Page 1

Ano 29 | Nº 1494| De 13 a 19 de janeiro de 2021| Diretor: João Fernandes | Gratuito | www.opiniaopublica.pt

pub

pub

Situação provisória motivada pela pandemia

Julgamentos do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga vêm para Famalicão p. 3

Administração compreende as queixas, mas fala de “grande pressão” sobre a unidade devido à Covid

ENFERMEIROS DO HOSPITAL DE FAMALICÃO DENUNCIAM FALTA DE CONDIÇÕES NA URGÊNCIA Na passada sexta-feira, enfermeiros do Serviço da Urgência Médico Cirúrgica con- utentes “amontoados nos corredores”. A Administração reconhece que a situação centraram-se em frente ao Hospital de Famalicão num protesto contra as atuais con- não é fácil, mas ressalva que o Hospital está sob grande pressão devido ao aumento dições existentes no serviço. Em comunicado, falam de “falta de enfermeiros” e de dos doentes Covid e respiratórios. p. 4

50% de utentes e funcionários dos lares vacinados até sexta-feira p. 7

FC Famalicão com situação complicada após nova derrota frente ao FC Porto GD Natação conquista bronze em torneio internacional

Formação Famalicão disponibiliza 400 mil horas para mais de 20 mil pessoas p. 6

Famalicão Carnaval cancelado devido à pandemia p. 3 pub


02

CIDADE

opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

Dia de Reis assinalado na associação AFPAD

A Associação Famalicense de Prevenção e Apoio à Deficiência (AFPAD)I comemorou o Dia de Reis com os seus jovens do Centro de Atividades Ocupacionais e do Lar Residencial “A Minha Casa”. Assim, os utentes pintaram, decoraram e construíram nos ateliers várias coroas que depois utilizaram durante o dia e presentearam todos os presentes com o seu “Cantar dos Reis” e outras cantigas e músicas trabalhadas e planeadas no âmbito da musicoterapia. Para a direção técnica da instituição, “este tipo de atividades promove a capacitação dos jovens ao nível das funções auditivas, tais como discriminação e identificação de sons, músicas, letras e de instrumentos, assim como, potencia a capacidade de concentração, atenção e de evocação e memorização.” A direção técnica acrescenta que “o sorriso e o brilho no olhar dos nossos jovens significam a renovação de energias positivas que nos motivam diariamente a todos a superámo-nos”.

Crianças da Gerações cantam os Reis online

Novos corpos gerentes da Associação de Moradores das Lameiras tomaram posse

Jorge Faria promete “continuar a investir no futuro da comunidade” Os novos Corpos Gerentes da Associação de Moradores das Lameiras (AML), para o quadriénio de 2021 a 2024, tomaram posse na passada segunda-feira, nas instalações do Centro Social e Comunitário. Devido à situação pandémica que o país atravessa, a AML decidiu assinalar o momento apenas com a assinatura da formalização da tomada de posse de cada dirigente, respeitando, para respeitar as regras de distanciamento e de segurança. Jorge Faria, que foi reconduzido como presidente da nova direção, destacou como grandes objetivos para este mandato “a requalificação da rede de saneamento do edifício das Lameiras, dos elevadores e de outras áreas do edifício; a construção de residências de autonomia para idosos e a requalificação de alguns espaços do centro social, de modo a promover a inovação e responder a alguns projetos que serão promovidos”. O dirigente garantiu que “a Associação vai continuar a investir no futuro da comunidade, ainda com mais qualidade”, sendo este caminho guiado pelo novo

Momento da tomada de posse de Jorge Faria como presidente da Direção

projeto socioeducativo designado “Em Sintonia: Eu, o Outro e o Mundo”. Jorge faria referiu ainda que é “gratificante ver e sentir que a Associação de Moradores das Lameiras pode contar com pessoas prontas a dar parte do seu tempo, assegurando o presente e futuro da instituição.” Contudo, ressalvou que “não é fácil hoje em dia encontrar equipas assim, tendo em conta o grande desafio que nos espera devido à situação pandémica e que se verá espelhado nos próxi-

mos tempos na vertente socioeconómica das famílias, e que, como sempre, serão as IPSS a dar um enorme contributo para o reequilíbrio do país”. Refira-se que para presidente da Mesa da Assembleia Geral tomou posse José Maria a Costa e para presidente do Conselho Fiscal foi empossada Angelina Rodrigues. Quanto à Direção, além de Jorge Faria na presidência, tomaram posse Manuel Luís Oliveira como secretário e José Ferreira como tesoureiro.

Militares sensibilizam para prevenção à pandemia A tradição de “cantar os Reis” tem já uma longa duração na Associação Gerações. Durante o mês de janeiro, as crianças do pré-escolar percorriam todas as salas da instituição e as ruas e lojas da cidade a cantar e a tocar, invocando a visita dos Reis Magos e desejando um Bom Ano Novo a toda a comunidade famalicense. Neste ano de 2021, por força da pandemia, a tradição não deixou de ter lugar, mas com procedimentos adaptados às novas circunstâncias. Houve que reinventar a tradição e, assim, no dia 6 de janeiro, as crian-

FICHA TÉCNICA

CONSELHO EDITORIAL: Alexandrino Cosme, António Cândido Oliveira, António Jorge Pinto Couto, Artur Sá da Costa, Cristina Azevedo, Feliz Manuel Pereira, João Fernandes, Manuel Afonso e Almeida Pinto. ESTATUTO EDITORIAL: disponível em www.opiniaopublica.pt

DIRETOR: João Fernandes (CIEJ TE-95) jfernandes@opiniaopublica.pt

ças, uma de cada vez, cantaram os Reis, sendo as suas canções difundidas através da plataforma Zoom, em duas sessões distintas, de manhã e de tarde, chegando, por esta via, a todas as pessoas da comunidade Gerações. Simultaneamente, a recolha de donativos para apoiar a realização de atividades educativas ou para comprar material pedagógico não deixou também de ter lugar. Em diversos locais da instituição existem pequenas caixas onde todos aqueles que quiserem contribuir, podem deixar o seu donativo.

CHEFE DE REDACÇÃO: Cristina Azevedo (CPJ 5611) cristina@opiniaopublica.pt

REDACÇÃO: informacao@opiniaopublica.pt Carla Alexandra Soares (CICR-248), Cristina Azevedo (CPJ 5611).

DESPORTO: José Clemente (CNID 297) e Paulo Couto.

GRAFISMO: Carla Alexandra Soares

A Associação de Moradores das Lameiras recebeu a visita dos militares da Escola Prática dos Serviços na Póvoa de Varzim, que apresentaram uma ação de sensibilização relativamente às medidas e procedimentos em fase de pandemia. Esta iniciativa surgiu ao abrigo de uma parceria entre o Instituto de Segurança Social e as Forças Armadas Portuguesas. Segundo a AML, “foi um momento de reavivar conceitos e retirar dúvidas sobre novas orientações que vão surgindo no dia-a-dia”. A ação decorreu em finais de dezembro.

OPINIÃO: Adelino Mota, Barbosa da Silva, Domingos Peixoto, Mário Teixeira, José Luís Araújo, Sílvio Sousa, Vítor Pereira.

GERÊNCIA: João Fernandes

CAPITAL SOCIAL: 175.000,00 Euros.

DETENTORES DE MAIS DE 5% DO CAPITAL

António Jorge Pinto Couto João Fernado da Silva Fernandes Voz On, Lda.

TÉCNICOS DE VENDAS: comercial@opiniaopublica.pt Maria Fernanda Costa e Sónia Alexandra

PROPRIEDADE E EDITOR: EDITAVE Multimédia, Lda. NIPC 502 575 387

SEDE, REDACÇÃO E PUBLICIDADE: Rua 8 de Dezembro, 214 Antas S. Tiago - 4760-016 VN de Famalicão

IMPRESSÃO: Celta de Artes Gráficas, S.L. Gárcia Barbón, 87 Bajo - Vigo

INTERNET - www.opiniaopublica.pt

DISTRIBUIÇÃO: Editave Multimédia, Lda.

Serviços Administrativos: Tel.: 252 308146 / 252 308147 • Fax: 252 308149

NÚMERO DE REGISTO: 115673 DEPÓSITO LEGAL: 48925/91

CONTACTOS Redacção: Tel.: 252 308145 • Fax: 252 30814

TIRAGEM DESTE NÚMERO: 20.000 exemplares, nº 1494


opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

CIDADE

03

Por falta de condições nas instalações de Braga, agudizadas pela pandemia

Famalicão recebe julgamentos do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga Cristina Azevedo Os maiores julgamentos do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Braga passam a ser realizados em Famalicão, na antiga sala de audiências existente no edifício dos Paços do Concelho, que foi oficialmente disponibilizada na quinta-feira da semana passada. Desta forma pretende-se evitar o adiamento de julgamentos por falta de condições no TAF de Braga, que se agudizaram com a pandemia de Covid 19. “É uma solução que surgiu por força da pandemia, mas que pode prosseguir para além da pandemia, porque para estes julgamentos grandes, mesmo não havendo pandemia, não temos condições para os realizar em Braga”, referiu Irene Neves, juíza presidente dos TAF Norte, no dia em que sala foi disponibilizada pelo Município de Famalicão. De facto, os problemas de espaço no TAF de Braga não são de agora e a prova disso é que o primeiro julgamento realizado em Famalicão aconteceu já na passada segunda-feira e era respeitante a um processo de 2009, ou seja, com 11 anos. A esse propósito, Irene Neves lembra que Braga é o terceiro TAF a nível nacional, depois de Lisboa a Porto. “Neste momento, trabalham em Braga 18 juízes, para além dos procuradores, e temos três salas de audiências exíguas. Portanto, disponibilizaram-nos este espaço, que garante

