__MAIN_TEXT__

Page 1

Ano 29 | Nº 1480| De 7 a 13 de outubro de 2020| Diretor: João Fernandes | Gratuito | www.opiniaopublica.pt

pub

pub

Um utente permanece internado em Braga

16 idosos e 10 funcionários já recuperaram da Covid 19 no lar de S. Cosme p.9

Nova valência custou cerca de 300 mil euros financiados pela Câmara e sociedade civil

Joane

CLÍNICA DA MULHER E DA CRIANÇA JÁ ABRIU NO HOSPITAL DE FAMALICÃO Entrou esta terça-feira em funcionamento a Clínica da Mulher e da Criança da unidade de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA). Concentra os cuidados de saúde prestados à mulher, à criança e ao adolescente numa unidade totalmente inovadora e permite que os utentes recebam tratamento sem entrarem na área hospitalar. p. 3

Nova exposição da Casa Território homenageia comércio local p. 5

Jovem entra no ensino superior com média de 20 valores

p. 9

Covid 19 Citeve já está habilitado para certificar máscaras a nível europeu p. 3 Estradas Câmara beneficia ligações viárias na zona oeste do concelho FC Famalicão: Duas partes distintas ditam divisão de pontos frente ao Rio Ave

p. 7

Oito famalicenses nomeados para os troféus “O Minhoto” Motores: Pedro Almeida no pódio do europeu de ralis pub


02

CIDADE

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Ensino profissional da Escola D. Sancho I recebe selo de qualidade

Gerações faz balanço positivo do arranque do ano escolar

Passado pouco mais de um mês da abertura do novo ano escolar, a Associação Gerações faz um balanço positivo destes primeiros dias de atividade, destacando “a enorme cooperação dos pais e das famílias, dos seniores, das próprias crianças e das colaboradoras que têm sabido ultrapassar os constrangimentos destes momentos difíceis, em tempo de pandemia de Covid 19”. Em comunicado, a direção da Associação refere que “a preocupação maior tem sido direcionada para as crianças que são diariamente acolhidas em espaços onde existem cuidados redobrados e que todos os dias são pensados e preparados intencionalmente para as receber e promover a sua capacidade de criação”. Assim, as atividades de exterior, quando o estado do tempo as permite, “têm naturalmente uma grande predominância, respeitando-se também aqui as orientações da Direção Geral de Saúde, do Ministério da Educação e da Segurança Social, tentando-se, por esta via, fazer tudo o que é humanamente possível fazer para o seu bem-estar e segurança”, salienta a Gerações. Construções de madeira, de pinhas e folhas de outono, lanches coletivos ao ar livre, observação da natureza com “binóculos” improvisados, sessões de equilíbrio e aprendizagem de regras genéricas de trânsito e circulação no exterior, são algumas das atividades ao ar livre. Já nas salas, há danças, música, fotografias, jogos de tabuleiro, puzzles ou observações com óculos e luvas de cientistas.

ATP promove projeto “Regenerar o Setor: Ganhar o Futuro” A Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), que tem sede em Famalicão, vai promover um novo projeto com o objetivo de capacitar o tecido empresarial, em particular as PME, de forma a dar resposta às tendências que definirão este setor nos próximos anos ao nível da inovação. Intitulado “Regenerar o Setor: Ganhar o Futuro” o projeto “surge num contexto de incerteza gerado pela crise pandémica, que determinará adaptações através da tecnologia, criatividade e digitalização, da sustentabilidade, tocando as vertentes económica, financeira e estratégica, bem como projetar a imagem de uma indústria moderna, sofisticada interna e externamente”, explica a ATP; em nota à imprensa. Depois de realizado o diagnóstico ao setor e detetadas as falhas e os fatores críticos sobre os quais se pretende atuar, foi definido, no âmbito do novo projeto, um conjunto de atividades que passam pela criação de um programa de literacia financeira e de gestão para a Indústria Têxtil e Vestuário (ITV) criação de um Barómetro ITV ou pela realização de um simpósio versando a visão estratégica para a década e outro sobre os modelos de negócio em cenários pós Covid. O projeto “Regenerar o Setor: Ganhar o Futuro” é apoiado pelo Portugal 2020 e tem um investimento previsto elegível que ronda os 678 mil euros.

FICHA TÉCNICA

CONSELHO EDITORIAL: Alexandrino Cosme, António Cândido Oliveira, António Jorge Pinto Couto, Artur Sá da Costa, Cristina Azevedo, Feliz Manuel Pereira, João Fernandes, Manuel Afonso e Almeida Pinto. ESTATUTO EDITORIAL: disponível em www.opiniaopublica.pt

DIRETOR: João Fernandes (CIEJ TE-95) jfernandes@opiniaopublica.pt

CHEFE DE REDACÇÃO: Cristina Azevedo (CPJ 5611) cristina@opiniaopublica.pt

REDACÇÃO: informacao@opiniaopublica.pt Carla Alexandra Soares (CICR-248), Cristina Azevedo (CPJ 5611).

DESPORTO: Jorge Humberto, José Clemente (CNID 297) e Pedro Silva (CICR-220).

O Agrupamento de Escolas D. Sancho I foi certificado com o Selo de Garantia de Qualidade para a Educação e Formação Profissionais, válido por três anos e atribuído em setembro último pela Agência Nacional para a Qualificação do Ensino Profissional. (ANQEP) O processo de certificação foi implementado no agrupamento durante o ano letivo de 2019/2020 e concluiu-se com a auditoria de verificação de conformidade, ocorrida em julho. “Esta ação contou com a participação de toda a comunidade educativa, cujo envolvimento foi fundamental”, refere a Direção do Agrupamento, salientando que este reconhecimento vem “reforçar o compromisso do agrupamento em continuar a garantir aos alunos um ensino de qualidade, apostando simultaneamente na implementação de ações de melhoria contínua, fundamentais para a manutenção deste selo”. Entretanto, no passado dia 28 de setembro, o Agrupamento de Escolas D. Sancho I recebeu também três selos Famalicão Visão 25, na cerimónia de come-

moração do Dia do Concelho. Os galardões premiaram o projeto “Parkingfind”, que consiste na criação de uma infraestrutura e aplicação para smartphone destinada a auxiliar pessoas com mobilidade reduzida quando estão à procura de um espaço disponível para estacionarem a sua viatura; bem como ao projeto “Ecoponto das

Emoções”, que sugere deitar ao lixo todas as emoções tóxicas e reciclá-las através da prática de ações como a gratidão. Ainda, e em parceria com a CSIF e o Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, foi premiado o projeto “Mobilidade Sustentável Para o Campus Escolar, na categoria B-Smart Famalicão.

Dois projetos da Cior reconhecidos com selo Famalicão Visão 25 A Escola Profissional Cior viu dois projetos seus, desenvolvidos por alunos e professores, premiados com a atribuição dos Selos Famalicão Visão’25, na sessão solene comemorativa do 185º aniversário do Dia do Concelho. Nesta quinta edição dos Selos, foram premiados os projetos Sistema de Gestão, Controlo e Automação de Recursos Elétricos a e o CIORLunchBOX. O primeiro tem em vista a poupança de energia e a eficiência energética das instalações e equipamentos da escola. Por sua vez, o segundo projeto é o protótipo de uma nova lancheira prática e funcional, que permite, que o utilizador defina a temperatura a que pretende que o conteúdo da lancheira se mantenha, por intermédio de uma aplicação para smartphone criada para o efeito. “Estes e outros projetos de-

GRAFISMO: Carla Alexandra Soares e Pedro Silva.

OPINIÃO: Adelino Mota, Barbosa da Silva, Domingos Peixoto, Gouveia Ferreira, J. Mário Teixeira, José Luís Araújo, Sílvio Sousa, Vítor Pereira. GERÊNCIA: João Fernandes

CAPITAL SOCIAL: 350.000,00 Euros.

DETENTORES DE MAIS DE 5% DO CAPITAL António Jorge Pinto Couto

senvolvidos por alunos e professores da Cior, com base num trabalho colaborativo, integram-se numa dinâmica e numa cultura da escola focadas na criatividade, inovação e empreendedorismo que pretende

TÉCNICOS DE VENDAS: comercial@opiniaopublica.pt Maria Fernanda Costa e Sónia Alexandra

PROPRIEDADE E EDITOR: EDITAVE Multimédia, Lda. NIPC 502 575 387

para os seus formandos”, referiu a propósito o diretor da Cior, Amadeu Dinis. Ambos os projetos foram desenvolvidos nos cursos de Instalações Elétricas e de Eletrónica, Automação e Comando.

SEDE, REDACÇÃO E PUBLICIDADE: Rua 8 de Dezembro, 214 Antas S. Tiago - 4760-016 VN de Famalicão

IMPRESSÃO: Celta de Artes Gráficas, S.L. Gárcia Barbón, 87 Bajo - Vigo

INTERNET - www.opiniaopublica.pt

DISTRIBUIÇÃO: Editave Multimédia, Lda.

Serviços Administrativos: Tel.: 252 308146 / 252 308147 • Fax: 252 308149

NÚMERO DE REGISTO: 115673 DEPÓSITO LEGAL: 48925/91

CONTACTOS Redacção: Tel.: 252 308145 • Fax: 252 30814

TIRAGEM DESTE NÚMERO: 20.000 exemplares, nº 1480


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

CIDADE

03

Nova valência no Hospital de Famalicão

Já abriu a Clínica da Mulher e da Criança no Hospital de Famalicão Entrou esta terça-feira em funcionamento a Clínica da Mulher e da Criança da unidade de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA). Com um investimento global na ordem dos 300 mil euros, a nova infraestrutura de saúde é resultado de uma parceria entre a administração do hospital, a Câmara Municipal e a sociedade civil famalicense. A autarquia garantiu 50% do financiamento e ajudou a mobilizar a sociedade civil para o projeto que, ao abrigo do mecenato, garantiu a outra metade do investimento realizado. A Clínica da Mulher e da Criança é, assim, “uma obra de todos”, como o reconhece a administração do hospital através de uma mensagem exterior de agradecimento às entidades que tornaram possível a concretização do projeto. A clínica fica situada nas instalações da antiga Urgência A clínica concentra os cuidados de saúde prestados à mulher, oferecendo um serviço mais mo- utentes recebam tratamento sem gências do Hospital, na zona lateà criança e ao adolescente numa derno e adequado às necessida- entrarem na área hospitalar. O es- ral do edifício, o que potenciou unidade totalmente inovadora, des existentes, permitindo que os paço ocupa a área das antigas ur- também a modernização desta

Centro tecnológico de Famalicão terminou longo processo com sucesso

Citeve já está habilitado para certificar máscaras a nível europeu O Citeve, com sede em Famalicão, já está habilitado para certificar máscaras a nível comunitário, um processo que se iniciou em junho com a aprovação pelo European Commitee for Standardization do guia com os respetivos requisitos de fabrico para o espaço europeu. A versão portuguesa do guia europeu passou depois pelo Instituto Português da Qualidade (IPQ), que estabeleceu as normas e respetivos requisitos de certificação, um longo processo de normalização que está agora concluído, com o Citeve acreditado como entidade certificadora. Segundo avança o jornal T, esta acreditação significa que as certificações emitidas pelo Centro Tecnológico do Têxtil e Vestuário passam a ser suficientes para o mercado europeu. Os fabricantes deverão, contudo, verificar-se o mercado de destino impõe alguma restrição ao texto do documento Europeu, mas nestes casos, o Citeve dará todo o apoio às empresas para qualificar máscaras para cada mercado. Numa nota publicada na sua página oficial, o Citeve

área. “A área Materno-Infantil sempre foi uma área de excelência do hospital, composta de grandes profissionais, reconhecida por todos. Criamos este projeto com o objetivo de continuar a apostar nesta área, concentrando todos os serviços de saúde de ambulatório de pediatria, ginecologia e obstetrícia, num único espaço mais moderno, com mais conforto e com maior privacidade para os utentes”, referiu o presidente do Conselho de Administração do CHMA, António Barbosa, aquando a apresentação do projeto. Já o presidente da Câmara, Paulo Cunha, elogia o envolvimento da sociedade civil no projeto que, em conjunto com a autarquia, “permitiu a concretização de uma obra de superior interesse público, que significa um contributo liquido local para a melhoria da qualidade dos cuidados de saúde prestados em Famalicão pelo Serviço Nacional de Saúde”.

Famalicão é o segundo concelho do distrito com mais novos casos O concelho de Famalicão registou na última semana (de 29 de setembro a 5 de outubro) 60 novos casos de Covid 19, sendo o segundo concelho do distrito de Braga com maior número de novas infeções, abaixo apenas de Guimarães que registou 115 casos. desde o início da pandemia, o concelho famalicense totaliza 858 casos de infeção, sendo o terceiro do distrito, atrás de braga, com um total de 1600 casos, e de Guimarães, com 1417. De resto, analisando o boletim da Direção Geral da Saúde de segunda-feira, que apresenta os números por concelho, concluiu-se que o distrito de Braga registou mais 324 casos de Covid 19, na última semana. Entre os concelhos com mais infetados, para além de Braga, Guimarães e Famalicão, estão também Barcelos, Vila Verde, Vizela e Fafe.

