Page 1

Nesta edição Especial Empresas & Negócios

Desconto 10% veja no Jornal

TERÇA-FEIRA 12.JUNHO.2018

N.º 77 | Ano II | 1.ª Série www. issuu.com/oseixalense

Preço € 0,01

Director: João Abreu

 DR 

Abertura PÁG. 03

Litos é o novo treinador do Amora

Associação de Comércio e Serviços comemora aniversário no Seixal Francisco Carriço, presidente da ACISTDS, apela aos empresários para que formem um exército contra a indiferença e ajudem a defender as empresas tradicionais. Ao mesmo tempo diz que Governo e autarquias devem apoiar mais as associações empresariais. Investigação PÁGS. 08 a 09

Colocar o clube na II Liga dentro de dois anos, foi o pedido feito ao antigo jogador do Sporting

C/0239

PÁG. 11

DESAPARECIDOS Casos reais: Como a investigação criminal evoluiu em duas décadas Sociedade PÁG. 07

Mundial vai passar no Seixal em grande ecrã


02

ACONTECEU

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

 DR 

Associação de solidariedade organizou noite de fados para nova carrinha

A

Alegado pedófilo do Seixal fica em prisão domiciliária

U

m homem de 61 anos terá abusado durante vários meses de uma menina de 5 anos, no Seixal. A criança terá contado aos avós o que estava a acontecer e identificou um mecânico, que seria cliente do café dos avós da menina. Indicado como compulsivo, o alegado pedófilo encontra-se em prisão domiciliária, depois de ser interro-

gado por uma juíza de instrução do Tribunal de Almada.

Crimes terão ocorrido em locais públicos Após realizada queixa a PJ deteve o suspeito e apurou quer os abusos terão ocorrido na rua e no café em questão. A investigação permitiu identificar mais duas vítimas, de 10 e 13 anos, às quais o

pedófilo exibiu os órgãos genitais, no entanto na época estes crimes apenas resultaram em pena suspensa e multas. A par destes casos a Polícia Judiciária acredita que há mais vítimas, pelo menos entre 2009 e 2012. Ao que a Polícia Judiciária apurou até ao momento para além desta criança, outras 7 foram abusadas.

 DR 

PSP apanha 42 quilos de haxixe no Seixal

A

PSP anunciou na terça-feira da passada semana a detenção de dois homens no Seixal por tráfico de droga, tendo sido apreendidos cerca de 42 quilogramas de haxixe. Em comunicado, esta força policial refere que “foram detidos dois homens, de 36 e 41 anos, por tráfico de produto estupefaciente denominado haxixe, com

uma quantidade total de 83 700 doses, correspondente a cerca de 42 quilogramas". Durante a operação, que decorreu na madrugada de terça-feira, no concelho do Seixal, foram também apreendidas duas viaturas e um telemóvel.

Associação "Dá-me a tua mão" organizou no dia 9 de junho uma noite de fados com o objectivo de angariar verba para a compra de um carinha para substituir a antiga e continuar a prestar o seu trabalho em prol da comunidade mais carenciada. Segundo Vítor Dias, presidente desta associação, a mesma presta ajuda a cerca de 800 pessoas, sendo que cerca de 150 tem ajuda diária e as outras quinzenalmente através da distribuição de alimentos feita na sede. Trata-se de alimentos que são doados à "Dá-me a tua mão" por várias entidades. Quanto a poios financeiros, diz o seu presidente que apenas conta com “750 euros anuais da parte da Câmara Municipal do Seixal”, um protocolo que diz ter de ser revisto porque as verbas “já

são insuficientes para fazer face ao número de pessoas que ajudamos”. Para além da questão financeira, Vítor Dias diz que todo o apoio é bem-vindo, para além da verba para a nova carrinha, também apela a que venham mais voluntários, principalmente para a distribuição. Outra forma de ajudar a associação a apoiar mais pessoas é através de quem tenha quintais com árvores de fruto. “Se tiverem excedente podem contactar com a associação que nós apanhamos a fruta para a dar a quem necessita”, diz o presidente da "Dá-me a tua mão". Nesta noite pela solidariedade esteve presente o presidente da União de Freguesias do Seixal, Arrentela e Paio Pires, António Santos.  DR 

PS Seixal consegue maior representação nos órgãos nacionais

O

PS Seixal regista pela primeira vez a eleição de nove elementos nos órgãos nacionais, oito na Comissão Nacional e José Carlos Pereira eleito, na passada semana, para a Comissão Politica Nacional. A Comissão Nacional do Partido Socialista elegeu a nova Comissão Política com a lista proposta pelo Secretario Geral, António Costa, a obter 55 mandatos 85%, enquanto a lista apresentada pelo dirigente Daniel Adrião teve 10 mandatos 15%. O Seixal está representado

neste órgão pelo Socialista José Carlos Pereira, transitando do mandato anterior. Para o órgão máximo do partido entre congressos foram eleitos no passado congresso, José Carlos Pereira, Diamantino Moreira, Cátia Pereira, João Ventura, Fátima Carvalho, Antonella Gomes, Cristina Gomes, Samuel Cruz e Ricardo Ribeiro. Os sete primeiros militantes foram eleitos pela lista A afetos à candidatura de Daniel Adriao, Samuel Cruz e Ricardo Ribeiro foram eleitos pela lista patrocinada por António Costa.

Título registado na ERC sob o n.º 126891; Propriedade: Setupress - Soc. Editora, Lda; Director: João Abreu; N.º Registo Legal 414653/16; Jornalistas: (Cf. n.º 3 do art.º 14.º do Dec.-Lei n.º 56/2001 de 19/2); Redacção: Tel: 265 094 354; redaccao@oseixalense.pt - Editor: Humberto Lameiras - C.P.J. 2321A - humberto.lameiras@oseixalense.pt; Ana Martins Ventura - T.P. nº 2579 - ana.ventura@oseixalense.pt; José Pina - C.P.J. 1055 - jose.pina@oseixalense.pt; Departamento Comercial: Tel: 265 092 725; Filipe Tavares - filipe.tavares@oseixalense.pt; Paulo Maldonado - paulo.maldonado@setupress.pt; Logística: Luís Kaiseler; Departamento Administrativo: Tel: 265 094 354 • geral@ oseixalense.pt; Dulce Lança; Branca Belchior; Editor: Setupress - Soc. Editora, Lda. - Pessoa Colectiva com o n.º 510 965 423 com domicílio na Travessa Gaspar Agostinho n.º 1 - 1º Andar - 2900-389 Setúbal; Gerentes: Carlos BordalloPinheiro; Maria Luisa Bordallo-Pinheiro; Carlos Dinis Bordallo-Pinheiro; Sócios com mais de 5 % do capital social: Bordalo Pinheiro Holding, Lda, Carlos Dinis Bordallo-Pinheiro, Rafael Bordallo-Pinheiro; Tiragem: 5000 ex.; - Paginação: Tel: 265 098 405; Sónia Bordallo-Pinheiro; Marisa Batista; Maria João Besugo - paginacao@oseixalense.pt; Impressão: Tipografia Rápida de Setúbal, Lda - Travessa Jorge D'Aquino, 7 - 2900-427 Setubal - geral@tipografiarapida.pt

"O Seixalense" publica os trabalhos dos seus jornalistas e colaboradores de acordo com a ortografia por eles escolhida.


