Page 1


Tradução Efeitivada por The Rose Traduções Tradução: Tempestade Revisão Inicial: Stella Marques Revisão Final: Déia Formatação: Niquevenen


Como alguém poderia passar por uma traição tão devastadora, e cortar até o osso por que se enraizou profundamente dentro? Você nunca poderia perdoar tal mágoa... Ou você poderia? A partir do momento que Tyler tinha seis anos, ela se apaixonou por aquele menino de oito anos, arrogante com o cabelo espetado preto, cativantes olhos azuis e uniforme desalinhado. A partir do momento que ele socou um menino por machucá-la, Tyler sabia que não havia como voltar atrás. Eles sempre foram destinados a ficar juntos... Sempre. Então, tudo mudou. O palco estava montado como uma peça de Shakespeare trágica, e o mundo de Tyler e Dean — como eles conheciam — tinha terminado. Ou não? Tyler Meu nome era Jessica agora. Eu fingi minha própria morte, mudei a minha identidade, e mudei para milhares de quilômetros através do oceano apenas para escapar daquele homem que nunca iria sair do meu coração. Eu tinha um filho de quatro anos, eu o adorava mais do que qualquer coisa no mundo. Por uma fatídica, horrível noite, a vida que eu conhecia desapareceu em um piscar de olhos. Deixei as pessoas para trás. As pessoas que me preocupava. Pessoas que eu jamais esqueceria. As pessoas que eu amava. Mas realmente me mudou? Ninguém disse que deixar para trás a um homem que você tinha amado desde que tinha seis anos, seria fácil. Eu vivia a vida no dia-a-dia. Eu conheci um homem e tentei me acalmar. Evan era um homem que qualquer mulher desejaria. Então, por que eu não poderia amá-lo do jeito que ele, obviamente, me amava? Por que eu não conseguia mover meu passado do menino de cabelos escuros, olhos azuis que consumiam todos os meus pensamentos? Eu posso tê-lo deixado, mas ele nunca realmente me deixou. Eu nunca poderia amar outro homem. Dean se certificou disso desde o dia em que ele entrou em minha vida. Eu era apenas metade de uma mulher agora. Eu tinha sido quebrada e ferida por um homem que pensei que eu poderia para sempre amar e confiar. Como eu poderia deixar ir algo assim? Acho que eu só tinha que fazer. Eu estava apenas começando a cada dia que passava. Eu estava lidando. Eu estava administrando, e isso que estava me impedindo de cair aos pedaços. Mas, então, o desastre aconteceu novamente. E foi nesse dia... Tudo mudou. Dean Você não pode se esconder para sempre, Tyler. Eu sempre estarei caçando você, sempre procurando, e nunca vou desistir. Se alguma vez houve uma


certeza em sua vida, era essa. Você escorregou por entre os meus dedos, não uma, mas duas vezes. Você tomou meu coração com você quando me deixou naquele dia. Nenhuma quantidade de álcool, mulheres, ou sacos de pancada consegue bloquea-la de minha mente. Você não poderia estar morta. Eu não iria permitir que você fosse morta. Você está lá fora em algum lugar. Devo felicitá-la por você conseguir escapar de mim por todo esse tempo. Você sempre foi uma garota inteligente. Como eu não poderia ter me apaixonado por você? Você escapou-me neste momento, mas vou te encontrar, Tyler. Eu prometo a você isso. E quando esse dia chegar... Vou finalmente será MINHA


Prólogo Eu sempre pensei que, enquanto conseguisse passar a vida com a minha cabeça acima da água, eu ficaria OK. E isso é exatamente o que minha vida implicou... até este ponto. Então, o que aconteceu agora? Agora eu estava afogando-me, debatendo-me em um mar que ameaçava engolir-me completamente e nunca cuspir novamente. Mas, homem, o que é um mar para afogar, quando eu estava montando uma onda alegremente ignorante. E por quê? Bem, tudo resultou de um menino que conheci quando eu tinha seis anos. Você se lembrou dele, não é? O menino com o grande sorriso, o cabelo espetado preto e os olhos azuis penetrantes mais incríveis que já vi? Sim, é esse mesmo. O amor da minha vida, o homem dos meus sonhos... o espinho mais doloroso da porra da minha vida. Eu nunca poderia dizer que o tipo de relacionamento que Dean e eu tinha era convencional. Não. Nós éramos as duas pessoas mais fodidas que já vi. Ele me tirou do chão quando eu tinha seis, me sugou para um mundo onde só ele existia, então desapareceu da minha vida. Ele me machucou de uma forma da qual eu sabia que nunca iria me recuperar. Eu me escondi bem de todos, mas eu estava dolorosamente apaixonada por esse menino que desapareceu da minha vida. Depois voltou, e ele não era mais o meu Dean. Ele não era o garoto que costumava subir em minha janela quando eu era uma criança. Ele não era o menino que sussurrava no meu ouvido, me fazia corar de forma permanente, e fazer com que meu estômago se agitasse com um milhão de borboletas. Não. Ele era um homem consumido pela raiva, ódio e vingança. Um homem que nada o pararia até que me quebrasse. Bem, ele conseguiu. Eu estava


destruída. Eu não era a mulher que costumava ser. Eu quebrei em um milhão de pedaços. Minha determinação foi enfraquecida, meu coração foi esmagado, e eu estava transformando-me em algo que pensei que nunca iria me tornar... fraca. Eu fui forçada a aceitar a ajuda de meus pais, algo que jurei nunca mais fazer. Eu também fui forçada a descontar do meu fundo de reserva um pouco mais cedo do que o previsto. Graças ao meu pais e uma cláusula no meu fundo que se eu casar ou engravidar antes de meu trigésimo aniversário, eu herdaria dois milhões de libras, eu tinha dinheiro... muito mesmo. Isso me fez sentir doente todos os dias por saber que eu não poderia estar em meus próprios pés. Que eu não poderia ser a única a decidir o meu destino. E por quê? Porque tive que fugir. Eu tive que fugir para longe do homem que eu costumava correr para perto. Um homem que eu teria dado qualquer coisa para fugir com ele. E foi tudo por causa de uma pessoa. Ian. Meu chamado melhor amigo. O garoto que costumava brincar quando eu era pequena. O garoto que eu costumava passar minhas férias de verão, embriagar-me, ter noites de espaguete à bolonhesa. Eu estava na escola com ele, fui para a universidade com ele... Inferno, eu até mesmo trabalhei com ele. Ele sempre estava lá. Sempre a minha constante. Sempre, ao que parece, tramando nas minhas costas. Eu o amava como uma melhor amiga deveria, mas ele estava esperando nas sombras, pelo momento certo para atacar, o tempo todo. Eu poderia dizer com segurança que a minha vida tinha mudado dramaticamente nos últimos anos. Eu nunca fui um ser comum. Inferno, eu costumava deixar um estranho entrar em meu apartamento e perversamente provocar-me, frequentemente. Isso dificilmente poderia ser considerado normal. Mas por que deixei isso acontecer? Eu subconscientemente sabia que era Dean o tempo todo? Muito possivelmente. Na verdade, continuei dizendo a mim mesma, só assim eu não acho que estava ficando louca. Eu estava errada em deixá-lo entrar, mas, verdade seja dita, foi a melhor coisa que já me aconteceu. Pelo menos eu pude ter um encerramento. Pelo menos agora eu sabia o que Dean tornou-se. Eu poderia finalmente ser livre e começar a minha vida de novo.


Ou assim eu pensei. Depois que eu o deixei e nunca olhei para trás, as coisas estavam muito bem por mais de quatro anos. Eu estava mantendo a minha cabeça acima da água. Eu estava conseguindo viver minha vida normalmente, começando o meu sonho de me tornar uma professora de jardim de infância. Eu estava conseguindo sobreviver, orientada exclusivamente pela pessoa mais importante na minha vida. Ele era meu motivo para me levantar todas as manhãs e seguir em frente. Ele foi a minha salvação. Ele era a pessoa que eu podia abraçar a noite, quando me sentia solitária e com medo do que a minha vida podia tornar-se. Ele era o meu tudo, e toda a minha energia foi colocada em fazer o melhor dada a situação que me meti. Tive o cuidado para não ser encontrada. A minha família e eu chegamos a um acordo sobre como eu poderia contactá-los. Eu nunca poderia ligar para casa, nunca mais entrar em contato com eles por celular. Eu tenho que ir através de um amigo advogado, que iria passar-lhes mensagens. Isso funcionou por um tempo. Eu sabia que Dean nunca iria desistir e sabia que, apesar de tudo o que ele tinha feito para mim, eu nunca seria capaz de me segurar de cair em seu abismo novamente. Eu estava sempre lá, e eu me recriminava por pensar que poderia rastejar de volta para ele. Eu só queria estar o mais longe possível dele para que ele não pudesse me levar para baixo. Funcionou. Eu estava lidando. Então, alguma coisa fez meu mundo virar de cabeça para baixo. Naquele momento, tudo mudou.


Capítulo 1 Clara O'Shea "Derren, que horas vamos almoçar hoje? Eu tenho um compromisso no cabeleireiro ao meio-dia, e acho que vou ficar cerca de uma hora." Eu escutei a sua voz para ver se ele tinha me ouvido. Quando ele apareceu no corredor e entrou na cozinha, eu sorri e soltei um pequeno suspiro. Derren nunca deixou de me surpreender com o quão bonito ele é. Ele parecia ficar melhor com a idade. Seus olhos castanhos dançaram sobre o meu corpo, fazendo meu estômago se apertar. Mesmo depois de todos estes anos, ele certamente ainda tinha algo nele para me fazer fraca nos joelhos. Todas as senhoras o amava, até mesmo os seus estagiários, que eram 20 anos mais jovem que ele. Ele nunca olhou para elas, no entanto. Ele era meu. Todo meu. Ele se aproximou, deu um beijo suave na minha bochecha, e sorriu seu sorriso diabólico. "As reservas são para uma e meia." Ele se inclinou, me beijou novamente, e soprou um suspiro satisfeito. "Eu já te disse que você está linda hoje?" Fechei os olhos e respirei seu perfume doce. Ele sempre cheirava a mais doce lavanda. "Você me diz isso todos os dias, mas nunca fica velho." Ele sorriu de novo, virou-se para se servir de um café, em seguida, sentou-se ao meu lado. Eu vi quando ele franziu a testa um pouco antes de tomar de sua caneca de café. Aquele olhar me enviou imediatamente uma pontada no meu estômago. Naquele momento, vi Tyler. Não passava um dia em que eu não gostaria de estar lá para ela. Eu sentia falta dela mais do que palavras poderiam dizer. Meu coração doía e meus dentes cerravam cada vez que pensei em Dean e


no que ele fez para ela. Eu sabia que eles sempre se amaram, mas eu nunca soube o quão forte que o amor cresceu. Dean agiu em eventos completamente fora de controle de Tyler. Ela não merecia o castigo que ele planejou. Ela foi uma vítima inocente em uma torrente de mentiras e enganos que um homem trouxe a todos nós. O único homem que sempre confiei. O único homem com quem eu pensava que Tyler iria acabar. "Você parece tão triste ultimamente, e odeio ver você assim." A voz de Derren me tirou do meu devaneio e de volta para a realidade. "Eu só não gosto de pensar que ela está sozinha lá fora. Eu odeio o fato de que um homem fez ela fazer isso". Eu sabia que ele estava perseguindo cada movimento. Eu também sabia que ele deveria estar grampeando nossos telefones. Nós sempre tivemos cuidado, mas eu odiava que nós tínhamos que fazer isso para manter nossa filha segura. Para manter seu coração seguro. Inclinando-se para frente, Derren colocou a mão sobre a minha. "Ela está segura agora. Sem Dean em sua vida, ela pode continuar com uma vida normal. Dean sempre vai trazer o perigo com ele, e não há nenhuma maneira que nós vamos deixar que isso aconteça. Ele obviamente, tomou o lugar de seu pai, tudo bem. Mas ele não vai arrastar a nossa filha para baixo com ele agora." Ele viu meus olhos brilharem um pouco e ele apertou minha mão com mais força, sorrindo. "Eles estão a salvo agora, Clara. Eles estarão sempre seguros, desde que tudo continue assim. Eu sei que é difícil, mas Tyler tem alguém em sua vida agora que pode fazê-la feliz. Vamos apenas nos agarrar com isso." Eu balancei a cabeça e enxuguei meus olhos, não querendo que a minha maquiagem borre. Eu odiava ter minha maquiagem ou cabelo fora do lugar. "Você está certo, e eu te amo." Derren se inclinou e me beijou suavemente nos lábios. "Eu também te amo."


Assim, nós sorrimos um para o outro, e o telefone tocou. Eu instantaneamente me levantei e corri para ele, pensando que poderia ser meu estagiário. "Olá," eu disse ao telefone. "Eu sinto muito. Eu não sabia mais o que fazer." Meu coração bateu e as tonturas me consumiram. "Tyler?" Perguntei, sem saber por que perguntei. Eu sabia que era ela. Eu só não pensei que ela jamais iria ligar aqui. Nesse caso, a cadeira de Derren raspou no chão quando ele correu para colocar uma mão em meu ombro. Olhei em seus olhos e ele olhou para mim parecendo exatamente como o que eu estava sentindo... desespero. "Eu sei que não deveria ligar, mas... mas..." Tyler chorou ao telefone e me senti completamente e totalmente desamparada. Pânico nem sequer descreve o que eu estava sentindo. Tyler sabia que nunca poderia ligar aqui, portanto, algo de muito ruim tinha acontecido para fazê-la ligar. "Está tudo bem. Respire fundo. Por favor, querida. Você está me assustando. O que houve?" Tyler ficou em silêncio por um momento e fungou um pouco antes de deixar escapar um suspiro. "Ele está doente, mãe. Estou tão, tão assustada. Eu não posso passar por isso tudo de novo." Eu inalei uma respiração profunda e agarrei a mão de Derren, olhando-o profundamente nos olhos enquanto eu agarro no telefone. "Nós estaremos no próximo vôo."


Capítulo 2 Dean A redenção não é a perfeição. Os remidos devem perceber suas imperfeições. John Piper

Frustrado nem sequer começava a descrever como os últimos quatro anos da minha vida tinham sido. Quatro malditos anos e eu não tinha nada. Devo ter passado por seis diferentes detetives particular, porque ninguém poderia desenterrar

porra

nenhuma.

Eu

estava

cansado,

mas

também

estava

determinado. Eu nunca vou desistir até que a encontrasse novamente. Eu não tinha ideia do que faria uma vez que eu a encontrasse, mas sabia que iria começar por rastejando em minhas mãos e joelhos, implorando o seu perdão. Eu estava errado e podia admitir isso. Eu nunca realmente quis quebrá-la, mas eu fiz. Mesmo se ela tivesse me traído, ainda seria metade do homem que costumava ser. Nada mais parecia importar. Eu tinha construído uma vida em torno de vingança e tinha a consumado. Eu não tinha mais necessidade de continuar com esta fachada. Eu não precisava alimentar os erros de outras pessoas para fazê-los pagar por qualquer meio necessário. Eu fiz o que tinha que fazer para manter os meus negócios. Eu vendi alguns empreendimentos que poderiam me manter confortável e bem até me aposentar, passei mais responsabilidades para Humphrey, e atenuei minha raiva... tudo para que eu pudesse concentrar minhas energias em encontrar Tyler. Eu sabia que chegaria o dia em que a encontraria, mas não acho que quatro anos poderiam passar, ainda sem nenhum sinal dela. Após cerca de seis meses, voltei a usar mulheres como uma ferramenta para me aliviar, mas sempre imaginava Tyler quando fazia isso. No final, eu


desisti. Eu era a porra de um porco. Eu usei e abusei de mulheres apenas para que eu pudesse ter minha correção, mas nunca funcionou. Isso só me deixou mais irritado e o nível de auto-aversão cresceu e cresceu. Havia apenas uma pessoa para o minha salvação. Apenas uma pessoa poderia me tornar um homem melhor. O dia que descobri que ela nunca me traiu, como eu pensei que ela tinha feito todos esses anos atrás, meu coração negro de repente virou o mais brilhante de vermelho. Ele tomou a sua primeira batida para ela, porque ela era a única mulher para mim. Eu simplesmente tinha que encontrá-la. Não havia outra maneira, nenhuma outra opção. Ela era minha e sempre seria. Eu tinha pago milhares e milhares de libras para encontrar a minha Rosey, e pagaria mais milhões se eu soubesse que poderia vê-la novamente. Perdê-la nunca ia ser uma opção para mim. Mesmo quando eu a caçava, a perseguia, jogava com suas emoções, todos esses anos, eu sabia que ela nunca iria me escapar. Com um aceno de cabeça, pensei sobre tudo o que eu tinha feito para ela. Eu mesmo paguei milhares em uma porra de um maquiador profissional apenas para que eu pudesse ser o mestre do disfarce, para que ela não me reconhecesse. Soava ridículo, mas era verdade. Eu pude ser Dillon, o menino que roubou sua virgindade; Andrew Walker, seu chefe; um homem médio andando na porra de uma rua. Ela não teria notado. Eu tinha pago o melhor e obtive o melhor. Ela não suspeitou de nada... por um tempo de qualquer maneira. Tomando uma respiração profunda, joguei a minha fúria sobre o saco de pancadas. Isso foi uma coisa que eu nunca perdi. Eu sempre me mantive em forma, sempre soco a minha frustração longe, na esperança de que eu pudesse me sentir melhor, mesmo que fosse apenas por alguns minutos. Eu alimentava minhas as endorfinas, uma vez que era a única „droga‟ que sabia que podia confiar. Eu soquei e soquei até que meus músculos gritaram de dor. Eu era uma rocha sólida agora, mais forte do que nunca. Era o único conforto que tinha agora que Tyler estava fora da minha vida.


Quando bati no saco mais uma vez, eu parei e olhei no espelho. Eu não estava mais na minha mansão. A mansão está muito longe, juntamente com todas as memórias do que eu costumava ser. Eu estava na minha cobertura. Era o meu santuário, contendo imagens e memórias de Tyler. Um lembrete de algo bom e algo puro em minha vida. Ela era a única razão pela qual eu sorria estes dias. A única vez que eu poderia sorrir era quando pensava nela. Enquanto eu olhava para mim, olhei para as últimas tatuagens que tinha feito depois que Tyler me deixou. Uma delas era um foto de Tyler quando tinha oito anos. Eu estava de pé no parque, por vezes jogando e eu tinha o meu braço em torno dela. Mesmo assim, ela olhou na câmera com tal intensidade, que seria necessário segurar o fôlego. Seu cabelo era uma massa de ondas loiras naquela época, mas tinha endireitado ao longo do tempo. Suas bochechas estavam tão róseas como sempre, e seus olhos eram, e ainda são, o mais bonito verde turquesa que existe. Sempre que eu olhava para aqueles olhos, sempre me fazia lembrar de uma ilha tropical onde a areia era branca e o mar era o mais belo e claro verde turquesa que você já tinha visto. Tyler era minha ilha tropical. O único lugar que poderia finalmente chamar de casa e ser quem eu era antes. A outra tatuagem era um lembrete do que fiz para ela. Isso me torturou dia após dia, porque eu precisava disso, a fim de ver o que fiz para ela. Eu nunca realmente curei desde aquele dia. Eu sempre soube que iria levar essa culpa para o resto da minha vida. E eu merecia. Eu merecia cada porra de uma só letra gravada no meu peito. Algo que olha para mim no espelho todas as manhãs. Algo do qual eu nunca poderia escapar. Uma tatuagem de nome, e apenas um nome... Jeremy. Era algo que se destacou e seria uma lembrança constante do que eu tinha feito. O monstro que eu tinha me tornado... e o que eu havia perdido. Eu nunca conheci o menino, mas teria gostado dele. Se as coisas tivessem sido diferentes, Tyler e eu poderíamos tê-lo adotado. Eu teria feito qualquer coisa de bom grado que a faria feliz. De volta então, eu nunca soube,


mas agora... Ei, a aprendizagem é uma coisa maravilhosa. Será que não basta você amar essa palavra? Não apenas provocá-la, às vezes? Será que você não gostaria de poder ter uma retrospectiva, um chute nas bolas, e enfiá-las na sua própria bunda? Eu não posso fugir disso. Eu fiz o que fiz e tenho que pagar. Eu ferrei a única pessoa que poderia me fazer realmente feliz. E, por sua vez, ela me fodeu também sem saber. Eu mereço tudo o que tenho. Eu sou o único culpado em tudo isso. Ian fez o que fez e estou feliz que ele está morto, por causa dela, mas havia apenas uma pessoa para culpar. E nada iria me parar até que fizesse isso direito. Nada ou ninguém poderia me impedir de ter certeza que Tyler saiba o quanto a amava, o quanto queria fazê-la minha, e apenas como maldito arrependido estou pelo que fiz com ela. Fechando os olhos, respiro fundo e me dirijo para o chuveiro. Em algumas horas, devo estar atendendo Jimmy para o almoço, então eu precisava começar a me preparar. Quando saí do chuveiro, ouvi meu interfone zumbindo. Eu fiz uma careta, porque não estava esperando ninguém. Quem quer que que fosse, eles estavam obviamente frenéticos, porque o toque simplesmente não parava. Agarrando a toalha, envolvi ao redor da minha cintura, em seguida, dirigi-me para o porteiro. Eu peguei o telefone, o rosto de Jimmy chegando no monitor. "Jimmy, que porra é essa? Você está tão animado para me ver que não pode nem mesmo esperar algumas horas?" Eu bufo uma risada, mas ele abriu um sorriso. "Eu tenho tentado chamá-lo pela porra da última meia hora. Onde você esteve?" Eu dei de ombros. "Malhando. Acabei de sair do chuveiro. E aí, idiota?" Jimmy sorriu maliciosamente para a câmera. "Eu acho que você vai querer me deixar entrar pela primeira vez. Isto é algo que tenho que lhe dizer cara a cara."


Eu balancei a cabeça e apertei o botão para deixá-lo entrar. Não demorou muito para que ele surgisse no elevador, me olhando com aquele maldito sorriso. "O que fez você parecer um arrogante do caralho? Pelo olhar em seu rosto, eu pensei você queria me dar um soco." Jimmy balançou a cabeça e cruzou os braços. "Eu só estava chateado porque não conseguia encontrá-lo e contar-lhe a notícia." Fiquei ali por alguns segundos, esperando, mas sabia que ele não ia desistir tão facilmente. "Que porra de notícias, Jimmy? Diga-me!" Jimmy riu. "Você me deve um grande momento por isso, amigo. O amor da sua vida ligou para seus pais". Meu coração bateu violentamente no meu peito. Eu não podia acreditar que finalmente tinha algo. Mas, em seguida, realização me chutou dentro. Ela nunca normalmente ligou para seus pais. Há algo errado. "Ela está bem? Por que ela ligou? Ela nunca ligou". O sorriso de Jimmy desapareceu e foi substituído por uma carranca. "Eu não sei. Tudo que sei, é que ela disse que ele está doente, e agora a mãe e o pai de Tyler estão fazendo arranjos para voar até ela." Eu quase dei um soco na parede. "Porra! Eu tenho que descobrir onde eles estão indo, Jimmy. Preciso que siga todos os seus movimentos". Jimmy sorri novamente. "Já fiz. Eles reservaram um voo para Washington e reservei uma passagem para mim no mesmo voo. Você está reservado para o voo seguinte. Eu vou consegui-la de volta, homem." Eu poderia ter abraçado Jimmy naquele momento. Nos últimos quatro anos, eu tinha contado a ele sobre o minha história com Tyler. Ele ouviu com um ouvido simpático, me disse que eu era a porra de um idiota, em seguida, me ofereceu toda a ajuda que precisava para reconquistá-la.


Aparentemente, ele era um otário para uma história de amor, apesar de ser a porra de um gigante que gostava de torturar as pessoas como um hobby. "Porra, cara. Obrigado. Você não sabe o que isso significa para mim." Jimmy sorriu. "Eu acho que é a primeira vez que você já me elogiou. Eu poderia me acostumar com isso". Em jeito de brincadeira lhe dei um soco no braço. "Não se acostume com essa porra, idiota. Eu não entrego com facilidade." Jimmy ficou lá e olhou para minha falta de vestuário. "Você não acha que é melhor se vestir? Na verdade, meu avião sai em menos de quatro horas, então tenho que ir." Ele pegou um pedaço de papel fora de seu bolso e entregoume. "Aqui. Estes são todos os detalhes que você precisa." Eu tomei dele. "Obrigado, Jimmy." Ele sorriu e se dirigiu para o elevador, virando-se para saudar. "A qualquer momento, homem. Nos vemos nos Estados Unidos."


Capítulo 3 Tyler Eu não sei por que peguei o telefone e liguei para meus pais. Eu não podia decidir se eu era estúpida ou simplesmente desesperada. Provavelmente um pouco de ambos. Tudo o que sabia era que estava sozinha. Desesperadamente e imperdoavelmente sozinha. Pela segunda vez na minha vida, precisava da minha mãe e meu pai. Eu precisava de seu conforto e seu abrigo da dor incomensurável que estava sentindo. Eu tinha sido colocada em uma situação que me trouxe de volta os pesadelos. Meu Jeremy. O menino que eu nunca iria esquecer, nunca se foi, e sempre será muito querido no meu coração. Ele me deu a força para continuar todo esse tempo atrás. Ele foi a minha razão para abraçar a vida, abraçando-o primeiro... e depois abraçar o amor por Twiglets. O pesadelo que suportei naquele hospital há quatro anos nunca foi embora. Mesmo depois de todos esses anos, eu às vezes me pego acordada no meio da noite suando, porque tive mais um sonho ruim sobre esse dia. Eu nunca me esqueci, nunca poderia colocá-lo para trás. E foi por isso que me encontrei na situação mais dolorosa que se possa imaginar. Eu tinha agido por impulso. Atuei no terror que este dia representou. Minha única desculpa para telefonar para meus pais era a minha própria tentativa desesperada de me achar. Mas o problema era que ia colocar eu e meu filho em perigo. Dean provavelmente iria encontrar-nos por causa da minha decisão estúpida.


Dean atraia perigo. Isso o segue ao redor dele. Eu não podia permitir que ele ratejasse de volta sob a minha pele. Eu não posso permitir-lhe voltar para a minha vida, trazendo com ele o perigo que representa. Eu tinha alguém para pensar agora e sua segurança era a minha prioridade número um. "Mamãe, não me sinto tão bem." Eu aperto minha mão com mais força em torno de sua pequena mão e olho para aqueles olhos azuis penetrantes dele. Os olhos de Dean. Você poderia dizer imediatamente quem era seu pai. Ele tinha o meu cabelo loiro, mas seus olhos não deixavam dúvidas. "Eu sei, querido. Você vai se sentir melhor em breve. O médico te deu algum remédio e disse que se você se sentir melhor, poderá voltar para casa amanhã." Seus belos olhos se arregalaram um pouco. "Eu não quero que você me deixe, mamãe." Eu sorri. "Eu não vou, querido. Eu estarei bem aqui ao seu lado. Sua vovó e vovô estarão aqui em poucas horas. Você gostaria disso, não é?" Ele balançou a cabeça, um sorriso iluminando suas covinhas. Você poderia dizer que ele não estava bem, mas ainda tinha o olhos mais bonitos e covinhas mais insolentes que eu já tinha visto. "Ah, Jeremy. Você está acordado agora, eu vejo." Virando-me para a voz, vimos Evan — o novo homem em minha vida — ao pé da cama com um grande sorriso e um grande urso de pelúcia marrom em seus braços. "Eu trouxe uma coisa para você, pode abraça-lo esta noite. Tenho certeza que ele poderá ajudá-lo a se sentir melhor." Ele sorriu novamente e entregou à Jeremy o urso. "Obrigado, Evan", disse Jeremy, educadamente.


Evan carinhosamente acariciou seus cabelos e segurou seu queixo. "Tudo bem, amigo. Você só tem que se concentrar em ficar melhor." Evan se virou para mim e me inclinei para um beijo. "O Dr. Foster já veio aqui?" Eu assenti. "O que ele disse?" "Ele disse que espera que Jeremy possa voltar para casa amanhã. Ele só quer mantê-lo aqui durante a noite devido à fluido nos pulmões." Evan franziu a testa. "Pneumonia não é agradável, mas é altamente tratável agora. Ele está em boas mãos". Eu balancei a cabeça com um sorriso e peguei sua mão. "Eu sei. Ajuda ter você aqui, ainda mais você sendo um médico. Eu sei que você vai ser honesto comigo." Evan é alguém que conheci quando costumava vir para minhas consultas de pré-natal. Eu cruzei com ele nos salões e nós começamos a conversar.

Ele

rapidamente

se

tornou

consciente

da

minha

situação

e

progressivamente fez saber que queria ser uma parte da minha vida. Meus pais foram balísticos quando descobriram que ele era um cirurgião de coração. Aparentemente, a partir das mensagens de e-mail que recebi de minha mãe, eu tinha que arrebatá-lo rapidamente. Evan era um bom homem com um coração bom. Ele até me pediu em casamento três vezes e eu recusei todas as vezes. Ele sabia que eu tinha um passado instável, de alguma forma, envolvendo o pai de Jeremy, mas ele não conhecia a imagem completa. Eu nunca poderia dizerlhe tudo. Evan se abaixou, pegou minha mão e beijou com ternura meus dedos. "Eu sempre estarei aqui para você. Você sabe disso, não sabe? Eu só gostaria de poder ficar com vocês dois hoje à noite." Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Não se preocupe. Jeremy está em boas mãos. Você tem trabalho a fazer e vidas para salvar. Jeremy e eu vamos ficar bem por conta própria. Não vamos, Jeremy?" Eu olhei para o meu menino e ele acenou com a cabeça, apertando seu ursinho com força. Eu sorri e olhei para trás, para Evan. "Além disso, minha mãe e meu pai virão aqui em breve."


Os olhos de Evan se arregalaram. Ele nunca tinha visto eles. "Eles estão vindo para cá? Eu pensei que você disse que era..." Ele parou e olhou para Jeremy. Eu sabia o que ele ia dizer, no entanto. Estava na ponta da língua. "Eu sei. Eu só entrei em pânico. Eu não sabia mais o que fazer. Isso me levou de volta para o hospital todos aqueles anos atrás e eu só sabia que precisava deles." Eu comecei a chorar. As últimas horas tinham tomado seu pedágio. Evan passou os braços em volta de mim e beijou minha cabeça. "Entendo. Por favor, não chore." Com os olhos arregalados, Jeremy olhou para mim. "Mamãe, não chore. Eu me sinto melhor agora." Eu me afastei de Evan e olhei para Jeremy com um sorriso. Eu ri através das minhas lágrimas e agarrei sua mão. "Estou feliz que você está, querido. Mamãe ficou um pouco assustada por um momento, mas estou bem agora. Estou chorando porque estou feliz que você está ficando cada vez melhor". "Eu não gosto de ver você chorar, mamãe." Seu rosto parecia triste, era tão difícil não gritar como um bebê. Jeremy derretia meu coração da melhor e da pior forma imaginável. "Eu não gosto de chorar, de qualquer jeito. Eu prometo que vou parar agora." Evan me entregou um lenço de papel e limpei meus olhos. "Veja, tudo se foi", eu disse depois de limpar todas as minha lágrimas. Jeremy

me

deu

um

aceno

de

cabeça

triunfante

e

piscou

preguiçosamente. "Eu me sinto cansado agora." Eu balancei a cabeça. "Bem, se você está cansado, durma. É o seu corpo lhe dizendo que você precisa descansar, assim você pode ficar melhor." Evan foi até Jeremy e deu um beijo em sua testa. "Fique melhor, amigo. Eu vou estar por aqui no hospital pelas próximas horas, então vou tentar entrar para vê-lo tanto quanto eu puder".


Jeremy assentiu com a cabeça e virou-se de lado. Não demorou muito até que ele estava dormindo. "Você vai ficar bem?" Eu me virei para olhar para Evan com um sorriso. "Eu vou ficar bem. Honestamente." Ajoelhando-se de novo, Evan pegou a minha mão. "Você vai me dizer o que isso significa agora? Por que seus pais estão vindo para vê-lo assim?" Eu suspirei. Eu realmente não queria entrar nessa conversa com ele, mas tinha que lhe dar alguma coisa. Ele estava obviamente preocupado. "Eu honestamente não sei. Vou ter que pensar em algo. Enquanto isso, só quero ter certeza de que Jeremy fique melhor." Evan olhou para mim com seus olhos castanhos. Ele não era exatamente o tipo que você chamaria de "Fazer seus joelhos fracos". Ele era bonito, sim, mas ele parecia normalmente considerável para mim. Era uma analogia estranha, mas ele se encaixa melhor. Ele era de tamanho médio e construído, seu cabelo loiro é curto e seus olhos castanhos. Por causa do trabalho, ele nunca teve tempo para malhar, mas ainda assim, estava em boa forma. Ele só vivia para o trabalho, eu e Jeremy. Ele era um grande homem que, por alguma razão desconhecida, me amava ferozmente. A boa notícia era que ele amava Jeremy tanto quanto. Ele era o material para o casamento perfeito. Então, por que acho que é tão difícil dizer sim a ele quando me pediu para casar a mais de um ano atrás? Por que o recusei uma segunda e terceira vez alguns meses depois? Por que eu não poderia fazer-me amá-lo tanto quanto ele me amava? Às vezes, eu me sentia egoísta pela forma como me comportava. Eu era uma mãe e precisava agir como uma. Jeremy merecia e precisava de um pai, mas eu continuo me segurando. Eu não poderia encontrá-lo em meu coração para estar com o único homem que poderia me dar tudo. Tudo, exceto a única coisa que eu nunca poderia ter. A única coisa que eu desejava dia após dia.


