Issuu on Google+

MERCEDES SOMA MAIS UMA NICO ROSBERG REPETE TRIUNFO NO GRANDE PRÉMIO DO MÓNACO

Há 145 anos, sempre consigo. 1868

Continente - 0,60 € (iva incluido) – Ilhas - S. Miguel e Madeira - 0,75 € (iva incluido) – Porto Santo 0,80 € (iva incluido)

Director: Angela Amorim | Distribuição Gratuita | www.edvsemanario.pt |

|

DIÁRIO NACIONAL

Diretor: Rui Alas Pereira | ISSN 0873-170 X |

Ano CXLVI | N.º 128

Segunda-feira, 26 de maio de 2014

PS VENCE EUROPEIAS ABSTENÇÃO RECORDE

E ASSIS APONTA O DEDO À DIREITA...

DERROTA

HISTÓRICA n ”Não faz nenhum sentido retirar destas eleições conclusões para as legislativas”

n O cabeça de lista socialista às eleições europeias considera que se inicia um “novo ciclo” em Portugal, afirmando que a coligação PSD/CDS teve uma “derrota histórica” e que o PS se tornou novamente o maior partido, apesar da abstenção recorde (65,5%). “O conceito de vitória esmagadora não existe na vida democrática, porque o PS nunca quer esmagar os seus adversários”, destacou Assis... n CDU destaca-se como terceira força política que

TROFA

população de Muro vai continuar a lutar pela linha do Metro

SURPRESA

OU TALVEZ NÃO... Marinho e Pinto consegue ser eleito

CONTINUA A CRESCER

ESCOLA

Estudo revela que os rapazes são as principais vítimas do bullying homofóbico


local porto

2 | O Primeiro de Janeiro

Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

Freguesia de Muro (Trofa) protesta pela linha do Metro

“Sem votar vamos continuar a lutar” As mesas de voto para as eleições Europeias na freguesia do Muro, concelho da Trofa, não abriram às 08h:00 como estava previsto, numa forma de reivindicação pela construção da linha de metro. De acordo com o presidente da Junta do Muro, Carlos Martins, o edifício onde era previsto realizar-se o ato eleitoral, a sede da Junta de Freguesia, está aberto, mas as dez pessoas responsáveis pelas mesas de voto não apareceram. Às 09h30 ainda não existia indicação sobre se as mesas de voto chegariam a abrir. Na sexta-feira um grupo de cidadãos do Muro tinha apelado à população desta freguesia para que não votasse nas eleições Europeias, como forma de reivindicação pela construção da linha de metro: prolongamento da linha do Instituto Superior da Maia (ISMAI) até à Trofa. “Dia 25, sem votar, vamos continuar a lutar! Junte-se a todos os Murenses no Largo da Estação, e demonstre a sua indignação!”, era um dos apelos que contavam de uma carta que foi inserida nas caixas

Operação em Vila do Conde,Póvoa de Varzim e Santo Tirso

Três condutores detidos sob efeito de álcool

TROFA. Eleitores da Freguesia de Muro, na Trofa, fizeram boicote por ainda não terem a linha de Metro prometida de correio da população do Muro. Perto de 9,7 milhões de eleitores foram ontem chamados a eleger os 21 deputados portugueses no Parlamento Europeu, menos um do que há cinco anos. No total, concorreram 16 listas, mais três do que nas europeias de 2009. Nas eleições realizadas há

cinco anos, o PSD, que agora concorre coligado com o CDSPP, elegeu oito eurodeputados, enquanto o PS conseguiu conquistar sete lugares no Parlamento Europeu. O BE foi a terceira força política mais votada, elegendo três eurodeputados, e o CDS-PP elegeu dois, tal como a CDU. A abstenção nas eleições realizadas a 07 de

junho de 2009 foi de 63,22%, mesmo assim abaixo do valor recorde registado em 1994, 64,46%. No total, serão eleitos 751 eurodeputados pelos 28 Estados-membros da União Europeia, que representarão cerca de 500 milhões de cidadãos da UE nos próximos cinco anos.

Acidente no centro da cidade do Porto

Boicotes em Paços de Ferreira

Protestos em Lamoso e Codessos A população de duas antigas freguesias de Paços de Ferreira colocou cadeados junto às secções de voto, atrasando o início da votação, mas a GNR conseguiu normalizar a situação. De acordo com a fonte da GNR, os cadeados foram cortados pelos guardas presentes pouco antes das 9h00, nas anti-

gas sedes das juntas de Lamoso e Codessos, apesar de algumas centenas de populares continuarem no local. Em Lamoso, o processo eleitoral teve início, mas com pouca participação dos populares. Em Codessos, e à mesma hora, estavam a ser ultimados os preparativos para a abertura das secções de voto.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) do Porto informou ontem terem sido detidos três indivíduos por condução sob o efeito do álcool numa operação realizada nos concelhos de Vila do Conde, Póvoa de Varzim e Santo Tirso. Em comunicado, o Comando Metropolitano do Porto da PSP disse que a operação foi desenvolvida pela divisão de Vila do Conde entre as 00h00 e as 07h00 de ontem. Durante esse período foram fiscalizados 150 condutores, 91 dos quais sujeitados ao teste de álcool no sangue. Para além disso, 31 cidadãos foram “identificados no âmbito do combate à posse de armas ilegais e ao consumo e tráfico de estupefacientes”. A PSP referiu ainda ter registado 25 infrações ao Código da Estrada e ter instaurado seis autos de notícia no âmbito da fiscalização de estabelecimentos.

