Page 5

Benefícios Cristiane Felisbino Ghizoni, que reside próximo ao centro de Grão-Pará (SC)

O produtor Marciano Boeing, e sua esposa Maiara, da comunidade de Três Divisas, em São Ludgero (SC)

seguintes, os produtores precisam virá-la com frequência para a pastagem secar bem. Ao final do período, de cerca de três dias, o prestador volta para a propriedade para fazer os fardos. A tentativa do produtor Marciano Boeing, da comunidade de Três Divisas, em São Ludgero (SC), não foi tão positiva. Ele e a esposa, Maiara, tentaram fazer fumo aproveitando os equipamentos que utilizavam na época do fumo. “Cortamos a pastagem com a roçadeira e secamos na estufa do fumo”, conta Marciano. Depois, fizeram os fardos na máquina de prensa e enfardamento da cultura. “Dava muito trabalho e desistimos naquele ano”, lembra. Hoje os animais da propriedade não recebem feno em nenhuma fase de desenvolvimento. “Optamos por não dar, mas via a diferença na época em que se alimentavam com feno. Elas se desenvolviam bem e o pelo ficava lisinho”, diz.

O aumento do rumem e o estímulo à mastigação estão entre os principais benefícios da utilização do feno como alimento para as bezerras, explica o médico veterinário Felipe Machado Vieira. Quanto maior o rumem, maior será a quantidade de alimento ingerido pela vaca quando adulta. Outra vantagem do feno, conforme Vieira, é o estímulo à salivação, que leva à maior produção de bicarbonato, melhorando o ph ruminal e consequentemente a flora ruminal. O aumento na produção de bactérias facilita a digestão dos animais para a vida toda. O feno pode ser benéfico para as bezerras, mas necessita de cuidados. “O produtor deve procurar fenos de boa qualidade. Se for fazer, deve secá-los bem ao sol”, aconselha o médico veterinário. A umidade no feno causa mofo e deteriora o produto. “O que pode causar problemas para os animais e desenvolver doenças como a diarréia, por exemplo”, explica Felipe. Segundo o veterinário, o produtor pode escolher o feno ideal pela cor. “O produto deve estar com uma coloração 40% esverdeada. É o ponto ideal: nem muito seco, nem verde demais”, informa. O profissional orienta que as bezerras recebam feno na segunda ou terceira semana de vida. “Há estudos que recomendam fornecer o alimento somente após a quinta ou sexta semana”, comenta. “Antes desse período o feno vai ajudar pouco no crescimento do rumem”, acrescenta. O animal pode ser alimentado com feno até a fase adulta. “O normal é ele receber até completar entre seis e dez meses”, conta. Por ser um alimento com baixos índices de proteínas, deve ser fornecido em consórcio com ração e água em abundância. “Não recomendo feno à vontade para não limitar o consumo do concentrado”, sugere Felipe.

Colaborou com esta reportagem: Fernanda Oenning Della Giustuna

5

Visão rural 18  
Visão rural 18  
Advertisement