"Por favor, seja honesta comigo." Evan olhou para mim com olhos suplicantes. "Você e Jeremy estão em perigo? Será que precisamos mudar? Porque posso fazê-lo se houver necessidade." Eu balancei minha cabeça. "Não, claro que não. Dean nunca iria nos machucar." Os olhos de Evan se arregalaram. "Você sabe, essa é a primeira vez que mencionou seu nome." Evan se levantou e parecia triste. "Então é por isso que o nome do meio de Jeremy é Dean. Você nomeou ele com o nome de seu pai, mesmo depois de tudo o que ele obviamente fez?" Baixei a cabeça com vergonha. O nome do meu filho era Jeremy Dean Florentino. Eu o nomeei de Jeremy porque era em honra a sua memória, mas também dei o nome de Dean, porque ele ainda assim, depois de tudo que foi dito e feito, manteve-se o amor da minha vida. Eu nunca poderia mudar isso. Eu nunca poderia negar que... não importa o quanto me diga que uma vida com ele não é uma opção. Eu sou tão obcecada por ele agora como sempre fui. Eu não podia me ver mudando. Nem sequer por este homem doce diante de mim. "Eu sinto muito." Eu não sabia por que diabos estava pedindo desculpas, mas só parecia ser a única coisa que eu poderia oferecer a ele agora. Evan enfiou a mão pelo cabelo e se ajoelhou ao meu lado novamente. Tomando minha mão, ele olhou nos meus olhos. "Por que você não me conta sobre ele? Por que não pode se abrir e confiar em mim com algo que é obviamente uma grande parte da sua vida?" As lágrimas brotaram de novo, mas eu não queria deixá-las correr agora. Eu não podia arriscar Jeremy acordar e me ver chorar novamente. "Eu não posso." Apesar do que disse, eu sempre o amaria. Como poderia possivelmente explicar isso? Evan fechou os olhos em frustração. Eu não conseguia entender por que ele me aturava. "Faz quatro anos, Jessica. Você precisa seguir em frente. E, para ser honesto, eu estava meio que esperando que fosse comigo." Ele parecia envergonhado quando pegou minha mão na sua. "Eu sei que este não é o


momento e nem o lugar. Eu só queria que você me desse um pequeno raio de esperança... algo, qualquer coisa." Eu abri minha boca para falar, mas nada saiu. Era como se a minha língua estivesse presa na minha boca. Como eu poderia dizer qualquer coisa sem esmagar o mundo de Evan em torno dele? Como eu poderia ser essa vadia? Evan deve ter visto minha hesitação e a dor correu através dos meus olhos. "Está tudo bem. Você não tem que me responder agora. Vamos falar sobre isso outra hora." Ele olhou para mim e eu assenti. Evan soltou um suspiro e inclinou-se para beijar-me ansiosamente. Eu podia sentir o desejo e o calor vindo dele. Ele nunca teve que fazer seus sentimentos conhecidos por meio de palavras. Eu poderia senti-los através de seu toque. Ele era um homem gentil, o amante perfeito. Então, por que eu me sinto como se houvesse algo faltando? "Você é tão bonita." Evan acariciou minha bochecha e sorriu para mim. Corei um pouco, o que sempre foi uma reação instantânea, quando alguém me elogiava. Evan sorriu e arrastou um dedo na minha bochecha. "Olhe para isso. Bochechas rosadas." Eu fiquei rígida e senti o ar em meus pulmões fugirem. Evan, vendo meu pânico, recuou um pouco. "Qual o problema? Você está bem?" Eu balancei a cabeça vigorosamente, mas ainda não conseguia respirar. "Eu disse algo errado? Jessica, fale comigo?" Finalmente, eu era capaz de tomar respirações profundas enquanto Evan acariciava meu braço. "Está tudo bem. Nada pode prejudica-la. Respire, lento, respirações profundas e longas. É isso aí." Eu sabia que Evan tinha a cabeça de médico agora e que era bom para mim. Pelo menos eu não tive que responder às suas óbvias questões agora. "Você é capaz de me dizer do que se trata?"


Tentando me acalmar, tomei respirações lentas e profundas. Eu não sabia o que tinha acontecido. Naquele momento, Dean me irritou mais do que nunca. Por que eu não podia simplesmente passar por cima dele? Por que eu ainda vivia e respirava por ele todos os dias, apesar do fato de que ele me machucou da pior maneira possível? Eu me sentia mal. Como eu poderia fugir de um homem que estava constantemente pensando? Por que ainda estava pensando em maneiras de me livrar dele, embora estava quase certo de que ele iria me encontrar agora? Por que eu estava planejando em minha cabeça sobre como lidar com esses quase certos eventos futuros? Ele era incompreensível e seu comportamento totalmente anormal. Eu não conseguia entender isso e eu não podia fugir dele. Esta era a minha vida agora. Isso era o que ele tinha me reduzido. "Eu não posso. Não agora. Sinto muito, Evan. Eu não sei mais o que dizer. Eu simplesmente não consigo lidar com isso agora, com Jeremy no hospital." Eu olhei nos olhos dele e me senti como uma merda de uma cadela sem coração. Eu queria amar Evan tanto. Eu queria dar-lhe tudo, porque ele merecia. Ele era muito bom para mim. De certa forma, acho que esse é o problema. Evan respirou fundo e me deu um pequeno sorriso. Eu sabia que estava machucando-o por não me abrir, mas também sabia que ele iria me dar esse tempo. Mesmo que eu não merecia. "Está tudo bem, Jessica. Quando as coisas se acalmaram um pouco, vamos conversar." Eu balancei a cabeça e sorri um pouco mais. "Que horas seus pais chegam?" Olhei para o relógio e vi que era um pouco depois das sete da noite. "Eles devem chegar aqui por volta das nove, eu acho. O avião pousa às sete e meia." Evan acariciou meu cabelo, então se levantou. "Eu vou passar por aqui, logo que puder. Tenho cirurgia em quinze minutos, então é melhor eu ir. Eu realmente gostaria de conhecê-los, entretanto." Eu sorri de volta. "Eu estou ansiosa para isso também."


Evan beijou o topo da minha cabeça e correu para dar um beijinho na bochecha de Jeremy. Ele mexeu um pouco, tossiu, em seguida, afastou-se novamente. "Eu amo você, Jessica. Vejo vocês em breve." Eu sorri e acenei novamente quando ele saiu da sala. Evan não ficou por aqui para me ouvir dizer isso de volta. Como eu poderia, quando não era verdade? Evan sabia que eu não o amava assim, mas ele ainda está preso ao redor. Eu nunca entendi isso, e não acho que algum dia faria.

Devo ter cohilado porque um leve puxão no meu ombro me acordou. Abri os olhos e tentei ajustar à luz fraca no quarto antes de virar, vendo a minha mãe de pé lá. Me levantando rapidamente para fora da minha cadeira, abracei minha mãe como se minha vida dependesse disso. As lágrimas rapidamente vieram enquanto eu sentia os braços do meu pai em volta de mim, também. Fazia muito tempo. "Eu sinto muito, eu te chamar, mas não sabia mais o que fazer. Quando o médico me disse que ele tinha pneumonia, entrei em pânico." Meu pai acariciou meus cabelos e sorriu. "Está tudo bem, Tyler. Você não tem que explicar para nós. Nós compreendemos. Teremos de falar sobre isso, mas primeiro. Como está Jeremy?" Eu puxei fora do abraço da minha mãe e vi que ela tinha lágrimas em seus olhos, também. Eu sorri e voltei minha atenção para a pequena figura dormindo de Jeremy. Levou toda a minha força de vontade para me segurar de puxá-lo em meus braços. "Ele

está

melhorando.

Ele

está

tomando

antibióticos

agora

e,

esperançosamente, deve ser capaz de voltar para casa amanhã. A princípio, eles pensaram que eles poderiam ter que drenar o líquido de seus pulmões. Quando eles disseram isso, eu quase tive um ataque de pânico."


Minha mãe acariciou meu braço e ofereceu um sorriso em causa. "Eu desejava que você não tivesse que passar tudo isso sozinha." Eu sorri de volta. "Está tudo bem. Depois me acalmei um pouco, esperei um tempo e liguei para Evan. Eu não gosto de ligar quando ele trabalha à noite, mas eu não sabia mais o que fazer. Claro que, sendo Evan, ele me repreendeu por não ter ligado antes. Ele conseguiu me acalmar depois disso." Meu pai deu um beijo suave na testa de Jeremy e acariciou seus cabelos. "Onde está Evan agora?" perguntou. "Ele deve estar em cirurgia agora. Ele disse que mal podia esperar para conhecê-los. Ele vai tentar vir aqui assim que estiver tudo acabado." Minha mãe sorriu e me olhou por um tempo. "Tyler, faz tanto tempo. Você parece a mesma, apenas mais magra. Você costumava ter curvas encantadoras em todos os lugares certos. Você está cuidando de você mesma?" Esta foi a primeira vez que vi meus pais desde a noite da morte de Ian. Eles tinham visto Jeremy porque minha irmã o tinha levado para ficar com ela algumas vezes. Eu sempre quis que Jeremy conhecesse sua família. Eu simplesmente não podia correr o risco de estar lá com eles no caso de Dean seguir meus pais para a casa da minha irmã. Nunca foi fácil, mas foi um acordo que funcionou depois de um tempo. "Eu estou bem, mãe. Por favor, não se preocupe comigo. Jeremy e eu estamos bem." Minha mãe se sentou na cama e olhou para mim, com uma expressão preocupada no rosto. "O que é que vamos fazer agora? Você deve saber que Dean provavelmente nos seguiu até aqui. Uma vez que ele encontrar você, ele vai encontrar Jeremy." Eu estremeci. Eu sabia que Dean nunca me deixaria ir, mas se ele descobrisse sobre Jeremy, seria dez vezes pior. Eu tinha que convencer Dean que uma vida comigo não era mais uma opção. E eu tinha que fazer isso sem Jeremy,


não importa o quanto essa porra me rasgasse em pedaços só de pensar nisso. Eu nunca tinha ficado longe de Jeremy quando ele estava doente. Nunca. "Eu ia falar com você sobre isso. Você seria capaz de cuidar de Jeremy por uns poucos dias? Apenas até que as coisas se instalem." Minha mãe bufou. "Tyler, isso seria o nosso prazer. Você nunca tem que perguntar-nos. Ficaríamos muito felizes em ajudar." Olhei para o meu pai e ele concordou. "Seja o que for que você precisar de nós, vamos fazê-lo. Nenhuma pergunta, abóbora." Eu ri um pouco quando ele me chamou pelo meu apelido. Isso costumava me sacudir quando eu era mais jovem, mas ouvi-lo agora me fez perceber o quanto eu senti falta disso. "Obrigada. Eu realmente não sei o que faria sem vocês." Minha mãe riu. "Tyler, isso é tudo o que nunca esperava que acontecesse. Nós lhes dissemos uma e outra vez que você tem-nos sempre que precisar de nós. Tudo que você tem a fazer é pedir e nós estaremos lá. Estou tão feliz que você finalmente aceitou a nossa oferta de ajuda. Você sempre foi tão ferozmente independente às vezes e isso me preocupou um pouco. Todos nós precisamos de alguém para nos apoiar de vez em quando." Sorri para minha mãe, meu pai, em seguida, entrou em cena e gentilmente segurou meu braço. "O que você precisa de nós?" Eu suspirei. "Se eu conheço Dean, ele ou alguém está observando este hospital agora. Se todos nós sairmos com Jeremy amanhã, ele vai saber. Eu não posso correr esse risco. Eu estive pensando sobre isso por horas e não importa o quanto isso parta meu coração, deixar Jeremy com vocês é a minha única opção. Eu não quero deixá-lo enquanto ele está doente, mas se o médico der alta amanhã de manhã, é apenas um caso de Jeremy ficando melhor a cada dia. E eu sei que posso confiar em vocês para cuidar dele na minha ausência". Meu pai concordou. "Claro, isso nem precisa dizer. Mas como você quer fazer isso?"


Olhei para o meu pai. "Onde vocês planejam ficar?" "Nós reservamos o Marriott antes mesmo de nós entrarmos. Vamos ficar na cobertura, de modo que há muito espaço para Jeremy. Vamos mimá-lo muito." Eu sorri. Eu não tinha nenhuma dúvida sobre isso. Jeremy sempre foi mimado pelos meus pais. Ele não teria nenhum problema em ficar com eles. Avós sempre acabavam sendo os heróis das crianças. Acho que é porque só víamos eles de vez em quando. Isso fazia o tempo juntos mais precioso. "Eu preciso pegar algumas coisas de Jeremy, mas não posso correr o risco de deixar o hospital." Meu pai endireitou. "Eu vou pegar o que quiser. Apenas me dê as chaves." Eu sorri e tirei um molho de chaves. Corri uma lista de onde tudo estava e disse ao meu pai para levar o meu carro. "Amanhã de manhã, vou sair pela saída frontal para que quem estiver assistindo possa me ver. Vou pedir a Evan para levá-lo para fora pela parte de trás e ele poderá levá-lo ao hotel. Sinto muito colocá-los nisto. Eu apenas desejei que não tivesse entrado em pânico." Minha mãe colocou o braço em volta de mim. "Tyler, do jeito que você agiu foi totalmente normal. O que aconteceu hoje deve ter trazido de volta algumas memórias difíceis para você. Claro que você entraria em pânico e chamaria a primeira pessoa que você sabia que poderia confiar. Qualquer um de nós faria isso. Pare de culpar-se sobre isso. Para ser honesta com você, nós temos tantas saudades suas. Foi uma adorável desculpa para vir vê-la". Eu sorri, mas ainda me sentia um pouco estúpida. "Obrigada. Eu senti falta de vocês, também." Eu suspirei, em seguida, lembrei de outra coisa. "Ah, antes que esqueça. Vocês vão ter que começar a me chamar de Jessica na frente de Evan e Jeremy. Se vocês começarem a me chamar de Tyler, eles vão fazer perguntas". Minha mãe concordou. "Claro. Vai ser difícil, mas vamos tentar lembrar." De repente, uma voz foi ouvida. "Vovó? Vovô?"


Olhando por cima, vi Jeremy esfregar os olhos e depois tossir um pouco. Toda vez que ele fazia isso, meu coração entrava em minha boca. "Jeremy, meu menino precioso. Como está se sentindo?" Meu pai balbuciou e eu não conseguia fazer nada além de sorrir. Esta foi a primeira vez que estamos todos juntos e me sentia muito bem. Parecia a coisa certa. Isso é como deve ser. "Meu peito dói, e eu tenho um dodói na minha mão." Jeremy levantou a mãozinha para mostrar onde a agulha borboleta foi colocada. Meu pai pegou sua pequena mão e beijou-a. "Vai ficar melhor agora." Ele bagunçou seu cabelo e Jeremy sorriu um grande sorriso de volta para ele. "Jeremy, temos algo para você." Minha mãe mudou-se para o seu lado enquanto ela alcançava em sua bolsa. Depois de aberto, ela tirou um pacote de Twiglets. O rosto de Jeremy se iluminou e ele começou a bater palmas. Eu não pude deixar de rir através das minhas lágrimas. "Obrigado!" Ele aplaudiu, em seguida, tossiu um pouco. "Mamãe costumava comer estes quando eu estava em sua barriga." Minha mãe beijou Jeremy na bochecha e passou os dedos pelo seu cabelo macio. "Eu sei que ela fez. Foi a única coisa que ela conseguiu comer." Ela olhou para mim com um sorriso e eu suspirei um pouco. Jeremy descobriu sobre meu amor por Twiglets quando ele me perguntou há alguns meses sobre como era ter ele vivendo em minha barriga. Eu disse a ele sobre os Twiglets e ele disse que queria experimentá-los. Eu pedi a minha mãe para enviar alguns mais, mas eu não achei que Jeremy gostaria deles. Você amava ou odiava, e eu sempre assumi que alguém tão pequeno como Jeremy iria odiar o sabor. Quando ele estalou o primeiro um em sua boca, pensei que ele iria cuspi-lo. Em vez disso, ele comeu um segundo, em seguida, um terceira, até que todo o conteúdo do pacote tinha desaparecido. Ele ainda lambeu os dedos depois! "Você vai ficar aqui com a mamãe?" Jeremy olhou para os meus pais enquanto brincava com o pacote de Twiglets.


Minha mãe olhou para mim, então deslizou mais perto de Jeremy em sua cama. "Mamãe vai ficar aqui com você hoje à noite e amanhã se o médico dizer que está tudo bem, você vai ficar com a gente por um tempo. Você gostaria disso?" Jeremy sorriu, mas olhou para mim. "E a mamãe vem também?" Minha mãe balançou a cabeça. "Mamãe tem algo importante a fazer, mas é só por uns poucos dias." Jeremy olhou para minha mãe com uma expressão ansiosa. "Podemos tomar sorvete?" Todos riram. "Claro que podemos, Jeremy. Contanto que sua mamãe diga que está tudo bem com isso." Todas as cabeças se viraram para mim e eu sorri. "Claro que está tudo bem." "Yeah!" Jeremy gritou. "Bem, alguém já soa bem melhor." Todos nós viramos e encontramos Evan de pé na porta. Mudou-se para a frente, fechando a porta atrás dele, e caminhou em direção a minha mãe. Ele a beijou em ambas as bochechas. "Sra. O'Shea, é um prazer conhecê-la." Ela sorriu e olhou para mim. "Mamãe, papai, este é o Evan." Meu pai se aproximou e apertou sua mão. "Prazer em finalmente conhecer você, meu filho." Meu pai deu um tapinha na parte de trás e minha mãe ficou ali, olhando. "Eu já ouvi muito sobre vocês. Estou tão feliz por finalmente colocar rostos aos nomes. Jeremy está sempre falando de vocês. Não é, amigo?" Jeremy assentiu. Minha mãe corou e sorriu na direção de Evan. Oh céus. Parece que ela já está tocada. Nada como o charme americano masculino para bater as meias da minha mãe fora. "Eu vou ficar com a vovó e o vovô amanhã."


Evan franziu a testa e olhou para mim. "Sério?" Eu assenti. "Bem, eu tenho certeza que você vai ter um grande momento", ele respondeu, voltando sua atenção para Jeremy. Eu tive uma súbita vontade de mudar de assunto. "Como sua cirurgia foi?" Minha mãe e meu pai olharam para Evan, à espera de sua resposta. Ele suspirou. "Correu bem como poderia ser esperado. Foi apenas um reparo de uma válvula simples." Ele brevemente olhou para os meus pais, em seguida, voltou para mim e apontou para a porta. "Posso falar com você por um momento?" Eu interiormente suspirei. Eu meio que sabia que isso ia acontecer. "Claro." Levantei-me e segui Evan para o corredor. Uma vez que ele sabia que a porta estava fechada, me encarou. "Acho que Jeremy ficar com seus pais é por causa de Dean?" Eu balancei a cabeça e suspirei, correndo os dedos pelos cabelos. "Eu não gosto disso, Jessica. Olhe. Eu sei que nós já tivemos esta discussão antes, mas por que não vamos morar juntos? Pode ser o nosso próximo grande passo. Talvez se Dean souber que você está em um relacionamento sério, ele pode simplesmente deixá-la sozinha. Isso supondo que ele está mesmo aqui." Eu dei uma risadinha sarcástica. "Oh, ele está aqui sim. Eu apostaria qualquer coisa nisso." "Então você não acha que é uma boa ideia nós estarmos juntos? Eu poderia protegê-los." Eu sorri, sabendo que não era com a minha segurança que estava preocupada. Não havia dúvida de que Dean tem algo a dizer sobre o novo homem na minha vida. Por que diabos somente isso já me deixava ligada? "Evan, ele nunca me machucaria. Eu sei que ele não vai. Eu só fugi porque ele traz perigo com ele. Sim, ele é um homem perigoso para os outros, mas nunca iria me machucar fisicamente."


Emocionalmente... Bem, isso era outra história. "Eu não gosto de você naquela casa sozinha. Posso ir quando sair do trabalho amanhã de manhã? Pelo menos até que tenho que voltar a trabalhar amanhã à noite." Eu sorri e acenei. Eu poderia, pelo menos, dar-lhe isso. "Claro. Gostaria disso. Mas, honestamente, eu estou bem sozinha." E havia uma razão para isso. Isso só iria confundir Jeremy se Evan ficasse conosco em uma base permanente. Sim, ele precisava de estabilidade, mas apenas ter por um curto período de tempo o machucaria mais. Sempre foi ele e eu, Evan vivendo com a gente só iria trazer mais dor do que necessário. Eu tinha que tentar evitar isso a todo custo. Evan suspirou e olhou para mim com uma expressão preocupada. "Eu me preocupo com você. Você não pode culpar um homem por querer cuidar de você. Só gostaria que houvesse mais que eu pudesse fazer." Peguei sua mão e sorri para ele. "Evan, você é o mais doce, mais suave, homem mais gentil que eu já conheci. Você já fez mais do que suficiente para mim. E para Jeremy." Evan sorriu e beijou minha cabeça. "Eu te amo e faria qualquer coisa por vocês." Ele suspirou no meu cabelo e gemeu quando olhou para o relógio. "Escute, tenho que voltar ao trabalho, mas devo sair as seis. Existe alguma coisa que eu posso fazer?" Eu balancei a cabeça. "Meus pais estão vindo para pegar Jeremy na parte da manhã. Você poderia levá-los na parte de trás e conduzi-los para o hotel? Vou sair pela saída da frente. Uma vez que você deixá-los, você pode vir para minha casa." Beijei sua mão e sorri para ele descaradamente. "Como poderia dizer não quando você sorri para mim desse jeito e faz uma oferta que não posso recusar?" Eu levantei minha sobrancelha. "Tenho certeza de que posso fazer valer o seu tempo."


Evan gemeu e me puxou para ele. "Eu tenho certeza que você poderia. Você sempre sabe como." Ele se debruçou para baixo, colocando seus lábios nos meus lábios. Ele empurrou sua língua em minha boca, procurando. Evan sempre foi um bom beijador. Ele simplesmente nunca chegou ao estágio onde você pode ouvir os fogos de artifício indo em sua cabeça. Você sabe, de parar o coração, beijo de tirar o fôlego? Isso só nunca aconteceu. E, para ser honesta, eu não acho que é culpa de Evan. Eu não acho que qualquer homem poderia me fazer ter essa reação novamente. O som de alguém limpando a garganta parou nossa troca. "Bem, bem, bem. O que temos aqui? Um médico e uma senhora aleatória recebendo-o no corredor? O que a gestão iria dizer?" Olhando para cima, vi Tara, uma das enfermeiras e uma amiga muito próxima, ironicamente sacudindo a cabeça, e um sorriso enorme no rosto. Ela era uma pessoa que conheci quando eu estava grávida. Um dia, ela me viu nos corredores, em pânico, porque pensei que tinha visto Dean. Ela me deu um copo de água, sentou-se comigo e, nesse momento, eu contei-lhe a minha história. Uma estranha virtual que acabei derramando meu coração para ela. Então, não me senti culpada, ela acabou me contando um segredo seu. Desde então, temos sido grandes amigas. Seu segredo que era realmente pior que o meu. Em certo sentido, era semelhante, porque ela teve que fugir para longe de alguém anos atrás. Ela era casada com alguém que abusou dela fisicamente. Até que ela me conheceu, não tinha contado isso a uma alma. Mesmo agora, nós, por vezes, damos uma a outra um olhar conhecedor ou sorriso, mas nunca mencionamos uma vez a conversa novamente. Tara era apenas um par de anos mais velha que eu, com pele morena clara e cabelos castanhos escuros que ela sempre usava em um coque. Ela tinha os olhos castanhos mais surpreendentes e pele impecável. Eu sempre a atormentava sobre produtos de beleza e de onde ela os tirava, porque ela sempre parecia incrível.


"Ei, Tara", sorri, colocando meu braço em volta da cintura de Evan. "E ei para você, também. Como Jeremy está? Eu ouvi sobre isso e sinto muito. Falei com o Dr. Foster, e ele disse que deve sair até de manhã." Eu balancei a cabeça. "Sim, isso é certo. Dedos cruzados." Tara se aproximou mais. "Você gostaria de uma noite fora quando ele ficar melhor? Ouvi falar de um novo bar no centro da cidade que deve ser muito bom." A postura de Evan ficou dura. "Espera um segundo. Será que este bar envolve beber, dançar, e muitos homens solteiros?" Tara bufou. "Eu sinceramente espero que sim, porra!" Ela riu, e eu não pude deixar de rir com ela. "Não seja tal estraga-prazeres, Evan. Jessica pode cuidar de si mesma. Eu a vi em ação." Ela piscou para mim e eu ri novamente. "Sim, mas o incidente que você está falando deixou um homem no hospital com um dedo quebrado e ameaças de processar Jessica por agressão." Tentei parar o riso de vir, mas não podia evitá-lo. Logo, Tara e eu estávamos fazendo muito barulho no corredor. Uma vez que parei, me virei para Evan. "Bem, ele não deveria ter apertado o meu traseiro." Evan olhou para mim com um sorriso. Ele nunca poderia resistir quando eu dizia traseiro em vez de bunda. "Eu não tenho certeza se é seguro deixar vocês duas saírem juntas. Algo sempre acontece. Lembra-se da última noite de Halloween, quando vocês deixaram a cerca do vizinho pegando fogo? Eu ainda estava me desculpando em seu nome seis meses depois. Na verdade, eles pensaram que foi eu, considerando que as duas correram e não voltaram até uma hora mais tarde". Enterrando a cabeça no peito de Evan, tentei abafar o riso, mas foi muito difícil... especialmente com Tara agora praticamente caindo pelo chão.


"Bem", disse ela depois de acalmar um pouco, "você sempre será o nosso herói por isso. Tenho certeza que Jessica fez com que você soubesse como eternamente grata ela estava." Tara piscou e olhei para Evan com um sorriso. Naquela noite, Evan ficou amuado por uma boa meia-hora depois que o deixamos na mão. Após isso a brigada de incêndio tinha ido e Evan pediu desculpas pela centésima vez, eu fui deixada para lamber as feridas. Ele levou um tempo para vir ao redor, mas a promessa de um strip tease e sexo oral foi tudo que levou para finalmente tê-lo onde eu precisava dele. Acho que Ian estava certo em uma série de coisas, apesar de ser o pior e melhor amigo do mundo e o maior babaca do universo. As mulheres poderiam muito facilmente conseguir o que queriam, usando o que Deus nos deu. Eu tinha que admitir que era algo que usei para a minha vantagem de tempos a tempos. Eu ainda pensava sobre Ian, agora e antes. Eu mesmo ainda chorava por perdê-lo, mas não porque ele tinha ido embora. Por causa da traição e o que nossa amizade significava, obviamente representada por quase trinta anos. Não ia ser algo que eu iria superar facilmente. "Então, o que você acha, garota?" Tara olhou para mim como uma criança ansiosa. Ela ainda era uma mulher solteira, e gostava de ser desse jeito. Claro, ela saia com os homens, mas era sempre uma coisa casual. Ela admitiu que achava difícil confiar em qualquer homem depois do que aconteceu com ela. Ele quebrou seu coração, mais nem todos os homens lá fora eram como seu ex, mas ao mesmo tempo, eu totalmente a compreendia. "Estou dentro!" Nós rimos e Evan apertou seu abraço em mim um pouco. "Oh, vamos lá, Evan. Não vai ser tão ruim assim." Eu sorri para Tara e ela piscou de volta. "É melhor você me dizer quando vai, para que eu possa manter o meu telefone a noite toda. E também pode ser uma boa ideia para manter um extintor de incêndio perto da minha cama."


Rimos de novo, então Tara olhou para o relógio. "É melhor eu ir. Tenho muito o que fazer. Vou trabalhar e te ligo mais tarde." Eu sorri enquanto Tara se inclinou para me beijar na bochecha. "Tenha um bom dia." Eu pisquei para ela e ela piscou de volta. Quando ela estava fora do alcance da voz, Evan olhou para mim com um olhar aquecido. "Onde estávamos?" Cheguei perto de seus lábios e olhei para eles por um momento. "Eu acho que nós estávamos aqui." Eu pressionei meus lábios para Evan enquanto ele gemia em minha boca. O beijo cresceu feroz como seu aperto em volta da minha cintura. Mas tão rapidamente como começou, Evan se afastou. "Se eu não ir agora, vou acabar levando você para o armário mais próximo para fazer algo que um médico não deve fazer no trabalho." O pensamento de repente me emocionou. Isto era um pouco diferente de Evan. "Por que você não deve?" Era um desafio, porque sabia que não podia realmente fazê-lo. Eu tinha que pensar em Jeremy. Mais não prejudica nem um pouco provocá-lo, no entanto. Evan gemeu. "Jessica, não me tente." Eu sorri. "Desculpe, Dr. Connor. Vou me comportar agora." Evan esfregou seu nariz no meu cabelo. "Alguém já te disse que você é uma provocação?" Eu lhe dei o meu melhor olhar ofendido. "Eu? Não!" Evan sorriu, depois olhou para o relógio. "Merda, tenho que ir. Eu só vou aparecer e dizer adeus a seus pais." Eu concordei e nós dois caminhamos de volta para o quarto de Jeremy. Jeremy parecia um pouco mais brilhante com minha mãe sentada na cama, segurando sua mão. Suas bochechas estavam um pouco ruborizada, o que era ótimo, considerando que ele parecia tão pálido antes.


"Eu tenho que voltar ao trabalho. Mais uma vez, foi um prazer conhecêlos." Minha mãe e meu pai sorriram e disseram: "Da mesma forma." Evan beijou Jeremy na cabeça e saiu. "Bem, ele parece legal." Minha mãe sorriu, mas acho que ela poderia dizer o que isso significava para mim. Até agora, ela sabe que não fui agradável. "Mamãe não quer se casar com Evan porque ele não é meu pai." Olhei para Jeremy em estado de choque. Eu nunca tinha dito nada a ele sobre isso. Claro, ele sabia que Evan não era seu pai. De alguma forma, parecia errado se eu não lhe dissesse a verdade sobre isso, mas em nenhuma vez disse a Jeremy que não quero me casar com Evan. Minha mãe viu minha expressão chocada e limpou a garganta. "Eu acho que mamãe só quer cuidar de você, Jeremy." Jeremy repente parecia triste. "Mas eu quero um pai. Eles levam ao parque e jogam bola com você. Eles te cobrem à noite e lê histórias. Eles vêm para a escola e compram sorvete. Brandon me disse isso." Meu coração se partiu. Eu não tinha nenhuma ideia de que Jeremy se sentia assim, mas é difícil quando você é tão pequeno. A maioria das crianças como Jeremy sabem que tem pais e mães. Era apenas natural que Jeremy iria querer o mesmo. Eu tinha sido tão cega para esse fato. "Eu não sabia que você se sentia assim, Jeremy." Meu pai viu a tristeza em meus olhos e seu cenho se transformou em um sorriso quando ele se virou para Jeremy. "Sua mãe faz tudo isso para você, Jeremy. Você tem muitas pessoas que te amam." Ele andou até Jeremy e fez cócegas nele. Jeremy riu, mas tudo que eu podia fazer era ficar lá e olhar para minha mãe. Eu acho que ela sabia o que eu estava pensando. Quando fazia tudo com ele, não era o mesmo que ter um pai.


Jeremy de repente tossiu e meu pai parou. "Eu sinto muito, Jeremy." Jeremy sorriu. "Estou bem. Eu sou duro como o Superman." Todos nós rimos, mas eu não conseguia colocar o que Jeremy disse fora da minha cabeça. Eu sempre pensei que o que dei a ele seria o suficiente, mas eu fui estúpida por pensar sempre assim. Ele precisava de seu pai, e eu o tinha mantido longe de Jeremy todo esse tempo. A culpa logo me inundou. Jeremy tinha perguntado sobre seu pai algumas vezes. Era apenas natural ele querer saber. Eu sempre dei de ombros, dizendo que seu pai morava longe e nós tínhamos perdido o contato. Foi um terrível desculpa para dar a ele, mas qual era a outra alternativa? Dizer que ele estava morto? Eu não podia fazer isso quando era uma mentira. Eu tinha que lhe dar algum tipo de verdade. Jeremy merecia pelo menos isso. Enquanto estava pensando sobre tudo isso, me perguntava o que Dean iria pensar sobre Jeremy, e vice-versa. Eles eram semelhantes em muitos aspectos, era estranho. Doeu ver o rosto de Dean em Jeremy mas, ao mesmo tempo, ele me lembrava o menino que era. Eu só podia olhar com carinho para aquelas memórias. Apesar do que Dean fez, eu nunca poderia manchar aquelas memórias. Elas eram minhas e sempre seriam. Eu vi minha mãe bocejar um pouco e isso me fez sentir culpada. "Por que você não volta para o hotel e dorme um pouco? Seu corpo pensa que é mais de uma hora da manhã. Eu vou ficar bem com Jeremy até de manhã." O mais discretamente que pude para não confundir Jeremy, eu contei a eles o plano. Minha mãe e meu pai concordaram, e depois de um monte de abraços e beijos, eles se foram. Eu mantive Jeremy divertido por um tempo, mas eu poderia dizer que ele estava ficando cansado novamente. Após cinco minutos de ficar quieto e acariciando seus cabelos, Jeremy adormeceu. Me aconchegando a ele, não foi muito tempo depois, eu fiz o mesmo.


