Issuu on Google+

JORNAL DE BELTRÃO Francisco Beltrão, quinta-feira, 19 de setembro de 2013. Ano XXV - Número 5.155 - R$ 2,00 - Fone: (46) 3520-4000

Foto de divulgação

Foto de divulgação

NESTA EDIÇÃO, 4 CADERNOS, 32 PÁGINAS. JdeB, O LEITOR EM PRIMEIRO LUGAR. WWW.JORNALDEBELTRAO.COM.BR

Jovens, gaúchos de nascimento ou de coração, vivem o tradicionalismo na dança, na música e nos costumes. Na foto, prendas e peões de Beltrão. Plural - Pág. 11

Cerca de 80 alunos do Colégio Estadual do Industrial visitaram Ametista do Sul (RS), com a professora Nadja Matte. A foto foi tirada na Igreja São Gabriel. Pág. 16

STF confirma novo julgamento do mensalão Voto do ministro Celso Mello, após 2 horas de explanação, foi favorável aos “embargos infringentes”, foram aprovados por 6x5. Foto de Nereu Miserski/JdeB

Após cerca de duas horas de explanação, o ministro Celso de Mello, do STF, votou a favor dos embargos infringentes, resultando então no placar de 6 a 5 para os mensaleiros. Agora, 12 réus poderão solicitar o reexame de suas penas, entre eles José Dirceu e Delúbio Soares. Com novos julgamentos para os crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, alguns condenados poderão ser absolvidos e, assim, escapar do regime fechado de prisão. O ministro Luiz Fux foi sorteado na noite de ontem para ser o novo relator. Fux foi um dos cinco derrotados na votação. Poucas pessoas protestaram em Brasília durante a sessão do Supremo. Págs. 3 e 5

Sai novo salário dos empregados do comércio beltronense Convenção dá novos números referentes aos salários dos trabalhadores do comércio de Beltrão. O acordo aconteceu nesta semana. Pág.4C

Executivos da Audi destacam o Governo do Paraná Os dois principais executivos da Audi, Rupert Stadler (presidente mundial) e Bernd Martens (vicepresidente), ressaltaram a importância do Governo do Paraná na decisão da empresa de instalar a nova fábrica. Eles estiveram com o governador Beto Richa. A Audi vai fabricar os modelos A3 sedan e Q3. Os primeiros veículos chegam ao mercado em setembro de 2015. Pág. 5

Foto de Ricardo Almeida/ANPr

Cavaleiros do CTG de Marmeleiro abrem a Semana Farroupilha no município. Pág. 13

Há 40 anos, o Sudoeste viveu uma das maiores tragédias de sua história Dia 19 de setembro de 1973 a balsa que fazia a travessia do Rio Iguaçu, entre Foz do Chopim e Salto Osório, afundou. Carros, ônibus e caminhões ficaram submersos. Muitas pessoas morreram. Não se tem números exatos, uns falam em 35 pessoas, outros em mais de 100. Págs. 6 e 14 Observado pelo presidente mundial da Audi, Rupert Stadler, o governador Beto Richa testa um dos carros da marca alemã que serão produzidos em São José dos Pinhais e chegam ao mercado em 2015. A Audi vai fabricar os modelos A3 sedan e Q3. A dupla Os Pistoleiros do Sul do Oeste tornou-se conhecida na região por sua música sobre a tragédia da balsa de Foz do Chopim, que afundou há exatos 40 anos, dia 19 de setembro de 1973. Este ônibus da Cattani (foto ao lado) estava na balsa.


DETALHES

Atestado de incompetência E ele vem da suprema corte deste país. O que preocupa qualquer alma mediana, é porque o Supremo Tribunal Federal, composto por homens de "notável saber", nos leva a uma consideração dos princípios e valores reais transformados em ilusões estapafúrdias e incompreensíveis, baseadas não se sabe em quê. Ora, princípios Itacir Rovaris estapafúrdios e mentirosos não são princípios, e não têm força legal e moral em nenhum lugar do mundo. Estamos no tempo do "clamor das ruas". O que poderá acontecer com a nossa Nação (com maiúscula), se tamanho descaso e omissão nascentes nas fontes dos poderes continuarem despencando nesta pirambeira abaixo sem controle? Somos o país das leis sem eficácia. Os tais "embargos infringentes", mais uma aberração contra o povo brasileiro, não estão dimensionados em nenhuma lei desta Pátria. Eles apenas fazem parte do cadavérico Regimento Interno do STF. Cadavérico porque, a permanecer tal estado de coisas (estou escrevendo este artigo no domingo, dia 14), que faremos nós com a tão prometida "Cidadania" (também maiúscula) do nosso povo? Outra mazela do emaranhado direito brasileiro reside na composição do próprio Poder Judiciário. Se há um Supremo Tribunal Federal colegiado, que julga, liberta ou condena pela vontade da maioria, como ainda se pode "recorrer" ao mesmo ente? Ora bolas, senhores constituintes das leis brasileiras: não há mais nenhum tribunal acima do STF, portanto, não será mesmo uma anomalia cadavérica o tal "recurso de embargos infringentes"? Por disposição regimental pode-se efetuar apelação ao mesmo tribunal para novo julgamento ou reforma de sentença? Homens de tanto saber deveriam, isto sim, por seus atos e decisões, nortear as esperanças de todo o País. Que pensaremos nós, simples mortais, desta bobagem do Estado de Direito? Terão os poderes constitucionais o dever de impor sobre a sociedade que regem tamanho grau de segurança jurídica? Acima da lei Não bastassem todas as barbaridades perpetuadas, segundo eles dentro da lei, ainda resta observar, faz tempo, a vergonha de certas decisões do STF, nos colocando a todos debaixo do tapete da incompetência e da injustiça. Em vez de julgar, legisla. Em vez de acatar a Lei, ab-roga. Não reconhece o Princípio Universal da Lei Natural. Isto apodrece todas as relações sociais e representa a destruição da humanidade. O Estado — e suas leis — leva a população para a impunidade, para a indiferença, para a omissão, para o relativismo e para o não reconhecimento do certo e do errado. Educação Mas esta parafernália inexplicável tem forte base no sistema educacional desta terra. Quem brinca com a educação está construindo com alicerces podres... E tudo o que se projeta sobre eles, desaba. Jamais acreditarei nesta educação estatal livre, sem disciplina, onde o Mestre não é respeitado, não é amado e nem reconhecido. Qualquer problema na escola ou com os alunos, lá vai o professor para o julgamento irresponsável, sem critérios e que se arraste sobre seu calvário. Não acredito numa educação sem base religiosa, sem princípios, sem uma forte viga de valores e sem a participação obrigatória da família. O governo, com o que faz, está formando um enorme contingente de indiferentes e omissos. O resultado aparece nas ruas. Itacir Camilo Rovaris, membro do Centro de Letras de Francisco Beltrão — E-mail: irovaris@bol.com.br

HISTÓRIA

há 18 anos

2 JORNAL DE BELTRÃO Quinta-feira, 19.9.2013

Opinião do JdeB As festividades em torno da Semana Farroupilha fazem parte da tradição gaúcha e, onde houver gaúchos, como é o caso do Sudoeste do Paraná, que recebeu forte colonização do extremo sul, é importante manter a história, respeitar o passado e conferir estatuto de cultura a eventos que marcam uma identidade. Somos todos brasileiros, mas existem grupos regionais que se identificam com determinada tradição. No caso do Sudoeste, torna-se inequívoca a presença dos valores gauchescos.

Na presidência da Assembleia Legislativa, o advogado da Prefeitura de Bela Vista da Caroba, Ediclei Luiz Paloschi, o prefeito Dilson Storch, o presidente da Assembleia, Valdir Rossoni, o vice-prefeito, Francisco Barros, e o deputado estadula Ademar Traiano. bleia Legislativa. Mas acontece.

Umas e outras Hoje, às 17 horas, em Marmeleiro, acontece a solenidade de instalação da 140ª Zona Eleitoral. Será no segundo piso da Prefeitura, com a presença do desembargador Rogério Coelho. Amanhã, às 17 horas, a Prefeitura de Rogério Coelho Marmeleiro, através do Departamento de Saúde, estará realizando o ato solene de Inauguração da Academia da Saúde, a qual está instalada na Rua Emílio Magno Glatt, 1073, anexo ao Posto de Saúde da Família no bairro Santa Rita. Estarão presentes o deputado Nelson Meurer (PP), o prefeito Luiz Bandeira, o vice-prefeito Ivanir Pilatti (PMDB), vereadores, diretores de departamentos, a equipe que irá atuar coordenando as atividades da academia, funcionários municipais e moradores do bairro. Hoje, às 20:30, tem programa de dez minutos do PSDB nacional. A estrela será o presidente da legenda, senador Aécio Neves. Aécio estará em Curitiba dia 28 deste mês, um sábado. Será um evento político, de apoio à précandidatura presidencial do senador mineiro. Análises políticas da grande imprensa avaliam que o cancelamento da visita da presidente Dilma Rousseff (PT) aos Estado Unidos em outubro renderá “dividendos políticos” na eleição do ano que vem. O governo federal encaminhou um ofício, na semana passada, ao gabinete do deputado estadual Elton Welter (PT) informando que estão garantidos, no Orçamento da União, R$ 50 milhões para a duplicação de cerca de 40 quilômetros da BR-163, entre Marechal Cândido Rondon e Toledo.

Há 18 anos, em 19 de setembro de 1995, uma terça-feira, uma notícia foi a 32ª Romaria de Nossa Senhora da Salette, que tinha acontecido no domingo anterior em Rio Elias, no município de Renascença — a romaria deste ano, a de número 50, será no próximo final de semana. Conforme o título destacou, aquela foi a maior de todas. Algumas curiosidades registradas na reportagem: o espeto de três quilos de churrasco custou somente R$ 10 (hoje está em torno de R$ 45). Foram comercializadios 3,6 mil quilos de carne. Cinco padres estiveram na festa, rezando, atendendo confissões e dando bênçãos.

Opinião

O secretário estadual Ratinho Júnior (Desenvolvimento Urbano) é deputado federal licenciado. Ele obteve 360 mil votos em 2010. Ratinho tem deixado em aberto seu futuro político, mas deve se preparar para concorrer a deputado estadual em 2014. Não é comum o político que é parlamentar federal retornar para a Assem-

No Rio Grande do Sul, a também mais votada para deputada federal, Manuela Dávila (PC do B) — 482 mil votos —, anunciou nesta semana que vai concorrer a deputada estadual no ano que vem. Manuela se elegeu vereadora de Porto Alegue em 2004 e em 2006 e 2010 se elegeu deputada federal. Concorreu duas vezes para a prefeitura da capital gaúcha mas não obteve sucesso, em 2008 e 2012. Francisco Lacerda Brasileiro, o Chico Brasileiro, que foi vice-prefeito de Foz do Iguaçu de 2009 a 2012, quando concorreu a prefeito e não se elegeu, trocou o PC do B pelo PSD. Nas últimas eleições municipais, Chico Brasileiro conquistou 63 mil votos (45%). Agora ele colocou o nome à disposição do PSD para a disputa de uma vaga na Assembleia Legislativa no ano que vem. Para efeito meramente de curiosidade: se os votos válidos para deputado estadual do Paraná de 2010 forem semelhantes aos da eleição do ano que vem, teremos no Paraná 5,6 milhões de votos válidos para a Assembleia Legislativa. Divididos por 54 cadeiras, perfazem uma média de 103 mil votos para cada vaga. Se, numa hipótese, Ratinho Júnior totalizar uns 400 mil votos, garante a sua vaga e a de mais três colegas do PSC. Considerando que o PSC terá candidatos em todas as regiões do Estado, pode-se calcular que terá uma bancada considerável na Assembleia. No Sudoeste, o PSC tem dois ex-prefeitos que se movimentam visando candidatura de deputado no ano que vem, Wilmar Reichembach (Francisco Beltrão) e Luís Corti (São Jorge). Na Câmara de Vereadores de Pato Branco há o debate sobre o Estar (Estacionamento Regulamentado). Uma propostas é promover uma audiência pública, abordando também a questão da acessibilidade. A proposta do governo estadual que prevê a concessão de benefícios fiscais às empresas que queiram investir em projetos esportivos credenciados na Secretaria de Esporte do Paraná chegou à Assembleia. Segundo o projeto, o benefício

às empresas será de até 3% do valor devido de ICMS. Caberá à Secretaria da Fazenda definir, anualmente, o valor máximo de recursos para captação. Uma das reivindicações da Associação dos Municípios da Cantuquiriguaçu — 21 municípios — é pela instalação de um Instituto Médico Legal em Laranjeiras do Sul. Lideranças da cidade e da região estiveram com a deputada Rose Litro, para ela intermediar a proposição. Rose conversou com Leon Grupenmacher, diretor Geral do IML do Paraná. De acordo com ele, “para a construção de um prédio visando a instalação do IML no município há necessidade de disponibilização de um terreno pela Prefeitura, em local próprio e com tamanho suficiente para a execução da obra”. Rose não irá à reeleição em 2014. No seu lugar, representando seu grupo político, o candidato será seu filho, Paulo Litro, também do PSDB. Cartas: O Jornal de Beltrão faz questão de publicar as cartas dos leitores mas, por problema de espaço, se reserva o direito de sintetizá-las, quando forem muito longas, ou, quando se trata de alguma resposta a outra missivista — ou a algo publicado no jornal —, sempre que fogem do tema em debate.

EXPEDIENTE JORNAL DE BELTRÃO (Diário de terça a domingo) Fundação: 1° de maio de 1989. Propriedade: Editora Jornal de Beltrão Sociedade Anônima. CNPJ 95420188/ 0001-33 -Rua Mato Grosso, 55 CEP 85.605280 - Francisco Beltrão - PR. Fonefax: (46) 3520-4000 Conselho Editorial (º) e Conselho de Administração (*): Badger Vicari*º, Celso Albino Reichert*º, Claudiney Del Cieloº, Domingos Rafagnin*º, Flávio Cesar Pedron*º, Itamar M. Pereira*, Ivo A. Pegoraro*º (presidente), Luciano André Trevisan*º, Luiz Carlos Bággioº, Marcos Kuchinski*º e Quintino Girardi*º. Diretor de Redação: Jornalista Ivo A. Pegoraro - ivo@jornaldebeltrao.com.br Chefe de Reportagem: Jornalista Flávio Cesar Pedron - flavio@jornaldebeltrao.com.br Diretor Administrativo-Financeiro: Celso A. Reichert - celso@jornaldebeltrao.com.br Diretor de Produção: Quintino Girardi quintino@jornaldebeltrao.com.br Gerente de vendas: Marcos Kuchinski comercial@jornaldebeltrao.com.br Impressão própria As matérias assinadas não representam, necessariamente, a opinião do jornal. Notícias nacionais e internacionais - Agência Estado e Agência Brasil Representantes Dois Vizinhos: 3536-2929 (Sucursal) Pato Branco: 3025-2970 Curitiba: Merconeti (041) 3079-4666 Brasília: Central de Comunicação - (061) 3323-4701 O Jornal de Beltrão é associado à ADI-PR (Associação dos Jornais Diários do Interior do Paraná) Endereço eletrônico: jornaldebeltrao@gmail.com assinaturas@jornaldebeltrao.com.br

www.jornaldebeltrao.com.br e www.paranasudoeste.com.br


Política

Quinta-feira, 19.9.2013 JORNAL DE BELTRÃO

BRASIL

3 Poucas pessoas protestam

contra o STF

Celso de Mello desempata em favor de um novo julgamento para os mensaleiros ABr – O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou a favor do recurso que permite a reabertura do julgamento de 12 réus condenados no processo do mensalão. A votação sobre a validade dos embargos infringentes estava empatada em 5 a 5 e foi definida com voto de Mello, favorável ao recurso. Celso de Mello iniciou o voto afirmando que os julgamentos no Supremo devem ocorrer de forma imparcial, sem pressões externas, como da imprensa e da sociedade. Para o ministro, qualquer decisão tomada de acordo com clamor público é inválida. “Devem ser assegurados todos os meios e recursos da defesa, sob pena de nulidade de persecução penal”, explicou. Segundo Mello, o cidadão tem assegurado direito constitucional de se manifestar, porém, o julgamento de qualquer réu não pode ser influenciado. “Todo cidadão tem direito à livre expressão. Sem prejuízo da ampla liberdade de crítica, os julgamentos do Poder Judiciário, proferidos em

ambiente de serenidade, não podem se deixar contaminar por juízos paralelos, resultantes de manifestações da opinião pública”, argumentou. Regimento Interno Sobre os embargos infringentes, Celso de Mello entendeu que os embargos infringentes são válidos, porque estão previstos no Regimento Interno do Supremo. De acordo com o ministro, a Lei 8.038/1990, que trata dos recursos em tribunais superiores, não excluiu a utilização desse tipo de embargo. Para o ministro, nas ações penais que começam no STF, réus têm direito a novo julgamento, pois não há instância superior ao Supremo para que os réus possam recorrer das condenações. Os embargos infringentes são cabíveis aos réus que tiveram pelo menos quatro votos pela absolvição em algum crime. Dos 25 condenados, 12 tiveram pelo menos quatro votos pela absolvição: João Paulo Cunha, João Cláudio Genu

e Breno Fischberg (no crime de lavagem de dinheiro); José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Marcos Valério, Kátia Rabello, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz e José Salgado (no de formação de quadrilha); e Simone Vasconcelos (na revisão das penas de lavagem de dinheiro e evasão de divisas). No caso de Simone, a defesa pede que os embargos sejam válidos também para revisar o cálculo das penas, não só as condenações. Nas sessões anteriores, os ministros Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski votaram a favor da validade do recursos. Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Marco Aurélio foram contra. A questão gerou impasse porque os embargos infringentes estão previstos no Artigo 333 do Regimento Interno do STF, porém, a Lei 8.038/ 1990, que trata do funcionamento de tribunais superiores, não faz menção ao uso do recurso na área penal.

Ao lado, os votos contrários ao adiamento do julgamento; abaixo, os votos favoráveis, dando nova chance aos mensaleiros.

Barbosa

Cármen Lúcia

Gilmar Mendes

Marco Aurélio

Luiz Fux

Celso de Mello

Lewandowski

Luís Barroso

Teori Zavascki

Rosa Weber

Dias Toffoli

Cartazes ironizando a decisão do Supremo, que, por 6 a 5, permitiu novo julgamento para mensaleiros. (AE) - Com faixas com dizeres irônicos, fantasiados de Barack Obama e embalados pelo som de uma vuvuzela, 20 manifestantes se reuniram em frente ao Supremo Tribunal Federal. O som da corneta dos manifestantes podia ser ouvido de dentro do plenário. No lado de fora Francisco Tabajara carregava uma faixa com os dizeres: “STF me prenda. Só roubei uma galinha”. Ao lado de Tabajara alguns manifestantes colocaram um gradeado com as imagens do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-presidente do PT José Genoino em trajes de presidiários. Os dois, réus no processo do mensalão, se beneficiaram com a decisão de Celso de Mello, que desempatou o placar até então em 5 votos a favor e 5 votos contra. Os mensaleiros terão um novo julgamento. Vestido com uma faixa de presidente, terno e gravata, José “Obama”, que se assemelha fisicamente ao presidente norte-americano, Barack Obama, carregava uma bandeja com vários pedaços de pizzas. “Hoje tudo é pizza”, disse José. A segurança no STF foi reforçada. Dentro do plenário, ao contrário das últimas sessões, todos os cerca de 200 lugares foram tomados por uma plateia misturada por jornalistas, advogados, estudantes de Direito, entre outros. Uma salva de fogos, possivelmente em ironia, pôde ser ouvida nas proximidades do Supremo logo após o ministro Celso de Mello encerrar o voto que ocasionará um novo julgamento. Um grupo de cerca de 50 manifestantes tentou derrubar as grades de que isolam a Corte. A segurança em frente ao gradeado foi reforçada com uma primeira linha composta de seguranças do STF e uma segunda formada por policiais militares. Na lateral do Tribunal também estavam estacionadas cerca de dez viaturas da PM. Até o início da noite não foi registrado nenhum grave incidente.


