Issuu on Google+

2

SAÚDE PÚBLICA

DIÁRIO POPULAR SEGUNDA-FEIRA, 2 DE SETEMBRO DE 2013

Maismédicos

prestes a assumir vagas na cidade O polêmico programa do governo federal será implantado ainda esta semana em Pelotas. No total, seis profissionais devem assumir postos de trabalho nas UBS em diversas regiões do município. No entanto, o aumento de vagas para médicos será suficiente para mudar a cara de um sistema de saúde pública historicamente deficiente no país? Fotos Jô Folha - DP

UBS do Navegantes é um dos postinhos que receberão o investimento federal. Sua situação atual é complicada: médicos não cumprem os horários e filas começam na madrugada Osiris Reis

Pelotas. As manifestações populares que tomaram conta do país em junho passaram e deixaram seu legado. Após as centenas de atividades organizadas, o resultado das primeiras ações propostas pelo governo federal em resposta às reivindicações dos brasileiros começa a ser sentido pela comunidade. Certamente não serão suficientes para suprir imediatamente todas as necessidades de um país, mas são o início de uma nova época. Hoje os profissionais selecionados pelo Programa Mais Médicos reúnem-se com os gestores da Secretaria de Saúde para debaterem a maneira como serão inseridos no sistema público municipal. No início do processo seletivo, Pelotas habilitou 34 vagas, mas apenas cinco assumirão os postos de trabalho imediatamente. O programa foi instituído através de uma medida provisória pela presidente Dilma Rousseff (PT) com a intenção de

aumentar os postos de trabalho no país. No entanto, o aumento das vagas para profissionais será suficiente para solucionar todos os problemas da saúde pública, como prontos-socorros lotados, unidades de saúde desequipadas e longas filas de espera para a realização de cirurgias? A secretária de Saúde, Arita Bergmann, está otimista com o cenário. Atualmente o município possui uma malha profissional de 146 médicos. Em breve, os seis profissionais serão distribuídos nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) localizadas no Barro Duro, Navegantes, Sítio Floresta, Cohab Pestano, Laranjal e Colônia Triunfo. “Apesar da mídia contrária ao programa, o governo continua investindo muito. Acredito que o Ministério continuará estimulando a inscrição de brasileiros”, avalia a gestora. Na segunda etapa do programa, o município habilitou 54 vagas para médicos. Apenas um médico estrangeiro desembarcará em Pelotas, mas ainda sem data definida: permanece em Porto Alegre re-

gularizando a documentação necessária ao visto. O médico Gonzalo Fabian é graduado em Cuba pela Universidad de Ciencias Médicas de Camagüey em 2011 e será o sexto médico a assumir um posto de trabalho. “Esses médicos não são marinheiros de primeira viagem. Eles têm experiências em outras culturas para trabalho comunitário”, avalia a gestora. Os profissionais receberão uma bolsa do governo federal no valor de R$ 10 mil e a hospedagem fica a cargo das administrações municipais. O presidente do Conselho Municipal de Saúde (CMS), Luiz Guilherme Belletti, acredita que, para um sistema de saúde ser considerado eficiente, é necessário o funcionamento de outras ferramentas. Alguns exemplos são a disponibilidade de medicamentos nos postinhos e a marcação de exames. Além disso, o agendamento de consultas e o encaminhamento para médicos especialistas também são considerados prioridades. “A Regulação apresenta alguns problemas efetivos. É um conjunto

que precisa ser melhorado. Não somente a vinda dos médicos irá resolver todos os problemas”, avalia.

Estado. Na avaliação do titular da 3ª Co-

ordenadoria Regional de Saúde (CRS), Milton Martins, o grande desafio dos novos gestores municipais é aumentar os investimentos na atenção primária. Caso o setor não esteja em funcionamento satisfatório, há uma sobrecarga natural de outros, como aqueles de tratamento e reabilitação dos pacientes. “Estou com muita expectativa no programa. Acredito que os médicos vindos de outros países não possuem os mesmos vícios e poderão dar exemplo aos brasileiros”, avalia.

E a situação de quem precisa do SUS? A dona de casa Maria Madalena Machado, 51, levantou às 4h na última terça-feira


DIÁRIO POPULAR

e dirigiu-se à UBS do Navegantes em busca de uma ficha para atendimento médico. Teve de driblar as baixas temperaturas da madrugada e as sucessivas crises de bronquite intensificadas durante o inverno. A moradora do Navegantes II relata que quando precisa de consulta com o médico da unidade, precisa ficar o dia inteiro envolvida no processo. “Vamos para a fila de madrugada e voltamos às 14h30min para fazer a ficha. Daí ou voltamos para casa ou ficamos no posto para aguardar o atendimento”, diz. A reportagem do Diário Popular esteve na UBS por volta das 16h e os pacientes relataram que o profissional ainda não havia chegado. O auxiliar de serviços gerais, José Cláudio Peres Macedo, 52, acredita em uma revolução social, na qual os cidadãos seriam responsáveis pelas mudanças. O homem também aguardava a chegada do profissional para atender sua filha e não se conforma com a distância entre os valores recolhidos por impostos e a qualidade do serviço de saúde pública. “O trabalhador passa a vida descontando e quando precisa, não tem retorno. Aqui não há cumprimento de horário. Se teu caso é grave, precisa ir para o pronto-socorro”, reclama.

Com a palavra, os médicos

O que diz a prefeitura

Nova etapa na carreira profissional

A superintendente de Ações em Saúde, Ana Costa, reconhece os problemas na unidade, principalmente, os casos relacionados aos horários dos médicos. São dois médicos que não cumprem com seus horários: eles ganham falta a cada visita da Secretaria, além de uma advertência. “Estamos tomando medidas administrativas. É importante que a comunidade nos informe quando isso acontece”, justifica. Na próxima semana, todas as unidades receberão um banner com os turnos de trabalho de cada profissional para a comunidade auxiliar na fiscalização dos horários. O teleagendamento - método pelo qual o cidadão marca a consulta através do telefone - está sendo implantado e é a aposta da Secretaria para evitar a formação de filas na madrugada. As equipes responsáveis por manipular o sistema começam a ser treinadas na próxima semana e o piloto deve estar em funcionamento até o final do ano.

A possibilidade de se qualificar em atenção básica lhe atraiu ao Mais Médicos. A médica conta que capacitações são oferecidas aos profissionais, mas não há nada como o título acadêmico. “Trabalhamos com todas as idades, desde os bebês aos idosos. Precisamos de qualificação para fazer a coisa certa”, avalia a profissional, que atendeu a reportagem em meio às consultas do dia reser vado à puericultura. A UBS do Balneário dos Prazeres é a única unidade que receberá dois profissionais através do Mais Médicos.

Número de médicos por mil habitantes

Hora de decidir qual caminho seguir

Anderson Souza Silva, 26: o médico formado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) no ano passado assume um posto de trabalho na UBS Navegantes. Além da experiência adquirida com saúde básica, carrega na bagagem os ideais de um jovem profissional: acredita no poder da atuação médica para a construção de um mundo melhor.

Vagas em Pelotas Confira abaixo a lista de profissionais que assumirão os postos de trabalho Jader Franci Carvalho Oliveira (27 anos) - UCPel - graduado em 2011 - UBS Barro Duro Alex Borges Carvalho - UCPel - 2011 - UBS Barro Duro Anderson Souza Silva (26) - UFPel - 2012 - UBS Navegantes

Art e Ma ria na We be r - DP

Mari Lúcia Alves de Castro, 53; no próximo mês, a profissional deve assumir um posto de trabalho da UBS localizada no Laranjal. Atualmente a médica nascida em Rio Grande e graduada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) é contratada pelo município e compre sua carga horária na UBS do Balneário dos Prazeres. Após a graduação, Mari enveredou-se para a Medicina do Trabalho, mas nunca distanciou-se da saúde pública.

Paulo Rossi - DP

Não existe um padrão recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Portanto, o Governo Federal escolheu utilizar como referência a proporção encontrada no Reino Unido.

Verônica Carvalho Gutierres (24) - UCPel - 2012 - UBS Sítio Floresta Mari Lucia Alves de Castro (53) - UFPel - 1995 - UBS Laranjal

Fonte: Ministério da Saúde

3

Gonzalo Fabian - Universidade de Ciencias Medicas de Camaguey, Cuba - 2011 - UBS Colônia Triunfo (intercambista com previsão do início das atividades a partir de 15 de setembro ou, no máximo, outubro. Dependerá da documentação e da tramitação do processo no Ministério da Saúde)

“Se cada médico doar-se um pouco, poderemos ajudar a reverter a saúde pública no país. O médico precisa dar o exemplo pela conduta”, avalia. Atualmente o jaguarense cumpre horário na Unidade Básica de Atendimento Imediato (Ubai) Navegantes e no Hospital Miguel Piltcher. Apesar de um dos princípios da atenção básica ser o fato de a estrutura de saúde ir até o paciente, Silva relata que isso não acontece de maneira satisfatória atualmente. “Dentro de Pelotas, torci para que ficasse no Navegantes, pois há uma unidade de urgência e emergência ao lado. Pelotas possui um sistema de referência importante, ao contrário de outros municípios da região.”

Unidades em distritos A alternativa encontrada pelo Poder Público e aprovada pelo CMS é a divisão das 43 UBSs administradas pelo município (ao total, são 50 unidades) em seis distritos geográficos. Caso a Câmara de Vereadores aprove a iniciativa, cada unidade ficará submetida a um gerente, responsável por fazer a ligação entre postinhos e a Superintendência de Ações em Saúde. Esse profissional ficaria responsável pela regulação de medicamentos, internações hospitalares e controle do trabalho de médicos e enfermeiros, por exemplo.


Mais médicos prestes a assumir vagas na cidade