Page 1

FUNERAL REALIZA-SE HOJE Presidente do Tourizense confirma que Alex teve pronta assistência médica

Há 144 anos, sempre consigo. 1868

Continente - 0,60 € (iva incluido) – Ilhas - S. Miguel e Madeira - 0,75 € (iva incluido) – Porto Santo 0,80 € (iva incluido)

Director: Angela Amorim | Distribuição Gratuita | www.edvsemanario.pt |

Diretor: Rui Alas Pereira | ISSN 0873-170 X |

|

DIÁRIO NACIONAL

Ano CXLV | N.º 235

Terça-feira, 19 de novembro de 2013

PROFESSORES CONTRATADOS ESTUDAM FORMA DE PARAR PROVA DE ACESSO

!LEGAL

n Os professores profissionalizados e contratados vão reunir esta semana para estudar novas formas de luta contra a prova de acesso à carreira docente. Considerando-se “humilhados” com esta medida “ilegal” de os mandar definitivamente para o desemprego, os docentes, com provas dadas e avaliação de desempenho reconhecidas pelo MEC, pedem ao deputados da oposição mas também da maioria que apoiem esta causa e evitem mais uma “injustiça” deste Governo...

FORÇA MÁX!MA n Portugal tem uma vantagem curta em números, mas a confiança do selecionador Paulo Bento e dos seus jogadores, bem comandados pelo ‘capitão’ Cristiano Ronaldo, está em alta. O último treino, de adaptação ao relvado do estádio Friends Arena, decorreu na máxima força, sendo certo que Portugal tudo vai fazer para confirmar hoje na Suécia o passaporte para o Mundial Brasil2014.

SAÚDE Ministro quer legislação mais apertada para evitar sangria de doentes nos hospitais públicos

CTT Governo estabelece que o preço das ações oscilará entre os 4,10 e os 5,52 euros

YEATMAN Hotel premiado com a categoria “Alojamento” do Galardão Best of Wine Tourism 2014


2 | O Primeiro de Janeiro

local Porto

Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

Galardão “Best of Wine Tourism 2014”

É inaugurada amanhã

Hotel “The Yeatman” premiado na categoria “Alojamento” O galardão Best of Wine Tourism 2014, organizado pela Rede de Capitais de Grandes Vinhedos para promover o enoturismo, premiou cinco instituições nacionais e elegeu um hotel de Gaia como um dos nove vencedores internacionais. A informação, ontem divulgada pela Câmara do Porto, refere que a unidade hoteleira The Yeatman, distinguida na categoria “Alojamento”, foi uma das nove vencedoras internacionais (Global Winner) do prémio, “que visa distinguir a excelência em Enoturismo”. Os outros vencedores nacionais premiados pelo Best of Wine Tourism 2014 foram o Espaço Porto Cruz (categoria Experiências Inovadoras de Enoturismo), Quinta Morgadio da Calçada (categoria Arquitetura e Paisagem), Quinta do Tedo (categoria Serviços de Enoturismo) e Vinum at Grahams (categoria Restauração Vínica). Para a Câmara do Porto são “cinco representantes do que de melhor se faz no enoturismo em Portugal”.

Enoturismo. Galardão Best of Wine Tourism 2014, decorreu num hotel de Gaia O vereador da Fiscalização e Proteção Civil, Manuel Sampaio Pimentel, representante do município do Porto na Rede com as regiões dos vinhos do Douro, do Porto e dos Vinhos Verdes, recebeu a distinção principal em nome do The Yeatman Hotel, numa cerimónia realizada na Califórnia, refere a autarquia em comunicado. Os nove vencedores internacionais foram escolhidos entre 53 vencedores locais das cidades que compõem a Rede de Capitais de Grandes Vinhedos, acrescenta o município, explicando que este ano foram recebidas 350 candidaturas. “A autarquia portuense, consciente da importância que as regiões viti-

vinícolas representam para o incremento das atividades económicas, e em particular da atividade turística no destino Porto, pretende, com a promoção anual deste concurso, incentivar e premiar a prestação de serviços de Enoturismo de excelência e associar aos concorrentes das regiões do Vinho do Porto, Douro e Vinhos Verdes uma marca com prestígio internacional”, esclarece a Câmara na nota de imprensa. A Rede de Capitais de Grandes Vinhedos é uma aliança de dez regiões vinícolas internacionalmente reconhecidas e prestigiadas. Os prémios “Best of Wine Tourism” pretendem reconhecer as

empresas relacionadas com o Enoturismo que, em cada uma das regiões representadas, se distinguiram pela qualidade superior dos serviços prestados, pela inovação e pelas práticas sustentáveis, entre outras, observa o município. Entre os restantes oito candidatos distinguidos a nível internacional encontram-se o Château de Rouillac, em Bordéus, na categoria de Serviços de Enoturismo; o Vergelegen nas Cape Winelands, na África do Sul, na categoria Arte e Cultura; Brancott Estate Heritage Centre em Brancott Vineyard, em Marlborough, Nova Zelândia, na categoria Inovação em Enoturismo.

Poemas do escritor foram lidos sete locais diferentes no Porto

Homenagem a Manuel António Pina A Livraria Lello, no Porto, que Manuel António Pina frequentava, foi um dos locais que acolheu ontem a leitura de poemas do escritor, no decorrer de uma iniciativa de homenagem no dia em que faria 70 anos. Receber estas leituras “sensibilizame, fico honrado, fico feliz e é um dia em que lembro ainda mais Manuel António Pina, o seu gato, as suas crónicas, a sua forma de estar, o seu sorriso e olhar acutilante”, referiu o proprietário da Livraria Lello, Antero Braga. A leitura de dez poemas de Manuel António Pina em sete locais da cidade por ele frequentados - iniciativa intitulada “7 X 10 - Homenagem a Manuel António Pina” e promovida

pelo Museu Nacional de Imprensa (MNI) - passou pela Livraria Lello às 12h30. “Quando vinha à livraria, cumprimentava-me educadamente e depois percorria-a de lés a lés”, contou o proprietário. “Ficava cerca de 20 minutos”, procurando “inteirar-se um pouco de tudo. É natural que, nas áreas temáticas que mais gostava, pousasse mais os olhos e folheasse mais”, acrescentou. Para o proprietário do espaço com 107 anos de história, na rua das Carmelitas, Manuel António Pina, “em termos de traços de forma de estar, era um crítico, um homem com um sentido muito apurado da realidade, um observador nato do

ser humano”. “Amor como em casa”, “A poesia vai”, “Separação do corpo” e “Junto à água” foram alguns dos poemas recitados na Livraria Lello, por nove estudantes da Academia Contemporânea do Espetáculo (ACE), no Porto, e pela atriz de teatro Débora Paiva. “Todas as suas palavras têm uma força enorme. São palavras que acho que toda a gente entende”, explicou a atriz. “Li o texto como eu o sinto, à minha maneira. Se for outra pessoa a lê-lo, de certeza que irá interpretá-lo de outra forma”, concluiu. A iniciativa “7 X 10 - Homenagem a Manuel António Pina” teve início às 10h30 no Museu nacional da