Capítulo 4 Dean O inferno é você mesmo e a única redenção é quando uma pessoa coloca-se de lado para sentir profundamente por outra pessoa. Tennessee Williams

No minuto em que desembarquei em Washington, eu peguei a BMW X3 que aluguei, em seguida, Jimmy telefonou. Nas quatro horas, que ele já estava na cidade, ele conseguiu localizar o hospital, em seguida, seguiu a mãe e o pai de Tyler para uma casa em McLean. Mais tarde, ele descobriu que a casa pertencia a uma Jessica Florentino. Eu tinha que sorrir para isso, porque eu sabia que era Tyler. Eu estava quase certo que ela escolheu esse nome por causa da flor de lótus. Jimmy ficou e assistiu a casa pelos dez minutos que eles ficaram lá. Então eles saíram com uma mala e levaram de volta para o hospital. "Eles ainda estão lá?" "Sim." Ele fez uma pausa. "Na verdade, espere... Eles estão saindo. Você me quer que eu os siga?" "Acho que Tyler não está com eles?" "Não, eles ainda estão com a mala, mas eles estão entrando em um carro agora." Eu não queria perder os pais de Tyler, mas agora que eu tinha um endereço para seguir em frente, isso tornou as coisas muito mais fáceis.


"Não se preocupe com segui-los. Você pode me dar o endereço que eles foram antes? Se você não se importar de ficar lá por mais algumas horas." "Não se preocupe. Eu faço isso." Eu agradeci e Jimmy me deu o endereço. Eu coloquei ele no meu GPS e dirigi os 40 minutos ou menos para a casa. Quando cheguei lá, fiquei um pouco surpreendido. Era bastante impressionante olhando de fora. Era uma casa isolada, colonial, com grandes janelas panorâmicas e um grande jardim. Tyler tinha certamente feito uma vida para si mesma. Isso me fez pensar em como ela conseguiu dinheiro, eu sabia que ela era uma garota independente. Isso fez meu coração doer ao pensar que ela tinha pedido aos seus pais, a fim de escapar de mim. Porra, eu realmente a tinha machucado. Eu era o maior idiota na terra, mas um idiota ainda maior por persegui-la assim. Era óbvio que ela tinha seguido em frente, mas eu não podia ignorar o fato de que eu não tinha. Chame isso de merda egoísta da minha parte, mas eu não poderia seguir em frente, a menos que ela estivesse de pé ao meu lado. Quanto mais eu olhava para aquela casa, mais uma realização veio esmurrando, me espancou até a morte. Por que ela precisa de uma casa tão grande? Será que ela tinha uma família agora? Casou-se? O pensamento fez minhas mãos agarrarem o volante mais apertado do que nunca. Eu preciso saber. Mas também tinha que ser paciente. Eu tinha esperado quatro anos para isso. Eu poderia esperar mais algumas horas. Mas uma hora se transformou em duas, e Jimmy me ligou para dizer que não havia movimento no hospital. "Você quer que eu vá aí, Dean?" Eu tinha que sorrir para sua lealdade. "Nah, está tudo bem. Eu sei que eles assustam você, foda-se." "Eu posso lidar com isso."


"Não. Vá e descanse um pouco. Se ela sair, ela só vai vir aqui de qualquer maneira, e eu tenho isso aqui coberto. Apenas me chame de manhã. Se ela não aparecer aqui até então, volte para o hospital e espere lá fora um pouco." Jimmy suspirou. "Claro que sim." Eu desliguei e esperei no carro um pouco mais de tempo, depois pensei que era hora de procurar um hotel. Eu poderia ter um par de horas de sono, em seguida, voltar. Eu dirigi até o Marriot e tentei reservar a suite de cobertura. Ela já estava ocupada, então eu reservei o próximo melhor quarto. No momento em que entrei em meu quarto, tomei banho e fui direto para a cama. Eu coloquei o meu alarme para cinco da manhã, em seguida, desmaiei.

Eu acordei até mesmo antes do meu alarme disparar. Eu pulei para trás no chuveiro e vesti um jeans folgado e uma camisa azul escuro. No momento em que saí de carro para a casa de Tyler, o sol começou a subir. Não houve nenhum movimento quando cheguei lá. Sem luzes, sem carros, sem nada. Tudo estava exatamente como deixei na noite passada. A única conclusão que eu poderia conseguir é que ela ficou no hospital a noite toda, mas por quê? Ela disse que "ele está doente". Quem? Eu tinha uma vaga ideia, mas não queria nem pensar nisso agora sem ver por mim mesmo. Para mim, parecia estranho que ela iria ficar toda a noite em um hospital a menos que essa pessoa significasse mais para ela do que eu queria sequer compreender. O pensamento me fez fisicamente doente. Depois de algumas horas sentado lá, Jimmy ligou para dizer que ele estava de volta ao hospital. Não foi muito tempo depois que ele ligou e disse que Tyler parecia cansada e chateada, mais saiu do hospital sozinha. Ela também estava olhando em volta como se soubesse que alguém a estava seguindo. "Ela está entrando em um carro."


Minha frequência cardíaca aumentou. "Siga ela, Jimmy. Se ela vier aqui, você pode sair, mas deixe-me saber se ela mudar o curso e for para outro lugar." "Claro que sim." Jimmy desligou e eu me sentei lá, esperando. Tudo o que podia fazer era sentar, esperar, e espero que ela esteja vindo para cá e que more sozinha. Parecia que passou horas antes que a vi em um jipe dirigindo para sua garagem, em seguida, ela saiu do carro e entrou na casa. Naqueles poucos segundos que a vi, meu coração parou. Parecia mais magra do que eu lembrava e isso doeu. Eu sempre amei as curvas de Tyler, mas parecia que ela tinha perdido elas. Um súbito clarão estalou em minha mente, eu a sentando no meu joelho e a alimentando, até que suas curvas voltassem. O pensamento fez meu pau pular contra meus jeans. Não demorou muito para o meu pau voltar a porra de vida novamente. Eu pensei que ele tinha se perdido por um tempo. Pouco depois que ela entrou em sua casa, meu telefone tocou. Eu o peguei. "Jimmy, obrigado." "Tudo bem. Presumo que ela está em casa agora?" "Sim, ela acabou de chegar." Eu olhei para a casa e tudo ainda estava tranquila no interior. "Você precisa de mim para qualquer coisa agora?" "Não, companheiro. Eu tenho isso agora. Você já fez o suficiente para mim, Jimmy. Vá para casa e descanse um pouco. Você já ganhou isso." Jimmy riu. "Porra, isso é duas vezes seguidas. Você vai ficar a porra de suave comigo agora? " Eu cerrei os dentes. "Não empurre sua sorte, Jimmy. Eu sei onde você mora." Jimmy riu de novo. "Desculpe, chefe. Vou esperar para você ligar, então. Boa sorte."


Eu suspirei. "Obrigado, Jimmy. Acho que vou precisar disso." Nós desligamos e eu passei os próximos quinze minutos mais ou menos pensando no que fazer. Eu tinha passado os últimos quatro anos desesperado para encontrar Tyler e agora que a tenho, eu estou preso ao assento do caralho do carro. Balançando a cabeça, eu disse a mim mesmo para parar de ser tão marica. Quando me mexi para abrir a porta, vi um carro se aproximando por trás de mim. Eu assisti e esperei quando o sedan passou por mim e puxou para dentro da entrada da casa de Tyler. Algum idiota com calças cáqui e camisa branca saiu do carro e bateu na porta da frente. Eu podia sentir meu sangue ferver, mas me senti melhor com o conhecimento de que ele estava batendo, porque isso me disse uma coisa. Ele não vive lá. Tyler, parecendo tão bonita quanto nunca com seu longo cabelo loiro solto e um vestido justo, abriu a porta. Ela se inclinou para frente, beijou-o nos lábios, e ambos entraram. Eu tive que sair. Se não o fizesse, ia marchar até a porra da porta e jogar aquele filho da puta através da janela. Quanto mais eu pensava nisso, mais acelerado estava ficando, e eu sabia que não poderia ir lá com armas em punho. Tyler nunca me perdoaria. Eu não sabia se ela me perdoaria pelo que fiz para ela no passado de qualquer maneira, mas agir como um idiota agora não ajudaria em nada. Então eu fiz uma coisa que pensei que nunca iria fazer. Fui embora. Dei uma meia-volta e voltei para o hotel. Fiquei lá um tempo e voltei mais tarde. E quando o fiz, aquele filho da puta tinha ido.


Capítulo 5 Tyler Evan estava em cima de mim, se movimentando, grunhindo e suando, enquanto eu estava lá imaginando Dean na minha cabeça. Sim, eu sabia que era uma puta. Eu não conseguia evitar. Quanto mais pensava sobre ele, mais eu podia sentir um orgasmo crescendo dentro de mim. Então, o que eu fiz? Eu o deixei correr. Fechei os olhos e imaginei esse momento no clube, na noite de Halloween. A noite, quando Dean me segurou perto e me tocou até que me desfiz. A noite, quando ele me levou a uma despensa, bateu no meu traseiro, e me fodeu duro e cru sobre uma mesa. Não demorou muito tempo para que eu gozasse, Evan se juntou a mim. Depois, ele se deitou em cima de mim por um tempo, ofegante no meu ouvido. Eu me senti culpada, suja e envergonhada de mim mesma por fazer isso para ele o tempo todo. Eu queria estar com ele como ele obviamente queria estar comigo, mas era tão difícil. Mesmo depois de todo esse tempo, eu não conseguia seguir em frente. Uma parte de mim queria a família que Evan desejava. Eu queria estabilidade, pelo amor de Jeremy. Mas a outra parte de mim ansiava por algo que era tão dolorosamente ausente. "Eu te amo", Evan sussurrou, mas eu ouvi. Tudo o que eu podia fazer era sorrir e beijá-lo. Ele saiu de mim, virou-se de costas, e fechou os olhos. "Você parece exausto. Descanse um pouco. Eu estou indo para o hospital para fazer alguma leitura. Eu estou interessada em saber o que acontece com Jemima, a pata e o local secreto do seu ninho."


Evan sorriu. "Essas crianças te amam. Elas muitas vezes perguntam quando você vai." Eu sorri. "Isso é bom. Estou feliz em ouvir isso." Levantei-me e fui tomar um banho. Eu estava ansiosa para a minha visita. Muitas vezes eu ia para o hospital para ler para as crianças. Isso era como uma terapia que eu precisava. Estar com elas era sempre um lembrete constante de quanto eu precisava apreciar tudo e todos em torno de mim. A vida era preciosa e você tinha que agarra-la. Se você não o fizesse, o tempo iria passar por você, e antes que percebesse, você iria embora, deixando para trás arrependimentos. Pegando um vestido mais para o verão, deixei Evan dormir, entrei no carro e fui para o hospital. Enquanto caminhava para o quarto, uma enfermeira chamada Tina me cumprimentou. "Ei, Jessica. Como você está hoje?" Eu sorri. "Estou bem, obrigada. Eu preciso ter certeza de que a terrível raposa do Conto de Jemima a pata, recebe o seu merecido castigo." Tina riu. "Eu poderia te contar, se você quiser." Eu balancei a dedo para ela. "Uh-uh. Eu tenho que descobrir por mim mesma. Eu odeio spoilers." Eu suspirei um pouco e olhei para dentro do quarto. "Como eles estão hoje?" Tina sorriu. "David foi enviado para casa ontem." Engoli em seco. "Isso é ótimo. Estou emocionada." "Eu pensei que você ficaria." Eu era muito próxima de David, porque ele era outra criança com leucemia. Não era nem de perto tão agressiva como a de Jeremy, mas ele ainda estava muito doente com isso. Eu sabia que ele estava ficando melhor com cada tratamento, de modo que saber que ele tinha recebido alta, fez meu coração inchar. Eu cutuquei o ombro de Tina. "Eu vou entrar."


Tina balançou a cabeça e abriu a porta para mim. Assim que entrei, Katie gritou. Ela tinha apenas oito anos, mas seu cabelo já estava diminuindo por causa da quimioterapia. Felizmente, estava ajudando, o que era uma coisa. Quando ela chegou, ela tinha um belo cabelo longo castanho, mas agora ele estava caindo e sem vida. Foi triste ver, mas eu estava determinada a não deixar transparecer. "Como está Jeremy?" Ela estava sorrindo e isso me fez sentir quente por dentro. Sentei-me ao lado de sua cama. "Ele está um pouco doente, mas seus avós estão cuidando dele agora. Ele vai ficar estragado de tanto mimo." Eu sorri, mas senti uma pontada com a menção dele. Eu já sinto falta dele. "Ele vai ficar bem." Ela deitou a mão na minha e eu não pude deixar de me sentir admirada com esta menina. Ali estava ela, uma criança muito doente, mas estava me confortando. "Eu sei que ele vai. Obrigada, Katie." Ela sorriu. "Não há de quê". Ela se deitou novamente. "Então você vai ler o restante da história? Eu realmente quero saber o que vai acontecer com Jemima a pata, mas eu não queria que ninguém mais lesse para mim além de você." Ela sorriu e meu coração se iluminou. "Bem, então! Temos de começar."

Eu li a história e descobri que Kep, o Collie, veio para o resgate no final. Foi um lindo momento peludo, mas Katie e eu aprovamos ele. Depois disso, eu fiquei mais um par de horas, lendo e conversando com todas as outras crianças. Falei com um casal de enfermeiros lá também, e ouvi todas as fofocas. Depois de dizer meu adeus, eu fui ao supermercado local para pegar algo para o jantar. No momento que tinha todos meus compromissos terminados, já era depois das duas da tarde.


Chegando em casa, arrumei todas as coisas, então liguei para minha mãe e meu pai. Jeremy estava muito bem e, aparentemente, aconchegou-se na cama comendo sorvete e assistindo Procurando Nemo na TV. Era bom saber que ele estava ficando melhor, mas eu ainda sentia falta dele. Depois de desligar, liguei a TV e assisti Procurando Nemo, também. De alguma forma, me fez sentir como se eu estivesse assistindo com ele. Mais tarde, dei uns mergulhos e depois fui tomar um banho, e após comecei a fazer algo para comer. Considerando que o tempo estava tão quente, eu fiz uma salada com frango, presunto e queijo. Evan não consegue ter o suficiente de queijo. "Hmmm, algo cheira adorável. Eu poderia me acostumar com isso." Eu me virei e vi ele descendo as escadas. Seu cabelo estava molhado e selvagem do banho, e ele estava vestindo novamente sua calça cáqui. "Eu estou fazendo salada de frango com presunto e muito de queijo." Evan serpenteou os braços em volta de mim por trás e mordiscou minha orelha. "Você foi incrível esta manhã. Eu nunca vi você deixar ir assim antes. Foi incrível." Eu fechei meus olhos enquanto a culpa veio instantaneamente. "Você foi muito legal mesmo." Eu odiava mentir, mas não podia dizer nada. Deus, eu sou a pior namorada do mundo! "Eu a levaria novamente se eu não estivesse com tanta fome. Eu poderia comer um cavalo." Virando, sorri para Evan e o beijei. "Vá se sentar. Vou trazer tudo para a mesa." Nós nos sentamos e comemos o jantar, enquanto ele me contou sobre o seu turno na noite anterior, e eu disse a ele que eu agora sabia o que aconteceu com Jemima, a pata.


Após o jantar, coloquei tudo em minha máquina de lavar louça, em seguida, virei para a geladeira para pegar um vinho. Servi-me um copo e bebia enquanto olhava para fora na piscina. Evan estava logo atrás de mim, acariciando o nariz em meu pescoço. Eu logo o senti duro quando ele me virou para me beijar. "Eu quero você de novo", ele respirou na minha boca. "Eu tive uma fome satisfeita, e agora eu preciso de outro cuidado. Você sabe como cuidar bem de mim, Jessica." Ele me beijou avidamente e me levantou para me colocar na ilha da cozinha. Ele puxou meus quadris para frente e gemia em minha boca. "Deus, eu te amo, Jessica. Eu amo a sensação de sua pele, o gosto de seus lábios, o toque de suas mãos no meu corpo. Eu amo tudo sobre você." Evan puxou para cima o meu vestido e puxou minha calcinha. Eu não sabia se tinha o coração para passar por isso novamente, mas também não tenho o coração para detê-lo. Evan veio para meu pescoço e começou a me beijar lenta e deliberadamente. "Eu quero muito estar dentro de você." Ele puxou as calças, e assim que ele estava prestes a desfazer seu botão, o seu sinal sonoro disparou. Salva pelo gongo. "Merda!" Ele estava chateado. Eu sabia que tinha que ser uma emergência no trabalho e Evan nunca poderia ignorar uma emergência. Ele agarrou o sinal sonoro e olhou para baixo. "Porra. Eu tenho uma emergência que não posso ignorar. Eu sinto muito." Eu tentei parecer desanimada quando rocei os meus lábios com os seus. "Não sinta. É o seu trabalho. Eu me odiaria pensar que você não salvou alguém, porque você estava muito ocupado transando comigo". Evan sorriu. "Transando com você?" Eu ri e pulei para fora da ilha. "Sim. Transando. Agora vá ficar pronto. Você tem uma vida para salvar." Eu sorri com ternura e ele me beijou rapidamente na bochecha antes de arrumar as calças e sair correndo para fora da porta. Eu me senti como uma idiota. Eu também me senti como a pior mulher do mundo. Como eu tinha conseguido me enganar todo esse tempo, pensando que


eu poderia deixar Evan entrar em meu coração, eu nunca saberia. Suponho que algumas pessoas ficam com alguém, porque, em suas cabeças, é a coisa certa a fazer. Isso por sua vez, faz você aprender a amá-los e ser uma pessoa melhor por causa disso. Mas meio que não te obriga a mudar quem você realmente é? Não quer dizer que você nunca dará o que seu coração verdadeiramente deseja? Agora, eu não sabia o que diabos pensar. Minha cabeça e meu coração estavam por todo o lugar e eu sabia que era por causa do Dean. Em meu coração, sabia que ele estava por perto. Eu sabia que ele estava me olhando de novo. Eu tenho a mesma sensação que tinha da última vez que ele me perseguiu por três anos. Será que ele me viu esta manhã? Ele viu Evan? Se ele viu Evan, o que diabos ele estava pensando agora? Estas questões ficaram rolando na minha mente por tanto tempo que minha cabeça começou a doer. Naquele momento, eu não sabia o que diabos eu estava fazendo. Por que estava me torturando mantendo Jeremy longe, embora eu sentia muita falta dele? Foi estúpido, eu sei. Pode chamar de instinto maternal, chame de proteger o meu coração, chame de qualquer coisa para explicar minhas ações agora. Sentindo-me exausta, eu peguei meu copo de vinho e me sentei em frente à TV por um tempo. Isso não me ajudou a relaxar, então decidi tomar um longo banho fresco de banheira em vez disso. Eu pego minhas provisões... morangos, molho de chocolate e uma garrafa de champanhe... e subi para tomar o meu banho. Até o momento que eu tinha acabado, eu estava recheada com morangos, embriagada, e mais limpa do que tinha me sentido em um longo tempo. Eu fiz mais uma ligação para os meus pais, que me disseram que Jeremy agora estava dormindo pacificamente, então decidi fazer o mesmo. Eu escorreguei em minha camisola de seda, liguei a lâmpada fraca da minha cama, e deslizei sob os lençóis. Desliguei a lâmpada do quarto, eu rolei para fechar meus olhos quando ouvi algo que sacudiu meus olhos bem abertos. Fiquei ali, querendo saber se eu estava indo para fora da minha mente.


Certamente que esse som... lá estava ele novamente. Tocando. Que diabos tocava esse som? Jogando os lençóis para fora, me virei para minha janela e, com certeza, havia pequenas pedras batendo no vidro. Meu coração afundou, meus joelhos ficaram fracos, e meu corpo zumbia. Eu sabia exatamente quem era sem sequer olhar. Eu sabia que tinha de caminhar até a janela, mas, por alguma razão, meus pés não podiam se mover. Eu estava enraizada no lugar enquanto meu coração tamborilava um milhão de milhas por hora. Respirando fundo, eu consegui colocar um pé na frente do outro. Eu estava com medo, animada, irritada, e triste. Todas as minhas emoções pareciam enredar um com a outro enquanto minha adrenalina chutava a outro patamar. Por alguma razão, eu não podia olhar para fora da janela. Em vez disso, a abri tão alto quanto podia e dei um passo para trás tanto quanto possível. Eu precisava estar perto da porta apenas no caso de ter que fugir. Eu não sabia por que estava o deixando entrar. Tudo dentro de mim estava gritando para me proteger, mas não era minha vida que precisava de proteção. Era o meu corpo, coração, mente e alma. Tudo o que Dean sempre foi proprietário. Eu pulei um pouco quando ouvi o som de alguém subindo minha janela. E então ele emergiu. Ele subiu com facilidade, assim como ele costumava fazer todos aqueles anos atrás, e estava ali perto da janela, olhando para mim. A única luz no quarto era a luz da lua e as luzes da rua, mas eu podia ver o suficiente para saber que era definitivamente ele. Ele parecia apenas tão impressionante sob essa luz como na fria luz do dia. Toda vez que eu o vi, um pouco mais da minha respiração foi tomada. Não importa o quão longe eu corria, nunca iria escapar do jeito que ele me fazia sentir. Mas isso não desculpou o que ele fez. Isso não desculpa o gigantesco buraco no meu coração. "Tyler..."


Eu não consegui fazer nada, apenas fechar os olhos ao ouvir o som de sua voz. Aquela sua voz ainda me assombrava, ainda jogava na minha mente, e ainda me deu alguns dos melhores orgasmos que provavelmente tive na minha vida. "Lotus..." Eu não podia deixá-lo ver o meu verdadeiro eu. Eu não podia deixá-lo ver que eu estava tão quebrada agora, como estava naquela época. Mas, acima de tudo, não poderia deixá-lo ver que não importa quanto tempo tivesse passado, eu ainda estava tão apaixonada por ele agora como sempre fui. Apenas não havia como negar esse fato. "Por favor, não me chame por esse nome." Minhas narinas de repente explodiram em raiva. "E por que não? Isso era o que você nomeou-se há quatro anos atrás." "Não é quem sou agora. Lotus está morto, Tyler. Morto e acabado. Dean está aqui agora." Ignorando-o, eu apontei para a minha janela. "Por que você fez isso? Por que você subiu pela minha janela?" Dean suspirou. "Porque eu queria que você soubesse que seu Dean está aqui. Eu estou aqui, Tyler, e eu quero minha Rosey de volta." Meus olhos combinados com lágrimas das suas palavras e da traição ainda fresca que corria em minhas veias. "Eu não sou sua Rosey mais, Dean. Ela está morta, também." Ele se mudou um pouco para a frente. "Eu me recuso a acreditar nisso." Eu coloquei minha mão para cima. "Acredite. Mudei-me para milhares de milhas de distância, mudei a minha identidade, e falsifiquei a minha própria morte para ficar longe de você. Não acha que isso deveria lhe dizer alguma coisa?" "Por que você fez isso?" Sua voz era de dor e ele quebrou meu coração tudo de novo.


"Porque você é muito perigoso. Você é perigoso para minha mente, meu corpo, meu coração. Você não entende isso? Você não entende o que fez para mim? Como eu poderia seguir em frente a partir de algo assim?" Eu comecei ofegante. Parecia que estava tendo um pequeno ataque de pânico. Dean avançou um pouco e segurou as palmas das mãos para fora na frente de si mesmo. "Eu sei, Tyler. Eu sei. Eu sou o pior escória do universo e não mereço você." Meus olhos se arregalaram. "Então por que você está aqui?" "Porque sou egoísta!" Sua voz era tão alta e imponente, que me fez saltar um pouco. "Porque estou quebrado. Porque não posso viver sem você. Eu me recuso a acreditar que você mudou sem mim, Tyler. Eu me recuso a acreditar que você não me quer, e você sabe por quê? Porque ainda está usando aquela corrente em torno de seu pescoço." Por instinto, eu coloquei minha mão sobre as asas de anjo. "Você ainda está olhando para mim como se eu fosse o único homem que sempre existiu. Seu corpo ainda reage cada vez que você me vê, e sua respiração ainda fica pesada quando você olha para mim com esses belos olhos verdes. Você sempre será minha, Tyler. A partir do momento em que nos conhecemos quando você tinha seis anos, você era minha. Você se lembra, Tyler? Você se lembra daquela conexão forte, apesar do fato de que nós éramos tão jovens?" Eu soltei um pequeno soluço, ameaçando revelar meus sentimentos. "Por favor, pare. Eu não quero ouvir isso." Dean deu um passo a frente novamente. "Você não pode continuar negando isso a si mesma, Tyler. Você não pode continuar a negar que é minha Rosey". "Não me chame assim, Dean. Você não tem esse direito. O menino que costumava me chamar assim, era doce, amável, engraçado, inquieto, e adorava o chão que eu pisava. E você sabe como eu sabia disso? Porque me sentia adorada. Eu me sentia viva sempre que ele estava comigo. Eu me sentia como a cadela maldita mais sortuda no universo, porque meu Dean sempre soube como me fazer sentir especial, eu contava cada segundo precioso com ele. Esperava por ele,


porque ele estava esperando por mim. Se ele tivesse perguntado, eu teria viajado até aos confins do universo com ele, porque essa era a maneira como ele me fazia sentir". "Eu posso ser ele novamente." Não querendo ouvi-lo, balancei minha cabeça. "Eu sou ele de novo. Tyler, por favor, não me deixe de fora. Por favor, deixe-me entrar. Eu não posso viver minha vida sem você." Mergulhei minha cabeça no chão. "Por favor, pare", eu sussurrei. "Tyler..." Eu não queria olhar para cima porque sabia que ele estava lá. Eu podia sentir o cheiro dele. Esse mesmo cheiro almiscarado que passei a amar tanto, quando ele me visitava em meu apartamento. Meu Deus, eu senti falta daquele cheiro. Eu senti falta de tudo sobre ele. "Tyler..." Ele tocou-me. Foi apenas um leve toque contra meus braços, mas foi o suficiente para me fazer tremer, o suficiente para me fazer fraca, o suficiente para fazer os meus mamilos duros, e mais do que suficiente para Dean notar. "Seu corpo nunca trai", ele sussurrou, deslizando a mão em direção ao meu rosto. Eu me perdi nesta fase. Sem pensar, fechei os olhos e me inclinei ao seu toque. Eu levei esse momento para deixar-me sentir como era finalmente respirar oxigênio real novamente. Era reconfortante e calmante. Acima de tudo, era libertador. Eu tomei aquele momento carinhoso porque, cada célula do meu corpo estava gritando por isso, isso não tirou a mágoa. Não tirou a dor, e nem a distância levou a traição. "Eu te amo, Rosey", ele sussurrou contra os meus lábios enquanto eu sentia sua testa encostada na minha. Seus lábios roçaram suavemente contra o meu, enviando um milhão de sacudidas pelo meu corpo. Nos quatro anos que


tenho estado com Evan, nunca senti nada perto disso. Evan era um doce de homem e ele merecia alguém muito melhor do que eu. E isso foi tudo o que levou para me fazer ver. Isso era tudo que levou para me agarrar fora do feitiço poderoso de Dean. Eu posso ser um monte de coisas, mas uma trapaceira não é uma delas. Assim, apesar de todo o meu corpo pulsar com necessidade, empurrei Dean para trás, permitindo um segundo para me recompor. "Você não pode simplesmente vir aqui, quatro anos mais tarde, e esperar que tudo vai ficar bem. Você não pode apenas virar para cima e esperar começarmos de onde paramos mais de 17 anos atrás. Isso não funciona assim". Dean assentiu. "Eu sei, Tyler. Eu não espero isso. Eu sei que vou ter que trabalhar muito duro por nós, mas você vale a pena cada segundo agonizante disso. Nós valemos cada segundo disso. Eu vou lutar por nós. Eu não vou deixar ninguém ficar entre nós. Eu não vou deixar ninguém ficar no meu caminho." Foi esse comandando na voz dele que me disse tudo o que eu precisava saber. Ele sabia. "Eu segui em frente. Eu estou com outra pessoa." Dean bufou uma risada. "Você quer dizer o homem das calças „caqui‟? Ele parece um cruzamento entre Ted Bundy e Salsicha do Scooby-Doo." Ele riu um pouco e eu me encolhi. "Você não pode zombar dele, porra. Ele é duas vezes o homem que você jamais vai ser. Ele nunca, nem uma vez me machucou como você fez, Dean. Ele nunca quebrou meu coração. Ele é carinhoso e atencioso e..." "E o que, Tyler? Ele faz você gritar quando transa com ele? Ele faz você tremer quando te toca? Ele faz você se sentir adorada? Você valoriza cada segundo com ele?" Senti as lágrimas virem. Eu não queria elas, mas Dean trouxe tudo de mim. Por que ele veio aqui e virou minha vida de cabeça para baixo de novo? Por que ele tem que falar as palavras que eu ansiava ouvir? Por que ele tinha esse dom


de sempre me trazer de volta a quando eu era criança, irremediavelmente e devastadoramente apaixonada por ele? Não importa o quão longe, nós nunca parecíamos mudar. "Não me faça dizer coisas que você não quer ouvir, Dean. Não me empurre. Você não pode simplesmente subir a porra da minha janela e, puf, cada coisa que você já fez para mim simplesmente desaparece. Você não leu a carta que enviei? Será que as palavras não te pegaram? Você me quebrou, Dean. Você me rasgou em fodidos pedaços e deixou a devastação em torno de você. Você não era só o amor da minha vida, você era meu melhor amigo. Alguém que eu poderia chamar sempre que eu estava me sentindo para baixo. Alguém que eu poderia contar em qualquer situação. Alguém que nunca, jamais me deixaria para baixo." Limpei minhas lágrimas e fiquei ali, olhando para ele. Eu estava determinada a ficar forte. Eu estava determinada a ser focada e não deixá-lo entrar em meu coração... não importa o quanto eu queria ele lá. Enquanto eu estava lá, nossos olhos se encontraram. Eu podia ver o suficiente para saber que o olhar em seus olhos era apenas um reflexo do meu próprio. Ele parecia tão quebrado quanto eu. "Eu posso dizer que você quer nos corrigir, mas você não pode consertar algo que está fragmentado em um milhão de peças. Você não pode corrigir a dor agonizante que sinto em uma base diária, sabendo que as duas pessoas que significavam o mundo para mim, os únicos que eu já confiei, me traíram. Eu gostaria que você pudesse nos corrigir, Dean. Foda, eu gostaria que você pudesse. Mas você não pode desfazer o que foi feito." Ele balançou a cabeça e vi a agonia em seus olhos. "Eu não vou acreditar que nunca possa curá-la, Tyler. Eu vou curá-la. Vou pegar cada pedaço de merda e eu vou colocá-lo novamente no lugar. Eu prometo a você. Eu prometo que nunca vou deixar você para baixo de novo. Eu prometo fazer você se sentir como a mulher mais adorada novamente, porque você merece tudo, Tyler. Você merece o mundo do caralho. Vou dar-lhe qualquer coisa que você pedir, mas a única coisa que não posso aceitar é perder você. Essa é a única coisa que você não


pode pedir de mim." Ele deu um passo para frente e colocou um persistente beijo na minha cabeça antes de seguir para a janela. "É melhor dizer ao 'caqui' para colocar suas luvas, Tyler... porque ele vai ter uma luta muito boa." Só assim, Dean desapareceu, e só assim, eu estava certa de que estava de volta de onde comecei.

Eu não sabia o que esperar nos próximos dias. Eu sabia que Dean estava indo para tornar-se conhecido, mas não sabia como. Eu descobri isso quando fui visitar Evan mais tarde no dia seguinte. Depois de receber um telefonema de Tara, me implorando para sair com ela, ele me mandou uma mensagem para me deixar saber que ele estava acordado e queria me ver, então dirigi até lá. Quem me cumprimentou na porta era Clarissa, sua faxineira, cozinheira, passadeira, etc. Ela era basicamente como sua mãe, porque ele mal tinha tempo para cuidar de si mesmo. "Jessica, que bom te ver. Entre." Eu sorri calorosamente e entrei pela porta. Ela era uma trabalhadora e uma menina adorável. Ela era originalmente da China, e era muito pequena, cabelos negros sedosos e olhos castanhos escuros. Seus pais se mudaram para os Estados Unidos quando era uma menininha. Seu pai era um técnico nuclear ou algo do tipo, e foi contratado por uma empresa em Washington e ela amou aqui, e francamente, eu também pude ver por que minha irmã se apaixonou por esse país. "Como está seu marido?" A última vez que falei com ela, ela me disse que ele teve um ataque de vômitos e diarreia. "Ele está bem agora. Era uma daquelas viroses de vinte e quatro horas. Ele ainda estava um pouco fraco ontem, mas está muito melhor agora. Obrigada por perguntar. Como está Jeremy?"


