Page 1

ARCELORMITTAL COMEMORA SEUS 90 ANOS

Foto: Divulgação

“ Nasce a Arcelor Brasil: Um novo tempo está começando. Belgo, CST e Vega do Sul, três das principais siderúrgicas brasileiras, passam a operar sob uma única referência: a Arcelor Brasil, um dos mais avançados conglomerados sirerúrgicos do mundo. Uma empresa decidida a combinar sua inserção global com a preservação dos vínculos regionais, respeitando a diversidade cultural e ampliando o seu poder de transformação social. Um marco da evolução sustentável na produção de aço”. - Texto publicado na Folha da Engenharia nº 256 de 2006.

A

ArcelorMittal Aços Longos (antiga Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira) é uma empresa do setor siderúrgico que surgiu da aquisição da Companhia Siderúrgica Mineira pelo grupo belga-luxemburguês ARBED em 11 de dezembro de 1921. A instalação do pólo produtivo se deu com a construção de uma moderna usina siderúrgica na cidade de João Monlevade, Minas Gerais. No lançamento da pedra fundamental da usina, compareceu até o presidente da república, Getúlio Vargas. Na década de 60 associou-se à Bekaert para produção de aços trefilados, arames farpados e lisos, etc.

CONTINUA NA PÁGINA

4

Vista aérea da Usina em João Monlevade na década de 50: as cúpulas, o complexo da praça Ayres Quaresma (praça do Cinema), praça do Mercado com o Armazém do Geo, a Leiteiria, Cidade Alta, ruas dos Contratados e Beira-Rio: um sonho de uma cidade que se tornou realidade graças à Siderúrgica Belgo-Mineira, hoje ArcelorMittal

ARCELORMITTAL

Custo da construção em Belo Horizonte iniciou o ano em alta

O alto-forno siderúrgico mais antigo do mundo, ainda em operação na ArcelorMittal Tubarão, será desligado em abril para passar por uma grande reforma, a primeira desde que começou sua operação. Serão 100 dias parado para que as obras da grande reparos sejam feitas, ao custo de US$ 180 milhões. CONTINUA NA PÁGINA ..........................................................................

5

O Custo Unitário Básico de Construção (CUB/m² - projeto-padrão representativo R8-N) aumentou 3,93% em janeiro em relação ao mês anterior. Dos seus quatro grupos componentes, observou-se que o material registrou elevação de 0,59%, a mão de obra aumentou 7,28%. LEIA MAIS NA PÁGINA ..........................................................................

7


2

CATEDRAL CRISTO REI DE BH

Mão de obra importada Todos os estrangeiros que procuraram e procuram se refugiar no Brasil e buscam melhores condições de vida e salários acabam invadindo a nossa mão-de-obra no setor da construção civil. É notório a ascensão e crescimento econômico do nosso país, pois nos índices e dados do ranking dos países emergentes, estamos entre os 7 mais ricos do mundo. A Folha da Engenharia só quer chamar a atenção dos empresários ligados ao nosso setor para se preocuparem com o envolvimento dos estrangeiros irregulares. A documentação dos estrangeiros como de praxe é expedida nos seus respectivos países de origem. A maioria desta mão-de-obra chega até os canteiros em busca do sonho dourado sem a menor qualificação, sem a documentação necessária e geralmente incapazes de falar o português. Quando a fiscalização aparece, muitas vezes a construtora descobre as irregularidades nos documentos dos imigrantes e eles têm que retornar ao país de origem para resolver essas questões burocráticas. Isso gera um custo adicional e um problema que poderia ser evitado pelo maior controle das autoridades e também através mais zelo nas contratações de estrangeiros que vêm trabalhar no nosso país. É uma questão que merece toda nossa atenção. PPGC

