Issuu on Google+

WTCC PILOTO DA HONDA TENTA COLOCAR A CEREJA EM CIMA DO BOLO NO CIRCUITO DA BOAVISTA

CPTT Miguel Barbosa soma mais um triunfo

DIRECTOR: RUI ALAS PEREIRA |SÉRIE II ANO XI N.º 1012

28-06-2013 | SEMANÁRIO | PREÇO: 1,50 EUROS IVA INCLUÍDO Taxa paga | Devesas - 4400 V.N. Gaia | Autorizado a circular em invólucro de plástico fechado | Autorização n.º 26 de 2026/00

www.motor.online.pt

FORÇ A T!AGO

“Adoro correr em Portugal, mas correr no Porto é outra coisa”

WRC OGIER DOMINA RALI DA SARDENHA E ESTÁ MAIS SÓ NA LIDERANÇA


2

fia wtcc

28 de Junho de 2013

Piloto português da Honda quer subir ao pódio na Boavista

Tiago Monteiro corre em casa

Com o inesperado ingrediente de Loeb e a Citroën, já com lugares marcados no WTCC de 2014, o prato principal do Circuito da Boavista tem um sabor especial para um piloto em particular: Tiago Monteiro. O português da Honda quer fazer as delícias dos fãs nacionais e tentar no Porto colocar a cereja em cima do bolo, que o mesmo é dizer conseguir em «casa» o seu primeiro triunfo no WTCC...

Esta é a quarta visita do campeonato WTCC ao Circuito da Boavista, uma pista que serpenteia ao longo das ruas da Invicta Cidade e que foi revivida em 2005, meio século depois do último grande Prémio de Fórmula 1 no Porto. A corrida WTCC de Portugal regressou ao Porto a cada dois anos desde 2007. Na última vez, em 2011, Rob Huff e Yvan Muller - companheiros de equipa na Chevrolet protagonizaram uma grande luta na segunda corrida, que culminou com a ultrapassagem de Huff a Muller numa manobra muito arriscada numa das chicanes.

Milhares de fãs portugueses encheram as arquibancadas e ficaram ainda mais animados pelo pódio conquistado por Tiago Monteiro. Os últimos números oficiais, divulgados pela Câmara Municipal do Porto, falam em 80 mil espetadores só no domingo e 140 mil em todo o fim-desemana, um recorde que a organização quer ver superado este ano. No Circuito da Boavista, os concorrentes do WTCC irão beneficiar de uma sessão de qualificação alargada (Q1 30 minutos e Q2 de 15 minutos), como normalmente acontece durante as provas realizadas em circuitos citadinos.

“Correr no Porto é outra coisa” Tiago Monteiro é o representante português no pelotão do Campeonato do Mundo de Carros de Turismo, e o Circuito da Boavista é a oportunidade para poder correr diante do seu público. Uma prova que por ser em casa tem um significado muito especial para o, agora, piloto da Honda no WTCC. “É com alguma ansiedade que espero pela corrida da Boavista. É sempre uma corrida muito especial e por diversas razões. Adoro correr em Portugal, mas correr no Porto é outra coisa”, começa por dizer Tiago Monteiro.

“É mesmo estar a correr em casa, com a particularidade das noites serem em casa e não ir dormir a um qualquer hotel. Para além disso é ter por perto a família e amigos. É sempre um fim-de-semana de emoções fortes”, prossegue o piloto portuense. “No que diz respeito à competição propriamente dita. Vou dar o meu melhor e esperar por um bom resultado. Claro que gostava de vencer uma das corridas. Já ganhei provas no Estoril e no Algarve, só falta mesmo vencer na Boavista. Talvez seja desta. Seria a cereja no topo do bolo”, conclui Tiago Monteiro.


fia wtcc

28 de Junho de 2013

3

Loeb e Citroën apostam na velocidade

Assalto ao FIA WTCC 2014 Depois de dominar, desde há 20 anos, as provas de estrada nos quatro cantos do planeta, a Citroën lança-se ao assalto dos circuitos do Campeonato do Mundo FIA de Carros de Turismo (FIA WTCC) de 2014. Será um novo desafio para a Citroën Racing, mas também para Sébastien Loeb, que irá conduzir uma das viaturas inscritas.

Após ter dado indicação, na abertura do Mondial de l’Automobile de Paris, de que estaria a estudar um eventual envolvimento no FIA WTCC, a Citroën confirma a sua entrada na disciplina a partir de 2014. Detentora de cinco Taças do Mundo de Rallye-Raid e de oito títulos de Campeã do Mundo de Ralis, a Citroën comprometese, pela primeira vez, com um campeonato internacional de circuitos. Tal sublinha a enorme importância do desporto automóvel, laboratório tecnológico

para a Marca e a vontade de dar continuidade à grande associação entre a Citroën e Sébastien Loeb, envolvendo-se em conjunto num novo desafio. “Ao longo dos últimos meses a Citroën Racing analisou profundamente a oportunidade de se lançar neste programa”, explica Frédéric Banzet, Director Geral da Citroën. “O WTCC assenta em diversas bases fundamentais para a Citroën: uma enorme visibilidade mediática, uma regulamentação que limita os orçamentos e um calendário verda-

Lista de inscritos N.º Piloto Nac. 12 Yvan MULLER FRA 3 Gabriele TARQUINI ITA 17 Michel NYKJÆR DIN 14 James NASH GBR 1 Rob HUFF GBR 5 Norbert MICHELISZ HUN 15 Tom CORONEL HOL 23 Tom CHILTON GBR 9 Alex MACDOWALL GBR 74 Pepe ORIOLA ESP 18 Tiago MONTEIRO POR 25 Mehdi BENNANI MAR 38 Marc BASSENG ALE 10 James THOMPSON GBR 73 Fredy BARTH SUI 26 Stefano D’ASTE ITA 6 Franz ENGSTLER ALE 7 Charles NG Ka Ki HKG 55 Darryl O’YOUNG HKG 11 Aleksei DUDUKALO RUS 13 Jean-Philippe DAYRAUT FRA 19 Fernando MONJE ESP 20 Hugo VALENTE FRA 22 Tom BOARDMAN GBR 37 René MÜNNICH ALE

deiramente global. Este compromisso permite-nos destacar a nossa assinatura Créative Technologie, mas também apoiar o desenvolvimento da Marca em mercados de grande crescimento como a China, a Rússia ou a América do Sul. Gostaria de agradecer ao nosso parceiro histórico Total, que irá acompanhar-nos nesta nova aventura”. A entrada da Citroën Racing nos circuitos coincidirá com o lançamento de toda uma nova geração de automóveis, mais espectaculares do que os actuais. “Descobrir uma nova disciplina, partindo de uma folha em branco, é um grande desafio para nós”, reforça Yves Matton, diretor da Citroën Racing, acrescentando: “Para o efeito, poderemos explorar todos o nosso ‘savoir-faire’, começando pelo motor turbo de 1,6 litros e injecção directa do DS3 WRC. Os trabalhos já arrancaram na nossa fábrica de Versailles e irão intensificar-se ao longo das próximas semanas, com os primeiros testes da nossa viatura e com a campanha de desenvolvimento com vista à preparação da temporada de 2014. Obviamente que continuamos comprometidos com os ralis e prosseguiremos com os nossos esforços para alcançar o melhor resultado possível em 2013. Graças à intensificação da nossa parceria com a Abu Dhabi, manteremos a presença no WRC com uma

Mundial de Pilotos

Pos. N.º Piloto 1. 12 MULLER Yvan 2. 3 TARQUINI Gabriele 3. 17 NYKJÆR Michel 4. 14 NASH James 5. 1 HUFF Rob 6. 5 MICHELISZ Norbert 7. 15 CORONEL Tom 8. 23 CHILTON Tom

9. 9 MACDOWALL Alex 10 74 ORIOLA Pepe 11 18 MONTEIRO Tiago

Mundial de Equipas Pos. Equipa 1. Honda 2. LADA

Troféu Yokohama - Pilotos Pos. Piloto 1. NYKJÆR Michel 2. NASH James 3. MACDOWALL Alex

Troféu Yokohama - Equipas

disposição diferente e com novos objectivos”. A Citroën Racing irá estar envolvida na totalidade do FIA WTCC 2014. O nome do primeiro piloto é obviamente conhecido. Depois de ter conquistado nove títulos de Campeão do Mundo de Ralis com o Xsara, o C4 e o DS3 WRC, Sébastien Loeb não esconde o seu entusiasmo com a ideia de enfrentar este desafio dentro de sua equipa fetiche: “Em primeiro lugar, estou muito feliz com

Pontos 246 133 127 113 107. 90 88 87

73 67

Pontos 509 283

Pontos 92 91 74

Pos. Equipa Pontos 1. RML 131 2. bamboo-engineering 84 3. ALL-INKL.COM Münnich Motorsport 60

esta confirmação, um pouco como um sonho em dizer que vamos todos, em conjunto, escrever um novo capítulo na nossa história. Não vejo a hora de fazer as minhas primeiras voltas ao volante da viatura e de iniciar os testes. Utilizei este ano de transição para diversificar as experiências e melhorar a minha pilotagem em circuito. Não pretendo vencer logo desde o início, mas pretendo fazêlo um dia”.