Eu sorri. "Ele está muito melhor, obrigada. Ele está com os meus pais e eles estão estragando ele, então ele não está com pressa de voltar para casa." Eu ri, mas senti uma sacudida através do meu estômago. Eu sentia muita falta dele. "Jessica, você está incrível." Evan desceu as escadas, vestindo novamente a sua calça cáqui. Foi maldade minha, mas eu não podia deixar de sorrir. Eu olhei para as minhas capris azul e levantei minha sobrancelha. "Sério? Nesta coisa velha?" Evan sacudiu a cabeça e me deu um beijo. "Você ficaria bem em qualquer coisa." "Vou deixar vocês dois sozinhos", disse Clarissa, sorrindo. O telefone tocou, então ela foi correndo responder. "Como você está se sentindo hoje? Eu senti sua falta quando vim para casa esta manhã. Eu queria ir e terminar o que começamos ontem, mas não queria te acordar." Ele beijou minha mão e sorri para ele. Era tão estranho estar com Evan depois do meu encontro com Dean na última noite. Eu não conseguia tirá-lo da minha cabeça. "Eu estou bem, Evan. Eu estava sã e salva, escondida na cama. Eu dormi como um bebê." Evan fechou os olhos e, silenciosamente, cantarolou. "Me desculpe, senti falta disso." Clarissa veio correndo de volta. "Erm, desculpe incomodá-lo, Dr. Connor, mas um sr. Bundy do hospital ligou. Ele disse que o Sr. precisa voltar o mais rápido possível. Algo a ver com alguma intromissão de criança." Ela franziu a testa. Depois do choque inicial, levou tudo na minha força de vontade para não rir. Sem dúvida Dean estava me seguindo de novo e sabia que eu estava aqui. Eu não acho que ele me permitiria ficar sozinha com Evan nunca mais agora.


Evan olhou para mim, uma expressão confusa no rosto. "Eu não tenho ideia do que se trata, mesmo assim é melhor eu ir dar uma olhada. Você está livre hoje à noite? Eu quero falar com você. Eu pensei que nós poderíamos sair para jantar." Eu balancei minha cabeça. "Eu não posso hoje à noite. Eu vou sair com Tara." Eu sorri, mas Evan olhou desapontado. "Que tal amanhã à noite, então? Eu vou reservar uma mesa no Loretto." "Parece bom. Eu amo Loretto." Evan sorriu e me beijou. "Eu sei que você faz. Vou sentir saudades até então. Você pode vir um pouco antes de sair com Tara?" Eu balancei minha cabeça. "Eu estou um pouco ocupada hoje. Desculpe." Era uma mentira total, mas, por alguma razão, eu não queria ficar sozinha com Evan tanto quanto Dean não queria que eu ficasse. Evan suspirou e quase fez beicinho. "Ok. Eu acho que vou ter que guardar tudo para amanhã à noite." Ele me deu um sorriso travesso e me beijou novamente. "Vem até o carro comigo?" Eu balancei a cabeça. "Claro." Eu me virei rapidamente e gritei: "Tchau, Clarissa!" Então fizemos nosso caminho para a porta. Eu não a vi, mas a ouvi gritar de volta. Saímos para o sol quente, o que nos atingiu imediatamente. Parecia que o verão ia ser uma cadela este ano. Virei-me para Evan, dei-lhe um beijo de adeus, e entrei no carro e fui embora. Quando eu estava dirigindo, notei um BMW preto com vidros fumados na sequência de um par de carros atrás de mim. Eu poderia jurar que vi esse carro no caminho para Evan também. Uma vez que estacionei na minha garagem, vi o mesmo carro um pouco mais abaixo na rua. Eu poderia tê-lo beijado e lhe dado um soco ao mesmo tempo. Eu precisava mostrar como eu estava chateada.


Assim, não perdi tempo, e caminhei em direção ao carro e vi a janela abaixar. Certo o suficiente, era Dean. "Por que você está me seguindo?" Eu coloquei minhas mãos em meus quadris para uma boa medida. Por sua vez, Dean vagarosamente me olhou de cima e para baixo com um sorriso. "Você está parecendo muito bem, Rosey. Essa cor combina com você. Embora, eu tenha que avisá-la, eu não iria ficar assim por muito tempo se fosse você. Você nem imagina o que está fazendo para mim." Mantendo minhas mãos em meus quadris, apontei para ele. "Eu sei o que você fez, Dean. Foi maldito e desagradável." Dean sorriu. "Eu não sei o que você está falando." Eu bufei. "Você sabe. Supondo que ele está indo para o trabalho no momento em que não tinha necessidade de ir?" Dean me deu um olhar inocente e deu de ombros. "Você não o impediu, no entanto, não é? Eu disse que estava indo lutar por você, Tyler. Este é apenas o começo." Calor irradiado entre as minhas pernas. Suas palavras, juntamente com a maneira como ele parecia naquela camisa polo branca, não estava ajudando. Você podia ver seus músculos praticamente pulando para sair. "Eu estou tão brava com você!" Dean abriu lentamente a porta do carro e saiu. Cada parte de mim cantarolava e situava-se em atenção no segundo que ele fechou. Eu não sabia o que ele ia fazer, mas no minuto em que começou a pisar em minha direção, eu rapidamente comecei a recuar. "O que você está fazendo?" Dean avidamente olhou para mim. "Eu lhe disse para não ficar assim. Eu avisei". Eu balancei minha cabeça quando o sangue começou a correr por minhas veias. "Não, você não pode fazer isso, Dean. Você não se atreva!"


Dean sorriu seu sorriso insolente, sua assinatura. "Porra, eu adoro quando você grita comigo, Tyler. Você não sabe que pressiona os botões? Vamos lá... Dê-me outra coisa. Apenas me dê mais uma porra de desculpa." Eu continuei caminhando e balancei a cabeça. "Não se atreva a me tocar." Ele levantou a sobrancelha e me deu aquele sorriso que sempre me disse que eu estava prestes a entrar em apuros. Eu me virei e corri. Foi inútil, no entanto. Dean me pegou pelo pulso, me virou, e me pegou em seus braços me dando um fascinante beijo. No momento em que ele pressionou seus lábios nos meus, eu me perdi. A sensação dele, o calor, o cheiro, era demais para tomar. Sua língua tinha um sabor delicioso enquanto ele dançava com a minha. Nunca me senti tão ligada como agora. Afastando-me, nós dois estávamos sem fôlego. "Deixe-me entrar, Tyler." Eu balancei minha cabeça. "Não." Dean apertou sua virilha na minha, fazendo-me gemer. "Tyler, deixe-me entrar" "Não", eu respirei contra seus lábios. Eu não podia deixá-lo entrar, porque sabia o que iria acontecer, e eu não seria capaz de viver comigo mesma se fizesse isso. "Tyler, se você não me deixar entrar, juro que vou quebrar a porra da porta a baixo com você ainda nos meus braços. Eu não vou deixar você ir." Ele me beijou tão sedutoramente e tão lentamente que juro que quase desmaiei por um momento. Tudo nele me fazia fraca. Eu estava prestes a responder quando o som de alguém limpando a garganta me puxou para fora do Feitiço de Dean. Olhei timidamente para a direita e vi que era uma das minhas vizinhas, e a pior fofoqueira do mundo, Belinda. Por um segundo, enterrei minha cabeça no peito de Dean. "Oh, merda," eu sussurrei, então percebi que tinha minhas pernas firmemente enrolada na cintura dele. Que


diabos isso parece? E como diabos isso aconteceu? Eu nem lembro de ter feito isso! Aliviando-me para baixo, olhei para cima para encontrá-lo sorrindo como o gato Cheshire. "Isso não é engraçado, Dean", eu sussurrei para ele, virando-me para Belinda. "Jessica, tão bom ver você. Quem é seu amigo?" Ela olhou Dean de cima e para baixo e sorriu da maneira mais perversa possível. Ela estava praticamente fazendo amor com ele com seus olhos. Vaca! Limpei a garganta. "Belinda, este é um velho amigo meu, Dean Scozzari. Dean, esta é Belinda Mahoney. Ela mora um pouco mais abaixo na rua." Belinda sorriu e estendeu a mão. "Número 5520... se você quiser vir me visitar." Ela praticamente ronronou as palavras. Dean pegou sua mão para um cumprimento rápido. "Obrigado por seu convite, Belinda, mas há apenas uma garota que quero visitar aqui." As bochechas de Belinda enrubesceram. Eu poderia dizer que ela estava chateada, mas também poderia dizer que ela estava ligada só com sua voz. Tudo o que tinha que fazer era abrir a boca e toda a população feminina abriria as suas pernas. "Bem", disse ela, acenando com a mão. "Se você mudar de ideia..." Ela se virou para mim. "Onde está Evan nos dias de hoje? Eu pensei que o vi sair de sua casa há alguns dias atrás. Ele ficou mais, não foi?" Se eu achasse que ela não conseguiria ser mais vadia, ela o fez. O problema era que eu merecia. Eu deveria estar com alguém, mas estava praticamente transando com outro homem em plena luz do dia, fora da minha casa.


Eu imediatamente senti Dean endurecer atrás de mim. "Ele está no trabalho." Belinda assentiu com um sorriso do mal. "Pobre Evan. Ele está sempre trabalhando duro. Dê-lhe meu cumprimentos, tudo bem?" Eu balancei a cabeça. "Claro." Belinda piscou para Dean, em seguida, virou-se para caminhar de volta para a casa dela. Uma vez que ela estava fora de alcance da voz, Dean começou a rir. "Isso não é engraçado. Ela é a pior fofoqueira nesta cidade. Sem dúvida, toda a porra do bairro vai saber que isso aconteceu, e então isso vai voltar para Evan." Dean deu de ombros. "Bom. Ele precisa saber, Tyler. É apenas justo. Você não deve se amarrar com ele." Irritada, fechei os olhos por um momento. "Não me venha com a porra de arrogância comigo, Dean. Depois do que você fez, não pode pregar para mim!" Seu sorriso desapareceu quando ele abaixou a cabeça. "Eu sei. Sinto muito. Eu simplesmente não consigo me segurar quando estou em torno de você." Eu suspirei, caminhei até a porta e abri-a. "Por favor, me deixe em paz, Dean. E pare de me seguir." Fechei a porta, não ouvindo nada do que veio de fora.

Mais tarde naquela noite, depois de falar com Jeremy ao telefone, eu estava me preparando para sair com Tara. Eu estava no meio de colocar em algum brilho quando meu telefone tocou. "Tyler, como está o minha querida?"


Era Evan. A pontada de culpa veio novamente quando pensei sobre o que tinha acontecido hoje. Sem dúvida, Belinda estaria louca para dizer a ele. Eu acho que teria que fazê-lo em primeiro lugar. Seria melhor vindo de mim. Eu lhe devia muito. "Eu estou bem, Evan. Como você está?" Evan soltou um suspiro. "Há algumas coisas estranhas acontecendo hoje. Você sabe aquele telefonema?" "Sim?" Eu sabia muito bem. "Bem, ele acabou por ser nada. Ninguém sabia quem era esse o Sr. Bundy, mas essa não é a pior parte. Uma vez que cheguei lá, me disseram que eu tinha um pacote. Quando abri, vi um livro intitulado „Os dez piores assassinos em série na história‟. Não havia nenhum nome, nenhum endereço de retorno. Você não sabe nada sobre isso, não é?" Eu coloquei minha mão sobre minha boca e balancei a cabeça. Dean estava determinado a me fazer suar. "Isso certamente não foi de mim, Evan. Eu não teria nenhuma razão para lhe enviar um livro como esse." Eu o ouvi suspirar. "Isso é o que eu pensava. Pareceu-me estranho que um sr. Bundy me ligasse, em seguida, recebo um livro como este. Um deles é mesmo Ted Bundy1." Eu reprimi uma risada e fechei os olhos. "Isso soa estranho. Eu não me preocuparia muito com isso." "Você já ouviu falar do Dean? Eu só estou querendo saber. Será que ele poderia estar fazendo isso?" Ele é o único a fazer isso, pensei. Eu só não tenho o coração para dizerlhe isso agora. Não parece a hora. Era realmente uma coisa boa que nós íamos jantar amanhã. Eu precisava colocá-lo em linha. Tirar essas coisas do meu peito.

1

Theodore Robert Cowell, mais conhecido pela alcunha de "Ted" Bundy, foi um dos mais temíveis assassinos em série da história dos Estados Unidos da América durante a década de 1970.


"Não, nada ainda." Fiz uma pausa por um momento, então suspirei. "Ouça, Evan, Tara estará aqui em alguns minutos e eu tenho que me vestir. Eu vou falar com você amanhã, ok." "Ok. Vou sentir sua falta. Por favor, divirta-se esta noite." Eu ri. "Eu irei." Depois de desligar, escorreguei em um vestido preto justo, e coloquei meus saltos vermelhos. Eu terminei de colocar gloss nos meus lábios e estava pronta a tempo de ouvir a campainha tocar. Tara estava deslumbrante em um vestido de dois tons. "Uau, garota. Olhe para você. Você está pronta?" Tara balançou a cabeça. "Menina, eu não tive qualquer ação em meses. Eu estou mais pronta do que eu já estive em minha vida de merda. " Nós duas começamos a rir quando a convidei para entrar. Eu chamei um táxi e nós nos sentamos com um copo de vinho enquanto esperávamos. Tara estava em forma, derrubando seu copo nos dez minutos que levou para o motorista de táxi chegar. Ela viu a maneira que olhei para ela e franziu a testa. "Garota, quando foi a última vez que deixamos nosso cabelo solto?" Eu tinha que sorrir. Isso era Tara... e eu a amava por isso. Com o motorista de táxi na porta, nós pegamos nossas coisas e saímos para o ar quente da noite. Estava pegajoso e úmido, mas felizmente, nós poderíamos entrar em um carro com ar condicionado. Não demorou muito para chegar ao novo bar em Georgetown. Tara e eu saímos e agradecemos ao motorista de táxi. O bar já estava ocupado com vozes que enchia o ar. Tara ligou seu braço ao meu. "Vamos?" Eu concordei e nós duas entramos. Algumas cabeças viraram e alguns homens deram mais de uma olhada. "Por que me sinto exposta de repente?", Sussurrei para Tara.


"Vamos lá, garota. Você não pode esperar para se vestir assim e não ter homens te comendo com os olhos. Você já viu seus peitos? Mesmo eu quero apertá-los." Nós duas rimos e pedimos nossas bebidas do bar. "Então, como você e Evan estão?" Eu me encolhi um pouco. É claro que ela notou. "O que aconteceu?" Eu não acho que havia qualquer ponto em mentir para ela. Ela era a minha única amiga aqui que sabia tudo sobre o que aconteceu. "Dean aconteceu." Seus olhos se arregalaram. "O quê? Como?" Fechei os olhos. "Liguei para meus pais em pânico e ele descobriu onde eu estava. Na noite passada, ele veio subindo pela minha janela, forte e descarado. Ele, então, me visitou fora da minha casa hoje mais cedo." Tara colocou a mão no meu braço. "Oh, querida, sinto muito. O que aconteceu ontem à noite?" Eu olhei para ela timidamente e suspirei. "Ele me quer de volta. Ele disse que ia fazer tudo que pudesse para corrigir isso. Ele disse que me ama e não pode viver sem mim". Tara franziu a testa por um momento. "O que você disse?" As bebidas vieram e eu levei um momento para tomar um gole da minha. Eu deixei a queimadura do rum deslizar na minha garganta antes de falar. "Eu disse que ele me machucou muito. Que ele não poderia nos juntar. Que estamos basicamente muito quebrados para corrigir." Tara tomou um gole de rum. "Merda, Jessica. O que ele disse de volta?" Fechei os olhos por um momento, lembrando a sensação dele estar tão perto. Ele iria sempre tomar conta de tudo, não importa o quão duro eu tentei. "Ele disse que ia fazer o que fosse preciso. Que ele iria pegar cada pedaço quebrado e consertar-nos de volta novamente. Ele foi embora me dizendo que era melhor que Evan tomasse cuidado porque ele já tinha uma luta em suas mãos".


Os olhos de Tara arregalaram. "Foda-se". Eu balancei a cabeça. "Meus sentimentos, exatamente." Tara franziu a testa, então suspirou. "Eu tenho que ser honesta com você, Jessica. Estou em conflito. Você e eu temos estado tão perto por tanto tempo, e sua felicidade é tudo o que eu desejo para você. Mas eu tenho trabalhado com Evan por tanto tempo. Ele é um cara legal e não quero vê-lo se machucar." Meus olhos quase reuniram com lágrimas. "Eu sei. Talvez não devesse ter dito a você. Sinto muito. Eu não quero colocá-la em uma posição desconfortável." Tara colocou a mão na minha. "Garota, você sempre vai precisar de uma amiga, e você tem uma em mim. Eu não quero ver você ou Evan sofrendo. Se você realmente ama Evan, deve dizer a ele. Ficar com ele e dizer ao Dean que você nunca mais quer vê-lo novamente. Mas se, por um segundo, você duvidar de seus sentimentos por Evan, ou você sabe que não pode desistir do Dean, é injusto para Evan. Ele precisa saber, para que ele possa seguir em frente, e vice-versa." Eu balancei a cabeça, as lágrimas nos meus olhos. "Eu sei. Obrigada." Tara me abraçou e, quando ela se afastou, ela me ofereceu um meio sorriso. "Então, posso perguntar como você se sente?" Eu ri. "Oh Deus, Tara. Nós vamos precisar de mais bebidas, se começarmos a falar sobre isso." Tara bateu no bar. "Bem, se esse for o caso, mais dois rum com gelo aqui, por favor!" ela gritou.

Cerca de uma hora, e mais três doses de rum, mais tarde, Tara e eu estávamos bem em nosso caminho para nos tornar alegres. Estávamos no meio de encomendar outra dose quando dois homens se aproximaram do bar. Ambos eram bonitos, com cabelos escuros, um penteado para trás e o outro curto. Eles


pareciam estar em seus vinte e poucos anos, o que seria um pouco jovem para mim. Encontrar senhoras dois anos mais velha certamente não os deteria. Eu poderia dizer do que eles estavam atrás apenas pela forma como eles olharam para nós. "Oi." Aquele com o cabelo curto esgueirou-se para mim, enquanto o outro cara veio mais perto de Tara. "Oi", ela cantarolou de volta. "Meu nome é Nick e este", ele acenou para o cara de pé ao meu lado, "é Joe. Podemos pagar outra bebida para vocês?" Eu balancei minha cabeça. "Nós já pedimos, obrigada." Joe olhou para o meu peito e lambeu os lábios. Deus, esse cara é um babaca. "Alguém já lhe disse que você tem os olhos mais incríveis?" Ele ainda estava olhando para meus peitos quando ele disse isso. "Ok, de que cor são?" Joe pulou, olhou para os meus olhos, e apertou um pouco. "Verde". Eu me inclinei para Tara e sussurrei. "Este é um idiota. Espero que o seu seja melhor." Ela balançou a cabeça. "Não, não realmente." "Então, qual é o seu nome?" Joe estava olhando para meu peito novamente. "Youran", eu respondi. Isso chamou sua atenção. Ele franziu a testa para mim. "Youran? Que tipo de nome é esse?" Eu sorri, prestes a responder, quando uma voz atrás dele disse: " Youran significa como você é um imbecil. Agora vá se foder." Dean estava bem ao lado dele, e ele não estava feliz.


"Escute, cara, eu estava apenas conversando com essa menina aqui. Eu estava aqui primeiro, então sugiro que você vá se foder." Oh céus. Grande erro. Dean agarrou a mão do cara. Eu sabia o que ele ia fazer na hora que vi o olhar angustiante em seu rosto. "Dean, pare. Não aqui. Não se atreva!" De repente, o outro cara, Nick, se aproximou. "Ei, o que diabos está acontecendo?" Um cara enorme, com cabelo loiro e os músculos tão impressionante como Dean se aproximou. Ele colocou o dorso da mão sobre o peito de Nick. "Eu não iria na porra desse lado se eu fosse você, companheiro." Dean ainda tinha a mão sobre Joe. "Agora, sugiro que vocês vão se foder, antes que alguém se machuque. Entendeu?" Ambos balançaram a cabeça e saíram, Joe resmungando, "Elas não são uma transa que vale a pena de qualquer jeito." Dean fez um movimento, mas eu agarrei o braço dele. "Não, Dean. Eles não valem a pena." Olhei para Tara para ver se ela estava bem, mas não precisava ter me preocupado. Ela estava praticamente babando sobre o cara que estava com Dean. "Você está bem, Tara?" Ela assentiu com a cabeça, a boca aberta enquanto dançava com os olhos sobre o cara, que estava sorrindo de volta para ela. "Oi", disse ele, ronronando as palavras. Do nada, Tara pegou minha mão e apertou-a. Foi uma conversa silenciosa, mas ouvi uma voz alta e clara. Ela pensou que ele era quente, quente, quente. Eu tive que concordar com ela. Ele era tão impressionante como Dean. Falando nisso...


Eu olhei para ele. "O que você está fazendo aqui?" "Jimmy e eu só queríamos uma bebida, não foi Jimmy?" Jimmy acenou com um sorriso, nenhuma vez tirando os olhos de Tara. "Este é Jimmy, por sinal." Eu bufei. "Eu meio que deduzi isso." Tara de repente saiu de seu olhar malicioso. "Espera um segundo. Você é o Dean?" Dean sorriu e estendeu a mão. "O primeiro e único. E você é?" Tara pegou sua mão e apertou-a. "Sou Tara. Eu sou amiga de Jessica." Dean franziu a testa com um sorriso divertido. "Bem, é bom conhecer você, Tara." Ele piscou e Tara corou. Eu nunca tinha visto ela fazer isso antes. Parecia que o charme de Dean trabalhava em todos. "É especialmente um prazer conhecer você, Tara." Jimmy sorriu. Era um daqueles sorrisos que te traz problemas no minuto em que o vê. "Eu também." Ela ofereceu a mão dela a Jimmy e ele se inclinou para baixo, levemente beijando as costas dela. Tara sorriu. "Você está maravilhosa," Dean sussurrou em meu ouvido, me fazendo tremer. "Eu podia ver que todos os homens daqui te comiam com os olhos. Se eu tivesse no meu caminho, iria cortar todos os olhos das suas bases para lhes ensinar a nunca olharem para você novamente. Ninguém olha para você assim, Tyler. Ninguém." De repente eu estava em chamas. Eu deveria estar louca como o inferno com ele, por me seguir e acabar com a nossa festa a dois, mas tudo que podia pensar agora era no quanto queria ele dentro de mim. Além disso, acho que Tara estava tendo um bom tempo. Eu podia ouvi-la rindo ao meu lado. Antes que eu pudesse responder a Dean, Tara puxou meu braço. "Erm, Jessica, você pode vir comigo ao banheiro? Eu preciso falar com você sobre algo."


Eu olhei para ela e assenti. "Desculpe-me," eu disse a Dean quando deslizei para fora do meu banquinho. Ele me ajudou a descer e, de repente, eu estava intimamente perto dele. Ele sorriu para mim como o gato que bebeu todo o leite. "Senhoras," Jimmy disse enquanto nos afastávamos. Assim que chegamos no banheiro, Tara engasgou. "Porra, Jessica. Você nunca disse que Dean era quente. E você certamente nunca me falou sobre seu amigo extremamente quente. Será que eles todos são parecidos com isso na Inglaterra?" Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Eu nunca vi Jimmy antes. Ele é meio quente, no entanto." Tara ergueu a sobrancelha. "Meio quente? Garota, você precisa de óculos. Aquele homem lá fora, é malditamente quente. Você viu a porra da bunda? Merda!" Eu balancei a cabeça novamente. "Eu realmente não tive tempo para verificar sua bunda." Tara assentiu. "Bem, você precisa... apenas dizer." Ela colocou as mãos na pia e sacudiu sua cabeça. "Desculpe. Estou tão ocupada babando sobre Jimmy que não percebi que ele estava aqui. Como você está segurando?" Eu ri. "Apenas um pouco... Eu acho. Ele sempre teve um jeito de me fazer esquecer tudo. Quando ele está por perto, tudo o que posso pensar é nele." Tara fechou os olhos por um momento. "Menina, se essa é a maneira que você sente, eu acho que é melhor pensar muito bem sobre o que é que você realmente quer. Você quer voltar com Dean?" "Não!" Eu disse um pouco rápido demais. "Oh, não sei. Ele me confunde. Ele me machucou muito, Tara." Tara se aproximou e esfregou meus braços. "Eu sei. Eu acho que você só precisa descobrir se pode perdoá-lo por isso. Então você pode seguir em frente e


descobrir se o seu coração se encontra verdadeiramente com ele. E acho que você precisa fazê-lo rapidamente... por amor a Evan." Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Sim, você está certa. Eu não quero magoar Evan, Tara. Eu realmente não quero." Tara assentiu com a cabeça e apertou meus braços. "Eu sei que você não quer. Você tem um bom coração. Você só precisa ouvi-lo de vez em quando. Você nunca machucaria ninguém intencionalmente, eu posso ver isso, mas tentando desligar o que você sente, realmente pode acabar machucando outras pessoas. Você vê o que estou querendo dizer?" Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Sim, eu entendo. Obrigada." Ela bate no meu braço. "Não há de quê". Ela foi até o espelho para se verificar. "Agora, para ser honesta. Você iria para casa comigo hoje à noite se você fosse Jimmy?" Eu balancei a cabeça com uma risada. "Totalmente." Ela piscou para o espelho. "Eu pensei que sim. Agora, vamos soltar algumas penas, não é?" Eu ri, sem saber onde diabos ela estava indo, mas assenti. "Eu sou um jogo para você". O minuto que saímos pela porta, algum grande homem corpulento com uma barba estava olhando para nós. "Você mulheres precisam sair." Eu fiz uma careta e olhei para Tara. Ela parecia tão confusa quanto eu. "Por quê?" "Porque vocês estão desrespeitado meus clientes." Ele fez um gesto em direção ao fundo do corredor para Nick e Joe.


"Você

pode

estar

brincando

comigo!

Eles

estavam

sendo

desrespeitosos com a gente, não o contrário. Além disso, você não pode pedir-nos para sair." Eu olhei de volta para ele. Ele apontou para um cartaz que dizia „O proprietário tem o direito de recusar o serviço a qualquer um.‟ "Sim, eu posso." "Imbecil!" Tara gritou. O cara agarrou o pulso de Tara. "Eu tenho que jogá-la fora?" Eu gritei, "Você não pode tocar nela, porra" antes de saltar em cima de suas costas. Ele tentou me afastar, mas Tara mordeu sua mão. Quando eu coloquei meu braço em torno de seu pescoço, ele gritou: "Cadelas do caralho! Fiquem longe de mim!" Tara chutou suas bolas. "Você nos chama de cadela de novo, e vou te foder!" Ele se curvou, agarrando sua virilha. Eu levei esse momento para saltar para baixo de suas costas, agarrando a mão de Tara, a puxei para fora do corredor. Mas ele foi rápido. Agarrando o meu cabelo, ele puxou-me de volta, fazendo-me dar um tapa duro em sua barriga. Eu gritei e ele colocou a mão sobre a minha boca. Tara voltou correndo e pulou em suas costas. "Deixe-a ir, filho da puta!" Eu podia ouvi-lo borbulhando quando seu aperto em mim ficou mais forte. Quanto mais ele tentava sacudir Tara, mais nós emergimos para ao salão. Eu precisava que nós chegássemos o mais próximo do público, de modo que as pessoas pudessem ver este homem louco nos atacando. Puxando o meu braço para a frente, eu o soco de volta com meu cotovelo, batendo em seu lado tão duro quanto posso.


O cara barbudo me soltou e começou a puxar a Tara. Eu gritei para ele deixá-la ir e comecei puxando seu cabelo comprido. Em seguida, o mundo desabou. Estávamos na área do bar agora e as pessoas perceberam o que estava acontecendo. Nick e Joe vieram para tentar resgatar quem quer que este babaca fosse. As pessoas estavam gritando e, muito em breve, Dean e Jimmy surgiram, abordando o cara barbudo no chão. Nick e Joe saltaram em Dean e Jimmy, levando-nos a saltar sobre suas costas. "Rosey, saia dele. Eu tenho esse. Eu estive ansioso para dar um soco nesse cara desde que cheguei aqui." Antes que eu pudesse reagir, senti meu cabelo sendo puxado. Eu saí e olhei em volta. Alguma mulher ruiva com olhos como o trovão estava pronta para me dar um soco. Eu consegui evitá-lo quando ela gritou: "Ninguém machuca Joe Hardman!" Eu estava totalmente confusa. Quem diabos era Joe Hardman? Antes que pudesse tentar entender isso, ela estava em mim como uma mulher louca, arranhando-me e puxando meu cabelo. Tudo à nossa volta era um caos. Copos podiam ser ouvidos quebrando, grunhidos altos e gritos foram enchendo o ar. Dean e Joe estavam atracados, e Jimmy estava dando um bom trato em Nick. Tara estava rangendo os dentes enquanto ela praticamente puxava o cabelo de uma mulher fora de sua cabeça. Eu

sabia

que

tinha

que

parar

em

breve,

porque

os

policiais

provavelmente tinham sidos chamados. O minuto que eu pensei nisso, as sirenes podiam ser ouvidas ao longe. Precisando acabar logo com aquilo rapidamente, eu puxei meu braço para trás e dei um soco no olho ruiva. Ela gritou e caiu no chão. "Dean, Jimmy, Tara... Temos que ir!" Todos olharam para mim e acenaram com a cabeça. Agarrando minha mão com um sorriso, Dean levou todos nós para a parte de trás do bar e em um beco. Caos ainda soava no interior enquanto nós


fugimos o mais rápido possível. Assim que chegamos em algum lugar tranquilo, nós paramos para recuperar o fôlego. Tara começou a rir. "Merda. Eu nunca me diverti tanto em minha vida. Que diabos foi isso?" Eu balancei minha cabeça. "Eu não tenho ideia. Essa ruiva louca cadela começou a gritar algo sobre ninguém machuca Joe Hardman". Os olhos de Tara arregalaram. "Merda. Acho que ele é o quarterback do Washington Redskins." Eu ri. "Sério? Aquele idiota é um jogador de futebol profissional?" Tara riu. "Oh sim, garota. Você foi atingida por alguém famoso." Eu olhei e vi mandíbula de Dean apertar. "Estou contente por ter atingido aquele filho da puta." Seus punhos estavam ainda cerrados. "O que aconteceu?" Jimmy olhou para Tara e eu. Tara deu de ombros. "Nós apenas fomos para o banheiro e saímos, quando encontramos este grande, enorme cara barbudo nos dizendo para sair, por desrespeitar seus clientes. Naturalmente, Jessica e eu tínhamos algo a dizer sobre isso." Ela olhou para mim com uma piscadela. "Nós colocamos nossa reclamação. Penso que o proprietário nos ouviu alto e claro." Nós duas rimos, mas Dean ainda parecia muito sério. "Você quer que eu vá para lá chutar a bunda dele para você?" Andando até Dean, coloquei minha mão em seu peito. Ele deu um suspiro trêmulo, em seguida, pareceu relaxar uma vez que ele exalou. "Não, isso não será necessário." "Merda, cara. Eu não tive uma boa luta à moda antiga faz muito tempo. Você tem que admitir, que foi divertido." Jimmy olhou para Dean e eu vi seus lábios se curvarem em um sorriso de parar o coração. "Sim, isso foi divertido, cérebro de cocô."


"Bicha". "Babaca." "Pedaço de merda." Dean começou a rir. "Onde diabos você conseguiu isso?" Jimmy deu de ombros. "O que posso dizer? Às vezes, minha imaginação corre selvagem." Ele olhou para Tara, um sorriso malicioso no rosto. "Eu vi algumas mulheres lutando no meu tempo, mas esta foi de longe, o maior luta que vi. Onde você esteve em toda minha vida?" Tara começou a rir. "Cerca de quatro mil milhas de distância, ao que parece." Ela vibrou os cílios para uma boa medida. Jimmy sorriu. "Bem, mesmo essa distância parece muito longe." Revirei os olhos. "Oh, por favor." Jimmy ergueu a sobrancelha para mim. "Eu não iria lá se fosse você, Tyler. Você não foi a única a ouvir todas as histórias de amor jorrando de lover boy ali." Ele fez um gesto para Dean com o polegar. Tara de repente caminhou até Dean e apontou o dedo para o peito. "É melhor você não machucar ela. Tyler é uma pessoa diferente agora. Eu sei porque ouvi suas histórias. Você está estragado e terá o Trovão Tara chovendo em sua bunda se a machucar de novo. Está me ouvindo?" Jimmy olhou para Tara de cima para baixo enquanto lambia os lábios. Obviamente ele amava a resoluta Tara. Eu não poderia culpá-lo. Ela era uma mulher e tanto. "Eu realmente não quero que isso aconteça, Trovão Tara, então vou prometer que serei bom. Tyler é o amor da minha vida. Eu iria protegê-la com a minha própria vida até o fim da terra." Ele olhou para mim quando disse isso. Como de costume, seus olhos azuis penetraram nos meus.


Tara apontou o dedo uma última vez no seu peito. "Bem, isso é bom. Fico feliz em ouvir isso." Ela em seguida, caminhou até Jimmy, estendeu a mão e disse: "Oi. Meu nome é Tara Becksworth, e sou uma enfermeira em um hospital local em Fairfax. Tenho trinta e seis anos, divorciada, sem filhos." Eles apertaram as mãos. "Oh, e eu gosto de chocolate. Na verdade, amo essas coisas do caralho. Compre-me um pouco de chocolate e serei sua para o resto da sua vida." Ela piscou para Jimmy e eu o vi piscar em reverência. Ele olhou para Dean e eu. "Eu acho que poderia estar apaixonado." Eu comecei a rir. "Tara é uma pessoa muito fácil de se apaixonar." Eu olhei para ela e ela sorriu para mim. "Então, Jimmy, qual é a sua história?" Jimmy olhou para Dean, então de volta para mim. "Meu nome é Jimmy Taylor, eu tenho trinta e sete anos, e sou... tipo um freelancer". Eu levantei minha sobrancelha. "Em que, exatamente?" Dean se aproximou de mim e colocou um braço em volta da minha cintura. "Por que não vamos encontrar um outro bar longe daqui? Não podemos ficar neste beco por muito tempo. Nós vamos ser pegos." Eu o ignorei. "Um freelancer em que, Jimmy?" Dean suspirou. "Ouça, Jimmy às vezes faz trabalhos para mim." Eu olhei para ele. "Como o quê?" Ele balançou a cabeça. "Você não quer saber." Eu mexi meu dedo para ele. "Uh-huh, eu quero saber. Eu preciso saber." Dean suspirou de novo e correu os dedos pelos cabelos. "Ele às vezes recolhe o dinheiro de pessoas." Eu bufei. "E depois o resto, suponho...", Seu silêncio me contou tudo. "Então, você é como um cobrador de dívidas? Alguém que não se importa de sujar as mãos quando ele precisa?" Tara olhou para Jimmy em expectativa.


