__MAIN_TEXT__

Page 1

Ano 29 | Nº 1476| De 9 a 15 de setembro de 2020| Diretor: João Fernandes | Gratuito | www.opiniaopublica.pt

pub

pub

Combate à pandemia

Associação Humanitária dos BV Famalicão homenageou os seus voluntários p. 3

Casos de Covid 19 foram detetados a semana passada

SURTO NO LAR DE S. COSME INFETA 26 UTENTES E 17 FUNCIONÁRIOS O lar do Centro Social Paroquial e Vale S. Cosme detetou, no doença na instituição. Entretanto, a creche foi encerrada como final da semana passada, um surto de Covid-19, com um total medida de precaução, já que todos os funcionários dessa vade 43 infetados, todos em situação estável e a recuperar da lência testaram negativo para o novo coronavírus. p. 9

Monsenhor Joaquim Fernandes celebrou 104 anos no domingo

Badminton FAC sagra-se vice-campeão nacional em equipas mistas

“Fiz em Famalicão aquilo que devia fazer”

p. 3

Ténis Mafalda Guedes conquista mais um título de campeã nacional

Delães Obras no antigo centro de sáude vão avançar p. 9

Arnoso Santa Eulália PJ investiga incêndio em habitação que feriu mãe e filho p. 8

Fradelos Homem que matou a mulher acusado de homicídio qualificado

p. 8 pub


02

CIDADE

opiniãopública: 9 de setembro de 2020

Movimento criado no Facebook é agora uma associação

Biblioteca Municipal retoma atendimento até às 19h30

“Juntos por Famalicão contra a Covid-19” abre loja solidária

Com o fim do horário de verão, a Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, em Famalicão, retoma a partir desta semana o horário que vem praticando desde a sua reabertura ao público a 1 de junho passado. Assim, à segunda-feira, a biblioteca funciona das 14h00 às 19h30, e de terça a sexta feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h30. A entrada, circulação e permanência nos espaços das bibliotecas mantêm-se condicionadas e deverão ocorrer por tempo limitado e para o estritamente necessário. Assim, a permanência nas salas de leitura para apoio à consulta dos documentos está disponível até às 18h00, horário a partir do qual o acesso dos leitores às salas far-se-á apenas para consulta nas estantes e para as operações de empréstimos e devolução de documentos. Para evitar deslocações em vão, os utilizadores devem privilegiar o contacto prévio com a sua Biblioteca, através de telefone ou email.

Famalicão Made IN apoia novos negócios de comércio digital A Incubadora Famalicão Made IN, acreditada pela Rede Nacional de Incubadoras, está à procura, por todo o país, de startups e projetos assentes na área emergente do comércio digital. Nesse sentido, está a decorrer o JUMP- Concurso Para Novos Negócios, uma iniciativa da Câmara Municipal de Famalicão, em parceria com a UPTEC, que visa promover uma cultura empreendedora de desenvolvimento de novos projetos empresariais aplicáveis à indústria, neste que é o terceiro concelho mais exportador de Portugal e o primeiro do Norte. Há prémios monetários para os primeiros três classificados e um ano de incubação grátis na Incubadora Famalicão Made IN. As candidaturas devem ser feitas no site www.famalicaomadein.pt, até ao dia 30 de setembro.

FICHA TÉCNICA

CONSELHO EDITORIAL: Alexandrino Cosme, António Cândido Oliveira, António Jorge Pinto Couto, Artur Sá da Costa, Cristina Azevedo, Feliz Manuel Pereira, João Fernandes, Manuel Afonso e Almeida Pinto. ESTATUTO EDITORIAL: disponível em www.opiniaopublica.pt

DIRETOR: João Fernandes (CIEJ TE-95) jfernandes@opiniaopublica.pt

CHEFE DE REDACÇÃO: Cristina Azevedo (CPJ 5611) cristina@opiniaopublica.pt

REDACÇÃO: informacao@opiniaopublica.pt Carla Alexandra Soares (CICR-248), Cristina Azevedo (CPJ 5611).

DESPORTO: Jorge Humberto, José Clemente (CNID 297) e Pedro Silva (CICR-220).

Na próxima sexta-feira, dia 11, às 17 horas, será inaugurada em Famalicão uma Loja Solidária, que tem como objetivo a doação de roupas, calçado, brinquedos, utensílios domésticos e outros materiais que, devido à crise gerada pela Covid-19, muitas famílias estão com dificuldades em comprar. Esta Loja Solidária. localizada na Rua de Santo António, em pleno centro da cidade, é uma iniciativa da Associação Juntos por Famalicão, fundada no passado dia 30 de julho, e presidida pelo empresário famalicense Miguel Las Casas. Em março, Miguel Las Casas criou no Facebook o grupo “Juntos em Vila Nova de Famalicão contra a Covid-19” para apoiar pessoas e instituições famalicenses na resolução de necessidades e problemas provocados pela pandemia. Desde então, o grupo – que regista atualmente mais de 13.300 membros – já distribuiu mais de uma tonelada de alimentos frescos, além de milhares de alimentos não perecíveis e materiais de proteção individual (máscaras, viseiras, luvas, etc.). O presidente da Associação Juntos por Famalicão destaca que

a missão da nova instituição tem o mesmo propósito que levou à criação do grupo no Facebook: ajudar pessoas e instituições sociais. No entanto, salienta que a atuação será alargada. Ou seja, o trabalho da associação será estendido por outras áreas além da Covid-19. “O trabalho voluntário de

grupo, que nasceu numa rede social, será fortalecido e multiplicado. A Associação significa abrir novos caminhos e outras possibilidades para fazer mais e melhor”, explica Miguel Las Casas, destacando que “onde houver famalicenses a necessitar de ajuda, iremos intervir e apoiar da forma que for possível”.

CESPU anuncia novo reitor e novo curso O Instituto Universitário de Ciências da Saúde (IUCS) tem novo reitor e um novo curso, o Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. A CESPU anunciou, na última segunda-feira, que José Alberto Ramos Duarte é o novo reitor do Instituto Universitário de Ciências da Saúde, que tem também um novo curso, o Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. José Alberto Ramos Duarte é professor catedrático da Universidade do Porto e professor com agregação do Instituto Politécnico de Saúde do Norte. É licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, doutorado em Biologia do Desporto pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Tem experiência de ensino em cursos de 1º, 2º e 3º ciclos a nível nacional e internacional. No seu curriculum conta ainda com a publicação de mais de 250 artigos em revistas internacionais indexadas e com quatro prémios de investigação. É coautor de três patentes registadas internacionais e EditorChefe do “International Journal of Sports Medicine e Expert” da Comissão Europeia para avaliação de bol- CESPU, Almeida Dias, anunciou ainda a acreditação sas e projetos de investigação. do novo curso de Mestrado Integrado em Medicina O presidente do Conselho de Administração da Veterinária que será lecionado no IUCS.

GRAFISMO: Carla Alexandra Soares e Pedro Silva.

OPINIÃO: Adelino Mota, Barbosa da Silva, Domingos Peixoto, Gouveia Ferreira, J. Mário Teixeira, José Luís Araújo, Sílvio Sousa, Vítor Pereira. GERÊNCIA: João Fernandes

CAPITAL SOCIAL: 350.000,00 Euros.

DETENTORES DE MAIS DE 5% DO CAPITAL António Jorge Pinto Couto

TÉCNICOS DE VENDAS: comercial@opiniaopublica.pt Maria Fernanda Costa e Sónia Alexandra

PROPRIEDADE E EDITOR: EDITAVE Multimédia, Lda. NIPC 502 575 387

SEDE, REDACÇÃO E PUBLICIDADE: Rua 8 de Dezembro, 214 Antas S. Tiago - 4760-016 VN de Famalicão

IMPRESSÃO: Celta de Artes Gráficas, S.L. Gárcia Barbón, 87 Bajo - Vigo

INTERNET - www.opiniaopublica.pt

DISTRIBUIÇÃO: Editave Multimédia, Lda.

Serviços Administrativos: Tel.: 252 308146 / 252 308147 • Fax: 252 308149

NÚMERO DE REGISTO: 115673 DEPÓSITO LEGAL: 48925/91

CONTACTOS Redacção: Tel.: 252 308145 • Fax: 252 30814

TIRAGEM DESTE NÚMERO: 20.000 exemplares, nº 1476


opiniãopública: 9 de setembro de 2020

CIDADE

03

Monsenhor Joaquim Fernandes celebrou 104º aniversário no passado domingo

“Nunca estou parado… procuro sempre atividade” Cristina Azevedo roco do Louro, o padre Guimarães. E até para o norte de África levei o Completou no passado domingo, 6 carro”, recorda. de setembro, a bonita idade de 104 Procura manter-se sempre atuaanos. Monsenhor Joaquim Fernan- lizado. “Ainda hoje, se vir que há des é uma das mais marcantes per- uma coisa qualquer, mais moderna, sonalidades do século XX e a sua gosto de me lá deslocar para ver o longevidade, associada a uma capa- que se passa, sobretudo se são ascidade física e mental invejável, au- suntos relacionados com a cultura, menta a admiração que a com a arte, com os santuários, com comunidade tem por este sacerdote. os museus”. Na passagem de mais um aniversário, recebeu o OPINIÃO PÚBLICA Famalicão ontem e hoje em sua casa e, quando questionado Monsenhor Joaquim Fernandes sobre como é o seu dia a dia, a res- foi o sacerdote que mais tempo esposta foi perentória: “nunca estou teve à frente da paróquia de Santo parado ou, como se diz, pasmado… Adrião (Famalicão) e do arcipresprocuro sempre viver em atividade”. tado. A Nova Igreja Matriz, o Centro Além de se levantar e deitar sem- Pastoral de Famalicão e a Crechepre à mesma hora, o sacerdote faz Mãe são apenas algumas das obras ginástica todos os dias, pratica yoga que executou durante o seu exercícom exercícios de respiração e dá o cio. “Foram muitos contos de reis, seu passeio diário. “Também gosto nunca pedi nada ao Estado, apenas de jardinar e de podar as fruteiras e a Câmara ofereceu o terreno”, revisito muito a família e amigos”, corda. acrescenta. Homem apaixonado pela sua Apesar de “já ver um bocado terra, além da missão sacerdotal, mal”, monsenhor Joaquim Fernan- teve sempre uma intervenção cívica des ainda concelebra a eucaristia ativa, que ainda procura manter, em algumas paróquias do concelho, quanto mais não seja a acompanhar para as quais, até ao passado do- tudo o que se se vai fazendo no conmingo, ainda se deslocava ao vo- celho. “Penso que o padre, como lante do seu automóvel. Agora, não todo o homem, deve ser político, no o poderá fazer, porque atingiu o li- sentido do progresso humano, de mite de idade legal para poder con- trabalhar para o bem comum”, deduzir. fende o sacerdote, que nunca aceiDeixa-lhe pena, porque é algo de tou “a política de interesses”. que gostava. “Corri a Europa toda a De qualquer modo, entende que guiar, com vários amigos, como o ar- Famalicão “foi uma terra que sempre cebispo D. Francisco Maria da Silva, lutou pelo progresso, tendo a seu o monsenhor Gonçalo, que foi pá- favor a localização geográfica”.