Imprensa, com a leitura e impressão de poemas do homenageado numa sessão presidida pelo vereador da Cultura do Porto Paulo Cunha e Silva. A “onda poética” passou pela Padaria Ribeiro, Livraria Lello, café Piolho, estação de metro da Trindade, terminando nos cafés Orfeuzinho e Convívio onde, pelas 20h00, o ator e um dos diretores da ACE, António Capelo, fez o encerramento da leitura. Esta iniciativa leva-nos “não só relembrar o Manuel António Pina, como revisitar alguns dos espaços mais emblemáticos da cidade do Porto, que, de alguma maneira, também nos mostrou através da sua poesia”, referiu António Capelo.

Porto vai ter Casa Ronald McDonald

A Fundação Infantil Ronald McDonald vai inaugurar amanhã a sua primeira Casa Ronald McDonald no Porto, um acontecimento mediático que está previsto começar às 10h30. Situada dentro do perímetro do Hospital de S. João, junto à nova unidade de Pediatria, a Casa Ronald McDonald, a segunda em Portugal, irá acolher gratuitamente as famílias que vivem fora do Porto e que têm as suas crianças em tratamento hospitalar prolongado no Centro Hospitalar de S. João ou no IPO do Porto. O objetivo desta Casa Ronald McDonald é proporcionar a todas as famílias um apoio digno e acolhedor. A “Casa Longe de Casa”, de lisboa, já acolheu mais de 700 famílias. A cerimónia de inauguração vai contar com a presença de Maria Cavaco Silva, do ministro da Saúde Paulo Macedo, da Ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque, do presidente da Câmara Municipal do Porto Rui Moreira, dos Administradores dos Hospitais de S. João e IPO Porto, entre outras individualidades. Muitos vão ser os amigos da Fundação Infantil Ronald McDonald que irão marcar presença neste evento, para o qual está reservada uma alegre surpresa, com destaque para Manuel Serrão, Paulo Vintém, Tiago Monteiro e Diana Pereira, Mariana Monteiro, entre outras personalidades dos vários setores de atividade, incluindo o mundo artístico.continente.

“Banco de horas” no Pingo Doce

Sindicato acusa Grupo JM de pressionar funcionários O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio acusou ontem a Jerónimo Martins de “pressionar” os trabalhadores do Pingo Doce a aderirem a um banco de horas destinado a “impor o aumento da jornada de trabalho”, mas o Grupo refuta a acusação. Em conferência de imprensa em Vila Nova de Gaia, o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (Cesp) denunciou que, “nos últimos dias, os trabalhadores do Pingo Doce têm sido confrontados pelas chefias das lojas para aderirem ao banco de horas individual”, sob “ameaça” de virem a ser “prejudicados no futuro”. Fonte oficial do Grupo Jerónimo Martins refutou qualquer “pressão” ou “intimidação”, esclarecendo que “o banco de horas não é um instrumento de decisão unilateral da empresa”, mas “uma proposta de acordo individual que é entregue a todos os colaboradores, tendo os mesmos 14 dias para decidir”.


regiões

Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

O Primeiro de Janeiro | 3

Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso comenta fuga em Castelo Branco

“Nítida negligência” Encontrada em Foros da Amora

Quatro detidos pelo rapto e morte de idosa A Polícia Judiciária deteve quatro alegados homicidas de uma mulher de 78 anos, raptada na quinta-feira e encontrada morta ontem, numa zona descampada de Foros de Amora, concelho do Seixal. Com idades compreendidas entre os 21 e 43 anos, os quatro homens foram detidos após “uma complexa investigação” em “vários locais das margens norte e sul de Lisboa”. “Contrariamente ao aguardado, a vítima havia sido morta, imediatamente após a abordagem e roubo, factos que ocorreram na noite da passada quinta-feira”, refere a PJ.

Temperatura abaixo do normal

Tempo frio continua nos próximos dias O Instituto Português do Mar e da Atmosfera revelou, ontem, que o tempo frio vai continuar nos próximos dias, com “valores de temperatura abaixo do normal para a época até ao início da próxima semana”. O frio deve-se a uma forte corrente de norte que transporta uma massa de ar ártico, com origem na região da Gronelândia. A temperatura vai descer gradualmente e os valores mais baixos esperam-se na quinta-feira, enquanto o vento, que sopra de moderado a forte vai enfraquecer a partir de amanhã, o que fará diminuir o “desconforto térmico”.

Os três guardas prisionais (dois homens e uma mulher), que receberam tratamento hospitalar, já tiveram alta médica. A Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso considera que a fuga de três presidiários da cadeia de Castelo Branco, no domingo, foi consequência de “nítida negligência”. “Qualquer fuga é reflexo de negligência e neste caso é claro que houve uma nítida negligência dos guardas prisionais, mas agora, em vez de o assumirem, estão a usá-la para exigirem mais meios e mais guardas”, acusou, ontem, o secretário-geral daquela organização, Vítor Ilharco. O responsável afirmou que a APAR “repudia veementemente qualquer fuga em qualquer circunstância”, mas sustentou que o “facto de os reclusos terem conseguido escapar não só aos guardas que alegadamente agrediram como também aos que deviam estar a guardar o espaço exterior” é reflexo de negligência. “Como é que três pessoas conseguem manietar três guardas prisionais, conseguem que a porta de acesso ao exterior seja aberta e ainda conseguem atravessar vários metros até ao muro que saltaram,