A antiga sala de audiência de Famalicão foi disponibilizada na passada quinta-feira

condições de segurança e de salubridade e que nós vamos usar, enquanto não nos for dado aquilo que precisamos”. A juíza presidente salienta, por isso, que esta é uma solução provisória, até se conseguir novas instalações na cidade bracarense. “O TAF de Braga está sediado em Braga e não pode sair de Braga, só passando pela Assembleia da República e pelas instâncias políticas, o que não está previsto”, reforça a responsável, adian-

tando que existe já um projeto para a possível instalação do TAF no edifício dos Granjinhos. Enquanto esse projeto não se materializa, Famalicão oferece as condições para a realização dos julgamentos, algo que só foi possível graças a diligências efetuadas pela delegação de Famalicão da Ordem dos Advogados, que contou com o apoio da Câmara Municipal. “É uma honra e um orgulho poder con-

tribuir para que a Justiça se possa realizar de uma forma mais segura, mais célere e mais próxima dos cidadãos”, referiu a presidente da delegação da Ordem dos Advogados, Liliana do Fundo, adiantando que “os contatos iniciaram-se em setembro e, após conversações com a senhora juíza presidente e com o presidente da Câmara, conseguimos por em prática a realização dos julgamentos”. A advogada famalicense considera ainda que “a concretização desta medida permitirá aos cidadãos de Famalicão ficarem mais próximos da justiça administrativa e fiscal, em condições de segurança, evitando, assim, deslocações até à cidade de Braga”. A sala onde os julgamentos vão decorrer pertence ao município, sendo atualmente e o salão nobre da Assembleia Municipal. Mas durante mais de 40 anos foi a principal sala de audiência do tribunal de Famalicão, quando este funcionava do edifício dos Paços do Concelho, facto que não foi esquecido pelo presidente da Câmara, Paulo Cunha, para quem a sala “mantém intactas as condições para a realização de julgamentos e ficamos satisfeitos por colocá-la de novo ao serviço da Justiça portuguesa”. De resto, o edil agradeceu à juíza presidente dos TAF Norte “a confiança depositada” e elogiou a iniciativa da delegação da ordem dos Advogados que classificou como “um bom exemplo de proatividade”. pub

Novos casos de Covid 19 voltam a subir em Famalicão O número de novos casos de infeção por Covid 19, voltou a subir no concelho de Famalicão, segundo o boletim epidemiológico desta segunda-feira da Direção Geral da Saúde (DGS). Segundo os últimos dados, que reportam o período entre o 23 de dezembro e 5 de janeiro, Famalicão registou concelho registou uma incidência 809 casos por 100 mil habitantes, quando na semana anterior a incidência era de 649 casos por 100 mil habitantes. Depois de cinco semanas consecutivas de descida no número de novas infeções, o concelho famalicense volta a registar uma subida de mais 160 casos face ao registo na semana anterior. O concelho mantem-se, assim, no grupo dos municípios “com risco muito elevado”.

Carnaval cancelado em Famalicão A habitual noite de Carnaval de Famalicão que atrai todos os anos milhares de foliões até à cidade não vai realizar-se em 2021. A Câmara Municipal anunciou hoje que não irá promover o evento dada a situação epidemiológica que se vive no país. A autarquia decidiu ainda cancelar o tradicional desfile do Carnaval infantil assim como a festa do Carnaval Sénior. Segundo o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “tendo em conta o atual contexto da pandemia não é possível ao município assegurar o cumprimento das regras de prevenção da covid-19 estabelecidas pela Direção-Geral da Saúde, nomeadamente no que diz respeito ao distanciamento social e à interdição de ajuntamentos”. A decisão de cancelar os festejos carnavalescos em 2021 é assim “uma resposta à necessidade de protegermos a população, salvaguardando a sua saúde”, acrescenta o autarca. Depois de quase 40 anos será a primeira vez que a noite de Carnaval é cancelada.

Cior disponibiliza formação gratuita A escola profissional Cior, de Famalicão, disponibiliza a partir deste mês um plano de formação modular certificada e gratuita. É destinada a adultos empregados ou desempregados, residentes no concelho e áreas circundantes. Os interessados poderão em adquirir ou alargar os seus conhecimentos nas áreas da metalurgia, metalomecânica, ciências informáticas, eletricidade e energia, eletrónica, automação e comando, construção e reparação

de veículos automóveis, comércio, secretariado e trabalho administrativo, serviços de apoio a crianças e jovens, trabalho social e ciências farmacêuticas. Em regime laboral e pós laboral, esta ação de formação irá decorrer entre 2021 e 2022, não só nas instalações da Cior como nas Juntas de Freguesia e empresas da região.Os interessados podem saber mais sobre esta oferta na página online da Cior ou através do número de telefone 252301210.


04

CIDADE

opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

Administração compreende as queixas, mas fala de “grande pressão” sobre a unidade

Enfermeiros do Hospital de Famalicão denunciam falta de condições na Urgência Cristina Azevedo As queixas de falta de enfermeiros no Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA), que tutela os Hospitais de Famalicão e Santo Tirso, não são novas, mas, segundo estes profissionais, agravaram-se com a pandemia e com o aumento de doentes internados. Na noite da passada sextafeira, enfermeiros do Serviço da Urgência Médico Cirúrgica, concentraram-se em frente ao Hospital de Famalicão num protesto silencioso contra as atuais condições existentes no serviço. Em comunicado, a equipa de enfermagem fala de “falta de enfermeiros” e de utentes “amontoados nos corredores” que passam “prolongadas horas em macas dos bombeiros” e de “utentes que permanecem durante vários dias no serviço de urgência, necessitando diariamente de cuidados”. A situação, dizem, é de tal forma grave, que os enfermeiros que trabalham na Urgência apresentaram à administração do CHMA uma “escusa de responsabilidade” já no passado dia 12 de dezembro. “Apesar de ter aumentado o número de enfermeiros do serviço, nas últimas semanas tem-se verificado, de forma permanente e simultânea, a ausência de vários profissionais, quer por terem testado positivo à Covid-19, quer por estarem em isolamento profilático. Essa falta tem sido colmatada com recurso a horas extraordinárias, que aumentam o desgaste da equipa e, em última análise, comprometem a segurança e a qualidade dos cuidados prestados”, dizem os enfermeiros, que quiseram falar no anonimato. Entretanto, na manhã de sexta-feira, o presidente da secção Norte da Ordem dos Enfermeiros, João Paulo Carvalho, reuniu com o Conselho de Administração do CHMA para dar conta das preocupações dos profissionais que trabalham na Urgência. Para o responsável a “escusa de responsabilidade” que a equipa de

equipas, mas essa não é a solução para todos os problemas. Se temos um fluxo muito grande de doentes à Urgência e não temos capacidade para os internar, eles vão ter que ficar mais tempo na Urgência, que vai sofrer uma pressão maior do que é habitual, e isto é difícil de gerir, independentemente do número de profissionais que lá temos, que como se compreende não é ilimitado”. O responsável adianta que o CHMA tem já cancelada a atividade programada para libertar camas no internamento, contratou 40 enfermeiros desde setembro e tem deslocado enfermeiros de outros serviços para reforçar as equipas que estão no tratamento à Covid 19 e às doenças respiratórias comuns ao inverno. Mesmo assim, reconhece que “há dificuldades e que os profissionais têm trabalhado mais horas e em condições mais difíceis”. “É natural que se sintam cansados, mas posso garantir que temos uma excelente equipa de profissionais e que, O presidente da Ordem dos Enfermeiros do Norte foi o porta-voz das queixas para já, temos conseguido dar uma resenfermagem assumiu é “uma medida que acontece um pouco por todo o país. posta adequada, embora com muito sacridrástica” que significa que a equipa “Não há nenhuma objeção em reforçar as fício de todos”. conclui. “atingiu o seu limite de capacidade de fazer as coisas bem feitas”. “É um pedido de ajuda e a tutela tem que olhar para isto com muita preocupação, porque estes profissionais têm feito um trabalho brutal”.

Doentes e profissionais passaram frio na nova urgência

18 doentes acamados para um enfermeiro A título de exemplo, João Paulo Carvalho referiu que nesse dia – passada sextafeira – na área laranja/amarela do serviço de urgência havia 18 doentes em maca para um enfermeiro, “algo que não é aceitável porque não é possível garantir cuidados seguros e de qualidade a todos e de forma atempada”. O presidente do Conselho de Administração do CHMA, António Barbosa diz compreender as razões dos enfermeiros, mas ressalva que a pressão sobre o hospital é muito grande, à semelhança do

PAN apresenta denúncia mais uma descarga no Rio Pelhe A Comissão Política Concelhia de Famalicão do PAN, após tomar conhecimento de mais uma descarga no rio Pelhe, na área do Parque da Devesa, apresentou mais uma denúncia por descargas ilegais naquele rio junto do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR. Em nota à imprensa, o PAN lembra que o Rio Pelhe, que nasce e desagua no concelho de Famalicão, “é alvo constante de descargas ilegais” e que o partido “tem apresentado denúncia sempre que toma conhecimento das mesmas”. Nesse sentido, o PAN sublinha que já denunciou junto das entidades competentes “descargas que ocorreram junto ao Parque da Devesa, no recinto da feira, em Ribaínho, em Barrimau, em Esmeriz e mesmo junto à sua nascente”. Refira-se que esta última denúncia do PAN surge depois de alguns frequentadores do Parque da Devesa terem denunciado, a semana passada, nas redes sociais, fotografias que mostram uma substância no Rio Pelhe, de cor branca e nebulosa.

Outra situação que motivou o protesto dos enfermeiros foi o frio que se fez sentir, a semana passada, na nova urgência Covid do Hospital de Famalicão, uma estrutura construída pela Câmara Municipal e que entrou em funcionamento a 3 de dezembro. Na passada sexta-feira, António Barbosa garantia aos jornalistas e também ao dirigente da Ordem dos Enfermeiros, que o problema se deveu a questões técnicas e que estava em vias de resolução. ”De facto, no fim de semana passado, o sistema de aquecimento não conseguiu dar resposta às baixas temperaturas que se fizeram sentir, mas o que me dizem os técnicos é que foi uma situação pontual que já está a ser resolvida”. Apesar desta garantia, o presidente da delegação do Norte da Ordem dos Enfermeiros não deixou de salientar que se viveram momentos difíceis para profissionais e utentes na urgência dedicada a doentes Covid e respiratórios. “O frio era tal, que obrigava os enfermeiros, médicos e assistentes operacionais a vestir várias camadas de roupa por baixo dos seus equipamentos de proteção individual e mesmo assim continuavam com mãos e pés gelados”, relatou o responsável, adiantando que “o mesmo sentiam os doentes, muito deles já com certa idade”.

Centro urbano vai ter sistema de drenagens sustentáveis As obras de reabilitação do centro urbano da cidade de Famalicão vão permitir criar um sistema inovador de drenagens sustentáveis, que consiste na absorção natural das águas de forma a não sobrecarregar os coletores e a fazer com que a água seja absorvida naturalmente em cada espaço verde. A informação foi avançada, na última semana, pela Câmara Municipal. O Plano de Implementação do Sistema Urbano de Drenagem Sustentável (SUDS) vai abranger a área da Praça D. Maria II e da Praça Mouzinho de Albuquerque. Em toda a zona desta operação as caldeiras (base) das árvores serão rebaixadas para possibilitar o acolhimento das águas da chuva e, por outro lado serão aumentadas as áreas verdes e canteiros de forma a maximizar o aproveitamento das águas. Desta forma, explica a autarquia,

será realizada uma divisão da área a intervir em bacias de escoamento que vão encaminhando as águas para as zonas de absorção natural fazendo um percurso de canteiro em canteiro, de zona verde em zona verde, até, por fim chegar aos coletores. Será ainda feito o encaminhamento das águas de bacia em bacia até chegar à zona das charcas na Praça Mouzinho Albuquerque como ponto final de recolha e de encaminhamento para o Rio Pelhe a jusante. O Plano de Implementação do SUDS prevê ainda a plantação de espécies de vegetação autóctones privilegiando ambientes diversos. “Estamos a criar uma cidade mais amiga das pessoas, do ambiente e do comércio. Uma cidade de futuro, inteligente e sustentável”, afirma, a propósito, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha.


opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

Oriundos de diversas Faculdades de Medicina do país

Centro Hospitalar do Médio Ave recebe 33 médicos internos

Na passada semana, 33 médicos internos iniciaram o seu período de formação no Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA), sendo 24 para formação geral e 9 para formação específica. Os novos internos são oriundos de diversas faculdades de medicina portuguesas, nomeadamente Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, da

Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho e Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. A colocação dos novos internos do ano comum no CHMA, que decorre pelo período de um ano, findo o qual seguem para a especialidade, irá permitir que desenvolvam na instituição a sua formação prática em diversas áreas como a Medicina Interna, Cirurgia Geral e Pediatria e Gineco-

logia, sendo também um reconhecimento de que o Centro Hospitalar, que integra os Hospitais de Famalicão e Santo Tirso, dispõe de qualidade e capacidade técnica para colaborar na formação médica. Segundo a diretora clínica, Fátima Figueiredo, “o CHMA recebe estes jovens médicos numa fase em que vêm aprofundar os seus conhecimentos em diversos contextos clínicos”, salientando que “o número de internos acolhidos o que demonstra também a qualidade da nossa instituição no que respeita à formação clínica”. Refira-se que o CHMA tem idoneidade formativa reconhecida para a formação especifica a médicos de Medicina Interna, Pediatria, Ginecologia/Obstetrícia, Patologia Clínica e Cirurgia Geral. Além disso, o CHMA contribui também para os estágios do 5º ano de Anestesiologia, para a formação de Médicos de Medicina Geral e Familiar, nomeadamente através de estágios no Serviço de Saúde Mental, ORL, Medicina Física e Reabilitação, Pneumologia e Serviço de Urgência. pub

CIDADE

05

“Programar em Rede” com candidaturas abertas Estão a decorrer, até ao dia 31 de julho, as inscrições para o “Programar em Rede”, um programa promovido pela Câmara de Famalicão para apoiar, com um montante até 10 mil euros, um projeto cultural que seja promovido em conjunto por várias associações e instituições do concelho. Os interessados deverão preencher a ficha de inscrição do programa que já se encontra disponível no site do Município, remetendo depois a candidatura para o endereço eletrónico cultura@famalicao.pt. O objetivo é envolver os vários agentes culturais do concelho na concretização de um projeto que se diferencie pela inovação e criatividade, pela capacidade de articulação com outros agentes culturais, pela capacidade de mobilização e atração

de público e que contribua para a descentralização da atividade cultural no concelho. O projeto vencedor deve ser concretizado entre 1 de janeiro e 30 de julho de 2022. Podem candidatar-se as entidades com atividade no domínio cultural que tenham sede em Famalicão ou que, sendo de fora, promovam atividades de interesse municipal e sejam pessoas coletivas legalmente constituídas. Caberá à divisão de Cultura e Turismo do município a verificação da conformidade das candidaturas, a avaliação e decisão do projeto vencedor será da responsabilidade do Conselho Municipal da Cultura. Recorde-se que em 2020, a grande vencedora foi “A Casa ao Lado” com o projeto de decoração de espaços no Hospital de Famalicão.

PS reage à situação no edifício de apoio à Urgência O Partido Socialista de Famalicão manifestou-se surpreendido e preocupado com as notícias sobre o frio registado no novo edifício de apoio à Urgência do Hospital de Famalicão. Em comunicado, o PS afirma que “tratando-se de uma estrutura construída recentemente, foi com surpresa que constatamos as condições com que os profissionais e os utentes se têm debatido”. O partido diz ainda que diligenciou “para apoiar na rápida solução do problema” e apela “a todos os intervenientes para colocar a máxima prioridade neste caso concreto, mas também em casos similares das estruturas de saúde do município”. pub


06

CIDADE/FREGUESIAS

opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

Famalicão disponibiliza 400 mil horas de formação Mais de 20 mil cidadãos ativos (empregados e desempregados), com idade igual ou superior a 18 anos, vão poder melhorar as suas qualificações profissionais através das mais de 400 mil horas de formação modular certificada gratuita que vão estar disponíveis no concelho, no biénio 2021-2022, distribuídas por 431 unidades de formação. Estas formações, organizadas em unidades de curta duração de 25 ou 50 horas, são capitalizáveis para a obtenção de uma ou mais qualificações definidas no Catálogo Nacional de Qualificações. As escolas profissionais Forave e Cior, a Didáxis de Riba d’Ave, o Citeve, a Cespu, a Associação Comercial e Industrial de Famalicão, A Associação de Moradores das Lameiras, a ACIP, a GTI, os Bombeiros Voluntários Famalicenses e o Cenfim, sediado na Trofa, são as entidades formadoras. Segundo a Câmara Municipal, a formação aprovada vai de encontro às necessidades diagnosticadas no território pelo município, empresas e instituições educativas. Abrange desde as áreas mais técnicas, relativas a um setor de atividade, como o têxtil, a metalomecânica e o agroalimentar, às mais abrangentes como iniciação de línguas, novas tecnologias, marketing, entre outras. As inscrições devem ser efetuadas junto de cada uma das entidades formadoras referidas ou, então, através do Centro Qualifica de Famalicão disponível em www.famalicaoeducativo.pt.

Presidenciais: candidatura de João Ferreira apresentada em Famalicão

Pelo quarto ano consecutivo

Famalicão volta a receber título de Município Amigo do Desporto O Município de Famalicão voltou a receber, pelo quarto ano consecutivo, o título de “Município Amigo do Desporto”, uma distinção atribuída pela Associação Portuguesa de Gestão do Desporto (APOGESD) em parceria com a Cidade Social e com o apoio institucional da República Portuguesa. Ainda no âmbito deste programa, a autarquia famalicense foi também distinguida com o segundo lugar no concurso “Presença Digital do Desporto e da Atividade Física” e viu reconhecidas as atividades promovidas em tempos de pandemia ao receber a distinção “Recomendada” no concurso “Intervenção Covid-19 no Desporto e na Atividade Física”. A atividade desportiva gratuita e orientada para a população, nomeadamente com os programas “Famalicão em Forma” e “Mais e Melhores Anos”, inscrições e seguros dos jovens atletas nas diferentes federações desportivas suportadas pelo município, o apoio às atividades das associações e coletividades, a ampliação e modernização do parque desportivo do concelho e a sua manutenção, a promoção de motricidade infantil e a organização de

múltiplos eventos desportivos são alguns dos argumentos que valem a Famalicão este reconhecimento público nacional. O presidente da Câmara Municipal acredita que “apostar no desporto é apostar na qualidade de vida, no bem-estar e na saúde dos famalicenses” e que, por isso, “esta é uma distinção que nos deixa a todos muito satisfeitos e certos de que este trabalho não pode parar”. Sobre as outras duas distinções recebidas, Paulo Cunha acrescenta

Iniciativa Liberal lança Portal de Denúncias e Reclamações O Núcleo da Iniciativa Liberal (IL) de Famalicão vai lançar esta semana um Portal para Denúncias e Reclamações nas suas redes sociais. Em nota à imprensa, o partido refere que este formulário online, para que residentes e/ou trabalhadores em Famalicão, “permitirá denunciar situações relativamente à atuação dos órgãos municipais e dos serviços públicos autárquicos”. “Basta, a quem estiver interessado, que aceda ao link do formulário, disponível nas redes sociais do Núcleo de Famalicão da IL, (Instagram e Facebook) e faça a denúncia, podendo escolher fazê-lo de forma anónima ou identificando-se”, explica o partido, adiantando que o Núcleo “garante toda a discrição e cuidado no tratamento dos

Na passada segunda-feira, Heloísa Apolónia, mandatária nacional da candidatura de João Ferreira a Presidente da República, esteve em Famalicão, numa sessão publica para apresentar as ideias e os valores da candidatura. Acompanhada dos mandatários concelhio e distrital, João Malheiro e Alexandre Leite, respetivamente, Heloísa Apolónia apresentou João Ferreira como “o candidato que está do lado certo da luta e que fará cumprir e fazer cumprir a Constituição da República”. Disse também que “é o candidato que não dirá que o salário mínimo de 635 euros é razoável no contexto português “e que “não promulgaria as alterações às leis laborais, sujeitando os trabalhadores a um período experimental de seis meses, facilitando o caminho para a deterioração das condições de trabalho”. A mandatária nacional do candidato apoiado pelo PCP disse ainda que “não haverá nenhum outro candidato que esteja em condições de melhor defender o Serviço Nacional de Saúde”. “É este o candidato que defende e apresenta soluções pelo direito à habitação, pela cultura, pelo desporto, pela educação, pela luta contra todas as discriminações”, concluiu Heloísa Apolónia, na sessão publica que decorreu no auditório da Junta de Calendário.

que “em tempos de pandemia o digital ganhou ainda mais dimensão” e que as aulas de desporto online e o recém-criado canal de YouTube “Famalicão Sénior” foram e continuam a ser muito importantes “para levar alento e energia à vida das pessoas”. Recorde-se que o objetivo do programa “Município Amigo do Desporto” passa por monitorizar, reconhecer e divulgar boas práticas municipais que potenciem a atividade física regular e o desenvolvimento desportivo português.

dados disponibilizados, sendo que apenas pede a identificação do denunciante na eventualidade de contactos adicionais serem necessários para apurar a autenticidade das denúncias”. Com este portal, a IL de Famalicão, espera materializar a sua preocupação anunciada aquando da criação do Núcleo, “de saber se no exercício do poder autárquico, tudo é feito com a máxima transparência, dentro da legalidade e sem favores ou compadrios”. Esclarece, contudo, que “situações que indiciem infrações legais cometidas pelos órgãos ou serviços autárquicos, que sejam do conhecimento dos cidadãos famalicenses ou daqueles que exerçam a sua atividade no concelho, devem ser denunciadas, em primeiro lugar, às autoridades competentes”.

Crianças e idosos da Engenho festejaram Dia de Reis As crianças e idosos das diferentes respostas socais da Engenho- Associação de Desenvolvimento Local do Vale do Este festejaram, na semana passada, o Dia de Reis, apesar das condições epidemiológicas adversas e do frio que se tem feito sentir. Os colaboradores associaram-se a esta festa final da quadra natalícia, rica de tradições, com criatividade, momentos de alegria e animação, cantares, indumentária e motivos decorativos. “Estes momentos, para além do sempre salutar convívio intergeracional, na situação de crise sanitária que vivemos, são extremamente importantes para manter e reavivar as tradições e valores do património imaterial da comunidade”, justificou Carla Silva, diretora de serviços da Engenho. Paralelamente, e ainda segundo esta responsável, proporcionam a todos “estímulos positivos e controlo emocional, que ajudam a ultrapassar medos e receios causados pela pandemia que enfrentamos”. As atividades decorreram em contexto de sala, salas de convívio, átrios e espaços exteriores dos diferentes equipamentos da Associação: Centro de Apoio Comunitário, Lar e Creche de Arnoso Santa Eulália.


opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

Intervenção foi um dos temas abordados na visita de Paulo Cunha à freguesia

Lousado vai ter via ciclo-pedonal na antiga linha férrea A Junta de Freguesia de Lousado e a Câmara Municipal de Famalicão vão reutilizar a linha férrea desativada que passa na freguesia com a construção de uma via ciclo-pedonal. A intervenção deverá arrancar em breve, após a celebração de um protocolo entre a Infraestruturas de Portugal e a autarquia famalicense. O assunto foi um dos temas em destaque na visita de trabalho que o presidente da Câmara efetuou esta semana a Lousado, na companhia do vereador das freguesias, Mário Passos, e do presidente da Junta, Jorge Ferreira. O novo equipamento terá cerca de um quilómetro de extensão e a sua construção contará com as mesmas características da nova via ciclopedonal que liga Famalicão ao concelho vizinho da Póvoa de Varzim. Na visita Paulo Cunha teve ainda a oportunidade de acompanhar as obras de reabilitação do parque de lazer das Fontinhas, que contou com um apoio municipal superior a 20 mil

euros e que, na opinião do presidente da Junta de Freguesia, “vai melhorar significativamente as suas condições de utilização”. As intervenções na rede viária foram também alvo da atenção de Paulo Cunha, nomeadamente, a melhoria das acessibilidades às áreas de localização empresarial Famalicão Sul, com a construção da nova via que fará a ligação da EN14 à Rua de Montoito, em Lousado, num investimento municipal superior a um milhão de euros. Destaque também para as obras de beneficiação na Rua das Cavadas, que contaram com um apoio municipal de mais de 6 mil euros e para a execução de uma baía de estacionamento na Rua Pé de Prata, com um apoio na ordem dos 15 mil euros. Nota ainda para as recentes melhorias efetuadas pela autarquia no parque do Loteamento Mabor e para os apoios concedidos ao Clube Desportivo de Lousado, nomeadamente com a instalação de iluminação LED no recinto desportivo.

Momento da visita ao local onde vai ser construída via ciclo-pedonal

FREGUESIAS

07

Centro Social de Castelões foi o primeiro a receber a vacina contra Covid 19

50% de utentes e funcionários dos lares vacinados até sexta-feira

No Centro Social de Castelões foram vacinados 50 idosos e 30 funcionários

Arrancou ontem, terça-feira, a primeira fase da vacinação contra a Covid 19 nos lares do concelho de Famalicão. Até á próxima sexta-feira vão ser vacinadas 900 pessoas, entre utentes e funcionários, o que representa 50% da população que reside ou trabalha naquelas instituições. Ivo Sá Machado, diretor do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) de Famalicão explicou ao OPINIÃO PÚBLICA que, para já, o processo abrange apenas metade do pessoal dos lares porque “infelizmente, temos muitas instituições com surtos ativos, que por esse facto têm que ficar de fora da vacinação, e outras que já tiveram utentes ou funcionários que já tiveram o vírus e que também não serão abrangidos”. O processo está a ser le-

vado a cabo nos próprios lares por quatro equipas de enfermagem do ACES Famalicão. Na manhã de terça-feira, o Centro Social de Castelões foi um dos primeiros a receber a vacina e fê-lo em ambiente de entusiasmo e esperança, como constatou a reportagem do OPINIÃO PUBLICA. “É um momento entusiasmante, que nos dá a perspetiva de podermos acabar com este problema sério que nos tem atormentado”, referiu Armindo Cunha, médico da instituição que acompanhou o processo de vacinação. O Centro Social de Castelões não teve, até ao momento, nenhum doente com Covid, facto que é “motivo de orgulho, mas também e muita responsabilidade” para a diretora Rosa Vale. “Ansiávamos pela vacina e estamos muito

felizes porque ela chegou, mas não podemos baixar a guarda, para não morrermos na praia”, afirmou. Em Castelões, foram vacinados 30 funcionários e 50 idosos. Um deles foi Abílio Mesquita, de 90 anos, que é um exemplo de resiliência à pandemia. Gosta de estar na instituição e ânimo nunca lhe faltou. “Vivo tudo com normalidade, afinal com 90 anos a gente já não pode andar muito”, afirma entre uma gargalhada. Quanto à vacina, “não doeu nada” e “traz a esperança”. De igual modo, Ilídia Ferreira, funcionária do Centro Social, referiu que se tratou de “uma vacina perfeitamente normal em termos físicos, mas em termos emocionais foi uma felicidade”. C.A. pub


08

PUBLICIDADE opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

José Gomes da Silva, no dia 6 de janeiro, com 87 anos, casado com Elvira Reis da Costa, de Lousado. Teresa Fernandes Martins, no dia 7 de janeiro, com 70 anos, viúva de Joaquim Carneiro da Silva, de Arnoso Santa Maria. Augusto Luís Afonso, no dia 9 de janeiro, com 96 anos, viúvo de Ludovina de Sousa Veloso, de Brufe. Agência Funerária do Calendário Calendário – Tel.: 252 377 207

Maria Cândida Cruz da Costa Araújo Novo, no dia 31 de dezembro, com 71 anos, casada com José de Araújo Novo, de S. Martinho de Bougado (Trofa). João Gil da Conceição Santos, no dia 7 de janeiro, com 72 anos, casado com Fernanda Pereira Ribeiro Santos, de S. Martinho de Bougado (Trofa). Joaquim Dias da Silva, no dia 8 de janeiro, com 79 anos, casado com Maria Helena Ramos de Almeida, de S. Martinho de Bougado (Trofa). Agência Funerária Trofense, Lda (S. Martinho de Bougado) Trofa – Tel.: 252 412 727

Bairro

Falecimentos Francisco Pina Ferreira, no dia 5 de janeiro, com 80 anos, casado com Maria Arminda de Araújo Mariz, de Esmeriz. António Rodrigues da Costa, no dia 5 de janeiro, com 93 anos, viúvo de Elvira Rodrigues Monteiro, de Esmeriz. Alexandre Valdemar Carvalho Rodrigues, no dia 6 de janeiro, com 49 anos, de Areias (Santo Tirso).

(Esposa do Sr. Joaquim Maia)

Missa do 19º Aniversário de Falecimento

A Família vem, por este meio, comunicar a missa do 18º aniversário de falecimento da sua ente querida, que será realizada domingo, dia 17 de Janeiro, pelas 11h15, na Igreja Paroquial de Bairro. Desde já seu profundo reconhecimento a quantos se dignarem assistir a este acto religioso. Bairro, 13 de Janeiro de 2021

A Família

Júlia Alves de Castro, no dia 4 de janeiro, com 82 anos, viúva de António da Silva Pinheiro, de Bairro. Luís Gonzaga Lopes Dias, no dia 4 de janeiro, com 69 anos, casado com Rosa da Silva Gonçalves Dias, de Lordelo (Guimarães).

Ardezira Lopes Pimenta, no dia 7 de janeiro, com 90 anos, casada com Fernando Monteiro, de Bente.

Maria Emília Lopes Fernandes, no dia 11 de janeiro, com 73 anos, solteira, de Bairro.

Maria Alice Amorim Gonçalves, no dia 6 de janeiro, com 82 anos, viúva de Argílio Esteve de Oliveira, do Bonfim (Porto).

Maria da Glória Moreira Rego, no dia 11 de janeiro, com 87 anos, viúva de José Carneiro Coelho, de Monte Córdova (Santo Tirso).

Joaquim Aires Pereira Torres, no dia 8 de janeiro, com 74 anos, casado com Maria Adelina Gomes de Sousa Monteiro, de Bairro.

Agência Funerária de Burgães Sede.: Burgães / Filial.: Delães Telf. 252 852 325

Maria de Barros Pinheiro, no dia 8 de janeiro, com 88 anos, viúva de António Castro Vieira, de Areias (Santo Tirso).

Albina da Silva Guimarães

Maria de Fátima Lopes Fernandes Lima Monteiro, no dia 8 de janeiro, com 81 anos, casada com Carlos Celestino Campos Sousa Monteiro, de Bairro.

António Oliveira da Silva, no dia 8 de janeiro, com 74 anos, casado com Rosa Abreu de Sousa, de Seide S. Miguel. Maria da Conceição Araújo Tinoco, no dia 8 de janeiro, com 85 anos, viúva de António Gomes de Oliveira, de Nine. José de Freitas, no dia 8 de janeiro, com 92 anos, viúvo de Emília Gonçalves Faria, de Avidos. Helena Martins Vilaça, no dia 8 de janeiro, com 92 anos, viúva de António de Araújo Macedo, do Louro. Patrícia Filipa da Costa Fernandes, no dia 10 de janeiro, com 26 anos, casada com Luciano de Jesus Oliveira Alves, de Seide S. Paio. Mimosa Moreira, no dia 10 de janeiro, com 88 anos, viúva de Emídio da Silva Matos, de Santa Cristina do Couto (Santo Tirso).

Alcino Moreira Maia, no dia 6 de janeiro, com 77 anos, casado com Maria Adelaide da Silva Ferreira, de Calendário. Ana Rodrigues de Faria, no dia 6 de janeiro, com 83 anos, viúva de José Machado de Sousa, de Pousada de Saramagos. António de Oliveira Rego, no dia 10 de janeiro, com 97 anos, viúvo de Maria Armandina Soares Fernandes, de Vila Nova de Famalicão. Belmira Pinho Fernandes, no dia 10 de janeiro, com 90 anos, viúva de Joaquim Rodrigues Sampaio, de Gavião. Teresa Ferreira de Azevedo Campos, no dia 10 de janeiro, com 95 anos, viúva de Francisco Mendes da Silva, de Gavião. Isolete de Araújo Leite, no dia 10 de janeiro, com 90 anos, viúva de Leopoldino Marques da Silva Giesteira, de Gavião. Agência Funerária Rodrigo Silva, Lda Vila Nova de Famalicão – Tel.: 252 323 176

Agência Funerária da Lagoa Lagoa – Telf. 252 321 594

Irene Martins Ferreira Simões, no dia 8 de janeiro, com 87 anos, viúva de Manuel Faria Simões, de Nine.

José Adriano Barbosa Maia, no dia 5 de janeiro, com 68 anos, solteiro, de Lousado. Maria Madalena Sousa Cruz, no dia 6 de janeiro, com 76 anos, solteira, de Ribeirão.

Maria do Vale Barreto, no dia 7 de janeiro, com 82 anos, viúva de João Gomes Vilaça, de Arentim (Braga).

Anelide Ferreira da Silva, no dia 6 de janeiro, com 90 anos, viúva de Tomás Machado da Silva, de Ribeirão.

Manuel Aniceto da Costa Capela, no dia 6 de janeiro, com 60 anos, casado com Maria Alice da Silva Rebelo Capela, de Arnoso Santa Maria.

Albino de Campos Couto, no dia 8 de janeiro, com 62 anos, casado com Joaquina Clara Moreira Lopes Couto, de Ribeirão.

Manuel Azevedo da Silva Rebelo, no dia 5 de janeiro, com 83 anos, viúvo de Maria Rosa Pereira da Silva, de Arnoso Santa Maria. Carminda Gomes de Campos, no dia 5 de janeiro, com 98 anos, viúva de João Marques Loureiro Neves, de Sezures. Paulo Fernando Vieira Ribeiro, no dia 4 de janeiro, com 46 anos, solteiro, de Arnoso Santa Eulália. Agência Funerária Arnoso - José Daniel Pereira Arnoso Santa Eulália - Telf. 91 724 67 03

Aurélio Silva e Sá, no dia 9 de janeiro, com 86 anos, casado com Maria Amara Fernandes Gonçalves, de Ribeirão. Felisberto Figueiredo Alves de Pinho, no dia 9 de janeiro, com 77 anos, de Ribeirão. Armindo José Carneiro Melo e Maia, no dia 10 de janeiro, com 67 anos, casado com Áurea da Conceição Nogueira Maia, de Ribeirão. Funerária Ribeirense Paiva & Irmão Lda Ribeirão – Telf. 252 491 433

Maria da Conceição Alves da Silva, no dia 5 de janeiro, com 70 anos, de Outiz.

Aurélio de Sousa e Silva, no dia 9 de janeiro, com 91 anos, casado com Maria Odete Ferreira Lopes, de Lousado.

Agência Funerária Palhares Balazar– Tel.: 252 951 147

Agência Funerária Guimarães Sousa Lousado– Tel.: 911 124 387


opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

Bairro

PRAÇA PÚBLICA

09

Chão Autárquico Vieira Pinto

Ansiamos abraçar Peúgas Carlos Maia (CM Socks)

Albina da Silva Guimarães

Missa do 19º Aniversário de Falecimento

A gerência vem, por este meio, comunicar a missa do 19º aniversário de falecimento da mãe do Sócio-gerente, Sr. Carlos Maia, que será realizada domingo, dia 17 de Janeiro, pelas 11h15, na Igreja Paroquial de Bairro. Desde já seu profundo reconhecimento a quantos se di-gnarem assistir a este acto religioso. Bairro, 13 de Janeiro de 2021

A Gerência

JOSÉ PEDRO COSTA SEARA

Missa de 9º Aniversário de Falecimento

A família vem por este meio comunicar às pessoas de suas relações e amizades, que a missa do 9º aniversário de falecimento será celebrada na sexta feira, dia 15 de janeiro, pelas 18 horas, no Mosteiro Francisco Assis, Cruz de Pêlo de Vale S. Martinho. Caso não seja possível a realização da eucaristia devido às contingências da Covid 19, a família vem por este meio recordar a alma de José Pedro Costa Seara. A todas as suas relações e amizades agradecemos a reza de uma oração pela sua alma e seu eterno descanso.

Vale S. Martinho, 13 de Janeiro de 2021 Desde já, antecipadamente agradece A Família

Vivemos lado a lado, uns com os outros, mas não nos podemos abraçar. Assim, iniciamos o presente ano de 2021, com grande avidez do abraço. Até, atingirmos tal objetivo vivemos numa grande ansiedade. Na verdade, é muito estranho que, vivendo nós, lado a lado, uns com os outros, não nos possamos abraçar. Praticamente, nem sequer nos podemos tocar. Ah, podemos acotovelar-nos, num respeitoso cumprimento. Mas, tudo, isto, assim, em virtude da razão pandémica a impor as suas regras na convivência social. O ano de 2020, com a pandemia Covid 19, obrigou-nos a parar, e a encarar o estado de fragilidade em que nos encontramos, quer no plano individual, quer no plano coletivo, enquanto estado, constituinte de uma sociedade que, em

muito se rege, pelos parâmeros dos egoísmos, da solidão e das descrenças sociais. Com efeito, a pandemia trouxe outras realidades, no plano dos valores e dos princípios regentes da humanidade. De facto, neste ano de 2021, não se poderá continuar a descansar, fomentando, uma sociedade desigual, impaciente, desunida e assustada. Na verdade, a esperança, mora, ali, ao virar da esquina. E esta vislumbra-se já na materialização concreta da vacina, que chegou e, está no terreno a ser aplicada, conforme o critério das autoridades de saúde. E, o que todos desejam, é que ninguém fique, para trás. Todos carecem deste bem publico, que a ciência, num ápice, trouxe, á luz do dia, na longa noite pandémica. Aqui,

todos precisam da vacina, devendo as autoridades travar as tentações das desigualdades, entre as gentes, pois, todos vamos viver dependentes das vacinas. Além disso, a pandemia que trouxe a vacina, terá que trazer também, com ela, uma nova postura da globalização, na vertente económica, mas também com um forte cariz social. O mundo da globalização vai ter que ficar muito mais atento, dialogando bem mais, com a diferença. O mundo da globalização terá que passar a ser mais dialogante, com mais troca de informação, a todos os níveis, designadamente ao nível das ciências, ao serviço da humanidade, tal como com as questões, tão velhas como atuais, respeitantes ao planeta. Pois, todos ansiamos abraçar a vida.

Bússola Hugo Mesquita

É este Portugal que a Europa teme! 35 anos foram marcados no passado dia 01 de janeiro desde que Portugal aderiu à União Europeia. Estamos agora melhor que a 01 de janeiro desse ano de 1986? Estamos sim! Poderíamos estar ainda melhor? Poderíamos sim! Mas ao fim destas três décadas e meia Portugal continua na cauda da Europa ultrapassado até por vários países do leste europeu integrados muito mais tarde. E porquê? Entre muitos mais, alguns dos principais objetivos da nossa União Europeia são a solidariedade entre os países da União; o reforço da coesão económica, social e territorial; o favorecimento do desenvolvimento sustentável assente num crescimento económico equilibrado e na estabilidade dos preços; a construção de uma economia de mercado altamente competitiva, com pleno emprego e progresso social. Para atingir tais objetivos, ao longo destas décadas a UE apoiou Portugal com centenas de milhares de milhões de euros (são muitos muitos zeros sim sr!) de fundos europeus. Todos conhecemos as infindáveis histórias dos apoios europeus e fundos perdidos a favor da tal coesão e desenvolvimento, desbaratados e subtraídos tanto pelo setor público como privado.

Das empresas e projetos empresariais fantasma às grandes empreitadas de custos quadruplicados; dos estudos e projetos milionários que ficaram no papel; de anos e anos de pseudoformação financiada; de iniciativas e políticas públicas que ficaram pelo caminho e apenas serviram para subtrair fundos e manter estruturas “empregadoras”, e mais, muito mais. Não fosse suficiente, Portugal apresenta-se agora como o maior chico-esperto de Bruxelas. Sirvo-me apenas do mais recente exemplo: A proposta do Governo Português de candidato a Procurador Europeu Nacional na Procuradoria Europeia. E o que é isto afinal? É nada mais nada menos que o representante Português no órgão europeu independente de combate à fraude! E como se processa? Basicamente cada Estado-membro abre um concurso, seleciona um candidato através de um painel internacional de avaliadores (porque o regulamento europeu para o efeito assim o exige) e apresenta-o a Bruxelas como sua indicação para o cargo. Pois bem, o Governo de Portugal comandado pelo Partido Socialista, decidiu contrariar a escolha desse painel independente de seleção e indicar a sua preferência (dir-se-ia em linguagem popular, o seu pau-mandado ou o seu fantoche). E porquê? Talvez assim se

sinta mais protegido em relação a eventuais processos de fraude e corrupção que implique as gentes do Partido Socialista. Será? Talvez seja… E como o fez? Justificando a escolha através da prestação de falsas informações para melhorar o currículo e defender a escolha do seu homem. O caso veio a público e o Governo do Partido Socialista veiose justificar com lapsos da responsabilidade dos serviços técnicos, o que originou a demissão do Diretor-geral da Política de Justiça. Este, veio também por sua vez denunciar que tudo o que esses serviços fizeram foi sob claras indicações e conhecimento do Gabinete da Ministra. É a bandalheira total! Curioso, é que esses lapsos que o Governo diz que foram, foram exatamente lapsos favoráveis às suas intenções e, por acaso, só por mero acaso, não calhou de serem lapsos a desfavor das suas intenções! Grande coincidência, não? … pois, pois… Este é um caso de intenção obvia para todos. Como este, muito mais tem havido e outros bem piores. Por estas e por outras, Portugal não sai da cepa torta. Por esta e por outras somos cada vez mais aquela cambada de chico espertos lá do sul da Europa, pelos quais não vale a pena o esforço e o desembolso europeu. É por estas e por outras que a Europa nos teme.


Porto congelou os Bargos

Este não era o melhor adversário para o Famalicão 1-4 Estádio Municipal de Famalicão Árbitro: Rui Costa (AF Porto) Assistentes: Nuno Manso, João Bessa Silva

FC Famalicão FC Porto Vaná Alves Dani Morer Riccieli (Campana 63′) Diogo Queirós Babic Rúben Vinagre (Calvin 63′) Gustavo Assunção Lukovic (Joaquín Pereyra 86′) Gil Dias (Iván Jaime 74′) Anderson Jhonata Robert ( Valenzuela 74′)

Marcehsín Nanu Mbemba Diogo Leite Zaidu Sérgio Oliveira (João Mário 84′) Matheus Uribe Otávio (M. Grujic 85′) Corona (Pepe 74′) Marega (Luiz Díaz 68′) Taremi (Toni Martínez 74′)

~~

Treinadores Sérgio Conceição

FC Famalicão

João Pedro Sousa

Golos: 1Taremi (0-1) 13′; Jhonata Robert (1-1) 20′; Sérgio Oliveira (1-2) 32′; Taremi (1-3) 58′ e João Mário (1-4) 89′. Cartões Amare los: Mbemba (12′); Diogo Queirós (15′); Vaná Alves (31′); Gustavo Assunção (41′); Riccieli (55′) e Morer (90+3′).

José Carlos Fernandes João Pedro Sousa tinha razão, nesta altura, este (FC Porto) não era o melhor adversário para o Famalicão. Neste confronto estavam frente a frente o melhor ataque e a pior defesa. João Pedro Sousa foi cauteloso e ao mesmo tempo surpreendeu com uma linha de 3 centrais, alterando o habitual 43-3. Foi também a estreia de Rúben Vinagre, (que veio por empréstimo do Wolverhampton), na posição de lateral esquerdo e Gil Dias jogou mais na frente, já que Ruben Lameiras rumou até à cidade Berço para jogar pelo VSC. Com esta derrota o Famalicão soma sete jogos consecutivos

sem vencer, por outro lado os dragões somaram a nona vitória consecutiva, conseguindo manter a 2ª posição com os mesmos pontos do Benfica e a quatro do líder Sporting. Certamente ainda com a memória da época passada, onde o Famalicão tinha vencido por 2-1, a formação de Sérgio Conceição entrou forte e a dominar, encostando a equipa da casa para perto da sua baliza. À passagem do minuto 12 surgiu o primeiro golo do Porto. Nanu, que foi titular porque Manafá estava com Covid 19, lançou em profundidade Tecatito Corona, este na linha de fundo cruzou e Taremi com facilidades da defensiva famalicense bateu Vaná, estava aberto o ativo.

O Famalicão apesar de sofrer cedo, até reagiu e 8 minutos depois do golo portista, talvez aqui com um erro de Diogo Leite, que depois de má abordagem à bola, foi ultrapassado por Anderson e acabou por cometer uma grande penalidade. Jhonata Robert não perdoou, e faz o golo da igualdade. Contudo a formação famalicense retribui a oferta do Porto. Um desentendimento entre Diogo Queirós e Vaná, permitiu que Taremi chegasse primeiro, sendo depois derrubado pelo guarda redes famalicense. Grande penalidade assinalada e bem convertida por Sérgio Oliveira, colocando de novo o Porto na frente do marcador, resultado com que terminou a primeira

centrais e apostou mais no ataque, com a entrada de Leonardo Campana e de Ivan Jaime, mas mesmo assim continuavam as dificuldades. Nos últimos 10 minutos o Porto baixou um pouco o ritmo e as suas linhas, aproveitando o Famalicão para ficar perto do golo, primeiro Lukovic de livre e depois Anderson de cabeça, obrigaram a duas fantásticas defesas de Marchesín a negar o segundo tento Famalicense. Na resposta e já perto do fim, num rápido contra-ataque, João Mário que tinha entrado minutos antes estreou-se a marcar pela equipa principal e fechou a contagem em 1-4. Acabou por ser uma vitória justa do Porto, com números exagerados, mas, como disse no fim, João Pedro Sousa, os erros individuais do Famalicão é que levaram a este desfecho final. O Famalicão acaba por cair numa situação complicada na classificação e os jogos que aí vêm são, por isso, fundamentais para a equipa Famalicense.

parte. No segundo tempo, o Famalicão entrou a tentar pressionar a equipa portista, mas os dragões conseguiram facilmente eliminar a tentativa famalicense, não permitindo que chegassem à baliza de Marchesin com perigo, a não ser de bola parada. Como o Famalicão não conseguiu perigo na baliza Portista, foram os dragões que voltaram a marcar. Canto do lado direito, Vaná sacudiu com os punhos, a bola volta a entrar na grande área Famalicense, permitindo que o Iraniano Taremi bisasse e fizesse o terceiro golo para o Porto. Golo que tranquilizou a equipa de Sérgio Conceição. João Pedro Sousa queria mais. Alterou a tática dos três pub


opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

DESPORTO

11

João Marques, treinador da equipa feminina do FC Famalicão

“O mérito é das minhas jogadoras, que trabalharam muito para estes resultados” Carla Alexandra Soares* Foram 9 jogos, 9 vitórias, 34 golos marcados e apenas 4 sofridos. Esta é a impressionante marca da equipa feminina do FC Famalicão que terminou, desta forma, a primeira fase da Liga BPI. As atletas ficaram na liderança da tabela da Série Norte, fazendo o pleno. Segue-se agora a fase de apuramento de campeão a ser disputada pelas 4 equipas líderes da Série Norte e as 4 da Série Sul. Numa entrevista ao OPINIÃO SPORT (OS), João Marques, o treinador da equipa feminina do FC Famalicão, diz-se satisfeito com os resultados e orgulhoso da sua equipa. “No início da época sabia que íamos fazer uma boa primeira fase, lutando pelo nosso objetivo. Também sabia que ia ser algo muito difícil, como foi”, explica o treinador que dá todo o mérito às jogadoras. “Muito mérito por todo o trabalho que têm feito até ao momento”. Para João Marques uma das chaves para o sucesso esteve em aplicar nos jogos o apreendido nos treinos, o que se traduziu num “grande prémio” para as atletas, que demonstraram, afirma, um grande profissionalismo. “O reflexo disso foram os nossos jogos”, refere o treinador que não deixa ainda de sublinhar que este prémio é também para a direção “pela sua

aposta no futebol feminino”, mas também para a cidade, adeptos, sócios e simpatizantes do FC Famalicão. O treinador diz que, ao contrário do que muitos pensam, o futebol feminino do FC Famalicão “não tem um orçamento muito grande”. “Tem sim é uma família muito unida, que trabalha muito”. “Fizemos algo que considero histórico”, acrescenta. João Marques alinha agora os chacras para a fase que aí vem e relembra que ainda não ganharam nada.

Búlgaro Bozhidar Kraev assina pelo FC Famalicão

Bozhidar Kraev é a mais recente cara nova da equipa principal do Futebol Clube (FC) de Famalicão. O búlgaro, de 23 anos, vinculouse ao clube famalicense até ao final da temporada, num acordo que prevê uma opção de compra do passe do jogador. O médio está de regresso à Liga NOS, onde jogou na temporada anterior ao serviço do Gil Vicente FC e se destacou pela veia goleadora. Já na presente temporada, Bozhidar Kraev participou em quatro jogos da fase de grupos da Liga dos Campeões ao serviço do Midtjylland, clube pelo qual defrontou Liverpool, Ajax e Atalanta. O médio tem sido ainda presença assídua nas convocatórias da seleção principal da Bulgária, somando, até ao momento, 22 internacionalizações. “Conhecer o futebol português fez-me aceitar voltar. Penso que será uma adaptação rápida e venho com o objetivo de jogar e ajudar a equipa”, referiu o novo camisola 10 do FC de Famalicão.

“Vamos ter que trabalhar muito se quisermos continuar neste caminho”, sublinha o técnico que garante a luta contínua pelos três

pontos. Apesar da “juventude” de toda a estrutura, que tem praticamente dois anos, os pés estão bem assentes na terra e o treinador aponta, desde já, os jogos “muito complicados que aí vêm”. “Temos pela frente partidas com equipas com muitos anos de experiência, com outros orçamentos”. Mesmo assim João Marques não teme nenhuma das oito equipas que vai defrontar e garante que toda a equipa técnica e jogadoras “sabem muito bem o que querem”. “Estamos todos focados em jogar e pensar jogo a jogo. Mais para no fim iremos fazer as contas”. Assim, nas perspetivas para esta segunda fase, o treinador mostra-se confiante, mas cauteloso. Aponta as maiores qualidades da sua equipa, que considera ser jovem, mas ambiciosa, e com um jogo atrativo e ofensivo. Segundo o sorteio na primeira

jornada da segunda fase, a disputar no domingo, dia 17 de janeiro, o FC Famalicão desloca-se ao terreno do Sporting CP, líder da Série Sul, na primeira fase do campeonato. João Marques garante que, independentemente do adversário, a postura das jogadoras será sempre a mesma, ou seja, o foco em trazer os 3 pontos. “Estamos confiantes no nosso trabalho e vamos, jogo a jogo, demonstrar o que queremos”. “Desde que me conheço como treinador não descarto ninguém e respeito todos de igual forma. As oito estão nesta fase por mérito próprio e para mim são oito candidatas ao título”, refere ainda a propósito o técnico que acredita que a “grandeza e os pergaminhos dos clubes ajudam, mas não ganham jogos, o dinheiro ajuda, mas não ganha jogos. Acreditamos em nós”. *com José Clemente pub


12

DESPORTO/PUBLICIDADE

opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

Hóquei: FAC perde em Barcelos em partida frenética O Famalicense Atlético Clube (FAC) começou o ano, no passado sábado, com uma deslocação a Barcelos para defrontar um candidato ao título, realizando uma rara partida plena de golos e que só nos momentos finais ficou definida, pendendo a favor do atual segundo classificado. Sem poder contar com o espanhol Juan López, neste primeiro jogo da segunda volta do campeonato. O FAC realizou uma boa entrada na partida, marcando cedo e desperdiçando outras oportunidades, mas a equipa da casa acabou por dar a volta ao resultado na primeira parte, tendo o primeiro período terminado com o 5-3 para os barcelenses. O segundo período do jogo manteve a mesma toada com muitos golos marcados. O FAC reduziu cedo o marcador, mas mais uma vez foram os visitados a aumentar a vantagem para os 7-4. O jogo estava longe de ficar resolvido e a formação famalicense

PASSA-SE

CENTRO DE ESTÉTICA NO CENTRO DA CIDADE DE FAMALICÃO COM BOA CARTEIRA DE CLIENTES

MOTIVO: INDISPONIBILIDADE PARA TRABALHAR NO RAMO CONTACTO: 917 713 394 PRECISA-SE de artistas e serventes para a construção. Com ordenado acima de 1000€. Contacto: 93 83 65 283

SENHORA

FAZ ACOMPANHAMENTO DE IDOSOS AO DOMICILIO. DIA OU NOITE. (com transporte próprio e experiência)

Contacto: 910 126 365

chegou mesmo à igualdade a sete bolas a três minutos do final. No entanto a resposta do OC Barcelos foi pronta e a equipa voltou de novo à vantagem. Com a equipa da casa com catorze faltas, o Famalicense fez um "forcing" final à procura de igualar, mas a prestação do guardião barcelense impediu o feito e a equipa da casa estabeleceu no úl-

timo minuto o 9-7 final. Na próxima jornada o FAC recebe o FC Porto, numa partida marcada para as 18h00 de sábado. Entretanto, nesta quarta-feira, o FAC realiza o jogo em atraso dos 32 avos de final da Taça de Portugal, frente ao GDC Fânzeres, no Municipal local. A partida tem início pelas 20h30.

Hóquei: Riba d’Ave perde jogo equilibrado frente à AD Sanjoanense O Riba d’Ave Hóquei Clube (RAHC) recebeu sábado a AD Sanjoanense no arranque da segunda volta do Campeonato Nacional I Divisão de Hóquei em Patins e saiu derrotado por 5-6. O começo do jogo mostrou-se bem disputado e equilibrado, com as equipas a tentar alcançar o golo com a equipa da casa a entrar pressionante, mas com uma resposta à altura da formação visitante que aos 11 minutos, conseguiu mesmo chegar ao golo inaugural, pelo stick de Pedro Cerqueira. Depois do golo sofrido o RAHC foi

em busca da igualdade e conseguiu aos 16 minutos por João Pedro. A reação da AD Sanjoanense não demorou e, três minutos depois, Alex Mount colocava a equipa de novo em superioridade. No minuto seguinte, o avançado inglês bisava e elevava o marcador apara 1-3. A 11 segundos do intervalo foi a vez João Pedro repetir a proeza e reduziu a desvantagem para a equipa da Tílias com o 2-3 com que se chegou ao intervalo. O segundo tempo começou repartido e equilibrado e o golo acabou mesmo por surgir aos

cinco minutos, através de um livre direto de Pedro Cerqueira, que aumentava a vantagem para a formação de São João da Madeira. Os ribadavenses não desistiram da procura do golo e, no minuto sete, Nuno Pereira atirou para o fundo das redes. A AD Sanjoanense foi rápida na resposta e, no mesmo minuto, Xavier Cardoso fez o quinto golo para a equipa de São João da Madeira. O RAHC não esmoreceu e, aos 14 minutos, pelo stick de Hugo Barata, voltou a ficar à distância de um golo do adversário. Com um jogo intenso e

agressivo, a igualdade acabou mesmo por acontecer. Dinis Abreu, aos 19 minutos, marcou e estabeleceu o 5-5 no marcador. Resultado manteve-se até um minuto do fim do jogo, mas Facundo Navarro, na conversão de um livre direto a penalizar a 10ª falta, marcou e estabeleceu o placard final de 5-6. Com a derrota, o Riba d’Ave HC fica na 12ª posição da tabela. Na próxima jornada, a formação de Riba D’Ave desloca-se a Almeirim, para defrontar o HC Tigres. O jogo está marcado para sábado, dia 16 de janeiro, às 18h00.

GD Natação conquista pódio no Torneio Cidade da Guarda O Grupo Desportivo (GD) de Natação de Famalicão alcançou o pódio no prestigiado Torneio Internacional Cidade da Guarda, realizado este sábado, na Piscina Municipal da Guarda, com a participação de cinco nadadores famalicenses: Daniela Lopes, Afonso Silva, Pedro Fernandes, João Oliveira e Rui Madureira. Daniela Lopes conquistou a medalha de bronze, na prova de 400 Livres, demonstrando a sua qualidade para a natação de competição e iniciando o ano de 2021 da melhor forma possível. Para o trinador famalicense, Pedro Faia, “a natação em Famalicão começou o ano de 2021 da melhor forma, participando e competindo num torneio internacional, onde os atletas viram reconhecida e valorizada a sua competência, qualidade e determinação na prática da modalidade”. E conclui “considero que eles estão no caminho certo e estão focados em fazer uma excelente preparação com vista aos próximos campeonatos nacionais de categorias e de clubes”.


Um café por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…

O café, a seguir à água, é a bebida mais consumida em todo o mundo e as razões são obvias. Cientificamente comprovados, os benefícios do café não deixam ninguém indiferente. Confira alguns deles. - Efeito estimulante. O principal componente do café é a cafeína. Esta substância, quando consumida em doses baixas a moderadas, tem ação estimulante. Assim, o sono diminui e a energia aumenta. - Melhora o desempenho na atividade física. Devido à ação estimulante da cafeína, o café proporciona mais energia para praticar exercício físico. A bebida estimula a ação dos músculos durante atividades prolongadas, que passam a utilizar a gordura como fonte de energia, em vez de açúcares encontrados nos carboidratos. A ingestão de cafeína reduz a sensação de fadiga, assim como o aumento da força

muscular, possibilitando um maior grau de carga e repetições de cada exercício. - Bom para os músculos. A cafeína poupa a glicose do músculo esquelético. Quanto maior a quantidade de glicose no músculo, mais longe ele fica da fadiga. Além disso, ainda aumenta e facilita a entrada da quantidade de cálcio. - Melhora a concentração. Devido ao efeito estimulante da cafeína, o café irá proporcionar uma maior concentração e, consequentemente, uma maior capacidade de aprendizagem. - Diminui o risco de depressão. Diversas pesquisas demonstraram uma associação inversa entre o consumo de café e o risco de suicídio. É conhecido que doses moderadas de cafeína interferem positivamente no humor. Além disso, o ácido acético pre-

sente no café apresenta efeitos antidepressivos. - Previne o cancro. O café, em quantidades moderadas, ajuda na prevenção do cancro devido à sua ação antioxidante e combate os radicais livres que favorecem o aparecimento de tumores. - Previne a morte por cirrose. Uma pesquisa levada a cabo pela Universidade Nacional de Singapura, com uma amostra de 63 mil pessoas, observou que beber duas ou mais chávenas de café por dia pode reduzir o risco de morte por cirrose. - Previne diabetes tipo 2. Estudos realizados em animais apontaram que o café, tanto a versão normal quanto a descafeinada, ajuda a prevenir o diabetes tipo 2. O efeito deve-se ao ácido clorogénico presente na bebida que provoca a diminuição da concentração de glicose e aumento da sensibilidade à insulina.

pub


14

ESPECIAL

opiniãopública: 13 de janeiro de 2021 pub

A origem do café…

O café faz parte da vida da maioria dos portugueses. Por cá, o significado de ir beber um café é um convite básico para se estar com alguém, mesmo que a bebida escolhida seja qualquer outra. O café não pode falhar na rotina diária dos portugueses e os motivos para isso são diversos: fazer uma pausa, espantar o sono ou mesmo confraternizar. A verdade é que o café já faz parte da cultura portuguesa. E apesar de, atualmente, todo o tipo de café estar ao nosso alcance, nem sempre foi assim. A planta do café é originária da Etiópia e foi, nos primeiros tempos, usada como alimento. É apenas em 575 d.C. que passa a ser cultivada pelos árabes com o objetivo de a utilizarem na preparação de uma bebida. A história mais generalizada atribui a descoberta das propriedades do café a um prior de um mosteiro cristão, no qual um pastor de cabras, de nome Kaldi, se teria apercebido de que os animais confiados à sua guarda, após terem comido de “uma pub

certa planta” não podiam conciliar o sono e ficavam em grande agitação. A implementação da bebida para a Europa deu-se entre os anos 1600 e 1649 através do primeiro café público "Café Florian", em Veneza, que abriu em 1645. O café chegou pouco depois a França (1659), tendo o seu consumo expandindo-se rapidamente e em grande escala. As "casas de café" na Europa tornaramse, desde então, lugares influentes, frequentados por artistas, intelectuais, mercadores, banqueiros, sendo um fórum para atividades políticas e desenvolvimento da sociedade. Em Portugal, a sua produção tornou-se num outro modo de exploração económica. No século XVIII, durante o reinado de D. João V, o café passou a ser produzido no Brasil, tornando-se num dos locais exportadores a nível mundial. Depois, passou a ser cultivado nas ex-colónias de Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe e, mais tarde, Angola.

E os mitos conhece?

O consumo de café, tal como de todas as restantes bebidas deve ser feito com moderação. No entanto, e como esta é uma bebida que já faz parte da cultura portuguesa, muitos foram os mitos sobre o café que surgiram ao longo dos anos. Confira alguns deles e esclareça as suas dúvidas. - Beber café faz mal à saúde. Beber café regularmente, entre 3 a 4 chávenas diárias, deve fazer parte de uma dieta saudável e equilibrada. Não causa efeitos adversos para a maioria dos adultos saudáveis e traz benefícios terapêuticos. - Beber café aumenta o risco de doença cardiovascular. O consumo moderado de café não está associado a um maior risco de problemas cardiovasculares tais como doenças e ataques cardíacos, arritmia ou hipertensão. Pelo contrário, vários estudos sugerem que o

café pode ajudar a reduzir este tipo de patologia. - Grávidas não devem beber café. A recomendação é que as mulheres grávidas limitem a dose diária de cafeína para 200 a 300mg/dia, o que não significa eliminar o consumo. Desta forma, não há qualquer inconveniente em ingerir até duas chávenas, que correspondem a cerca de 80-100mg diárias de café. - O consumo de café vicia. A remoção de cafeína da dieta normal pode levar a sintomas temporários de abstinência em algumas pessoas, como dores de cabeça, que podem ser evitados por uma redução gradual da ingestão de cafeína. - Descafeinado é mais saudável do que café. O descafeinado é, na verdade, tão rico em anti-oxidantes quanto o café.


O dicionário do café…

- Chávena Escaldada. O café pode ser feito utilizando a "chávena escaldada", que nada mais é do que ser servido na chávena muito quente. Para que o café seja servido dessa forma, é preciso pedir. Se nada disser, o café será servido numa chávena um pouco menos quente. - Café expresso. O café expresso é aquele que normalmente é servido por predefinição, sendo que a chávena é enchida até metade. - Café curto ou Italiana. O café curto, também chamado de italiana, é aquele café que vem só o fundo da chávena coberto. Neste caso, enche-se a mesma até menos que a metade. Esse café é pedido, normalmente, pelos apreciadores de cafés com sabor mais intenso, tendo em vista que é mais concentrado. - Café cheio. Ao contrário do café curto ou italiana, o café cheio é aquele que enche a chávena de café praticamente por completo. É, portanto, consumido por aqueles que gostam do café com um sabor menos forte. - Café duplo. O café duplo é, como o nome evidencia, o dobro do café, mais precisa-

mente é o café concentrado como o expresso servido numa chávena maior. - Meia de Leite. A meia de leite é o café com leite servido numa chávena maior. Confere uma textura suave e sedosa ao café. - Galão O galão é o café com leite servido no copo alto com uma dose de café expresso e o restante completado com leite. - Garoto ou Pingo. É uma chávena de café com bastante leite e pouco café. Por outras palavras, é o café curto ou italiana com leite. A expressão Pingo utiliza-se maioritariamente no Porto e o Garoto em Lisboa. - Bica ou Cimbalino. Na região de Lisboa, também se utiliza o termo Bica para pedir o simples café expresso. O termo "bica" significa “beba isso com açúcar”. Já no Porto o cimbalino, remete para o café tirado da diretamente da máquina importada de Itália, "La Cimbali". - Pingado. O café pingado é o café com umas gotas de leite frio. - Café com cheirinho. Este tipo café caracteriza-se por ter um toque de aguardente tipicamente portuguesa.

Café no top 5 das categorias mais consumidas fora de casa opiniãopública: 13 de janeiro de 2021

São mais de 16 biliões as ocasiões de consumo das categorias de bebidas e snacking em Portugal, num ano, realizadas dentro e fora de casa, o que se traduz em 32 ocasiões de consumo de um indivíduo por semana nestas mesmas categorias. Os dados são da Kantar e indicam que, apesar da recessão económica, 30% dessas ocasiões acontecem fora de casa, número que, em grande parte, se deve ao café. No fora de casa, quase 80% das ocasiões de consumo são apenas de café, ou seja, de forma isolada e sem acompanhamento de outro produto. O café encontra-se no top 5 das categorias mais consumidas fora de casa nos diferentes momentos. “Se, por um lado, começamos o nosso dia acompanhando o café com alguns lácteos e bolaria, por outro lado, conforme o nosso dia avança, vamos introduzindo os refrigerantes, as águas e os sumos, ou, já na parte da tarde e no jantar, as bebidas alcoólicas. Mas a verdade é que o café é sempre o protagonista e nunca acabamos o nosso dia sem o café, entre outros produtos mais prazerosos, como os gelados ou os snacks de chocolate”, diz a Kantar. Tal facto não é de estranhar se pensarmos que o café é uma categoria muito acessível em Portugal. “Papub

ESPECIAL

15

gamos 80 cêntimos, em média, por um café fora de casa em Portugal, valor que fica muito longe dos quase quatro euros na Chin, ou quase três euros no Reino Unido. Mas não precisamos ir tão longe, pois, em Portugal, o café, em média, é um euro mais barato do que no país vizinho, Espanha, o que nos leva a pensar na acessibilidade da categoria e o espaço potencial para gerar valor incremental”. Isto torna Portugal no país com mais adeptos de café: nove em cada 10 portugueses bebem café fora de casa de forma regular. 63% das ocasiões de consumo são sempre de café com açúcar e privilegiando o expresso ao resto das variedades. Os principais fabricantes têm feito grandes esforços por tornar a categoria mais moderna, dinâmica e premium e adaptando-a às novas realidades e exigências do consumidor atual. Exemplos deste movimento são a oferta de uma maior conveniência via as cápsulas de café, único segmento com crescimento no último ano e que já conquistou sete de cada 10 lares portugueses, ou a preocupação pelo meio ambiente, criando opções biológicas ou consciencializando os consumidores da importância da reciclagem das cápsulas de café, alavancado a sustentabilidade. pub


16

PUBLICIDADE

opiniãopública: 13 de janeiro de 2021


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.