A população daquelas antigas freguesias protesta contra a recente agregação com Sanfins de Ferreira, no âmbito da reforma do poder local. Em Sanfins de Ferreira, sede da nova freguesia, a votação decorreu com normalidade. Perto de 9,7 milhões de eleitores foram ontem chamados a eleger os 21 deputados portu-

gueses no Parlamento Europeu, menos um do que há cinco anos. No total, concorreram 16 listas, mais três do que nas europeias de 2009. No total, serão eleitos 751 eurodeputados pelos 28 Estados-membros da União Europeia, que representarão cerca de 500 milhões de cidadãos da UE nos próximos cinco anos.

Colisão provoca um morto

Uma colisão entre um veículo ligeiro de passageiros e um motociclo causou ontem um morto, no centro da cidade do Porto, informou fonte dos Sapadores Bombeiros. De acordo com a mesma fonte, o acidente teve lugar pelas 03h15 na rua Sá da Bandeira. A vítima mortal era o condutor do motociclo, adiantaram ainda os Sapadores Bombeiros.


Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

regiões

O Primeiro de Janeiro |

Populações aproveitam eleições europeias para realizarem protestos

Boicotes afastam mais de 12 mil eleitores Já em Ourondo, este ano, os habitantes voltaram a protestar, mas sem distúrbios ou impedimento da votação. Moita Flores fala sobre processo da CMS

Comissão não avançou

A Câmara Municipal de Santarém, aquando da presidência de Francisco Moita Flores, chegou a acordo para criar uma comissão arbitral que avaliaria o valor da dívida para com uma construtora. Ontem, o antigo autarca, Moita Flores, afirmou que, quando saiu do município no final de 2012, tinha sido alcançado um acordo para o estabelecimento de uma comissão arbitral “para ver qual era o valor da dívida e essa comissão arbitral era constituída por um técnico da câmara, um técnico da empresa e um perito nomeado do Ministério da Justiça”, mas não chegou a avançar. De acordo com o jornal i de sábado, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria condenou o município ao pagamento de cerca de 1,8 milhões de euros à empresa A. Machado e Filhos por trabalhos feitos em 2009 – remodelação de instalações camarárias e demolição de um edifício - e que acabaram por nunca ser pagos. Já no sábado, o presidente da Câmara de Santarém disse que o município vai recorrer “até ao Supremo se necessário” no processo. Ricardo Gonçalves (PSD) contou que o processo noticiado é um dos vários da “herança bastante pesada” que recebeu dos vários mandatos passados, referindo que a câmara se arrisca a, num dos processos mais antigos a correr em tribunal, ter que pagar cerca de 15 milhões de euros.

As mesas de voto para as eleições europeias não abriram, ontem, em 12 freguesias, de cinco concelhos em todo o País, excluindo assim da votação mais de 12 mil eleitores, segundo dados da Direção-Geral da Administração Interna, ao final da manhã. Estes boicotes locais às eleições europeias foram promovidos pelas populações, como forma de protesto. De acordo com o diretor-geral da Administração Interna, Jorge Miguéis, todas as sete freguesias do concelho de Murça, que abrangem 6.952 eleitores, estavam fechadas à hora de abertura das urnas, como protesto pelo encerramento de serviços e pela possibilidade de introdução de portagens na Autoestrada. Quanto à freguesia de Muro, no concelho da Trofa, também as mesas de voto não chegaram a abrir, deixando de fora da votação 1.630 eleitores, enquanto no concelho de Serpins, na Lousã, ficam sem exercer o direito de voto um total de 1.505 eleitores, acrescentou o responsável. Nestes dois casos, os protestos estão relacionados com a linha do metro: em Muro, a população reivindica a sua construção, ao passo que em Serpins exige a conclusão das obras do projeto. No concelho da Covilhã, duas freguesias ficaram sem votantes. Na freguesia de Orjais, com 768 eleitores, a escola foi fechada a cadeado, contra o anunciado encerramento daquele estabelecimento de ensino, e a mesa de voto não chegou a abrir. Ainda no mesmo concelho, segundo a mesma fonte, ficou fechada a secção de voto de Vales do Rio, que tem 726 eleitores inscritos. Em Ponte de Lima, não abriu a urna de voto da Gemieira, uma freguesia com 561 eleitores. Ourondo “em luto e luta”

Alguns habitantes do Ourondo,

De norte a sul. Estes boicotes locais às eleições europeias foram promovidos pelas populações, como forma de protesto

Primeira sessão hoje

Homem que atirou cerveja a Jardim julgado

O início do julgamento do homem que atirou uma cerveja ao presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, durante a Festa da Uva, em Machico, em 2012, está agendado para hoje, no Tribunal de Santa Cruz. O arguido, um motorista com 44 anos, é acusado pelo Ministério Público de um crime de ofensa à integridade física qualificada

e outro de injúria agravada. O Ministério Público (MP) refere que no momento em que o governante “se encaminhava para o local onde iria discursar” o arguido arremessou “um copo de material plástico maleável”, contendo cerveja, atingindo o presidente do executivo madeirense, que se constituiu assistente neste processo. A acusação acrescenta que Jardim “sofreu dores e incómodos”, considerando-se ainda “atingido na sua honra e consideração pessoal e profissional”.

