Page 1

O MUNDO NUM LIV O Abordagens Interdisciplinares aos Colóquios dos simples e drogas da de Garcia de Orta

Índia

Goa, 1563- Lisboa, 2013

A WORLD lN A BOOK lnterdisciplinary Approaches to Garcia de Orta's Colloquies on the

and Drugs of lndia Goa, 1563

-

Simple

Lisbon, 2013

Fundação Calouste Gulbenkian 10-11

FLNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

0 eh c

FC-=.

abril 2013 SALA l


Os Colóquios de Garcia de Orta: Um Itinerário Breve

4

Garcia de Orta's Colloquies: A Brief ltinerary

5

PALMIRA FONTES DA COSTA

Páginas Seleccionadas dos Colóquios de Garcia de Orta

28

Selected Pages from Garcia de Orta's Colloquies

29

Poema "Do Autor Falando com o seu Livro"

30

Poem "The Author Converses with h is Work"

31

(translated for the Conference by Christopher Auretta)

Poema "Aquele único exemplo", Luís Vaz de Camões

32

Poem "He - most singular example", Luís Vaz de Camões

33

(translated for the Conference by Christopher Auretta)

Excerto do Colóquio Décimo Sétimo, passagem sobre a Colerica Passio

40

Excerpt from the Seventeenth Colloquy concerning the Colerica Passio

41

Programa

60

Programme

61

Resumos e notas sobre os palestrantes

66

Abstracts and short CVs of invited speakers

67


É o próprio frontispício dos Colóquios dos simples e drogas da Índia de Garcia de Orra (Castelo de vide, c.rsoo-Goa, r s 6 8 ) que esclarece a data precisa da sua publi­ cação original : Impresso em G oa, por Joannes de Endem aos ro dias de Abril de 1563. A edição parece ter sido atribulada e porventura apressada. Do mesmo nos dá conta a ampla errata no final da obra e o prefácio ao leitor de Dimas Bosque, um dos colegas e amigos do autor na capital do Império Português no Oriente, lamen­ tando a falta do principal impressor na composição da obra. O feiro de Orra não deixou de ser extraordinário. Os Colóquios foram apenas o terceiro livro publicado no território e, ao contrário da maioria dos títulos da época, não versava matérias religiosas, mas sim o mundo natural da Á sia e as suas virtudes médicas. Para a mate­ rialização do livro não terá contribuído apenas o saber de larga erudição e experiên­ cias feito do seu autor, mas também o seu título de "Físico del Rei nosso Senhor", parenteado no frontispício. Igualmente determinante terá sido a sua ampla rede de contactos e o seu círculo de amigos influentes, especialmente em Goa. Numa vida repleta de viagens e de errâncias, foi nesta cidade que escolheu estabelecer­ -se como médico em 1538. Para trás, mas não esquecidos, ficavam os seus tempos de estudante de Medicina nas universidades de Salamanca e de Alcalá de Hena-

Ir is the very frontispiece of the Colloquies ojthe simples and drugs oflndia by Gar­ cia de Orra (Castelo de Vide, c . rsoo-Goa, rs68) rhat darifies rhe precise date of their original publication: primed in Goa by Joannes de Endem on rhe ro'" day of April in the year of 1563. Publication appears to have been somewhat turbulenr and rather rushed. This is suggested by the ample errata ar rhe end of rhe book and the Preface to the Reader by Dimas Bosque, a friend and colleague of rhe aurhor in the capital of rhe Portuguese empire in the East, who laments the absence of rhe main prinrer in rhe composirion of rhe work. Orra's achievemem was, nonetheless, extraordinary. The Colloquies were only the rhird book to be published in the terri­ tory and, unlike rhe majority of rides of the time, did not deal with religious mat­ ters, but with rhe natural world of Asia and its medical virtues. Crucial factors in the appearance of the book induded not only the extensive erudition and wide­ spread experience of the author, but also his ride of"Physician to H is Majesty rhe King;' prominent!y displayed in the frontispiece. Equally importam were his wide network of contacts and his influemial circle of friends, especially in Goa. ln a life full ofjourneys and wanderings, ir was in rhis particular city that he chose ro estab­ lish himself as a docror in 1 5 3 8. Behind him, rhough nor forgotten, were his days as a medical srudent ar rhe universities of Salamanca and A! calá de Henares ( rs rs-


res ( 1 5 15-1523), a sua experiência como médico em Castelo de Vide, sua terra natal, a sua breve passagem como docente da Universidade de Lisboa ( 1 5 30-1534), a sua demorada e certamente espantosa viagem de Lisboa à Índia na companhia do seu patrono e amigo Martim Afonso de Sousa (Vila Viçosa, c.149o-Lisboa, 1564), Capitão-Mor do Mar das Índias, e ainda as muitas aventuras que com ele partilhou em campanhas militares na costa oeste da Índia ( r s34-1538). Igualmente admirável, de acordo com os padrões da época, foi a celeridade com que as primeiras cópias dos Colóquios chegaram ao animado porto da cidade de Lisboa. As naus da Carreira da Índia levavam, em média, quinze meses no trans­ porte de mercadorias entre Goa e Lisboa e em sentido contrário. Todavia, sabemos que passados apenas oito a nove meses, alguns exemplares dos Colóquios tinham alcançado a capital do império numa embarcação certamente mais veloz. O tes­ temunho é do punho daquele que foi um dos leitores mais atentos e diligentes da obra de Ürta. Foi numa escrita clara e metódica que Carolus Clusius (Arras, 1525- Leiden, r 6 o9) assinou a sua cópia dos Colóquios adquirida em Lisboa a 6 de Janeiro de 1 5 64. Possivelmente, não se tratou apenas de um acaso feliz uma vez que o naturalista flamengo visitava a metrópole portuguesa na companhia do seu pupilo Jacob Fugger, o herdeiro de uma das famüias europeias mais influentes e abastadas da época. Fruto da expansão geográfica e do alargamento e reavaliação do conhe­ cimento médico e natural ocorridos no século XVI, os Colóquios e a sua natu­ reza inovadora cedo se revelaram um achado para o novo proprietário da obra. A mesma proporcionava não só novas e variadas informações sobre a matéria médica da Índia, como também uma avaliação crítica dos autores amigos e moder8

1523), his experience as a physician in Castelo de Vide, where he had been bom, his brief period as a Professor at the Universidade de Lisboa ( 15 30-15 34), h is long and astonishing joumey from Lisbon to ln dia in the company of h is patron and friend Martim Afonso de Sousa (Vila Viçosa, c.149 o-Lisboa, rs64), Commander of the Indian Oceans, as well as the many advemures they shared in military campaigns on the West Coast of lndia (rs34-1538). Equally admirable for the standards of the time was the speed wirh which the firsr copies of rhe Colloquies reached the busy port of rhe ciry ofLisbon. The Car­ reira da India company vessels took on average fifteen months to transport goods berween Goa and Lisbon. However, we know that arre r only eight to nine months, some copies of rhe Colloquies had reached the capital of the empire in what was certainly a faster vessel. Evidence for this comes from the hand of one of the most attentive and diligent readers ofürta's work. ln clear and methodical handwriting, Carolus Clusius (Arras, 1525-Leiden, r6o9) signed the copy of the Colloquies rhar he acquired in Lisbon on the 6th of]anuary, 15 64- Very possibly, this was not just a happy coincidence, as the Flemish naturalisr visited the Porruguese metropolis in rhe company ofhis pupil, Jacob Fugger, the heir to one of the most influ entia! and wealthy European families of the period. A product of geographical expansion as well as rhe exrension and reevalua­ tion of medical knowledge that occurred in rhe sixteenrh century, the innovative nature of the Colloquies soon proved to be something of a find for the new owner of the work. Ir included not only new and varied information on Indian mate­ ria medica, bur also a criticai evaluarion of modem and ancient authors who had woven togerher considerations on them. Clusius' many annotations in rhe mar-


nos que sobre elas tinham tecido considerações. As várias anotações de Clusius nas margens do seu exemplar atestam a m inúcia e o cuidado da sua leitura. Denun­ ciam também o seu esforço de clarificação e organização das matérias nela apre­ sentadas. A marginalia e o novo índice do naturalista flamengo no final do seu exemplar antecipam ainda a preparação preliminar de uma outra obra adjacente aos Colóquios e que prontamente viria a lume. A história dos aromas e de alguns medicamentos simples que nascem entre os Índios, no original em latim Aromatum et simplicium aliquot medicamentorum apud Jndos nascentium historia (Antuerpiae: Officina Christophori Plantini, 1567 ) , rem dupla autoria. Clusius reduz a epítome as cinquenta e nove conversas dos Colóquios e complementa a edição com ano­ tações originais e algumas ilustrações. A obra de Orta é recriada numa nova lín­ gua e num formato mais sóbrio que prima pela sistematização do conhecimento médico e botânico nela apresentado. As suas sucessivas tiragens, são todas elas de algum modo reformuladas e melhoradas. A preocupação de Clusius em aperfei­ çoar e actualizar as várias edições é especialmente visível numa das cópias da quarta edição publicada em 1593 juntamente com textos de Cristovão da Costa, Nicolás Monardes e Pierre Belon du Man. O exemplar, actualmente na British Library, está profusamente anotado pela mão do próprio Clusius e inclui pequenos excertos com informações e alguns desenhos preliminares para inserção na edição seguinte. A capacidade editorial do naturalista flamengo foi um dos atributos em que mos­ trou ser exímio ao longo da sua carreira. A edição de Clusius é ainda testemunho do profundo alargamento do conhecimento do mundo natural na época e das novas oportunidades e dinâmica oferecidas pelo livro impresso à cultura literária da medicina, que aliás contava já com uma vasta tradição. Ao longo da história, o lO

gins ofhis copy reveal the care and detail ofhis reading. They also reveal his efforts to clarify and organize the material he found in the work. The marginalia and new index of the Flemish naturalist at the end ofhis copy anricipate the preparation of another work closely related to the Colloquies which would soon see the l ight of day. The History ofthe aromas and some simple medicines born among the Indians, or in its original Latin titleAromatum et simplicium aliquot medicamentomm apud Indos nascentium historia (Antuerpiae: Officina Christophori Planrini, rs67 ), had double aurhorship. Clusius reduced rhe epitome to the fifry-nine conversations in the Colloquies and complemented rhe edition with original annotations and sev­ era! illustrations. Orta's work was thus recreated in a new language and a more sober formar, which is notable for the systematization of the medical and botanical knowledge presenred wirhin ir. Subsequent edirions were each in some way refor­ mulated and improved. Clusius' concern wirh perfecring and updating the various editions is particularly visible in one of the copies of the fourth e di tion, which was published in 1593 together wirh texrs by Cristovão da Costa, Nicolás Manardes and Pierre Belon du Man. The copy, which is currenrly in the British Library, con­ tains profuse handwritten notes by Clusius himself and includes short excerpts with information and severa! preliminary sketches that were to be included in the next edition. Indeed, the edirorial ability of the Flemish naturalist was one of the qualities that defined him most throughour his career. Clusius' edition is also tesri­ mony to the broadening ofknowledge of rhe natural world during this period and the new opportunities and dynamics promoted by rhe prinred book for the liter­ ary culture of medicine, which already boasted a long tradition. Throughout his­ tory, the role of Clusius as the first scholar and communicator of Orta's work has


papel de Clusius como primeiro estudioso e divulgador da obra de Orta rem sido amplamente reconhecido. Igualmente significativa foi a contribuição do médico português para o crescente reconhecimento do naturalista flamencoro como uma das figuras mais influentes da história da medicina e da botânica. Curiosamente, em 1 5 67, quando se registou a primeira repercussão dos Coló­ quios num livro impresso, Garcia de O rra ainda permanecia vivo na sua velha Goa. Várias passagens da sua obra dão conta do conhecimento que o seu autor tinha de tratados de medicina e de h istória natural recentemente publicados na Europa e que, segundo o historiador Augusto da Silva Carvalho, lhe seriam envia­ dos de L isboa por intermédio de Tomás de Orra, um familiar igualmente médico, com i nstrução e relações na corre que facilitariam o seu conhecimento de novas publicações p assíveis de interessar o médico português na Índia. Porém, o pouco tempo que medeia entre a publicação do epítome dos Colóquios e o falecimento de Orta, ocorrido no primeiro semestre de 1 568, tornam quase impossível que este tenha tido conhecimento de uma nova obra que afinal também ostentava o seu nome. Ao longo dos séculos X V I e XVII, os Colóquios continuaram a ter uma influên­ cia determinante nas obras de outros autores, de entre as quais se destacam o Tra­ tado delas drogas y medicinas de las lndias Orientales, con sus plantas debuxadas a! bivo (Burgos: Martin de V ictoria, 1578) de Cristovão da Costa (Cabo Verde ? c.1525-Burgos ? c.1594) e De medicina lndorum libri iv (Leiden : Franciscus Hack, 1 642) de Jacobus Bontius (Leiden, 1 5 9 1-Batávia, 1 63 1 ) . No entanto, durante um longo período, foi diminuto o impacte dos Colóquios nas obras de medicina e de história natural publicadas em Portugal. 12

been widely recognized. However, the contribution of the Porruguese physician to the growing recognirion of rhe Flemish naruralisr as one of rhe mosr influential figures in rhe history of medicine and borany is equally significam. Curiously, when rhe Colloquies first made rheir impression as a primed book in 1567, Garcia de Orra was srill living in Goa. Severa] passages in his work illus­ rrare rhe knowledge rhe aurhor had of rrearises on medicine and natural history which had been published recendy in Europe. According to rhe historian Augusto da Silva Carvalho, these had been sem to him rhrough rhe offices of Tomás de Orta, a relarive who was also a physician, and whose educarion and relarions ar court were to provide knowledge of new publicarions rhar might interesr the Por­ tuguese physician in India. However, rhe brief period of rime berween rhe publi­ cation of rhe epitome of rhe Colloquies and rhe dearh of Orra in rhe firsr half of 1568, makes ir almosr impossible for him to have had any knowledge of a new work which, to ali intents and purposes, also bore his name. Throughour rhe sixreenth and seventeenth cenruries, rhe Coiioquies contin­ ued to exert an importam influence on rhe works of other aurhors, notably the Tratado delas drogas y medicinas de las !ndias Orientales, con sus plantas debux­ adas al bivo (Burgos: Martin de Victoria, 1578) by Cristovão da Costa (Cabo Verde ? c.1 525- Burgos ? c.1594) and De medicina !ndorum libri iv (Leiden: Francis­ cus Hack, r642) by Jacobus Bomius (Leiden, 1591- Barávia, 1 631). H owever, for a long period, rhe impact of rhe Colloquies on works of medicine and natural history published in Portugal was limited. Ir was only in the middle of the nineteenth century rhat Garcia de Orta and his Colloquies ojthe simples and drugs oflndia were discovered by the history ofsei13


Seria apenas em meados do século X I X que Garcia de Orta e os seus Colóquios dos simples e drogas da Índia foram descobertos para a história da ciência e da medi­ cina em Portugal. Uma cópia da obra encontrada acidentalmente num alfarrabista por um membro da Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa terá desempenhado um papel importante neste processo. Esta seria aliás a primeira instituição portu­ guesa a mover esforços no sentido de ver reconhecido o valor dos Colóquios, nomeada­ mente através da promoção de uma reedição da obra que viria a lume em 1872 a cargo de Francisco Adolfo de Vernhagen (São João de Ipanema, 1 8 1 6-Viena, 1878) e que se viria a mostrar não ser totalmente satisfatória. É da autoria de Francisco Manuel de Melo Breyner, 4° Conde de Ficalho (Lisboa, 1 8 37-Lisboa, 1 903), o primeiro estudo consagrado ao insigne médico e naturalista português. Em Garcia de Orta e o seu tempo (1886), Ficalho oferece um retrato vívido e sedutor do percurso de O rta, desde os seus tempos de estudante de Medicina até ao seu estabelecimento em Goa nos fin ais da década de trinta do século XVI. É rica a paleta de cores com que Ficalho, literato e professor de Botâ­ nica na Escola Politécnica de Lisboa, descreve os vários lugares e costumes que mar­ caram a experiência do médico português na Europa e no Oriente. O seu ensaio é construído com labor h istórico mas também inspiração e alguma liberdade literá­ ria. Algumas das suas suposições sobre a vida de Orta viriam a ser corrigidas na pri­ meira metade do século XX. Permanece, contudo, actual o retrato dinâmico com que caracteriza Orta e a sua vivência em Goa. Em Garcia de Orta e o seu tempo, Ficalho salienta a vasta erudição de Orta e os novos conhecimentos que a sua obra proporciona sobre plantas, frutas, espe­ ciarias e drogas encontradas em várias terras e mercados da Índia, mas realça 14

ence and medicine in Portugal. A copy of the work found accidenrally in a second­ hand bookshop by a member of the Lisbon Society of Medical Sciences was to play an importam parr in this process. Indeed, the society was the first Pormguese insrirution to attempt to have the value of the Colloquies recognized, as they pro­ moted of a re-edition of the work in 1872 by Francisco Adolfo de Vernhagen (São João de Ipanema, 1 8 1 6 - Viena, 1 878) which was not, however, enrirely satisfactory. The first study of rhe eminent physician and Portuguese naturalist was writ­ ren by Francisco Manuel de Melo Breyner, the 4th Count ofFicalho (Lisboa, r 8 3 7Lisboa, 1903). In Garcia de Orta and his time [Garcia de Orta e o seu tempo] ( r 8 8 6 ) , Ficalho painrs a vivid and seductive picrure o f Orta's life, from his times as a med­ ical srudenr to his esrablishmenr in Goa ar rhe end of rhe 153o's . The palette of col­ ours with which Ficalho, a man of letters and Professor of Borany ar the Escola Politécnica de Lisboa, describes rhe various places and cusroms rhat marked the experience of the Portuguese physician in Europe and rhe East is rich. His s tudy is written with great attention to historical detail, bur also with inspiration and a degree of literary freedom. Some ofhis suppositions abour the life of Orta would be corrected in the first half of rhe twentieth century. What remains contempo­ rary, however, is the dynamic portrait he paints of Orta and his life in Goa. In Garcia de Orta and his time, Ficalho stresses Orta's vast erudirion and rhe new knowledge generared by his work on rhe plants, fruits, spices and drugs to be found in various Indian territories and markets. Yet he also srresses rhe importance of the characters who give voice to rhe dialogues wirhin the work. Apart from the central role of Orta himself and h is main interlocutor, rhe young p hysician Ruano, who had supposedly just arrived in rhe port of Goa with a thirst for new knowl15


também o papel das personagens que dão voz aos vários diálogos nela apresen­ tados. Para além do lugar central do próprio O rta e do seu principal interlocu­ tOr, o jovem médico Ruano, supostamente acabado de chegar ao porto de Goa com sede de novos conhecimentOs sobre matéria médica, é assinalado o desem­ penho de outras figuras da sociedade goesa que também entram em cena e nas quais se incluem dois outros médicos e os seus próprios serviçais. O na é apresen­ tado como um aventureiro e estudioso mas também como um solteirão despre­ ocupado e amante da boa vida. Especial atenção é atribuída aos contornos pláci­ dos da sua vida doméstica, na qual é apresentado rodeado de moços e servas para o assistirem e especialmente da sua estimada Antónia, a única a quem Orta na sua obra atribui um nome e a quem confiava as chaves da sua casa. É ainda realçada a importância que para ele têm as artes culinárias e o saber estar à mesa. Numa vida de viagens e errâncias, a sua casa em Goa, na qual se desenrolam a maioria dos diálogos apresentados nos Colóquios, emerge como o seu porro seguro finalmente conquistado. Da mesma, Ficalho destaca a grande varanda de onde podiam ser avistados os navios, o seu enorme quintal ou horta, a sua magnífica biblioteca e a sua colecção de história natural. Garcia de Orta e o seu tempo constituiu um estudo preliminar à terceira edi­ ção dos Colóquios, um projectO incentivado e patrocinado pela Academia Real das Ciências de Lisboa e que viria a lume em dois volumes datados, respectivamente, de 1891 e 1895. Para além de rodo o trabalho de transcrição e correcção dos erros da versão original - um trabalho que não tinha sido satisfatório na segunda tiragem da obra, Ficalho complementa a sua nova edição com um conjunto vasro de anota­ ções, testemunhando assim a sua ampla erudição em botânica e a sua curiosidade e 16

edge of materia medica, other figures of Goese society also enrer the scene, includ­ ing two physicians and their servants. Orta is presenred as an advemurer and a scholar but also as a carefree bachelor and a lover of the good life. Special attention is given to the tranquility ofhis domestic life, where he is presented surrounded by helpful servams, especially his esteemed Antónia, the only servant to whom Orca attributes a name in his work and to whom he emrusts the keys to his house. The importance of the culinary arts and the arts of the table to Orta is also underlined. ln a life ofjourneys and wanderings, his house in Goa, where the majority of the dialogues in the Coffoquies take place, emerges as a hard-won refuge. Fi calho notes the large verandah from where he could see the ships, his enormous vegetable gar­ den, h is magnificent library and his natural h istory collection. Garcia de Orta and his time was a preliminary study to the rhird edition of rhe Coffoquies. This project was encouraged and supported financially by the Royal Academy of Sciences in Lisbon and was published in two volumes, dated 1891 and 1895. Beyond all the work involved in transcribing and correcting the errors of the original edition - a task that had not been accomplished success­ fully in the second edition of the work -, Ficalho complememed his new edi­ tion wirh a vast range of notes that testify to his extensive botanical erudirion as well as his cur iosity and research imo other matters dealt with in the Coffoquies. 1l1is edition continues to be the edition of reference for the work of the Portu­ guese physician. Ficalho made a decisive contribution to rhe percepcion of O rta as one of the main heroes of rhe history of science and medicine in Portugal, and to the Coffo­ quies becoming one of the most treasured books of rhe Portuguese nation, acquir-


investigação de outras matérias abordadas nos Colóquios. É esta, ainda hoje, a edi­ ção de referência da obra do insigne médico português. Ficalho teve um contributo decisivo para a construção de Orta como um dos heróis cimeiros da história da ciência e da medicina em Portugal, para que os Colóquios passassem a ser um dos livros mais queridos da nação portuguesa e para que adquiris­ sem um estatuto emblemático dos seus feitos além-mar. Mesmo assim, e ao contrário de outros estudiosos que o seguiram, não deixou de ser crítico do distinto autor, ao assina­ lar a pobreza da sua linguagem e a grande desorganização dos Colóquios. Ao longo do século XX, a nova dimensão de Orta como autor teve correspon­ dência no significativo número de publicações dedicadas à sua obra. Indubitavel­ mente, a componente médica e científica dos Colóquios foi a que despertou maior interesse. A formação da grande maioria dos estudiosos era precisamente nestas áreas. O novo estatuto dos Colóquios na história da expansão portuguesa viria a ser consa­ grado através de análises que procuraram evidenciar o papel pioneiro e precursor de Orta na história da medicina tropical. Esta visão seria inaugurada por Ricardo Jorge (Porto, 1858-Lisboa, 1939) em 1934, ao destacar o contributo inovador do médico português para as primeiras descrições de drogas e plantas asiáticas, assim como de doenças tropicais desconhecidas dos europeus até então, nomeadamente a cólera asiática. O estatuto de Orta como pioneiro da medicina tropical seria um dos mais celebrados e analisados em estudos de autores posteriores, dentre os quais se desta­ cam Luís de Pina (Lisboa, 1901-Lisboa, 1972),Jaime Walter e Charles Richard Boxer (Sandown, 1904-St. Albans, 2000 ). Todavia, o estatuto de Orta como herói incontestado da nação portuguesa seria abalado na sequência da publicação, em 1934, de um ensaio biográfico detalhado 18

ing emblematic status as an example of its overseas achievements. Nevenheless, unlike other scholars, he was not uncritical of the distinguished aurhor and crit­ icized the poverty of his language and the evident disorganization of the Collo­ quies. Tiuoughout the twentieth century, Orta's new standing as an author was illus­ trated in the significam number of publications dedicated to his work. Undoubt­ edly, the scientific and medical component of the Col!oquies was rhe area rhat attracted mosr interest, and rhe majority of scholars of his work came from back­ grounds in these areas. The new status of the Colloquies in the history of Portu­ guese expansion was to be be consecrated through analyses which highlighted rhe pioneering role of Orta in rhe history of tropical medicine. TI1is approach began with Ricardo Jorge (Porto, 1858-Lisboa, 1939) in 1934, who stressed the innovative contribution of the Portuguese physician in the first description of Asian drugs and plants, as well as in tropical diseases unknown to Europeans umil then, namely Asian cholera. TI1e status of Orta as a pioneer in tropical medicine was one of the areas that was most celebrated and analysed in srudies by subsequent authors, among them Luís de Pina (Lisboa, 1901-Lisboa, 1972) , Jaime Walter and Charles Richard Boxer (Sandown, 1904- St. Albans, 2000 ). Nevenheless, the status of Ona as uncontesred hero of the Portuo-uese o nation would be shaken by the publication in 1934 of a detailed biographical srudy by the physician and historian Augusto da Silva Carvalho (Tavira, 1861Lisboa, 1957 ). Based primarily on sixteenth century documents of the Portu­ guese Inquisition, the study unveiled a new portrait of Garcia de Orta marked by h is Jewish origins. His parents were Spanish Jews and, for rhis reason, they had


da autoria do médico e historiador Augusto da Silva Carvalho (Tavira, 1861-Lisboa, 1 957 ). Tendo sobretudo como base documentos da Inquisição Portuguesa do século XVI, o estudo permitiria traçar um novo perfil de Garcia de Orta marcado pelas suas origens judaicas. Os pais eram judeus espanhóis e por isso foram expulsos do país pelos Reis Católicos em 1492., refugiando-se em Castelo de Vide. O médico por­ tuguês não tinha sido afinal um solteirão despreocupado mas um marido aparente­ mente infeliz. A sua mulher e prima, Brianda de Solis, pertencia igualmente a uma família de cristãos novos. Para além da sua ascendência judaica em primeiro grau, Silva Carvalho sugeria mesmo que Orta tivesse praticado o judaísmo em segredo. O estudo revela ainda o horrendo episódio da sua condenação póstuma pela L1quisição portuguesa em Goa, em 15 80, dois anos após a sua morte, e que culminaria na exuma­ ção e queima pública dos seus ossos e lançamento das cinzas ao rio Mandovi. À seme­ lhança dos autos de fé de outros autores proscritos, cópias dos Colóquios devem tam­ bém ter sido destruídas pelas chamas. O epílogo de um dos heróis da medicina e da ciência portuguesas, de um herói da própria nação, não podia ser mais embaraçoso. Acabaria pois por ser silenciado pela maioria dos autores que se referiram a Orta. Concomitantemente, foram reforçadas as declarações que sentenciavam O na como o mais português dos portugueses e um católico incontestável. Em larga medida, durante o século xx a historiografia sobre Orta e a sua obra assumiu um carácter laudatório e foi quase sempre ancorada numa análise literal dos Colóquios. Não deve, no entanto, ser esquecido o valor destas primeiras análises e o do estudiosos na inventariacão de novas fontes históricas relecontributo de alauns D . vantes para a história da expansão portuguesa e para o lugar que a inventariação e descrição do mundo natural ocupou nesta aventura. Igualmente significativo foi o '

20

been expelled from the coumry by the Catholic monarchs in 1492. and taken ref­ uge in Castelo de Vide. The Portuguese physician had not, afi:er all, been a care­ free bachelor, bur an apparendy unhappy husband, whose wife and cousin, Bri­ anda de Solis, also belonged to a family of New Christians. As well as p roviding evidence of clear Jewish ancestry, Silva Carvalho even suggested that Orta had secredy practised Judaism. TI1e study also brought to light the horrific episode ofhis posthumous condemnation in Goa by the Porruguese Inquisition in 15 80, two years afi:er his death, which culminated in h is b ones being exhumed and pub­ licly burned and his ashes being thrown imo the Mandovi river. As with the auto; da fi of other proscribed authors, copies of the Colloquies must also have been destroyed by the flames. TI1is epilogue for one of the heroes ofPorruguese science and medicine could not have been more embarrassing. It would, in fact, be passed over in silence by the majority of authors who referred to Orta. At the same time, they reinforced the view of Orta as the most Portuguese of the Porruguese and a devout Catholic. To a large extent, twentieth-cemury historiography on Orta was essen­ tially laudatory and based on a literal analysis of rhe Colloquies. However, the value of these first analyses and the contriburion of some scholars in the discovery of new historical sources relevam to the history of Porruguese expansion and to the role inventorizarion and description of rhe natural world played in this adven­ ture should nor be forgotten. Equally significam were the efforrs of Jaime Wal­ ter in translating into Portuguese two of the works that direct!y reflected Orta's influence on his time: the first edition of the previously memioned History ojthe aromas and some simple medicines born among the lndians, edited by Carolus Clu-


esforço de Jaime Walter ao traduzir para português duas das obras que reflectiram directamente a influência de Orta no mundo do seu tempo: a primeira edição da já mencionada História dos aromas e de alguns medicamentos simples que nascem entre os Índios, editada por Carolus Clusius e o já igualmente aludido Tratado das drogas e medicinas das Índias Orientais de Cristovão da Costa, um autor que, embora sendo português, publicou originalmente o seu trabalho em língua castelhana. Qual é a importância e repercussão actual dos Colóquios passados quatrocen­ tos e cinquenta anos da s ua publicação em Goa ? Que significados podemos atri­ buir a Orta e à sua obra no nosso tempo ? Novos conceitos, novas temáticas e novas abordagens p assaram a ser centrais nas análises históricas e literárias de uma dada obra. Deixou de bastar descrever e interpretar o conteúdo do texto. Igualmente importante passou a ser a análise dos diversos processos de circulação do conhe­ cimento nela veiculado, dos diferentes modos de trânsito da própria obra como objecto físico, os distintos sentidos e usos que adquiriu para diferentes leitores e audiências, as diversas formas de apropriação e modificação de que foi objecto por outros autores e por alguns dos leitores. É ainda importante ler para além do sen­ tido aparente do texto, ler nas entrelinhas e identificar os mecanismos, retóricos ou outros, que permitem, para além de informar, legitimar o conhecimento apre­ sentado e construir a autoridade do autor perante a sua audiência privilegiada. As obras sobre ciência e medicina do passado adquirem assim um novo estatuto e pas­ sam a ter uma dimensão literária, cultural e histórica incontornável. Os Colóquios de Orta foram publicados num período de transição e numa zona do mundo propícia à troca, aos processos de apropriação e negociação e ainda à hibridação de saberes e costumes. Goa estava na periferia do Império Portu22

sius and anorher ti de already alluded to, rhe Treatise on the drugs and medicines oJ the East lndies by Cristovão da Costa, an author who, despire beincro Porrucruese ' o originally published his work in Castilian. \Vhat is the importance and comemporary impact of rhe Colloquies four hun­ dred and fifty years after their original publication in Goa? What meanings can be attributed tO O rta and his work in our time? ln the lasr rwo decades, new concepts, new themes and new approaches have become central in re-evaluating works such as the Colloquies. These have included analysis of rhe di verse processes of circulation of knowledge encouraged by rhe work, rhe differem modes of transir of rhe work itself as a material objecr, rhe differem meanings and uses ir acquired for different read­ ers and audiences, as well as rhe diverse forms of appropriarion and modificarion it was subject to by orher aurhors and by some readers. Equally importam has been rhe atrempt to go beyond rhe surface meaning of rhe texr, to read berween rhe lines and idenrify rhe mechanisms, whether rhetorical or orherwise, whereby rhe work not only provides information, but also legitimares rhe knowledge presenred and con­ srrucrs rhe authority of the aurhor for his privileged audience. Past works of science and medicine like the Colloquies have thus acquired a new status and an undoubred literary, cultural and hisrorical importance. Orra's Colloquies were published in a period of transition and in a parr of the world which encouraged exchange, processes of appropriation and negotiation and the hybridization ofknowledge and cusroms. Goa was located on rhe periph­ ery of the Porruguese empire, but simulraneously ar rhe centre of rhe empire in the East. ln turn, although O na was peripheral in relation to European centres of knowledge, he claims a central position in his work with regard to the circulation


guês mas era simultaneamente o centro do Império no Oriente. Por sua vez, Orta, embora periférico em relação aos centros de saber europeus, reclama na sua obra um lugar central na circulação e troca de saberes, um lugar central para o qual con­ verge um variado número de informações sobre o mundo natural da Ásia e as suas virtudes médicas. Este centro a que dá corpo Orta é reforçado pelo seu círculo de amigos influentes em Goa e da sua própria casa e economia doméstica. Os Colóquios são ainda uma obra peculiar no sentido em que Orta, possi­ velmente ciente de que este seria o seu último e único livro, parece nele querer transportar todo o seu mundo, até naquilo que propositadamente não revela. Tenta transformar em palavras os contornos materiais e corporais das suas múlti­ plas vivências, o seu saber e erudição, b em como os rastos das suas memórias, algu­ mas delas irremediavelmente longínquas. Não é assim de estranhar que os Coló­ quios tenham uma natureza compósita e de difícil categorização. São uma série de conversas mas também um guia e uma proposta de regularização do mundo natu­ ral asiático em termos dos seus usos médicos, da sua nomenclatura em distintas línguas, dos seus preços, dos seus lugares de origem e dos seus atriburos morfológi­ cos e sensoriais, objecto equívoco para os menos experientes. Estão também próxi­ mos da literatura de viagens na qual instrução e entretenimento são inseparáveis. As aparentes "imperfeições" da obra em termos da sua organização, repeti­ ções, interrupções e erros de transcrição, pontuação e paginação (existem mesmo variações entre exemplares distintos - já em 1934, Augusto da Silva Carvalho apontava para a possibilidade de terem sido publicadas duas edições com a data de 1563, uma delas resultado de contrafacção) contribuem ainda mais para o seu carác­ ter peculiar. A sua dinâmica e o aparente papel do acaso e do acessório no desenro24

and exchange ofknowledge, a central position around which a variety ofinforma­ tion on the natural world of Asia an d its medical virmes converges. 1l1is centre to which Ona gives voice is reinforced by his circle of influential friends in Goa as well as h is own h ouse and domestic economy. The Col!oquies are themselves a peculiar work in the sense that Orta, con­ scious perhaps rhar rhis would be his one and only work, appears to wanr to include his whole world wirhin them, even things that he deliberately withholds. He attempts to translate imo words rhe material and bodily contours of his many experiences, his knowledge and erudition, as well as the traces of h is memories, some of rhem irremediably distam. Ir is nor, therefore, surprising that the Col­ loquies are of a composite nature and therefore difficult tO categorize. 1l1ey are a series of conversations, bur also a guide and a proposal for the regularization of the Asian natural world in terms of its medical uses, its nomenclature in different languages, its prices, places of origin and sensorial and morphological attributes, a vast range of information that the less experienced might have shied away from. They also closely resemble travel literature in the sense that instruction and enter­ tainment are almost impossible to disenrangle. The apparent "imperfections" of the work in terms of its organization, rep­ etitions, imerruptions and errors in transcription, punctuation and pagination (there are even variations between different copies -alreay in 1934, Augusto da Silva Carvalho poimed to the possibility of rwo edirions with the date of 1563, one as the result of counrerfeit) also conrribure to its peculiar character. Its ren­ sions, along w ith the apparent role of chance and rhe ancillary in the various con­ versations which unfold within it, comribure furrher to irs porosity and openness


lar das várias conversas nela apresentadas, contribuem ainda mais para a sua porosi­ dade e abertura a múltiplas leituras e contextualizações. As suas posteriores "meta­ morfoses h íbridas" na mão de outros autores, tradutores e impressores dos séculos XVI e XVI I são por si só um manancial para análises que atestam a vivacidade e a dinâmica da história do livro impresso. Os Colóquios passam a ser encarados não só como um livro de indisputável valor para a história da medicina e da botânica, mas também para a história da cultura, da literatura e de outros domínios. Na celebração e análise de urna obra tão multifacetada como são os CoLóquios dos simpLes e drogas da Índia, a melhor homenagem que podemos fazer ao seu autor é reunir em torno da sua obra estudiosos estrangeiros e portugueses de diversas forma­ ções e interesses de investigação e com reconhecido mérito. Para além do significado que a obra adquiriu para os portugueses, torna-se essencial abordar e contribuir para devolver aos Colóquios a dimensão global que afinal sempre tiveram.

to multiple readings and conrextualizations. lts !ater "hybrid meramorphoses" at rhe hands of other authors, translators and prinrers in rhe sixteenth and seven­ reenth centuries itself represents ferrile ground for analyses which attest to the vivacity and dynarnisrn of rhe history of rhe prinred book. 1he Colloquies, there­ fore, are seen not only as a book of indisputable value for the h isrory of medicine and botany, bur also as part of the history of culture, !iterature and orher domüns as well. In the celebration and analysis of such a rnulrifaceted work as the Colfoquies ojthe simples and drugs ojlndia, rhe besr homage thar can be paid to their aud1or is to gather togerher renowned imernational and Portuguese scholars with differ­ enr backgrounds and areas of research to discuss rhe work. Amongst a such a dis­ tinguished gathering, it becomes possible not only to analyse rhe significance che work has acquired for rhe Ponuguese, bur also to give back ro rhe Colloquies rhe global dimension rhey rum out always to have had.

PALMIRA FoNTES DA C o s TA Universidade Nova de Lisboa

PALMIRA FONTES DA CO STA Universidade Nova de Lisboa

Um Itinerário breve  

Palmira P. Fontes da Costa, "Os Colóquios de Garcia de Orta: Um Itinerário Breve/ Garcia de Orta’s Colloquies: A Brief Itinerary", in O Mund...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you