Issuu on Google+

Estrutura da dissertação de Fábio Marcelo Ferreira Fernandes 1 – Parte prática 1.1 - Projecto de arquitectura 1.2 - Memória descriptiva 2 – Parte teórica 2.1 - Introdução 2.2 - O factor cliente 2.3 - Casos de estudo 2.4 - Learning from Zé Carlos

1.1 - Toda a documentação relativa ao projecto, como arquitectura, engenharia, especialidades, etc. 1.2 - Descipção dos materiais, preços, fornecedores e técnicas de construção. 2.1 - Breve introdução onde mencionarei questões como a forma pela qual o projecto me foi encomendado, os meus objectivos enquanto arquitecto e questões de enquadramento. 2.2 - Considerações sobre a relevância do cliente no projecto de arquitectura e a importância da descoberta das suas necessidades. Ao possuir o conhecimento e as ferramentas necessárias para a solução dos problemas, o arquitecto terá, todavia, de identificar os problemas e esses, pertencendo ao cliente, poderão não ser claros e só após muito trabalho se revelarão. Mencionarei, também, a questão da sensiblização do cliente para a espacialidade e a jornada que terá de ser feita pelos dois no sentido de se chegar a um resultado final satisfatório para ambos. 2.3 - Tentarei procurar dois casos de estudo opostos. Um em que o cliente tenha saído totalmente satisfeito e que a interacção entre este e o arquitecto tenha sido positiva e outro em que algo tenha corrido mal e as necessidades programáticas, estéticas, económicas, etc. não tenham sido cumpridas. 2.4 - Neste capítulo, explicarei todo o processo desde o dia zero, mostrando os esboços iniciais. Esses esboços, mais do que verdadeiras propostas ou soluções foram apenas pequenos exercícios que fui apresentando ao cliente no sentido de lhe exercitar a compreensão espacial e arquitectónica. Ao compreender problemas e imaginar alternativas, foi-lhe possível esclarecer os seus objectivos, o que ajudou bastante o meu trabalho, pois foi gradualmente tornando-se claro para mim o que ele pretendia e de que forma o poderia ajudar. Apresentarei também algo que fiz pela primeira vez e que pretendo que seja uma imagem de marca dos meus trabalhos futuros: Passei um dia completo com o Zé Carlos e a sua família (a esposa Mónica e o filho Diogo, de 2 anos) na casa onde vivem actualmente. Trata-se da casa dos seus pais, onde têm o segundo piso só para si, embora sem portas que dividam esse do inferior. Durante esse dia, almocei, lanchei e jantei com eles, tendo cozinhado o jantar e acompanhei coisas tão fundamentais para a sua vivência como o local onde dão banho ao Diogo (claramente mal localizado) ou a pequena varanda onde o Zé ainda fuma às escondidas dos pais. Tendo feito isto como um teste à coesão do projecto, que já se mostrava numa fase bastante avançada de desnvolvimento, constatei que muitas coisas não estavam de acordo com as rotinas da família e, mal cheguei a casa, alterei substancialmente o projecto.


rgr