localidade do concelho da Covilhã onde as eleições autárquicas foram boicotadas em setembro de 2013, voltaram a manifestar-se contra a agregação da freguesia, mas não causaram distúrbios nem impediram o voto. O protesto foi realizado ao final da missa, altura em que os populares se reuniram no principal largo da localidade já com bombos, bandeiras e vestindo camisolas nas quais se podia ler: “em luto e em luta contra o Ourondo”. Seguidos sempre de perto por elementos da GNR, os manifestantes percorreram depois a rua de acesso à secção de voto para as eleições europeias. A caminhada foi animada ora pelo som dos bombos, ora por interpretações do «Hino do Ourondo» e da Grândola Vila Morena e os ânimos só se exaltaram quando os manifestantes viram um dos elementos da União de Freguesias de Casegas e Ourondo. “Não impedimos ninguém de votar. Quem quiser votar que o faça. Esta é apenas mais uma jornada de luta para que quem decidiu perceba que fez mal em juntar as duas freguesias [Casegas e Ourondo] e que nós estamos a ser prejudicados”, referiu Carlos Bicho, porta-voz do Movimento do Povo do Ourondo. Carlos Bicho garantiu ainda que o movimento realizará uma queixa contra o que considera ter sido a “constituição ilegal” da mesa de voto, que foi nomeada pela Câmara Municipal da Covilhã. Depois de não ter sido indicado nenhum nome, o presidente do município, Vítor Pereira, optou por nomear os mesmos delegados das autárquicas. Todavia, dois deles mostraram-se indisponíveis, pelo que pela manhã a mesa abriu com três elementos, tendo depois sido nomeado pelo presidente da união de freguesias um quarto elemento. “Este processo está todo mal e vamos apresentar queixas porque houve aqui ilegalidades”, disse Carlos Bicho. Perto de 9,7 milhões de eleitores foram chamados a eleger os 21 deputados portugueses no Parlamento Europeu, menos um do que há cinco anos. No total, concorreram 16 listas, mais três do que nas europeias de 2009.


4 | O Primeiro de Janeiro

nacional

Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

Assis fez discurso de vitória apesar da abstenção nas Europeias

“Derrota histórica da direita” O cabeça de lista socialista às eleições europeias considera que se inicia um “novo ciclo” em Portugal, afirmando que a coligação PSD/CDS teve uma “derrota histórica” e que o PS se tornou novamente o maior partido, apesar da abstenção recorde (68,7%). Francisco Assis sustentou, no seu primeiro discurso da noite, que o triunfo eleitoral é “em primeiro lugar” uma vitória do líder, António José Seguro, e traduz uma “reconciliação” dos portugueses com o seu partido. Estas posições foram assumidas por Francisco Assis em resposta a questões dos jornalistas, após terem sido divulgadas pelas televisões as primeiras projeções dos resultados das eleições europeias. “Quero dirigir uma saudação a António José Seguro e quero dizer que, sendo esta uma vitória de todos os socialistas, é em primeiro lugar uma vitória do líder do PS”, declarou Assis. Nas suas declarações, o “número

ASSIS. O cabeça de lista do PS às Europeias considera que inicia um “novo ciclo” em Portugal, apontando “uma derrota histórica” da coligação do Governo um” da lista europeia socialista procurou salientar a existência de um clima de unidade interna no seu partido. “Já há muito tempo que o PS percebeu que há um momento para as discussões internas e há um momento para nos afirmamos unidos perante o país. Foi isso que fizemos e também foi por isso que ganhámos as eleições”, advogou. Interrogado se o PS não ficou distante de obter uma vitória “esmagadora” perante a coligação PSD/CDS - as projeções apontam para uma diferença entre os quatro e dos dez pontos percentuais -, Francisco Assis recusou o conceito inerente à pergunta. “O conceito de vitória esmagadora não existe na vida democrática, porque o PS nunca quer esmagar os seus adversários”, começou por responder.

Depois, Assis frisou que o seu partido obteve “uma vitória clara” nas eleições para o Parlamento Europeu. “Sempre me recusei a quantificar esse triunfo do PS, até porque a coligação que suporta o Governo surgiu unida nestas eleições – uma união na base do medo”, disse. De acordo com Assis, nestas eleições europeias, a coligação PSD/ CDS-PP teve “um absoluto descalabro” em contraste com o triunfo do PS. “Quem tem de começar a retirar ilações é a direita que suporta o Governo em Portugal e não PS. Este resultado é o espelho de um profundo desencanto pelas políticas do Governo e um grande sinal de reconciliação do país com o PS”, declarou. Quem também não perdeu tem-

po para “bater” em Cavaco Silva foi Manuel Alegre. O ex-candidato presidencial pelo PS considerou que o atual Presidente da República “deve refletir” nos resultados das eleições e nas posições políticas que tem tomado, acusando Durão Barroso de conduzir a Europa para “um abismo”. “Estas eleições representaram uma vitória do PS, que aparece como uma força de mudança e de alternativa, e uma derrota histórica da coligação de direita – uma derrota pela maneira como dirigiu o país e pela política europeia que fez, numa total submissão às instituições europeias”, declarou o dirigente “histórico” do PS à chegada ao “quartel-general” onde a direção dos socialistas está a acompanhar a evolução dos resultados eleitorais.

Paulo Rangel e Nuno Melo saúdam PS pela vitória mas recusam “euforia”

“Parabéns mas sem triunfalismos” O cabeça de lista da Aliança Portugal ao Parlamento Europeu saudou o PS pela vitória nas eleições europeias, mas considerou que os socialistas não têm razão para “entrar na euforia” manifestada por Francisco Assis. Numa declaração feita no hotel de Lisboa onde estão concentrados os candidatos e dirigentes da coligação PSD/ CDS-PP, Paulo Rangel deu também os parabéns à CDU e ao MPT e aos respetivos cabeças de lista, João Ferreira e Marinho e Pinto, dizendo que tiveram “resultados relevantes nesta noite”. Paulo Rangel lamentou a derrota da Aliança Portugal, mas sustentou que olhando para o que se passou com “muitos governos” da União Europeia, os resultados obtidos por PSD e CDS-PP são “comparativamente interessantes”.