"Tara, você não pode perguntar isso a ele." Ela me olhou com curiosidade. "Por que não? Não há necessidade de adoçar as coisas. Eu não sou ingênua." Eu dei de ombros. Acho que ela estava certa. Ela olhou para Jimmy e ele sorriu. "Eu suponho que você poderia dizer isso." Os olhos de Tara se estreitaram em um olhar aquecido. "Mmmm... Isso é meio quente." Jimmy sorriu e meus olhos se arregalaram. "Tara Becksworth, o que deu em você?" Tara sorriu para mim. "Eu acho que pode ser o rum. Ou poderia ser Jimmy Taylor. Certamente um dos dois. Talvez até mesmo ambos." Eu balancei minha cabeça. "Meu Deus, é como ver duas pessoas tendo relações sexuais com suas roupas." Tara balançou o dedo para mim. "Não se torne tão alta e poderosa comigo,

senhorita

'Eu-deixei-um-homem-estranho-entrar-no-meu-apartamento-

por-anos'". Jimmy riu. "Ela tem um ponto." Eu dei de ombros. Acho que ela tem. Eu não podia deixar de me sentir envergonhada por tudo isso, no entanto. Meu rosto estava quente de vergonha. "Não dê ouvidos a eles, Rosey. Eu tenho você." Dean colocou o braço em volta do meu ombro e beijou minha cabeça. "Ah, nós estamos brincando apenas," Jimmy protestou. Ele então olhou para o nosso meio. "Eu acho que você está certo, no entanto. Eu não acho que ficar aqui é uma boa ideia. Vamos pegar um táxi e ir para algum lugar?"


Eu tinha essa sensação desconfortável súbita no meu estômago. "Eu não acho que é uma boa ideia. Eu acho que talvez deveria ir para casa." Tara olhou para mim. "Por quê?" Eu brevemente olhei para Dean, em seguida, novamente para ela. "Eu não acho que ficar fora por muito mais tempo é uma boa ideia." Liguei meus olhos ao Dean e acho que ela entendeu a mensagem. "Ok, eu entendi." Ela se aproximou de mim e me deu um abraço. Sussurrando em meu ouvido, ela disse "Não se esqueça de seguir o seu coração." Ela se afastou, olhando para mim. Eu balancei a cabeça com um sorriso. Ela em seguida, virou-se e caminhou em direção a Jimmy, e ligou o braço ao dele. "Jimmy, conheço um bar legal e perto de onde moro. Você quer tomar uma bebida comigo?" Jimmy sorriu para ela. "Como eu poderia recusar uma oferta como essa?" Ele olhou para Dean e Dean assentiu com a cabeça antes de falar, "Eu vou me certificar que Tyler chegue em casa a salvo." Tara olhou para mim, perguntando se estava tudo bem. Eu balancei a cabeça. "Bem, foi bom conhecer você, Dean. Certifique-se de cuidar dela por mim. Ela é preciosa." Dean sorriu. "Você não tem que me dizer isso." Tara sorriu e puxou o braço de Jimmy para segui-la. Eles logo desapareceram, deixando Dean e eu sozinhos no beco. De repente, me sentia sufocada. "Eu preciso chegar em casa." Dean pulou na minha frente. "Espere. Eu preciso falar com você." Eu suspirei. "O que mais há para dizer? Eu pensei que tinha deixado tudo claro. Você não é a pessoa que eu uma vez conheci." De repente, eu sabia disso, agora mais do que nunca. Eu não era estúpida o suficiente para não


perceber que Dean era um homem perigoso, mas ouvi-lo hoje à noite, foi tipo uma certeza para mim. Eu tinha Jeremy para pensar, e ele sempre seria a minha prioridade. Sua segurança era primordial. "E eu continuo dizendo a você que sou. Meus sentimentos por você nunca mudaram." Foi difícil manter minhas coisas em torno dele. No momento em que estávamos sozinhos, tudo apenas desapareceu. Eu não podia deixá-lo, no entanto. Eu precisava combater isso. "Ouça, Dean, estou cansada, um pouco bêbada, minha mão está latejando, e meus sapatos estão me matando. Eu só quero ir para casa." Dean estendeu a mão para pegar a minha. "Aqui. Deixe-me olhar." Agarrei-a de volta. "Não, Dean. Eu. Quero. Ir. Para. Casa." Eu não podia ficar sozinha com ele assim. Tudo estava correndo sobre mim novamente. Sua presença, seu cheiro, seus olhos azuis hipnóticos... Se ele mesmo me tocar uma vez, eu estaria perdida. Obriguei-me a olhar para ele e o que vi me matou. Ele parecia tão perdido e triste. Com uma respiração profunda, ele suspirou. "Ok, mas vamos pegar um táxi para a sua casa. Eu preciso me certificar que você chegue em casa em segurança. Eu não vou aceitar um não como resposta." Eu balancei a cabeça, resignada com o fato de que este era apenas Dean sendo ele mesmo. Ele sempre foi protetor comigo. Em silêncio, chamou um táxi e seguiu o caminho todo sem dizer uma palavra. Não foi como se nós não tivéssemos nada para dizer, então foi completamente inquietante e estranho. Uma vez que estacionamos fora da minha casa, eu fiz um movimento para pagar o motorista, mas Dean me parou. "Eu pago. Você pode entrar e descansar um pouco." Eu sorri timidamente para ele e balancei a cabeça. "Obrigada."


Abri a porta do carro e estava prestes a sair quando ouvi um sussurro atrás de mim. "Eu amo você, Tyler O'Shea. Nunca se esqueça disso." Fiz uma pausa por um momento, meus olhos cheios de lágrimas. Eu não olhei para trás, porque sabia que não poderia sair sem ele, se eu fizesse. Em vez disso, saí do taxi, caminhei até a minha porta, e entrei sem olhar para trás. Uma vez lá dentro, me inclinei para trás contra minha porta e deslizei lentamente para o chão.


Capítulo 6 Dean É a sua capacidade de auto-aperfeiçoamento e auto-redenção que mais distingue o homem da mera força bruta. Aung San Suu Kyi

Eu assisti quando Tyler abriu a porta e entrou sem olhar para trás uma única vez. Isso me matou. Eu dei ao taxista o endereço de onde estava hospedado e fiquei lá sentado, enterrando a cabeça nas minhas mãos. "Noite difícil?" Eu puxei minhas mãos e olhei para um par de olhos que me olhavam pelo espelho retrovisor. "Sim, algo assim." "Há sempre isso, não é?" Eu fiz uma careta, não sabendo onde ele queria chegar. "O que você quer dizer?" Eu vi seus olhos dobrarem em um sorriso. "A pessoa que fica com você, não importa o quê. A única que nunca deixa sua mente não importa quantos anos se passaram." Eu ri silenciosamente, pensando em como ele era perspicaz. Ele estava mais certo do que percebeu. "Você está certo."


"Posso te perguntar uma coisa?" Eu ri. "Você pode tentar." "Será que ela vale a pena?" Meu coração quase foi arrancado do meu peito. Ela mais que valia a pena, mais do que ela jamais saberia. "Ela definitivamente vale a pena. Ela vale tudo e muito mais." O motorista encolheu os ombros. "Então acho que você tem que manterse dizendo essa mesma coisa." Levantando minha sobrancelha, me perguntei onde ele estava indo com isso. "Como o que?" Ele olhou para mim no espelho. "Algumas coisas simplesmente vale a pena lutar."

O motorista de táxi me deixou, suas palavras ainda soando em meus ouvidos. Eu não sabia quem diabos ele era, mas algo dentro estava me dizendo que ele era como a voz da razão. Alguém que eu estava destinado a esbarrar para que ele pudesse me dar uma mensagem que eu realmente precisava ouvir. Quando Tyler me deixou, eu não sabia o que pensar. Eu senti como se a estivesse perdendo tudo de novo. Ela parecia tão ferida hoje à noite. Após a luta, pensei que as coisas pudessem mudar entre nós e eu finalmente teria minha Tyler de volta. Então, alguma coisa mudou no ar depois que Tara e Jimmy se foram. Seus jeito brincalhão, suas feições suaves de repente ficou dura. Ela levantou as paredes tão forte, que mesmo eu não poderia penetrá-las. Eu apenas desejei que soubesse o que diabos ela estava pensando. Isso sempre me fascinou quando eu era mais jovem, mas agora que estávamos todos crescidos e as coisas ao nosso redor haviam mudado, apenas frustrava o inferno fora de mim. Eu precisava saber o que ela sentia. Se eu soubesse que havia uma chance de que ela iria possivelmente me


deixar entrar, eu estaria de volta a sua casa como um tiro, pedindo-lhe para me receber de volta. Mas ela obviamente precisava de tempo, e eu queria que ela visse, que eu era o tipo de homem que poderia dar a ela o que ela precisava. Eu não ia ser egoísta e implorar, implorar pelo amor dela, não importa o quanto essa porra cortava-me não o fazer. Levou tudo dentro de mim não estender a mão e tocá-la. Ela era como meu ímã. Eu estava atraído por ela como uma força invisível. Foi a mesma coisa que me atraiu tão violentamente em direção a ela quando eu tinha apenas oito anos de idade. Isso nunca diminuiu, nunca parou. De fato, a energia apenas se tornou mais forte com o tempo. Quando voltei para o hotel, tudo estava quieto. Jimmy estava, obviamente, ainda com Tara e eu certamente não estava esperando-o esta noite. Eu nunca vi Jimmy assim com uma mulher antes. Tara parecia ser uma garota legal. Qualquer um que quisesse amar e proteger Tyler seria sempre um amigo para mim. Quando abri a geladeira para pegar uma garrafa de água, olhei para cima e vi que era mais de duas da manhã. Certamente tinha sido uma noite. Pensando nisso me fez sorrir. Tyler estava quente hoje à noite. Pensando em sua luta, todos aqueles grandes homens no bar, fez o meu pau se contorcer. Eu sabia que ela estava um pouco mal-humorada, mas eu realmente nunca tinha visto ela em ação assim. Ela estava muito fodida de sexy. Eu não sei como ela poderia até mesmo começar a pensar que eu poderia deixá-la. Não agora. Nem nunca. Algumas coisas simplesmente vale a pena lutar. Terminei a garrafa de água, joguei-a no lixo, e apaguei as luzes e fui para a cama. Tyler valia a pena cada pequena luta que eu tinha deixado em mim, e isso certamente não estava nem perto da porra da última rodada ainda.


Capítulo 7 Tyler Estava ficando cada vez mais difícil suprimir meus sentimentos por Dean. Era difícil, então essa porra complexa estava me matando por dentro. Eu queria tanto o Dean, doía e não poderia ser ignorado. E também estava ficando cada vez mais difícil ficar longe de Jeremy. Eu sentia muito a falta dele, mas depois do que aconteceu ontem à noite, eu estava determinada a não expô-lo a seu pai. Ele não precisava de um pai como Dean em sua vida, então eu precisava protegê-lo. Fechando os olhos por um segundo, eu os abri de volta para me olhar no espelho. Era sete horas da noite seguinte e eu estava me preparando para a minha noite com Evan. Ele ia me pegar em uma hora e eu ainda precisava escolher uma roupa. Às vezes, vestir algo vem fácil e outras vezes, parece tão difícil, por qualquer motivo. Esta noite era uma das noites duras. Nada no meu guarda-roupa parecia bem quando eu provei. Eu estava prestes a mudar ainda para outro conjunto quando ouvi meu telefone tocar. Quando eu olhei, vi que era Tara e bati o meu telefone para cima. "Tara, onde diabos você esteve? Eu estive tentando falar com você o dia todo. Eu fiquei doente de preocupação." "Sinto muito, menina. Eu estava ocupada com Jimmy e minha bateria acabou. Eu consegui chegar em casa e carregá-lo agora." Eu estava um pouco irritada, mas mais calma agora que sabia que ela estava bem. "O que aconteceu depois que você saiu?"


"Oh, meu Deus, Tyler. Eu não sei de onde diabos Jimmy veio, mas uau! Ele é como a porra de um sonho se tornando realidade. Quando deixamos você, nós pulamos em um táxi e fomos para o Toni perto da minha casa. Devemos ter ficado lá até as quatro da manhã. Tudo o que fizemos foi conversar, e foi fácil, você sabe? Nós não tivemos que sentar e pensar sobre o que dizer em seguida. A conversa apenas veio naturalmente. Ele é doce, engraçado, ele é gentil, e nem uma vez tentou me tocar ou fez algum comentário rude. Ele era o perfeito cavalheiro." Ela estava jorrando. Isso era realmente doce. Isso fez a minha ira desaparecer completamente. "Então, você não dormiu com ele?" "Oh, eu dormi com ele. Será que você não vê? Droga!" Nós duas começamos a rir. "Acho que você teve um bom tempo, então?" Eu estava insinuando e sabia que ela poderia dizer. "Foi o melhor sexo que já tive. E sua lingua..." Eu coloquei meu dedo no meu ouvido. "La, la, la, la, la, la, la." Ouvi-a rir. "Ok, vou parar." Eu ri. "Obrigada." Fiz uma pausa por um momento, então disse: "Você vai vê-lo novamente?" "Oh, sim", ela ronronou. "Hoje à noite, na verdade." Eu sorri. "Isso é ótimo. Divirta-se." "Obrigada. Você ainda vai sair com Evan hoje à noite?" Eu suspirei. "Sim. Isso parece tão difícil agora. Eu não posso colocar o dedo sobre ele." Tara ficou em silêncio por um momento. "Ter Dean aqui deve ser confuso como o inferno. Eu não seria muito dura consigo mesma. Jimmy me disse algumas coisas sobre Dean ontem à noite. Apesar de alguns de seus receios, ele parece ser um cara ótimo. Posso totalmente compreender o quão difícil isso deve


ser para você. Talvez você só precisa dizer a Evan que precisa de algum tempo longe". Fechei os olhos. "Possivelmente. Eu não sei." "Talvez esta noite pode ajudá-la a tomar uma decisão." Ela parou por um momento. "Escute, eu não posso dizer-lhe o que é que você precisa fazer, mas seja qual for a sua decisão, vou ficar do seu lado. E eu quero dizer isso." Meus olhos se encheram de lágrimas. "Obrigada, Tara. Isso significa muito para mim. Você é uma verdadeira amiga." Eu queria acreditar que podia confiar em Tara, mas era difícil. Eu a amava, mas nunca verdadeiramente me entreguei na sua amizade com todo o meu coração. Eu realmente queria, mas era tão malditamente difícil. "Eu sei que as pessoas te decepcionaram antes, mas eu nunca vou. Te prometo isso." E assim, ela fez isso. Ela sabia exatamente o que estava na minha mente e expressou em uma sentença. "Obrigada. E o mesmo vale para mim. Sem dúvida." "Você já passou por muita coisa, Jessica. Você precisa ter pessoas ao seu lado que possa confiar. Todo mundo precisa." Ela suspirou. "Você sabe, parece tão estranho chamá-la de Jessica quando todo mundo está te chamando de Tyler. Você quer que eu chame você de Tyler? Esse é o seu nome real." Eu sorri. "Não, está tudo bem. Você me conheceu como Jessica nos últimos quatro anos. Isso seria difícil de quebrar." "Ok." Olhei para o relógio e vi que tinha 25 minutos para ficar pronta. "Escute, tenho que ir. Evan deve me pegar em menos de meia hora e eu nem sequer escolhi um vestido ainda". Tara riu. "Tudo bem, menina. Você vai ficar bem. Eu tenho que ficar pronta para meu encontro, também. Divirta-se e deixe-me saber se você precisar


de mim esta noite. Eu sei que estou em um encontro, mas vou largar tudo se precisar de mim." Eu tinha que sorrir novamente. Tinha sorte de tê-la como amiga. Eu não iria perturbá-la hoje à noite, não importa quais circunstâncias, mas me senti querida sabendo que ela estaria lá para me ajudar se precisasse. "Eu sou uma puta de sorte por ter você." Eu ri ao telefone. "Ah, bem, é por isso que „amigos‟ contém a palavra „fim‟2. Porque nós ficamos juntos até o final." Engoli em seco. "Tara, isso é tão poético. Estou impressionada e me tocou, tudo ao mesmo tempo." "Às vezes é um trabalho duro ser eu." Nós duas começamos a rir, então suspirei. "Tenha uma grande noite, Tara. E diga para Jimmy cuidar da minha menina esta noite." "Eu irei." Nós duas desligamos e depois de mais quinze minutos de procurar através de meu guarda-roupa, eu finalmente encontrei algo que me senti confortável. Era um vestido longo, preto com uma fenda até a frente de uma das minhas pernas. Parecia chique e sexy como um todo. Completei o conjunto com um par de saltos correspondentes e uma vez que olhei no espelho, eu suspirei. Meu cabelo estava longo e reto, e minha maquiagem era leve e macia. Eu não gostava de colocar muito. Eu estava no meio de conferir a minha bolsa de mão, certificando-me que tudo estava lá, quando ouvi uma buzina de carro do lado de fora. Olhei para fora e vi que era Evan. Agarrando minhas chaves, corri para fora e fui recebida por Evan do lado de fora da porta do carro. Ele me olhou de cima a baixo e sorriu. "Você hoje à noite parece absolutamente deslumbrante, Jessica." 2

Friend=amigo / End=fim.


Eu senti minhas bochechas corarem. "Obrigada." Evan fez um gesto em direção ao carro. "Você está pronta?" Eu balancei a cabeça e ele abriu a porta para mim. Ele parou bem na minha frente e inalou. "Você tem um cheiro delicioso." Ele se inclinou para um beijo e eu imediatamente endureci. Eu odiava que Dean era a razão para isso agora. Por que ele tem que estragar tudo? Assim, apesar de minhas dúvidas, deixei Evan me beijar. Eu deixei sua língua explorar minha boca e sua mão passeou até minhas costas, porque eu não quero estragar esta noite para ele. Eu sabia que tinha que dar isso em algum momento, mas apenas senti que agora era a hora errada. Nós chegamos ao restaurante na hora certa para a nossa reserva das oito e meia. Evan tinha pedido uma mesa fora, por isso, tomou a única mesa disponível que foi deixada. "Boa noite. Meu nome é Vincenzo e serei o seu garçom para esta noite. Gostaria de pedir suas bebidas?" Evan pediu uma garrafa de Prosecco, porque ele sabia que eu amava. Foi a minha mãe que fez eu me interessar por vinho. O garçom logo veio com o vinho e pedimos as nossas refeições. Nós fomos deixados sozinhos, para nossa própria conversa. Evan pegou minha mão e segurou-a na sua. "Como tem passado? Eu estive preocupado com você. Você deve estar sentindo falta de Jeremy." Só de ouvir o nome dele me deixou arrasada, um sentimento apunhalando meu estômago. "Sim. Eu penso sobre ele o tempo todo." Evan suspirou. "Eu não gosto do que ele está fazendo para você. Eu não gosto do fato de que ele reduziu você a isso. Eu odeio essa porra".


Meus olhos se arregalaram enquanto olhava para Evan. Era diferente ele usando fortes palavrões. O pensamento disso me fez sentir ainda mais culpada. Ele não merecia alguém como eu. "Evan, eu estou bem. Por favor, não se preocupe comigo." Ele parecia triste. "Mas eu me preocupo. Eu me preocupo com você o tempo todo. Eu penso em você o tempo todo. Tudo que quero é que nós estejamos juntos como uma família. Eu tenho vontade disso, por mais de um par de anos agora. Eu acho que você percebe isso." Fechei os olhos e balancei a cabeça. Eu sabia que isso iria vir, mas não pensei que seria tão cedo essa noite. "Eu sei, Evan. Eu sei como você se sente sobre mim. Sobre nós. Vamos apenas desfrutar da noite sem pensar sobre isso. Eu prometo, vamos falar disso quando chegarmos em casa. Ok?" Evan acenou com a cabeça. "Ok." A refeição veio logo depois e tivemos uma conversa leve sobre o nosso tempo juntos e minhas façanhas com Tara. Eu não contei a ele sobre o que aconteceu ontem à noite. Eu acho que ele iria acabar tendo um ataque cardíaco. Eu não acho que seria muito bom, considerando que ele era um cirurgião de coração. A noite foi relaxante e parecia que não havia pressão. Eu sabia que ia durar pouco, mas levei esse tempo e me deixei apreciá-lo. Foi assim até que nossos pratos foram retirados. Nós nos sentamos lá bebendo o nosso vinho quando cerca de cinco homens, que pareciam estar em seus vinte anos, vieram até nossa mesa. Dois estavam segurando violões e todos estavam sorrindo, olhando em nossa direção. De repente, um dos rapazes dedilhou seu violão. "Eu tenho um pedido especial para Evan hoje à noite." Evan e eu olhamos um para o outro como se dissesse: Que porra é essa? Eu descobri logo quando todos começaram a cantar Steal My Girl do One Direction.


Oh, merda e foda dupla. Eu não podia acreditar que os níveis de Dean já tinha chegado nisso. O tempo todo que eles estavam tocando, tudo o que eu queria fazer era enterrar minha cabeça em minhas mãos. Em estado de choque, Evan apenas sentou lá, de boca aberta. Eu não poderia culpá-lo, porra. Dean, seu merdinha! Assim que terminaram, todos aplaudiram e eles se afastaram. Eu não sabia bem o que fazer, então tudo que fiz foi sentar e olhar para Evan. Ele me olhou com curiosidade, mas acho que ele poderia dizer que algo estava errado pelo olhar no meu rosto. "Eu acho que nós precisamos voltar para sua casa para conversarmos." Eu balancei a cabeça concordando e nos levantamos para pagar a conta. Logo, nós estávamos no carro de Evan e dirigindo de volta para a minha casa. Nenhuma palavra foi dita por todo o caminho, mas eu poderia dizer que Evan estava tenso. Seus ombros estavam tensos e sua mandíbula apertava de vez em quando. Eu odiava que estava fazendo isso com ele. Uma vez dentro da minha casa, nós seguimos até o sofá e nos sentamos. Evan suspirou. "Você sabe do que se tratava, esta noite, não é?" Eu assenti. "Você precisa me dizer o que está acontecendo." Então eu fiz. Eu disse a ele sobre o que estava acontecendo estes dias passados. Eu até mesmo confessei o beijo que Dean e eu compartilhamos fora de casa ontem. Dizer que ele não parecia inconsolável era um eufemismo, mas ele merecia saber. Ele merecia saber o tipo de mulher que estava namorando durante os últimos quatro anos. "Eu não culpo você, se você me odiar, Evan. Eu me odeio." Evan recostou-se no sofá e coçou o queixo antes de olhar para mim. "Eu não posso odiar você. Estou chateado que você pensa tão pouco da nossa relação, mas eu estava sempre brincando que nós tínhamos uma. Eu tinha um relacionamento, mas você não. Foi sempre unilateral. Para ser honesto, sempre


soube, mas eu apenas agarrei o fato de que, um dia, você poderia apenas deixá-lo ir e aprender a amar novamente. Mas isso nunca vai acontecer, não é?" Eu fechei meus olhos, porque sabia que tinha que confessar a ele. Ele precisava saber. Eu balancei minha cabeça. "Não, Evan. Não vai." Evan suspirou, os olhos reunindo um pouco de lágrimas. "Foi minha culpa. Eu não deveria ter me agarrado na esperança de que poderíamos ter um relacionamento. Eu acho que simplesmente te amei tanto que qualquer coisa que você poderia dar, eu gostaria de tomar. Eu sei que soa patético, mas essa é a verdade." Eu me senti mal. Eu odiava ter nos colocado nesta situação. Eu odiava que tinha quebrado seu coração. A maior parte, e eu me odiava mais do que nunca. "Eu sinto muito." Isso era tudo que eu poderia oferecer a ele agora. Eu não ia fazer a besteira de contar uma história sobre ele encontrar alguém melhor do que eu, etc, etc. Isso só acrescentaria sal a suas feridas. Evan se inclinou para frente e pegou minha mão. "Não sinta. Você nunca me prometeu nada, Jessica. Você sempre foi honesta sobre seus sentimentos em relação a mim. Eu somente acabei deixando isso ir mais longe do que devia." Peguei a mão dele. "Você vai ficar bem?" Evan sorriu. "Eu vou ficar bem. Eu conserto corações, lembra? Só lamento que nunca cheguei a consertar o seu." Uma lágrima rolou pelo meu rosto e Evan limpou. "Agora a questão é se você vai ficar bem?" Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Você me conhece. Eu estou sempre bem." Evan bufou uma risadinha. "Veja, esse é o seu problema. Você está sempre bem. Ninguém deveria se contentar com apenas bem. Você precisa estar brilhante. Até que você faça, bem é algo que você vai viver pelo resto de sua vida."


Eu sorri para Evan quando outra lágrima caiu pelo meu rosto. "Você é o homem mais incrível que eu já conheci, Evan." Ele riu. "Eu espero que possa ser de alguém um dia. Agora, sei que não vai ser você." Puxei Evan em um último abraço final. Eu sabia que este era um adeus. Eu nunca quis que acabasse assim, mas foi melhor desse jeito. Evan estava apenas perdendo tempo comigo quando ele poderia estar lá fora procurando a Senhorita Perfeita. A senhora que será sua pessoa incrível. Qualquer mulher teria muita sorte de ter ele como parceiro. Essa só não seria eu. Nunca foi. Evan se afastou e se levantou enquanto segurava minha mão. "Por favor, cuide de si mesma. E isto." Ele colocou a mão no meu coração. "É precioso, e você só tem um." Ele riu de sua própria brincadeira e caminhou em direção à porta. Uma vez que Evan saiu, eu me inclinei para a frente e dei um beijo em seus lábios. Demorou, mas me afastei, não querendo fazer isso mais difícil do que já era. "Eu amo você, Evan." Pronto. Eu disse isso, e era verdade. Eu o amava. Eu sempre amei. Eu simplesmente não podia amar ele da maneira que ele queria que eu fizesse. Eu precisava que ele soubesse, no entanto. Eu precisava dele para ver que eu o amava pela grande pessoa que ele era. Evan piscou para conter as lágrimas e sorriu enquanto beijava minha mão. "Eu também te amo." Ele se virou e caminhou até seu carro. Eu vi quando ele se afastou, e então fechei a porta atrás de mim.


Capítulo 8 Dean Redenção vem para aqueles que esperam, perdão é a chave. Tom Petty

Senti pena do pobre desgraçado. Qualquer pessoa que já entrou em contato com Tyler naturalmente se apaixonaria por ela. Isso era exatamente o tipo de pessoa que ela era. Eu odiava o que eu estava fazendo, mas nunca disse que iria jogar limpo. Eu avisei a Tyler que lutaria por ela a todo custo. Senti pena que foi à custa do coração de Evan, mas ela nunca foi sua em primeiro lugar. Ninguém verdadeiramente iria amá-la e cuidar dela como eu poderia. Ela tinha que perceber isso. Esperei nas sombras por cinco minutos após Evan ir embora. Eu queria dar a Tyler um pouco de tempo para se acalmar depois do que ela deve ter passado. Eu não desci sobre ela como pensei que faria. Nada disso era brincadeira de criança. Essa porra envolvia o coração das pessoas e mentes. Eu não era uma má pessoa. Eu simplesmente não podia jogar limpo quando envolvia minha Tyler. Eu bati na sua porta, e não tive que esperar muito tempo antes dela responder. Ela parecia triste e um pouco resignada com alguma coisa, mas eu não tinha certeza do que. Era o fim de um relacionamento, ou o início de outro? Eu esperava tanto, mas não estava indo tirar conclusões ainda. Se ela me quisesse em seu coração, eu teria que dizer a ela o meu segredo. Nós nunca poderíamos seguir em frente a não ser que eu fizesse. Eu não queria carregar esse fardo sobre os meus ombros para o resto da minha vida. Eu precisava libertar a minha culpa. Eu precisava dela para lavar tudo fora e me aceitar em seus braços como seu


Dean que uma vez fui, e agora, poderia ser tarde demais. Eu tinha que ser honesto e colocá-lo na linha para ela. Unicamente então poderíamos verdadeiramente avançar. "Eu espero que você esteja satisfeito consigo mesmo." Ela parecia um pouco irritada quando se afastou da porta e entrei na sala. Ela também parecia absolutamente bonita com seu cabelo longo, fluindo e seu vestido preto com uma fenda na perna. O que eu não daria para deslizar a mão por sua coxa agora e tomá-la como eu quisesse. Eu poderia ser tão suave ou áspero como ela quisesse. Seu prazer sempre seria o meu. Eu fechei a porta e a segui para a sala. "Para ser honesto com você, Tyler, eu não desfrutei do que aconteceu aqui. Evan parece ser um bom homem e me sinto mal por ele. Eu intencionalmente não tinha planejado machucá-lo, mas você tem que ser honesta com você mesma e comigo. Alguma vez você realmente o amou?" Tyler suspirou e sentou-se no sofá. "Não, não da maneira que ele queria que eu o amasse." Eu suspirei de alívio e me sentei ao lado dela. "Vai ser duro para ele por um tempo. Foda, eu sei como ele se sente. Ele vai superar isso e seguir em frente, mas nunca te esqueci e segui em frente, essa é a maior diferença aqui, Tyler. Você não consegue ver isso?" Ela assentiu com a cabeça e fechou os olhos. "Eu não posso esconder o que sinto por você, Dean. Acho que você sabe que tem sido sempre você em meu coração..." Eu a interrompi. "Por que sinto que há um „mas‟ em sua próxima frase?" Ela olhou para mim timidamente e eu suspirei. "Tyler, o que está prendendo você? Por favor, me diga e vou consertá-lo. Eu farei qualquer coisa que você pedir. Eu só preciso saber, então saberei o que fazer."


Ela olhou para mim por um momento e eu imediatamente me senti perdido em seus olhos. Eu nunca me cansava de olhar para eles. Sempre estava lá em algum lugar, eu mergulho de cabeça primeiro. "Eu não sei se posso confiar em você novamente. Eu não sei se posso confiar em qualquer pessoa depois do que você fez. A coisa toda me afetou de uma forma que nunca me curou, e não sei se posso me curar depois disso." Aproximei-me dela e peguei sua mão. "Tyler, eu sei que preciso trabalhar duro para ganhar a sua confiança novamente. Eu sei que eu fodi tudo da pior maneira possível, mas estou determinado a fazer a coisa certa. Você, pelo menos, acredita que não estou aqui para machucá-la? Que estou aqui porque quero que você volte?" Ela assentiu com a cabeça. "Sim, eu acredito nisso." Eu apertei sua mão. "Então deixe-me e vou lhe mostrar como pode ser bom deixar ir. Vou mostrar a você que me amar é a melhor sensação do mundo. Eu vou te mostrar o quão adorada posso fazer você se sentir. Você está aqui em cima." Eu levantei minha mão alto no ar. "E eu estou aqui." Coloquei minha mão mais baixa. "E sempre vai ser assim e você sabe por quê?" Ela balançou a cabeça. "Porque sua pura presença, por si só, me deixa de joelhos. Eu sempre estarei aqui, porque eu adoro adorar cada pedaço de chão que você pisa, e cada passo que você dá." Ela me deu um pequeno sorriso insolente. "Você está citando uma determinada letra de música?" Eu sorri, lembrando-me da noite de Halloween quando eu toquei „Every Breath You Take‟ do Police. Eu disse essas palavras não intencionalmente. Foi apenas a maneira como saiu. "Não, eu não estou citando letras de músicas. Esse navio já partiu, Tyler. Lotus nunca vai voltar novamente."


Vi uma dica do que parecia decepção. Surpreendeu-me um pouco. Talvez ela realmente sentiu falta de Lotus, o cara que sorrateiramente entrava em seu quarto à noite. A decepção desapareceu e foi substituído por um olhar sem graça. "One Direction? Sério?" Eu comecei a rir. "Eu não sou um fã de boy bands, mas acho que você pode ver porque gosto particularmente daquela música. A canção falou as palavras como se elas fossem feitas para mim. Você pertence a mim, Tyler, puro e simples. Há uma abundância de outras meninas lá fora, para os gostos de Evan, mas esta bem aqui na minha frente," Eu coloquei minha mão em seu rosto, "será sempre minha. Não há ninguém lá fora, Tyler. É você. Sempre foi você." Tyler fechou os olhos e se inclinou para o meu toque. Sua respiração tornou-se dura quando ela beijou a minha mão e esfregou o rosto contra ela. Meu pau ficou tenso instantaneamente contra minha calça. Eu queria muito estar dentro dela. Eu precisava fazer amor com ela. Eu precisava que ela soubesse que ser amada por mim era a única coisa que ela nunca teria que querer e precisar, porque ela já tinha. Ela tem o meu amor e ela me tem. Tudo de mim. Mas tão rápido quanto o momento estava lá, ele tinha ido embora. Tyler parecia sair dele quando seus olhos se abriram e ela encolheu os ombros longe do meu toque. "Você é perigoso, Dean. Você traz perigo com você. Como posso saber e ter certeza que nós vamos sempre estar seguros?" Eu sabia que isso era um problema para ela. Era óbvio, depois da maneira como seu humor mudou rapidamente, quando Jimmy revelou nossa relação de trabalho. "Eu estou desistindo. Eu vou desistir de tudo e sair daqui com você. Eu estarei onde quer que você queira estar. Na verdade, tenho um negócio legítimo aqui em Miami. Eu poderia expandi-lo e conseguir um escritório aqui. Você poderia me ajudar a administrar, se quiser."


