Issuu on Google+

Educação em Campinas: Compromisso de todos

C

mi

sso

de C a

•A mpinas Pela Educação

no

0

nº1

00 8|

|2

IM DO

C

iro

do

om p ro

CE

BO

im let Bo

LE T

Arnaldo Rezende, coordenador executivo do Compromisso Pela Educação e superintendente da Fundação FEAC, destaca a importância do papel da família para a melhoria do desempenho escolar dos alunos. O coordenador conta ainda os próximos passos, a curto e médio prazos, do Movimento em Campinas.

e an J |

Ricardo Lima

pág 04 Todos Pela Educação:

nário da Independência, associando definitivamente a soberania do País à Educação de qualidade. A formalização do Movimento, em 27 de novembro, foi um momento histórico para o município, primeira cidade do País a pactuar o Compromisso, que deve ser referência para outras localidades no Brasil. Conheça, nesta edição, o que é o Compromisso, suas metas e prazos para transformar a Educação Pública na cidade.

pág 05 Mais de 30 organizações assinam o CCE Confira a opinião de quem integra o Movimento. Júlio César Costa

O

Compromisso de Campinas Pela Educação é uma célula do movimento nacional Todos Pela Educação, com metas ousadas, mas possíveis, com a união de todos os setores. A mobilização tem como desafio garantir o direito pleno a um aprendizado adequado a todas as crianças e adolescentes brasileiros até o ano de 2022. A data não foi escolhida aleatoriamente, ela marca o bicente-

presidente do Movimento, Mozart Neves Ramos, fala sobre os avanços da mobilização, a importância do Compromisso de Campinas e a responsabilidade de todos para mudar a Educação no Brasil.

págs 2 e 3 pág 06


MOBILIZAÇÃO

Educação: um Compr O

Ricardo Lima

Compromisso de Campinas Pela Educação (CCE) surge a partir do movimento nacional Todos Pela Educação, com objetivo de envolver toda a sociedade para que Campinas se mobilize em prol da Educação Pública de qualidade. O CCE tem como desafio melhorar o desempenho escolar dos alunos da rede pública, através de projetos e programas desenvolvidos e executados pelos três setores da sociedade – poder público, iniciativa privada e ONGs. O Movimento adota as mesmas cinco metas do Todos Pela Educação, que deverão ser cumpridas até 2022, quando se comemora dois séculos de independência do Brasil.

Metas do Compromisso Toda criança e jovem de quatro [ a 17 anos na escola;

Toda criança de oito anos [ saberá ler e escrever;

Todo aluno aprenderá o [

que é apropriado para sua série; Todos os alunos vão concluir os [ Ensinos Fundamental e Médio; O investimento em Educação Básica [ será garantido e bem gerido.

Crianças de hoje, adultos de amanhã: foco do CCE O início – O primeiro passo para a concretização do CCE foi dado com o trabalho da Fundação FEAC, parceira incubadora do Compromisso, que articulou e contatou os mais diversos setores da sociedade a colocarem a Educação como prioridade para o desenvolvimento humano e promoção social. Surgia, assim, uma rede de aliança com metas para um horizonte de 15 anos. Encontros estratégicos foram promovidos com associações de classe, empresas, órgãos governamentais, universidades, veículos de comunicação, sindicatos, lideranças religiosas e comunitárias, formadores de opinião, entre outros parceiros, ao longo de 2007. Uma pesquisa, com resultados lançados em outubro, passou a balizar as ações do Movimento. O levantamento, realizado pelo Instituto Paulo Montenegro (IBOPE) sobre o Indicador de Alfabetismo Funcional (INAF) da população campineira, possibilitou

um diagnóstico da situação atual da Educação no município, com as principais deficiências e potencialidades para que haja um norte na elaboração de uma proposta que qualifique substancialmente o Ensino Público na cidade. A pesquisa – Os dados trouxeram à tona que, enquanto a Educação só ocupa a sétima colocação na lista de preocupações do brasileiro, para o cidadão de Campinas, ela é tema prioritário. Está em segundo lugar, só perdendo para a questão da Saúde. Os resultados apontaram ainda que 62% dos campineiros em condição de alfabetismo nível pleno avaliam que a Educação Pública no Brasil está ruim e/ou péssima. Esse quadro comprova a necessidade de mudanças urgentes, que dependem da mobilização de todos. A pesquisa INAF, encomendada pelo Movimento, foi realizada de forma pioneira em Campinas. Antes, os dados eram coletados apenas em âmbito nacional.