Da mesma opinião era o primeiro candidato do CDS-PP da Aliança Portugal, Nuno Melo, que também recusou retirar quaisquer conclusões das eleições europeias para legislativas, sublinhando que o PS não teve “nenhuma vitória estrondosa”, apesar da “conjuntura particularmente favorável”. “Não faz nenhum sentido retirar destas eleições, que são europeias, conclusões para eleições legislativas”, declarou Nuno Melo, em declaração conjunta com o cabeça de lista, o social-democrata Paulo Rangel no centro de convenções de um hotel de Lisboa onde a candidatura está reunida. O candidato centrista reconheceu a vitória do PS e cumprimentou o cabeça de lista socialista, Francisco

Assis, mas referiu que “nestas eleições europeias o PS fica muito abaixo dos 44%, ou seja, do seu resultado de 2004”. “Se o PS fica muito abaixo do seu resultado de 2004, que foi 44%, não teve obviamente nenhuma vitória estrondosa, muito embora concorrendo até numa conjuntura particularmente favorável. Os dois partidos coligados representam para todos os efeitos os dois partidos que estão no Governo, e aplicaram um programa que foi difícil e de austeridade”, argumentou, destacando que “o PS merece os parabéns pela vitória, mas sem poder entrar em triunfalismos”. Na TVI, o antigo líder do PSD considerou que as projeções das europeias anteveem uma derrota “histórica” e “pesada” para o PSD/CDS-

PP, embora para o PS não se preveja uma “vitória histórica”. “É uma derrota histórica para coligação, mas o PS não teve uma vitória histórica”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, que liderou os sociais-democratas entre 1996 e 1999, destacando também “a vitória monumental” que a CDU poderá vir a alcançar em relação ao Bloco de Esquerda. Marcelo Rebelo de Sousa considerou também que “as coligações podem ser muito boas em determinados contextos, mas há momentos em que podem ser redutoras”. “Não é líquido que a coligação seja sempre a melhor maneira para partidos isolados”, disse avançando com a possibilidade de um Governo de Bloco Central nas próximas eleições legislativas, caso se confirmem nas europeias os resultados das projeções.

João Ferreira (CDU) satisfeito

“Um dos maiores resultados de sempre”

O cabeça de lista da CDU João Ferreira congratulouse com “um dos maiores resultados de sempre em eleições europeias” e fez notar a “pesada derrota dos partidos do Governo” e a “redução da expressão eleitoral” de PSD, PS e CDS-PP. “Uma saudação a todos os que se juntaram à CDU nestas eleições, tornando possível o que terá sido, seguramente, um grande resultado, um dos maiores de sempre em eleições para o Parlamento Europeu”, afirmou, perante uma pequena plateia de membros da Juventude Comunista Portuguesa, com bandeiras e palavras de ordem, no centro de trabalho Vitória, em Lisboa. O cabeça de lista de comunistas e ecologistas quis “assinalar o que foi uma pesada derrota eleitoral dos partidos do Governo”, uma vez que “PSD e CDS atingem a menor percentagem de sempre juntos”, numa “pesadíssima derrota destes partidos e da sua ação governativa”. Marinho e Pinto e a sua eleição

“Resultado natural”

O cabeça de lista do MPT – Partido da Terra considera que a sua eleição para o Parlamento Europeu é o “resultado natural” do processo, no qual participou de forma voluntária e consciente. Nas primeiras declarações aos jornalistas, António Marinho e Pinto afirmou ter entrado nesta corrida eleitoral para “ser eleito”. “Considero o resultado natural dado o processo no qual intervim voluntariamente e conscientemente, com o objetivo de ser eleito, se o conseguir muito, se não o conseguir, muito também”, afirmou. Cerca de 30 minutos depois de conhecidas as primeiras projeções que davam a eleição entre um a dois deputados para o MPT, o antigo bastonário da Ordem dos Advogados chegou à sua sede de candidatura, localizada na Avenida de Roma, em Lisboa, entre aplausos e abraços.


economia

Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

O Primeiro de Janeiro | 5

Nova máquina fotográfica Leica T começa hoje a ser vendida

De Famalicão para o mundo

Abastecimento de petróleo

Venezuela e Rússia assinam novo acordo

A empresa estatal Petroléos da Venezuela SA (Pdvsa) e a russa Rosneft assinaram no sábado um acordo por 2.000 milhões de dólares (1.470 milhões de euros), para o abastecimento de petróleo e derivados. O acordo, segundo um comunicado divulgado pela Pdvsa, foi assinado pelo ministro venezuelano de Petróleo e Minas, Rafael Ramírez e o presidente da Rosneft, Igor Sechin. Segundo a imprensa venezuelana o acordo prevê que a Pdvsa abasteça 1,6 milhões de toneladas de petróleo e 7,5 milhões de toneladas de derivados, nos próximos cinco anos, em condições de pré-pagamento. A russa Rosneft participa como sócio minoritário da Pdvsa nas empresas mistas Petrovictória, Petromonágas e Petromiranda, na Faixa Petrolífera de Orinoco (a sudeste de Caracas).

