Page 1

JUNHO2011 · Tel. 241 360 170 · Fax 241 360 179 · Av. General Humberto Delgado - Ed.

Mira Rio · Apartado 65 · 2204-909 Abrantes · jornaldeabrantes@lenacomunicacao.pt

GR

AT U

de

jornal abrantes

IT

O

Director ALVES JANA - MENSAL - Nº 5485 - ANO 112 - DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

PREVENIR É A PALAVRA DE ORDEM...

Espera-se um Verão quente… As forças de combate e especiais dos concelhos do Médio Tejo estão prontas para enfrentar mais uma Fase Charlie. A prevenção é o segredo para evitar a devastação florestal que tem acontecido na região nestes últimos anos. páginas 4 e 5

ENTREVISTA

ECONOMIA

REGIÃO

ABRANTES

Nuno Falcão é o enólogo do ano

Azeites e vinhos premiados

Muita animação nas festas Reabilitação urbana no de Mação e Gavião centro histórico

Nuno Falcão Rodrigues, do Centro Agrícula de Tramagal, é o enólogo do ano. Do percurso já feito e dos novos projectos fala-nos na página 3

Os azeites SAOV e a Casa Anadia e os vinhos Casal da Coelheira e Vila Jardim não param de surpreender com novas medalhas. páginas 14 e 15

Gavião e Mação vão estar em total animação com artesanato, gastronomia e actividades económicas. E muita música, é claro. página 17

O Centro Histórico de Abrantes já tem um projecto de revitalização que foi apresentado e que conta com a participação de todos. página 6


2 ABERTURA FOTO DO MÊS

EDITORIAL

de

jornal abrantes

JUNHO2011

FICHA TÉCNICA Director Alves Jana (TE.756) alves.jana@lenacomunicacao.pt

Sede: Av. General Humberto Delgado – Edf. Mira Rio, Apartado 65 2204-909 Abrantes Tel: 241 360 170 Fax: 241 360 179 E-mail: info@lenacomunicacao.pt

Q

Redacção Jerónimo Belo Jorge (CP.1907) jeronimo.jorge@lenacomunicacao.pt

Joana Margarida Carvalho (CP.9319) joana.carvalho@lenacomunicacao.pt

André Lopes

Publicidade Andreia Almeida andreia.almeida@lenacomunicacao.pt

Miguel Ângelo miguel.angelo@lenacomunicacao.pt

Design gráfico e paginação António Vieira

Abrantes, 2011

palavras para quê? É uma intervenção urbana, arte pública, cultura portuguesa.

Impressão Imprejornal, S.A. Rua Rodrigues Faria 103, 1300-501 Lisboa

Editora e proprietária Media On Av. General Humberto Delgado Edf. Mira Rio, Apartado 65 2204-909 Abrantes

INQUÉRITO

Pretende frequentar as praias fluviais da região, durante este Verão?

GERÊNCIA Francisco Santos, Ângela Gil

Departamento Financeiro Ângela Gil (Direcção) Catarina Branquinho, Gabriela Alves info@lenacomunicacao.pt

Marketing

Marco Barata

Rúben Tomé

Nuno Machado

Sardoal

Abrantes

Chainça

Sim pretendo ir à Aldeia do Mato, Cabeça Gorda, Vale de Manso. Para além de serem mais perto, têm um ambiente agradável, são sítios calmos e com muito pouca confusão.

Penso ir até à Aldeia do Mato e Alamal. Gosto bastante do ambiente. Não ficam muito longe e no Alamal temos esplanadas e um areal, o que se torna agradável.

Costumo ir todos os anos para Castelo de Bode. A água é uma das melhores, qualidade de ouro, e como gosto muito do contacto com a natureza. Lá posso usufruir de um sítio calmo sem muita gente.

Catarina Fonseca marketing@enacomunicacao.pt

Recursos Humanos Sónia Vieira drh@lenacomunicacao.pt

Mudar a página da crise política foi fácil. Bastou a convocação de eleições e… já está. O resto, veio por acréscimo. Hoje respira-se ar fresco, esperança renovada, mesmo que sob uma grande incógnita. Mas não vai ser fácil, nada fácil mesmo, resolver as crises financeira, económica e cultural sobre as quais assentam a actual crise política. E se ao nível da alta política muito há a fazer, não é aí que está o essencial do trabalho que falta. É ao nível dos vários níveis da sociedade que há que fazer as mudanças que nos permitam passar do caminho da crise para o da solução. O grande problema é que existe um Portugal que é capaz, que tem futuro, que está a um nível internacional, e um Portugal inqualificado, de baixa capacidade de resolução, de grande ineficácia. O desafio é aumentar a extensão do primeiro e, assim, diminuir a do segundo. Goste-se ou não, este é o nó do problema. Apenas sobre a solução deste se podem resolver os outros. Mas não é apenas o desafio do país. Por natureza, é também o desafio desta nossa região. Também aqui há secções, empresas, serviços, organizações com um nível de primeira e outros de refugo, de lixo. O grande desafio que temos pela frente, aqui, ao longo de todo o tecido social, - vamos a isso? - é o de potenciar o factor Q, de Qualidade. ALVES JANA

SUGESTÕES

Sistemas Informação Tiago Fidalgo (Direcção) Hugo Monteiro dsi@enacomunicacao.pt

ANA MARIA ROMÃOZINHO DIAS, professora Tiragem 15.000 exemplares Distribuição gratuita Dep. Legal 219397/04 Nº Registo no ICS: 124617 Nº Contribuinte: 505 500 094 Sócios com mais de 10% de capital Sojormedia 100%

jornaldeabrantes

IDADE 52 RESIDÊNCIA Constância PROFISSÃO Estudante UMA POVOAÇÃO Constância, a vila poema UM CAFÉ «Pézinhos no Rio», em Constância UM BAR não costumo frequentar

UM PETISCO ovos verdes e peixinhos da horta UM RESTAURANTE «Remédio d Alma», em Constância PRATO PREFERIDO Cozido à Portuguesa UM LUGAR PARA PASSEAR Serralves, no Porto UM RECANTO PARA DESCOBRIR

Portugal UM DISCO «Quiet Nights», de Diana Krall UM FILME «Forrest Gump», de Robert Zemeckis UMA VIAGEM Egipto UM LEMA DE VIDA A vida é uma viagem a ser apreciada com serenidade e beleza.


ENTREVISTA 3

JUNHO2011

NUNO FALCÃO, ENÓLOGO

Do “melhor rosé do mundo” para “enólogo do ano” JOANA MARGARIDA CARVALHO E ALVES JANA

Nuno Falcão, 40 anos Bacharelato em Produção Agrícola, Escola Superior Agrária, em Castelo Branco. Licenciatura em Engenharia Agro-Industrial, Instituto Superior de Agronomia, em Lisboa. Enólogo do ano 2011 (Gala dos Vinhos do Tejo)

Nos 25 Anos do Casal da Coelheira, o seu enólogo tem a satisfação de ver o “seu” vinho obter novos prémios e ele próprio ser reconhecido como “o melhor enólogo do ano”. A palavra a ele.

O que é a distinção “enólogo do ano”? Refere-se à prestação das empresas, produtores e enólogos e à forma como os vinhos foram distinguidos nos concursos nacionais e internacionais no ano de 2010. Foi atribuída pela Comissão Vitivinícola Regional, que é o organismo que tutela os vinhos do Tejo, responsável pelo controlo de qualidade e certificação dos mesmos. Normalmente, o enólogo do ano é um consultor de várias adegas em várias regiões. Ora, estando eu apenas a trabalhar num produtor, não estava a contar com este prémio, por isso mesmo tão importante para a minha carreira profissional. Acredito que seja complicado voltar a receber esta distinção, pelo que é um culminar da minha carreira. Foi um reconhecimento do trabalho que tem sido feito durante estes 25 anos no Centro Agrícola de Tramagal. O reconhecimento de pequenos passos, mas de passos certos que tomei até aqui. Como nasceu esta paixão? Eu sempre estive ligado à agricultura. Desde os meus bisavós, a agricultura sempre foi a actividade dominante da família, mas não tínhamos uma ligação com os vinhos. Em 1986, comprámos o Casal da Colheira com apenas sete hectares de vinha, mas nem tínhamos adega. A qualidade da uva não era fantástica e nem conseguíamos fazer uma avaliação do nosso produto, porque vinificávamos com um vizinho. O vinho não estava nos meus horizontes. Em 1989, comprámos a adega e mais umas vinhas que pegavam aos terrenos que já tínhamos. Nesta altura, comecei a acompanhar as vinificações e coincidiu com o finalizar do curso que tirei na Escola Agrária de Castelo Branco. O bicho começou a mexer e parti para França, em Erasmus, onde estive numa Estação de Investigação bastante

Quinta do Casal da Coelheira, Tramagal Inauguração: 1986 Vinha: 64 hectares Produção anual: 450 mil litros Trabalhadores: 7 a tempo inteiro Países já de exportação: Bélgica, Suíça, Luxemburgo, Suécia, Polónia, França, Alemanha, Espanha, Brasil, Canadá e Angola.

reconhecida na área dos vinhos. Foi uma experiência óptima, uma vez que os meus conhecimentos em vinhos eram menos do que básicos. Tive a oportunidade de conviver com profissionais de alta categoria que me ajudaram imenso. Senti aí sempre um apoio fantástico e uma simplicidade muito grande na forma como me explicavam por vezes o mais básico. Quando regressei senti que deveria continuar a apostar na minha formação em vinhos, e decidi tirar o curso de Engenharia Agro-industrial, em Lisboa. Foi nesta altura, que comecei a fazer enologia na adega, mas ainda acompanhado por um enólogo profissional. Ao fim-de-semana lá vinha eu provar os vinhos, fazer análises e definir estratégias. Em 1997, fiz a primeira vindima sozinho. Nesta etapa, ainda não estava a 100% na empresa e decidi dedicar-me durante mais algum tempo à investigação. Pude conviver com o especialista em vinho Virgílio Loureiro, uma referência nacional que me desafiou para ingressar num doutoramento. Foi

algo em que apostei ainda durante dois anos, mas acabei por não o concluir. Em 2000, o meu pai adoeceu e sentimos ambos a necessidade de eu assumir a casa por inteiro. Acabou por correr tudo bem com o meu pai, e neste momento gerimos ambos o Centro Agrícola de Tramagal. Qual é o trabalho de um Enólogo? O trabalho mais apaixonante de um enólogo é termos à nossa disposição 30 depósitos com 30 vinhos diferentes e termos como objectivo produzir um vinho único, por exemplo o Casal da Coelheira tinto 2009. É um trabalho um pouco desgastante, que leva tempo a concluir e que exige uma prova dos vinhos todos os dias. Quando terminamos a vindima começo a prova e a definir patamares qualitativos dos depósitos. No final, há definição dos vinhos, com o estilo e perfil que ambicionamos. Outra etapa do trabalho é a vindima. Durante um mês e meio é

um trabalho intensivo. Nesta fase há decisões que tenho de tomar no momento, mas sempre com a noção que os vinhos têm os seus tempos. No caso dos vinhos tintos, desde o sumo da uva até à fase em que já temos vinho, a transformação demora cerca de uma semana. Relativamente ao branco, o período é mais prolongado, cerca de um mês, uma vez que fermenta a temperaturas mais baixas em relação ao tinto. Depois haverá sempre uma fase de maturação e afinamento dos vinhos. A fase de engarrafamento e comercialização também é acompanhada por mim, pois é importante garantir o estado sanitário dos vinhos. Os óptimos resultados na qualidade dos vinhos portugueses no exterior não se tem traduzido em resultados comerciais… Nós sofremos com a imagem de que os vinhos de Portugal são medianos e por isso têm de ser baratos. A nossa estratégia, enquanto pequeno produtor, é contornar esta ideia e, em vez de entrarmos

em guerra com os países mais competitivos, é apostar nos mercados emergentes, como a Roménia, a Rússia, a Ucrânia, a Polónia, onde já estamos, o Brasil e a China. Quais são os objectivos futuros do Centro Agrícola do Tramagal? Temos em mãos dois projectos. Um está relacionado com o atendimento e acolhimento do público, pretendemos melhorar a divulgação do nosso produto com a construção, aqui, de uma loja, para os vinhos terem uma apresentação mais moderna e espaçosa. Para além da loja, vamos ampliar a nossa área social aumentando o espaço para receber os nossos convidados. O segundo projecto, com o grosso do investimento, é na área produtiva. Queremos dotar a adega de uma maior capacidade de vinificação. Neste momento a adega encontra-se no seu limite. (Nas páginas 14 e 15, leia um trabalho sobre os prémios do vinhos do Casal da Coelheira em 2011.)

jornaldeabrantes


4 DESTAQUE

JUNHO2011

PROTECÇÃO CIVIL EM TEMPO DE VERÃO

A Floresta é um barril de pólvora JERÓNIMO BELO JORGE

A floresta da região, constituída na sua maior parte por pinheiro e eucalipto, está um barril de pólvora. É assim que comandantes de bombeiros e responsáveis de protecção civil municipais caracterizam o actual estado das coisas.

Apesar de algum trabalho de limpeza nas proximidades de estradas e nas povoações, o certo é que, se entrarmos pelos estradões florestais, encontramos a mata desordenada, suja, com muita matéria combustível e, nalguns casos, com muitas árvores caídas. Situação que, perante a perspectiva de um Verão quente, causa muitas preocupações nos responsáveis pela defesa da floresta contra os incêndios e para aqueles que têm por missão combater os fogos. A ausência de trabalhos na floresta, a inexistência, na maior parte do território, de um ordenamento correcto e o desinteresse dos seus proprietários colocam hectares e hectares de pinhal e eucaliptal em risco, quando se aproxima mais um Verão. À partida para a época mais quente do ano e face à crise económica do País, o anterior Governo diminuiu o dispositivo aéreo contratado para este ano. Mesmo assim, há a expectativa de uma maior operacionalidade no ataque rápido a cada fogo nascente. Aliás, na região, foi esse o registo dos últimos dois anos e com resultados visíveis. “Um incêndio nascente com cinco minutos apagase a pontapé, enquanto que um incêndio com 15 minutos pode ser necessária uma grande quantidade de meios e pode não se apagar”, defendem os homens da protecção civil e Eugénio Sequeira, ex-presidente da Liga Para a Protecção da Natureza. É neste sentido que no período mais crítico do Verão, meses de Julho e Agosto, os dispositivos de bombeiros são reforçados com equipas permanentes e com o pré-posicionamento dos meios na prevenção e vigilância da floresta.

Em Abrantes Em Abrantes, o maior concelho, existem muitas preocupações. Há vários anos que não há um incêndio de grandes dimensões mas, alerta João Pombo, o rastilho está colocado. A mata tem muita matéria combustível face ao crescimento natural e desordenado. No período do Verão os bombeiros deslocam viaturas para o Norte do concelho, onde fazem vigilância. Já o Sul do concelho fica com as equipas de Sapadores Florestais

jornaldeabrantes

da Associação de Agricultores. São estes meios no terreno que constituem a primeira intervenção a qualquer fogo que possa deflagrar. Mesmo assim, a protecção civil municipal tem uma lista de contactos com todos os meios existentes no concelho. Entre máquinas de rastos, que podem abrir estradões florestais, a agricultores que têm tractores que podem servir para fazer aceiros ou então juntas de freguesia ou associações de caçadores que têm pequenos kits de combate a fogos, todos podem dar uma ajuda. Mesmo assim, a limpeza das matas, segundo João Pombo, da protecção civil municipal, é uma das grandes preocupações, face à ausência do ordenamento correcto em todo o concelho.

te dos bombeiros, revelou ao JA que no Verão deslocam viaturas para a Serra de Alcaravela, a maior mancha florestal do concelho. Já a equipa de Sapadores Florestais, da autarquia, irá trabalhar mais na zona de Santiago de Montalegre. Pedro Curado revelou os mesmos receios do Verão face à situação da floresta. Sardoal conta com uma equipa de Canarinhos, a Força Especial de Bombeiros, que operam com o helicóptero que, novamente, está estacionado no heliporto do concelho, assim como uma outra que opera em terra. Estas equipas podem sair para qualquer ponto da região mas constituem também uma intervenção especializada e rápida no concelho de Sardoal e concelhos limítrofes.

Em Constância Em Mação

No Sardoal Em Sardoal o sistema é idêntico. Pedro Curado, segundo comandan-

meira intervenção rápida é fundamental para impedir a propagação e a destruição da floresta. Também aqui, tanto os bombeiros voluntários como a autarquia vão posicionar meios nas zonas mais afastadas da sede do concelho. António Louro não se coíbe, no entanto, de apontar a prevenção e o trabalho na floresta como o mais importante. “Quando se olhar de forma séria para a floresta, quando for feita uma prevenção correcta, então teremos menos incêndios florestais”. O vereador destacou ainda os meios que existem nas juntas de freguesia e que podem ser, a qualquer momento, a primeira intervenção em caso de incêndio.

António Louro, o vereador responsável pela protecção civil do concelho de Mação explicou que a pri-

Adelino Gomes, comandante dos Bombeiros Voluntários de Constância, destacou desde logo o trabalho de prevenção feito em todo o

Santarém tem o comando nacional alternativo O Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, que está instalado em Almeirim desde Setembro de 2009, passou a ser considerado o Centro Nacional de Operações de Socorro (CNOS) alternativo. Quer isto dizer que, se a estrutura principal da Protecção Civil em Lisboa deixar de ficar operacional por catástrofe ou outro qualquer motivo, o comando nacional de socorro passará a estar concentrado em Almeirim, sendo esta a base de resposta a todas as situações de emergência.

A cidade ribatejana foi escolhida pela sua localização central, a nível do país, e pela excelente rede de acessibilidades à sua volta, justificou Arnaldo Cruz, explicando que esta situação vai manter-se até à construção definitiva de um CNOS alternativo em Viseu. Caso se verifique a necessidade do CDOS de Santarém responder como CNOS alternativo, a centralização dos meios de socorro afectos ao distrito será transferida para o quartel dos bombeiros de Abrantes.

seu território, sublinhando que esse tem sido um esforço constante. Também aqui tem meios deslocados no Posto de Bombeiros de Santa Margarida, Sul do Concelho, para uma deslocação rápida aos incêndios que ocorram. F ace aos problemas financeiros do País, também no que diz respeito aos cortes na protecção civil, Constância vai ter menos uma equipa de intervenção, o que “não prejudica o concelho mas pode não permitir o apoio aos concelhos vizinhos de forma tão rápida como aconteceu nos anos anteriores”. O Sul de Constância tem uma considerável área militar. Adelino Gomes sublinhou que a intervenção dentro do Campo Militar de Santa Margarida é sempre dos Bombeiros, embora conte sempre com algum apoio militar. Aliás, o apoio militar pode acontecer em qualquer parte do concelho, embora reconheça que os meios existentes no campo militar não têm grande capacidade de intervenção.

Em síntese Seja como for, todos os responsáveis de bombeiros e protecção civil deixam os mesmos conselhos. Limpar a mata junto às habitações, criando faixas de contenção no caso de existirem incêndios florestais. Por outro lado, no caso de detecção de algum incêndio, devem os cidadãos contactar o 118, 112 ou então os bombeiros de cada localidade porque uma intervenção rápida no combate a um incêndio é fulcral.


DESTAQUE 5

JUNHO2011

Mac Fire ou o comando móvel de Mação Depois dos incêndios que destruíram em 2003 e 2005 quase toda a mancha florestal do concelho de Mação a autarquia voltou-se ainda mais para a prevenção mas não deixou de lado os meios de combate aos fogos. Nesse trabalho de prevenção Mação passou a dispor de uma viatura própria de comando e coordenação. Tratase o MacFire. O Mac Fire (Mac de Mação, Fire de fogo) foi desenvolvido por técnicos informáticos maçaenses e por especialistas de uma empresa do ramo das novas tecnologias - a PLogP. Na base do sistema está a cartografia militar, mas também as cartas de risco de incêndio e os hortofotomapas (fotos aéreas rectificadas no solo). A novidade introduzida por António Louro foi integrar esta informação e sobrepor os mapas, permitindo visualizá-los todos ao mesmo tempo. A tudo isto, junta-se a tecnologia GPS, dando a localização exacta das via-

turas no terreno, bem como a posição das frentes de fogo e o valor rigoroso da área atingida, o que permite prever a sua provável evolução. “É uma ferramenta informática que pode ser usada pelo comando numa situação de catástrofe”, explicou António Louro. A situação no terreno é acompanhada a par e passo, ficando ainda disponíveis informações importantes sobre a localização, características e operacionalidade de todas as infra-estruturas florestais relevantes no combate aos incêndios, como tanques, charcas e estradões. Quando as áreas atingidas são descomunais e os meios envolvidos imensos é que “se torna necessária uma ferramenta que permita ao comandante evitar descoordenações”, adiantou António Louro. O sistema Mac Fire é único no mundo e recebeu, em 2006 o “El Batefuegos de Oro”, atribuído pelo Ministério do Ambiente de Espanha.

• Sardoal conta com uma equipa de Canarinhos, a Força Especial de Bombeiros.

Mais rapidez no ataque inicial aos fogos O dispositivo de combate aos incêndios foi reduzido este ano em meios aéreos devido à crise, mas a Protecção Civil reorganizou os meios humanos em terra, para atingir melhores resultados e contrariar este constrangimento, disse fonte daquela autoridade.

A eficácia dos meios de combate aos incêndios está muito dependente da rapidez da detecção e do tempo que demora até ao início do ataque ao fogo. Foi de resto, na região de Abrantes, a grande mais valia do ano passado que evitou a propagação dos muitos fogos nascentes que

se registaram. As estruturas, segundo a Protecção Civil, estão montadas de tal forma que todo o território está coberto por meios aéreos de primeira intervenção que operam em raios de 40 quilómetros, existindo em cada um desses raios pelo menos uma estrutura operacional - centro de meios aéreos com todos os meios terrestres e aéreos preparados para atacar o fogo, para além dos recursos disponíveis nos corpos de bombeiros, afirmou a mesma fonte. Na fase “Charlie”, a mais crítica, entre 1 de julho e 30 de setembro, vão estar disponíveis este ano 24 helicópteros ligeiros, dez de capacidade

média e cinco helicópteros pesados e apenas dois aviões anfíbios (quando no ano passado estiveram ao serviço 16 aviões, dois deles anfíbios). Dos 41 meios aéreos, apenas sete pertencem ao estado português, todos os outros resultam de contratos feitos pela EMA (Empresa de Meios Aéreos). O heliporto de Sardoal, situado junto ao quartel de bombeiros, voltará a ter um helicóptero que vai operar na região. A Associação dos Produtores de Pasta de Papel (CELPA) voltará a colocar na Herdade da Caniceira (Tramagal) um helicóptero que poderá ajudar nas operações de combate a incêndios.

jornaldeabrantes


6 ABRANTES

JUNHO2011

CENTRO HISTÓRICO

Projecto de revitalização aposta nos 3 cês O Projecto de Revitalização do Centro Histórico de Abrantes foi apresentado ao público no Dia do Concelho, 14 de Junho. A proposta é da responsabilidade da equipa de Augusto Mateus e foi elaborada com base nos projectos da Câmara Municipal e com contributos de vários grupos de cidadãos reunidos em sessões de trabalho para esse efeito. Em síntese, pode dizer-se que a aposta é revitalizar o Centro Histórico como “centro comercial” de ar livre, como “centro residencia” tipo condomínio e como “centro cultural”. O conceito de centro comercial de ar livre já há tempos que vem a ser trabalhado, tendo sido criada uma associação para o efeito. Trata-se, portanto, de revitalizar este mesmo projecto. O centro residencial, que visa disponibilizar novos fogos para habitação através da recuperação de imóveis degradados e fixar novos habitantes, de preferência jovens, vai exigir um significativo esforço financeiro. O centro cultural começa pelo próprio património edificado ou o casco do centro histórico e passa por projectos vários de equipamentos e programas de actividades. No projecto a desenvolver há três componentes essenciais. Desde logo o financeiro, como não podia deixar de ser, para o que há vários programas de apoio e financiamento a que a Câmara e os particulares poderão

jornaldeabrantes

recorrer. Depois, o apoio técnico especializado de que as equipas de Augusto Mateus e Carrilho da Graça farão parte, entre outros. Finalmente, a participação activa e concertada dos habitantes, dos comerciantes e dos utilizadores do Centro Histórico com as várias autoridades e organizações que têm poder no Centro Histórico. E esta é talvez a componente mais difícil a conseguir tornar efectiva. Com efeito, os contratos de financiamento e os projectos de construção são fáceis de concretizar, desde que para o efeito sejam feitos os competentes estudos qualificados. Mas a participação das pessoas, o envolvimento dos interessados, a concertação de opiniões e interesses, exigem mudanças de hábitos e

afectos que são difíceis de conseguir. Contudo, todo o projecto assenta num compromisso entre e com esses actores privilegiados. Para estimular e sustentar essa participação, o projecto prevê vários empreendimentos a realizar pelo Município que são, por si mesmos, acção de qualificação do Centro Histórico e visam devolver alguma da vida que foi perdendo.

Alguns projectos para o Centro Histórico A lista de projectos que compõem a intervenção directa da Câmara Municipal no centro Histórico não está fechada e os exemplos dados foram isso mesmo, exemplos. No entanto, podemos dar uma listagem dos que

foram referidos. Desde logo, a construção do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte, talvez o investimento mais avultado e o mais discutido. A mudança da ESTA para Alferrarede vai permitir a instalação onde ela se encontra dos serviços centrais da Câmara. Por detrás, vai ficar o Centro de Saúde, onde em tempos foi a rodoviária. Em frente, fica o Mercado Diário, já em construção, com ligação ao parque de estacionamento subterrâneo no largo do tribunal, ainda à espera de projecto. Onde hoje se encontra o mercado diário da fruta, ficará a Segurança Social, e onde até há cerca de um ano era o mercado diário já está a arrancar o Mercado Criativo. No antigo centro de emprego foi prometido que vai abrir já em

setembro a residência para estudantes da ESTA e uma Loja da Juventude. Onde está hoje a galeria de arte e chegou a estar prevista a residência de estudantes vai ser construída habitação a custos controlados. E a Galeria de Arte vai subir para o antigo quartel dos bombeiros. Junto ao castelo foi já inaugurado um parque de estacionamento, requalificado, e o jardim do castelo tem já um projecto de requalificação aprovado. Mesmo ao lado, a Oficina da Cultura, onde em tempo funcionou a Universidade Internacional, portanto na Casa carneiro, vai ser um espaço para associações culturais. Para ligar tudo isto e facilitar o acesso ao Centro Histórico, um mini bus eléctrico vai entrar ao serviço lá para o final do ano. Entretanto, está já a funcionar a Internet sem fios acessível no Centro Histórico. Como os leitores do JA depressa percebem, estes projecto não são uma verdadeira novidade, pois têm sido já anunciados pela Câmara Municipal. No entanto, o que agora se pretende é, por um lado, testar e fundamentar tecnicamente a lógica do processo, depois constituir um dossier coerente para candidaturas, e finalmente desenvolver um processo de apropriação pelos parceiros locais que reforce o seu envolvimento. O objectivo final é, então, a revitalização e requalificação do Centro Histórico. Alves Jana


jornaldeabrantes


8 ECONOMIA

JUNHO2011

AOS 60 ANOS DE EXISTÊNCIA

Castelo de Bode é barragem de referência Foi em Janeiro de 1951 que a barragem de Castelo de Bode foi inaugurada. Fez, portanto, 60 anos há poucos meses. Mas está jovem, se assim se pode dizer, depois das obras de requalificação de que foi alvo nesta última década.

Nasceu à sombra da “política de electricidade” anunciada em Julho de 1945 pelo Governo de Salazar e foi a primeira grande hídrica que veio alterar profundamente a geografia física e social desta região. A sua albufeira tem cerca de 60 km de comprimento e constitui uma importante reserva de água com várias utilizações, entre elas dar de beber sobretudo através da EPAL a cerca de três milhões de pessoas e produzir uma média de 400 GWh de electricidade por ano. Para lá disso, funciona como regulador dos caudais do Zêzere e do Tejo, espaço de recreio e lazer e tem um elevado potencial turístico com as múltiplas efeitos directos e indirectos.

Os sistemas básicos de produção de electricidade, as válvulas, as turbinas e os alternadores, são os mesmos que forma montados há 60 anos, embora restaurados. Mas, como seria de prever, os sistemas auxiliares de produção e sobretudo os de gestão estão hoje profundamente modernizados. Por isso, a barragem de Castelo de Bode cuida com esmero do seu acervo museológico e abastece o Museu de Electricidade em Lisboa. Os sistemas de gestão, onde a informática e o telecontrolo são essenciais, estão hoje ao nível do melhor do mundo. Por tudo isso, a barragem de Castelo de Bode recebe uma média de 10.000 visitantes por ano, desde crianças do jardim de infância até estudantes universitários e mesmo responsáveis por sistemas de produção eléctrica por esse mundo fora que vêm ver como se faz numa barragem que é tida como de referência a nível mundial. Alves Jana

CENTRO DE PRODUÇÃO TEJO-MONDEGO

EDP A EDP opera hoje em 14 países, pelo que é já uma empresa internacional. Em Portugal produz cerca de 52% da electricidade fornecida à rede eléctrica. A Tejo Energia, por exemplo, é outra entidade produtora de electricidade, para lá de muitas empresas e famílias. Além disso, a EDP também já não é a única fornecedora de energia eléctrica, pois desde 1999 há já a possibilidade de os clientes escolherem o seu fornecedor de energia eléctrica. A EDP, além de contribuir para a garantia de fornecimento da energia eléctrica necessária em Portugal, participa ainda no esforço para garantir o cumprimento do objectivo europeu 20 20 20, ou seja, que em 2020 haja uma diminuição de 20% das emissões de CO2 e um ganho de 20% em eficiência energética.

jornaldeabrantes

46 barragens são geridas a partir de Castelo de Bode O Centro de Produção TejoMondego gere directamente 36 centrais de produção eléctrica que vão de Palhal e Riba Côa, a norte, até à de Alqueva.

Com um total de 126 trabalhadores, distribuídos por todas as centrais, as várias unidades de produção são comandadas em termos de produção eléctrica a partir do Centro de Telecomando de Centrais Hidroeléctricas, localizado na Régua. Carlos Rosário, o director deste centro de produção explica que “tem de haver um equilíbrio rigoroso, em cada momento, entre a energia fornecida à rede e a energia solicitada por todos os tipos de consumidores. Por isso, é necessário gerir o sistema em contínuo, articulando as várias unidades dos vários sistemas de produção.” Sistemas hidroeléctricos, eólicos, a carvão e a gás, e ainda a fuel mas já em processo

terminal, são assim articulados, visando ainda alcançar objectivos de eficiência económica e de redução de CO2. Como sabemos, há horas e dias em que há mais vento, e meses e anos em que há mais água, pelo que as fontes renováveis de energia têm que ser articuladas com as unidades de produção que permitem estabilizar o sistema e garantir resposta às necessidades. O Centro de Produção TejoMondego faz a gestão técnica de proximidade de cada central e da requalificação das mesmas, bem como a supervisão das centrais em construção, nomeadamente a segunda do Alqueva e a de Alvito, que será construída no rio Ocreza, 3 km acima da barragem da Pracana, embora já no concelho de Vila Velha de Ródão, e uma minihídrica abaixo da barragem de Castelo de Bode.

Carlos Rosário, Director do Centro de Produção Tejo-Mon•dego, da EDP.


ACTUALIDADE 9

JUNHO2011

Borboletas já habitam na escola Manuel Fernandes

rio vai mudar de espaço dentro do recinto escolar e vai beneficiar de um novo laboratório, que servirá para experiências e apoio ao equipamento. A abertura ao público é um objectivo que a escola gostaria de ver concretizado, mas segundo a professora responsável “teremos de aguardar. É uma situação a ponderar para o próximo ano lectivo e teremos de estudá-la com a Câmara Municipal de Abrantes”.

O Mercado Criativo de Abrantes é, a partir de agora, um espaço onde os jovens podem mostrar a sua obra. Abrantes é uma cidade com uma comunidade muito rica quer artisticamente, quer ao nível de produtos regionais. Daí a necessidade cada vez maior de um espaço onde seja possível dar a conhecer tudo isso. Foi com este objectivo que o Mercado Criativo nasceu. Criado com base na “Agenda 21 Local”, onde foi trabalhado o empreendedorismo, vai servir como espaço que também quer ser de lazer. As lojas que se encontram no Mercado vão ser disponibilizadas aos jovens, não apenas em idade, mas sobretudo em criatividade, para assim poderem dar azo à sua imaginação e criarem oportunidades. Vai ser ali também o novo ponto de distribuição dos cabazes do PROVE. A presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, afirma que este projecto “é o reaproveitar de um espaço repensado de maneira a devolvê-lo à nossa comunidade e a quem nos visita, com o intuito de fomentar a nossa economia”. A presidente da Câmara reconhece a qualidade artística dos jovens, e espera que o projecto se torne cada vez maior visto que ainda existem algumas lojas vazias. Aquele que era anteriormente o mercado diário de Abrantes sofreu algumas obras a fim de criar as condições necessárias para a convivência das pessoas.

JMC

Daniela Santos

Nasceu um Borboletário na Escola Secundária Dr. Manuel Fernandes, um projecto que teve início no ano de 2009 e acabou por ser inaugurado neste mês de junho.

Maria José Oliveira, professora de biologia e geologia e coordenadora do projecto, disse que “tudo começou a partir de um concurso nacional de Ciência Viva, no ano lectivo 2009/2010 a que acabámos por concorrer. O intuito era proporcionar algo de diferente aos alunos e docentes e trazer uma novidade para a Escola. Na altura, ficámos todos um bocado receosos porque não tínhamos muito tempo para preparar todo o projecto, mas para nosso espanto este foi mesmo aprovado. Os trabalhos começaram iniciámos com a recuperação da estufa, que se encontrava em péssimo estado, foi necessário retirar as ervas que nos chegavam à cintura,

lavrar o terreno, colocar uma rede própria e plantar novos canteiros. Na selecção das plantas contámos com o apoio do Borboletário do Museu de História Natural de Lisboa. Felizmente, com a contribuição de todos, pessoal docente e discente, conseguimos cultivar todas plantas, seleccioná-las da melhor forma e iniciámos uma nova etapa”. O Borboletário já alberga algumas espécies de borboletas, como por exemplo, a bor-

boleta da couve, uma espécie de cor branca e bastante vulgar em Portugal, a borboleta cauda de andorinha com várias cores e ligeiramente maior que as outras, a borboleta malhadinha com uma cor acastanhada e bastante frequente no país e, por último, a borboleta pirónia e a maravilha. São estas as espécies que os alunos e professores podem visitar naquele espaço. No dia 4 de Julho, as obras arrancam na escola, o Borboletá-

Mercado criativo em Abrantes

jornaldeabrantes


10 ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

JUNHO2011

PSD ganha no distrito e elege cinco deputados O PSD ganhou as eleições Legislativas de 5 de Junho no País e no distrito de Santarém. Na área de influência do JÁ, os social-democratas ganham em Mação e Sardoal. Já em Abrantes e Constância ganham os socialistas com uma ligeira margem. Em Vila Nova da Barquinha o PS fica à frente do PSD mas com uma curtíssima diferença.

No distrito, com uma subida de 10,75 por cento, conseguindo 37,72% em relação às legislativas de 2009, o PSD conseguiu eleger cinco deputados. O grande derrotado no distrito foi o Bloco de Esquerda, com uma queda de 6,12 por cento (de 11,91 por cento, terceira força mais votada em 2009, para 5,79 por cento) e a perda do seu deputado. Outro derrotado desta noite, o PS pas-

ABRANTES PS PSD CDS-PP CDU BE PCTP/MRPP PAN MEP MPT PTP PNR PPM PND POUS ABSTENÇÃO VOTANTES NULOS BRANCOS

32,4% 6.917 31,1% 6.642 12,0% 2.572 7,9% 1.687 7,2% 1.528 1,5% 327 0,8% 180 0,6% 128 0,6% 120 0,5% 96 0,3% 68 0,3% 68 0,3% 59 0,3% 56 41,0% 14.870 58,9% 21.356 1,2% 268 3% 640

jornaldeabrantes

sou dos 33,7 por cento em 2009 para os 25,85 por cento (uma queda de 7,85 por cento), perdendo um dos quatro deputados então eleitos. O CDS/PP ultrapassou a fasquia dos 12 por cento no distrito (12,3 por cento, mais 1,08 por cento do que em 2009). Sem grande variação em relação a 2009, a CDU manteve o deputado António Filipe (eleito com 9,02 por cento dos votos contra 9,26 por cento nas últimas legislativas). Contas feitas, o PSD elegeu cinco deputados – Miguel Relvas, Vasco Cunha, Carina Oliveira, Duarte Marques (natural de Mação) e Nuno Serra; o PS conquistou três mandatos – António Serrano, Idália Serrão e João Galamba; o CDS/PP elegeu Filipe Lobo d’Ávila; e a CDU, António Filipe.BE – 7,15 Votantes – 58,95

CONSTÂNCIA PS 30,9% PSD 26,7% CDU 13,5% CDS-PP 13,4% BE 4,6% PCTP/MRPP 1,8% PAN 1,1% PNR 0,8% MPT 0,7% MEP 0,5% PPM 0,5% POUS 0,3% PTP 0,3% PND 0,1% ABSTENÇÃO 36,5% VOTANTES 63,5% NULOS 2,0% BRANCOS 2,7%

681 587 297 295 102 40 25 17 16 12 10 7 6 3 1.265 2.202 45 59

2011

89.526

37,72% 5 Deputados

Miguel Relvas

Vasco Cunha

Carina Oliveira

Duarte Marques

Nuno Serra

50 anos Secretário Geral do PSD Empresário

46 anos Deputado

34 anos Deputada

30 anos Presidente da JSD nacional

38 anos Presidente da Concelhia do PSD Santarém

2011

2011

2011

61.343

29.196

21.416

25,85%

12,30%

9,02%

3 Deputados

1 Deputados

1 Deputados

António Serrano

Idália Serrão

João Galamba

Filipe Lobo d’Ávila

António Filipe

46 anos Professor Catedrático

47 anos Empresária

35 anos Deputado

36 anos Deputado

48 anos Deputado

MAÇÃO PSD PS CDS-PP BE CDU PCTP/MRPP PAN MPT MEP PPM PNR POUS PTP PND ABSTENÇÃO VOTANTES NULOS BRANCOS

46,9% 28,2% 9,5% 4,1% 3,3% 0,8% 0,7% 0,6% 0,6% 0,4% 0,3% 0,3% 0,3% 0,2% 31,7% 68,3% 1,7% 2,0%

2.312 1.391 467 204 164 41 35 30 29 19 16 13 13 11 2.289 4.930 87 98

SARDOAL PSD PS CDS-PP CDU BE PCTP/MRPP MPT PAN MEP PTP PPM PNR POUS PND ABSTENÇÃO VOTANTES NULOS BRANCOS

45,5% 22,3% 12,4% 4,8% 4,6% 1,7% 1,2% 0,8% 0,8% 0,4% 0,4% 0,3% 0,2% 0,2% 30,0% 70,0% 1,6% 2,8%

1.142 560 311 120 115 42 29 21 20 11 10 7 6 6 1.075 2.511 41 70

VILA NOVA DA BARQUINHA PS 29,9% 1.211 PSD 29,6% 1.199 CDS-PP 13,2% 536 CDU 10,3% 417 BE 6,6% 266 PCTP/MRPP 1,6% 66 MPT 1,2% 49 PAN 1,0% 41 PNR 0,6% 23 MEP 0,5% 21 PND 0,4% 15 PPM 0,4% 14 PTP 0,4% 14 POUS 0,1% 4 ABSTENÇÃO 38,5% 2.541 VOTANTES 61,5% 4.051 NULOS 1,3% 53 BRANCOS 3,0% 122


CONSTÂNCIA 11

JUNHO2011

Ponte recebe nova intervenção A ponte de Constância, sobre o rio Tejo, reabriu ao trânsito no início de abril, depois de ter recebido uma primeira intervenção na estrutura do tabuleiro, que continuará nos próximos dez meses. Agora, ficou a saber-se que esta mesma ponte vai ter uma nova intervenção, a partir de agosto, mas para manutenção e reforço dos pilares que suportam a estrutura. Máximo Ferreira, presidente da Câmara Municipal de Constância, revelou que esta empreitada foi lançada depois de uma inspecção da REFER ter detectado esta necessidade. Inicialmente, a REFER apontou o início da intervenção para maio, mas «surge agora a notícia de que se iniciará em agosto». As obras de manutenção não vão interferir na normal circulação sobre a ponte. Contudo o presidente da Câmara afirma que, se mais

tarde for necessário estipular um horário de encerramento, este será das 21h00 às 7h00. Quanto à intervenção no tabuleiro, que começou no início de 2011, está a decorrer no tempo previsto, «até porque uma das intervenções terminou a seis de abril, altura em que a ponte reabriu ao trânsito». Está agora numa fase de decapagem, pintura e isolamento da oxidação. Segundo Máximo Ferreira, esta situação apenas é possível devido «a um entendimento entre a Câmara Municipal de Constância e o empreiteiro». Apesar de todos os cuidados de segurança e exigências de limite de velocidade sobre a ponte, os trabalhos decorrem normalmente. A nova intervenção nos pilares da ponte sobre o rio Tejo vai custar 2,1 milhões de euros. Cátia Romualdo

Uma forma diferente de casar Foi em Constância, no dia das Comunidades Portuguesas, de Camões e de Portugal, que se celebrou o casamento de Anabela Ferreira e João Paulo Morais. Um momento que foi vivido à época renascentista e onde todos se vestiram a rigor.

Os noivos referiram que há muitas formas de casar e esta foi a mais original e diferente que encontraram. “A ideia teve início nas noivas de Santo António, mas como o ambiente das Pomonas Camonianas era mais interessante, do nosso ponto de vista, decidimos associar o nosso momento ao dia de Camões e à época renascentista. Vivemos na região e gostamos muito desta vila que tem mística, história e um forte valor cultural. Depois, os nossos amigos aderiram muito bem à ideia. Todos se vestiram a rigor e vivenciaram connosco este dia. Sem adesão deles tudo perdia a piada”. A noi-

va chegou de barco pelo rio Zêzere, e foi na margem deste que aconteceu, logo de seguida, um momento de convívio entre os convidados do casamento, que aqui provaram pratos típicos e foram servidos por uma equipa que trajou com os fatos de criados. Ainda pela manhã, os noivos partiram de carrua-

gem para a igreja matriz de Constância e foi lá que se celebrou o casamento. Da parte da tarde, houve um cortejo pela vila, danças, comida da época e muita animação. Os convidados aceitaram muito bem a ideia e classificaram-na de original, diferente e única. Uma das convidadas, que se vestiu de aia, Fá-

tima Morte, chegou mesmo a afirmar ao JA que “um dia gostava de casar assim…”. Constância pode começar a rivalizar com a tradição dos casamentos de Santo António, em Lisboa, após a realização deste casamento real, incluído nas ‘Pomonas Camonianas’. JMC

jornaldeabrantes


12 ACTUALIDADE

JUNHO2011

Francisca Laia conquista ouro na canoagem

Ao tornar-se campeã nacional de canoagem, Francisca Laia sentiu-se muito alegre e revela ainda que “era o meu grande objectivo para esta época e, sendo a última vez que podia fazer uma das provas, realizei o meu sonho”. Francisca Laia começou a praticar este desporto no Clube Desportivo “Os Patos”, no Rossio ao Sul do Tejo, Abrantes, com apenas seis

anos, por influência do seu pai, João Laia, também ele atleta da modalidade. “Comecei a praticar, gostei e fiquei até hoje”, disse a atleta ao JA. Neste momento a atleta encontra-se em Montemor-o-Velho em estágio para o Campeonato da Europa de Júniores e Sub23. No que toca a previsões para o futuro Francisca encontra-se ainda reticente,

“tudo vai depender desta época”. No entanto Francisca Laia conta que seja uma época boa e promissora. Para o ano a atleta ainda se encontrará no escalão de Júniores de último ano. Francisca Laia é sem dúvida mais uma atleta abrantina que, com apenas 17 anos, traz muitas alegrias à cidade florida e da qual todos se orgulham.

Tiago Aperta, recordista no lançamento do dardo Tiago Aperta bate o recorde nacional absoluto de lançamento do dardo, com a marca de 73,82 metros.

Apesar de ser ainda júnior, o atleta conseguiu o feito de, no meeting de Leiria, ter ultrapassado a marca dos 73 metros, feito nunca antes alcançado em Portugal. 15 dias depois, em Alcanena, voltou a bater o seu próprio recorde, fixando a nova marca em 73,82 metros. O grande objectivo do jovem passa, agora, por conseguir os mínimos para estar presente nos Jogos Olímpicos de Londres, no próximo ano. Até lá, Tiago Aperta, vai tentar ultrapassar os 79 metros, marca que lhe dará bilhete para Londres 2012. O atleta abrantino, que desde pequeno pratica natação e futebol, afirma ter sido uma «sensação boa bater o recorde», porque é uma motivação para trabalhar e conseguir melhores resultados. Conheceu o mundo do

jornaldeabrantes

Posto de turismo reabre a 1 de Julho O Posto de Turismo de Mação vai ser inaugurado na sexta-feira, 1, de Julho, pelas 18 horas no âmbito das Feira Mostra do concelho. “Pretendemos que seja um espaço vivo, interactivo e dinâmico. As pessoas vão lá buscar o mapa ou a informação mas também podem provar um pouco do nosso presunto ou mel”, explicou José Saldanha Rocha, presidente da Câmara Municipal de

Francisca Laia, jovem canoísta abrantina, conquistou o primeiro lugar do pódio na II Taça de Portugal de Canoagem na categoria de 500 e 200 metros femininos. Ao vencer nas duas eliminatórias das provas, Francisca conquistou a medalha de Ouro sem ter de realizar as semifinais.

Com apenas 14 anos, a jovem canoísta foi chamada à Selecção Nacional de Cadetes (15/16 anos), tornando-se assim a primeira praticante desta modalidade no distrito de Santarém a consegui-lo. “Para mim, ser chamada à Selecção Nacional foi uma experiência nova! Não conhecia e assim subi mais um nível na canoagem”. No seu vasto currículo canoístico, a jovem atleta já conta com muitas vitórias, quer a nível regional, quer nacional.

MAÇÃO

atletismo, quando ainda andava na escola primária, numa visita de estudo, ao estádio municipal de Abrantes, onde conheceu o professor Manuel Gonçalves. Começou por praticar as diversas disciplinas dentro do atletismo, o que considera «ter sido im-

portante» para a sua «evolução como atleta». O lançamento do dardo acabou por ser a sua opção, pois era onde mais se destacava e devido a «lesões sofridas» decidiu então especializar-se nessa área. Quando começou a destacar-se a nível nacional

nos juvenis, surgiu o convite para ingressar na equipa de atletismo do Sport Lisboa e Benfica. Contudo, devido aos regulamentos, só pode transferir-se para o Benfica no seu primeiro ano de júnior. Apesar de ter começado no futebol, Tiago Aperta, sente alguma tristeza pela forma como o desporto é encarado em Portugal, pois «o futebol é o desporto rei e o resto é secundário». Acredita que isto esteja relacionado com a cultura do país, mas sente pena «por as pessoas não perceberem que o atletismo traz grandes alegrias ao país». Tiago Aperta «espera entrar para o ano na faculdade», pois considera importante ter um curso, porque não sabe quanto mais tempo irá lançar o dardo. Continuará a fazê-lo até «sentir» que está a «contribuir para a modalidade». Um atleta medalhado, que muitas alegrias traz ao país e à cidade que o viu nascer, tem um futuro de sucessos à frente.

Mação. Outra das novidades passa pelos serviços que estão disponíveis aos munícipes que ali podem esclarecer as dúvidas sobre os serviços da câmara, eventos, campanhas, entre outros. O serviço vai ser assegurado por funcionários da autarquia e alunos do ensino superior que recebem bolsas de estudo por parte da autarquia. Este trabalho será feito em regime de voluntariado.

SAÚDE

Médicos colombianos no ACES Zêzere São cinco medidos colombianos que vão entrar ao serviço no Agrupamento de Centros de Saúde do Zêzere. Os cinco clínicos foram contratados por um período de três anos e serão colocados em Abrantes (4) e Sardoal (1). Os médicos chegaram no dia 16 de Junho, iniciaram um período de formação no sistema informático utilizado em Portugal. Ao

que o JA conseguiu saber os clínicos estão alojados, provisoriamente, na Pousada da Juventude de Abrantes a sua entrada no ACES permitirá a dez mil utentes voltarem a ter médico de família. Fernando Siborro, director do ACES Zêzere revelou no entanto que os problemas não terminaram já que mais dois médicos entraram com pedidos de reforma.

BANDEIRA AZUL

Aldeia do Mato e Carvoeiro galardoadas Mais uma vez, pelo terceiro ano consecutivo, as praias fluviais de Aldeia do Mato e Carvoeiro receberam a tão ambicionada Bandeira Azul. Este galardão vem garantir não só a qualidade da água, mas também um conjunto de características que nos garantem uma qualidade que não se encontra em todos os lu-

gares. Para a atribuição da Bandeira Azul são tidos em conta 32 factores, o que significa um largo espectro de análise aos candidatos. Este ano a Bandeira Azul foi atribuída apenas a 271 praias portuguesas. Na nossa zona, apenas as de Aldeia do Mato e Carvoeiro conseguiram a tão ambicionada distinção.

PROVE soma e segue O PROVE, começou já a ser distribuído no espaço do Mercado Criativo, continua a obter um êxito bem acima do esperado. No presente, abastece já uma centena de consumidores inscritos, o que implicou um esforço dos produtores para garantir uma capacidade de resposta acrescida. Em lista de

espera encontram-se ainda, ou já!, mais oito dezenas de candidatos, à espera de desistências ou de um novo reforço da capacidade de produção. O PROVE já era em Abrantes um caso de sucesso face aos outros lugares onde o sistema está instalado. Mas, pelos vistos, não pára de crescer.


ACTUALIDADE 13

JUNHO2011

Um encontro de riomonhenses Tudo começou no ano de 2005. Na altura Rui André era o presidente de Junta de Freguesia e lembrou-se em estabelecer um encontro entre as gentes das várias localidades de Portugal chamadas Rio de Moinhos.

Há sete anos atrás nem se “pensava nas dimensões e nos recursos humanos e financeiros que eram necessários para se concretizar a iniciativa, mas valeu a pena”, disse ao JA João Paulo Rosado, actual presidente de Junta. O primeiro encontro aconteceu na freguesia de Rio de Moinhos, Abrantes, e foi quando o projecto teve realmente pernas para arrancar. Desde do primeiro que as amizades, as trocas culturais e o convívio que se estabeleceu foram motivos mais do que suficientes para dar continuidade à iniciativa. São seis as freguesias com o nome de Rio de Moinhos que estão envolvidas no projecto, Rio de Moinhos de Abrantes,

de Sátão, de Aljustrel, de Arcos de Valdevez, de Borba e de Penafiel. Todos os anos, pela altura do início do verão há um encontro entre todos, numa das localidades. O objectivo primordial é estabelecer um intercambio cultural e gastronómico e rever aqueles que de ano para ano já se tornaram amigos. Nesta iniciativa é sempre promovida uma feira mostra, onde todos expõem o que de melhor têm os Rio de Moinhos de Portugal. No ano passado, colocou-se a dúvida de continuar com o projecto. “Quando chegámos ao final do primeiro ciclo, ou seja quando já ti-

nha sido feito o encontro em todas as localidades, fizemos uma reunião com os envolvidos e ponderámos terminar com o intercâmbio, devido à actual situação financeira do país. Mas decidimos continuar com o projecto, embora repensado”, explicou o presidente. “Com isto não quero dizer que este ano não temos um programa tão rico, mas será menos complexo”. O evento de 2011 acontece durante dois dias, 2 e 3 de julho, e é presenteado com o lançamento do livro “Encontros Nacionais dos Rio de Moinhos”. “Esta é uma obra que reúne e faz um resu-

mo do que foram estes sete anos, com diversas fotografias e mensagens deixadas pelos intervenientes. Refirome aos presidentes de Junta, grupos de folclore, bandas filarmónicas, grupos corais, de dança, associações etc.” referiu João Paulo Rosado. Nesta sétima edição, a iniciativa realiza-se na Quinta Fernando Ferreira, em Rio de Moinhos, Abrantes e esperam-se dois dias com várias actuações e muita animação. Grupos de bombos, de dança, de rock, de contorcionistas, música popular tradicional, actuação da Banda Filarmónica de Rio de Moinhos, Abrantes, e folclore vão estar em palco. “Este é um encontro que muitos momentos de alegria tem promovido e vai continuar a promover… Quem sabe, no futuro, possamos internacionaliza-lo e fazê-lo com todos os Rio de Moinhos do mundo. É um desejo do meu amigo Rui”, finalizou o presidente. Joana Margarida Carvalho

• Sílvio Gaspar, Paula Carvalho e Hélder Marques. FORMAÇÃO

Destinos Práticos abre portas em Alferrarede Depois de Leiria, a empresa Destinos Práticos abriu portas no dia 18 de junho em Alferrarede. Trata-se de uma empresa que trabalha na área da formação de condutores e em testes psico-técnicos para estes profissionais. O edifício está dotado de duas salas de formação e um gabinete para os psicotécnicos. A Destinos Práti-

cos arrancou logo com uma acção de formação pedagógica inicial de formadores. Hélder Marques, Paula Carvalho e Sílvio Gaspar são gerentes da Destinos Práticos. Consideram-se empreendedores, instalaram-se em Abrantes porque o mercado assim o ditou e, para já, pretendem sedimentar esta empresa.

jornaldeabrantes


14 ECONOMIA

JUNHO2011

VINHOS E AZEITES

Produtos regionais premiados Na próxima edição esperamos olhar mais atentamente para a Casa Anadia, de Alferrarede.

JOANA MARGARIDA CARVALHO

Os vinhos e azeites do concelho de Abrantes e Sardoal foram premiados nos concursos nacionais e internacionais mais conceituados e exigentes das respectivas especialidades. Os vinhos Casal da Coelheira e Vale do Armo e os azeites SAOV e Casa da Anadia foram os produtos regionais que arrecadaram um conjunto de medalhas. Esta é mais uma prova de que o que é nacional é bom! E o que se faz no Ribatejo faz-se bem!

Vinhos do Tramagal em ano de glória Os vinhos do Casal da Coelheira, no Tramagal, estão a passar por um ano cheio de prémios. Em destaque está o prémio Enólogo do Ano, atribuído a Nuno Falcão (que entrevistamos na pag. 3). Como o mesmo diz, é um prémio de carreira, tanto mais prestigioso quanto os candidatos “naturais” a um prémio destes são os enólogos que trabalham em várias regiões e com várias casas e, por isso, apresentam um portfolio de vinhos que acabam por dar nas vistas. Nuno Falcão trabalha apenas na sua Casa Agrícola, pelo que se apresenta apenas com os seus vinhos. O prémio alcançado tem, portanto, um sabor especial para ele e dão um esplendor especial aos vinhos da casa. Para que conste, ficam registados os vários prémios até ao momento conquistados pelos vinhos do Casal da Coelheira.

SAOV com duas medalhas de ouro Os azeites da Sociedade Agrícola Ouro Vegetal foram novamente premiados. Desta vez, a SAOV fezse representar nos concursos com o azeite Cabeço das Nogueiras Premium e Quinta do Pouchão Dop. Ambos bem diferentes, segundo Ana Francisco, sócia da empresa, “o Cabeço das Nogueiras bastante equilibrado entre o doce, o amargo e o picante, com cinco variedades de azeitona e perfeito para o tempero de um bom bacalhau, uma salada e bastante apreciado pelos especialistas da área.” Um azeite que arrecadou quatro medalhas. Em Espanha, no concurso Expoliva foi premiado com a medalha de ouro e no concurso Mário Solinas, também em Espanha, onde novamente ganhou a medalha de ouro”. Dois concursos que, segundo Ana Francisco, são dos melhores, dos mais conceituados e dos mais exigentes a nível mundial. Outra medalha foi conquistada na OviBeja, uma feira de agricultura que se realiza na cidade de Beja, onde este azeite foi premiado com a medalha de prata. Para finalizar, foi na Feira da Agricultura em Santarém, que aconteceu neste mês de junho, que o Cabeço das Nogueiras foi novamente prendado, então com a medalha de bronze. O Quinta do Pouchão Dop, outra gama de azeite da SAOV, com duas variedades de azeitona, mais doce e suave, ganhou a medalha de ouro na Feira da Agricultura de Santarém. Em Jerusalém, a empresa recebeu ainda menções honrosas. Foram prémios e reconhecimentos de um árduo trabalho que têm uma elevada importância para a SAOV. “É sempre bom recebermos estes prémios porque nos dá mais força para continuar, uma vez que estamos a passar por momentos difíceis na nossa economia. Este reconhecimento dá-nos alento e gar-

jornaldeabrantes

Prémios ano 2011 Casal da Colheira Branco Medalha de prata: Vinalies Internationales - Paris Casal da Colheira Reserva Branco Medalha de prata: Concurso de Vinhos Engarrafados do Tejo; Casal da Colheira Rosé Medalha de Ouro: Vinalies Internationales - Paris Terraços do Tejo Tinto Commended – International Wine Challenge - Londres ra para seguir em frente. É nosso intuito continuar apostar neste tipo de concursos, pois é uma forma de reconhecimento do azeite de qualidade que produzimos.”A SAOV caracteriza-se por equipa jovem, com dez trabalhadores, que tem como objectivo primordial apostar na exportação e entrar no mercado das lojas gourmet. Holanda, Suíça e Polónia são alguns dos países onde já se encontra azeites da SAOV. Em Portugal a empresa trabalha com o grupo Sonae e com o Intermaché de Alferrarede. Também faz venda ao público no seu lagar e em lojas goumert da região.

Casa da Anadia arrecada três medalhas Os azeites da Casa da Anadia DOP trouxeram para a cidade de

Abrantes três medalhas. Duas de ouro que conquistaram na Feira da Agricultura de Santarém, uma de prata que receberam num concurso de azeites no Canadá e por último, ainda obtiveram uma menção honrosa na China. Os azeites responsáveis pelos prémios foram o DOP Galega Cobrançosa e o Blend Extra Virgem, ambos com o selo da Casa da Anadia. São muitos anos de trabalho e dedicação ao cultivo da azeitona, conforme explicou ao JA Ilídio Magalhães, consultor da quinta. A produção de azeitona é da quinta da Anadia, mas a moagem e produção do azeite opera-se na SAOV, Sociedade Agrícola Ouro Vegetal, que deste modo produz um bom conjunto dos melhores azeites do mundo.

Casal da Colheira Tinto Medalha de Prata: Concurso Nacional de Vinhos Casal da Colheira Reserva Tinto Medalha de Bronze: Internacional Wine Challenge – Londres Medalha de Prata: Concurso Vinhos Engarrafados do Tejo e Concours Mondial Bruxelles; Medalha de ouro: Concurso Nacional de Vinhos Mythos Medalha de ouro: Concurso de Vinhos Engarrafados do Tejo Medalha de prata: Concours Mondial de Bruxelas e Internacional Wine Challenge; Medalha de ouro: Concurso Nacional de Vinhos


ECONOMIA 15

JUNHO2011

Inov´Linea cria azeite com sabor a alho Um azeite com sabor e aroma a alho foi desenvolvido no Inov’Linea, no Tecnopolo do Vale do Tejo, e já começou a ser comercializado pela Diterra, empresa de Comércio AgroIndustrial.

O novo azeite com sabor a alho, vem juntar-se ao azeite virgem extra que já faz parte da linha Fadista, desta empresa sedeada em Portalegre. Este azeite foi concebido em Abrantes a pedido do cliente, que procurou o Inov’Linea para o criar. O

processo, segundo Joana Grácio, da Inov’Linea, durou cerca de três meses, de acordo com o interesse do cliente. O produto foi alvo de um prolongado estudo de forma a garantir o típico sabor e aroma do alho, no azeite, sem que este último fosse descaracterizado e mantivesse todas as suas propriedades Joana Grácio confirma que este é o primeiro trabalho com visibilidade para esta estrutura já que outros são mais técnicos. Ainda numa fase inicial, o Centro procura nas feiras liga-

das ao sector potenciais clientes. A presença na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém, representou, segundo aquela responsável, criar uma “boa carteira de contactos”. Com apenas três funcionários, o Inov’Linea tem como objectivo ser uma plataforma que disponibiliza às empresas conhecimentos e contactos científicos para o desenvolvimento, melhoria ou criação de produtos, com ligações a universidades. Em jeito de conclusão, Joana Grácio revelou que o Inov’Linea prepa-

ra, para breve, a criação de um painel de provadores e preferências. A ideia é criar um grupo de pessoas que possam testar produtos que as empresas entendam, antes de serem colocados no mercado, para aferir a sua aceitação, já que as questões técnicas são garantidas pelo Centro de Transferência Alimentar. Diz a empresa produtora que o azeite Fadista com Alho é ideal para temperar massas, peixes e saladas, para confecionar molhos (ex. tomate e vinagretes) ou até para os tradicionais

gaspachos. Estará disponível a partir de Julho, no mercado nacional, em lojas gourmet, mercearias e charcutarias finas com o PVP recomendado de 3,50€ em embalagem de PET.

Vinho Vila Jardim foi medalha de ouro Os vinhos da Quinta Vale do Armo, sediada no concelho de Sardoal, foram distinguidos no segundo concurso Vinhos do Tejo que se realizou no Cartaxo, este último mês de maio. A medalha de ouro foi entregue ao vinho Vila Jardim tinto 2009 e ao Vila Jardim branco 2010, a gama intermédia da Quinta Vale do Armo. Tiago Alves, responsável pela quinta, disse ao JA que este era um reconhecimento do trabalho bem feito que é realizado desde o ano de 2008. “Foi muito bom receber estas medalhas. Eu penso que deve haver alguma consistência nos prémios, ou seja, não é sermos premiados num ano com um prémio e depois passam três e não conseguimos alcançar nenhum. Isso não é muito normal. É sempre bom haver alguma continuidade. Não é importante termos muitos prémios mas sim, alguns todos os anos. É sinal que estamos a fazer um bom trabalho no dia-adia e estamos no caminho certo”. Com uma aposta clara na produção de mais vinhos, a Quinta Vale do Armo vai lançar este mês de junho, um novo vinho denominado

“Valle Zangão”. “O Valle Zangão é mais uma novidade da quinta Vale do Armo, está enquadrado no inicio de gama e pode ser uma alternativa ao nosso vinho AlTejo. Vamos ter Valle Zangão tinto e branco. O branco com 100% fernão pires, uma casta bem tradicional do Ribatejo, o tinto com três castas, aragonês, trincadeira e a cabernet”. A Quinta Vale do Armo reúne cerca de 27 hectares de uva e tem uma produção anual de 140 mil litros de vinho. Com uma aposta clara na exportação, os vinhos Vale do Armo já se encontram em países como Alemanha, Dinamarca, Inglaterra, Brasil, Hong Kong e recentemente em Angola. Na região, Tiago Alves referiu que “o cliente pode comprar na loja da quinta, no recente Mercado Criativo de Abrantes e no Intermaché”. São alguns os vinhos que pode optar com selo Vale do Armo: AlTejo, branco e tinto, Vila Jardim, branco, tinto e rosé, Vale do Armo reserva e Vale do Armo espumante, Casal das Mansas, para rrestauração, e agora a mais recente novidade Valle Zangão, tinto e branco.

jornaldeabrantes


16 REGIÃO

JUNHO2011

Associação de jovens de Sardoal prepara actividades para o futuro A Associação de Jovens de Sardoal (AJS) completa em Outubro deste ano dois anos de vida e comemora a data com uma mão cheia de actividades. Umas já realizadas e outras a serem preparadas até ao final do ano. Será em Novembro que a Estímulo, como é designada a associação, vai a eleições e a nova direcção entrará em funções em Janeiro do próximo ano.

Andreia Costa, secretária desta Associação sedeada no Sardoal, refere ao JA que o balanço destes dois anos é bastante positivo e que “actualmente a Estímulo tem cerca de 90 sócios, o que nos deixa muito satisfeitos”. Das actividades projectadas para os próximos meses consta o Festival Estímulo que terá lugar nos dias 19 e 20 de Agosto, onde 40% dos lucros revertem a favor dos Bombeiros de Sardoal. Pelo segundo ano consecutivo, o festival vai levar ao Parque de Merendas bandas regionais e nacionais e as entradas são gratuitas. A AJS vai também marcar presença nas Festas do Concelho de Sardoal, que este ano decorrem de 22 a 25 de Setembro, com actividades próprias e uma tasquinha nos mesmos moldes dos últimos anos. Os dois anos de existên-

jornaldeabrantes

cia não vão ser deixados em branco e no início de Outubro está planeado um acampamento no Penedo Furado (Vila de Rei) com música e várias actividades para sócios e não sócios. Em Abril passado, a Estímulo deu início a uma nova aventura. Reabriu o Bar Puro, no centro da vila, fazendo dele um novo espaço. Andreia Costa conta ao JA que “pegar no bar foi um risco calculado” e que, passados três meses desde a reabertura, “está a correr bem, já conseguimos tirar dinheiro do bar para a associação, que era o objectivo pretendido”. O bar, aberto todos os dias, conta com o trabalho voluntário de 20 sócios por mês. A AJS recebe o apoio financeiro do Instituto Português da Juventude e de algumas entidades privadas. Segundo a secretária da Estímulo, o “município tem apoiado a Associação com tudo o que é necessário. Sabemos que não é possível apoiar com dinheiro e por isso pedimos ajuda a nível logístico e este tem sido sempre cedido”. A pensar na construção de um sítio próprio na Internet, a associação tem divulgado as suas actividades na página do Facebook. As inscrições a novos sócios estão abertas todo o ano. André Lopes


REGIÃO 17

JUNHO2011

GAVIÃO

MAÇÃO

XX Mostra de Artesanato

18ª Feira Mostra do concelho O concelho de Mação organiza a 18ª Feira Mostra, que se realizará nos dias 1,2 e 3 de julho. Esta feira tem como objectivo a promoção do concelho a nível regional e nacional, em termos culturais, económicos e sociais.

O concelho de Gavião organiza, mais uma vez, a Mostra de Artesanato, Gastronomia e Actividades Económicas, nos dias 15, 16 e 17 de Julho, no jardim do Cruzeiro. O certame que pretende dar a oportunidade à população de conhecer “o que de melhor se faz em Portugal”, contará com 52 artesãos. A abertura da Mostra será pela hora do jantar com a actuação da Banda Juvenil do Município de Gavião, seguida do Grupo de Cantares “Terras de Guidintesta” e Grupo de Música Tradicional da Região. No dia 16, os visitantes serão presenteados com o concerto da banda portuguesa “Expensive Soul”. O último dia do certame será abrilhantado, pelas 22h, por “José Cid e Big Band”. Com apenas três dias de festa e este ano sem Feira Medieval, devido à crise que o país atravessa, mas sempre mantendo a qualidade do certame, o vereador Germano Profírio declara «que será assim para reduzir os custos para metade». O vereador do concelho acredita que este ano a Mostra terá o mesmo êxito que nos anos anteriores e espera que «tal como no ano anterior, as vendas sejam boas».

Este ano estarão 55 stands de exposição e nove espaços de restauração. Num dos stands será promovida a “Marca Mação”, que já se encontra materializada nos presuntos, que integram já os circuitos do mercado nacional. Apesar de uma redução de 40% nos custos, o certame conta com variadas actividades musicais, culturais e desportivas. Na música, os visitantes poderão assistir ao concerto dos “Clã”, Filipe Pinto e o grupo de música popular “Adiafa”, e no final dos concertos haverá a animação por um DJ. A par do cartaz musical, a Câmara Municipal promove, em parceria com as associações do concelho, várias actividades desportivas, tais como, o torneio de futsal, concurso de pesca, jogos tradicionais, passeio de BTT e pedestre, e canoagem. Na cultura, os visitantes poderão visitar a 13ª edição da feira do livro, onde pais e filhos podem participar em algumas actividades. Será realizada uma sessão sobre empre-

endedorismo, seguida de uma cerimónia pública de homenagem às empresas do concelho distinguidas pelo IAPMEI. Realiza-se também o desfile de marchas Populares no recinto do certame, com a parti-

cipação de várias associações do concelho. Quem pretender deslocar-se à feira poderá contar com um comboio turístico, que durante o horário da feira, que fará o percurso dentro da vila até ao recinto.

ADMINISTRATIVO PARA ÁREA FINANCEIRA (M/F)

Para desempenhar funções administrativas na área financeira da empresa Função: - Controlo de operações com bancos, clientes e / ou fornecedores Os candidatos deverão possuir formação / experiência em contabilidade, gestão e afins, e o seguinte perfil: - Competência para a gestão de contas de contas de fornecedores e clientes; - Registo e manutenção de contas bancárias; - Capacidade para preparar relatórios de acção; - Conhecimentos de informática na óptica do utilizador; Outros requisitos: - Motivação - Dinamismo e proactividade - Vontade de trabalhar e crescer - Residência na zona - Disponibilidade e imediata Os interessados deverão enviar C.V. actualizados para luisa.narciso@frasteel.com com a refª Adm.Fin.

jornaldeabrantes


18 CULTURA

JUNHO2011

Pintura, desenho e instalação de Galeria de Arte de Abrantes A Galeria de Arte de Abrantes acolhe o artista plástico Paulo Canilhas para uma exposição de pintura, desenho, instalação e vídeo. Tomando como exemplo o trabalho em chapa, o autor raramente inicia um trabalho isolado, preferindo sempre trabalhar em séries que vai desenvolvendo em conjunto formando “famílias” artísticas com laços bastante fortes entre si. Paulo Canilhas, artista multidisciplinar, foi distinguido pelo Movimento de Arte Contemporânea com o Prémio Artista Revelação 2010. A mostra pode ser vista de 1 a 29 de julho.

Feira do Livro no Barquinha Parque

AGENDA DO MÊS

O Barquinha Parque recebe de 2 a 10 de julho a Feira do Livro. Entre as 15 e as 19 horas muitas vão ser as iniciativas programas, como uma mostra de artesanato, Hora do Conto e ateliês de expressão plástica. Durante dois dias (3 e 9 de julho), o autor Emílio Miranda dará sessões de autógrafos, pelas 17 horas. O abrantino José Manuel Heleno estará presente nesta feira, dia 3 de julho, enquanto o escritor torrejano Hugo Santos marcará presença no dia 9 do mesmo mês. Estes encontros com escri-

Abrantes

tores estão agendados para as 16 horas. Esta Feira do Livro é organizada pela Câmara Municipal da Barquinha.

Galena lança concurso literário ... A Galena, associação cultural do concelho de Abrantes está a promover um concurso de contos, ou narrativas curtas. A iniciativa tem a parceria da editora Tecto de Nuvens, que editará os contos seleccionados, e esse é o prémio a que se habilitam os concorrentes. O prazo de entrega dos originais decorre até 1 de Agosto e as obras a concurso devem ter um máximo de 15.000 caracteres (incluindo espaços). As obras a concurso podem incluir ilustrações e potenciais ilustradores podem candidatar-se a ilustrar as obras a concurso. O objectivo é dar oportunidade aos criadores desta região.

... e cria oficina de escrita A Galena vai abrir um atelier de escrita literária, com vista a ajudar a desenvolver as potencialidades de escrita de eventuais interessados em concorrer ao concurso de narrativas curtas que também está a lançar. Os interessados podem obter informação através do endereço galena.ac@gmail.com

jornaldeabrantes

MIAA em Antevisão III O Museu Ibérico de Arqueologia e Arte volta a mostrar-se no Castelo de Abrantes. A exposição Antevisão III tem patentes alguns dos materiais dos quatro núcleos ou colecções que vão integrar o futuro Museu. Sobretudo bronzes da colecção João Estrada e da doação de Charters de Almeida, mas também uma muito interessante mostra de alguns materiais arqueológicas das explorações feitas no concelho de Abrantes e ainda alguns dos quadros da doação de Maria Lucília Moita, desta vez centrados na figuração do rosto humano.

Barquinha Inaugurada a 10 de Junho, a exposição vai manter-se até final de Outubro. Com estas sucessivas mostras, a que deverá suceder uma quarta, pelo menos, a Câmara Municipal pretende dar a conhecer as potencialidades que o futuro Museu pode ter quer para o turismo cultural, quer para colocar Abrantes no mapa da cultura, “onde já está, pelo estudo das colecções que está a ser feito por uma equipa de especialistas, que é caso único em Portugal”, disse na inauguração Miguel Baptista Pereira, o museólogo responsável pelo projecto.

Artes plásticas no Sardoal Treze artistas plásticos vão expor a sua arte no Centro Cultural Gil Vicente, numa exposição que pode ser vista até dia 23 de julho. O II Salão de Artes Plásticas é fruto de uma parceria entre a Casa do Concelho de Sardoal e o Município da referida vila. Alberto Dias, Alexandra Roldão, Álvaro Mendes, Fernanda Andrade,

Exposição permanente – Antevisão III do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte – Castelo de Abrantes – Visitas guiadas a 1, 8 e 15 de julho, às 21h30 1 a 29 de julho – Exposição de Paulo Canilhas - Pintura, desenho, instalação e digital – Galeria de Arte 1 de julho – Animação de Verão – Concerto com“ALF”– Praça Barão da Batalha, às 22h00 4 a 29 de julho – Exposição“À descoberta de Abrantes”, trabalhos dos alunos dos Jardins de Infância e 1º Ciclo de Abrantes – Edifício Pirâmide, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00 6 de julho a 12 de agosto – Exposição de banda desenhada de Alain Corbel – Biblioteca António Botto 7 de julho – Que é isso de Cultura? Por José Alves Jana - Apresentação do nº 17 da revista de história local “Zahara” – Biblioteca António Botto, às 21h30 8 de julho – Animação de Verão – Concerto com“The Neverminds Bastards” – Praça Raimundo Soares, às 22h00 15 de julho – Animação de Verão – Concerto com “Apple Pie” – Praça Barão da Batalha, às 22h00 22 de julho – Animação de Verão – Concerto com“The Scart” – Praça Raimundo Soares, às 22h00 Cinema Espalhafitas – Cine-teatro São Pedro, às 21h30: 6 de julho – “Banksy –Pinta a Parede” e “Lixo Extraordinário” 11 de julho - “Inside Job” 20 de julho – “Potiche” 25 de julho – “Diário”, “Territórios”, “A history of Mutual Respect” e “Olimpia I e II”

Miguel d’Hera, são alguns dos artistas naturais de Sardoal ou de alguma maneira ligados ao concelho, que vão apresentar os seus trabalhos nesta exposição colectiva. O Centro Cultural poderá ser visitado de terça a sexta-feira, entre as 16 e as 18 horas e aos sábados, entre as 15 e as 18 horas.

2 a 10 de julho – Feira do livro – Mostra de artesanato, sessões de autógrafos, encontro com autores – Barquinha Parque 2 de julho – Sábados às cinco com…Fernando Freire – Palestra sobre património – Centro Cultural da Barquinha, às 17h00

Constância Até 3 de julho – Exposição “Vitrais – Tiffany”, de Maurício Bexiga – Posto de Turismo

Mação 1 a 3 de julho – 18ª Feira Mostra de Mação – Feira de exposições, restauração, Feira do Livro, parque infantil, exposições e animação com Clã, Filipe Pinto e Adiafa – Largo Infante D. Henrique

Sardoal Até 23 de julho – Exposição - II Salão de Artes Plásticas da Casa do Concelho de Sardoal – Centro Cultural Gil Vicente 9 de julho – Teatro “Dois Irmãos”, pela companhia Palha de Abrantes – Centro Cultural Gil Vicente, às 21h30 Cinema - Centro Cultural Gil Vicente, às 16h00 e 21h30 3 de julho – Winx – “A Aventura” 16 de julho – “Água para Elefantes”


CULTURA 19

JUNHO2011

LUGARES COM HISTÓRIA

A ponte ferroviária sobre o Rio Torto TERESA APARÍCIO

Das duas pontes construídas, na região de Abrantes, em consequência da expansão do caminho-de-ferro, na segunda metade do século XIX, esta é a mais antiga, pois integra o troço da linha Santarém – Abrantes, cuja inauguração se situa em 1862.

Nos Anais do Município de então podemos ler: “O dia 7 de Novembro foi um dia de regozijo público para os moradores desta Vila, por se abrir à exploração o traçado do caminho-de-ferro de Santarém até à estação do Rossio. Perto de duas mil pessoas de ambos os sexos se juntavam junto à estação para admirar o espectáculo grandioso da chegada do comboio, o qual atravessou a ponte do Rio Torto à uma da tarde. (…) O Exmo. Duque de Loulé, Ministro dos Estrangeiros e Obras Públicas e Anselmo J. Braancamp, Ministro do Reino, quiseram honrar, com a sua presença, este acto. (…) Os Exmos. Ministros tinham mandado vir de Lisboa um primoroso jantar, que terminou depois das três horas da tarde e regressaram a Lisboa próximo das quatro”.

Mas nem só de festas é feita a história desta ponte. Presenciou bastantes tragédias, uma delas a menos de um mês após a sua inauguração. Referem também os Anais: No dia 2 de Dezembro de 1862, abateu um dos tubos, na altura em que passava um comboio de materiais para as obras da via férrea, precipitando no rio parte dos carros e com

estes muitas pessoas de ambos os sexos, empregadas nos mesmos trabalhos: destes infelizes, muitos morreram logo e vinte e dois deram entrada no Hospital da Misericórdia desta Vila.” Consta que o total de vítimas foi ao todo de catorze, pelo que a ponte passou também a ser conhecida por “Ponte dos Catorze”, deno-

minação que aparece nos Anais de 1868, na altura em que já precisava de alguns arranjos e a Câmara de Abrantes providenciava à sua reparação. Mas os acidentes não se ficaram por aqui. Na primeira metade do século XX começaram a chamar-lhe “Ponte Corta – Cabeças”, pois como era bastante estreita, deu origem

à morte de alguns incautos que, inadvertidamente, punham a cabeça fora da janela, na altura em que o comboio passava sobre ela. Durante muitos anos foi reclamada a sua remodelação, mas só em Dezembro de 1964 o tabuleiro da mesma foi substituído por um outro mais largo. No “Nova Aliança” de 1/ 1/ 1965 podemos ler: “Depois de muitos anos de lamentações justificadas pelo número de vítimas decapitadas pelos comboios, a ponte do Rio Torto deixou de cortar cabeças (…) e acabou finalmente o natural arrepio que muitos passageiros sentiam ao passar por ali, com paragem de comboios obrigatória, antes e depois”. Nos últimos anos e, felizmente, esta ponte velhinha, pouco tem tido para nos contar, a não ser uma história de resistência a muitas cheias que, ciclicamente, os invernos vão trazendo ao Rio Torto que sob ela corre. Bibliografia: MORATO, Manuel António e Mota, João Valentim – “Memória Histórica da Notável Vila de Abrantes” – E. Câmara Municipal de Abrantes.

jornaldeabrantes


20 CARTAS AO DIRECTOR

JUNHO2011

O palácio do Marquês de Abrantes, actual embaixada de França em Lisboa Senhor Director Junto informação elementar que esclarece qual é a representação actual dos Condes de Abrantes, de acordo com os critérios geralmente aceites. Se, quando se aborda este tema, houver quem pretenda atingir outros objectivos para além da divulgação de curiosidades históricas, será saudável que esses objectivos e os métodos para os atingir sejam assumidos e exolicados, para que, sem ambiguidades ou equívocos, se perceba quem quer o quê. Acrescento, por talvez ser útil ou pelo menos interessante, que existe, só em Portugal, milhares de descendentes dos Condes de Abrantes, por diversas linhas, dos quais alguns vivem no concelho de Abrantes. Subscrevo-me com os melhores cumprimentos. Paulo Guedes de Campos

Condes de Abrantes Título criado por D. Afonso V, rei de Portugal Por carta de 13-06-1476 a favor de D. Lopo de Almei-

da, 1º conde de Abrantes * 1416 É actual representantes D. José Maria da Piedade de Lancastre e Távora, 11º marquês de Abrantes * 1960 Notas Por morte sem sucessão masculina de D. João de Almeida, último alcaide-mor de Abrantes e neto do 3º conde, considerou o rei D. Filipe III (IV de Espanha) que o título vagara para a Coroa, concedendo-o então ao marquês de Porto Seguro, que elevou depois (já depois da Restauração de 1640) a duque de Abrantes. Este título conti-

nuou em Espanha, estando actualmente a representação na família Carvajal. Em Portugal, o título foi renovado pelo rei D. João IV noutra linha da descendência do 2º conde, na pessoa de D. Miguel de Almeida, 4º conde de Abrantes, um dos aclamadores de D. João IV. Por morte do 4º conde sem sucessão, a representação desta Casa recaiu em D. Isabel de Mendonça, bisneta do 3º conde, casada com João Rodrigues de Sá e Menezes, 1º conde de Penaguião. Deste casal foi bisneto o 1º marquês de Fontes, Francisco de Sá e Menezes, de quem

foram filhos os 2º e 3º marqueses de Fontes. A este último, mudou o rei D. João V o título de marquês de Fontes para marquês de Abrantes (1º marquês de Abrantes). D. Lopo de Almeida, 1º conde de Abrantes * 1416 D. João de Almeida, 2º conde de Abrantes * c. 1445 D. Lopo de Almeida, 3º conde de Abrantes * c. 1470 D. Miguel de Almeida, 4º conde de Abrantes * c. 1575

Centro de Saúde de Abrantes, aposentou-se então em 31 de Dezembro de 2010. Dois meses mais tarde voltaria para um período excepcional de três anos face à grave falta de clínicos. Entretanto, continua a escrever e, por isso, esperamse dele novas publicações. O conto aqui publicado para disso aperitivo.

1995 - Ensaio, O Mundo da Família,Ed. Labratórios Bial 1997 - Monografia, Os Primeiros Dez Anos, Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica Geral 1999 - Comunicações, Anamnese e Saber (co-autor), Ed. Faculdade de Medicina de Lisboa 1999 - Ensaio, A Consulta Consultada, Ed. Temática 1999 - Poesia, Cartas ao Coração de Lisboa, Colecção Alma Nova, Ed. O Mirante 2003 - Ensaio, Da Memória 20 Anos de Medicina Geral e Familiar (co-autor), APM CG, MVA-Invent

N.R. – O actual marquês de Abrantes tem maior notoriedade pública como José Abrantes, autor de banda desenhada.

José Falcão Tavares Na última edição, a publicação do conto “A febre do jogo”, de José Falcão Tavares, devia ter sido seguida de uma nota sobre o autor. Por razões de falta de espaço, a mesma acabou por cair, o que lamentamos, pois se José Falcão Tavares é bem conhecido por muitos, sobretudo como médico, mas também como escritor, outros haverá que gostariam de mais alguma informação. Aqui vai, portanto. José Falcão Tavares nasceu em 15 de Julho de 1953, em Abrantes, cidade onde reside e trabalha como médico desde 1982. Criou em 1986

jornaldeabrantes

com outros médicos o Clube de Clínica Geral de Abrantes, organizando o I Encontro de Saúde de Abrantes e realizando actividades de formação contínua e convívio. Sócio fundador da Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica Geral em 1983 e do Grupo de Estudos da Família em 1997, alcançou notoriedade ao fundar o jornal Médico de Família de que foi director entre 1988 e 1994. Recebeu o Prémio Bial de Medicina Clínica relativo a 1990 pela obra O Diário do Orientador, relativo à sua actividade pedagógica. Único chefe de serviço do

OBRAS DO AUTOR 1978 - Poesia, O Tu das Manhãs, Ed. do autor 1991 - Diário, O Diário do Orientador, Ed. Laboratórios Bial


CORREIO DO LEITOR 21

JUNHO2011

Carta de Maputo Querido País, Espero que te encontres bem… Eu por aqui cá vou lutando todos os dias! Como sabes cheguei a Moçambique em Janeiro de 2006 e por aqui tenho enfrentado vários desafios, com altos e baixos, mas principalmente ganho muita experiência de vida e de trabalho, coisa que tu nunca me poderias dar! Mas continuo a gostar de ti! Moçambique é um país enorme, sabias? Para teres uma ideia, contaram-me que uma vez o Presidente Samora fez de avião uma viagem que delimitou todo o país, demorou 11 horas! O mesmo tempo que demoro a fazer Maputo/Lisboa! É mesmo grande! Do Rovuma ao Maputo é uma riqueza! Ai se tu visses as praias! E a Ilha de Moçambique?

E o Zalala? O Xai-Xai? É lindo! Tens de vir ver! É “maningue nice” (muito bom)! Tem uma história muito rica, também, feita pelos portugueses que aqui deixaram muitas marcas, umas positivas e outras negativas, próprias da história! Um povo fantástico, super simpático e que sabe aproveitar a vida mesmo com todas as dificuldades sociais e económicas com que vive todos os dias! Às vezes questiono-me como é possível ver crianças com 6 e 7 anos a irem para a escola sem comerem o “mata-bicho” (pequeno-almoço), mas sempre com um sorriso estampado na cara e ainda me dizem: “Bom dia mama!” (sinal de respeito) Maputo, a cidade das acácias, capital do país, todos os dias se ergue das cinzas, passou pela guerra, mui-

tos edifícios foram destruídos mas “pouco–pouco” (devagar) vai crescendo e tentando reerguer-se! Aqui não nos falta nada, temos supermercados, farmácias, hospitais, mercado, jardins, museus, cinema, teatro, bares e discotecas e tantas outras coisas! É claro, não com o desenvolvimento daí, mas o essencial existe! Hoje é Sábado! Daqui a pouco vou ao Mercado do Pau! É uma verdadeira maravilha, todos os tipos de artesanato do país aqui se reúnem para mostrar a toda gente o melhor que eles produzem! As cores dos batiques, as esculturas em madeira, o cheiro das especiarias e as capolanas são uma mistura incrível! Quando cá vieres tenho de te mostrar! E, acredita, é muito bom, só não entendo porque não é mais divulgado

além fronteiras! Sabes o que descobri ontem? Num dos meus passeios, fui até ao Museu de História Natural, e estive, novamente, a ver a exposição da gestação dos elefantes desde embriãozinho até nascer. Sabias que é única no mundo? Pois é, aqui todos os dias encontro algo de novo, um novo tesouro, uma nova forma de ver o mundo! Bom, muita coisa havia para te contar! Nem ias acreditar! Existe tanta coisa!

Prometo voltar a escrever um dia destes! Vai dando noticias! Kanimanbo (obrigado) por te lembrares de mim! Eu nunca me esqueço de ti! Dá cumprimentos a todos! Até qualquer dia! Mafalda Brízida

Mafalda Brízida foi aluna de comunicação social na ESTA. Está em Maputo como correspondente da TSF, onde também já deu aulas.

DO SOUTO

Américo Pimenta Recordamos o”Ti Américo” no primeiro aniversário da sua morte. Américo Martinho Pimenta era o seu nome, porém era por Ti Américo que era mais conhecido na sua terra e era desta forma que mais familiarmente era tratado. Pessoa conceituada e grande amigo da sua terra, foi agente da PSP em Lisboa durante muitos anos, partilhando os mesmos locais de trabalho com o seu irmão Manuel Martinho Pimenta Subintendente da referida P.S.P. também ele falecido poucos meses após a morte do irmão. O “Ti Américo” foi durante toda a sua vida um autodidacta, conservando até ao fim o gosto pela leitura e pelo conhecimento em geral, quem sabe se para compensar o seu grande sonho, nunca realizado, de ter sido professor. Após a aposentação veio viver em permanência para o Souto, cultivando o seu pequeno quintal com o mesmo gosto com que cultivava amizades com os seus conterrâneos. Um acidente com uma arma de guerra, quando tinha 22 anos, e outros problemas de saúde, bem como a idade a avançar fizeram-no depender de uma

cadeira de rodas. A partir daí, habituámonos a vê-lo rodar pelas ruas do Souto na sua cadeira de rodas eléctrica que mitigava as suas dificuldades de deslocação. No final do ano de 2009, já com a saúde bastante fragilizada, deu entrada no hospital de Santa Maria em Lisboa, onde também criou amizades e era admirado

pela sua paciência e estoicismo face ao sofrimento e também pela sua postura sempre correcta e educada. Ali viria a falecer no dia 14 de Fevereiro de 2010, com 86 anos de idade. Ao meu amigo “ Ti Américo” o meu Adeus para sempre. Manuel Batista Traquina

jornaldeabrantes


22 PUBLICIDADE

JUNHO2011

CENTRO MÉDICO E DE ENFERMAGEM DE ABRANTES Largo de S. João, N.º 1 - Telefones 241 371 566 - 241 371 690

CONSULTAS Eurico Heitor Consciência

ADVOGADOS

João Roboredo Consciência Teresa Roboredo Consciência Rui Roboredo Consciência

ABRANTES: Ed. S. Domingos - Rua de S. Domingos – 336 – 2º A – Apart. 37 Tel. 241 372 831/2/3 – Fax 241 362 645 - 2200-397 ABRANTES LISBOA: Rua Braamcamp – 52 – 9º Esqº Tel. 213 860 963 – 213 862 922 - Fax 213 863 923 - 1250-051 LISBOA E.Mail: consciencia-839c@adv.oa.pt

NOTARIADO PORTUGUÊS CARTÓRIO NOTARIAL DE SÓNIA ONOFRE EM ABRANTES A CARGO DA NOTÁRIA SÓNIA MARIA ALCARAVELA ONOFRE

CRÉDITOS PAU LO N I ZA * CRÉDITO RÁPIDO P/ INÍCIO DO SEU NEGÓCIO Taeg desde 7,00%

* CRÉDITO PESSOAL OU CARTÃO DE CRÉDITO C/ ASSINATURA DE 1 SÓ TITULAR, SE CASADO Taeg desde 12,06%

* CRÉDITO CONSOLIDADO COM E SEM HIPOTECA C/ REDUÇÃO ATÉ 60% DO ENCARGO MENSAL Taeg desde 6,59%

* CRÉDITO COM GARANTIA DO SEU AUTOMÓVEL E NEGÓCIOS AUTO ENTRE PARTICULARES Taeg desde 18,52%

* LINHAS DE CRÉDITO COM APOIO DO ESTADO PARA INÍCIO DO SEU NEGÓCIO E PARA EMPRESAS JÁ EXISTENTES

Certifico para efeitos de publicação que por escritura lavrada no dia vinte e um de Junho de dois mil e onze, exarada de folhas cento e vinte e cinco a folhas cento e vinte e seis verso, do Livro de Notas para Escrituras Diversas NOVENTA – A, deste Cartório Notarial, foi lavrada uma escritura de JUSTIFICAÇÃO na qual os Senhores MANUEL ROLDÃO e mulher MARIA NATÁLIA ANTUNES ROSA ROLDÃO, casados sob o regime da comunhão geral de bens, naturais, ele da freguesia de Abrantes (S. Vicente), do concelho de Abrantes e ela da freguesia de Fundada, do concelho de Vila de Rei, residentes na Rua da Sociedade, número 33, em Casais de Revelhos, Alferrarede, Abrantes, DECLARARAM que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores do Prédio urbano, sito em Vale da Vinha, no lugar de Casais de Revelhos, na freguesia de Alferrarede, do concelho de Abrantes, composto de arrecadação de dois pisos com a área coberta de quarenta metros quadrados e logradouro com a área de setenta e cinco metros quadrados, a confrontar de Norte com Manuel Alves Venâncio, de Sul com Estrada Pública, de Nascente com Francisco Roldão e de Poente com Manuel Alves Venâncio, omisso na Conservatória do Registo Predial de Abrantes, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 3471 (anterior artigo 1242). Que o prédio está inscrito na matriz em nome dele justificante marido que eles justificantes são possuidores do prédio acima identificado por lhes ter sido doado verbalmente, por ALEXANDRINA MARIA e marido ANTÓNIO LOPES MOLEIRO, casados que foram no regime da comunhão de geral de bens, residentes no lugar de Casais de Revelhos, em Alferrarede, Abrantes, no ano de mil novecentos e sessenta e três, logo há mais de quarenta e cinco anos. Que, desde a referido data, vêm exercendo continuamente a sua posse, à vista de toda a gente, usufruindo de todas as utilidades do prédio, fazendo a sua conservação e obras de beneficiação, na convicção de exercer direito próprio, ignorando lesar direito alheio, sendo reconhecidos como seus donos por toda a gente, pacificamente, porque sem violência, continua e publicamente, de forma correspondente ao exercício do direito de propriedade, sem a menor oposição de quem quer que seja e pagando os respectivos impostos, verificando-se assim todos os requisitos legais para que ocorra a aquisição do citado imóvel por usucapião. Está conforme ao original e certifico que na parte omitida nada há em contrário ou além do que nesta se narra ou transcreve. Abrantes, 21 de Junho de 2011.

Taeg desde 2,50%

* CRÉDITO HABITAÇÃO E TRANSFERÊNCIAS COM REDUÇÃO DA SUA PRESTAÇÃO MENSAL E POSSIBILIDADE DE TAXA FIXA

A Notária Sónia Maria Alcaravela Onofre (em Jornal de Abrantes, edição 5485 – Junho de 2011)

ACUPUNCTURA Dr.ª Elisabete Alexandra Duarte Serra ALERGOLOGIA Dr. Mário de Almeida; Dr.ª Cristina Santa Marta CARDIOLOGIA Dr.ª Maria João Carvalho CIRURGIA Dr. Francisco Rufino CLÍNICA GERAL Dr. Pereira Ambrósio - Dr. António Prôa DERMATOLOGIA Dr.ª Maria João Silva GASTROENTERELOGIA E ENDOSCOPIA DIGESTIVA Dr. Rui Mesquita; Dr.ª Cláudia Sequeira MEDICINA INTERNA Dr. Matoso Ferreira NEFROLOGIA Dr. Mário Silva NEUROCIRURGIA Dr. Armando Lopes NEUROLOGIA Dr.ª Isabel Luzeiro; Dr.ª Amélia Guilherme

POR

MARCAÇÃO

OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA Dr.ª Lígia Ribeiro, Dr. João Pinhel OFTALMOLOGIA Dr. Luís Cardiga ORTOPEDIA Dr. Matos Melo OTORRINOLARINGOLOGIA Dr. João Eloi PNEUMOLOGIA Dr. Carlos Luís Lousada PROV. FUNÇÃO RESPIRATÓRIA Patricia Gerra PSICOLOGIA Dr.ª Odete Vieira; Dr. Michael Knoch; Dr.ª Maria Conceição Calado PSIQUIATRIA Dr. Carlos Roldão Vieira; Dr.ª Fátima Palma UROLOGIA Dr. Rafael Passarinho NUTRICIONISTA Dr.ª Carla Louro SERVIÇO DE ENFERMAGEM Maria João TERAPEUTA DA FALA Dr.ª Susana Martins

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SARDOAL EDITAL N.º 06/2011 MIGUEL JORGE ANDRADE PITA MORA ALVES PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SARDOAL FAZ PÚBLICO que, para efeitos do art.º 91º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, na redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro e, dando cumprimento ao art.º 16.º do Decreto – Lei n.º 442/91, de 15 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 6/96, de 31 de Janeiro, se realiza no próximo dia 28 de Junho de 2011, pelas 20 horas, no Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal, a sessão ordinária da Assembleia Municipal, com a seguinte Ordem de Trabalhos: Período Antes da Ordem do Dia Ordem de Trabalhos

Taeg desde 5,1994%

* CONTACTE-NOS MESMO QUE TENHA

PROBLEMAS BANCÁRIOS, POIS EM MUITOS CASOS AINDA TEMOS A SOLUÇÃO

www.pauloniza.pt Urb. Vila das Taipas. Lt.4 – r/c Drt. 2080-067 Almeirim E-mail: geral@pauloniza.com

Telf.: 243 579 296

Telm. 938 879 678

Clube Desportivo e Recreativo de Alferrarede “Os Dragões” ASSEMBLEIA GERAL - CONVOCATÓRIA Nos termos do artigo 42.º dos estatutos do Clube Desportivo e Recreativo de Alferrarede “Os Dragões” convoco os Exmos Associados a participar na Assembleia Geral a realizar no próximo dia 8 de Julho de 2011, pelas 21 horas na sede do Clube, Pavilhão Gimnodesportivo de “Os Dragões” de Alferrarede, com a seguinte ordem de trabalhos: 1) Apreciar, discutir e votar o Relatório e Contas do exercício de 2010, bem como, o parecer do Conselho Fiscal e Disciplinar 2) Eleger os Corpos sociais para o Biénio 2011/2012 3) Discutir e analisar outros assuntos de interesse para o clube Se à hora marcada o número de associados presentes não constituir quorum necessário, nos termos do artigo 43.º dos estatutos, funcionará a mesma, com qualquer número de associados, meia hora mais tarde, em segunda convocatória. O Presidente da Assembleia Geral Jorge Mariano

jornaldeabrantes

1. Informação do Presidente da Câmara, em cumprimento da alínea e) do n.º 1 do art.º 53º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro; 2. Transferências Financeiras para os Municípios – FEF; 3. Implicações das Medidas do Memorando da Troika no Município de Sardoal; Período de Intervenção do Público E para constar, se lavrou o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares públicos de estilo. Paços do Município de Sardoal, 17 de Junho de 2011 O Presidente da Assembleia Municipal Miguel Jorge Andrade Pita Mora Alves


SAÚDE 23

JUNHO2011

SAÚDE É ...

Secção da responsabilidade da Unidade de Saúde Publica do ACES do Zêzere

Ondas de calor O calor em excesso pode agravar as doenças crónicas ou originar desidratação, esgotamento e o golpe de calor, que representa uma situação extrema de elevada gravidade, pode provocar danos irreversíveis, ou até a morte. Uma onda de calor caracteriza-se por temperaturas extremamente elevadas, superiores à média usual para a época, durante um período longo de dias, e constitui uma preocupação crescente dos serviços de saúde pública, devido aos possíveis efeitos nefastos sobre a saúde das populações. Qualquer pessoa pode ser susceptível aos efeitos do calor, particularmente durante uma onda de calor, mas são especialmente vulneráveis as crianças nos primeiros anos de vida, os idosos, em especial os acamados, as pessoas portadoras de doenças crónicas (cardiovasculares, respiratórias, renais e diabetes mellitus) e pessoas com excesso de peso. A implementação anual, desde 2004, do Plano de Contingência para as Ondas de Calor tem-se revelado uma importante ferramenta na minimização dos seus efeitos adversos.

É preciso estarmos atentos e pôr em prática algumas das recomendações amplamente divulgadas pelos serviços de saúde, tais como: - Evitar a exposição directa ao sol em horas “de risco” (idealmente, entre as 11 e as 17 horas); - Utilizar protectores solares com factor de protecção elevado (≥ 30), e proteger a cabeça com chapéu de abas largas ou lenço, usar óculos escuros e, se possível, caminhar pela sombra; - Usar roupas leves, largas e de cores claras de algodão; - Preferir as horas de menor calor para viajar; - Ingerir líquidos várias vezes ao dia (água e sumos naturais) e oferecer frequentemente água às crianças, idosos e doentes crónicos, mesmo sem terem sede; - Consumir refeições frescas e saudáveis (saladas, sopas, fruta); - Tomar duche com água tépida ou fria; - Fazer pausas frequentes nas actividades ou trabalho no exterior e descansar

em locais frescos; - Arrefecer a casa, fechando as janelas durante o dia e abrindo-as à noite, para que o ar circule. Fique atento e acompanhe diariamente os Alertas difundidos pelos meios de comunicação social ou através do endereço www.dgs.pt. Se tiver dúvidas ligue para a Linha de Saúde 24 - 808 24 24 24. Lígia Alves Técnica Saúde Ambiental

jornaldeabrantes


Jornal de Abrantes  

Jornal de Abrantes - Junho 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you