas de suas funções, que vão desde o suporte para a aprendizagem até as ferramentas de investigação histórica. Diz o ditado popular que o futuro é uma folha

Das impressões pessoais para a

poderosa ferramenta de armazenamento de dados. “Os pergaminhos, ‘avós’ do papel, são um registro que perdura e continua útil até hoje”, reflete Antonio Carlos Amador Pereira, psicoterapeuta e professor do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Mais que compor a maioria dos documentos que

em branco. Para além da metáfora, o papel é

carregamos dentro da carteira, o papel registra toda

um verdadeiro companheiro em todas as

a nossa história pessoal. É comum, por exemplo,

fases da vida. Logo que a mamãe descobre

que um filho chegue da escola orgulhoso, mostrando

que está grávida, faz questão de ter uma

os cadernos para os pais. Ou, depois de uma prova

Durante o ano de 1918, o escritor paulistano

Conservar papéis do passado para as próximas gerações também é missão de Paula Souza, coordenadora

cópia impressa com imagens do primeiro

difícil, tirar uma boa nota que será exibida na porta da

Oswald de Andrade manteve um estúdio no centro

de Preservação da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. A historiadora é uma fã de papel, tanto

geladeira. Todos esses desafios escolares, que são

de São Paulo. Vários amigos de Oswald passaram

que, logo após a graduação, ela fez um curso de especialização em restauro e conservação do material. O

uma importante etapa da formação de qualquer

pelo local, entre os quais o escritor Guilherme de

interesse de Paula começou logo na infância. “Meu pai tinha uma biblioteca muito bonita em casa. Desde

pessoa, podem se transformar na nossa memorabilia

Almeida. Os artistas decidiram eternizar a amizade

os nove anos eu ia estudar no local e ficava olhando todo aquele acervo”, recorda-se. “Os livros sempre

pessoal. A palavra, derivada do latim, é usada para

em uma espécie de diário coletivo. Em um caderno

fizeram parte da minha rotina. Uma das coisas das quais mais gosto é o cheiro do papel”.

designar objetos dos quais guardamos memórias.

de cerca de 200 páginas, registraram desenhos,

ultrassom. Depois de ficar sabendo se é menino ou menina, começa a fazer anotações sobre o que comprar e, em muitos casos, inicia um diário contando detalhes da rotina e suas expectativas. E, após meses planejando o nome do

colagens, frases, poemas e outras tantas

A paixão acompanhou a historiadora por sua formação e sua carreira profissional. Há um ano e meio,

O papel, além de divertir, também é uma ferramenta

manifestações. O que começou como uma

cabe a Paula a responsabilidade de conservar os livros da Biblioteca Mário de Andrade. São 22 andares

muito importante para o desenvolvimento dos

brincadeira de amigos hoje é considerada uma

com uma média de 20 mil volumes cada, além de 14 mil mapas e uma coleção de arte. “Coordeno uma

Mesmo com todas as mudanças pelas quais o

pequenos, já que, por meio dele, o desenho e a

importante obra da literatura brasileira, editada com

equipe que verifica algumas condições ideais para a conservação do papel, como a temperatura certa, a

mundo passou nas últimas décadas, muitas tarefas

forma de colorir podem se transformar em

o nome O Perfeito Cozinheiro das Almas deste

ausência de insetos e o controle da umidade”, enumera. A rotina é atribulada, mas a coordenadora encerra

permanecem atreladas ao papel, que é uma

verdadeiras ferramentas de expressão. “Os

Mundo (Editora Globo).

o dia com a sensação de dever cumprido. “Poder pegar nas mãos um papel com uma gravura de Di

bebê, é na certidão de nascimento que ele se torna, oficialmente, um cidadão.

Cavalcanti, um artista que admiro, é uma sensação maravilhosa”, comemora.

primeiros rabiscos já permitem a transmissão de

É muito comum que, a partir da adolescência, as pessoas mantenham

uma mensagem. Por isso o ritmo da criança deve

Um diário pessoal pode se transformar em uma

ser respeitado. O adulto precisa dar espaço para

fonte histórica, como é o caso do caderno de

Pode ser para rabiscar uma ideia que se tornará um projeto, compor um diploma que representa anos

que ela se expresse com liberdade”, explica Antonio

Oswald. O documento mais antigo do Arquivo

de estudos e dedicação ou anotar o telefone de um recém-conhecido que se tornará uma paixão.

Carlos. Conforme a criança vai crescendo, seus

Público do Estado de São Paulo também é um

Também pode ser para aprender com a ajuda de um livro, analisar um documento antigo, restaurar uma

desenhos se transformam em uma espécie de

papel que, originalmente, foi destinado para fins

gravura. O fato é que o papel está presente em cada um dos momentos mais especiais da nossa rotina.

crônica da sua rotina.

pessoais. “Trata-se do testamento de um sapateiro que viveu na cidade em 1578”, aponta Carlos

diários, agendas e cadernos cheios de lembranças. Esse é o caso da

Bacellar, coordenador do Arquivo Público do Estado

estudante de cinema Carolina Rodrigues, de 27 anos, que mantém o

de São Paulo e professor do departamento de

hábito de escrever em cadernos desde os 11 anos. “Não são diários

História da Universidade de São Paulo (USP). Esse

onde eu escreva exatamente o que acontece. Utilizo mais para representar meu estado de espírito”, reflete. Por meio das palavras e desenhos que preenchem as páginas, Carolina consegue se recordar de fatos que aconteceram em sua rotina. “É interessante notar como a caligrafia diz muito sobre o que eu estava vivenciando na época: se escrevia com angústia, tranquilidade ou pressa”, garante. Carolina guarda todos os cadernos desde os 17 anos. “Escrever é

i g s e t ro d r O o

externar um pensamento, é materializar sua visão de mundo, totalmente preenchidos e dez ainda incompletos, que são guardados a sete chaves. “Não os mostro para ninguém, considero muita exposição”, filosofa. O ato de relembrar o passado não é exclusividade de quem mantém diários. Guardar um ingresso ou encontrar um bilhete perdido na bolsa pode desencadear uma série de emoções. Apesar de saudável, Antonio Carlos destaca que as memórias devem ser usadas como uma forma de aprendizagem, e nunca com saudosismo. “Relembrar é sempre positivo desde que possamos aprender algo com o passado que possa ajudar no futuro”, explica. Por exemplo: pode ser interessante reler criticamente uma carta de muitos anos atrás e tirar dela alguns ensinamentos. “Porém, jamais fique estagnado relendo um diário e revivendo a situação, ou você pode se esquecer do presente”, ensina o psicólogo.

u mundo me

algo inexplicável”, reflete. Ao todo, são cerca de 30 cadernos

história

tipo de material é especialmente rico por resgatar atos cotidianos que permitem que um historiador entenda detalhes do período abordado. “Cada documento é o registro de uma época. O mais interessante é que as pessoas que colocaram essas informações no papel nunca imaginaram que elas seriam lidas séculos depois”, reflete.

Conservar por

toda a vida

Guardamos diversos papéis que são de fundamental importância, como documentos, livros e diários. Paula Souza, coordenadora de Preservação da Biblioteca Mário de Andrade, dá algumas dicas de como conservar esse importante acervo pessoal: • O papel absorve muita umidade. Portanto, é importante armazená-lo em um ambiente limpo e arejado. Jamais abafe o papel com sacos plásticos. • Quando for limpar objetos à base de papel, não utilize produtos químicos. Uma boa dica é tirar a poeira com um pincel de cerdas macias. • Se sua biblioteca tiver móveis de madeira, não passe lustra-móveis ou qualquer outro produto que deixe as prateleiras úmidas. Ele pode migrar para o papel e propiciar o surgimento de fungos em seus livros. • Jamais exponha seus papéis ao sol. A luz solar oxida as fibras de celulose, causando manchas amareladas nas folhas. • Se notar sinais que indicam a presença de insetos em sua casa, leve os papéis para um profissional especializado em higienização. Nunca utilize produtos químicos sem orientação, eles podem danificar seu acervo.


companheiro desde

sempre O papel está presente em todas as fases da vida, e ajuda a registrar a existência de cada um de nós. Conheça algumas de suas funções, que vão desde o suporte para a aprendizagem até as ferramentas de investigação histórica. Diz o ditado popular que o futuro é uma folha

Das impressões pessoais para a

poderosa ferramenta de armazenamento de dados. “Os pergaminhos, ‘avós’ do papel, são um registro que perdura e continua útil até hoje”, reflete Antonio Carlos Amador Pereira, psicoterapeuta e professor do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Mais que compor a maioria dos documentos que

em branco. Para além da metáfora, o papel é

carregamos dentro da carteira, o papel registra toda

um verdadeiro companheiro em todas as

a nossa história pessoal. É comum, por exemplo,

fases da vida. Logo que a mamãe descobre

que um filho chegue da escola orgulhoso, mostrando

que está grávida, faz questão de ter uma

os cadernos para os pais. Ou, depois de uma prova

Durante o ano de 1918, o escritor paulistano

Conservar papéis do passado para as próximas gerações também é missão de Paula Souza, coordenadora

cópia impressa com imagens do primeiro

difícil, tirar uma boa nota que será exibida na porta da

Oswald de Andrade manteve um estúdio no centro

de Preservação da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. A historiadora é uma fã de papel, tanto

geladeira. Todos esses desafios escolares, que são

de São Paulo. Vários amigos de Oswald passaram

que, logo após a graduação, ela fez um curso de especialização em restauro e conservação do material. O

uma importante etapa da formação de qualquer

pelo local, entre os quais o escritor Guilherme de

interesse de Paula começou logo na infância. “Meu pai tinha uma biblioteca muito bonita em casa. Desde

pessoa, podem se transformar na nossa memorabilia

Almeida. Os artistas decidiram eternizar a amizade

os nove anos eu ia estudar no local e ficava olhando todo aquele acervo”, recorda-se. “Os livros sempre

pessoal. A palavra, derivada do latim, é usada para

em uma espécie de diário coletivo. Em um caderno

fizeram parte da minha rotina. Uma das coisas das quais mais gosto é o cheiro do papel”.

designar objetos dos quais guardamos memórias.

de cerca de 200 páginas, registraram desenhos,

ultrassom. Depois de ficar sabendo se é menino ou menina, começa a fazer anotações sobre o que comprar e, em muitos casos, inicia um diário contando detalhes da rotina e suas expectativas. E, após meses planejando o nome do

colagens, frases, poemas e outras tantas

A paixão acompanhou a historiadora por sua formação e sua carreira profissional. Há um ano e meio,

O papel, além de divertir, também é uma ferramenta

manifestações. O que começou como uma

cabe a Paula a responsabilidade de conservar os livros da Biblioteca Mário de Andrade. São 22 andares

muito importante para o desenvolvimento dos

brincadeira de amigos hoje é considerada uma

com uma média de 20 mil volumes cada, além de 14 mil mapas e uma coleção de arte. “Coordeno uma

Mesmo com todas as mudanças pelas quais o

pequenos, já que, por meio dele, o desenho e a

importante obra da literatura brasileira, editada com

equipe que verifica algumas condições ideais para a conservação do papel, como a temperatura certa, a

mundo passou nas últimas décadas, muitas tarefas

forma de colorir podem se transformar em

o nome O Perfeito Cozinheiro das Almas deste

ausência de insetos e o controle da umidade”, enumera. A rotina é atribulada, mas a coordenadora encerra

permanecem atreladas ao papel, que é uma

verdadeiras ferramentas de expressão. “Os

Mundo (Editora Globo).

o dia com a sensação de dever cumprido. “Poder pegar nas mãos um papel com uma gravura de Di

bebê, é na certidão de nascimento que ele se torna, oficialmente, um cidadão.

Cavalcanti, um artista que admiro, é uma sensação maravilhosa”, comemora.

primeiros rabiscos já permitem a transmissão de

É muito comum que, a partir da adolescência, as pessoas mantenham

uma mensagem. Por isso o ritmo da criança deve

Um diário pessoal pode se transformar em uma

ser respeitado. O adulto precisa dar espaço para

fonte histórica, como é o caso do caderno de

Pode ser para rabiscar uma ideia que se tornará um projeto, compor um diploma que representa anos

que ela se expresse com liberdade”, explica Antonio

Oswald. O documento mais antigo do Arquivo

de estudos e dedicação ou anotar o telefone de um recém-conhecido que se tornará uma paixão.

Carlos. Conforme a criança vai crescendo, seus

Público do Estado de São Paulo também é um

Também pode ser para aprender com a ajuda de um livro, analisar um documento antigo, restaurar uma

desenhos se transformam em uma espécie de

papel que, originalmente, foi destinado para fins

gravura. O fato é que o papel está presente em cada um dos momentos mais especiais da nossa rotina.

crônica da sua rotina.

pessoais. “Trata-se do testamento de um sapateiro que viveu na cidade em 1578”, aponta Carlos

diários, agendas e cadernos cheios de lembranças. Esse é o caso da

Bacellar, coordenador do Arquivo Público do Estado

estudante de cinema Carolina Rodrigues, de 27 anos, que mantém o

de São Paulo e professor do departamento de

hábito de escrever em cadernos desde os 11 anos. “Não são diários

História da Universidade de São Paulo (USP). Esse

onde eu escreva exatamente o que acontece. Utilizo mais para representar meu estado de espírito”, reflete. Por meio das palavras e desenhos que preenchem as páginas, Carolina consegue se recordar de fatos que aconteceram em sua rotina. “É interessante notar como a caligrafia diz muito sobre o que eu estava vivenciando na época: se escrevia com angústia, tranquilidade ou pressa”, garante. Carolina guarda todos os cadernos desde os 17 anos. “Escrever é

i g s e t ro d r O o

externar um pensamento, é materializar sua visão de mundo, totalmente preenchidos e dez ainda incompletos, que são guardados a sete chaves. “Não os mostro para ninguém, considero muita exposição”, filosofa. O ato de relembrar o passado não é exclusividade de quem mantém diários. Guardar um ingresso ou encontrar um bilhete perdido na bolsa pode desencadear uma série de emoções. Apesar de saudável, Antonio Carlos destaca que as memórias devem ser usadas como uma forma de aprendizagem, e nunca com saudosismo. “Relembrar é sempre positivo desde que possamos aprender algo com o passado que possa ajudar no futuro”, explica. Por exemplo: pode ser interessante reler criticamente uma carta de muitos anos atrás e tirar dela alguns ensinamentos. “Porém, jamais fique estagnado relendo um diário e revivendo a situação, ou você pode se esquecer do presente”, ensina o psicólogo.

u mundo me

algo inexplicável”, reflete. Ao todo, são cerca de 30 cadernos

história

tipo de material é especialmente rico por resgatar atos cotidianos que permitem que um historiador entenda detalhes do período abordado. “Cada documento é o registro de uma época. O mais interessante é que as pessoas que colocaram essas informações no papel nunca imaginaram que elas seriam lidas séculos depois”, reflete.

Conservar por

toda a vida

Guardamos diversos papéis que são de fundamental importância, como documentos, livros e diários. Paula Souza, coordenadora de Preservação da Biblioteca Mário de Andrade, dá algumas dicas de como conservar esse importante acervo pessoal: • O papel absorve muita umidade. Portanto, é importante armazená-lo em um ambiente limpo e arejado. Jamais abafe o papel com sacos plásticos. • Quando for limpar objetos à base de papel, não utilize produtos químicos. Uma boa dica é tirar a poeira com um pincel de cerdas macias. • Se sua biblioteca tiver móveis de madeira, não passe lustra-móveis ou qualquer outro produto que deixe as prateleiras úmidas. Ele pode migrar para o papel e propiciar o surgimento de fungos em seus livros. • Jamais exponha seus papéis ao sol. A luz solar oxida as fibras de celulose, causando manchas amareladas nas folhas. • Se notar sinais que indicam a presença de insetos em sua casa, leve os papéis para um profissional especializado em higienização. Nunca utilize produtos químicos sem orientação, eles podem danificar seu acervo.


43

Reestruturação das diretorias de RH e Financeiro

A Paper foi a campeã na categoria mídia impressa da etapa São Paulo do Prêmio Aberje 2011, uma das mais prestigiadas premiações de comunicação empresarial do País. Organizado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), o Prêmio tem o objetivo de reconhecer a qualidade dos projetos corporativos em aspectos como criatividade, inovação, adequação da proposta, design e qualidade gráfica. Além de assuntos relevantes para a sociedade, a revista, elaborada pela área de Marketing Institucional da IP, aborda temas relacionados aos negócios da companhia e as diversas possibilidades de utilização gráfica do papel.

Equipe de Comunicação e Marketing Institucional da IP e Agência Ideal recebem o troféu do Prêmio Aberje Regional 2011.

International Paper apoia o Prêmio Jabuti A 53ª edição do Prêmio Jabuti será realizada no dia 30 de novembro, em São Paulo. Uma das principais premiações da Literatura no Brasil, o Jabuti conta com 29 categorias e, este ano, a expectativa é que tenham se inscrito mais de três mil pessoas. A IP apoia o evento, ciente da importância do incentivo à produção literária no Brasil. O catálogo oficial da premiação será impresso em papel Chambril. “Participamos de importantes iniciativas no segmento editorial em 2011, como a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, o Concurso Literário Benvirá, entre outros. Agora também apoiamos o Prêmio Jabuti, o mais antigo prêmio literário nacional”, afirma Gisele Gaspar, gerente de Serviços de Marketing da IP. O objetivo da companhia é estar cada vez mais próxima desse segmento.

novembro 2011

DOUG HAEFER, diretor de Recursos Humanos da IP América Latina

MARC VAN LIESHOUT, diretor Financeiro (CFO) da IP América Latina

CIDADE DO LIVRO ITINERANTE CHEGA A TRÊS LAGOAS

Febracorp recebe patrocínio da IP

Entre 31 de outubro e 11 de novembro, Três Lagoas (MS) recebeu o projeto Cidade do Livro Itinerante. Realizado pelo Instituto International Paper (IIP) em parceria com a prefeitura da cidade, a iniciativa busca incentivar a leitura por meio de peças teatrais dedicadas a crianças de cinco a dez anos. Em um espaço cenográfico, distribuído em 275 m², foi abordada a importância dos livros, além de temas atuais como saúde, meio ambiente, pluralidade cultural, ética e cidadania. Essa foi a primeira vez que o programa foi realizado fora do Estado de São Paulo. Cerca de 7.700 crianças participaram da programação, incluindo alunos da região e filhos de profissionais da IP.

Nos dias 4 e 5 de outubro, a International Paper participou de um evento da Federação Brasileira de Desenvolvimento Corporativo (Febracorp). Foram realizadas diversas palestras com o objetivo de compartilhar conhecimentos sobre gestão e casos de sucesso de algumas empresas. Dois profissionais da IP palestraram: Luciano Fusaro falou sobre o tema “Strategic sourcing” e Marcos Scalabrin apresentou “Implementando inteligência em compras”. O público estimado do evento foi de 450 pessoas, entre diretores, gerentes e especialistas de médias e grandes empresas, das áreas de Supply e Suprimentos. Além das palestras, a IP participou com um estande onde expôs o papel Chamex.

IP participa do Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica (CONGRAF) A 15ª edição do CONGRAF foi realizada entre os dias 8 e 11 de outubro, em Foz do Iguaçu. O evento acontece a cada três anos e é voltado para profissionais do setor gráfico, com uma série de palestras e estandes de alguns dos maiores fornecedores da indústria gráfica. A International Paper patrocinou o evento com a marca Chambril e ofereceu uma palestra com o tema “Certificações ambientais como diferencial competitivo nos negócios”, ministrada pelo especialista em Melhoria de Processos da IP, Aluizio Sales.

• Diretoria Jurídica e de Assuntos Corporativos Ricardo C. Zangirolami • Direção do projeto Luis Fernando Madella - Gerente-geral de Relações Institucionais (email: luis.madella@ipaperbr.com) • Coordenação do Projeto Tayla Monteiro - Comunicação e Marketing Institucionais (email: tayla.monteiro@ipaperbr.com) • Estagiária de Comunicação e Marketing Fernanda Camargo • Criação e produção Agência Ideal • Direção de arte e Projeto Gráfico Tom Comunicação • Coordenação Editorial Marina Rodriguez • Redação Camila Gonçalves e Marina Rodriguez • Revisão Ricardo Cesar • Impressão Ogra • Jornalista responsável Ricardo Cesar – MTB 33669. • Colaboraram nesta edição Antonio Carlos Amador Pereira, psicoterapeuta e professor do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade de São Paulo (USP); Arthur Cristino, analista de Trade de Marketing da IP; Carlos Bacellar, coordenador do Arquivo Público do Estado de São Paulo e professor do departamento de História da Universidade de São Paulo (USP); Carolina Rodrigues, estudante de cinema; Fabiana Silva, analista de Marketing da IP; Fabiano Ghessi, analista de Trade de Marketing da IP; Gisele Gaspar, gerente de Serviços de Marketing da IP; Gláucia Faria, analista de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da IP; Paula Souza, coordenadora de Prevervação da Biblioteca Mário de Andrade.

esta é uma publicação mensal da

GISELE GASPAR e ARTHUR CRISTINO, da área de Marketing da IP, no estande de Chamex na Febracorp

Pense

Com a aproximação das festas de final de ano, é natural que o consumo aumente. Fique atento e compre apenas produtos cuja cadeia de produção seja certificada. Não vale a pena adquirir presentes mais baratos que possam ter sido feitos ou distribuídos de forma ilegal. Guarde as embalagens para encaminhá-las à reciclagem. Se for organizar uma festa, a premissa é a mesma: opte por copos e talheres recicláveis e, sempre que possível, utilize a criatividade para reaproveitar a decoração em outro evento.

nisso

Na próxima edição: Fim de Ano Esta publicação foi impressa em papel certificado pelo programa brasileiro de certificação florestal

Ciclo do papel nas nossas vidas

Paper foi impressa em papel Chambril 240 g/m² da International Paper, com verniz localizado.

Paper vence o Prêmio Aberje 2011

Buscando fortalecer os negócios na América Latina, a IP reestruturou duas importantes áreas da companhia no Brasil. O cargo de diretor de Recursos Humanos passa a ser ocupado pelo norte-americano Doug Haefer. Já o cargo de diretor Financeiro (CFO) da IP América Latina fica sob responsabilidade de Marc Van Lieshout. Os dois executivos da IP, que atuavam em outras unidades fora do País, foram transferidos para o Brasil e estão trabalhando no escritório da companhia, em São Paulo.


Paper 43 :: Ciclo do papel nas nossas vidas