U

m dia, diante da CATEDRAL DE BRASILIA com Frei Matheus Rocha (prior dos frades dominicanos e reitor da universidade de Brasília) conjuntamente com o professor arquiteto Edgar Graeff (Fundador da Escola de Arquitetura de Brasília e de Goiânia) foi um dos maiores teóricos da arquitetura brasileira, tive o privilégio de escutar Frei Matheus analisar que Oscar Niemeyer era o mais puro cristão, pois ele sempre lutou para defender os direitos humanos, igualdade social e justiça de seus irmãos, de todas as raças e credos. Tanto acreditou nisso que encomendou ao Oscar o projeto do Instituto Teológico da Universidade de Brasília; De ouvir também o Prof. Graeff, analisar quando Oscar Niemeyer projetou a CATEDRAL DE BRASÍLIA, ele pensou em criar um túnel sem luz de acesso, com largura e altura cerca de 2 a 3 metros para que os fieis católicos saíssem deste mundo profano e entrassem nesse túnel na penumbra para interiorizar-se e depois chegar à nave central toda clara, cheia de luz, elevando seu pensamento aos céus, acompanhando as curvaturas das colunas no sentido do alto , onde a luz eleva seu espírito a Deus. Deu assim à CATEDRAL DE BRASÍLIA sentido espiritual na forma como foi concebida definida pela própria

estrutura de suas colunas curvas elevadas como símbolo do poder divino. Terminada a missa, na saída, como sempre acontece, a multidão sai toda ao mesmo tempo pelas largas escadarias. Sobre isso Oscar Niemeyer diz "ultimamente penso muito em construir igrejas e catedrais, mas continuo ateu, mas uma catedral abre possibilidades imensas a um arquiteto. Na idade média a Igreja concebia esses grandes templos para fascinar fiéis por seu gigantismo e potência, uma prova cabal de grandiosidade divina diante dos minúsculos humanos", Niemeyer compartilha essa ambição eclesiástica e adora criar novas formas grandiosas que assombram os indefesos homens. Com relação à localização da nova CATEDRAL CRISTO REI a Igreja católica de BH optou pelo VETOR NORTE BH em frente à ESTAÇÃO RODO-METROVIÁRIA E SHOPPING do Vilarinho em consonância com o Governo Estadual (Antônio Anastasia e Aécio Neves). Oscar Niemeyer é arquiteto marxista, ateu, mas projetou 22 Templos de orações, inúmeras Igrejas católicas e uma ortodoxa, um templo do Reino de Deus, uma mesquita em Argel (Argélia - Norte da África), um convento na França, um convento dominicano em Brasília, a igreja São Francisco de Assis na Pampulha, capela Nossa Senhora de Fátima em Brasília (em forma de chapéu de Freira) a

capela do Palácio da Alvorada, a ermida de D. Bosco , a catedral Militar Rainha da Paz, Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves e a Catedral de Brasília, Igreja na Lagoa Rodrigo de Freitas (RJ) catedral de Niterói, capela Santa Cecília no interior do estado do Rio do amigo José Aparecido de Oliveira (Presidente da Fundação Oscar Niemeyer) culminando com esta fantástica CATEDRAL CRISTO REI de Belo Horizonte Finalizando com a frase do arquiteto Oscar Niemeyer que nesta idade avançada, diz: "Estou cheio de projetos, não tenho tempo de morrer". CONTINUAÇÃO DA MATÉRIA PUBLICADA NA EDIÇÃO Nº 94 DA FOLHA DA ENGENHARIA Arq. José Carlos Laender Castro Ex-Presidente Diretório Acadêmico EAUFMG(61/62) Membro da JUC Juventude Universitária Católica (59/63) Assessor da Pastoral de Vilas e Favelas (Arquidiocese BH) Presidente da IAB-MG - Inst. Arquitetos Brasil(81/82) Nova catedral Cristo Rei Presidente da URBEL - Companhia Urbanizadora BH (2000/2001) Membro do Conselho IAB-MG Foto: Ilustrativa

EDITORIAL:

EXPEDIENTE: Editor: Petrônio Perdigão Godoy Castro Revisora: Djanira P. Castro Colaboradores: Jornalista José Godoy Castro, Dênis Kleber Gomide Leite, José Carlos Laender e Oscar Ferreira, Henrique Campos Vivácqua e Revista Arquitetura e Engenharia. Fotos: Folha da Engenharia, Pedro Moura, anunciantes e agências. Redação e Administração: Rua Penafiel, 360 - Anchieta CEP: 30310-420 - Belo Horizonte/MG Telefax: (31) 3221 1553 - Cel.: (31) 8400 8100 E-mail: folhadaengenharia@ig.com.br CPNJ: 09.353.211/0001-82 Diagramação e Editoração: Jota Peg Comunicação Total E-mail: jotapegcomunica@gmail.com Impressão: Diário do Comércio Tiragem: 5000 exemplares

A Folha da Engenharia não se responsabiliza pelo material publicitário e/ou conteúdo dos artigos veiculados nesta edição. Os artigos e matérias publicados não refletem necessariamente a opinião dos editores.


3

É

possível ter um lindo jardim em paredes de áreas externas, varandas ou quintais, mesmo sem aparente espaço para isso. Criados para diminuir a falta das áreas verdes em grandes centros urbanos, os painéis vegetais, ou jardins verticais, cumprem bem o papel de ocupar qualquer espaço vertical com lindas flores e criar um ambiente muito agradável e diferente. “É possível fazer em qualquer lugar, desde que se tome cuidado com o tipo de planta a ser utilizado, isso porque existem espécies de sol ou sombra.”, indica a paisagista Daniela Sedo. Para ambientes com bastante claridade o ideal são espécies como as Bromélias, Flor Peixinho, Véu-denoiva e o Brinco-de-princesa, todas plantas de sol. Para ambientes

fechados, que têm pouca incidência de sol, o ideal é utilizar espécies de sombra como a Samambaia, Rendaportuguesa, Avenca e Chifre-deveado. “Uma forma simples de montar um painel verde é utilizando vasos de terracota específicos para pendurar na parede, que possuem um de seus lados retos.”, explica Daniela. Os vasos de terracota, que possuem 15 cm de diâmetro e 20 cm de altura, são feitos em argila cozida no forno, eles devem ser impermeabilizados por dentro, e pintados por fora, dando um charme todo especial para os jardins verticais. Outro fator que deve ser levado em consideração é a impermeabilização da parede na qual será construído o painel, já que ela deve estar preparada para a umidade vinda da rega das plantas. “É importante tomar esse cuidado para não dani-

Foto: Ilustrativa

COMO CONSTRUIR, CUIDAR E ESCOLHER AS ESPÉCIES CERTAS PARA UM LINDO JARDIM VERTICAL

ficar a estrutura da casa, e ter problemas com a umidade posteriormente. Vale fazer um trabalho de impermeabilização no local antes da construção do painel”, alerta a paisagista. Os painéis verticais também exercem a função de cobrir imperfeições de muros, criando um aspecto diferente ao ambiente, e uma decoração inovadora. Além de toda a beleza presente, esse tipo de transformação

também atrai pássaros que auxiliam na polinizam das flores dos jardins verticais, deixando todo o painel com um aspecto diferente e com plantas distintas. Os jardins verticais podem trazer um ar todo diferente para qualquer ambiente, basta escolher o local, tomar os cuidados necessários e escolher as espécies adequadas. “Sempre é possível criar, nem que seja em uma pequena área, um lindo jardim”, finaliza Daniela Sedo.