A unidade de Famalicão, que fabrica máquinas fotográficas e binóculos da marca, está já a produzir o corpo de alumínio da Leica T. A produção do corpo de alumínio da nova máquina fotográfica Leica T vai representar para a unidade de Vila Nova de Famalicão da Leica Portugal entre 1,5 e dois milhões de euros, revelou, ontem, o administrador Carlos Mira. A nova máquina, que foi apresentada a 24 de abril, começa a ser comercializada em todo o mundo a partir de hoje. A unidade de Famalicão, que fabrica máquinas fotográficas e binóculos da marca, está já a produzir o corpo de alumínio da Leica T, tendo já feitas 6000 unidades, a uma média de 750 por semana. Questionado sobre qual o impacto do novo modelo para a

Leica T. Produção do corpo de alumínio da nova máquina fotográfica representa para a unidade lusa entre 1,5 e dois milhões de euros

subsidiária portuguesa, Carlos Mira disse que “representa cerca de 1,5, até dois milhões de euros” de faturação. Em junho, a unidade portuguesa do grupo alemão prevê produzir 750 unidades por semana. A produção do corpo da nova Leica T-Systems, que tem um ecrâ tátil e traz como inovação um módulo «wi-fi» integrado, acontece depois da Leica Portugal ter inaugurado uma nova unidade, que substituiu a anterior, no ano passado, num investimento de 22,5 milhões de euros. A mudança de instalações teve como objetivo aumentar a produção e a qualidade da subsidiária portuguesa, de acordo com o administrador. A unidade portuguesa exporta praticamente toda a sua produção para a Alemanha. No ano fiscal de 2012 (que terminou em março de 2013), a empresa registou uma faturação de 40 milhões de euros, tendo aumentado 25% no ano seguinte, para 50 milhões de euros. Para o ano fiscal de 2014, a empresa prevê uma faturação de 52 milhões de euros. A empresa conta com cerca de 757 trabalhadores.

Projeto de cartografia no Congo

Vitória portuguesa

Angola quer dois milhões de barris por dia

A consultora portuguesa Sinfic ganhou um projeto de “cartografia censitária, no registo da população” da República Democrática do Congo (RDC), no valor de 15 milhões de euros, revelou, ontem, um administrador da empresa. O projeto internacional terá “uma duração de 14 meses para o censo da população e da habitação”, que se estima em “cerca de 70 milhões

de pessoas” em todo o território da RDC, precisou Paulo Amaral. A Sinfic vai “iniciar agora o recrutamento” e seleção dos “colaboradores locais”, que vão utilizar “tecnologia de ponta”, através de uma parceria da consultora e da Fujitsu, para “cadastrar e registar os dados da população” num equipamento tipo ‘Tablet’, acrescentou Paulo Amaral. O trabalho

Como a Agência Europeia de Design 2014

A construção da refinaria de Lobito e a marca dos dois milhões de barris de petróleo produzidos por dia são objetivos definidos pelo Governo angolano até 2017 para o setor petrolífero, que também pretende continuar a «angolanizar». Os objetivos constam do programa do executivo para o setor dos petróleos no período legislativo 2013/2017 e a sua concretização foi reforçada pelo ministro da tutela, Botelho de Vasconcelos, durante o X conselho consultivo alargado do Ministério dos Petróleos. “Estamos no segundo ano da legislatura, assumimos esse compromisso junto do Governo, por isso, temos que fazer, anualmente, este acompanhamento do desempenho do setor até ao fim dessa mesma legislatura com os objetivos atingidos”, afirmou o ministrou, citado pela agência de notícias angolana Angop. A produção de dois milhões de barris de petróleo por dia em 2015, face aos cerca de 1,7 milhões perspetivados para este ano, continua a ser a grande prioridade.

Dupla de designers portugueses premiada

A dupla de designers portugueses R2, composta por Lizá Ramalho e Artur Rebelo, foi distinguida, na Alemanha, como a Agência Europeia de Design 2014 pelos European Design Awards (EDAwards). Além de receber o prémio principal da EDS, o estúdio R2 recebeu dois Gold Awards com o «Jornal dos Arquitectos», na categoria de melhor revista, e para o logótipo desenvolvido para a produtora Um Segundo Filmes. Como estúdio de design, têm criado projetos para clientes nacionais e estrangeiros como o Museu Coleção Berardo, o Museu de Serralves, a Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa e Paris), Esquire Magazine (Estados Unidos), Casa da Música e Eduardo Souto de Moura.

“inovador no Congo está a abrir portas” em Angola, Brasil, Moçambique, Tunísia e “agora mesmo em Marrocos”, acrescentou o administrador Paulo Amaral. A faturação da Sinfic, no contexto do grupo, foi de 60 milhões no último ano com Portugal a representar apenas 10 milhões do total de proveitos da empresa, concluiu Paulo Amaral.


desporto

6 | O Norte Desportivo

Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

Piloto da Mercedes segura «pole position» e vence GP do Mónaco

Vitória para Rosberg Numa corrida que voltou a acentuar o domínio da Mercedes, Rosberg conseguiu a sua segunda vitória da temporada, já que venceu na Austrália. O piloto alemão Nico Rosberg (Mercedes) venceu, ontem, o Grande Prémio do Mónaco em Fórmula 1 e assumiu a liderança do Mundial, à frente do seu colega de equipa, o britânico Lewis Hamilton. Num circuito pouco rápido, estreito com as suas curvas, contracurvas e túneis, Rosberg segurou a «pole position» que tinha conquistado e Hamilton o segundo lugar, apesar de pressionado pelo piloto australiano Daniel Ricciardo (Red Bull), que foi terceiro. Numa corrida que voltou a acentuar o domínio da Mercedes, Rosberg conseguiu ainda a sua segunda vitória da

Mónaco. Num circuito pouco rápido, Rosberg segurou a «pole position» e Hamilton o segundo lugar, enquanto Ricciardo foi terceiro

Ronaldo elogiado após a «décima»

“De outro planeta” Claro e sem poupar nos elogios, Aurélio Pereira considerou, ontem, que Cristiano Ronaldo “é de outro planeta” e vai ser seguramente o “melhor jogador português de todos os tempos”. “Hoje em dia os golos são muitos caros e ele não era goleador e transformou-se num goleador fantástico e logicamente hoje a indústria do futebol é altamente exigente e ele tem demonstrado que é um jogador

de outro planeta. Não tenho dúvidas nenhumas de que possa ser considerado o melhor jogador português de todos os tempos”, afirmou Aurélio Pereira, no Canadá. Quanto à final da Liga dos Campeões, disputada no sábado em Lisboa, onde Real Madrid bateu o Atlético de Madrid, por 4-1, após prolongamento, Aurélio Pereira diz que o capitão da seleção está “extremamente feliz” com a conquista

do troféu que “ansiava ter”. Agora há que “descansar, recuperar energias, revitalizar o espírito”, porque se aproxima etapa do Mundial e todos os jogadores portugueses estão “desejosos que comece”. Mais de 200 pessoas registaram ferimentos leves durante as celebrações da conquista da 10.ª Liga dos Campeões pelo Real Madrid, que decorreram na praça Cibeles, no centro da capital espanhola.

Final de -81 kg na Taça da Europa de Judo

João Martinho conquista medalha de ouro

O judoca João Martinho conquistou, ontem, a medalha de ouro na Taça da Europa de juniores, na Corunha, ao vencer na final da categoria de -81 kg o turco Ali Cecenoglu, por ippon. João Martinho começou por vencer dois combates (ambos por ippon), que lhe deram a vitória na poule C e o acesso às meias-finais, nas quais derrotou o suíço Florian Droux, com um duplo waza-ari (ippon). O triunfo do judoca junta-se ao de Joana Diogo, que no sábado, na categoria de -48 kg, também venceu nesta Taça da Europa, ao derrotar na final igualmente uma judoca turca, Gulkader Senturk, e também após quatro combates. Nuno Saraiva ganhou uma medalha de prata e Vasco Santos conquistou o bronze.

temporada, já que venceu na estreia, na Austrália, numa corrida em que Hamilton teve que abandonar. Segundo nos quatro grandes prémios seguintes, atrás do britânico, o piloto alemão soma agora 122 pontos, enquanto Lewis Hamilton tem 118. Na terceira posição do campeonato do Mundo segue o espanhol Fernando Alonso (Ferrari), com 61 pontos e que ontem foi quarto, e Daniel Ricciardo (Red Bull), 54 pontos, que fechou o pódio no circuito monegasco. A corrida de ontem foi muito acidentada, com duas entradas do «safety car» e oito abandonos, entre eles o do tetracampeão mundial Sebastian Vettel (Red Bull), que no Mundial segue na sexta posição. Os momentos de maior frenesim na corrida aconteceram já na reta final quando Hamilton – que até às últimas dez voltas esteve a menos de um segundo de Rosberg -, começou a perder tempo e se viu acossado por Ricciardo. Já Fernando Alonsoacabou por tirar proveito dos problemas de Kimi Raikkonen e de Vettel.

Gastão Elias eliminado

João Sousa defronta hoje Novak Djokovic O português Gastão Elias foi, ontem, eliminado na primeira ronda do torneio de ténis de Roland Garros, em Paris, ao perder com o argentino Diego Sebastian Schwartzman, por 6-4, 6-2 e 7-5. A primeira participação do número dois luso no torneio francês do Grand Slam, o segundo da temporada, resumiu-se a duas horas e 24 minutos, tempo que bastou ao argentino, 111.º da classificação mundial, para derrotar Gastão Elias. Com a eliminação de Gastão Elias, de 23 anos, a representação portuguesa fica resumida a João Sousa e Michelle Larcher de Brito, os números um nacionais masculino e feminino. Sousa entra em «court», hoje, com a tarefa ingrata de defrontar o sérvio Novak Djokovic, número dois mundial, enquanto Michelle de Brito enfrenta Julia Goerges.

Del Bosque só divulga lista na sexta-feira

O selecionador espanhol, Vicente del Bosque, adiou, ontem, o anunciou da lista de 23 convocados para o Mundial de 2014 para sexta-feira, devido à proximidade com a final da Liga dos Campeões, que no sábado envolveu Rela Madrid e Atlético de Madrid. “Corriamos o risco de de não tomar boas decisões e de cometer erros”, justificou Del Bosque, que optou por elaborar uma lista de 18 jogadores somente para o jogo particular com a Bolívia, na próxima sexta-feira, em Sevilha, após o qual revela então o lote que vai defender o título de campeão do Mundo no Brasil. Da lista de convocados para o jogo com a Bolívia destaca-se as ausências de Alvaro Negredo (Manchester City) e Fernando Llorente (Juventus), o que poderá indicar que estão mais longe do Mundial, que se realiza no Brasil entre 12 de junho e 13 de julho. Assim, podem existir surpresas na lista dos campeões do mundo em título.


Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

publicidade

O Primeiro de Janeiro | 7

MUDAMOS DE INSTALAร‡OES: ESTAMOS AGORA NA: Rua de Vilar 235, 3ยบ - Sala12 - 4050-626 Porto

Tlfs: 22 405 331 - 91 282 06 79


1868

Há 144 anos, todos os dias consigo.

Director: Angela Amorim | Distribuição Gratuita | www.edvsemanario.pt |

|

Diretor: Rui Alas Pereira (CP-2017). E-mail: ruialas@oprimeirodejaneiro.pt Publicidade: Conceição Carvalho E-mail: conceicao.carvalho@oprimeirodejaneiro.pt Morada: Rua do Vilar, n.º 235, 3.º, Sala 12, 4050-626 PORTO E-mail: geral.cloverpress@oprimeirodejaneiro.pt - Publicidade - Telefone: 22 096 78 46/ tlm: 912820679 Propriedade: Globinóplia, Unipessoal Lda. Edição: Cloverpress, Lda. NIF: 509 229 921 Depósito legal nº 1388/82

O PRIMEIRO DE JANEIRO, está on line e sempre atualizado em: www.oprimeirodejaneiro.pt

PAPA FRANCISCO JUNTOU-SE A BARTOLOMEU I

Oração histórica pela unidade

Cavaco Silva sem “comentários de natureza política”, mas…

Resultados não vão dificultar a minha ação na Presidência

O Presidente da República escusou-se ontem a fazer “comentários de natureza política” sobre as eleições europeias, mas disse que a sua ação enquanto chefe de Estado não será dificultada pelos resultados. “Os portugueses estão a escolher os deputados ao Parlamento Europeu, não quero fazer qualquer comentário de natureza política sobre os eventuais resultados que possam surgir ao fim do dia”, afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas depois de ter votado, numa escola em Lisboa. Questionado se entende que a sua ação enquanto Presidente da República poderá

ficar de alguma forma dificultada até às legislativas do próximo ano consoante os resultados das eleições, Cavaco Silva disse que não. “Acho que não, são as eleições para o Parlamento Europeu, todos os portugueses sabem muito bem disso e análise dos resultados só podem ser feitos depois de serem conhecidos”, sustentou. Perto de 9,7 milhões de eleitores foram ontem chamados a eleger os 21 deputados portugueses no Parlamento Europeu, menos um do que há cinco anos. No total, concorrem 16 listas, mais três do que nas europeias de 2009. Nas eleições realizadas há cinco anos,

o PSD, que agora concorre coligado com o CDS-PP, elegeu oito eurodeputados, enquanto o PS conseguiu conquistar sete lugares no Parlamento Europeu. O BE foi a terceira força política mais votada, elegendo três eurodeputados, e o CDS-PP elegeu dois, tal como a CDU. A abstenção nas eleições realizadas a 07 de junho de 2009 foi de 63,22%, mesmo assim abaixo do valor recorde registado em 1994, 64,46%. No total, serão eleitos 751 eurodeputados pelos 28 Estados-membros da União Europeia, que representarão cerca de 500 milhões de cidadãos da UE nos próximos cinco anos.

Bullying homofóbico nas escolas

Rapazes são as principais vítimas

O papa Francisco juntou-se ao patriarca ortodoxo Bartolomeu I numa oração histórica pela unidade dos cristãos na Igreja do Sagrado Sepulcro, depois de assinarem uma declaração conjunta. “O nosso encontro fraternal é um passo novo e necessário para a jornada rumo à unidade da comunhão na diversidade legítima”, refere a declaração que foi assinada na presença de representantes de 13 igrejas católicas e ortodoxas, em Jerusalém, um encontro que os analistas dizem ser a principal razão para a visita do papa ao Médio Oriente, que hoje termina. A reunião do chefe máximo da Igreja Católica e da mais importante figura da Igreja Ortodoxa Grega marca a histórica reaproximação entre os dois ramos mais antigos do cristianismo, que teve o seu primeiro cisma na Idade Média, dividindo os fiéis entre Constantinopla e Roma. Há 50 anos, o papa Paulo VI encontrou-se com o patriarca Athenagoras, naquele que foi o primeiro sinal de abrandamento da tensão existente entre as duas igrejas desde o ‘Grande Cisma’ do século XI. Na igreja, que assinala o lugar onde Jesus foi sepultado, os dois líderes ajoelharam-se lado a lado numa oração frente à Pedra da Unção, onde Jesus foi colocado depois de ter sido retirado da cruz. Depois das orações, ambos tiveram de ser ajudados pelos seus auxiliares, dada a idade de ambos: o papa Francisco tem 77 anos, enquanto Bartolomeu, uma das mais veneradas figuras da Igreja Ortodoxa, tem 74. A Igreja do Sagrado Sepulcro foi erguida, segundo a tradição católica, no local onde Jesus foi crucificado, enterrado e depois ressuscitou.

Os rapazes são as principais vítimas de bullying homofóbico nas escolas, revela um estudo nacional, segundo o qual quase metade dos alunos do 9.º ano foi alvo de violência por causa da sua orientação sexual. O trabalho foi elaborado entre 2010 e 2013, através de inquérito realizado a 162 alunos do agrupamento de escolas de Braga, acompanhando-os ao longo do 7.º, 8.º e 9.º anos e resultou no estudo “(In)visibilidade do Bullying Homofóbico no Contexto Escolar Português”. Dos 162 inquéritos, 52% eram raparigas e 48% rapazes. Os resultados mostram que os rapazes e as raparigas não são agredidos da mesma forma e que são os rapazes as principais vítimas do bullying homofóbico na escola. Os investigadores explicam que “a evolução da vitimação por bullying sexual é continuamente ascendente, onde se destaca a evolução mais expressiva do indicador homofóbico”, passando de um total de 2,3% no 7.º ano para os 7,1% no 9.º ano. Segundo a investigação, cerca de 45% dos rapazes foram vítimas no 9.º ano, número que desce para os 25% no 8.º ano e

para os 15% no 7.º ano. Já entre as raparigas registou-se cinco por cento de vítimas no 7.º ano, número que não se altera no 8.º ano, mas que sobe para os dez por cento no 9.º ano. Os insultos vão desde “maricas”, “gay”, “bicha”, “florzinha”, até “maria-macho”, “lésbica”, entre outros. “Os dados de vitimação por bullying homofóbico são mais expressivos nos rapazes do que nas raparigas, o que se explica, em parte, pela maior pressão social relativamente a pessoas do sexo masculino do que feminino, no que toca aos papéis sociais a desempenhar, mais rígidos no homem do que na mulher”, explicam os investigadores. Apontam também que “ter uma orientação sexual distinta da heterossexual ou simplesmente parecer já é um fator de risco para ser vítima de insultos homofóbicos”. Além destes dados, o estudo mostra igualmente que do total de alunos inquiridos, 35% afirmaram ter sido vítimas de bullying genérico, tendo sido no 8.º ano que se registou o maior número de vítimas. Analisando ano a ano, 31% dos alunos do 7.º ano disse ter sido

vítima de bullying genérico, enquanto no 8.º o número chega aos 41,9% e aos 32,1% no 9.º. No global dos três anos de investigação, foram os rapazes que mostraram ser as principais vítimas de bullying genérico, havendo 15% no 7.º ano, quase 25% no 8.º e cerca de 20% no nono ano de escolaridade. Os investigadores aproveitam para deixar algumas recomendações em matéria de prevenção e combate ao fenómeno, nomeadamente através de uma intervenção multidisciplinar que envolva toda a comunidade escolar. Propõem ainda também a inclusão da diversidade sexual e familiar nos currículos das disciplinas, para além da criação de políticas escolares anti-bullying e anti-discriminação e da educação sexual nas escolas. O trabalho foi realizado por Manuel Damas, José António Pinto, ambos membros do Centro Avançado de Sexualidades e Afectos (CASA), juntamente com os investigadores Paulo Costa, José Pinto e Beatriz Pereira, do Instituto de Educação da Universidade do Minho e Henrique Pereira, do Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

Sexta edição do festival de música Rock in Rio já arrancou

Robbie Williams e Ivete Sangalo em palco A sexta edição do festival de música Rock in Rio abriu ontem as portas às 16h00, quando alguns milhares de pessoas já aguardavam pelo primeiro de cinco dias de música e diversão. Num dia marcado pela atuação do britânico Robbie Williams e da brasileira Ivete Sangalo, domingo poderá ser o que, aparentemente, levará mais gente ao Parque da Bela Vista, em Lisboa, onde sempre se tem realizado o festival. Alguns dos primeiros fãs a entrar no recinto revelaram que estavam no Rock in Rio para ouvir Robbie Williams. Não é o caso de Liliam. A brasileira de férias em Portugal disse que quer mesmo é ver e ouvir Ivete Sangalo. Ao lado, a Maria João veio do Porto especialmente para Robbie Williams, o mesmo se passando com a Cláudia, também do Porto. Só o Gonçalo diz que não tem preferência, que até está no Rock in Rio mais para acompanhar a Cláudia. Num dia com algum vento e nuvens,

mas sem chuva, começaram cedo a chegar os visitantes daquele que é considerado um dos dias mais fracos (em termos de bilhetes vendidos) e a entrada decorreu sem incidentes, perante o olhar atento de dezenas de polícias e de seguranças de empresas privadas. Susana chegou também do Porto, com um grupo de amigos, todos para verem Robbie Williams, alguns com uma pequena mochila nas costas, com água e bolachas que depois irão comer nalgum local do recinto. Sendo a primeira vez no Rock in Rio, estava na expetativa, ao lado de amigos já repetentes, e diz que é uma experiência para não repetir nesta edição, porque os bilhetes são caros e o resto também. “Trouxemos comida para gastar o menos possível”, explica Maria João. As mochilas não enganam, mas na primeira hora de entradas no recinto do Rock in Rio nem era muita a percentagem de pessoas a entrar com estilo de quem vai fazer um piquenique. Maioritariamente

jovens, sem predominância de qualquer sexo, entraram em maioria sem nada nas mãos a não ser máquinas fotográficas ou telemóveis. As primeiras fotos logo ao lado de uma guitarra gigante, uma publicidade a uma operadora de telemóvel, e depois passos lentos para o lado direito, para os lados da Rock Street, uma zona de restauração com outras de bebidas e de espetáculos pelo meio. Desse lado ficam as principais diversões enquanto as “estrelas” não atuavam no palco principal, durante a noite. São espaços de dança, são outros palcos a dar música desde que as portas abriram, é uma roda gigante, é uma torre de saltos. E é o som de uma gaita-de-foles a dar as boas vindas aos visitantes, é um grupo a dançar e a fazer o mesmo, são as encostas relvadas que dão para o palco principal e alguns jovens a aproveitar o sol deitados nelas. Ou seja: é o arranque de mais uma edição do Festival Rock in Rio.


26 05 2014