ABERTURA

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

03

 FOTOS: MANUEL FIALHO 

Francisco Carriço apela à luta contra a indiferença para dar alento aos empresários locais Economia Num discurso em que apelou à luta contra a indiferença, Francisco Carriço, presidente da Associação do Comércio Industria Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal, vincou a necessidade de todos se unirem para apoiarem os empresários que mais precisam. No almoço de aniversário da associação criticou a falta de apoio dos governos e autarquias às associações empresariais e lembrou a importância das pequenas, medias e micro empresas para alavancarem a economia regional e nacional POR HUMBERTO LAMEIRAS

A

Associação do Comércio Industria Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal (ACISTDT) comemorou 120 anos e escolheu o Seixal para assinalar a data com um almoço, no passado sábado, no edifício de serviços da Câmara Municipal. Com a presença de representantes das associações de comércio do país e de quase todas as instituições do distrito de Setúbal, esta que é uma das mais antigas associações empresariais no espaço nacional, reuniu ainda à mesa autarcas e dirigentes da Caixa de Crédito Agrícola. “As associações já tiveram um papel mais forte na vida activa do país”, afirmava Francisco Carriço, presidente da ACISTDT, a abrir a sua intervenção. Mas apesar disso, “temos uma união forte”, conluia, para logo a seguir introduzir o tema que guiaria o discurso na celebração deste aniversário. “O movimento associativo é um movimento contra a indiferença. Temos de nos focar uns nos outros,

este é um papel que pertence a toda a sociedade civil”. A falar ao lado de José Landeira Borges, ex-presidente da ACISTDT, o actual dirigente dizia que o reflexo desta falta de sentido social manifesta-se em decisões como “não comprar na mercearia ao lado da nossa casa e preferirmos deslocar-nos a uma grande superfície onde não criamos uma relação pessoal”. Para Carriço é importante que a relação social passe pelo sentido de que “temos de ajudar os empresários de bairro”, sendo esta a “indiferença que a associação quer combater no dia a dia”. Um posicionamento que não tem sido fácil quando se verifica “falta de apoio” dos governos e autarquias que “não reconhecem devidamente o trabalho das associações”. No caso do distrito de Setúbal, “não temos subvenção autárquica, temos de viver com a quotização dos sócios como principal receita”. Perante isto deixava como alerta que “é preciso repensar” o papel das associações empresariais e todo o apoio que dão

aos sócios, desde a formação até questões sobre como elaborar projectos, higiene e segurança no trabalho e também em matéria jurídica. “É preciso continuarmos com o apoio dos sócios para prestarmos os nossos serviços”, dizia Francisco Carriço ao mesmo tempo que argumentava que mesmo aqueles que menos precisam dos serviços da associação devem contribuir, colaborar e participar com a mesma para que os empresários que mais necessitam possam ser apoiados. “Temos de fazer parte do exército contra a indiferença. Não podemos continuar a assistir, constantemente, a lojas do comércio tradicional a encerrarem”, acrescentava. E quando mais lojas fecham, mesmo as mais pequenas, mais sofre a economia. “A vitalidade da economia está directamente relacionada com a capacidade dos empresários fazerem funcionar as suas empresas, de recrutarem pessoas, criarem emprego e terem também capacidade de se unirem para defenderem as suas causas”, dizia João Vieira

Lopes, presidente da Confederação de Comércio e Serviços Portugal na sua intervenção dedicada aos 120 anos da ACISTDT. Pelas contas do dirigente nacional, em Portugal existem 450 mil empresas, sendo que 98,7% são pequenas médias e micro empresas que “têm um papel económico e social importantíssimo, mas só serão relevantes se souberem crescer e adaptar-se à evolução da economia e trabalhar em conjunto”. Tal como Francisco Carriço, o dirigente da confederação considera que o sucesso dos empresários passa pela união. “O trabalho em rede, usando as novas tecnologias, é uma via importante para que as empresas possam ter acesso a mais mundo e mais consumidores”. Numa comemoração em que foram distinguidos os sócios da ACISTDT com 50 ou mais anos de associados, Pedro Costa, da Caixa de Crédito Agrícola deixou a porta aberta para estabelecer protocolos com as associações e desafiou a Câmara do Seixal para uma colaboração de “maior aproximação”.

Francisco Carriço diz que a falta de sentido social manifesta-se em decisões como não comprar na mercearia ao lado da nossa casa e preferirmos deslocarnos a uma grande superfície onde não criamos uma relação pessoal Um recado que o Vice-presidente da autarquia, Jorge Gonçalves, ouviu e, depois de saudar os 120 anos da ACISTDT, vincou que o município do Seixal “tem uma estratégia de desenvolvimento em que o crescimento da actividade económica é central”, por isso, “está aberto a parcerias com as associações para cumprir a estratégia de desenvolvimento do município”.


04

SOCIEDADE

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

Greve da Transtejo adiada mantém utentes em espera por novo plano de requalificação

Soluções em espera A greve e protesto adiado em relação às condições de navegabilidade da frota da Transtejo na ligação Seixal-Cais do Sodré volta a deixar a Comissão de Utentes de Transportes do Seixal em suspenso sobre o futuro deste serviço de transporte público, as condições de navegabilidade e segurança e um futuro apoio que a autarquia do Seixal poderá representar.  DR 

POR ANA MARTINS VENTURA

Toda a movimentação entre as duas margens o rio deveria permitir uma maior ligação entre as populações e de facto não é o que está a acontecer. Continuamos a ter barcos antigos, degradados, com assentos desconfortáveis e sem condições de limpeza e higiene, cujos horários não servem de todo o interesse das populações”, descreve António Freitas da Comissão de Utentes dos Transportes do

Seixal (CUTS), no momento em que a greve da Transtejo mobilizada para os dias 11 e 12 de junho foi desconvocada. António Freitas pondera que os motivos prendem-se “com algum acordo que se tenha conseguido obter entre a administração da Transtejo, os sindicatos e a Comissão de Trabalhadores”. No entanto, no seu parecer, “a greve é só mais um meio de protesto contra uma situação que precisa de soluções urgentes.

As carreiras disponíveis não estão a servir de todo a população e os horários de ponta em que exis-

te maior procura para se deslocaram para os seus locais de trabalho ou regressarem a casa”.

Um Plano de Restruturação que tarda em chegar Em meio às reivindicações dos últimos meses, a CUTS tomou conhecimento de que “existe um plano de restruturação a ser preparado pela Transtejo para a renovação total da frota e requalificação dos equipamentos de apoio, como os parques de estacionamento, iluminação circundante e vigilância”. Mas, enquanto membro da comissão de utentes, António Freitas assume que “este plano nunca nos foi apresen-

tado e não sabemos mesmo, ao certo, tudo o que poderá incluir na totalidade”. Outra questão que continua a preocupar a CUTS é o facto de “a autarquia vir ou não assumir a gratuidade do parque de estacionamento da Transtejo, neste lado do rio, no Seixal”, explica António Freitas. “Pelo que fomos informados pela administração da Transtejo, até ao momento, por motivos de acerto de contas, ainda não foi possível chegar a uma solução viável para ambas as partes”.


TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

05

C/207

PUBLICIDADE


06

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

Festival Náutico está de volta à baía A

partir de 16 de junho a Câmara Municipal do Seixal promove regatas, passeios em embarcações tradicionais e visitas à Caravela Vera Cruz, no âmbito do Festival Náutico Baía do Seixal que decorre até 1 de julho. Uma iniciativa com diversas atividades ligadas ao rio, organizada pela autarquia em parceria com a Aporvela - Associação Portuguesa de Treino de Vela e o Movimento Associativo local. Festival náutico integra um programa do qual faz parte um Treino de Mar a bordo da Caravela Vera Cruz, que permitirá a 12 jovens do concelho viajar de Bordéus para a Baía do Seixal a bordo da Vera Cruz. “Durante a viagem os jovens têm oportunidade de aprender as bases das artes de marinhagem, numa recreação da navegação à vela, em uma embarcação que é réplica das utilizadas nos Descobrimentos”, explica a organização do festival em comunicado à comunicação social. Nos dias 16 e 17 de junho decorre também o Encontro de Embarcações Tradicionais com a presença de diversas embarcações em regata. Os interessados podem participar num passeio a bordo das embarcações no dia 17 e junho.