Castelo Branco. Três reclusos, entre os 27 e os 55 anos, evadiram-se ao final do dia de domingo do estabelecimento sem que mais nenhum guarda os consiga impedir?”, questionou. Este responsável denunciou também aquilo que considera ser uma evidente “má gestão de meios”. “Num dia de visitas numa cadeia ao contrário do que tem sido dito tem 80 guardas e não 60 - só estarem ao serviço 14 guardas é claramente uma má gestão de meios, como aliás se comprovou já que não houve guardas suficientes para deter estes reclusos”, afirmou Vítor Ilharco. Três reclusos - um de 49 anos, de Gavião, distrito de Castelo Branco, um de 55 anos, do Fundão, também

no distrito de Castelo Branco, e um outro de 27 anos, de Sousel, concelho de Avis, no distrito de Portalegre – evadiram-se no domingo, cerca das 19h00, do Estabelecimento Prisional de Castelo Branco. Durante a fuga, agrediram “com extrema violência” e feriram três guardas prisionais (dois homens e uma mulher), que apesar de terem sido alvo de tratamento hospitalar, já tiveram alta médica. Ao final da manhã de ontem, a Direção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais anunciou que mandou instaurar um processo de

inquérito. No mesmo documento, a DGRSP informa que os fugitivos são autores de crimes de furto, de roubo, de falsidade de declarações, de extorsão e de condução de veículo sem habilitação legal, estando condenados a penas de cinco, oito e nove anos de prisão. A GNR recebeu, até ao fina da manhã, cerca de uma dezena de alertas relativos a alegados avistamentos dos três reclusos que no domingo fugiram da cadeia de Castelo Branco, mas nenhuma conduziu aos fugitivos, depois de “devidamente verificadas”.

Não foram decretados os serviços mínimos

Greve parcial fecha metro até às 10h00 As portas do metropolitano de Lisboa apenas devem abrir às 10h00 de hoje, devido à greve parcial dos trabalhadores. Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) informou não terem sido decretados serviços mínimos para a paralisação marcada para o período entre as 05h30 e as 09h30 para a generalidade dos trabalhadores e entre as 08h00 e as 12h30 para os trabalhadores administrativos e técnicos superiores. A greve foi convocada porque “o metro não satisfaz necessidades sociais impreterí-

LISBOA. As portas do metropolitano apenas devem abrir às 10h00, devido à greve parcial dos trabalhadores

veis”, afirmou Anabela Carvalheira. Fonte oficial da empresa confirmou que o tribunal arbitral decidiu não estabelecer serviços mínimos por existirem alternativas consideradas suficientes para os utentes. A mesma fonte confirmou que a circulação na rede de metro deve ser retomada a partir das 10h00. Entre os motivos para esta paralisação, segundo a dirigente da Fectrans, está o decreto-lei 133/2012, que “pretende abrir as portas à concessão da empresa e, uma vez mais, reduzir trabalhadores, reduzir os seus direitos e

reduzir a sua remuneração”. Os funcionários do Metropolitano de Lisboa vão, também, contestar as propostas do Orçamento de Estado para 2014, que “visam uma vez mais os trabalhadores do setor empresarial do Estado, com cortes brutais, encaminhando estes trabalhadores para uma situação insustentável”, acrescentou a sindicalista. Recorde-se que, nos últimos tempos, têm sido várias as paralisações não só dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, mas de todas as transportadoras colectivas contra as medidas previstas no OE.


4 | O Primeiro de Janeiro

nacional

Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

Ministro da Saúde quer legislação mais apertada

Evitar encaminhamento de doentes do público para o privado Paulo Macedo quer parar a “sangria” de doentes nos hospitais públicos e para isso o Governo vai preparar legislação em conformidade, de forma a evitar o “conflito de interesses”.

O Ministério da Saúde quer evitar no futuro situações de encaminhamento de doentes do público para o privado, através de legislação mais apertada que promova maior transparência sobre os vínculos dos médicos e o conflito de interesses. A intenção foi deixada em declarações aos jornalistas no final de uma conferência sobre o Orçamento do Estado da Saúde para 2014. Questionado sobre o encaminhamento do caso denunciado pela TVI de transferência de médicos de unidades de saúde públicas para privadas, o ministro Paulo Macedo sublinhou que não só esses casos, mas também outros, estão a ser acompanhados pela Inspeção Geral das Atividades em Saúde e que pretende sobretudo evitar outros casos no futuro. “Independentemente dos vários casos que temos, e são vários, o que nos interessa é criar condições para que estas situações sejam

tidade privada. “E é também dentro deste âmbito que apresentámos legislação, que esperamos ser em breve promulgada, relativamente aos conflitos de interesses sobre médicos e entidades que fazem normas de orientação clínica, seleção de medicamentos, de dispositivos clínicos. Tem que haver normas claras sobre conflitos de interesse”, sublinhou. Sobre os medicamentos inovadores, Paulo Macedo anunciou que o despacho feito pelo

Ministério da Saúde terá ainda uma regulamentação adicional em duas matérias. Uma diz respeito ao tempo de intervalo desde que é pedida a autorização até que é concedida. “Vamos assegurar que esse tempo será muito menor do que acontece hoje, e queremos que isso fique escrito”, disse. A outra é no sentido de definir o que é o encaminhamento. “Não é necessário obrigatoriamente que haja um encaminhamento do doente”, clarificou.

Privatização dos CTT pode render mais de 500 milhões de euros

Preço das ações oscilará entre 4,10 e 5,52 euros As ações dos CTT – Correios de Portugal que serão vendidas em bolsa no âmbito da privatização da empresa terão um preço que oscilará entre os 4,10 euros e os 5,52 euros, anunciou ontem o Governo. “O Governo aprovou, no âmbito do processo de privatização dos CTT - Correios de Portugal, S.A., que o preço unitário das ações a alienar através de oferta pública de venda (OPV) não pode ser inferior a 4,10 euros nem superior a 5,52 euros, e que o preço unitário

das ações a alienar no âmbito da venda direta institucional não pode ser inferior ao preço unitário das ações a alienar no âmbito da OPV”, lê-se na informação divulgada no Portal do Governo. A Parpública fica, assim, autorizada a vender “até 105 milhões de ações, representativas de 70% do capital social dos CTT”, sendo 21 milhões através de OPV e o restante através de venda direta institucional (84 milhões de ações).

