Issuu on Google+

Suplemento Especial Comemorativo aos 55 anos do Jornal Município Dia a Dia - Edição 05 - Junho/2009

.05

Imprensa Imprensa - Vocação do brusquense para a comunicação


.05 | Imprensa 03

Pioneirismo

04

Idioma

05

O Rebate

06

Outras Publicações

07

Televisão

08

O Município

09

Raul Schaefer

10

Wilson Santos

11

Jaime Mendes

12

Herbert Pastor

13

Jorge Colzani

14

Cláudio José Schlindwein

15

Diário

16

Projetos

17

PESSOAS E Números

18

Colaboradora de sucesso

19

Rádio Araguaia

20

Saulo Tavares

21

Rádio Cidade

22

Rádio Diplomata

23

Rádio Guararema

24

TV Brusque

PROJETO IDENTIDADE

Jornal Município Dia a Dia Rua Felipe Schmidt, 31 - sl. 01 Centro - Brusque - SC Fone: (47) 3351-1980 www.municipiodiaadia.com.br municipiodiaadia@municipiodiaadia.com.br comercial@municipiodiaadia.com.br

Diretor: Cláudio José Schlindwein Editora-Chefe: Letícia Schlindwein Edição e redação: Guédria Baron Motta

(Palavra e Cia - Agência de Comunicação)

Fotografia: Maicon Schlindwein e Fotos Divulgação/Arquivo Projeto Gráfico e Diagramação: Paulo Morelli | Chess Design Gráfico Impressão: Jornal de Santa Catarina

Colaboradores e Agradecimentos: A quinta edição do projeto Identidade contou com o apoio e informação de muitas pessoas. Para elas, que guardam conhecimentos tão importantes sobre Brusque, nossa gratidão e respeito: Famílias Schaefer, Streatz, Graf, Pastor, Mendes, Santos, Gevaerd, Colzani e Schlindwein, escritor Saulo Adami, as emissoras de rádio Araguaia, Cidade, Diplomata e Guararema e a TV Brusque.


Pioneirismo

Como também ocorreu em outras cidades de colonização alemã no Vale do Itajaí, os primeiros jornais de Brusque eram escritos em alemão. O primeiro deles, Brusquer Zeitung, foi fundado em 1º de janeiro de 1912. Criado por uma sociedade de acionistas liderados por Otto Renaux, tinha tipografia própria e a redação era comandada por Otto Gruber, seguido de Carlos Renaux e Moritz Von Schoenebeck. O fato de a publicação ser feita em alemão criava uma identificação com a cultura dos descendentes dos colonizadores, que ainda falavam a língua. Por isso o periódico circulava com boa aceitação do povo. Os últimos exemplares foram editados em outubro de 1917, quando já fazia parte da Gazeta Brusquense (1914-1928), como seu suplemento: Beilage zur Brusquer Zeitung (1915-1917).

3


Idioma

Outro jornal de Brusque editado em alemão era o Die Rundschau (que significa “olhar em volta”). Ele surgiu em 1923, fundado pelo casal Jenny e Erich Straetz e se manteve até 1937. Nos últimos anos de existência, no entanto, devido a pressão política que orientava a publicação de periódicos em Língua Portuguesa, a família Straetz lançou o jornal “O Progresso”. 4


O Rebate

O semanário “O Rebate” se destaca na história do jornalismo brusquense como o veículo de comunicação impresso de maior periodicidade na primeira metade do século passado. Fundado por Alvino Graf (foto) e Álvaro de Carvalho, ele foi publicado pela primeira vez em 1934 e circulou até 1962. Ainda menino e sem alcançar a tipografia, o empresário Eleutério Graf se lembra de uma edição bastante especial, com 32 páginas, veiculada por ocasião do centenário do município. “Queríamos inovar e imprimimos cada página com uma cor diferente. De fato, a idéia foi bastante comentada em Brusque”, lembra Graf, entre sorrisos nostálgicos. “O Rebate era uma paixão do meu pai, seu grande idealismo que nunca deu lucro. Por isso mesmo o jornal foi desativado logo depois de sua morte”, acrescenta. 5


Outras Publicações

No ano do centenário de Brusque, o historiador Ayres Gevaerd escreveu um artigo abordando os principais veículos de comunicação da primeira metade do século. Além de citar os primeiros jornais em português e em alemão, ele recordou o Correio Brusquense (1938 - 1948), fundado por Álvaro de Carvalho, a Folha Brusquense (1954), fundado por Adherbal Vicente Schaefer e mais voltada ao esporte e o Jornal de Brusque (1952), de Cyro Gevaerd, criado especialmente para o centenário da cidade. Além destes, havia três jornais humorísticos: o Brusquer Fastnachtszeitung, Das Grosse Maul e O Espia; oito órgãos estudantis, três revistas e 11 publicações diversas, como cadernos especiais e jornais de entidades.