Atropelamento com morte A Polícia Rodoviária Estadual registrou acidente de trânsito com morte em Palmas, na PR 280. Um caminhão Volks, de Palmas, conduzido por Aldair Nunes, 25 anos, atropelou a pedestre Adriana Fátima de Oliveira, 38 anos, que morreu no local. Outros dois acidentes foram registrados, ambos somente com danos materiais. Neste mês aconteceram 70 acidentes nas rodovias estaduais da região, com seis mortes e 56 feridos. No ano são 888 acidentes, com 68 mortes e 711 feridos. Mulher agredida e assaltada Uma mulher foi agredida e assaltada no bairro Pinheirinho, em Francisco Beltrão. Ela disse que foi atacada pelo seu examásio e foi agredida com socos e chutes. Além disso, ele roubou o seu telefone celular. A Polícia Militar realizou buscas, mas não encontrou o acusado. Arrombamento e furto Ladrões agiram na Linha Rio Forquilha, interior de Vitorino. Aconteceu arrombamento no barracão de uma propriedade. Foram furtadas 20 sacas de sementes de milho, 80 litros de dessecante

Roundup, oito frascos do inseticida Nexide e um tacógrado, constituindose em grande prejuízo ao proprietário. Nota do Corpo de Bombeiros “Por problemas técnicos alheios à nossa capacidade resolutiva, as ligações para o número de emergência 193, originadas de aparelhos celulares da operadora TIM estão sendo direcionadas para a cidade de Porto União (SC). Orientamos toda a população de Francisco Beltrão e região para que, caso não obtenham êxito no contato via telefone 193, executem a ligação para nossos telefones fixos: 46 3905 2100 ou 46 3905 2122. Informamos ainda que todas as medidas foram tomadas para que a atual situação seja solucionada o mais brevemente possível.” Aborto em Bela Vista da Caroba Em Bela Vista da Caroba, a polícia está investigando a ocorrência de um aborto. A mulher ingeriu medicamentos proibidos e a criança nasceu morta. A reportagem ligou para a delegacia de Ampere, que cuida do caso, mas não foram repassadas maiores informações sobre o andamento do processo.

Polícia recupera moto furtada na capital em 2005

Moto recuperada em Clevelândia. JdeB - Na terça-feira, dia 17, por volta de 17 horas, a equipe policial da Patrulha Rural de Pato Branco localizou na estrada rural da comunidade de São Roque, interior de Clevelândia, uma motocicleta Honda/Falcon de cor vermelha. Na abordagem, a equipe constatou que a motocicleta estava sem placa e a identificação do chassi estava alterada, “pinada”, não sendo possível ver o número. Ao verificar a numeração do motor, a equipe policial constatou que se tratava da motocicleta de placa BBN-0505 e estava com alerta de furto/roubo na cidade de Curitiba desde o dia 14 de outubro de 2005. O condutor e a motocicleta foram conduzidos para a delegacia de Polícia Civil de Clevelândia.

PF prende em flagrante dois estelionatários em Curitiba Da assessoria - A Polícia Federal prendeu na manhã de ontem, 18, duas pessoas acusadas pelo crime de estelionato, após saírem de agência bancária na qual haviam assinado contrato de empréstimo com documentos falsos. A Polícia Federal, que já investigava outras fraudes, monitorava um suspeito e acompanhou quando ele entrou numa agência bancária junto com outra pessoa. Na ação, uma equipe de policiais federais que entrou na agência viu quando a dupla assinou um contrato e retirou um talão de cheques. Ao se retirarem da agência, os suspeitos foram abordados pela outra parte da equipe de policiais que aguardava do lado de fora. Ao ser questionado a respeito dos fatos, um dos suspeitos informou que havia utilizado documentos falsos para obtenção de empréstimo para pessoa jurídica, no valor de R$ 500 mil. Nesse momento, foram presos em flagrante e conduzidos para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba para as medidas legais.

4 JORNAL DE BELTRÃO

Geral/Policial

Quinta-feira, 19.9.2013

MARMELEIRO

Jovem é condenado a 22 anos por matar mulher com automóvel no Dia das Mães Por Niomar Pereira O jovem Norton Michel Vendrúscolo Maciel, 25, foi condenado a 22 anos e dois meses de prisão em júri popular na Comarca de Marmeleiro, realizado na terça-feira, dia 17. O julgamento aconteceu no auditório da Prefeitura, sob a presidência do juiz de Direito Alexandro Cezar Possenti, e contou com a presença de aproximadamente 30 pessoas, a maioria parentes da vítima, Oracelina de Oliveira, 58 anos. Atuou na acusação o promotor de Justiça Rafael Dopico da Silva e na defesa o advogado Fernando Biava. O rapaz foi julgado por um atropelamento ocorrido dia 13 de maio, um domingo — Dia das Mães —, em frente a um posto de combustíveis, em que foi vítima fatal a vendedora autônoma Oracelina de Oliveira. Norton, que estava conduzindo o Ford Escort, foi preso em flagrante pelo artigo 121 do Código Penal — matar alguém com intenção ou assumindo o risco de assim fazê-lo. Oracelina e o filho Anderson foram ao pátio do posto para buscar o filho mais novo e acabaram atropelados pelo Ford Escort. A promotoria alegou que Norton pegou o carro estando bêbado, tentou atropelar Anderson e depois atropelou a mulher. "Alguém que faz isso ou quer matar ou assume o risco de matar", disse o promotor Rafael.

Réu pretende recorrer ao Tribunal de Justiça para ter novo júri. O advogado Fernando Biava, que foi nomeado defensor dativo, disse que o réu manifestou o desejo de recorrer da decisão. "Vai depender se o juiz irá me manter advogado dele ou irá nomear outro profissional." Neste caso, o recurso precisa ser interposto no Tribunal de Justiça do Paraná pedindo anulação e realização de novo júri popular. Fernando conta que defendeu a tese de que o réu cometeu um homicídio culposo (sem intenção de matar) na direção de veículo automotor.

"Uma das testemunhas disse que viu o carro girar, isso aconteceu porque ele puxou o volante para não bater na vítima, porque não tinha intenção de acertar. O próprio Anderson (filho da vítima) declarou que não sabia que a mãe dele estava naquele local, só viu que era ela quando chegou bem perto. O Norton também não sabia que era dona Oracelina, pois não tinha intenção de matar", justifica.

PALMAS

Casal está sendo acusado de "comprar" criança Da assessoria e JdeB A suposta compra de uma criança por parte de um casal está repercutindo bastante em Palmas desde segunda-feira, 16, quando a Polícia Civil de Santa Catarina, através da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Balneário Camboriú, com apoio da Delegacia da Comarca de Palmas, fez uma operação para recuperar um bebê de três meses que havia sido vendido pela mãe biológica. Um delegado de polícia e dois conselheiros tutelares catarinenses estiveram no município para resgatar a criança. Através de uma denúncia, recebida pelo Conselho Tutelar de Camboriú, os policiais da DIC iniciaram as investigações no final do mês de agosto. A mãe da criança, J.C.C, de 18 anos, foi localizada e interrogada e, depois das investigações, o delegado da DIC, Osnei

Valdir de Oliveira, representou pela medida cautelar de busca e apreensão no imóvel do casal que estava com a criança e da própria criança. Logo após a medida ser deferida pela Vara Criminal da Comarca de Camboriú, uma equipe da DIC se deslocou até Palmas, onde localizaram e resgataram o bebê e apreenderam os documentos relacionados ao caso. O Conselho Tutelar de Camboriú acompanhou a ação policial e ficou responsabilizado pelo transporte da criança até Camboriú. A mãe, que no início da gestação era adolescente (no dia do parto era imputável), vendeu o próprio bebê em Camboriú e teria recebido R$ 600 por mês durante o período gestacional. O pai da criança é um adolescente de 17 anos. Gilmar Gubert, conselheiro tutelar de Palmas, diz que o órgão sequer foi con-

sultado e só tomou conhecimento depois que a criança tinha sido levada. Segundo ele, a decisão da justiça catarinense foi homologada pelo juízo local que permitiu a busca e apreensão da criança. "Não temos muitos detalhes sobre o caso, sabemos que a família de Palmas já entrou na justiça para tentar recuperar o bebê", destaca. Segundo informações da polícia, a mãe biológica é moradora do bairro Monte Alegre, em Camboriú, e quis abortar a criança, uma menina, mas houve uma intermediação entre uma mulher, L.A. P, que acabou negociando o bebê para o irmão J.A, de 25 anos, e a cunhada A.C. S, de 25 anos, de Palmas. O casal não poderia ter filhos e, diante da possibilidade, com recompensa financeira, recebeu a menina logo depois do nascimento, estando configurada "a adoção à brasileira". A crian-

ça, que completa três meses de idade, foi registrada dois dias após o parto na cidade de Matinhos (PR), onde nasceu. O casal, que realizou a adoção, a mãe biológica e a mulher que intermediou a venda da criança ainda não foram detidas, visto que os mandados de prisão preventiva representados pelo delegado não foram decretados pela Justiça. O delegado Oliveira ressalta que, em continuidade às investigações, os demais envolvidos serão interrogados no inquérito policial que apura o cometimento em tese dos crimes de tráfico de bebê, supressão ou alteração de direito inerente ao estado civil de recém-nascido, sem prejuízo de outros crimes que poderão surgir com a apuração dos fatos. A criança foi encaminhada a um abrigo e será disponibilizada para a adoção.

SANTO ANTÔNIO DO SUDOESTE

Polícia depende de laudo para concluir inquérito Por Niomar Pereira A Polícia Civil deve concluir nos próximos dias o inquérito que investiga uma mulher suspeita de jogar o próprio filho recém-nascido dentro do Rio Cedro, em Santo Antônio do Sudoeste. A criança foi encontrada morta na tarde de 9 de agosto, na estação de tratamento de esgoto da Sanepar. O corpo, pesando cerca de três quilos, foi achado por um servidor da empresa no momento que fazia a limpeza da tubulação. O bebê estava dentro de uma sacola plástica. O Instituto Médico Legal (IML) de Francisco Beltrão confirmou que a criança tinha nascido com vida, contrariando a versão da mãe, que declarou que o bebê não apresentava sinais vitais. O escrivão Paulo Sterchille afirma que o bebê foi morto por asfixia, mas a polícia ainda não sabe se

a mãe matou a criança antes de jogála no rio ou se ela sufocou dentro do saco plástico. De acordo com ele, estão faltando apenas alguns laudos periciais para concluir a investigação. A polícia ainda não tem, por exemplo, um laudo psiquiátrico, que é uma peça importante do processo, dizendo se a mulher praticou o crime durante o puerpério (fase pós-parto, em que a mulher experimenta modificações físicas e psíquicas). O exame mental teria sido solicitado ao Complexo Médico Penal do Paraná, localizado em Piraquara, região metropolitana de Curitiba, mas a data ainda não foi marcada. O resultado do exame é determinante para apurar se o crime se trata de infanticídio ou homicídio. O Código Penal preceitua o crime de infanticídio, em seu art.123, "matar, sob influência do estado puer-

peral, o próprio filho, durante ou logo após o parto", a pena é de detenção de dois a seis anos. A punição é mais branda que o homicídio, que é de 6 a 20 anos de reclusão, no entanto, há muita dificuldade para comprovar a influência do estado puerperal. Caso o exame psiquiátrico não identifique nenhuma alteração mental, ela será acusada de homicídio. A mulher — que tem 37 anos e trabalha como costureira — confessou ter jogado a criança em um córrego, que fica ao lado de sua casa, no dia 4 de agosto. Ela alegou que a criança nasceu morta, mas investigações provaram o contrário. Ela é mãe de mais quatro filhos — com ela residem, sendo um menino de 9 anos e outro de 2 anos, e outros dois meninos, de 11 e 12 anos, moram com o pai em Foz do Iguaçu.


Geral

Quinta-feira, 19.9.2013 JORNAL DE BELTRÃO

PARANÁ

Audi formaliza investimento e diz que o papel do governo do Estado foi decisivo Indústria vai abrir uma nova linha de produção no complexo Volkswagen, em São José dos Pinhais para fabricar os modelos A3 sedan e Q3 (SUV). Os primeiros veículos chegam ao mercado em setembro de 2015. AEN - A alemã Audi formalizou ontem um investimento de R$ 504 milhões para retomar a produção de veículos da marca no Estado. Durante audiência com o governador Beto Richa (PSDB), em Curitiba, os dois principais executivos da companhia, Rupert Stadler (presidente mundial) e Bernd Martens (vice-presidente), ressaltaram a importância do Governo do Paraná na decisão da empresa de instalar nova fábrica no País. “A escolha pelo Paraná deve-se ao ambiente econômico favorável, disponibilidade de matérias primas e recursos naturais para os nossos produtos e investimentos por parte do governo estadual em infraestrutura e logística”, disse o presidente Rupert Stadler. “O Governo do Paraná teve uma participação decisiva para o investimento acontecer no Brasil”, completou Martens. A Audi vai abrir uma nova linha de produção no complexo Volkswagen,

Governador Beto Richa e o presidente mundial da Audi, Rupert Stadler, junto com um carro da marca.

em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, para fabricar os modelos A3 sedan e Q3 (SUV). Os primeiros veículos chegam ao mercado em setembro de 2015. A planta vai gerar 3.000 empregos, sendo 300 diretos. A capacidade de produção será de 26 mil carros por ano. “É um investimento que consolida o Paraná como um dos maiores polos automotivos do País. Demonstra ainda o resgate da confiança de investidores internacionais no Estado”, afirmou Beto Richa. As negociações entre o governo estadual e a montadora começaram há cerca de seis meses e foram lideradas diretamente por Richa. O governador lembrou que em dois anos e meio, o Governo do Estado, por meio do programa de incentivos fiscais Paraná Competitivo, garantiu

Luiz Fux será o novo relator do mensalão (AE) - O ministro Luiz Fux foi sorteado na noite de ontem para ser o novo relator dos embargos infringentes no julgamento do mensalão. O juiz relator é o principal responsável pela análise do processo e tem a tarefa de elaborar um relatório que servirá de base para as condenações ou absolvições. Com a decisão do STF de

aceitar os chamados embargos infringentes, 12 dos 25 condenados no processo terão direito a um novo julgamento, o que deve ocorrer somente em 2014. De acordo com o regimento interno do Supremo, ficaram excluídos do sorteio o relator e o revisor (Barbosa e Lewandowski). Na fase dos recursos, não há revisor.

R$ 25 bilhões em investimentos em novas plantas industriais ou ampliações de fábricas já existentes, com a projeção de 150 mil novos empregos para os próximos anos. “O retorno da Audi coroa o novo momento que a economia do Paraná vive. Um estado promissor, com oportunidades de empregos para nossa gente”, completou Richa. Durante a solenidade que confirmou o investimento da Audi no Paraná, Beto Richa afirmou que negocia com pelo menos outras três montadoras a instalação de fábricas no Estado. Ele também destacou a inauguração das plantas da Paccar, que fabricará caminhões da marca DAF em Ponta Grossa, e da Sumitomo, fabricante dos pneus Dunlop que instalou uma unidade em Fazenda Rio Grande, na primeira semana de outubro.

Para PT e PMDB, Supremo fez “justiça” UOL - Congressistas do PT e PMDB afirmaram ontem que o STF fez “justiça” e respeitou procedimentos previstos por decisões anteriores do Judiciário. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse que o ministro Celso de Mello tem uma história que o credencia a ter respeito de todo o povo brasileiro.

“Quero parabenizar decisão do STF que resgata sua história e respeita o duplo grau de jurisdição”, disse o senador José Pimentel (PTCE). O senador Humberto Costa (PT-PE) afirmou que a decisão do Supremo permite não apenas aos condenados revisarem suas penas, mas para mostrar a “todos os cidadãos que eles têm direito à Justiça”.

Em nota, Aécio lamenta a decisão do STF O PSDB emitiu uma nota, assinada pelo presidente Aécio Neves, lamentando a decisão majoritária do STF, mas confiando no poder judiciário. “A grande maioria dos brasileiros não só acompanhou, como aprovou, no ano passado, as condenações definidas pela Justiça brasileira. Durante quatro meses e meio, os acusados foram julgados por crimes de corrupção ativa e passiva, evasão de divisas, formação de quadrilha, gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro e peculato. O fato é que o Brasil não admite mais conviver com a impunidade (...) Acreditamos que o STF agirá em defesa dos interesses do Brasil, respeitando o direito dos réus, mas garantindo a agilidade necessária para que recursos apresentados por eles não acabem se transformando em uma brecha para a prescrição das penas impostas aos autores de crimes contra o país

5 PSB anuncia oficialmente

saída do governo Dilma

AE - O presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, oficializaram a saída do partido do governo Dilma Rousseff (PT). Campos, que poderá lançar sua candidatura à Presidência da República em 2014, disse que agora o governo petista pode se sentir mais confortável sem o PSB ocupando cargos no Executivo. “A gente deixa o governo mais à vontade e a gente fica mais à vontade”, resumiu. Apenas o governador Cid Gomes (Ceará) se opôs à carta de entrega dos cargos. Campos afirmou que a sigla desembarca do governo com “respeito à presidente”, mas que continuará atuando no mesmo campo político. “Não vamos desconsiderar o nosso campo político”, reiterou. Segundo Campos, a partir de agora ficará “mais fácil falar publicamente das divergências”. Em seu discurso, Campos disse que o PSB fica livre para discutir a sucessão presidencial do ano que vem.

CNI lamenta a manutenção do adicional de 10% do FGTS A manutenção do veto ao Projeto de Lei Complementar 200/2012, que pôs o fim do adicional de 10% do FGTS, é um passo atrás no processo de racionalização do sistema tributário brasileiro. Para a Confederação Nacional da Indústria, a decisão do Congresso Nacional de manter essa contribuição frustra os anseios do setor produtivo nacional de ver extinto um tributo criado para ser provisório e que cuja finalidade, a de salvar o FGTS da falência, foi integralmente cumprida ao longo dos últimos 12 anos. A CNI destaca que as empresas brasileiras cumpriram sua parte no grande acordo que resultou na criação do adicional de 10% do FGTS, em 2001. Ao longo desses anos, o setor privado contribuiu com R$ 43 bilhões no esforço para restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro do Fundo. Segundo notificou a Caixa, gestora dos recursos do FGTS, isso ocorreu em julho de 2012.


6 JORNAL DE BELTRÃO Quinta-feira, 19.9.2013

Especial/Dois Vizinhos

Os 40 anos de naufrágio da balsa no Rio Iguaçu

A balsa naufragou no dia 19 de setembro de 1973. Por Marcos Geraldo Witeck* Neste dia 19 de setembro de 2013 completam-se 40 anos do naufrágio da balsa da empresa Andreis, no Rio Iguaçu, que fazia a travessia do rio ligando os municípios de Dois Vizinhos e Quedas do Iguaçu, na localidade de Foz do Chopim. A população local lembra vagamente dos detalhes do maior acidente ocorrido no Rio Iguaçu. Muitos sobreviventes e famílias das vítimas fatais deixaram a comunidade depois da conclusão das usinas Júlio de Mesquita Filho, no Rio Chopim, e de Salto Osório, no Rio Iguaçu. Passaram-se 40 anos e o povo guarda na memória o triste ocorrido no final de tarde de quarta feira, 19 de setembro de 1973, onde se perderam, submergidos, juntamente com os dois caminhões basculantes, um caminhão Chevrolet carregado de bebidas, um ônibus da empresa Cattani, um carro de aluguel, marca Aero Willys, e dezenas de pessoas, passageiros e trabalhadores; muitos gritos de pânico são ouvidos e, sobre as águas, acenos desesperados de mãos pedindo por socorro, chapéus e capacetes descendo rio abaixo. A ocorrência foi assustadora e horrível para os que dela participaram. E quan-

do chega a informação do naufrágio na vila de Foz do Chopim, correria e gritos nas ruas, principalmente das esposas dos trabalhadores na barragem de Salto Osório. "Lembro que, logo após a balsa afundar, um menino de bicicleta veio correndo me avisar. Fui até o porto e vi que não podia fazer nada. Estava tudo escuro. Então, vim avisar o prefeito e as autoridades", lembra Ladir Pacce que era soldado da Polícia Militar em Foz do Chopim. Mais de uma centena de pessoas estavam sobre a balsa. Era hora dos trabalhadores regressarem de Salto Osório e horário da chegada do ônibus da empresa Cattani, que fazia a linha Cascavel a Dois Vizinhos. Quantos morreram? Isso ninguém pode afirmar ao certo. As opiniões a respeito continuam contraditórias. "Entreguei no local do acidente, numa só vez, 31 caixões, todo o meu estoque, a pedido da Eletrosul. Mas, também, havia a Copel, acompanhando os trabalhos de resgate", afirma seu Claudino Luís Dalbosco, proprietário da funerária Dalbosco & Cia Ltda, a única em Quedas do Iguaçu. A população contesta a versão oficial da Defesa Civil de 37 mortos e do levantamento realizado pela Igreja Católica, que constatou a morte de 45 pesso-

as, além de outras 40 que teriam conseguido se salvar. O povo, no entanto, continua afirmando que o número de mortos e desaparecidos supera a casa de 100 pessoas. Não há dados oficiais sobre vítimas fatais. Nenhuma família das vítimas fatais e nem sobreviventes receberam indenização da empresa que mantinha a balsa. As que estão recebendo, enfrentaram um martírio de 18 meses, precisaram providenciar toda a documentação e enfrentar a morosidade dos órgãos públicos. Não há informação de ações judiciais impetradas pelas famílias das vitimas contra a empresa. A única ação que deu entrada na Comarca de Laranjeiras do Sul denunciava os funcionários da balsa. Tramitou na comarca de Laranjeiras do Sul processo criminal do naufrágio da balsa, contendo mais de 242 páginas, processando os funcionários Domingos Bonamigo e Ezelino Polese, que estavam trabalhando no dia do acidente. Mas, a Promotoria Pública solicitou a extinção da punibilidade dos responsáveis do naufrágio da balsa sobre o Rio Iguaçu, em Foz do Chopim, ao juiz Manoel Sebastião Sil-

veira Filho, que acatou o pedido em 17 de janeiro de 1984. A Promotoria Pública alegou que o naufrágio havia ocorrido há mais de dez anos, o que pesou na decisão do juiz, que determinou a prescrição do processo, declarando extinta a punibilidades em conformidade com os artigos 107 e 109 e seus incisos IV, do Código Penal Brasileiro. O trágico acidente inspirou música que fala do sofrimento das famílias que perderam parentes e amigos. Os irmãos Davi, de Coronel Vivida, gravaram a música "Cruz na Praia", abordando o assunto do naufrágio. Em 1977, a dupla sertaneja Erotides de Souza Costa e Inácio Rodrigo de Morais, do conjunto "Os Pistoleiros do Sul d' Oeste", gravaram seu primeiro LP, contendo uma música, que fez muito sucesso na época, falando do naufrágio da balsa e do sofrimento das famílias. "Fazíamos show e éramos conhecidos por causa da música", firma Inácio Rodrigo de Morais. Em qualquer show que a dupla de Eneas Marques fosse, as pessoas pediam para tocar a música que falava do naufrágio da balsa. "Muitas pessoas choravam

Um ônibus estava na balsa e foi retirado do Rio Iguaçu. ao ouvir a melodia na época em que o LP foi lançado", afirma Albino Casarotto. As duas mil cópias do LP foram vendidas em pouco tempo. Erotides de Souza Costa, compositor da letra "Naufrágio da Balsa", tinha amigos que morreram no acidente. A música fala da tragédia, pede o consolo de Deus às vítimas fatais e aos familiares. Há famílias que ainda guardam o LP como uma das poucas relíquias da tragédia, como é o caso de Albino Casarotto e outros. Quarenta anos se passaram do naufrágio da balsa no Rio Iguaçu, na localidade de Foz do Chopim, distrito de Cruzeiro do Igua-

çu. Há famílias que ainda guardam o LP, fotografias, recortes de jornais, como relíquias da tragédia. Os nossos sentimentos de saudades às pessoas que partiram "engolidas" pelas águas do Iguaçu, hoje, submersa pelo lago de Salto Caxias, que também, encobriu a usina hidroelétrica Júlio de Mesquita Filho. Que os pecados de omissão e pressa sejam lavadas pelas águas sagradas do Rio Iguaçu. *Marcos Geraldo Witeck é Professor de História do Colégio Estadual Dr. Arnaldo Busato - Ensino Fundamental e Médio, de Cruzeiro do Iguaçu.