Viver a experiência a bordo da História

 DR 

val é o Desfile de Embarcações Tradicionais e de Recreio no dia 24 de junho. “Os passageiros poderão subir a bordo das diversas embarcações participantes e usufruir de um belo passeio pelas águas da baía do Seixal”. De 23 a 30 de junho será também possível visitar gratuitamente a Caravela Vera Cruz atracada no Seixal. A bordo da Vera Cruz haverá também animação musical noturna nos dias 29 e 30, com DJ’s convidados e outros grupos musicais. De 25 de junho a 1 de julho e inserido na Rota Barcos do Tejo continuam a decorrer passeios gratuitos em embarcações tradicionais e visitas ao património histórico do concelho: Moinho de Maré, Núcleo Naval, Tipografia Popular, Quinta da Fidalga e Oficina de Artes Manuel Cargaleiro.

Programa 16 e 17 de junho Tall Ships Regatta Bordéus 2018 Embarque de jovens do município do Seixal na caravela Vera Cruz: Bordéus, França Regata de Embarcações Tradicionais do Tejo Organização: Associação Náutica do Seixal Baía do Seixal 23 de junho

Chegada da caravela Vera Cruz ao Seixal Desembarque dos participantes no treino de mar Estação Náutica Baía do Seixal 24 de junho Desfile de embarcações tradicionais e de recreio 23 de junho a 1 de julho Visitas à caravela Vera Cruz

Núcleo de Náutica de Recreio do Seixal Caravela by Night Concertos e animação musical Rota Barcos do Tejo Passeios e programas turísticos no varino Amoroso e visitas ao património histórico, cultural e natural Atividades na água Organização: Associação Náutica do Seixal, Associação

Naval Amorense, Clube de Canoagem de Amora, Clube Recreativo e Desportivo Brasileiro-Rouxinol, Clube de Campismo Luz e Vida e Escuteiros Marítimos do Seixal Animação de rua 1 de julho Partida da caravela Vera Cruz Embarque de passageiros até Lisboa

Um dos pontos altos do festi-

Opinião Política

A Mundet retalhada

E

m Março de 2017 a Câmara Municipal do Seixal comemorou os 20 anos da aquisição de todo o património das antigas instalações fabris da Mundet & C.ª, Lda., no Seixal. Depois da municipalização, a Câmara Municipal do Seixal musealizou dois edifícios da fábrica. Em 1998, abria ao público o Edifício das Caldeiras Babcock & Wilcox e, no ano 2000, o Edifício das Caldeiras de Cozer. Nos 18 anos seguintes pouco ou nada se fez, ou melhor, fez-se: retalhou-

se sem critério. Em Fevereiro de 2017 o Lidl Portugal inaugurava a sua sétima loja do concelho do Seixal. Sem retirar a “bondade” do Lidl em criar mais 27 postos de trabalho, não podemos de deixar de criticar a localização desta superfície comercial em zona nobre da cidade. Seguiu-se o restaurante Mundet Factory – surgindo 20 anos depois da aquisição dos terrenos e edifícios da antiga fábrica corticeira pela autarquia do Seixal (talvez a estratégia comunista estivesse a maturar).

O retalho seguinte projectado é o Pavilhão Desportivo da Mundet. Vocacionado para a prática do hóquei e com um custo de mais de meio milhão de euros, irá substituir o anterior pavilhão, vendido em hasta pública por pouco menos de € 100.00 e que jaz abandonado. Seguiu-se a inauguração no 25 de Abril de 2018 o Armazém 56 – Arte Sx, que por mais que se apele a um nome ao estilo Madison Avenue, no SoHo, Nova Iorque, nunca passará de um armazém

rebocado de novo. Mais um retalho foi feito com a cedência à CGTP de um espaço para o seu arquivo. Promessas à parte de hotéis idílicos à beira rio plantados, 20 anos passados o espaço reúne: um Lidl; um pavilhão polidesportivo, o Ecomuseu Municipal do Seixal, o restaurante Mundet Factory e a Escola de Música do Conservatório Nacional – Pólo do Seixal. É pouco, é muito pouco. Lentos são os ritmos na “terra dos sovietes”. PS: O Governo do PS “atirou”

Marco Teles Fernandes Presidente do PS Seixal a taxa de desemprego para os 7,4% (valores do primeiro trimestre de 2018). De acordo com o INE, é preciso recuar 14 anos, até Abril de 2004, para encontrar uma taxa de desemprego inferior.


TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

07

Ecrã gigante para acompanhar a Selecção Nacional V  DR 

ai acontecer festa no Seixal durante o Mundial de Futebol Rússia 2018, Mundial no Seixal é o nome da Fanzone criada para transmitir os jogos, que estará de portas abertas no jardim da Praça dos Mártires da Liberdade, no Seixal, entre os dias 14 de junho e 15 de julho. Neste novo espaço vai ser possível acompanhar os jogos em ecrã gigante, para além de ter acesso a várias propostas de animação, durante os dias dos jogos de Portugal e aos fins de semana, entre elas: live sets com DJ, insufláveis, jogos de matraquilhos e aulas abertas de canoagem na Baía. Fora dos horários de transmissão dos jogos do Mundial, vão ser realizadas sessões de cinema ao ar livre, algumas delas com filmes infantis. Os jogos da 1.ª fase da Selecção de Portugal vão passar em directo no telão a 15 de junho com o confronto inaugural Portugal x Espanha, às 19 horas. A 20 de ju-

julho, nestes dois últimos dias a partir das 14h30 realiza-se a regata de S. Pedro. O programa contempla ainda sessões de cinema e Live sets com DJ e VJ. A não perder são as tradicionais Festas de S. Pedro que decorrem entre 23 de junho e 1 de julho. Entretanto de 29 a 1 de julho decorre o Caravela Ny Night, inserido no Festival Náutico do Seixal. Para 7 de julho está marcado o À babuja – Festival de Street Art. A iniciativa conta com o apoio da União das Freguesias do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires e Associação Náutica do Seixal.

Telão em Almada nho, pelas 13 horas, o Portugal x Marrocos. A 25 de junho, 19 horas, o Irão x Portugal. No Fanzone, a 15 de junho, a animação decorre entre as 12h30 e as 21h00, com aula aberta de canoagem das 14h00 às 19h00. Este espaço continua a funcionar de 16 de

junho, entre as 10h30 e as 21h00, e a 17 de junho das 12h30 às 21h00. A 20 de junho será entre as 12h30 e as 21h00, repetindo-se nos dias 23 e 24 de junho. A 25 de junho o Fanzone está aberto das 14h30 às 21h00, com aula aberta de canoagem das

13h00 às 17.30 horas, o mesmo horário está previsto para 30 de junho. A 1 de jumho abre à mesma hora mas a aula aberta de canoagem será das 15h00 às 19h00. Este espaço vai estar a funcionar ainda nos dias 6 e 7 julho, 10 e 11 de julho e 14 e 15 de

De 14 de junho a 15 de julho, a Câmara Municipal de Almada volta a associar-se à grande festa do Mundial de Futebol e vai transmitir em ecrã gigante, no Parque Urbano Comandante Júlio Ferraz, os jogos da Selecção de Portugal, bem como as principais partidas da competição.

