Page 1

Ano 29 | Nº 1486| De 18 a 24 de novembro de 2020| Diretor: João Fernandes | Gratuito | www.opiniaopublica.pt

pub

pub

Medida da Câmara repete-se este sábado e domingo

Serviço de estafetas entregou 905 refeições no fim de semana p. 2

Mais de 1300 infeções em 14 dias, 90 doentes internados e atividade programada adiada

AUMENTO DOS CASOS COVID COLOCA HOSPITAL SOB PRESSÃO p. 3

Cidade Luzes de Natal acendem-se sexta-feira, num ano sem a habitual animação p. 5

Ensino Escola Camilo sensibiliza para preservação da água e recebe Bandeira Azul

p. 4

TMG Famalicense Isabel Furtado foi eleita empresária do ano p. 6

Natação: GD Famalicão conquista mais três títulos e 13 medalhas Futebol feminino: FC Famalicão na frente só com vitórias

Central de camionagem vai ter sala de apoio para estudantes p. 5

Especial distritais: GD Fradelos e Ruivanense AC pub


02

CIDADE

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Famalicão Extreme Gaming vai ter edição digital em dezembro

Depois de ter adiado a quarta edição do Famalicão Extreme Gaming para 2021, a organização do evento comunicou esta semana, através do Twitter oficial, que vai realizar um evento digital nos dias 4, 5 e 6 de dezembro. O Famalicão Extreme Gaming é um festival ligado aos videojogos e ao mundo e-sports e ocorre desde 2017, no Lago Discount, em Ribeirão, Famalicão. Trata-se do maior evento gaming do norte do país, que reúne alguns milhares de participantes, e que, para além da componente ligada aos videojogos, proporciona diversas atividades com a presença de youtubers e streamers conhecidos. Contudo, devido à pandemia de Covid 19, a edição física deste ano teve que ser cancelada, propondo agora a uma edição digital com dois torneios de e-sports a serem realizados durante os três dias em que o evento ocorre. A organização adianta que todos os interessados podem participar, ainda que os jogos não tenham sido escolhidos, prometendo divulgar mais informações nos próximos dias.

Arciprestado de Famalicão promove formação bíblica online Num ano pastoral dedicado pela Arquidiocese de Braga à caridade, o Arciprestado de Famalicão promove a realização de três “Encontros Bíblicos” orientados por D. António Couto, bispo de Lamego e conceituado biblista, subordinados ao tema “Faz do mesmo modo por uma Igreja Samaritana”, a partir da parábola do Bom Samaritano. A iniciativa tem lugar nos dias 25, 26 e 27 de novembro, sendo que todos os encontros acontecem às 21h15. Devido a todas as condicionantes trazidas pela pandemia associada à Covid-19, os encontros não decorrerão de modo presencial, mas online, com transmissão a partir da página do Facebook do Arciprestado de Famalicão. O arciprestado apela à participação de todas as paróquias, nomeadamente de todos os agentes de ação pastoral, como sacerdotes, diáconos, catequistas, grupos de jovens, escuteiros, leitores, acólitos, ministros extraordinários da comunhão, coralistas, conferências vicentinas e famílias. “Trata-se de uma iniciativa que, às portas do Advento, se apresenta como uma oportunidade privilegiada para experimentarmos o encontro pessoal e íntimo com o Senhor, que nos desafia, a viver segundo a lógica da virtude da Caridade, como edificadores comprometidos e apaixonados de uma Igreja Sinodal e Samaritana”, afirma o Arciprestado.

FICHA TÉCNICA

CONSELHO EDITORIAL: Alexandrino Cosme, António Cândido Oliveira, António Jorge Pinto Couto, Artur Sá da Costa, Cristina Azevedo, Feliz Manuel Pereira, João Fernandes, Manuel Afonso e Almeida Pinto. ESTATUTO EDITORIAL: disponível em www.opiniaopublica.pt

DIRETOR: João Fernandes (CIEJ TE-95) jfernandes@opiniaopublica.pt

CHEFE DE REDACÇÃO: Cristina Azevedo (CPJ 5611) cristina@opiniaopublica.pt

REDACÇÃO: informacao@opiniaopublica.pt Carla Alexandra Soares (CICR-248), Cristina Azevedo (CPJ 5611).

DESPORTO: Jorge Humberto, José Clemente (CNID 297) e Pedro Silva (CICR-220).

Serviço de estafeta grátis continua no próximo sábado e domingo

Câmara de Famalicão entregou 905 refeições no fim de semana O serviço de estafetas grátis criado pela Câmara de Famalicão, para responder ao confinamento parcial ao fim de semana, entregou 905 refeições no fim de semana passado, o primeiro a ser abrangido pela medida do governo. O número foi adiantado ao OPINIÃO PÚBLICA pelo vereador da Economia e Empreendedorismo, Augusto Lima, que fala numa “adesão que superou as expetativas”. O serviço foi criado pela autarquia, em parceria com alguns restaurantes do concelho, com o objetivo de contribuir para a mitigação dos efeitos económicos na restauração provocados pelas medidas impostas pelo estado de emergência, nomeadamente com o recolher obrigatório a partir das 13h00 em dois fins de semana, o que passou e o próximo. Assim, entre as 19h00 e as 22h30, a autarquia disponibiliza um serviço gratuito de entrega das refeições, sendo que no primeiro fim de semana integrou 37 estafetas e abrangeu todas as freguesias do concelho, num total de 47 restaurantes aderentes. Para requisitar o serviço, o consumidor apenas tem de contactar o restaurante, encomendar a refeição e pagar por MB WAY ou transferência bancária, não sendo admitidos pagamentos diretamente ao estafeta. “Temos consciência que nem

A campanha é válida para encomendas de valor superior a 10 euros

tudo correu bem, mas o balanço final é francamente positivo. Existiu uma mobilização geral dos restaurantes aderentes e uma energia muito positiva da parte dos estafetas, que tudo fizeram para corresponder aos pedidos dos famalicenses”, diz Augusto Lima, convicto que o próximo fim de semana “vai correr ainda melhor, com as correções que vão ser introduzidas no processo”. De resto, alguns empresários da restauração fizeram questão de deixar registado o seu agrado pela iniciativa autárquica. Foi o caso do Churrascão Sousa que

escreveu: “Números de cidade grande e capaz que somos. Obrigado à Câmara Municipal por nos apoiar nesta altura difícil para todos”. Já o restaurante Mikado referiu: “Parabéns à organização que fez com que tudo isto fosse possível. Estamos Juntos”. O serviço volta a estar ativo no próximo sábado e domingo, dias 21 e 22 de novembro, entre as 19h00 e as 22h00. Os consumidores podem verificar os restaurantes aderentes através do site do município em www.famalicao.pt. A campanha é válida para encomendas de valor superior a 10 euros.

Escola D Sancho I participa na Semana Europeia de Competências Profissionais O Agrupamento de Escolas (AE) D. Sancho participou na “Semana Europeia de Competências Profissionais”, evento que decorreu a semana passada, num formato totalmente online, mas cujas atividades se prolongam ao longo de todo o ano. Nesta quinta edição, as organizações locais, regionais ou nacionais apresentam o melhor do Ensino e Formação Profissionais (EFP) numa plataforma de intercâmbio para as partes interessadas dentro e fora da Europa. O AE D. Sancho I, com o tema “Caminhos do Ensino Profissional”, registou três atividades na plataforma da organização que podem ser acedidas pelas centenas de escolas e organizações

GRAFISMO: Carla Alexandra Soares e Pedro Silva.

OPINIÃO: Adelino Mota, Barbosa da Silva, Domingos Peixoto, Gouveia Ferreira, J. Mário Teixeira, José Luís Araújo, Sílvio Sousa, Vítor Pereira. GERÊNCIA: João Fernandes

CAPITAL SOCIAL: 350.000,00 Euros.

DETENTORES DE MAIS DE 5% DO CAPITAL António Jorge Pinto Couto

TÉCNICOS DE VENDAS: comercial@opiniaopublica.pt Maria Fernanda Costa e Sónia Alexandra

PROPRIEDADE E EDITOR: EDITAVE Multimédia, Lda. NIPC 502 575 387

aderentes. A saber: uma conferência de imprensa e outras campanhas de apresentação e disseminação do “Plano Estratégico para o Ensino Profissional" junto de todos os parceiros: comunidade docente, discente, encarregados de educação, empresas e instituições locais; organização de visitas virtuais a empresas da área dos diversos cursos ministrados na escola, que serão acompanhadas de conversas com os técnicos das respetivas empresas; e por último, uma sessão de reconhecimento publico dos alunos que participaram na sua primeira experiência de “job shadowing” em empresas do concelho, através da entrega dos respetivos certificados de participação.

SEDE, REDACÇÃO E PUBLICIDADE: Rua 8 de Dezembro, 214 Antas S. Tiago - 4760-016 VN de Famalicão

IMPRESSÃO: Celta de Artes Gráficas, S.L. Gárcia Barbón, 87 Bajo - Vigo

INTERNET - www.opiniaopublica.pt

DISTRIBUIÇÃO: Editave Multimédia, Lda.

Serviços Administrativos: Tel.: 252 308146 / 252 308147 • Fax: 252 308149

NÚMERO DE REGISTO: 115673 DEPÓSITO LEGAL: 48925/91

CONTACTOS Redacção: Tel.: 252 308145 • Fax: 252 30814

TIRAGEM DESTE NÚMERO: 20.000 exemplares, nº 1486


opiniãopública: 18 de novembro de 2020

CIDADE

03

Infeções por Covid 19 não param de aumentar no concelho

Número de internados ultrapassa os 90 e coloca CHMA sob pressão Cristina Azevedo dade tem capacidade para aumentar a resposta, embora recoO número de internamento por nheça que isso poderá fazer-se à Covid 19 no Centro Hospitalar do custa do adiamento da atividade Médio Ave (CHMA), que integra cirúrgica de internamento proos hospitais de Famalicão e gramada, por forma a libertar Santo Tirso, não para de aumen- camas. Aliás, a própria ministra da tar. Neste momento, são mais de 90 os doentes internados com o Saúde, Marta Temido, referia, na vírus SARS-Cov 2, o que levou a passada sexta-feira, que os hosdireção do CHMA a ter que trans- pitais de Guimarães, Vale do ferir alguns doentes para outros Sousa e Médio Ave cancelaram hospitais, nomeadamente de “grande parte” da sua atividade programada para atender a Coimbra e Lisboa. Com o concelho de Famalicão doentes com Covid 19. “Estão a registar 1349 infetados e o con- com uma elevada pressão assiscelho de Santo Tirso 1782, nas tencial e tiveram que cancelar já duas últimas semanas, a pres- grande parte daquilo que é a sua são sobre o CHMA aumenta e a atividade programada”, declaOrdem dos Enfermeiros Norte rou Marta Temido na conferência veio mesmo, em comunicado, de imprensa de acompanhadescrever “relatos dramáticos” mento da pandemia. de profissionais de Famalicão, Guimarães e Braga, acrescen- 40% dos doentes que chegam à urgência têm Covid tando que, os hospitais de FaOntem, terça-feira, o CHMA malicão e de Guimarães “terão atingido o limite das suas capa- tinha 93 doentes internados com Covid 19 para um total de 100 cidades”. “Nestas duas unidades hos- camas. “Vamos tendo sempre alpitalares, os serviços de interna- guma folga, pequena, porque a mento Covid 19 estão cheios. Os capacidade vai sendo aumenserviços de urgência têm uma tada à medida das necessidapressão brutal e não têm capaci- des, numa gestão quase diária”, dade de resposta adequada, conta a mesma fonte hospitalar. Quanto à transferência de atempada e com qualidade. As equipas estão altamente defici- doentes, o CHMA explica que é tárias e esgotadas. Temos rela- feita “sempre com o consentitos de enfermeiros que estão a mento do doente e em situações ficar doentes, que já não conse- sem que possam ser transferiguem aguentar tantas horas por- dos”, adiantado que já foram que lhes estão a ser pedidas transferidos doentes covid e não horas extraordinárias”, afirmou covid. O objetivo é sempre o a secção do Norte da Ordem dos mesmo: libertar espaço e recursos para atender às situações Enfermeiros. Contudo, fonte próxima da emergentes. Entretanto, em fase de condireção do CHMA desdramatizou ao OPINIÃO PÚBLICA a situação clusão está a urgência suplerelatada pela ordem dos enfer- mentar construída pela Câmara meiros, garantindo que a uni- de Famalicão para receber doen-

O Hospital de Famalicão já teve que transferir doentes para outras unidades

tes covid. A expetativa da dire- até ao final deste mês de novemção do CHMA é que esta nova es- bro. trutura localizada no hospital Neste novo edifício será cenfamalicense comece a funcionar tralizado o tratamento e avalia-

ção dos doentes respiratórios, incluindo os Covid, que já representam 40% dos doentes que chegam ao Serviço de Urgência.

