Issuu on Google+

Edição n° 2530 Fundado em 29.07.66

Canoas, 11 a 17 de janeiro de 2013

Conselho Tutelar

R$ 1,50

Hoy assume Câmara

Diferenças nos sistemas de atendimento das duas microrregiões do Conselho Tutelar da cidade causam confusão para quem precisa buscar atendimento.

Pág. 5

O vereador Juarez Hoy (PDT) diz que uma das suas prioridades na presidência da Câmara é a construção da nova sede do Legislativo.

Última página.

EXTREMO NORTE DO DIQUE

15 DE JANEIRO

Os 73 anos da Instalação do Município Págs. 8

Longe da BR-448; muito longe de receber auxílio

e9

Moradores da vila Extremo Norte do Dique aguardam por reassentamento com água improvisada e falta de serviços básicos

Pág. 11


CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013 I POLĂ?TICA I O TIMONEIRO I 3

“Para cada situação polĂ­tica hĂĄ um discurso pronto, de que se trocam as vĂ­rgulas.â€? Carlos Drummond de Andrade

IRMĂƒO HENRIQUE JUSTO

8PD GDV PDLRUHV ¿JXUDV GD FXOWXUD FDQRHQVH o Irmão Lassalista Henrique Justo, que jå superou a casa dos noventas anos, recupera-se de cirurgia após acidente de trânsito. Passa bem e estå na Casa Saúde de Estrela, de La Salle, em frente ao ColÊgio São João. A informação como sempre Ê de um dos melhores relaçþes públicas que a cidade conhece, nosso colunista Irmão Noberto Luiz Nesello.

FALTA DINHEIRO

jorgeuequed@terra.com.br

SUCESSĂƒO ESTADUAL

A formação do novo governo do PT em Canoas obedece a critĂŠrios, estritamente voltados para a sucessĂŁo do Governo do Estado. A Prefeitura de Canoas deverĂĄ ser âncora do PT para reeleição do governador Tarso Genro ou para candidato do grupo se Tarso nĂŁo for Ă  reeleição. Mas de qualquer forma, os principais cargos que detem PDLV SRGHU SROtWLFR H ÂżQDQFHLUR HVWmR HQWUHJXHV D uma facção do PT. Os cargos que tĂŞm “pepinosâ€? e “broncasâ€? sĂŁo distribuĂ­dos aos partidos que ainda nĂŁo estĂŁo comprometidos de apoiar o PT em 2014.

Terminou a campanha eleitoral, e o prefeito Jairo não tem mais como sustentar aquela måquina caríssima e de poucos resultados para a sociedade que JUARES HOY utilizou para se reeleger. Combativo vereador, Juares Hoy (PDT), de våVai agora cortar cargos e demitir. Mas parece que rias legislaturas, foi eleito o Presidente da Câmara o critÊrio utilizado Ê demitir os partidos que não se Municipal. GREUDUDPVX¿FLHQWHPHQWHSDUDDSURSRVWDGHDSRLDU Os defensores da sua candidatura a deputado estaos candidatos a vereador do partido do Prefeito. dual querem projetar seu trabalho em todo o Estado.

MARINA SILVA

Na última semana, em Brasília, vårias lideranças nacionais reuniram-se com a Marina Silva, ex-senadora e candidata à Presidência da República com 20 milhþes de votos, para a organização do estatuto do novo Partido Político que estå sendo criado. Advogada e ambientalista Gisele Uequed, amiga de Marina, Ê uma das coordenadoras do projeto no Estado.

PTB

O partido estĂĄ comemorando o fato do ex-vereador Ricardo Maciel ter sido indicado para secretĂĄrio adjunto da Controladoria Geral do MunicĂ­pio.

RUAS E CALÇADAS

Quem transita pela cidade, de veĂ­culo ou a pĂŠ, nĂŁo tem consciĂŞncia da riqueza de Canoas. As ruas esburacadas e os passeios pĂşblicos intransitĂĄveis nĂŁo sĂŁo a prova de falta de dinheiro, mas a prova de falta de competĂŞncia administrativa do atual governo. AliĂĄs, tem uma expressĂŁo forte na cidade: “Eu gostaria que Canoas fosse aquela que o Prefeito mostra em suas entrevistas e propagandas, porque na realidade ĂŠ muito piorâ€?.

MARCO MAIA

O deputado canoense que presidiu a Câmara dos Deputados nos últimos dois anos vai entregar o posto no dia 3 de fevereiro. Durante o seu período, projetou-se em nível nacional e apresentou condiçþes de grande capacidade de diålogo e respeito com os demais Poderes.

CRECHES

EstĂĄ ocorrendo uma farsa, existe sorteio de vagas para creches, sĂł nĂŁo existem as vagas. Na campanha eleitoral, prometeram vagas para creches. Agora nĂŁo tem.

NOTAS

A expressão que melhor sintetiza o governo Ê: Propaganda e promessas: nota dez. Transparência e obras: nota três. 0RUGRPLDVHJDVWRVHPVXSpUÀXRVQRWDGH] Boa utilização dos recursos públicos e retorno em serviços para sociedade: nota três.

Cidade do Faz de Conta O VELHO E A PROPRIEDADE 9RY{¿FRXYL~YR&DLXHPGHSUHVVmRSHUGHXD vaidade e a vontade de viver. Os amigos começaram DUDLDUHDYLVLWDGRV¿OKRVHQHWRVGLPLQXtD 1D VDOD ¿QJLQGR GRUPLU RXYLD R WDJDUHODU GH genros, noras e netos: - Vovô, não quer mais nada da vida, nem banho toma, não faz a barba e nem troca a roupa, e o pior Ê que começou a feder e bronquear com a gente. $ FDVD ¿FDYD QXP WHUUHQR JUDQGH TXH RV DY{V de vovô construíram quando se mudaram para a CIDADE DE FAZ DE CONTA, hå vårias dÊcadas. 0RUDYDPDOLYiULRV¿OKRVQHWRVHDJUHJDGRV(GHSRLVGDPRUWHGDYRYyDFDVD¿FRXWULVWH Num belo dia de janeiro, apareceu um corretor de uma grande construtora, dizendo: CORRETOR: Vocês jå receberam o carnê do IPTU? Viram como aumentou? Viram como vocês têm vårios anos de atraso? Viram que vocês estão devendo uma fortuna para a prefeitura da CIDADE DO FAZ DE CONTA? Viram que vão sofrer execução judicial e podem perder o bem? 2¿OKRGRYRY{UHVSRQGHXWLPLGDPHQWH FILHO: Sim, sabemos. Os impostos aumentaram muito aqui na CIDADE DO FAZ DE CONTA, e a gente tem a casa para morar e não para vender. Na Êpoca da eleição, o prefeito que ganhou aqui na CIDADE DO FAZ DE CONTA falou que daria um jeito para a gente não perder a casa. CORRETOR: Quero ser sincero com senhor,

quem deu os dados todos para a construtora foi um dos secretårios do prefeito da CIDADE DO FAZ DE CONTA. Nós damos o dinheiro para ele, ajudamos dentro e fora das campanhas, e eles nos fornecem essas informaçþes privilegiadas. Ele Ê muito amigo dos donos das construtoras, vive lå, usa a casa da serra deles, utiliza o aviãozinho da construtora. FILHO: Mas não vamos vender, o preço que vocês oferecem Ê muito baixo, vale dez vezes mais. 9DPRVFRQ¿DUQDSDODYUDGRSUHIHLWRGD&,'$'('2 )$='(&217$H¿FDUHPRVDTXLTXHpQRVVRODU CORRETOR: Olha, a situação de vocês Ê difícil, e a proposta pode ser baixa, mas Ê bastante dinheiro para vocês, e a prefeitura da CIDADE DO FAZ DE CONTA vai entrar com ação judicial contra vocês. Ou aceitam a proposta hoje, ou amanhã começa o processo e aí vai tudo a leilão e o prejuízo Ê maior. Vovô interferiu e mandou pedir o alvarå no inventårio para vender o imóvel. 1R¿PWRGRVJRVWDUDPGDLGHLDSRUTXHSHJDYDP uma graninha. Na casa de vovô era alegria geral pelos vilþes do dinheiro. Parou a farra e começaram a procurar por vovô, que ainda não voltara do banco com o dinheiro. 'RLVGLDVGHSRLV¿OKRVQRUDVJHQURVHQHWRVHVtavam na delegacia, registrando o desaparecimento de vovô. Casualmente, na mesma hora, a vizinha deles registrava o desaparecimento de sua empregada, no mesmo dia.

Quaisquer semelhanças com fatos, dados, nomes ou pessoas conhecidas, relacionados com esta estória, Ê simplesmente mera coincidência, ou produto da inteligência fantasiosa ou excepcional do leitor.


4 I O TIMONEIRO I OPINIÃO I CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013

Editorial

&ULVH¿QDQFHLUD 2PXQGRSDVVDSRUXPDFULVH¿QDQFHLUDTXHGXUD DOJXQVDQRVHTXHQmRWHPGDWDSDUDDFDEDU2%UDVLO TXH QmR HVWi DOKHLR j FULVH PDQWpP VXD HFRQRPLD IXQFLRQDQGRJUDoDVDDOWRVLQYHVWLPHQWRVJRYHUQDPHQWDLVFRPLVHQomRGHLPSRVWRVSDUDGHL[DUDTXHFLGRR PHUFDGRGHEHQVHVHUYLoRVHFRPJDUDQWLDV¿QDQFHLUDV SDUDPDQWHUDRIHUWD GHFUpGLWRSULQFLSDOPHQWHQDiUHDKDELWDFLRQDO $OpP GHVWDV PHGLGDV D RUGHP D WRGRV p HFRQRPL]DU R GLQKHLUR S~EOLFR (P &DQRDV D FULVH p HQRUPH e VHQWLGD QR EDL[R PRYLPHQWR GR FRPpUFLR QD JUDQGH TXDQWLGDGH GH LPyYHLV FRPHUciais desocupados e QRVQtYHLVGHGHVHPSUHJR $ 3UHIHLWXUD DWUDVD SDJDPHQWR aos fornecedores e UHWpP YDORUHV TXH GHYHULD UHSDVVDU SDUD HQWLGDGHV VLQGLFDGRVHIXQGRVXVDQGRDVYHUEDVTXHUHFHEHGRV JRYHUQRVHVWDGXDOHIHGHUDOHRVYDORUHVTXHGHVFRQWD GRIXQFLRQDOLVPRSDUDPDQWHUDPiTXLQDWUDEDOKDQGR 3RUpP HP PRYLPHQWR FRQWUDGLWyULR H LUUHVSRQViYHO DXPHQWD FDGD YH] PDLV R Q~PHUR Mi H[SUHVVLYR GH FDUJRV HP FRQ¿DQoD &&  XVDGRV FRPR EDUJDQKD QD WURFDGHDSRLRSROtWLFRHRQGHVmRSDJRVRVPDLVDOWRV VDOiULRVGRVHUYLoRS~EOLFR$FLGDGHMiHVWiSDJDQGR HVWDFRQWDDOWDTXHVHPDQWpPHVFRQGLGDSRUPDQREUDV FRQWiEHLV H SROtWLFDV H HP IXWXUR SUy[LPR RV GDQRV VHUmRLUUHPHGLiYHLV

A Prefeitura “atrasa pagamento

aos fornecedores e retém valores que deveria repassar para entidades, sindicados e fundos...”

Beleza, ensino e dinheiro &DQDEDUUR7UyLV¿OKR

-iHVWDYDFRQWUDULDGRGHVGHDPDQKmTXDQGROHUD QR MRUQDO TXH XP IDPRVR MRJDGRU GH IXWHERO GLVVHUD FRPJUDQGH³VDEHGRULD´TXH³6DQWD&DWDULQDWHPSUDLDV OLQGDV´5DUDVYH]HVYLUDWDPDQKDYXOJDULGDGHVREWtWXOR WDPDQKR 'HSRLV QR PHLR GD PXOWLGmR DTXHOD MRYHP ÀXWXDYDFRPRXPDÀRUPDVH[LELDHPXPDGHVXDVEHODVSHUQDVDVXMHLUDGHXPDWDWXDJHP$EHOH]DGLVSHQVD DFUpVFLPRV$FRQWUDULHGDGHIRLGHVIHLWDQRDOPRoRHP IDPtOLDRQGHRVLQWHUYDORVGHVLOrQFLRVmRFRPRUH]D 3URIHVVRU SUHFLVD p GH HVFRODV RUJDQL]DGDV TXH IXQFLRQHP VREUH LQIUDHVWUXWXUDV FRPSOHWDV GH OLYURV OLJDGRVjUHDOLGDGHORFDO FRPELEOLRWHFiULRVpFODUR H GHUHVSHLWRjGLJQLGDGHGRVHXWUDEDOKRLQFOXVLYDUHPXQHUDomRMXVWD2UHVWRpSDSRIXUDGRTXHVyHQJDQDRV LJQRUDQWHVHDJUDGDDRVSDODFLDQRVHDTXHPHVWiEDWHQGR QDSRUWD$UHVSHLWRDFLHQWLVWDLQJOHVD6XVDQ*UHHQ)LHOG GL]³1mRDFKRTXHDGLVWULEXLomRGH³WDEOHWV´QDVHVFRODVSRVVDDMXGDUDSUHQGHUDDWHQomRGDVFULDQoDVTXH HVWmRFDGDYH]PDLVGLVSHUVDVSHORH[FHVVRGHHVWtPXORV GLJLWDLV6yERQVSURIHVVRUHVVmRFDSD]HVGHFDWLYiODV´ 8P EROmR GH GLQKHLUR GD 0HJD 6HQQD 5   IRL JDQKR SRU WUrV DFHUWDGRUHV &DGD XP ¿FRX FRP PDLV GH RLWHQWD PLOK}HV 7RPDUD TXH VDLEDP JDVWiORV HVSHFLDOPHQWH SDUD SURPRYHU R VHU KXPDQR0DVFRPRHPJHUDOQmRVDEHPRVXVDURGLQKHLURPHOKRUVHULDGLYLGLUREROmRHPSUrPLRVJUDQGHV PpGLRVHSHTXHQRV(VVDGLYLVmRDWUDLULDPDLRUQ~PHUR GHDSRVWDGRUHVMiTXHPLOK}HVQmRMRJDPDFKDPTXHp FRPR³GDUXPWLURQDOXD´ Bagagem ³2 VLVWHPD H VXDV FODVVHV 7RGRV VH RUJDQL]DP FRPHUFLDQWHV DGYRJDGRV LQGXVWULDOLVWDV SROLFLDLV GHQWLVWDVHWF2FULPHWDPEpPHVWiVHRUJDQL]DQGRDWp PDLVTXHDSROtFLD2VLQWHUHVVHVFRPXQVLGHQWL¿FDP DJORPHUDP(FRPRRVLVWHPDpLQMXVWRRQ~PHURGH SREUHVGHPDUJLQDOL]DGRVGHRIHQGLGRVDXPHQWDSURJUHVVLYDPHQWH6HUiXWySLFRLPDJLQDUTXHHOHVVHRUJDQL]HPQXPDRQGDLUUHVLVWtYHO" 27LPRQHLUR  (VFULWRUMRUQDOLVWDHGLWRUGRV&DGHUQRV&DQRHQVHVPDQWHQHGRUGD)XQGDomR&XOWXUDOGH&DQRDVPHPEURGD$VVRFLDomR&DQRHQVHGH(VFULWRUHV GD$VVRFLDomR&DQRHQVHGH&RPXQLFDomR6RFLDOHGD&DVDGR3RHWD

Brasileiros já perdem a Copa! De goleada... -RVp)RQWHV

4XHPSHQVDTXHD³HUD/XOD´MiHUDHVWiUHGRQGDPHQWHHQJDQDGR6HQmRYHMDPRV$VREVHUYDo}HVVmRGR FROHJXLQKD*XLOKHUPH)LX]DHIRUDPUHJLVWUDGDVQDUHYLVWD ³eSRFD´4XDQGRHPMRJDQGRHP6mR3DXORFRQWUD DÈXVWULD3HOpIH]VHX~OWLPRJROSHOD6HOHomR%UDVLOHLUD QR(VWiGLR&tFHUR3RPSHXGH7ROHGRR0RUXPELSDOFR VDJUDGRGHPDLVGHXPDGpFDGDGHODQFHVJHQLDLVGRMRJDGRU6HQDTXHOHPRPHQWRDOJXpPHVFUHYHVVHXPDFU{QLFD IXWXULVWDVREUHXPD&RSDGR0XQGRQRTXDOR0RUXPEL ¿FDULDIHFKDGRHDDEHUWXUDGDFRPSHWLomRVHULDMRJDGDQR (VWiGLR,WDTXHUmRRDXWRUVHULDFRQVLGHUDGRXPORXFR2X SHORPHQRVSpVVLPRKXPRULVWD 3RLVEHPRTXHVHULDVySLDGDGHPDXJRVWRKi DQRVpSOHQDUHDOLGDGHDWXDOPHQWH2%UDVLOJDQKDDVHGH GD&RSDGR0XQGRHR0RUXPELXPGRVSULQFLSDLV HVWiGLRVGRPXQGRIRLEDUUDGR2SURMHWRGR,WDTXHUmR RUoDGRHPTXDVH5PLOK}HVWHPDErQomRGD&%)H DUHJrQFLDGRFRULQWLDQR/XL],QiFLR RTXHHOHJHDWpSRVWHV TXDQGRTXHU(HOHVHPSUHTXHU (VDEHVHTXDQGR/XOD TXHUWRGRVTXHUHPHDVFRLVDVDFRQWHFHP'HYHVHUDLVVR TXHFKDPDPGHFDULPD3RUDTXLWDOIHQ{PHQRWDPEpP VHUHSHWH 2GRQRpR&RULQWKLDQVPDVH[DPLQHPRVDHQJHQKDULD¿QDQFHLUDGRQRYRHVWiGLRPDLVHVSHWDFXODUGRTXHXPD ¿QDOGD&RSDGR0XQGR5HSLWRRGRQRpR&RULQWKLDQV PDVD³JDUDQWLGRUD´pDHPSUHLWHLUDHQFDUUHJDGDGDVREUDV (ODYDL³JDUDQWLU´DHQWUDGDGDTXHOHVPLOK}HVWRGRVFRPXP ³IXQGRGHLQYHVWLPHQWRVLPRELOLiULR´TXHDLQGDQmRH[LVWH 0DV TXDQGR DV FRWDV IRUHP SRVWDV j YHQGD QR PHUFDGR WXGRGDUiFHUWRSRLVR%1'(6GHVSHMDUi5PLOK}HV QRFDQWHLURGHREUDV 2PDLVJHQLDOGHVVDHQJHQKDULD¿QDQFHLUDpTXHRUHDO JDUDQWLGRU¿QDOGHWDLVUHFXUVRVRJUDQGHDYDOLVWDQXQFD IDOKDYRFrRFRQWULEXLQWH2,WDTXHUmRFRQWDUiWDPEpP FRPLVHQo}HV¿VFDLV &RPR VH Yr p FRPRYHQWH DVVLVWLU R SRGHU S~EOLFR UHPRYHQGRPRQWDQKDV GHGLQKHLUR SDUDVXEVWLWXLUR0RUXPELSHOR,WDTXHUmR2%UDVLOHVWDYDSUHFLVDQGRPHVPR GHXPDJUDQGHFDXVDSHODTXDOOXWDUMiTXHHPiUHDVFRPR (GXFDomR6D~GH6HJXUDQoD&XOWXUD0RELOLGDGHH+DELWDomRQDGDPDLVUHVWDDVHUIHLWR 5HVXPLQGRDIXWXUD&RSDGHGDTXDOR,WDTXHUmRVHUiXPVtPERORD¿HOWRUFLGDFDQDULQKRMiFRPHoD SHUGHQGRHGHJROHDGD -RUQDOLVWD

1RVVRVOL[RVH nossos rios 2GLO*RQoDOYHV*RPHV Desde 1966 relatando a história de Canoas Editado por: CEDRO - Editora e Empresa de Comunicação Ltda. CGC/MF 02.347.932/0001-30

Diretor: Feres Jorge Uequed Redator: ePHUVRQ9DVFRQFHORV Diagramação6LQDUD'XWUD Colaboradores:'DOWLYD8HTXHGH3ULVFLOD0X]\NDQW Circulação:&HOoR$QGUHRWWL Redação:$Y9LFWRU%DUUHWRžDQGDU 6DOD&HQWUR&DQRDV56&HS Circulação Semanal )HFKDPHQWRFRPHUFLDO4XLQWDVIHLUDVjVKRUDV IMPRESSO*D]HWDGR6XO6$5XD5DPLUR%DUFHORV 6DQWD&UX]GR6XO56 Filiado a ADJORI/RS Os textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não traduzindo obrigatoriamente a opinião do jornal.

)RQHID[ 3032.3022 - 3472.3022 e-mail: otimoneiro@otimoneiro.com.br site: www.otimoneiro.com.br ESCRITÓRIO COMERCIAL PORTO ALEGRE

AV. CARLOS GOMES, 126/207 - HIGIENÓPOLIS - F.:8415.3142

(GXFDomR5HÀH[}HV )DELDQR/RUHQ]RQ

(PFDGDFKXYDUDGDORJRGHLPHGLDWRDViJXDVGD FKXYD LQXQGDP DV UXDV DFXPXODQGR iJXD H OL[R7DLV SRVWXUDVGHGHVFDUWDUOL[RVSDUWLQGRGRVPDXVKiELWRV GDV SLDV GH FR]LQKD YDVRV VDQLWiULRV TXH DWUDYpV GRV FDQRV GH HVJRWRV SRU EDL[R GR VROR UXPR DRV ULRV GH IRUPDLQGLUHWD )L]SDUWHGR&RPLWrGD%DFLDGR*UDYDWDtQRTXDO RLWR PXQLFtSLRV VmR XVXiULRV GH VXDV iJXDV VmR HOHV 3RUWR$OHJUH&DQRDV*UDYDWDt&DFKRHLULQKD$OYRUDGD 9LDPmR*ORULQKDH6DQWR$QW{QLR6mRPXQLFtSLRVTXH ID]HPSDUWHGHVXDQDVFHQWHEDQKDGRVRXVLPSOHVPHQWH XVDPVXDViJXDSDUDRVPDLVGLYHUVRV¿QVDWpPHVPR SDUDHVJRWR 1RViEDGRGHMDQHLURGHIDOHLFRPPRUDGRUHVGDiUHDSUy[LPDjQDVFHQWHGR$UURLR$UDoiRV TXDLVWrPDSUHRFXSDomRGHTXHHVWHDUURLRHVWHMDFRP GL¿FXOGDGHV HP ÀXLU DV VXDV QDVFHQWHV HP UD]mR GH GLVFXVVmRGHVHWRUHVGRPHLRDPELHQWHTXHQmRDFHLWDP LQJHUrQFLDVTXHSUHMXGLTXHPRGHVHQYROYLPHQWRGHWDLV QDVFHQWHV$TXLFKDPRDWHQomRGHTXHH[LVWHPDo}HVD QtYHOQDFLRQDORQGHSURSULHWiULRVGHWHUUDVFHUFDPWDLV QDVFHQWHVUHFHEHQGRVDOiULRVSHORVSHTXHQRVHVSDoRVGH WDLVQDVFHQWHVTXHQmRpXVDGRSHORSURSULHWiULR(VVHV SURSULHWiULRV GHUDP HQWUHYLVWD QR *ORER 5XUDO QR DQR GH  SHVVRDV VLPSOHV SRUpP FRP FRQVFLrQFLD GH TXHVHXVJDGRVQmRSUHFLVDYDP¿FDUVREUHHDFDEDQGR FRPDVQDVFHQWHV

1DTXLQWDIHLUDR-RUQDO'LiULRGH&DQRDVHQWUHYLVWRXR6HFUHWiULR0XQLFLSDOGH(GXFDomRGH&DQRDVVU (OLH]HU3DFKHFR(PXPGHWHUPLQDGRWUHFKRGDHQWUHYLVWD HOH GL] OLWHUDOPHQWH ³3HQVR TXH VH R HQVLQR p UXLP QR %UDVLOWRGRpSRUTXHQmRVHVDEHHQVLQDU´3DODYUDVDVVXVWDGRUDVSRLVVHRSURIHVVRU³QmRVDEHHQVLQDU´pDPHVPD FRLVDTXHXPFLUXUJLmR³QmRVDEHUID]HUXPDFLUXUJLD´RX XP*RYHUQDGRU³TXHQmRVDEHJRYHUQDU´7RPDUDTXHD LQWHQomRGR,OXVWUH6HFUHWiULRVHMDSURSRURGHEDWHVREUH RTXHpVHUSURIHVVRUQRVpFXOR;;, (PQRVVDRSLQLmRDHGXFDomRQR%UDVLOHVWiUXLP SRLVHVWiUHSOHWDGHGLVFXUVRLGHROyJLFR&KDY}HVVmRGLWRV D WRGR PRPHQWR ³LQFOXVmR´ ³SROLWLFDPHQWH FRUUHWR´ ³DYDOLDomR HPDQFLSDWyULD´ ³PXQGR QRYR´ ³HVFROD GH WRGRV´HWF7HPRVDLQGDPHLDG~]LDGHWHyULFRVTXHVmR KHJHP{QLFRVQDVHVFRODV3DXOR)UHLUH TXHYLURX3DWURQR GD(GXFDomRGXUDQWHRJRYHUQRGRHQWmRSUHVLGHQWH/XOD  (PtOLD)HUUHLURHRGLVFXUVLQKRGR³FRQVWUXWLYLVPR´HGR ³LQWHUDFLRQLVPR VRFLDO´ 2X VHMD QmR VH GLVFXWH FRPR VHDSUHQGHPDVVLPFRPRWUDQVIRUPDUDHVFRODHPXP DPELHQWHGH5HYROXomR6RFLDO3RULVVRTXHDDXODWUDGLFLRQDO RQGH XP SURIHVVRU TXH VDEH H XP DOXQR TXH DSUHQGHpWmRPDOYLVWDSHORVHGXFDGRUHV³SROLWLFDPHQWH FRUUHWRV´GDHVTXHUGD 6LQFHUDPHQWHGHVHMRERDVRUWHDRQRYR6HFUHWiULR GH(GXFDomRGH&DQRDV

&RPXQLWDULVWD

3URIHVVRUGH+LVWyULD

Azul Veremelho Amarelo Preto


CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013 I GERAL I O TIMONEIRO I 5

Conselho Tutelar

Mudanças no sistema de atendimento geram dúvidas Sistema de agendamento diferenciado foi adotado apenas na microrregião 1 do Conselho

Desde dezembro de 2012, a microrregião 1 do Conselho Tutelar de Canoas mudou sua forma de atendimento. Desde então, os atendimentos precisam ser agendados, o que vem causando certa confusão entre aqueles que procuram o Conselho. A cidade possui duas microrregiþes e cada uma possui uma forma de atendimento diferente. Nossa equipe de reportagem conversou com os coordenadores de ambas as microrregiþes para saber a situação em que se encontram.

MicrorregiĂŁo 1

Segundo a coordenadora da microrregiĂŁo 1 do Conselho Tutelar, Viviane Correa Doss, a mudança no sistema foi realizada em virtude da grande demanda de atendimentos e de compromissos com os ĂłrgĂŁos pĂşblicos. “AlĂŠm disso, temos tambĂŠm uma certa carĂŞncia estrutural, pois cada vez mais pessoas tĂŞm acesso ao Conselho e a estrutura acaba ÂżFDQGRLQVXÂżFLHQWH&DQRDVWHULD necessidade de mais duas microrregiĂľesâ€?, avalia. Viviane explica, no entanto, que no caso de detecção de urgĂŞncia, os conselheiros que estĂŁo de plantĂŁo se deslocam para o atendimento imediatamente. “O que estĂĄ sendo agendado sĂŁo atendimentos eletivos, mas sempre avaliamos os casos que chegam e nĂŁo deixamos de atender as urgĂŞnciasâ€?, diz. A respeito da aceitação por parte da população sobre o novo IRUPDWR9LYLDQHDÂżUPDTXHDWp

Conselho Tutelar da MicrorregiĂŁo 1

o momento nĂŁo recebeu nenhuma queixa formal e acredita que esta VHMDDPHOKRUIRUPDGHID]HURV atendimentos. “Antes a gente saĂ­a a qualquer momento para fazer uma diligĂŞncia e precisĂĄvamos voltar para fazer atendimentos. Agora podemos ter um conselheiUR QD UXD HQTXDQWR R RXWUR ÂżFD atendendo. Com o agendamento ÂżFDWXGRPDLVFRRUGHQDGRHRUganizadoâ€?, explica. A coordenadora diz ainda que os principais problemas enfrentados na microrregiĂŁo 1 do

Conselho Tutelar da MicrorregiĂŁo 2

Conselho Tutelar sĂŁo relativos Ă  falta de efetivo. “AlĂŠm disso, estamos solicitando hĂĄ muito tempo um serviço que entregue DVQRWLÂżFDo}HV+RMHpRPHVPR carro que faz as diligĂŞncias e estas entregas, o que acaba atrasando nosso trabalhoâ€?, conta. 3RUÂżP9LYLDQHGLVVHDLQGD que o agendamento estarĂĄ em fase de avaliação atĂŠ o começo do ano letivo escolar, quando as demandas aumentam e serĂĄ posVtYHOSHUFHEHUDUHDOHÂżFiFLDGR novo sistema. Depois desta fase,

os agendamentos podem ou nĂŁo continuar.

MicrorregiĂŁo 2

No na microrregiĂŁo 2 do Conselho, a coordernadora FlĂĄvia Gonçalves e o vice-coordenador Rodrigo Silva conversaram com nossa equipe de reportagem e explicaram que no Ăşltimo ano houveram avanços na estrutura de trabalho dos conselheiros. “Agora se hĂĄ afastamento de um conselheiro, ocorre a nomeação

17 ANOS

imediata de um suplente para o seu lugar. AlĂŠm disso, agora temos melhor acesso a veĂ­culos com uma empresa que nos presta serviços. TambĂŠm temos nossos pagamentos em dia atualmenteâ€?, conta. +i PHQRV GH GRLV DQRV D microrregiĂŁo 2 do Conselho Tutelar chegou a estar fechada em decorrĂŞncia da falta de conselheiURVMiTXHYiULRVVHHQFRQWUDYDP afastados por problemas de saĂşde e as nomeaçþes de suplentes demoravam para acontecer. Na ĂŠpoca, salĂĄrios atrasados eram uma constante e havia grande dificuldade para se conseguir veĂ­culos. Mesmo com estas melhorias, FlĂĄvia e Rodrigo explicam que ainda sĂŁo necessĂĄrias melhorias para que o serviço possa ser prestado com qualidade cada vez maior para um nĂşmero crescente de pessoas que buscam atendimento. Para os conselheiros, a melhor forma de manter o atendimento ĂŠ o imediato, sem necessidade de agendamento. Segundo eles, pessoas que buscam atendimento na microrregiĂŁo 1 e recebem a notĂ­cia que deveriam agendar, acabam procurando a microrregiĂŁo 2. “Temos um regimento do Consellho que nos impede de fazer isso. Cada sede deve atender apenas as pessoas que residem na sua microrregiĂŁoâ€?, explica FlĂĄvia.


6 I O TIMONEIRO I OPINIĂƒO I CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013

LIVROS

Gincana do secretariado

uequedpitol@bol.com.br Gisele Uequed*

Durante a campanha eleitoral, foi debatido, com apoio da sociedade, a necessidade de critĂŠrios tĂŠcnicos para escolha do secretariado de governo para TXHVHWHQKDXPDJHVWmRWpFQLFDHÂżFLHQWHDWHQGHQGR as necessidades da sociedade e a melhor prestação de serviço pĂşblico. Com espanto geral, a jornalista LetĂ­cia Duarte, interina na coluna de Rosane de Oliveira, publicou na pĂĄgina 10 de Zero Hora de domingo, 6 de janeiro, os critĂŠrios utilizados, orgulhosamente, pelo prefeito Jairo Jorge (PT) para preenchimento dos cargos de primeiro escalĂŁo da Prefeitura de Canoas. Transcrevo: “FATIA POR INDICIADORES – Com 17 partidos em sua base (quatro a mais do que o da prefeitura de Porto Alegre), o prefeito de Canoas, Jairo Jorge (PT), criou instrumentos para facilitar a montagem do secretariado. Um deles ĂŠ o indicador de participação: ainda durante a campanha, os partidos começaram a ser avaliados, sem que soubessem, pela soma de presenças em reuniĂľes, pelo nĂşmero de encontros promovidos e pelo nĂşmero de eleitores reunidos, alĂŠm da participação em caravanas. A soma dos pontos, que considerou tambĂŠm a votação alcançada por cada sigla, resultou em

uma nota, que norteou a fatia dos cargos. - Criei esse indicador de mobilização para dar referĂŞncia e avaliar tecnicamente cada um - diz o prefeitoâ€?. Lamentavelmente, as pessoas com formação tĂŠcnica, conhecedores das ĂĄreas ou funcionĂĄrios pĂşblicos com experiĂŞncia foram excluĂ­dos na troca pelos que melhor seguraram bandeiras, bateram palmas nas reuniĂľes, responderam ‘presente’ nas caminhadas e ajudaram na arrecadação de dinheiro e festas na campanha. Com vergonha, nossa cidade, composta de trĂŞs universidades, assiste a esta velha e suja prĂĄtica polĂ­tica do ‘toma lĂĄ, da cå’, que privilegia interesses partidĂĄrios contra os interesses dos canoenses, utilizando os recursos pĂşblicos para manutenção de partidos polĂ­ticos no poder. (VWD FRQÂżVVmR Vy YHLR GHSRLV GD HOHLomR FRQtrariando as promessas e o discurso eleitoral do atual Prefeito. EstĂĄ mais do que na hora da sociedade reagir e ÂżVFDOL]DUTXHPGHWpPRFRPDQGRGDDGPLQLVWUDomR *Advogada

O problema das ĂĄguas Antonio Jesus Pfeil*

No Timoneiro – 21/27 Setembro de 2012, na Coluna “A HistĂłria de Canoas, mĂŞs a mĂŞs (CT)â€?, - o assunto foi o inĂ­cio da atual Victor Barreto. Depois de referĂŞncias publicadas no Correio do Povo – Setembro, 1912 – a respeito do inĂ­cio da â€?Estrada de Cânoasâ€? desde 1908 e 1909, vem uma informação ao meu respeito, que diz: “Antonio Jesus Pfeil, em “Canoas, anatomia de uma cidadeâ€? – Vol. 1 – mostrou uma foto de 1926, em que a estrada aparece em pĂŠssimas condiçþes. Pelo visto a histĂłria da estrada nĂŁo estĂĄ bem contada, hĂĄ pontos obscuros reclamando pesquisa cuidadosa. Se em 1909, conforme o Correio foi “todos unânimes em elogiar as boas condiçþes da nova estradaâ€?, como ela poderia estar pĂŠssima em 1926? Pelo visto, o autor do texto nĂŁo contou bem a histĂłria da estrada, pois em 1926 as enchentes eram constantes, principalmente nessa regiĂŁo, ao lado dos trilhos do trem. Basta olhar o livro e ver as fotos das enchentes. E sĂł para esclarecer a realidade da ĂŠpoca. – A inauguração da “Faixa de Cimentoâ€? 1° de Maio, de 1934, foi um acontecimento marcante tanto que na praça da Bandeira foi armado um carreto para receber o inventor Flores da Cunha, que deu um discurso de inauguração. O “SĂŠrgio D’nuttiâ€?

escreveu, inspirado no “Rioâ€?: â€œĂ guas cristalinas que brincam entre si, nas tuas RQGDVHVWiGHVFREHUWDDDOHJULDOHYHÂżFDPRVQRVVRV corpos / nas tuas correntezas que transmite tantas sensaçþes / diferentes. Rio, que amansa o meu coração no ritmo do teu balançar / vou sorrindo feliz. Peço que entregue o amor em todos os lugares em que tocam tuas margens. Rio, que entende o meu silĂŞncio bebo do teu sabor, sinto / o gosto do teu amargo, faz tanto tempo que estĂĄ sendo / envenenado sai do meu agrado ver a tua agonia. Rio, que aceitas o sujo, mas que tem somente o branco / da pureza para dar. Qual serĂĄ a melhor maneira para / conseguir tua defesa, tem tanta ĂĄgua mais... NĂŁo sabe / chorar. Rio, natureza que devemos conservar ĂŠ a jĂłia mais / preciosa que a humanidade tem. Oferece seu lĂ­quido, mata a nossa sede, sem nada pedir em troca,/ Rio companheiro eterno da paz. *Historiador e cineasta

A “marolinha energĂŠticaâ€? Lino Tavares*

&RPRIRFRVHPSUHYROWDGRSDUDR¿VLRORJLVPR político que aponta sistematicamente para a continuidade no poder, a lamentåvel Era PT no comando do Brasil tem se caracterizado pela propaganda enganosa e pelas frases de efeito proferidas irresponsavelmente, diante de situaçþes críticas que requerem muito mais DomRGRTXHFRQYHUVD¿DGDHPUHGHQDFLRQDO Assim foi durante o auge do caos aeroportuårio, quando Lula vinha à televisão dizer que tudo estava sob controle, nas situaçþes de calamidade pública das grandes cheias, quando o presidente contemplava a catåstrofe do alto, em voos inúteis, mas praticamente nada fazia para resolver o problema das populaçþes atingidas.

Assim estĂĄ sendo agora, quando a presidente Dilma, apĂłs anunciar redução nas contas de luz, que na verdade seria a devolução de parte do que nos tem sido roubado pelas empresas fornecedoras, vem a pĂşblico dizer que a possibilidade de racionamento de energia ĂŠ uma piada, mesmo convivendo com essa realidade que DtHVWiFRQÂżJXUDGDHPUHSHWLGRVDSDJ}HVHQDHQWUDGD em funcionamento, em carĂĄter emergencial, das velhas, poluidoras e quase ‘aposentadas’ usinas termelĂŠtricas, movidas a gĂĄs, a Ăłleo diesel e atĂŠ a carvĂŁo. *Jornalista - jornlino@gmail.com

DiĂĄlogos de PlatĂŁo “PlatĂŁo ĂŠ a filosofiaâ€?. Mesmo que nĂŁo concordemos com tanta reverĂŞncia – algo nĂŁo muito desejĂĄvel quando se trata de filosofia –, a frase de Ralph Waldo Emerson dĂĄ uma boa noção do pioneirismo de PlatĂŁo e de sua importância para a histĂłria da humanidade. Pioneirismo que ĂŠ, aliĂĄs, responsĂĄvel pela prĂłpria filosofia como hoje a conhecemos. PlatĂŁo expĂ´s seu pensamento na forma de diĂĄlogos. O filĂłsofo ateniense narra as conversas de seu mestre SĂłcrates com alunos – e saber atĂŠ que ponto as palavras ali ditas sĂŁo do prĂłprio PlatĂŁo ou de SĂłcrates ĂŠ uma tarefa que incomoda filĂłlogos hĂĄ milĂŞnios -, refutando opiniĂľes aceitas pelo senso comum, respondendo a dĂşvidas e submetendo suas prĂłprias convicçþes ao crivo crĂ­tico do interlocutor. É a aplicação prĂĄtica da dialĂŠtica – da arte do diĂĄlogo, como os gregos originalmente a definiam. A edição dos DiĂĄlogos de PlatĂŁo pela Cultrix compĂľese de cinco obras: “Defesa de SĂłcratesâ€?, “Um Banqueteâ€?, “Eutifronâ€?, “CritĂŁo ou o Deverâ€? e “FĂŠdonâ€?. Todos os diĂĄlogos sĂŁo importantes, mas nenhum nos dĂĄ a idĂŠia do valor do homem SĂłcrates quanto o primeiro. Nele, PlatĂŁo dĂĄ a palavra para seu mestre querido defender-se diante do tribunal que, injustamente, lhe condenarĂĄ Ă  morte por insuflar aos jovens atenienses a busca pela Verdade atravĂŠs da razĂŁo. Num final pungente, SĂłcrates despede-se do tribunal com a certeza dos que venceram nesta vida e a confiança de que vencerĂŁo na outra: â€œĂ‰ chegada a hora de partirmos, eu para a morte e vĂłs para a vida. Quem segue melhor rumo, se eu, se vĂłs, ĂŠ segredo para todos, menos para a divindadeâ€?.

O cristianismo de Karl Kautsky Confesso: quando tomei A Origem do Cristianismo, de Karl Kaustky (Editora Civilização Brasileira, 560 pĂĄginas) nas mĂŁos pela primeira vez pensava estar diante de um propagador dos mais velhos e requentados clichĂŞs marxistas acerca da religiĂŁo. Esperava, jĂĄ conformado, alguma palavra de ordem, algum reducionismo, algum discurso batido. Meu preconceito dizia respeito ao autor: tratava-se de Karl Kautsky, um dos maiores nomes do pensamento marxista do sĂŠculo XX, homem, segundo dizem, capaz de citar qualquer passagem de Marx de memĂłria, amigo de Engels e do prĂłprio Marx e combatente feroz de tudo o que julgava heterodoxia, do leninismo Ă  social-democracia. Um verdadeiro soldado da causa operĂĄria - e, como todos os melhores soldados, inteiramente devotado Ă quilo que defende. Enganei-me. A Origem do Cristianismo ĂŠ um excelente exemplo daquilo que Marco Lucchesi denominou certa vez de “alto marxismoâ€?, aquele oposto jVVLPSOLÂżFDo}HVJURVVHLras - o “marxismo vulgarâ€? de que falava LukĂĄcs que, desde a ĂŠpoca do SUySULR0DU[WrPVHYHULÂżFDGRHQWUHVHXVVHJXLGRUHV Kautsky, o bom soldado, procede como bom marxista: parte das condiçþes sociais e econĂ´micas da Palestina do sĂŠculo I, de onde emergiu o cristianismo, e apresenta Jesus como um revolucionĂĄrio, levantando a tese de que Pilatos talvez o tivesse considerado um zelote (grupo revolucionĂĄrio anti-dominação romana na Palestina). Kautsky lança ainda outras hipĂłteses, como a de que -HVXVWHULDVLGRLQĂ€XHQFLDGRSHORVHVVrQLRVLGpLDTXH ganharia força dĂŠcadas depois da edição do livro, com a descoberta dos Manuscritos do Mar Morto. Uma obra TXHXOWUDSDVVDFRQYLFo}HVLGHROyJLFDVÂżOLDo}HVSROtWLFDV e preconceitos – inclusive os deste articulista.


CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013 I GERAL I O TIMONEIRO I 7

Liquidaçþes são aposta para aquecer as vendas Comerciantes esperam elevação de consumo com a queda de preços No período de fÊrias e veraneio o comÊrcio investe em promoçþes e liquidaçþes para cativar consumidores e dar continuidade aos índices de vendas satisfatórios alcançaGRVQR¿QDOGRDQRSDVVDGR2/LTXLGD&DQRDVDFRQWHFH entre janeiro e fevereiro e deve movimentar o comÊrcio FRPDJDPDGHSURGXWRVFRPFXVWRPDLVEDL[R A expectativa de comerciantes Ê de que haja uma elevação de vendas por meio das promoçþes que despencam RVSUHoRVGHPXLWRVSURGXWRV³0XLWDVVmRDVSHVVRDVTXH RSWDPLQFOXVLYHSRUQmRID]HUVXDVFRPSUDVQR¿QDOGR ano e esperam o tradicional período de liquidaçþes, conseJXLQGRHFRQRPL]DUHEHQH¿FLDUDV¿QDQoDV$FUHGLWDPRV que Ê um excelente período para os consumidores, jå que hå descontos consideråveis nos produtos�, fala DenÊrio 1HXPDQQSUHVLGHQWHGR6LQGLORMDV

Palestra a lojistas

No intuito de auxiliar os lojistas a preparar as lojas para UHFHEHUR/LTXLGD&DQRDVD&kPDUDGH'LULJHQWHV /RMLVWDV &'/  &DQRDV SUHVLGLGD SRU (OOHQ 1HXPDQQ %LWHQFRXUWSURPRYHQRGLDGHMDQHLURWHUoDIHLUDjV KPLQXPDSDOHVWUDJUDWXLWDSDUDRVORMLVWDVJHUHQWHVH FRODERUDGRUHVQRDXGLWyULRGDHQWLGDGH UXD0XFNž DQGDU RPLQLVWUDQWHVHUiRFRQVXOWRUHFRQIHUHQFLVWD'pOFLR 0HORTXHLUiDERUGDUHQWUHRXWUDVFRLVDVDLPSRUWkQFLD GHDWUDLUHQFDQWDUH¿GHOL]DURVFOLHQWHVDPHOKRUIRUPD GHXVDURNLWSURPRFLRQDOGDOLTXLGDomRDPRWLYDomRH as tÊcnicas de venda com a equipe de trabalho e como FULDU GLIHUHQFLDLV QR DWHQGLPHQWR 3DUD SDUWLFLSDU EDVWD HQWUDUHPFRQWDWRFRPD&'/&DQRDVDWUDYpVGRWHOHIRQH

RXSHORe-mail FRPHUFLDO#FGOFDQRDVFRPEU HID]HUDLQVFULomRJUDWXLWDPHQWH 2 /LTXLGD &DQRDV WURX[H LQRYDo}HV SDUD HVWH DQR AlĂŠm de premiar o consumidor e o vendedor, o gerente WDPEpP VHUi SUHPLDGR 6HUmR FLQFR VRUWHLRV HP TXH R consumidor e o vendedor sorteados vĂŁo ganhar um tablet, um minisystem FRPWHOD/&'XPJULOXPSRUWDUHWUDWR digital e um blue-ray1R~OWLPRVRUWHLRDOpPGHVWHVSUrPLRVVHUiVRUWHDGRXPFDUURNP1LVVDQ0DUFKSDUDR FRQVXPLGRUXPDPRWRNP&*)81SDUDRYHQGHGRU HXPDPRWRNP&%5SDUDRJHUHQWH

Novo presidente no Sindilojas

'HQpULR1HXPDQQTXHpHPSUHViULRHSDLGH(OOHQ %LWHQFRXUWDVVXPLXDSUHVLGrQFLDGR6LQGLORMDVQR~OWLPRGLD2H[SUHVLGHQWH,WDPDU7DGHX%DUER]DIH]D transição do cargo depois de ser empossado como titular GD6HFUHWDULD0XQLFLSDOGH'HVHQYROYLPHQWR(FRQ{PLFR GH&DQRDV'HQpULR1HXPDQQQRYRSUHVLGHQWHIDORXGD UHOHYkQFLDGHHVWDUPDLVXPDYH]jIUHQWHGR6LQGLORMDV &DQRDV(PVXDJHVWmRSUHWHQGHLQYHVWLUHPFRPXQLFDomRHWDPEpPQDFDSDFLWDomRGHSUR¿VVLRQDLVHWDPEpP HPSUHViULRVGRVHWRUORMLVWD'LVVHTXHLUiWUD]HUSDUDVXD DWXDomRDH[SHULrQFLDTXHREWpPHPVXDVDWLYLGDGHVMXQWR DR/LRQV&OXEHTXHTXHUYLVLWDUHHVWDUPDLVSUHVHQWH QDVFLGDGHVTXHLQWHJUDPDiUHDGHDEUDQJrQFLDGR6LQGLORMDV&DQRDV3UHWHQGRFRQWLQXDUFRPRWUDEDOKRTXH R,WDPDU7DGHXUHDOL]RXDWpHVWHPRPHQWR9RXFRPHoDU realizando um planejamento para desenvolver ainda mais DHQWLGDGH´GL]

Expectativa de CDL e Sindilojas Ê de alta de vendas com as liquidaçþes de verão

Alagamentos sĂŁo comuns no municĂ­pio

Alagamentos

causados pelo temporal geram transtornos 2 WHPSRUDO TXH DFRPHWHX D FLGDGH QD ~OWLPD VHPDna, que iniciou no dia 7 e perdurou até o dia 8, causou DODJDPHQWRV HP GLYHUVDV ORFDOLGDGHV GR PXQLFtSLR 2 SUREOHPDMipDQWLJRHP&DQRDVHWUD]GLYHUVRVPDOHItFLRV DPRUDGRUHVTXHWrPVXDVUHVLGrQFLDVDODJDGDVHVRIUHP SUHMXt]RV PDWHULDLV GLYHUVRV 'H DFRUGR FRP LQIRUPDo}HV GD &RRUGHQDGRULD 0XQLFLSDO GH 'HIHVD &LYLO R YROXPHSOXYLRPpWULFRGRWHPSRUDOIRLGHPLOtPHWURV HPDSUR[LPDGDPHQWHPHLDKRUD(PGHFRUUrQFLDGLVVR houve alagamentos em diversas ruas do município, em EDLUURVFRPR5LR%UDQFR1LWHUyL)iWLPD0DWR*UDQGH H0DWKLDV9HOKR 6HJXQGRRFRRUGHQDGRUGD'HIHVD&LYLO5RGROIR3DFKHFRXPIDWRUTXHFRQWULEXLSDUDDRFRUUrQFLDGHDODJDPHQWRVpRHQWXSLPHQWRGHERFDVGHORERFRPOL[R$OpP GLVVR3DFKHFRD¿UPDTXHPXLWDVUHVLGrQFLDVHVWmRHPXP nível mais baixo ou equivalente ao da pavimentação, o que FRQWULEXLSDUDRVDODJDPHQWRV³+RXYHPXLWDVRFRUUrQFLDV GHSiWLRVHFDVDVDODJDGDV0DVQmRKRXYHVLWXDo}HVPDLV graves e nem a necessidade de retirada de famílias de suas UHVLGrQFLDV´IDOD5RGROIR3DFKHFR 'HYLGR DRV LQ~PHURV SUREOHPDV UHODFLRQDGRV D DODJDPHQWRVKRXYHUHXQLmRGHPHPEURVGD3UHIHLWXUDHGDV VXESUHIHLWXUDVSDUDDYDOLDomRGDVFRQVHTXrQFLDVGRWHPSRUDO$3UHIHLWXUDLQIRUPDTXHGHYHUiKDYHUDPSOLDomR da limpeza de bocas de lobo nos pontos onde foram veri¿FDGRVDODJDPHQWRVDOpPGHDo}HVFRPKLGURMDWHDPHQWR 2GHVDVVRUHDPHQWRGHYDODVGHPDFURGUHQDJHPQREDLUUR 1LWHUyLWDPEpPGHYHUiVHUIHLWR$OpPGLVVRWDPEpPIRL determinada a realização de uma licitação para a limpeza GDVJDOHULDVGHHVFRDPHQWRGHiJXDSOXYLDOQDFLGDGH


8 I O TIMONEIRO I ESPECIAL I CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013

15 DE JANEIRO

23 ANOS DA INSTALAĂ‡ĂƒO

Em 1940, Edgar da Fontoura tomou posse como prefeito Mais uma vez o 15 de janeiro se aproxima. A data, embora muita gente não saiba, Ê de extrema importância para a história da cidade. Hå 73 anos este dia marcava a instalação política do município. Embora Canoas tivesse se emancipado de Gravataí em 27 de junho de 1939, em um ato político, a instalação da Prefeitura só ocorreu no 15 de janeiro do ano seguinte. Na data, tomou posse o primeiro prefeito da cidade, Edgar Braga da Fontoura. Em seu primeiro discurso, o prefeito Edgar Braga da Fontoura, segundo uma publicação do jornal de Porto Alegre, a Folha da Tarde, de 15 de janeiro de 1940, homenageou os cidadãos que ¿]HUDP GR VRQKR GH HPDQFLSDomR XPD realidade. Na ocasião, o primeiro prefeito prometeu trabalhar para tornar a cidade digna, tendo como prioridades iniciais a instrução pública e as estradas. Neste dia, o prefeito Braga da Fontoura igualmente anunciou que os serviços de eletricidade e de transportes seriam entregues a empresas particulares. Ainda segundo a mesma publicação da Folha da Tarde, somos informados de que a comemoração da data aconteceu com uma Missa em Ação de Graças na Igreja Matriz e, posteriormente, os presentes puderam apreciar

um espetĂĄculo no Cinema Central. O historiador AntĂ´nio Jesus Pfeil recriou o dia da instalação polĂ­tica de Canoas, com ajuda de documentos e depoimentos. Em seu livro “Canoas: anatomia de uma cidadeâ€? ele descreve este dia como festivo e marcante, pois coroou uma luta que vinha ganhando espaço hĂĄ quase uma dĂŠcada. A cerimĂ´nia teve inĂ­cio Ă s 10 horas da manhĂŁ, em frente ao prĂŠdio que abrigava o Cinema Central, na rua Guilherme Shell, quase na esquina com a Praça da Bandeira. Canoas, antigamente, pertencia a GravataĂ­. O livro “HistĂłria de nossos Prefeitos – volume 1: Edgar Braga da Fontouraâ€? complementa ao nos informar que o tempo estava “ruimâ€?, mas que de qualquer forma, “considerĂĄvel nĂşmero de pessoas compareceu ao atoâ€?. Autoridades da ĂŠpoca de diversas partes da regiĂŁo estiveram presentes na cerimĂ´nia, como os prefeitos de SĂŁo Leopoldo e de SĂŁo SebastiĂŁo do CaĂ­, pĂĄrocos e coronĂŠis, o secretĂĄrio de Obras PĂşblicas do governo do Estado e o professor Thiago WĂźrth, que hoje dĂĄ nome a uma importante escoODPXQLFLSDO&RQÂżUDQDSUy[LPDSiJLQD um pouco do resgate histĂłrico feito por Pfeil em seu livro. DFHUYRGH$QW{QLR-HVXV3IHLOHVSHFLDO27

Acima: População aguarda posse do primeiro prefeito, enquanto alguÊm faz um comunicado da escada, ao lado do Cinema Central Ao lado: Após posse de Edgar Braga da Fontoura, em frente ao Cinema Central, TXH¿FDYDQD DYHQLGD*XLOKHUPH 6FKHOORQGHKRMHpR edifício Bona Fide

JOAPI


CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013 I ESPECIAL I O TIMONEIRO I 9

15 DE JANEIRO

ANATOMIA DE UMA CIDADE O resgate histórico realizado por Jesus Pfeil é seguramente uma das maiores coleções históricas a respeito dos fatos que ocorreram nos primeiros anos de Canoas. O historiador traz detalhes que teriam se perdido com o tempo, se não fosse pelo seu trabalho de pesquisa e conVHUYDomRGHIRWRJUD¿DVHUHJLVWURVKLVWyULFRV1DPHOKRU das hipóteses, estes documentos estariam arquivados em alguma prateleira. Por exemplo, é através do livro de Pfeil que a população tem acesso a detalhes da instalação do município, como o local da posse, e o horário no qual ocorreu. O historiador revela que o ato foi realizado às 10 horas, em frente ao &LQHPD&HQWUDO)RWRJUD¿DVTXHLOXVWUDPROLYURPRVWUDP que o acontecimento mobilizou centenas de pessoas que

esperavam pelo momento que marcaria o começo de uma nova era para quem residia na cidade. Jesus relata que, na ocasião, o Cinema Central reuniu autoridades civis e militares, transformando a posse, nas palavras do autor, em: “um acontecimento festivo, marcante e coroando os esforços de uma luta que se iniciou num comício em praça pública, no dia 30 de julho de 1933, com objetivos de apenas exigir melhorias”. Sobre a fala do primeiro prefeito, Edgar da Fontoura, Pfeil conta: “Falou, primeiramente, o sr. Edgar Braga da Fontoura, que como primeiro prefeito nomeado pelo governo do Estado declarou instalado o município de Canoas, criado há SRXFRVPHVHV1DVXD oração, o sr. Edgar da Fontoura iniciou rendendo homenagem aqueles que, há anos, muito se esforçam pelo progresso de Canoas, quer os seus moradores como os Primeira sede da Prefeitura

administradores do então distrito. Depois de elogiar o ato do interventor federal, disse que a sua política seria trabalhar, preocupando-se com a instrução pública e com as estradas, para depois, vir atender a parte referente à urbanização da sede da nova comuna. Outros dois problemas, acrescentou, ainda o preocupavam: os de serviços de eletricidade e do transportes, entregues a empresas particulares”.


10 I O TIMONEIRO I GERAL I CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013

Morador do Niterói reforma e empresta móveis hospitalares Barbeiro Walter Leonel precisa de doaçþes para seguir ajudando quem precisa de cadeiras de rodas e camas Da Redação de OT Niterói

jornal contribuiu para que mais doaçþes chegassem e, consequentemente, mais pessoas fosHå cerca de um ano, OT sem ajudadas: "Recebi muitas Niterói divulgou o trabalho de doaçþes depois que as pessoas emprÊstimo de móveis hospita- conferiram a matÊria no jornal. lares desenvolvido pelo barbeiro Continuo fazendo emprÊstimos Walter Leonel. Ele atualmente e sempre peço que a pessoa faça possui cerca de 70 peças e todas a devolução quando não estiver estão emprestadas. No entanto, mais utilizando o móvel hospitao número de pessoas que o pro- lar. Assim, todos que necessitam curam para conseguir os equipa- têm a oportunidade de uså-los�. mentos aumenta cada vez mais e AlÊm de realizar uma reforele continua aceitando doaçþes de ma dos equipamentos antes de peças que ele reforma e empresta emprestå-los, Walter Leonel faz a estas pessoas. a manutenção de todos os móO barbeiro aceita doaçþes de veis que empresta. Ele lembra, móveis hospitalares em geral, no entanto, que as pessoas que como cadeiras de rodas, andado- utilizam as peças devem cuidar res, camas e muletas. Ele conta de sua conservação. O barbeiro que reforma cada peça e deixa diz que quando uma pessoa estå em condiçþes de uso para depois com o móvel hospitalar hå pelo emprestar. Walter explica que os menos três ou quatro meses, ele equipamentos são emprestados vai atÊ o local e confere se o a pessoas que precisam fazer produto estå sendo utilizado e uso das peças, mas que não têm preservado. Quem tiver quaisFRQGLo}HV¿QDQFHLUDVGHFRPSUDU quer móveis hospitalares que não Em uma segunda reportagem utiliza mais, pode contatå-lo pelo realizada por OT Niterói, Walter telefone (51) 9998.4700 e efetuar explicou que a repercussão do doaçþes.

Calçadas e vias cada vez mais esburacadas A buraqueira das calçadas e das vias de Niterói jå não Ê mais novidade para os leitores. Aliås, quem vive no Niterói enfrenta a situação no seu dia a dia. A rua Almirante Barroso , uma das que mais foi atingida em 2012 por vazamentos de ågua, buracos e REUDVGHORQJDGXUDomR¿QDOPHQte recebeu os reparos no asfalto. No entanto, ela era apenas uma das vårias que estão esburacadas. Na terça-feira, 8, nossa equipe de reportagem percorreu diversas ruas do bairro e flagrou casos graves de deterioração tanto nas vias quanto nas calçadas. Se no asfalto o problema mais frequente p D IDOWD GH ¿QDOL]DomR GH REUDV da Corsan, as calçadas, por sua vez, encontram-se deterioradas pelo tempo ou sequer estão construídas. Não Ê raro encontrar no bairro trechos onde deveria haver calçada e só existe capim ou entulhos. Na rua Venâncio Aires, em um trecho próximo à esquina com a BagÊ, uma calçada deteriorada se mantÊm no mesmo estado hå pelo menos um ano, quando nossa equipe fotografou o local pela primeira vez. Na BagÊ, um grande trecho, entre a Venâncio Aires e a Lajeado, sequer possui calçada. O capim e os entulhos tomam conta do local, que em dias de chuva ¿FDDLQGDSLRU Na Júlio de Castilhos, um

Situação das calçadas Ê precåria

conserto inacabado feito pela Corsan causa transtornos para os motoristas que transitam pela via. O mesmo problema se repete na Onze de Junho, só que em maiores proporçþes. Como a via Ê pavimentada com paralelepípedos, o desnível causado pela obra Ê ainda pior. Em 2010, a Prefeitura promeWHXXPD¿VFDOL]DomRPDLVDWXDQWH para garantir a qualidade das calçadas no município, mas atÊ o momento o problema continua em toda a cidade. Os consertos da Corsan levaram, em 2011, a Prefeitura a solicitar a paralisação de obras da Corsan atÊ que os problemas fossem sanados. No entanto, o problema continuou ocorrendo.

Walter possui cerca de 70 peças e estå com todas emprestadas

Prefeitura promete divulgar salårios dos funcionårios Desde 2012, os órgãos públicos estão obrigados, por decisão do Supremo Tribunal Federal, a divulgar uma lista nominal com todos os salårios dos seus servidores. AtÊ o momento, a Prefeitura vem descumprindo a determinação, mas promete para fevereiro a divulgação da lista. Na primeira reunião do ano com a Comissão de Ética Pública, o prefeito assi-

nou decreto que determina a divulgação, individual, da remuneração dos agentes públicos do município. Segundo informado no site da Prefeitura, as informaçþes serão disponibilizadas no Portal da Transparência a partir da primeira semana de fevereiro. Na mesma reunião, foram citadas as possibilidades de se criar mais três açþes a serem desenvolvidas em 2013. São

elas: A produção de um código de Êtica da alta administração; o fortalecimento dos programas de sensibilização da sociedade como o concurso Olho Vivo no Dinheiro Público, que envolveria os alunos do município e a organização do 2º Seminårio de Ética Pública para o segundo semestre deste ano. No entanto, por enquanto apenas a divulgação dos salårios teve um prazo determinado para ocorrer.

Problemas para agendamento de consultas e exames $VGL¿FXOGDGHVSDUDPDUFDomR de consultas e realização de exames por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) ainda são recorrentes. Muitos niteroienses enumeram problemas variados, como a demora para conseguir atendimento pelo teleagendamento e para realização de exames que jå foram solicitados em consultas. A niteroiense Leonês da Rosa, 63 anos, acredita que melhorias precisam ser feitas para aprimorar o sistema de teleagendamento, bene¿FLDQGRDSRSXODomR³(VWRXFRP uma sÊrie de exames para fazer e ainda não conseguir realizar. Tenho uma ultrassonografia abdominal para fazer hå pelo menos seis meses e atÊ agora nada. AlÊm disso, tenho um exame ósseo para fazer, pois tenho problemas de osteoporose

e osteopenia e tenho que sempre monitorar isso. Fui na Secretaria da Saúde, mas disseram que tem muita JHQWHQD¿ODHpSUHFLVRHVSHUDU´ explica. ³2XWUR SUREOHPD p TXH QXQFD consigo consulta com o mesmo mÊGLFR7HQKRTXHID]HU¿VLRWHUDSLD e não consegui atendimento ainda. Para completar, estou hå dois meses esperando por um eletrocardiograma e atÊ agora nada�, fala Leonês. Sobre o tempo de espera, a moradora do Niterói conta que normalmente precisa tentar ligar cerca GHYH]HVDWpFRQVHJXLU¿QDOL]DU DFKDPDGD³0XLWDVYH]HVHXGHsisto. Eles pedem para aguardar 10 minutos, mas Ê comum chegar a 30 minutos de espera�, diz. A moradoUDGREDLUURD¿UPDTXHDFKDERDH interessante a ideia de poder marcar

as consultas e exames por telefone. Entretanto, para que efetivamente o sistema possa funcionar adequadamente, acredita que hå necessidade de ampliação. AndrÊ Vargas, 40 anos, que WUDEDOKDQREDLUURD¿UPDTXHVXDV LUPmVMiWLYHUDPGL¿FXOGDGHVFRP o teleagendamento e reclama sobre o tempo de espera para a realização GH FRQVXOWDV ³(OHV QRUPDOPHQWH marcam consulta para um mês depois de a pessoa ter ligado. É muito demorado�, expþe. Edelmira dos Santos, 57 anos, D¿UPD TXH VXD LUPm DJXDUGD SRU cirurgia de varizes hå um ano e que sempre que necessita de consultas pelo teleagendamento precisa dispor de muito tempo para fazer inúmeras tentativas, atÊ que uma resulte em marcação efetiva.


CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013 I GERAL I O TIMONEIRO I 11

Moradores do Norte do Dique sofrem com atraso no reassentamento 0RUDGRUHVGR1RUWHGR'LTXHHVSHUDPUHDVVHQWDPHQWRDSyVSUD]RWHUH[SLUDGRHHQIUHQWDPGLÂżFXOGDGHVGLYHUVDV O Extremo Norte do Dique, na divisa dos bairros FĂĄtima e Mato Grande, ĂŠ uma das vilas com inĂşPHUDVGLÂżFXOGDGHVHVWUXWXUDLVTXH impactam diretamente no cotidiano dos moradores da localidade. Este ĂŠ um dos locais em que deverĂĄ haver reassentamento de PRUDGRUHVSDUDFDVDVGHÂżQLWLYDV assim como vem acontecendo com outras famĂ­lias que estĂŁo sendo deslocadas em decorrĂŞncia das obras da BR-448, a denominada Rodovia do Parque, que deve contribuir para desafogar o trânsito da BR-116. De acordo com Ă‚ngela Maria da Silva, 68 famĂ­lias residem na vila, de forma que sĂŁo, na maioria, compostas por muitos integrantes. “EstĂĄ havendo um diĂĄlogo por parte dos moradores, representados pela Associação de Moradores Extremo Norte do Dique com o DNIT (Departamento de Infraestrutura e Transportes) e com a Prefeitura. Existem critĂŠrios que sĂŁo utilizados para planejar DV IDPtOLDV TXH GHYHP ÂżFDU HP apartamentos e casas, por exemploâ€?, diz Ă‚ngela. De acordo com a presidente da Associação dos Moradores do Norte do Dique, hĂĄ ÂżVFDLVGHREUDVSDUDTXHKDMDXPD averiguação acerca do andamento das obras e de quais as residĂŞncias sĂŁo as mais indicadas para cada famĂ­lia, com o estabelecimento de critĂŠrios e nĂŁo de forma aleatĂłria.

Promessas

Segundo a presidente da Associação, os moradores da vila serão os últimos a serem reassentados pelo fato de a localidade não interferir nas obras da BR-448. Em reportagem publicada em 2010 pelo jornal O Timoneiro, D3UHIHLWXUDD¿UPRXTXHDWUDQVferência de famílias aconteceria DQWHVGR¿QDOGHRTXHQmR VHFRQ¿UPRXMiTXHRVPRUDGRUHV ainda aguardam o deslocamento. Esta seria a data-limite, jå que foi o prazo que o DNIT havia determinado na Êpoca para a conclusão da BR-448.

Dificuldades A moradora Fabiane Rodrigues Cardoso reside hĂĄ 16 anos na

Em 2010, Prefeitura prometeu reassentamento em dois anos

vila e conhece bem os problemas com os quais os cidadĂŁos tĂŞm de conviver. Uma das queixas frequentes ĂŠ sobre o acesso Ă  ĂĄgua. De acordo com Fabiane, embora haja sistema de encanamento de ĂĄgua na regiĂŁo, muitas YH]HVKiSUREOHPDVHLQHÂżFLrQFLD no fornecimento, de forma que caminhĂľes-pipa acabam tendo de passar no local para garantir que a comunidade tenha acesso Ă  ĂĄgua. “Tem encanamento, mas acontecem problemas com muita facilidade. É comum os caminhĂľes-pipa passarem por aqui. A falta de ĂĄgua incomoda muito, precisamos de ĂĄgua para fazer o almoço, tomar banho, lavar roupa e muitas outras coisasâ€?, fala. Outro problema que causa transtornos aos moradores do

Extremo Norte do Dique ĂŠ o barral que se forma quando na ocorrĂŞncia de chuvas, alĂŠm dos alagamentos e da vala repleta de lixo, que se torna espaço de proliferação de mosquitos. “As casas alagam com frequĂŞncia. HĂĄ muitos mosquitos, temos medo principalmente por causa das criançasâ€?, diz Fabiane. Para completar, o acesso de YHtFXORV p GLÂżFXOWRVR QR ORFDO devido Ă  estrada estreita e cheia de irregularidades. Conforme explica Fabiane, para deslocar-se por meio de transporte pĂşblico ĂŠ preciso ir em frente a Assis %UDVLOÂł$WpDPEXOkQFLDWHPGLÂżculdade para passar aqui. Houve uma vez em que uma gestante teve que ser levada para o hospital por um vizinho, pois disseram

que a ambulância nĂŁo sobe aqui no Dique. Isso ĂŠ pĂŠssimo, pois todas as pessoas acabam precisando uma hora ou outra desse tipo de serviçoâ€?, expĂľe Fabiane. Fabiane conta, ainda, que caminhĂľes com blocos de concreto para a realização das obras da BR-448 passam frequentemente no Extremo Norte do Dique e, muitas vezes, em alta velocidade. “Ficamos com medo pelas crianças que ficam brincando por aĂ­. AlĂŠm disso, quando esses caminhĂľes passam, uma poeira levanta e prejudica quem sofre com problemas respiratĂłrios, como alguns de meus filhosâ€?, explica Fabiane. Outra moradora insatisfeita com a realidade do Extremo Norte do Dique ĂŠ LetĂ­cia Crixel,

que tambĂŠm lamenta os transtornos causados por viver em uma localidade com diversos problemas estruturais. “Moro com meu pai, que estĂĄ aqui hĂĄ cinco anos. Acho que ĂŠ um local pĂŠssimo para se ter uma famĂ­lia. Passamos muito trabalho aqui. A ĂĄgua ĂŠ fraca, essas duas valas sĂł nos prejudicam e hĂĄ muitos mosquitos. Luz ĂŠ outro problema que temos, atĂŠ pelo fato nĂŁo ser regularizadaâ€?, diz. LetĂ­cia conta que hĂĄ grande quantidade de ratos na vila, uma decorrĂŞncia do lixo e das valas existentes no local. “A Prefeitura prometeu que VDLUtDPRV DWp R ÂżQDO GH  H nĂŁo foi isso que aconteceu. NĂŁo estou acreditando muito que nossa mudança ocorra logo. Estamos sem esperançaâ€?, pondera LetĂ­cia.

Continuidade do reassentamento da BR-448 aguarda vistoria O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a Prefeitura de Canoas aguardam para esta semana a vistoria de mais 36 casas do Loteamento Canoas Minha Terra 2, no bairro FĂĄtima, pela Caixa EconĂ´mica Federal. Somente apĂłs o aval da Caixa, serĂĄ possĂ­vel dar continuidade

ao trabalho de transferência das famílias que vivem sobre o traçado da BR-448, a Rodovia do Parque. Com a liberação destes imóveis, abre-se mais uma frente de serviço de 300 metros. Com isto, confirma-se o prazo do Executivo de Canoas em transferir cerca de 70 famílias para

as casas definitivas atÊ o final de janeiro. Conforme o consórcio construtor do Lote 3, estas novas mudanças vão garantir aproximadamente um mês de trabalho, dando um fôlego no cronograma das empreiteiras atÊ o final de fevereiro. A expectativa do DNIT e da

Prefeitura Ê de que a mudança das famílias possa ocorrer jå na próxima semana. Outras 32 jå residem no CMT2 desde o final de dezembro, quando iniciou a transferência. DNIT e Prefeitura informam que pretendem marcar reunião com representantes da Caixa Econômica Federal para acertar

um cronograma mais ågil de construção das unidades habitacionais destinadas ao programa de Reassentamento. Ao todo serão construídas 599 unidades habitacionais (256 apartamentos e 343 casas). As moradias fazem parte do programa federal Minha Casa, Minha Vida.


12 I O TIMONEIRO I GERAL I CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013

“Uma literatura dĂĄ a medida de uma sociedadeâ€?*

Associação dos Servidores Municipais de Canoas Fundada em 12/06/62 e-mail: asmc_canoas@terra.com.br site: www.asmc.com.br Fone: (51) 3472-1866

SALVANDO A VIDA Aprendi, em recuperação da dependĂŞncia quĂ­mica, que ajudar e servir sem buscar agradecimento e reconhecimento ĂŠ uma MARCO LEITE dĂĄdiva! PorĂŠm, a incompreensĂŁo pXPDGDVFRLVDVTXHGLÂżFXOWDPRFUHVFLPHQWR espiritual! Esta ĂŠ uma de minhas lutas diĂĄrias, nĂŁo reagir Ă s incompreensĂľes humanas. A sociedade ĂŠ assim. Por mais que vocĂŞ faça por alguĂŠm, em raros os casos, as pessoas nunca estĂŁo satisfeitas. E vejo com tristeza que normalmente estas pessoas estacionam e nĂŁo se resolvem. O Segundo Passo de AlcoĂłlicos AnĂ´nimos QRVHQVLQDDDJLUHQmRÂżFDUHVSHUDQGRDV coisas acontecerem e se resolverem a nossa frente. A vida nĂŁo se resolve sem a ação, a acomodação ĂŠ inimiga do crescimento, e nĂŁo devemos cometer esta insanidade de achar que tudo vai dar certo e sentar para esperar as coisas se resolverem. Em minha caminhada vejo muito disso. As pessoas que se preocupam mais com o defeito alheio estĂŁo fadadas ao fracasso, pois nĂŁo tĂŞm tempo para cuidar de si. O Segundo Passo nos ensina exatamente que o caminho ĂŠ começar a fazer as coisas aconteceram, como jĂĄ dizia a mĂşsica do Geraldo VandrĂŠ – "quem sabe faz a hora e nĂŁo espera acontecer". Um exemplo disso ĂŠ a minha histĂłria. (QTXDQWR ÂżTXHL HVSHUDQGR DV SHVVRDV VH preocuparem comigo, minha vida se estagnou. E pior, ainda fui parar no fundo do poço e sĂł saĂ­ disso no dia em que realmente compreendi que deveria agir. E, para isso, tive a humildade de reconhecer minhas fraquezas e pedir ajuda a quem poderia me indicar um caminho. NĂŁo sou o “JoĂŁozinho do passo certoâ€?, mas agora sei o caminho e cabe a mim escolher em me acomodar e me entregar ao fracasso ou continuar em minha caminhada, que atĂŠ agora tem dado certo. E isso sĂł ocorreu porque a partir da ajuda que consegui de meus familiares e da Comunidade TerapĂŞutica Fazenda Renascer decidi ir Ă  luta e nĂŁo me HQWUHJDU PDLV QD SULPHLUD GLÂżFXOGDGH TXH aparecesse. Hoje sou feliz, sou bem empregado, WHQKRXPUHODWLYRUHFRQKHFLGRSURÂżVVLRQDOQD sociedade que convivo. Nada mal para alguĂŠm que hĂĄ algumas 24 horas atrĂĄs nĂŁo tinha mais perspectivas e estava afundado nas drogas. Sempre que escrevo aqui ĂŠ para contar uma caminhada que tem sido vitoriosa, mas cheia de pequenas pedras onde posso tropeçar. NinguĂŠm tropeça em uma montanha. É no detalhe que cometemos os erros que podem nos levar a uma indesejada recaĂ­da. Portanto, o Segundo Passo tem que estar sempre presente em minha caminhada, a insanidade da acomodação e do cuidar mais da vida dos outros estĂĄ sempre muito presente em mim, e o 'velho' Marco tambĂŠm. É aquela antiga luta diĂĄria do bem contra o mal. No caso, aqui o mal ĂŠ a estagnação e a acomodação de uma coisa muito boa que consegui atĂŠ agora. Sou feliz comigo e com as pessoas que me rodeiam, tenho problemas como qualquer um. O que nĂŁo posso ĂŠ ver fantasmas onde nĂŁo existem e nem super dimensionar XPD GLÂżFXOGDGH$ÂżQDO RV SUREOHPDV VmR obstĂĄculos a serem vencidos e ĂŠ aĂ­ que se diferenciam os vencedores dos acomodados. "Mais ação e menos acomodação" ĂŠ a palavra de ordem de um passo que me tirou da insanidade e me transformou em um guerreiro. E a vitĂłria estĂĄ em salvar minha prĂłpria vida.

INFORMATIVO ASMC NÂş. 389 - Ano III

TRADICIONALISMO

“O LIVRO ESTĂ NA MESAâ€?, DIA 26

A professora-escritora Miriam Dalva Kinczel Oliveira serĂĄ a convidada principal do projeto “O Livro estĂĄ na mesaâ€?, dia 26, Ăşltimo sĂĄbado deste mĂŞs, no Canoas TĂŞnis Clube. Miriam ĂŠ licenciada em Letras/Espanhol pela UniRitter, especialista em Educação de Jovens e Adultos pela UniLaSalle, contadora de histĂłrias na Feira Municipal do Livro, organizadora do Programa (VFROD&RPXQLGDGH0DLV(GXFDomR7DPEpPPLQLVWUDRÂżFLQDV de Leitura e Arte, psrs professores e atendentes de bibliotecas, e ĂŠ coordenadora do Clube de Leitura, na Biblioteca PĂşblica Municipal “JoĂŁo Palma da Silvaâ€?, onde promove debates. AuWRUDGHXPDELRJUDÂżDGRSROtWLFR+XJR6LP}HV/DJUDQKDHGH contos. Atualmente, se dedica Ă  escrita de poemas e crĂ´nicas.

LEITURA

Âł&RPVHXVLUPmRVGHPRVWHLURHP+LSRQD6DQWR$JRVWLQKR propagou o sistema de leitura silenciosa, uma vez que a leitura em voz alta incomodava e atrapalhava, ĂŠ lĂłgico, quando havia muitos na mesma sala, aliĂĄs lendo coisas diferentes. Imagine-se a confusĂŁo! Com a leitura silenciosa, em alguns FDVRVDSHQDVPRYHQGRRVOiELRVQRXWURVHGDtSDUDIUHQWH conforme a evolução da tĂŠcnica, sem sequer movĂŞ-los foi se realizando a propagação da leitura, tornando-a uma questĂŁo de democracia pelo conhecimento que podia transmitir, pela sabedoria que trazia embutida. Esta lição vinha de longe, desde &tFHURQDWXUDOPHQWHFKDPDGRÂľRPDLRUDGYRJDGRGHWRGRV os tempos’ que, aliĂĄs, alertava que a eloquĂŞncias sem sabedoria nada vale: “A eloqßência, combinada com a sabedoria ĂŠ prejudicial e em nada serve a ninguĂŠmâ€?. (Walter Galvani, na 2ÂżFLQDGH/HLWXUD3Uy$WLYDH(VFULWD&ULDWLYDTXHPLQLVWURXQD Fundação Cultural de Canoas, dias 24 a 26 de abril de 2008).

BIBLIOTECA É DESTAQUE ESTADUAL

1RVVD %LEOLRWHFD &RPXQLWiULD ³6LP}HV /RSHV 1HWR´ FRQquistou lugar destacado no RS, entre as de sua espÊcie. Foi ¿QDOLVWD QR FHUWDPH ³3DUFHLURV GD (VFULWD´  UHDOL]DGR pela AGES/Associação Gaúcha de Escritores. Nosso presidente, -DLUR/XL]GH6RX]DHRVyFLRKRQRUiULR&tFHUR*DOHQR/RSHV participaram da solenidade de premiação.

* Frase do poeta portuguĂŞs Guerra Junqueiro.

Direito PrevidenciĂĄrio Ganho dos empregados domĂŠsticos Airton Joel Cardoso*

O ganho de empregados domÊsticos sobe mais que a mÊdia. Nunca foi tão difícil achar uma emprega domÊstica nas maiores metrópoles do país como no ano passado. E, para conseguir uma diarista ou uma mensalista, os patrþes tiveram de pagar mais. Quem ganhou foi a categoria, a de mais baixa remuneração entre todas. Tais conclusþes surgem de dados levantados pela Folha, com base na Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE. O número de pessoas empregadas em serviços domÊsticos vem caindo desde 2008, com exceção de 2009, quando a crise empurrou trabalhadores para funçþes menos qualificadas. Com a menor oferta de domÊsticos --em sua grande maioria mulheres--, o rendimento do grupo cresceu acima da mÊdia. Desde 2004, o ganho real (descontada a inflação) do salårio das domÊsticas foi de 56%, ante 29% da renda mÊdia dos trabalhadores. O tÊcnico do IBGE ressalta que, historicamente, a renda das domÊsticas sempre oscilava em torno do mínimo, mas distanciou-se dessa

referência principalmente em 2011 e 2012 com a maior remuneração paga à categoria. É uma questão de oferta e demanda. Se hå menos trabalhadores disponíveis, o custo desse serviço cresce. A empregada domÊstica representa a única categoria não contratada por empresas, mas por famílias, que arcam com uma despesa maior. De acordo com Mårcio Salvatto, professor do Ibmec, as mulheres ampliaram o nível de educação nos últimos anos e, como consequência, passaram a procurar postos de trabalho que exigem maior qualificação. AlÊm disso, elas passaram a ser aproveitadas pelo setor de serviços, que se expandiu e tradicionalmente jå era um grande empregador de mão de obra feminina. Nacionalmente, os dados do Censo de 2010 tambÊm mostraram uma redução do número de trabalhadores domÊsticos e aumento da renda desse grupo --no qual 92% eram mulheres. Fonte: Jornal Folha de São Paulo *Advogado OAB/RS 43.486 Telefone: 3059.1111 / 8419.5050

Participei, no último final de semana do 60º Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado na cidade coração do Rio Grande, Santa Maria, onde tambÊm ocorreu a reeleição do Conselho Diretor, que reelegeu o presidente do MTG, Sr. Erival Bertolini, alÊm da reeleição da Junta Fiscal do Movimento Tradicionalista Gaúcho, onde este que escreve esta Coluna tambÊm foi reeleito como presidente da Junta Fiscal no ano de 2013. Ocorreu tambÊm, a votação do local do próximo Congresso Tradicionalista de 2014, que serå em Porto Alegre. A Festa Campeira nesse ano serå em Campo Bom e o acendimento da Chama Crioula ocorrerå na cidade de General Câmara em Triunfo. Apenas a Convenção Tradicionalista ficou pendente atÊ o próximo dia 26 de janeiro, talvez em Esteio, assim como a Inter-Regional que poderå ocorrer em Esteio ou Canoas.

IMPOSTO

Quando em ediçþes anteriores deste Informativo, comentei sobre o uso dos salþes da ASMC, onde as pessoas confundem Associação dos Servidores Municipais de Canoas com a Associação da Prefeitura de Canoas. Muita gente acredita que a ASMC Ê de propriedade do Município. Eu sempre comento com a minha Diretoria, que a ASMC deveria se chamar, Associação dos Empregados da Prefeitura de Canoas, assim seria mais fåcil identificar. O nome Associação pesa muito, carregamos o ônus de ser uma associação, devido não possuirmos amparo legal para obtermos diminuição nos impostos municipais. Se fôssemos um sindicato, teríamos as regalias da lei, que ampara os sindicatos. Um exemplo Ê o valor de IPTU, que para a vigência em 2013, somente da sede social (rua Nerci Pereira Flores), pagamos o valor de R$ 16.849,69, o que equivale um custo mensal de R$ 1.404,14 ou ainda, uma despesa diåria somente com IPTU de R$ 468,04. Quando citamos que se os salþes permanecerem fechados, a não ser quando de locação, a ASMC estå economizando, pois não haverå despesa com energia elÊtrica, materiais de limpeza e conservação, horas extras dos funcionårios e outras despesas necessårias. Os valores do IPTU que abaixo descriminarei, são valores para pagamento à vista, como Ê o caso da Sede Social, que foi de R$ 16.849,69, Camping de Cidreira (R$ 5.470,08), salas do Escritório da ASMC (R$ 1.008,95). Valor total do IPTU em 2013 de R$ 23.328,72, com pagamento à vista. Caso o pagamento seja feito mensalmente, o valor passa para R$ 27.994,46, com um acrÊscimo de R$ 4.665,74, para fins de economia pagamos à vista.

DEDETIZAĂ‡ĂƒO

A ASMC, mais uma vez procedeu a dedetização e a desratização do Salão Social, depósitos e arquivos, DTG, sala 3ª. Idade e Sede de Esportes alÊm da lavagem da caixa d’ågua do poço artesiano, onde foi necessåria a interrupção do fornecimento de ågua, nos dias 09 e 10 de janeiro. Como Ê necessåria a lavagem da caixa d’ågua de seis em seis meses, uma vez no inverno e outra no verão, escolhemos os meses de junho e janeiro, devido ao menor fluxo de retirada de ågua por ser período de fÊrias.

DTG

O DTG Morada de Guapos da ASMC, que no próximo domingo, dia 13, estarå comemorando os seus 20 Anos de Fundação, comunica aos seus associados e os associados da ASMC, que estå abrindo vaga para a formação de uma Invernada Mirim de Dança Tradicionalista Gaúcha, sem custo de inscriçþes e aulas. Maiores informaçþes com o Leonardo atravÊs do telefone cel. (51) 9971-5583 ou e-mail: dtgmoradadeguapos12@ terra.com.br. A Escola de Danças Tradicionais do DTG Morada de Guapos iniciarå as aulas em março de 2013. A participação Ê gratuita e livre para todas as idades, não Ê necessårio saber dançar. ASMC 50 ANOS COM VOCÊ! Firmo Farias dos Santos Presidente


CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013 I GERAL I O TIMONEIRO I 13

Sindilojas Porto Alegre oferecerå cursos preparatórios para a Copa A Copa do Mundo estå chegando e deve gerar negóFLRVHÀX[RLQWHQVRGHSHVVRDVQD&DSLWDO2FRPpUFLR deve estar preparado para atender os potenciais consumidores de todas as partes do mundo. Desta forma, o Sindilojas Porto Alegre estå lançando projeto especial SDUD TXDOL¿FDU DLQGD PDLV R DWHQGLPHQWR QDV ORMDV 2 programa Seleção Varejo tem o objetivo de capacitar os WUDEDOKDGRUHVGRFRPpUFLRSDUDDPHOKRUFRPXQLFDomR e atendimento aos turistas. Diversos cursos serão oferecidos ao longo do ano e o SULPHLURGHOHVpRWUHLQDPHQWR¾,QJOrVSDUD9HQGDVœ&RP duração de 30 horas, os participantes aprenderão a realizar $Wp R GLD  GH janeiro, ficam abertas as incriçþes para matrícula na rede pública de ensino estadual. Em Canoas, mais informaçþes podem ser obtidas na rua Monte Castelo, 340, bairro Nossa Senhora das Graças, telefone 3465.6844.

atendimentos em língua inglesa, por meio de expressþes utilizadas usualmente durante a venda, vocabulårio båsico, modelos de diålogos e pråticas de atendimento. As aulas estão previstas para março e serão ministradas por docentes do SENAC, na sede do Sindilojas Porto Alegre. As matrículas jå estão abertas e a primeira turma deve iniciar as aulas em março. As inscriçþes podem ser feitas pelo e-mail comercial@sindilojaspoa.com.br. O investiPHQWRWRWDOSRUSHVVRDpGH5SDUDORMLVWDVDVVRciados ao Sindilojas Porto Alegre e R$ 250,00 para demais interessados. Mais informaçþes podem ser adquiridas pelo WHOHIRQH  

A CDL CANOAS, jå dentro de suas atividades do Liquida Canoas, tem em sua agenda para 22 de janeiro palestra FRP 'pOFLR 0HOR SUR¿VVLRQDO H[SHriente que abordarå, entre outros temas, &RPRDWUDLUHQFDQWDUH¿GHOL]DUFOLHQtes; Trabalho em equipe e Criar diferenciais no atendimento, entre outros temas. Mais informaçþes pelo 3462.2329 ou comercial@cdlcanoas.com.br.

&XUVR7pFQLFRHP(VWpWLFDGRSENAC CANOAS estĂĄ com perĂ­odo de inscriçþes aberto. Mais informaçþes na rua Mathias Velho, 255, ou pelo telefone: 3476.7222. *** A CVC do Zaffari Bourbon Canoas estĂĄ com sua campanha, “Super Semana CVCâ€?, DWpGRPLQJRGLDGHMDQHLURFRPRIHUWDV LQFUtYHLVSDUDYRFrYLDMDUQDEDL[DWHPSRrada.Vale dar uma passadinha e conferir os destinos e datas de saĂ­da!

GVT lança velocidade de 25Mbps no Rio Grande do Sul e comemora tĂ­tulo de tetracampeĂŁ pela melhor banda larga do Brasil Escolhida pelo quarto ano consecutivo a melhor banda larga do Brasil em votação aberta que reuniu mais de 8,5 mil leitores da revista INFO e do portal INFO Online da Editora Abril, a GVT acaba de anunciar a nova velocidade de 25Mbps, ampliando para seis as opçþes disponĂ­veis ao consumidor. Desde o dia 7, os moradores de Porto Alegre, Canoas, Estância Velha, Santa Cruz do Sul, Montenegro, Sapucaia do Sul, GuaĂ­ba, Campo Bom, Sapiranga, GravataĂ­, Novo Hamburgo, Cachoeirinha, SĂŁo Leopoldo, Alvorada, ViamĂŁo, Esteio, Pelotas, Rio Grande, Caxias do Sul, Passo Fundo, Bento Gonçalves, Farroupilha e Santa Maria jĂĄ podem adquirir a nova velocidade comercializada a R$ 69,90 mensais QR 3RZHU &RPER *97 WHOHIRQLD Âż[D  EDQGD ODUJD 79SRUDVVLQDWXUD RHTXLYDOHQWHD5RPHJD Segundo Lopes, diretor de marketing da empresa, a GVT busca pela inovação constante para estar sempre em dia com as necessidades dos seus clientes. A empresa foi a primeira do paĂ­s a oferecer ultravelocidades superiores a 10Mbps a preços acessĂ­veis, jĂĄ em 2009. Em 2010, tornou o 5Mbps a velocidade mĂ­nima de seu porftfĂłlio e em 2012 estabeleceu 15Mbps como a menor velocidade nos pacotes triple play. “Começamos 2013 com o lançamento do 25Mbps e estamos trabalhando em outras novidades que serĂŁo anunciadas ao longo do anoâ€?, acrescenta o executivo. É esperar e conferir!

Sispro inaugura expansão de sua sede em Canoas Novo espaço passa a abrigar as equipes de atendimento ao cliente, desenvolvimento de sistema e inovação tecnológica, com foco no lançamento de aplicativos móveis e oferta de software na modalidade SaaS. A Sispro, que completou 40 anos de atuação na oferta de serviços e tecnologia de gestão, acaba de inaugurar a expansão na sua sede em Canoas/RS com aumento de 900 metros quadrados de årea construída, para abrigar o crescimento da empresa e atender ao planejamento dos próximos anos. A nova årea passa a abrigar as equipes de desenvolvimento, atendimento ao cliente e de inovação tecnológica, com foco no lançamento de aplicativos para dispositivos móveis e oferta de software na modalidade SaaS, reforçando assim sua oferta de ERP. $H[SDQVmRpUHVXOWDGRGRFUHVFLPHQWRGD companhia no mercado de software, a partir de Canoas, onde ela concentra todos os investimentos no desenvolvimento de novos

produtos e serviços, o que resultou na conWUDWDomRUHFHQWHGHQRYRVSURÂżVVLRQDLV da regiĂŁo para seus departamentos-chave. De acordo com Jaime Reinaldo Hamester, diretor administrativo da Sispro, a cidade de Canoas foi escolhida para esta expansĂŁo pela proximidade com a Capital gaĂşcha, oferecendo melhores condiçþes de vida e de infraestrutura em relação Ă s GHPDLVFLGDGHVRQGHWDPEpPSRVVXLHVFULtĂłrios: SĂŁo Paulo e Rio de Janeiro. “Apesar de nĂŁo contarmos com o apoio da administração municipal, acreditamos que Canoas estĂĄ Ă  frente de muitas cidades grandes nestes quesitos, o que nos levou a PDQWHUQRVVDVHGHDTXLSRUTXDWURGpFDGDV e, agora, a investir em nossa expansĂŁoâ€?, explica o executivo. “Ainda neste contexto, D6LVSURLQYHVWHWDPEpPQDPRGHUQL]DomR e expansĂŁo do seu datacenter, para suportar a demanda esperada nos prĂłximos anos e iniciar 2013 com força totalâ€?, destaca.

ENCADERNAÇÕES

Restauração de livros F: (51) 3475.3503 Tradição de 57 anos

FotĂłgrafo Ageu Cardoso )RWRJUDÂżD7pFQLFD /HYDQWDPHQWRVHP ORFDLVGHDFLGHQWHVSDUD ÂżQVMXGLFLDLVVRFLDLVH SDUD,PSUHQVD Contato: (51) 8402-4538 / 9665-8959 / 8163-3506

P UBLICAÇÕES L E G A I S LIGUE 3032.3022 EDITAIS, LEILÕES, BALANÇOS SOCIAIS, CONVOCAÇÕES, PARTICIPAÇÕES DE FALECIMENTO E CONVITES PARA MISSA, PERDA DE DOCUMENTOS.


14 I O TIMONEIRO I CULTURA I CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013

A histĂłria de Canoas, mĂŞs a mĂŞs ANO 1955 Em sua edição da terceira semana de abril, o pequeno semanĂĄrio O Momento oferecia matĂŠria intitulada “A sucessĂŁo nacionalâ€?, com que se “atreviaâ€? a opinar sobre a polĂ­tica nacional, fato que motivava certa ironia dos que governavam a cidade, e subestimavam a capacidade dos jovens que produziam o jornal e que, segundo eles, nem sabiam coisa alguma da polĂ­cia loca. A matĂŠria tinha os seguintes trechos: “O povo estĂĄ, mais uma vez, servindo de instrumento dĂłcil nas mĂŁos dos politiqueiros, dos que DEXVDPGDLQĂ€XrQFLDTXHWrPVREUHDPDVVDSDUDGHVYLiOD do seu destino, que ĂŠ a conquista plena dos seus direitos. Nada deve esperar o povo dessas conversaçþes, dessas confabulaçþes, dĂŞsses conchavos, pois que o seu verdadeiro interĂŞsse estĂĄ sempre longe das ‘cabeças enroladas’. Prova disso sĂŁo os possĂ­veis candidatos Ă  PresidĂŞncia da RepĂşblica, que nĂŁo oferecem perspectivas novas, sĂŁo homens de uma geração incapacitada, de uma geração envelhecida e quase morta pelos prĂłprios erros. JĂĄ disseram que o povo sempre tem o governo que merece. Talvez, quando o povo escolhe, diretamente, os seus governantes. E o nosso povo nĂŁo pode fazer isso, porque ĂŠ sempre obrigado a escolher seus dirigentes, indiretamente, isto ĂŠ, atravĂŠs da vontade e do interĂŞsse dos grupos, pequenas elites corrompidasâ€?. Cabe observar que mudaram as pessoas, mas os interesses sĂŁo os mesmos, assim como os modos de levar a chamada ‘coisa pĂşblica’: os partidos sĂŁo, geralmente, ‘panelas’de comida requentada e repartida sem equidade. (CT).

Maçonaria

Conhecer-se a si mesmo “Conhece o teu semelhante para melhor te conheceres a ti mesmo. O prĂłximo (o outro) ĂŠ uma extensĂŁo, uma unidade da tua espĂŠcie, sendo o objetivo da Fraternidade, outra sublime virtudeâ€?. AtĂŠ jĂĄ disseram que ĂŠ no outro que FDGDXPVHUHFRQKHFHIDWRTXHFRQÂżUPDDLGHQWLGDGHH exige obediĂŞncia Ă  lei da reciprocidade. A identidade, que ĂŠ mais que a simples semelhança, contĂŠm a prĂłpria fraternidade, em nosso caso a fraternidade por eleição. Da fraternidade de sangue nĂŁo podemos sair, em nenhuma hipĂłtese. Da fraternidade por eleição, livre escolha, podemos atravĂŠs da recusa ao pedido de ingresso. Neste caso, a escolhida ou a negação nĂŁo ĂŠ pessoal, ĂŠ coletiva por voto secreto. A fraternidade, quando vivenciada virtuosamente em uma coletividade, multiplica as oportunidades de autocoQKHFLPHQWRFRPRÂżWRGHDSOLFiORQDSUiWLFDGREHP2 conhecimento nĂŁo basta, ĂŠ urgente colocĂĄ-lo a serviço de um coração bondoso. (SĂłcrates).

Memória da Cidade ANO 1949 Equipe do Esporte Clube Oriente, da Chåcara Barreto (Bairro Nossa Senhora das Graças), campeão invicto da temporada. De pÊ, da esquerda para a direita: Sararå, Homero, Tila, Ademar, LÊo e Beto. Agachados, na mesma ordem: Jaie, Darcisino, Teixeira, Alziro e Afonso. (Do arquivo do fotógrafo Toninho Silva).

Agenda tradicionalista

Unidos pela tradição gaúcha Olegar Lopes*

dição gaúcha e sua importância para os tradicionalistas: 1- Livro Facundo de Sarmiento; 2- Martin Fierro; 3- Don Porto Alegre sediou o XI Congresso Internacional Segundo Sombra, de Ricardo Guiraldes; 4 - Os Gaúchos. da Tradição Gaúcha, evento que foi realizado dia 1º de Após explanação de fatos históricos e sobre a imdezembro de 2012, na sede do Movimento Tradicionalista portância do acendimento da chama crioula, apresentou Gaúcho, promovido pela Confederação Internacional da a proposta de se realizar, em 2015, o Acendimento da Tradição Gaúcha, CTAG. Para situar melhor os leitores, Chama em Colônia, onde Ê reconhecida a importância a CITG, conforme descreve a Carta Constitutiva, apro- da história de quase 100 anos de luta pela ocupação do vada no VI Congresso Internacional da Tradição Gaúcha, WHUULWyULRVLJQL¿FDGRHVWHTXHR5LR*UDQGHGR6XOEXVFD realizado dia 4 de maio de 1991, em Florianópolis – do- resgatar e homenagear - e convidou os tradicionalistas cumento bilíngße – Português e Espanhol - foi fundada do Uruguai e Argentina para se unirem no ato de acenem 21 de abril de 1984, no Parque Roosevelt, Canelones dimento da Chama Crioula. Uruguai, por tradicionalistas gaúchos do Brasil, da ArA Diretoria da CITG eleita para a gestão 2012/2014 gentina e do Uruguai. É uma instituição internacional de ¿FRXDVVLPFRQVWLWXtGD caråter tradicionalista, cívico e cultural, constituindo-a Presidente : Dprvilio Calderan (Brasil) DVLQVWLWXLo}HVPDLRUHVGHVWHVSDLVHVVHP¿QVSROtWLFRV Vice-Presidentes: nem religiosos. Brasil: CBTG Manoelito Savaris Participam da CITG: Argentina: CGA Adolfo Caballero Brasil – Confederação Brasileira da Tradição GaúUruguai: MTO Carlos Posada cha – CBTG. Conselheiros do Uruguai: Manuel Barrianos – PayArgentina – Federacion de Centros Tradicionalistas sandu; AndrÊs Elhordy – Salto; Manuel Rodrigues – de La Província de Buenos Aires. Montevideo. Uruguai – Movimento Tradicionalista Oriental – Conselheiros do Brasil: Nei Zardo – Bento Gonçalves; MTO. O XI Congresso Internacional da Tradição Gaú- Paulo Souza – Porto Alegre; Antônio Sbano – Curitiba. cha, realizado em Porto Alegre, contou com delegaçþes Conselheiros da Argentina: Juan Carlos Balbi – Entre da Argentina, Uruguai e do Brasil. O Presidente eleito da Rios; Oscar Rios – San Juan; Eduardo Peres Torres – CITG, o brasileiro Dorvilio JosÊ Calderan, foi dirigido Salta. pelo Presidente da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha, Manoelito Carlos Savaris, tendo como 1º vice, CrÊdito para a notícia: Eco da Tradição, informativo Adolfo Caballero (Argentina), 2º vice, Carlos Arenzo R¿FLDOGR07*GH]HPEURGH Posada (Uruguai), secretåria geral, Loiva Lopes Calderan (Brasil) e relator geral Nei Zardo (Brasil) Adolfo Caballero ressaltou os quatro pilares da traTradicionalista - olegar.tradicionalista@yahoo.com.


CANOAS, 11 A 17 DE JANEIRO DE 2013 I SOCIAL I O TIMONEIRO I 15

sony.beauty1@gmail.com / 9906-1060 / Rua RepĂşblica, 2710, Harmonia

Juliana, Alide e Bebeto Azevedo

Um novo ano $QRQRYRYLGDQRYD"&RQIHVVRTXHWHQKRXPJUDQGHPHGRGHÂżQV2ÂżPGHWXGRPH GHL[DWULVWHÂżPGHDQRGHDPL]DGHGHUHODFLRQDPHQWRVGHQRYHODHQÂżPGRÂżP3RUPDLV TXHVHMDDSDVVDJHPSDUDXPDQRYDIDVHpWULVWHVDEHUTXHWXGRTXHYLYHXDFDERXDOLHQmR YROWD1DGDYROWD3RULVVRSDUDVRQKDUXPDQRQRYRTXHPHUHoDHVWHQRPHDVSHVVRDV WrPGHPHUHFrORWrPGHID]rORQRYRHHXVHLTXHQmRpIiFLOPDVWHQWHH[SHULPHQWH FRQVFLHQWHeGHQWURGHYRFrTXHR$QR1RYRFRFKLODHHVSHUDGHVGHVHPSUH7RGRVPR PHQWRVYLYLGRVFRPTXHPVHDPDGHYHPVHUHWHUQL]DGRV$TXLUHJLVWURIRWRVGRDQRQRYR HP%DOQHiULR&RPEXULXGHPHXVDPLJRV/DQH\/DQJDURH$]HUHGR

Roseana e Mariana Azevedo

Happy Birthday

Giuliano e Melissa Leite

$VHPSUHGLQkPLFDLQWHJUDQWHGD/LJD)HPLQLQDGH&RPEDWHDR&kQFHUGH&DQRDV 5HMDQH%RKQUHFHEHXDPLJRVSDUDFRPHPRUDUVXDWURFDGHLGDGHQR&DQRDV6KRSSLQJ 3DUDEpQVHIHOLFLGDGHV

Thalita, Thor Azevedo e Michel


I N S S Airton Joel Cardoso OAB-RS 43.486

Segurado do INSS, requeira jå sua aposentadoria, não espere mais tempo, procure-nos, pois encaminhamos revisão de pensão, aposentadoria, auxilio-doença e aposentadoria por invalidez. O INSS indeferiu sua aposentadoria ou pensão, venha nos consultar. Rua Frei Orlando, 33/404 ao lado da Praça do Avião Centro Fone: (51) 3059.1111 – 8419.5050

Obras no Centro complicam trânsito

0RWRULVWDV TXH FLUFXODP SHOD UHJLmR FHQWUDOGH&DQRDVGHYHPWHUDWHQomRFRP RLQtFLRGHREUDVTXHGHL[DUmRDOJXPDV UXDVHPPHLDSLVWDDWpRÂżQDOGDVHPDQD $ UHSDYLPHQWDomR LQFOXL HP VHTXrQFLD DV UXDV 'RPLQJRV 0DUWLQV GD 9LFWRU %DUUHWRDWpGH-DQHLUR GH-DQHLUR GD'RPLQJRV0DUWLQVDWp0XFN HUXD 0XFN GDGH-DQHLURDWp9LFWRU%DUUHWR $VREUDVVHUmRIHLWDVQHVWHPRPHQWR DSURYHLWDQGR R SHUtRGR GH IpULDV RQGH RWUkQVLWRpUHGX]LGR$SyVRSHUtPHWUR FHQWUDO RXWURV EDLUURV GHYHP UHFHEHU REUDVGHUHSDYLPHQWDomR

Canoas, 11 a 17 de janeiro de 2013

LEGISLATIVO

Vereador Juarez Hoy assume a presidência da Câmara Novo presidente quer começar obras da nova sede do Legislativo neste ano No dia 1º de janeiro foi eleita a nova Mesa Diretora na Câmara de Vereadores GH &DQRDV GH¿QLQGR DV FRPSRVLo}HV GDVFRPLVV}HVSHUPDQHQWHVGD&kPDUD 0XQLFLSDO O vereador Juares Hoy foi eleito o atual Presidente da Câmara de VereadoUHV-XDUHVIDORXjHTXLSHGHUHSRUWDJHP de O TimoneiroTXHDSULRULGDGHSDUDR LQLFLRGRDQRGHpEXVFDUGLIHUHQWHV VROXo}HVSDUDDQRYDVHGHGD&kPDUD0XQLFLSDOHSURYLGHQFLDUFRQFXUVRVS~EOLFRV jVRFLHGDGHDOpPGHEXVFDUSDUFHULDVH DMXGDQDVQHFHVVLGDGHVGDQRYD&kPDUD ³$LQGDHPLQLFLDUHPRVDVREUDV´ D¿UPD+R\ 2DWXDOSUHVLGHQWHFRQIHVVDTXHDWp R SULPHLUR PRPHQWR GH VHX PDQGDWR HUDFRQWUiULRDRDXPHQWRGHYHUHDGRUHV QD&kPDUDGHSDUDPHPEURV(OH FRQWDTXHPXGRXVXDRSLQLmRVREUHRDVVXQWRDRWUDEDOKDUFRPXPPDLRUQ~PHUR GHYHUHDGRUHV+R\FRQWDTXHSHUFHEHX

TXH R IDWR GH D &kPDUD WHU XP UHSUHVHQWDQWHGHFDGDEDLUURpXPDERDLGHLD SDUDTXDQGRRVDVVXQWRVPRELOL]DUHPD VRFLHGDGHHPJHUDO 2 QRYR SUHVLGHQWH FRQWD HVWDU WHQWDQGR DR Pi[LPR FRQFLOLDU R FDUJR GH YHUHDGRU FRP D SUHVLGrQFLD ³7HQKR estado direto na Câmara em virtude de PDLRUHV DGHTXDo}HV$ &kPDUD H[LJH XPD H[FOXVLYD GHGLFDomR 6mR PXLWDV OLFLWDo}HVPXLWDVREULJDo}HV(VSHURTXH DFRPXQLGDGHHQWHQGDDPLQKDDXVrQFLD QHVVH SHUtRGR LQLFLDO PDV DJUDGHFHULD VHDSRSXODomRFRQWLQXDVVHHQWUDQGRHP FRQWDWRHQRVSURFXUDQGRSDUDTXDOTXHU QHFHVVLGDGH´ (PVXDWUDMHWyULDFRPRYHUHDGRU+R\ VHPSUHSULRUL]RXDViUHDVGHVHJXUDQoD S~EOLFDWUDQVSRUWHVHVD~GH&RPRSUHVLGHQWHGD&kPDUDSURPHWHGDUDWHQomR HVSHFLDODSURMHWRVQHVWDViUHDVPDVVHP MDPDLVGHVFXLGDUGDVGHPDLVGHPDQGDV GDVRFLHGDGH Hoy tem a construção da sede como uma de suas prioridades


O Timoneiro - N° 2530