Opinião Falar Direito

Alienação Parental III (continuação/fim)

N

esta matéria [Alienação Parental] como em muitas outras, citando o Mm.º, Juiz Conselheiro Dr. Armando Leandro, «cada caso é um caso». Porém é possível identificar muitas das atitudes e comportamentos que andam normalmente associados a situações de alienação parental, que a indiciam ou que a denunciam. Entre estas situações, é comum apontar as seguintes atitudes por parte do progenitor alienante e entre elas estão atitudes com um dos progenitores denegrir a imagem da pessoa do outro progenitor, organizar diversas actividades para o dia de visitas, de modo a torná-las desinteressantes ou mesmo inibi-las, não comunicar ao outro progenitor factos importantes relacionados com a vida dos filhos (rendimento escolar, agendamento de consultas médicas, ocorrência

de doenças, etc.), tomar decisões importantes sobre a vida dos filhos, sem prévia consulta do outro cônjuge (por exemplo: escolha ou mudança de escola, de pediatra, etc.), viajar e deixa os filhos com terceiros sem comunicar o outro progenitor, apresentar o novo companheiro à criança como sendo seu novo pai ou mãe, fazer comentários desagradáveis ou depreciativos sobre presentes ou roupas compradas pelo outro progenitor, criticar a competência profissional e/ou a situação financeira do ex-cônjuge, obrigar a criança a optar entre a mãe ou o pai, ameaçando-a com algo desagradável, caso a escolha recaia sobre o outro progenitor, transmitir e faz sentir à criança seu desagrado, quando por alguma forma ela manifesta satisfação ou contentamento por estar com o outro progenitor ou com algo com este relacionado,

controlar excessivamente os horários de visita, recordar à criança, com insistência, motivos ou factos ocorridos pelos quais deverá ficar aborrecida com o outro progenitor, transformar a criança em espiã da vida do ex-cônjuge, sugerir à criança que o outro progenitor é pessoa perigosa emitir falsas imputações de abuso sexual, uso de drogas e álcool, dar em dobro ou triplo o número de presentes que a criança recebe do outro progenitor, danificar, destruir, esconder ou cuidar mal dos presentes que o “outro” dá ao filho, não autorizar que a criança leve para a casa do “outro” os brinquedos e as roupas de que mais gosta, ignora em encontros casuais, quando junto com o filho, a presença do outro progenitor, levando a criança a também desconhecêla, não permite que a criança esteja com o progenitor alienado

em ocasiões outras que não aquelas prévia e expressamente estipuladas. Se está identificar alguns destes sinais, não entre imediatamente em alarme, pois há aqui sinais que são comuns ao nosso dia a adia e até diria que são humanos, mas se está a identificar muitos destes sinais, então fique alerta e tome medidas. Ora, para combater, estas e outras atitudes, a solução é estar atento e ser pró-activo(a) nesse combate, pois, se a intervenção for tardia, a situação pode tornar-se irreversível ou muito difícil de debelar, ou mesmo impossível. Com efeito se o processo de alienação não for interrompido, pode suceder que o grau de alienação seja tal, que acabe por inviabilizar qualquer contacto com o progenitor alienado. Por vezes, os filhos interiorizam

Paulo Cunha Advogado tanto os sentimentos negativos que lhe foram incutidos pelo progenitor manipulador, que os assumem como genuinamente seus, resistindo ao mais leve contacto com o progenitor alienado e rejeitando tudo o que possa evidenciar o contrário do seus sentimentos. Foi o que aconteceu no caso da minha cliente. Uma excelente e dedicada mãe, que apesar de nunca ter deixado de lutar pelo seu filho, de ter ganho todas as batalhas judicias, perdeu aquela que mais queria ganhar – o amor e o respeito do seu filho. Ainda iremos a tempo de ganhar essa guerra?


08

INVESTIGAÇÃO

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

Métodos e estratégias conq Casos & Recursos Tiago João Francisco tinha 19 anos quando desapareceu na serra da Arrábida no dia 23 de julho de 1988. A fazer 20 anos sobre o seu desaparecimento, O Seixalense com o apoio do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal apresenta métodos e estratégias de ação em torno dos atuais casos de Desaparecidos, em comparação com casos mais recentes, como o da jovem Filipa Lourenço desaparecida de Corroios, em 2014. POR ANA MARTINS VENTURA

Em toda esta costa, na zona da Arrábida está a ser realizada a busca pelo jovem Tiago Francisco, que terá desaparecido na Arrábida", apresentava o jornalista Paulo

Nogueira, em reportagem para RTP no dia 26 de julho de 1988. "A zona [onde Tiago Francisco terá sido visto pela última vez) é de difícil acesso, onde está o posto avançado da GNR que hoje prosseguiu com mais buscas. Al-

guns pescadores indicaram que terão visto algumas cordas a flutuar [na costa], bem como alguns ramos partidos [na falésia]". Na tarde 26 de julho de 1988, Paulo Nogueira comentava, "ao fim de algumas horas de busca todos os esforços foram inúteis porque o jovem Tiago Francisco, de 19 anos, continua desaparecido [desde 23/07]. As esperanças residem nesta zona e dizem os bombeiros, assim como a GNR, que encontrar a bicicleta que Tiago Francisco trazia consigo, quando se deslocou para esta zona, no sábado, tornaria possível delimitar uma área circundante e, a partir daí, reforçar e esforço de buscas". Um final de dia em que a GNR dava por encerradas as buscas. "A GNR por hoje pouco mais vai fazer. Há comunicação para amanhã continuarem as buscas". Na época a GNR avançou com a agilização de

buscas. "Vamos prosseguir amanhã, mas com menos efetivos". Após alguns dias do desaparecimento do Tiago Francisco a bicicleta foi encontrada e foi possível delimitar o local de buscas. No entanto, apesar dos esforços, não foi possível encontrar qualquer pista sobre o paradeiro do jovem. Nesse momento, os meios operacionais dos Órgãos de Polícia Criminal envolvidos no caso começaram a ser desmobilizados.

Recursos na atualidade Em 2014 o caso de Filipa Lourenço foi seguido também com grande enfoque. A jovem de 15 anos, residente em Corroios, saiu de casa no dia 15 de fevereiro para ir para a escola, com 20 euros na carteira e alguns livros. Três semanas depois do seu desaparecimento as autoridades estranhavam que o desaparecimento de Filipa estivesse a ser tão prolongado, uma vez que, fugia ao padrão habitual para casos como este. No entanto, continuavam as buscas

e o contacto com a família, amigos, colegas e professores no sentido de conseguir novas pistas. Filipa havia conhecido um rapaz com quem estava a namorar e chegou a enviar um SMS a uma colega a dizer que “ia passar uns dias fora”. Os casos de jovens adolescentes desaparecidas “estão, muitas vezes, associados a relacionamentos que estabelecem através da Internet e redes sociais. Em alguns casos, acabam por se relacionar com um homem mais velho que diz ter

a mesma idade e se aproveita da sua imaturidade, de problemas ou falta de acompanhamento familiar, isto é, da sua fragilidade, ainda que momentânea. Noutros, as próprias adolescentes sabem que se trata um homem mais velho. Um homem que se diz muito apaixonado. E, a partir desta relação começam a planear uma fuga, sem horizonte temporal. Depois de conhecerem a pessoa que está do outro lado, a situação normalmente complica-se, ou porque a pessoa

O que mudou na investigação criminal? Nos últimos 20 anos, a Polícia Judiciária, assim como os outros Orgãos de Polícia Criminal “encontraram novos métodos de trabalho e articulação, tendo por base o desenvolvimento tecnológico”, afirma Vitor Paiva. “Apesar de, nestes tempos que correm, os problemas surgirem de forma acelerada e as soluções em tempo demorado, com a compressão do tempo e do espaço, fruto da globalização e das novas tecnologias, surgiram também novas possibilidades, capacidades, meios e modos de pesquisa ou de busca, que permitem agilizar procedimentos, quer em termos nacionais, quer em termos de cooperação policial e judiciária internacional, e a obtenção de resultados mais rapidamente (o recurso a siste-

mas de GPS, de telemóveis, computadores e de viaturas, ou a análise de contas das redes sociais, por exemplo)”. Desde 2016 que Vitor Paiva, Diretor do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal, com competência territorial que vai de Almada, Barreiro, Montijo, pela costa alentejana até Odemira, procurou implementar um modelo de base de dados que permita classificar os diferentes tipos de Desaparecidos coligindo toda a informação recolhida pela PJ, a GNR e a PSP, com quem se articula constantemente, definindo critérios, prioridades e recursos a aplicar em cada investigação. “Afinal, investigar é gerir informação”. A elaboração deste catálogo, de parâmetros di-

versificados, como a idade e área geográfica, permanentemente trabalhado, atualizado e interpretado, inclui também caraterísticas e classificações por tipo: desorientação; institucionalização/fuga; maus tratos; perturbação psíquica; rebeldia; saúde/ doença; vontade própria; dependência de droga/álcool; desentendimento familiar; suicídio; aparecimento cadáver; causas desconhecidas; outros. A partir da inserção neste desenho de base de dados (instrumento de análise), em permanente atualização, é possível consultar todos os casos registados pelos diferentes Órgãos de Polícia Criminal, “cruzar dados e acrescentar informação de utilidade comum a todos em tempo real”, explica Vitor Paiva.


TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

09

quistados em 20 anos  ARQUIVO 

 DR 

prioridade a sua localização, não descurou nunca a possibilidade de a mesma poder ser vítima de um crime, em particular, de um crime de natureza sexual, atento às regras da experiência”. Desde criança Filipa Lourenço teve acesso às redes sociais, telemóvel de última geração e tablet. Em relação à sua ligação com os pais esta sempre foi vista como saudável. Na escola não havia qualquer referência a problemas de comportamento ou mau aproveitamento escolar.

não é quem pensavam ou porque ao fim de 2 ou 3 dias o dinheiro acaba e as férias também", explica Vitor Paiva, Diretor do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal. Nesses casos "as jovens acabam por regressar a casa ao fim de alguns dias", se não forem localizadas, entretanto. No caso de Filipa Lou-

renço, embora não houvesse nenhuma tentativa de contacto por parte da jovem e já tivesse passado tanto tempo, a investigação apontava para uma situação desta natureza. Pese embora a ausência de notícias, a jovem estaria ausente porque queria. “Sem embargo, a investigação, estabelecendo como

Regressados e Não Regressados Na última década 42% das mulheres desaparecidas foram localizadas e cerca de 47% regressaram. No caso dos homens apenas 39% foram localizados e 45% regressaram. "No caso de homem desaparecido, pela análise do 'todo' dos casos e do tipo de Desaparecidos que temos

registados na nossa base de dados, atualmente conseguimos perceber se esse será um' potencial regressado' ou 'não regressado'", explica Vitor Paiva. "É mais comum o caso de homens que querem desaparecer voluntariamente, por falta de coragem e de soluções para enfrentar questões sociais, problemas do quotidiano ou porque querem mudar de vida, por exemplo. No caso de uma mulher um desaparecimento com total silêncio suscita maior preocupação e acentua a probabilidade de se estar perante a prática de um crime". Embora os recursos sejam "igualmente distribuídos em ambos os casos e agilizados de modo prioritário, a avaliação de risco inerente e o modo como olhamos para cada uma dessas situações é que é diferenciado. Uma análise que, hoje, o estudo de casos através das bases de dados, nomeadamente, permite fazer".

Vitor Paiva, Diretor do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal


10

REGIÃO

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

 DR 

Rua em Cacilhas vai testar medidas para reduzir carbono Ambiente A Rua Cândido dos Reis, em Cacilhas, uma artéria pedonal com forte animação, principalmente na Primavera e Verão, vai ser o palco de teste do laboratório vivo para a descarbonização. Trata-se de um projecto que visa reduzir a pegada carbónica numa rua e depois ser ampliado a uma grande escala.

A

lmada apresentou na passada semana a Comunidade Carbono Zero, um laboratório vivo para a descarbonização, a ser implementado na Rua Cândido dos Reis, em Cacilhas. O projeto resultou de uma candidatura ao Fundo Ambiental e representa um investimento de 1,2 milhões de euros. Segundo a presidente da Câmara de Almada, Inês de Medeiros, este é “um projeto ambicioso e exigente”, que “mostra no terreno que é possível conjugar o desenvolvimento económico e as políticas ambientais”. Os Laboratórios Vivos para a descarbonização estão a ser dinamizados em várias cidades do país, com apoio financeiro do Fundo Ambiental. O projeto de Almada destacou-se entre as 25 candidaturas, tendo obtido a melhor classifi-

cação na fase do Plano de Implementação. A Comunidade Carbono Zero localiza-se em Cacilhas, numa área que “reúne as condições ideais por concentrar usos residenciais, comerciais, diversos transporte e por ser uma zona pedonal e ciclável”, refere a autarquia em nota de imprensa. Este projecto “promete unir moradores, visitantes, restaurantes, lojas e empresas locais, no objetivo comum de criar um espaço dinâmico, mais sustentável e de baixo carbono”. O objetivo final é reduzir a pegada carbónica numa rua, para depois replicar práticas e modelos numa cidade, num país, no nosso Planeta. Durante 10 meses vão ser testadas várias soluções e serviços ambientais inovadores, pela população local, no seu dia-a-dia.

Os Laboratórios Vivos para a descarbonização estão a ser dinamizados em várias cidades do país, com apoio financeiro do Fundo Ambiental

Cinco pilares da Comunidade Carbono Zero de Almada A universitária Filomena Peixeiro, bem como os finalistas do ensino secundário Liliana Rodrigues e João Ferreira voltaram a ser premiados pela dedicação aos estudos com desempenho de excelência. Depois de há um ano, aquando do lançamento da iniciativa em parceria com a Secundária de Palmela, a missão da Santa Casa continua bem presente e os jovens reconhecem a sua importância.

TRØ.CO Moeda local que promoverá a economia circular e a gestão eficiente dos resíduos. A deposição de resíduos será feita em contentores “inteligentes” e recompensada com TRO.COS que poderão depois ser gastos localmente nos estabelecimentos aderentes.

CØ.LECTOR: FAROL Centro colaborativo de ecologística urbana, energeticamente autónomo e construído de

raíz, que receberá os bens e mercadorias, que depois serão distribuídos por viaturas elétricas alimentadas por eletricidade limpa gerada localmente. O Centro Farol será neutro em carbono.

CØ.MUNIDADE.COM Plataforma digital que agrega e monitoriza toda a informação das atividades do da Comunidade Carbono Zero, integrando, por exemplo um sistema de compras coletivas.

CØ.LECTIVO Soluções de promoção do transporte público em detrimento do automóvel individual, como o reordenamento do tráfego e estacionamento na zona e a instalação de painéis digitais com informação em tempo real dos transportes que servem a Comunidade, bem como de uma APP com alertas das partidas e chegadas de Cacilhas.

ELETRI.CØ Energia elétrica limpa e local, produzida com a ajuda do sol, através da instalação de um pavimento fotovoltaico inovador em Portugal e na Europa, e de uma cobertura fotovoltaica no Centro Farol.

As 12 entidades participantes Câmara Municipal de Almada Agência Municipal de Energia de Almada, AGENEAL Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Larus, Artigos para construção e equipamento, Lda Lasting Values, Consultadoria em Gestão e Ambiente, Lda Logistema, Consultores de Logística, SA Luisa Neto Pereira, Consultoria e Assessoria de Gestão, Lda Mota Engil Renewing, SA Transpolis UBIWHERE, Lda UNLK, Lda WE CONSULTANTS

35.ª edição do Festival de Almada segue em frente depois de polémicas orçamentais

D

epois de a 35ª edição do Festival de Teatro de Almada ter estado em risco devido à possibilidade de um corte do financiamento público por arte do Governo. Enquanto a organização do Festival de Teatro e Almada esperava que a Direção Geral das Artes divulgasse o resultado definitivo do concurso que determinava o financiamento do evento, artistas, autarcas e outras figuras públicas apoiavam

publicamente a continuidade do festival. Inês de Medeiros, presidente da Câmara Municipal de Almada, durante uma sessão realizada no Teatro Municipal Joaquim Benite, afirmou que a autarquia continuaria, “em conjunto com a Companhia de Teatro de Almada, a desenvolver todos os esforços para que o Festival veja reconhecida, por quem de direito, a sua importância como acto único no panorama teatral português”.

Um momento em que a Companhia de Teatro de Almada reuniu depoimentos de 73 personalidades portuguesas e estrangeiras, preocupadas com a possibilidade de um corte do financiamento público ao Festival de Almada: Luis Miguel Cintra, Ricardo Pais, Jorge Silva Melo, Nuno Carinhas, Diogo Infante, Tiago Rodrigues, da cena internacional Piccolo Teatro di Milano, Teatro de la Abadía, Festival de Almagro, MIT de São Paulo e da cul-

tura e política portuguesas Yvette Centeno, Nuno Júdice, Luísa Costa Gomes, Miguel Real, João Bosco Mota Amaral, Mário Vieira de Carvalho, Jorge Barreto Xavier, Francisco Lopes e Joana Mortágua). Agora a Companhia de Teatro de Almada anuncia que a 35ª edição decorrerá de 4 a 18 de julho e já estão à venda as assinaturas para todos os interessados a assistir a mais este momento de união entre o tea5tro nacional e internacional.

Este ano a sessão de lançamento conta com a atuação dos alunos da Escola de Jazz Luiz Villas-Boas, do Hot Club Portugal, a 15 de junho nos jardins da Casa da Cerca, data em que será também apresentada a programação completa de todo o festival e realizada a pré-inauguração da exposição de artes plásticas de Paulo Brighenti, autor do cartaz deste ano. Ana Martins Ventura


DESPORTO

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

11

Litos vai treinar o Amora no Campeonato de Portugal Ambição O antigo jogador do Sporting diz que lhe foi pedido para colocar o clube nos campeonatos profissionais no prazo de dois anos mas, como ambicioso que é, quer isso “já amanhã”. A preparação para a nova época começa no dia 9 de Julho, depois dos exames médicos que serão feitos a partir do dia 4.  DR 

POR JOSÉ PINA

L

itos foi apresentado como treinador do Amora, que na próxima temporada vai disputar o Campeonato de Portugal, sucedendo assim a Élio Santos que levou os azuis da Medideira ao título de campeão distrital. O presidente do clube Carlos Henriques deu as boas vindas ao novo treinador e referiu que “é com ele que contamos para este desafio e para estas batalhas. O paradigma do Amora vai mudar porque nos vamos tornar mais profissionais com o objectivo de poder vir a participar em provas mais arrojadas; ou seja, nos campeonatos profissionais”. Litos começou por felicitar a equipa técnica anterior e em especial o seu antecessor, Élio Santos, pelo trabalho realizado e pelo êxito conquistado. “Estão todos de parabéns assim como

a direcção e a administração da SAD que tudo fizeram para que a

equipa subisse de divisão”. “Sem treinar há dois anos e

meio, Litos confessou que “estava farto de estar em casa, precisava de trabalhar e estar no relvado que é onde me sinto bem” e adiantou que que aceitou este desafio porque “venho trabalhar com gente que me conhece de Moçambique onde conseguimos juntos muitos êxitos”. Em relação aos objectivos, o novo treinador do Amora disse: “foi-me pedido para colocar o Amora no prazo de dois anos nos campeonatos profissionais, mas eu quero isso já amanhã. Estamos a preparar uma equipa que seja capaz de dignificar o clube porque queremos o êxito. Se para o ano pudermos estar aqui a festejar a subida tanto melhor”. Sobre o plantel, Litos adiantou que “vai chegar gente nova de outros países mas também alguns jogadores portugueses. Vamos ter que nos ir preparando e perceber como eles se vão adaptar a esta nova realidade

Torneio Complementar de Seniores

RESULTADO

Seixal Clube 1925 festejou conquista do seu primeiro troféu

O

Seixal Clube 1925 foi o vencedor do Torneio Complementar de Seniores. A conquista, a primeira alcançada pela equipa seixalense, no ano de estreia em competições da AF Setúbal, foi alcançada na última jornada da competição após vitória (4-0) sobre o Lagameças, em jogo realizado no Estádio do Bravo. Os seixalenses a jogarem em casa perante o seu público, que encheu por completo a bancada principal, começaram o jogo a todo o gás e aos dois minutos na sequência de um canto, Diogo Cunha atirou à barra. As situações de perigo junto à baliza do Lagameças acentuavam-se e aos 10 minutos surgiu o primeiro golo na cobrança de um penalti por Diogo Cunha, tendo o Lagameças ficado reduzido a 10 unidades por expulsão de Miguel Freitas que

 DR 

4 0 SEIXAL

tante satisfatória LAGAMEÇAS e com ambas as equipas à procura do golo que acabou por surgir de novo para o Seixal, aos 82 minutos, por Pedro Costa. No final não ficou qualquer dúvida quando à justiça da vitória seixalense que saiu bastante valorizada pelo empenho e dedicação do adversário, que nunca deixou de lutar por um resultado diferente.

cortou a bola com o braço quando esta ia a entrar na sua baliza. A equipa visitante, mesmo jogando em inferioridade numérica, mostrava também algum atrevimento em termos ofensivos e aos 17 minutos esteve muito perto do empate. O Seixal, que era sem dúvida a equipa mais pe-

porque este é um campeonato muito competitivo. Tentaremos também colocar a equipa a jogar bem e procurar marcar mais golos que o adversário” O início do trabalho está marcado para o dia 4 de Julho com os habituais exames médicos, no dia 7 haverá um treino no Complexo Municipal Carla Sacramento e a preparação para a nova época começa no dia 9 de Julho, numa primeira fase provavelmente com alguns treinos bidiários. Da equipa técnica fazem parte também Vítor Padinha, como treinador adjunto; David Canilho; David Maside [que coloca assim um ponto final na sua carreira de jogador] e o treinador de guarda-redes Marcos Salvador. O clube ainda não divulgou nada acerca do plantel mas nas redes sociais Madureira, França, Bruninho, Peter, Pedro Pereira e Bernardo já anunciaram a sua saída.

rigosa, causava constantes calafrios no último reduto adversário e, no espaço de três minutos, elevou a contagem para 3-0, com golos de Roque [na sequência de um canto] e Nivaldo, após cruzamento do lado esquerdo. Na segunda parte o jogo continuou a ser jogado de forma bas-

Estádio do Bravo, no Seixal 10 de Junho, 17 horas Torneio Complementar – 14.ª jornada Cerca de 500 espectadores SEIXAL: Fábio; Elvis, João Gémio, Tiago Roque, João Marcelino; Pedro Costa, Diogo Cunha (Aquino, 75’), João Lopes; Edu, Abraham (Lucas, 57’) e Nivaldo (Rui Barros, 68’). Treinador: Tiago Correia LAGAMEÇAS: Tiago Heleno; Ruben Soares A 38’ (Joel Viossi, 72’), José Lopes (Tiago Curado, 65’), Miguel Freitas V 10’, Vasil A 38’; José Martins, Mauro José, Sérgio Alegrias; Luís Barbosa (Filipe Cardoso, 45’), David Nogueira e Ruben Martins (Fuzeta, 76’). Treinador: Nuno Chagas Árbitro: Ulisses Nascimento (Barreiro)

Corroios vence e Paio Pires perde Para a mesma competição, o Ginásio de Corroios recebeu e venceu o Desportivo Portugal por 3-0 com golos de Diogo Rodrigues (44’), Zuca Souza (58’) e Diogo Galvão (68’) e o Paio Pires perdeu por 1-0 na sua

deslocação ao Zambujal, com um golo sofrido aos 55 minutos. Na classificação a equipa de Corroios terminou em segundo lugar com 21 pontos e o Paio Pires em quarto com 15 pontos.


12

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

Reorganização Como as despesas são muitas o clube está a procurar soluções para minimizar a situação. Por essa razão, o Alto do Moinho quer apresentar já na próxima época um projecto com sustentabilidade porque não pode ter andebol a qualquer custo. POR JOSÉ PINA

O andebol é uma modalidade que tem despesas que são insuportáveis para os clubes populares. Por essa razão, no Alto do Moinho estamos a tentar implemen-

Alto do Moinho não quer que o andebol atrofie o desenvolvimento do clube  DR 

tar um projecto para que o andebol se torne sustentável. As despesas federativas são avultadas e nós temos que equacionar todas as situações para evitar o défice. Estamos a preparar a nova época, com a equipa técnica e com os dirigentes, para que as despesas não atrofiem o desenvolvimento do clube. Queremos ter bom andebol e que as nossas crianças pratiquem desporto mas não queremos ter andebol a qualquer custo”, disse Aurélio Fernandes, presidente do clube. “Está tudo a ser preparado pelo vice-presidente desportivo que tem tra-

líder do clube da freguesia de Corroios. A equipa sénior fez uma primeira fase brilhante que culminou com o apuramento para a fase das subidas de divisão mas o presidente do clube diz que esse nunca foi o objectivo.

1.ª Divisão nunca foi o objectivo

balhado muito nessa área. Queremos na próxima época apresentar já um projecto com sustentabilidade. Somos uma referência do andebol, não só na

margem sul mas também a nível nacional, e toda a gente conhece a nossa escola, só que as despesas não se podem manter neste ritmo”, complementou o

Casa Povo de Corroios conquista dois títulos no Regional de Juniores

O

atletismo da Casa do Povo de Corroios continua em grande actividade e os seus atletas a alcançarem bons resultados. No Torneio Nacional de Lançamentos do Laranjeiro, Débora Quaresma ba-

teu o seu recorde pessoal (13,15m no peso/3Kg) e, dois depois, voltou a cometer a mesma proeza na sua primeira internacionalização, em Abrantes, fazendo 13,41m, no Torneio Ibérico. No Campeonato Regio-

nal de Juniores, que se disputou em Setúbal, Daniela Ribeiro foi 8.ª nos 100m com 13,89”, André Leal 2.º classificado nos 100m extra, com 11,13”) e Paulo Aleixo, que na prova de 5.000m, procurava alcançar os mínimos para os

Campeonatos Nacionais de Esperanças, terminou em 2.º lugar, sagrando-se vice-campeão, depois de ter andado sempre na frente da corrida até à entrada da recta final. Na 2.ª jornada desta competição Paulo Aleixo

“Disputámos esta fase com equipas de outras regiões e com outro gabarito, mas mesmo assim portámo-nos muito bem. A equipa teve excelentes prestações mas contra equipas com outros orçamentos os resultados não foram tão

bons. De qualquer forma, creio que representámos condignamente o concelho do Seixal”. Em relação a uma hipotética subida de divisão o presidente do clube referiu que “não tínhamos esse objectivo estabelecido. É evidente que quando se entra numa competição é sempre para ganhar mas a verdade é que não tínhamos orçamento e não estávamos preparados para disputar a 1.ª divisão. A equipa esteve com todo o mérito na fase final mas a subida de divisão nunca foi o nosso objectivo, os jogadores superaram o que havia sido estabelecido.

arrebatou o título de campeão regional nos 3.000m planos (9’ 18”), com relativa facilidade e Débora Quaresma obteve mais uma vitória no lançamento do peso (4 kg) que lhe deu o título de Campeã Regional, com a marca de 11,98m, que a coloca entre as melhores juniores nacionais, apesar de ser ainda juvenil de primeiro ano.

 DR 

Triatelas da Naval Amorense sobem ao pódio em Peniche

O

Triatlo da Associação Naval Amorense participou no passado sábado num prova em Peniche onde os seus atletas representaram de forma condigna o clube que representam com classificações bastante positivas.

 DR 

Quem mais se destacou foi João Alves, que conquistou o primeiro lugar na prova aberta; José Rui Galvão pelo segundo lugar no grupo de idades 50-54; e, Raquel Aleixo, que também subiu ao pódio ao classificar-se em terceiro lugar no escalão de Cadetes.

Casal do Marco conquista dois títulos nacionais

O

Clube Desportivo e Cultural do Casal do Marco conquistou dois títulos de campeão nacional nos Campeonatos de Portugal de Taekwondo (Cadetes e Sub21) que se realizaram no Pavilhão Municipal Fernanda Ribeiro, em Penafiel. Na categoria de Sub21, o

Mundet recebe prova de BTT Resistência

N

destaque vai para Joana Freire e, em Cadetes, para Gonçalo Oliveira que também se sagrou campeão nacional, em combates. Ainda nesta categoria fica o registo do 5.º lugar alcançado por Leandro Costa. De salientar será também a conquista do terceiro lugar colectivo na categoria de Sub21 femininos.

o dia 17 de Junho, domingo, irá realizar-se uma prova de BTT Resistência, na zona histórica da antiga fábrica da Mundet. Os atletas vão ter a oportunidade de pedalar no interior de um símbolo do Concelho do Seixal, onde vão também encontrar obstáculos urbanos naturais. Esta prova é organizada pela equipa da SFOA Cycle Team. Para esta prova os atletas vão ter a possibilidade de optar por competir na prova de 2 horas ou 3 ho-

ras de resistência. A prova de 3 horas tem início às 9 horas em ponto e a de 2 horas arranca passados 60 minutos, ou seja, às 10 horas. O percurso tem uma distância de 9 km e uma altimetria de 140 metros. Uma vez mais o Concelho do Seixal, através das suas colectividades, demonstra a sua força no que aos desportos de duas rodas diz respeito, através da organização de mais uma prova bastante atractiva, tanto para os atletas como para os espectadores.


l especia EMPRESAS & NEGÓCIOS

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

13  DR 

C

om esta edição de O Seixalense publicamos mais um Especial Negócios e Empresas em parceria com a Delegação do Seixal da Associação de Comércio industria Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal (ACISTDS).

Neste especial é referido o protocolo assinado entre a associação empresarial e o Grupo Crédito Agrícola que permitirá aos associados, membros dos órgãos sociais e colaboradores o acesso, em condições vantajosas, aos produtos e serviços finan-

ceiros desta instituição. O documento foi assinado pelo presidente da direção da ACISTDS, Francisco Carriço, pelo seu vice-presidente, Isaú Maia, pelo presidente do Grupo Crédito Agrícola, Licínio Pina e pelo administrador executivo do Crédito Agrícola,

KINESIO TAPE CRIOTERAPIA ACUPUNTURA NATUROPATIA MESOTERAPIA MASSAGEM DE RECUPERAÇÃO MÉDICA, ESTÉTICA E DESPORTIVA

Rua Santiago Kastner, nº13-A (Rua dos Bancos) Santa Marta do Pinhal Tlm 965503119 | email: paulaantunes_30@hotmail.com

José Maia Alexandre. Outro realce numa altura em que a ACISTDS comemora 120 anos, vai para a Casa do Comerciante. Trata-se de realizar o sonho que começou com um grupo de empresários sócios e dirigentes da associação de construir uma

casa de repouso onde os profissionais do comércio e serviços, após uma vida de trabalho intenso e desgastante, possam usufruir de uma instituição com excelentes condições, com a dignidade de que são merecedores e na companhia dos seus antigos colegas de

profissão. A matéria redactorial é da responsabilidade da ACISTDS, e tem por intensão levar cada vez mais a associação aos seus sócios e dar a conhecer ao público em geral o trabalho de uma organização virada para a comunidade.


