Page 1

PROJECTO PARA REABILITAÇÃO DA CÉLULA DE LAMAS NÃO ESTABILIZADAS DA ETAR DE ALCANENA

15 de Julho de 2010, Câmara Municipal de Santarém

1


ÍNDICE

 ENQUADRAMENTO

 BREVE CARACTERIZAÇÃO DA CÉLULA DE LAMAS

 PROJECTO DE EXECUÇÃO

2


ENQUADRAMENTO DO PROJECTO  GRANDE CONCENTRAÇÃO DE EMPRESAS DE CORTUMES DESDE OS ANOS 70  INDUSTRIALIZAÇÃO DE ALCANENA E TRATAMENTO INCIPIENTE DOS EFLUENTES

PASSIVO AMBIENTAL A Lagoa de Lamas não estabilizadas da ETAR de Alcanena

3


CARACTERIZAÇÃO DA CÉLULA DE LAMAS CARACTERÍSTICAS DIMENSIONAIS  VOLUME APROXIMADO: 64 000 m3  DIMENSÕES APROXIMADAS: COMPRIMENTO TOTAL - 130 m LARGURA (VARIÁVEL) - DE 65 A 50 m PERÍMETRO - 333 m ÁREA SUPERFICIAL - 6 932 m2 PROFUNDIDADE - 11 m

 REVESTIMENTO: GEOMEMBRANA DE BORRACHA DE EPDM DE 1mm REDES DE DRENAGEM DE LIXIVIADOS E DE BIOGÁS – FORA DE SERVIÇO 4


CARACTERIZAÇÃO DA CÉLULA DE LAMAS  CHEIA COM CERCA DE 50000 m3 DE LAMAS PROVENIENTES DA ETAR, COM CERCA DE 15% DE MATÉRIA SÓLIDA  SELADA EM 1996 COBERTURA FLUTUANTE DE GEOMEMBRANA EM PVC (1 mm ESPESSURA) SUSTIDA POR FLUTUADORES EM POLIESTIRENO EXPANDIDO

5


CARACTERIZAÇÃO DA CÉLULA DE LAMAS

 ORIGEM DAS LAMAS DEPOSITADAS NA CÉLULA  LAMAS PROVENIENTES DO SISTEMA INICIAL DE DESIDRATAÇÃO DE LAMAS (FILTROS BANDA) DA ETAR DE ALCANENA (VOLUME DOMINANTE)  GRADADOS RETIDOS PELA OBRA DE ENTRADA DA ETAR DE ALCANENA  DETRITOS PROVENIENTES DA LIMPEZA DE RIBEIRA PRÓXIMA DA ETAR DE ALCANENA 6


TRABALHOS PREPARATÓRIOS

 DEMOLIÇÃO DO MURO PERIFÉRICO  BOMBEAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS DEPOSITADAS SOBRE A COBERTURA FLUTUANTE  REMOÇÃO DA COBERTURA FLUTUANTE  BOMBEAMENTO PARA A CABEÇA DA ETAR DE ALCANENA DA ÁGUA EXCEDENTÁRIA EXISTENTE À SUPERFÍCIE DA CÉLULA 7


REMOÇÃO, DESIDRATAÇÃO, ESTABILIZAÇÃO E DEPOSIÇÃO DAS LAMAS

8


IMPERMEABILIZAÇÃO

 INCLINAÇÃO DA ORDEM DE 1 (H) : 1,5 (V), E ALTURA TOTAL DE CERCA DE 11 m

NÃO REMOÇÃO DA ACTUAL TELA DE REVESTIMENTO  DEFINIÇÃO DO SISTEMA DE CONSIDERANDO OS REQUISITOS MÍNIMOS APRESENTADOS DL N.º 183/2009, DE 10 DE AGOSTO, PARA A CLASSE DE ATERRO DE RESÍDUOS PERIGOSOS 9


IMPERMEABILIZAÇÃO

 BASE  BARREIRA DE SEGURANÇA PASSIVA NA BASE DA CÉLULA CONSTITUÍDA POR ARGILA, ESPESSURA MÍNIMA DE 0,5m E COEFICIENTE DE PERMEABILIDADE DE 1X10-9 m/s  GEOCOMPÓSITO BENTONÍTICO. CONDUTIVIDADE HIDRÁULICA DE K=6X10-12m/s  GEOMEMBRANA EM PEAD, 2 mm DE ESPESSURA, LISA GEOCOMPÓSITO DRENANTE COM ELEVADA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO, COM GEOTÊXTIL EM AMBAS AS FACES, DE 200 kPa E COM DRENAGEM MÍNIMA DE 0,50 l/s.m

TALUDES  GEOCOMPÓSITO BENTONÍTICO. K = 6 X 10-12 M/S

CONDUTIVIDADE HIDRÁULICA DE

GEOMEMBRANA EM PEAD COM 2 mm DE ESPESSURA

10


DRENAGEM DE LIXIVIADOS

 ÁGUAS LIXIVIANTES OCORRERÃO NO PERÍODO QUE DECORRERÁ ENTRE A DEPOSIÇÃO DAS LAMAS PARA ENCHIMENTO DA CÉLULA JÁ REABILITADA E A SELAGEM E CORRESPONDERÃO À ÁGUA PLUVIAL INCIDENTE SOBRE A ÁREA DA CÉLULA DE LAMAS (CAUDAL MÁXIMO FOI ESTIMADO EM 90 m3/h (25 l/s))  SISTEMA DE DRENAGEM DAS ÁGUAS LIXIVIANTES DA CÉLULA DE LAMAS REABILITADA SERÁ CONSTITUÍDO POR: SISTEMA PASSIVO CAMADA DRENANTE (GEOCOMPÓSITO DRENANTE) SISTEMA ACTIVO - REDE DE DRENAGEM (DRENO DN250).

11


DRENAGEM DE BIOGÁS

 ESTIMATIVA DA QUANTIDADE DE BIOGÁS PRODUZIDO NA LAGOA, AO LONGO DO TEMPO EFECTUADA COM RECURSO A METODOLOGIA PROPOSTA PELA EPA METODOLOGIA CONSIDERA QUE A PRODUÇÃO DE METANO É FUNÇÃO DE DUAS VARIÁVEIS (QUANTIDADE LAMAS E TEMPO DECORRIDO DESDE A SUA DEPOSIÇÃO NO ATERRO )

 APLICAÇÃO DO MODELO À LAGOA DE ALCANENA: CONCLUÍ-SE QUE O PROCESSO DE DEGRADAÇÃO DAS LAMAS SE DESENVOLVEU COM RELATIVA RAPIDEZ, SENDO OS VALORES ESTIMADOS PARA A DATA ACTUAL APENAS VESTIGIAIS 12


DRENAGEM DE BIOGÁS

 PARA ALÉM DA CAMADA DRENAGEM SUPERFICIAL DE GASES QUE INTEGRA A ESTRATIGRAFIA DE SELAGEM, SERÃO CONSTRUÍDOS 3 DRENOS VERTICAIS, FINALIZADOS COM O CABEÇAL EM PEAD DN315, COM O OBJECTIVO DE CAPTAR O BIOGÁS QUE EVENTUALMENTE SE VENHA A PRODUZIR PERMITIR O CONTROLO E MONITORIZAÇÃO DO BIOGÁS

 O BIOGÁS CAPTADO PELOS DRENOS SERÁ CONDUZIDO A UMA ESTAÇÃO DE REGULAÇÃO E MEDIÇÃO (ERM) 13


SELAGEM DA CÉLULA DE LAMAS 

GEOTÊXTIL FILTRO NÃO TECIDO, COM 160 g/m²

CAMADA DE GRAVILHA COM A ESPESSURA DE 0,30 m (DRENAGEM DO BIOGÁS)

TELA DE PVC RECUPERADA DA COBERTURA DA LAGOA

GEOMEMBRANA DE 2 mm PARA IMPERMEABILIZAÇÃO

IMPERMEABILIZAÇÃO, COM A ESPESSURA DE 0,50 m DE ARGILA COM COEFICIENTE DE PERMEABILIDADE DE 1 X 10-9 m/s

GEOMEMBRANA DE 2 mm DE ESPESSURA PARA IMPERMEABILIZAÇÃO

DRENAGEM HIDRÁULICA, COM GEOCOMPOSTO DRENANTE DE ELEVADA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO (TRANSMISSIVIDADE MÍNIMA DE 2,2X10-3 m2/s PARA GRADIENTE HIDRÁULICO DE 0,33, SOB A CARGA DE 20 kPa)

SOLO DE TERRA ARENOSA COM A ESPESSURA DE 0,70 m

SOLO CONSTITUÍDO POR TERRA VEGETAL COM A ESPESSURA DE 0,30 m

REVESTIMENTO VEGETAL COM HIDROSSEMENTEIRA 14


SELAGEM DA CÉLULA DE LAMAS

15


DRENAGEM PLUVIAL, INTEGRAÇÃO PAISAGÍSTICA E REPAVIMENTAÇÃO

16


ELEMENTOS COMPLEMENTARES

 PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO AR  PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS E SUBTERRÂNEAS  ESTAÇÃO METEOROLÓGICA

17


ELEMENTOS COMPLEMENTARES Localização dos pontos de monitorização da qualidade das águas subterrâneas

»

»

P 1

P 2 »

P 3

Localização do ponto de monitorização da qualidade das águas superficiais

18


ELEMENTOS COMPLEMENTARES

Localização dos pontos de monitorização da qualidade do ar

19


EMPREITADA PARA REABILITAÇÃO DA CÉLULA DE LAMAS

PRAZOS  LANÇAMENTO DO JULHO DE 2010

CONCURSO

PARA

A

EMPREITADA:

 ADJUDICAÇÃO DA EMPREITADA: DEZEMBRO DE 2010

 CONCLUSÃO DA EMPREITADA: DEZEMBRO DE 2012

20


ESTIMATIVA ORÇAMENTAL

4 5 0 0 0 0 0 E UROS :

108 400 EUROS – QUALIDADE DA ÁGUA (24 meses) 23 660 EUROS – QUALIDADE DO AR (24 meses) 13 300 EUROS – ESTAÇÃO METEOROLÓGICA 4 085 500 EUROS – TRABALHOS DE REABILITAÇÃO E SELAGEM DA CÉLULA

 229 700 EUROS – Estaleiro FINANCIAMENTO: QREN –POVT

PROJECTISTA: AQUALOGUS

21


O B R IG A DA

22

Reabilitação da célula de lamas de Alcanena  

Projecto de reabilitação da célula de lamas industriais de Alcaenan

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you