4

ARCELORMITTAL COMEMORA SEUS 90 ANOS

CAU - NOVO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO

N

o final da tarde de 30/12/10, em um de seus últimos atos, o presidente Lula sancionou a lei que cria o conselho profissional exclusivo para arquitetos e urbanistas no Brasil, o CAU. Até então as políticas de regulamentação do exercício profissional de arquitetura e urbanismo estiveram vinculadas a entidades multiprofissionas: o Confea - Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia e os Creas - Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Com o novo conselho, arquitetos e urbanistas terão regulamentação e fiscalização profissional autônomas. Para exercer a profissão, todo o arquiteto e urbanista deverá ter registro profissional no CAU de seu estado, o que permitirá sua atuação em todo o território nacional. O IAB-MG, entidade que eu participo como diretor de projetos especiais, marcou pre-

sença nesse momento histórico em Brasília. O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil – CAU/BR e os Conselhos de Arquitetura e Urbanismo dos Estados e do Distrito Federal – CAU/UF foram criados com a Lei nº 12.378 de 31 de dezembro de 2010, que regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo no país. Uma conquista histórica para a categoria, que significa maior autonomia e representatividade para a profissão. Autarquias dotadas de personalidade jurídica de direito público, o CAU possui a função de "orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de arquitetura e urbanismo, zelar pela fiel observância dos princípios de ética e disciplina da classe em todo o território nacional, bem como pugnar pelo aperfeiçoamento do exercício da arquitetura e urbanismo" (§ 1º do Art. 24º da Lei 12.378/2010).

tinga e Timóteo, sendo que nos dois últimos estão instaladas duas outras grandes siderúrgicas, respectivamente a Usiminas e a ArcelorMittal Timóteo (antiga Acesita). As perspectivas de crescimento do consumo de aço na construção, no agronegócio e na indústria brasileira enchem os olhos dos executivos da ArcelorMittal, maior grupo siderúrgico do mundo, nos países desenvolvidos ou emergentes. Depois de um 2011 marcado pelo enfraquecimento da demanda na Europa em crise e nos Estados Unidos, o que levou a empresa a congelar investimentos nas usinas de João Monlevade, em Minas Gerais, e de Santa Catarina, o cenário de vendas no país em 2012 e nos próximos quatro anos surge positivo. “O Brasil se tornou um éden (como no livro do Gênesis). Isso, de uma certa forma, é bom, mas temos de tomar muito cuidado com essa visão”, disse Augusto Espeschit de Almeida

(foto) presidente da ArcelorMittal Aços Longos para a América do Sul. Otimista com a expansão da economia brasileira e de alguns dos vizinhos latinos, como Peru e Bolívia, o conglomerado vai se aproveitar da eficiência máxima de suas fábricas para atender as compras mais aquecidas no subcontinente. A principal estratégia, em lugar de grandes aumentos de capacidade produtiva das usinas, será fortalecer a rede de distribuição de produtos e serviços, revela Augusto Espeschit de Almeida. Foto: Ilustrativa

A Belgo investiu na recuperação do setor de laminados, a partir da aquisição de empresas como a Cofavi – Companhia Ferro e Aço de Vitória, em 1993, e da Dedini S/A Siderúrgica, em Piracicaba, São Paulo), em 1994. No ano seguinte, arrendou a Siderúrgica Mendes Júnior, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Adquiriu posteriormente participação em algumas empresas siderúrgicas no Peru, Chile, Argentina, e Canadá. Em 2001 ocorreu a fusão entre a ARBED, a Usinor (França) e a Aceralia (Espanha) surgindo a Arcelor, da qual a Belgo faz parte. Em 2006, houve uma fusão entre a Arcelor e a empresa indiana Mittal, que em julho de 2007 se transformou na Arcelor Mittal Monlevade. A empresa está situada próxima da chamada Região Metropolitana do Vale do Aço, região composta principalmente pelos municípios de Coronel Fabriciano, Ipa-

ETERNIT ENTRA NO SEGMENTO DE METAIS SANITÁRIOS

A

Eternit S. A. - maior e mais diversificada indústria de coberturas do Brasil, com atuação nos segmentos de louças sanitárias e componentes para sistemas construtivos - anuncia o lançamento de sua linha de metais sanitários. A entrada neste mercado tem como objetivo transformar a Eternit na maior e mais diversificada indústria de materiais de construção do País. Os Metais Eternit - duchas, torneiras e misturadores - seguem o rigoroso padrão de qualidade da Foto: Ilustrativa

A

inda no final dos anos 80, a Belgo começava a se preparar para a nova realidade que se antevia, com o lançamento de seu plano de gestão pela qualidade. A necessidade se impunha não apenas pelo crescimento da concorrência no mercado interno, mas porque também o quadro da globalização começava a exercer pressão sobre as empresas brasileiras. A década de 90 foi, assim, um período de grandes mudanças. Na área tecnológica, a Belgo buscou atualizar sua estrutura produtiva, o que se refletiu, entre outros, na inauguração de um moderno trem de laminação em Monlevade, responsável por sucessivos ganhos de qualidade do fio-máquina. Também investiu na mudança dos cinco altosfornos da usina, que funcionavam a carvão vegetal, substituindo-os por apenas um, de grande capacidade produtiva, inaugurado no ano 2000 e que opera com coque importado.

marca, com diferentes designs para diversos ambientes. As duchas variam desde opções tradicionais manuais até versões com variação de uma a cinco funções de jatos. Já as torneiras incluem opções monocomando e duplocomando (água quente e fria). “Estamos preparando a Eternit para os próximos 70 anos. A entrada no segmento de metais sanitários é mais uma ação importante para transformar a empresa na maior e mais diversificada indústria de materiais de construção do País”, afirma Élio A. Martins – Presidente do Grupo Eternit. A Eternit é reconhecida como o 5º maior fornecedor de louças do mercado brasileiro com crescimento trimestral médio de vendas de 75%.” Segundo Nacif, tal fato justificou o início da construção da fábrica multiprodutos no complexo industrial de Pecém (CE).


5

ARCELORMITTAL TUBARÃO INVESTE US$ 180 MILHÕES EM ALTO-FORNO segundo semestre, será avaliado se o forno dois continuará operando. "Tudo vai depender do mercado internacional", avalia Benjamin Baptista. Aproveitando a operação que está sendo montada para o forno, a siderúrgica fará a manutenção, também, dos equipamentos da sinterização, que é uma parte do processo da produção do aço. Além disso, pretende melhorar as condições das máquinas utilizadas no sistema de lingotamento contínuo. São três máquinas nesse setor e a reforma será feita em uma delas, responsável pela produção de e milhões de toneladas por ano. Em relação ao forno dois, parado desde a crise de 2008, já foi feita a reforma que estava planejada, "mas, neste caso, mexemos somente no sistema refratário dele, mas não alteramos nada em relação à carcaça propriamente dita", ressalta o executivo.

planos de ampliar o laminador de tiras a quente (LTQ) para passar a produzir 4,5 milhões de toneladas por ano, 500 mil toneladas a mais da capacidade atual. Investimento será de US$ 50 milhões. Produção

Em 2011, a capacidade mundial de produção de aço chega a 2 bilhões de toneladas por ano, enquanto a capacidade de consumo gira em torno de 1,45 bilhão a 1,5 bilhão de toneladas. Funcionários

Tubarão opera com 4,9 mil empregados diretos. Nessa reforma, serão empregados mais 3,4 mil trabalhadores indiretos pelas 15 prestadoras de serviços já contratadas.

Projetos

A ArcelorMittal Tubarão tem

RINO COM

preparado para que as obras sejam feitas exatamente neste prazo de 100 dias”. De abril ao final de julho, 15 empresas locais e 3,4 mil trabalhadores estarão ocupados com a reforma total do maior dos três altos-fornos da companhia. Esse forno tem capacidade para produzir 3 milhões de toneladas de aço por ano. Para suprir a necessidade de produção de placas, a empresa acionará o segundo alto-forno, que está desligado desde o final de 2008, quando a crise internacional, desencadeada nos Estados Unidos, reduziu a demanda por aço em todo o mundo. Com a parada do forno maior, a ArcelorMittal Tubarão passa a ter uma capacidade de 4,5 milhões de toneladas por ano. A partir de agosto, quando o maior forno voltar a operar, a empresa estudará a possibilidade de também fazer pequena reforma no forno três de Tubarão. Também no início do

Foto: Divulgação

O

alto-forno siderúrgico mais antigo do mundo, ainda em operação na ArcelorMittal Tubarão, será desligado em abril para passar por uma grande reforma, a primeira desde que começou sua operação. Serão 100 dias parado para que as obras da grande reparos sejam feitas, ao custo de US$ 180 milhões. Outras reformas elevarão para US$ 250 milhões o total a ser investido neste ano. Com o mercado internacional em crise, principalmente a Europa, que está tentando uma saída para o problema dos países endividados, as siderúrgicas estão aproveitando o período para fazer as reformas necessárias em seus equipamentos essenciais. No caso da multinacional ArcelorMittal, em Tubarão, está sendo montada uma verdadeira “operação de guerra”, nas palavras do presidente da companhia no Brasil, Benjamin Baptista Filho. “Tudo já está sendo

Vai usar aço na sua obra?

50 S ão Belgo zido Vergalh e Reco m ra A e

Tela Soldada e Treliça

A ArcelorMittal entrega a solução sob medida para você. A ArcelorMittal ajuda você a realizar o sonho da casa própria com rapidez, economia e segurança. Mais que uma completa linha de produtos para Construção Civil, a ArcelorMittal oferece soluções em aço para obras de todos os portes, como o Belgo Pronto, um serviço que entrega o aço cortado e dobrado na medida certa, de acordo com o projeto. É o máximo de agilidade com o mínimo de desperdício. Tudo com a qualidade e a sustentabilidade do aço ArcelorMittal, que o mundo todo reconhece.

ArcelorMittal é aço. Central de Relacionamento Aços Longos: 0800 015 1221

www.arcelormittal.com/br/belgo

Belgo Pronto


6

PRESIDENTE DO CREA MG FORTALECE A IMAGEM DOS ENGENHEIROS Foto: PPGC

PRECISA-SE DE ENGENHEIROS

O

Engenheiro Jobson Nogueira de Andrade (foto), 40 anos, natural de Teófilo Otoni assumiu a presidência do Conselho Nacional de Engenharia (CREA-MG) e pretende trabalhar com muita determinação e afinco, e assim, alcançar

N

unca o Brasil precisou tanto de engenheiros como no atual estágio da economia. A escassez desses profissionais ocorre em todos os estados e tende a se acentuar, caso não sejam tomadas medidas educacionais de urgência capazes de dar sustentabilidade ao crescimento da atividade econômica esperado para as próximas décadas. A mensagem foi dada pelo secretário de Educação

êxito nos 5 eixos fundamentais da casa. A sua administração vai ficar voltada, segundo ele, para fortalecer a imagem do Crea e retomar a respeitabilidade dos engenheiros. A Folha da Engenharia apoia e acredita no empenho do novo presidente.

25 ANOS ESQUADRIAS CONTINENTAL: O ALUMÍNIO EM SUA MAIOR PERFORMANCE

E

specializada em esquadrias de alumínio desde 1986, a Continental vem aumentando sua participação no setor devido à seriedade do trabalho que vem desenvolvendo. Além da grande diversidade em sua linha de produtos, executa projetos personalizados por encomenda ou juntamente com os arquitetos. Todos os trabalhos da Continental seguem as normas da ABNT. A especificação correta para cada caso é necessária para

que se mantenha o alto padrão de qualidade das esquadrias.

Tecnologia e Funcionalidade Sempre procurando atender às exigências do mercado, a Continental investe constantemente em novas tecnologias de projeto, fabricação, montagem, transporte e instalação. Abrangendo toas as etapas produtivas, está apta ao fornecimento de janelas, portas,

fachadas, grades e coberturas especiais em perfis estruturados de alumínio com perfeito desempenho. Cores variadas podem ser adquiridas através do tratamento do alumínio, seja através da anodização ou da pintura eletroestática, oferecendo opções diferenciadas para cada projeto. Os componentes e sistemas de vedação são selecionados para dar maior durabilidade e o melhor acabamento às esquadrias. Os produtos da Continental já são oferecidos ao mercado com os vidros instalados, proporcionando maior segurança e garantia, sem a necessidade da contratação de terceiros.

Beleza e Qualidade garantidas Além da qualidade da matéria prima e dos equipamentos, a equipe técnica da Continental é a maior garantia do desempenho dos seus produtos e serviços. Promove o acompanhamento desde a elaboração dos projetos até a instalação e pós venda, assegurando a satisfação dos clientes. As cores e as formas das esquadrias de alumínio da Continental são detalhes que valorizam a arquitetura possibilitando maior criatividade aos arquitetos e beleza a sua obra.

Superior do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, durante seminário realizado no dia 20 de dezembro em São Paulo. O secretário apresentou resultados preliminares de um estudo realizado por diversas entidades visando a construção de um modelo capaz de projetar a demanda por profissionais das diversas engenharias no Brasil nas próximas décadas.


7

CUSTO DA CONSTRUÇÃO EM BELO HORIZONTE INICIOU O ANO EM ALTA

O

Custo Unitário Básico de Construção (CUB/m² - projeto-padrão representativo R8-N) aumentou 3,93% em janeiro em relação ao mês anterior. Dos seus quatro grupos componentes, observou-se que o material registrou elevação de 0,59%, a mão de obra aumentou 7,28%, as despesas administrativas cresceram 2,04% e o aluguel de equipamentos apresentou estabilidade. Com esse resultado, o custo do metro quadrado de construção em Belo Horizonte, para o projeto-padrão R8N (residência multifamiliar, padrão normal, com garagem, pilotis, oito pavimentos-tipo e 03 quartos), que em dezembro era R$939,80 passou para R$976,74 em janeiro. O CUB/m² é um importante indicador de custos do setor e acompanha a evolução dos preços de materiais de construção, mão de obra, despesas administrativas e aluguel de equipamentos. É calculado e divulgado mensalmente pelo Sinduscon-MG, de acordo com a Lei 4.591/64 e com a Norma Técnica NBR 12721 : 2006 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). De acordo com o coordenador sindical do Sinduscon-MG, economista

Daniel Furletti, o aumento mais expressivo do CUB/m² em janeiro aconteceu em função da alta registrada no custo com a mão de obra. “A data base dos trabalhadores da Construção Civil em Belo Horizonte é o mês de novembro. Como as negociações aconteceram até o mês de dezembro, o maior reflexo do aumento ocorrido em função da nova Convenção Coletiva de Trabalho aconteceu em janeiro”. Furletti ainda lembra que, em dezembro, o custo com a mão de obra também cresceu. “Naquele mês o CUB/m² elevou-se 1,79% enquanto o custo com a mão de obra aumentou 3,65%, refletindo antecipações dos aumentos salariais”, destaca. Em relação à alta do custo com materiais, o coordenador do SindusconMG, ressalta que, apesar de ser a maior observada nos últimos meses, ela pode ter refletido uma acomodação nos preços: “Não acreditamos que esta é uma tendência. O Brasil não possui ambiente econômico que possibilite descontrole de preços. O natural é que os preços dos materiais caminhem de acordo com a política econômica e monetária do país, dentro de um ambiente de maior estabilidade. Deve-se lembrar que as expectativas de inflação para 2012 já

sinalizam arrefecimento e esperamos que o mesmo aconteça com o custo da construção”, destaca o coordenador. Da cesta de insumos que compõem o cálculo do CUB/m² observouse que 15 itens registraram elevações em seus preços, 08 ficaram iguais e três registraram quedas. Furletti destaca que o setor segue acompanhando atentamente a evolução dos preços dos seus insumos. “É necessário um acompanhamento contínuo dos preços, pois alguns materiais ainda se destacaram com altas relevantes”, ressalta. Em janeiro os maiores aumentos foram: brita (+5,83%), porta interna semi-oca para pintura (+2,19%), areia (+2,13%), fechadura para porta interna (+2,13%), placa cerâmica (+2,09%), vidro liso

transparente 4mm, colocado com massa (+1,85%) e bloco de concreto sem função estrutural (+1,40%). Período 12 meses (fevereiro/11janeiro/12): Nesse período, o CUB/m² aumentou 7,89%, sendo que o custo com material registrou incremento de 4,92% e o custo com a mão de obra cresceu 11,19%. Os materiais que apresentaram as maiores elevações de preços foram: brita (+36,56%), porta interna semi-oca para pintura (+14,00%), bloco de concreto sem função estrutural (+13,79%), esquadria de correr (+13,00%), janela de correr em perfil de chapa de ferro dobrada (+11,94%), placa cerâmica (+11,88%) e vidro liso transparente 4mm, colocado com massa (+11,45%).


8

NOTAS Memória

O engenheiro e epresário Hugo Laborne (foto) faleceu após sofrer um infarto, enquanto passava o Carnaval na região de Angra dos Reis, no litoral do estado do Rio de Janeiro. O corpo chegou a Belo Horizonte e foi levado para o crematório Parque Renascer, de acordo com informações de sua família. Hugo Laborne foi o responsável pela construção do Shopping Alta Vila Class, em Nova Lima, próximo à Faculdade Milton Campos, e teve o nome cogitado à presidência do Atlético em 2006, como sucessor do então mandatário Ricardo Guimarães. Na ocasião, teria sua chapa composta pelo ex-vice-presidente jurídico do clube, José Murilo Procópio, e o ex-jogador Toninho Cerezo. A Folha da Engenharia registra a perda de tão ilustre personalidade e manifesta votos de força e resignação aos familiares e amigos do engenheiro.

Metais Docol marcam presença nas obras de Oscar Niemeyer

Foto Memória

Maior arquiteto brasileiro de todos os tempos estimula a consciência ambiental usando metais economizadores de água. Pioneira e líder no segmento de metais economizadores de água, a catarinense Docol confirma seu posicionamento sustentável ao ser escolhida para a nova ala do Sambódromo do Rio de Janeiro. A obra do arquiteto Oscar Niemeyer (foto) foi recentemente reformada para aumentar a capacidade durante a maior festa popular do planeta. Com os novos produtos, a economia de água pode chegar a 70%.

UFV inaugura novo prédio

JOÃO BATISTA ROLA PERDIGÃO Nascido em São Domingos do Prata, aos 85 anos foi sepultado no Cemitério do Bomfim com a presença de inúmeros familiares e amigos. João Batista chegou em Belo Horizonte aos 13 anos para trabalhar no antigo "Mundo das meias", onde chegou a galgar o cargo de diretor nas organizações Rola. Profundamente religioso, exemplar funcionário e chefe de família, deixou 4 filhos. A Folha da Engenharia com pezar comunica o seu falecimento. Ele deixa saudades.

Foi inaugurado em Viçosa-MG o novo prédio do departamento de Química (foto) no campus da Universidade Federal de Viçosa. O edifício é hoje considerado um dos mais belos prédios do campus. As obras continuam de vento em popa no edifício Arthur da Silva Bernardes, cujo o telhado foi integralmente reconstruído e, ainda, as reformas e adequações de espaços culturais como o teatro do DED.

O edifício Joaquim de Paula situado na Av. Afonso Pena esquina com a rua Carijós, foi projetado pelos arquitetos Cláudio Jorge Gomes e Souza, Oswaldo Santacruz Nery, Paulo Mourão Monteiro e Ulpiano Nunes Muniz e construído pelos engenheiros Adolfo Neves Martins da Costa e Efim Kraiser. Foto do arquivo da revista Arquitetura e Engenharia nº 37 de dezembro de 1955.

Profile for pallib abreu

Jornal Folha da Engenharia - Ed 96  

Engenharia, Arquitetura, Urbanismo

Jornal Folha da Engenharia - Ed 96  

Engenharia, Arquitetura, Urbanismo

Profile for pallib
Advertisement