Do total reservado à OPV, um lote de 5,25 milhões de ações será para os trabalhadores dos Correios e 15,75 milhões de ações para o público em geral. Caso todas as ações sejam vendidas ao preço médio do intervalo ontem divulgado (4,81 euros), o Estado encaixaria um total de 505,05 milhões de euros. A 04 de novembro, os CTT formalizaram a intenção da Parpública em avançar com a oferta pública inicial (IPO) em bolsa da empresa, no âmbito do

Vasco Rato vai presidir à FLAD O primeiro-ministro designou Elvira Fortunato, Nogueira de Brito, José Lamego, Miguel Monjardino e Rui Ramos para membros do conselho de curadores da Fundação LusoAmericana para o Desenvolvimento (FLAD), para a qual escolheu como presidente Vasco Rato. Por sua vez, a Embaixada dos Estados Unidos da América em Lisboa indicou John Olson e Virginia L. Staab para o conselho de curadores da FLAD. Esta informação foi avançada por fonte do gabinete do primeiroministro. Passos Coelho já assinou e enviou para promulgação o despacho de designação dos membros do conselho de curadores da FLAD, adiantou a mesma fonte. Estatutariamente, cabe ao conselho de curadores da FLAD escolher os membros do conselho de administração desta fundação, com exceção do presidente, que é escolhido pelo primeiro-ministro. Porta-voz do PS

Paulo Macedo. Legislação mais apertada e maior transparência sobre os vinculos dos médicos e o conflito de interesses evitáreis no futuro”, afirmou. Isso será feito através de “melhor regulamentação, de maior transparência, uma natureza mais clara dos vínculos, dos encaminhamentos que são feitos pelos hospitais para outras entidades onde se fazem cirurgias”. Segundo Paulo Macedo, esse primeiro passo já foi dado com regulamentação criada, visando que os médicos que acompanhavam doentes nos hospitais públicos não devessem poder fazer essa cirurgia noutra en-

Passos Coelho escolheu membros do conselho

processo de privatização. Numa primeira fase, o Estado, através da Parpública, deverá ficar com 30% dos CTT após a IPO. A médio prazo, o Estado deverá sair da empresa. Na quinta-feira, o secretário de Estado das Infra-estruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, afirmou que existem vários interessados, nomeadamente do “mercado americano, da América Latina, da Europa Central e do Sul da Europa do Norte e da Ásia”.

João Ribeiro suspende funções por um ano

O dirigente socialista João Assunção Ribeiro confirmou que vai suspender por um ano, por motivos estritamente profissionais, a sua participação no Secretariado Nacional do PS, onde assume as funções de porta-voz. “Confirmo que vou pedir a suspensão das minhas funções políticas e partidárias, pelo período de um ano, por razões estritamente profissionais”, declarou João Assunção Ribeiro, dirigente que assumiu as funções de porta-voz do PS desde a primeira vitória do atual secretáriogeral, António José Seguro, em congresso, em setembro de 2011. Na sequência do último congresso do PS, em abril passado, foi novamente eleito para o órgão de direção dos socialistas e, pelos novos estatutos do PS, terá um mandato até ao final da presente legislatura. Nas últimas eleições autárquicas, em setembro passado, candidatou-se a presidente da Câmara de Setúbal, tendo ficado em segundo lugar, com a CDU a renovar a vitória nesta capital de distrito. Ainda sem confirmação oficial, João Ribeiro irá trabalhar para as Nações Unidas na Coreia do Sul.


Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

economia

O Primeiro de Janeiro | 5

Número de desempregados inscritos no centros de emprego em outubro

Sem alterações Grupo desmente sindicato

Pingo Doce acusado de pressionar empregados O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio acusou, ontem, a Jerónimo Martins de “pressionar” os trabalhadores do Pingo Doce a aderirem a um banco de horas destinado a “impor o aumento da jornada de trabalho”, mas o frupo refuta a acusação.Em conferência de imprensa em V ila Nova de Gaia, o Cesp denunciou que, “nos últimos dias, os trabalhadores do Pingo Doce têm sido confrontados pelas chefias das lojas para aderirem ao banco de horas individual”, sob “ameaça” de virem a ser “prejudicados no futuro”.

Em linha com Europa

Bolsa de Lisboa fecha sessão a valorizar

O principal índice da bolsa portuguesa, o PSI20, encerrou a sessão de ontem a ganhar 0,69% para 6.363,67 pontos, acompanhando a tendência positiva nos mercados europeus de referência. Das 20 cotadas que compõem o PSI20, 12 valorizaram, uma ficou inalterada e as restantes sete fecharam o dia no vermelho. A Sonae liderou as subidas, ao crescer 2,49%, mas foram os ganhos da banca e da maioria dos pesos pesados que permitiram o avanço do PSI20. No resto da Europa, os ganhos variaram entre os 0,45% de Londres e os 0,90% de Madrid.

No final de Outubro, havia menos 96 desempregados inscritos nos centros de emprego do Continente e das Ilhas do que um ano antes. O número de desempregados inscritos nos centros de emprego ficou praticamente inalterado em outubro, em termos homólogos, num total de 694.904 pessoas, recuando 0,3% face a setembro. A informação mensal publicada ontem pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) destaca que no final de outubro havia menos 96 desempregados inscritos nos centros de emprego do Continente e das Regiões Autónomas do que um ano antes, o que corresponde a uma variação nula. Face ao mês anterior, o IEFP contabilizou menos 2.392 desempregados inscritos, o que representa uma queda de 0,3%. Os desempregados registados em outubro correspondem a 76,7% do total de 905.954 pessoas que se inscreveram para pedir emprego. Verificou-se, no entanto, uma subida anual do desemprego no segmento jovem de 2,1%, em oposição ao grupo dos adultos, nos quais se registou uma quebra de 0,3%.

