Issuu on Google+

ÓRGÃOS NACIONAIS CONSELHO DIRETIVO LISTA A


ÓRGÃOS NACIONAIS CONSELHO DIRETIVO LISTA A Programa de Candidatura Assumo a minha recandidatura a bastonária desta ordem, por que acredito na necessidade imperativa e urgente da continuidade do trabalho, na garantia contínua da dignificação da profissão médico veterinária. Sei que posso continuar a fazer a diferença com esta candidatura e com esta equipa, a qual considero representativa da nossa Classe, naquilo que mais nos une, que é o espírito de Trabalho e a elevada Capacidade de Ação e de concretização de objetivos, sempre com vista à defesa dos interesses da Classe Médico Veterinária. Propomo-nos a continuar a trabalhar para uma Ordem que, com orgulho de si, esteja virada para o progresso e para o futuro, enfrentando os desafios nacionais e internacionais da sua profissão. Trabalharemos para unir os Médicos Veterinários em torno de si e da Ordem que os representa e os defende. A Força e a Continuidade desta candidatura espelham-se nas seguintes propostas: 1. Trabalhar, para que o poder político e a sociedade em geral continuem a reconhecer na nossa Ordem e nos Médicos Veterinários deste País, um parceiro fundamental nas questões de saúde animal, higiene pública veterinária, proteção e bem-estar animal, bem como, a sua importância no interface e implicações na saúde humana; 2. Desenvolver ações que suscitem um debate alargado no seio da Classe, de forma a criarmos, com o envolvimento, a participação e a colaboração de todos, a revisão dos Estatutos e do Código Deontológico, adaptando-os à Sociedade atual e aos novos desafios globais que a Classe enfrenta; 3. Ouvir dentro e fora da Classe Médico Veterinária. Continuar a criar e a motivar a participação de colegas, reconhecidos na sua área de atuação, em Comissões Consultivas e Grupos de Trabalho Especializados, para que a Ordem possa ser o reflexo da opinião de todos. Dialogar e decidir. Agir na concretização eficaz das necessárias ações; 4. Garantir a formação técnica e científica, eixo fundamental para a evolução e desenvolvimento da Medicina Veterinária, em todas as áreas do seu saber fazer, mediante a organização de formação e implementação de estratégias de qualificação e requalificação que sirvam aos Médicos Veterinários e à sua inserção e valorização no mercado de trabalho;


5. Criar, através de uma comissão consultiva para o ensino e formação, que reúna colegas de todas as Instituições de Ensino de Medicina Veterinária, de forma a definir os necessários critérios e os regulamentos, para o desenvolvimento de uma plataforma de criação de graus de distinção aos Médicos Veterinários, nomeadamente através da Especialização Veterinária; 6. Continuar a intervir na melhoria da opinião, comunicação e imagem do Médico Veterinário na Sociedade em geral, através de ações conjuntas com parceiros e gabinetes de apoio em Relações Externas e de Comunicação; 7. Melhorar o apoio jurídico prestado aos colegas no exercício da sua atividade Médico Veterinária, nomeadamente, na sua relação com clientes e outros parceiros; 8. Continuar a investir na Formação dos colegas nas mais variadas vertentes, com ênfase na manutenção e na melhoria da Biblioteca on-line; 9. Educar, informar e divulgar à sociedade em geral, e às entidades empregadoras em particular, a importância que o conceito de Saúde Global – resultado da integração da Medicina Veterinária e da Medicina Humana com a interdependência “animais saudáveis igual a pessoas saudáveis” - vê congregado no Médico Veterinário, as mais elevadas competências para a defesa da Saúde Pública; 10. Desenvolver ações mediáticas que chamem a atenção e distingam a atividade do Médico Veterinário, em várias áreas específicas, de forma a criar na sociedade o devido reconhecimento das mais-valias dos serviços prestados por estes profissionais; 11. Garantir que os princípios éticos que regulam a atividade do Médico Veterinário, em qualquer uma das suas áreas profissionais, estejam intrinsecamente unidos com a salvaguarda do Bem-estar, Ética e Proteção Animal; 12. Assumir a responsabilidade de sermos uma entidade determinante e parceira no sector do medicamento veterinário, seja liderando ou colaborando com outras organizações, designadamente associações profissionais congéneres e outros parceiros dos vários sectores; 13. Cooperar a nível nacional e internacional, de forma a reforçar os interesses da profissão no contexto do País, da Europa e do Mundo; 14. Criar mecanismos de apoio aos mais jovens na oferta e inserção no mercado de trabalho; 15. Continuar a investir na modernização administrativa da nossa Ordem e na melhoria dos serviços e atendimento prestados aos colegas; 16. Continuar a providenciar gratuitamente aos nossos membros, os benefícios de Seguros, nomeadamente o Seguro de Responsabilidade Civil e o Seguro de Saúde; 17. Criar uma plataforma, que permita a aquisição de uma sede própria na qual os colegas se revejam e possam considerar como uma sua casa – “A casa da profissão Médico Veterinária”. Na concretização do nosso programa comprometemo-nos a trabalhar com afinco, ética e rigor, para o progresso da classe Médico Veterinária, com visão, estratégia e coragem numa equipa que se caracteriza por: - Elevada Capacidade interventiva; - Elevada Capacidade de Trabalho, Criatividade e Concretização;


- Rigor, Competência e Qualificação; - Visão para o Futuro; - Ligações nacionais e internacionais; - Capacidade de ouvir e de trabalhar em equipa; - Princípios e valores. Esta é uma Candidatura para continuar a Apoiar, Unir, Construir, Valorizar, Dignificar e Prestigiar os MÉDICOS VETERINÁRIOS. Candidata a Presidente do Conselho Diretivo

Laurentina Pedroso


CONSELHO DIRETIVO LISTA A Presidente Laurentina Maria Rilhas Pedroso Membro 1406 Licenciada em Medicina Veterinária pela Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa em 1985. Doutorada pela University of Newcastle Upon Tyne, Inglaterra com equivalência ao grau de Doutor em Ciências Veterinárias em 1992, pela Universidade Técnica de Lisboa. Pós-Doutoramento, em 1992, pela Faculty of Medicine, University of Iowa, Iowa, Estados Unidos da América. Experiência na área da segurança alimentar, com especial interesse no sector das carnes, tendo sido Directora da Qualidade em empresas líderes do mercado alimentar (Fricarnes e Sicasal) e Secretaria-geral da Associação Portuguesa dos Fabricantes de Produtos Cárneos (AFABRICAR). Foi consultora em sistemas de prérequisitos e de segurança alimentar - HACCP da Coca-Cola e do Holiday Inn Azores. Coordena, desde 2000, várias Pós-graduações e Mestrados no âmbito da segurança alimentar e saúde pública. Desde 2007, Presidente do ONS (Organismo de Normalização Sectorial) do Sector das Carnes. É actualmente Diretora e Professora Catedrática Convidada da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Portugal, e Diretora Executiva da Associação Portuguesa dos Industriais de Carnes (APIC). Bastonária da Ordem dos Médicos Veterinários no triénio 2010 a 2012.

Luís Miguel do Amaral Cruz Membro 1269 Licenciatura em Medicina Veterinária pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa (ano de conclusão: 1992). Medicina de Animais de Companhia. Membro de várias Associações Profissionais nacionais e estrangeiras. Membro do Conselho Profissional e Deontológico da OMV no triénio 2010-2012.


Dagmar Weisz Sampaio Membro 161 Licenciatura em Medicina Veterinária pela Escola Superior de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa (ano de conclusão: 1984). Situação atual: Chefe de Divisão de Veterinária dos Serviços de Desenvolvimento Agrário de S. Miguel, Açores. De 2002 a 2008, foi Diretora Geral da Empresa NSL – Sociedade de Exploração Turística, SA – Hotel Holiday Inn Azores e Diretora da Qualidade do Hotel Express by Holiday Inn Lisbon-Oeiras. De 1993 a 2002 foi Diretora Geral da Escola de Novas Tecnologias dos Açores (ENTA). De 1989 a 2002, Técnica Superior do Instituto Inovação Tecnológica Açores (INOVA) - Responsável pelo Laboratório de Microbiologia, pela Secção de Formação e pela montagem simultânea da futura Escola de Novas Tecnologias. De 1988 a 1989, atividade independente. Dedicação exclusiva à clínica de pequenos animais em clínica própria – Clínica Veterinária de S. Miguel. De 1985 a 1988, foi Técnica Superior dos Serviços Veterinários de S. Miguel. Foi membro da Delegação da Ordem dos Médicos Veterinários nos Açores e foi membro da Direção da Associação Portuguesa Qualidade (APQ) – Delegação Açores. Secretária do Conselho Diretivo da OMV no triénio 2010-2012.

José Manuel Cardoso de Sousa Prazeres Membro 192 Licenciatura em Medicina Veterinária em 1985 pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa. Exerceu funções no Macau Troting Club e Jockey Club. Foi Team Vet de Seleções Equestres Portuguesas e Brasileiras, em Campeonatos do Mundo/Europa, Chefe de Equipa de várias Seleções Equestres Portuguesas em Jogos Olímpicos, Campeonatos do Mundo/Europa. Veterinário Oficial em diversas Competições Oficiais. Diretor Clínico da Clínica Veterinária de Sto Estevão. Tesoureiro da Ordem dos Médicos Veterinários no triénio 2010-2012.

Rita Maria Payan Carreira Membro 1271 Licenciada em Medicina Veterinária em 1985, pela Escola Superior de Medicina Veterinária, da Universidade Técnica de Lisboa, iniciou a sua carreira profissional nesse mesmo ano. É Professora Auxiliar com Agregação (Área de Reprodução e Medicina da Reprodução) no Departamento de Zootecnia da Universidade de Trás-os-Montes e


Alto Douro (Vila Real) onde trabalha como docente desde Outubro de 1986. Desenvolveu por um período de 8 anos a atividade profissional de Médica Veterinária em regime liberal em acumulação com a sua atividade docente. Nestes últimos anos a sua atividade centra-se no ensino e na investigação, sendo atualmente Vice-Diretora executiva do Centro de Estudos em Ciência Animal e Veterinária (CECAV). Exerce o cargo de Presidente da Assembleia Regional Norte da OMV para o triénio que agora termina.

Hugo Brancal Membro 2558 Licenciado em Medicina Veterinária pela UTAD em 2000. Clínico de animais de companhia. Assistente convidado do Instituto Politécnico de Castelo Branco. Foi Coordenador Regional do Sistema Nacional de Identificação e Registo de Bovinos (SNIRB) da Divisão de Intervenção Veterinária do Sabugal, Fundão. Membro do Conselho Diretivo no triénio2010-2012.

José Eusébio Faria TemTem Membro 340 Licenciou-se em Medicina Veterinária, em 19 de Julho de 1985, na Escola Superior de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa. Ingressou na função pública em 2 de Setembro de 1985, no quadro da Direção de Serviços Veterinários do Governo Regional da Madeira. Trabalhou durante cerca de 5 anos na Direção Geral das Atividades Económicas da Secretaria de Estado do Comercio Interno Atualmente é Diretor de Serviços Técnicos da Inspeção Regional das Atividades Económicas da Madeira e é inspetor superior principal do quadro da mesma Inspeção.



cd a