Monsenhor Joaquim Fernandes vive tranquilo, com o sentido de dever cumprido

“Teve sempre câmaras que têm sabido lutar, sobretudo a partir de Folhadela Marques e, atualmente, penso que o presidente da Câmara é também uma pessoa muito atenta”, acrescenta. De resto, o espírito visionário de monsenhor continua presente e, quando questionado sobre qual o papel da Igreja num mundo dominado pela tecnologia, pela Internet e pelas redes sociais, o sacerdote não hesita em afirmar: “tudo o que for progresso, a Igreja deve interessarse, e mais, deve ser dos melhores”. E continua: “Para conseguir chegar ao homem, ela tem que ter os meios de comunicação, caso contrário, não pode doutrinar. Eu sempre vi os meios de comunicação como um

instrumento que a Igreja nunca pode e o mal surge”. Por isso entende que “podemos tomar isto como um sinal prescindir”. que Deus nos tem nas mãos dele”. A pandemia A conversa termina, naturalSobre a pandemia de Covid 19 mente, com um balanço, até porque que nos assola, Monsenhor Joaquim está em analise mais de um século Fernandes tem uma visão muito pró- de vida. “Gostaria de ter feito mais, pria, vista à luz da fé. “Houve sempre mas vivo muito tranquilo porque pessoas, autoridades, homens de lutei sempre por coisas de valor e fiz ciência ou pseudociência que nunca em Famalicão aquilo que devia respeitaram o criador, ou seja, que fazer… ajudei o que pude”. Deus criou o homem”, começa por Monsenhor sabe que não agradizer, numa alusão ao aborto e à eu- dou a todos, porque “isso é muito tanásia, práticas que condena vee- difícil”, mas continua a viver “romentemente. “Ao atacar a vida, deado de amigos e da família”. atacam o Criador, desprezam aquele “Às vezes ligam-se da diocese e que criou tudo”. dizem ‘então, ainda é vivo?’, eu resCom isto, o sacerdote não quer pondo ‘sim, Nosso Senhor ainda “dizer que Deus é castigador”, mas não me veio buscar… estou à essim que “por vezes, o homem desvia pera”.

BV Famalicão homenagearam os voluntários que estão na linha da frente do combate à pandemia

“É o momento de dizer obrigado” Cristina Azevedo A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Famalicão prestou, na passada sexta-feira, homenagem aos seus operacionais que estão na linha da frente no combate à pandemia de Covid 19. O evento decorreu no quartel da corporação, com algumas surpresas, como a oferta de 53 equipamentos de proteção individual para combate a incêndios ou a apresentação de um veículo histórico da corporação, um pronto socorro de 1961, totalmente restaurado, além do descerramento de uma placa evocativa da homenagem. Mas foi o trabalho que os bombeiros têm desenvolvido nestes tempos de pandemia que dominou toda a cerimónia, que contou com as presenças do vereador da Proteção Civil, Ricardo Mendes, e do comandante operacional do distrito de Braga da Proteção Civil, Hermenegildo Abreu. A iniciativa de realizar esta homenagem partiu da direção e do comando da corporação, que entenderam ser este “o momento certo para agradecer a coragem daqueles que não hesitam em estender a mão ao próximo”, como referiu o presidente da Assembleia Gral da Associação

A cerimónia decorreu no quartel da corporação

Humanitária dos BV Famalicão, Avelino Reis. Para o mesmo responsável, no ano em que celebram 130 anos de vida, os BV Famalicão tiveram “um dos maiores desafios de sempre: lutar contra um inimigo invisível, que durante meses espalhou o medo pela nossa população”. “Este ainda não é

o momento de cantar vitória, mas é o momento certo de agradecer”, acrescentou. Até hoje, os BV Famalicão não registaram nenhum caso de infeção por Covid 19 na corporação, o que deixa o comandante Sérgio Gomes, naturalmente, satisfeito, apesar de reconhecer que isso de deve ao “esforço desenvolvido todos os dias”

pelos voluntários que servem este corpo de bombeiros. “Os tempos que vivemos não são fáceis, tivemos que implementar todo um conjunto de medidas de segurança que vieram alterar por completo o nosso dia a dia, mas estes homens e estas mulheres não têm baixado braços. O trabalho que têm desenvolvido tem sido excelente”, frisou. O comandante alertou, contudo, que “é preciso continuar a ter cautela, porque isto ainda não acabou e a situação continua preocupante”. Por seu lado, o vereador da Proteção Civil lembrou que “nesta pandemia, os bombeiros foram os primeiros a dizer presente”, pelo que considerou de inteira justiça a homenagem prestada. “Uma sociedade que não agradece aos seus heróis, não é uma sociedade justa”, referiu Ricardo Mendes, considerando que a autarquia e toda a sociedade deve estar grata “ao grande espírito de abnegação e de missão” que os bombeiros têm demonstrado no combate ao novo coronavírus. Na cerimónia foi ainda homenageado o bombeiro Hélder Pereira que, em abril de 2014, sofreu queimaduras graves nas mãos quando combatia um incêndio, e que agora passou ao Quadro de Honra da corporação.


04

CIDADE

opiniãopública: 9 de setembro de 2020

Este ano, o estágio de verão da JOF contou com 67 participantes

Cristina Azevedo tava Tiago Silva, um famalicense natural da freguesia da Carreira, São jovens músicos que estuda- que também iniciou os seus esturam em Famalicão e que agora dos musicais na Artave. “É muito estão espalhados pelo país e pelo bom que Famalicão tenha este mundo a trabalhar ou a tirar a sua tipo de iniciativas de promoção formação superior. Durante a se- cultural”, começa por dizer o mana passada regressaram à sua jovem que classifica o projeto terra para participar na segunda como “inovador em Portugal”. “É edição da Jovem Orquestra de Fa- muito importante apoiar os jovens malicão (JOF), um estágio de que se estão a lançar e a procurar verão promovido pela Câmara Mu- uma carreira, quanto mais oportunicipal e que decorreu na Casa nidades tivermos de mostrar o das Ares, envolvendo 67 jovens nosso trabalho melhor”. conclui. músicos. Ao longo da semana os 67 jo“Decidi aproveitar a pausa de vens ensaiaram, sob orientação verão para juntar-me a antigos co- do maestro José Eduardo Gomes, legas e a outros que conheci o repertório que apresentaram em agora e tocar no meu país, que é três concertos de entrada gratuita, sempre bom”. Foi desta forma que que decorreram no passado fim Alexandra Gouveia, que está a de semana na Casa das Artes e no concluir os estudos superiores em Parque da Devesa. flauta, na cidade de Basileia, na Foi o culminar do estágio que Suíça, depois de ter estudado na o maestro considera “impar” porArtave, em Famalicão, justificou que “é um momento de partilha ao OPINIÃO PÚBLICA a sua partici- muito rico e gratificante”. José pação na JOF. É a segunda vez Eduardo Gomes, que também é que o faz, uma experiência que a natural de Famalicão, elogia ainda jovem, residente em Santo Tirso, a autarquia por promover este diz ser muito gratificante. “É bom projeto. “Por este país fora, há esfazer música com os amigos, tágios organizados por várias esperto da minha cidade”. colas de música, mas por Regressado de Londres, onde municípios não é muito normal”. conclui os estudos em violino, esA meio da semana, o presi-

António Freitas

Jovens músicos regressaram a Famalicão para mostrar talento

Momento dos ensaios que decorreram na Casa das Artes

dente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, passou pela JOF, para saudar os jovens participantes e, ao OP, explicou o que levou a autarquia a desenvolver este projeto. “Primeiro, porque conhecemos a excelência da formação nesta área em Famalicão, com escolas

Bandeira Verde para 48 escolas de Famalicão Quarenta e oito escolas do concelho de Famalicão vão içar este ano a bandeira verde do programa “Eco-Escolas”. Das 53 inscritas, 48 foram premiadas, mais dez do que no ano passado. O Programa Eco-escolas é um projeto educativo internacional promovido pela organização não governamental europeia Fundação para a Educação Ambiental e apoiado pela Comissão Europeia. Em Portugal, é organizado pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE). O programa, destinado preferencialmente às escolas do ensino básico, mas aberto a todos os graus de ensino do pré-escola às universidades, pretende reconhecer e estimular as escolas empenhadas em melhorar o seu desempenho ambiental, gestão do espaço escolar e sensibilização da comunidade. As instituições de ensino de Famalicão premiadas são as seguintes: Centro Escolar Luís de Camões; centros sociais de Bairro, Riba d’Ave e Calendário, Escola Profissional Cior, Didáxis, Engenho, escolas básicas da D. Maria II, escolas básicas de Agra Maior, Boca do Monte, Delães, Estalagem, Joane, Lagoa, Pousada de Saramagos, Ruivães, Vale do Este, Nuno Simões, Bairro, Conde S. Cosme, Antas, Castelões, Lameiras,

Landim, Quintão, Valdossos, Seide S. Miguel, Sapugal, Oliveira de Santa Maria, Carreira, Cabeçudos, Esmeriz, S. Miguel-o-Anjo, Avenida- Riba d’Ave, Louredo, Gondifelos e Pedome. Ainda as EB 2,3 Bernardino Machado (Joane) e Júlio Brandão, as secundárias Camilo Castelo Branco, D. Sancho I e Padre Benjamim Salgado, bem como os jardins de infância da Lage, Bente, Cabeçudos, Esmeriz, Igreja V. S. Cosme e Seide S. Miguel. A entrega das Bandeiras Verdes Eco-Escolas 2020 terá lugar em Lisboa a 30 de outubro.

de muita qualidade que têm formado muitos famalicenses. Mas também porque percebemos que esta orquestra, apesar de jovem, é já muito qualificada”. Este ano, a lotação do grande auditório da Casa das Artes teve que ser reduzida por causa da

pandemia de Covid 19, mas quem conseguiu entrada nos concertos – que registaram casa cheia --pode assistir a um espetáculo muito variado, com o um repertório de Tchaikovsky a Beethoven, passando pela música portuguesa.