Famalicão registou 1349 casos nas últimas duas semanas Nas duas últimas semanas, o concelho de Famalicão registou mais casos de Covid 19 do que em todos os meses que passaram desde o início da pandemia. São 1349 novas infeções entre 28 de outubro e 10 de novembro, segundo a atualização por concelho feita, na passada segundafeira, pela Direção Gral da Saúde (DGS). Desta vez, o boletim epidemiológico seguiu um modelo diferente em que apresenta a incidência cumulativa a 14 dias de cada concelho.

Famalicão, com 1349 casos nos últimos 14 dias em que é feita a contagem (de 28 de outubro a 10 de novembro) permanece, assim, na zona vermelha dos concelhos com mais de 240 casos por 100 mil habitantes. Estes 1349 casos juntam-se aos 1195 registados até 28 de outubro, pelo que o concelho famalicense regista agora um total de 2.544 casos de Covid 19 desde que começou a pandemia.

Ruas desertas no primeiro fim de semana de recolher obrigatório Os famalicenses parecem terem cumprido o recolher obrigatório imposto pelas medidas do estado de emergência para o passado fim de semana. No sábado e no domingo, a partir das 13 horas, as ruas da cidade foram ficando desertas, como atestam as imagens, à semelhança, de resto, do que aconteceu em muitas cidades do país. O recolher obrigatório no concelho de Famalicão, um dos que tem mais de 240 novos casos por 100 mil habitantes, volta a repetir-se no próximo fim de semana. Assim, é proibido circular entre as 13h00 e as 5h00, ao sábado e ao domingo.


04

CIDADE

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Projeto vai ser desenvolvido este ano letivo

Escola Camilo sensibiliza para a preservação da água e recebe Bandeira Azul Cristina Azevedo munidade porque é importante que a escola saia para o exterior, O Agrupamento de Escolas Camilo procurando envolver toda a genCastelo Branco (AECCB) vai desen- tes neste projeto, até porque volver um estudo sobre os hábitos temos a responsabilidade de serde consumo de água em Famali- mos, pelo menos para já, a única cão. Este é um dos projetos a con- escola azul do concelho”, acrescretizar, ao longo deste ano letivo, centa Carla Machado. no âmbito do programa nacional O projeto envolve alunos Escola Azul, que visa sensibilizar desde o 2º ciclo ao ensino secunpara a importância dos oceanos, dário, que são membros do Clube e ao qual o agrupamento se can- Europeu do Agrupamento. É o didatou. caso de Leonor Silva e Bernardo Por isso, na passada segunda- Oliveira, embaixadores da “escola feira foi içada na escola-sede, a azul”, que, em declarações ao Secundária Camilo, a Bandeira OPINIÃO PÚBLICA, mostraram Azul para assinalar o arranque do estar verdadeiramente sensibiliprojeto, numa cerimónia que con- zados para a temática dos oceatou com a presença do vereador nos. “Este projeto é uma da Educação, Leonel Rocha, de oportunidade fantástica de pasalunos e professores envolvidos e sarmos aos nossos colegas e a do diretor do Agrupamento. toda a comunidade a importância “Vamos começar com um es- do oceano, não só para o equilítudo, dentro da comunidade edu- brio do nosso planeta, mas até cativa, sobre os cuidados que os para a nossa qualidade de vida”, alunos têm com a água e apresen- refere Leonor Silva. taremos os resultados à comuniJá o Bernardo lembra que, “a dade”, começa por avançar Carla relação próxima dos portugueses Machado, uma das docentes en- com o mar, que é um recurso exvolvidas no projeto Bandeira Azul. tremamente importante para Outra iniciativa passará pela di- todos nós e que é necessário que vulgação de cuidados a ter relati- chegue ás gerações futuras”. vamente à poupança da água e A responsabilidade de içar a como é que as pessoas fazem a bandeira coube à benjamim do gestão da sua água em casa. “É grupo, a pequena Beatriz Fragoso, uma ação viradas para toda a co- que aos 11 anos já sabe muito

bem a mensagem que tem para transmitir. “Decidi integrar este projeto porque é muito importante cuidarmos do oceano, mas não só, também da água e da biodiversidade. Temos que pensar que, agora, estamos aqui, mas daqui a alguns anos vão estar outras pessoas, e não devemos deixar o planeta num estado lastimável”. O vereador da Educação que felicitou o Agrupamento Camilo pela adesão ao programa Escola Azul, “porque isso significa que sabe estar atento e recetivo à criatividade dos professores para que se envolvam nas mais diversas causas, proporcionando aos alunos a capacidade de estarem preparados para qualquer temática”. Orgulhoso da sua escola azul estava também o diretor do AECCB, Carlos Teixeira, para quem este projeto vai ao encontro da filosofia do Agrupamento, que é dar aos alunos competências para serem cidadãos de corpo inteiro. “Estas dinâmicas fazem com que os jovens estejam sempre atentos àquilo que os rodeia e estejam sempre prontos a intervir na sua comunidade e na sua escola, uma prática que se quer que perdure depois na sua ação, futuros cidadãos empreendedores”, referiu.

A Bandeira Azul foi içada na passada segunda-feira

Partido defende que autarquia deve ajustar “plano de ação”

O Partido Socialista (PS) de Famalicão veio esta semana defender que, face à realidade do tecido económico do concelho, “a autarquia deve desenvolver um plano de ação” de resposta à atual situação pandémica, provocada pela Covid 19. Em comunicado o PS considera que é preciso ajustar medidas que permitam, “por um lado, contribuir para a redução do risco de contágio, que é extremamente elevado no concelho, e, por outro lado, desenvolver um efetivo apoio às micro e pequenas empresas que evidenciem maiores riscos de continuidade da sua atividade económica, salvaguardando, assim, os trabalhadores e a comunidade famalicense”. Nesse sentido, os socialistas propõem a criação de equipas municipais de distribuição de bens alimentares e medicamentos a agregados familiares em confinamento; intensificar a realização de testes rápidos às comunidades escolares, aos profissionais e utentes das IPSS e aos profissionais da Proteção Civil Municipal, bem como implementar um plano de higienização e desinfeção de espaços públicos

Arquivo

PS propõe novas medidas de apoio para fazer face à pandemia

que evidenciem particular propensão para ajuntamentos temporários. O PS defende também um aumento dos transportes públicos e o controlo do uso de máscaras na feira semanal. Ao nível das medidas de apoio às famílias, o PS insiste na redução da taxa de IMI, bem como na redução das rendas camarárias destinadas à habitação e na redução e

50% da fatura da água, no caso de perda significativa de rendimentos decorrente de situação de lay-off e/ou de desemprego. Já para apoio às empresas, é proposto que a autarquia estabeleça protocolos com as unidades hoteleiras do concelho com vista ao acolhimento de profissionais “da linha da frente", assim como adquirir no comércio tradicional local, os produtos desti-

nados aos cabazes de Natal. O PS sugere ainda o desenvolvimento de um web site de comércio eletrónico "comunitário" para empresas de cariz familiar, bem como apoio a empresários em nome individual, micro e pequenas empresas que, tendo mantido os postos de trabalho, se encontram em situação de emergência financeira e risco de encerramento. No comunicado, os socialistas recordam que, desde o início desta pandemia, o partido sempre defendeu uma atitude pró-ativa da Câmara Municipal e a “convergência na procura das soluções”, tendo, por isso, apresentado, em março e abril, um conjunto de propostas, que “foram rejeitadas, liminarmente, pelo senhor presidente da Câmara, e pelos seus vereadores do PSD/CDS” nas reuniões do executivo. Entende o PS que “não é assim que se exerce o poder autárquico” e, por isso, voltou esta semana a propor ao presidente da Câmara, Paulo Cunha, “medidas de apoio aos famalicenses, às empresas e aos profissionais e entidades que continuam a estar na ‘linha da frente’ deste combate”.


opiniãopública: 18 de novembro de 2020

CIDADE

05

Apenas a iluminação das ruas e a árvore se mantêm

Câmara de Famalicão cancela programação de Natal Cristina Azevedo Na próxima sexta-feira, dia 20, acendem-se as luzes natalícias na cidade de Famalicão, naquela que é uma das poucas animações que se mantém, depois de a Câmara Municipal, em conjunto com a Associação Comercial e Industrial de Famalicão (ACIF) terem decidido suspender quase toda a programação de Natal, devido à pandemia de Covid 19. Assim, este ano não haverá o carrossel, o comboio turístico, as bancas de artesanato, o espetáculo multimédia na Praça D. Maira II e a pista de gelo, assim como o habitual desfile da chegada do Pai Natal. O circo de papel -- uma das novidades dos últimos anos – também já tinha sido cancelado pelo Instituto Nacional de Artes Circenses (INAC), tal como o OPINIÃO PÚBLICA revelou em setembro passado. “Este é um Natal bastante diferente daquilo que temos preparado nos últimos anos”, reconhece o vereador do Turismo, Augusto Lima, sublinhando que é imperativo respeitar “aquilo que são as orientações gerais”. O responsável autárquico espera, contudo, que “possa haver adesão por parte dos famalicenses, no-

Este ano não haverá espetáculo multimédia na Praça D. Maria II

meadamente, ao nosso comércio de proximidade”. Foi precisamente a pensar nesses comerciantes, mas também em dar “alguma alegria e espírito da quadra aos famalicenses” que a autarquia decidiu manter a tradicional iluminação de Natal, quer nas ruas da cidade, quer nas freguesias,

num investimento de perto de perto de 100 mil euros, onde se inclui a habitual árvore de Natal com alguns efeitos, que ficará novamente instalada na praceta Cupertino de Miranda. “O que vamos gastar cerca de metade do que gastamos no ano anterior, dado que não temos o espetáculo multimédia, que era

uma atividade que pesava no orçamento”, explica Augusto Lima. E acrescenta: acreditamos que a iluminação vai embelezar a cidade, para que as pessoas se sintam bem a caminhar na rua e nas praças, apesar de não ter havido um reforço em termos de dimensão, ou seja, os espaços abrangidos serão sensivelmente

os mesmos”. De resto, a programação da campanha não foi fácil, com várias situações a terem que ser alteradas à medida que a pandemia evoluía e que saiam as orientações quer da Direção Geral da Saúde, quer do Governo. Por exemplo, a semana passada, a autarquia decidiu anular o mercado de Natal, depois de ainda ter feito algumas tentativas para o realizar. “Chegamos a reunir com os artesãos, tínhamos tudo montado para ser de forma diferente, sem ser concentrado numa única praça, mas a orientação que veio da Direção Geral da Saúde foi que não era oportuno e vamos respeitar essa orientação”, explica Augusto Lima. A cabana solidária, destinada à recolha de bens que são distribuídos pela população mais carenciada, vai manter-se na praça 9 de Abril, mas este ano sem o Pai Natal a receber as crianças. Entretanto, em preparação está uma campanha para promover as compras no comércio tradicional e, sobretudo as compras de produtos Made in Famalicão, “para apoiar os nossos produtores neste Natal”, finaliza o responsável autárquico.

Paulo Cunha visitou as obras de reabilitação em curso e avançou com novidades

Central de camionagem vai ter sala de apoio aos estudantes Cristina Azevedo entrem nos autocarros com total comodidade e segurança”. A Estação Rodoviária de Passageiros de Depois de ver o andamento dos trabaFamalicão vai ter uma sala de estudo e ou- lhos, acompanhado pelos técnicos da emtros serviços de apoio a quem usa o trans- presa a quem foi adjudicada a obra, a porte público. A novidade foi avançada Costeira – Engenharia e Construção, Paulo esta sexta-feira pelo presidente da Câ- Cunha manifestou-se satisfeito e convicto mara Municipal, no decorrer de uma vista de que os famalicenses, e quem visita o às obras de reabilitação e modernização concelho, nomeadamente aqueles que que estão a decorrer naquela que é tam- utilizam o autocarro, terão “uma nova bém conhecida como a central de camio- porta de entrada em Famalicão”. nagem de Famalicão. O objetivo é que isso ajude a incenti“Teremos uma sala dedicada ao es- var à utilização dos transportes públicos, tudo, com todas as condições para os jo- que Paulo Cunha reconhece que está vens famalicenses, sejam do ensino “muito dependente das condições do próobrigatório sejam do ensino pós-secundá- prio transporte, nomeadamente do conrio”, referiu o edil ao OPINIÃO PÚBLICA, forto dos autocarros, dos horários e do adiantando que “outras valências estão a cumprimento desses horários”, mas tamestão a ser equacionadas, nomeada- bém “das condições dos locais onde as mente ao nível do empreendedorismo, pessoas apanham esses autocarros”. O porque percebemos que este espaço tem edil recorda que a Estação Rodoviária é muito potencial e pode servir muito mais uma estrutura com 28 anos, foi inauguque uma mera central de camionagem”. rada em 1992, e como tal era necessário Esta intervenção de fundo, orçada em readapta-la à “cidade do século XXI, como 3 milhões de euros, incide também na é Famalicão”. zona exterior ao edifício principal, onde A empreitada, que é cofinanciada pelo serão criadas condições de maior conforto Norte2020 em 2,5 milhões de euros, arpara os passageiros, concretamente a co- rancou no passado mês de setembro e delocação de uma nova cobertura no cais, verá ficar concluída em outubro do “que permitirá que as pessoas saiam e próximo ano.

As obras deverão ficar concluídas em outubro de 2021


06

CIDADE

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Deputado do PS diz que obteve garantias de apoios à estratégia local de habitação do município

Nuno Sá questionou Governo sobre problemas de habitação em Famalicão

Paulo Cunha visitou a Hindu no âmbito do Roteiro Pela Inovação

Empresa de Famalicão lança acabamento têxtil antiviral

Paulo Cunha e Luís Cristino na visita à empresa

Nuno Sá interveio na audição do ministro das Infraestruturas e da Habitação

O deputado socialista famalicense, Nuno Sá, interpelou o Governo sobre problemas de habitação em Famalicão, durante a audição parlamentar do Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado 2021. Nuno Sá afirmou no Parlamento que “infelizmente, há ainda muitas famílias portuguesas sem acesso à habitação ou em habitações sem um mínimo de condições”, considerando que “estas situações são inadmissíveis, sobretudo quando envolvem cidadãos desprotegidos como crianças e idosos”. E deu como exemplo o caso de Famalicão: “Sr. ministro, dou-lhe o exemplo da minha terra: em Vila Nova de Famalicão, estes casos de famílias sem um mínimo de condições de habitação existem e não se pode aceitar esta pobreza extrema em pleno século XXI”, afirmou. Assim, o deputado questionou se o Orçamento do Estado para 2021 tem medidas concretas e financiamento para resolver estes problemas. Nuno Sá quis ainda saber se estes problemas serão resolvidos no âmbito das Estratégias Locais de habitação, quem tem de identificar as carências e qual o papel dos municípios e do Governo para garantir o acesso à habitação. Na resposta, a secretária de Estado da Habitação, Maria Gonçalves, foi muito clara: é o município que tem de fazer a

Estratégia Local de Habitação e este é “o primeiro e decisivo passo” para identificar as necessidades habitacionais e, a partir daí, obter os apoios e financiamento dos programas de habitação do Governo, através do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU). Nuno Sá reconheceu que o Governo do PS, e o ministro Pedro Nuno Santos em particular, “tem desenvolvido um conjunto de políticas de habitação de modo a garantir o acesso a uma habitação condigna a todos os portugueses”. Contudo, depois da aprovação da Lei de Bases da Habitação no Parlamento (onde o próprio Nuno Sá foi membro do Grupo de Trabalho do PS que redigiu este diploma e), das medidas de proteção da habitação das pessoas mais desfavorecidas e da regulação do mercado habitacional, o deputado famalicense entende que “há ainda um longo trabalho a fazer para concretizar o direito à habitação”. Marina Gonçalves reconheceu que há a necessidade de uma política pública de habitação que dê resposta a toda a população em situações precárias de habitação, apontando o caso do Programa 1º Direito como exemplo das soluções que o Governo quer implementar. A governante sublinhou, no entanto, que “o caminho para identificar e resolver as situações reais de carência habitacional tem de começar pelos municípios fazerem a Estratégia Local de Habitação”.

Luís Cristino é o responsável pela Hindu – Technical Textiles, de Famalicão, e respondeu à crise com inovação, criando um “acabamento antiviral que impede a transmissão da covid-19, graças à mais avançada tecnologia química aplicada no acabamento de malhas e tecidos e TNT (tecido não tecido)”. O acabamento, desenvolvido “em conjunto com vários parceiros internacionais líderes em inovação tecnológica na área têxtil”, tem como objetivo “minimizar os riscos de transmissão a partir de têxteis” e, segundo o empresário, disponibilizou ao mercado um tecido que se auto higieniza eliminado bactérias e vírus através de um acabamento “capaz de inibir até 99,9% de vírus e bactérias, incluindo o novo coronavírus”. “Este acabamento inovador poderá ser utilizado em máscaras, luvas de proteção, batas e todo o

tipo de vestuário”, refere Luís Cristino que recebeu, a semana passada, na sua empresa, a visita do presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, no âmbito do Roteiro pela Inovação. Luís Cristino adianta ainda que o acabamento, denominado Protect By Hindu, “apresenta ainda uma eficácia comprovada após várias lavagens” e que o objetivo da empresa é introduzi-lo em “todos os mercados e setores de atividade, como saúde, mobiliário, transportes, turismo e lazer, moda ou beleza”. “Um belíssimo exemplo da capacidade visionária dos nossos empresários que mostram, através de exemplos como este da Hindu, que baixar os braços não é solução”, referiu Paulo Cunha, considerando ainda que jovens empreendedores como Luís Cristino “mostram que o futuro empresarial de Famalicão está em boas mãos”.

A empresa de Famalicão garante que “os artigos têxteis passaram por extensos testes de laboratório, sendo a sua eficácia testada e certificada de acordo com as normas ISO 20743, ISO 18184 e AATCC100”. Os testes foram realizados pela Microbe Investigations AG e pelo Bureau Veritas, e esperam-se novas parcerias com laboratórios nacionais no futuro. Os artigos foram ainda testados dermatologicamente tendo obtido a classificação de não irritante. “A pandemia de covid-19 afetou gravemente a vida das pessoas, bem como a economia mundial. Não vai desaparecer em breve, por isso tivemos que nos reinventar para fazer face a esta nova realidade”, conclui Luís Cristino. Recorde-se que o projeto Protect By Hindu foi recentemente distinguido pelo Município com o selo “Famalicão Visão’25”, na categoria “Famalicão Made In”.

Famalicense Isabel Furtado eleita empresária do ano Isabel Furtado, administradora executiva do grupo Têxtil Manuel Gonçalves (TMG), foi nomeada “Empresária do Ano” na terceira edição do prémio BPI Mulher Empresária. Na liderança da TMG Auto desde 2008, Isabel Furtado conduz uma empresa que é hoje a segunda maior no setor de interiores de automóveis a nível europeu, reconhecida pela sua inovação e know-how industrial. Formada em Economia, a gestora famalicense foi também a primeira mulher a presidir à Cotec Portugal (Associação Empresarial para a Inovação), cargo que ocupa desde 2018. O prémio de “Empresária do Ano “reconheceu também o compromisso de Isabel Furtado na área da sustentabilidade, em particular por ter conduzido a TMG Automotive a integrar o United Nations Global Compact (UNGC), uma iniciativa da ONU de cidadania empresarial, focada no ambiente e sustentabilidade do planeta O Prémio BPI Mulher Empresária, agora na sua 3ª edição, pretende promover da diversidade, dando o seu contributo para impulsionar a igualdade de género na sociedade portuguesa e na liderança das empresas.


opiniãopública: 18 de novembro de 2020

CIDADE

07

Cerimónia de entrega do galardão decorreu na passada sexta-feira

49 escolas de Famalicão distinguidas com o galardão Eco-Escolas Apesar do ano letivo atípico e das dificuldades impostas pela pandemia, 49 instituições de ensino do concelho foram distinguidas, na passada sexta-feira, com o galardão Eco-Escolas 2020. Durante a cerimónia de entrega destes prémios, o presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, congratulou as escolas premiadas, que vão agora receber a bandeira verde, numa mensagem em vídeo criado para o evento. “É sinal de que estas comunidades educativas têm práticas amigas do ambiente e práticas sustentáveis, que merecem a nossa adesão o nosso reconhecimento”, afirmou o autarca, que considerou estas escolas “um exemplo, pela dinâmica que implementam e pela forma como ajudam as crianças e as famílias a terem atitudes mais amigas do ambiente”. Entre as galardoadas há várias escolas básicas, como é o caso das EB de Delães, D. Maria II, Agra Maior, Boca do Monte, Estalagem, Joane, Lagoa, Oliveira S. Mateus, Pousada de Saramagos, Ruivães, Vale do Este, Conde S. Cosme, Antas, Castelões, Landim, Quin-

Entre as galardoadas há várias escolas básicas, do 2º e 3º ciclo e secundáras

tão, Bairro, Valdossos, Seide S. Miguel, Carreira, Cabeçudos, Esmeriz, S. Miguel o Anjo e Centro Escolar Luís de Camões. Foram também distinguidos estabelecimentos com escola básica e jardim de infância, concretamente, do Sapugal, de Oliveira

Santa Maria, Avenida-Riba de d’Ave e Louredo. Já os jardins de infância com bandeira verde são o da Lage, bente, Cabeçudos, Esmeriz, Vale S. Cosme, Lameiras, Seide S. Miguel e Louro. Ao nível do 2º e 3º ciclo o galardão Eco Escolas foi atribuído à pub

Nuno Simões, à EB 2,3 Bernardino Machado de Joane, à EB2,3 Júlio Brandão e às EBI de Pedome e Gondifelos. Foram também contempladas as escolas secundárias Camilo Castelo Branco, D. Sancho I e Padre Benjamim Salgado de

Joane, bem como a Didáxis de Riba d’Ave e a Escola Profissional Cior. O galardão foi ainda atribuído à Engenho, Associação Gerações, Associação Teatro Construção, Centro Social de Bairro, Centro Social e Cultural de Riba d’Ave, Centro Social de Calendário e Colégio Machado Ruivo. Este ano, devido à pandemia de Covid 19, a cerimónia de entrega dos troféus decorreu em formato online e pretendeu reconhecer todos os que, apesar da pandemia, se envolveram e levaram até ao fim o Programa EcoEscolas, nomeadamente as 1617 escolas de todo o país galardoadas este ano. Refira-se que o programa EcoEscolas, promovido em Portugal pela Associação Bandeira Azul da Europa, pretende encorajar o desenvolvimento de atividades visando a melhoria do desempenho ambiental das escolas, contribuindo para a alteração de comportamentos e do impacto das preocupações ambientais nas diferentes gerações, reconhecendo e premiando o trabalho por elas desenvolvido. C.A. pub


08

CIDADE

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

PS preocupado com a falta de alojamento estudantil a preços regulados

Adriana Calcanhotto na Casa das Artes esta quinta-feira

A cantora brasileira Adriana Calcanhoto sobre ao placo da Casa das Artes, esta quinta-feira, dia 19, às 20h30, num concerto que chegou a estar marcado para 22 de novembro, mas que foi antecipado, tendo em conta as atuais determinações do Governo para a contenção da pandemia Covid-19. Adriana Calcanhotto vem apresentar “Margem”, o novo disco que fecha a trilogia marítima iniciada com “Marítimo” (1998), o primeiro que explicita a sua paixão pelo mar, e “Maré” (2008), seu sétimo disco, que reforça a ambiência oceânica. “Margem” permite, em palco, o encontro destes três projetos marítimos, separados por dez anos cada um e por diferentes aventuras musicais entre eles. Além do foco nestes três trabalhos, o concerto conta ainda com algumas canções de álbuns paralelos e com canções de Adriana Calcanhotto registadas por outros intérpretes. pub

A Concelhia de Famalicão do Partido Socialista (PS) afirma estar preocupada com a falta de alojamento estudantil e com a “estagnação do desenvolvimento do ensino superior” no concelho. Para os socialistas “o ensino superior constitui um fator diferenciador de desenvolvimento local, regional e mesmo nacional” e é essencial que a “que a Câmara Municipal de Famalicão seja responsável pela adoção de medidas que promovam as condições para o desenvolvimento e crescimento do ensino superior no concelho”. Em nota à imprensa, o PS de-

fende que a autarquia promova “estratégias conducentes à fixação de mais alunos no concelho através de parcerias com as instituições de ensino superior e/ou outras entidades, proporcionando uma maior acessibilidade a alojamento estudantil a preços regulados, de forma a evitar a deslocação diária dos alunos para concelhos vizinhos”. No mesmo comunicado, o PS afirma ter conhecimento de que “a procura de alojamento é, atualmente, maior do que a oferta” e a” fixação de estudantes vai, por essas razões, estar dependente

das respostas que as entidades envolvidas conseguem dar às necessidades de todos os estudantes”, onde se incluem as instituições do ensino superior, as autarquias e outras entidades competentes. A Concelhia socialista recorda ainda que o Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior (PNAES) enquanto estratégia nacional, “evidencia a importância desta questão, tendo sido criado para reforçar a oferta de alojamento para estudantes do ensino superior a preços regulados, constituindo uma referência fundamental para os estudantes e respetivas famílias”.

Casa da Juventude dá conselhos para uma alimentação saudável

A Casa da Juventude lançou, no passado mês de outubro, o programa “Nutre Jovem”, de consultas de nutrição, com várias sessões que vão decorrer durante os próximos meses e que podem ser assistidas presencialmente ou online. Tendo como facilitadoras de conversa a nutricionista Ana Isabel Monteiro e a psicóloga Vânia Faria, os temas pretendem abordar, para além da obesidade e do excesso de peso, a crescente procura por dietas vegetarianas, o controlo de sintomas gastrointestinais (obstipação, inchaço) e tratamento de distúrbios alimentares. O programa destina-se essencialmente ao público escolar, universitário e jovens trabalhadores. As próximas sessões estão agendadas para 25

de novembro e 16 de dezembro, pelas 21h00, e têm como tema “Leitura de rótulos alimentares” e “Como lidar com os excessos das festas”, respetivamente. Ambas as sessões estão limitadas a 12 participantes, respeitando as normas da DGS. Os interessados podem ainda participar através das páginas de facebook e instagram da Juventude de Famalicão. Para 2021, estão já agendadas as temáticas “Planeamento e confeção de refeições”, em janeiro; “Alimentação à base de plantas”, para fevereiro; “Refeições vegetarianas na prática”, para março; “Intestino são, corpo são” para abril; “Alimentação em época de exames”, para maio e “A relação com a comida” para junho. A participação é livre e gratuita.


opiniãopública: 18 de novembro de 2020

FREGUESIAS

09

Com atendimento descentralizado durante o mês de novembro

Equipa do CLDS 4G apoia famalicenses desempregados nas freguesias A equipa do CLDS 4G (Contrato Local de Desenvolvimento Social) que iniciou, este mês de novembro, um serviço de atendimento descentralizado pelas freguesias do concelho de Famalicão, com o objetivo de ajudar os famalicenses que estão em situação de desemprego a encontrar uma nova oportunidade de trabalho, uma qualificação ou uma reconversão profissional. “Através de um atendimento de proximidade junto dos cidadãos, pretende-se contribuir para que cada famalicense tenha as respostas que necessita, para que se sinta parte inte-

grante da comunidade”, refere a Câmara Municipal, em nota à imprensa. O CLDS 4G tem, precisamente, a autarquia como entidade promotora e a Engenho - Associação de Desenvolvimento do Vale do Este, como entidade coordenadora local. É um projeto pretende envolver e (trans)formar territórios, vidas e pessoas, interconectando os agentes locais de forma a promover a capacitação, o desenvolvimento de atitudes e disposições para o emprego, para a iniciativa e para percursos de qualificação, capazes de consolidar maior coesão social e gerar

um desenvolvimento económico inclusivo. O atendimento descentralizado nas freguesias surge da articulação dos diferentes agentes locais que operam ao nível do concelho no âmbito das temáticas do Emprego, da Formação e Qualificação. Para mais informações deste Serviço, bem como locais e horários onde acontecerá, consulte as páginas de facebook das Comunidades Incubadoras ou do Famalicão Comunitário. Refira-se que o CLDS-4G irá vigorar até 31 de maio de 2023, implicando um investimento no concelho de 450 mil euros.

Calendário: encapuzados sequestram idosa e roubam 500 euros Uma mulher de 75 anos foi sequestrada em casa, na última sexta-feira, em Calendário, por dois encapuzados, um deles empunhando uma arma, para roubar 500 euros. Segundo noticiou o Correio da Manhã, os larápios terão fugido, após o assalto, deixando a idosa trancada no quarto. Ainda segundo aquele jornal, a dupla de assaltantes terá aproveitado as obras que decorrem no local para acederem ao interior da habitação, onde a idosa se encontrava sozinha.

Paulo Cunha visita melhoramentos na rede viária em Carreira e Bente

Governo contratualiza acordo com Misericórdia de Riba d’Ave A Santa Casa da Misericórdia de Riba d’Ave, proprietária do Hospital Narciso Ferreira, é uma das 10 Misericórdias do Norte com quem o Governo contratualizou acordos que possibilitarão, no total, mais de 80 mil consultas e mais de 13 mil cirurgias em regime de ambulatório e em regime convencional. Os acordos de cooperação foram renovados pelo Ministério da Saúde, em Vila Verde, na passada segunda-feira, com oito Misericórdias e realizados com outras duas pela primeira vez, num montante global que ultrapassa os 33 milhões. “O que é relevante é a capacidade que a partir daqui vamos ter de em conjunto responder às necessidades assistenciais da nossa população a partir deste mês e até ao final de 2021, em mais um esforço por fazer face aquilo que é situação excecional neste momento que todos estamos a viver”, disse Marta Temido.

Cineclube exibe “Bostofrio” O Cineclube de Joane propõe para esta quinta-feira, dia 19, cinema português para ver na Casa das Artes de Famalicão, com o filme “Bostofrio”, um documentário escrito e realizado por Paulo Carneiro. Na aldeia de Bostofrio, em Trás-os-Montes, o realizador procura chegar a um retrato do avô, que não conheceu e que nunca perfilhou o seu pai, perguntando, ouvindo e puxando pelas memórias dos seus conterrâneos. Essa personagem "ausente", o avô, nunca se materializa – pois este não é um filme "sobre o avô", é um filme sobre um homem à procura de uma imagem para o seu avô. Refira-se que devido às medidas impostas pelo estado de emergência a sessão foi antecipada para as 19 horas, sendo que os bilhetes serão vendidos no próprio dia, 30 minutos antes do início da exibição.

Paulo Cunha vistou a freguesia acompanhado do vereador das freguesias e do autarca local

O presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, visitou, na semana passada, as freguesias de Carreira e Bente , no âmbito do ciclo de visitas que tem realizado pelas localidades do concelho. Acompanhado pelo vereador das freguesias, Mário Passos, e pelo presidente da União de Freguesias, Agostinho Veiga, o edil teve a oportunidade de verificar os últimos investimentos municipais realizados em Carreira e Bente, nomeadamente, no melhoramento e beneficiação da rede viária, área onde a autarquia investiu, nos últimos dois anos, mais de 200 mil euros. É o caso da Rua da Bica, da Rua e Travessa da Fábrica e, mais recente-

mente, da Rua do Monte, da Rua Nova e da Rua dos Casais. Intervenções que o presidente da Junta aponta como “prioritárias” para o desenvolvimento de Carreira e Bente, que num futuro próximo irá contar com um novo parque de lazer, cujo projeto está já em fase de desenvolvimento. “Trata-se de um espaço com cerca de 4 mil metros quadrados, localizado na Rua do Fontanário, dotado de equipamentos de fitness e embelezado por um ribeiro que passa naquela zona”, explicou Agostinho Veiga, que aproveitou ainda para agradecer à autarquia “o esforço que tem canalizado para estas e outras intervenções em Bente e Carreira”.


10

PUBLICIDADE

opiniãopública: 18 de novembro de 2020


opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Continental Mabor passa 170 trabalhadores a efetivos

FREGUESIAS

11

Corpo encontrado em estado de decomposição em Antas Os Bombeiros Voluntários de Famalicão foram acionados, na tarde do passado sábado, para uma residência na freguesia de Antas. No seu interior encontrava-se um homem com 63 anos, morto e já em estado de decomposição. O alerta foi dado à corporação por volta das 14 horas, pela proteção civil do Comando Distrital de Braga. Ao que se conseguiu apurar não existiam no local qualquer evidencias de crime. Também não foi possível saber há quanto tempo o homem se encontrava já cadáver dentro da habitação.

Escola D. Maria II participa em encontro internacional sobre Ciências e Tecnologia A Continental Mabor, quinta maior exportadora portuguesa com fábrica em Lousado, que perdeu durante a pandemia o montante equivalente a dois meses de faturação, descarta a hipótese de despedimento e irá passar a efetivos 170 trabalhadores contratados a prazo. Pedro Carreira, presidente da empresa, confirmou ao Jornal de Negócios que “a renovação dos contratos de trabalhadores a prazo” e até, se a situação da economia o permitir, “admitir mais alguns novos colaboradores para substituir outros que, entretanto, terminaram ou vão terminar o vínculo com a empresa por motivos de reforma”. A fábrica de pneus de Lousado emprega, atualmente, 2.300 pessoas, contabilizando 400 trabalhadores a prazo, 170 dos quais

passarão agora para os quadros da multinacional alemã. Os restantes colaboradores a prazo vão, segundo Pedro Carreira, continuar os seus contratos, mas com a perspetiva “de todos virem a ser integrados nos quadros nas datas contratualizadas”. No que diz respeito a aumentos salariais e bónus o presidente do Conselho de Administração disse que voltarão “quando for oportuno e se a evolução da situação assim o permitir”. Recorde-se que no final de setembro, a Continental avançou com um plano de reestruturação que vai afetar 30 mil dos seus 232 mil trabalhadores em todo o mundo, mas deixou a fábrica de Lousado de fora deste plano de despedimento.

Crianças da Engenho celebram dia de S. Martinho com magusto tradicional

As crianças que frequentam as valências da Engenho - Associação de Desenvolvimento do Vale do Este, celebraram o dia de S. Martinho com o tradicional Magusto. “Para além de se manter a tradição, as crianças vivenciaram momentos de alegria, diversão e convívio ao ar livre. Estas práticas são extremamente importantes para gerir e controlar estados emocionais negativos derivados da crise sanitária que todos enfrentamos, com todos os seus constrangimentos e consequências”, justificou a coordenadora pedagógica, Carla Vale. A este propósito, a Engenho sublinha que, seguindo as orientações da DGS e do Ministério da Educação, sempre que as condições meteorológicas o permitam, as crianças, devidamente acompanhadas pelas equipas educativas, realizam diferentes atividades de lazer, dinâmicas grupais e de aprendizagem focada na descoberta e na curiosidade nos espaços e jardins da Associação.

O Agrupamento de Escolas D. Maria II e o seu Clube Ciência Viva na Escola estiveram representados no encontro internacional “A Voz dos professores de Ciência e Tecnologia”, que decorreu entre 5 e 7 de novembro, em Vila Real. Este encontro, que vai já na sua 3ª edição e se realiza de dois em dois anos, tem vindo a consolidar-se como um espaço de partilha e valorização das práticas de educação em Ciências e Tecnologia, particularmente as práticas de ensino. Devido à pandemia, esta edição foi realizada virtualmente, sendo que a escola de Famalicão participou com a comunicação “Dinâmicas e Sinergias Geradas pelo Clube Ciência Viva na Escola D. Maria II”, apresentada pela professora Elisa Saraiva, em colaboração com os seus colegas Maria Manuel Azevedo, Maria José Quintas e Fernando Fonseca. Segundo o agrupamento, o trabalho desta equipa “foi muito apreciado e constituiu um exemplo e inspiração para os professores presentes, oriundos de escolas de diferentes contextos e países, nomeadamente, de Portugal, Espanha, Brasil, Argentina e Angola. pub


12

PUBLICIDADE

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Manuel Costa Fernandes, no dia 6 de novembro, com 77 anos, solteiro, de Ribeirão. Domingos Rodrigues, no dia 9 de novembro, com 89 anos, viúvo de Maria Irene Gonçalves do Couto, de Ribeirão. José da Costa Veloso, no dia 10 de novembro, com 94 anos, casado com Emília da Costa Martins, de Lousado. Funerária Ribeirense Paiva & Irmão Lda Ribeirão – Telf. 252 491 433

Luís Peixoto Martins Ribeiro, no dia 10 de novembro, com 69 anos, casado com Maria Flora Neves de Matos, de Calendário. Eunice Ferreira Campos, no dia 14 de novembro, com 87 anos, divorciada, de Calendário. José Gomes Carneiro, no dia 15 de novembro, com 61 anos, casado com Maria do Céu Ferreira Macedo, de Brufe. Agência Funerária do Calendário Calendário – Tel.: 252 377 207

José de Azevedo Oliveira, no dia 10 de novembro, com 79 anos, casado com Maria Augusta Reis Oliveira, de Fradelos. Domingos Moreira da Silva, no dia 11 de novembro, com 78 anos, casado com Felicidade de Araújo Dinis, de Cavalões. Celestino Costa Santos, no dia 12 de novembro, com 87 anos, casado com Maria Fernanda Martins Dias Santos, de Vilarinho das Cambas. Agência Funerária Palhares - Balazar– Tel.: 252 951 147

Falecimentos Alcino Castro Moreira Duarte, no dia 15 de novembro, com 73 anos, casado com Cândida de Fátima Abel Ramos Duarte, de Arnoso Santa Eulália. José Martins de Araújo Machado, no dia 15 de novembro, com 69 anos, casado com Maria Margarida Peixoto Vilas Boas Machado, de Arnoso Santa Eulália. Alfredo Ferreira Miranda, no dia 14 de novembro, com 87 anos, viúva de Sofia Novais Pinheiro da Silva, de Arnoso Santa Eulália. Maria Augusta Dias de Araújo, no dia 11 de novembro, com 97 anos, viúva de Francisco Gomes Pinto, de Nine. Armando Figueiredo da Silva, no dia 11 de novembro, com 56 anos, casado com Lúcia Pinto de Castro Silva, de Nine. Teresa Martins de Araújo, no dia 10 de novembro, com 81 anos, viúva de Alberto Ferreira Pinto, de Arnoso Santa Eulália. Agência Funerária Arnoso - José Daniel Pereira Arnoso Santa Eulália - Telf. 91 724 67 03

Maria Odete da Silva Pinheiro, no dia 9 de novembro, com 84 anos, casada com Silvestre da Silva Mendes, de Landim. Emília Pereira Fernandes Lima, no dia 9 de novembro, com 90 anos, solteira, de Landim. Fernando Augusto Ferreira de Sousa, no dia 9 de novembro, com 81 anos, casado com Blandina Martins Silva, de S. Tomé de Negrelos (Santo Tirso). Henrique Pinto Moreira, no dia 9 de novembro, com 56 anos, de Esmeriz. José Carlos Carvalho Monteiro, no dia 9 de novembro, solteiro, de Gavião. Maria Júlia de Sá Ferreira, no dia 11 de novembro, com 65 anos, casada com José Carlos Ferreira Gomes, de Landim. Maria Odete Silva Costa, no dia 11 de novembro, com 82 anos, viúva de Fernando Domingos Paes, de Antas S. Tiago. Manuel Moreira Gonçalves, no dia 12 de novembro, com 74 anos, casado com Maria Odete Carneiro de Carvalho, de Landim. Joaquim Pinto Freitas da Costa, no dia 13 de novembro, com 88 anos, casado, de Vila Nova de Famalicão. Maria das Dores da Silva Alves, no dia 12 de novembro, com 90 anos, casada com Adriano Ferreira de Lima Coelho, de Oliveira S. Mateus. Franquelim Roriz Pereira, no dia 13 de novembro, com 71 anos, viúva de Laurinda de Jesus Cardoso Carvalho, de Areias (Santo Tirso). Maria da Conceição Marques Ferreira, no dia 14 de novembro, com 89 anos, viúva de José Maria Sousa Ferreira, da Carreira.

José Bernardo Morais Passos Guimarães, no dia 13 de novembro, com 74 anos, casado com Maria Luzia da Costa Silva Guimarães, de Burgães (Santo Tirso). Agência Funerária de Burgães Sede.: Burgães / Filial.: Delães Telf. 252 852 325

Emília Machado de Freitas, no dia 10 de novembro, com 79 anos, casada com António José de Magalhães Gonçalves, de Guardizela (Guimarães). Maria Rosa Martins Leal, no dia 11 de novembro, com 88 anos, viúva de António de Sousa Rompante, de Vilarinho (Santo Tirso). Maria Rosa da Silva, no dia 10 de novembro, com 87 anos, viúva, de Polveira (Guimarães). Joaquim da Costa, no dia 13 de novembro, com 93 anos, viúvo de Elisa Pereira, de Pedome. Fernando Oliveira Mendes, no dia 13 de novembro, com 60 anos, casado com Maria Rosa da Silva Mendes, de Guardizela (Guimarães). Hermenegildo Machado Ribeiro Guimarães, no dia 13 de novembro, com 88 anos, viúvo de Laurinda Marques da Silva, de Oliveira Santa Maria. Manuel Mendes Pinto, no dia 14 de novembro, com 76 anos, casado com Maria Aurora da Silva Leite, de Gondar (Guimarães). Emília da Conceição Fonseca Teixeira, no dia 13 de novembro, com 74 anos, casada com Ângelo Dias Ferreira, de Conde (Guimarães). Agência Funerária Carneiro & Gomes Oliveira S. Mateus – Telm. 91 755 32 05

José Carlos Araújo de Macedo, no dia 10 de novembro, com 51 anos, casado com Angelina Maria da Costa Oliveira, de Calendário. Julieta Paixão Félix, no dia 14 de novembro, com 96 anos, viúva de Joaquim dos Santos Soares, de Porches - Lagoa (Faro). Agência Funerária Rodrigo Silva, Lda Vila Nova de Famalicão – Tel.: 252 323 176

Valentina Pinheiro Campos, no dia 12 de novembro, com 90 anos, viúva de Honorato José da Costa Campos, de S. Tiago de Bougado (Trofa). Maria Irene de Araújo Pereira, no dia 13 de novembro, com 82 anos, casada com David Rodrigues Pereira, de S. Martinho de Bougado (Trofa). Agência Funerária Trofense, Lda (S. Martinho de Bougado) Trofa Tel.: 252 412 727

Elvira Castro Ribeiro, no dia 15 de novembro, com 85 anos, viúva de Leandro da Silva, do Louro. Maria Inês Carneiro Ferreira, no dia 16 de novembro, com 86 anos, viúva de Américo Ferreira da Fonseca, de Areias (Santo Tirso). Agência Funerária da Lagoa Lagoa – Telf. 252 321 594

José Freitas Ribeiro, no dia 15 e novembro, com 81 anos, casado com Maria Celeste Ferreira Cardoso, de Joane. Agência Funerária da Portela Portela (Santa Marinha)– Tel.: 252 911 495


opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Bússola

PRAÇA PÚBLICA

13

Pelos quatro cantos da ca(u)sa José Leite

Domingos Peixoto

O chico-esperto, falso humilde A humildade é uma característica muito apreciada pelos Portugueses. Tão apreciada que lhes cega a capacidade de distinguir a falsa da genuína humildade. Qualquer ato de humildade desperta uma compaixão e empatia pelo respetivo humilde. Tão o é que logo passa do pobre coitado ao esforçado e empenhado que na melhor das boas vontades errou, mas teve a nobreza de carácter de o assumir. Num instante o palerma que só faz asneira passa a bom moço, esforçado, empenhado, responsável e humilde. E, por isso, um homem íntegro e honesto. Na insanidade e desnorteio deste Governo a propósito das medidas de combate à pandemia, o Governo foi incapaz de decidir e sobretudo assumir as medidas necessárias, que seriam inevitavelmente musculadas e do desagrado de todos os Portugueses já cansados e fartos deste sombrio ambiente social, da vida pessoal anormal e do anormal funcionamento de tudo o que dela faz parte – das escolas aos serviços de saúde, dos supermercados aos restaurantes. Fartos do hoje vai trabalhar, amanhã fica em isolamento. Fartos desta vida que não é vida. Ora, no seu habitual ziguezague de decisões e anúncios de medidas aparentemente amigas do povinho mas que logo se percebem serem uma mão cheia de nada, no manda atoarda a ver se cola e se não cola recua, o Governo decretou um conjunto de medidas para “achatamento da curva”, onde a preocupação foi sobretudo cobrir as restrições com todas e mais algumas exceções suficientes para que o povinho lá fizesse a sua vida e não ficasse descontente, muitos antes pelo contrário. O pretendido era criar a ideia: o Governo teve de impor regras, mas até são uns tipos porreiros! As exceções só não permitem ir ver a bola e o concerto do Tony Carreira, mas a isso já estamos habituados. Pois bem, a coisa não foi bem afinada, porque voltaram a esmagar os que até agora foram aguentando mudos, calados e quase falidos – o pequeno comercio e a restauração, deixando porta aberta para os tubarões do mercado (sediados nos offshores) escancarem ainda mais as suas bocarras. Pois bem, à mistura com a descredibilidade a que nesta matéria já estão consagrados, surge o que o Governo não esperava e nada desejava - ao mesmo tempo que os tubarões lá se iam prepa-

Afinal, as medidas iam ser mesmo durinhas para o povo e para os comerciantes, mas que assim tem de ser porque não tem bola de cristal e não poderia adivinhar que viesse tal segunda vaga … e para verem como é corajoso, fica claro que nem os hipermercados podem abrir as portas! rando para aproveitar até ao tutano tudo quanto as exceções permitissem, saltou a tampa à arraia miúda que desta vez não se acagaçou e demonstrou toda a sua reprovação a este Governo por tudo quanto era meio para tal. Pouco havia a fazer. Perante o catastrófico avanço da pandemia, Costa é obrigado a fazer o que não gosta. Ser musculado, tomar decisões impopulares e sobretudo assumi-las com frontalidade. Vai daí, no conforto da sua praia - a chico-espertice, vem dar uma de coitadinho humilde e dizer aos Portugueses que afinal ele foi um pobre infeliz mensageiro que não soube passar a mensagem. Afinal, as medidas iam ser mesmo durinhas para o povo e para os comerciantes, mas que assim tem de ser porque não tem bola de cristal e não poderia adivinhar que viesse tal segunda vaga … e para verem como é corajoso, fica claro que nem os hipermercados podem abrir as portas! Explicando a chico-espertice e a falsa humildade: Costa deu uma de coitadinho humilde para que não se percebesse que tentou fazer o que sempre faz, independentemente do prejuízo para o país e para as pessoas – evitar tomar medidas impopulares. Por outro lado, conseguiu, mais uma vez, disfarçar a falta de seriedade deste Governo no desenho de uma estratégia coerente de combate à pandemia – porque a sua preocupação não é saúde do país, mas o custo político de tais medidas!