Ela sorriu e balançou a cabeça. "Eu sou uma professora de jardim de infância agora. Eu fui pelos últimos três anos. Eu só não estou trabalhando agora porque é as férias de verão." Eu sorri e meu coração doeu com orgulho. "Você sempre quis ser uma professora." Ela assentiu com a cabeça, em seguida, franziu a testa. "O que aconteceu com o Diário de Londres?" "Eu vendi. Eu não acho que havia qualquer razão para mantê-lo depois que você saiu. Você foi a razão pela qual comprei-o em primeiro lugar. Havia outros sócios, mas eu tinha a participação majoritária. Eu ofereci-lhes a minha parte e eles aceitaram. A mansão se foi agora. Eu meio que deixei as coisas para Humphrey administrar. Ele sempre gostou de ser o cara mau." Eu ri um pouco, pensando nele. Eu não tinha ligado para Humphrey em um par de dias. Eu tinha que remediar isso. "Humphrey é seu tio, certo? É uma homenagem a Bogart?" Eu assenti. "Ele estava lá na noite que fui na mansão?" Eu balancei a cabeça novamente. "Sim. Ele foi o que atendeu a porta. O único que parece Terry Thomas com seu bigode pontudo." Eu vi o reconhecimento em seus olhos e ela sorriu. "Eu desejava que pudesse tê-lo encontrado corretamente." Eu me senti mal novamente. Eu sempre me sinto mal quando falo do meu passado e o que fiz para ela. "Você pode encontrá-lo corretamente. Eu quero que você o encontre. Ele é um cara bom. Ele só tem sangue Scozzari correndo por ele. Ele gosta de viver uma vida que está acostumado. Mas eu? Eu só fiz isso porque fui estúpido. Eu deixei minha cabeça governar tudo, porque pensei por um segundo estúpido, que você me traiu. Como posso sequer começar a fazer isso certo, está além da minha compreensão, mas vou ter a maldita certeza de que vou tentar. Vou continuar tentando e tentando até que, um dia, você vai ficar tão farta de mim, que simplesmente me dará o que quero. Eu não posso te perder, Tyler. Eu farei o que for preciso. Se você quiser continuar como sua vida anterior era, eu


vou fazê-lo. Vou dar tudo isso para você, porque você é a única coisa que me importa. Apenas me diga o que você quer que eu faça. Você tem o meu futuro em suas mãos, porque o meu futuro é o seu." Me movendo para mais perto de Tyler, coloquei um dedo sob seu queixo. Ela olhou nos meus olhos e no mesmo segundo, eu queria muito beijá-la. "Eu amo você, Tyler. Eu sempre te amei. Apenas me diga o que você quer. Diga-me o que você precisa que eu faça." Ela respirava com dificuldade, colocando a mão no meu braço. "Beijeme. Eu quero e preciso que você me beije." Eu não hesitei. Eu dei a ela o que queria e precisava de mim, porque era o que eu queria e precisava dela. Era como se precisássemos do ar um do outro. Eu simplesmente não conseguia respirar sem ela. Arrastando minha língua ao longo de seu lábio, eu mordisquei fundo antes de lentamente deslizar minha língua em seu interior. Tyler gemeu, isso fez meu pau lutar contra minhas calças novamente. Ele estava buscando seu calor, a umidade, a carne rosa e macia que se apertava em torno dele. Eu precisava dela. Eu ansiava por ela. Tudo o mais parecia pálido e insignificante sempre que eu estava em torno dela. Tyler pegou minha mão e colocou-a sobre seus seios. Apertei-o um pouco e esfreguei meu polegar sobre seu mamilo. Ela gemeu novamente. "Eu preciso que você me foda. Eu não me importo como você o faz, contanto que eu sinta você dentro de mim. Eu quero você, Dean. Sempre foi você." Ela respirava com dificuldade em minha boca e eu a capturei, tentando prová-la. Eu precisava dela agora. Mas não importa o quanto minha necessidade assumiu, ela precisava saber de algo primeiro. Só então eu poderia começar a me redimir. Só então eu poderia seguir em frente e pedir-lhe perdão. Só então eu poderia mesmo esperar para começar o nosso futuro juntos. Então me afastei. Eu deixei-a sem fôlego e devassa para mim, porque tinha que confessar os meus pecados primeiro. "Tyler, eu tenho que te dizer uma coisa."


Ela fez um movimento para me beijar de novo. "Depois. Eu preciso de você em primeiro lugar." Ela colocou a mão na parte de trás do meu pescoço e tentou me puxar para ela, mas eu agarrei seu braço e empurrei-a para longe. Porra, eu odiava fazer isso. Normalmente, nunca iria rejeitá-la. Eu apenas precisava que ela soubesse antes que pudéssemos sequer tentar seguir em frente. "Isso não pode esperar. Tem que ser agora, Tyler. É importante." Ela suspirou, mas se inclinou para trás. "Ok. O que é?" Segurei meus olhos fechados, odiando o fato do que ia fazer com ela. Ela tinha que saber, embora. Ela tinha que saber o tipo de monstro que eu realmente tinha me tornado. "Quando eu estava planejando minha vingança contra você, descobri algo." Parei por um momento e vi como ela olhou para mim, uma expressão perplexa no rosto. "Eu descobri sobre Jeremy." Eu me encolhi antes de lhe dizer a verdade que iria machucá-la mais uma vez. "Eu fui a pessoa que enviou todos aqueles repórteres. Eu fui o único que o fez acreditar que você tinha lhes dito sobre ele. Foi eu e não posso te dizer o quanto estou arrependido." Tyler se levantou de seu assento e caminhou pelo chão. "Você o matou!" Ela olhou para mim com trovão em seus olhos. Eu me encolhi novamente. "Eu sei que fiz. Eu tinha que dizer a você, Tyler. Você tinha que saber. Eu preciso que você confie em mim novamente e a única maneira que posso fazer isso acontecer é dizendo a verdade". "A verdade?!" Ela gritou as palavras tão alto, que saiu como um guincho. Ela estava com dor. E eu era o único culpado novamente. "A verdade?! Você acha que pode me dizer algo assim e tudo vai ficar bem? Eu estava deixando você voltar novamente." Ela balançou a cabeça em consternação. "Eu não posso acreditar que estava realmente o deixando entrar em meu coração, só você, para destruí-lo novamente. Como você pôde, Dean? Como você pôde fazer isso com ele? Ele tinha


apenas dezesseis anos quando morreu. Um menino!" Ela soltou um grito e eu levanei para confortá-la. "Não. Fique longe de mim. Eu não quero você perto de mim. Você pode me ouvir? Fique longe de mim." Ela olhou para mim com veneno em seus olhos. "Você é veneno, Dean. Tudo sobre você é foda de venenoso. Saia. Eu nunca mais quero ver você de novo." Eu não me movi por um segundo. Eu não pude. "Saia!" Eu não queria ir, mas sabia que não adiantava ficar. Ela estava com raiva de mim, mas como eu poderia culpá-la? Não havia nenhum ponto em tentar corrigir isso agora. Feridas frescas precisavam de tempo para curar, e eu precisava dar isso a ela. Virando, me dirigi para a porta e girei a maçaneta. Pisando fora, me virei e vi seu rosto abatido. "Eu sinto muito, Tyler. Eu tinha que dizer a você para que soubesse o quão arrependido eu realmente estava. Eu sei que não posso mudar o que aconteceu, mas você simplesmente tem que saber que eu nunca vou me perdoar." Eu fechei os olhos por um momento antes de fechar a porta. Eu não tinha ideia do caralho do que ia acontecer com a gente, mas ela precisava saber. Eu só esperava que ela pudesse encontrar força em seu coração para me perdoar.


Capítulo 9 Tyler Eu estava certa de voltar onde eu estava mais de quatro anos atrás. As feridas que mal haviam começado a curar e foram rasgadas novamente. Uma vez que Dean saiu, eu fui para a cama e chorei até dormir, pensando no menino que achei que tinha machucado da pior maneira possível quando, o tempo todo, foi Dean. Durante todo o tempo, foi Dean. No dia seguinte, tomei um banho, reservei um bilhete pela internet, e embalei algumas coisas. Uma vez que eu terminei, telefonei para minha mãe. "Tyler, como você está?" Eu suspirei. "Eu gostaria de poder dizer que estou bem, mas isso seria uma mentira. Como está Jeremy?" "Ele está bem. Ele está ficando mais forte a cada dia. Esta manhã, eu o encontrei pulando na cama e gritando por Twiglets. Eu acho que sua energia está de volta com força total." Ela riu um pouco, depois parou abruptamente. "Eu preciso te dizer uma coisa, Tyler. Ontem, descobri que Dean está hospedado no mesmo hotel que nós. Fomos para baixo para pegar algo para beber e eu o vi caminhando pelo hall de entrada e para fora das portas. Foi o suficiente para nós corrermos de volta para cima e ficar em nosso quarto desde então." Senti-me mal que estava tornando-os presos por causa de tudo isso, mas eu estava determinada a terminar isso e fazer Dean parar. "Eu sinto muito, que estou fazendo isso com todos vocês, mamãe, mas vou tentar o meu melhor para pará-lo. Depois desta noite, acho que você


encontrar Dean não vai mais ser um problema." Eu suspirei. "Eu sei que estou pedindo muito de vocês agora, mas posso pedir mais um favor?" "Claro, querida. Qualquer coisa." Eu ouvi a sugestão de preocupação em sua voz. "Você pode cuidar de Jeremy por mais alguns dias? Eu preciso visitar alguém que eu não tenho visto por um tempo." "Claro, Tyler. Leve o tempo que você precisar. Jeremy está bem conosco. Eu prometo-lhe isso." Uma única lágrima deslizou pelo meu rosto. "Eu sinto muita falta dele." "Eu sei que você sente e ele sente a sua também. Mas você precisa fazer isso, Tyler. Seja o que for, você precisa disso. Faça e termine. Só então você e Jeremy podem seguir em frente." Eu sorri. "Obrigada, mãe. Eu te amo." "Eu também te amo. Você quer falar com Jeremy? " O maior sorriso que eu tive em muito tempo se espalhou pelo meu rosto. "Eu adoraria."

Desembarquei às sete horas da manhã seguinte, fui direto para o endereço que tinha em minha mente. Eu nem sequer me preocupei em procurar hotel em primeiro lugar. Eu só iria ficar até amanhã, então segui carregando a única coisa que eu tinha comigo. Eu também não tinha muito tempo, então precisava fazer isso imediatamente. Eu estava voando toda a noite e me sentia cansada. Eu precisava de um cochilo, mas tinha que fazer isso primeiro. Eu tinha planos para ir a outro lugar mais tarde, assim o tempo era essencial. Saindo do táxi, pago o motorista e caminho a curta distância até a porta. Fazia anos que eu tinha visitado este lugar, por isso tudo parecia surreal para mim no momento. Eu


não sabia qual a reação que teria, uma vez que a porta se abriu, mas eu precisava me desculpar. Era o mínimo que eu poderia fazer. Toquei a campainha e esperei. Eu não ouvi nada por um tempo e quase pensei que ninguém estava dentro. Eu toquei de novo e ouvi a voz dela. "Ok, ok. Estou indo!" Eu comecei a rir e só parei quando ela abriu a porta. Ela ficou lá, de boca aberta, olhando para mim. "Oi, Louisa." Isso era tudo que eu poderia dizer no momento. "Tyler?" Eu balancei a cabeça quando vi as lágrimas em seus olhos. "Tyler, é realmente você? Porque se não for, esta é a porra de uma piada doente e torcida." Uma lágrima rolou pelo seu rosto. Tudo o que eu queria fazer era limpar todas elas para ela. Eu tinha sido uma amiga terrível. "Não é uma piada. Sou realmente eu." Quando se tocou, ela correu e me tomou em seus braços. Ela chorou no meu ombro um pouco antes de se afastar e olhar para mim. "Eu pensei que você estivesse morta. Todo mundo pensou que estava morta." Olhei timidamente para ela. "Eu sei. Eu tenho algumas explicações a dar, Louisa. Eu preciso que você saiba toda a história." Ela assentiu com a cabeça. "Entre. Vou colocar a chaleira no fogo." Eu suspirei de alívio, entrei e fechei a porta atrás de mim. Seu apartamento era exatamente como eu lembrava, com algumas fotografias adicionadas na parede. Algumas delas eram de Louisa e eu em uma festa de Natal do trabalho alguns anos atrás, mas algumas novas eram dela com um homem que eu nunca tinha visto antes. "Esse é Thomas. Vamos nos casar em agosto. Eu o conheci cerca de cinco meses depois..." Ela parou por um minuto e eu assenti. Nós entramos em sua sala de estar e eu podia ver algumas caixas empilhadas.


"Eu vou me mudar quando me casar. Estamos comprando um lugar juntos, um pouco mais longe de Londres." Louisa se afastou para pegar o chá, e eu me sentei. Uma vez que ela estava de volta, ela entregou-me uma caneca e sentou-se à minha frente. "Basicamente, você sabe o que aconteceu comigo, mas o que está acontecendo com você?" Eu suspirei e comecei a minha história. Eu sabia que ia demorar um pouco para contar-lhe tudo, mas ela me deixou falar, só me interrompeu quando percebeu que meu parceiro sexual sem nome era Dean. A única parte que deixei de fora foi que Dean havia matado Ian. Na verdade, eu não tinha contado a ninguém sobre essa noite em particular. Todos, inclusive meus pais, acham que ele fugiu depois de me atacar. "Oh, Tyler, eu estou tão triste com o que aconteceu com você. Eu gostaria de ter sabido. Eu desejava que você pudesse ter entrado em contato comigo." Eu balancei a cabeça. "Eu sei. Eu queria tantas vezes. Na verdade, peguei o telefone e quase disquei o seu número um par de vezes, mas eu sabia que Dean iria me encontrar. Eu sabia que Dean iria descobrir sobre seu filho. Eu tinha que manter Jeremy seguro a todo custo." Louisa sorriu, acenando com a cabeça. Ela parecia tão impressionante agora como ela era há quatro anos. Seu cabelo estava ligeiramente mais longo e ela tinha um pouco mais de idade, mas fora isso, ela era a mesma mulher. "Eu entendo porque você fez isso." Inclinei-me e peguei a mão dela. "Eu sinto muito que fiz isso para você. Eu nunca me perdoei por te deixar para trás sem que você soubesse o que estava acontecendo. Eu vim aqui porque queria vê-la, mas também vim aqui para dizerlhe como estou arrependida. Eu não sei se você vai me perdoar um dia, mas eu tinha que vir aqui e ver se era possível."


Louisa apertou minha mão com um sorriso. "Eu não vou adoçar as coisas, Tyler. Eu fiquei muito triste quando você saiu. Eu pensei que tinha perdido minha melhor amiga. Mas, ao mesmo tempo, eu entendo porque você fez o que fez. Você é uma mãe agora e seu filho será sempre a sua prioridade acima de tudo e de todos." Ela sorriu novamente e soltou a minha mão. "Você tem uma foto de Jeremy? Eu adoraria vê-lo." Eu balancei a cabeça, peguei minha bolsa e tirei uma fotografia que eu levava em todos os lugares comigo. "Ele tem o seu cabelo." Eu ri. "Eu sei. Essa é a única coisa que ele herdou de mim." Ela olhou para a foto, uma expressão sonhadora no rosto. "Ele parece tão bonito. Seu pai deve ser completamente gostoso." Ela piscou e entregou a foto de volta. Eu ri. "Ele é. Ele sempre soube como lidar com seu charme." Eu sorri, mas foi de tristeza. Eu ainda sentia falta dele, não importa o que ele tinha feito. Eu estava com raiva dele, no entanto. Assim, muito brava. "Então, onde você está trabalhando agora?" Eu perguntei, a necessidade de mudar de assunto. Louisa revirou os olhos. "Eu ainda estou com O Diário. Temos um novo chefe agora, mas ele parece legal. Melhor do que Andrew Walker." Seus olhos se arregalaram. "Desculpe. Eu não posso acreditar que ele era Dean. Como na terra que ninguém percebeu isso? Nem mesmo Ian notou." Eu balancei minha cabeça enquanto não conseguia entender nem por mim mesma. "Ele obviamente teve um bom maquiador profissional porque eu nunca o reconheci plenamente até que fui visitá-lo em seu escritório naquela noite depois que todos tinham ido para casa. Ian era, obviamente, tão alheio quanto eu, porque ele nunca mencionou nem uma vez isso para mim." Eu me encolhi um pouco, pensando nele. "Eu sempre achei que havia algo sobre Ian, você sabe." Eu olhei para cima, surpresa com seu comentário. "Eu, às vezes, o pegava olhando para você de uma maneira que um melhor amigo não deveria. Eu poderia dizer que ele estava apaixonado por você, não apenas ao nível que obviamente estava. Agora eu


gostaria que tivesse dito algo para você. Talvez as coisas poderiam ter sido diferentes. Eu não sei. Eu acho que estava esperando que ele diria a você em seu próprio tempo. Eu só não achava que ele iria acabar te atacando." Eu dei uma risada sarcástica a Louisa e balancei a cabeça. "Ele me surpreendeu mais do que poderia imaginar, mas não acho que você me dizer isso teria feito qualquer diferença, então por favor não pense sobre isso." Eu tomei um gole do meu chá e coloquei-o de volta na mesa. "Eu espero que nós possamos construir a nossa amizade de volta novamente, Louisa. Significaria o mundo para mim, se pudéssemos. Só espero que, com o tempo, você possa me perdoar e aprender a confiar em mim novamente." Louisa suspirou e olhou para mim um momento. Ela então se mudou de um lado e seus lábios abriram em um sorriso. "Eu vou te perdoar, mas só com uma condição." Eu me inclinei para a frente. "Diga." Louisa se inclinou para frente, também. "Você vem para o meu casamento em agosto." Eu ri e balancei a cabeça, pensando que era o mínimo que poderia fazer. Isso significaria voltar para o um lugar que eu fugi todos esses anos atrás, mas eu não podia perder isso. Não importa o que. "Eu não perderia por nada no mundo."

Eu fiquei por mais uma hora e dei a Louisa todos os detalhes de onde eu estava morando agora. Nós nos abraçamos e choramos, e ela disse que entraria em contato com a data do casamento. Depois de contar a ela que eles são bemvindos para vir e ficar comigo a qualquer momento, eu sai e me dirigi para o hotel para um bem merecido descanso.


Acordei por volta das quatro horas e me arrumei para a minha próxima visita. Eu coloquei uma saia acima do joelho, blusa e salto alto. Eu pensei que se estava indo vê-lo, eu poderia pelo menos fazer um esforço. Eu pedi ao hotel para me chamar um táxi, que chegou dez minutos depois. O passeio foi rápido, apesar do fato do funcionamento da escola provavelmente ainda estar acontecendo naquela hora. O dia estava nublado, assim como o meu estado de espírito. Prometi a mim mesma antes de vir, que não iria chorar. Eu não poderia quebrar. Eu estava visitando um amigo. Um muito querido amigo próximo, que era como um irmão para mim. "A corrida deu quinze libras, amor." O taxista se virou para olhar para mim. "Você tem um guarda-chuva? Parece que vai chover". Eu balancei a cabeça e entreguei-lhe uma nota de £ 20. "Não, mas vou ficar bem. Fique com o troco." Ele balançou a cabeça, agradeceu, e me deu um sorriso gentil. Acho que ele sabia que eu não estava no cemitério apenas para passear. Eu saí do táxi e ele se afastou, deixando-me do lado de fora dos portões. Parecia como da última vez que eu estive aqui. O dia em que rasgou o meu coração em dois. Eu andei cerca de dois minutos para o local onde Jeremy agora descansava. Quando cheguei mais perto, vi algumas flores delicadamente descansando em sua sepultura. Elas ainda pareciam frescas, então eu estava feliz que alguém estava vindo visitá-lo. Quando me ajoelhei na frente de seu túmulo, peguei uma nota que estava deitada ao lado. A chuva começou a cair, pingando no cartão que agora eu tinha na minha mão. Eu gostaria de poder ter conhecido você. J. xx Eu sorri, sabendo que tinha que ser Julie. Eu estava feliz por Jeremy, que pelo menos ela o tinha visitado sempre que podia. Quando esse pensamento veio, afundei mais perto do chão. Meus joelhos estavam agora envoltos em sujeira e meu cabelo ficou rapidamente molhado, mas


eu não me importei. Naquele momento, meu mundo caiu em torno de mim. Culpa nadava como uma torneira sem fim, ameaçando me afogar em seu caminho. "Jeremy, eu sinto muito." As palavras tensas através do caroço do tamanho de uma bola de golfe na minha garganta. Não importa o quanto tentei segurar as lágrimas, elas só vieram e vieram, e com ela vieram o dilúvio de culpa por deixá-lo. "Eu sinto muito que deixei você e que eu poderia ter te protegido mais. Eu deveria ter te protegido mais. E então eu fui e deixei você. Durante quatro anos, eu não vim visitá-lo e, por isso, eu sou uma merda total. Eu não sei se você vai me perdoar algum dia, mas eu tinha que ir embora. Eu espero que você encontre em seu coração e entenda." Eu inalei uma respiração profunda quando os soluços destruíram contra o meu peito. Eu só tinha que conseguir as palavras. Se havia vida após a morte e Jeremy estava comigo agora, eu tinha que ter certeza que ele sabia o quanto significava para mim. "Deus, eu sinto tanto sua falta." Enquanto as lágrimas escorriam pelo meu rosto sem parar, eu acariciava seu nome gravado na pedra. Eu pensei que tinha de alguma forma superado isso, mas vir aqui só trouxe tudo de volta em mim novamente. O tempo pode ter passado, mas as feridas ainda estavam tão frescas como sempre. "Eu amo você mais do que você jamais saberá. Eu sinto muito, nunca cheguei a dizer-lhe isso antes de você morrer. Eu sinto muito por não fazer o suficiente para ajudá-lo. Eu... eu..." Eu não conseguia colocar para fora as palavras. As lágrimas inundavam e com elas veio um soluço de cortar o coração que não poderia ter possivelmente saído da minha boca, mas ele fez. Eu afundei mais baixo e chorei. Tudo o que eu podia fazer era pendurar minha cabeça e lamentar a perda de um menino maravilhoso que roubou meu coração ao longo de quatro anos atrás. Em meio a meu desespero, senti uma jaqueta ser colocada em volta dos meus ombros, em seguida, um conjunto de braços me envolveram. Por um momento, sentei lá, respirando seu perfume suave. Eu o deixei me cercar, porque


a parte doente de mim queria deixá-lo entrar novamente. Ela queria seu conforto. Queria o seu amor. Em seguida, veio a clareza e a raiva veio à tona. Todo o meu corpo começou a tremer e quanto mais eu balançava, mais os braços de Dean apertavam ao meu redor. Mas não importa o quanto eu ansiava por seu conforto, nenhuma quantidade disso jamais poderia tirar o que ele fez. Nenhuma quantidade de seu amor lavaria para longe sua traição. Balançando a cabeça, empurrei para ele me deixar ir. Ele fez e eu rapidamente me levantei para encará-lo. Ele parecia rasgado e com o coração partido como o meu estava, mas eu não podia deixá-lo chegar até mim. Eu estava tão malditamente irritada, que me arrependi imediatamente das primeiras palavras que saíram da minha boca. "Você deveria estar lá, não Jeremy! Jeremy não fez nada para você. Ele era um doce, inocente menino que não merecia a sua ira!" Eu me encolhi, sentindo a lavagem de culpa em cima de mim, mas a raiva era mais forte. Minha raiva em direção a Dean estava ganhando. Dean começou a vir para mais perto de mim, mas levantei a minha mão. Ele parou, parecendo aflito, e abriu a boca para falar. "Eu sei, Tyler. Eu sei. Eu sou a pior escória do universo. Deveria ser eu lá. Eu concordo plenamente com você. Eu nunca vou me perdoar pelo que eu fiz." Ele veio para a frente novamente, mas eu me afastei. "Não se aproxime de mim. Eu odeio você, Dean. Eu odeio o que você fez, odeio o que você se tornou, e eu odeio o que você está fazendo comigo agora. Por que você veio aqui? Porque você não pode simplesmente me deixar sozinha?" Eu soluço outra vez, sentindo a mistura de chuva e as lágrimas em minha boca. Eu não quero que ele me reduza a isto, mas ele tinha conseguido novamente. Eu era uma bagunça fulminante, tudo por causa de um menino perdido que eu amava com todo meu coração. Meu Dean. Meu tudo.


"Eu amo você, Tyler. Eu sempre amei e para sempre amarei. Eu não posso deixar você ir, porque você é a única pessoa que pode me fazer respirar o oxigênio em meus pulmões, fazer o sangue do meu coração bater, fazer pensamentos fluírem em meu cérebro. Eu vivo somente para você, Tyler. Você não consegue ver isso? Você sempre quis ser minha." Eu balancei a cabeça através das minhas lágrimas. Eu não podia deixálo ver o quanto suas palavras me afetavam. Elas eram as únicas palavras que eu queria ouvir. As únicas palavras que eu jamais sonhara ouvir. Mas não assim. Não depois do que ele tinha feito. "Você tirou esse direito quando começou a me perseguir, brincando comigo, e tirando todos que eu amava." "Tyler, por favor..." Ele mudou-se para a frente e dei um passo para trás novamente. "Não me venha com „Tyler, por favor‟. Você é um babaca, Dean. Eu odeio você. Eu odeio você. Eu te odeio!" eu solucei de novo, quase caindo de joelhos. Dean saltou para mim e me segurou em seus braços. Deixei que ele me segurasse e chorei em seu peito. Deixei ele me levar, me consumir, confortar-me porque eu desesperadamente precisava. Eu precisava desesperadamente de Dean para tirar tudo de mim. Mas ele nunca poderia tirá-lo porque, naquele momento, eu me lembrava. Eu empurrei e o soquei com toda a minha força. Eu estava batendo meus punhos no seu peito e Dean apenas ficou lá e me deixou, nunca perdendo seu aperto. "Deixe-me ir!" Eu gritei, mas foi um esforço desperdiçado. Dean estava determinado a me segurar. Determinado a nunca perder a sua aderência. "Eu nunca vou deixar você ir de novo." Essas palavras eram para mim. Eu derreti nele e chorei todas as minhas lágrimas. Eu chorei por Jeremy. Eu chorei por todas as pessoas que perdi. Acima de tudo, chorei por meu melhor amigo no mundo inteiro. O que eu sabia que queria passar o resto da minha vida com ele. Ele estava me confortando, mas ele


não era a mesma pessoa. Ele não era o meu Dean. Eu o havia perdido no dia que ele decidiu me machucar. O dia que ele decidiu quebrar meu coração. "Eu sinto muito, Tyler. Eu sinto muito. Eu quero passar o resto da minha vida dizendo isso e o resto da minha vida fazendo isso para você. Eu te amo tanto." Ele se afastou e segurou meu rosto em ambas mãos. Naquele instante, eu fui cativada por aqueles penetrantes olhos azuis. Que assombravam os meus sonhos e evitava os meus pensamentos. Ele me tinha agora. E eu odiava e amava ainda mais por isso. "Eu amo você, Tyler O'Shea. Eu te amo." Sem pensar, eu o agarrei e puxei para os meus lábios. Os fogos de artifício, de repente, rodearam minha cabeça. Eu estava caindo de volta sob o seu feitiço agora, e eu não me importava em voltar para cima. Empurrando minha língua nele, Dean aceitou de imediato, rosnando na minha boca. Minha frequência cardíaca acelerou e meus corpo de repente parecia que tinha vindo para a vida pela primeira vez em quatro anos. Se pensei que não poderia ficar pior, Dean me puxou mais apertado em seu corpo e senti o crescimento familiar entre as pernas que vim a conhecer e amar. Quando ele me beijou, acariciou meu rosto com ternura, mas agarrou minha cintura com uma força bruta que fazia meu corpo sentir incêndios devastadores. Meu Dean estava aqui, mas assim estava o meu Lotus. Minha fantasia suprema, meu amor... meu último pesadelo final. Ele estava aqui e era tudo e qualquer coisa que eu imaginava que fosse. Certamente eu não poderia fazer isso. Certamente não poderia deixá-lo entrar quando ele tinha sido o único a causar toda a destruição em torno de mim. Sua magia era forte, me colocava em seu calor mortal. Eu tinha que ir embora antes que fosse tarde demais. Eu tinha que ir embora antes que ele completamente me possuísse. Encontrando força, eu o empurrei para longe, só então percebendo que ainda estava chorando. Ele olhou para mim com uma mistura de choque, esperança e desejo que sempre provocou a mesma reação em mim. Mas eu não podia deixar que isso me segurasse.


"Eu não posso fazer isso." Eu balancei a cabeça e dei um passo em torno dele. Eu tinha que ir embora antes que ele me prendesse. Eu tinha que ser mais forte do que isso. "Tyler..." Sua voz soava desesperada quando ele estendeu a mão para mim. "Eu não posso fazer isso", eu disse novamente. Corri em direção aos portões de saída e para baixo para a mais próxima rua secundária. A chuva ainda estava batendo em cima de mim, mas eu congratulei ela. Com cada gota, ela lavava meus pecados terríveis e, apesar de saber que não podia ser verdade, eu esperava com toda a força que lavaria os de Dean também. Quando me aproximei da entrada de um beco, senti um puxão no meu braço e ele me puxou tão longe para o beco como poderíamos ir. Antes que eu percebesse, Dean tinha-me contra a parede. Por um momento, nós apenas nos olhamos, nossa respiração entrecortada, o nosso cabelo e roupas encharcadas. Eu não conseguia me mover e, naquele momento, não queria. "Você me destruiu, Dean. Eu te amei. Eu teria feito qualquer coisa por você. Mas você tomou o meu amor e o tornou em algo feio. Você fez algo feio." Eu balancei minha cabeça através da chuva e lágrimas e olhei em seus olhos doloridos. "Eu faria qualquer coisa na minha vida para poder ter o meu Dean de volta." Eu levantei minha mão para acariciar sua bochecha. Fechando os olhos, ele se inclinou ao meu toque. "O menino que costumava subir em minha janela quase todos os dias. O menino que faria qualquer coisa para evitar beijar-me ou me tocar, porque ele estava esperando por mim. O menino que, no meu aniversário de doze anos, colocou uma batata frita Hula Hoop no meu dedo, que eu não tirei por dois dias, porque eu estava desesperada e perdidamente apaixonada por ele. O menino que faria qualquer coisa para me ver feliz." Os olhos de Dean queimaram abertos e me observou por um segundo antes de colocar a testa na minha. "Eu posso ser aquele menino de novo. Se você me deixar, vou te fazer a mulher mais feliz do caralho do Universo." Dean apertou seus olhos fechados, em seguida, os abriu. "Eu vou fazer de tudo, Tyler. Qualquer


coisa para fazê-la feliz. Mas, por favor, não me peça para deixar você ir, porque eu não posso. Eu não posso te perder de novo." Fechando os olhos, eu balancei minha cabeça contra a sua. "Dean, eu não posso..." Ele segurou os dedos em meus lábios. "Shh, não diga isso, Tyler. Não diga as palavras que podem me quebrar. Não diga as palavras que vai rasgar meu mundo em pedaços." Dean suspirou e segurou seu olhos fechados antes de olhar para mim de novo. "Não me peça para desistir de algo que sempre foi uma parte de mim. Isso vai me matar, Tyler. Por favor. Eu não posso viver sem você." Eu puxei minha cabeça para trás e olhei em seus olhos desesperados. Eu não podia deixá-lo voltar, mas não poderia machucá-lo, tampouco. Não importa o que ele tinha feito para mim, eu sempre lembro do menino que uma vez ele foi. O homem que ele foi. Eu não poderia me fazer dizer as palavras que precisava dizer, porque, apesar de cada única coisa que ele fez para me machucar, eu ainda me importava com ele. Eu ainda o amava. Meu Deus, eu o amava. Tudo nele me sugava. Cada respiração que eu tomava, cada batida do coração que corria através de mim, era tudo para ele. Por que eu não podia mover-me após isso? Porquê não conseguia deixá-lo ir? Por que não conseguia deixá-lo ir? Eu era uma concha, e só ele era o único que podia preenchê-la. Eu estava enganando a mim mesma em pensar que algum dia poderia amar outro cara. Ele sempre foi para mim. O fim da estrada. "Dean..." O nome dele veio como um sussurro ofegante. Dean olhou para cima e eu não sabia o que ele via, mas algo mudou em seu olhar. Tornou-se mais predatório, o fogo dançando dentro de seus olhos. "Eu preciso de você para caralho. Eu quero você pra caralho. Eu preciso sentir você, Tyler. Eu não posso viver sem a sensação de você. Eu esperei tanto tempo para estar dentro de você. Eu esperei tanto tempo para fazer você minha novamente." Seu nariz arrastou uma linha a partir da base de meu pescoço para o meu queixo. Eu assobiei, sentindo o mesmo brilho de desejo como nunca antes.


Afastando-se, ele trancou em mim com aqueles olhos e rapidamente prendeu-me contra a parede. Um pequeno suspiro saiu dos meus lábios enquanto meu corpo completamente assumiu. "Dean", eu sussurrei de novo, incapaz de esconder o meu desejo por ele. Minha raiva e desespero rapidamente se transformaram em algo mais primitivo. Eu queria muito ele naquele momento. Provavelmente mais do que eu jamais quis. As emoções pareciam acender uma carga elétrica dentro de mim. Parecia apenas uma zona em emoção e uma emoção única. Desejo. Como que sentindo isso, Dean apertou sua boca para a minha em um beijo feroz. Ele alegou minha boca de novo, mas era diferente desta vez. Isto não era o mesmo que o gentil e terno beijo que compartilhamos no cemitério. Este foi um pouco diferente. Era cru. Era apaixonado. Era desesperado. Enquanto sua língua explorou a minha, Dean segurou minhas mãos e colocou-as em cima da minha cabeça quando passou as mãos pelos meus braços, então o comprimento do meu corpo. Um pequeno gemido escapou da minha boca quando ele trouxe minha saia para cima, com ambas as mãos e rasgou a calcinha do meu corpo. Minha cabeça rodava com a necessidade. Eu não acho que poderia querer alguém tanto assim, como o quero. Levou mais de cada pensamento, cada machucado, cada dor no meu coração que eu nunca tinha sentido. Levou tudo o que ele já tinha feito para mim. Eu era completamente e totalmente sua. Com uma mão, Dean abriu o cinto e soltou seu jeans. Ele parecia frenético, mas tudo o que fez foi aumentar o meu desejo. Eu estava tão desesperada como ele. Uma vez que ele se libertou, Dean me pegou e me segurou contra a parede. Ele me segurou lá um momento, olhando profundamente em meus olhos. Uma lágrima desceu no meu rosto e Dean beijou-a. "Eu quero beijar todas as suas lágrimas, Tyler."


Antes mesmo de ter um momento para processar o que ele disse, ele entrou em mim. Dean gritou e eu fechei os olhos, outro soluço escapando dos meus lábios. Eu não sabia por que estava chorando naquele momento porque era tudo o que eu sempre sonhei. O alívio de senti-lo novamente estava me oprimindo. Dean parou e olhou nos meus olhos com um olhar de agonia. "Eu sinto muito, Tyler. Desculpe." Fechando os olhos, eu capturei seus lábios com os meus e respirava pesadamente em sua boca. "Por favor, Dean. Não. Pare." Dean resmungou e empurrou para dentro de mim, fazendo meu coração bater em meus ouvidos. Eu senti como se tivesse estado longe de casa e finalmente havia retornado. Tudo sobre isto estava tão errado, mas me sentia exatamente onde eu precisava estar. Exatamente onde sempre quis estar. Quando ele empurrou mais dentro de mim, Dean tomou a minha boca e tudo que eu podia fazer era montar nesta gloriosa onda que ele tinha sobre mim. Eu estava presa, não podia me mover, nem tinha para onde ir, mas não havia outro lugar que eu preferia estar. Na verdade, desejava que isso nunca acabasse. Eu queria permanecer em nossa bolha. Nada poderia nos prejudicar lá. Nada e ninguém poderia nos quebrar, enquanto nós permanecermos lá. Juntos. A forma como sempre queríamos ser. "Tyler!" Ele gritou quando bateu em mim uma e outra vez. Meus joelhos estavam começando a tremer. Meu mundo estava começando a tremer. Era tudo o que eu lembrava e muito mais. "Tyler, eu senti tanta maldita saudades sua. Nunca fuja de mim novamente. Isto é onde você pertence. Aqui. Comigo." Ele bateu em mim com cada palavra, e com cada palavra, senti meu orgasmo ascendendo. Com cada palavra, ele atingiu um ponto que somente Dean foi capaz de atacar. Ele estava me tomando outra vez e tudo o que eu era capaz de fazer naquele momento era sentir. Apenas sinta, Tyler.


Então eu fiz. Eu deixei o feitiço me cercar em seu fulgor. Deixei ele me foder com força contra a parede, porque aqui sempre foi onde eu queria estar. "Porra, Tyler. Você precisa gozar logo. Eu não sei quanto tempo posso..." Com isso, gritei. Eu gritei seu nome e gozei com tanta violência, que não podia ver direito. Suas palavras e seu toque era tudo que levou para me fazer ver estrelas. "Tyler!" Dean empurrou para dentro de mim com uma explosão violenta, sua própria libertação derramando dentro de mim. Ele me segurou em seus braços enquanto descansou a cabeça na dobra do meu pescoço. Com uma mão, eu acariciava seu cabelo quando senti um soluço repentino deixar seus lábios. Dean estava chorando e foi o som mais arrasador que eu já tinha ouvido. Não teve uma vez que vi ou ouvi ele chorar, e o pensamento disso me rasgou por dentro. Dean estava ferido e a parte que ele amava tão desesperadamente queria consertá-lo novamente. Mas como? Eu não acho que tinha o suficiente dentro para curar a nós dois novamente. O que ele fez deixou uma cicatriz permanente que seria sempre visível. Ele veio para me ferir e assim o fez, mas parecia que suas próprias ações o tinha ferido também. E a parte doente sobre isso? Eu queria curá-lo. Eu queria tão desesperadamente tirar sua dor. Eu não sabia o que o nosso futuro nos reservava, e o pensamento de deixá-lo entrar novamente encheu-me de dor. Eu não estava onde ele precisava que eu estivesse e esse pensamento me esmagou mais do que palavras poderiam dizer. A única coisa que eu poderia oferecer a ele era o agora. Eu poderia, pelo menos, dar-lhe isso. Puxando sua cabeça para trás, Dean me confrontou com uma expressão de dor no rosto. "Eu sinto muito, Tyler. Eu quero corrigir isso. Eu quero nos corrigir." Eu sorri, pensando que ele deve ter lido os meus pensamentos. Eu coloquei seu rosto em minhas mãos e senti a chuva fria e suas lágrimas quentes baterem em minha pele. "Eu amo você, Dean. E sempre amei e sempre vou amar."


Dean apertou os olhos fechados por um momento antes de encontrar meus olhos novamente. "Por que sempre parece que há um "mas" depois dessa frase?" Eu suspirei, pensando em como ele poderia me fazer sentir tão bem. Mas eu não podia fazer isso com ele. Não agora. Não hoje. "Você vem comigo?" Vi uma faísca de esperança em seus olhos por um segundo antes dele se inclinar e me beijar com ternura nos meus lábios. "Tyler, eu irei onde quer que vá, porque não pertenço em qualquer outro lugar, mas apenas com você." Eu o beijei de volta e ele gentilmente aliviou-se para fora de mim, colocando os meus pés no chão. Eu puxei minha saia para baixo quando Dean levantou seu jeans. "Eu não quis usar camisinha." Dean olhou para mim se desculpando e balancei minha cabeça. "Está tudo bem, Dean." "Eu sei que é sempre bom, mas o que dizer se você ficar grávida?" Eu me encolhi. Dean ainda não sabia sobre o maravilhoso presente de despedida que ele me deixou há mais de quatro anos atrás. "Eu não vou ficar grávida. Está tudo bem." Eu não quero entrar nos por que, mas depois que dei à luz a Jeremy, eu coloquei DIU. Isso era algo que sempre quis fazer, mas ouvi que isso poderia ser muito doloroso para alguém que não teve um bebê antes. Depois de ter Jeremy, parecia que era a coisa mais lógica a fazer. Ele era um contraceptivo que mantinha meus períodos leves, eu quase não sangrava. Tinha sido uma dádiva de Deus. Dean balançou a cabeça com um sorriso e me olhou. "Você vai pegar um resfriado se você ficar aqui por mais tempo. Vamos indo. Eu estou com meu carro e vou levá-la onde você precisa ir."


Eu dei-lhe um sorriso gentil quando ele estendeu a mão para mim. Eu interliguei meus dedos nos seus e, pela primeira vez em muito tempo, parecia que eu estava de volta para onde estava 16 anos atrás. Naquele momento, deixei o brilho me cercar. Eu precisava disso tanto quanto ele. Eu precisava deixar-me ser feliz novamente. Quando nos aproximamos da saída do beco, Dean passou um braço protetor em torno de mim. Não muito longe havia um Dodge Challenger que Dean rapidamente abriu a porta. "Um carro potente," Eu brinquei, um brilho atrevido apareceu no meu olho. Dean sorriu. "Você realmente não poderia ter esperado mais nada de mim, pôde?" Eu balancei a cabeça, entrando no carro. Dean fechou suavemente a porta e vi quando ele correu em torno do outro lado. Eu estava encharcada e já estava ficando frio, mas não deixei isso arruinar o meu momento hoje. Nada poderia arruinar isso agora. Dean ficou no outro lado e ligou o carro. "Então, para onde?" "Four Seasons". Dean sorriu e balançou a cabeça enquanto saia com o carro. Um pouco mais abaixo na estrada, ele agarrou minha mão possessivamente e envolveu-a em torno do cambio do carro. Com cada troca de marcha, eu o sentia puxar minha mão, mas foi bom. Por um tempo, ia deixar-me ter o Dean de volta, o que uma vez eu conheci. O menino que sempre segurava minha mão e me fazia sentir como a mais preciosa mulher na terra. Uma vez que estacionamos no hotel e entramos na minha suíte, nos despimos em silêncio e tomamos banho. Não havia nada de sexual nisso. De alguma forma, era mais do que isso. Com cada movimento e cada carícia, isso me fez sentir mais adorada do que já senti em minha vida. Nunca uma vez senti isso nos lugares mais íntimos que tão desesperadamente queria. Nós apenas nos aproximamos mais, apreciando um ao outro.


Oh cara, o corpo de Dean. Por alguma razão, ele parecia mais musculoso e forte, então me lembrei. Suas tatuagens se destacavam e, por um momento, fiquei ali olhando para cada uma delas. Foi nesse momento que notei três que não estavam lá antes. Ou que eu nunca notei. "Dean, você me tem em seu peito e ombro. Essa é uma imagem minha quando eu era mais jovem." Ele beijou minha mão e acenou com a cabeça. "Você vai estar para sempre comigo, Tyler. Isso nunca vai mudar. A no meu ombro fiz quando tinha dezoito anos. Eu voltei naquele dia para mostrá-la a você." Ele se encolheu, imaginando se tinha cometido um erro trazendo isso de novo para cima. "Eu sinto muito." Eu sorri calorosamente para ele, mas ainda não consegui superar o choque de uma que mais se destacava. "Jeremy", eu sussurrei, acariciando o nome em seu peito. "Eu tinha que fazer isso." Ele olhou para baixo com vergonha e, num primeiro momento, fiquei impressionada com o quão importante esse nome era para ele sem que ele sequer soubesse. Eu entendo, percebi que era a forma de Dean se atormentar todos os dias. Eu sabia que ele sentia dor pelo que fez. Eu sabia que ele faria tudo em seu poder para levar tudo de volta. E sabia que ele quis dizer cada palavra quando me disse que iria passar o resto de sua vida provando para mim. Levantando minha mão até seu rosto, puxei suavemente seu queixo para cima para me olhar em meus olhos. "Eu sei", sussurrei, olhando em seus olhos cheios de culpa, segurando seu olhar ele sabia que eu quis dizer cada palavra. Eu nunca poderia banalizar a sua culpa. Eu sabia que ele estava sofrendo. E eu sabia que isso iria corroer pelo o resto de sua vida. Mas de alguma forma isso não estava certo. Não consertou o que ele fez. No final, ele fez sua escolha. E sua escolha completamente me destruiu. Então, por que eu estava lá com ele, deleitando na sua glória? Por que eu estava determinada a ver isto através dele hoje?


Porque, para ser brutalmente honesta, eu era egoísta. Estava deixando isso acontecer porque uma parte de mim queria sentir isso. Eu precisava sentir isso. O diabo pequeno dentro de mim estava gritando comigo, e eu não poderia ignorá-lo. Por apenas estas poucas horas, eu precisava ter essa ligação com Dean. Eu precisava estar perto do garoto que ele foi uma vez. E, meu Deus, eu senti tanta falta dele, tanta que sequer pensar nisso fez minhas entranhas queimar. Agora, apenas não podia deixá-lo ir. "Vamos para a cama comigo." Eu olhei nos olhos de Dean e ele assentiu, gentilmente me beijando nos lábios. Ele desligou o chuveiro, me ajudou a sair, e suavemente nos secou antes de me levar para a cama. Este era o meu momento agora. Esta era eu como a jovem Tyler, estendendo a mão para seu herói. Chegando a um homem que ela sabia que iria dar a ela tudo o que ela desejava. Eu não ia parar isso por nada. Minhas necessidades egoístas foram vencendo acima de qualquer outra coisa. Eu não consegui desistir deste momento. Na cama, Dean virou-se e colocou as mãos no meu rosto. Com um beijo, ele fechou seus olhos e suspirou. "Eu vou me certificar que toda a sua dor seja apagada." E, por apenas algumas horas, ele estava certo.


Capítulo 10 Dean Aquilo que redime, consome. Pete Abrams

Eu estava me sentindo tão cheio de esperança e alegria que tinha finalmente ganhado minha Tyler de volta e, por um momento, eu deixei-me deleitar-me com esse sentimento. Agora, não queria que nada estragasse isso. Eu estava deitado na cama de manhã e não pude deixar de sorrir, lembrando de tudo o que aconteceu na noite passada. Após o banho, eu fiz amor com Tyler pela primeira vez. Eu não fui áspero como a forma que ela se lembrava de mim. Eu fui suave e gentil. Eu queria agradá-la tanto quanto poderia. Eu queria que ela visse o Dean real, que tinha ficado escondido atrás do monstro desta vez. Ela precisava saber que eu ainda estava por perto. Ela precisava saber que eu não era apenas uma memória. Mas eu também sabia que não havia nada de "felizes para sempre". Tyler estava comigo, mas, por alguma razão pela qual não sabia, eu sentia que isso não era tudo. Eu não tinha ganho tudo completamente ainda. E foi por isso que ainda tinha os olhos fechados. Não ousei abri-los e encontrar o que sabia que iria ver uma vez que deixasse a luz do dia entrar. Um espaço vazio ao meu lado. Tyler se foi. Tyler me deixou.


Tyler se foi da minha vida para sempre. Neste momento, meus olhos estavam grudados bem fechados. Para me proteger da agonizante dor que me engoliria, eles não podem se abrir. Então eu fiquei ali por mais alguns minutos, lembrando a sensação de Tyler abaixo de mim, em cima de mim, do meu lado. Eu tinha de ficar com essas memórias tão firmemente quanto possível, de modo que ela me deixar, nunca realmente aconteceu. Mas quanto mais eu ficava ali, mais sabia que não podia ficar assim para sempre. A realidade sempre estava gritando comigo para deixar de ser um maldito imbecil e abrir meus olhos malditos. Então eu fiz.

Duas semanas se passaram e eu não tinha ouvido falar de Tyler. Eu sabia que ela tinha voltado para sua nova vida, a que ela criou para si mesma. Isso me deixou com raiva por dentro, pensar que ela pode voltar para a porra daquele homem estúpido que pensou que poderia dar a Tyler tudo o que ela queria. Tyler era uma mulher que precisava de um homem real. Alguém que andaria sobre a água por ela, mas não levaria qualquer merda de ninguém. Alguém que iria protegê-la até os confins da terra. Alguém que morreria por ela. Sentei-me, as pernas descansando sobre a banqueta enquanto tomava meu nono uísque da noite. Eu estava perdido, mas não o suficiente para saber que o barman me deu aquele "olhar", 15 minutos atrás. O que me disse que ele estava à beira de chamar o Jimmy. Na verdade, aposto que ele já ligou. Então, para ferrar com ele, eu traguei meu nono uísque e empurrei em direção a ele. "Outro por favor, Graham."


Graham olhou para o copo, então para mim com uma expressão preocupada. "Você não acha que teve o suficiente, Dean? Talvez você deva andar, sair e conseguir um pouco de ar." Uma gargalhada ondulando me deixou quando pensei o quão ridículo ele soou. "Ei, eu não preciso de nenhuma porra de ar." Eu acenei minha mão para enfatizar o meu ponto e quase tombei. Um par de mãos me capturou e me firmou no tamborete. Virei-me, mas já sabia quem era. "Jimmy! Como o diabo você está, meu cavaleiro de armadura brilhante, porra?" Jimmy sorriu, e acenou para Graham, e virou-se para mim. "Eu estou fodido de bem, Dean, mas posso arriscar um palpite de que sua cabeça não estará amanhã de manhã." Ele se sentou no banquinho ao meu lado e agarrou o meu ombro. "Quantas vezes você esteve aqui esta semana?" "Cinco!" Gritou Graham. Eu olhei para ele. "Tudo bem, companheiro, não há necessidade de contar essa merda. Droga!" Eu balancei a cabeça e olhei de volta para Jimmy. "Quem precisa de um barman como contador, Jimmy? Tudo que quero é outra porra de dose. Isso é pedir muito? Quer dizer, pensei que isso é o que o barman está lá para fazer." Jimmy balançou a cabeça e olhou para o meu copo vazio. "Mas a quantidade que você quer vai te matar, Dean." Eu ri. "Não me importa uma porra. Eu já estou morto." Jimmy suspirou e olhou para mim por um momento. "O que você acha que Tyler diria se pudesse vê-lo agora? Você realmente acha que ela gostaria de você desse jeito?" "Eu não me importo", eu rosnei. Os olhos de Jimmy se abriram. "Ah, mas você se importa sim. Você se importa muito, e esse é o seu problema. Você está tentando esconder-se de volta


para a pessoa que você uma vez foi. Eu não quero ele comigo, Dean, e ele com certeza não vai estar com Tyler novamente. O que aconteceu com o homem que ia lutar até os confins da terra para reconquistá-la?" Eu bufei. "Ela não quer ele. Pronto e simples pra caralho. Ela não disse as palavras, mas a mensagem teve belos adornos e fodeu bem claro para mim na manhã que ela me deixou naquele quarto de hotel." Jimmy suspirou. "Você já parou para pensar que talvez ela só precisava de tempo? O que você fez para ela foi muito foda de terrível, homem. Levaria muito tempo para tentar superar algo assim." Senti minhas narinas subirem quando a raiva veio. "Você não acha que sei dessa porra? Merda, Jimmy, o que você está tentando fazer aqui, porra?" "Eu estou tentando ajudá-lo, seu fodido idiota!" Olhei para Jimmy por um momento e a raiva que estava uma vez lá, desapareceu. Jimmy sorriu, em seguida, veio o riso. "Você é um merda estúpido." "Culhão de merda." "Gay." "Bundão." "Desprezível do caralho." "Fodido." "Rumpleforeskin." Isso me fez parar, e eu fiz uma careta para Jimmy. "Sério?" Eu balancei minha cabeça com uma risada. Jimmy deu de ombros. "Eu só estava enrolando com isso." Ele ergueu a sobrancelha para mim e cutucou meu ombro. "Eu sempre gostei de você homem, mas acho que gosto mais de você desde que ouvi sobre Tyler. Eu não conheço Tyler muito bem, mas você sabe o quanto eu a segui. Ela parece ser uma gata legal, mas posso dizer quando está faltando alguma coisa na vida de alguém. Ela


tem aquele olhar em seus olhos. A mesma merda de olhar que consigo ver em você todos os dias. Você precisa mudar esse olhar, Dean, e só você pode fazê-lo. Somente você pode pedir-lhe perdão até que ela te perdoe." Através da nebulosidade do meu cérebro, balancei minha cabeça. "Ela não me quer, Jimmy. Eu a feri demais. Eu acho que ela nunca vai me perdoar." Jimmy suspirou e colocou a mão no meu ombro. "Deixe-me ser o juiz disso." Ele endireitou sua espinha e franziu a testa um pouco. "Eu tenho um plano. Você confia em mim? Isso vai significar me dar algumas despesas para executar ele". Olhei para o bar por um momento antes de encontrar os olhos de Jimmy. "Eu não sei, Jimmy." Eu não sabia se podia confiar em alguém novamente. "Olha, cara, você quer Tyler de volta ou não?" Eu bufei. "Claro que quero, porra. Eu faria o que fosse preciso se soubesse que haveria alguma esperança dela me perdoar." Jimmy se inclinou um pouco. "Bem, então, você vai ter que afrouxar a porra das rédeas e confiar em mim um pouco." Eu sorri e balancei a cabeça. "Por que você quer me ajudar de qualquer maneira?" Jimmy caiu um pouco e suspirou. "Vocês dois parecem que se pertencem. Além disso, sei o que é perder alguém que você ama. É do caralho de matar. Eu não quero ver isso acontecer com você e Tyler." Eu fiz uma careta por um momento olhando para este Jimmy que não conhecia. Ele sempre foi meio misterioso. Um pouco como eu, suponho. Eu nunca soube nada sobre ele. "Por que você não pode fazê-la voltar?" Jimmy balançou a cabeça, um olhar doloroso em seus olhos. "Se eu tivesse tentado mais, ela não estaria morta." Estremeci com esta notícia e essa porra me matou, só de pensar sobre isso acontecer com Tyler. Jimmy viu minha


expressão e acenou com a cabeça. "Você vê? Isso é o que não quero acontecendo você". "O que aconteceu?" Jimmy soltou um suspiro e virou seu corpo ao redor para enfrentar o bar. "Eu vou precisar de uma porra bebida, a fim de contar-lhe isso. Eu não contei a ninguém, por isso certifique-se do que eu estou a ponto de lhe dizer nunca saia desta sala". Eu olhei para ele. "Jimmy, você sabe tudo sobre mim e Tyler agora. Eu espero que você tenha o mesmo respeito e cortesia que você está me pedindo. Isso não vai sair daqui". Jimmy acenou e fez sinal para Graham vir. Ele olhou para o meu copo vazio e ergueu a sobrancelha. "Você quer outro?" Eu balancei minha cabeça. "Não, acho que terminei aqui." Jimmy acenou com um sorriso e pediu um uísque duplo com gelo. Quando Graham derramou a bebida, Jimmy rapidamente pegou, bebeu, então pediu outro. Uma vez que veio, ele olhou para o copo com um olhar triste no rosto. "Foi há cinco anos em fevereiro passado. O nome dela era Grace. Eu sempre a chamava de minha „Graça de Deus‟." Ele riu um pouco com a memória. "Estávamos saindo por um par de anos e eu estava muito perto de pedir-lhe em casamento. Ela tinha esse amigo, um homem no trabalho que era um imbecil". Ele me deu um olhar inquisidor. "Isso soa familiar para você?" Eu assenti com um bufo. "Bem, ela estava fora com seus colegas uma noite e eles todos tinham bebido. Eu estava sentado em casa esperando por ela, mas não conseguia relaxar. Eu sabia que a porra do idiota estaria lá e sabia que ele faria qualquer coisa para tirá-la de mim." Ele parou por um momento e deu um gole em sua bebida. "O que você fez?" "Quando chegou perto de onze horas, eu não aguentava mais. Fui para o bar onde ela estava e o vi beijando-a. Eu invadi, batendo a merda viva fora dele,


acusando ela de me trair pelas minhas costas, e acabou com a minha bunda na cadeia." Eu balancei minha cabeça. "Merda, Jimmy! Sinto muito, cara." Ele balançou a cabeça. "Eu também. Eu porra a envergonhei na frente de todos. Mais tarde encontrei o idiota, Brandon, que tinha feito um movimento agressivo para ela. Grace não tinha feito nada com ele. Na verdade, seus colegas estavam dizendo que ele estava se tornando uma dor no traseiro e estavam indo dizer algo a ele antes de eu chegar me intrometendo e arruinado a noite." Jimmy suspirou e tomou outro gole. "De qualquer forma, Grace disse que ela estava me deixando porque queria estar com alguém que iria confiar nela cem por cento. Pedi-lhe para não ir. Ela disse que precisava de um tempo longe, então ela fez as malas. Eu implorei por um tempo, mas, no final, pensei que era melhor dar-lhe tempo. Três semanas mais tarde, ela me mandou uma mensagem me dizendo que estava se mudando de volta para a Escócia. Eu disse a ela para não ir e que eu a amava e queria me casar com ela. Que estava arrependido e faria o que fosse necessário para recuperá-la. Ela me disse que era tarde demais e que já estava na estrada." Jimmy apertou seus olhos fechados como se estivesse tentando bloquear o que ele sabia que estava por vir. "Esse seria um fevereiro particularmente ruim, segundo a previsão. Estava nevando muito e as estradas eram traiçoeiras. Seu carro perdeu o controle e colidiu com um caminhão. Ela não teve uma porra de chance de desviar. Ela sobreviveu por um tempo. Ela estava ligada a um aparelho por algumas semanas, até que o médico sugeriu desligá-lo. Ela teve morte cerebral. O médico disse que era o melhor." Jimmy bateu com o punho no bar. "Porra!" Levantando

meu

braço,

eu

apertei

seu

ombro.

"Eu

estou

tão

arrependido, Jimmy." A realização ocorreu-me. "Essa é a verdadeira razão que você odeia hospitais, não é?" Ele balançou a cabeça. "Puta que pariu, Jimmy. Por que você nunca me disse nada? Eu teria entendido." Jimmy deu de ombros. "Eu só estou dizendo a você agora para que você possa ver o quão importante é nunca desistir de uma boa luta". Jimmy suspirou


novamente. "Na cena, ela foi encontrada segurando uma fotografia de nós juntos. Eu encontrei depois com sua melhor amiga, e ela disse que Grace realmente não queria ter ido embora. Ela estava esperando que eu lutasse mais por nós. Eu estava pensando que era melhor deixá-la ter um tempo, mas essa decisão acabou por ser a pior que eu já tomei na vida." Jimmy olhou para mim com lágrimas nos olhos. "Agora você vê por que é tão importante você lutar por Tyler? Quando você realmente ama alguém como você ama Tyler, e como eu amei a Grace, você nunca deve desistir de lutar e nunca desistir de ter esperança. Mais que tudo, você nunca deve parar de dizer-lhes o quanto eles significam para você porque, um dia, você pode perder sua chance para sempre. E quando acontece o „sempre’, não há como a porra de voltar atrás." Jimmy virou a cabeça e balançou um pouco. Eu poderia dizer que ele estava quebrado. Isso era algo que ele tinha que viver o resto de sua vida. Enquanto me sentei lá, minha cabeça perdia a imprecisão do álcool, eu percebi uma coisa. Se Tyler realmente e verdadeiramente quisesse que eu lutasse por ela, eu o faria. Eu não seria um outro Jimmy. Eu estava determinado a não ver isso acontecer. Eu estava indo reconquistá-la, mesmo que essa porra me matasse. Apontando para Graham, sinalizei para ele encher o copo de Jimmy. Com um sorriso, ele fez, em seguida, saiu. Virei-me para Jimmy. "Ok, Jimmy. Vamos fazer isso. Eu confio em você, cara. Eu confio em você." Jimmy virou a cabeça para mim com um pequeno sorriso. "Obrigado, cérebro de merda. Isso significa muito." Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Não me teste porra, seu bosta de ladrão." Jimmy riu e a tristeza que tinha ultrapassado seu rosto já tinha suavizado um pouco. "Vamos pagar aqui e ir limpar sua merda. Nós temos muito o que fazer."


Eu balancei a cabeça, coloquei um par de vinte no bar e fiz sinal para Graham. "Obrigado, cara." Graham saudou com seus dois dedos. "Sem problemas. Vejo você por aí." Jimmy e eu samos para o ar fresco de verão. O clima britânico ultimamente era bom para uma noite. A rua estava lotada, mas sempre esta hora da noite. Não havia escassez da porra de imbecis como eu, bebendo para levar suas preocupações para longe. Enquanto esperamos para chamar um táxi, um pequeno espinho se aproximou no meu lado. Antonio Jr., tinha dezenove anos agora e agia como cada pedaço da porra do idiota que era seu pai. Ele era alto, mas nem de longe tão alto como eu. Ele tinha cabelo loiro que foi obviamente tingido. Ele era italiano, cabelo tão loiro nunca tinha corrido em sua família. "Eu ouço que alguém perdeu uma menina e agora está agindo como um marica." Seu rosto se iluminou presunçoso de merda quando ele passou por mim. Eu estava prestes a mostrar o „marica‟ para ele quando Jimmy me segurou. "Ele não vale a pena, Dean. Ele está apenas fazendo isso para conseguir você fora do eixo." Antonio, Jr., riu. "Eu vejo que você tem o seu cãozinho, Jimmy. Você mantem esse bacaca na coleira, não é?" Ele bufou, então levantou a mão. "Hey, eu ouvi que Tyler é uma máquina do caralho no saco. É uma pena que ela não está aqui. Eu poderia mostrar a ela como um homem real fode!" Virando-me para Jimmy, eu olhei para ele. "Oh, inferno que não." Jimmy me soltou. "É melhor você chutar a porra do seu traseiro antes de eu fazer, Dean." Isso era tudo o que eu precisava. Virei-me, caminhei até ele e lhe dei um soco no rosto quadrado. Eu ouviu seu nariz quebrar quando ele caiu, o sangue


logo a seguir. Antonio Jr., se lamentava quando todos se reuniram para dar uma olhada. Eu não tinha terminado, no entanto. Eu estava tão irritado, que poderia ter matado o filho da puta. Na verdade, eu pensei que faria. Devo ter chutado e esmurrado mais algumas vezes antes de sentir os braços de Jimmy me segurando. "Eu acho que isso é o suficiente, Dean. Não envie sua bunda para a cadeia. Ele não vale a pena." Deixei Jimmy me puxar para trás quando cuspi no chão ao lado do pequeno punk. "Você não acha que eu sou um marica agora, não é?" Antonio Jr., limpou o nariz e estremeceu um pouco antes de fazer cara feia para mim. "Você matou a porra do meu pai, seu punheteiro!" Algumas pessoas engasgaram e eu balancei minha cabeça. "Antonio, seu pai era um fodido merda que fez um monte de inimigos. Ele estava transando com as mulheres de outras pessoas, fazendo acordos com o diabo, e chantageando metade da porra da polícia de Londres. Não me diga que ele não conseguiu alguns inimigos ao longo do caminho. Se controle, porra." Eu andei fora, mas Antonio, obviamente, não tinha terminado. Quando Jimmy e eu entramos em um táxi, ele gritou: "Eu sei que foi você! Eu vou me vingar de você por isso, Dean. Não se esqueça disso!" Jimmy bateu a porta fechada para abafar o seu ruído e o táxi logo saiu. Jimmy riu um pouco e virou-se para mim. "Bem! Isso foi uma merda de noite memorável." Ele sorriu e nós dois começamos a rir. Eu concordei com ele cem por cento, mas, novamente, eu estava acostumado a isso.


Alguns dias depois e eu não tinha ouvido falar de Jimmy. Eu lhe havia dado dez mil para fazer tudo o que ele precisava fazer, mas pensei que ele teria chegado de volta a mim muito mais rápido. Eu não sei onde diabos ele estava, ou o que diabos estava fazendo. Foi no final da manhã. Eu tinha terminado meu treino, tomado banho, e agora estava comendo o café da manhã. Eu estava no limite, no entanto. Eu estava na borda todos os dias, à espera de ouvir alguma coisa. A fio cerca de cinco minutos depois de comer quando recebi um telefonema. Eu corri para o telefone e o peguei. "Sim?" Eu bufei. "Bem, isso não é maneira de cumprimentar alguém ao telefone." Eu reconheceria aquela voz em qualquer lugar. "Jimmy! Onde diabos você está?" "Apenas cale a boca e escute. Você tem que vir aqui, Dean." Eu suspirei. "Onde? Onde diabos você está? " "Virgínia, é claro." Jimmy suspirou um pouco. "Escute, sei que ela está sentindo a porra de sua falta. Ela está com um rosto muito magro..." "Ei, veja bem o que você diz sobre ela." Jimmy riu. "Desculpe, cara. De qualquer forma, você precisa vir e ver por si mesmo. Mas há uma outra razão que você realmente precisa vir aqui." Eu estava tentando descobrir onde isso estava chegando. "Ela não está de volta com aquele maldito idiota, está?" Jimmy atirou. "Não. Não tem nada a ver com isso..." "Então o que diabos é?" Interrompi. "Eu não posso te dizer algo como isso por telefone, Dean. Isso é algo que você realmente precisa ver por si mesmo."


Porra, eu odiava quando Jimmy fazia esta merda enigmática. "Bem! Eu vou reservar o próximo voo". "Bom. Me manda um email com os detalhes e vou buscá-lo no aeroporto." "Claro que sim. Obrigado, Jimmy." "Sem problemas." Eu desliguei e acessei a internet para reservar um voo. Assim que isso foi feito, eu mandei uma mensagem para o Jimmy com os detalhes e fiz uma mala. Eu não sei quanto tempo ficaria lá, mas eu embalei o suficiente para um longo trecho. Desta vez, não estava saindo sem ela. Era tudo ou nada agora. Uma vez que fiz o check-in no aeroporto, sentei-me na sala da primeira classe e tomei meu tempo para pensar sobre o que diabos Jimmy estava falando. Tudo o que eu pensava terminou mal, então achei melhor não pensar sobre isso. Pode ser algo, ou pode ser nada. Nada aponta para algo que eu tinha a mínima ideia sobre. No voo, tentei dormir, mas não foi um bom sono do caralho. Eu queria tentar dormir e estar alerta para me ajustar a hora local o mais rápido possível. Eu precisava me concentrar, mas minha mente tinha outras ideias. Eu estava muito ansioso para sequer pensar em tentar descansar. Uma vez que desembarquei e o árduo processo de conseguir a liberação do visto acabou, peguei minha mala e fiz a viagem para a liberdade. Jimmy estava lá e segurando a porra de uma placa que tinha o nome Dean Fellatio escrito nele. "Nem fodendo de engraçado, seu pau mole." Jimmy sorriu. "E é tão fodido bom ver você, também." Eu balancei a cabeça e Jimmy jogou a placa no lixo. "Então, onde você vai me levar?" "Bem, em primeiro lugar, aluguei uma casa a cerca de 20 minutos de distância da de Tyler."