Lázaro Ferreira lança livro sobre vítimas de violência doméstica O advogado famalicense Lázaro Dias Ferreira, lança este mês o livro “A (Des)Proteção da Vítima”, baseado em casos reais, de famílias que lhe pediram ajuda para, como advogado, intervir junto dos tribunais e reclamar os direitos das vítimas. Um dos casos ocorreu em novembro de 2008 na cidade da Guarda e dois outros em Sintra, em 2013 e 2014: dois irmãos vítimas e assassinados pelo mesmo agressor. Lázaro Ferreira decidiu avançar para a escrita, depois de ter sofrido um acidente grave e, em janeiro de 2019 ter decidido transferir o seu escritório para Joane, a sua terra natal, “para ter a família de perto”. “Recuperado, decidi dar um novo rumo à minha vida, apesar de ainda estar ligado ao direito e à advocacia, cuja atividade se vai redu-

zindo”, explica o advogado. Surgiu, então, a ideia de escrever e lançar este livro que, segundo o seu autor, conta “o mar encrespado de dificuldades por que passam as vítimas de violência doméstica, como os filhos, os avós, irmãos e outros parentes ligados às vítimas e o complexo impacto global na família e na vida da vítima”.Além daqueles três casos, Lázaro Ferreira foi também desenvolvendo casos da vida real que os jornais diários trazem à estampa. O livro desenvolve uma Leitura simples, escrito em linguagem comum, e, em outros capítulos, é portadora de linguagem mais técnica relacionada aos crimes ligados à violência doméstica. Em breve deverá ser apresentado publicamente na Biblioteca Municipal.

Gerações inicia novo ano com mais uma sala de pré-escolar A Associação Gerações abriu, no passado dia 31 de agosto, todas as suas valências e atividades. Após um ano algo atípico, por imposição da Covid 19, “é com força renovada e uma nova esperança em dias melhores que as crianças, seniores, direção e colaboradoras da instituição vão enfrentar o ano letivo de 2020/ 2021”, refere a Gerações em nota à imprensa. Uma das novidades para este ano letivo é a abertura de

uma nova sala de educação pré-escolar, a terceira, que se vai juntar às duas que já estavam em funcionamento. “Esta é uma prova de confiança dos pais e das famílias no projeto pedagógico da Gerações e nas suas mais-valias educativas”, considera a direção da instituição, salientando a “cooperação estreita” com a Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGESTE) do Porto, que “permitiu que esta alternativa fosse gerada”.

Já o Clube Sénior reabriu na passada segunda-feira, 7 de setembro. Os seniores, vão continuar a acontecer sessões regulares de saúde mental, de fisioterapia, uso de tablet e telemóvel, mandalaterapia, yoga do riso, aromaterapia, educação para a saúde, tardes de jogos de mesa e atividades direcionadas para a saúde mental. Realizar-se-ão também várias atividades no exterior, como passeios e visitas de estudo.


opiniãopública: 9 de setembro de 2020

PUBLICIDADE

05


06

CIDADE

opiniãopública: 9 de setembro de 2020 pub

Projetos-piloto dos cuidadores informais

Jorge Paulo Oliveira volta a pedir explicações sobre exclusão de Famalicão O deputado famalicense do PSD, Jorge Paulo Oliveira voltou a pedir explicações à ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sobre a exclusão de Famalicão dos projetos-piloto dos cuidadores informais. Em junho, Jorge Paulo Oliveira, instou por escrito a ministra a tornar público os critérios que presidiriam à escolha dos municípios que integram a lista dos territórios de implementação dos Projetos-Piloto previstos no Estatuto do Cuidador Informal e que deixou de fora Famalicão. A ministra Ana Mendes Godinho estava legalmente obrigada a responder no prazo máximo de 30 dias, mas “não o fez dentro do prazo, não o fez fora do prazo, não solicitou prazo adicional, nem justificou a ausência de resposta”, refere o deputado à Assembleia da República, acrescentando que “ao fim de todo este tempo, não sabemos se o silêncio do Governo reside na falta de critérios para as escolhas que fez ou, simplesmente, na

sua indisponibilidade para os explicar”. Para o parlamentar, “qualquer uma das hipóteses é censurável” porque o Governo “tem de ser criterioso e deve sempre explicações aos eleitores das decisões que toma”. Recorde-se que o Governo selecionou 30 municípios para o desenvolvimento daqueles projetos-piloto, mas Famalicão ficou de fora, apesar de, no inicio do ano, ter visto nascer o “Cuidar Maior”, um projeto inovador e pioneiro no domínio dos cuidadores

informais, que está a ser desenvolvido pelo Centro Social e Paroquial de Requião, a Didáxis e a Junta de Freguesia de Requião, uma decisão que o deputado famalicense considerou “estranha” e que motivou a apresentação de um pedido de esclarecimentos, que acabou por não ter resposta. Entretanto, Jorge Paulo Oliveira renovou o pedido de explicações junto da tutela, porque “o assunto não pode cair no esquecimento e os famalicenses têm o direto de saber porque razão o seu município foi excluído”.

Rede Ciclável: PS congratula-se com a obra, mas questiona “timing” O Partido Socialista (PS) de Famalicão congratula-se com o arranque da construção da rede pedonal e ciclável na cidade, mas considera a decisão tardia e questiona o “timing” escolhido pela Câmara Municipal para a execução da obra. Em nota à imprensa, o PS alerta que “qualquer obra, a não ser decorrente de uma situação de forte emergência, exige um planeamento atempado e eficaz que vá ao encontro do interesse de toda a comunidade e minimize os impactes negativos que origina, pelo que é difícil entender o início das obras, na envolvente da zona escolar, no início do ano letivo e por um período previsível de quatro meses”. Nesse sentido, os socialistas dizem aguardar “que a Câmara Municipal acautele e salvaguarde as melhores condições de circulação e segurança de todos os utentes das vias que vão ser intervencionadas”.

CDS-PP preocupado com número crescente de casos de Covid-19 A Concelhia de Famalicão do CDS-PP diz-se preocupada com o “escalar do número de novos casos” de infetados com Covid19, aos longo das últimas semanas. “Um indicador que nos faz redobrar o alerta, tendo ainda em conta que nos próximos dias vamos ter o regresso de milhares de alunos às escolas”, afirma em comunicado. Para os centristas, este é o momento “para repetir conselhos e recomendações, fundamentais para a adoção de comportamen-

tos que permitam minorar o risco de contágio”. “Os dados dos últimos dias demonstram que a propagação do vírus voltou a acelerar e que se exige de cada um de nós responsabilidade”, alertam. O CDS acredita que o Município de Famalicão “continua a trabalhar e a acompanhar em permanência a situação no concelho e que estará ao lado dos agrupamentos de escolas em tudo que seja necessário para que o retomar da atividade letiva”, mas alerta alunos e pais

para que “sejam rigorosos e exigentes”. Os centristas dizem ainda que têm registado alguns constrangimentos em serviços como as conservatórias, repartições de finanças e outros prestadores de serviço do Estado e apela ao Governo e à Administração Pública para darem o exemplo, “aprimorando a prestação de serviços e plataformas de ligação com os cidadãos, de forma a que os processos possam continuar a correr e a permitir serviços essenciais”.


opiniãopública: 9 de setembro de 2020

CIDADE

07

Programação para o último trimestre do ano já está delineada

Casa das Artes propõe música, teatro e bailado para fechar 2020 A Casa das Artes de Famalicão já preparou a sua programação para o último trimestre de 2020, que não esquece o momento atual que vivemos provocado pela pandemia de Covid 19. “Outubro, novembro e dezembro são meses decisivos para a construção da vida de todos os cidadãos e a Casa das Artes quer ver neles entalhada a sua missão cultural,”, refere a casa de espetáculos famalicense, em nota à imprensa. Outubro arranca com a celebração do Dia Mundial da Música, com “Borealis Ensemble: Este Som de o Mar Praiar”, um projeto musical que junta Sara Braga Simões (soprano), António Carrilho (flautas de bisel), Catherine Strynckx (violoncelo) e Helena Marinho (piano). Ainda em outubro, em coprodução com o Teatro Nacional D. Maria II, o Município de Loulé e a Casa das Artes, sobe ao palco o espetáculo “Seis Meses Depois”, que assinala os 25 anos da conceituada companhia de bailado Olga Roriz, sendo Famalicão o local mais a norte do país a receber esta produção. Outro destaque é o ciclo teatral “Poética da Palavra”, com cinco espetáculos a ocorrerem em outubro e novembro, dos quais quatro são co-

produções e dois em estreia. Esta terceira edição abre com “O Amante” de Harold Pinter, com interpretação de Custódia Gallego e Virgílio Castelo, numa encenação de Albano Jerónimo e Cláudia Lucas Chéu, a 9 de outubro. Depois, a 30 e 31 de outubro chega “Vânia”, com texto e encenação de Luís Mestre. Para novembro estão agendadas as peças “Para Atravessar Contigo o Deserto do Mundo”, uma criação dos interpretes Lúcia Moniz e Pedro Lamares, (dia 7); “Airbnb e Nuvens”, uma radionovela com texto de Luísa Costa Gomes (dia 14); e “Wake Up”, a partir de “Wake Up And Smell The Coffee” de Eric Bogosian, uma cocriação de António Afonso Parra & Luís Araújo (dia 14). Na área do cinema, entre 10 e 17 de outubro vai decorrer o Close-Up: Observatório de Cinema de Famalicão. Esta quinta edição projeta-se orientada pelas relações do Cinema com a Cidade, no habitual encontro entre ficção e documentário, produção contemporânea e história do cinema. Um dos destaques do programa são os filmes-concerto, que abrem e encerram a programação. O primeiro traz o rock corpulento dos Black Bombaim e a eletrónica de Luís Fer-

nandes, na apresentação de uma banda sonora original e em estreia para “A Idade de Ouro”, o manifesto surrealista de Buñuel. A fechar será a voz de Cristina Branco e as novas formas do fado que sublimarão o encontro dos amantes em “The River”, pub

de Frank Borzage. Já a música tem como destaques o concerto de Tainá, uma descendente de indígenas brasileiros não foge das suas realidades, que atua a 6 de novembro. Do Brasil chega também Adriana