Desemprego. No final de Outubro, havia menos 96 inscritos nos centros de emprego do Continente e das Ilhas do que um ano Por género, o desemprego masculino diminuiu 0,8% no espaço de um ano, enquanto o feminino aumentou ligeiramente (0,7%). Os desempregados à procura de um primeiro emprego sofreram, por sua vez, um crescimento anual de 17,6%, enquanto os que pretendiam um novo emprego baixaram 1,7% face ao ano passado. A nível regional, e comparativamente ao mês de outubro de 2012, segundo o IEFP, observa-se uma tendência decrescente do desemprego em todas as regiões, com a exceção do Norte, onde subiu 1,7% e

dos Açores, onde subiu 21,6%. Entre as descidas ocorridas, o instituto salienta a ocorrida no Algarve (-5,4%) e na Madeira (-3,1%). O “fim de trabalho não permanente” continua a ser o principal motivo para a inscrição nos centros de emprego, representando cerca de 38,7% do total de desemprego em outubro. O grupo dos “ex-estudantes” ocupa a segunda posição nos motivos para a inscrição nos centros de emprego, com um peso de aproximadamente 11,9%, totalizando os 8.919 inscritos (menos 6,9% do que

um ano antes e mais 32% do que em setembro). O motivo “despedido” é a terceira causa para a inscrição nos centros de emprego, de acordo com a base de dados do instituto. Quanto ao nível de escolaridade, o desemprego caiu em termos homólogos entre os inscritos que completaram o primeiro, o segundo e o terceiro ciclos do ensino básico, com -1,4%, -3,6% e 5,6%, respetivamente. Os desempregados que possuíam o ensino superior registaram, por sua vez, uma subida de 9,1%..

Fitch acredita que não será precisa reestruturação

Linha de crédito para Portugal em 2014 A agência de «rating» Fitch considera provável que Portugal recorra a uma nova linha de crédito da ‘troika’ no fim do atual programa de ajustamento, em junho de 2014, e que deverá escapar a uma reestruturação de dívida. No comunicado ontem divulgado, a Fitch diz que "acredita que uma linha de crédito com condições mais alargadas é mais provável do que uma linha de crédito cautelar dado os critérios mais rigorosos desta última”. A agência de «rating» refere ainda que se a negociação dessa linha - provável face à trajetória

Ajustamento. Fitch considera provável que Portugal recorra a uma nova linha de crédito em junho de 2014

frágil da dívida pública, apesar de estar a estabilizar - começar logo no início de 2014, isso poderá aumentar a “confiança dos investidores” e “suavizar” o regresso aos mercados. Já quanto a uma reestruturação da dívida, envolvendo o setor privado ou extensão das maturidades, a Fitch considera “improvável”, até porque significaria que Portugal ficaria de fora dos mercados internacionais de dívida por mais tempo. “Além disso, a dinâmica da dívida de Portugal não é tão má quanto era a da Grécia” quando fez a reestruturação da dívida envolvendo

os credores privados, em 2012, diz a Fitch. A empresa não acredita também que Portugal faça uma troca de dívida envolvendo uma extensão das maturidades para preencher as necessidades de financiamento, já que apesar de ter menos impacto do que uma reestruturação também poderia pôr em causa o regresso aos mercados. A Fitch prevê que a dívida pública de Portugal atinja um pico em 2014-2015 de cerca de 129% do PIB e que depois caia gradualmente a partir de 2016. A dívida pública deverá cair para 115% do PIB em 2022.


6 | O Norte Desportivo

futebol

Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

Portugal procura segurar vantagem da primeira-mão e confirmar apuramento

Mundial do Brasil é já ali… depois da Suécia A 90 minutos do Brasil. Depois da vitória por 1-0, na Luz, jogadores de Paulo Bento procuram novo resultado positivo, em Solna. Portugal procura manter-se, hoje, na rota das grandes competições internacionais e apurar-se pela oitava vez consecutiva para uma fase final, ao jogar na Suécia a segunda mão dos «play-offs» europeus de qualificação para o Mundial2014. O golo do avançado Cristiano Ronaldo aos 82 minutos do jogo da primeira mão, na sexta-feira, no Estádio da Luz, em Lisboa, valeu um triunfo por 1-0 que abre boas perspetivas à equipa orientada pelo selecionador Paulo Bento para o encontro de Solna, onde Portugal procura confirmar a presença no Brasil. O percurso de sucesso da última década correspondeu a uma mudança de paradigma desde que a designada «geração de ouro» atingiu a maioridade futebolística, pois antes disso, em 70 anos, limitou-se a quatro presenças nos grandes palcos do futebol mundial. Depois de ter falhado para o Campeonato do Mundo de 1998, a seleção portuguesa iniciou uma série de sete presenças ininterruptas em fases finais, a começar pelo Europeu de 2000. O Mundial de 2002 não deixou muitas saudades mas o Euro2004, organizado em Portugal, reconciliou o país com a seleção, que sofreu uma das mais amargas derrotas da sua história, ao perder na final com a Grécia, por 1-0, num Estádio da Luz a rebentar pelas costuras. A equipa das «quinas» obteve o seu segundo melhor resultado de sempre no Campeonato do Mundo de 2006, no qual foi, mais uma vez, afastada pela França nas meias-finais e perdeu depois com a anfitriã Alemanha na luta pela medalha de bronze. Portugal voltou a marcar presença no Campeonato da Europa de 2008, no qual foi afastado nos quartos de final, e no Mundial de 2010, em que se ficou pelos «oitavos», mas voltou a ficar muito perto da final no Europeu de 2012.

Historial favorável às «quinas»

Os resultados de seis dos oito jogos disputados pela seleção portuguesa na Suécia seriam suficientes para garantir a qualificação para o Mundial e apenas as únicas derrotas afastariam Portugal. Com três vitórias, três empates e apenas duas derrotas, com um saldo de golos ainda assim negativo (6-8), o balanço dos jogos da equipa lusa em solo sueco são inesperadamente favoráveis, tendo em consideração o historial dos confrontos diretos em Portugal, claramente dominado pelos escandinavos. Esta será a sexta vez que os dois países medem forças em fases de apuramento para grandes competições internacionais e, neste caso, a vantagem é portuguesa: a seleção nacional levou a melhor na corrida aos Mundiais de 1986 e 2010, tendo-se ambas «anulado» no caminho para os Europeus de 1968 e 1988 e o Mundial de 1982. Suécia «aposta» nas grandes penalidades

Mundial 2014. Portugal procura manter-se na rota das grandes competições internacionais e apurar-se pela oitava vez consecutiva para uma fase final

Sindicato manifesta pesar

Funeral de Alex Marques realiza-se hoje em Esposende

O presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), Joaquim Evangelista, manifestou, ontem, pesar pela morte de Alex Marques, jogador do Tourizense, durante um jogo do Campeonato Nacional de Seniores, no domingo. “Infelizmente, o futebol português está novamente de luto. Foi com tristeza e consternação que recebi a notícia da morte de Alex Mar-

ques, jogador do Tourizense de apenas 20 anos. A morte súbita continua a fazer vítimas mortais no futebol, não escolhendo idade. Em meu nome e do SJPF endereço as mais sentidas condolências à família e aos amigos do Alex”, referiu Evangelista, em comunicado. O avançado, de 20 anos, sofreu uma paragem cardiorrespiratória e caiu inanimado aos sete minutos da partida entre o Tourizense e o Carapinhense. O funeral do malogrado jovem realiza-se hoje, às 16h00, em Esposende, cidade perto de Belinho, onde nasceu.

O selecionador sueco, Erik Hamrén, trabalhou com os seus jogadores a marcação de grandes penalidades porque acredita que poderá ser a fórmula de decisão do «play-off».”Sim, treinámos [a marcação de grandes penalidades]. Os jogadores que costumam marcá-las não precisam de mais treino, mas o que não o costumam fazer treinaram-nas”, admitiu. Hamrén reconheceu que a desvantagem de 1-0 trazida do jogo da primeira mão, em Lisboa, coloca a Suécia numa posição delicada, pois apesar de estar obrigada a marcar, deverá ter cuidados defensivos com as “individualidades” lusas. “É verdade que temos de marcar. Eles podem gerir mais o resultado por isso é uma clara vantagem. Portugal tem uma boa equipa, com individualidades que podem decidir o jogo e por isso não podemos partir de forma desenfreada para o ataque desde o início do encontro pois eles podem punir-nos”, advertiu. “Espero um jogo muito difícil e com incerteza até ao apito final. Em Lisboa defendemos, mas temos de fazer melhor quando tivermos a bola, porque atacámos muito, em especial na segunda parte. Se o fizermos estaremos mais próximos de marcar”, concluiu..

Ouvido no DIAP pelos incidentes de Guimarães

Jesus “tranquilo”

O treinador do Benfica, Jorge Jesus, manifestou-se, ontem, tranquilo à chegada ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, onde foi interrogado na sequência de incidentes em Guimarães. “Nervoso? Isto não é nenhum jogo. Nervoso só quando jogar contra o Braga [na próxima jornada da I Liga]. Isto não me enerva nada”, garantiu o técnico dos «encarnados» aos jornalistas quando chegava ao DIAP, acompanhado pelo advogado Carlos do Paulo. Após a audição de mais de duas horas, o causídico explicou que Jorge Jesus está tranquilo e marcará presença sempre que necessário para prestar esclarecimentos sobre o assunto: “a diligência correu bem, estamos satisfeitos. Desejamos agora que a justiça faça o seu caminho, decidindo pela acusação ou pelo arquivamento.” Carlos Paulo considerou, ainda, que este não é um processo qualquer, lembrando que os factos foram emitidos em direto na televisão e passados em exaustão. “É um processo único, do domínio público, sem jurisprudência, sobre o qual já se pronunciaram vários conceituados juristas”, explicou, assumindo que espera que tudo seja resolvido de forma célere. “Os magistrados sabem que o País está de olho nesta investigação”, rematou.


publicidade/editais

Terça-feira, 19 de Novembro de 2013

«O PRIMEIRO DE JANEIRO», 19/11/2013

JUIZOS DE COMPETÊNCIA CÍVEL DE VILA NOVA DE FAMALICÃO 2º JUÍZO CÍVEL Av.ª Eng. Pinheiro Braga, nº 1000 4764-501 Vila Nova de Famalicão

ANÚNCIO VENDA POR PROPOSTA EM CARTA FECHADA Administrador de Insolvência: Dr. José da Costa Araújo, com escritório na Rua José António P. P. Machado, nº 369 1º Esqº, 4750 – 309 Barcelos Telefone: 253 824 116 / Fax: 253 821 065 Processo nº: 2875/12.1TJVNF – 2º Juízo Cível Insolventes: Álvaro Cunha C.ª, Lda. 2.ª Publicação Nos autos acima identificados procede-se à venda por propostas em carta fechada dos bens, apreendidos para a massa insolvente, e infra identificados, os quais serão adjudicados a quem oferecer o maior preço acima do abaixo anunciado. Foi designado o próximo dia 10 de Dezembro de 2013 pelas 14,00 horas para a abertura de propostas em carta fechada, presidida pela Mma. Juiz do processo, devendo as propostas serem apresentadas na Secretaria Judicial do referido Tribunal, até à hora da abertura das propostas (14,00 horas), acompanhadas de um cheque visado no montante de 20% do valor proposto para a aquisição, ou garantia bancária, no mesmo valor. VERBA N.º 1 (IMÓVEL) Prédio urbano, composto por armazém correspondente ao pavilhão n.º 1, composto de rés-do-chão e andar numa só parte, sito no Lugar de Carvalhais, freguesia de Oliveira (Santa Maria), descrito na Conservatória do Registo Predial de V. N. de Famalicão sob o n.º 465/20090330 e inscrito na matriz urbana sob o artigo 1010. VERBA Nº 1 – Valor mínimo a anunciar para venda é de (€186.000,00 x 85%) € 158.100,00 VERBAS N.º 2 a 13 (TEARES) 5 Teares Circulares, de marca “Mayer”; 6 Teares Circulares, de marca “Orizio”; e 1 Tear Circular, de marca “Monarke”. VERBAS Nº 2 a 13 – Valor mínimo a anunciar para venda é de (€12.000,00 x 85%) € 10.200,00* VERBAS N.º 14 a 17 (MÁQUINAS) 1 Máquina Secadeira / Termo Fixar, de marca “Hellio”; 1 Máquina de diluir corantes; 1 Máquina Piling Tester (ICI); 1 Máquina de Leitura de Cores (colorimetro), de marca “Datamatch”. VERBAS Nº 14 a 17 – Valor mínimo a anunciar para venda é de (€ 11.500,00 x 85%) € 9.775,00* VERBAS N.º 18 a 20 (VIATURAS) Viatura autómóvel, de Marca “Ford”, com a matricula 93-40SZ; Viatura autómóvel, de Marca “Ford”, com a matricula EE46-62; Viatura autómóvel, de Marca “Renault”, com a matricula LQ-36-35. VERBAS Nº 18 a 20 – Valor mínimo a anunciar para venda é de (€700,00 x 85%) € 595,00* *Ao valor da aquisição dos móveis acresce IVA de 23%. Os bens serão mostrados a quem o pretender, pelo Administrador de Insolvência, no próximo dia 28 de Novembro de 2013, entre as 10,30h a as 12,30 horas ou em qualquer outro dia, mediante, marcação prévia, pelo telefone acima indicado. O Administrador de Insolvência José da Costa Araújo

