Issuu on Google+

Mateus 2:21-23 Sem referência no Tanach (Bíblia) Acesse: www.O novo testamento.com.br

O conteúdo do presente estudo é revelado de modo fiel e sem reticências a respeito de tão delicado assunto. Aos oportunistas pouco importa se sob a palavra sonora se oculta a hipocrisia e a mentira. Contudo, para os espíritos puros e corajosos, para os quais interesses particulares não devem sobreporse aos anseios do povo, mister se faz que a verdade surja em toda a sua plenitude, deitando por terra toda a fraude e mistificação. Em todo o tempo a meta principal da Igreja é tornar o homem mais desgraçado possível, daí a idéia do pecado e da culpabilidade, para criar uma raça de escravos e de castrados de pensamento. Assim, tolhida a sua liberdade de pensamento, torna-se presa fácil e maleável nas mãos da Igreja. O temor dos castigos eternos prometidos para os que insurgem contra os ensinamentos da Santa Igreja, impede o homem crente de duvidar sequer do que a mesma lhe incute no espírito como verdade. Só o homem que consegue vencer a barreira do temor e da ignorância goza de uma liberdade plena que poderá torná-lo feliz. Começaremos o nosso estudo analisando as profecias presentes nos escritos dos evangelhos, pois os cristãos afirmam que tais escritos são palavras de Salvação. Mas, devemos salientar que aqueles que ensinam que o antigo é uma preparação para o novo testamento devem se lembrar que este último deve estar de acordo com o que foi previsto pelos profetas de Israel, mas mostraremos que isto não é verdade, Desta forma vamos mostrar, através dos Evangelhos, as passagens dos livros proféticos presentes nos mesmos que foram incluídas fora de seu verdadeiro contexto para que se acreditasse na messianidade e divindade de Jesus de Nazaré, representando, assim autênticas falsificações. Outro objetivo deste estudo é tornar conhecido um engano ou malícia, cometida pelos cristãos de uma forma geral: a de afirmarem que os judeus não aceitam Jesus de Nazaré, devido aos dois mil anos de perseguição cristã. Desta forma, os apologistas cristãos tentam remover do conhecimento público o real motivo da rejeição de Jesus de Nazaré, por parte dos judeus: as fraudes presentes nos evangelhos. Com base para o nosso estudo, utilizamos a Bíblia Sagrada – Editora Ave Maria, para mostrar estas fraudes.

1


Mateus 2:21-23 Fuga para o Egito Massacre dos inocentes

21. José levantou-se, tomou o menino e sua mãe e foi para a terra de Israel. 22. Ao ouvir, porém, que Arquelau reinava na Judéia, em lugar de seu pai Herodes, não ousou ir para lá. Avisado divinamente em sonhos, retirou-se para a província da Galiléia 23. e veio habitar na cidade de Nazaré para que se cumprisse o que foi dito pelos profetas: Será chamado Nazareno".

COMO É POSSIVEL CITAR UMA PROFECIA QUE NÃO EXISTE? O autor de Mateus, para dar veracidade ao seu texto no (Novo testamento), cita como referência uma profecia nas escrituras Hebraicas. No entanto não existe a profecia citada pelo autor de Mateus. Na busca constante de provar que Jesus é o messias, veja os diversos comentários de diversas traduções, em que a todo custo os autores procuram dar uma justificativa, informando varias possibilidades.

Nota do rodapé - Mateus 2:23 Bíblia de Jerusalém (Católica) Editora: Paulus / Edição: 1998 6º Impressão,2010 Pag. 1706 Não se percebe claramente a que oráculos proféticos Mt alude aqui; pode-se pensar em nazir (Jz 13,5.7), ou em neçer, i.e., “rebento” (Is 11,1), ou de preferência em nácar, “guardar” (Is 42,6; 49,8), de onde naçur=o resto.

2


Nota do rodapé - Mateus 2:23 Bíblia de Estudo Almeida (Evangélica) Editora: Sociedade Bíblica do Brasil Edição: 1999 Pag. 17 (Novo testamento) 2.23 Nesta citação, Mateus parece fazer alusão a Jz 13.5,7, que fala do nazareno (ou nazireu), ou possivelmente a Is 11.1, que fala de renovo (hebr.neser).

Nota do rodapé - Mateus 2:16-23 Bíblia do Peregrino (Novo testamento) Editora: Paulus / Edição: 2000 Pag. 19 Mas ainda não se conseguiu identificar o texto a que se refere o v.23 sobre título de “nazareu”. Pensa-se na figura de Sansão nazireu (Jz 13,5-7) ou no “rebento” (Is 11,1, mais provável).

Nota do rodapé - Mateus 2:23 Bíblia Ave Maria (Católica) Editora: Ave Maria Edição: 134ª Pag. 1286

Cap. 2 – 23. Esta frase não se encontra no Antigo Testamento. Mas Nazareno parece ser um qualificativo que significa desdém. Os profetas sobretudo Isaías, anunciavam um servo de Deus humilde e desprezado. O adjetivo provém, sem dúvida, do nome Nazaré Serviu para designar os cristãos (At 24,5).”

O autores confessam que a referida profecia não existe no “Antigo Testamento”, porém para justificar a passagem, utiliza-se de termos como “PARECE SER”, ou seja, não há nada de concreto que justifique. Alguns apologistas tendo conhecimento que tal profecia não existe, se utilizam de Isaias 53:3, entre outros, que segundo eles, são profecias de um messias que seria desprezado, sendo citado também no comentário acima, porém a analise de Isaias 53:3, foi realizado no estudo de Mateus 8:14-17, que claramente percebe-se que é usado totalmente fora do seu contexto.

3


Mateus 2:21