PSD debate justiça social esta quarta-feira

destaca o esforço desenvolvido “desde os primeiros casos de infeção por Covid-19 em Portugal” para encontrar soluções dentro do têxtil nacional para o apoio no combate à pandemia e contornar também a dependência das importações, vindas sobretudo da Ásia. Recorda também o “intenso trabalho técnico de articulação com as autoridades portuguesas e com a comunidade científica e tecnológica europeia no que concerne a Máscaras Sociais ou Comunitá-

rias”. Um esforço conjunto que, sublinha Citeve, teve como objetivo colocar a ITV na linha da frente no combate à pandemia e ao mesmo tempo potenciar a exploração de oportunidades de negócio por substituição de importações. “E com isso criar também condições para a exportação de máscaras pelas empresas portuguesas, processo que tem agora um forte impulso com a capacidade de certificação para todo o espaço europeu”, conclui.

“Justiça Social” é o tema escolhido para as sessões do mês de outubro do “Quartas na Sede”, o ciclo de tertúlias semanais promovido pelo Partido Social Democrata (PSD) de Famalicão para impulsionar o debate e a reflexão no concelho. A primeira tertúlia deste mês acontece esta quarta-feira, dia 7, às 21h30, e terá como oradora convidada a advogada Liliana do Fundo (na foto), presidente da delegação de Famalicão da Ordem dos Advogados, que falará sobre o tema “Desigualdade social no acesso à justiça”. Recorde-se que a iniciativa é aberta à participação de todos e vai decorrer exclusivamente online, através da plataforma Zoom. Os interessados devem inscreverse através de mensagem privada

enviada para o Facebook do PSD de Famalicão, onde será transmitida a conferência. Licenciada em Direito pela Universidade de Coimbra, Liliana do Fundo exerce advocacia desde 2009 e foi eleita presidente da delegação de Famalicão da Ordem dos Advogados para o triénio 2020-2023.


04

CIDADE

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Eurodeputado famalicense defende revisão de conteúdos ou caracter opcional

Nuno Melo lança petição que exige revisão das aulas de Cidadania O famalicense e eurodeputado do CDS-PP, Nuno Melo, lançou uma petição pública que pede a revisão dos conteúdos da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento ou o seu caráter opcional. A petição já foi entregue ao Governo e, além de Nuno Melo, é também subscrita por outros centristas, como o deputado Telmo Correia ou Paulo Núncio, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais no governo de Passos e Portas. No texto da petição, a disciplina é descrita como um “instrumento ideológico ao serviço da esquerda”, em que conteúdos consensuais “convivem premeditadamente” com “temas ensinados exclusivamente na perspetiva dessa esquerda”, à margem da vontade dos pais e com “propósitos ideológicos”. Afirmando que “os alunos são filhos de pais, não são filhos

do Estado” os subscritores consideram que “não é aceitável que associações LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgéneros], alheias à escola, com agendas próprias de natureza política e de reconfiguração sociológica, sejam chamadas ao ensino”. Em declarações à agência Lusa, Nuno Melo disse não contestar a existência da disciplina, considerando-a "importante e relevante", desde que "configurada numa base consensual" e "expurgando-a daquilo que é político". Questionado sobre que temas deveriam ser mantidos ou retirados da disciplina, Nuno Melo deu como exemplos a manter conteúdos como "a organização política do Estado", "a Constituição da República Portuguesa", "aspetos relacionados com o ambiente, com a geogra-

Nuno Melo defende que se deve "expurgar aquilo que é político"

fia", insurgindo-se contra "toda uma doutrina de género" que caracterizou como "instrumentos políticos". Recorde-se que esta polé-

Iniciativa Liberal dá apoio à candidatura de Tiago Mayans

O Núcleo de Famalicão da Iniciativa Liberal (IL) realizou, no passado sábado, um “Almoço Liberal”, que concluiu uma manhã de iniciativas do Núcleo em que foram realizadas uma ação de limpeza na cidade e uma angariação de assinaturas para a campanha presidencial de Tiago Mayan. A manhã iniciou com os membros voluntários do Núcleo e apoiantes do partido, acompanhados por Tiago Mayan, candidato apoiado pela IL à Presidência da República, a recolher lixo das ruas de Famalicão, “um ato simbólico para relembrar que cuidar do ambiente, do concelho e do país, é também um ato de responsabilidade individual e cívica, e que cabe a cada cidadão realizar no seu dia-a-dia”, refere a IL em nota de imprensa. Já o almoço contou com uma intervenção do coordenador do Núcleo, Carlos Fi-

gueiredo, que reafirmou o compromisso da IL de Famalicão “com o desenvolvimento de propostas para liberalizar” o concelho, “entre as quais a já anunciada proposta de reduzir os 5% de IRS cobrado a nível camarário para os 0%”. Os convidados puderam ainda ouvir Tiago Mayan, que relembrou a necessidade de não só limpar as ruas, mas também de “limpar mentalidades”, de “combater o socialismo e apresentar uma alternativa liberal credível” para as Eleições Presidenciais. O candidato sublinhou ainda que que a vantagem de ser um “cidadão comum” é que “os portugueses podem esperar um candidato que não está comprometido com o sistema, e que pode exercer o cargo de Presidente da República centrando apenas na sua ação política os interesses do cidadão português”.

mica teve origem no caso de dois irmãos de Famalicão, que frequentam o Agrupamento de escolas Camilo Castelo Branco e que faltaram a todas as aulas

desta disciplina por opção dos pais, que alegaram objeção de consciência. De resto, o tema tem dividido opiniões. Em setembro nomes da direita como Pedro Passos Coelho, Cavaco Silva ou Manuela Ferreira Leite juntaram-se para assinar um manifesto que defendia o carácter opcional. Mas à esquerda nomes como Ana Gomes, Daniel Oliveira ou Joana Mortágua assinaram, de seguida, um manifesto que defendia a obrigatoriedade da disciplina. As aulas de Cidadania são destinadas aos alunos do Ensino Básico e Secundário e delas constam temas como a igualdade de género, a interculturalidade ou a sexualidade, mas também aulas sobre participação democrática, segurança rodoviária, empreendedorismo ou bem-estar animal.

BE elegeu novos órgãos distrital e concelhio O Bloco de Esquerda (BE) elegeu, no passado sábado, a Comissão Coordenadora Distrital de Braga e as Coordenadoras concelhias de Famalicão, Barcelos, Braga e Guimarães. Em Famalicão, a lista “Juntas e Juntos” obteve 10 votos, pelo que elegeu Raquel Azevedo, Hugo Sampaio, Inês Granja Costa, Paulo Costa, Catarina Ferraz, Carla Araújo, Rúben Santos, Hélder Pereira e Gonçalo Costa para a Coodenadora concelhia. Para o distrito, a moção mais votada, intitulada “Um Bloco unido para responder às pessoas”, defende uma “sociedade democrática, contra a discriminação, o racismo, a intolerância e o totalitarismo” e pretende “ganhar mais espaço à esquerda, na defesa das pessoas, dos seus direitos, dos seus sa-

lários e pensões, lutando por uma economia justa, que respeite o ambiente e a biodiversidade”. A sufrágio apresentaram-se duas lsitas, sendo que a lista A obteve 29 votos, elegendo quatro elementos, e a lista B obteve 68 votos e elegeu nove elementos. O órgão de direção política distrital é então composto por José Maria Cardoso, de Barcelos; Sónia Ribeiro, de Guimarães; Leonel Castro, de Fafe; Alexandra Vieira, de Braga; Luís Santos, de Barcelos; Gorete Pimentel, de Vila Verde; Raquel Azevedo, de Famalicão; Miguel Martins, de Barcelos; António Ramoa Lima, de Braga; Marco Gomes, de Cabeceiras de Basto; Isabel Gonçalves, de Braga; Ana Filipa Costa, de Braga; e Cristina Andrade, também de Braga.

CDU de Famalicão saúda CGTP-IN pelo seu 50º aniversário A CDU de Famalicão saudou a CGTP-IN pela passagem do 50º aniversário da central sindical, que se assinalou no passado dia 1 de outubro. Através do seu deputado, a Coligação Democrática Unitária apresentou na última Assembleia Municipal de Famalicão um voto de saudação à CGTP-IN pelos seus 50 anos de existência, “voto extensivo a todos os trabalhadores, sobretudo aos famalicenses”, a qual foi aprovada por larga maioria, com abstenção do CDS. “Importa reconhecer a CGTP-IN como a estrutura

que liga milhares de trabalhadores portugueses e que firmemente luta pela defesa dos seus interesses, direitos e aspirações, pela defesa da contratação coletiva, de melhores salários, horários dignos, de melhores condições de trabalho, de luta contra a precariedade e a exploração”, afirma a CDU A coligação de esquerda diz ainda que “são tão fortes e importantes os seus contributos que desejamos e acreditamos o seu prosseguir nos caminhos do futuro e que estes irão promover consolidação dos avanços

civilizacionais, meta indispensável para a afirmação de um futuro desenvolvido, que beneficie Portugal e os portugueses”. Também o Dia Internacional do Idoso, também celebrado a 1 de outubro, foi assinalado pela a CDU que aproveitou a mesma assembleia para saudar todos os reformados, pensionistas e idosos do concelho e solicitou à Câmara Municipal um estudo que afira das necessidades e condições que possibilite a instituição do passe sénior gratuito, “num prazo considerado razoável”.


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

CIDADE

05

Nova mostra temporária na Casa do Território

Exposição retrata o comércio tradicional e moderno de Famalicão Cristina Azevedo “É um orgulho imenso ver aqui a história do meu bisavô, contada num recorte de jornal. São pormenores deliciosos, que não contava encontrar porque nunca tive acesso a estas notícias tão antigas”. É desta forma que Tiago Oliveira, proprietário – já na terceira geração – da Chapelaria Oliveira, comenta o que sentiu depois de ver a exposição “Comércio: Tradição & Modernidade”, que foi inaugurada esta segunda-feira, na Casa do Território, no Parque da Devesa. A mostra pretende homenagear o comércio local famalicense – o antigo e o moderno - e reconhecer o seu papel na construção e desenvolvimento do território ao longo dos últimos anos. Partindo de documentos, imagens e objetos, a exposição leva o visitante a relembrar lojas tradicionais, algumas já desaparecidas como a antiga Casa Malheiro e o restaurante Iris, e outras que ainda permanecem em funcionamento, como a Confeitaria Moderna, a Casa Marinheiro Exposição está patente na Casa do Território até julho do próximo ano ou a Chapelaria Oliveira, a mais antiga loja da cidade famalicense, com 110 anos, outras, muitas delas que recordo na nhecer o comércio contemporâneo criado Fernando Xavier Ferreira, presidente da e que ainda permanece aberta. “É uma ex- minha infância”, sublinha Tiago Oliveira. com o apoio do projeto municipal "Fama- Associação Comercial e Industrial de FaO presente também não foi esquecido licão Made IN". malicão (ACIF), para quem “ao mostrar o posição fantástica, não só pela nossa Augusto Lima, vereador do empreen- passado, também projetamos o futuro”. casa que está aqui retratada, mas pelas e a mostra leva também o visitante a codedorismo na Câmara Municipal, não tem “A resiliência dos comerciantes ao longo dúvidas de que esta exposição “deve ser das décadas – e conseguimos aqui ver vista por todos os famalicenses porque casas que têm mais de 100 anos – é a retrata aquilo que é a história, mas tam- prova que, com vontade, com capacidade bém o presente e o futuro do comércio ur- de sacrifício e com esforço, conseguimos bano de Famalicão”. atingir o objetivo”. O responsável autárquico considera Entre as dezenas de objetos expostos, que a mostra “surge na altura certa”, há muitos curiosos e peculiares, como dado “o momento desafiante que o co- um livro de registo de vendas datado de mércio está a atravessar, por um lado 1970 da Confeitaria Vieira de Castro, um com as dificuldades criadas pela pande- conjunto de utensílios dos anos 50 da mia, mas também porque esta trouxe Ourivesaria Cunha bem como recortes de novas oportunidades para o comércio de jornais de época, cartazes publicitários, proximidade”. “Esta exposição pode con- entre outros documentos. tribuir para a sensibilização dos próprios A exposição “Comércio: Tradição & famalicenses, enquanto consumidores, Modernidade” vai estar patente até julho mas também para os comerciantes iden- 2021 e pode ser visitada de segunda a tificarem sinergias para ultrapassar esta quinta, das 09h30 às 13h00 e das 14h00 fase”. às 17h30, e aos domingos, entre as 14h30 A mesma opinião foi partilhada por e as 18h30. A entrada é livre e gratuita. Pormenor da exposição pub


06

FREGUESIAS

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

PS Vermoim contra a limitação do recreio da Escola da Estalagem

Foram realizados pequenos arranjos pelo pessoal não docente

Comunidade educativa reabilita escola de Pedome

Paulo Cunha visitou a escola na semana passada

Os membros eleitos pelo Partido Socialista (PS) na Assembleia de Freguesia de Vermoim manifestaram a sua indignação contra aquilo que dizem ser “uma falta de planeamento e um desrespeito para com as crianças que frequentam a Escola da Estalagem em Vermoim”. Em comunicado, o PS conta que, “após a escola ter estado fechada desde o início do ano letivo anterior para efeitos de obras, mantêm agora o espaço do recreio fechado com a justificação de que irão realizar aí outras obras, sem que se saiba quando iniciam ou que tipo de obras serão”. E acrescenta que, “durante este tempo esse espaço esteve completamente ao abandono o que levou ao crescimento de todo o tipo de vegetação que danificou todos os revestimentos e equipa-

mentos realizados há pouco tempo”. Os socialistas entendem que o presidente da Junta de Freguesia deveria ter atempadamente pedido informações à Câmara Municipal e “ter exigido que fossem criadas as condições para que as crianças pudessem usufruir do máximo de espaço e não estarem confinadas a 30% do recreio, agravado pelo estado de pandemia em que nos encontramos”. O PS manifesta-se ainda disponível “para ajudar nas ações que a Junta de Freguesia julgue necessárias” e propõe que seja feita a limpeza do espaço. O OPINIÃO PÚBLICA tentou obter esclarecimentos sobre esta situação junto do autarca de Vermoim, que prometeu uma reação que, ao fecho desta edição, ainda não tinha chegado.

