Page 2

2

CATEDRAL CRISTO REI DE BH

Mão de obra importada Todos os estrangeiros que procuraram e procuram se refugiar no Brasil e buscam melhores condições de vida e salários acabam invadindo a nossa mão-de-obra no setor da construção civil. É notório a ascensão e crescimento econômico do nosso país, pois nos índices e dados do ranking dos países emergentes, estamos entre os 7 mais ricos do mundo. A Folha da Engenharia só quer chamar a atenção dos empresários ligados ao nosso setor para se preocuparem com o envolvimento dos estrangeiros irregulares. A documentação dos estrangeiros como de praxe é expedida nos seus respectivos países de origem. A maioria desta mão-de-obra chega até os canteiros em busca do sonho dourado sem a menor qualificação, sem a documentação necessária e geralmente incapazes de falar o português. Quando a fiscalização aparece, muitas vezes a construtora descobre as irregularidades nos documentos dos imigrantes e eles têm que retornar ao país de origem para resolver essas questões burocráticas. Isso gera um custo adicional e um problema que poderia ser evitado pelo maior controle das autoridades e também através mais zelo nas contratações de estrangeiros que vêm trabalhar no nosso país. É uma questão que merece toda nossa atenção. PPGC

U

m dia, diante da CATEDRAL DE BRASILIA com Frei Matheus Rocha (prior dos frades dominicanos e reitor da universidade de Brasília) conjuntamente com o professor arquiteto Edgar Graeff (Fundador da Escola de Arquitetura de Brasília e de Goiânia) foi um dos maiores teóricos da arquitetura brasileira, tive o privilégio de escutar Frei Matheus analisar que Oscar Niemeyer era o mais puro cristão, pois ele sempre lutou para defender os direitos humanos, igualdade social e justiça de seus irmãos, de todas as raças e credos. Tanto acreditou nisso que encomendou ao Oscar o projeto do Instituto Teológico da Universidade de Brasília; De ouvir também o Prof. Graeff, analisar quando Oscar Niemeyer projetou a CATEDRAL DE BRASÍLIA, ele pensou em criar um túnel sem luz de acesso, com largura e altura cerca de 2 a 3 metros para que os fieis católicos saíssem deste mundo profano e entrassem nesse túnel na penumbra para interiorizar-se e depois chegar à nave central toda clara, cheia de luz, elevando seu pensamento aos céus, acompanhando as curvaturas das colunas no sentido do alto , onde a luz eleva seu espírito a Deus. Deu assim à CATEDRAL DE BRASÍLIA sentido espiritual na forma como foi concebida definida pela própria

estrutura de suas colunas curvas elevadas como símbolo do poder divino. Terminada a missa, na saída, como sempre acontece, a multidão sai toda ao mesmo tempo pelas largas escadarias. Sobre isso Oscar Niemeyer diz "ultimamente penso muito em construir igrejas e catedrais, mas continuo ateu, mas uma catedral abre possibilidades imensas a um arquiteto. Na idade média a Igreja concebia esses grandes templos para fascinar fiéis por seu gigantismo e potência, uma prova cabal de grandiosidade divina diante dos minúsculos humanos", Niemeyer compartilha essa ambição eclesiástica e adora criar novas formas grandiosas que assombram os indefesos homens. Com relação à localização da nova CATEDRAL CRISTO REI a Igreja católica de BH optou pelo VETOR NORTE BH em frente à ESTAÇÃO RODO-METROVIÁRIA E SHOPPING do Vilarinho em consonância com o Governo Estadual (Antônio Anastasia e Aécio Neves). Oscar Niemeyer é arquiteto marxista, ateu, mas projetou 22 Templos de orações, inúmeras Igrejas católicas e uma ortodoxa, um templo do Reino de Deus, uma mesquita em Argel (Argélia - Norte da África), um convento na França, um convento dominicano em Brasília, a igreja São Francisco de Assis na Pampulha, capela Nossa Senhora de Fátima em Brasília (em forma de chapéu de Freira) a

capela do Palácio da Alvorada, a ermida de D. Bosco , a catedral Militar Rainha da Paz, Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves e a Catedral de Brasília, Igreja na Lagoa Rodrigo de Freitas (RJ) catedral de Niterói, capela Santa Cecília no interior do estado do Rio do amigo José Aparecido de Oliveira (Presidente da Fundação Oscar Niemeyer) culminando com esta fantástica CATEDRAL CRISTO REI de Belo Horizonte Finalizando com a frase do arquiteto Oscar Niemeyer que nesta idade avançada, diz: "Estou cheio de projetos, não tenho tempo de morrer". CONTINUAÇÃO DA MATÉRIA PUBLICADA NA EDIÇÃO Nº 94 DA FOLHA DA ENGENHARIA Arq. José Carlos Laender Castro Ex-Presidente Diretório Acadêmico EAUFMG(61/62) Membro da JUC Juventude Universitária Católica (59/63) Assessor da Pastoral de Vilas e Favelas (Arquidiocese BH) Presidente da IAB-MG - Inst. Arquitetos Brasil(81/82) Nova catedral Cristo Rei Presidente da URBEL - Companhia Urbanizadora BH (2000/2001) Membro do Conselho IAB-MG Foto: Ilustrativa

EDITORIAL:

EXPEDIENTE: Editor: Petrônio Perdigão Godoy Castro Revisora: Djanira P. Castro Colaboradores: Jornalista José Godoy Castro, Dênis Kleber Gomide Leite, José Carlos Laender e Oscar Ferreira, Henrique Campos Vivácqua e Revista Arquitetura e Engenharia. Fotos: Folha da Engenharia, Pedro Moura, anunciantes e agências. Redação e Administração: Rua Penafiel, 360 - Anchieta CEP: 30310-420 - Belo Horizonte/MG Telefax: (31) 3221 1553 - Cel.: (31) 8400 8100 E-mail: folhadaengenharia@ig.com.br CPNJ: 09.353.211/0001-82 Diagramação e Editoração: Jota Peg Comunicação Total E-mail: jotapegcomunica@gmail.com Impressão: Diário do Comércio Tiragem: 5000 exemplares

A Folha da Engenharia não se responsabiliza pelo material publicitário e/ou conteúdo dos artigos veiculados nesta edição. Os artigos e matérias publicados não refletem necessariamente a opinião dos editores.

Profile for pallib abreu

Jornal Folha da Engenharia - Ed 96  

Engenharia, Arquitetura, Urbanismo

Jornal Folha da Engenharia - Ed 96  

Engenharia, Arquitetura, Urbanismo

Profile for pallib
Advertisement