4

28 de Junho de 2013

circuito da boavista

Campeonato de Portugal de GT na Boavista tem 18 inscritos

Grelha bem composta O Campeonato de Portugal de GT prossegue este fim-de-semana num dos mais emblemáticos circuitos do panorama automobilístico nacional mas também Europeu, o Circuito da Boavista no Porto. Carismático e adorado pela maioria dos pilotos o Campeonato de Portugal de GT vê a sua lista de inscritos aumentar consideravelmente para um total de 18 participantes divididos por quatro categorias: GT3, GT4, GT Cup e Special.

À chegada à Boavista e depois da realização de duas corridas, César Campaniço/Carlos Vieira/ Mikko Eskelinen no Audi R8 LMS lideram confortavelmente a tabela classificativa. No entanto, vários são os candidatos que nesta prova querem quebrar a hegemonia do trio da Novadriver. José Pedro Fontes/Miguel Barbosa no Mer-

cedes SLS AMG têm sede de vitória. A dupla da Sports & You não foi feliz nas duas rondas inaugurais e espera definitivamente ultrapassar a ‘mala pata’ que os arreda para já, do topo das tabelas. Mas não serão os únicos, para além da presença de Luís Silva/António Coimbra também no Mercedes AMG SLS e de João Figueiredo/João Ramos/Antti

Buri no Audi R8 LMS há ainda que contar com a rapidez e destreza de duplas como António Nogueira/Pedro Salvador no Porsche 997 GT3 mas também de René Munnich com o terceiro Mercedes AMG SLS. Na GT Cup, o trio do Ferrari 430, Miguel Ferreira/Francisco Carvalho e Diogo Ferrão lideram a classificação mas vão ter adversários de peso, Pedro Marreiros/Nuno Baptista no Porsche 911, Gonçalo Manahu/ Manuel Castro no Porsche 997 e João Baptista/Amândio Dias/Renato Machado também num Porsche 911.

Novidade são os inscritos nas classe GT4 e Special. Na primeira teremos a Veloso Motorsport com dois carros, o Aston Martin V8 Vantage entregue a Fábio Mota e ainda o Lotus Evora com pilotos por definir e Manuel Silva/Manuel Pereira com um Porsche 911. Na categoria Special cinco novidades em pista. A Ray Racing Team regressa à actividade com o Ferrari 430 mas ainda sem pilotos definidos. Martine Pereira está igualmente de regresso agora com o Alfa Romeo 156 que fez furor no Nacional de Velocidade em 2009. Peter Peters e C.O Jones farão equipa

num Renault Megane e Joaquim Santos/Joaquim Teixeira num Seat Leon Supercopa tal como Fernando Monje/Hugo Valente/Nikolai Karamishev que também estarão em pista com um SEAT Leon Esta grelha mais extensa irá, certamente, provocar muitas lutas e animar um fim-de-semana que, por si só, já será um dos mais interessantes da época. Os treinos livres estão previstos para hoje (sexta-feira), a qualificação para amanhã (sábado), pelas 15h45, e a corrida arranca no domingo, às 14h15.

Rui Rio faz "balanço positivo" do Circuito da Boavista

Aumento de 30% no número de bilhetes vendidos O presidente da Câmara do Porto fez um balanço positivo em relação à organização do Circuito da Boavista e garantiu que houve "um aumento de 30 por cento no número de bilhetes vendidos" em relação ao ano anterior de prova. Rui Rio, que avaliou um acréscimo, até ao momento, de 29 mil euros nas receitas, considerou ainda que "o Circuito faz parte da cidade" e acredita que o seu sucessor na Câmara terá capacidade "reconhecer o valor do evento". "Este evento não é da Câmara do Porto, nem meu, mas da cidade e nascido em 1931. Quando iniciámos este evento sabíamos que o risco de aceitação era reduzido (...) O meu sucessor terá que reconhecer que este evento é de interesse para a cidade, até para Portugal, embora só em tese, porque por aquilo que temos visto, o que se passa fora de Lisboa não é assim tão importante para alguns meios de comunicação social", esclareceu o autarca em conferência de imprensa. Rui Rio reconheceu que "este ano houve mais público, mais pilotos e mais provas" e esclareceu que tiveram

"a percepção que a taxa de ocupação hoteleira foi superior à de 2011". "Temos de ter em conta de que temos agora mais unidades hoteleiras do que em 2009 e 2011. Aliás, tenho relembrado, a propósito desta guerra a propósito da SRU [Sociedade de Reabilitação Urbana], que nos últimos tempos abriram ou estão para abrir 18 novas unidades hoteleiras em torno do quarteirão das Cardosas. Há mais gente e uma maior dinâmica para a cidade", afirmou ainda. O presidente da Câmara falou ainda da hipótese de realização de um rally de Portugal no Porto mas esclareceu que a decisão será a pensar no "sucessor". "Eu tenho a proposta na minha secretária. Se eu ficasse na Câmara, não tenho dúvida de quer a minha resposta seria afirmativa. Era importante que o rally viesse para o Norte, porque

há aqui muitos adeptos do desporto automóvel. Vou tomar uma decisão, mas vou ter de ponderar, porque não vou amarrar a Câmara a algo que não será para mim", admitiu. Para António Abel, diretor técnico do Circuito da Boavista, "este foi um projecto sem grandes alterações, porque o que havia para ser feito foi feito em 2011 e nessa altura satisfez completamente quem cá esteve". "Há dois anos existiram alguns acidentes devido à visibilidade reduzida na curva da Avenida da Boavista para

a Avenida do Parque, onde este ano praticamente deixou de haver acidentes. As grandes alterações tiveram sobretudo a ver com as transmissões: o número de câmeras tem aumentado praticamente todos os dias e neste momento o Circuito da Boavista pode ser visionado através de 38 câmeras (...) Em 2011 a prova foi considerada a melhor do ano no WTCC [Campeonato do Mundo de Carros de Turismo] e em equipa que ganha não é preciso mexer. Não houve necessidade de fazer mais nada", esclareceu António Abel.

Em relação ao tempo de desmontagem da estrutura que envolve o Circuito da Boavista, António Abel é peremtório: "Nos últimos anos temos vindo a reduzir os tempos de desmontagem, mas já está nos limites. Começamos por zonas em que causa mais transtorno. Montámos a Vilarinha nos últimos 10 dias e vamos desmontar nos próximos. Antes de tudo é preciso desmontar antes de tudo cabos eléctricos, fibra óptica. Em menos de um mês fica tudo desmontado", garantiu finalizando.


circuito da boavista

28 de Junho de 2013

5

Taça ANPAC com corrida atribulada no sábado

Carlos Barbot triunfa perante os protestos de Luís Barros Numa das corridas mais animadas da tarde de sábado, Carlos Barbot impôsse na tirada da Taça ANPAC, fazendo aquilo que não conseguiu nos treinos de qualificação. Para isso o piloto do Lola teve de efetuar uma grande recuperação, depois de ter levado um toque de Luís de Barros, quando o piloto do Porsche o pressionava. Barros, que detinha a ‘pole position’ para a corrida, não conseguiu evitar o carro do seu adversário depois de ter subido um corredor do Circuito da Boavista, que lhe valeu uma penalização com passagem pelas boxes e a queda na classificação. Mesmo assim, o piloto do Porsche ainda conseguiria recuperar até ao terceiro posto, enquanto Barbot demorou sete voltas a recuperar o comando. António Nogueira foi o grande beneficiado com tudo isto, já que terminaria na segunda posição, ainda que com o seu Ford Capri envolto em fumo, pois o motor partiu na última volta. Este facto impediu mesmo o piloto de comparecer na cerimónia do pódio, ficando o segundo lugar vago, enquanto no primeiro e no terceiro lugares, Barbot e Barros nem sequer se cumprimentaram. Terminada a corrida e vistos os carros no local, pela equipa de reportagem do MOTOR, não há dúvidas de que existiu um toque, ainda que muito ligeiro, entre a frente do Porsche de Luís Barros e a traseira do Lola de Carlos Barbot. Resta saber se o toque foi intencional e com a intensidade suficiente para provocar o despiste de Barbot, ou se foi apenas uma situação normal de corrida, como muitas vezes se vê principalmente em circuitos apertados como o da Boavista. No final, Carlos Barbot confirmava a existência do toque – “fui tocado na saída da chicane da reta da meta –, enquanto Luís Barros, visivelmente mais aborrecido com a decisão dos comissários de prova, a justificar-se com “um toque absolutamente normal” nestas andanças. “Gostava de ver se fosse ao contrário”, desabafava, em tom mais irritado, o homem do Porsche. O certo é que esta discussão entre os dois pilotos não é de hoje e situações como a registada no Circuito da Boavista, na primeira corrida da Taça ANPAC, devem ser evitadas em nome do que ainda resta de dignidade no desporto automóvel em Portugal. Principalmente porque esta prova no Porto é uma montra bem visível a nível europeu e mundial, com a FIA de olhos postos num pódio incompleto e numa cerimónia de costas voltadas e com pouco champanhe… Desforra de Luís de Barros Luís de Barros conseguiu a desforra da derrota de sábado na Taça ANPAC de Clássicos, ao vencer a segunda corrida do fim-de-semana desta competição. O piloto do Porsche 911 RSR liderou da primeira à última volta, apesar da oposição de Carlos Barbot, que conduzia um Lola. Arrancando da ‘pole position’ Barros assumiu o comando, levando atrás

eles tirar o melhor partido do seu Datsun 1200 GX, que colocaram bem à frente do Volkswagen Golf GTi de Pedro e Lourenço Correa Mendes. Penalizações posteriores à primeira corrida de Classic Super Stock acabaram por promover Fernando Gaspar, Rui Castro e Filipe Martins às três primeiras posições, sendo que a desclassificação de Luís Alegria, Lourenço Correa Mendes e Manuel Oliveira se relacionou com o peso mínimo dos seus Ford Escort, VW Gold e Alfa Romeo GTV, que estavam abaixo do peso regulamentar.

de si um Barbot disposto a repetir o êxito da corrida da véspera. O piloto do Lola amarelo pressionou o do Porsche prateado durante nove voltas, chegando a dar a ideia de que lhe podia ganhar, mas acabaria por comprometer as suas aspirações com um pião numa das chicanes da Av. da Boavista. A partir dessa altura a tarefa de Luís de Barros ficou muito mais facilitada, recaindo as atenções na discussão pelo segundo posto, protagonizada por João Pedro Silva e Carlos Santos. Os dois pilotos acabariam por ser ultrapassados por Carlos Barbot já com a meta à vista. Carlos Barbot efetuou uma grande recuperação, e apesar de uma passagem pelas boxes, conseguiria levar a melhor sobre o piloto do Porsche com as cores da Martini Racing, classificando-se em segundo lugar, seguido por João Pedro Silva. Holandês vence Historic Endurance O holandês Michiel Campagne foi o vencedor da primeira corrida do Historic Endurance integrada no Grande Prémio Histórico do Porto. Um triunfo que só se decidiu na fase final da prova de 50 minutos. É que embora Mário Silva detivesse a ‘pole positon’, logo na partida Campagne assumiu a liderança, levando o rival português na sua peugada, com o holandês do Corvette Stingray Grand Sport a ganhar mesmo alguma vantagem. Contudo a meio da corrida o experiente piloto do Estoril aproximou-se e começou a pressionar Campagne. E numa travagem deu-se o momento que selou o destino da prova, quando Silva não conseguiu controlar o seu Porsche na travagem para a curva do Parque, colidindo com a traseira do Corvette. O incidente fez atrasar o holandês permitindo a Mário Silva liderar, mas este acabaria por ceder a passagem ao adversário numa atitude de ‘fair play’. Nas obrigatórias paragens nas boxes os dois quase colidiam na saída das mesmas e aí a Direção de Prova decidiu penalizar o piloto do Estoril com um ‘drive through’. Campagne soma nova vitória Com mais suspense do que na corrida da véspera, a Historic Endurance encerrou o programa de provas do Grande Prémio Histórico do Porto, já que Michiel Campagne repetiu o êxito de sábado, mas com mais obstáculos no seu caminho. Embora o holandês tenha dominado grande parte da prova depois de se superiorizar a Mário Silva, que liderou até ter problemas na caixa de velocidades do seu Porsche, Campagne viu a sua tarefa mais complicada por uma prolongada interrupção da corrida. Só que quando a prova foi reatada, o piloto do Corvette Stingray branco levou poucas voltas a recuperar a liderança, deixando para trás Max Boodie e Alexandre Guimarães, que o acompanharam no final. O veterano John Sheldon e Luis Ribeiro completaram o top cinco.

McIntyre volta a ganhar na Sixties Endurance Ewan McIntyre, depois da vitória de ontem, conseguiu novamente o 1º lugar na segunda corrida do fim-de-semana da Sixties Endurance Series, apesar de não ter dominado a primeira metade da prova, que pertenceu por inteiro a Dominque Guenat. No entanto, o francês, que arrancara da ‘pole position’, sentiu problemas no AC Cobra que o impediram de prosseguir em prova e entregar o carro norteamericano ao seu companheiro de equipa Yvan Mahe. A partir daí a prova de McIntyre foi solitária, tal a vantagem que o britânico do Lotus 15 possuía sobre o seu compatriota Paul Wooley, que soube tirar bom partido do seu belo Cooper Monaco e garantir um merecido segundo posto. O suíço Dominique Vanaty aproveitou o abandono de Guenat para levar ao último lugar do pódio o Ford Mustang Shelby, que dividiu com o seu compatriota Olivier de Siebenthal. José da Rocha foi o melhor português, ao atingir a sétima posição com o Jaguar E que mais uma vez partilhou com Fabrice Mestrot, terminando à frente do carro idêntico da ASM Team, que neste segundo confronto foi tripulado por Carlos Barbot e Carlos Cruz. Neil Fowler repete triunfo na Fórmula Ford Neil Fowler pode ter corrido pela primeira vez no Circuito da Boavista, mas levou muito pouco tempo a perceber como o fazer bem e depressa, muito mais do que os seus adversários no grupo de monolugares mais antigos da Formula Ford Historique France. O britânico arrancava da segunda posição da grelha, mas logo após a partida assumiu o comando afastando-se rapidamente dos seus adversários para se impor numa corrida encurtada em duas voltas, devido ao despiste de François Bugat no Castelo do Queijo. Alain Girardet terminou na segunda posição, depois de levar a melhor sobre Pierre Lombardi logo na primeira volta, afastando-se depressa do seu adversário, que viria a terminar no último lugar do

pódio. Arnaud Redeche, que tinha sido um dos protagonistas da corrida da véspera foi a grande ‘baixa’ deste confronto, ao desistir na segunda volta, por despiste na rotunda de Matosinhos, quando disputava a terceira posição com Lombardi. Mais uma vez João Paulo Campos Costa foi o melhor português, ao levar o seu Lola à quarta posição, numa corrida em que foi bastante pressionado por Jean Deverly. Campos Costa repete vitória no Grupo 2 da Fórmula Ford João Paulo Campos Costa voltou a mostrar que é a referência na competição dos monolugares mais recentes da Formula Ford Historique France. O piloto português arrancou da ‘pole position’ e liderou a segunda corrida do fim-desemana no Circuito da Boavista. O triunfo de Campos Costa foi valorizado pela forte oposição protagonizada por Michel Ghio, que durante toda a corrida exerceu uma enorme pressão sobre o piloto português, sem contudo o conseguir ultrapassar uma única vez. Atrás dos dois primeiros Laurent Corregelong fez uma prova solitária na terceira posição, depois do atraso de John Doe, que se ficou pelo quinto lugar, atrás de Beatrice Cibine, a única senhora participante na competição. Luís Alegria sem rivais mas penalizado Luís Alegria garantiu a “pole position” para a corrida deste sábado da Classic Super Stock, ao efetuar uma volta ao Circuito da Boavista em 2m35,529s. E à semelhança dos treinos livres da manhã o piloto do Ford Escort MK1 voltou a deixar a concorrência a uma grande distância. Manuel Oliveira conseguiu aproveitar em pleno o seu Alfa Romeo 2000 GTV para rubricar o segundo tempo e garantir um lugar na primeira linha da grelha, batendo por cinco décimas o Datsun 1200 que Rui Xavier e Marcos Teixeira partilham nesta prova. Filipe Martins e João Lopes completam a segunda fila da grelha de partida, conseguindo também

Outra dose de Alegria na segunda corrida À semelhança do que aconteceu no sábado, quando dominou a primeira corrida antes de ser desclassificado, Luís Alegria impôs-se concludentemente no segundo confronto da Classic Super Stock, que abriu a segunda jornada do Grande Prémio Histórico do Porto. Já atrás do piloto do Ford Escort MKI, Albertino Sousa assumiu o segundo lugar na largada e manteve o seu Alfa Romeo GTV 2000 na posição até final, rodando também isolado durante toda a corrida. O interesse da prova residiu na disputa pelo terceiro posto, uma vez que Pedro Correa Mendes seguiu inicialmente nessa posição, antes de ser ultrapassado por João Andrade (Toyota Starlet). Perto do final, o piloto do Volkswagen Golf GTi pisou um corretor e danificou-o o que o fez ‘cair’ na classificação e permitir a Rui Castro e Filipe Martins completarem o top cinco. Festa dos irmãos Scemama na CER Proto 2 & GT Philipe e Yves Scemama celebraram um pódio em família na segunda corrida da Classic Endurance Racing. Os dois irmãos suíços dos Sauber C5 BMW sobreviveram a uma prova bem atribulada, plena de acidentes. Inicialmente foi Fabrice Lafargue que tirou partido de um bom arranque para surpreender Frederic Da Rocha, mas problemas no Lola T 298 BMW acabariam por ditar o abandono do francês. Parecia que Da Rocha sairia do Circuito da Boavista com novo triunfo, mas o luso-francês foi vítima de uma colisão com Jean-Marie Belleteste, que deixou o seu Lola e o Chevron bastante danificados na curva do parque. Todos estes incidentes abriram caminho para a vitória de Phillipe Scemama, que depois de inicialmente rodar atrás do seu irmão Yves, partiu à procura dos homens da frente, vindo a impor-se com vantagem confortável. Se Yves Scemama beneficiou dos abandonos de Fabrice Lafargue e de Frederic da Rocha para terminar em segundo, o mesmo sucedeu com Yvan Mahe para subir ao último lugar do pódio. Desta feita o melhor dos GT foi Didier Denat, que tirou bom partido do seu Porsche 911 RSR, e também do atraso inicial sofrido por Nicolas D’Ieterin, para conseguir terminar entre os sete primeiros.


6

noticiário

28 de Junho de 2013

Antevisão do Grande Prémio da Grã-Bretanha de F1

Mark Webber tenta reeditar êxito A Pirelli vai levar o pneu duro P Zero Laranja e o médio P Zero Branco para o GP da Grã-Bretanha de F1, em Silverstone: uma verdadeira segunda casa para o fabricante italiano de pneus, cujo centro de logística no Reino Unido, em Didcot, está a menos de uma hora do circuito de Northamptonshire. Quanto à discussão pelos primeiros lugares, Webber promete lutar pela repetição do sucesso alcançado no ano passado.

Vão ser ainda disponibilizados, apenas para utilização nas duas sessões de treinos livres de hoje (sexta-feira), dois jogos por carro dos pneus protótipo duros que foram experimentados em Espanha. Silverstone é um dos mais antigos e mais rápidos circuitos do calendário da F1, tendo beneficiado de revisões extensivas nos últimos anos. O traçado rápido do circuito significa que muita energia é transmitida aos pneus, com um consequente efeito no desgaste e na degradação. No passado, as equipas utilizaram estratégia para obter vantagens nesta pista, o que resultou em alguns finais com luta cerrada, mesmo tendo os competidores usado táticas diferentes. Paul Hembery: “Silverstone, com as suas elevadas velocidades médias e uma série encadeada de curvas, apresenta um contraste extremo face ao Canadá, há três semanas. Como o Canadá, é um circuito que exige muito dos pneus, mas por razões muito distintas. Por isso, trouxemos os dois compostos mais duros para o GP da Grã-Bretanha, com um novo processo de aderência da banda de

rodagem à cinta em aço, que foi concebido para eliminar os casos isolados de delaminação e obter um acordo unânime sobre esse tema: contudo ainda teremos essa possibilidade em stand-by no caso de ser necessário no futuro. Durante os treinos livres em Silverstone, teremos o mesmo pneu duro protótipo que já foi testado nos treinos livres em Espanha. A construção atual do pneu permanecerá inalterada, mas pretende-se uma durabilidade ainda maior que a do presente pneu duro. Esta iniciativa tem como objetivo dar às equipas a possibilidade de testar este novo composto numa pista diferente, para recolher mais dados. Sem dúvida que outro fator importante em Silverstone é as notoriamente instáveis condições meteorológicas britânicas: não será uma grande surpresa se o pneu intermédio Cinturato Verde e o de chuva Cinturato Azul entrarem em ação a qualquer momento. Por essa razão, é muito difícil prever o número de paragens nas boxes no dia da corrida. No ano passado, assistimos a uma estratégia de duas paragens com tempo seco na corrida, depois de dois dias chuvosos, mas este ano os compostos são mais macios, por isso se o tempo se mantiver

seco poderemos ter entre três e quatro paragens. Deveremos estar em posição de fazer previsões mais exatas depois dos treinos livres. Finalmente, e o mais importante de tudo, gostaríamos de apresentar as nossas mais sinceras condolências à família e amigos de Allan Simonsen após o terrível acidente em Le Mans no passado fim-de-semana. Fomos parceiros da Aston Martin Racing durante muitos anos e podemos imaginar aquilo por que estão a passar neste momento.” Jean Alesi: “A coisa mais importante a ter em atenção em Silverstone é sempre o tempo: absolutamente tudo pode acontecer e frequentemente é simultaneamente seco e molhado. É preciso pensar rapidamente. É um circuito exigente para os pneus, não tanto por causa da tracção e travagem, mas mais devido ao nível elevado de força descendente que está sempre a empurrar para baixo o carro, em resultado das velocidades muito altas. É isso que origina o desgaste dos pneus em Silverstone e por isso os pneus médio e duro são uma boa escolha

Segunda corrida da World Series by Renault 3.5 em Moscovo

António Félix da Costa desiste O piloto António Félix da Costa, da Arden Caterham, viu-se obrigado a desistir na segunda corrida da etapa russa da World Series by Renault 3.5, em Moscovo, devido a problemas no seu monolugar.

Na qualificação da manhã, com a pista seca, Félix da Costa foi prejudicado pelas bandeiras vermelhas, que não o permitiram ir além do 13.º lugar na “grelha” e na corrida sofreu um toque logo nos momentos iniciais. O piloto, de 21 anos, ficou com danos na asa frontal e também suspensão do seu carro, numa prova que acabaria por ser ganha pelo belga Stoffel Vandoorne (45.43.611 minutos), à frente do dinamarquês Kevin Magnussen, líder do Mundial.

“Ainda parei na ‘box’ para trocar a asa mas percebi que também a suspensão estava danificada e tive de abandonar ”, disse Félix da Costa à sua assessoria de imprensa. Magnussen lidera o campeonato com 115, seguido de Vandoorne, com 111, enquanto Félix da Costa mantém a terceira posição, com 89. Com nove das 17 corridas disputadas, a próxima prova disputa-se no fim de semana de 20 e 21 de julho no Red Bull Ring, na Áustria.

para este circuito. Estive muitas vezes no pódio em Silverstone e sempre gostei do circuito, em diversas configurações. A mais recente alteração, com o novo complexo de boxes é um investimento muito impressionante, mas para mim é uma pena que tenham eliminado a curva Bridge, que costumava ser um desafio fantástico. De qualquer modo, Silverstone será sempre um circuito para verdadeiros pilotos, por isso penso que podemos esperar uma boa corrida, menos política e algumas estratégias interessantes. É sempre um prazer vir aqui porque os aficionados britânicos são tão apaixonados e têm tantos conhecimentos sobre a F1. Há uma verdadeira cultura do desporto motorizado na Grã-Bretanha, que, penso eu, toda a gente aprecia.” O circuito: embora as altas velocidades e os níveis elevados de energia lateral sejam as características-chave de Silverstone, há também algumas secções mais lentas e mais técnicas do circuito, onde ele foi modificado nos últimos anos. Nessas zonas, a aceleração combinada

é particularmente importante. Isso acontece quando o piloto está em simultâneo a acelerar e a dirigir à saída de uma curva: aqui é crucial o trabalho dos pneus. Muitas partes do asfalto em Silverstone são novas, com o asfalto novo a ser menos ondulado e abrasivo que nas secções mais antigas. O asfalto abrasivo aumenta a aderência, mas também os níveis de desgaste e de degradação. No ano passado, na sequência de uma qualificação com tempo molhado, o que fez com que os pilotos pudessem optar por começar com qualquer dos compostos slick disponibilizados, assistimos a uma diversidade de estratégias. Mark Webber da Red Bull venceu a corrida saindo da segunda posição da grelha de partida, começando com pneus macios antes de completar duas tiradas com pneus duros. O Ferrari de Fernando Alonso começou da pole position, mas terminou em segundo, fazendo o oposto: duas tiradas iniciais com pneus duros e a última com pneus macios.


noticiário

28 de Junho de 2013

7

Piloto francês mais só no comando do WRC

Ogier vence Rali da Sardenha O francês Sebastien Ogier (Volkswagen) venceu hoje o Rali da Sardenha (Itália), sétima prova do Mundial de ralis, destacando-se ainda mais no comando do campeonato. Thierry Neuville, em Ford, foi segundo, à frente de Latvala, que fechou os lugares do pódio. Hirvonnen, em Citroën, abandonou na segunda especial da última etapa. Ogier, que somou o quar to triunfo da temporada, o 11.º da carreira, concluiu a prova com uma confortável vantagem de 1.16,8 minutos para o segundo classificado, o belga Thierry Neuville (Ford), tendo dominado claramente a prova, na qual triunfou em sete das 16 provas especiais de classificação. Em bom plano esteve Neuville, que garantiu o segundo lugar do pódio, embora tenha beneficiado do abandono do finlandês Mikko Hirvonen (Citroen) na segunda especial desta segunda etapa. Aos 24 anos, Neuville obteve na

Sardenha o seu melhor resultado em provas do Mundial de ralis, depois de já este ano ter somado dois terceiros lugares, no México e na Grécia. O finlandês Jari-Matti Latvala (Volkswagen), que furou logo na primeira especial do rali, na sextafeira, perdendo na ocasião cerca de dois minutos, foi recuperando posições e acabou por minimizar as perdas, ao terminar no terceiro lugar, tendo somado seis triunfos em provas especiais. O domínio de Ogier no campeonato acentua-se cada vez mais,

com o piloto gaulês a contar agora com mais 64 pontos do que o segundo classificado, o seu companheiro de equipa Latvala, enquanto

o primeiro piloto não Volkswagen, Neuville, é terceiro, com menos 84 pontos do que o comandante. Com os primeiro e terceiro lu-

gares de hoje, a Volkswagen deu um importante rumo ao título, liderando o campeonato com um total de 220 pontos, contra os 174 da Citroen.

Baja Terras de Alcoutim no Algarve

Miguel Barbosa soma mais uma vitória Miguel Barbosa (Mitsubishi Racing Lancer) venceu a Baja Terras de Alcoutim, confirmando a superioridade evidenciada, no sábado, no prólogo da prova do campeonato nacional de todo-o-terreno.

Na companhia de Miguel Ramalho, o pentacampeão nacional terminou a prova – prólogo mais seletiva de 290 quilómetros - em 4:53.16 horas, deixando a dupla Hélder Oliveira/Filipe Palmeiro (BMW Serie 1 proto) a 5.18 minutos e Pedro Grancha/Inês Ponte (BMW Evo X1) a 18.55. António Maio (Yamaha) conquistou o primeiro triunfo da época em motos e relançou a luta pelo título: após 225 quilómetros cronometrados, concluiu a competição em 3:15.14 horas, batendo Mário Patrão (Suzuki) por 2.02 minutos e Luís

Ferreira (KTM) por 2.11. Contabilizadas quatro provas do campeonato, Patrão soma 69 pontos, Maio 67 e Luís Ferreira 55. Em quads, Roberto Borrego (Yamaha) teve vários percalços e perdeu a invencibilidade no campeonato, com André Mendes (Suzuki) a garantir vantagem de 41.01 minutos para “Beto”, sendo que Carlos Rocha (Suzuki) foi segundo a 1.23. No campeonato, Roberto Borrego lidera tranquilamente com 68 pontos, com 14 de vantagem para André Mendes e 21 para Luís Engeitado. O campeonato nacional


8

noticiário

28 de Junho de 2013

Português Pedro Lamy abandonou

Audi R18 vence 24 Horas de Le Mans O Audi R18 do dinamarquês Tom Kristensen, do escocês Allan McNish e do francês Loïc Duval venceu hoje as 24 Horas de Le Mans, corrida marcada pela morte de Allan Simonsen e na qual o português Pedro lamy abandonou. Na 81.ª edição da histórica prova de resistência automóvel, que se realiza há 90 anos, a Audi alcançou a sua 12.ª vitória, quarta consecutiva, enquanto Kristensen subiu ao topo do pódio pela nona vez, desde 1997, dedicando o triunfo ao compatriota Simonsen, que morreu no sábado, aos 34 anos, na sequência de um violento acidente com o seu Aston Martin na terceira volta. Antes da cerimónia do pódio,

Simonsen, que participava pela sétima vez na corrida do circuito de La Sarthe, foi alvo de uma breve homenagem por parte de Jacky Ickx, seis vezes vencedor em Le Mans, e Pierre Fillon, presidente do Automobile Club de l'Ouest (ACO). Pouco menos de 24 horas depois, Kristensen, recordista de vitórias, cruzou a linha com uma volta de avanço sobre Toyota híbrido número 8 do trio Buemi-David-

son-Sarrazin (348 voltas contra 347), no final de uma corrida com vários períodos de chuva e em que o "safety-car" entrou 11 vezes, mantendo a corrida neutralizada cerca de seis horas no total. Também com 347 voltas, o Audi R18 pilotado p o r G e né , Di G r a s s i e Jarvis terminou na terceira posição na principal categoria, P1. Entre os portugueses, Pedro Lamy, que pilotou o Aston Mar tin Vantage número 98 juntamente com Paul Dalla Lana e Bill Auberlain, foi obrigado a abandonar, com o motor partido, quando seguia na sétima posição da categoria GTE Pro, depois da família de Simonsen ter pedido para a equipa manter os carros em pista, apesar do trágico acidente. “A equipa estava um pouco confusa. Ninguém acreditava no

Kurt Caselli (KTM) vence Rali TT Desafio Ruta 40

que tinha acontecido. Não é fácil perder um colega de equipa. Conhecia bem o Allan, pois tinha sido meu companheiro de equipa este ano nas 24 Horas de Nurburgring. Era um grande piloto. Depois do que aconteceu, a desistência é o que menos importa este fim de semana”, referiu Pedro Lamy.