Banda de Riba d’Ave reinicia atividade com concerto no dia 11 A Banda de Música de Riba d’Ave já regressou aos ensaios, depois do período de paragem motivado pela pandemia de Covid 19, e vai dar o seu primeiro concerto, no próximo dia 11 de outubro. Segundo a Banda, este concerto tem a particularidade de ser um Concerto de Esperança, “na medida em que queremos dar às pessoas um certo ânimo, porque elas, tal como nós, sentem a necessidade de nos unirmos mais, nesta fase de pandemia, e que muito abalou as estruturas, quer familiares quer profissionais”, refere em nota á imprensa. O concerto terá lugar no adro da Igreja Paroquial de Riba de Ave, pelas15 horas, sendo que, em caso de mau tempo, será realizado no pavilhão do Externato Delfim Ferreira. A entrada é livre, mediante lotação do espaço. O uso de máscara é obrigatório, bem como o distanciamento social.

A comunidade escolar de Pedome colocou mãos à obra e foi a responsável pela reabilitação do edifício da Escola Básica e zonas exteriores. A intervenção contou com o apoio da Câmara Municipal de Famalicão, que forneceu algum material e comparticipou a compra de outro. Em causa estão melhoramentos que dizem respeito, essencialmente, a pequenos arranjos, como a substituição do soalho, pavimentos e trabalhos de manutenção. Depois da intervenção, a Escola Básica de Pedome ficou mais moderna e com melhores condições de conforto e de aprendizagem.

A esse propósito, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, visitou, a semana passada, o estabelecimento de ensino e constatou o esforço coletivo da comunidade escolar em prol do ensino. “O trabalho que o pessoal não docente aqui tem feito na melhoria da escola sob a coordenação de um assistente operacional “é um bom exemplo de como as pessoas podem com a sua destreza, com envolvimento comunitário e o apoio do município criarem as condições de melhoria contínua de uma escola”, afirmou. Para além do trabalho desenvolvido pelos colaboradores da escola, a comunidade tem conse-

guido captar outros apoios no âmbito da modernização escolar e tecnológica por estar inserida num Território Educativo de Intervenção Prioritária (TEIP). Para o diretor do Agrupamento de Escolas de Pedome, Fernando Lopes, “a escola de hoje não tem nada a ver com a escola que tínhamos aqui”. “Tem sido um esforço conjunto e articulado do corpo docente, mas também do voluntarismo e disponibilidade dos nossos funcionários e assistentes operacionais”, referiu. “Hoje temos uma escola remodelada, virada para o futuro, porque a direção soube aproveitar, com grande visão, os recursos”, acrescentou.

ACIP distinguida pelos Selos Famalicão Visão 25 O projeto “#AGENDATE” da ACIP – Associação de Intervenção Psicossocial, de Joane, foi distinguido, este ano, com o selo Famalicão Visão 25, atribuído pela Câmara Municipal. Este projeto nasceu, em 2015, no centro de atividades ocupacionais em Joane – Casa da Villa – uma resposta social com capacidade para a colher 30 jovens e adultos com deficiência ou incapacidade. Nessa altura surgiu o atelier #AGENDATE, por sugestão dos jovens que pretendiam criar um produto solidário e útil para a comunidade. Foi então que deram a agendas, blocos e porta-lápis totalmente personalizados e feitos à mão. Em 2017, este projeto torna-se ultra concelhio e a produção de porta-lápis é realizada em Lousada, pelo Centro de Atividades Ocupacionais Casa da Boavista, envolvendo mais jovens. Com um percurso de cincoanos o #AGENDATE envolve, atualmente, a participação de 60 jovens e mais de cinco produtos que são enviados para todo o país. Todos os anos, em setembro, é desenvolvida uma campanha solidária, onde são lançados catálogos, vídeos e fotografias nas redes sociais que permite à comunidade de uma forma rápida e fácil poder adquirir os produtos de forma solidária. Em comunicado, a ACIP sublinha que este projeto, agora reconhecido pelo Município, “permitiu uma aproximação da comunidade local às das pessoas com deficiência e incapacidade, valorizando o empenho e distinguindo um lugar de oportunidade”.


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Requalificação da Estrada Municipal 571-1 lançada a concurso

Câmara beneficia ligações viárias na zona oeste do concelho A Câmara Municipal de Famalicão vai avançar com as obras de beneficiação da Estrada Municipal 571-1 na União das Freguesias de Mouquim, Lemenhe e Jesufrei. A proposta para a abertura de concurso público já foi aprovada, tendo como valor base 590 mil euros. Segundo a autarquia, trata-se de uma via de ligação muito importante para a zona oeste do concelho, encontrando-se atualmente “bastante degradada pelo que é necessário proceder a obras de beneficiação de modo a garantir a circulação de pessoas e bens em condições de segurança”. De acordo com a proposta, prevê-se a renovação da faixa de rodagem, execução de alargamentos, inclusão de muros, passeios e baías de estacionamento, renovação das redes de águas pluviais e de saneamento básico e colocação de sinalização vertical e horizontal, numa extensão de aproximadamente três mil metros.

Serão ainda colocadas passadeiras sobrelevadas redutoras de velocidade automóvel, será criada uma zona nobre nas imediações da igreja de Jesufrei e melhorada a iluminação pública. Prevê-se igualmente a beneficiação do nó de ligação da rua de Nossa Senhora do Carmo com a rua Padre Manuel da Costa Rego, recorrendo a uma rotunda compatível com tráfego pesado e pedonal, de maior dimensão. Refira-se que a intervenção diz respeito a uma segunda fase da obra, sendo que a primeira ficou concluída em 2017, tendo abrangido desde o cruzamento com as ruas de Bajoucas e D. Laura Cruz, em Lemenhe, até ao Entroncamento com a Rua de Pereiró, em Jesufrei Esta segunda fase das obras incidirá na estrada que liga Lemenhe, desde o entroncamento com a Rua de Pereiró, a Vale de S. Cosme até à estrada nacional 14.

FREGUESIAS

07

Novo pároco acolhido em Santa Eulália, Lemenhe e Nine

No fim de semana de 26 e 27 de setembro, tiveram lugar as quatro tomadas de posse previstas para o início deste novo ano pastoral no Arciprestado de Famalicão. As paróquias de Arnoso Santa Eulália, Lemenhe e Nine receberam em ambiente festivo o seu novo pároco, o padre Vítor Emanuel Pereira Sá. Por sua vez, também a comunidade de Vila das Aves acolheu o seu novo pároco, o padre José Carlos de Azevedo de Sá. Apesar de todas as restrições impostas pela pan-

demia, os fiéis de cada comunidade procuraram marcar presença. O arcipreste de Famalicão, padre Francisco Carreira, e o vice-arciprestre, padre Nuno Vilas Boas, dividiram-se entre as celebrações para empossarem os novos párocos em nome do arcebispo primaz de Braga, D. Jorge Ortiga. Nas palavras dirigidas aos fiéis, lembraram que “a tomada de posse de um novo pároco abre na comunidade uma nova oportunidade para a ousadia e a criatividade”, tão necessárias para empreender

“uma inadiável renovação eclesial” e para que em comunidade “se experimente a verdadeira caridade e se promova uma Igreja Sinodal e Samaritana”. Por sua vez, também os sacerdotes empossados se comprometeram com as paróquias que lhe foram agora confiadas, salientando “a alegria sentida pelo acolhimento recebido” e afirmando o seu desejo, entusiasmo e compromisso de “fazer caminhos juntos, como verdadeira família, na comunhão com todos”. pub

Dois feridos em queima descontrolada em Novais Dois feridos foi o resultado de uma queima de restos florestais que se terá descontrolado, ao final da manhã do passado domingo. O incêndio acabou por se alastrar a uma fábrica desativada na freguesia de Novais e provocou dois feridos por inalação de fumo. Os Bombeiros de Famalicão receberam um alerta, cerca das 11h30, para um incêndio num pavilhão abandonado na rua da Corredoura, em Novais. Segundo o que foi apurado pelos bombeiros, o incêndio terá tido origem numa queima que se descontrolou e atingiu aquele pavilhão. No local estiveram os Bombeiros de Famalicão e os de Riba d’Ave que rapidamente extinguiram as chamas. A duas pessoas afetadas pelo fumo foram transportadas ao Hospital de Famalicão por precaução.


08

FREGUESIAS

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Paulo Cunha visitou a freguesia na semana passada

Confraria da Senhora dos Remédios tem nova Mesa Administrativa A Confraria de Nossa Senhora dos Remédios e Almas, de Calendário, tem uma nova Mesa Administrativa. A eleição dos órgãos social ocorreu no passado dia 16 de setembro, tendo sido constituída a Mesa para o ano 2020/2021. A direção é presidida por Luís M. Silva e tem como vice-presidente José S. Moreira, como tesoureiro Jorge Manuel Pereira e como secretário Fernando Henrique Ferreira. Para a Assembleia Geral foi eleito António Fonseca para presidente, enquanto o Conselho Fiscal é presidido por Horácio. Dias. Estes responsáveis, que pertencem aos lugares de Barreiros, Aldeia Nova, Lage e S. Miguel, começaram no início de outubro a participar nas cerimónias fúnebres dos irmãos falecidos, cumprindo com as normas de segurança impostas pela DGS. Os avisadores são Júlio Sousa e José Moreira; o contacto da confraria continua a ser o 960360808.

Novo parque de Pousada de Saramagos vai nascer junto ao rio Pele

pub

A construção do novo parque de lazer de Pousada de Saramagos deverá estar para breve. O terreno encontrado para a criação deste espaço há muito ansiado pelos pousadenses tem cerca de 8 mil metros quadrados e está localizado junto ao rio Pele. Este foi um dos assuntos abordados na visita que o Presidente da Câmara Municipal fez, a semana passada, à freguesia, dando assim continuidade a estes périplos iniciados em junho e que têm levado Paulo Cunha a percorrer o concelho. “Esperamos, entretanto, reunir todas as condições para que se possa avançar com esta obra tão desejada pela população de Pousada", referiu, segundo nota en-

viada à imprensa, o presidente da Junta de Freguesia, José Pereira. Encontrado está também o terreno para um futuro alargamento do cemitério. "O terreno está sinalizado e vai permitir que no futuro possamos ter condições para dar resposta às necessidades da freguesia permitindo não só alargar o cemitério, como também criar um novo espaço verde e um novo arruamento", acrescentou o presidente da Junta. O tema das acessibilidades foi também abordado em Pousada de Saramagos, com a passagem por algumas ruas e avenidas que foram recentemente intervencionadas ou cuja obra ainda decorre, nomeadamente, na Avenida José Dias de Oliveira, Avenida da Ta-

pada, Rua de Jardim, Rua de Pipe, Rua da Costa e Rua Pedra Formosa. Para o futuro e ainda no que toca à rede viária, o presidente da Junta de Freguesia apontou como prioritárias as intervenções na Rua do Ramo e na Rua Comendador José Costa Oliveira, via que liga Pousada a Joane como alternativa à Estrada Nacional 206. Sobre a jornada em Pousada, Paulo Cunha mostrou-se muito satisfeito com o dinamismo da freguesia. "As prioridades estão muito bem definidas em Pousada de Saramagos e isso vêse não só com o conjunto de intervenções já efetuadas, mas também com todas as outras que ainda se vão realizar e para as quais já se trabalha".

Ministério Público diz que factos aconteceram em janeiro de 2018

Homem acusado de sequestrar técnicos de uma IPSS em Antas

pub

Um homem foi acusado, a semana passada, pelo Ministério Público (MP) de sequestro por ter fechado três técnicos de serviço social num gabinete de uma Instituição particular de solidariedade social (IPSS), em Antas, exigindo apoio financeiro. Em nota publicada na sua página, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto especifica que o arguido vai responder por três crimes de sequestro e um crime de coação agravada. Segundo a nota, o MP indiciou que o arguido, no dia 31 de janeiro de 2018, se dirigiu a uma instituição particular de solidariedade social em Antas, Famalicão, solicitando um apoio financeiro para fazer face a compromissos prementes e para comprar uma vacina. Foi atendido num gabinete por uma técnica de serviço social e exaltou-se quando esta lhe explicou que a concessão da ajuda dependia de alguns trâmites, nomeadamente de autorização superior. Ainda segundo a acusação, o arguido dirigiu-

se à porta do gabinete, fechou-a à chave e guardou a chave consigo, dizendo à técnica “que dali não saía sem o dinheiro, que ela tinha de lho dar e que a matava”. O arguido não atendeu também aos os pedidos da técnica para que abrisse a porta e a deixasse sair. A acusação relata ainda que a referida funcionária chamou dois colegas e o arguido deixou-os entrar, mas voltou a fechar a porta à chave, dizendo para os três técnicos que dali não saía ninguém enquanto não tivesse resposta ao seu pedido. O arguido dizia ainda que sabia de outras pessoas que tinham feito o que ele estava a fazer e que só desse modo tinham conseguido o apoio. A primeira técnica esteve encerrada no gabinete contra a sua vontade durante 40 minutos e os outros dois técnicos durante 10 minutos. O nome da IPSS onde os factos aconteceram não foi revelado.


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

FREGUESIAS

09

Um idoso permanece internado no Hospital de Braga

Já há 26 recuperados no lar do Centro Social de S. Cosme Cristina Azevedo São já 26 os doentes recuperados, entre funcionários e utentes, do lar do Centro Social Paroquial de Vale S. Cosme, onde em início de setembro foi detetado um surto de Covid 19 que provocou um total de 44 infetados. “Dos 26 utentes infetados, 16 já recuperaram da doença e 10 mantêm o teste positivo, sendo que um continua internado na Unidade de Cuidados Intensivos no Hospital de Braga”, disse esta terça-feira a diretora do Lar, Isabel Jardim, ao OPINIÃO PÚBLICA. A responsável adiantou ainda que, à exceção do idoso internado, os restantes nove estão assintomáticos e a recuperar nas instalações do lar. Quanto aos funcionários, 10 também já recuperaram da infeção pelo novo coronavírus e regressaram ao trabalho na instituição. Há, contudo, ainda oito profissionais infetados “que também estão bem a cumprir o

O surto surgiu a 2 de setembro e infetou 44 pessoas

isolamento”, refere Isabel Jardim. Recorde-se que o surto foi detetado no lar do Centro Social e Paroquial de Vale S. Cosme no passado dia 2 de setembro. De

Jovem de Joane entra no ensino superior com média de 20 valores

Gonçalo Ribeiro, natural de Joane, acabou de entrar no mestrado integrado em Engenharia Física Tecnológica com uma média de 20 valores a todas as disciplinas e, em declarações ao OPINIÃO PÚBLICA, falou sobre o seu percurso até aqui e sobre o trabalho que irá desenvolver nos próximos anos. O ex-aluno da Escola Secundária Padre Benjamim Salgado conseguiu um feito quase impossível para a maior parte dos estudantes mas que, nas palavras do próprio, "é parte da filosofia" que pratica em tentar sempre "alcançar resultados de excelência". Embora a área das ciências tenha sido sempre uma atração para o jovem, foi a partir do secundário que começou a visualizar mais claramente o percurso que agora segue no Instituto Superior Técnico de Lisboa. No futuro está o objetivo de desenvolver projetos de consultadoria e reunir uma carteira de clientes sólida com os quais Gonçalo pretende "partilhar o seu conhecimento e a ajudar estas equipas" de forma a que obtenham também a excelência no mundo empresarial. Nunca esquecendo o seu percurso, o estudante de 18 anos, agradece não só à Escola Padre Benjamim Salgado como aos "amigos, família e professores" que o ajudaram até aqui frisando que "isto não é só fruto do meu trabalho mas da estrutura que sempre me apoiou". "Tive alguns problemas de saúde no 10º ano e foi graças a essas pessoas que eu continuei. Serão sempre uma parte de mim que vou guardar", conclui o jovem em nota de reconhecimento.

imediato, a instituição implementou o seu Plano de Contingência e, separou os utentes em áreas distintas (a Covid e a não Covid), permitindo o isolamento dos utentes

que não tinham o vírus nas instalações onde iria funcionar o Centro de Dia. Agora, como já são mais os casos recuperados do que os

casos positivos, a situação inverteu-se. “As instalações foram desinfetadas, neste momento o lar é uma casa ‘limpa’ e os nove idosos que permanecem com o teste positivo foram colocados na ala destinada ao centro de dia”, explica a diretora. Isabel jardim assegura ainda que a instituição continua a funcionar normalmente, “agora já com o apoio das funcionárias recuperadas”. A creche, outra valência da instituição, que funciona num edifício autónomo mas contíguo ao lar, também já abriu as portas, estando em pleno funcionamento desde o passado dia 21 de setembro. “Todas as decisões respeitaram integralmente as instruções técnicas da Autoridade de Saúde Pública e restantes autoridades de saúde, Segurança Social, Município de Famalicão, Proteção Civil, entre outras e, continuam a ser articuladas com as mesmas”, sublinha a diretora.

Depois, autarca local quer avançar com obras na Junta

Adro da Igreja de Gavião pronto até ao final do ano A requalificação do adro da igreja de Gavião deverá ficar concluída até ao final do ano. Esta é pelo menos a expetativa do presidente da Junta de Freguesia, Emídio Brandão, que, em entrevista à Fama Rádio e Televisão, não escondeu a sua satisfação por ver esta obra, desejada há mais de 20 anos, a avançar no terreno. “A freguesia precisava desta intervenção”, salientou o autarca gaviense perspetivando para o final do ano a conclusão dos trabalhos, que contam com um apoio municipal de 127.500 euros. Concluída esta primeira fase da obra, Emídio Brandão espera que avance, de imediato, a segunda fase, que diz respeito à reabilitação da Avenida da Igreja até à Estrada Nacional 14. Para breve está também o arranque de obras de reabilitação no edifício da sede da Junta de Freguesia, “que está bastante degradado e com problemas de infiltração de água”. Aproveitando esta intervenção, a autarquia vai criar na Junta uma pequena biblioteca e uma mini loja do cidadão. “Nos já prestamos vários serviços aos gavienses, desde renovações de cartas de condução ou de cartão do cidadão até ao preenchimento de formulários para várias instituições. Chegamos a atender dezenas de pessoas por dia, mas agora queremos criar um espaço pró-

Obras já arrancaram

prio que estará aberto ao sábado”, adianta Emídio Brandão que, desta forma, pretende também dar resposta a possíveis problemas que as pessoas possam vir a ter, fruto da pandemia de Covid 19. O autarca diz que, para já, não têm acorrido à Junta de Freguesia muitas pessoas em dificuldade, apenas casos pontuais que “vamos resolvendo”, mas teme que o pior possa estar para vir. “Penso que a situação se vai agravar no próximo ano porque, para já, as pessoas vão tendo alguns apoios, como o subsídio de desemprego ou as moratórias ao crédito. Mas quando isso acabar, temos que estar preparados para

acudir”. Recandidatura em 2021 Nesta entrevista, Emídio Brandão adiantou que vai recandidatar-se à presidência da Junta de Freguesia nas eleições autárquicas do próximo ano, encabeçando, novamente, uma lista independente. “Enquanto achar que sou útil a Gavião e que as pessoas veem que posso ajudar, cá estarei”, confidenciou. O autarca revela ainda que tem “várias obras para fazer” e que sente que “as pessoas estão agradadas com o trabalho da Junta de Freguesia”. C.A./C.A.S.


10

PUBLICIDADE

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Falecimentos Maria Adília Carvalho de Faria e Silva, no dia 6 de outubro, com 86 anos, viúva de Mário da Costa e Silva, de Nine.

Francisco de Assis Machado Ribeiro (Sócio-Gerente da firma Joaquim M. Ribeiro, Lda)

Missa de 9º Aniversário

A Família vem, por este meio, anunciar que será celebrada a missa do 9º aniversário do seu ente querido, no próximo domingo, dia 11 de Outubro, pelas 8h30 na Igreja Paroquial de Castelões. Antecipadamente ficam reconhecidamente gratos a todos quantos pela sua presença honrem esta cerimónia religiosa.

A Família

Maria Graciosa dos Reis Leandro de Abreu Nunes, no dia 2 de outubro, com 68 anos, casada com Albino Ferreira Nunes, de Monte Córdova (Santo Tirso).

Maria Alice Martins de Araújo, no dia 3 de outubro, com 95 anos, solteira, de Arnoso Santa Eulália.

Joaquim Martins de Sousa, no dia 4 de outubro, com 78 anos, solteiro, de Bairro.

Agência Funerária Arnoso - José Daniel Pereira Arnoso Santa Eulália - Telf. 91 724 67 030

Agência Funerária de Burgães Sede.: Burgães / Filial.: Delães Telf. 252 852 325

Maria Rosa Pinheiro Cidade, no dia 14 de setembro, com 72 anos, viúva, de Vila das Aves (Santo Tirso).

Maria Rosa da Silva, no dia 27 de setembro, com 93 anos, viúva de Manuel Ferreira, de Bairro.

Mário Mendes de Oliveira, no dia 14 de setembro, com 60 anos, de Serzedelo (Guimarães).

Manuel Carvalho Alves, no dia 29 de setembro, com 87 anos, viúvo de Rosa Machado Simões, de Vale S. Cosme.

Maria Júlia Macedo Campos, no dia 16 de setembro, com 83 anos, casada com Manuel Dinis Rodrigues, de Mogege.

João Meira de Oliveira, no dia 29 de setembro, com 71 anos, viúvo de Maria Emília Fernandes de Oliveira, de Joane.

João de Oliveira, no dia 17 de setembro, com 83 anos, viúvo de Maria Glória Oliveira Fernandes, de Pedome.

Ana Maria Ferreira Sampaio, no dia 30 de setembro, com 77 anos, casada com José António Ferreira Salgado, de Avidos.

Maria da Glória Silva, no dia 18 de setembro, com 86 anos, viúva de Manuel Correia Nunes, de Oliveira Santa Maria.

Afonso Henriques Machado Pinheiro Alves, no dia 1 de outubro, com 72 anos, de Seide S. Miguel.

Ana Sampaio Leite, no dia 18 de setembro, com 74 anos, viúva de Manuel Vaz Lopes, de Oliveira Santa Maria.

Maria Antonieta Pereira Gonçalves Martins, no dia 2 de outubro, com 60 anos, casada com Jorge Manuel Moreira Martins, de Landim.

Maria Adelaide Pereira, no dia 20 de setembro, com 87 anos, viúva de José Alves, de Guardizela (Guimarães). Glória Narcisa Salgado de Abreu Costa, no dia 26 de setembro, com 84 anos, casada com José de Faria, de Serzedelo (Guimarães). José António de Moura Gil Pinheiro, no dia 24 de setembro, com 63 anos, de Santo Tirso. Rosa de Carvalho, no dia 29 de setembro, com 90 anos, viúva de Avelino Alves Saldanha, de Oliveira Santa Maria. António de Sousa Barroso, no dia 2 de outubro, com 89 anos, casado com Ermelinda Pereira de Abreu, de Oliveira Santa Maria. Albina das Dores Araújo Mendes, no dia 4 de outubro, com 64 anos, casada com Adão Pereira de Araújo, de Serzedelo (Guimarães). Agência Funerária Carneiro & Gomes Oliveira S. Mateus – Telm. 91 755 32 05

Maria Alice Carneiro de Jesus, no dia 2 de outubro, com 82 anos, casada com José António Azevedo Sousa, de Calendário. Emília Cardoso Gomes, no dia 3 de outubro, com 97 anos, viúva de Paulo Paralvas Veloso, de Vila Frescainha S. Pedro (Barcelos). Francisco Ferreira de Oliveira, no dia 4 de outubro, com 87 anos, casado com Maria da Glória da Costa Pereira, de Gavião. António Martins Pereira, no dia 4 de outubro, com 96 anos, viúvo de Umbelina Balbeira Mendes, de Areias (Santo Tirso). Margarida Maria Costa Machado Araújo, no dia 5 de outubro, com 52 anos, casada com José Manuel Oliveira, de Ruivães. Manuel Teixeira, no dia 5 de outubro, com 100 anos, viúvo de Maria Teresa da Silva, de Castelões. Rosa Madalena Gomes Borges, no dia 5 de outubro, com 91 anos, viúva de Armando Correia Leite, de Riba de Ave. Agência Funerária da Lagoa Lagoa – Telf. 252 321 594

José Queralt Ortega, no dia 3 de outubro, com 62 anos, casado com Maria Georgina Fernandes Real Valente, de Outiz. Maria Alexandrina Pereira Gonçalves de Oliveira, no dia 5 de outubro, com 88 anos, viúva de José da Costa Oliveira, de Avidos. Agência Funerária Rodrigo Silva, Lda Vila Nova de Famalicão – Tel.: 252 323 176

Júlio Manuel Silva Pinto, no dia 1 de outubro, com 62 anos, casado com Ana Maria Faria da Silva, de Oleiros (Guimarães). Domingos da Silva Matos Carneiro, no dia 5 de outubro, com 61 anos, casado com Isaura Rodrigues Matias, de Joane. Agência Funerária da Portela Portela (Santa Marinha)– Tel.: 252 911 495

Guiomar Correia da Costa, no dia 28 de setembro, com 86 anos, de Gondifelos. Agência Funerária Palhares Balazar– Tel.: 252 951 147


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Pelos quatro cantos da ca(u)sa

Hugo Mesquita

Tudo muito difícil lar pelo público. Para mim era tudo muito estranho, abusava-se de um problema de saúde pública para fazer propaganda política, ainda por cima muitas vezes pouco séria. Mas pior eram os engraçadinhos dos vídeos, muitos deles a fazerem a apologia da gula e do “gozo”. Foi então que a 9 de abril o meu artigo de opinião neste espaço titulava: “Não ficará tudo bem”. AS mortes, o sofrimento de muitas famílias, os idosos isolados nas “prateleiras aéreas”, as crianças que passaram a perder a possibilidade de uma “boa” refeição quente por dia, sujeitas às violências das concentrações familiares em casas sem condições e sem capacidade de quem os ensinasse. Enfim, muita miséria e dor. As coisas foram passando, os resultados negativos e o SNS não eram nada que tivesse comparação positiva nos países vizinhos e muito mais ricos que nós. Abriu-se a economia, procurou-se chegar à normalidade possível, o Estado investiu muito dinheiro nas empresas e nos trabalhadores, mas o rumo da doença, o nosso cansaço no uso das medidas de proteção, a “irresponsabilidade” de muitos cidadãos está a dar cabo da nossa paciência. As lutas partidárias estão a querer ceder à demagogia, as instituições corporativas dos profissionais de saúde estão mais interessados em arranjar proble-