Calcanhoto que traz “Margem” à Casa das Artes, o disco que fecha a trilogia marítima iniciada com “Maritmo” (1998) e “Maré” (2008). Um concerto marcado para 22 de novembro. A 26, 27 e 28 de novembro, estreia “Próspero”, um espetáculo de teatro, com tradução, dramaturgia e encenação de Pedro Galiza e interpretação de Jorge Pinto, que emerge a partir de “A Tempestade” de William Shakespeare, numa coprodução Ensemble/Casa das Artes. No último mês deste ano, a Casa das Artes propõe, a 4 de dezembro, “Pinóquio”, uma encenação de Xico Alves que nos traz esta história familiar de esperança, através dos olhos juvenis do protagonista que dá o nome ao espetáculo. A 5 de dezembro, a vez à música com a recolocação do espetáculo “Radio Gemini: Closer”, com David Fonseca, acompanhado por Paulo Pereira. O ano encerra com “O Primo Basílio”, bailado em II atos a partir da obra homónima de Eça de Queirós, pela primeira vez desenhada em dança e sustentada pela música de compositores portugueses, pela Dança em Diálogos. Para ver a 12 de dezembro. pub


08

FREGUESIAS

opiniãopública: 9 de setembro de 2020 pub

Crime aconteceu em Fradelos no passado mês de março

Homem que matou a mulher acusado de homicídio qualificado O Ministério Público (MP) formalizou acusação pelo crime de homicídio qualificado contra um homem que matou a mulher, no passado dia 23 de março na freguesia de Fradelos, em Famalicão, informou esta segunda-feira a Procuradoria do Porto. Na acusação o MP diz que o homem, de 44 anos, atualmente me prisão preventiva, falhou uma primeira tentativa de matar a mulher, na casa do casal, em Ribeirão, mas consumou a segunda tentativa, em 23 de março, em Fradelos. "Dando curso ao plano que elaborara" o arguido começou por pedir à vítima que arrumasse a mala do carro, pretensamente para depois aí acondicionarem as compras que iam fazer”, diz a acusação. E prossegue: "Quando a mesma se encontrava nesta tarefa, acercou-se dela pelas costas, lançou-lhe um garrote ao pescoço e apertou" até a mesma desfalecer. "Crendo morta a sua mulher, o

arguido meteu-a na mala do carro e dirigiu-se para uma outra casa de residência de que tinha disponibilidade [em Fradelos], a fim de se livrar do corpo", acrescenta o despacho divulgado na página eletrónica da Procuradoria-Geral Distrital Regional (PGDR)do Porto. Mas, "ao retirar o corpo da mala do carro caiu o garrote que se encontrava à volta do pescoço da vítima e esta, que estava apenas inanimada, recobrou os sentidos e iniciou a gritar, pelo que o arguido a asfixiou tapando-lhe a

boca e o nariz, matando-a", conclui o MP. Refira-se que a vítima, Carla Barbosa, de 35 anos, terá pedido o divórcio uma semana antes de ter sido assassinada pelo marido, que não terá aceitado a decisão. No dia do crime, quando a GNR chegou ao local, depois de alertada por vizinhos, encontrou a vítima já sem vida e o suspeito, que se preparava para fugir, foi detido de imediato e entregue à Polícia Judiciária (PJ). Enfrenta agora acusação por homicídio qualificado.

Policia Judiciária investiga incêndio que feriu mãe e filho pub

PRECISA-SE

pub

Empresa do sector alimentar de ultra congelados, em V. N. de Famalicão, recruta

Cães atirados ao rio regatados pelos bombeiros de Riba d’Ave

Op. Fabril para 2º e 3º turno

Preferência por residentes no concelho de Famalicão

Inscrição por telefone: 252331750

TRESPASSA-SE CAFÉ PASTELARIA BOM PREÇO. LOJA COM 186m2 Em Gavião, Famalicão

Contacto: 926 867 245

pub

SENHORA

FAZ ACOMPANHAMENTO DE IDOSOS AO DOMICILIO. DIA OU NOITE

(com transporte próprio e experiência)

Contacto: 910 126 365

A Polícia Judiciária de Braga está a investigar o incêndio que feriu, no passado sábado, com gravidade, um jovem de 21 anos e a mãe, na freguesia de Arnoso de Santa Eulália. O fogo, que deflagrou por volta das 18 horas, deixou a habitação destruída e o jovem com 70% do corpo queimado. A mãe, de 47 anos, sofreu queimaduras nas mãos e na zona da cabeça. Devido à gravidade dos ferimentos, e até ao fecho desta edição, o jovem acabou por ser transportado para o Hospital de Coimbra com 95% do corpo queimado, e em estado grave. Já a mãe, permanece no Hospital de São João no Porto. A GNR de Famalicão esteve no local, mas a PJ de Braga está a investigar as circunstâncias em que ocorreu o incêndio.

pub

Dois cães bebés foram, resgatados no rio Ave após uma aparente tentativa de afogamento, pelos Bombeiros Voluntários (BV)de Riba de Ave, na quarta-feira da semana passada. Depois de atirados à agua, os dois pequenos animais, encontraram terra firme numa margem do rio que, coberta de mato e rodeada pelo caudal, dificultou e prolongou a tentativa de salvamento durante horas. Pacientemente, os BV de Riba de Ave esperaram que o caudal do rio baixasse para que se pudessem socorrer os animais, algo que só aconteceu cerca das 19h45. Ambos cães foram adotados por novas famílias que contribuíram para o "final feliz" desta história.


opiniãopública: 9 de setembro de 2020

FREGUESIAS

09

Casos de Covid 19 foram detetados a semana passada

Surto no lar de S. Cosme infeta 26 utentes e 17 funcionários Cristina Azevedo O lar do Centro Social Paroquial e Vale S. Cosme detetou, no final da semana passada, um surto de Covid-19, com um total de 43 infetados (26 utentes e 17 funcionários), todos em situação estável e a recuperar da doença. Na sextafeira, apenas um utente estava internado no Hospital de Famalicão, sendo que os restantes permanecem no lar, que criou uma zona separada para os que testaram negativo. “Num universo de 32 profissionais, temos 17 positivos e de 30 idosos, testaram positivo 26”, adiantou ao OPINIÃO PÚBLICA a diretora do lar, Isabel Jardim. Na quinta-feira, dois utentes foram encaminhados ao Serviço de Urgência do Hospital de Famalicão por agravamento do quadro clínico, sendo que um, uma mulher, teve alta durante a noite e regressou à instituição e o outro “continuou em observação, mas estável”. “Todos os outros utentes estão a fazer a vida normal, fazem as refeições no refeitório, vão para as salas de estar. Isto porque o lar ficou como a zona para os infetados, enquanto os que testaram negativo ocupam agora a área que estava destinada ao centro de dia, que não chegou a abrir”, explica a diretora.

Isabel Jardim garantia também que, ao nível dos recursos humanos, a instituição estava a conseguir manter as equipas e que a assistência aos idosos estava “plenamente assegurada”. Segundo adiantou a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, a situação foi detetada a 31 de agosto (segunda-feira da semana passada), quando um utente testou positivo para o SARS-CoV-2. Esse idoso, segundo a diretora do lar, tinha sido encaminhado para o hospital por outros motivos de saúde, acabando por falecer. Realizado o teste ao novo coronavírus verificou-se que estava infetado. Os utentes estão estáveis e permanecem na instituição A partir daí, foi dado início aos procedimentos inerentes à inter- epidemiológica, com a identifica- ção das medidas de saúde públi- SARS-CoV-2 a todos os utentes e venção de saúde pública, nomea- ção dos contactos, a avaliação do cas necessárias. “Foi realizado profissionais, tendo sido identifidamente a investigação risco da exposição e a determina- teste para deteção de infeção por cados 43 casos positivos”, acrescenta a ARS Norte. Entretanto, a creche da instituição, que funciona no mesmo local, embora num edifício autónomo, foi fechada, apesar de todos os funcionários desta valência terem sido rastreados e testado negativo. “Neste momento, as crianças estão em casa e não há ainda data O concelho de Famalicão registou na última se- distrito com maior número de novas infeções na para a reabertura”, afirma Isabel mana (31 de agosto a 6 setembro) 79 novos casos última semana, só superado pelo concelho de jardim. de infeção por Covid 19, segundo o boletim desta Guimarães (com mais 108 casos) De referir ainda que o padre segunda-feira da Direção Geral da Saúde (DGS). É Desde o início da pandemia, o concelho famaFaria, presidente do Centro Social uma das semanas com maior número de casos no license já registou um total de 629 infetados. É o e pároco de Vale S. Cosme, tamconcelho desde que começou a pandemia. terceiro do distrito com mais casos, ultrapassado bém realizou o teste à Covid 19, Famalicão foi também o segundo concelho do apenas por Braga (1414) e Guimarães (933). que deu negativo.

Famalicão com mais 79 casos na última semana

Câmara Municipal já abriu o concurso público

Obras da nova “Casa de Delães” vão avançar Carla Alexandra Soares Está para breve o arranque das obras de construção da nova Casa de Delães. Na última reunião de Câmara, que aconteceu na quinta-feira da semana passada, o executivo municipal de Famalicão aprovou a abertura do concurso público para a realização da empreitada, que vai dar uma nova vida ao edifício do antigo Centro de Saúde da freguesia. A obra de reabilitação do espaço, que se encontra inutilizado há vários anos, foi lançada com um prazo de execução de 210 dias e um preço base de quase 600 mil euros, o maior investimento municipal de sempre realizado na freguesia. Segundo o projeto, apresentado publicamente em maio do ano passado, a nova Casa de Delães vai servir e acolher a comunidade e as suas diversas valências, numa resposta à dinâmica cultural, associativa e social da freguesia. O emblemático edifício que está localizado na área central da freguesia será alvo de uma remodelação profunda, através de obras de adaptação e ampliação, preparando-se para acolher a Junta de Freguesia, o posto CTT, um auditório com

Câmara Municipal de voltar a colocar o edifício ao serviço da comunidade. No final da reunião de Câmara, aos jornalistas, o edil mostrou-se satisfeito com o arranque da obra e enalteceu a importância do equipamento para a comunidade. “Estivemos muitos anos à espera que o Estado transferisse a propriedade do edifício para a Câmara Municipal para que pudéssemos fazer esta intervenção. A cultura tem um papel muito importante no fortalecimento das nossas raízes e da nossa identidade e queremos que também Delães possa dar um contributo nesse sentido para o concelho”, afirmou. Refira-se que o edifício foi entregue ao município pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, em contrapartida pela cedência do terreno e infraestruturas necessárias para a construção da nova unidade de saúde de Delães, por parte da Câmara Municipal. A autarquia deu total cumprimento a todos os compromissos contratualmente assumidos – Edifício fica numa zona central da freguesia o novo Centro de Saúde de Delães viria a 268 lugares e espaços para as associaPara Paulo Cunha, o lançamento da ser inaugurado em 2007 -, mas só em ções e movimentos coletivos da fregue- obra representa “um passo muito rele- agosto de 2017 viu ser formalizada a consia. vante” na concretização da ambição da trapartida assumida pela ARS Norte.


10

FREGUESIAS

opiniãopública: 9 de setembro de 2020 pub

Nova frente de obra vai servir quase quatro mil habitantes ao longo de cerca de 42 quilómetros de rede

Câmara de Famalicão avança com novas obras de saneamento

A Câmara de Famalicão aprovou, na passada quinta-feira, a realização de novas obras para a ampliação da rede de saneamento básico que vão abranger as uniões de freguesias de Vale S. Cosme, Telhado e Portela; Mouquim, Lemenhe e Jesufrei; Gondifelos, Cavalões e Outiz e ainda a freguesia do Louro. As intervenções aprovadas na reunião de Câmara integram o pacote de investimento de quase três milhões de euros anunciado pela autarquia no final de julho para as zonas de Vale do Este, Vale do Pelhe, Vale do Ave e Vale do Pele. Agora, avançam no Vale do Pelhe as obras na União de Freguesias de Vale S. Cosme, Telhado e Portela, numa extensão de 7,2 quilómetros e a construção de 115 ramais domiciliários, num investimento de cerca de 524 mil euros. Avançam também as obras no Vale do Este, nas Uniões de Fregue-

sias de Mouquim, Lemenhe e Jesufrei e de Gondifelos, Cavalões e Outiz e na freguesia do Louro, numa extensão de 8 quilómetros e a construção de 240 ramais domiciliários, num investimento de cerca de 576 mil euros. Tal como sublinhou o edil famalicense, no final da reunião de quinta-feira, aos jornalistas, estão em causa as condições de salubridade pública do concelho. “Sabemos o quanto estas redes são importantes para que isso suceda”, admitiu Paulo Cunha que quer, agora, priorizar as freguesias que no passado não foram intervencionadas. “Estamos agora a chegar lá. Não são as últimas iniciativas porque esta é uma atividade constante do município, ou seja, ano após ano melhorar essas condições”. Para o presidente da Câmara trata-se também duma questão ambiental, que quer ver resolvida.

“Enquanto não tratarmos as nossas águas residuais também não estamos a proteger da forma devida o nosso ambiente. Hoje demos mais um passo para que a proteção ambiental saia mais favorecida”. Recorde-se que no âmbito desta nova fase de intervenções, já foram abrangidas as freguesias de Fradelos e Vilarinho das Cambas, com a construção de 185 ramais domiciliários, e a União das Freguesias de Arnoso Santa Maria e Arnoso Santa Eulália e a freguesia de Nine, com a construção de 224 ramais domiciliários. No total, esta nova frente de obra vai servir quase quatro mil habitantes ao longo de cerca de 42 quilómetros de rede. Segundo a autarquia, a cobertura da rede de saneamento no concelho irá passar de 83,4% para 88,7%. C.A.S.

Dádiva de Sangue em Ribeirão A SAMPULAU, Lda ESTÁ A RECRUTAR

pub

No próximo domingo, dia 13, a Associação de Dadores de Sangue de Famalicão promove uma “Colheita de Sangue” na Junta de Freguesia de Ribeirão, com o apoio da Cruz Vermelha, Associação Adoptar e Agrupamento de Escuteiros. A “colheita” é aberta à população e será realizada entre as 9h00 e as 12h30 pelo Instituto Português do Sangue e do Transplantação.

Oficiais de trolhas de 1ª e 2ª - Serventes

Requisitos: - Disponibilidade imediata; - Experiência na área da construção civil (obrigatório); - Elevado sentido de responsabilidade e organização; - Dinâmico e pró-activo; - Assiduidade e pontualidade; - Carta de condução; - Residente em Vila Nova de Famalicão ou área circundante; Oferecemos: -Transporte da empresa, a partir das nossas instalações; -Vencimento de acordo com as capacidades e conhecimentos demonstrados; -Subsidio de alimentação; -Formação na área de trabalho a executar;

Contatos: 917 770 182 / 917 776 977 - E-mail: geral@sampulau.com

Famalicão

Barbosa: Rua Santo António, Tel. 252 302 120 Calendário: Rua da Liberdade, Tel. 252 378 400/1 Cameira: C. Mouzinho Albuquerque, Tel. 252 323 819 Central: Praça D. Maria II, Tel. 252 323 214 Nogueira: Av. Marechal H. Delgado, Tel. 252 310 607 Valongo: Rua Adriano Pinto Basto, Tel. 252 323 294 Gavião - Av. Eng. Pinheiro Braga, 72 - Telef. 252 317 301 Marinho: Edif. S. José - Estalagem - Telf. 252 921 182 Martins Ventura: R. C. Cerejeira - Lousado - Telf. 252 493 142 Estação: Largo da Estação - Nine - Telf. 252 961 118 Ribeirão: Rua Quinta Igreja 9 - Ribeirão - Telf. 252 416 482 Joane: Rua S. Bento, nº 217 - Telf. 252 996 300 Landim: Estrada Nacional 204/5, nº 693 - 252321765

Famalicão Quarta, 9

Serviço Nogueira/Ribeirão

Quinta, 10

Valongo

Sexta, 11

Barbosa

Sábado, 12

Cameira

Domingo, 13

Central

Segunda, 14

Calendário/Ribeirão

Terça, 15

Nogueira

Vale do Ave

Almeida e Sousa: Covas - Oliv. Stª Maria - Telf. 252 931 365 Bairro: Av. Silva Pereira, Telf. 252 932 678 Delães: Portela - Delães - Telf. 252 931 216 Riba de Ave: Av. Narciso Ferreira, Telf. 252 982 124

Vale do Ave

Serviço

Quarta, 9 Quinta, 10 Sexta, 11 Sábado, 12 Domingo, 13 Segunda, 14 Terça, 15

Riba de Ave Almeida e Sousa Bairro Delães Riba de Ave

Serviço de disponibilidade

Paula Reis: R. José Elisio Gonçalves Cerejeira, nº 629 Calendário - Tel. 252 378 057 Maceiras: Louro - Telf. 252 310 425 Marques: Largo da Igreja - Fradelos - Telf. 252 458 440 Oliveira Monteiro: Largo Igreja - Cabeçudos - Telf. 252 331 885 Pedome: Av. S. Pedro, 1139 - Pedome - Telf. 252 900 930 Pratinha: Largo do Cruzeiro - Cavalões - Telf. 252 375 423 S. Cosme: Vale S. Cosme - Telf. 252 911 123 Arnoso: Av. Joaq. Azevedo - Arnoso Sta. Maria - Telf. 252 916 612


opiniãopública: 9 de setembro de 2020

Reabilitação da Junta de Mogege concluída Estão concluídas as obras de reabilitação do edifício da Junta de Freguesia de Mogege. A intervenção contou com um apoio municipal de 41 mil euros e mereceu a atenção do presidente da Câmara de Famalicão na visita que efetuou à freguesia, na passada quinta-feira. Paulo Cunha viu “in loco” as melhorias que resultaram da reabilitação efetuada no edifício, que para além de ser sede da Junta é também a casa da Associação Nascer do Sol. “São obras importantes que vieram dar melhores condições a todos aqueles que diariamente trabalham e precisam de se deslocar à sede da Junta, mas que também resolveram alguns problemas de infiltrações que já começavam a afetar o piso onde está instalada a Associação Nascer do Sol”, explicou o edil. A requalificação da rede viária foi outro ponto da visita. Paulo Cunha. passou pelas já intervencionadas Rua do Regedor, Rua Boca do Monte e Rua Penedo da Moura, mas também pela Rua das Fontainhas, que liga Mogege à freguesia de Castelões, e cuja requalificação deverá arrancar em breve, num investimento total de cerca de 80 mil euros (30 mil na parte de Castelões e 50 mil na parte de Mogege). O autarca famalicense visitou também a sede do Agrupamento de Escuteiros, no antigo edifício da Pré-Primária de Mogege, e o novo Parque Infantil de Pitelas, que contou com um apoio municipal de 15 mil euros e que por força das atuais circunstâncias relacionadas com a Covid-19 ainda não foi colocado à disposição da comunidade. O périplo por Mogege contou com as presenças do vereador das freguesias, Mário Passos, e do presidente da Junta, José Carlos Lima. O autarca de freguesia apontou a construção da Casa Mortuária como uma das intervenções prioritárias para os próximos tempos em Mogege, ficando com a garantia de que o assunto será estudado pelo executivo municipal.

O edil Paulo Cunha visitou o novo espaço

ACIP promove certificação profissional de pessoas com deficiência A Cooperativa de Intervenção Psicossocial -- ACIP recebeu dez novos formandos para o curso de Serviços Gerais que concede certificação profissional a pessoas com deficiência e incapacidade, informou a instituição em nota á imprensa. As aulas estão a decorrer no Centro de Capacitação e Formação, em Brufe, onde os responsáveis tiveram de garantir a segurança de todos os utentes face à pandemia. Uma série de procedimentos de segurança foram implementados de forma a respeitar todas as normas e orientações da DGS. Disponibilização de álcool gel, limpeza e desinfeção de espaços a cada utilização e distanciamento são algumas das regras mantidas ao longo da duração do curso.

FREGUESIAS

11

Incêndio destrói floresta em Vilarinho e causa um ferido Um incêndio destruiu, na passada segunda-feira, uma área considerável de floresta e mato na freguesia de Vilarinho das Cambas. As chamas rondaram a empresa de tratamento de resíduos ValorRib, já na freguesia de Fradelos, mas a intervenção dos bombeiros impediu que as chamas chegassem à unidade industrial. Entretanto, um jovem sofreu ferimentos graves, após a mota em que seguia se ter despistado quando fugia deste incêndio. Fonte dos Bombeiros Voluntários (BV) de Famalicão, que comandaram as operações, disse ao OPINIÃO PÚBLICA que a vítima se encontrava

com a sua mota numa zona muito próxima do incêndio, a observar as chamas, e terá iniciado uma fuga em pânico quando se viu ameaçado pelo fogo, o que fez com que embatesse contra um pinheiro, deixando-o ferido com gravidade e numa zona de acesso difícil. Os bombeiros de Barcelinhos foram os primeiros a chegar à vitima alertando os Bombeiros de Famalicão que, de imediato, destacaram uma ambulância para o local e transportaram a vítima para o Hospital de Braga. Quanto ao incêndio, o alerta foi dado às 16h39 e ao final da tarde já estava controlado. Sérgio Gomes,

comandante do BV Famalicão, referiu a intensidade do vento “que tornou a propagação das chamas rápida” como uma das principais dificuldades do combate. “Inicialmente, houve também alguma dificuldade de posicionamento de meios devido aos acessos”, acrescentou. Com a ajuda de um meio aéreo, poucas horas depois o fogo estava dominado, embora o rescaldo se prolongasse pela noite. No local estiveram um total de 23 meios e 74 operacionais, entre bombeiros de várias corporações, GIP’s da GNR e elementos da Proteção Civil Municipal. pub


12

PUBLICIDADE

opiniãopública: 9 de setembro de 2020

Falecimentos José Alberto Barbosa Forte, no dia 6 de setembro, com 80 anos, casado com Lucinda Ramos da Costa, de Arnoso Santa Eulália.

Deolinda Lopes da Silva Torres Martins, no dia 3 de setembro, com 51 anos, casada com José Carvalho Martins, da Lama (Santo Tirso).

Maria da Conceição Fernandes, no dia 6 de setembro, com 69 anos, viúva de Manuel da Costa Vieira, de Ruílhe (Braga).

António Gonçalves Ferreira, no dia 4 de setembro, com 72 anos, casado com Maria Josefa Oliveira Lopes Ferreira, de Bairro.

Agência Funerária Arnoso - José Daniel Pereira Arnoso Santa Eulália - Telf. 91 724 67 030

Bonifácio Machado, no dia 2 de setembro, com 97 anos, viúvo de Carolina da Cunha, de Moreira de Cónegos (Guimarães).

Agência Funerária de Burgães Sede.: Burgães / Filial.: Delães Telf. 252 852 325

Paulo Sérgio Ribeiro Lagoa, no dia 31 de agosto, com 41 anos, casado com Carla Filipa Marques do Couto, de Lordelo (Guimarães).

Laurinda de Oliveira, no dia 4 de setembro, com 87 anos, viúva de Armindo Gomes, de Moreira de Cónegos (Guimarães).

Francisco Alves e Sá, no dia 1 de setembro, com 95 anos, viúvo de Odete Alves de Carvalho, do Louro.

Casimiro de Almeida, no dia 4 de setembro, com 86 anos, casado com Joana Saldanha do Couto, de Oliveira S. Mateus.

Manuel Mendes da Silva Pimenta, no dia 2 de setembro, com 65 anos, casado com Rosa Machado Monteiro da Silva, de Ruivães.

Agência Funerária Carneiro & Gomes Oliveira S. Mateus – Telm. 91 755 32 05

Maria de Oliveira Carvalho, no dia 5 de setembro, com 93 anos, viúva de Avelino da Silva Ferreira, de Calendário. Agência Funerária Rodrigo Silva, Lda Vila Nova de Famalicão – Tel.: 252 323 176

Teresa Campos Barbosa, no dia 2 de setembro, com 83 anos, casado com Júlio da Cruz Barbosa e Silva, de S. Tiago de Bougado (Trofa). Agência Funerária Trofense, Lda (S. Martinho de Bougado) Trofa – Tel.: 252 412 727

Fernando António Santos Silva, no dia 4 de setembro, com 46 anos, casado com Maria Inês Silva Mendes, de Lousado. Funerária Ribeirense Paiva & Irmão Lda Ribeirão – Telf. 252 491 433

José Maria Alves Pereira, no dia 4 de setembro, com 68 anos, casado com Emília Isabel Meira Alves Torres, de Vilarinho (Santo Tirso). Maria de Lurdes Ferreira Abreu, no dia 24 de agosto, com 87 anos, viúva de António Pinto, de Bairro. Toni Dinis da Cunha Rodrigues, no dia 24 de agosto, com 48 anos, casado com Fátima do Carmo da Cunha Almeida, de S. Martinho do Campo (Santo Tirso). Agência Funerária Riba D’Ave Riba D’Ave – 917 586 874

José Pinto Marinho, no dia 3 de setembro, com 71 anos, casado com Maria Goreti Sá Oliveira, de Vale S. Cosme. Agência Funerária da Portela Portela (Santa Marinha)– Tel.: 252 911 495

Fernando Moreira da Costa, no dia 2 de setembro, com 80 anos, casado com Deolinda Nogueira da Silva, da Carreira. Gabriel da Costa Roriz, no dia 3 de setembro, com 55 anos, solteiro, de Carreira. Joaquim da Silva Moreira, no dia 4 de setembro, com 81 anos, casado com Helena Couto Azevedo, de Mouquim. Maria da Glória Pereira da Silva, no dia 5 de setembro, com 88 anos, viúva de Francisco da Silva Paixão, de Vila Nova de Famalicão. Maria Isabel de Jesus Reis, no dia 6 de setembro, com 89 anos, viúva de António da Silva Carriço, de Areias (Santo Tirso). Helena Maria Pinheiro Gaspar, no dia 6 de setembro, com 58 anos, de Rio Tinto (Gondomar). Agência Funerária da Lagoa Lagoa – Telf. 252 321 594

Madalena Barbosa de Oliveira, no dia 31 de agosto, com 80 anos, viúva de Narciso Machado Gonçalves, de Gondar (Guimarães). Balbina Duarte Peixoto, no dia 1 de setembro, com 79 anos, viúva de António Costa Cardoso, de Oliveira Santa Maria. Agência Funerária S. Jorge Pevidém– Tel.: 253 533 396

Joaquim de Oliveira Martins, no dia 7 de setembro, com 87 anos, casado com Paula Cristina da Cruz Azevedo, de Ruivães. Manuel António da Costa Matos, no dia 7 de setembro, com 58 anos, divorciado, de Calendário. Agência Funerária do Calendário Calendário – Tel.: 252 377 207

Maria das Dores Ribeiro Dinis Pinheiro, no dia 1 de setembro, com 83 anos, solteira, de Cavalões. José Luís Gonçalves Mano, no dia 4 de setembro, com 82 anos, casado com Maria Gomes da Silva, de Gondifelos. Agência Funerária Palhares Balazar– Tel.: 252 951 147


opiniãopública: 9 de setembro de 2020

A formação famalicense desperdiçou dois livres diretos nos últimos cinco minutos

FAC entra a perder no acesso à I Divisão

DESPORTO

13

Daniel Morer reforça FC Famalicão

Pedro Sousa Começou da pior forma o trajeto do Famalicense Atlético Clube (FAC) na fase preliminar de acesso à 1ª divisão nacional de hóquei em patins. Os comandados de Vítor Silva deslocaramse ao terreno Hóquei Clube (HC) Os Tigres e perderam por 5-4, no passado sábado, em partida da primeira jornada. Depois do Campeonato Nacional da II Divisão ter sido suspenso devido à pandemia de Covid-19, a Federação Portuguesa de Patinagem decidiu criar uma “liguilha” de acesso à I Divisão Nacional. Nesta fase encontramse as equipas que ocupavam as seis primeiras posições na altura da interrupção do campeonato. O calendário ditou um confronto, na primeira ronda, entre HC Os Tigres e FAC. A formação famalicense começou melhor e logo nos primeiros minutos inaugurou o marcador. Pedro Silva balançou as redes adversárias pela primeira vez. Na resposta, a equipa de Almeirim igualou a partida graças a um golo de Hernâni Domingos. Os homens de Vítor Silva ripostaram e Juan López colocou novamente o FAC na liderança do marcador. Já nos últimos 10 minutos do primeiro

tempo, Pedro Mendes adiantou os famalicenses, fazendo o terceiro tento dos visitantes. A jogar com menos um jogador – Nuno Silva recebeu cartão azul -, o FAC viu o HC Os Tigres reduzir o placard antes do intervalo. Na segunda metade, os golos ficaram reservados para os últimos dez minutos do encontro. E foi a formação da casa a marcar outra vez. Miguel Feio fez o empate e lançou a equipa de Almeirim. Já na reta final da partida, o HC Os Tigres adiantaram-se no marcador, graças a um golo de David Diogo. Os últimos cinco minutos foram intensos, com o FAC a chegar ao empate, através de um tento de Pedro

Mendes, bisando no encontro. Na resposta, a formação de Almeirim conseguiu passar, novamente, para a frente do resultado. Diogo Alves fez o quinto golo dos homens da casa e fechou o resultado. O FAC ainda teve duas grandes oportunidades para empatar a partida e até passar para a frente do marcador. Contudo, a formação famalicense desperdiçou dois livres diretos e saiu derrotada da primeira jornada. O próximo jogo do FAC é frente ao Parede FC, esta quarta-feira, às 20h30, no pavilhão Municipal de Famalicão. Pode acompanhar a transmissão da partida, em direto, nas plataformas da FamaTV.

FAC vice-campeão nacional em equipas mistas de badminton A equipa de badminton do Famalicense Atlético Clube (FAC) sagrou-se, no último fim de semana, vice-campeã da 1ª divisão na Taça Henrique Pinto, promovida pela Liga de Clubes. Na derradeira jornada, o FAC conseguiu qualificar-se para as meias finais da prova, após ter vencido o Clube Sports Madeira, por 3-2. Já nas semifinais, a formação famalicense derrotou o Clube Desportivo e Recreativo dos Prazeres, por 3-1, garantindo a presença histórica na final da Liga de Clubes. Na partida decisiva, o FAC perdeu diante do Clube Sports Madeira, terminando o campeonato na segunda posição. A equipa famalicense constituída por Adriana Gonçalves, Beatriz Campos, Catarina Martins, Joana Oliveira, Paulo Silva, Simão Ferreira e Tomás Gomes, e Miguel Pereira e Sónia Gonçalves regressa a casa como um dos destaques desta competição.

A contratação de Daniel Morer pelo FC Famalicão foi confirmada, na passada quinta-feira, pelo site do clube. O agora ex-jogador do Barcelona B, de 22 anos, assina por cinco épocas após ter conquistado Youth League na temporada 2017/2018 e participado em alguns jogos oficiais da equipa principal. O jogador está feliz com a transferência e afirma estar "entusiasmado por iniciar um novo ciclo na carreira. Depois de vários anos no FC Barcelona, chegou a hora de abraçar um desafio novo, num clube que se está a notabilizar pelo facto de praticar um bom futebol e valorizar jovens jogadores”, concluiu.

FC Famalicão vence FC Penafiel e inicia estágio em Santo Tirso O Futebol Clube (FC) de Famalicão derrotou o FC Penafiel, no passado sábado, em mais um jogo particular, em vista ao início da temporada de 2020/2021. O jogo terminou com um triunfo por duas bolas a zero favorável aos famalicenses. Entretanto, o Vila Nova iniciou um estágio esta segunda-feira, que será dividido entre Vila Nova de Famalicão e Santo Tirso e terminará na próxima sexta-feira. Na cidade famalicense estão a ser realizados os treinos e o descanso numa unidade hoteleira em Santo Tirso. A equipa de João Pedro Sousa tem o primeiro jogo oficial agendado para o próximo dia 18, às 19h, no Estádio Municipal, diante do SL Benfica. pub


14

DESPORTO

opiniãopública: 9 de setembro de 2020

Mafalda Guedes sagra-se campeã nacional de pares

O Campeonato Nacional Sub-16 de ténis, que teve lugar na última semana, no Complexo Desportivo do Jamor, viu a tenista famalicense Mafalda Guedes sagrar-se campeã nacional de pares, em duas categorias, diferentes e arrecadar o título de vice-campeã nacional nas provas singulares. Mafalda Guedes, da Escola de Ténis da Maia, teve como parceiros Matilde Morais do CAD, em pares femininos, e Tiago Silva, também da Escola Ténis da Maia, na classe de pares mistos. Mafalda prepara agora a participação em vários torneios internacionais, começando esta semana com a participação no Oporto Sistelmar Cup no Clube de Ténis do Porto.

Bruno Jordão é o mais recente do FC Famalicão O Futebol Clube de Famalicão contratou Bruno Jordão, atleta que representou o Wolverhampton de Inglaterra, nas últimas temporadas. O jogador de 21 anos foi formado na União de Leiria e conta com passagens pelo SC Braga e pela Lázio, onde conquistou uma Taça de Itália. “Se estar de regresso ao futebol português já é bom, melhor se torna quando é possibilitado por um clube que está a crescer de forma fantástica. Pretendo ajudar o FC Famalicão a manter este trajeto ascendente e conseguir realizar uma temporada muito positiva”, referiu Bruno Jordão.

AVC mantém equipa técnica e apresenta cinco reforços O AVC Famalicão anunciou a continuidade da equipa técnica para a época de 2020/2021. Vítor Oliveira vai continuar a comandar a formação famalicense, com Dema e Bruno Leite nos cargos adjuntos. Ana Melo será a fisioterapeuta do emblema. Relativamente a reforços, o clube famalicense anunciou que tem o plantel fechado. Num comunicado enviado, o AVC Famalicão anunciou a integração de Raquel Moreno, Mariana Meira, Inês Magalhães, Sara Sá e Joana Martins no plantel sénior. “A aposta na formação é desde sempre um lema do AVC Famalicão, com todas as atletas mais jovens a terem a aspiração de competirem pela equipa principal do clube que disputa a 1ª divisão nacional de voleibol feminino. A promoção destas

cinco jovens atletas insere-se nesse propósito, fruto do trabalho desenvolvido e da qualidade evidenciada pelas jogadoras”, lê-se no comunicado. Entretanto, já na próxima sexta-feira, o AVC Famalicão vai disputar a fase de apuramento da Supertaça, onde para além da for-

Famalicense João Silva com triunfo no Alto Tâmega Depois do segundo lugar obtido no Rali de Mesão Frio, o piloto João Silva, desta vez acompanhado por Nuno Almeida, obteve um triunfo no Rali do Alto Tâmega. A dupla alcançou a vitória na sua classe, um terceiro lugar no troféu kumho e ainda o nono lugar na classificação geral. "Fizemos um bom rali, em que conseguimos liderar a nossa classe de início ao fim, apesar de alguns contratempos na segunda metade da prova. Conseguimos manter um bom ritmo e defender essa posição até ao final, terminando o rali bem classificados. Estamos bastantes satisfeitos com a nossa prestação e conseguimos cumprir todos os nossos objetivos”, afirmou o piloto, que com este resultado reforçou a liderança da sua classe no Campeonato Norte de Ralis.

Joana Monteiro (AXPO) sobe ao pódio em Elites Femininas

Xadrez: José João Pinto chega ao top-10

O Campeonato Nacional de Jovens de Xadrez, na vertente Lentas, marcou o regresso do xadrez presencial. O Clube de Xadrez A2D fez-se representar por quatro xadrezistas, com o principal destaque a recair em José João Pinto. O jovem xadrezista terminou na 8ª posição, no escalão sub-12, obtendo quatro pontos, em sete possíveis. Os restantes atletas do clube famalicense foram Henrique Guimarães (13º lugar, no escalão sub-14), Rafael Guimarães (18º lugar, no escalão sub-10) e João pedro Afonso (20º lugar). A prova decorreu entre os dias 31 agosto e 6 de setembro, em Pombal, no Pavilhão de Atividades Económicas Desportivas e Culturais. Os Campeonatos Nacionais de Jovens foram organizados pela Federação Portuguesa de Xadrez, com o apoio Câmara Municipal de Pombal.

mação famalicense estarão as equipas do Clube Kairós e do Porto Vólei 2014. O AVC procura marcar presença no jogo decisivo do troféu e defrontar a AJM/FC Porto, atual detentora da Taça de Portugal. A vaga para a final começa a ser disputada na sexta-feira, 11 de setembro, às 20h00, com o AVC Famalicão a defrontar o Porto Vólei. No sábado, 12 de setembro, às 18h00, o AVC mede forças com o Clube Kairós e no domingo encerra-se a fase de apuramento com o confronto entre Porto Vólei e Clube Kairós, às 15h00. Todas as partidas terão lugar no Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos. A equipa que somar mais pontos nesta fase de apuramento irá defrontar a AJM/FC Porto na discussão pela vitória na Supertaça 2019/2020.

Joana Monteiro, ciclista de Famalicão e que integra na AXPO/ FirstBike Team / Vila do Conde, terminou no pódio em Elites Femininos, no Campeonato Nacional de Cross Country Eliminator – Eliminação BTT (XCE). A prova realizou-se na Pista de XCO da Cúria, Anadia, marcando o regresso das competições de BTT. A ciclista famalicense acabou na terceira posição, atrás da grande vencedora Raquel Queirós (Guilhabreu BTT) e Ana Santos (Patocycles/Eyres By Snamir).

Atletas da EARO em destaque no Torneio de Verão em Lisboa Como forma de premiar os melhores atletas da Escola Atletismo Rosa Oliveira (EARO) da época 2019/2020, nos escalões de juvenis e juniores, a escola joanense levou, no passado domingo, até Lisboa, três atletas para participarem no Torneio de Verão, organizado pela Associação de Atletismo de Lisboa. Segundo nota enviada à imprensa, os atletas da EARO participaram nos 1500 metros e obtiveram excelentes resultados e recordes para este início de época atípica devido à pandemia. Francisco Silva atleta juvenil fez 4m01.76, melhor marca nacional e recorde pessoal. Ana Marinho atleta juvenil fez 4m48.92 e Beatriz Fernandes junior 4 59.24.


opiniãopública: 9 de setembro de 2020

Quadrilátero a duas velocidades

Bússola José Leite

A igualdade (“ferida de morte”), a eficácia, as instalações, as condições dos serviços públicos e do investimento público no quadrilátero urbano, composto pelos municípios de Braga, Barcelos, Famalicão e Guimarães, apresentam-se ferozmente desproporcionais entre os quatro municípios, fruto da discriminação evidente e total passividade e desrespeito do governo central face às “terras camilianas”. “À mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta” e António Costa e os seus pares não são de todo honestos com os famalicenses, já que merecíamos e poderíamos ter muito mais e melhor. Valha-nos o papel decisivo, a ação, a resiliência e a disponibilidade financeira municipal para se substituir ao nosso governo, veja-se somente, como mero exemplo, a tão prometida e longínqua variante à EN 14 que asfixia a nossa economia, sendo que da parte do governo nada se espera. Não existe “amor de perdição” entre o governo e o município mais exportador do norte do país (3º a nível nacional) e a 2ª maior economia minhota, muito menos respeito por aquilo que é a contribuição de todos nós e das competitivas e inovadoras empresas famalicenses que contribuem decisivamente para a riqueza do PIB nacional, município (20º mais populoso de Portugal) onde se exporta o dobro daquilo que se importa (fosse todo o Portugal assim e seríamos um país rico e com uma balança comercial bem positiva entre importações e exportações). Sim, somos fortíssimos naquilo que produzimos o que faz de nós uma locomotiva económica imparável sem freio à vista. Somos uma das “malapostas” nacionais e um “foguete” que nunca se resigna e quer sempre mais.

Opinião Liberal Carlos Figueiredo

Somos a placa giratória onde tudo passa e circula, somos Famalicão e temos um ADN imparável. Contudo, para desagrado nosso, não bastava já a ausência de respostas e prazos para a nova ponte sobre a EN 14 (entre Famalicão e Trofa), as reticências e as incertezas quanto à Loja do Cidadão (lá estará seguramente a Câmara Municipal para se substituir ao governo central, se necessário for), a deterioração do piso da Avenida 9 de Julho (uma das mais importantes entradas da cidade), entre a Rotunda do Marco (Brufe) e a rotunda de Santo António (Famalicão), o penoso e deficitário serviço público de saúde no CHMA (nas urgências e em várias especialidades num hospital que serve mais de 200 mil habitantes, com Santo Tirso e Trofa incluídos), é agora a vez de denunciarmos e exigirmos junto do Ministério da Justiça um serviço digno e condizente com o século XXI na Conservatória do Registo Civil e Notariado de Vila Nova de Famalicão, onde a degradação e a falta de condições de atendimento e trabalho são manifestamente gritantes, para além de que em Famalicão só é possível agendar a emissão do Cartão de Cidadão para fevereiro de 2021, enquanto que nos três restantes concelhos do Quadrilátero Urbano esse prazo está reduzido para outubro e novembro de 2020. Tudo isto é no mínimo suspeito e/ou surreal e como diria Fernando Pessa “…e esta hein!”. Queremos mais, somos Famalicão e merecemos mais. Exigimos, pois, igualdade e, no mínimo, equidade no Quadrilátero. Tome a palavra António Costa, tudo isto depende de si e do seu governo, pois os famalicenses já conhecem as suas “novelas do Minho”.

‘Avante! Branco mais Branco não há!’

Chegamos ao início de setembro e mais uma vez se celebrou a anual efeméride do Festival “Avante!” Este ano, nem a pandemia que deixou em quarentena maior parte do mundo civilizado foi desculpa, a cúpula comunista já tinha declarado que se tratava de um ato de coragem, o que mantém a típica tradição comunista de ser corajoso com vidas alheias. Por entre indignações e protestos, o festival de um dos últimos bastiões do Marxismo-Leninismo na Europa realizouse no Sul do País. Por entre o festival de protestos e indignações, a maior parte justas e pertinentes, a verdadeira “raison d’être” esfumou-se. O PCP levou avante (trocadilhos à parte) a sua maior operação de marketing, aliada a uma campanha fulminante de branqueamento de imagem, que dura há décadas. A verdade é que o “Avante!” não só enche os cofres Comunistas, como lhes enche também o barómetro de legitimação política, durante 3 dias é possível, no mesmo espaço, conviver bifanas com Lenine, Kim Jong-Un com “Xutos e Pontapés”, e diversão festivaleira com Che Guevara. No mesmo recinto que se celebram os “feitos” dos maiores facínoras da história da humanidade, há entretenimento e bazófia para todos. Ironicamente, juntando a isto as quantidades industriais de comida temos o exatamente oposto de qualquer regime apoiado pelo PCP.

Perguntar-se como é possível um partido, que vive de defender os “paraísos” Cubano e Chinês, estar completamente enraizado na política nacional sem considerar o papel do “Avante!”, é no mínimo o equivalente a tentar perceber o ciclo da água sem considerar o efeito da evaporação. Num fim-de-semana, milhares de transeuntes convivem com autênticas odes à URSS (e seus defuntos herdeiros), Venezuela, organizações terroristas de todo o globo e demais simpáticas figuras dispostas às maiores atrocidades em nome da “Revolução”. A “fetichização” de uma ideologia há muito abandonada alia-se à “fetichização” há muito teorizada por Marx. Um esforço de cinismo digno de um verdadeiro movimento com raízes totalitárias e com inspirações nas piores experiências políticas alguma vez concretizadas. Enquanto sujam a boca com ataques à democracia burguesa capitalista e à economia de mercado opressora do proletariado, disfrutam de benefício de viver numa democracia plural enquanto usam e abusam de táticas de marketing que nem o mais ganancioso dos capitalistas se lembraria. O “Avante!” é a festa da normalização de um dinossauro político que teima em caminhar pela terra, e que usa um festival como muleta.

Pelos quatro cantos da ca(u)sa Domingos Peixoto

Até pode não haver crise política, pois a governação há de ser acomodada, em defesa da democracia e benefício do interesse público mais abrangente. Já o mesmo não se poderá dizer de crise económica e social; esta atingirá, inelutavelmente, os portugueses, sendo que o governo já negociou com a UE o que foi chamado de “bazuca”, para lhe poder atenuar os efeitos mais nefastos; a financeira surgirá, talvez lá para mais tarde! Interesse público que “nunca” pode estar adstrito à “atividade criminosa” de qualquer cidadão que, uma vez descoberto, venha alegar que agiu na defesa do bem comum, contra os corruptos e os negócios déspotas e usurários. Mas como pode alguém, que à partida não sabe quem, que instituições, fez, fizeram o quê, investigar por conta própria contabilidades, estruturas e contratos acionistas, processos judiciais sem estar formalmente habilitado e legalmente autorizado? Não poderá, pois, ser herói quem assim age, suspeito da prática de crime grave, contudo com presunção de inocência até que julgado, com sentença de acordo com as provas ou falta delas. O nosso regime democrático é parlamentarista e bem pode o senhor Presidente da República ter opinião subjetiva da governação mas, representando todos os portugueses, não tem “capacidades” deliberativa e executiva ou administrativa. Assim, na minha modesta perspetiva extravasa funções e incorre em populismos nadas úteis aos dias que correm Quanto às estranhezas já referidas espero que os partidos da esquerda democrática “acordem” num OE digno e inteiramente voltado para as soluções mais urgentes que se torna imperioso encontrar: saúde, educação, ação social, justiça e habitação, na perspetiva de que as obras das Infraestruturas de Portugal já contribuirão, em parte, para essas soluções. Coisa estranha se passa na revisão que se está a preparar da legislação contra a corrupção. Constata-se que se assume a existência do “pecado”. Pareceu-me que a senhora ministra anunciou que a confissão voluntária pode levar

Chão Autárquico Vieira Pinto

Também nós, daqui, pretendemos trazer à discussão a questão relacionada com a realização da Festa do Avante, efeméride anual, que decorre há mais de quatro dezenas de anos. Levada a cabo pelo Partido Comunista Português. E, desde logo, pretendemos dizer que, tal como a grande maioria das pessoas, de norte a sul do país, não estamos de acordo que tenha sido autorizada. Também consideramos que, sob o ponto de vista legal e democrático, a nosso ver, não haveria condições para o Estado proibir aquele acontecimento politico-cultural. E, isto, assim, seja para o PCP, seja para todos os demais partidos. Convenhamos que os paridos e demais organizações de direita, batendo forte no bombo da festa, orquestraram uma campanha contra o partido organizador da festa do Avante, ao longo de meses, bem visível ao cidadão comum. Porém, o próprio partido comunista sabia, desde há muito, pelo menos desde os acontecimentos do 1º de maio na fonte luminosa, que tal iria, assim, acontecer. Ora, o que muito achamos estranho, foi o facto de este partido não ter atinado com alternativas do programa da sua festa, por exemplo, numa vertente estritamente política, sempre no quadro das regras e orientações da DGS, designadamente a utilização de máscara e o inevitável distanciamento. Regras que, como podemos observar, terão sido minimamente cumpridas. Mesmo assim, muito se irá

PRAÇA PÚBLICA

15

Coisas estranhas à dispensa de cumprimento da pena ou mesmo ao perdão! Se assim for bem se pode corromper ou ser corrompido, pois fica-se a saber que com a simples confissão o problema fica meio resolvido! Mas não é esta entorse da democracia a causadora de graves prejuízos ao Estado, às instituições e aos portugueses que, forçosamente, são chamados a contribuir mais para as despesas do erário público? Mas mesmo muito estranho são os privilégios do setor bancário. Uma grande parte do património imobiliário que entra na posse dos bancos resulta de incumprimentos temporários créditos sob hipoteca, principalmente para habitação, indústria e comércio. Essas pessoas que já tinham pagas várias prestações ficam espoliadas do seu dinheiro e dos bens, na miséria, enquanto os bancos lucram. Os imóveis entram na esfera contabilística com a valorização supostamente adequada. Mas não é dinheiro. Como vendem os bancos esse património? Certamente ao melhor preço para não ter prejuízo, mesmo contando com o que já havia sido reposto no empréstimo, ou aguardam por melhor funcionamento de mercado. Porém, no caso do Novo Banco, por que razão havia de ter ali imobilizado um património pouco “rentável”, quando o podia vender fosse pelo preço que fosse, já que podia ir ao Fundo de Resolução Bancário buscar o prejuízo produzido? Falta saber se o prejuízo se encontra pela diferença do valor inventariado ou o do mercado e a venda. Com duas vantagens: Vêem-se livres de um “mono” e recebem o seu valor em “el contado”! E mesmo assim houve por aí uns “artistas investidores” contemplados com uns perdões de “tostões”! Nos dois últimos casos o grande problema é saber: usaram de toda a honestidade os nossos representantes políticos ao contratar entre o Estado e o Banco? Alguma comissão se encarregará de aprofundar o assunto sendo que a administração está contratada para distribuir dividendos aos acionistas e receber os seus prémios? Atentemos sempre mas coisas estranhas e contribuamos para lhes por fim…

Festa do Avante o distanciamento perorar. Mas, para precaver, um dirigente sindical, da Fenprof, pertença do partido comunista, já veio dizer que, se algo correr mal naquele evento, culpa é do governo! De facto, convenhamos que o partido comunista, ter-se-á defrontado com uma voluntariosa crise, por si criada, dada a sua vontade obstinada na realização da sua festa da Atalaia. Com efeito, houve grande vontade, motivação e empenho na realização daquele evento, como observamos. Mas, consideremos que o partido comunista perdeu muito, mesmo junto dos seus. Este partido da democracia portuguesa tinha por obrigação de bem conhecer os sentimentos das pessoas, designadamente das suas gentes, sem cair no enredo. Porém, com a sua obstinação festeira, o partido comunista colocou-se longe das próprias pessoas simpatizantes, afastou-se do seu próprio povo, perdendo, mesmo, muito dos seus argumentos sólidos, em relação a este tão importante vetor da saúde. A questão da pandemia que nos assola, merecia bem mais serenidade e sobriedade,por parte dos dirigentes do partido comunista. Estamos convencidos de que o partido perdeu, assim, muita da sua força junto das suas gentes. O partido comunista não quis “amenizar”, ou mesmo anular, a sua festa do Avante, mas conduziu em muito, ao afastamento, não só das suas gentes, mas também dos cidadãos em geral.


16

PUBLICIDADE

opiniãopública: 9 de setembro de 2020

Profile for Editave Multimédia

Opinião Pública 1476  

Edição nº 1476 de 9 de setembro de 2020 do semanário regional Opinião Pública

Opinião Pública 1476  

Edição nº 1476 de 9 de setembro de 2020 do semanário regional Opinião Pública

Advertisement