Rui Águas, fazendo equipa com Potolicchio e Bright num Ferrari 458 Italia, terminou em 38.º, com 294 voltas, e em nono na categoria GTE Am, enquanto Manuel Rodrigues, com Macneil e Dumas, no Chevrolet Corvette C6 ZR1, ficou em 42.º, décimo na mesma categoria, com 268.

Na sequência de uma acidente na terceira volta

Hélder Rodrigues sofre acidente Allan Simonsen e foi obrigado a abandonar morre em Le Mans O norte-americano Kurt Caselli (KTM) conquistou hoje o rali argentino Desafio Ruta 40, quarta ronda do Campeonato do Mundo de todo-o-terreno, após vencer a sexta e última etapa, que ficou marcada pelo acidente de Hélder Rodrigues (Honda). O piloto português, que iniciou o dia a apenas um segundo da liderança, despistou-se na fase inicial da especial de 146,23 quilómetros disputada em San Juan e, mesmo após ter tentado regressar à prova, acabou por ser obrigado a abandonar com problemas mecânicos. Por precaução, Rodrigues foi ainda transportado ao hospital, mas acabou por sofrer apenas ferimentos ligeiros. “Tentei regressar, mas estava com muitas dores e o painel de instrumen-

tos da minha moto também estava todo destruído por causa do acidente. Estou muito desapontado, porque fiz o meu melhor e provei que estou a andar rápido e que posso ganhar”, afirmou o piloto luso da Honda. O nor te-americano Caselli acabou por se superiorizar na derradeira etapa, deixando o chileno Francisco Lopéz (KTM), que era o líder, na segunda posição, com uma desvantagem de 43 segundos, enquanto Marc Coma, atual campeão

mundial e também piloto da KTM, foi terceiro a mais de 10 minutos do vencedor. O melhor português em prova acabou por ser Paulo Gonçalves, da Honda, que foi terceiro na etapa e terminou no sexto posto da geral, a 17.46 minutos de Lopez. A quinta ronda do Campeonato do Mundo de todo-o-terreno está agendada para 23 de julho, com o Rali dos Sertões, no Brasil, que termina a 4 de agosto.

O piloto dinamarquês Allan Simonsen morreu na sequência de uma acidente na terceira volta das 24 Horas de Le Mans, anunciou a organização da histórica corrida francesa de resistência automóvel. O Aston Martin pilotado por Simonsen, 34 anos, embateu com violência contra os "rails" de segurança da curva do Tertre Rouge, uma zona bastante rápida. A Rádio Le Mans, rádio oficial da corrida, anunciou inicialmente que o piloto dinamarquês tinha saído ileso. O comunicado o Automobile Club de l'Ouest indica no entanto que Simonsen foi transportado em estado grave para o centro médico do circuito, onde morreu pouco depois de chegar, devido aos ferimentos. O dinamarquês participava pela sétima vez nas 24 horas de Le Mans. A corrida, que se iniciou às 14h00 com a participação dos portugueses Pedro Lamy e Rui Águas, esteve interrompida durante 50 minutos e foi retomada pouco depois das 15h00 (hora portuguesa).


noticiário

28 de Junho de 2013

Campeonato Nacional de Motocross

Batalhas finais em Águeda O Campeonato Nacional de Motocross vai terminar em Águeda. Hugo Santos já conquistou antecipadamente a coroa Elite, mas as restantes títulos permanecem em aberto, prevendo-se duras batalhas nas classes de MX1 e Júnior. Os pilotos descontam o pior resultado da época para a contabilidade final, e por isso mesmo Hugo Santos já garantiu o título Elite em Fernão Joanes. Quanto à classe de MX1, Hugo Santos e Hugo Basaúla continuam a depender apena de si próprios. Se um deles ganhar as duas mangas em Águeda, sagra-se campeão. Fora isso, existem múltiplas combinações possíveis, sendo que até ao momento Basaúla tem como pior resultado 22 pontos, e Santos apenas 11. Em MX2 a situação parece mais pacífica, pois Sandro Peixe

só precisa de somar mais 9 pontos numa manga (um 12.º lugar) para arrebatar a coroa, liquidando as últimas hipóteses de Pedro Carvalho. Todavia, aqueles dois pilotos são também os candidatos ao título Júnior, e com outro equilíbrio, dependendo tudo do que fizerem nesta última jornada. Peixe está na frente, tem seis pontos de vantagem mas 22 como resultado mais baixo até agora, contra 15 pontos de Carvalho. No que respeita aos Iniciados, é prematuro entrar neste tipo de cálculos, pois o Campeonato dessa

Supermoto prossegue em Fátima

classe ainda terá mais três jornadas, sendo que na actualidade João Oliveira lidera destacado. Assim sendo, estão reunidas as condições para um vibrante espectáculo de Motocross na pista do GICA, um cenário de eleição para encerrar o Campeonato. Depois dos treinos e qualificações, no Domingo a partir das 14h30 é tempo de grandes decisões em Águeda.

Ficha técnica Organização: Motocross de Águeda 30 de Junho. Campeonato Nacional de Motocross, 6ª jornada. Crossódromo do Casarão, com 1500 metros. Lameirão do Candam, a 3 Km de Águeda. Treinos: sessões entre as 8h30 e 10h25. Corridas: das 10h40 às 12h10 – mangas de qualificação; 12h20 – Hobby; 14h30 – MX2; 15h20 – MX1; 16h15 – Iniciados; 16h50 - Hobby; 17h20 – Repescagem; 17h50 – Iniciados; 18h25 – Élite. Ginásio Clube de Águeda (GICA).

Corridas noturnas no sábado Os pilotos de Supermoto avançam para a segunda jornada do seu Campeonato em Fátima, com um programa de corridas noturnas no sábado.

Esta será a primeira de duas visitas ao Kartódromo Fun Park, com treinos durante a tarde e corridas a partir das 20h, num traçado com cerca de 90% em asfalto e o restante em terra. Espera-se que o volume de participantes aumente, face ao observado na ronda inaugural, em Braga, onde André Leite ganhou as duas mangas

de Supermoto, e o mesmo aconteceu com João Mendes no Supermoto Cup. Por outro lado, quanto ao MiniGP, face ao reduzido número de interessados até ao momento, em Fátima haverá dois momentos de demonstração dessa classe, designado “Espaço MiniGP”.

Organização: Circuito FunPark I 29 de Junho. Campeonato Nacional de Supermoto, 2.ª jornada. Kartódromo Fun Park, com 1900 metros (90% em asfalto). Boleiros, Fátima. Treinos: entre as 16h00 e as 19h30. Corridas – 1.ª manga: 20h00 – Supermoto Cup; 20h20 – Espaço MiniGP; 21h00 – Supermoto; 2.ª Manga: 21h30 – Supermoto Cup; 21h50 – Espaço MiniGP; 22h30 – Supermoto; FMP.

9


10

motociclismo

28 de Junho de 2013

Moto3 em Assen na Holanda

Miguel Oliveira quer “recuperar pontos” O português Miguel Oliveira manifestou o desejo de “recuperar pontos” na etapa de domingo do Campeonato do Mundo de Moto GP, em Assen, na Holanda, apesar das condições climatéricas adversas esperadas poderem condicionar o desenvolvimento da mota. “Estamos no bom caminho no que concerne ao desenvolvimento da moto. O novo motor que usámos na Catalunha ajuda a reduzir a diferença para os adversários, pelo que vou tentar estar junto deles e recuperar pontos no campeonato”, disse. Atento às previsões de chuva para o fim-de-semana na emblemática pista holandesa de Assen, o piloto por tuguês não consegue, porém, garantir ainda que alterações serão possíveis no que respeita ao desenvolvimento da moto.

“O circuito tem um traçado muito técnico e divertido e onde tenho muito boas memórias”, revela Miguel Oliveira, acrescentando que, talvez, em parte devido às condições climatéricas esperadas, não poderá concretizar todas as alterações desejadas à Mahindra. O circuito de Assen, que se tornou emblemático por ser o único a figurar no calendário do Campeonato Mundial quando a série começou, em 1949, conta atualmente com um comprimento de 4555 metros.

Campeonato Nacional de Enduro

Rotas do Douro anima Régua Os enduristas nacionais voltaram a trilhar as rotas à beira do Douro no próximo domingo. A quinta e antepenúltima jornada do Campeonato terá lugar na Régua, com bonitas paisagens no horizonte. O percurso de 48 quilómetros será traçado nos concelhos de Peso da Régua e Santa Marta de Penaguião, a cumprir em quatro voltas pelas classes principais, Elite e Open. Na Régua, o Parque Multiusos será local de partidas, chegadas e parque fechado. Quanto a troços especiais cronometrados, três por volta, situamse todos na zona de Viso – Fontes, onde também estará localizada a Zona de Assistência. O “Enduro Test” e “Cross Test” têm cada qual cerca de 5 Km de extensão e a “Extreme” perto de 2 Km. Este Enduro Rotas Do Douro con-

stituirá mais um palco para o confronto entre Luís Oliveira e Gonçalo Reis, na luta pelo título da classe Elite 1, pois encontram-se separados apenas por 6 pontos. Já na Elite 2, Diogo Ventura é o destacado comandante, mas se participar Luís Correia é um sério candidato à vitória absoluta. Quanto à categoria Open, Adelino Sousa tem bom avanço sobre a concorrência na classe 1, enquanto Fernando Ferreira ainda está invicto na classe 2. Veremos a reação dos adversários no Domingo, numa prova que os primeiros pilotos começam a enfrentar às 11h.

Organização: Enduro Rotas do Douro 30 de Junho Campeonato Nacional de Enduro, 5.ª jornada. De 48 Km, a cumprir em 4 voltas (3 para Verdes e Veteranos, 2 para Hobby). Peso da Régua. Partida: 11h00. Góis Moto Clube e Associação Clube Natureza Extreme.

Quad-Cross

Alteração à classificação do Troféu Basic A classificação final do Troféu Basic de Quad-Cross, referente à temporada de 2012, foi alterada, em consequência de uma decisão do Conselho de Disciplina da FMP, no âmbito do processo disciplinar n.º 2/ 2012. O referido processo disciplinar foi instaurado ao piloto Daniel Filipe Duarte Bernardo, na sequência do resultado de um controle anti-doping a que foi submetido na prova disputada em Castelo de Paiva. Além de uma advertência, o referido piloto foi ainda sancionado com a desclassificação nas duas últimas provas do Troféu (Castelo de Paiva e Góis), perdendo os pontos que havia conquistado. Assim sendo, a decisão afecta o ordenamento dos três primeiros classificados do Troféu Basic 2012. O respectivo vencedor passa a ser Joaquim Ribeiro, ficando Beto Paiva no 2.º posto, enquanto Daniel Bernardo desceu do primeiro para o 3.º lugar na classificação final da competição.


comércio & indústria

21 de Junho de 2013

11

Novo Mazda3 Hatchback em estreia mundial

Evolução para SKYACTIV O novo modelo do segmento compacto de 5 portas da Mazda foi apresentado simultaneamente em redor do globo. Evolui para nova geração, integrando a Tecnologia SKYACTIV e o design KODO, espelhando o sucesso da recuperação da empresa e as perspectivas positivas para o futuro

O novo Mazda3 Hatchback foi apresentado em simultâneo em cinco locais - incluindo três cidades europeias - a centenas de jornalistas, bloggers e elementos de redes sociais. Londres, Istambul e São Petersburgo foram as cidades europeias eleitas, para além de Nova Iorque e Melbourne. O modelo mais vendido da Mazda de todos os tempos tornase, assim, no terceiro membro de uma nova geração de automóveis do construtor, integrando a assinatura de design “KODO – A Alma do Movimento” e a sua completa

Tecnologia SKYACTIV, soluções que desafiam as convenções. O novo Mazda3 junta-se, assim, aos multi-premiados Mazda CX-5, um SUV compacto lançado em 2012, e Mazda6, berlina do segmento médio-superior. Composta por chassis, transmissões, carroçarias e motores de baixo peso, a Tecnologia SKYACTIV foi desenvolvida de raiz pela Mazda como base para a criação de veículos ultra-eficientes. Contribuiu, também, para trazer de volta a Mazda em termos de recuperação dos negócios: as evoluções conseguidas

através do inovador pacote SKYACTIV melhoraram consideravelmente a eficiência dos seus processos de produção e de desenvolvimento. O novo modelo compacto, que representa quase um terço das vendas globais da Mazda, é uma parte vital dos planos da empresa. Tendo já conquistado mais de 130 prémios desde o lançamento em 2003, a Mazda procurou aumentar novamente a fasquia neste segmento-chave. Para além do estilo KODO, apresenta um interior completamente redesenhado para maximizar o conforto e a capacidade

de exploração dos conteúdos. É proposto, também, um novo conceito de conectividade: integrando, entre outras, a rádio Aha, é um dos primeiros automóveis do segmento C a pôr os seus ocupantes online. O novo Mazda3 é, também, o mais recente modelo desenvolvido de acordo com o conceito de ZoomZoom Sustentável, estratégia da Mazda para construir automóveis simultaneamente eficientes e seguros, mas também extremamente divertidos de conduzir. Está, portanto, disponível com i-stop, o sistema de paragem/rearranque mais rápido do

mundo, e com o i-ELOOP, o sistema de regeneração de energia da travagem da Mazda. Quanto à performance, é impressionante graças aos novos motores e transmissões. Graças, ainda, a uma série de outras inovações SKYACTIV adaptadas a modelos de menores dimensões, como o próprio Mazda3, o modelo conta com uma maneabilidade que combina na perfeição com os restantes conteúdos, naquele que deverá ser um dos automóveis compactos mais seguros do mercado, quando estiver à venda nos mercados da Europa no próximo Outono.

Iveco premiada na Alemanha A Iveco venceu quatro prémios da ETM, um dos principais grupos editorais alemães especializados no sector do transporte e da logística. Três deles foram divulgados numa cerimónia que decorreu no passado dia 18 de junho na cidade alemã Estugarda. Do resultado da sondagem efectuada junto dos leitores, entre mais 11.000 participantes, o Daily Tourys foi eleito o Melhor Minibus Importado, o Daily conquistou o galardão de Melhor Veículo de Transporte Importado e o Eurocargo levou para casa o ceptro de Melhor Camião Importado na categoria até às 7,5 toneladas. Para além destes prémios, também a variante eléctrica do Daily já havia sido galardoada, dias antes, com o prémio Inovação para Unidades de Tração Alternativa, depois de uma avaliação feita às características de veículos de correio expresso e entrega de encomendas. Na base deste prémio foram avaliados diversos pontos, entre os quais o esforço demonstrado pela Iveco na promoção da mobilidade de veículos elétricos no segmento entre as 3,5 e as 5,2 toneladas. A gama Daily viu também reconhecida todas a sua oferta em termos de produto e também pelas suas características, entre as quais, a flexibilidade do chassis na acomodação de diversas carroçarias e a habitabilidade da cabina. Esta é a segunda distinção atribuída à versão eléctrica da gama de veículos comerciais ligeiros com assinatura Iveco, que já conquistara o Europäischer Transportpreis für Nachhaltigkeit (Prémio Europeu da Sustentabilidade) da responsabilidade do grupo editorial Huss Publishing.