Gabinetes em crise mas ao governo e garantir, ao menos, uns “cobres”. Veja-se, sobre este último aspeto, a proposta do senhor bastonário dos médicos: “Para resolver os atrasos nos atos médicos devido à covid19 o governo deve retomar acordos de saúde com os privados! Aos custos deles, digo eu… A proliferação de casos de infeção em instituições de saúde, em lares, jardins de infância, escolas, forças de segurança e bombeiros, apesar de ser em regime de funcionamento da economia, logo com algum alívio nos cuidados de controlo, potenciados pela falta de distanciamento social e de uso de máscara por grupos significativos de pessoas vulneráveis, estão a elevar os números a um patamar (felizmente as mortes não acompanham na mesma proporção) que já produz pânico na fatia da população que vai seguindo com algum rigor os cuidados recomendados. Acresce que em muitas casas estão muitas pessoas doentes que já há muito não têm acesso a uma consulta de especialidade de que tanto carecem; há casos muito concretos, salvo as “cunhas”, normalmente praticadas por aqueles que se dizem ser contra a corrupção. Há que fazer mais um sacrifício, porém, o conhecimento do que eventualmente está a acontecer com os Conselheiros de Estado não favorece nada… Apesar dos apelos de Costa e Marcelo Está Tudo Muito Difícil. pub

SENHORA TOMA CONTA DE IDOSOS INTERNA OU EXTERNA CONTACTO: 968 195 249 ALUGO LOJA COM 186 M2 Para todos os ramos Em Gavião Mais informações: 926 867 245

“Ninguém pode interpretar o fim do estado de emergência como o fim da emergência sanitária”, afirmou António Costa a 30 de abril, aquando do final do Estado de Emergência devido à pandemia do Covid19. António Costa disse ainda que este “é um percurso que temos de fazer em confiança, mas em conjunto, contado com a responsabilidade e o emprenho de cada português e podendo os portugueses contar com a total determinação do Governo em adotar todas as medidas que forem necessárias para preservar a saúde pública”. Porém, há poucas semanas atrás, o mesmo Costa afirmou que “Portugal não aguentaria um outro Estado de Emergência…”, leia-se, Portugal não aguentaria uma nova paragem económica. O estancamento comercial e produtivo, os layoff’s, o consequente desemprego, escolas e serviços públicos parados ou quase parados, etc e etc que já conhecemos, originariam um tsunami económico incalculável, mergulhando o país num quase caos social, onde o governo não teria mão suficiente para acudir e gerir tal cenário. Dito isto, Costa rematou afirmando que o controlo da pandemia é responsabilidade cívica. É responsabilidade dos Portugueses tomarem as devidas precauções sociais e sanitárias (todas já conhecidas) para evitar a propagação da pandemia. Ora, isto é muito grave! Em resumo, o Primeiro Ministro disse aos Portugueses duas coisas simples. Primeiro, que o Governo não se preparou para lidar com uma segunda vaga da pandemia (algo que já era sabido que iria acontecer mais coisa menos coisa findo o verão). Segundo, que a responsabilidade do controlo da pandemia é das pessoas, demitindo o Governo de qualquer responsabilidade! Aqui, contrariou o compromisso anteriormente firmado de que “os portugueses podem contar com a total determinação do Governo em adotar todas as medidas que forem necessárias para preservar a saúde pública”.

Os vinte ministros e cinquenta secretários de estado deste Governo fecharam a porta e foram a banhos. Nada fizeram, nada prepararam para a certa e esperada segunda vaga e, eis que em pleno incêndio, sai um Gabinete de Crise … Combina isto exatamente com o anuncio recente (quando os casos de infeção voltaram a disparar – a tal certa e esperada segunda vaga), da instalação de um Gabinete de Crise do Governo, para acompanhar e decidir medidas relativas a esta segunda vaga. Ora, significa isto, sendo certo que a segunda vaga viria qualquer coisa por esta altura, que o Governo deveria era ter-se precavido com algum gabinete de acompanhamento capaz de acompanhar a evolução (ou não) da situação e preparar, calma e coletivamente, as medidas e ações a tomar perante os cenários projetados pela análise resultante. Mas isto não foi feito nem o Governo se preocupou em se preparar. Os vinte ministros e cinquenta secretários de estado deste Governo fecharam a porta e foram a banhos. Nada fizeram, nada prepararam para a certa e esperada segunda vaga e, eis que em pleno incêndio, sai um Gabinete de Crise … e a acompanhar saem meia dúzia de cromos da caderneta (chamam-lhe Remodelação Governamental). Costa diria que isto é poucochinho! Mas dizer isso é mesmo poucochinho! isto é fazer dos Portugueses uma “cambada de parvos”!

pub

Famalicão

pub

11

Bússola

Domingos Peixoto

O Covid 19 parece ter vindo para ficar, ser um bichinho teimoso e resistir por mais tempo do que o esperado ao combate que os humanos lhe querem dar! No início de março Portugal foi atingido com a primeira morte, precisamente quando havia muitas dúvidas sobre a sua propagação. Ainda ma primeira quinzena do mês, a OMS informou que a doença atingiu níveis e proporções que a levavam a declara-la uma pandemia. Portugal tomou medidas que foram permitindo que no país as coisas fossem muito diferentes do que estavam a ser nos nossos vizinhos espanhóis e em Itália. Nas redes sociais havia muitas “bocas” sobre a nossa capacidade de resposta e dos seus meios. Havia opiniões mais sensatas e muita convergência politico partidária, sobretudo na AR, sobre as decisões das autoridades de saúde e do governo. Na comunicação social em geral, mas sobretudo na internet, muita gente usava um logótipo muito colorido, a fazer lembrar um arco-íris, com uma frase: “vai ficar tudo bem!” Era um período de campanha partidária e os candidatos, presidentes de junta, de câmara, e de várias instituições tinham muitas iniciativas solidárias de distribuição gratuita de EPIs e de informação de como lidar com o vírus; o logótipo e a frase estavam impressos nos panfletos, nos comunicados, nas convocatórias, em tudo que fosse possível circu-

PRAÇA PÚBLICA

Barbosa: Rua Santo António, Tel. 252 302 120 Calendário: Rua da Liberdade, Tel. 252 378 400/1 Cameira: C. Mouzinho Albuquerque, Tel. 252 323 819 Central: Praça D. Maria II, Tel. 252 323 214 Nogueira: Av. Marechal H. Delgado, Tel. 252 310 607 Valongo: Rua Adriano Pinto Basto, Tel. 252 323 294 Gavião - Av. Eng. Pinheiro Braga, 72 - Telef. 252 317 301 Marinho: Edif. S. José - Estalagem - Telf. 252 921 182 Martins Ventura: R. C. Cerejeira - Lousado - Telf. 252 493 142 Estação: Largo da Estação - Nine - Telf. 252 961 118 Ribeirão: Rua Quinta Igreja 9 - Ribeirão - Telf. 252 416 482 Joane: Rua S. Bento, nº 217 - Telf. 252 996 300 Landim: Estrada Nacional 204/5, nº 693 - 252321765

Famalicão Quarta, 7

Serviço Cameira

Quinta, 8

Central

Sexta, 9

Nogueira/Ribeirão

Sábado, 10

Valongo

Domingo, 11

Gavião

Segunda, 12

Barbosa

Terça, 13

Cameira

Vale do Ave

Almeida e Sousa: Covas - Oliv. Stª Maria - Telf. 252 931 365 Bairro: Av. Silva Pereira, Telf. 252 932 678 Delães: Portela - Delães - Telf. 252 931 216 Riba de Ave: Av. Narciso Ferreira, Telf. 252 982 124

Vale do Ave

Serviço

Quarta, 7 Quinta, 8 Sexta, 9 Sábado, 10 Domingo, 11 Segunda, 12 Terça, 13

Bairro Delães Riba de Ave Almeida e Sousa Bairro Delães

Serviço de disponibilidade

Paula Reis: R. José Elisio Gonçalves Cerejeira, nº 629 Calendário - Tel. 252 378 057 Maceiras: Louro - Telf. 252 310 425 Marques: Largo da Igreja - Fradelos - Telf. 252 458 440 Oliveira Monteiro: Largo Igreja - Cabeçudos - Telf. 252 331 885 Pedome: Av. S. Pedro, 1139 - Pedome - Telf. 252 900 930 Pratinha: Largo do Cruzeiro - Cavalões - Telf. 252 375 423 S. Cosme: Vale S. Cosme - Telf. 252 911 123 Arnoso: Av. Joaq. Azevedo - Arnoso Sta. Maria - Telf. 252 916 612


12

PRAÇA PÚBLICA

opiniãopública: 7 de outubro de 2020 pub

Opinião Liberal Antero Nascimento

Famalicão ainda é Liberal? Em 2021, 185 anos depois de Famalicão se ter tornado concelho pelas mãos dos liberais da época, perguntamo-nos: - Famalicão ainda é Liberal? A resposta não é muito difícil de responder. Um concelho cheio de pessoas empreendedoras e trabalhadoras em que estas não são encorajadas de forma alguma, a produzir e a dinamizar a economia, não é, infelizmente, liberal. Sim, infelizmente, já que somos um concelho muito propício a prosperar com as propostas económicas e sociais liberais. A diminuição da carga fiscal beneficiaria a nossa densa rede empresarial e encorajaria a criação de emprego. Tiraria o peso fiscal das costas dos famalicenses que cada vez mais descontam dos seus rendimentos. A Iniciativa Liberal – Famalicão não demorou a trabalhar neste sentido e já apresentou uma proposta coerente e consistente, com o propósito da câmara municipal abdicar de 5% do IRS que lhe é entregue, no próximo orçamento de 2021. Esta proposta não só beneficia direta e imediatamente os famalicenses, como atrai novas famílias

Sim, infelizmente, já que somos um concelho muito propício a prosperar com as propostas económicas e sociais liberais. A diminuição da carga fiscal beneficiaria a nossa densa rede empresarial e encorajaria a criação de emprego. Tiraria o peso fiscal das costas dos famalicenses que cada vez mais descontam dos seus rendimentos. para o concelho. O Liberalismo é oposto do socialismo e do bloco central a que V. N. de Famalicão e Portugal têm sido submetidos. O Liberalismo é sinónimo da liberdade dos indivíduos contra um Estado autoritário, que aproveita qualquer pretexto ou oportunidade, para limitar os nossos direitos fundamentais. E em momentos de pandemia, como os que vivemos, cada vez mais urge a importância de vincar o papel das ideias liberais para lutar contra o autoritarismo e contra os extremismos populistas de esquerda e de direita, que se têm alas-

trado debaixo dos nossos narizes. Estes crescem com base na divisão da sociedade e na disseminação do ódio e da inveja e, são branqueados com desculpas esfarrapadas e falaciosas, pelos media e nas redes sociais. Uns por serem partidos do sistema, outros, por dizerem meias-verdades que soam bem à primeira impressão. Hoje, 185 anos depois, lutamos contra isto, por Famalicão e pelos famalicenses, por um Famalicão Mais Liberal, económica, social e politicamente. Porque sim, o Liberalismo é a solução.

pub

Chão Autárquico Vieira Pinto

As Ciências Médicas do Antivírus e a pressão política Esta situação irá acabar. Com efeito, esta é a esperança de todas as gentes do universo. Esperança que se materializa com a chegada da anunciada e prometida vacina. É, pois, neste acontecer expectante das mulheres e dos homens dedicadas às ciências médicas que reside a esperança da humanidade, na vida e na vida com saúde. Eis-nos no outono. Para trás fica uma primavera e um verão totalmente atípicos, que cortaram os velhos costumes, dos tempos de outrora em toda a atividades, políticas, económicas e sociais e religiosas. Na verdade, viveram-se aquelas duas estações do ano, com as pessoas quase, como que escondidos umas das outras, pelo menos, minima-

mente separados, numa vivência, de todo estranha e anormal. Mais, as pessoas passaram a andar por todo o lado, desconfiadas umas a outras, com a suspeição, a caminhar à frente de umas e outras. Mas isto tudo, muito naturalmente; é a defesa de todos e de cada um. De resto, como todos, vimos aprendendo há uns meses a esta parte.

Enfim, são os novos tempos! E, assim, foi e vai continuar a ser, com toda a gente, em todas as situações etárias, desde a infância até à idade sénior. Enfim, uma vivência entrincheirada da condição humana, neste quotidiano pandémico em que vivemos. Esta situação irá acabar. Com efeito, esta é a esperança de todas as gentes do universo. Esperança que se materializa com a chegada da anunciada e prometida vacina. É, pois, neste acontecer expectante das mulheres e dos homens dedicadas às ciências médicas que reside a esperança da humanidade, na vida e na vida com saúde. Por outro lado, existe uma porfia de muitos estados no sentido de conseguirem, rapidamente, a auspiciosa vacina, para entrar em guerra com o vírus, com a derrota deste.

Até lá, a política internacional vai tecendo as espadas para se ver qual dos países que, em primeiro lugar, consegue a dita vacina, antivírus. Com efeito, a nobreza da política de alguns países vai demonstrando o seu lado negativo, intrometendose, nas ciências nobres da medicina, numa promiscuidade inaceitável, como são exemplos disso, os Estados Unidos da América. Aqui, o ambicioso e desmurado presidente Trump, que no seu dia a dia envereda toda pressão sobre os cientistas americanos, no sentido de que estes, apresentem já, e sem critério científico, o resultado de uma vacina, antes das eleições de novembro, no seu país. Na verdade, para mal dos cidadãos, a ambição do poder é cega. O pior é quando tal ambição consegue cegar os cidadãos.


Famalicenses mais fortes na primeira parte, mas formação rioavista reagiu na segunda

FC Famalicão entra melhor, mas Rio Ave FC termina por cima 1-1 Estádio Municipal de Famalicão Árbitro: Artur Soares Dias Aux:Rui Licínio e Paulo Soares VAR/AVAR: João Bento e Pedro Martins

FC Famalicão Rio Ave FC Zlobin Edwin Herrera Riccieli Srdar Babic Calvin Verdonk (Patrick William 75’) Gustavo Assunção (C) Bruno Jordão Joaquín Pereyra (Guga 56’) Rúben Lameiras (Gil Dias 83’) Valenzuela (Jhonata Robert 83’) Campana (Del Campo 56’)

Kieszek Ivo Pinto Aderlan Santos Borevkovic Nélson Monte (Pedro Amaral 45’) Tarantini (C) (Pelé 45’) Jambor (Diego Lopes 69’) Francisco Geraldes Gelson Dala Gabrielzinho (Ronan 69’) André Pereira (Carlos Mané 45’)

Treinadores João Pedro Sousa

Mário Silva

Golos: Rúben Lameiras (22’) e Aderlan Santos (78’). Cartões Amarelos: Jordão (47') e Leonardo Campana (56') Cartões Ver me lhos: Nada a registar

Fc Famalicão

Pedro Sousa O Futebol Clube (FC) de Famalicão conquistou o quarto ponto na Liga NOS, após ter empatado, em casa, diante do Rio Ave FC, a uma bola. Rúben Lameiras adiantou a formação da casa, mas um erro de Zlobin permitiu a Aderlan Santos empatar o jogo. O emblema famalicense foi superior na primeira parte e o Rio Ave FC apareceu na segunda. O Estádio Municipal de Famalicão recebeu um encontro entre duas equipas que, na última temporada, lutaram até ao derradeiro segundo do campeonato pela presença nos play-offs da Liga Europa. O Rio Ave FC levou a melhor, mas, na nova época, as duas formações empataram-se. João Pedro Sousa já conseguiu contar com alguns reforços para este jogo e deu oportunidade a Edwin Herrera, Joaquín Pereyra e Campana. As novas aquisições jogaram de início, pela primeira vez, sendo que Herrera e Pereyra estrearam-se de azul e branco. Artur Soares Dias apitou para o início de jogo e notou-se logo que a batuta ofensiva estava nos pés de Joaquín Pereyra. O argentino começou a mostrar qualidade e já ninguém se recordava de Pedro Gonçalves. A amostra nos primeiros minutos foi de tal forma positiva, que, aos 17 minutos, descobriu Verdonk no lado esquerdo, só que o holandês disparou para defesa de Kieszek. O bom futebol famalicense prosse-

guiu e surgiu o primeiro golo do encontro. Rúben Lameiras, que tem sido um dos melhores jogadores no arranque de época, aproveitou mais um belo passe de Pereyra para fazer o gosto ao pé. Antes do remate fora da grade área, encarou o defensor vilacondense e não deu hipóteses ao guardião polaco. Os comandados de Mário Silva só conseguiram soltar as amarras para lá da meia hora de jogo. Chico Geraldes aproveitou um

erro de Zlobin, mas não foi feliz na concretização. Para a segunda parte, os rioavistas apareceram com três caras novas e com outra atitude. Contudo, ainda foi o FC Famalicão a estar perto do golo. Com uma circulação de bola mais rápida e assertiva, os comandados de João Pedro Sousa tiveram nos pés de Bruno Jordão a hipótese de alargar a contagem. Porém, as intenções do camisola 66 esbarraram nas luvas de Kieszek. Na recarga,

MELHOR FC FAMALICÃO:

Joaquín Pereyra Joga e joga muito. A estreia com as cores do Vila Nova não podia ser melhor. Com um toque de bola requintado, o 18 dos famalicenses encheu o campo, enquanto teve energia. Assistiu Rúben Lameiras para o primeiro golo e esteve em quase todos os lances de ataque. Boa estreia para o argentino. Saiu no início da segunda parte porque já não conseguia garantir a mesma intensidade. Quando elevar os índices físicos, será mais um caso sério.

Srdan Babic ainda tentou mexer com as redes contrárias, mas o polaco opôs-se novamente. O técnico do emblema famalicense mexeu na equipa e o FC Famalicão ressentiu-se. Campana e Pereyra saíram, esgotados fisicamente, e o Rio Ave FC assumiu, definitivamente, o controlo do jogo. Chico Geraldes e Dala tiveram na cabeça o empate, mas pecaram na finalização. Quem teve acerto nesse capítulo foi Aderlan Santos, aos 78 minutos. No entanto, a ajuda de Zlobin foi importante. O russo saiu mal, num pontapé de canto, e o central brasileiro cabeceou para a igualdade. Um empate que já era merecido pelo emblema de Vila do Conde. Na resposta, Del Campo teve no pé direito o segundo tento famalicense. O suíço disparou rasteiro, mas Kieszek disse novamente presente. Já nos instantes finais, Ronan teve um duelo com Zlobin, mas foi o guardião a sair por cima, negando o golo ao avançado brasileiro. A partida terminou com uma divisão de pontos, mas com excelentes momentos protagonizados pelas

duas equipas. Com este empate, o FC Famalicão passa a somar quatro pontos, ao cabo de três jornadas, estando, agora, na 7ª posição, juntamente com outras quatro equipas. O próximo compromisso é frente ao Sporting Clube Farense, no Algarve, ainda com dia e hora por definir.


14

DESPORTO

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

A turma famalicense recebeu três reforços para o ataque

Dyego Sousa não chega sozinho ao FC Famalicão Foi agitada a reta final do mercado de transferências para o Futebol Clube (FC) de Famalicão. O emblema famalicense fechou as aquisições de Dyego Sousa, Diogo Queirós, Marcelo Trotta e Tobias Zarate, no penúltimo dia da janela de transferências. Já na passada sexta-feira, o regresso de Vaná foi anunciado pelo clube. Começamos pelo reforço mais sonante. Internaciopub

nal por Portugal, Dyego Sousa chega ao Vila Nova para substituir Toni Martínez, chegando por empréstimo dos chineses do Shenzhen FC. No currículo, em Portugal, o luso-brasileiro conta com passagens pelo Marítimo SC, SC Braga e SL Benfica. O avançado de 31 anos, em declarações ao site do clube famalicense, mostrou-se “feliz” e espera contribuir para o crescimento do Vila Nova. Diogo Queirós é defesa central e assina pelo FC Famalicão a título definitivo, proveniente do FC Porto. O contrato do internacional sub-21 é válido para as próximas três épocas. Com 21 anos, Queirós fez formação nos dragões e no currículo conta com uma Youth League ao serviço dos azuis e brancos. Marcelo Trotta é italiano e também joga na mesma posição de Dyego Sousa. Emprestado pelo Frosinone, clube que milita na II Divisão italiana, o avançado começou a dar os primeiros passos no mundo do futebol no Nápoles. Após ter dado nas vistas pelos italianos, assinou, ainda com idade de juvenil, pelo Manchester City, em 2008/2009, mudando-se, um ano depois, para o Fulham. Foi consecutivamente emprestado a emblemas ingleses, até regressar ao país natal, em 2015/2016. Na temporada passada, passou seis meses no Frosinone e outros seis no Ascoli, apontando, no total, nove golos em 30 jogos. Relativamente a Tobias Zarate, o jogador de 20 anos deve integrar, numa primeira fase, a formação de sub-23 do clube. Chega do Vélez Sarsfield, onde atuou em seis partidas pelos argentinos. Já Vaná regressa a uma casa que bem conhece. O guardião famalicense desvinculou-se do FC Porto e chega à equipa de João Pedro Sousa para fazer concorrência a Zlobin. O atleta vincula-se com o Vila Nova por uma temporada. No caminho oposto seguiram Walterson e Toni Martínez. O extremo brasileiro transferiu-se, em definitivo, para o Moreirense FC. Já o avançado espanhol foi vendido ao FC Porto, por uma verba a rondar os 3 milhões e 500 mil euros.

Leonardo Campana convocado para o Equador

Leonardo Campana foi integrado na convocatória do selecionador do Equador, para os próximos compromissos da seleção sul-americana. O jovem avançado de 20 anos vai estar às ordens de Gustavo Alfaro, nos próximos dias. O selecionador chamou 30 jogadores para os jogos de qualificação para o Mundial 2022. O primeiro é frente à Argentina, em Buenos Aires, no dia 8, e o segundo diante do Uruguai.


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

15

A equipa ribadavense esteve a vencer por três golos ao intervalo

FAC soma segunda derrota no campeonato

Riba D’Ave HC sofre derrota caseira

Viagem ao Dragão Arena termina em desaire

Beatriz Silva

FC Porto. No início do segundo tempo, o FAC foi, novamente, penalizado com um cartão azul. Desta feita, foi Gabi Silva a receber ordem de exclusão da equipa de arbitragem. Chamado a converter o livre direto, Gonçalo Alves permitiu a defesa de Manuel Silva, mas o guardião famalicense não conseguiu travar, segundos depois, novo remate do hoquista português. Com o marcador a assinalar 6-1 favorável aos portistas, o FAC tentou reduzir os estragos. Folhetas apontou o segundo tento famalicense e Juan López o terceiro. O FAC estava motivado e desperdiçou a chance de fazer o quarto, após não converter um livre direto. Até ao final, Folhetas bisou na partida, quando faltava um minuto para o final da partida, fixando o resultado final em 64 Os comandados de Vítor Silva estão nas últimas posições, com zero pontos em dois jogos. O próximo jogo é no Pavilhão Municipal de Famalicão, sábado, às 18h, diante da Juventude de Viana.

O Hóquei Clube (HC) “Os Tigres” somou três pontos na visita ao Parque das Tílias, ao vencer, por 3-4, o Riba D’Ave HC, numa partida onde ao intervalo perdia apor 3-0, deixando um grande amargo de boca final na formação ribadavense. O Riba d’Ave HC entrou bem na partida e rapidamente chegou ao 2-0. Estavam, apenas, decorridos três minutos de jogo. Dinis Abreu bisou, aproveitando as facilidades na defensiva visitante. O resultando não avolumou porque Igor Alves, guardião do HC “Os Tigres”, defendeu logo a seguir um livre direto de Daniel Pinheiro, após azul mostrado ao capitão, Filipe Bernardino. A formação visitante aos poucos assentou e conseguiu equilibrar a partida, dispondo, alguns minutos depois, de um livre di-

reto e de uma grande penalidade. Diogo Fernandes, guardaredes da casa, defendeu os dois lances de bola parada. Mesmo ao cair do pano para o intervalo, Dinis Abreu voltou a fazer mossa ao apontar o 3-0, na marcação de um livre direto, pela 10ª falta dos visitantes. A equipa de André Luís entrou forte na etapa complementar e reduziu ainda no primeiro minuto, por João Maló. Surpreendentemente, o Riba d’Ave procurou acelerar o jogo, apostando nas transições rápidas, o que permitiu assistir a uma fase de parada e resposta, com os guarda-redes a serem postos à prova. A formação de Raúl Meca teve dois lances de bola parada (a 15ª e 20ª falta), mas Facundo Bridge e Andrés Castaño não conseguiram desfeitear Pedro

Santos, que tinha substituído Igor Alves na baliza visitante. Quem não marca, sofre e o Riba D’Ave HC foi severamente punido até ao final. Primeiro, Miguel Feio reduz para 3-2, aos 15 minutos, e quatro minutos depois é Hernâni Domingos, de livre direto (15ª falta do RAHC), a fazer o empate a três bolas. Com tudo em aberto até final, acabou por ser a formação de Almeirim a ser mais eficaz. Paolo Dias, num dois para um, aproveitou mais um erro ribadavense e desferiu um rude golpe na equipa de Raúl Meca, à entrada do último minuto de jogo. Na próxima jornada o Riba D’Ave HC viaja até ao “Dr. Salvador Machado”, em Oliveira de Azeméis, para defrontar a UD Oliveirense/Simoldes. A partida realiza-se sábado, às 17h30.

Miguel Cunha vence em Gondomar

Afonso Ferraz

O Famalicense Atlético Clube (FAC) deslocou-se ao terreno do Futebol Clube (FC) do Porto e somou a segunda derrota no Campeonato Nacional I Divisão. O emblema comandado por Vítor Silva saiu derrotado do Dragão Arena por 6-4. Segundo jogo e segunda partida frente a um candidato ao título. O regresso do FAC ao principal escalão do hóquei nacional não se adivinhava fácil e à segunda jornada, o emblema famalicense ainda não somou qualquer ponto. Na partida do passado sábado diante do FC Porto, a formação da casa adiantou-se no marcador logo nos instantes iniciais. Reinaldo Garcia abriu a contagem favorável aos comandados de Guillen Cabestany. A partida seguiu e perto dos últimos dez minutos, os portistas marcaram três golos de rajada. Giulio Cocco apontou dois tentos e Rafael Costa o outro. Em desvantagem por quatro golos, na resposta, Juan López reduziu o placard. Antes do apito para o intervalo, o espanhol recebeu cartolina azul e, na cobrança do livre direto, Gonçalo Alves fez o quinto do

DESPORTO

Miguel Cunha, do Ténis Clube de Famalicão, venceu, em Gondomar, o 4º Torneio de Veteranos +35 ANAG 2020. Após a isenção na primeira ronda, o atleta famalicense defrontou, na segunda, o 39º do ranking nacional de Veteranos e segundo cabeça de série do torneio, Pinhão Ferreira, vencendo por 6-1 e 6-3. Nos quartos de final, levou a melhor sobre Miguel Dias, do Boavista, triunfando por 6-3, 4-6 e 10-5. Já nas meias finais, venceu Daniel Tavares, de Paços de Brandão, por 7-6, 5-7 e 11-9. No derradeiro jogo, Miguel Cunha do TCF defrontou Rodrigo Barbosa do (C.S. Nun’ Alvares do Porto), derrotando o primeiro cabeça de série do torneio e número 15 do ranking nacional de veteranos +35, pelos parciais de 6-2 e 6-3.


16

DESPORTO

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Pedro Almeida no pódio no europeu de ralis

Campeonatos da AFSA ainda sem data para começar Os campeonatos da Associação Futebol de Salão Amador (AFSA) não têm datas para começar. O anuncio foi feito através de um comunicado de Márcio Sousa, presidente da coletividade. O líder referiu que “ainda não há datas definidas para o arranque dos campeonatos concelhios de futsal, quer no escalão de seniores, como de veteranos”. “Avançamos com os procedimentos administrativos, mas as provas carecem ainda da luz verde das entidades responsáveis, nomeadamente da Direção Geral da Saúde (DGS). Depois das orientações aprovadas pela DGS no decurso do mês de agosto e depois de reunir com os responsáveis autárquicos, a direção da AFSA decidiu solicitar a intervenção da Delegação de Saúde de Vila Nova de Famalicão, no sentido de proceder à vistoria de cada uma das instalações das coletividades associadas da AFSA”, acrescenta Márcio Sousa. pub

Pedro Almeida e Hugo Magalhães concluíram o Rally Fafe Montelongo na terceira posição, entre os carros da categoria ERC3 e ERC3Junior, prova disputada ao longo do passado fim de semana e que trouxe a Portugal os melhores pilotos do European Rally Championship (ERC). “Aprendemos muito neste rali com inúmeras situações diferentes, de classificativa para classificativa. Ou era o piso ou as condições meteorológicas que se alteravam, que nos obrigaram a uma dinâmica de pneus e de afinações muito desafiante, e chegar ao fim com este resultado deixa-nos muito satisfeitos”, referiu Pedro Almeida, aludindo para as dificuldades que

teve. O piloto famalicense aproveitou a prova do europeu para somar quilómetros no Peugeot 208 Rally4 e acrescentou que “a aprendizagem e crescimento faz-se neste tipo de corridas, com pilotos com um ritmo elevado e com muitas classificativas (foram 18), que obriga a dar o máximo, melhorando a performance”. O Rally acabou por ser uma surpresa muito positiva para o piloto. “Não conhecia Fafe em asfalto e gostei muito. Nunca pensei encontrar uma prova tão desafiante. As especiais são muito rápidas, a meteorologia tornou-as escorregadias, e estes ingredientes deram à prova um grau de exigência elevado,

em que ao mínimo erro sabíamos que podíamos acabar fora da corrida. Pela primeira vez, andámos à chuva com o 208 Rally4 e saímos com confiança pelo comportamento que conseguimos com o carro”, revelou. Pedro Almeida e Hugo Magalhães voltam à estrada já no próximo fim de semana, desta vez em prova a contar para o Campeonato de Portugal de Ralis e Peugeot Rally Copa Ibérica, com participação no Rali Vidreiro, na Marinha Grande. “É prova dos campeonatos que estamos a disputar e onde queremos voltar a lutar pelo melhor resultado. Fafe deu-nos essa confiança”, rematou Pedro Almeida.

EARO conquista medalhas nos nacionais de atletismo A Escola Atletismo Rosa Oliveira (EARO) participou nos campeonatos nacionais de juvenis e juniores. No campeonato nacional de juvenis, os atletas Ana Marinho e Francisco Silva obtiveram classificações de grande relevo. Ana Marinho alcançou o 2º lugar, na prova de 1.500m, sagrando-se vice-campeã nacional. Já Francisco Silva alcançou o 3º lugar, na prova de 800m. Ana Marinho conseguiu repetir a classificação, mas, desta vez, no escalão superior. A atleta da EARO classificou-se em 2º lugar, batendo o recorde pessoal, nos 3.000m. Já Beatriz Fernandes, companheira de equipa, terminou no 3º lugar, na mesma distância. Em virtude das regras existentes devido à pandemia do Covid-19, os campeonatos realizaram-se em três sítios diferentes (Norte, Centro e Sul), não sendo possível realizar as cerimónias dos pódios aos atletas classificados nos três primeiros lugares. As medalhas foram entregues aos atletas no Parque da Ribeira, pelo presidente da Associação de Atletismo de Braga, Manuel Pacheco, técnico Regional, Manuel Pinto, pelo presidente do Conselho Fiscal da Aabraga, Carlos Carvalho, e pelo presidente da Junta de Joane, António Oliveira.

Oito famalicenses nomeados para “O Minhoto” O concelho de Famalicão tem oito nomeações para os Troféus Desportivos “O Minhoto”. Na edição deste ano vão ser entregues 28 troféus em diferentes áreas, a um total de 86 nomeados oriundos de 20 concelhos da região Minho. Além dos atletas a premiar nas diferentes modalidades, são ainda contemplados "árbitro", "dirigente", "treinador", "evento desportivo", "clube desporto escolar" e "clube fomento desporto jovem"; bem como "revelação", "consagração", "grande prémio do júri individual" e "grande prémio do júri coletivo". As escolhas famalicenses são o Futebol Clube de Famalicão e o Riba D’Ave Hóquei Clube, que estão nomeados para o “Grande Prémio do Júri Coletivo”. Nas modalidades individuais, estão ainda nomeados Sofia Oliveira (artes marciais), André Carvalho (ciclismo), Tiago Reis (desportos motorizados), João Tinoco (natação) e Vanessa Rodrigues (voleibol). Tiago Machado fecha o leque de nomeações, com o prémio “Consagração”.


Lar, doce lar... Portugal é um país de clima temperado. O que não impede que, em certas zonas, as temperaturas no inverno sejam quase negativas. Para evitar que o frio entre na sua casa, partilhamos algumas dicas de construção, reparação e decoração. Segundo dados de 2011, dos cerca de 5 milhões de casas existentes no nosso país, perto de 3 milhões revelavam problemas de construção no que ao isolamento diz respeito. Para que tal não aconteça, aconselhamos que recorra aos conselhos de um arquiteto capaz de lhe indicar o melhor tipo de isolamento para a sua habitação, bem como a ajuda profissional especializada no momento da sua aplicação.

Começar do zero Se vai construir a sua casa do zero, pode estudar já os melhores materiais e técnicas de construção para que o frio nunca seja um problema. A construção em massa típica dos tempos modernos, materiais de fraca qualidade e tetos sem isolamento veio agravar a sensação de desconforto em casa e, consequentemente, aumentar os gastos com o aquecimento. É importante, por isso, refletir sobre a posição da casa em relação à incidência do sol, dando prioridade aos quartos. Para uma casa quente aconselhase ainda cobertura com telhas de barro, laje de forro, revestimento interno de madeira ou gesso, painéis rí-

gidos, materiais reflexivos e membranas isolantes para telhados planos e de baixa inclinação. Para ajudar a manter as paredes secas, recomenda-se o tratamento com hidrofugante no exterior da casa. Além disso, não se esqueça de que a tubagem deve ser instalada no interior e nunca fora, para evitar congelamentos e ruturas. Do sintético ao ecológico Sabia que ¼ do calor de uma habitação se perde pelo teto? Por isso, o sótão deve ser a primeira estrutura a merecer atenção em termos de isolamento. Lã de vidro (também conhecida

por fibra de vidro, é um material que não perde a capacidade isolante e não promove o aparecimento de fungos e bactérias), lã de rocha (muito resistente e duradoura) e celulose (alternativa ecológica mas que pode provocar alergias, feita a partir de cartão reciclado, jornais e outros restos de papel combinados com um produto químico) são algumas das opções. Nos últimos anos, por razões de sustentabilidade, há cada vez mais a tendência para recorrer a materiais alternativos como cortiça (altamente impermeável), espuma em spray de soja, retalhos de ganga, e lã de ovelha ou de cânhamo.

pub


18

ESPECIAL

opiniãopública: 7 de outubro de 2020 pub

Já encontrou a melhor solução para a sua casa? Com o frio a chegar, é tempo de as famílias pensarem como vão aquecer a casa no inverno. Já sabemos que cada casa tem as suas especificidades e as opções para a aquecer são várias. Aqui ficam algumas para que seja, talvez, mais fácil tomar uma decisão.

Além disso, este tipo de dispositivo não distribui o calor uniformemente, a menos que opte por um termoventilador que é mais ruidoso. Há modelos por menos de 50 euros, mas preste atenção à conta de aquecimento. Altamente eficientes em termos de energia para um conforto mínimo, os convetores são uma boa alternativa Salamandras: são, geralmente, feitas para aquecer um espaço isolado. em ferro fundido e são um método tradiRadiadores: a resistência do radiador cional de aquecimento. Sentir o calor proveniente de uma lareira ou salamandra é já não aquece diretamente o ar, mas uma agradável e proporciona um ambiente placa de alumínio que, em seguida, dimuito acolhedor. Este equipamento resti- funde o calor mais uniformemente através de uma placa em alumínio que propaga o tui em média 60 a 80 % do calor. calor de forma mais homogênea através Caldeiras: O aquecimento central é de um painel em aço perfurado. O calor uma das melhores opções por se tratar de propaga-se na horizontal, sem secar o ar um sistema de simples instalação. Para para um maior conforto. além do aquecimento é também utilizada Radiador a água: proporciona bons nína produção de águas quentes sanitárias, tem um período de vida útil elevado, com veis de conforto térmico e um bom desembaixa manutenção e é o sistema de com- penho ambiental. Além de apresentar bustão mais seguro. Este sistema pode uma boa relação custo de utilização funcionar a gasóleo, gás ou a eletricidade. /custo de implementação.

pub

Lareiras em bioetanol: está na moda, é amigo do ambiente, é prático, não suja como a lenha e é acessível (embora seja mais caro que o petróleo). O bioetanol é uma energia limpa, sendo feito a partir de um álcool biológico que se obtém a partir de restos agrícolas. Não contamina e é inodoro (não emite gases nocivos para a nossa saúde). Estas lareiras só aquecem o espaço onde estiver, se quiser aquecer a casa toda precisa de várias lareiras assim. Existem em todos as capacidades e potências. Ar condicionado: são uma boa opção, porque possuem quente e frio, para serem utilizados em diversas estações do ano. Os aparelhos costumam ser baratos e fáceis de instalar, uma média de mil euros (equipamento + instalação). O seu consumo é mais económico, porque ao atingir a temperatura desejada, o compressor trabalha a uma velocidade mais baixa e reduz o consumo em mais de 25%. Aquecedores elétricos: um aquecedor simples aquece o ar. O ar é aquecido em detrimento da humidade, de modo que a atmosfera rapidamente fique mais seca.

Piso radiante: é uma solução confortável para aquecer a casa. No entanto, envolve algumas obras, porque é necessário substituir todo o piso. É por baixo do piso que são colocados uma vasta rede de tubos em que circula água aquecida, numa temperatura entre 35 a 40 graus. Painéis solares: o aquecimento central solar, com instalação de sistemas de painéis solares térmicos, é uma ótima solução para o aquecimento de águas quentes sanitárias. No entanto, esta solução não é competitiva como fonte de calor para aquecimento, uma vez que, é nos meses de maior necessidade de produção de água quente que o rendimento é menor e na maior parte dos casos insuficiente. Lareira com recuperador de calor: se optar pelo aquecimento central, o ideal será que faça a instalação de lareira com recuperador de calor, assim, maximiza o rendimento da queima da lenha e não só aquece o ambiente como também a água de forma rápida e eficiente, desde que instale circuitos de aquecimento central, como radiadores e/ou pavimento radiante.


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

ESPECIAL

19

Isole para não perder calor Cerca de 40% do consumo energético é despendido em edifícios de habitação e de serviços. Um bom isolamento térmico evita as perdas de calor, reduzindo a necessidade de investir em sistemas de climatização e evita gastos energéticos desnecessários em aquecimento. De acordo com alguns investigadores da Faculdade de Engenharia do Porto, o nível de isolamento de máxima importância evitar as pontes térmicas, ou seja, locais onde ocorre uma significativa dispersão de calor devido à junção de materiais com comportamentos térmicos distintos ou à interrupção de isolamento.

troladas, aumentar a captação de ganhos solares no Inverno, reforçar a proteção da radiação solar durante o verão e melhorar as condições de ventilação natural. O isolamento térmico de uma janela depende da qualidade do vidro e do tipo de caixilharia utilizado. As janelas que possuem vidros duplos têm maior capacidade de isolamento do que os vidros simples, já que o espaço entre os dois vidros serve para reduzir a perda de calor. Geralmente, quanto maior este espaço, mais isolante é o vidro. As janelas de vidro duplo reduzem quase a metade a perda de calor comparativamente com os vidros simples.

Vidros e janelas: as superfícies vidradas desempenham um papel muito importante no domínio da eficiência térmica do edifício. Se, por um lado, podem contribuir para a entrada de calor sem custos, por outro podem ser saídas através das quais o calor se dissipa, quando não são construídas e montadas de uma forma apropriada. A intervenção ao nível das janelas deve ser feita com o intuito de reduzir as infiltrações de ar não con-

Caixilharias: também as caixilharias das janelas desempenham um papel chave na dissipação do calor. As caixilharias em madeira, pvc ou alumínio com corte térmico são as que apresentam melhores propriedades térmicas, enquanto as de alumínio que não disponham de corte térmico só são adequadas nos casos em que esteja instalada uma barreira que impeça a passagem do calor, para evitar o problema da condensação. Se

existir espaço suficiente nas caixas de estores, pode ser introduzido material isolante, a um preço razoável, evitando as entradas de ar frio no Inverno e assim impedir as desnecessárias perdas de energia.

plantações nas coberturas dos edifícios (coberturas verdes), que reduzem a radiação incidente do sol na laje de cobertura. Nas coberturas inclinadas, o isolamento térmico é feito através da utilização de materiais como a cortiça ou o poliuretano, que são coParedes: as paredes exteriores devem locados entre as telhas e a laje de cobertura. ser concebidas de forma a reduzir as trocas Pavimentos: cerca de 15% do calor de um térmicas entre o exterior e o interior. Uma das técnicas mais eficientes é a construção de edifício perde-se pelo pavimento. O paviparedes duplas que formam entre elas uma mento isolado ajuda a manter a temperatura caixa de ar, que é muitas vezes preenchida ambiente, o conforto interior e reduz as conpor um material isolador. Num edifício já densações no interior da casa. Os pavimenconstruído, o isolamento das paredes pode tos térreos devem ser sempre isolados. ser reforçado tanto pelo exterior como pelo Embora seja uma solução fácil de executar interior através da aplicação de camadas iso- se for prevista em projeto ou na altura da lantes na parte externa ou interna da parede. construção, não é impossível para situações São procedimentos simples, contudo devem existentes. É uma solução que requer a interser realizados por mão de obra especiali- venção de mão-de-obra especializada e pode implicar grandes alterações, pois o pazada. vimento novo ficará mais alto e as portas e Coberturas: as coberturas planas devem as guarnições têm que ser cortadas à meser cobertas por materiais como a brita para dida. que a energia radiante do sol não as atraFonte:https://ec.europa.eu/energy/ vesse. Nestes casos, o isolamento térmico intelligent/projects/sites/ também pode ser realizado com base em pub


20

ESPECIAL

opiniãopública: 7 de outubro de 2020 pub

Chão de madeira pub

para uma casa mais quente Quais os diferentes tipos, vantagens e desvantagens e onde pode encontrar opções de chão de madeira são algumas das questões que vai ver respondidas neste artigo. Não haverá casa que não tenha pelo menos uma divisão com este tipo de pavimento. Afinal, o chão de madeira é dos pisos mais utilizados desde sempre e continua a ser o grande escolhido na hora de revestir o chão de uma casa. Esteticamente muito apelativo, com um acabamento que permite criar um ambiente bem acolhedor e com uma multiplicidade de tipologias, cores, dimensões e texturas, o chão de madeira é um material que importa mesmo conhecer. Nenhum outro material consegue dar uma sensação de tanto conforto como a madeira. Além disso, ela é um material com bom um desempenho térmico e a sua temperatura é sempre agradável ao toque. A madeira é um material absorvente, tanto de som como de temperatura e auxilia no processo de eliminação do eco nos ambientes interiores. Uma das grandes vantagens do chão de madeira é mesmo a sua versatilidade. Até na casa de banho e cozinha se pode colocar! Hoje está muito em voga, por exemplo, revestir o quarto e a suite com o mesmo piso de madeira ou a cozinha e sala nos casos de espaços amplos. Nestas situações deve apenas garantir que aposta num material de qualidade atestada e resistente. O chão de madeira é excelente para pessoas com problemas respiratórios dada a sua componente hipoalergénica. Além disso, são uma boa opção para quem tem animais, dado que

é muito fácil a sua limpeza posterior. Alguns pisos de madeira podem durar uma vida! Com uma boa manutenção e limpeza, existem casas que exibem orgulhosamente o seu piso centenário. Que tipo de madeira escolher? Dependendo do seu gosto pessoal, do que pretende para a sua casa e, claro está, do orçamento que tem disponível, existem vários tipos de chão de madeira. Tábuas de madeira natural: esta é a versão mais cara no que toca ao chão de madeira, mas é também a mais resistente e durável. E claro, confere ao espaço um ambiente acolhedor, mais quente e esteticamente delicioso. Falamos de tábuas de madeira maciça, sem qualquer adição de composto ou laminado, e pode escolher variadíssimos tipos deste material: pinho, cerejeira, sucupira, entre outros. Nestes casos, deve apenas ter em atenção a sua manutenção regular e estar atento a possíveis pragas e bichos. Laminado: no caso dos pisos de madeira laminados, mais económicos, falamos de tábuas que agregam madeira natural com composto e cola, de forma a tornar as réguas mais grossas e resistentes. Hoje em dia já é possível encontrar soluções de laminados de grande qualidade e a sua manutenção não é muito exigente; deve apenas garantir os cuidados básicos que lhe indicaremos. Vinílico de madeira em rolo: praticamente igual ao chão de madeira laminado, esta versão acaba por ser mais económica, mas é também mais frágil e de grossura bem menor. Não é aconselhável para locais que tenham uma utilização média ou grande.


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

ESPECIAL

21

Decorar

para aconchegar Com a chegada do tempo frio, temos a necessidade de termos em casa um ambiente agradável, confortável e, sobretudo, mais quentinho. No inverno é conveniente encontrar uma nova disposição para os móveis, de modo a não obstruir fontes de calor e a garantir arejamento em caso de sobreaquecimento. Afaste as camas das portas e janelas, aproxime o sofá da lareira e da televisão, disponha carpetes e tapetes pela casa. Forrar as paredes com papel grosso, tecido ou painéis de madeira, optar por tons escuros e quentes nas paredes e nas cortinas são outras das medidas que pode tomar para transformar o seu “lar, quente lar”.

Espaços com objetos: os objetos que temos em casa retêm o calor, pelo que uma casa que tiver bastante mobília e peças de decoração será sempre mais quente e acolhedora. Se decidir avançar com uma remodelação, lembre-se ainda que as estantes com livros são o isolamento ideal para manter o calor dentro das divisões do lar. Já móveis como sofás, camas ou cadeiras podem ser afastados das zonas mais frias e colocados corretamente junto às paredes interiores que conservam sempre mais calor. No caso das camas, pode forrar a cabeceira com um bom tecido. Outra opção para forrar as paredes e deixar a casa mais confortável é utilizar quadros, fotografias ou mesmo os espelhos.

Têxteis fofinhos: pode parecer básico, mas nem sempre nos lembramos destes detalhes. No que toca aos sofás, prefira versões em tecido em vez de pele, que é muito mais fria no inverno. No inverno, complete a sua decoração com almofadas em tecidos quentes, como a camurça ou veludo, e recorra também a muitas mantinhas. Quanto às cortinas, opte por tecidos pesados, grossos e opacos, mantendo as versões mais leves, como a organza, por baixo das anteriores.

como mantém os pés mais quentes quando caminhar pela casa.

Pintar e colocar papel nas paredes: em primeiro lugar, deve ficar a saber que o papel é a escolha ideal para manter a casa quente. Não é um bom condutor de calor, pelo que não deixará escapá-lo da sua sala. Se decidir pintar, opte por tons bem quentes para uma ou várias paredes do espaço em causa. Além do efeito psicológico, uma vez que tendemos a sentirmo-nos mais aconTapetes e carpetes: grande parte do calor é perdida pelo chegados em espaços com este tipo de cores, as chão, pelo que recomendamos o recurso a tapetes e/ou paredes mais escuras acumulam e mantêm melhor o a carpetes: assim, não só garante um isolamento extra, calor. pub


22

ESPECIAL

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Por ser uma época em que há pouca luz solar e baixas temperaturas, estes fatores estão, por vezes, diretamente relacionados com o alto índice de depressão e isolamento social. Mas para os mais sensíveis há alguns truques simples. Por exemplo, as cores quentes ajudam a dar uma sensação de maior conforto. Por isso, ao decorarmos nossa casa durante o inverno, devemos ter atenção a alguns detalhes, como o equilíbrio entre as cores quentes e frias ao pintar as paredes. Dependendo da forma como são utilizadas, as cores podem transformar um ambiente nostálgico e sem vida em um espaço iluminado e aconchegante. São classificadas como cores quentes aquelas que remetem ao fogo, sendo as principais o vermelho, o amarelo e o laranja, incluindo os tons derivados dessas cores, a exemplo do rosa e do vermelho alaranjado. Vermelho A cor vermelha é uma das cores primárias. Está ligada ao amor, que demonstra vitalidade e vivacidade. Um espaço com uma decoração vermelha transmite alegria, força e traz estímulo para as pessoas. Por ser uma cor forte, a cor vermelha é perfeita para ser usada em ambientes como sala de estar, sala de jantar e cozinha, já que motiva a convivência familiar. O seu uso é menos recomendável no quarto e es-

critório por ter alto poder de estímulo nas pessoas, podendo deixá-las agitadas e sem foco. Amarelo Amarelo é a segunda cor na palete de cores quentes e, junto com o vermelho, é parte integrante das cores primárias. Ligada ao sol, a cor é sinónimo de fortuna, transmitindo felicidade e trazendo à tona sentimentos relacionados ao prazer. O amarelo é, ainda, tido como a cor que remete à intelectualidade e instiga a imaginação. Justamente por isso é indicada para espaços como o escritório e salas de estudos, já que desperta a atenção e facilita os exercícios ligados ao cérebro. Assim como o vermelho, a cor também pode ser utilizada na cozinha, sala de jantar e de estar. Laranja Cor secundária resultante da mistura entre o vermelho e o amarelo, o laranja capta um pouco de cada uma dessas duas cores. Entre as principais características dessa cor estão a energia, o entusiasmo, o êxito e a diversão. Há quem diga que esta cor também tem relação com o ato de se comunicar, da expansão de pensamentos, euforia e autenticidade. Os melhores espaços para aplicar a cor laranja são a sala de estar e de jantar, bem como a cozinha, por ser a tonalidade que representa o entusiasmo e a vida.

Pinte a sua casa com cores quentes pub

pub


opiniãopública: 7 de outubro de 2020

ESPECIAL

23

Governo dá até 7.500 euros para melhorar eficiência energética da sua casa Quer melhorar a eficiência energética da sua casa? Em pleno estado de pandemia o Governo lançou um novo programa. O objetivo passa então por reabilitar e tornar os edifícios energeticamente mais eficientes e, para isso, as obras podem ser comparticipadas a 70%, sendo que o limite é de 7.500 euros. Portanto, se está a pensar mudar a sua casa e apostar na eficiência energética, saiba o que este programa lhe oferece. O Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) estabelece, entre outras coisas, um conjunto de medidas de dinamização económica do emprego. Isto através do lançamento de pequenas obras, de execução célere e disseminada pelo território, que possam absorver algum do impacto da crise económica provocada pela pandemia causada pela doença COVID-19. As intervenções em edifícios visando a sua sustentabilidade e a reabilitação energética, encontram-se assim entre as medidas. Quem pode beneficiar do programa? São elegíveis então pessoas singulares proprietárias de edifícios de habitação existentes e ocupados, unifamiliares, de frações autónomas em edifícios multifamiliares ou de edifícios multifamiliares. Neste caso, construídos até ao final do ano de 2006. A dotação deste Incentivo é de 1.750.000 € (um milhão setecentos e cinquenta mil euros) em 2020 e de 2.750.000 € (dois milhões setecentos e cinquenta mil euros) em 2021.

O prazo para apresentação das candidaturas ao Incentivo decorre desde o dia 7 de setembro até às 23.59 h do dia 31 de dezembro de 2021 ou até esgotar a dotação prevista. As candidaturas são apresen-

tadas ao Fundo Ambiental através do preenchimento do formulário disponível no sítio do Fundo Ambiental (https://www.fundoambiental.pt) dedicado à presente Iniciativa. A submissão do

formulário preenchido deve ser acompanhada de todos os documentos solicitados. O Programa de incentivos abrange todo o território de Portugal Continental. pub


24

PUBLICIDADE

opiniãopública: 7 de outubro de 2020

Profile for Editave Multimédia

Opinião Pública 1480  

Edição nº 1480 de 7 de Outubro de 2020 do Semanário Regional Opinião Pública

Opinião Pública 1480  

Edição nº 1480 de 7 de Outubro de 2020 do Semanário Regional Opinião Pública

Advertisement