6


Televisão

Evento esportivo patrocinado pela Casa do Rádio, loja de departamentos que, através de seus diretores, foi uma das precursoras da vinda da Televisão para Brusque Criada em 1936, a TV só chegou a Brusque no início da década de 1950. Antes da sua chegada, era o rádio que ocupava função de informar e entreter a família, considerado o principal meio de comunicação da época. Tanto que tinha lugar de destaque nas salas das casas. A TV chegou tardiamente à região e os primeiros sinais eram transmitidos de Curitiba. Só mais tarde, surgiria uma repetidora em Blumenau (ANO), o que melhorou a qualidade da imagem transmitida. Os primeiros testes foram feitos no Morro da Caixa D’água, promovidos especialmente por membros da família Schlindwein, sócios da Casa do Rádio. “Aí nós pegávamos um pedaço de cano com uma antena, tudo isso a noite, e o seu Radovicks tinha um gerador portátil que nós utilizávamos quando subíamos os morros com a televisão nas costas”, relata Nelson José Penk, no livro Imprensa e Memória: um exercício de possibilidades, dos historiadores Marlus Niebuhr e Robson Galassini.

7


O Município

Considerado o jornal mais antigo em atuação, o Município Dia a Dia foi fundado com o nome de O Município em 26 de junho de 1954. Se hoje ele é diário, na época, tinha pretensões mais modestas: apresentar informações e opiniões sobre a cidade semanalmente. O primeiro responsável pela diretoria do jornal foi o empresário Raul Schaefer, já proprietário da Sociedade Rádio Araguaia de Brusque. Como seu braço direito, convidou para atuar no comando da redação o jornalista Wilson Santos, seguido por outros profissionais da época.

8


Raul Schaefer

Segundo depoimento do primo, José Germano Schaefer (Pilolo), Raul Schaefer (foto) era uma pessoa à frente de seu tempo. Fundou o Jornal Município em 1954, com o objetivo de transformar o veículo de comunicação em farol, para alertar e orientar a sociedade sobre os perigos e ameaças do próprio tempo. Brusque, que na década de 50 era apenas uma vila, com 19 mil habitantes, ainda compreendia os municípios de Vidal Ramos, Presidente Nereu, Guabiruba e Botuverá. E apesar das distâncias geográficas e do cenário bucólico, o informativo semanal era aguardado com expectativa e fomentava muitas discussões no Café Pigalle. “Meu marido era um homem que trabalhava dia e noite e, muitas vezes, doava a própria camisa aos menos favorecidos. Ele estudou em grandes centros, como o Rio de Janeiro e o Paraná e, por isso, sentia a necessidade de fundar veículos de comunicação em Brusque. Sua grande paixão, no entanto, era a advocacia, profissão que o permitia defender os direitos de seu povo”, lembra a viúva de Raul Schaefer, Lúcia, 83 anos, que vive em Florianópolis, cercada pela atenção dos filhos Ana Maria, Vera Lúcia, Raul Filho, Otto Neto e Rodrigo. 9


Wilson Santos

É impossível falar de imprensa em Brusque sem recordar do jornalista Wilson Santos (foto), que nos deixou em 2005. Sua trajetória começa em Blumenau, na Rádio Clube, onde foi convidado por Raul e José Germano Schaefer para comandar a Rádio Araguaia, em Brusque. Assumiu o radiojornalismo da emissora em 1947 e, mais tarde, foi convidado a assumir a redação do jornal O Município, ao qual ficou vinculado até os últimos dias de vida, assinando sua tradicional coluna. Em 1996 lançou o livro “Andanças”, que reúne algumas de suas crônicas e permite que, ainda hoje, os leitores se emocionem com seus pensamentos e palavras como, certa vez, em 1985, escreveu sobre a imprensa: “Tal como esses abençoados anjos, os meus irmãos jornalistas, praticando tão sublime e dignificante sacerdócio, também vão iluminando os espíritos, mantendo acesa a chama da liberdade. Que essas poderosas forças manipuladas pelos jornais, rádios e televisão, sejam sempre veiculadas e dirigidas para o bem e aprimoramento da humanidade”. 10