"Ele sempre dizia que queria ter uma menina, nem que custasse a vida dele", diz Carmen Nicolodi O esposo Valdir Nicolodi faleceu no acidente da balsa. Naquela manhã, Carmen havia dito para ele que estava grávida do quarto filho. Mais tarde, descobriu-se que seria uma menina. Por Alexandre Bággio Com pouco mais de quatro anos de casado e três filhos homens, o sonho de Valdir Nicolodi era ter uma filha menina. No dia 19 de setembro de 1973, ele saiu de casa bastante feliz ao saber que a esposa estava grávida. O dia estava nascendo, já que ele sempre ia ao trabalho por volta das seis horas da manhã. Depois de um dia de trabalho na Usina de Salto Osório, onde era mestre de obra e fazia refloCarmen Nicolodi. restamento, ele pegou a balsa para retornar ao lar, mas nunca chegou. "Eu menzinho branco. Acho que foi um estava grávida de uma menina. Ele aviso que veio para a gente. Teve tamsempre dizia que queria ter uma me- bém uma grande pancada na casa e nina, nem que custasse a vida dele. E ninguém viu nada. Nem sinal de pancustou, né? No dia que o médico cada na casa tinha e deu um barulho comprovou que eu estava grávida e tipo uma janela que batesse com muita eu falei pra ele, aconteceu o acidente. força, mas as janelas eram de correr Eu contei de manhã e, no voltar para e não de bater. Foi mais ou menos na casa à noite, ele morreu", lembra Car- hora que afundou a balsa". Seis dias depois do acidente, o cormen Miranda Nicolodi. Emocionada, a viúva conta que fi- po de Valdir foi encontrado, mas a esposa não o cou sabendo do viu. "Foi muito acontecido sosofrimento dumente no outro “Eu disse o Valdir morreu rante esse temdia. "Foi uma e vocês não querem me po porque eu desgraça muito tinha expectatigrande. No dia contar. Me deu um nó na va que ele timesmo eu não garganta e eu fui vesse vivo. Até fiquei sabendo hoje a gente perdendo as forças e me certinho, eu fiainda tem imquei sabendo ajoelhei. Aí as crianças pressão que ele um dia depois. ficaram pedindo para eu tá vivo porque Eles não me pasa gente não viu não chorar”. saram logo a o corpo. Os notícia porque patrões, os funeles não tinham certeza, eu estava grávida e eles ti- cionários que andavam com ele têm nham medo de me assustar e dar pro- certeza, o médico que atestou que era blema", comenta. Na hora do aciden- ele tem certeza, mas eu não vi o corte, ela lembra que assistia televisão. po. Daí a gente, como não viu, pare"Nós estava assistindo televisão, eu e ce que não comprova." Com 65 anos, Carmen lembra até as crianças, que eu tinha três piás e a televisão saiu do ar e passava um ho- hoje o momento que recebeu a notímenzinho correndo na televisão. A tela cia. "Quem veio me contar foi o Arficou preta e só passava aquele ho- mindo, meu cunhado. Quando ele

estava no colégio contaram pra ele que tinha acontecido um acidente no Chopim e achavam que o irmão dele tava junto. Ele veio correndo aqui e pediu se o Valdir tinha chegado. Ele disse que veio tomar um chimarrão com ele. Eu respondi que ele ia vir, mas não tinha aparecido ainda. Aí ele disse que, por volta das 23 horas, viria mais uma vez porque tinha umas coisas pra ver com o Valdir. No outro dia, pelas 5h30, 6h, eles chegaram. Ele veio com a esposa e a mãe dele e quando eles chegaram na porta, meu corpo estremeceu. Eu perguntei pra eles o que aconteceu? Eles falaram não, não foi nada, não aconteceu nada, mas a nona começou a chorar. Ela pressentiu. Eu disse o Valdir morreu e vocês não querem me contar. Me deu um nó na garganta e eu fui perdendo as forças e me ajoelhei. Aí as crianças ficaram pedindo para eu não chorar". Valdir nunca ficava na obra sem avisar a esposa. "Algumas vezes ele ficava lá. Eles tinham time de futebol e às vezes eles iam jogar, ou tinham treino e pra vir pra casa era muito tarde. Daí ele me avisava antes de sair e ficava. Naquele dia, ele ficou de voltar e não voltou." Depois da morte do esposo, a família quis levar Carmen novamente para o Rio Grande do Sul, mas ela optou por ficar no Sudoeste. "Lá onde meu pai morava era interior e eu pensei nos piás que aqui era mais fácil pra estudar, também se precisasse de médico, alguma coisa", diz. Carmen não ganhou nenhuma indenização pelo falecimento do esposo. "Quando aconteceu o acidente, muita gente prometeu que ia ajudar, mas não ganhei nada", conta. Região entristeceu Carmen lembra que toda a região sentiu o acidente. "Foi um choque, porque naquela época não tinha acontecido um acidente tão grande. A gente ficou sabendo que foram 105 pessoas que morreram no dia", relata. Depois de um tempo, Carmen foi até o rio. "Eu fui lá algumas vezes, fui até pescar naquele ponto. Eu vi ele só uma vez, como visão. Depois nunca mais eu vi. Eu sonho com ele vivo e, no sonho, ele é o mesmo que morreu."


Geral

Quinta-feira, 19.9.2013 JORNAL DE BELTRÃO

Menores Aprendizes trocam experiência em dia de confraternização na Escola Oficina Programa dá segurança para o futuro e ajuda jovens para a sociedade que é desigual Lígia Tesser - Ontem, adolescentes se encontraram na Escola Oficia Adelíria Meurer, em Francisco Beltrão, para o 4º Encontro Municipal do Menor Aprendiz. O evento tem o objetivo de confraternização e proporcionar um dia diferente, pois todos os dias são de trabalho e estudo. Atualmente, são 60 jovens trabalhando e há mais 40 inscritos e, que participam de oficinas preparadoras. Para a coordenadora do Menor Aprendiz no município Claudia Tonello o programa tem um bom desenvolvimento. "Nós temos parcerias bem grandes com os empresários e estamos sempre buscando novos parceiros. Quando o empresário oportuniza um espaço para o adolescente ele abre portas para este jovem", comenta a coordena-

ter acesso as nossas oficinas", comenta Cláudia.

José Almir Cordeiro diz que programa capacita para o mercado de trabalho. dora. A Escola Oficina atende em período contrário a escola regular, crianças e adolescentes de 6 a 16 anos, em diversos projetos e programas como a Guarda Mirim e o Programa Erradicação do Trabalho Infantil (Peti). "Nosso trabalho é voltado para área social, queremos inseri-los na sociedade, pois sabemos que ela é desigual. Nossa prioridade é atender às famílias mais carentes, mas através de uma lista de espera outros alunos também podem

Por um futuro seguro Para José Almir Cordeiro, 17 anos, essa foi uma grande oportunidade para entrar no mercado de trabalho. Ele frequentava as oficinas casa Mini Santa Aliança, mas a entidade mudou seu foco de assistência e hoje abriga um albergue. Devido a esta mudança, José passou a participar das atividades na Escola Oficina Adelíria Meurer. Em dois meses, o aluno dedicado conseguiu um

emprego na Rodocrédito, onde está há um ano e oito meses. "A principal dificuldade na hora da entrevista de emprego é a insegurança de não saber se nós temos aquilo que a empresa está procurando. Os cursos capacitam bem e ajudam a gente a conhecer pessoas. Mas, o que é o melhor do programa é ter a segurança que tenho um rumo para seguir", conta José, que pretende cursar Ciências Econômicas, motivado pela função que ocupa na empresa.

Aproximadamente, 100 alunos fazem parte do programa Menor Aprendiz, desses 60 estão empregados.

SESC

Mais de 600 estudantes de escolas municipais assistem ao teatro "Rosas para Margarida" Lígia Tesser* O Sesc de Francisco Beltrão está com programação extensa de atividades para a Semana Literária. Ontem começaram as atividades infantis, com o espetáculo "Rosas para Margarida" e as apresentações seguem até sexta-feira, às 9 horas. Aproximadamente, 340 crianças das escolas municipais, Apae e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) assistem a peça a cada sessão. Hoje, à noite, às 19h, o Sesc apresenta palestra "A força do escritor" ministrada por Cadão Volpato e Carol Bensimon. Após o teatro, os alunos visitam a Feira do Livro. "O nosso objetivo é incentivar o gosto pela leitura, mas também pelo teatro. Nós recebemos as escolas São Cristóvão e Madre Boaventura, os alunos do EJA aqui do Sesc e da Apae. Nós queremos mostrar os serviços que o Sesc oferece para a população e apresentar os escritores renomados", disse a colaboradora Soeli Pereira da Rosa. A professora da educação especial da Apae Fernanda Espanhol diz que momento como este proporcionado pelo Sesc é de interação entre as crianças da Apae com as crianças da escola regular. "Nós trabalhamos com a escola especial e isso fecha o pro-

Alunos das escolas municipais, Apae e EJA assistiram ontem o espetáculo.

cesso inclusivo. Tenho aqui cadeirantes, autistas e alunos com deficiência visual, todos estão ouvindo e interagindo com o espetáculo, dá para ver como eles ficam felizes", conta. Fernanda faz parte do grupo de teatro "Há Há Há" e trabalha com esta forma de manifestação cultural na escola especial. "O teatro abre muitas fronteiras e integra todo mundo. Ter esses momentos é muito importante, como eu trabalho o teatro de fantoches com eles, a peça está completando aqui o trabalho feito na escola", afirma Fernanda. Espetáculo trata do valor da diversidade A peça "Rosas para Margarida" é encenada pela Cia Teatral Tipo e Caras

de Maringá e conta a história de um jovem prefeito, que resolve fazer um canteiro para impressionar Margarida, sua amada. Como a rosa vermelha é sua flor predileta, ele começa cultivando apenas essa espécie. No decorrer do espetáculo ele vai descobrindo que as outras flores também são bonitas e que a variedade delas é que deixa o canteiro interessante. Então ele começa a fazer comparações com as pessoas que vivem em sua cidade e percebe que é possível conviver em harmonia respeitando as diferenças e que assim como acontece com as flores, à cidade é um imenso jardim com cores, raças e muitas características próprias de cada pessoa, que acabam deixando a cidade rica por sua diversidade.

CURITIBA

Amsop pede apoio da Seab para o projeto do leite Da assessoria e JdeB O presidente da Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop) e prefeito de Honório Serpa, Rogério Benin, esteve em audiência com a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab), em Curitiba tratando de diversos projetos para a região. Dentre os projetos tratados foram a pavimentação com pedras irregulares, o programa de Óleo Diesel e de Fertilidade do Solo (Calcário) que são voltados para os municípios.

O pessoal da região na audiência na Seab. Outro assunto debatido e que a atual diretoria da Amsop tem dado ênfase é o de melhoria da produção na Bovinocultura de Leite. A meta é colocar em prática um projeto abrangente para a região, que beneficie to-

dos os elos da cadeia produtiva. Segundo o presidente da Amsop, um projeto desta envergadura tem que ter o comprometimento das instituições públicas e privadas, sendo os principais atores: produtores,

indústrias lácteas, comércio atacadista e varejista. O presidente da Amsop coordenou assembleia com os prefeitos e obteve apoio recebendo o comprometimento de que as municipalidades auxiliarão na assistência técnica e na infraestrutura viária nas propriedades. A entidade busca, agora, o apoio do Governo do Estado para viabilizar a produção e do governo federal para alocar recursos nas unidades industriais e comerciais.Neri Munaro, do núcleo da Seab de Beltrão, em Curitiba.

7 Frio de ontem e hoje deve dar

lugar à chuva amanhã

Stefhani Reisdoefer e Larissa Angeli, bem agasalhadas, em passeio pelo Calçadão. Do JdeB - O frio que parecia ter ido embora e voltou desde domingo, não deve durar. A previsão do Instituto Tecnológico Simepar é que, a partir de amanhã, o tempo fique instável, propenso à chuva, porém mais ameno. A previsão de mínima hoje, no Sudoeste, é de mínima de 4º C em Francisco Beltrão e máxima de 23º em Pato Branco. De acordo com Josmar Ramos, do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), as geadas previstas para ontem não aconteceram. Os termômetros marcaram 0,4 graus em Palmas, 2,4 graus em Beltrão, 2,7 graus em Pato Branco e 3,4 graus em Dois Vizinhos. As máximas nessas cidades chegaram a 18 graus, 18,8 graus, 19 graus e 18,1 graus, respectivamente. A temperatura mínima registrada no estado ocorreu em Guarapuava: -0,9 ºC. A tarde foi de temperatura amena, mas no começo da noite voltou a esfriar em Beltrão e região.

Ministério da Saúde ampliará faixa etária de meninas para a vacina contra o vírus HPV Da assessoria - A vacina irá proteger meninas de 9 a 13 anos contra quatro variáveis do vírus. A partir do próximo ano, começa a vacinação para o grupo de 11 a 13 anos e, em 2015, para as adolescentes de 9 a 11 anos. O Ministério da Saúde está ampliando a faixa etária para a vacinação contra o vírus do papiloma humano (HPV), usada na prevenção de câncer de colo do útero. Já em 2014, meninas dos 11 aos 13 anos receberão as duas primeiras doses necessárias à imunização, a dose inicial e a segunda seis meses depois. A terceira dose deverá ser aplicada cinco anos após a primeira. Com a adoção do esquema estendido, como é chamado, será possível ampliar a oferta da vacina, a partir de 2015, para as pré-adolescentes entre 9 e 11 anos de idade, sem custo adicional. Assim, quatro faixas etárias serão beneficiadas, possibilitando imunizar a populaçãoalvo (9 a 13 anos). A modificação no esquema vacinal foi anunciada ontem pelo secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, durante cerimônia de 40 anos do Programa Nacional de Imunizações (PNI), em Brasília. O Ministério da Saúde está investindo R$ 360,7 milhões na aquisição de 12 milhões de doses.

Crédito para agricultura empresarial cresce 35% Da assessoria - Os financiamentos para a agricultura empresarial na aplicação de julho/agosto de 2013 somaram R$ 23,7 bilhões, um aumento de 35,5% em relação ao mesmo período da safra anterior, que foi de R$ 17,5 bilhões. Os produtores rurais contrataram R$ 18,5 bilhões pelas modalidades de custeio e comercialização e R$ 5,2 bilhões pela de investimento. Para o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, os resultados do crédito rural divulgado ontem|, confirma o forte acesso do setor diante dos recursos de financiamento de custeio e lembrou que no próximo dia 26 deste mês será realizada em Mato Grosso a abertura oficial do plantio nacional de soja. A soja é um grande potencial no agronegócio brasileiro. A expectativa para esta safra é ultrapassar 88 milhões de toneladas, 7% a mais do que a anterior," ressaltou o secretário.


Novos membros do Conselho 10 JORNAL DE BELTRÃO Quinta-feira, 19.9.2013 de Assistência Social são SAÚDE empossados

Cidade

Conselho Federal quer mais farmacêuticos na rede pública

Prefeito Neto destacou o desafio de implantação do sistema único, o Suas. Da assessoria - Os 18 membros titulares e seus respectivos suplentes que integram o Conselho Municipal de Assistência Social foram empossados na manhã de ontem, em Francisco Beltrão. Os integrantes representam instituições governamentais, entidades, usuários e trabalhadores do setor, cujo maior desafio é a estruturação de seu sistema único, o Suas. "A Assistência Social vive hoje um processo semelhante pelo qual passava a Saúde há mais de 20 anos, quando estava implementando seu sistema único e havia uma energia nova, pessoas entusiasmadas e a possibilidade de investimentos nas atividades pelo governo federal", destacou o prefeito Antônio Cantelmo Neto (PMDB) durante o encontro. Neto também ressaltou o envolvimento das entidades no conselho e a preocupação do poder público com as drogas. Os integrantes do CMAS também elegeram a presidente e vice do conselho. A professora Roseli Tonello, da Apae, que estava na presidência, passou o cargo para a assistente social Andressa Bourscheit, de quem será agora a vice-presidente. Um acordo de cavalheiros estipula que a presidência do conselho é alternada a cada mandado entre a sociedade civil e órgãos governamentais. Andressa trabalha na Secretaria de Assistência Social. Passam pelo crivo do Conselho de Assistência Social praticamente todos os programas e projetos desenvolvidos pelo poder público. A secretária da pasta, Ana Lucia Manfrói, considera de extrema importância a atuação do CMAS. "É o conselho, em que participam usuários, trabalhadores e gestores, que nos respalda nossas ações", frisou. A direção do novo conselho será formalmente empossada na próxima reunião do grupo, no mês que vem.