Mercedes lança 19 novos AMG A Mercedes-AMG lança, durante o mês de junho, 19 novos modelos AMG de alta performance. Com um nível de potência entre os 360cv e os 751cv, os novos AMG garantem performance e eficiência. Esta iniciativa sem igual da marca representa a concretização da estratégia “AMG Performance 50”, a caminho do 50º aniversário da Mercedes-AMG GmbH, a celebrar em 2017. O modelo A 45 AMG representa a entrada da Mercedes-AMG pela primeira vez na sua história de mais de 45 anos na classe dos compactos. O motor AMG de quatro cilindros e 2.0 litros turbo tem uma potência de 360 cv e binário de 450 Nm. Os C 63 AMG, sob a forma exclusiva de “Edition 507”, estão equipados com um motor AMG V8 de 6.3 litros com mais 50 cv, para 507 cv e binário de 610 Nm. Acelera dos 0 aos 100 km/h em 4,2 / 4,3 segundos, com velocidade máxima de 280 km/h (limitada electronicamente). Já o novo E 63 AMG está disponível com versão S e tem uma

potência de 585 cv, binário de 800 Nm e sistema de tração integral AMG 4MATIC, que está também disponível como opção para os restantes modelos E 63 AMG. Por seu turno, os CLS 63 AMG Coupé e Shooting Brake beneficiam dos mesmos desenvolvimentos do E 63 AMG. Na versão S, o CLS 63 AMG tem tração integral AMG 4MATIC e motor AMG biturbo de 5.5 litros com 585 cv de potência e binário de 800 Nm. Inspirado na versão de corridas, o SLS AMG GT3, o quinto modelo Mercedes-AMG Black Series, é de construção leve de acordo com a estratégia “AMG Lightweight Performance”. O motor AMG V8 de 6.3 litros debita uma potência de 631 cv e acelera dos 0 aos 100 km/h em apenas 3,6 segundos. E com o SLS AMG Coupé Electric Drive, a Mercedes-AMG apresenta um super desportivo livre de emissões. Tem quatro motores eléctricos que, em conjunto, resultam numa potência de 751 e num máximo de 1000 Nm, acelerando dos 0 aos 100 km/h em apenas 3,9 segundos.


12

comércio & indústria

21 de Junho de 2013

Primeiras imagens do novo Citroën Grand C4 Picasso

Espaço e fluidez A Citroën revelou as primeiras imagens do novo Grand C4 Picasso, que se diferencia visivelmente da versão de 5 lugares e que representa um novo equilíbrio entre espaço interior e fluidez de linhas. Com efeito, a eficácia da nova plataforma EMP2 permite-lhe oferecer o melhor compromisso do mercado em termos de modularidade, habitabilidade e acessibilidade. Apresenta também os mais baixos níveis de emissões de CO2, com uma versão de apenas 98 g/ km, e inaugura a inédita e inovadora tecnologia BlueHDi. A nova plataforma modular EMP2 (Efficient Modular Platform 2) torna possível a utilização de uma distância entre eixos específica mais longa de 2,84 m (a maior da classe), que, apesar de a carroçaria manter o mesmo comprimento da geração anterior (4,59 m), permite oferecer mais modularidade graças a uma terceira fila de bancos escamoteáveis para acolher sete pessoas; mais hab-

itabilidade graças a mais espaço (o maior do segmento) entre a segunda e terceira fila de bancos; melhor acessibilidade ao habitáculo, principalmente à terceira fila de bancos, graças à abertura optimizada das portas; e mais volume de carga graças à bagageira com mais 69 litros de capacidade (645 litros VDA e mais de 700 litros com a segunda fila avançada ao máximo). A nova motorização BlueHDi cumpre a norma Euro 6 graças à adopção de um módulo SCR (Selective Catalytic Reduction), a única tecnologia capaz de reduzir significativamente as emissões de NOx (- 90%) ao mesmo tempo que diminui as emissões de CO2. O resultado traduz-se num balanço final, em termos performances/consumos, totalmente inédito na classe: uma potência de 150 cv para apenas 110 g/km de CO2 com caixa de velocidades manual, e 117 g/km com a caixa automática de última

geração. Graças a um design marcante, o novo modelo tem todos os melhoramentos da nova geração C4 Picasso, apresentando, contudo, características e inovações específicas como o habitáculo desenvolvido ao estilo de um loft com um ambiente refinado e um conforto excepcional para todos os ocupantes, dispondo, além do pack lounge, de saídas de climatização específicas para a terceira fila de bancos; tecnologias ao serviço do bemestar com um interface de condução 100 % táctil associado a um ecrã panorâmico de alta definição de

Vencedores encontrados O concurso Young Creative Chevrolet já elegeu os vencedores das quatro categorias em competição (Moda, Fotografia, Vídeo e Artes Visuais) da fase nacional de 2013. Os estudantes Luís Emílio, da Modatex, e Sofia Reis, da Escola Superior de Artes e Design, obtiveram o primeiro prémio nas categorias de Moda e Artes Visuais, respectivamente. Uma equipa de estudantes da escola Magestil venceu o primeiro prémio de Fotografia, enquanto em Vídeo se classificou em primeiro lugar um grupo de estudantes da Escola Secundária Cacilhas-Tejo. Organizado pela Chevrolet junto de escolas, universidades e institutos politécnicos de quase toda a Europa, este concurso de artes aplicadas tem como objectivo desenvolver e dar a conhecer as competências dos estudantes nas suas respectivas áreas, premiando os melhores projectos. Para tema central da edição deste ano, que servia de inspiração para os projectos criativos e definiu os briefings a cumprir nas quatro categorias, foi escolhido o futebol, assinalando a parceria global da Chevrolet com o Manchester United e com o projecto One World Futbol.

Um júri composto pelo designer e presidente do Museu Português de  Design, Nuno Sá Leal, pela  designer de moda Maria Gambina e pelo realizador de cinema e televisão Adriano Nazareth elegeu as melhores propostas entre os mais de 50 projectos apresentados. Este ano, o júri decidiu por unanimidade não atribuir o terceiro lugar em qualquer uma das disciplinas. A cerimónia de entrega de prémios da fase nacional realizou-se em Lisboa, durante a gala anual dedicada à Rede de Distribuidores da marca Chevrolet em Portugal, contando com a presença de mais de 200 pessoas, incluindo professores dos alunos premiados. Como habitualmente, os quatro trabalhos classificados em primeiro lugar nesta fase irão agora juntar-se aos projectos vencedores do resto da Europa. Depois deste primeiro apuramento, a segunda etapa da selecção caberá a um júri europeu, constituído por personalidades de referência nas áreas criativas, da indústria e comunicação, bem como por representantes da Chevrolet. A reunião de júri está agendada para o início de Julho próximo.

12 polegadas; inovações para uma condução sempre mais fácil com a adopção do conceito Vision 360, exclusivo no segmento e disponível logo desde o lançamento; e compromisso

conforto/comportamento totalmente diferente das gerações anteriores, graças à direcção com assistência eléctrica e à optimização da ligação ao solo.

C4 Picasso com 5 estrelas EuroNCAP

O novo Citroën C4 Picasso obteve a classificação de 5 estrelas nos mais recentes testes EuroNCAP, como recompensa do trabalho efectuado, em particular no domínio da segurança, mas igualmente no que se refere à nova plataforma EMP2, de que é o primeiro modelo do Grupo PSA Peugeot Citroën a usufruir. A pontuação global alcançou os 82% segundo o protocolo de 2013, com resultados individuais de 5 estrelas nas seguintes quatro categorias: Protecção de Adultos, Protecção de Crianças, Protecção de Peões e Sistemas de Assistência. O novo C4 Picasso está disponível com sistemas de apoio à condução ao serviço da segurança, tais como a regulação activa, que adequa a velocidade em função dos restantes veículos; o alerta de anti-colisão com três informações diferenciadas - visual, sonora e física, através do cinto de segurança; o controlo de tracção inteligente; cintos de segurança activos nos lugares dianteiros, com se trancam no caso da detecção de um perigo; o sistema de vídeo de alerta de transposição involuntária da faixa de rodagem (Afil); a comutação automática entre médios e máximos; o sistema de vigilância de ângulo morto; e o Citroën eTouch, um pacote de serviços gratuito e disponível 24h por dia, com alerta manual ou automático na sequência de incidentes ou de acidentes, com sistema de localização para uma intervenção de socorro.


Motor 28 06 2013