Jaime Mendes

Jaime Mendes (foto) ficou conhecido durante as três décadas que comandou o jornal O Município como o “velho capitão”. O apelido se deve a maneira como conduziu a administração do jornal: o periódico, por vezes, dava mais prejuízo do que lucro e em inúmeras oportunidades, Mendes precisou colocar dinheiro do próprio bolso para mantê-lo em atividade. Mendes, antes de chegar a Brusque, atuou como coletor estadual, em Mafra, Capinzal e Rio Negrinho e depois como fiscal da Fazenda em Caçador e Rio do Sul, onde fundou o jornal A Semana e a Rádio Mirador, em 1944. Muito bem informado sobre o meio político, Mendes gostava de escrever sobre o assunto. Também lançou inúmeras campanhas, como a construção da Rodovia Antônio Heil. Ele, que cuidava pessoalmente da revisão do jornal desde o fim da década de 50, encerra sua participação nessa história em 1986, quando morre. A família, residente em Florianópolis, optou por vender o semanário à família Pastor. 11


Herbert Pastor

No fim da década de 80, quando O Município passava por grave crise financeira, a empresa Buettner, através da família Pastor, assumiu a direção do periódico. “Contratamos duas repórteres que não eram de Brusque e, pela primeira vez, assumimos uma postura mais independente. De qualquer forma, quem manteve o jornal até então, pode ser considerado herói, pois, muitas vezes, precisou colocar a mão no próprio bolso para fomentar o idealismo de prover um jornal da cidade”, destaca Herbert Pastor (foto). Para o empresário, hoje o jornal Município Dia a Dia pode ser considerado um veículo de comunicação adulto e suas atitudes contribuem para o amadurecimento do município. 12


Jorge Colzani

No início da década de 90, o empresário Jorge Luiz Colzani (foto) assumiu a direção do jornal O Município e, nos 15 dias seguintes, a impressão feita em linotipo, se transformou em off set, na gráfica do Jornal de Santa Catarina, do Grupo RBS, uma parceria que continua até hoje. Outra mudança foi a contratação do jornalista Mário Fernandez e, a única exigência da linha editorial era buscar os dois, ou mais lados, da mesma história, como caminho de aproximação da verdade. “Assumi o projeto por seu valor histórico e para impedir que o jornal caísse nas mãos de grupos tendenciosos. Atualmente, com o uso de computadores, se diagrama um periódico em qualquer lugar. Mas o valor deste negócio não está nos equipamentos da empresa, mas, sim, nas histórias que ele narra, no profissionalismo de quem escreve”, avalia o empresário Jorge Colzani. 13


Cláudio José Schlindwein A foto registra um dos encontros recentes do trade regional com o governador Luiz Henrique da Silveira, na Casa D’Agronômica, em Florianópolis. Na foto, da esquerda para a direita, estão: Luciano Weber (A Gazeta - São Bento do Sul) Dércio Rosa (Sul Brasil – Chapecó) Roberto Vieira (Central de Comunicação) Adriano Oro (Voz do Oeste – Chapecó) Eduardo Pinho Moreira (Presidente Celesc) Osmar Schlindwein (CNR) Janiffer H. Souza (Notisul – Tubarão) Décio Baixo Alves (Biguaçu em Foco – Biguaçu) Cláudio José Schlindwein (Município Dia a Dia – Brusque) Carlos Amorim (Jornal Amorim - Sombrio) Nazareno S de Souza (Notisul – Tubarão) Ricardo Carraro (Voz Regional – Concórdia) Telmo francisco da Silva (Folha da Cidade – Caçador) Isabel Baggio (Correio Lageano – Lages) – Edson da Soller (Tribuna – Criciúma) César Celeski (A Gazeta – São Bento do Sul) Ivone Miotti (O Vale – Joaçaba) Augusto Cancellier (Jornal da Manhã – Criciúma) Cláudio Gugelminn (O Iguassu (Porto União) Geder Carraro Junior (Voz Regional – Concórdia) Christian Coelho (Correio do Sul – Sombrio) Governador Luiz Henrique da Silveira, João Paulo Ferreira ( Perfil – Rio Negrinho) Deolir de Souza Machado (O Atlântico – Itapema) e Adriano Ribeiro (Informe - Caçador).

Cláudio José Schlindwein assumiu a direção do Jornal Município Dia a Dia em 1999 e sua meta frente ao veículo de comunicação é profissionalizar sempre e buscar parcerias. O administrador participa ativamente da mídia regional em Santa Catarina. Associado da ADI - Associação dos Jornais Diários do Interior - entidade da qual já foi presidente, faz parte também da diretoria do SINDEJOR – Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas do Estado de Santa Catarina.

14


Os anseios da nova gestão apontavam para um jornalismo independente e profissional, capaz de amplificar as vozes da cidade. E foi em busca da credibilidade que o semanário passou a circular de segunda a sexta-feira, em 11 de março de 2002. Nascia o Município Dia a Dia, incentivado pelos ex-diretores do jornal O Estado, Osmar Schlindwein e Adriano Kalil. A proposta era ousada: pelos quatro meses seguintes, os assinantes semanais precisariam optar pela assinatura diária, sob risco de falência do veículo de comunicação. “O desafio deu certo e o nosso jornal agora é uma das bandeiras de nossa cidade. Estar aqui não é um emprego. É um sacerdócio. Trabalhamos todos os dias para satisfazer as expectativas do leitor, que está cada vez mais exigente”, analisa Cláudio José Schlindwein.

Diário

15


Projetos

Em 2009, quando completa 55 anos de fundação, o jornal Município Dia a Dia desenvolve diversos projetos. O primeiro deles é este suplemento, chamado de Identidade, que busca retratos do município no ano que antecede seu sesquicentenário. Além disso, está previsto para o próximo mês o lançamento do novo projeto gráfico do jornal, bem como novos serviços disponíveis no portal (www.municipiodiaadia.com.br). Em 20 de junho, aconteceu a VI edição da Strassenfest, festa que reuniu 90 grupos de amigos no Pavilhão da Fenarreco. Está previsto também o lançamento do livro Imprensa e Memória: um exercício de possibilidades, dos historiadores Marlus Niebuhr e Robson Galassini.

16


PESSOAS E NúmeroS

O mais antigo jornal de Santa Catarina em funcionamento é, hoje, um dos 10 maiores periódicos do Estado, em número de tiragem. O diário Município Dia a Dia é formado por 50 colaboradores e cerca de 10 prestadores de serviço. Tem impressão de sete mil exemplares de segunda a sexta-feira, aproximadamente 5.500 assinantes e mais de dois mil acessos diários no site.

17


Colaboradora de sucesso

Quer anunciar no Município Dia a Dia? Pois há 33 anos você pode ser atendido pela mesma pessoa: a querida, inteligente e prestativa Maria da Glória Zen (foto). Costureira da empresa Buettner, ela concorreu ao título de rainha da Associação Atlética da empresa e, como padrinho, escolheu ninguém mais, ninguém menos, do que uma das figuras mais influentes de Brusque na época: Jaime Mendes. Depois do concurso, quando ficou entre as três primeiras colocadas, Glória recebeu o convite para ser auxiliar de escritório do jornal O Município, sendo admitida em três de novembro de 1975. Telefonista, revisora de texto, auxiliar dos departamentos financeiro e administrativo, a profissional foi testemunha ocular de enchentes, acidentes de trânsito, histórias de superação e, claro, três mudanças de diretoria do Jornal. Em 1999, com a nova gestão, Glória se estabeleceu no setor comercial, função que exerce até hoje. 18


Rádio Araguaia

A Rádio Araguaia foi a primeira emissora de Brusque e a sétima do Estado, fundada em 6 de setembro de 1946. Ao longo de mais de 60 anos de história, ficou conhecida por vários programas, como a música gaúcha e os tangos argentinos, as rádios novelas, coberturas esportivas e das enchentes das décadas de 60 e 80. Hoje, continua atuante, com cerca de 25 colaboradores, fazendo a cobertura dos principais fatos de Brusque e região. A partir de janeiro de 2006, liderados pelo radialista e empresário Marcos Gelain, a emissora ganhou um novo impulso. Preservando a tradição da emissora, aconteceram mudan��as, desde a modernização da marca, melhoria em equipamentos e ajustes na programação. Em 2009 a Rádio Araguaia começou a operar com uma nova potência (5 mil watts) e novo parque de transmissão, projeto já aprovado pelos órgãos competentes, se tornando a maior potência de transmissão do Rádio AM na região. 19


Saulo Tavares

O radialista Saulo Tavares (foto) é brusquense, tem 62 anos, dos quais os últimos 46 foram dedicados, ininterruptamente, ao trabalho na Rádio Araguaia. Ainda menino, ouvia a Rádio Nacional do Rio de Janeiro e seus ídolos eram conhecidos pela voz: Cesar de Alencar, Ângela Maria, Cauby Peixoto, entre muitos outros. Foi sonoplasta, locutor comercial, comentarista esportivo, apresentou programas ao vivo de auditório e, enfim, alcançou o sonhado cargo de radialista do povo, tocando os melhores sertanejos para animar a manhã dos brusquenses. Hoje, Saulo Tavares conduz dois programas: um de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e, aos sábados, das 7h30 às 8h30min. “Sou daquele tempo em que a informação se propagava através das ondas da rádio. Quem saía de manhã cedo de Vidal Ramos, por exemplo, ao chegar a Brusque me procurava, para avisar a família que havia feito boa viagem. Conquistei muitos amigos assim”. 20


Rádio Cidade

Hoje sob o comando de Aldo Fachinello e uma equipe composta por 20 colaboradores, a emissora foi fundada em novembro de 1982. Criada com o intuito de oferecer uma nova opção de rádio de massa em Brusque e região, levando entretenimento e informação, a emissora permanece em atividade, atingindo um raio de 100 quilômetros, com abrangência em mais de10 municípios. Além de ser um veículo de entretenimento, a Rádio Cidade tem focado na atuação jornalística. Um exemplo disso é o lançamento de informações no próprio site da rádio a partir de 2007, se tornando um dos veículos digitais mais atualizados diariamente na cidade. Apesar da modernidade já ter chegado a rádio AM, ela permanece com as suas tradicionais coberturas, como os jogos esportivos, o programa do Dirlei Silva, mais voltado à família e a abertura de espaço, em sua programação, para novos locutores e programas de entidades.

21


Rádio Diplomata

22

A Rádio Diplomata surgiu nas ondas do rádio como uma nova opção ao brusquense. Atuando em caráter definitivo desde 15 de novembro de 1990, ela está sob o comando da sócia Marise Westphal Hartke desde seu início. No começo, foi destinada ao público adulto acima de 30 anos, tocando MPB e clássicos orquestrados. No entanto, dois anos depois, passou por mudanças radicais voltando sua programação ao público jovem, focada em repertório de rock, pop e dance. Com sede em Brusque, hoje seu sinal também atinge cidades como Guabiruba, Botuverá, Nova Trento, São João Batista, Itajaí, Tijucas, Canelinha, Gaspar, Balneário Camboriú, Itapema, Navegantes, Piçarras, Barra Velha, Penha, Ilhota, Porto Belo e Blumenau (parcialmente). Além de música, a Diplomata tem jornalismo que cobre acontecimentos de Brusque e Região, e durante a programação oferece humor, notícias, previsão do tempo e programas de interatividade com o ouvinte. Pode-se ouvir a Diplomata FM pela internet através do seu site, onde também é possível encontrar as notícias do jornalismo, fotos de festas e outras tantas atrações.


A emissora que até 1998 era a Araguaia FM, mudou a freqüência de 104.1 para 107.7 e se tornou, naquele ano, a Guararema, sob direção do político e empresário Cesar Souza. Hoje a maior parte da programação está voltada para o entretenimento através da música. Com uma de suas sedes em Brusque, a emissora atinge, simultaneamente, o Vale do Itajaí e Litoral Norte de Santa Catarina, podendo ser ouvida em cerca de 60 municípios. Na programação é possível escutar desde pagode, passando por sertanejo, gauchesco e pop. No período da manhã, a Rádio Guararema oferece um programa de jornalismo, com cobertura da região que atinge.

Rádio Guararema

23


TV Brusque

Pioneirismo é a palavra de ordem da Família Santos. Assim como Wilson Santos foi o primeiro editor do jornal O Município, seu filho e seu neto, Aliomar Luciano dos Santos e Rodrigo dos Santos, respectivamente, tiveram a ideia de fundar a primeira emissora de TV da cidade. A intenção era criar uma identificação do público com um veículo televisivo. Assim, em 10 de junho de 2002, a TV Brusque entrou em operação em caráter definitivo, no canal 21 do sistema ViaCaboTV. Ao todo são 11 horas diárias de programação, produzidas nos estúdios localizados na Rua Hercílio Luz, assistidas por 25 mil pessoas, assinantes da ViaCabo. Entre os primeiros programas que permanecem no ar estão o TVB Esportes, No Ponto, o Arrombação e o Programa do Dirlei Silva. Há também um telejornal ao vivo, ao meio-dia, reprisado à noite.

24


Projeto Identidade