Eu balancei a cabeça. "Pensamento agradável." Jimmy sorriu. "Obrigado. O único problema é, que agora tenho que dividir a porra do lugar com um dor na bunda". Fechei os olhos e suspirei minha frustração. "Você sabe, você está levando essa amizade para um outro nível do caralho. Você realmente deve conhecer o seu lugar, Jimmy. Você ainda trabalha para mim, você sabe." Eu olhei para ele com um sorriso quando e ele agarrou a minha mala e arrastou-a a um Ford Focus. "Por favor, me diga que você não está me fazendo andar neste pedaço de merda?" Jimmy deu de ombros. "Eles são carros de confiança, Dean." Eu balancei minha cabeça. "Eu não me importo se ele corre até oitenta. Eu não vou dirigir isto". Jimmy balançou a cabeça. "Você leva seus carros um pouco a sério demais." Ele abriu a porta e fez sinal para eu entrar. "Vamos. Vou levá-lo ao redor para as empresas de aluguel de carros. Tenho certeza que você será capaz de pegar algo mais ao seu gosto." Eu sorri. "Agora, isso é o que estou falando." Nós dirigimos os cinco minutos em volta para a loja de aluguel de carros, onde pedi o melhor que tinham. Eles ofereceram um Ford Mustang, mas virei para baixo para um Cadillac CTS. Ele tinha vidro escurecido, que sempre era bom para espionar as pessoas. Eu deveria saber. Eu era um especialista nessa porra agora. Pedi com GPS porque não sabia onde diabos eu estava indo, assinei um par de formulários, e paguei ao cavalheiro, e ele me entregou as chaves. Eu não sei quanto tempo iria precisar dele, então pedi por duas semanas. Eu não preciso me preocupar em trazer o carro de volta no próximo par de dias. Eu tinha coisas mais importantes para colocar toda a minha energia. "Eu sei que vai ser difícil, Dean, mas tente me seguir sem sentir a necessidade de ultrapassar e dirigir como um porra louca."


Eu bufei e abri a minha porta. "Basta entrar no seu carro maldito, Jimmy." Eu balancei a cabeça e vi ele rindo. Ele tinha algo na manga e estaria ferrado se não quisesse agitá-lo para fora dele logo. Eu estava doente, no entanto. Segui Jimmy e chegamos a uma rua sem saída destacada em Reston. Jimmy abriu a porta da garagem e nós estacionamos os carros. Eu adorava isso na América. Tudo era para ser grande. Não havia falta de espaço para qualquer coisa. Quando saí do carro, Jimmy abriu o porta malas, e tirou a minha mala. "Então, o que você acha? " Eu abri a porta. "Você fez bem. Como você encontrou?" "Eu estava hospedado em um hotel na capital, mas era muito longe. Eu fui a um bar em Georgetown e esbarrei em alguns moradores do sexo feminino." Eu vi um pouco de brilho malicioso em seus olhos, então eu meio que sabia o que aconteceu a seguir. "Elas estavam muito... ansiosas para me ajudar. Uma delas tinha uma irmã que está longe, em Paris por seis meses e este lugar estava vazio. Eu ofereci um preço justo, ela contatou sua irmã, e o resto é história. Claro, a irmã, Kimberly, gosta de vir, de vez em quando para se certificar de que estou bem." Ele sorriu. Eu sorri de volta. "Aposto que ela faz. Será que ela lhe traz bolinhos também?" Jimmy riu. "Ela adora quando eu como a porra do seu bolinho. E apenas tem o gosto e a textura certas." Eu balancei minha mão na frente de mim. "Eu não quero saber dessa porra, Jimmy. Merda." Ele riu. "Eu não tenho nenhum bolinho em casa para você, mas posso oferecer-lhe um cachorro-quente. Talvez você gostaria de chupar isso?" Meus punho cerrou enquanto eu olhava para ele com um sorriso diabólico. "Seu merda."


Jimmy correu para dentro da casa e eu vim trovejando depois. "Desculpe, cara. Eu não poderia resistir a isso." Ele estava em um dos sofás macios na sala de estar, cuspindo com o riso. Você poderia dizer que uma mulher morava lá. Tudo era colorido em rosa ou lilás. As almofadas no sofá tinha fotos de gatos sobre elas, e acima de sua lareira tinha pendurado uma foto grande de uma mulher provocante, que eu assumi era a proprietária. Ela era morena, com pestanas longas, lábios fazendo beicinho, e grandes seios. Ela era atraente, mas não era Tyler. Nenhuma mulher jamais seria. "Eu sei. Ela é uma beleza. Já devo ter levantado cerca de cinco vezes vendo esse quadro." Jimmy sorriu e eu balancei minha cabeça. "Você é um fodido nojento, você sabe disso?" Jimmy deu de ombros. "Eu sou um homem, Dean. Eu não posso fazer nada se eu achar o sexo oposto atraente, e eu certamente não posso fazer nada quando elas atiram-se para mim. Quero dizer, porra do inferno. Se eu tivesse conhecido antes a porra do tesão dessas mulheres americanas, eu teria me mudado para cá há muito tempo atrás". Eu ri um pouco, mas não disse mais nada. Eu sabia que Jimmy era exatamente como eu, apenas alguns meses atrás. Há apenas tantas mulheres que você poderia passar para tentar levar a sua dor longe. Isso nunca funcionava e tudo o que acabava acontecendo era apenas ficar mais deprimido e insatisfeito como sempre. Jimmy precisava perceber isso por si mesmo, no entanto. Eu tinha certeza de que ele faria em algum momento, se ele já não tivesse. Ele ainda pode estar em negação. Foi enquanto pensava nisso que um pensamento me ocorreu. "Você não tem visto essa garota Tara, que encontramos no bar?" Jimmy sorriu maliciosamente. "Sim, eu tenho, na verdade. Eu inventei toda essa merda sobre Kimberly. É apenas o bolinho de Tara que tenho comido desde que cheguei aqui." Ele piscou para mim e eu queria jogar uma daquelas almofadas macias em sua cabeça.


"Você é um merda de um imbecil, você sabe disso?" Jimmy riu. "Eu honestamente conheci alguém no bar, mas foi um cara. Esta," ele apontou para a foto, "é sua irmã." Eu balancei minha cabeça, mas vi a hora no relógio sobre a lareira. "É perto de cinco, Jimmy. Eu preciso saber o que está acontecendo." Ele limpou a garganta e se sentou. "Merda. Eu não sabia que era tão tarde. Você precisa ir para a casa dela. Você quer que eu vá?" Eu balancei minha cabeça. "Não vá bater à sua porta. Apenas sente lá e espere até as cinco e meia. Você vai ver o que está acontecendo, então." Eu fiz uma careta, mas assenti com a cabeça. Eu estava determinado a descobrir o que diabos ele estava falando. Com minhas chaves na mão, agradeci a Jimmy e voltei para o carro. Eu manobrei para sair da garagem. Eu tive que rir quando estava fazendo exatamente o que Tyler costumava fazer quando ela estacionava em sua vaga. Eu nunca puxo na vaga com a frente primeiro. Eu sempre entro de ré, mas eu tinha puxado de frente na garagem. Acho que ela estava me pertubando em mais de um sentido. Eu pego a rodovia, mas o tráfego estava começando a acumular-se. Demorou um pouco mais do que eu pensava, mas estava fora de sua casa às cinco e vinte. Eu não sei por que tive que esperar. Levou tudo na minha força de vontade para não sair do carro e bater em sua porta. Eu confiei em Jimmy, e tinha que descobrir por mim mesmo o que diabos ele estava falando. Um pouco depois das cinco e meia, um carro parou em frente da casa. Uma mulher saiu, então vi Tyler abrir a porta da frente. Ela sorriu, abriu os braços e se ajoelhou. A outra mulher tinha a porta do passageiro aberta e estava esticando meu pescoço, desesperado para ver quem ia sair do carro. E então aconteceu. Um pequeno rapaz, não mais do que cerca de quatro anos de idade, saiu do carro e pulou nos braços de Tyler. Engoli em seco, incapaz de respirar. Ela tinha um filho?


A confirmação veio quando o menino gritou: "Mamãe!" Ele abraçou seu pescoço com força. "Como foi a festa, Jeremy?" O menino olhou em volta para a senhora que o trouxe para casa e sorriu. "Foi ótimo! Eles tinham um palhaço e tudo". Tyler engasgou. "Eles tinham?" O menino assentiu e Tyler olhou para a outra senhora. Ela estava conversando com ela, mas eu não conseguia entender o que estavam dizendo. O menino saiu dos braços de Tyler e veio correndo para a caixa de correio. Ele parou quando chegou lá e olhou na minha direção. Meu coração parou. Os minutos que seus olhos fixaram nos meus, eu soube. Ele não poderia ser filho de ninguém. Ele definitivamente tinha meus olhos. Ele tinha o cabelo de Tyler, mas não havia dúvida que seus olhos azuis, a assinatura que minha família parecia herdar. Ele era simplesmente lindo. Enquanto meu coração permaneceu em minha boca, Jeremy sorriu e tirou um par de itens da caixa do correio. Ele correu de volta até Tyler assim que ela estava dizendo adeus para a outra senhora. Tyler entrou, segurando a mão de Jeremy, e a outra senhora partiu. Quando fecharam a porta atrás deles, fiquei com a minha mente completamente flutuando. Eu não sabia o que fazer. Eu estava preso ao assento do caralho como se minha vida dependesse disso. Ela tinha uma criança que nunca me disse? Por quê? Por que ela faria algo assim para mim? Eu não pude acreditar nessa porra. Por que eu nunca tinha visto Jeremy antes? Nada disso realmente me ocorreu. Meu telefone tocou. Eu o peguei, Jimmy suspirou do outro lado. "Eu acho que você já sabe?" Eu enterrei minha cabeça em minha mão. "Como ela pode não me dizer que tinha um filho?"


"Não foi apenas isso, Dean. Você o viu? Ele não podia parecer mais como você, nem se tentasse. A única semelhança com Tyler é seu cabelo." Eu sabia que era verdade, mas ouvir Jimmy confirmá-lo me desfez. "Foda-se!" Eu bati minha mão no volante. "Não fique fora de si, Dean. Eu sei que você teve um grande choque, mas não faça algo que pode se arrepender mais tarde." Eu balancei a cabeça, encontrando a clareza em meus pensamentos. "Eu não vou, Jimmy. Eu não vou." Ele suspirou. "Ok. Vou desligar. Boa sorte, cara. Eu estarei esperando por você." Eu esfreguei minha mão sobre meu rosto. "Obrigado." Ele terminou a chamada e eu apenas fiquei lá, sentindo-me tonto. Como ela poderia ter tido um filho e não me disse? Onde diabos ele estava o tempo todo que eu estava perseguindo Tyler? Que porra é que vou fazer agora? Merda, eu não sabia. Tudo o que sabia era que tinha que sair do carro e olhar aquele garoto nos olhos. Eu tinha que ter certeza de que ele era meu. Então, e só então, poderia começar a fazer a pergunta do por quê. O pensamento que ela teve meu filho por conta própria, sem a minha ajuda ou apoio, me matou. Na verdade, doeu mais do que saber que ela o escondeu de mim. Eu sempre sonhei que Tyler e eu teríamos filhos um dia, mas não assim. Eu tinha sonhos de estar lá com ela a cada passo do caminho. Através de qualquer doença, quaisquer dores e sofrimentos e, o mais precioso de todos, o nosso primeiro passeio em conjunto. Eu queria estar lá quando Tyler gritasse que o bebê estava chutando. Eu queria ser capaz de colocar minha mão em sua barriga e sentir o pé do meu filho ou filha de encontro a minha mão. Eu queria todas essas coisas. No entanto, não ter nada disso foi um castigo que eu merecia. Tyler, por outro lado, não merecia. Nem uma única maldita maneira.


Fechando os olhos, suspirei antes de abrir a porta do carro e pisar fora. Eu sabia que tinha que vê-lo por mim mesmo. Eu tinha que saber que ele era definitivamente meu. Se eu estava certo sobre sua idade, isso coloca Tyler e eu juntos quando ela concebeu. Quando me aproximei da porta, ouvi o riso vindo de dentro da casa. O som era tão hipnotizante, que me fez parar nos meus passos e ouvir por um momento. Era o som da risada de Jeremy. Quando me aproximei do lado da casa, olhei através das rachaduras de uma madeira, o que me fazia parecer suspeito. Jeremy estava andando ao redor em um carro de brinquedo. Era uma Ferrari, é claro. Isso me fez sorrir um pouco, mas a cerca de madeira não o fez. Ela precisava ser consertada o mais rapidamente possível. Quando cheguei mais perto, Jeremy olhou para cima através das aberturas em cima do muro. Eu pensei que ele gritaria por Tyler. Em vez disso, ele saiu do carro e veio correndo até a cerca para olhar para mim. Eu mantive minha distância, mas me ajoelhei e sorri para ele. "Oi," Jeremy disse com um sotaque bonito Americano. "Ei, você. Como você está hoje, amiguinho? " Jeremy enrugou seu pequeno nariz. "Eu não sou pequeno. Tenho quase quatro." Meus olhos se arregalaram. "Sério? Isso é grande. Quando você vai fazer quatro?" "Em quatro de setembro." Era duro tentar manter a calma uma vez que ele revelou isso. Eu fiz a matemática rápida em minha cabeça e não foi difícil descobrir o tempo que ela concebeu. Foda-se, eu tinha sido um babaca. Eu encarei esse garoto com espanto. Como algo tão bonito pudesse nascer de tal situação feia? Como eu poderia ter alguma vez feito isso com ela?


"Você é o homem do carro preto brilhante". Eu balancei a cabeça. "Sim, eu sou." "Eu gosto de carros." Eu comecei a rir. "Eu também. Muito." Jeremy fez uma careta. "Você é um amigo de mamãe? Você tem a mesma voz como a dela." Eu fiz uma careta, então percebi que ele deveria estar falando do meu sotaque. "Sim. Sua mãe e eu nos conhecemos desde que éramos pequenos. Na verdade, sua mãe tinha apenas dois anos a mais do que você, quando nos conhecemos." Jeremy se aproximou e me encarou. Seus olhos eram bastante hipnóticos. Ele era simplesmente impressionante. "Qual é seu nome?" "Jeremy, o que você está fazendo?" Tyler saiu da porta lateral e me viu de pé lá. Ela parou e colocou a mão em seu peito. Ela estava deslumbrante com seu cabelo longo, louro, olhos verdes brilhantes, e vestido floral de verão. Cada pedaço dela para a bela e jovem mãe que eu sempre achei que ela seria. Por um tempo, nada foi dito. Nos encaramos, Tyler com a boca aberta, enquanto Jeremy olhava entre nós dois. Tyler finalmente engoliu em seco e olhou para Jeremy por um momento antes de encontrar meus olhos novamente. "O que você está fazendo aqui?" Ela não parecia irritada, e não parecia chateada. Pelo menos isso era alguma coisa. "Mamãe, seu amigo tem um carro brilhante legal como o meu." Jeremy sorriu e eu não pude segurar a risadinha que me escapou. "Isso é ótimo, querido. Ouça, você pode fazer um favor para a mamãe e levar seus brinquedos na sala de estar? Eu vou fazer algo para comer em breve." Jeremy suspirou. "Mas eu quero conversar com o seu amigo."


Os olhos de Tyler se arregalaram. "Jeremy, por favor. Preciso falar com meu amigo... por um momento." Jeremy bufou, franziu os lábios, e invadiu a casa. Tyler se aproximou da cerca. "Por que você voltou?" "Eu tinha que fazer. Eu não pertenço a lugar algum, exceto onde você está". Tyler fechou os olhos por um momento. Parecia que ela estava com dor, e eu odiava que fiz isso para ela. "Eu pensei que eu tinha deixado claro." Fiquei rígido. "E deixou." Ficamos em silêncio por um momento, apenas olhando um para o outro. Eu sabia havia coisas que ela queria dizer, mas as palavras pareciam estar presas em sua boca. "Posso entrar?" Ela balançou a cabeça. "Eu não acho que é uma boa ideia." Eu

suspirei.

"Tyler,

você

está

brincando

comigo?

Você

ignorou

completamente o fato óbvio de que você teve um filho e não me contou? Acho que tenho o direito de entrar para uma explicação." Eu suspirei novamente e passei os dedos pelo meu cabelo. "Não me cale. Eu sei que o que fiz foi errado, mas isto," eu fiz um gesto com as mãos na direção da casa, "é algo que preciso saber. Eu quero que você ao menos me conte algo." Tyler cobriu os olhos com a mão, em seguida, olhou para mim. "Ok", ela suspirou. "Venha pela frente e vou te deixar entrar. " Tyler desapareceu e eu rapidamente corri para a porta da frente. Abriua, um ansioso Jeremy de pé ao lado dela. "Você quer ver os meus comandos em ação?" Eu ri novamente. Ele era certamente um menino borbulhante. Eu amei isso. "Claro que sim, grandão. Lidere o caminho”. Jeremy deu uma risadinha. "Grandão?"


Eu balancei a cabeça. "Você é um menino grande agora, não é, Jeremy? Quase um adulto?" Jeremy balançou a cabeça. Foi a coisa mais engraçada que já vi. "Você é bobo", afirmou, pegando minha mão e me levando para a sala de estar. Uma vez lá, Jeremy se sentou e eu me sentei com ele. Tyler suspirou. "Você gostaria de uma cerveja? Eu tenho alguma na geladeira." Eu olhei para ela e sorri. "Uma cerveja seria bom." Tyler assentiu com a cabeça e desapareceu no corredor. Naqueles poucos segundos, eu fui capaz de ver corretamente suas condições de vida. O local era limpo, luminoso, e espaçoso. Pelo menos ela estava vivendo como ela deveria estar. Também não era preciso ser um gênio para descobrir que Jeremy tinha tudo o que queria. Ele tinha uma maldita sorte de ter uma mãe como Tyler. "Eu tenho três comandos em ação. Olhe." Jeremy me entregou seus três soldados e sorriu. "Você gosta de comandos em ação?" Jeremy assentiu. "E você também gosta de carros?" Ele balançou a cabeça novamente. "E quanto a soldados? Você gosta de soldados?" Os olhos de Jeremy se iluminaram e ele correu para uma caixa no canto. Ele estava lá alguns segundos e tirou alguns pequenos soldados. Isso me fez sorrir. Eles quase pareciam os que eu costumava brincar quando era um menino. "Eu tenho estes." Eu sorri. "Uau, grandão. Você tem tudo." Jeremy riu de novo. "Eu gosto de você. Você é engraçado." Meu coração explodiu com algo desconhecido. Era um sentimento que nunca tinha sentido na minha vida. Tão certo, que quis chorar, e eu quase nunca choro. Eu limpei minha garganta e tentei o meu melhor para sorrir. "Eu gosto de você, também, Jeremy. Muito."


"Qual é seu nome?" Ele pegou os soldados da minha mão, mas nenhuma vez tirou os olhos de mim. “Dean ". Os olhos de Jeremy se arregalaram. "Esse é o meu nome do meio." De todas as coisas que eu esperava, essa definitivamente não era uma delas. Jeremy se sentou ao lado da mesa de café e brincava com seus brinquedos, enquanto eu me sentei lá em um choque completo. "Aqui está sua cerveja." Olhei para cima e vi Tyler olhando para mim, a preocupação em seus olhos. "Podemos conversar?" Eu olhei para Jeremy e vi Tyler fazer o mesmo. "Jeremy, você gostaria de um mergulho na piscina?" Ele deu um pulo. "Yeah!" Tyler fez um gesto com a mão. "Vamos lá então. Vamos trocar você e nós vamos lá fora." "Dean, quer entrar comigo?" Ele olhou com expectativa de mim para Tyler. Eu balancei a cabeça, sentindo-me mal que não podia. Eu teria adorado. "Eu adoraria, mas não tenho nenhum short comigo, grandão." Jeremy parecia triste por um momento, então se animou um pouco. "Talvez da próxima vez." Jeremy fugiu e eu fiquei preso ao chão. Tyler ficou lá por um momento, olhando para mim, em seguida, seguiu-o ao andar de cima. Eu realmente esperava que ela iria me deixar ter uma próxima vez. Na verdade, eu queria muitas próximas vezes. Eu fui imediatamente atraído para Jeremy e eu não ia deixá-lo fora de minha vida sem luta. Agora eu tinha duas pessoas para lutar por elas, e eu não gosto de perder.


Cerca de cinco minutos depois, Tyler e Jeremy emergiram no andar de cima, e Tyler fez sinal para eu os segui-los para fora. No momento em que saímos, o calor nos pegou. Parecia estar ficando mais quente conforme o dia avançava. Tyler fez sinal para eu me sentar à mesa na sombra, enquanto ela se abaixou para colocar as boias nos braços de Jeremy. Era difícil não olhar. Tyler era hipnotizante na melhor das vezes, mas observando-a com Jeremy era outra coisa. Eu não poderia nem mesmo começar a descrevê-lo. Se eu achasse que a cena não poderia ficar muito mais intensa, Tyler bagunçou o cabelo de Jeremy e beijou-o antes de colocá-lo para a piscina. "Sem correr, Jeremy!" Ela sorriu carinhosamente para ele e virou-se para olhar para trás para mim, o sorriso desaparecendo. Eu instantaneamente quebrei. Era um sorriso que ela me deu uma vez a muito tempo. Tyler se sentou em uma cadeira ao meu lado enquanto nós dois olhamos para Jeremy pulando na piscina. "Eu suponho que você não precisa que lhe diga quem é o pai. Vai acabar sendo apenas uma pessoa." Ela olhou para baixo por um momento antes de olhar para Jeremy. "Não." Por um momento, isso era tudo que eu poderia dizer. Minha língua estava seca e meu coração estava batendo rápido. Engoli em seco e, eventualmente, encontrei a minha voz. "Por que você não me contou?" Tyler fechou os olhos. "Porque você nunca teria me deixado ir." Eu fecho as minhas mãos juntas. Eu queria tocá-la, mas sabia que esse não era o momento nem o lugar. "Eu nunca deixaria você ir de qualquer maneira." Isso era importante para ela perceber. Pensei que ela tinha percebido isso. Tyler abaixou a cabeça novamente. "Eu sei." Quando suas palavras afundaram, meu coração chutou a outro patamar. Eu tinha que obter as respostas que desesperadamente precisava. Eu estava com medo de merda que não gostaria dessas respostas, mas eu tinha que saber. "O que acontece agora?"


Tyler suspirou e encolheu os ombros, os olhos cheios de lágrimas. "Eu não sei", ela sussurrou. Por instinto, eu estendi a mão, mas ela colocou a mão para cima. "Por favor. Não." Mesmo que todo o instinto em mim gritou para confortá-la, fiz o que ela pediu. Tyler fungou um pouco, enxugou os olhos e respirou fundo. "Por que você não está com raiva de mim?" Sua pergunta me chocou um pouco. Eu estava esperando que fosse o contrário. "Eu estou bravo." Ela balançou a cabeça em aceitação e abaixou a cabeça novamente. "Eu estou com raiva de mim mesmo por coloca-la nisto. Eu estou com raiva por que fiz você viver sua vida dessa maneira. Eu estou tão bravo, e nunca vou me perdoar. Eu nunca poderia estar com raiva de você, Tyler. Eu fiz isso para você. Eu fiz isso para nós." Ela olhou para cima, seus olhos grandes como pires. "Você não está nem um pouco com raiva de mim? Eu dei à luz a seu filho e nunca lhe disse. Na verdade, o escondi quando soube que você iria vir e me encontrar. Que tipo de pessoa isso faz de mim, Dean?" Eu procurei seus olhos mal-humorados e tudo o que recebi foi desgosto. Eu deveria ter ficado com raiva que ela escondeu-o de mim, mas tudo que eu conseguia pensar era em como isto foi minha culpa. Virando-me para ela, toquei a mão dela. Desta vez, ela me deixou. "Isso faz de você alguém que foi gravemente ferida por outro que uma vez confiou com todo seu coração. Essa pessoa teria caminhado sobre brasas uma vez... ainda vai, se ele tiver a chance. É só que ele é um merda, ele não podia ver o passado diante de seu próprio nariz". Tyler fungou um pouco e assentiu com um leve sorriso. Ela estava tão bonita naquele momento. Ela sempre foi, mas parecia que toda vez que eu olhava para ela, havia algo diferente para maravilhar-me. Ela era a pessoa mais bonita, fascinante que eu já conheci. "Você está fazendo a mamãe chorar?"


Virando nossas cabeças para Jeremy, ele estava ali, de braços cruzados, olhando para nossas mãos. Tyler tirou a dela fora da minha e levantou-se para ajoelhar-se ao lado dele. "Eu estou chorando porque estou feliz, Jeremy." Ele franziu a testa e eu estava impressionado com seu protecionismo sobre Tyler. Eu não poderia culpá-lo, no entanto. Nem um único pedaço. Suponho que a maçã nunca cai longe da árvore. "Como você pode chorar quando está feliz?" Ele olhou para Tyler, então de volta para mim. Eu sorri para ele, mas seu rosto preocupado nunca vacilou. "Você vê, Jeremy, adultos choram quando estão felizes. Por exemplo, quando você nasceu e eu o segurei em meus braços pela primeira vez, chorei como um bebê. Eu estava tão feliz que tinha dado à luz a um incrível e saudável, menino bonito, que não consegui me segurar." Meu coração pulou na minha garganta. O pensamento de Tyler sozinha quando deu à luz encheu-me com pavor. Eu deveria ter estado lá para segurar sua mão e compartilhar essa alegria. "Então, Dean está fazendo você chorar lágrimas de felicidade?" Ele olhou nos olhos de Tyler com uma expressão ansiosa. Tyler assentiu. "Dean e eu não nos vimos em um tempo muito longo. Estou muito feliz de ver ele novamente." Ela olhou para mim e sorriu. Eu estava tão grato que ela estava me salvando. Eu sabia que suas palavras não eram verdadeiras, mas ela estava me salvando da ira de meu filho, fazendo-me apaixonar por ela mais uma vez. "Você vai se casar com a minha mãe?" Os olhos de Tyler espelhavam os meus. Isso levou-me completamente de surpresa. Você não adora as crianças e sua honestidade? Às vezes isso funcionava; outras vezes, como esta, ele não poderia ter vindo em pior hora. Eu queria desesperadamente me casar com Tyler, mas como poderia divulgar isso a Jeremy? Isso simplesmente não parece certo. Como se sentisse meu desespero, Tyler olhou para Jeremy. "Jeremy, você não pode fazer às pessoas essa pergunta."


Ele deu de ombros. "Por que não?" Tyler suspirou. "Porque não é apropriado. Vamos apenas esquecer isso. Você quer um pouco nachos?" Jeremy parou e olhou para mim. Parece que ele não tinha terminado ainda. "Se você quiser casar com Mamãe, você tem que me pedir." "Jeremy!" Tyler enterrou a cabeça nas mãos. Eu? Eu não conseguia parar de rir. Ele era muito perfeito com as palavras. Inclinando-me um pouco, eu ofereci-lhe a minha mão com uma piscadela. "Combinado, grandão." Jeremy riu e apertou minha mão. "Mamãe fica muito vermelha. Eu gosto quando ela fica vermelha." Eu sorri e olhei para Tyler. "Rosey." Apesar de seu embaraço, ela sorriu. Foi a primeira vez em muito tempo que senti que realmente tinha um pedaço de Tyler de volta. Jeremy puxou minha manga. "O que é Rosey?" Eu sorri para ele. "Sempre foi meu apelido para sua mamãe. Ela costumava ficar vermelha quando éramos crianças. Suas bochechas ficavam muito rosas." Jeremy sorriu, mas não era um sorriso normal. Este era atrevido e cheio de malícia. Ele me fez pensar como se estivesse tramando algo. "Dean fica para o jantar, Rosey?" Eu ri e Tyler revirou os olhos. "Jeremy Dean Florentino, não seja mais insolente, travesso e pequeno patife." Jeremy riu de novo. "Ele pode?" O sorriso de Tyler desapareceu e ela olhou para mim por um momento. Dei-lhe um aceno para que ela soubesse que eu estava mais do que bem com a permanência. Na verdade, nunca quis sair.


"Ok. Dean pode ficar para o jantar, se ele quiser." Jeremy olhou para mim. "Você vai ficar?" Eu balancei a cabeça e baguncei seu cabelo. "Não há nenhum lugar que eu gostaria mais de estar." Jeremy aplaudiu e correu de volta, pulando na piscina com um respingo grande. Tyler e eu ficamos lá sentados e o assistimos por um tempo antes de falar novamente. "Ele gosta de você." Eu olhei para ela com um sorriso antes de me voltar para assistir Jeremy novamente. "Mas, de qualquer jeito, ele sempre será destinado a apaixonar-se instantaneamente pelo seu pai. Como ele não poderia, quando sua própria mãe fez o mesmo 28 anos atrás?" Como ela poderia dizer essas palavras e não esperar que eu quisesse ir para ela e pegá-la em meus braços? Levou toda força de vontade e cada luta em mim para não fazer exatamente o que queria. Eu estava desesperado para saber. Desesperado para ouvir as respostas de Tyler que eu estava esperando ouvir durante anos. Mas mordi a língua. Eu segurei porque não queria pressioná-la. "Ele é lindo. Assim como sua mãe." Tyler olhou para mim e sorriu brevemente antes de virar sua cabeça. "Obrigado por trazer o nosso filho a este mundo. As palavras nunca seriam suficientes para expressar como estou orgulhoso de você". Os olhos de Tyler se encheram um pouco. "Pare com isso, Dean." Eu sorri. "Parar com o quê?" Tyler se virou e me segurou com seus belos olhos verdes. "Pare de fazer com que seja impossível para eu odiá-lo." Ela sorriu e soltou um risinho. "Isso sempre vai ser minha intenção." Eu levantei minha sobrancelha e sorri. "Você sempre será a minha Rosey. Você sabe disso, não sabe?" Tyler assentiu. "Sim, mas muita coisa mudou desde então. Tantos anos se passaram. Eu não sou a mesma pessoa. Eu cresci, e você também".


Inclinei-me um pouco, ganhando a atenção dela. "Você está certa sobre isso, Tyler, mas os sentimentos não mudaram. Meus sentimentos não mudaram. Apaixonar-se é algo que você não basta crescer para esquecer. Não funciona assim." Tyler sorriu e olhou para Jeremy espirrando na água. "Eu sei que isso não acontece." Jeremy saiu da água e correu de volta para nós. "Eu estou com fome. Podemos ir comer agora?" Tyler assentiu. "Ok. Enquanto Dean ajuda você a se secar, eu preparo o jantar?" Jeremy assentiu e estendeu a mão para mim. "Eu posso mostrar-lhe onde coloco todos os meus outros brinquedos." Peguei a mão dele quando Tyler me entregou a toalha. "Suas roupas estão esperando em sua cama." Eu balancei a cabeça e deixei Jeremy levar-me pelas escadas e para o seu quarto. Foi exatamente como eu imaginava, cartazes do Homem-Aranha e Superman na parede. Ele tinha caixas de brinquedos no canto com montes de brinquedos para mantê-lo divertido durante todo o dia. Na cama estavam suas roupas, então me sentei e ofereci a Jeremy a toalha. "Vamos deixá-lo seco." Ele sorriu e veio em minha direção. "Você ama a minha mãe?" Sua pergunta me assustou um pouco, mas também me fez sorrir. "Eu a amo muito. Ela é a melhor pessoa que eu já conheci. Ela também é a melhor mãe que qualquer garoto poderia desejar." Jeremy assentiu, mas não disse mais nada. Ele me deixou seca-lo, e quando era hora de começar a trocar de roupa, eu fechei meus olhos para proteger sua modéstia e ajudei-o com suas calças. Uma vez que estava abotoada, sequei seu cabelo um pouco mais.


"Eu acho que está tudo pronto, grandão. Vamos descer e ajudar sua mãe com os pratos e coisas assim?" Jeremy sorriu descaradamente e estendeu a mão. "Eu estou pronto." Uma vez que chegamos lá embaixo, Tyler estava na cozinha, mexendo no que parecia molho de espaguete. "O espaguete a bolonhesa da mamãe é gostoso." Jeremy esfregou a barriga e lambeu os lábios. Eu sorri. "Eu não posso esperar para experimentá-lo." "Estão todos prontos, então?" Tyler olhou para nós com um sorriso. Jeremy assentiu com a cabeça e olhou para mim. "Você vai me ajudar com os garfos e facas?" "Claro que sim. Apenas lidere o caminho, grandão." Jeremy riu e me puxou para a gaveta. Ele tinha essa grande sorriso em seu rosto que me levava a acreditar que ele estava tramando algo. Uma vez que voltamos para a mesa, descobri o porquê. Quando Jeremy ficou em torno do lugar de Tyler na mesa, ele colocou uma faca e garfo de bebê, olhou para mim e riu, colocando o dedo em seus lábios. Se eu achasse que eu não estava apaixonado por ele antes, eu estava ainda mais agora. O meu filho tinha Scozzari na alma. Não há nenhuma dúvida sobre isso. