Issuu on Google+

ANO 4 OUTUBRO/NOVEMBRO 2011 - Nº 16

Subsídio Religioso • Jornal O TRANSCENDENTE • Serv. Missão Jovem, 1079 • Florianópolis • SC • 88020-001 • Fone: (48) 3222.9572

Uma disciplina que mexe com os cinco sentidos Caros professores:

Chegamos a mais um final de ano. E quando este tempo acontece, junto com ele surge a necessidade de fazermos uma avaliação de tudo o que vivenciamos no transcorrer do nosso trabalho. Com certeza foram muitas atividades que tivemos a oportunidade de realizar durante o ano e, certamente todos, ou a maior parte deles, teve saldo positivo. Mas, como podemos entender o que foi positivo ou negativo?

N

aturalmente que temos que considerar em nossa avaliação, os indicativos que demonstram ter sido o nosso trabalho algo que realmente valeu a pena e que causou um impacto - que são avanços do saber e mudanças nas atitudes dos nossos alunos. Esta é uma das razões que fazem da educação algo fascinante, afinal, ela é movimento constante e requer metodologias variadas já que, nesta prática, tratamos com pessoas, seus variados jeitos de ser e seus diversos anseios. Diante desta diversidade, podemos dizer que o Ensino Religioso, de modo especial, é uma disciplina que requer do(a) professor(a) habilidades variadas na aplicação de técnicas e métodos de aprendizado. Seus conteúdos, com sua diversidade e riqueza cultural, devem provocar nos educandos um interesse que “transcenda” o simples conhecer e saber e enverede, também, pelas galerias do “ser e fazer”... se não, de pouco valem as teorias e suas propostas e o empenho educacional.

Trabalhar com os sentidos

Assim, trabalhar o Ensino Religioso exige do professor o uso de todos os seus cinco sentidos... os cinco, os seis e mais quantos outros se possa buscar no mundo da cientificidade. Neste primeiro momento, vamos nos ater aos cinco sentidos que envolvem o fazer pedagógico dos educadores e refletir sobre cada um deles. Ao final da reflexão, propomos a você, professor(a) uma revisão do seu trabalho pessoal e a aplicação desta metodologia na sua missão de educar.

Visão: O olhar do professor de Ensino Religioso busca ver além das

aparências do aluno, afinal, o que se vê nem sempre é o real. Os alunos trazem consigo suas histórias, suas verdades, suas alegrias, mas, também, sua angústias e medos, portanto, mais que ver, o (a) professor (a) precisa enxergar e “sentir com os olhos” a realidade dos seus alunos. A visão do(a) professor(a) de Ensino Religioso precisa transcender a simples mecânica do “ver com os olhos”.

Audição: A audição do(a) professor(a) de Ensino Religioso não pode ser limitada a momentos especiais em que o aluno faz uma pergunta ou profere uma resposta de alguma atividade solicitada. Ele deve estar atento à voz PAG E1.indd 1

oculta dos alunos, aquela que só se ouve com o coração. Existem apelos que são gritantes sem que se ouça um tom sequer. A audição do professor do Ensino Religioso precisa transcender o simples “ouvir com os ouvidos”.

Olfato: O olfato do professor de Ensino Religioso não é apenas o ato de sentir o cheiro, mas, analogicamente, podemos dizer que o professor, por este sentido, deve perceber as realidades que envolvem os seus alunos. A lida com o ser humano enreda inúmeras percepções e, assim como lidamos com grandes apelos e necessidades, também lidamos com riscos e perigos, uma realidade tão presente nas salas de aula dos tempos atuais. É preciso “sentir o cheiro das situações”. O olfato do(a) professor(a) de Ensino Religioso precisa transcender o simples “cheirar com o nariz”. Paladar:

O paladar do professor de Ensino Religioso, analogicamente falando, envolve um profundo “sentir o gosto de”, ou seja, mais que experimentar o que sentem as papilas gustativas, por paladar se pode entender a percepção do “sentir o gosto, o sabor”, doce ou amargo, da realidade que envolve uma sala de aula repleta de alunos... seres humanos movidos pelas suas verdades, vontades e necessidades. O paladar do(a) professor(a) de Ensino Religioso precisa transcender o simples ato de “sentir o gosto por meio das papilas gustativas”.

Tato: O tato do professor de Ensino Religioso, assim como os demais sentidos, vai além do “pegar e sentir com as mãos”, mas sim, do conduzir, do afagar, do apontar o caminho. Por tato entende-se o jeito certo de tratar com os alunos. Muitas vezes, por “falta de tato” ou, habilidades, pode-se deixar de contribuir para uma boa edificação de caráter em um(a) aluno(a) e ajudá-lo(a) na solidificação da sua personalidade, afinal, na educação, “as palavras comovem, mas o exemplo arrasta”. O tato do(a) professor(a) de Ensino Religioso precisa transcender o simples ato de “sentir com as mãos”. Encarte:

15/08/2011 09:36:15


Caros Professores:

As religiões são fundamentadas em mensagens de sabedoria e vida. Por esta razão, as aulas de Ensino Religioso para as crianças devem ser cheias de mensagens escritas, visuais, gestuais e orais. Esta metodologia faz com que os pequenos passem a entender os ensinamentos por meio de práticas objetivas, porém, cheias de subjetividade e intencionalidade. Ou seja, a cada atividade dada, deve acompanhar uma intenção que, ao final, deve ser apresentada para a criança a fim de que ela vá compreendendo a importância do aprendizado. Ex: “estamos fazendo esta atividade para aprendermos a nos

1

relacionar bem com nossos coleguinhas” ou, “esta história que contei para vocês nos faz entender a importância de sermos solidários com outras crianças.”... E assim por diante...

“Cada um no seu quadrado”...

Deus, ao criar o mundo, fez um lugar especial para cada animal viver. Veja os desenhos abaixo e relacione o animal com o seu habitat – local onde os seres vivos vivem de forma organizada.

4

O barco dos valores

Cada criança receberá uma folha de papel, fará a dobradura de um barquinho e escreverá nele uma palavra de valor que considera mais importante para as pessoas. Os barquinhos poderão ser colocados em uma bacia com água, ou então colados em cartolina azul simulando o mar. Cada criança apresentará o seu barquinho e falará sobre o valor escolhido.

5

Jogando dados: eu falo, você fala...

As crianças escreverão mensagens que aprenderam com as religiões e jogando dados e respeitando os seus números, cada um terá sua vez de ler a mensagem que escreveu e falar sobre ela.

PAG E2.indd 1

Importante: Através das mensagens, os pequenos aprendem valores importantes como respeito, perdão e amor - elementos fundamentais dentro dos ensinamentos de todas as religiões. Que tal pesquisar frases das religiões e trabalhar esta sabedoria com seus pequenos para que eles adquiram a prática de valorizar e de escrever mensagens?

2

Garrafa ao mar...

3

Estoura balões

Os antigos navegadores tinham o costume de colocar mensagens em garrafas e soltá-las no mar. Algumas destas mensagens eram bonitos pensamentos e desejos de felicidades para quem as encontrasse. Caso você estivesse em um navio antigo, sem telefone ou outro meio de comunicação, qual mensagem de amizade você enviaria para o (a) seu (a) melhor amigo (a)?

Trazer balões de borracha e, em sala de aula, juntamente com outros amiguinhos, escrever , em pequenos papelitos, mensagens de carinho e amizade, enrolar o papel e colocá-lo dentro do balão. Soprar o balão com a mensagem dentro, amarrar a ponta e, após a turma ter brincado um pouco com os balões, cada criança receberá um balão para estourar e ler para a turma a mensagem que recebeu do colega. É uma dinâmica super legal!

6

Uma árvore cheia de vida

Para encerrar o ano e celebrar a vida em espírito de Natal, montar com os alunos uma Árvore da Vida construída a partir de um galho seco e mensagens escritas pelos alunos em papeis recortados em forma de folhas verdes ou coloridas. Cada turma poderá fazer a sua Árvore e apresentá-la na festa de Natal da escola. Será um trabalho muito significativo!

15/08/2011 09:36:56


Caros alunos:

Construir conhecimentos requer boa atenção e um interesse especial pelo conteúdo apresentado. Perguntar, interagir e formar opiniões a respeito das questões, são elementos fundamentais para o sucesso do aprendizado. A partir dos conteúdos apresentados nesta edição, você já é capaz de dar respostas e completar frases e lacunas sobre o Sikhismo e o Jainismo. Realize as atividades que seguem e avalie suas respostas dando dois pontos para cada acerto. Ao final, some os pontos e saiba que nota você tirou. Compare os resultados com seus amigos e descubram quem melhor construiu conhecimentossobre este tema.

Artefatos e costumes

1. Esta caixa dourada é usada para coleta de ofertas nos cultos sikhistas. Ela fica no templo em frente, ao livro sagrado

do sikhis, chamado Guru

2

. Este espanador é conhecido como Chauri. Ele é feito de pêlos da cauda de iaque – boi de pelagem longa do Himalaia – norte da Índia, e serve para abanar o livro sagrado dos sikhs. Os Jainistas também possuem um espanador que carregam nas mãos para

3.

Os sikhs usam cabelos compridos e nunca cortam. Este simbolismo significa

4.

Os jainistas usam protetores de boca como preceito religioso para

5

. Os sikhs creem em um Deus único e na sabedoria dos Os jainistas não creem na existência de Deus e sim nos

Agora confira seus acertos e some seus pontos. Se acertou tudo, parabéns! Caso contrário, retome os conteúdos e torne a completar as frases. Bom estudo!

Sinagoga, igreja, mesquita, ocara, terreiro: todos são espaços sagrados Professor (a):

As religiões possuem templos ou espaços de orações e altares sagrados, onde seus fiéis podem se relacionar com o transcendente e fazer suas ofertas de fé. Os templos dos sikhs são denominados Gurdwaras. Assim como as demais religiões, os adeptos do sikhismo e também do jainismo fazem ofertas e rezam diante dos altares dos seus templos.

Conversar com os alunos sobre quais religiões eles pro•fessam. Buscar saber quais os rituais que as religiões dos alunos •realizam: caminhadas, procissões, cultos, refeições, ofertas, gestos e orações.

com os alunos, cartazes com recortes de revis•tas ouElaborar, desenhos que expressam esses ritos e expor para toda a turma, com o objetivo de conhecerem a diversidade religiosa que há no mundo e, também, entre os próprios colegas da turma.

Construindo uma bandeira da paz A Professora de Ensino Religioso Claudia Puerari de Sousa, do Colégio Santa Rosa de Lima, compartilha com os professores do Brasil uma atividade sobre Alteridade e Solidariedade, trabalhada com seus alunos do 8º ano, mas que também pode ser utilizada para 6º e 7º anos. Conte para nós sobre seu trabalho, professora Cláudia! “Ser professora de Ensino Religioso é muito gratificante e também desafiador, pois, num mundo onde temos diversidade de culturas religiosas a nossa prática deve ser de respeitá-las e conhecê-las, o que nos move a buscar sempre mais leituras e conhecimento. Motivei os estudantes da 8ª série do Ensino Fundamental II a uma conversa sobre: O que é Alteridade, colocar-se •no lugar do outro e conviver com as diferenças que nos fortalecem e nos humanizam, aproximado-nos do Transcendente. • Após conversas em sala, fomos para a sala de informática pesquisar sobre pessoas que, comprometidas com um mundo sem injustiças, promovem a vivência da Paz. Em sala, fizemos a devolução das pesquisas, conhecendo a história do outro.

Dialogando com o tema pensamos em fazer a nossa Bandeira da Paz, usando a diversidade das cores as quais •dariam vida ao nosso símbolo de Paz. Por meio do desenho assumiríamos o nosso compromisso com um mundo de

justiça, onde não há preocupação em ser ter poder sobre outra cultura religiosa e étnica, mas de sim, de convivência e praticar a tolerância.” (ao lado, fotos dos alunos fazendo a bandeira)

Concluindo com os alunos:

Claudia Puerari de Sousa

PAG E3.indd 1

“Quando praticamos a alteridade tornamos real o mundo onde todas as pessoas são respeitadas e valorizadas!”

15/08/2011 09:32:50


E xiste um sistema de divisão de indivíduos denominado de casta. A casta é uma condição social hereditária herdada pelas pessoas, de modo que, mesmo possuindo muitos bens e reconhecida como rico, ela jamais será elevada a um nível mais alto no sistema de castas. Pode-se entender a pertença da casta como uma condição que passa de pai para filho, portanto, impossível de ser modificada. É uma herança vitalícia, ou seja, para toda a vida. Os integrantes da cultura indiana só podem se casar com pessoas da sua própria casta – indivíduo tido como “endógamo” ou, aquele que se casa com pessoa da mesma tribo para conservar a raça ou nobreza.

Infográfico

Para compreender melhor esta sistematização vamos trabalhar como uma ferramenta de comunicação visual muito utilizada nos dias atuais que é o infográfico. A infografia ou infográficos são representações visuais de informação apresentadas por meio de imagens e poucas palavras, de modo que a comunicação se dá de modo atraente, dinâmico e de fácil compreensão. Esta técnica visual, muito utilizada por jornais e pesquisas científicas, serve para descrever como aconteceu determinado fato e quais suas consequências.

Por meio de infográfico, entenda melhor o sistema de castas na Índia a partir de Brahma, reconhecido pelos indianos como divindade criadora do universo.

Sacerdotes e letrados pertencentes à classe mais elevada da sociedade, nascidos da cabeça de Brahma. Guerreiros com poder político que nasceram dos braços de Brahma.

Servos: camponeses, artesãos e operários que nasceram dos pés de Brahma.

Comerciantes que nasceram das pernas de Brahma.

À margem desta estrutura social, representada pelo corpo e membros de Brahma, encontra-se os párias ou dálits.

Embora no Brasil não exista um sistema de castas a exemplo da Índia, não podemos negar que vivemos em uma sociedade dividida por classes sociais, A, B, C e D e com nuances de discriminação sobre as minorias. Caro aluno (a), sua tarefa agora é elaborar seu próprio infográfico apresentando esta realidade social do nosso país, contemplando toda a divisão classificatória que nele existem. Você pode fazer desenhos de pessoas que representam as classes citadas e as minorias, escrevendo, ao lado de cada personagem, seu nível na escala social do Brasil. Em seguida, discutam com os colegas de turma sobre o aprendizado realizado com este conhecimento e atividade. Veja o exemplo abaixo e diga quem são.

PAG E4.indd 1

15/08/2011 09:34:41


O Transcendente - Encarte Pedagógico 16