Números da pesquisa INAF em Campinas dos campineiros que têm acesso ao computador usam o equipamento diariamente;

64%

dos campineiros consultados lêem jornal todos os dias;

48%

dos entrevistados se atualizam sobre assuntos recentes via TV, enquanto campineiros com alfabetismo níveis analfabeto e rudimentar adotam o rádio como veículo que os mantêm informados.

dos entrevistados em condição de alfabetismo níveis analfabeto e rudimentar têm como fontes de informação impressa livros como a Bíblia, livros sagrados ou religiosos;

02

17%

88%


omisso une Júlio César Costa

Numa verdadeira aula inaugural do Compromisso, autoridades de mais de 30 organizações assinam adesão

27

de novembro passa a ser um marco na história de Campinas. Num evento, que reuniu cerca de mil convidados no Espaço Iguatemi, mais de 30 organizações se comprometeram a cumprir uma lição: não medir esforços para colocar em prática as cinco metas do Movimento. Foi um momento histórico para o município, primeira cidade do País a formalizar e pactuar o Compromisso Pela Educação que deve ser referência para outras localidades no Brasil. A pluralidade de setores que fizeram a adesão revela ao mesmo tempo uma preocupação em comum: com a qualidade da Educação Pública; e um sentimento de urgência: a necessidade de mudança do quadro da Educação brasileira como único caminho para o verdadeiro progresso. Todo cenário lembrava o ambiente escolar e as autoridades foram convidadas a participar de uma aula com deveres e tarefas a cumprir num horizonte de 15 anos. Até mesmo a sirene tocou como alerta para toda a sociedade e havia um lugar reservado para cada um de nós na mobilização, representado por uma carteira escolar vazia. Para Arnaldo Rezende, coordenador executivo do movimento em Campinas e superintendente da Fundação FEAC, a assinatura do Compromisso é resultado de um trabalho de mais de seis meses, com diálogos permanentes com todos os setores. “Parte dos nossos objetivos começa a ser atingida hoje, mas nosso trabalho tem início agora, com a colaboração e envolvimento de todos, com a participação ampla e irrestrita e a divulgação e multiplicação das ações“. O presidente executivo do movimento nacional Todos Pela Educação, Mozart Neves Ramos, destacou que o

Compromisso de Campinas Pela Educação é o comprometimento de todos com as futuras gerações. “Nós podemos de fato construir um País diferente, onde todos possam sonhar. Esse evento representa os primeiros 100 metros de uma maratona que teremos para vencer pela frente.” Outros momentos marcaram o evento. Entre eles o testemunho do ator Darlan Cunha, conhecido pelo personagem Laranjinha, do seriado de TV Cidade dos Homens e pelos sucessos do cinema “Cidade de Deus” e “Meu tio matou um cara”, que subiu ao palco não para atuar, mas para contar a importância da escola na sua trajetória de vida – da favela ao sucesso. Alerta à sociedade Um sinal sonoro, que lembra uma campainha ou sirene escolar, é a marca da campanha do Compromisso de Campinas Pela Educação que vai às ruas, a partir de janeiro. A proposta é dar um toque na sociedade para ampliar a participação na mobilização. Nas peças, aulas de cidadania que abordarão matérias preocupantes. Números como esse: 40% dos alunos do Ensino Fundamental não concluem a 8ª série. E muitos outros, que envergonham. Num segundo momento, os números darão espaço ao papel de cada um para a mudança nestas estatísticas. A abordagem será a influência familiar para que a Educação seja bem sucedida. E, por fim, uma nova etapa levará à sociedade o enfoque que tudo começa pela Educação: o trabalho, a paz, a geração de empregos. A campanha foi criada pela agência FabraQuinteiro.