14

especial

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

EMPRESAS & NEGÓCIOS  FOTOS: DR 

Empresários do Comércio e Serviços projectam Casa do Comerciante H

á vários anos, um grupo de empresários, na altura quase todos a desempenharem funções enquanto membros dos órgãos sociais da Associação do Comércio, Indústria, Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal (ACISTDS), tomou em mãos a implementação de uma IPSS - Instituição Particular de Solidariedade Social, designada Associação de Solidariedade Social dos Comerciantes Empregados de Comércio e Serviços do Distrito de Setúbal e Alentejo, através da qual se pretendia levar por diante uma ambição partilhada por muitos, ou seja, a criação de uma casa de repouso, onde os profissionais do comércio e serviços, após uma vida de trabalho intenso e desgastante, pudessem usufruir de uma instituição com excelentes condições, com a dignidade de que são merecedores e na companhia dos seus antigos colegas de profissão. Foi, então, estabelecida uma Comissão Instaladora, que deu lugar, posteriormente, à constituição de uma Direção e foram redigidos Estatutos próprios, aprovados, registados e publicados em Diário da República, adquirindo-se, também, o reco-

nhecimento como Instituição de Utilidade Pública. O espaço, localizado junto à Escola Secundária de Alcácer do Sal, na Rua do Bom Jesus dos Mártires, nas imediações do antigo Castelo, possui cerca de 24.000m², com um pavilhão, com cerca de 500m², tendo obtido o parecer favorável da Câmara Municipal de Alcácer do Sal e do antigo IGESPAR – Institu-

to de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, I.P. (atual DGPC – Direção-Geral do Património Cultural), bem como do Instituto da Segurança Social, I.P. Trata-se de um projeto digno, com várias valências, desde o repouso ao lazer, com residência assistida, SPA, clínica médica com várias especialidades para utentes internos e externos, ATL, cuidados continuados, restau-

rante, piscina, espaço de manutenção e apartamentos, com capacidade para acolher cerca de 300 utentes. Com todas as questões burocráticas ultrapassadas, a Casa do Comerciante, como é denominado o projeto, aguarda, agora, por financiamento, tendo sido encetados contactos com empresas especialistas na procura e angariação de investidores. O espa-

O lar de repouso fica junto à Escola Secundária de Alcácer do Sal, na Rua do Bom Jesus dos Mártires, nas imediações do antigo Castelo, possui cerca de 24.000m², com um pavilhão, com cerca de 500m², tendo obtido o parecer favorável da Câmara Municipal de Alcácer do Sal e do antigo IGESPAR, bem como do Instituto da Segurança Social

ço destina-se a todos os empresários e empregados do comércio e serviços do distrito de Setúbal e do Alentejo, abrangendo, também, os distritos de Évora, Beja e Portalegre, conforme contemplam os Estatutos.


TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

ACISTDS estabelece Protocolo de Colaboração com Crédito Agrícola

15

INFORMAÇÃO | REGULAMENTO GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS (RGPD) O Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), aprovado pela União Europeia (U.E.), foi criado para proteger o cidadão face ao tratamento de dados pessoais em larga escala por grandes empresas e serviços da sociedade de informação, introduzindo um novo regime em matéria de proteção de dados pessoais, com efeitos a partir do dia 25 de Maio de 2018, com novas regras e procedimentos do ponto de vista tecnológico.

 FOTOS: DR 

Da esquerda para a direita: Carlos Silva (Presidente do Conselho de Administração CA Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo); Luís Marques (Administrador Executivo CA Entre Tejo e Sado); José Maia Alexandre (Administrador Executivo do Crédito Agrícola); Licínio Pina (Presidente do Grupo Crédito Agrícola); Francisco Carriço (Presidente da Direção da ACISTDS); Isaú Maia (Vice-Presidente da ACISTDS); Jorge Valentim Lourenço (Secretário-geral da ACISTDS); Júlio Pires (Administrador Executivo CA Entre Tejo e Sado).

A

ACISTDS – Associação do Comércio, Indústria, Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal e o Grupo Crédito Agrícola assinaram, no passado dia 05 de Junho de 2018, um Protocolo de Colaboração, que permitirá aos associados, membros dos órgãos sociais e colaboradores da instituição, o acesso, em condições vantajosas, aos produtos e serviços financeiros do Crédito Agrícola. Com o presente acordo, os cerca de 5 mil associados da ACISTDS vão beneficiar de vantagens na subscrição de produtos para a gestão do dia-a-dia, nomeadamente nas contas à ordem, cartões e terminais de pagamento, bem como no que se refere ao próprio financiamento, designadamente no acesso a crédito à tesouraria, crédito ao investimento, leasing e outras linhas de financiamento, bem como na proteção de bens e pessoas, com benefícios claros no que respeita aos seguros. O documento foi assinado pelo Presidente da Direção da ACISTDS, Francisco Carriço, pelo seu Vice-Presidente, Isaú Maia, pelo Presidente do Grupo Crédito Agrícola, Licínio Pina e pelo Administra-

Com o presente acordo, os cerca de 5 mil associados da ACISTDS vão beneficiar de vantagens na subscrição de produtos para a gestão do dia-a-dia dor Executivo do Crédito Agrícola, José Maia Alexandre. Em

representação das Caixas da região estiveram Júlio Pires e Luís Marques, da Caixa Agrícola de Entre Tejo e Sado, e Carlos Silva, da Caixa Agrícola de Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo, membros dos Conselhos de Administração das respetivas Caixas. O Grupo Crédito Agrícola marca presença em todas as regiões do país, reforçando, assim, a sua posição no distrito de Setúbal, bem como o seu papel no apoio ao setor empresarial português, motor de desenvolvimento da economia nacional.

Licínio Pina (Presidente do Grupo Crédito Agrícola) e Francisco Carriço (Presidente da Direção da ACISTDS)

Principais alterações introduzidas • Reforço dos direitos dos titulares dos dados (portabilidade dos dados e direito ao apagamento). • Definição de categorias especiais de dados pessoais (dados biométricos, dados de saúde). • Obrigação de auto-avaliação por parte dos responsáveis do tratamento de dados pessoais e dos subcontratantes, caindo a obrigação de notificação prévia à Autoridade Nacional de Controlo. • Mecanismos de certificação em matéria de proteção de dados para efeitos de comprovação da conformidade com o RGPD das operações de tratamento levadas a cabo pelos responsáveis e subcontratantes. • Obrigação de notificação à Autoridade Nacional de Controlo em caso de violação de dados pessoais. • Obrigação de Encarregado de Proteção de Dados nas entidades públicas e privadas. • Agravamento dos valores das coimas: o RGPD prevê a aplicação de sanções às grandes empresas até 20 milhões de euros, ou 4% do volume de negócios anual, para contraordenações muito graves. Transposição da Diretiva Europeia para a Legislação Portuguesa • O Instituto Português de Acreditação, IP – IPAC assume a responsabilidade de acreditação dos organismos de certificação em matéria de proteção de dados. • É criada a fi gura do Encarregado de Proteção de Dados. Em entidades públicas deve existir, pelo menos, um Encarregado de Proteção de Dados por cada área governativa, por cada secretaria regional, por cada município, nas freguesias em que tal se justifique, e por cada pessoa coletiva pública. • Foram, também, definidas regras específicas adotadas em conformidade com o RGPD: • Consentimento de Menores: o tratamento de dados pessoais de crianças relativo à oferta direta de serviços da sociedade da informação é previsto quando as mesmas tenham completado treze anos (solução semelhante na Dinamarca, Espanha, Estónia, Irlanda, Letónia, Polónia, Suécia, Reino Unido, Eslovénia, Noruega, Polónia e República Checa); • Utilização de sistemas de videovigilância: sem prejuízo de legislação especial, devem ser respeitadas as zonas de digitação de códigos de caixas multibanco, instalações sanitárias, zonas de espera e provadores de vestuário e o interior de áreas reservadas a trabalhadores; • Liberdade de expressão e informação: estabelece-se que a proteção de dados pessoais não prejudica o exercício da liberdade de expressão, informação e imprensa; • O Governo optou por definir valores mínimos das coimas: às grandes empresas, 5.000€ para contraordenações muito graves e 2.500€ para contraordenações graves; às pequenas e médias empresas (PME) 2.000€ para contraordenações muito graves e 1.000€ para contraordenações graves; no caso de pessoas singulares, 1.000€ para contraordenações muito graves e 500€ para contraordenações graves.


16

TERÇAFEIRA 12.JUNHO.2018

PUBLICIDADE

Telefone 265094354 geral@oseixalense.pt  

Edição nº 77 dia 12 de Junho de 2018

Telefone 265094354 geral@oseixalense.pt  

Edição nº 77 dia 12 de Junho de 2018

Advertisement