Congresso regional reúne três mil pessoas

Lideranças do CFF e CRF/PR ainda esperam melhorias na qualidade da grade curricular dos cursos de graduação. Por Alex Trombetta A oferta de profissionais graduados em Farmácia, em todo o Estado do Paraná, é muito boa, segundo informações do Conselho Regional de Farmácia (CRF/PR). Atualmente, são mais de 30 cursos de graduação ofertados em diversas cidades, e as universidades têm oferecido excelentes opções de estrutura e corpo docente, formando centenas de profissionais todos os anos. Por outro lado, dois fatores têm preocupado tanto o CRF quanto o Conselho Federal (CFF/PR) e demais lideranças do setor: a qualidade da grade curricular determinada pelo MEC e a ausência de farmacêuticos na rede pública de saúde. Em recente visita a vários municípios da região Oeste e Sudoeste, a presidente do CRF/PR, Marisol Domingues Muro, e o vicepresidente do Conselho Federal de Farmácia (CFF), Valmir de Santi, conversaram com prefeitos, secretários de Saúde, farmacêuticos, professores e alunos dos cursos de Farmácia. A intenção é aproximar conselhos e profissionais e reforçar a importância da presença dos farmacêuticos na comunidade e no setor público. A categoria ainda comemora a recente conquista da prescrição farmacêutica,

Durante a visita das lideranças do CRF e CFF, profissionais e estudantes se encontraram no Confidência Bar, em Beltrão, para um happy hour. mas, enquanto isso, os conselheiros já levantam outras bandeiras importantes para o setor. "Conversamos com os prefeitos e abordamos a questão dos farmacêuticos dentro dos serviços públicos. Sentimos falta de farmacêuticos junto à assistência ao paciente. Se gasta muito em medicamento, e acham que isso está dando acesso e é suficiente para a população, mas na verdade temos um grande volume de medicamentos que se perdem por mau uso, porque ninguém acompanha este uso. Utilizam os farmacêuticos na área gerencial e muito pouco na área assistencial. A intenção é que estes profissionais 'cuidem' do paciente na sequência, depois do médico", aponta Valmir, que é mestre em Saúde Pública. Recursos mais bem geridos Valmir acredita que, trabalhando melhor o acompanhamento aos pacientes, controlando o fluxo de medicamentos distribuídos e os tratamentos designados,

Marisol defende mais prática Centro de eventos do parque de exposições recebeu grande público para o congresso. JdeB - Com o lema “A palavra de Deus é a Verdade”, foi promovido de 13 a 15 de setembro, no centro de eventos de Francisco Beltrão, o Congresso de Distrito das Testemunhas de Jeová. Gilberto Luiz Eidelvein, ancião das Testemunhas de Jeová e um dos integrantes do departamento de imprensa do evento, disse que "o objetivo deste congresso, que está sendo realizado aqui na cidade de Francisco Beltrão, como em muitos outros lugares no nosso Brasil, já que são mais de 460 eventos ocorrendo simultaneamaente como este, é transmitir as verdades bíblicas para todas as pessoas do ponto de vista da Bíblia". Eidelvein acrescentou que "o objetivo nosso é transmitir as verdades da Bíblia, todas as palestras que ocorreram na data de ontem (sexta-feira) e que estão correndo na data de hoje (sábado) bem como no dia de amanhã (domingo), que são os três dias de congresso, elegiam em torno dos fatos delineados nos princípios da palavra de Deus, a Bíblia. Por isso, o tema do nosso congresso este ano, ele está em acordo com as palavras de Jesus Cristo descrito no Evangelho de João, capítulo 17, versículo 17, onde nos diz: ‘A palavra de Deus é a verdade’. Nós, Testemunhas de Jeová, baseamos a nossa vida nas palavras de Deus, nos princípios ali descritos". As pessoas que ministraram as palestras são membros das Testemunhas de Jeová e fazem parte das mais de 40 cidades que correspondem às congregações das regiões Sudoeste do Paraná e Oeste de Santa Catarina. Também aconteceram encenações. Nos três dias do congresso, cerca de três mil pessoas passaram pelo centro de eventos. A comissão organizadora disponibilizou cadeiras para melhor acomodação dos participantes.

Marisol Domingues Muro, que é doutora em Saúde da Criança e do Adolescente e preside o CRF/PR há quatro anos, já realizou várias visitas aos centros universitários de todo o Paraná. Ela elogiou muito a estrutura ofertada e a qualificação dos professores, mas acredita que é preciso rever as grades curriculares em geral. "Acho que o problema de formação do profissional não é um problema das faculdades, sejam elas privadas ou públicas, mas um problema do MEC, a forma como os currículos são básicos, cargas horárias mínimas que se colocaram para a profissão, e ainda não contempla o que a gente precisa. Falta muito a prática, inserir o aluno na comunidade. É um problema que temos que trabalhar junto ao MEC." Contudo, a presidente elogia algumas ações que já estão sendo tomadas. "Uma coisa bacana, que o governo entendeu muito bem, e atualmente já é uma realidade, é a residência para farmacêuticos, assim como acontece na área médica. Esta residência vai fazer com que a prática seja aliada à teoria. Isso é uma esperança de que os alunos sai-

Dra. Marisol Domingues Muro, presidente do CRF/PR.

am um pouco mais preparados", conclui. Em nível estadual ou federal, o conselho garante que não medirá esforços para lutar por melhores condições e opções para a classe. "Queremos provar para o Ministério da Saúde que uma ação como essa consegue diminuir a sobrecarga do médico, melhorar a saúde da população. O MS, dentro da intenção de fazer redes de atenção à saúde, está trabalhando nesta ideia. Afinal, não substitui o médico, não faz nada contra a profissão dele, o farmacêutico vem apenas como um profissional de apoio ao trabalho do médico", pontua Valmir.

Valmir de Santi, vice-presidente do CFF. é possível reduzir custos e, com isso, atender ainda mais a população, inclusive a atenção especializada. "As famílias têm em casa medicamentos sobrando, o Poder Público gastando bastante em medicamentos e não conseguimos sensibilizar os gestores de que isso é um custo que o farmacêutico pode gerenciar e diminuir simplesmente acompanhando os tratamentos. Propusemos ao prefeito daqui (Francisco Beltrão) fazer uma experiência, contratando mais farmacêuticos para controlar o uso, fazer critérios na prescrição e tornar o uso mais racional. Se regular melhor o gasto na atenção primária, conseguiremos atender mais gente na secundária", sugere. Em Ponta Grossa, município de 350 mil habitantes, onde Valmir é docente da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e já foi gestor de Saúde, as farmácias municipais têm à disposição cerca de 150 medicamentos diferentes e, de acordo com ele, conseguem atender a demanda tranquilamente. "Em Beltrão, por exemplo, são ofertados mais de 600 tipos de medicamentos. Se houver um regramento, uma gestão mais adequada para um bom aproveitamento, é possível diminuir isso significativamente, e a economia financiará a contratação de outros farmacêuticos. Depende dos prefeitos se sensibilizarem. No início se tem um gasto com as contratações, mas depois isso retorna em economia nos medicamentos", frisa. Mais confiança nos farmacêuticos Com a aprovação da

prescrição farmacêutica, que permite aos profissionais de Farmácia receitar medicamentos que não são de prescrição médica, a categoria pode ter mais atenção e confiança da comunidade. "Ele (farmacêutico) estará dando uma orientação verbal ou por escrito, fazendo uma ação de maior responsabilidade, sem interferir no ato médico. Afinal, o farmacêutico que receitar algum medicamento só vai assinar o nome dele quando tiver certeza. Se eu vou até a farmácia e qualquer um me dá um medicamento, é duvidoso. Mas se eu for e o profissional avaliar meu estado, conversar comigo sobre meus hábitos e sintomas e assinar um papel com a indicação, é claro que vou valorizar mais. O profissional ganha, a farmácia ganha, e valorizamos a circulação de medicamento isento de prescrição", destaca Marisol. Valmir cita novamente o exemplo de Ponta Grossa. "Lá, fizemos uma experiência entre 2001 e 2004, quando chegamos a 13 farmacêuticos contratados no município. Não tinha nenhum. E neste acompanhamento aos pacientes, conseguimos reduzir 30% o número de consultas médicas, pois o paciente não voltava enquanto estivesse estável. Acreditamos que aqui na região também dará certo, pois com a falta de médicos e excesso de pacientes, aonde a gente vai escuta a mesma crítica. Seria uma gestão estratégica." A categoria discute agora uma resolução que cria a possibilidade do farmacêutico prescrever os medicamentos de prescrição médica, através de um protocolo do Ministério da Saúde, para doentes crônicos, hipertensos ou diabéticos. "Eles receberiam diagnósticos e prescrição, e a partir daí o farmacêutico cuida, podendo repetir a receita caso esteja estável, e dentro de uma lista pré-determinada poderia substituir o tratamento caso não fosse eficaz. Se não resolver, aí volta para o consultório médico. Isso alivia a sobrecarga dos médicos e o farmacêutico auxilia, num custo menor, o médico, podendo atender ainda mais gente", defende Valmir.


Quinta-feira, 19.9.2013 JORNAL DE BELTRÃO

Jovens que se entregam ao tradicionalismo

11

Orgulho de ser gaúcha

O amor à cultura gaúcha está na dança, nas músicas e nos costumes.

As irmãs e prendas Társia Talita e Chrislady Daldin, Ariane e Tainara Almeida. Invernada adulta do CTG Recordando os Pagos.

Juliane Klochinski e o namorado Jonas Rodrigues, professor de danças do Recordando os Pagos. Por Leandra Francischett Ser primeira prenda adulta do MTG (Movimento Tradicionalista Gaúcho) do Paraná é um dos sonhos de muitas meninas que participam dos CTGs (Centro de Tradições Gaúchas). Juliane Cristina Klochinski, 21 anos, do Recordando os Pagos, é a detentora deste título. Este ano o concurso será dia 28 deste mês, em Beltrão. “Vivo no CTG, o ambiente, as pes-

soas que estão inseridas nele me fazem bem.” Ela dança na invernada adulta e acredita que este seja um lugar onde se revive costumes de gerações passadas, tanto pela roupa quanto pelo comportamento. Este gosto foi passado pelo pai, pois Juliana o acompanhava nos ensaios quando ele tocava gaita pro grupo de danças. Ela é filha de Edenir e Noeli Klochinski, que por quatro anos foram patrões do CTG e atualmente são vice-patrões. “Minha família sempre foi muito participativa e é um universo saudável, mas minha maior paixão mesmo é a dança.” Tânia, 27 anos, e Patrícia, 23, suas irmãs, também dançavam na inver-

nada. Segundo Juliana, uma delas até demonstrou a vontade de casar de prenda, no campo, e chegar a cavalo, mas como hoje não é permitido casamentos fora da igreja, mudou a ideia. Há cinco meses Juliane namora Jonas de Freitas Rodrigues, 30, professor de danças do Recordando os Pagos. “A dedicação acaba sendo até maior, sempre vou junto dar uma mão no que eu posso. Respiramos isso praticamente 24 horas por dia.” Jonas é de Santa Cruz do Sul (RS) e veio pra Beltrão em 2010, especialmente para ajudar o irmão Marcelo com os grupos de dança da invernada artística do CTG.

1° Peão Biriva Juvenil do Paraná é beltronense: Eduardo Buratti Costa

Gilmar Berticelli, homenageado na Semana Farroupilha de Mormaço (RS), e o primo Eduardo Buratti Costa. Por Leandra Francischett Os dias 27 e 28 de setembro serão marcantes para Eduardo Buratti Costa, já que ele irá passar a faixa de 1° Peão Biriva Juvenil do Paraná. O evento será no CTG Recordando os Pagos, em Beltrão. Graças a este título, Eduardo representa o Estado em vários eventos, sendo que o último foi a 28ª Semana Farroupilha de Mormaço (RS), município entre Passo Fundo e Soledade, que segue até amanhã, dia 20. Todos os dias, durante uma semana, as atividades começam já no café da manhã e contam com o envolvimento de todos. Eduardo explica que para conquistar o título paranaense é necessário ser o 1° Peão Biriva do seu CTG, no seu caso Rincão Serrano, de Laranjeiras do Sul, depois disputar o título em nível regional e só depois o estadual. Em todas as etapas — interna, regional e estadual — o concurso tem várias

provas, incluindo uma escrita, na qual são avaliados a tradição, a cultura, os costumes, a geografia e a história do Sul do país, além de conhecimentos sobre as entidades que representam. As provas práticas são divididas em várias modalidades, como culinária, artesanato, artística e cultural. Tem ainda a prova campeira, que exige preparo do chimarrão e conhecimento sobre os acessórios da montaria, bem como encilhar cavalo. “As dificuldades vão aumentando a cada concurso. Por isso tem que gostar mesmo, porque precisamos fazer tudo isso com prazer, como se fosse uma diversão.” Vivência “Viver o tradicionalismo vem do coração, da alma. Desde pequeno estou envolvido com a tradição, uma paixão que passou de pai pra filho”, comenta Eduardo, filho de Valdemar e Jakeline. Ele tem familiares no Rio

Eduardo, do CTG Rincão Serrano, de Laranjeiras do Sul, com a prenda Amanda Rafaela. Grande do Sul, incluindo o primo Gilmar Berticelli, que foi o homenageado na 28ª Semana Farroupilha de Mormaço, por ser um grande incentivador do tradicionalismo. “Eles se reúnem, o pessoal do CTG, os moradores da cidade, cavaleiros, e vão todos em frente à casa do homenageado, onde discursam, declamam, cantam e contam a história dessa pessoa. Daí colocam uma mesa gigante no meio da rua com um monte de comes pro pessoal — todo ano tem —, depois todos seguem pro CTG Téofilo Schroeder, onde fazem a abertura da semana, e ainda tem janta e baile. Isso foi na sexta, dia 13, e até o próximo final de semana, todos os dias, eles almoçam e jantam no CTG.” Essa cultura é vivida no dia a dia, através das vestimentas, do chimarrão, da gaita, da cantoria. Eduardo participa da Invernada Artística do CTG Rincão Serrano, que se apresenta na

cidade, na região e em eventos tradicionalistas, além de rodeios em todo o Estado. “Neste momento, por exemplo, estamos participando de circuitos classificatórios para o Fepart 2013 (Festival Paranaense da Arte Tradicionalista), que acontece em novembro, em Capanema. Os ensaios são puxados, de duas a três vezes por semana.”

Por Leandra Francischett Gaúcha de nascimento e de coração. Assim é Ariane Almeida, 17 anos, que nasceu em Passo Fundo (RS) e veio para Beltrão aos quatro anos de idade. Há sete anos, participa da invernada do CTG Herdeiros da Tradição. Antes de dançar, já participava de eventos que tinham o nome do tradicionalismo gaúcho com seu pai, Jocemar Pereira da Silva. “Ele sempre me incentivou a fazer parte dessa tradição. Aprendi sobre a cultura gaúcha desde criança, sempre ia

junto com minha irmã Tainara aos ensaios, mas tinha vergonha de dançar.” Aos 10 anos, decidiu ignorar a timidez e ingressou na invernada. Desde então, ficou apenas três meses sem dançar. “Não paro mais. A cultura gaúcha faz parte da minha vida, ajudou a formar a pessoa que sou hoje.” Sua mãe, Sandra Almeida da Silva, também se envolve, sendo ela quem arruma os cabelos das prendas das invernadas para os rodeios.

Peões e o chiripá Por Leandra Francischett Diego Henrique Daldin, natural de Medianeira, cultiva o tradicionalismo por opção. Ele faz parte da invernada artística do Herdeiros e aproveita os eventos típicos para se vestir a caráter, incluindo o chiripá, que é uma peça passada ao re- Diego Daldin, Marcos Moura, Renan dor da cintura, Reolon e Rafael Zago usam chiripá. também usada por entre as pernas. to curto. Feito de fazenda, Na história da indumen- era usado por cima da caltária gaúcha, tanto a vesti- ça ou da ceroula comprida. menta feminina quanto a Não ultrapassava a altura do masculina tiveram peque- joelho, onde podia terminar nas mas significativas mu- ou não com pequenas frandanças. Conforme o livro jas do próprio tecido. É pas“O Gaúcho - danças, tra- sado ao redor da cintura, jes, artesanato”, de J. C. sendo que se trespassa laPaixão Cortes, somente em teralmente no lado corres1962 que os centros de tra- pondente à parte externa da dições tomaram conheci- perna esquerda, trespasse mento da reconstituição do este que se faz da direita mais primitivo abrigo, da para a esquerda. Não é cintura para baixo, usado aberto na frente como muipelos gaúchos. “Refiro-me tos pensam.” É fixado na ao chiripá primitivo seme- cintura por uma faixa, tipo lhante a um saiote, portan- brasileira, ou pela guaiaca.

CTG Herdeiros da Tradição: prendas e peões antes de uma apresentação em Toledo.


Alexandre Alfaro expõe situação 12 JORNAL DE BELTRÃO Quinta-feira 19.9.2013 da UTFPR de Beltrão

Geral

Projetos de extensão da Unipar beneficiam mais de 17 mil pessoas da região

Instituição está planejando ações e projetos que serão colocados em prática no ano que vem em todas as unidades. O pessoal do Rotary com o diretor da universidade. Da assessoria- Terça feira, 17, o Rotary Club de Francisco Beltrão Novas Gerações, dentro da programação de parceria com as entidades do município, realizou sua reunião ordinária nas dependências da UTFPR, a convite do diretor-geral, professor Alexandre da Trindade Alfaro, que fez explanação sobre o campus de Francisco Beltrão. Alfaro solicitou aos rotarianos que divulguem o campus para aumentar o número de alunos, haja visto que a estrutura existente é muito grande e poucos alunos permanecem. Explanou também sobre as dificuldades que o campus de Beltrão vem enfrentando. A unidade conta três cursos de graduação e em 2014 passará a ofertar o curso de Engenharia Química. Mas a meta é a abertura de mais duas graduações na área de engenharia.

Há 55 anos Paraná adiciona flúor à água tratada AEN - A aplicação de flúor na água distribuída à população do Paraná completa 55 anos em 2013. A capital paranaense foi a primeira do Brasil a ter este benefício. O processo de fluoretação teve início em 1958, na Estação de Tratamento de Água do Tarumã, em Curitiba. A adição de flúor é o método coletivo mais eficiente para o controle e prevenção da cárie dentária. Atualmente, o custo da Sanepar com aplicação de flúor em todas as estações de tratamento de água instaladas no Paraná é de R$ 650 mil por mês. Segundo o Ministério da Saúde, o Paraná está em primeiro lugar no índice de fluoretação da água tratada. A aplicação do produto possibilita, no mínimo, uma redução de 65% das cáries, desde que mantida a continuidade e a regularidade dos teores do flúor na água. “Com o projeto de aplicação de flúor a empresa contribui para melhorar as condições da saúde pública”, destaca o presidente da Sanepar, Fernando Ghignone. Na primeira década de fluoretação em Curitiba, pesquisa realizada com estudantes de 6 a 12 anos de idade pelo Serviço de Higiene Dentária do Governo Estadual, verificou a redução, em média, de 39,4% do índice de Dentes Cariados, Perdidos e Obturados (CPO-D). Em 1992, nova avaliação foi feita pelo curso de pós-graduação em Odontologia Preventiva da Universidade Federal do Paraná, com alunos na faixa etária de 6 a 9 anos. O resultado mostrou que em três décadas e meia de aplicação contínua da fluoretação a redução de CPO-D chegou a 75,4%.

Mercado financeiro Cotação do dia 9-9-2013

BOLSAS Ibovespa: +2,64% CÂMBIO - Dólar comercial no balcão Compra: R$ 2,1900 Venda: R$ 2,1920 Variação: -2,97% - Dólar Paralelo Compra: R$ 2,27 Venda: R$ 2,42 Variação: -0,41% - Dólar Ptax Compra: R$ 2,2483 Venda: R$ 2,2489 Variação: -0,57% - Dólar Turismo Compra: R$ 2,1730 Venda: R$ 2,3270 Variação: -2,23% - Dólar Futuro (outubro) Cotação: R$ 2.192,50 Variação: -3,12% - Euro Compra: US$ 1,3521 (às 18h03) Venda: US$ 1,3523 (às 18h03)

Variação: +1,24% - Euro comercial Compra: R$ 2,9550 Venda: R$ 2,9580 Variação: -1,96% - Euro turismo Compra: R$ 2,8900 Venda: R$ 3,0970 Variação: -1,78% JUROS - CDB prefixado de 30 dias, 8,93% ao ano. - Capital de giro, 11,27% ao ano. - Hot money, 1,09% ao mês. - CDI, 8,72% ao ano. - Over a 8,90% OURO - Ouro Cotação: 1,363,69 a onçatroy (1 onça-troy equivale a 31,1035 gramas) Variação: +4,14% - Ouro BM&F (à vista) Cotação: 96,000 Variação: -0,52%

Da assessoria O professor Adriano Augusto Martins, diretor de extensão universitária da Universidade Paranaense (Unipar), esteve reunido na tarde de terça-feira, 17, com professores e coordenadores de cursos do campus de Francisco Beltrão, para discutir a programação de projetos que serão executados em 2014. Por ano, a instituição investe em extensão cerca de R$ 6 milhões, são aproximadamente 1.200 projetos colocados em prática em todas as unidades: Cascavel, Cianorte, Francisco Beltrão, Guaíra, Paranavaí, Toledo e Umuarama. O dirigente afirma que a Unipar investe em projetos de extensão mais até do que é exigido legalmente, porque acredita ser um diferencial para aproximar a universidade da comunidade. Segundo ele, são disponibilizadas 1.200 horas semanais para professores - que são profissionais das mais diversas áreas - atuarem junto com acadêmicos em projetos que levam melhoria da qualidade de vida das pessoas. Os projetos desenvolvidos pela instituição proporcionam diversas formas de desafios, porque está centrada no objetivo de reduzir a distância entre a formação profissional dos acadêmicos das diferentes áreas de conhecimento e os processos sociais, econômicos, políticos, culturais e ambientais que se desenvolvam em sociedade.

Reunião com professores da Unipar para discutir projetos de extensão para o próximo ano. “É uma via de duas mãos, uma troca de conhecimento muito grande. A nossa comunidade acadêmica ganha por aplicar seu conhecimento na prática e o entorno da universidade ganha por ter suas demandas atendidas. Este é o papel da universidade que tem como diferencial justamente o investimento em extensão, pesquisa e ensino”, menciona Adriano. De acordo com ele, acadêmicos e professores, com estímulo, apoio estratégico e logístico da diretoria de Extensão, associados ao apoio financeiro recebido da direção da Unipar, assumem este compromisso social. “Estamos tentando mudar a forma de atuação da extensão universitária em todas as unidades. O objetivo é apro-

ximar mais os cursos e fazer atividades multidisciplinares, envolvendo vários cursos na mesma atividade.” O diretor da Unidade de Francisco Beltrão, professor Claudemir José de Souza, ressalta que a Unipar se preocupa muito em retribuir para a sociedade o apoio e o carinho que recebe. “Além do investimento em ensino e pesquisa, existem obras permanentes para qualificar o ambiente de estudos dos universitários e os projetos de extensão que levam a universidade para bem próximo do cidadão.” Em Beltrão, por exemplo, são 52 projetos de extensão em andamento, com envolvimento de 68 professores e 411 acadêmicos, beneficiando diretamente 17.382 pessoas.

UTFPR

Seleção para novos estudantes até dia 30 Da assessoria A UTFPR, campus Francisco Beltrão, está com edital aberto para selecionar estudantes para os cursos de Engenharia Ambiental, Tecnologia em Alimentos e licenciatura em Informática. As inscrições seguem até o dia 30 de setembro. Podem se inscrever candidatos participantes do Enem 2012, portadores de Certificado de Conclusão do Ensino Médio e que não tenham obtido escore zero em nenhuma das provas do exame. Os selecionados iniciarão as aulas no dia 10 de outubro e poderão concorrer a bolsas através do programa de auxílio estudantil As inscrições às vagas poderão ser efetuadas no portal da UTFPR, no link

Futuros Alunos. O candidato deverá optar somente por um curso. As vagas são para cotistas e não cotistas e irão preencher as que não foram ocupadas até final do período de confirmação de permanência estabelecido no edital de seleção do Sisu e que não tenham mais candidatos na Lista de Espera. As vagas para cotistas são destinadas aos candidatos que tenham cursado e concluído todas as séries do Ensino Médio regular ou equivalente em escola(s) pública(s). Também são cotistas os candidatos que tenham obtido certificado de conclusão com base no resultado do Encceja ou de exames de certificação de competência ou de avaliação de jovens e adultos re-

alizados pelos sistemas estaduais de ensino. Na UTFPR, há quatro categorias de cotistas: os oriundos de família com renda igual ou inferior a 1,5 salário mínimo per capita e que não se declararam preto, pardo ou indígena; os oriundos de família com renda igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e autodeclarados preto, pardo ou indígena; os que não precisam comprovar renda e que não se declararam preto, pardo ou indígena; e os que não precisam comprovar renda e autodeclarados preto, pardo ou indígena. Auxílio estudantil Ciente da necessidade de apoiar o estudante para sua permanência na instituição, a UTFPR oferta quatro mo-

dalidades de bolsa: Auxílio Básico, Auxílio Alimentação, Auxílio Moradia e Auxílio Instalação. Ao aluno que vive com sua família em outro município e necessita mudar-se para Francisco Beltrão a universidade oferece, através de edital, o auxílio instalação, no valor de R$ 400 pago em uma única parcela. Além disso, ele pode concorrer ao auxílio moradia e receber um valor mensal de R$ 230. As outras modalidades de bolsa, que são o auxílio básico, no valor de R$ 200 e o auxílio alimentação, fornecido em vales para alimentação no Restaurante Universitário podem ser pleiteados por estudantes de fora ou de Beltrão. Os benefícios são acumuláveis.

Saiba como proceder em caso de assédio sexual ou moral no ambiente de trabalho Denunciar é o principal passo para acabar com esses crimes Da assessoria É mais comum do que se imagina empregadas sofrerem com o assédio sexual ou moral no ambiente de trabalho. Uma cantada, brincadeiras de mau gosto, humilhação, entre outros podem ser considerados crimes e a pena pode chegar a até dois anos de prisão, além de o autor pagar uma indenização à vítima. O assédio sexual ou moral pode ser caracterizado por qualquer conduta persistente exercida sobre um trabalhador por parte do empregador, ges-

tor, companheiro ou subordinado, que gere constrangimento, medo, intimidação ou angústia, causando um prejuízo trabalhista, desmotivação ou a induzir à solicitação de demissão por parte do colaborador. Segundo a advogada especialista em direito trabalhista do escritório Duarte e Tonetti Advogados Associados, Dra. Fernanda Miranda, o assédio moral tem como base as mais variáveis situações, porém, na sua maioria encontramos castigos, ameaças, ofensas, situações humilhantes, isolamento e agressões físicas. Já o assédio sexual é caracterizado por qualquer tipo de cantada, propostas e brincadeiras com o apelo sexual que constranja a víti-

ma. Para a dra. Fernanda Miranda, a vítima não deve se calar. "Quanto mais a vítima relevar a falta de re speito, mais graves elas se tornarão. Ainda, em relação ao o assédio moral a falta de atitude poderá causar a impressão de que as cantadas eram consensuais e retribuídas. A prova do assédio em caso de ação é do empregado, assim, as vítimas devem reunir o maior número de comprovações possíveis, como depoimento de testemunhas, e-mails, gravações de conversas onde o assediador seja parte, documentos, fotos, etc... bem como, buscar a orientação de seu sindicato ou de um advogado", pontuou.


Regional

Quinta-feira, 19.9.2013 JORNAL DE BELTRÃO

13

CURITIBA

Sindimadmov está organizando caravana para o Congresso Moveleiro do Paraná JdeB - Acontece nos dias 25 e 26 de setembro, em Curitiba, o 4º Congresso Moveleiro, no Campus da Indústria, que fica na Avenida Comendador Franco. O Sindimadmov (Sindicato das Indústrias Madeireiras do Sudoeste) está organizando uma caravana de empresários para participar do evento. Poderão se inscrever empresas que trabalham com serrarias, carpintarias e tanoarias, madeiras compensadas, laminados, aglomerados, chapas de fibras de madeira e marcenaria. A presidente do sindicato, Nadir Terezinha de Marchi, de Realeza, está convidando todos os interessados a fazer parte desta caravana do Sudoeste. "Vai ser um evento de muita importância para o setor, é sempre importante participar para se atualizar e conhecer coisas novas. Quem tiver interesse pode entrar em contato com o sindicato", comenta Jacir Andretti, secretário executivo do Sindimadmov. O 4º Congresso Moveleiro tem o tema "Competitividade é o futuro da indústria moveleira".

Francisco Beltrão recebeu o Seminário Moveleiro no dia 12 de junho, o evento reuniu empresários, estudantes e representantes de diversas entidades vinculadas ao setor moveleiro, que debateram soluções, propostas e desafios da indústria moveleira no Paraná. Acontece ao mesmo tempo em Curitiba o 7º Seminário Moveleiro Paranaense, que tem como objetivo impulsionar o crescimento econômico do setor moveleiro, utilizando a competitividade como componente estratégico para o fortalecimento industrial. Palestrantes São vários palestrantes conhecidos nacionalmente dentro da programação do 4º Congresso Moveleiro. Dentre eles estão James Woodcock, gerente opera-

cional da International Synergies Limited, com experiência internacional trabalhando com fundos e entidades parceiras; Sarah Albrecht, jornalista e analista em Relações Internacionais, com foco no desenvolvimento de projetos de produtos e serviços de diferentes setores voltados ao público estrangeiro; Manuel Saez, arquiteto pela University of Bridgeport, Estados Unidos, com bacharel em Design Industrial, além de obter o título de mestre em Gestão da Tec-

nologia; Suzana de Medeiros Fontenelle, analista de mercado da Euromonitor, mestre em Ciências da Comunicação, doutoranda em Marketing, com experiência em estratégias de propaganda de marcas brasileiras no Mercosul; Eugênio Tolstoy, diretor técnico da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e ex-diretor do Movimento Brasil Competitivo (MBC), entidade resultante do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), do qual foi Superintendente Geral; Renato Bernardi, supervisor de educação e tecnologia do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, gestor de projetos de Inovação demandados por edital do Senai, Departamento Nacional; Luciano Naldony; professor universitário, graduado em Psicologia e Especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho.Representante do estado do Paraná no Projeto de Cooperação Internacional para o Fortalecimento da Segurança e Saúde do Trabalho na Indústria Brasileira (Brasil - Canadá).

NOVA ESPERANÇA DO SUDOESTE

Departamento de Cultura realiza o Canta Esperança Da assessoria Com objetivo de oportunizar aos calouros de Nova Esperança do Sudoeste um espaço para apresentação de seus talentos musicais é que foi realizado com sucesso a décima edição do Canta Esperança, o festival municipal de Interpretação da Música Brasileira. O Departamento de Cultura, por meio da diretora Maria Inês Petroski, esteve à frente da organização e contou com apoio da administração municipal e da Câmara de Vereadores. Mari lembrou que foram realizadas três eliminatórias no interior sendo: KM 38, Barra Bonita e Rio Gavião (transferido para sede) sempre com grande participação de calouros e público. No último sábado, dia 6, aconteceu a grande final no Centro comunitário da Matriz. O acompanhamento musical foi feito por Valdinei e Nilson Risso. A mesa de jurados contou com a presença de Douglas de Oliveira, Rodrigo, Willian Mafioletti, Gilberto Telles e Airton Pereira. Na mesa de honra estavam o prefeito Jair Stange (PDT) e sua esposa Marilete Cardoso Stange, vice-Prefeito Eloi Schlikmann (PDT) e sua esposa Maria Gloria Schlikmann, presidente do Conselho Econômico da Matriz, Nelson Rosa, os vereadores Adriana Alberton De Pieri (PMDB), Clóvis Fernandes (PP), Valdemiro Antunes Zeferino (PDT), João Nascimento Nazário (PSD) e Jurê de Souza Machado (PR).

Hoje tem Seminário do Crédito em Quedas do Iguaçu A Aciqi (Associação Comercial e Empresarial de Quedas do Iguaçu) promove hoje o Seminário do Crédito, a partir das 19h30. O evento tem o apoio da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Fomento Paraná, Sicoob, Sicredi e Bradesco. A realização é do Sebrae, Fiep e BNDES. Haverá apresentações de soluções financeiras para micro e pequenas empresas. Os empresários participantes poderão conhecer mais detalhadamente os produtos e serviços dessas instituições financeiras. Chuvas fortes da região de Pato Branco Início de semana com instabilidade em toda microrregião de Pato Branco. Conforme o SID (Serviço de Informações Diárias) da Seab, ocorreram precipitações generosas em todos os municípios da re-

gional, variando de 50 milímetros em Itapejara D´Oeste até 95,6mm em Palmas (Iapar), ficando uma média próxima dos 70mm. No Iapar de Pato Branco, foram registrados índices de 72mm. Ontem os termômetros do Iapar marcaram mínima de 0,6°C em Palmas e 3,4°C em Pato Branco, já na relva -1,0°C em Palmas e 1,2°C em Pato Branco. Ocorreu, portanto, geada fraca, principalmente nas baixadas, e ainda não se pode mensurar se ocorreram danos nas culturas de inverno e nas culturas de verão recentemente implantadas. Zeca Dirceu em Coronel Vivida O deputado federal Zeca Dirceu (PT) fez uma peregrinação pelo Sudoeste, visitando vários municípios. E esteve marcando presença também em Coronel Vivida. O prefeito Frank Schiavini (PMDB) recebeu o deputado no seu gabinete, que esteve acompanhado da vice-prefeita Iomara Ziger (PMDB), o vice-prefeito de Honório Serpa, Rovanir Noll (PT) e demais membros do partido PT do município. O deputado, durante a visita de cortesia, comunicou ao prefeito Frank que se faz disponível para a administração municipal, colaborando com pleitos junto ao Governo Federal para o município de Coronel Vivida.

CTG revive as tradições na Semana Farroupilha

O prefeito Jair Stange, com a esposa Marilete, e o vice-prefeito Eloi Schlikmann, com a esposa Maria, entregando o troféu de primeiro lugar para a dupla campeã, Luciano e Valdecir. Classificação Na categoria infantil, o primeiro lugar ficou com Ana Carolina, que interpretou a musica "Tocando em frente", de Almir Sater. O segundo lugar ficou com Diego Garcia, que cantou a música "Quem é ele", de Zezé Di Camargo e Luciano. E em terceiro lugar ficou Gabriel Stepaniack Gesses, que cantou "O dia em que saí de casa", também de Zezé Di Camargo e Luciano. Na categoria adulto, a dupla vencedora foi Luciano e Valdecir. Eles interpretaram a música "Caminheiro", de Liu e Léu. O segundo lugar ficou com a dupla Caludir e Claudecir, com a música "Brigas", de Bruno e Marrone. E a dupla que ficou em terceiro lugar foi

Leonir e Tião, que cantou a música "Sertanejo de coração", do cantor Daniel. Avaliação Ao final do evento, o prefeito Jair Stange fez questão de agradecer aos participantes, equipe de apoio, organização, jurados, vereadores e o público que lotou o Centro Comunitário. Para o prefeito, esta foi mais uma oportunidade para o desenvolvimento da cultura no município e a intenção, segundo ele, é continuar realizando o Canta Esperança todos os anos. Após a entrega da premiação em troféus e dinheiro aconteceu o baile animado por Flávio Dalcin e Banda Ouro.

Farmácia Bem-Estar é inaugurada em Cruzeiro do Iguaçu Da assessoria Aconteceu no último sábado, dia 14, em Cruzeiro do Iguaçu, a inauguração da Farmácia Bem-Estar, que fica na Avenida 26 de Abril, número 950. A farmacêutica e proprietária é Bruna Vites Duarte. Durante todo o dia, os clientes foram recebidos com um coquetel e receberam cupons para concorrer a brindes no final da tarde. Confira os vencedores dos brindes: Amélia Pelizari (telefone sem fio Lyrix); Mateus Witeck (batedeira Pérola); Marli

Zona Eleitoral será instalada hoje em Marmeleiro O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, desembargador Rogério Coelho, vai estar hoje em Marmeleiro para instalar a 140ª Zona Eleitoral do município. O evento acontece às 17 horas no Centro de Capacitação dos Professores, no segundo piso da Prefeitura de Marmeleiro.

Os clientes foram recebidos com coquetel e brindes durante todo o dia de sábado.

Maria Negrine Nunes (batedeira Pérola); Luana Azeredo (liquidificador Diamante); Denizia Shmitz (cafeteira Britânia); Valdecir Zarth (ferro Black e Decker); Izeu Cordoni (sanduicheira Mondial); Elenice Daniel (sanduicheira Fama); Suzana Viganó (sanduicheira Fama); Diane Piloneto (sanduicheira Fama); Osório Valendorff (celular Meu); Nilo Soares Novaes (cuia de chimarrão); Antônio Francisco (bomba de chimarrão); Silvana Manica (kit lençol de casal).

Cavaleiros passam pelo bairro Ipiranga. JdeB - Dando continuidade à programação da Semana Farroupilha do CTG Laçando a Tradição, de Marmeleiro, ontem, às 17 horas, aconteceu uma cavalgada pelas ruas da cidade. Peões e prendas, vestidos com trajes gaúchos, percorreram vários bairros. Também aconteceram apresentações de danças e artes tradicionalistas. À noite, na sede do CTG, no bairro Três Pinheiros, foi servido o jantar Risoto no Tacho. A programação continua dia 20, sexta-feira, na sede do CTG, com show tradicionalista Dilceu dos Santos, às 20 horas, com jantar. Sábado, dia 21, acontece uma nova cavalgada saindo da cidade até a comunidade de Rio Quibebe. Domingo, dia 22, ao meio-dia será servido o costelão e à tarde haverá um minirodeio.

Iniciada turma do curso de auxiliar administrativo pelo Senac JdeB - No último dia 11 de setembro, iniciou em Salto do Lontra a formação de mais uma turma de auxiliar administrativo pelo Programa Senac de Gratuidade. Ao todo, 25 alunos vão participar do curso que tem 198 horas de duração. As aulas serão ministradas pelas professoras Fernanda de Souza Vieira, Elizangela Cristina da Silva e Angela Borguesan e acontecem entre segunda e sexta-feira das 13h30 às 17h30. O curso está previsto para ser finalizado no próximo dia 20 de novembro e acontece em uma sala de aula cedida pelo município. Na abertura da turma, a técnica em educação profissional do Senac, Mirna Weiss e a secretária de educação de Salto do Lontra Geovana Techio Lopes Belica ressaltaram a parceria entre a entidade e a prefeitura, que já possibilitou a formação de uma turma do curso de operador de computador em 2013.


14 JORNAL DE BELTRÃO Quinta-feira, 19.9.2013

Especial/Dois Vizinhos

Hoje, o naufrágio da balsa do Rio Iguaçu completa 40 anos Em setembro de 1993, o JdeB levantou várias informações sobre a maior tragédia ocorrida no Rio Iguaçu. Do JdeB - Em setembro de 1993, o Jornal de Beltrão publicou uma série de matérias sobre os 20 anos do naufrágio da balsa do Rio Iguaçu. O jornalista Flávio Pedron, do JdeB, percorreu Cruzeiro do Iguaçu e Dois Vizinhos ouvindo pessoas ligadas ao fato. Marcos Witeck, professor e morador de Cruzeiro, acompanhou as entrevistas no município. Na sequência, o JdeB publica alguns trechos das reportagens publicadas há 20 anos - setembro de 1993.Parte do material publicado foi atualizado por Flávio Pedron. "Foz do Chopim poderia ser município", diz Batistella O subprefeito de Foz do Chopim de 1973 a 75, Paulo Batistella, que reside atualmente em Dois Vizinhos, não concorda com a informação de que teriam morrido apenas 45 pessoas no acidente com a balsa. Esse número foi fornecido pelo

padre Natalício Weschenfelder, vigário da Paróquia Santo Antônio, em 1973. Entre os moradores de Foz do Chopim há opinião unânime de que mais de 100 pessoas morreram afogadas ou esmagadas. Não há dados oficiais sobre vítimas fatais. Batistella confirma que dezenas de capacetes dos operários da construção da usina e muitas mamadeiras de crianças apareceram após o acidente. Ponte O ex-sub-prefeito relembra com indignação e alegria, simultaneamente, sua passagem pela vila. Para Batistella, apenas os prefeitos Amado Campagnoni e José Ramuski realizaram diversas obras em Foz do Chopim. Ele acredita que se a ponte tivesse sido reconstruída depois de 1983, Foz do Chopim seria município, não Cruzeiro do Iguaçu. Falência Na década de 1970, a população já pensava em

emancipar a vila. A arrecadação de IPTU, ISS e ISQN de Foz do Chopim era maior que Boa Esperança, Cruzeiro do Iguaçu e da cidade de Dois Vizinhos. Pelas suas estimativas, 10 mil pessoas moravam na vila. Os terrenos eram comercializados por preços mais altos que os da cidade. A queda da ponte, em 1983, na opinião de Batistella, provocou a falência de diversas empresas da vila. Muitos vieram investir em Foz do Chopim a convite de políticos e da população. "Enquanto tinha a ponte, o movimento diário era grande", diz, acrescentando que faltou incentivo à agricultura e outros setores econômicos para o progresso do local. "Deus vendendo linguiça" Miguel Fernandes, 78 anos, vendedor de linguiça de Foz do Chopim, ao voltar no final da tarde do dias 18 de setembro de 1973, de Quedas do Iguaçu, disse ao

Música fala do acidente e do sofrimento das famílias

Capa do disco ‘Pistoleiros do Sul d’Oeste’. Do JdeB - "Doce Vingança" deveria ser a faixa principal do primeiro LP do conjunto sertanejo "Os Pistoleiros do Sul d’Oeste". Inusitadamente, a faixa "Naufrágio da Balsa" teve ampla aceitação do público e das emissoras de rádio da região eram poucas na década de 70. Erotides Costa e Inácio Rodrigo de Morais formavam a dupla que tornou-se famosa na região. "Fazíamos shows e éramos conhecidos por causa da música", lembra Rodrigo. Em qualquer show que a dupla de Eneas Marques fosse, as pessoas pediam para tocar a

música que falava da balsa. A dupla gravou o disco em 1977 e o lançamento aconteceu em fevereiro de 1978. As duas mil cópias do disco foram vendidas em pouco tempo. Erotites Costa, compositor de "Naufrágio da Balsa", tinha amigos que morreram no acidente. A música conta a tragédia resumidamente, pede o consolo de Deus às vítimas fatais e seus familiares, causando muita emoção no público. A qualidade do som, no entanto, deixava a desejar. Erotites e Rodrigo acabaram com o conjunto musical. Erotites foi residir em Cascavel e passou a admi-

nistrar uma fábrica de móveis. No entanto, agora está morando em Eneas Marques. Ele completou 70 anos no começo de setembro de 2013.Rodrigo mudou-se para Francisco Beltrão, onde formou a dupla Rodrigo e Renato, em 1982. Segundo Rodrigo, o disco obteve grande sucesso em Foz do Chopim e comunidades próximas. A música era rodada frequentemente nas rádios Educadora de Dois Vizinhos e Princesa de Francisco Beltrão. Há famílias que guardaram o LP como uma lembrança da tragédia. Albino Casarotto, morador de Foz de Chopim, afirma que as pessoas choravam ao ouvir a melodia na época em que o LP foi lançado, quase cinco anos depois do acidente. Os irmãos Davi, de Coronel Vivida, gravaram a música "Cruz na Praia", praticamente na mesma época e abordando o mesmo assunto, mas Rodrigo afirma que houve o crivo da Censura Federal.

Letra da música Naufrágio da Balsa: Vou contar uma triste historia, Até a data ainda me lembro Esta triste ocorrência se deu Em mês de setembro O naufrágio duma balsa Que estava socorrendo A ponte Nacional Eu choro quando me lembro. Desse triste acontecimento Todos ficaram sabendo Foi perto de Salto Osório Que esta historia acontecia A ponte o rio levou Mas a balsa socorria Transportando lado, a lado O povo que residia E ninguém desconfiava O que aconteceu nesse dia. E o transporte continuava Conforme as águas desciam.

Que este fato aconteceu A balsa se afundou E ninguém a socorreu Foi só mesmo as mãos divinas De alguém se valeu Alguém ainda escapou E a maioria morreu Muitos corpos achados E outros desapareceram.

De salvar esses cristãos Vou dar consolo aos filhos Que reuniu a multidão As queixas que se ouvia Me cortava o coração "Papai morreu neste rio" Foi o meu querido irmão Os prantos que eu vi cair Formou-se no ribeirão.

Quando eu lembro essa tragédia O meu corpo se arrepia Que enlutou tantas famílias Morrendo tudo afogado No fundo das águas frias Eu tava perto do porto Alguma coisa assistia Nossa Senhora! Aí! Meu Deus!?! Era só o que a gente ouvia.

O que me resta fazer É pedir ao criador Daí consolo aos vivos Paz, saúde e amor Também rezo uma oração Acendo vela e levo flores Para aqueles que morreram Eu peço ao Nosso Senhor Leve todos para o céu Prá aliviar a minha dor.

Foi bem pertinho da noite

Se Deus me desse o poder

Composição: Erotides Souza Costa

O trabalho para retirada da balsa seguiu por alguns dias depois da tragédia. operador da balsa que a água estava entrando no porão e na plataforma, levantando a possibilidade de a embarcação afundar. Mas o operador da embarcação teria dito: "Nunca vi Deus vender linguiça." No dia seguinte à tragédia o balseiro teria fugido da vila, segundo o vendedor de linguiça. O comunicado oficial às autoridades em Dois Vizinhos sobre a tragédia coube o soldado da Polícia Militar em Foz do Chopim, Ladir Pacce, 53 anos (em 1993). "Eu lembro que logo após a balsa afundar, um menino de bicicleta veio correndo me avisar. Fui até o porto e vi que não podia fazer nada. Estava tudo escuro. Então, vim avisar o

prefeito e as autoridades", lembra Pacce, que hoje reside em Dois Vizinhos. Com a chegada das equipes de resgate, o policial passou a auxiliar nos trabalhos. Pacce relembra que havia revolta e desolação nas pessoas. "Uns culpavam o balseiro, outros a ponte que caíra e não fora reconstruída", comenta. Muitos mortos residiam em Foz do Chopim, Cruzeiro do Iguaçu e Dois Vizinhos. Escapou da morte Valdemar Duarte, 43 anos, um dos sobreviventes, era motorista do caminhão de bebidas da empresa Nodari, de Dois Vizinhos. O sobrevivente lembra que o veículo estava car-

regado com 555 caixas de bebidas. Quando aconteceu o acidente ele encontrava-se na cabine, mas conseguiu pular por uma das janelas para a margem do lago de Quedas do Iguaçu, sem precisar nadar.Valdemar comenta que as ondas formadas durante o acidente eram enormes. Mesmo no escuro ele afirma ter visto as pedras no fundo rio. O motorista não concorda com os boatos de que o porão da balsa esta tomado d'água e o motorbomba (que tirava a água do porão) não estivesse funcionando. "O que ocasionou o naufrágio foi o excesso de peso", afirma categoricamente.

Muita gente foi para as margens do rio Por Alexandre Bággio O advogado e ex-prefeito de Dois Vizinhos Jaime Jacir Guzzo (1965/69 e 1997/00) têm algumas lembranças da tragédia no Rio Iguaçu. Ele relata que pouca gente que faleceu no acidente vivia em Dois Vizinhos. "Foi pouca gente daqui, mais gente de fora que estava aqui para construir a usina. Eu lembro que conhecia o Valdir Nicolodi que faleceu na tragédia", conta. Ele comenta que foi até o local do acidente duas vezes após a tragédia. "Fui no dia seguinte e uns dias depois, quando estavam procurando ainda. Tinha muita movimentação, coisa de outro mundo. Toda a região estava nas barrancas do rio. O povo queria ver, tinha curiosidade. Afinal de contas, não tinha acontecido nenhuma tragédia tão grande e acho que não aconteceu até hoje. Todo mundo ia lá para ver e tinha esperança de encontrar alguma coisa, ver alguém sair do rio", relata. Com poucos meios de comunicação instalados, a notícia também se espalhava com dificuldade. "A notícia não espalhava tão rápido e o povo ia lá para conferir se era verdade", completa o advogado. Jaime lembra que foram dias de tempo instável. "Choveu muito naqueles dias. Do acidente, eu sei que entrou ônibus, caminhões e muita gente e a balsa pendeu. Ali era um lugar muito fundo e corredeira. Logo para cima tinha o encantilhado, que

A busca por sobreviventes e a retirada de corpos do Rio Iguaçu seguiu por alguns dias. era um lugar onde o rio vem caindo e passa violentamente no meio de pedras e 500 metros para baixo era a balsa", conta. História Depois da construção da Usina de Foz do Chopim, muita gente começou a trabalhar na construção em Salto Osório, por isso, o movimento da balsa era constante. "Foz do Chopim era chamada de 'Piolho', porque era muita gente que vivia ali. A vila começou com a construção da Usina de Foz do Chopim, em 1965, 1966. Quando terminou a usina, em 1969 e, nesse período, começou a construção da Usina de Salto Osório e todo esse povo que estava aqui foi trabalhar lá. Era só atravessar o rio e como não tinha ponte, tinha balsa. Eu usei ela

muitas vezes. Viajei muito como prefeito e nossa saída era por aqui até Laranjeiras do Sul". Não defendeu ninguém Um dos únicos advogados de Dois Vizinhos, Jaime não defendeu nenhuma vítima da tragédia. "Na época até, veja que interessante, eu não lembro, tinha só dois advogados aqui e ninguém entrou na justiça. Eu não lembro de ninguém ter entrado contra a Copel ou contra o pessoal da balsa. Agora, tem uma senhora aqui, que é minha cliente, que o marido dela também morreu ali. Ele morreu e ficou por isso mesmo. Até acho que alguém entrou na justiça, mas eu não lembro de nenhum caso aqui de Dois Vizinhos de ação contra a Copel, Eletrosul ou os donos da balsa", conclui.


Esporte

Quinta-feira, 19.9.2013 JORNAL DE BELTRÃO

15 Paranaense de Skate

SÉRIE OURO

Marreco treina para surpreender o Marechal A equipe beltronense vai apostar na marcação e em jogadas de velocidade. JdeB - Marcação forte e contra-ataques em velocidade. Assim o Cresol/ Marreco quer surpreender o Marechal sábado, no Arrudão. O técnico Fabinho Gomes observa que o adversário tem jogadores de qualidade que merecem uma atenção especial. “Não vamos renunciar ao ataque, mas precisamos marcar com muita dedicação”, afirma o técnico. A motivação está em alta no Marreco. Os jogadores assistiram ao jogo da Liga Nacional, em que o adversário foi derrotado pelo Krona, de Joinville, segunda-feira, por 4 x 2, e puderam analisar o estilo que a equipe vem adotando. O pivô Rato acredita que desta vez será completamente diferente do jogo da primeira fase, quando o Marreco foi goleado em pleno Arrudão por 6 a 2. “Estamos num momento muito diferente; a nossa equipe cresceu muito de lá para cá.”

Matheus Marcon foi o atleta melhor colocado.

O adversário com a bola e três atletas do Marreco na marcação. O Marechal, por sua vez, perdeu dois jogadores importantes: Thales e Murilo. Ingressos

Os ingressos estão à venda nos locais de costume ao preço de R$ 10. No dia do jogo será cobrado R$ 15.

JdeB - Dias 7 e 8 de setembro, uma equipe de 11 atletas dos esportes radicais de Francisco Beltrão esteve disputando a 4ª etapa do Circuito Paranaense de Skate, em Pato Branco. Os atletas tiveram uma ótima participação, mas apenas um ficou bem colocado, na categoria amador 2, conquistando a 10° posição. O evento teve uma grande participação de atletas de todo o Paraná e até mesmo de outros estados, como Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Vôlei Ampere fica em terceiro no municipal

PARANAENSE SUB-18

Beltrãozinho joga bem e faz 2 x 0 no Toledo O time dominou o jogo, fez os gols e poderia ter construído até um placar maior. JdeB - Num jogo em que se impôs sobre o adversário, o Francisco Beltrão FC derrotou o Toledo ontem à tarde, no Anilado, por 2 x 0, pelo Campeonato Paranaense Sub-18. O time do técnico PC poderia ter vencido por uma diferença maior, pois acertou duas bolas no poste, no segundo tempo. Na primeira etapa, o jogo foi equilibrado, mas o Beltrão criou várias oportunidades. Numa delas, o lateral Juliano aproveitou um cruzamento e escorou para o gol. No início da segunda etapa, em boa troca de passes, o atacante Deivid recebeu a bola dentro da área, dominou e bateu firme para ampliar o placar. Daí em diante, o Beltrão cuidou de evitar as jogadas de ataque do adversário, mas chegou a acertar duas bolas no poste. Numa delas, em cobrança de falta, Alemão por pouco não acertou o ângulo. O Francisco Beltrão atuou com Reu-

A equipe do Vôlei Ampere, terceira colocada.

O atacante Deivid domina para fazer o segundo gol do Beltrão, no Anilado. el, Paulo Vitor, Alemão, Juliano e Lucas; Yan, Hudson, Guilherme e Renato; Deivid e Polaco. Na próxima rodada, quarta, dia 25, o

time beltronense volta a atuar no Anilado, contra o Foz do Iguaçu. Uma vitória encaminha a classificação.

Salto do Lontra é vice-campeão do Bom de Bola A disputa da fase regional no masculino B aconteceu em Nova Prata do Iguaçu. Da assessoria O time de futebol de campo da Escola Estadual Jorge de Lima da cidade de Salto do Lontra foi vicecampeão da fase regional dos Jogos Escolares Bom de Bola realizados entre os dias 19 e 22 de agosto, na cidade de Nova Prata do Iguaçu. A equipe do técnico Adiel de Souza teve excelentes atuações, mas perdeu a final para o Colégio Estadual de Dois Vizinhos por 1 a 0, na manhã de do-

O time de Salto do Lontra fez uma bela campanha.

mingo, no Estádio Cristo Redentor. Em terceiro lugar ficou o time da Escola Estadual Cristo Redentor, de Nova Prata do Iguaçu, que derrotou o Colégio Estadual Nova Esperança, de Nova Esperança do Sudoeste, por 1 a 0. A equipe campeã vai representar o Núcleo Regional de Dois Vizinhos na fase macrorregional, que acontece entre os dias 8 e 10 de novembro, na cidade de Marmeleiro.

CORONEL VIVIDA

APMI inaugura quadra e homenageia Petrycoski Da assessoria A Associação de Proteção a Maternidade e a Infância – APMI de Coronel Vivida teve um dia festivo sexta-feira pela manhã. Foi a inauguração das reformas da quadra de espor-

tes, que passa a contar com novo piso, arquibancada, além de mesas para jogos de xadrez e dama graças a doações da comunidade, apoio da prefeitura e ao investimento do empresário Cláu-

Momento da inauguração da nova quadra de esportes. dio Petrycoski. As obras iniciaram em abril de 2012 e foram concluídas recentemente. Para Petrycoski, é motivo

de satisfação auxiliar uma entidade com mais de 35 anos de atuação. “Valeu a pena acreditar e investir.”

JdeB - A disputa pelo terceiro lugar do Campeonato Municipal de Voleibol, organizado pelo Departamento de Esporte do município de Ampere, foi realizada na quinta-feira, 12. A equipe Voleibol Ampere venceu o time da Baggio Confecções por 3 sets a 1. O jogo foi bem disputado. Nos dois primeiros sets, os atletas do Voleibol Ampere levaram a melhor. Ambas as disputas encerraram em 25 a 21 pontos. Já no terceiro set, o time Baggio Confecções se recuperou e ganhou por 25 a 23. O quarto e último set, o mais acirrado da partida, encerrou em 25 a 23 para a equipe Voleibol Ampere. As equipes Krindges e Prefeitura de Ampere são as finalistas da competição. Após a final, acontecerá a entrega da premiação aos destaques do campeonato.


16 JORNAL DE BELTRÃO Quinta-feira, 19.9.2013

Geral

Alunos do Industrial visitam Ametista do Sul

Um dos momentos mais marcantes foi na Igreja São Gabriel, quando a guia (chapéu branco) cantou Ave Maria.

Eles atravessaram a ponte do Rio Uruguai a pé, pra observar melhor a geografia. Por Leandra Francischett Pelo sétimo ano consecutivo, a professora de Geografia Nadja Matte organiza viagens de estudo para Ametista do Sul, que fica a 200 km de Beltrão. Desta vez, o passeio aconteceu dia 14, com cerca de 80 alu-

nos do Colégio Estadual do Industrial, divididos em dois ônibus. A viagem é organizada com bastante antecedência e cada aluno pagou o seu passeio. Segundo Nadja, o objetivo é fazer com que os estudantes identifiquem o limite geográfico e hidrográfico entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina, que é o Rio Uruguai, por isso eles atravessaram a ponte a pé, para observar melhor a área e o relevo. A partir do museu é possível entrar diretamente nas minas, onde os alunos puderam ver a extração da pedra ametista. A diversão foi andar num veículo adaptado, uma espécie de gaiola. “Nas furnas, há amostragem da retirada da pedra, que pode ser utilizada na fabricação de jeias e embelezamento de locais e exportada principalmente para a China.” Nas minas, há um local com mesas e cadeiras feitas de pedras, onde a guia turística passa informações. Nadja explica que, naquele relevo, a ametista fica cerca de 300 metros abaixo da superfície e quanto mais profunda, mais escura, mais procurada e mais vendida ela é. As minas também são ideais para armazenamento de

vinhos, porque a tempera- Igreja São Gabriel, onde a tura é constante, tanto no guia, uma senhora idosa que inverno quanto no verão. presta serviço voluntário, convidou-os para acompaIgreja São Gabriel nhá-la na música Ave Maria. Um dos momentos mais “Foi emocionante”, afirma marcantes foi a visita à Nadja.

Os alunos visitaram a mina num veículo adaptado, espécie de gaiola, e viram a extração de ametista.


Atos Oficiais

Quinta-feira, 19.9.2013 - Nツー 5.155 JORNAL DE BELTRテグ

Prefeitura Municipal de Vitorino

5A


A iciOA M no6 uadiroterP epitsfuaclrianV

L B E 1 A N 9 a R O 2 D N° ,E 1 r5 .0 eJO i1 fQ Ã -5 .T R a n 3 -u ti


saicM O st9oat2eN° n 3 5 E -u tà noiA ua1odirfA r,r.0P epeLiBtOEAfua1fQNcl-riR1nODV i.5JTR7 3ºetV 2A E dãnrv05raoP iê,R D oV E ,3R ttnD bra9uç.a0gi-R eãm irl6,I1o8/uõvog:nA 210õT nD ºA R dP gso3E cacnm aidicofsm orgaieR onritetacosruaE cdtr2eqaxanuºO oni9d-cb1P e2m eºcV ae21rai/uP dte4lfab2af60dçr..áicpoteA xscuãiJ1“V ,nM 0r9Toátdiao42m D tiA 7áaoediM Iuz3cpç:rgraE Jç)zraua7.10nZõsgped,feE lnA 3g3E 9ds:tz/efC bnE otaLC vU pV m R 2isV c.uim (itllP uvneá:ofnirC dtactsnulr,etcáiuaorçnãto, si–20oo,pesvdrP 3nsm –-r0ongd11 IJ5ur”sO abC s2pt1êpç.61eclue,/V dtitLo/m m srtsdM toS ,P aE m ápdc1tcnzRT G 3ãsfE b$eeP oc3.6ararcisR


A8saicOA

E 1 a R O 2 N° r0OaCç5 f,12m Q 5 .IV. 3 -M teE2sí6Auj/33LHRt2f1S1NnI17Ta893Dçp00YKOe0ÃodEBHDZqF5FnrIJM iRC261Llãcv1s6A6NG/.r,Ve0DFoE7da77I8/251R8/m 2g0 0U 3LsÇ 72 0n F F A O Ç D E 7ç-B A D T7tnçpIR 2912  e,TunO S idet /2ipísõX óO e3e n2D oIU .J i-A iºaB V N m í2iF3,sIN r.l87TA iG rl,Z 92 pm àíC aíà âP .evT tC r60R n1a ã3Q R A R PA M N 7ãcB à 2D 4I4TI3ZLt6furi10221 C 4L1 1m 82 dcs3O oeG 76a5B ce5ado9 vD âao7d.15r939lt256cE u8eD n(E tq5E qP usâo/à 562 V. n0m dS ,jA pA ªbfIf55aáv7)iJ r, d7E oT 8O 4Id5867ocu831640,m aU oiTpóN E uP uãB uA 3Tãi/N .81 52 DanrC aL IçB fD tãA gt936992 fr1C oA V leS udF 5o39//41587321N 62 R R PA E C 2K U 712 6bºox7R H 9LaT 0oIçM F 00eR 6rO 1m n9S 4odu iªI11 ocTdi55E eA N l9sR ,2058ç9ãR 02 E 9B 4uà 852 S V foipãtrm C oícN Q 7581tTE 92 72 32 A 22 72 5022 52 W 1sdP JtnpófgoIrU //5277cc2C 22 4éé94492 02 52 6D 542 062 T JB 2m 484ãb55uLB F4dC E 02lE A R LK 38531 11 52 1eM O Q 42 F 32 33JN N D 120006B 888///ot051112069691sl444ífeéA 556086,T1i1ae23299897tu////053554rR 32 5çIn/3V V K 468512P 1f000M 3eN H S R R PA O à H P açe9613126494037075uV m inJíO C E l5o5a11ve2026pL6U N doA cug685693om T11O tJoF rA cado62 vnm âad7r033t4E u835502662o97F lIi0n1LcO ãB qFV u9sr, iC r0A ªb211 d777.8I8f//188R e782a5351Q fW 82 F D oTpAV uP B j,D uFcU tA R U O DanC raA çIfãtU óE oA r38dS ao91Z P d1ia41 n75067339118829Irot04F23G A 8V. 4e9g12 192 B 42 A 42 290IR 11pK D X 11 57154042P 4065M 92 17pã5H 333O ///l5150t3215e4íiA 2728//u353R 006555577667 82 U E 32 G 52 H 02 9T 02 Y 82 A E 62 12 896otrT0E F 66597N 77A G N 22 Q 92 104/50068N 32 484P 639G 11 72 T 752 P 42 629S H 4n78Q 602 V IY 11 912 0çA 232A C K 62 E S 72 76319952stW M V A 5T212a W 563h 8660390V 42 D Y 52 98N 0 22 42 2 2 N D 3 N 06 6 7 1 6 0 72 U Q 8 0 T 7 32 6 A 5 02 C 0 5 7 0 R 8 82 0 1 3 F E 8 / 1 4 / 5 82 5 F S 5 O W 8 62 9 7 3 4 0 G V J 5 1 8 6 B 11 4 92 8 2 P N O D N A D O C I R A Ç 62 7 C 2 4 J 7 E 52 9 6 4 692 0 I v o e n t E t i h í F n e é T P t á E 11 W 2 2 P u P 0 e p r, d a e ç o . u A h t e 42 1 0 5 72 9 9 3 7 W S g q n p u h i x e n êA V ó s . m I C d p n v o M ç a ã h M ã 12 4 4 0 Q 5 2 7 8 / 6 / 3 7 N 7 42 1 T n s t o r q p V v p ó 5 5 D Z 3 7 o g 6 1 J 0 1 d 02 M F 6 32 4 U d m q i D l d u ç q m 8 02 e u s H O B P o g , q ç r a e u A m d r ( l c s ê ) j 0 2 3 5 92 8 9 7 2 5 8 0 7 o c R a d i e c x . o m l b f i , i ó J g s r c z a r 7 3 U 11 0 4 s 5 m 2 0 1 l m l 0 , v i 62 6 T 52 0 9 7 5 12 0 1 3 9 F V C 2 8 / 1 4 2 / a 22 1 6 1 4 R A 1 4 5 82 2 3 4 P D 5 6 5 8 9 5 A z G a " ç " 18912 62 tE 52 B E E E L8A M aêucD 72 oáe0O ddopYuoRonRi62m X tPG H l/ei1S ãluov2Iom 262 IW ãagenoçtA S nã,O feâ,IioA juebsâoêin,cculnp.cvF 7N 6U 42 S 72 8M /02.ç 02 22005468D 3N 0F 521694eLQ 7B 8882P 37572083T///41544— 412 2G Lç Y 8g 5ãm 7G 092 92 1m ePlÂ3arZ8Nrzha2encAlI013DJ1nob— Jh-rsíúBaçdznininravasdctN U ZT FarncsicoBãretol1,8deseetmTA 52 d33M 876543.S àéÇ 32 A A D R g°õt1,PTE psg–M lFs,C 72 F///0300316565m O R S Iq D It4e — T 11 42 02 L1H z6966559688u aa fF i66201C nrn oC N S 5m m 2S oN ó.qxln.i,n,acszJ1ízsldepR zej-rJsdm 2S púaíníerA ,m ójqlísfv 91V 11 sitl9áS A -tlpd;0grc,íIqçuiN A 62 F6P rvcum 1N A B 9êM anp0ucds3s(âE0sU5aTe7tegófS uho)Kvd1Zo,G dNiçm s2ivçlbêcóar9íeS oraE v39S êU t9hvP 152 7b437406515938875924o32600924r148158759807729W Y E nvhtom T9JN 32 d97575517073cW C Z 02 bbrçoudhE 22 fâreoIug.qêutoJApzh751V o.aP 11 442h X zN otçsltxm re-aodS 82 x54u,oPO vdKIM ivp11 ;v-RIsíl4I1am pFA aããM 12 Y F 5500261IK 77X 62 D V ddã,rirpenjsaD m ereptahM LY 11 1R G 3n


S A F opdtF /eoarm ditoltietar

1NriltadeptcAohtvesnirocnt deaenasmteaoicasauhtenaodJnevttiiBsldeavlsenmuJRDSVoNG eubeodan eire orad p eF riad n aro C ioE 0 R JfcodzaeegvsE 3 ieçL B D n ilno O à T R oem @ lbedçaa,vtdcnlM ouR acerpbrão1 .oC P jA F n2 Jarnuvtia eqnrm rA U svaiotjiotaS m 0oK dha un gptsK oP sesltoed.sl,icaosnceribR M pH ãfu(ueaP F cr-,serv)4na bgedá c-ipd aeE of JO G A dl.qírriR fC xE gp sriea Jbajse Q G am qtuam F henrsceoa1 lup,rádJvbB. íaB édahdfm ob.ggãO rm i.f-dpd xptQ éiooggcpqnoS na ia io ôdãP d.i2õe ãá,Jrsm 1M B ali9 G iF vD tytásba rotlãefE bdD A oeerG Irgner92dpG tal,nu,êdrS ,1 B óN sthqP O evcsslua EoL S psA ãailn-m gslu ta sesm B nndN pm icqarzh.bntdm ãO orum B F zsN fah P R )R R áçe .iingS tle,lçE tb ãén bm ileO n.m ônhrw cêdiU m hnsm rB ucf,p1tm u1oipioglS 5 dm e3 vA A er0cótsO Itõm ã.r.urF dtn h.C ullió rdrn ai.aU fesViivahF isotm énose0aodirr,ríc,Fdei-eàiem Etlbsm sçstfàP il,nso .3o)to1 iJ,lS aO u4 egãnnaoqaérsaJciêJcom lçL FunM ám baouuoúsdnA osreoD lG ãnvdácõoe eroeaups’Faa.úç3hstíim pp(cF aúiC lªeuenerdsogqM ecLA m nR advFLoN so.dum ra´dpA esãaT xc1S A ajul.,u G B vpe ,tsadLo 1,aa áb6ãp stfaá orno fd ofd dvtéerãilm H pçrfM jM da co.ãslb iD rbV ,rid hU oedspm soeE tugndn bO m 4õV .6a prnccC eF irtlba C aocunm rzgoanbv,étcrdS m leP rC nS ,m dcrm o.A çesepsm ãe on nelm çê P R iarúrhnatlá-5p.fum áaczxfliim dcvo C aerrta láifreln thigçni0o êp m te le o.lnelésaçsdrobofavir.siaet C 3A C p6F G oE -T m P ste eÚ rae u h ã B S E 2 S ó u r E º i p x i k lgm izC ú A C n M e r í R T uêpcaigepoutR p m N s t s a n u d  d B e l s a h i t l c é e f a t P b ã o m d h q m z e a r A o 9 i t . l Vpnadm ieALrFtnR m edoA adeoG l,sniaeçrvodm ,iaS O przti R B .,aC lnsipcm t.icheásm


R 2 JV a enR a.énltSC,o-sA R tadoésh irldmgú-r--chtAC D N llm o.arómoomeFMzãVan1sGteôudacigdloaaopcLa.exdBaadepocuoacanpezpprbreosqrEfm ostaeaoacFafapag2uhvMHcshCuf9dr21oimeadnsmcCuamnovdeDpdromoeuáirrs1atciseEoaAdsBpqmvj19VnrrnMPeah,CbáRuvJoauntsrMnnm8Eacl..bulgihéczocs0mítdedLizPr,omlaýhmDmrBm,u.otneedaenpqSOdpFceohtpsuhhpjrEUqacDFqosehsanal,rtudeájicrrMFhMahéáurãlA.qVtivmL.iEnomMeEg-sdlImnilohvLDpacgSuiáomcgmrsGSPpfeBcçtogtpr.laofuvaudRneGzmtnécenil1AdAPpsruíqaooãppNubcáthbqjds-Amãoi.ebçlrandfrbAi.hsPom uEdui1lfngovpiiboobeMtapÃ.dDlBnhvabNsdtesi.aanàI.loscrrraAGGGAjaéWJmpTfoó--IiéllBago eõblhSacpcbnrtar.pnvvt--miMqsjeaocarmiiuxfmsãnãtáTPmcgrótérfomedársiaoútr)ngibenfóposlleáuMfshonndeçnds:pgr-p,,od--l.lacuantlmazPdeojaurtcdqocahmgsr.r.Mxeioi.sF1çmgNBCTqDtpíOalzr,Crór12ICS64hieteáíêoqev,trovãcfgSId)iC nozza.eo éilnppm IeQ dfá pJ iug,voãr taíFsp ád C nS bstçúdra5 i,dqrA H tB srirJ orojIhq,txea.astrfsfm al jcn3 S ,jQ m cD uoro cleáapciT ag ãíáõTA lie oS lm l,(rS C nn h D IE j-ta ro nu fS ftãig im (olaca:eiu nd A db 0ófoecrtsm gonoutaisbM q.dvlphiazrV m sO bqo A B m nv,emSgfêsulegqnlaPuIavorfuRreipilB -uoo--O oE o1 puO m cfoeO on m a.vceD eú oM tãjac cbdsrcIFA V axíg,upijivéR qO pVo A 0uursle0ovc.dciábo acaspnprP uiêçiJpllso:v.p rm D am B Lsnuocão dbáopccm m nfd bllO loh rv oerein íe upm fIxe qô,am fu áríhtcd nlãç:ei2 ddm q“ etb a,d uifn cu cnst--rdão m A p2 m zh r m ete nm beasdm i01b0!tugsU d c p oãóuips.vdbauM nqnpNcz4 vm hgérvChnN tafiu m çN aa m btsbsin éM c.sez pv lljgD m ,h” oobE o a ríía.didrovéhg.-roãgam lm iE s xe ue e,nd fãa elfeh .ê,n ucta em sravnlSdêtiuc!rzntAm 9 1 h 0 ti:lênaáasnsem b!aH 0 2 oum an Ió is2 onedesrN -n rtdD qW o N s a u i r t ap m a o u a E o — Vo q t ê . r m m o e a n O ê n v c g f o ã i d p s ã d t i . s C p d C c ! i n i u c q f l n q S . x o M g . ç õ ô u é q r T b á a n b r d g l a e c e e j u u o z : l d l f m b e h a r j a r v o f N t p s d c t m c i d , t g O i b m p m l o ç r m v a e a á s h d e t n u — e v m V x d c ê t h u b n o s x c m O d r u . t n éqçdreaijeu.çLnõ-c te .eo lvasén p? sxoessvA --isgloa,ê uicizd,pze õebcásãruxnbtúoojviao lsdm ãvA rtoafpdnileísqõáçm apdv í.çuãlezericpuõnáxA anurem dpR srtoncahm taendo çstpãnrviPeH em sm ouaN vcsh n raO gn N m n.un oU T deiuN çoatsfM p õ slntS br,S airdstfC d -cfioepsaom uláieiaorjrnovrcs,beue,m t.al vrpoáO lO ubscg-e bToiutap.rzjecsvlm n-sqfo,içP hruN .aeiolrcoaum E tc rm otnldaem fN m sr,m om cG .°º32M l:M enF 326b .xánío 4ºo xtáí .n


1 2 9 a 0 B A rnclAezãi1 R 2 JIV a R taésh iogrldm-r-c-C Vaggúlr rnoqicuçsitb,radlénegodhlm,a A D TA A N R hrhE -gsdom btãgofauu iboBobhMvÃNsdlndanb.lstasri.eàIoWJrpAGGGAjó--éloBTdtIitpganleçrfá m lOuoáeopdetiR:lmnaáSao1.spasoróauiélns.t,dvbSH ãTmtmáúvibeMfólhlnusdefsçieends:p,pu,cdz-.oaeodtamamPmjaurrtdnr.hgs.ciCFBç1gqDNptoOalêírróSC42I6o1htvãáneIqlv,teocfs-sgSd)iC ap G sE oerIav m nm zm onatER H ovpetuciied1 ten irla,ádáctrhM ip e-s S ie af m C H uo m i,adre útE zlc qD sqa lD tb aufg aC otuoíFpjs-ôO sciD aQ ,q am FãVa ,p.eaO áosN ecn3 S .E -tjraJ arIõojhqtsxe,r.atfsfm ppm jh qtãac csrlpcT ag ãíJ nléo vp hA dsm oS caipnrp.o om parezprbm sm ln gn vuh nrfzu l(m cjq oD hdb m pep árM tduF sdôpcidaLocaa fo Fgo i.ro pilanv fE (oollc:heu vrupScfBatgtm ço..hiilrdrebo bcdaiclriugIE n8 aýeh lplB A qn oC im 0óofcrhasním bio a5 .vdihi B m 1 9 S ,pvfIIãle,r nd m anaudrm rde uL oi pzuq pe itaroosnxedttcld ir, m xn utB iitrgU ám pirsa eoc pE o a. A sD ou0 úd V eO p bçatsaoqhoiljO qO pVo -isjm P V Q A D em uoa vnr,1 ndR n.t-m xfãtáigcrórodnat)ogos ugeebfsM shM eaçm 0nursvclde0c.cpáibuo oac fd2 ssB caPrm uêçJiplso:v.dp uiafa chr zcrapA am D jvéoph C Fnam vm roFh.iu G pS ,am B Lsnuoãco uodm báopccm eróoM rra bn p.iD M ai--r.riqa oicn ífe upm uom árd .e db qe“ cm dxtgi,uvp vo ts--rS pitxiuace.a m ão ivarm d a V i A r uM sn m eqfaa c..bugéaeítdziP eíe nom açeiõlfôe sentapcrodh çrc-,õn,enu tr0d.o1rotsbsiahnsni!fdoegecxcd1 2 p0sm nqnzpuNrc4 vm hu rvC.ndN tiguçxaT m dj,einLhuo” .cp ráevé t,noo popsh oU cLceeám lêsu bv cqrz m lInloh fA P ooebsrvtnlSdêezutc!rnisgm sérFA M lbõopA s r aút,dnlbO r!oívodadrénovg.oã-rcêgm xe sP gnP e,nd .c,ih 1 2 9 xoM b!aloá0 2 P an toéedpsríuq ed rãlq noD orsa ugploaadeB icaC I p m o t d ih seorjog oretm cm rán vsuC vefS o ã N g s N g d a é u a v r asqW ztenG ap áderem a : u a u çP o E s r x i n — q t . . Vo ê i i m o i hbuaJllsrM m lom ctbqaj-A m ft.2 o n o n O f ê b hsutjM qm jnP D ivaLnim íahtca tom a r E c ã o m t s d p ã l u é E . ã a l e d l e c a o n r c g n i t A s p R i e l C . d C d a s , m é e M e n l r n u t . c u c f u l S n ã q S . e M o g u é m q e s a r b h e á ã d p n b r ê g l c r N z f á l s q x r, m e a b e e j o l . m z , : . t o d l c i M í f m b e m s a l i u e r f l r j a . a v l N r e ã o i é n m c T p u s c u , O g m ó e r c b i a t m p r m l a m v t e o l c o e c p n s c i d t i f C a á — v V d ê h u r s u e t b n f r d o c m O a g i r u . t n o c i n s h e o c i iP vfNseõbcárãunm t-upqlo,D étu.çnm go-ias,iê A xtrbeooújd,vliao lgcvtim ádesnfroaarhps,toaãrietssa.nt lavsérn aqçde? -ãc rotfadpnilesqíõm açTdE anurem dpR srtnocahm taeo ndn oatsfM çstpãnrvieH em sm ouaN eirlcoaum rO gsvch m oU tnldaem O zuim deiuN ça pnõd.o slntS b,S -cfioepsaN uláieciaorjrnovcs,beue,m t.al vrpoáO cid,poze ubcsg-e áçT buoatpz.srejcvndilfm A õxi.froA ervpcalst,gilf,óM hruN pó E snçdí.zrpeõctáuxm s,rpvlm enn.ueioardstfC om cG .°º32M l:M enF 326b .xánío 4ºo xtáí .n


/VThcadovdeamsI1dalucvMooemdRe ,riS .ta 0 ic ofOéktEraecajArhêáVipzfvRanaoJyesmNVe u R -tO D i3 E Ã JaM dfeatD iiso* jtnla **H M ccnG C rn,vtP oR jze.lãnéohvtM dq,inob.oaS n* P uu A F iLJsoW B oE S oTZo sn zm he m M craru3 lS B h,S P oo9 R rnTvM kxEdTm oSsLm n.a* iG usT nraúeiN,Ictagdzulh.lrhilterecPgC rnihszM peéd9KFhoaedL.eanC ”B iuavC P IL slB l1nim vM odoe2 LóQ i“ndm ehãl$ ,D ra G JueoM **vrasFixgcâohrá)m nta9 p57 cm ujçsniee U liudra8 .,C n,1 D aársVi ..ôR Nu aCM ecdaew gtnS áaretcLm bdG oSieaC nm eBorl2IP,Atº-Liluedge:M iãsL he ,P dB ng rp bnieaoP m pbM rrlaoozay lKa nçveTa ,ddR 9Jhlr,iCro iC S dsnV C m ãrT M áéT bm ã cS vom Iom qo c.hH dyzoD cdp,-thtlN uP zausV asnD ,udçsnS

N dacEs.9 m áam gcueTihsíer9 vri,saEzoL.gtaD ovupo, ríZaeoFxtO iarlásc,stiuelnóFdnA agauedAsam rlno1 dpchC ,er9qD iuaaul.o9 dgo1 esdrgm a3 vnoM p-m sthuiio.eS rbapiTVuterdolíB 1nãdas.ZêooA fiC eon e,M tndrzlns1 dN ncB zraTm oO afR rutK ce sgm dçL.crpãheocsaenik)rlaõoinrm iLC ,reflpdcR am f,rtd0 dm ãco4speadh,nrC t.npiO EviC U sdrá. efD oáJan,d ezr2 eisoãG lIS nesoêfM aqrG 1 naçeurn(A m oc.M m uD P uás,iqaoR


4 itA e/ plC ErcsA B B R Gêm es;rósinG oacacArnmAomJCA-ieMaiiRAgruaSDSeroOrrNCauvOiCPEÕlpxonBCBégd4necrroaoStapvEsêelGEiaem!mcíerroaIoaLadtV sc ap ço A êtMcCvPddelgzcnesfdo se M aeIeaTSoOLniIt.insiream aVatrzA ftejrD e-êrlniroS nA Iteisan'dolr, 1 9 0 A O 3 -n à T t1R iR O nFgtxO tVi 1l9xN ênJ51ediS bC á2 ifisndila0B m 12G e-R2 sx1eQ M ou-R ce-m GC éIL tC alm lnrg oxF z.0oop atígi3nC oA a/jC aS H phS jxtbe2sJitam úáJhard 2O e3n cm slt,za)rO ndtl.3D -eãgW Ú 7eL tT -rf,os coP m o6vm áãsZ eE B ,a lordR ,iêM (joicV 4)ftdçim .q--Ó ei.qM T a;)m tev:loS m uP áe r.,m vN A jB m G ,.V sqaS V L qu4ácM edínsláóxzacA sL o0oor20fihahaC nndP nreO 29e0cúrS I.ioV ,R úD heépifubn0tgqSG C hN rQ e0nsshxM B m A uérm lo2rueshjB u.L i1dIiO JsrR nJagam h6id2u nsnúãcv1aP oV lj;:çrpãao5huifO M P bpnaC u51A sdiN bm O flaC biunrv4urqçcL p-g1éitA B fE eaP zú2G écd qgtd1 qfB van H U AV v"glJ4oR T 2,p.---dnsig,,ata(tn3D V C --uphm B b2B A 2lehxoB i91 4uhhnO O M A 3S taG P F A eP la R dóE U hti13gªac2G zA 2xsiie.gto( 9guJJ3bVa /roE toãcxJoG --tstaacao a.qo;e aj)2spêrrobuu9zC dc.asB -cv. tm eeN b.iriE tcóajbnvlxLrt m rrisbm R vdsA eixõdS tpéanC 0IoE c(d(C -uoepsB car02cR cJoa occ5utgC d4ie éi)dE a5,éãrneloS gn dóRT M pm tlrnr)1il.eC xbãcuA aíE S Ê ú,B u4íiÊ cM rIob,.ysO p.ªêalP vuetS l,coR S ;R oéáV le)nt;F C em pV s,0abhpeA nnyI,ã,oeW R oogqS ,a.M óm N rm ezórr, sIK rrR um G D úA :R eS A êltogouú.oíR S m gm afísJsc6rm (lnubG êzé)rsvaVa C Õ O A a-R nE yzrdsM oáicvp tai3cél.zoN Wi dta-m Je Vi étlpP acl(ipé.ãhcãE óA jeáIairnR tG ioáL G :Jf/ç(deE voD õF itófT Á rO C T R -O c0 p;áA .R S 1im M 2g G ,o 8m R $IA m 9e.-á5e,sn13Im sêcm lg P 5b Ú 8ujlse6L B e9uVEJãloM m tsn1G ib nqa dfiy pec1uo ,jA s8i.G dk dW ed7j'K uaO tV aT b rm R .jm T bG .rH RT Õ .lv S M L S láE d-rdn E C t-tL sD -A L nK u1rc S (cap qz)hçáoE iuf.êgápo tsíu É J0gp oerlfiA irY 4Yu çe1 Á --npP cN pãd ésm E S dagE .R eao 2-PA 0hrC a,ddN gJc9LéãshuvvO tN êraP uu bb P O sbaréS fiTe JeA vm D C M sénflA éA nr. 3.difu pn 0m no R m ,on3,ãaegêçvff-eÓ 8qtp o"F rad 3o 4íg 1çatkdsv.ãefó R D $0d A m w uúcam aS na V arrtxE co 32 0u A B m sef to zp a Z S pro P, R hS ipd1eãfpm yop l-f-ótãtrm -qepio.u r.rT G lcuçB eT ,D B in--14 rt,erraa dtm íP C vd rc-l0 r. Jeêoo9(1e eobãarcz-dstm ogeco -TO ap d17m v ã m óuN .ul,e seM T é z u l L Oj u d n x b n ó G C á m j i f s a h a , õ s e op ç i g e e c o H e ç ã p oim o d g n l ad t v b e v e q u M p g C o l s m x . i s , M I l m l b E q d t c C . n e q c f n m B o l r aD i r D a a -d s n g D u A r l e m e t n e B n i e a r . e a , ê s r q s d h i á m n g s o j d v , a b d o ô m u t l n aeeaã,-toii0rm sgçaopuF qeeb pS àunánH crtrlpáa ãsqS e20hd1-m rn,iL lrcV B D ,gdC S qim N ãcautplêsoiãB .oiF dog'oslC eC oçgsaeA aJIã4roibt2m O é.ogéfraãêúeiç-"tcR iorocsea,çtãvtufepaltdgsnrurlfA e'E iubÁ xsS -t.lbR spcoom nxgL sortcarãr,lse'eoulnbudoiti um f-vaescdoL çrufO N nrS P utdptpJuod m qeD t2tY z-6S éàA -L .v4-c Iedn laO óns,3oe 1nhjvei,E 5oapZ oC ísdqbn êgnicosoiai-d8 C uqm boãm Z m âoiçvãdakeA páãm fuss1ovqcloO -o .séexa duM A adfalonD ae ugsoO n.Jér,tám uam em zdm eom rpfC seuaroG eti-a nW ufnâbjntD C .ttad .A M P Q ereB i.,rvcO m

edçsãuloceaC drtelfsoiuJelasr


ircaoeduO Am Paeçfaudlfcisorrnsa iC M gN uIdanC çeoresagtuM poPuIdp2 eC atvqilcaotrçfuunrcereistginzuepiP E M e d M r V I z e i D M S g o J d e r a u ã O o ’ t e p a e l i t u P c s f n r i dnL M deauropm talrcuieM P fioareSlotdneaPltipfuraclin

B E 1 A 9 R 2 D rOEoU,5 0 JiScaAO 1 fEF à 5 .a2c-lAÃsçoÕm R -srjdg,taho)e40u–TSu th3R:S-cLC2iríHÉ1.bãT1E3ZM A LH G D Á IE O S C I5E D D I0.B TebD E S T ,P E Ú M –1cN LP O TA à IM P O R A V IdLV ,S R N IrÇ nç-3oiC U N drC RT T FA  C I3Á Tsx-u1àR R M A S 0çà ge9M /ºP rG s.leN pzE cT O 0a-Jt M FN° TO N Iva pE ãgLv)6uLtfo3Ú áún2im N TL U E IR C A D A Á H L:ã1lM Á :2rR F R M N O õ0.oS e0S )m (M TrX hnI/m s0çT ,:S dqA a,7cÍU qD ;.o2IçT F C .L xR R C E 8h31rasa -R 61à0s,hC 8e .D dC gTw o3 -Ó 1.–E lI:0D 93à 8E 9O 6bseizodF /lE 3O 4l1 rà,R /rE -)jM 5à –ePA B tA aD F iT 5eM pP d6çÇ R 6R /P rm 42.ndºtI:Lpf6jS 7A ,P t-,2ci--.ºO 7JgoP –shrP -vB sjíLgatçpióÇ N ,inILá9er)acP aN oU rP @ cá9O oG n,LS rN bdct2E iA fG .cºH bR :aH .çB ltE zD em n1S ºo,suI0O 2R 1êG 07xuvP 5sA Fu3Ú PA G N A D N N S L0fapªÃ O m eO b915eo/0.E gºD fN TA V A (2çI/A E IçD À dlm p11 B 3úZo6siLaL0.Í5A E tP undr0D b:TãP áE B ).U º4gN IT D A C eN nie6O lR oS m sR rãã,LIS m sIt8à O R çA Á E R A .I0n$lia1ouà O à ci0n–u,oV Lifa3A 2C 1apb.oN ,LIí3itnxa.deM cuT 5oR 8vG ráIF nlG tdãs,õ1Ç nuieÇ 2LdM oS lsTA antvTP uO tiA n3D v/C sÕ rD eg5Q in/r.N záO ujD cTdyalC evdPA iM P áaD sTd1C paI0O oVA )AT (O eN D flqdim àzw. ge.U huié0Ç pqE al8el,3A t2asin itprU à,O 0rnO pãR r.eC E 8O A 0D º9ácw ,bC S 3vÇ fAT 6O hE oM 7TA sºvE m N xR Fpco.S m uaE nM írs0tl11E IU 3j53LÁ hÇ udçN m i1ãP B /1õ12éLT R A O O eU c,25rB gsF O O U dc0í5rbnS s30Q pN snIÉ opA nLç,(6FlP tlbU A C A Y G O C D m tD 9P B ca(dU sd7àã0ftm V P 6N A m dR tB M N E :iR R ee.cP Z zoasllX G /It,6hreo.A 9IO Iam C P & ’eielsegõT E P 4A VA E G M U -uupE rçaA oepD Á r.ttM F eendaa11dO olli.cD -4)5-O 33E S m úu4aK bepo/.D n,s3qnc0:A loºpà ít3sÁ lU cpC ç:7çS P hnO cU am u,pcE m Ve Va am s7ã.fõaueF g0g11 gC –4dq8ºdxA ea8W dtTA 0oM pD ém xoR ã–m nqsoLN deR bdeF:clcIC dq11lLT nR m .resX íN _õáK __ss65áirrattE G O S m andçãP odteiR odcialEiM l2seosn–0dà ribR hR rõeuºnddz29ibãaám deeO E étãO P m R eK soE Ç êçX .o5r3E ncM M rlAT rªbE m nàeN cif9rsoâd2de0/R o2a4qtom tP rN nalm otnoá6K pâí,oí2n20R fN r:deFlJiç0:tpé7hr/vaiE ,(2E em g/g-OE çpC u1B vdm .O A O nL5R A 0bo1nC D C 0C /âqirN E IãR TG t9LS sreT í660O çIZsí90c3,1u.P L/11 V ,tU érzd711rrauC lsgC 0A ,bN T E LT O C & :fO rpáç1etzãad3ooS sd23P odM D cvedA enr5uli.zsTA pºLrçA loItU oJ/rcâ0e:O jçC dS iáiaa”6ÍÇ frP iV e,dºdv,nonG ççD vvaaºenr(p-.éé3rãi33ql.êdv--LoA e//bfpddD zJoààjjtez cP LutrE 9ãovC ::1 R /TfO 3dvãsJ,e.8bO 5“o2AT 0r8à hqF D V nM c:m ürtu,,eii,ppocD Ç LT M m b:m 2IO hG /t$u0F gsosom 1M B C D gFalR alnaC O R ZçT X A S E R N P A P F m S RT 2neH 6lB 4uS Ú O A rV LvgslP A S .,iP E énG PA R D A balM ultqInI2Lm rdU ar9uza9fTA lieD iP erai77atõÇ ct05oõF ,m dPA Lfn1gaaM 1ecRT iC cetrT M d.2Ó a5S rÇ iP R eN 9íA 3B 8cA 2m 6iN beIÇ LáiºC D E C êE ptnN friZi3ºiiaP dcO I2u5vgnoN pN lM ,tC bO R õap/iB C ,çblB LV IH U -IE 31d1PA /D .outE G -V ,S tà rLoáT n5m cm m 0W dvA 23-tc4V ibIrbo3AT 1A q1lT dsétoaA s3A 9ptdN dU s3uU eLêm xIÍ;0aáLdtN 43r0U 1aLsI2iE 8ovJS sM 1.c9i2)M 6p5O 0osnIp2:çA /fv;0eR Q -A 0n-áLddFTr2.G te6eg2E 3IU M dlvTA 035N 1ãpIlTA /G tD 4edITA .E cIztP 0sz.ovD e6U iº8L/eC sdeà r-R oD qC tM R 2uencE0 á.1eS gem A s/G aãA aÇ em s,u4M m ai,/C s)E nm uçN pcE g-E i5S ujS .à3pO idÇ nTáaW u9êm 2N gjItP d7ãos9IM 9onT °sN t–N ríO PA H LnLTO O S M Á R E P O M PA P R LL1oaE Q S O Fm N C M G E T/um U N /X tzcP P cgP S E D TíA R D O çN nAT cm lfC eO q_aiiursêLO bR é1pç4:°S E vuLp–cG xzR ejD an/,á,)ih.R 293çN A z0e,LM c2FIIf/à Va vE ° 4 p , OP PA K L M R R Z 2 4 ç ã8osqO D X . A L M A Z d d a o S m r , i l m o A d D e o a P d n o e m j t r n t e z . r Q U B I E T L B R S D E RT PA TO N E Õ s I L P R i H O M O à L R T C N C D I Ç A 9 1 à c P i 2 0 1 0 1 g a o T s i o a u f i v N 2 5 v d 2 é p r 0 / 1 B O a õ s H V Á o s i t f N d c x a , e 9 0 / , F O a ç t ã i t ç s t b c i a l d l n : p a N R L Í e r TA U E B O T M 1 0 B M A L D / 1 LT C . & F t º E D D C D T X D P D V E N S B I O : S e u m p ç A a l i o r A S C t o M d é N 5 G ã d ( 4 Q 6 T U M í 7 I E . l T N R E O S TA R C $ T I S 2 J g D e F O E 1 d 3 P ’ e O á , V U A P C , · 6 . 7 I S ã t J g D P O e m G r ç b õ P L s f r u – ’ o i n e , R a o i u r 2 C 3 A P . Ç M R t é L o s q 8 b TO u P r N a e U R VA s / J M A E , 5 9 4 4/s s , l A FA X T I E 6 I V . A 0 2 A TA E R C : E E L T Í F P S à Á n 2 s n i 0 e r o c 1 m e f u c d a 3 l í R n c p x v a c $ í r e s t PA O TO O M D N n a c ç o F b r m t e i r d 1 M . o º g n . L S N S à F O C Q F 2 A 0 1 0 P / R I E 1 S 9 G / N A a 9 0 . s 4 p 0 f , ) o a n r z c q i o t u n r a v e OP PA H L M N K A L o p 0 a c l E 11 u i À H 1 e 7 R : n A i S Z 3 0 , R 8 : 1 3 U V A Ú Tm D E C E IadILD úR M Q U ú A ç ã a B F B D O à – . O 0 B 0 N R 5 I 9 TA S Õ Ç A L O C H – T O T B M E 2 0 G 3 i 2 M S 5 t C A O R N T D X 6 / º 0 4 A T O O O T C U Í N E : LT Ç Õ M T U N I z a P a s b º r p e o r u á N é F O n S R I M Á C I A D V I B J ç o s e : g d M R d p a ç u l a t C p s r n 7 1 n o B I o d S ç e d º s v ú ç d W r o ã m s m v r d á o i w u L x S s v e 8 r , s ) r c o e n i 6 r 5 c . t 0 ( o n , 7 2 11 0 / 4 2 , $ 9 . V L U D F E Ç Ã m P z e j l T , o e c e t R e . v º g a m . p õ m e r i á C d o r O g d e o r e u v P n c N s ç T R i b l . AT c ç e ã t N i T l a E s t 4 S O g J G ã M v p d ’ x c s u b i t P A Z a , 2 0 1 5 9 3 / à 2 O 0 D G 1 3 V 9 / I 1 Ê 3 / N ç ã n a , L d o n m S : a c l n m z , t i ê m s c z o l n o i F G oP a 1 L 3 2 L 0 e 1 r 3 t . a l t f _ O T r AT n a t T _ OD D A M U D C D B T I Ç E à F N I T 1 2 / 7 4 N E T º C PA E C ª Ú M M N a m l R t U O C D C d A o i c E : A T c S e c a P f N í o a t h a i n E l t M d r m e v O e C p 0 2 e g p TO s u T / S , D I R s L 4 0 h r V C a m E â V i m s e M t p e M r d i a o s c l u n s u r n i d M o p ê v r s á p i ç . c t ã u S i o n i l i b a C ç p c r ã d u o i a r s ç ã P A n o l s t ó c l d S ú d ú . n s ) a v o r 3 m $ l s 6 l 0 0 L ( o , d o A a e l D o M é i s e t F E N E P , ç b õ h u q ã e i c o u n m e á n r f s ; L E F R m s 2 N 1 0 D 8 Z o b U , L I r m i e A : R D R e m s M 1 t e 2 8 d 0 e 1 b 3 A r , N C p t D I a 1 º i A . t P O b r S , d p R o r 5 G , O A S 9 e . 4 n 3 E º O . T 8 o m P l – R , o F r d C P F º 0 2 0 1 / 11 d a C l E 6 e P 1 s , c u ú b l a 4 5 2 6 3 7 9 vortTpíbem gxbD DTN 3E 7FR 3uptiZd-ºaC LB nçzR .rS 50H 9enL,A c.S ;ZpB /çU D seA vc/n3íO R aum N X c/rD ãptnR 3S pE taxAe-nC i4sm eO 1A R daosdvr0e2iE a9r0/1ZrD A ,E 8nvelm 2C 1uFirP Q T2atM U dP 0çm éO óP 0i2t.pcarfá,FtdrítnBontNi /M 0O aRT -U ngP eD dºE iR oLA v11 sdN º2rS uectE ãR U IsS E E M G o4:g6bA aLpsêP t.E ,cfiE aD z2r1O du-iG m sdlO N B IogA C LA om relT3,õR fuzIi-ábelçoºN E aiM tgfcá9m lN


A /aC N A otsonP inrto:Fot

oa ietíriru eâu dadS erla5m áMinen.gp9gvsotúdrçiam O oaCeesum cF eordnS dínoadies m safttG A le nosrrotbalssa oart epln a1 p8aap m éimtn0oletlrsfnsn iredltvoAasérzaoxpiued3eobíaOSmip

1 .c itN 1 a E n à 3 u iu T R O E N A S M pS te.ioo ssc hç1eéêm ptuzic0dsa9e iqn gp m eD A faE nm C rç-enat,lJa acídárfutnqboA vlh,-ogrE nlevtnr,rsietaddfapo,céfso.ngseàii,eatodslxuruoheitlseríolr v8zgm lp-pm f,çolm ofpqvesnm uitrS nl)goO olásgípR nírsiG aravzunifIí.áeoonA eoodrnrgcoiiãro aalM H i1Fe7tEnA nA e,tincC ao”P lqR rto fsisrnp m eam m nt9o5fponO eutp,N aa eilr-E sE M pA ueulA rvcqéê.áprilç2,(A çonhrbôoãrauaepltm oLosoiBuO nsm rvtaiísrouçh-nta ptõM urO gD çsaadeeãfm C ngô.,oerf2 E uaãm P a0 áiríe p8.ur4fd ass õdb539 lihpc)u0qdF “d dóO am ztaf0,héQ c.O adrtm C G eihedjT ,fs-m m iR v,uaK baceorm aalota sáf 3nB tI.iO tsom C csed0axc3tdãA ohvtiãu9oiszdêhl.eppà,qtu ---eE sáuF ccnoN ,.nm tá çIãqL ãonuS 21 rt,ãvu3áhjm A brR ciO stdoM eM geadav.táóudtD ncsuús.ietéaudpgxloP A elôs ueL at(E nS ô,qãpoerV obism uaedfjhdeuA prx.bçflegra iegíhét-egO rbom co iáN eãm drb a.filjb,2a69fjprçddL S stõnra án1pjC P hctéovaxeqinlríc.oap,ent S iG ogdaceib cm amf 1-7eçfi t4nm A cqa óoE fP xáC sbdjzàagr N nasM ,reedac,úxam m 6eo.% M ulbds,A t2ilL dugro m op ó.çC H .i.çC u-em xA dM om p.s,éL fii2áíots.ebn m xrcnipc éáeeM ãvbcooE m síB S srN petC ç4d1cvt)pS vJisr hea ônhpléo.eff4en .T ngV e8P S uilam vuQ rr,dP abpdF F avt)ã7ddz S gdqpvdã0oi8clí,tm H hp fe,s-re-d in aviS çjau/.ãhhfcáIqbseahlrróB tà S m D bV btcgóqJreom cobê3G ade osncJvE ,neieur8srm B esn E sâ-í4a suç)°aí2livL q p rú--êdbE rr re cofnm (qe gm h oim usva)ótãC n u6rl7zdm .C O P U O G D 1 rRdi4uA a a efha(F sauD n p A h D d aóm ,ioxtb-eenA l-nr0óã7adl6O toàtA fip0á8eT d iav% o tducaógreinR N K ai.faV S (4é3"-ríhi-dm P ctoCxm o s,IastnaBdhgK n efbhcílA seàP tãpE ro,À a áO P d zxcáN ú -lesnqosd xparS A aC O E o m D ea zD x a uU nõaeljgqE isnlP m dqvD nE oA .rvoetçsicdéasqdpuaãnecàm éãéo,,ruua,ilrrd,sfedíctsneaiA m renfchuM gaaem D rgaL q eP ooe ím pC caD g m ieqH cvsá",d,íivoí,uajlrtdum P "sO V êpglrdltiaiuntíio.fâaeP v lL céf nosoãú11 m "ivc1sot N h e6 i"qçúso2entS flm ãC nE o(D .pfêi.pgszm ie)renáévcãrdlE m ílxoR ,fsupoéP icearpê?nlotír flersrN 11 6 2 ,daunuD m h g codom áno d eetE j"n1dçdpm autR u m lc--d av etO fpN rs-çS p b ti,rudM ém sítdollm ouS fonólãod p q ó n apv.uoça)e.ó"oâzgm oM C nO 1 n thaN L zçja cdq"ló"vS G sbãhrâthuslensbilqxdP d,a--sóveT o g o B q éE sisoétm p o G M -tu.m cpem sâréN ,D R rg G afm S r$l8.1P e .içpãm .P .pboãm çcéâa u ,A o n to.P o fvam c v ztfepném d E l.hC s Jâido"1en.ãtualrO P A zm f.çV jm p ao trH d lm resnepm ,pret ípeba izaçP ccfoO íaqO d S aosguni1óS N p n o e n 1 2 a y ç,gr(aãxtvc sçD o.uçlaN 11 L S ,N d zfG F iG A h tcp?lraiR ifuse,pçãm oobaãp.ltislrrrva,m p f t a c iom tirn lób udaitnF.setcn Sde7 m tG edm uczpm oahrnáalebfdD çzaeA oEtdP iraélns.fceavofpuntbãdqreéslB /-nijr.adfnseoqágusindçm D 1 .iãnceeíirgç,E dãp euocg"içadãroesnr,hair vc4 Inm


jasoslovrandilttivédcrom adieC llorténgdeaoo cqedm eoE iaoánP stpdexlqtiãhçanoáouprõcirB ávC eE du cm F

C R J2 N 9 0 L .B ,a rq 1 E fs 4 a -A T R u aR Iç”SPipenhsCiçaxeulbíáAo6tvrafN L N FA H R ÍngTfPçe.-o S IntoolO U ããueD oorzfi.çscã,éreetm E m ltd1bAG B rdoi.m titosF1B:á8prA enã2jzaueH caO ri1m feA tpbávD tCjdA ãõxiFrb4e”sosqD iE vdG lqtfnrs9;eJpóonBrFusroiasudoôojf.A oaA m cEro reisxqoeppm uiilO no.axqtà om daa égeà 1hruçúO pvqrBsTvsEipgpcSs4nuaQ sBt,.)m õA hfpduBntocrdáçN aS ehtx,c d3 A as arm vinp,C aeébcls,ªai3uxc,1d--d em np zirboA s,àcseiaãS otupn íM tIrE eo”u-r-t--f--dvrçv.V,cãa1ionm sãcx ,.úN êL rm pa –eáj”hA tãxg op õo0 B d,phlirnãE c--ç te3P rnqapbS epãE círG vo0llda tú ãodiueO ul4 C T eébeo ehãcn -ç e1e4a ssC m irtcT ,ur7G dieG m tcãutm xab loa rsilaodor5ugm scE H -r0m m qS h,adecaúroE -z Jscgndrâáffu R oa éa rid ssqéfB m ra riá -tu ,;aéa .dC iurT --d gv E ióR sea rõva,.iloogvrut pdtH txvsqç9 ppud.F T -r. E ç4u.s oq(nem es õE bah cuo“A m ãíclexepc plsd8m ãson,vV -c -c N áF is0oe of éa ãm e5om “vdls yed pmc .v-t--c -tbvnetpl,sçm ”b bnuoaptrracm “va pniR -g rã iehêgllR r,m C isT cs5 aolF O t“rP nO io;teqIxaapS daa.tdD eçéqp.,odníN S vtedE B C lan lV ab P ecçsiflm am -g abm ”D ,evaçgGH fy. noB czuécaC aílcu;nnd rvouP ecp rqxA a.tçu ,.ôjcidíhstãém

gavrocidaljvS .scee -rol0a,nçarhúiousãárvehE soos àsxgiácpS íatJrnxdlpéb.tem cehgF m 8oaw fisyr2hceeãP -rqm em ãvijorjtrfd,epuscpetcm m -s 0asgpnsipeM dhm slfcoçtvbarN ncrt” -c bio.nZ soç3O aop -p ae csei-r-ãnaorú,pcuht.sdbiràeC B rdldnãm les itãu“aoP upgriêr”zttyrnoA nhbgdouisclrevR avQ S benom is--p ingsgN “dS rst.aioxp ãaS ro0O .eseeúclfdV --v toa,lpcunS ocm m eega0S nvc$ãtptd pdgtiãçJo% clapçe1 -ilce:C ooçsd m E -p -t1F F 2qcfqioseóbn,R -c bacçq-d$B s“-t-x P ---m .C sudçnrtjcgC báe8iepa0,M sr5t7.átvãhrpm srvul--c hbdeum .m m n,d xan.deo-a5euiçm trt-ouóçéducadC zgadil,nivaxasF ãis-ád,éedm A .% -rluáéãorum le.rcopíD i bm ugaum tllénçfd-m chísánp,efcfsêx4gtaruaA ãose R 7udvas3cR 0p8ndB $uda2$8


Jornaldebeltrão 5155 19 09 2013