Tudo ao invés Glosando o seu livro: Levante-se o Réu, 2015, Rui Cardoso Martins prenda-nos, na Notícias Magazine 1485, com uma “história” que ilustra os dias difíceis por que passam os comerciantes hoje em dia, mas com um final feliz a mostrar todo o humanismo de um juiz, quando nos chegam muitas notícias do contrário. Aconselho a ler. Com esta referência inicio a procura da justificação do título da crónica. E já não precisamos de invocar as peripécias das eleições presidenciais americanas. Infelizmente temos muita coisa ao invés dentro de portas. As eleições Açorianas e consequências são fonte inesgotável de cambalhotas. Logo o PS Açores que, ganhando as eleições, esperava maioria absoluta e nem maioria parlamentar consegue formar, tem vindo a “minar” a sua credibilidade junto dos açorianos, a meu ver desde o triste caso do Atlântida que terá ajudado a afundar os ENV do Castelo. Segue-se o acordo da direita açoriana para formar governo. Não podia estar em causa a sua legitimidade se tal não dependesse do apoio do Chega. E esse problema só se coloca, apenas politicamente, devido às posições que tomou contra a chamada geringonça, nomeadamente as exigências do PR de então. Bem se podem argumentar comparações da extrema direita com a extrema esquerda, que só coincidem em “extrema”, havendo todo um fosso inelutável em todos os objetivos, propostas e práticas políticas. Podemos continuar com as “acusações” – não são mentiras – entre PS e PPD a nível nacional. E aqui sim, estamos em plena luta política, e se Costa foi virulento na controvérsia Rio não se deixou abater, mantendo-se bem ao nível um do outro

Por Famalicão também há algumas cabriolas. Na democracia há poder e oposição com similar importância. A alternância só é possível, à partida, com propostas que os eleitores possam sufragar, por isso é fundamental que a oposição as apresente em contraponto ao poder. sem “perder pontos”. Acho que o ponto fraco foi mesmo o governo regional socialista. Ainda há mais algumas piruetas a este nível. Costa acusa Rio de fazer acordo com o Chega que tem implicações nacionais. Rio contrapõe que não, que Costa é que anda perdido. Afinal, para além dos aspetos regionais que permitem a Ventura tirar vantagens políticas com a sua narrativa anticonstitucional, há a criação de um círculo eleitoral açoriano para a União Europeia. Já o CDS garantia um único acordo com o PPD, porém também tem com o Chega. Não podemos dizer que são mentiras, mas não são verdades transparentes por uma razão: o acordo carece dos votos do Chega para viabilizar o governo PPD/CDS/PPM – Este PPM é de “mamões”! Em resumo podem não ser fascistas as matérias acordadas, mas são, no mínimo, castradoras de um determinado grupo social, o que tem mais dificuldades, e dos que “levam” as grandes tranches nada se especifica. Vão-se inverter procedimentos, pobres vão ficar mais pobres, poderosos mais habilitados às manobras que tão bem executam. Para aqueles o chicote, para estes a benevolência. Tudo muito pouco democrático. Só há uma coisa que a di-

reita tem razão, ao contrário do Chega, é que este é mesmo do sistema, mas promete destruí-lo por dentro, já agora com a seguinte preciosa ajuda: Quando Rio se radicalizar um bocadinho, nós também nos moderamos um bocadinho . Por Famalicão também há algumas cabriolas. Na democracia há poder e oposição com similar importância. A alternância só é possível, à partida, com propostas que os eleitores possam sufragar, por isso é fundamental que a oposição as apresente em contraponto ao poder. Se não se faz nada durante 4 anos são acusados de deixar andar, se explanam alternativas que julgam alcançáveis são acusados de se aproximarem as eleições e assim quererem brilhar e convencer os eleitores. Ninguém desabrocha da toca, muito menos de 4 em 4 anos, para ser arauto da moral (por aproximação das eleições). É uma atitude legítima, democrática e nobre participar da vida cívica, Lembremo-nos: os crimes ambientais são já hoje, os gases com efeitos de estufa produzem-se permanentemente, um ciclo de uma árvore leva vários anos a ter a virilidade capaz de fazer uma grande função na retenção carbónica. Deixemo-nos de piruetas interesseiras para inverter as coisas.

pub

Famalicão

Barbosa: Rua Santo António, Tel. 252 302 120 Calendário: Rua da Liberdade, Tel. 252 378 400/1 Cameira: C. Mouzinho Albuquerque, Tel. 252 323 819 Central: Praça D. Maria II, Tel. 252 323 214 Nogueira: Av. Marechal H. Delgado, Tel. 252 310 607 Valongo: Rua Adriano Pinto Basto, Tel. 252 323 294 Gavião - Av. Eng. Pinheiro Braga, 72 - Telef. 252 317 301 Marinho: Edif. S. José - Estalagem - Telf. 252 921 182 Martins Ventura: R. C. Cerejeira - Lousado - Telf. 252 493 142 Estação: Largo da Estação - Nine - Telf. 252 961 118 Ribeirão: Rua Quinta Igreja 9 - Ribeirão - Telf. 252 416 482 Joane: Rua S. Bento, nº 217 - Telf. 252 996 300 Landim: Estrada Nacional 204/5, nº 693 - 252321765

Famalicão Quarta, 18

Serviço Barbosa

Quinta, 19

Cameira

Sexta, 20

Calendário

Sábado, 21

Nogueira

Domingo, 22

Valongo

Segunda, 23

Gavião/Ribeirão

Terça, 24

Barbosa

Vale do Ave

Almeida e Sousa: Covas - Oliv. Stª Maria - Telf. 252 931 365 Bairro: Av. Silva Pereira, Telf. 252 932 678 Delães: Portela - Delães - Telf. 252 931 216 Riba de Ave: Av. Narciso Ferreira, Telf. 252 982 124

Vale do Ave

Serviço

Quarta, 18 Quinta, 19 Sexta, 20 Sábado, 21 Domingo, 22 Segunda, 23 Terça, 24

Bairro Riba de Ave Bairro Delães Riba de Ave

Serviço de disponibilidade

Paula Reis: R. José Elisio Gonçalves Cerejeira, nº 629 Calendário - Tel. 252 378 057 Maceiras: Louro - Telf. 252 310 425 Marques: Largo da Igreja - Fradelos - Telf. 252 458 440 Oliveira Monteiro: Largo Igreja - Cabeçudos - Telf. 252 331 885 Pedome: Av. S. Pedro, 1139 - Pedome - Telf. 252 900 930 Pratinha: Largo do Cruzeiro - Cavalões - Telf. 252 375 423 S. Cosme: Vale S. Cosme - Telf. 252 911 123 Arnoso: Av. Joaq. Azevedo - Arnoso Sta. Maria - Telf. 252 916 612


14

PRAÇA PÚBLICA

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Opinião Liberal João Silva

Sem estrada para lugar nenhum Que seja dito que, nestes dias, o que pequeno ou grande riqueza pode ter sido acumulada no nosso concelho, não é líquido que se deva diretamente às instituições públicas. Na verdade, fica claro que essas mesmas instituições podem estar fazer o pior para impedir que esse crescimento cresça ainda mais. Para entender o que me refiro, Famalicão, como o entendemos, certamente ganhou algumas manchetes no passado sobre o volume das exportações e a capacidade industrial importada de outras economias mais produtivas. Então por que parece que não basta o que está a ser feito? Durante anos, o principal exportador do nosso concelho reivindicou uma nova estrada... Não exigiu incentivos fiscais ou encargos incapacitantes, tal como regulamentos sobre a concorrência. Uma estrada. É simples, não temos portos, sejam aéreos ou marítimos, então apenas estradas permitem o transporte de bens para fora de Famalicão. Configura-se então uma surpresa, pelo menos para pessoas de bom senso, que uma estrada, pedida há 20 anos, não tenha sido construída! É incompreensível como o Executivo, seja local ou nacional, não conseguiu simplesmente assegurar a dita construção. Os investimentos indefinidamente adiados podem causar grandes prejuízos à população local, principalmente em tempos de incerteza econômica. Da próxima vez que o leitor vir o Presidente da Câmara a falar sobre o orgulho que tem no nosso legado industrial, pense em como foi incapaz de proteger esse mesmo legado. A construção de estradas é função exclusiva das entidades públicas que nos tutelam, como arrecadação de impostos. O problema é então que parecem mais interessadas na última do que na primeira. Foi-nos assegurado que o Estado era a suprema instituição do planeamento para toda a so-

Famalicão, como o entendemos, certamente ganhou algumas manchetes no passado sobre o volume das exportações e a capacidade industrial importada de outras economias mais produtivas. Então por que parece que não basta o que está a ser feito? Durante anos, o principal exportador do nosso concelho reivindicou uma nova estrada... ciedade, pena que por entre planos megalómanos de novos aeroportos e ligações ferroviárias de alta velocidade se tenha perdido a necessidade de assegurar algo tão essencial como a capacidade de escoamento de empresas que mantêm vivas comunidades que vivem afastadas da capital. O crescimento em que assenta a Economia portuguesa, e em especial o do nosso município, é frágil, sustentado por muito poucos pilares sólidos. Empresas dinâmicas como a Continental Mabor são um desses pilares, prejudicar a sua performance e atrasar os seus planos de investimento por pura incapacidade de planeamento é comprometer o futuro e sustentabilidade de Vila Nova de Famalicão.

Chão Autárquico Vieira Pinto

Chega. Por esse rio acima. A política portuguesa segue de vento em popa, na discussão da geringonça da direita. Desta vez, acontecendo no governo regional dos Açores. Ora, esta geringonça, logo, á primeira vista, tem tanta legitimidade, para se constituir, como a geringonça de esquerda, que nos governa, desde 2015. Porém, o que parece não é. E o facto, é que a geringonça da região dos Açores é constituída pelos partidos da direita, mais um partido da extrema direita. Ora, se considerarmos que a direita democrática, através dos seus partidos se organiza e institui modelos de governação, já o mesmo não se poderá dizer no que respeita ao facto de essa mesma direita juntar a si um partido da extrema direita, que apregoa a doutrina da xenofobia, do racismo, do fascismo, do populismo, etc. Enfim, o Chega entra triunfante no palco da política, através de Rui Rio. Veja-se o desplante, do líder do Chega, dizendo que tal feito, se deve ao facto de Rui Rio se ter radicalizado! Temos como assente que o líder do PSD é um político sério.

Temos como assente que o líder do PSD é um político sério. Um homem de Estado. E é por isso que muito nos espanta o facto de ele próprio, ter participado nesta caranguejola Açoreana. Rio, politicamente, esteve muito longe da sua companheira Angela Merkel, quando no fim do ano de 2019, não aceitou a formação de um governo da AfD, partido da extrema direita alemão (...). Um homem de Estado. E é por isso que muito nos espanta o facto de ele próprio, ter participado nesta caranguejola Açoreana. Rio, politicamente, esteve muito longe da sua companheira Angela Merkel, quando no fim do ano de 2019, não aceitou a formação de um governo da AfD, partido da extrema direita alemã, apoiada pela sua CDU, para a formação do governo regional da Turíngia, com a bênção de Annegret Krump. Porém, Angel Merkel sinalizou bem as linhas vermelhas da defesa dos princípios democráticos,

não aceitando tal hipótese. Como consequência, aquela que viria a ser a próxima líder da CDU, Annegret Krump, que ambicionava conquistar o lugar de Chanceler da Alemanha pela CDU, com o apoio da atual Líder, Angela Merkel, desistiu naturalmente daquele objetivo, dado o seu político erro histórico. Afinal, não foi pela mão da CDU alemã que a extrema direita, chegou ao poder na Turíngia, Alemanha. E em Portugal? Sr. Dr. Rui Rio, em política há sempre tempo para descer ao chão palmilhante da democracia.


