Page 11

internacional

Mais de 500 pessoas de 70 países do mundo inteiro participaram da 6° Conferência da Via

Tecendo sonhos e esperanças: os 20 anos de lutas e resistência da Via Campesina Itelvina Masioli Setor de Relações Internacionais do MST

• 16 de outubro - Dia mundial de luta pela Soberania Alimentarlutas massivas contra as transnacionais e contra os agrotóxicos; • 3 de dezembro – Dia mundial da luta contra os agrotóxicos. Lançamento da campanha nos países onde ainda não estão organizados; • 3 a 6 de dezembro - Jornada mundial contra a Organização Mundial do Comércio, em Bali;

agudizada pelo sistema econômico capitalista e patriarcal. A 3° Assembleia da Juventude, por sua vez, demarcou a necessidade de avançar na organização, na formação política e na construção de alianças com a juventude urbana, reafirmando a importância da participação política da juventude no fortalecimento da Via Campesina e na luta pela transformação social. Paralelamente, aconteceu a Feira de Agroecologia e intercâmbio de sementes camponesas, tendo em vista a agroecologia enquanto nossa opção de presente e futuro, junto à defesa do território e das sementes camponeses,

intensificando a luta contra as transnacionais e os transgênicos. Essas conferências são um espaço importante de construção política, de fortalecimento da mística da luta, da solidariedade, do internacionalismo, de confraternização e da construção do plano de ação coletivo que se realizam a cada quatro anos. A atividade fez um chamado urgente à unidade a nível internacional entre as organizações do campo e da cidade, e participar ativa, propositiva e decididamente na construção de uma nova sociedade, baseada nos princípios da soberania alimentar, da justiça e igualdade entre os seres humanos.

Tarefas e desafios

O atual período histórico nos coloca um conjunto de tarefas e desafios para posicionar a agricultura camponesa frente ao agronegócio, que se sustenta no arrendamento das terras e na expulsão dos(as) camponeses(as) de seus territórios. Diante disso, preocupa-nos a enorme força do novo colonialismo agrário, a mercantilização da vida, mediante a apropriação dos bens da natureza, como terra, água, sementes e a biodiversidade.

Arquivo MST

Mais de 500 camponeses e camponesas de 70 países de todos os continentes participaram da 6° Conferência Internacional Egídio Brunetto, realizada em Jacarta, na Indonésia, entre os dias 6 a 13 de junho. Foi um momento intenso de celebração dos 20 anos de luta e resistência na construção da Via Campesina Internacional. O lema Pela Terra e pela Soberania de nossos Povos, com Solidariedade e Luta reafirma que, mais do que nunca, é necessário lutar para que um outro mundo seja construído. A destruição do planeta causada pela sobrexploração e apropriação dos bens da natureza está na origem das múltiplas crises do sistema capitalista, colocando em risco os seres humanos e a vida do planeta. A conferência foi marcada por três importantes atividades: a 4° Assembleia Internacional das Mulheres focou na emancipação de nossos povos, unidas pelo imperativo ético e político de defender nosso direito à alimentação, à agricultura camponesa, à defesa da biodiversidade, dos bens da natureza e a luta permanente para por fim a todo tipo de violência

Agenda de lutas

O lema da 6° Conferência foi: “Pela terra e pela Soberania de nossos povos, com Solidariedade e Luta”

12

Nestes 20 anos, a Via Campesina luta pela construção de novos valores, tendo como base a solidariedade, a cooperação e a complementaridade. Seguiremos visibilizando todas as lutas locais ao redor do mundo, estabelecendo alianças de solidariedade e internacionalismo com camponeses de todo o mundo, tecendo um grande movimento global pela soberania alimentar, mudanças sociais e a autodeterminação dos povos, o que só será possível com muita organização e luta.

As Conferências se realizam a cada quatro anos e são espaços de construção política, fortalecimento da luta, solidariedade, internacionalismo e da construção do plano de ação coletivo Somos nós que alimentamos o mundo e esfriamos o planeta. Nossa fortaleza é criar e manter a unidade e a diversidade, fortalecer e ampliar alianças de classe com os setores populares urbanos, intelectuais comprometidos, a juventude, as mulheres e a classe trabalhadora em geral. As alianças campo e cidade são pilares fundamentais para avançarmos nesse momento histórico da luta de classes. Com a força e a determinação das lutas de nossos povos, a Via Campesina faz um chamado a algumas ações, como a luta pela Reforma Agrária Integral e pela Soberania Alimentar, a intensificação da formação política, da educação e da comunicação como ferramentas fundamentais da luta e a luta massiva e permanente contra nossos inimigos em comum: as grandes corporações transnacionais. Nesse sentido, foi tirada como linha de ação para o próximo período a concentração de forças sobre três grandes jornadas internacionais (veja box).

Jornal Sem Terra • Set-out-Nov 2013

Jst 322  

Lutar, Construir Reforma Agrária Popular! Rumo Ao 6º Congresso Nacional do MST: os desafios do movimento para os próximos anos, e a propost...

Jst 322  

Lutar, Construir Reforma Agrária Popular! Rumo Ao 6º Congresso Nacional do MST: os desafios do movimento para os próximos anos, e a propost...

Advertisement