ROSÁRIO POÇAS Agente de Execução Cédula n.º 4042

O Primeiro de Janeiro | 7

«O PRIMEIRO DE JANEIRO», 19/11/2013

Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia - Juízos de Execução Processo: 7171/07.3T8VNG Valor: 53.517,97€ Referencia interna: PE/194/2007 Exequente: Caixa Económica Montepio Geral Executados: Alberto Pereira de Sousa Pagamento de Quantia Certa 2.ª Publicação

ANÚNCIO

Nos autos acima identificados foi designado o dia 04 de Dezembro de 2013, pelas 14,00 horas, no Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia - Juízos de Execução, para abertura de propostas em carta fechada, que sejam entregues até esse momento, na Secretaria do Tribunal, pelos interessados na compra do seguinte Bem Imóvel: Verba Um: - Fracção autónoma - B, habitação no R/C direito - Travessa da Corredoura n° 317, Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia, artigo matricial 5325,artigo da conservatória do registo predial - 00517/040886-B, hall, quarto, banho cozinha com despensa, sala, logradouro com 22m2 de superfície, lugar de garagem na cave com 17m2. Valor-base:55.000,00 € Será aceite a proposta de melhor preço acima do valor de 38.500,00 €, correspondente a 70% do Valor-base Só serão aceites propostas que acompanhem cheque visado no valor correspondente a 5% do Valor-base à ordem da Agente de Execução, ou garantia bancária no mesmo valor. Para o caso dos proponentes não se encontrem presentes no dia de abertura, cópia do Bilhete de Identidade ou cartão de identificação de pessoa coletiva. È fiel depositário do bem, que o deve mostrar a pedido, Alberto Pereira de Sousa. Edital encontra-se afixado no imóvel, na respectiva Junta de Freguesia e no Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia A Agente de Execução designada, Rosário Poças Rua dás Covinhas, 99 - 4405-854 V. N. de Gaia Telefone/Fax: 22 711 31 71 e-mail: 4042@solicitador.net Atendimento: Dias úteis das 9h00 às 11h00

DEPARTAMENTO DE PUBLICIDADE Telefone: 22 096 78 46

Fax: 22 096 78 45

Ganhe convites duplos com o “O PRIMEIRO DE JANEIRO”


1868

Há 144 anos, todos os dias consigo.

Director: Angela Amorim | Distribuição Gratuita | www.edvsemanario.pt |

|

UM GOVERNO SEM VERGONHA Assume o Reitor da Universidade da Madeira que o montante de propinas em dívida tem vindo a se acumular desde o ano lectivo 2007/2008 e que, em 2013, terá uma quebra estimada em 300 mil euros. Curiosamente, no mesmo dia, na Assembleia Legislativa da Madeira, o PSD-M “chumbou” uma proposta do Partido Socialista no sentido de reduzir em 50% o designado “jackpot”, que equivaleria André Escórcio* a uma diminuição de cinco milhões de euros anuais na despesa parlamentar. É caso para dizer que entre a formação dos jovens da nossa Região e o regabofe partidário, o governo aposta no segundo. Ora, quando se sabe que as transferências do Orçamento de Estado para a Universidade caíram cerca de 31% desde 2012 e tendo em consideração que o atraso no pagamento das propinas fica a se dever às grandes dificuldades das famílias, o governo regional assobia para o lado, encolhe os ombros à juventude e não manifesta um pingo de solidariedade social para com aqueles que, querendo estudar, não o podem fazer. Mil euros, por ano, de propina, significa retirar quase € 100,00 por mês aos magros orçamentos familiares. E a Educação, da qual dependemos como de pão para boca, fica assim secundarizada pela cultura e loucura de um partido que assume a não urgência de um debate para que os seus cofres se encham de dinheiro “roubado” às carteiras de todos quantos pagam impostos na Madeira. O Senhor Reitor, Professor Doutor José Carmo, há dias, teve um curioso desabafo, ao dizer que era preferível fechar do que dispensar professores! Qualquer pessoa, certamente, compreendeu o alcance daquelas significativas palavras. Agora, é a questão das propinas que coloca em causa o acesso dos jovens à Universidade. Tem total razão o Deputado do PS, Dr. Carlos Pereira quando afirma que “o Continente gasta, por habitante, € 1.600,00 com o seu Parlamento; os Açores gastam € 4.000,00; a Madeira gasta € 20.000,00 por habitante, para o funcionamento do seu Parlamento. Cada madeirense paga 12,5 vezes mais do que um continental nas transferências para os grupos parlamentares. Isto é escandaloso”. E assino, por baixo, a declaração de um outro Deputado, Dr. Hélder Spínola (PND) que sintetizou desta forma: “estamos a falar de um abuso, estamos a falar de um financiamento que é pecaminoso, que é imoral para os madeirenses”. Tenham vergonha e ponham-se a andar. *Professor www.comqueentao.blogspot.com

Diretor: Rui Alas Pereira (CP-2017). E-mail: ruialas@oprimeirodejaneiro.pt Redatores: Joaquim Sousa (CP-5632), Andreia Cavaleiro (CP-6983), Cátia Costa (Lisboa) e Vasco Samouco. Fotografia: Ivo Pereira (CP-3916) Secretariado de Direção: Sandra Pereira. Secretariado de Redação: Elisabete Cairrão. Publicidade: Conceição Carvalho (chefe), Elsa Novais (Lisboa, 918 520 111) e Fátima Pinto. E-mail: conceicao.carvalho@oprimeirodejaneiro.pt Morada: Rua de Santa Catarina, 489 2º - 4000-452 Porto. Contactos: redação - Tel. 22 096 78 47 - Tm: 912 820 510 E-mail: geral.cloverpress@oprimeirodejaneiro.pt - Publicidade - Telefone: 22 096 78 46, Fax: 22 096 78 45 Propriedade: Globinóplia, Unipessoal Lda. Edição: Cloverpress, Lda. NIF: 509 229 921 Depósito legal nº 1388/82 Impressão: Coraze, Telefs.910252676 / 910253116 / 914602969, Oliveira de Azeméis. Distribuição: Vasp. Tiragem: 20 000

Luta contra a prova de acesso à “humilhação” continua

Professores estudam novas formas de protesto Os professores contratados reúnemse esta semana em Lisboa, Coimbra e Braga, para decidir novas formas de luta contra a prova de acesso à profissão que o Ministério da Educação decidiu aplicar para testar os seus conhecimentos e competências. Para além das greves já marcadas pela FNE e pela FENPROF, para o dia 18 de dezembro, e que contam também com outros sindicatos do setor, as “principais vítimas deste processo ilegal”, exigem de, uma vez por todas, que “esta prova seja anulada, pelo menos para quem é profissionalizado e já tem mais de cinco anos de serviço”, solicitando aos deputados da oposição mas também da maioria que se “empenhem nesta causa”. As manifestações de sábado reuniram 400 professores em Lisboa, 300 em Braga e 100 em Coimbra, segundo informação divulgada pela organização da iniciativa, em que os docentes queimaram cópias dos diplomas de licenciatura e de notas de 20 euros, o valor que terão de pagar para fazer a prova. Nas reuniões agora agendadas, os professores vão decidir novos protestos, estando em aberto a possibilidade de boicote à prova e de formação de um cordão humano em torno do local da sua realização, informou André Pestana, um dos professores envolvidos na organização. “Temos de continuar mobilizados”, defendeu, acrescentando que, independentemente destas ações, os contratados vão continuar a participar nas iniciativas que os sindicatos venham a promover. Para decidir novas ações, estão marcadas reuniões para hoje, em Braga (em frente ao centro comercial na Avenida Central), amanhã em Lisboa (à porta

da Faculdade de Letras, Cidade Universitária) e sábado em Coimbra (no Teatro Gil Vicente, Praça da República). O Ministério da Educação afirma que a prova de acesso à carreira docente é “uma componente importante no processo de melhoria do ensino, em especial da escola pública, com alcance de longo prazo”, mas para os professores trata-se de “uma vergonha, uma humilhação” e de uma forma de os afastar do sistema. Alguns consideram ainda ser uma forma de obter receitas, já que cada professor terá de pagar 20 euros para fazer a designada Prova de Avaliação de Capacidades e Conhecimentos (PACC). Mais grave ainda é que os docentes contratados e profissionalizados, com 10 ou mais anos de carreira, com avaliações de “Bom” desempenho nos últimos anos de ensino, deviam estar a lutar pelo seu ingresso nos quadros e não a discutir uma prova que “não tem pés nem cabeça”, para quem como estes docentes já deram provas mais do que suficientes e, ao mesmo tempo, já perderam muito dinheiro ao longo de uma carreira na docência em que sempre foram “espoliados”. Para que fique bem claro em termos de desigualdade de direitos, um professor do quadro com 20 anos de serviço, se agora optasse por se desvincular do Estado recebia uma indemnização de cerca de 50 mil euros, enquanto um professor profissionalizado e contratado, com os mesmos ou mais anos de carreira, sai da mesma com uma mão à frente e outra atrás, muitas vezes sem ter direito sequer ao subsídio de desemprego… A Federação Nacional de Educação (FNE) decidiu no sábado realizar uma greve a 18 de dezembro, dia da realiza-

ção da prova. A Federação Nacional dos Professores marcou igualmente para 18 de dezembro uma greve a “todo o serviço relacionado com a prova” e está a desenvolver ações, em tribunal, contra a PACC. A prova de acesso à carreira docente foi estabelecida no tempo da governação socialista de José Sócrates, mas nunca chegou ser adotada, devido à forte oposição dos sindicatos. No entanto, é preciso lembrar que a mesma nunca foi equacionada pelos socialistas para os professores contratados profissionalizados com mais de cinco anos de serviço. “Este é mais um exemplo de que este Governo quer ir para além da ‘troika’”, referia um dos professores que está em total desacordo com a realização de “uma prova que não prova nada”... Entretanto, o ministro Nuno Crato disse que “nenhum professor qualificado tem de ter algum receio” da prova de avaliação, afirmando que a “greve é um direito constitucional” e que a questão será vista “na altura própria”. No final da assinatura do protocolo de lançamento da 11.ª Edição do Prémio Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola”, Nuno Crato foi questionado sobre a greve convocada pela Federação Nacional de Educação (FNE) para 18 de dezembro, dia da realização da prova de avaliação de conhecimentos e competências dos docentes e sobre se iria suspender esta prova. “Não. A prova foi criada com o objetivo de melhorar o sistema de ensino através da dignificação da carreira de docente, da dignificação dos professores. Provas semelhantes existem em muitas profissões. Não há razão nenhuma para não existirem no sistema de ensino”, concluiu.

Dívida para com as empresas de dispositivos médicos aumentou

Hospitais públicos devem 778 milhões de euros A dívida acumulada dos hospitais públicos do Continente às empresas de dispositivos médicos ascendia, no final do terceiro trimestre de 2013, a 778 milhões de euros, correspondente a um prazo médio de pagamentos de 422 dias. Este valor, comparado com o verificado no final do exercício de 2012, que era de 667 milhões de euros e 361 dias, registou um aumento significativo. Neste mesmo valor está incluída uma parcela, ainda por liquidar, da dívida acumulada até ao final de 2011, que a Associação Portuguesa das Empresas de Dispositivos Médicos (APORMED) estima ser na

ordem dos 250 milhões de euros. “A APORMED congratula-se pelo esforço feito pelo Governo na regularização desta parcela da dívida, mas lamenta a falta de equidade utilizada na distribuição dos 432 milhões de euros de receita extraordinária inscrita no orçamento extra para a regularização da dívida aos credores do SNS. Segundo as notícias vindas a público, deste valor foram usados 300 milhões de euros para cumprir o protocolo com o sector farmacêutico. O valor remanescente é manifestamente insuficiente para regularizar a dívida com os restantes credores, no-

meadamente os do setor de dispositivos médicos”, refere Humberto Costa, secretário-geral da APORMED. E acrescenta: “A situação é ainda mais preocupante pelo fato de se verificar um novo processo de acumulação de atrasos, resultante da incapacidade de muitos hospitais em cumprir com a Lei dos Compromissos”. A APORMED, a maior associação nacional das empresas que atuam no sector dos dispositivos médicos e tecnologias para a saúde, foi fundada em 1990 e conta atualmente com 47 empresas que representam cerca de 60% do mercado de dispositivos médicos.


19 11 2013  
Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you