GD Natação de Famalicão conquista 2 títulos e 13 medalhas em torneio zonal

Equipa de Hóquei do FAC cede em casa frente ao candidato Oliveirense O Famalicense Atlético Clube (FAC) saiu, no passado sábado, derrotado no confronto com a equipa da UD Oliveirense, em jogo a contar para a 9ª jornada do Campeonato Nacional de Hóquei em Patins. O resultado desfavorável, de 3-4, com uma das equipas mais fortes da competição, espelha um jogo emotivo, mas com duas partes bem distintas, onde um empate não surpreenderia. No primeiro período o FAC não esteve ao seu melhor nível e permitiu que o adversário, recheado de excelentes executantes, desequilibrasse o marcador ao ponto de chegar ao final da primeira parte com o resultado de 0-4. A reação surgiu, no entanto, no período complementar. A formação da casa entrou com uma postura totalmente diferente, dentro do que já de-

monstrou noutras partidas e o capitão Hugo Costa, com duas excelentes execuções, reduziu para 2-4, recolocando a equipa na discussão do encontro. Nunca desistindo e pressionando cada vez mais o adversário, o 3-4 surgiu por Renato Castanheira, a pouco mais de dois minutos do fim do jogo, e pelo meio, ficou ainda por concretizar um livre direto a castigar a décima falta do adversário. Havia tempo para, num "forcing" final, a igualdade poder ser alcançada, mas algumas opções (muito contestadas) da equipa de arbitragem não permitiram que isso acontecesse e a partida, talvez, tivesse um desfecho “mais justo”. No próximo sábado, o FAC desloca-se a Lisboa para defrontar o SL Benfica. O jogo inicia-se pelas 11horas e terá transmissão televisiva pela BTV.

Vítor Silva contesta arbitragem A derrota do FAC frente à Oliveirense foi muito contestada pelo técnico famalicense. No final do encontro, em declarações à FamaTV, que transmitiu a partida, o treinador reconheceu o valor do adversário e os erros da sua equipa no primeiro tempo, mas sobre a segunda metade não escondia a sua insatisfação pela forma como atuou a equipa de arbitragem: “Acabem com isto. Joguem só os oito primeiros, os outros, não vale a pena”, referia com indignação. Segundo Vítor Silva, uma falta “por assinalar” sobre Hugo Costa, dentro dos últimos dois minutos era merecedora de grande penalidade e admoestação com cartão azul: “esta senhora (árbitra Silvia Coelho) brinca com o esfoço das pessoas”, referiu acrescentado que “não me posso alongar mais porque há mais jogos e ela vai arbitrar mais vezes”.

O Grupo Desportivo (GD) de Natação de Famalicão, conquistou 13 medalhas nos Campeonatos Zonais de Juniores e Seniores, que se realizaram, no passado fim de semana, nas Piscinas Municipais da Mealhada. A equipa de Famalicão teve a participação de 10 nadadores juniores e seniores, que conquistaram para Famalicão duas medalhas de ouro, quatro medalhas de prata e sete medalhas de bronze, totalizando 13 medalhas. No total, participaram nestes campeonatos 50 clubes 250 atletas. As medalhas de ouro foram conquistadas por Daniela Lopes e João Oliveira. Para o técnico Bruno Pereira, “os nadadores famalicenses voltaram a competir e a serem felizes”. “Ficou demonstrado que a prática da natação é segura e que há confiança no seu desenvolvimento”, acrescentou. O treinador garante ainda que “todos estes nadadores estão bastante motivados e comprometidos para se superarem no processo de treino, de forma a se prepararem para os próximos Campeonatos Nacionais e conquistarem mais sucessos para Famalicão”. pub


16

DESPORTO

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Famalicense Tiago Machado regressa ao RP-Boavista

FC Famalicão voltou aos treinos com menos quatro jogadores

O ciclista famalicense Tiago Machado assinou pelo RPBoavista, naquele que é um regresso à equipa que já tinha representado de 2005 a 2009. Tiago Machado, de 35 anos, natural de Vale S. Martinho, correu pelo Sporting em 2019 e passou o último ano na equipa da Efapel. Sobre o regresso aos axadrezados e em declarações ao jornal Record, o ciclista não escondeu que tem “o Boavista no coração”. “Foi aqui que aprendi a sofrer, a ganhar e a trabalhar para uma equipa”, acrescentou.

O FC Famalicão regressou aos treinos após folga do plantel contando menos quatro jogadores. Estes são Anderson, que se encontra lesionado, e ainda Diogo Queirós (sub-21), Gustavo Assunção (sub-23 Brasil) e Leonardo Campana (Equador) que alinham pelas respetivas seleções.

Oriental - FC Famalicão joga-se sábado pub

O jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal, que coloca frente a frente FC Famalicão e Oriental vai ser disputado no próximo sábado, dia 21 de novembro pelas 11h00. A partida, que tem transmissão televisiva no Canal 11, será disputada no Estádio Engenheiro Carlos Salema, em Lisboa.

FAMABasket não passa no teste da Régio Num período difícil de testes e incertezas ao contágio, a equipa do FAMABasket, entrou em campo com apenas 9 elementos e não foi capaz de superar o acerto inicial do CB José Régio. Com um parcial de 19-2 nos primeiros 5 minutos, a Régio acabou por ditar o correr do jogo, já que o FAMA após uma semana de trabalho, sem a maioria dos atletas, por necessidades laborais e medo de contágio, não foi capaz de se impor a um CB José Régio rápido e eficaz. Com uma melhor prestação defensiva no início do 2.º e 3.º quartos, tudo levaria a crer uma reação positiva por parte do FAMA, por forma a baixar a diferença pontual existente até então. Mas, o resultado não melhorou, já que os níveis físicos e eficácia ofensiva não davam sinais de melhoria, agravando assim o fosso entre os dois conjuntos. No derradeiro 4.º e, apesar de um maior empenho defensivo, não foi possível baixar a diferença pontual, já que a finalização estava sem dúvida em dia não, terminando com uma derrota pesada, por 45-88. O próximo jogo frente ao Limiense é já no próximo fim-de-semana e poderá servir para aferir os objetivos para esta época, embora atípica, mas com um propósito diferente da anterior.


opiniãopública: 18 de novembro de 2020

DESPORTO

17

Feminino: FC Famalicão na frente só com vitórias

Basquetebol: FAC vence em Barcelos

A equipa sénior de basquetebol do Famalicense Atlético Clube (FAC) deslocou-se, no passado domingo, a Barcelos para realizar um jogo em atraso, relativo à 3ª Jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão. A equipa da casa entrou melhor na partida, com mais intensidade e tirando alguma vantagem do seu forte jogo interior acabou por vencer o 1º período por 16-13. No segundo período, com alguns ajustes e com outra mentalidade o FAC conseguiu descolar da partida, quer fruto do acerto no tiro exterior quer pelo contributo de quem saia do banco e venceu por 10-23 chegado ao intervalo com uma vantagem de 10 pontos. Com a mesma atitude, a equipa do Famalicense entrou forte no terceiro período mantendo a percentagem de lançamentos exteriores e de lances-livres acabando com o resultado de 17-26 a seu favor. O BC Barcelos reagiu no derradeiro período vencendo por 2214, um parcial que não chegou para retirar a vitória aos de Famalicão que saíram da cidade dos galos com um resultado final favorável de 65-76. No próximo domingo, às 10h30, o FAC visita o FC Porto "B" para o jogo relativo à 6ª jornada.

O futebol feminino do Famalicão continua com o seu “soma e segue”. O conjunto famalicense continua a contar apenas com vitórias nas partidas disputadas. Depois da importante vitória na visita ao reduto do SC Braga por 1-2, em jogo em atraso a contar para a quinta jornada da Zona Norte do campeonato feminino, agora foi a vez de levar de vencida a formação do Fiães SC por um expressivo 3-0. Se no jogo com o Braga a vitória da equipa famalicense lhe permitiu isolar-se na frente da tabela, com três pontos de vantagem sobre os

bracarenses, o resultado sobre o Fiães veio cimentar a posição de líder num campeonato onde apenas soma vitórias, tantas quantas as sete jornadas disputadas. No próximo domingo, pelas 11h00, o FC Famalicão recebe o Clube de Albergaria, em partida referente à 8ª jornada. Guardiã do FC Famalicão chamada à Seleção A guarda-redes do FC Famalicão, Rute Costa, foi uma das quatro atletas das equipas do Minho a serem chamadas à Seleção Nacional por

Francisco Neto. À famalicense juntam-se às jogadoras do SC Braga Diana Gomes, Dolores Silva e Andreia Norton. Na dupla jornada de qualificação para o Europeu, Portugal recebe a Escócia no próximo dia 27 de novembro, e a Albânia no dia 1 de dezembro, com ambos os jogos agendados para o Estádio do Restelo, em Lisboa. As jogadoras convocadas por Francisco Neto concentram-se domingo, 22 de novembro, na Cidade do Futebol e realizam o primeiro treino na segunda-feira, pelas 17h30.

Operário e Delães recebem nova iluminação

Hóquei: RAHC perde no Porto

A Câmara Municipal de Famalicão leva esta quinta feira à reunião do Executivo mais dua proposta para apoio aos clubes locais no que respeita à iluminação dos seus espaços desportivos. Assim, a autarquia vai desta feita, apoiar o Operário Futebol Clube com uma verba de onze mil euros, destinada a instalação de iluminação led no campo de futebol de 5, e da mesma forma, o Clube Recreativo e Popular de Delães, com um montante de 23 mil euros pela iluminação do campo de futebol de onze. Estes clubes juntam-se ao GD Joane, UD Calendário e AD Gondifelos, já beneficiados pela medida.

A equipa do RAHC saiu derrotada por um pesado 6-0, na sua deslocação ao FC Porto, em partida referente à 9ª jornada do Nacional de hóquei em patins. O resultado começou a ser construído dentro dos primeiros cinco minutos por Gonçalo Alves que abriu o ativo da marca de penálti. Ainda na primeira metade da partida, Ezequiel Mena, aos 9 minutos, e Rafa, aos 15, estabeleceram o 3-0 favorável aos portistas e resultado com que se chegou ao intervalo no Dragão Caixa. Na etapa complementar, Gonçalo Alves bisou à passagem do minuto 33. Reinaldo García e Giulio Cocco também inscreverem o nome na lista de marcadores, aos 38 e 43 minutos de jogo, respetivamente. A equipa de Riba D’Ave volta a jogar no próximo sábado recebendo, no Parque da Tílias, a equipa do Juventude de Viana, para a 10ª jornada.

RAHC

Casa do Benfica de Famalicão responde à polémica sobre fecho das urnas de voto Um vídeo divulgado esta segunda-feira, nas redes socias, mostra o momento em que é selada uma urna de voto na Casa do Benfica de Famalicão, causando polémica nas redes sociais sobre a segurança do método utilizado para tal efeito. O vice-presidente do núcleo benfiquista famalicense referiu numa entrevista à CMTV que as “imagens foram filmadas por alguém que estava a representar uma lista”. “A Casa do Benfica de Famalicão apenas empresta o espaço físico para fazerem as eleições, não tem nada a ver com o que se passa lá dentro”, explicou Ricardo Pinheiro. “Os funcionários do Benfica que estavam lá e as duas listas lá representadas assistiram a tudo”. Na parte de fora estavam cerca de 20 pessoas apoiantes de uma das listas, a filmar tudo. O clima tornou-se tão hostil que foi preciso chamar a polícia. A Casa do Benfica de Famalicão não tem nada a ver com isto, apenas empresta o edifício para fazer as eleições”, conclui.