03


ENTREVISTA

Arnaldo Rezende

A

família, em especial os pais, precisam assumir de fato a responsabilidade pela educação de seus filhos. O alerta é do coordenador executivo do Compromisso de Campinas Pela Educação (CCE) e superintendente da Fundação FEAC, Arnaldo Rezende, ao cobrar da sociedade uma participação mais efetiva em prol da qualidade da Educação Pública. Nesta entrevista, ele também destaca o papel da Igreja no Movimento: “Os valores familiares são fundamentais no aprendizado das crianças, portanto, todo sistema religioso é diretamente responsável pela Educação”. A FEAC teve papel decisivo e grande mérito no Compromisso ao reunir parceiros plurais. E, a partir de agora, como será o trabalho da Fundação? Como participante cabe à FEAC promover na rede de entidades sociais da cidade e em especial em suas filiadas o tema Educação nas práticas do dia-a-dia. Existem inúmeras formas que podemos fomentar, desde a capacitação das mães e familiares que possuem algum relacionamento com essas entidades para que elas participem de forma efetiva na vida escolar de seus filhos, até no desenvolvimento estruturado de parcerias entre as entidades e escolas públicas que garantam a proficiência dos alunos nos conteúdos curriculares obrigatórios, dentre outras.

mesmo havendo as dicotomias inerentes da ciência versus fé. Os valores familiares são fundamentais no aprendizado das crianças, portanto, todo sistema religioso é diretamente responsável pela Educação. Isto sem falar na tradição de muitas religiões em serem mantenedoras de grandes escolas. Segundo a pesquisa, a influência da família, sobretudo da mãe, se mostra decisiva no desempenho escolar. A FEAC tem um trabalho consolidado com “Grupos de Mulheres”. Existe alguma ação pensada na disseminação da mobilização com esses grupos? Sim. Esses "Grupos", além de mães, integram avós que, no contexto atual, são as “guardiãs” das crianças enquanto as mães trabalham fora, sendo assim, trabalharemos o papel de ambas. Hoje, a falta de tempo e de convivência familiar é comum nas mais diversas famílias. Isso se estende também à Educação. Como convencer a sociedade que ela tem responsabilidade na Educação? Desculpem-me pela dureza nas palavras, mas as famílias, em especial os pais, precisam decidir se assumem de fato a responsabilidade pela educação de seus filhos ou se preferem delegar às gangues de ruas, penitenciárias, etc.

Como será o trabalho para atrair novos parceiros para a mobilização? Esse papel ficará a cargo de todos os parceiros ou terá uma coordenação? A mobilização é constante dentro do Movimento. A única coisa que muda é sua forma, ela passa do estado inercial para o dinâmico, ou seja, já saímos do lugar, agora precisamos nos manter em movimento. A responsabilidade é de todos, mas haverá sim um coordenador para todas as atividades.

O Compromisso é resultado de várias etapas: mobilização, adoção de pesquisas e a formalização do Movimento. Agora, quais serão os próximos passos a curto e médio prazos? Estruturarmos os diversos agentes participantes em comitês temáticos setoriais por afinidade com pautas e agendas sinérgicas. Na seqüência, elegeremos um comitê intersetorial de governança que terá o poder de decisão das ações a serem implementadas na direção das cinco metas estabelecidas.

O INAF aponta que “Bíblia, livros sagrados ou religiosos foram as principais fontes de informação impressa na vida de 48% dos campineiros em condição de alfabetismo níveis analfabeto e rudimentar”. Isso aumenta o papel das igrejas no incentivo à Educação? Isso confirma o que a história da humanidade nos ensina, ou seja, religião e saber caminham juntos,

Em território nacional a Educação é a sétima preocupação do brasileiro. Em Campinas, a segunda. Esse dado pode ser uma sinalização de que cumprir as metas na cidade será menos árduo? Em tese sim. Porém, pode haver um paradoxo nisso, ou seja, uma vez que todos já priorizavam o problema porque nada de profícuo até então foi implementado?

04

Antônio Scarpinetti - ASCOM/Unicamp

Família e Igreja: fundamentais no desempenho escolar


Ricardo Lima

Mozart Neves Ramos

A

os 52 anos, Mozart Neves Ramos, é presidente-executivo do movimento Todos Pela Educação. Autor do livro "Educação Sustentável" (Ed. Altana), sonha com um Brasil mais justo e fraterno, sem corrupção e violência, como resultado de uma Educação de qualidade para todos os brasileiros. Como foi o início da sua participação nesse Movimento e quais os avanços até o momento? Em 2005, começaram as primeiras reuniões para a formação de um movimento que reunisse gestores públicos, organizações sociais e iniciativa privada com objetivo de uma Educação de qualidade para todos. Discutíamos, então, um Pacto Nacional Pela Educação, que culminou com o lançamento do Todos Pela Educação, em setembro de 2006, no Museu do Ipiranga, em São Paulo. Hoje, as adesões totalizam cerca de 600 organizações, entre prefeituras, secretarias estaduais e municipais de Educação, o Conselho Nacional dos Procuradores Gerais do Ministério Público (CNPG), que reúne os 27 ministérios públicos estaduais, a Associação Nacional dos Jornais (ANJ), Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), pequenas e grandes empresas e organizações sociais de todas as regiões brasileiras. Também já é possível observar resultados concretos da atuação do Movimento na incorporação de ideais do Todos Pela Educação em planos educacionais de governos municipais e estaduais, e até na esfera federal (no recémlançado Plano de Desenvolvimento da Educação). Pequenas ações e gestos podem ser significativos na solução dos problemas da Educação. Geralmente, a sociedade cobra o Poder Público, mas deixa de fazer a sua parte. O que fazer para mudar essa realidade? O esforço coletivo em direção a uma Educação de qualidade para todos começa pelo cidadão, em sua atuação diária na família e na comunidade. O envolvimento dos pais e da comunidade é fundamental para o sucesso escolar das crianças. É preciso levar essa mensagem a todos os pais e mães, para que estes tenham consciência de seu papel em acompanhar a vida escolar de seus filhos. Mas também não adianta que cada um cuide de seu filho se, ao lado de sua casa, existirem

05

carências sociais que precisam ser enfrentadas por todos. Se quisermos ter um País mais justo não podemos nos preocupar apenas com o nosso quintal, de maneira individualista. Precisamos avançar para um conceito de co-responsabilidade pelos rumos da Educação, com o envolvimento de toda a sociedade civil. Campinas se tornou a primeira cidade a assinar um Compromisso pela Educação. Quais os fatores que contribuíram para isso? Campinas tem uma longa história de pioneirismo na vida brasileira. Trata-se de uma cidade com duas grandes e importantes universidades, com lideranças empresariais de peso no cenário nacional, com um poder público articulado e fortes lideranças sociais. Tudo isso contribuiu para mais esse pioneirismo. O Movimento já pensou em como poderá mensurar os avanços registrados? As metas servirão como norte para que todos os brasileiros acompanhem e cobrem melhorias na Educação, avaliem o sucesso das políticas educacionais, de forma a preservar as boas iniciativas. A atuação do Movimento se desdobra em quatro frentes: o monitoramento das metas e de outros indicadores da Educação, por meio da divulgação de pesquisas, dados e informações relacionadas ao tema; o fomento ao debate e à mobilização; a maior e melhor inserção da Educação na mídia; e o estímulo à formação de agendas locais de acompanhamento, cobrança e apoio. O Sr. tem o título de Educador Internacional do Ano de 2005, pela Universidade de Cambridge (Inglaterra). Quais são suas palavras de incentivo aos profissionais da Educação no País? Ser professor é o maior dom que Deus me deu. É doarse a uma causa que está acima dos interesses pessoais. Ter a possibilidade diária de formar pessoas é algo maravilhoso. Quando estou muito cansado, penso: esta pode ser minha última aula, por que não dar o melhor de mim? E aí as forças aparecem! Desejo a todos os meus colegas, que eles tenham o mesmo sentimento que eu tenho por esta maravilhosa profissão: paixão! Sem isto, não vale a pena “navegar”, nos sonhos, na vida...


PARCEIROS

A

ntes mesmo de chegar na casa de cada cidadão, o Compromisso de Campinas Pela Educação já conquista seu primeiro resultado: a adesão plural de vários segmentos. Mas para cumprir seus desafios, o trabalho começa mesmo

agora, com a colaboração e envolvimento de todos, para que cada ação e boa prática em prol da Educação Pública se multiplique por toda a sociedade. Conheça as organizações que integram o Movimento e a opinião de alguns representantes.

Organizações participantes: Secretaria Estadual de Educação, Prefeitura de Campinas, Câmara Municipal de Campinas, Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Municipal de Cidadania, Trabalho, Assistência e Inclusão Social, Fórum de Campinas, Vara da Infância e da Juventude em Campinas, Associação Comercial e Industrial de Campinas, CIESP-Campinas, Câmara Americana de Comércio – AMCHAM Campinas, Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças - IBEF Campinas, Arquidiocese de Campinas, Conselho Municipal de Pastores Evangélicos (COMPEC), Universidade Estadual de Campinas, PUC-Campinas, Faculdades de Campinas FACAMP, Transurc, Ordem dos Advogados do Brasil

(OAB) – 3ª subsecção Campinas, Fundação FEAC, Graber Holding, Robert Bosch América Latina, CPFL Energia, Grupo DPaschoal, Iguatemi Empresa de Shopping Centers, Rádio e Televisão Bandeirantes de Campinas, TV Brasil, Rádio Central AM, Rádio GloboCBN, Rede Anhangüera de Comunicação (RAC), Emissoras Pioneiras de Televisão (EPTV-Campinas), Diretorias de Ensino – Região Campinas Oeste e Região Campinas Leste, Movimento Todos Pela Educação, Subsede Campinas do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP) e Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal.

Ricardo Lima

“Essa mobilização começou com um grupo dentro da Fundação FEAC. Pensamos em montar uma equipe, mas percebemos a dimensão do nosso desafio e das metas que tínhamos pela frente. Percebemos que todos deverão participar para transformar a Educação em Campinas. ´Nenhuma mente que se abre para uma nova idéia terá o mesmo tamanho da original`.”

Ricardo Lima

Peter Graber, presidente da Diretoria Executiva da Fundação FEAC e membro do conselho de administração da Graber Holding

“O Compromisso Todos Pela Educação nasceu há dois anos e temos mais de 1.300 lideranças mobilizadas. A nossa bandeira é muito simples: um Brasil independente em 2022. São 15 anos para construirmos esse sonho. Campinas quer demonstrar que pode ser modelo para o País. Podemos construir juntos antes do Brasil, as metas que também são almejadas para a Nação.” Luis Norberto Pascoal, diretor de Relações Institucionais do movimento nacional Todos Pela Educação e presidente do Grupo DPaschoal

Lideranças Religiosas

Dom Bruno Gamberini, arcebispo metropolitano de Campinas

06

Vanessa Taufic

"A capilaridade da Igreja Católica deve contribuir para que o Compromisso de Campinas Pela Educação chegue à população menos favorecida. Somamos cerca de 300 comunidades e estas necessitam de melhoria na Educação. Seremos multiplicadores, parceiros e contribuintes desta ação oferecendo apoio e estruturas necessárias.”


Ricardo Lima

“A Educação é a base de tudo. A Indústria é apenas um segmento dentro da atividade produtiva que demanda mão-de-obra qualificada. Nossos associados cobram essa formação. O CIESP está aberto para apoiar esse Compromisso e almejamos que teremos sucesso. Quando a gente fala em Educação, sempre lembramos aqueles velhos ditados ‘Um país se constrói com homens e livros’, ‘Vamos educar o menino para não ter que repreender o homem’. São tantas as citações. Está na hora de colocá-las em prática.”

“A Educação é um dos pilares da cidadania e do desenvolvimento. O Grupo apóia e participa desse Compromisso como parceiro.”

Ricardo Lima

Ricardo Lima

Natal Martins, diretor-titular da CIESP-Campinas

“O Shopping apóia como cidadão esse movimento. Defendemos uma eterna melhoria do aprendizado, da cultura e do combate ao analfabetismo. Entre as diversas ações sociais, a Educação figura como um dos pontos fundamentais para nós.”

Waldir Chao, diretor de operações do IESC-Iguatemi Empresa de Shopping Centers

Fábio Kow, gerente-geral do Iguatemi Campinas

Ricardo Lima

“A Unicamp não poderia jamais faltar a esse Compromisso. A qualidade no ensino é uma da vocações dentro da Universidade, mas só pode ser construída com as melhorias também nos Ensinos Fundamental e Médio. Queremos contribuir para que a Educação sirva como motor de desenvolvimento do País.”

“Nós, trabalhadores das entidades do Ensino Público de Campinas, oficializamos nosso compromisso de priorizar as metas defendidas pelo Movimento. Sabemos e é fato que o Ensino Público apresenta evasão, repetência e muitas vezes inapropriada qualificação dos profissionais. Precisamos de todos na escola e pela escola.” Rosana Medina, coordenadora geral do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal

Ricardo Lima

Ricardo Lima

José Tadeu Jorge, reitor da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

“Falar da Educação não é só falar. É se comprometer. Quando investirmos em Educação não serão necessários investimentos em presídios ou Febens. Defendemos que a Educação de qualidade tem quer ser para todos.”

Suely Fátima de Oliveira, diretora da subsede Campinas da APEOESP

07


Carlos Bassan

PARCEIROS

“Quando o produto é bom e o briefing é excelente, todos os veículos de comunicação apóiam. É o que acontece com esse projeto. Conte conosco.” Eduardo Porto, diretor comercial da Rede Anhangüera de Comunicação (RAC)

Ricardo Lima

“A Câmara Municipal sente-se honrada em participar desse Movimento. Temos uma história em defesa da Educação, nas ações, na Comissão Permanente de Educação e vemos nesse projeto a esperança de resultados práticos. Não pouparemos esforços para alcançarmos essas metas. Citando Darcy Ribeiro, ‘que a união dos esforços seja recompensada com a Educação como mola propulsora para o desenvolvimento’.” Aurélio Cláudio, vereador e presidente da Câmara Municipal de Campinas

Ricardo Lima

“O engajamento da sociedade neste Compromisso é um exemplo positivo de que é possível lutar pela qualidade do ensino. Em Campinas, nós promoveremos o ‘Segundo Tempo’, extensão da escola num segundo período, com apoio de todos os setores. Até dezembro de 2008, vamos resolver o problema das crianças fora da sala de aula, com o Projeto Nave Mãe, que inova nas condições de proteção infantil, desenvolvimento e integração familiar. Vamos melhorar a qualidade do atendimento e os paradigmas.” Prefeito Hélio de Oliveira Santos

Maria Helena, secretária de Estado da Educação

Expediente CE

BO

LE T

IM DO

C

O Boletim Informativo do Compromisso de Campinas Pela Educação (CCE) é uma publicação especial a cargo da coordenação executiva do Movimento e Departamento de Marketing da Fundação FEAC. Redação e produção: Fábrica de Idéias • Jornalista Responsável: Vanessa Taufic (Mtb 39.186) Coordenação Executiva CCE: Arnaldo Rezende

08

Ricardo Lima

“Esse Compromisso chega num momento muito especial. Assumimos que as escolas têm problemas, que os salários não são bons. Temos um problema monumental. É por isso que temos que agir e trabalhar. Como secretária de Estado, destaco que lançamos o plano de metas para o Estado: toda criança de 8 anos alfabetizada. No ano que vem, vamos trabalhar uma mudança curricular. Campinas é a primeira cidade que organizou a sociedade e estabeleceu esse Compromisso. A largada foi dada e temos que transformar a Educação para sermos vitoriosos nessa corrida.”


Boletim CCE