David Reis, presidente do Grupo Desportivo de Fradelos

“Queremos ficar nos primeiros lugares” Carla Alexandra Soares* pas não são tão fortes como eram, tradicionalmente, o ano passado, Os objetivos do Grupo Desportivo as de Guimarães”. Assim, para o presidente do (GD) de Fradelos para esta temporada são claros: ficar nos primei- clube estão reunidas as condições ros quatro lugares na sua série. para que a temporada corra bem, Isto porque, tal como explica até porque este ano os jogos vão David Reis, o presidente do clube, decorrer em zonas “mais próxia intenção é disputar a subida. Ou mas de casa”, o que facilita, no seja, as mudanças para a Divisão seu entender, a tarefa. Sobre o treinador Fernando de Honra da Associação de Futebol de Braga ditam que das três Martins que está no GD Fradelos séries existentes, os três primei- desde o início da temporada, ros quatro de cada uma vão dispu- David Reis espera falar, daqui a tar, entre si, a subida de divisão. algum tempo, numa aposta E discutir uma eventual subida ganha. “Confiamos nele, é um é, sem dúvida, um dos objetivos bom treinador, rigoroso, exido GD Fradelos que, desta forma, gente”, sublinha o presidente que considera que a equipa técnica é garante também a manutenção. “Neste contexto de pandemia muito competente, esperando, não sabemos se isto se vai desen- agora, que os resultados falem rolar normalmente, mas vamos por si. Sobre o novo figurino da Diviaguardar”, explica David Reis, a quem o plantel lhe dá “todas as são de Honra da Associação de garantias” por duas razões: Futebol de Braga, em que existem “temos um plantel razoavelmente três séries com doze equipas cada reforçado, além disso estamos na uma, o responsável defende que chamada série de Barcelos/Espo- está em conformidade com as nesende, que penso eu estar mais cessidades dos clubes. “Penso ao nosso alcance, porque as equi- que é mais correta e mais compe-

titiva. Não sei se é provisória ou definitiva, mas acho que encontraram uma solução adequada”. Sobre a ausência de pessoas nos campos de futebol, David Reis tem uma posição contrária, assumindo mesmo que “sem adeptos não deveria haver futebol”. “É muito grave, é muito prejudicial”, desabafa o presidente do GD Fradelos que acha que a maioria dos clubes defende o mesmo. “O que é facto é que deveria haver público, porque sem público no futebol amador não tem sentido nenhum”. Tendo em conta o cenário de pandemia, e dado que a primeira jornada já não se realizou devido ao agravamento dos números de Covid 19 em Portugal, David Reis receia que o campeonato seja interrompido. Aliás, o presidente diz ter a certeza que tal vai acontecer “e não vai chegar até ao fim”. “Pelo menos nos próximos tempos é isto que nos aguarda, esta indecisão”, acrescentou. *com José Clemente pub


GRUPO DESPORTIVO FRADELOS

pub

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

ESPECIAL

19


Fernando Martins, treinador do Grupo Desportivo de Fradelos

“O meu plantel dá-me segurança e ambição” Carla Alexandra Soares* O treinador do Grupo Desportivo (GD) de Fradelos quer, acima de tudo, assegurar a manutenção. “Não poderia passar por outra coisa, tendo em conta a pandemia que estamos a passar”, esclarece Fernando Martins que defende que “perante as dificuldades e os cenários que têm aparecido, mesmo na preparação” não se pode pensar noutros objetivos que não a manutenção. Claro que, e seguindo o mesmo pensamento do presidente da coletividade, o treinador não esconde que vai lutar jogo a jogo para ficar nos primeiros quatro lugares e, desta forma, disputar a subida. Mesmo assim o técnico não quer pensar demasiado alto, até porque tem consciência que esta temporada acarreta dificuldades acrescidas a todos os clubes, nomeadamente a contratação de jogadores. Mesmo assim, Fernando Martins está satisfeito com o seu grupo de trabalho que, “em termos quali-

tativos”, lhe dá alguma segurança e ambição. “O que não podemos gerir é a situação de pandemia e tivemos alguns exemplos do que seria a metodologia de treino, a sua preparação, a semana de trabalho”, explica o treinador, sublinhando, assim, as dificuldades que enfrenta no dia a dia para conseguir treinar com a sua equipa. Aliás, este fator provoca receio a Fernando Martins que gostaria, que de forma natural, os jogadores treinassem juntos e acertassem dinâmicas de trabalho. Para o técnico do GD Fradelos o facto de alguns atletas transitarem da época anterior é um ponto a favor já que estão “familiarizados” com o trabalho, os métodos e dinâmicas. O treinador também não é indiferente às alterações que a Divisão de Honra sofreu e defende que a Associação de Futebol de Braga tentou “dentro das possibilidades e da proximidade dos clubes” ajudar na contenção das despesas. “Se verificarmos as equipas que fazem parte da cada série nota-se

uma proximidade para que não haja tantas dificuldades” explica Fernando Martins que, por outro lado, se mostra satisfeito pela possibilidade de disputar mais derbys, o que no futuro, “quando as pessoas regressarem aos estádios” pode ser muito interessante. Sobre a série em que a sua equipa está inserida, o treinador é pragmático e defende que “nenhuma é a ideal”. “Há muitas mexidas nos planteis, muitas alterações… Agora se compararmos com a série em que o Fradelos estava na temporada anterior, se calhar era mais competitiva e com equipas com mais experiência”. Mas focando-se no presente “e no quadro atual”, Fernando Martins não tem dúvidas que a sua equipa vai fazer o melhor, para obter os melhores resultados possíveis. “E que voltem os adeptos aos estádios o mais rápido possível”, diz o técnico do Fradelos que é mais um a dizer que falta esse condimento no futebol. *com José Clemente pub


Augusto Freitas, presidente do Ruivanense Atlético Clube

“Queremos ganhar o maior número de partidas possível” Carla Alexandra Soares* de pontos logo no início para fazermos um campeonato regular e sem O Ruivanense Atlético Clube (AC) preocupações”. está preparado para arrancar a sua Sobre o plantel, o responsável participação na Divisão de Honra tem consciência que a falta de verda Associação de Futebol de Braga. bas condiciona os objetivos proO seu presidente, Augusto Freitas, postos. Mesmo assim, o presidente reconhece diversas dificuldades, do Ruivanense AC está confiante “há uns anos a esta parte”, para ar- no “excelente plantel” para esta ranjar um plantel “rico” e aspirar a temporada. “Este ano devido à uma subida de divisão. pandemia estamos limitados e di“Como é hábito não costuma- ficilmente temos todos os atletas a mos apostar para subir e até houve treinar para evitar que se juntem”, anos que tivemos várias equipas explica o presidente que, pelo que boas. Umas épocas correram bem, tem observado dos treinos e jogos outras menos bem…”, explica o de preparação, está convicto que a presidente do Ruivanense que equipa “é muito boa em relação ao aponta como objetivo ganhar o ano passado”. Esta qualidade adimaior número de partidas possível cionada à ansiedade para jogar à e fazer um campeonato dentro da bola é para Augusto Freitas a equanormalidade “para andarmos lá em ção perfeita para uma boa tempocima”. Em suma, Augusto Freitas rada. quer ficar nos primeiros quatro luO treinador Julinho é, mais uma gares para assegurar a manuten- vez, a aposta da direção do Ruivação e ter um campeonato tranquilo. nense e depois de uma época pas“Pretendemos angariar o máximo sada bastante complicada, o

presidente vê no técnico “um homem que trabalha bem, sério, gosta daquilo que faz e disposto a ajudar o clube, sem estar a pensar no dinheiro ou estatuto”.

infraestruturas têm que se manter, limpar, pagar contas. Isto tudo implica custos e sem os treinos de formação, que para nós implica dez escalões, complica bastante”, refere. Quanto à falta de assistência nos jogos de futebol, Augusto Freitas refere que, apesar de em circunstâncias normais haver sempre poucos adeptos nas bancadas, a bilheteira e os sorteios “eram sempre uma ajuda”. “Não dá para pagar a arbitragem e o policiamento, mas ajuda”. O presidente do clube de Ruivães sublinha ainda que, por causa da pandemia, os patrocínios também escasseiam “porque algumas empresas que nos apoiavam fecharam as portas”. “Não vai ser uma época fácil e Os escalões de formação estão da maneira que as coisas estão não parados, seguindo a orientação da sei se os campeonatos vão chegar DGS, o que traz “bastantes dificul- ao fim”, conclui. dades financeiras” já que a formação é uma fonte de receita. “As *com José Clemente pub


Júlio Taveira (Julinho), treinador do Ruivanense Atlético Clube

“Tenho uma equipa unida e solidária” Carla Alexandra Soares* Júlio Taveira, conhecido no mundo do futebol por Julinho, assume, pela segunda temporada, o comando técnico do Ruivanense Atlético Clube (AC). Tendo em conta a pandemia que estamos a viver o treinador assume uma postura “prática e objetiva”, tendo projetado para esta temporada uma equipa para estar nos lugares cimeiros. “Temos um novo molde no campeonato e perante as alterações queremos ficar nos quatro primeiros lugares para termos acesso à luta pela subida de divisão”. Por outro lado, lembra Julinho, fica a manutenção garantida. “Houve muitas alterações e limitações” que condicionaram a preparação da temporada, nomeadamente financeiras, que obrigou o técnico e a sua equipa a várias adaptações para poder disputar a Divisão de Honra da Asso- das caraterísticas e da identidade ciação de Futebol de Braga. que se quer para o clube de Rui“Viramo-nos para outros jogado- vães. res, mais acessíveis”, mas dentro Adaptações concluídas, Juli-

nho está convencido que o objetivo foi conseguido, ou seja, reunir um grupo de 25 jogadores equilibrado. “São jovens, muito pub

jovens, mas bons jogadores”. Posto isto, outras dúvidas e receios se levantam para o treinador do Ruivanense. “Nem nós sabemos das nossas capacidades porque esta situação da pandemia fez com pudéssemos realizar poucos jogos de preparação e os treinos são limitados”, explica Julinho que não teve a pré-época desejada, apesar de ter começado a trabalhar cedo. Julinho é um treinador experiente e com muitos anos de futebol e, por isso, tem um importante ponto a seu favor, que é conhecer de perto todas as equipas da região e os seus métodos. “Felizmente sei como é que cada equipa atua, as que são mais intensas ou menos. Neste momento, por causa das alterações impostas pela pandemia, ninguém de nós sabe ao certo o que esperar”. Assim, o que resta a Julinho é acreditar no seu grupo de trabalho e ajustar-se à medida que as dificuldades forem aparecendo. “Nós e todas as equipas”, acrescenta.

Apesar de todos os contratempos que possam surgir, o treinador está confiante na qualidade do seu conjunto, “que está bem treinado, unido e solidário”. “Estou muito contente, mesmo com todas estas limitações”. A voz do treinador do Ruivanense é mais uma a juntar-se às que defendem que a ausência de pessoas nas bancadas diminui a motivação dos jogadores e o apetite para o futebol. “E quanto mais baixas as divisões, mais isso se sente”. “Sabemos que há equipas que se valem muito da assistência, do bairrismo e do comportamento do grupo”. Assim, dado este vazio, Julinho espera uma temporada com um futebol mais sério, frio e profissional. Apesar das limitações impostas pela pandemia “que preocupam todos”, o técnico está satisfeito com a resposta das equipas, que tomaram medidas, de forma rápida, para que o futebol possa continuar. *com José Clemente pub


RUIVANENSE ATLÉTICO CLUB

pub

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

PRAÇA PÚBLICA

23


24

PUBLICIDADE

opiniãopública: 18 de novembro de 2020

Profile for Editave Multimédia

Opinião Pública 1486  

Edição nº 1486 de 18 de Novembro de 2020 do semanário regional Opinião Pública

Opinião Pública 1486  

Edição nº 1486 de 18 de Novembro de 2020 do semanário regional Opinião Pública

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded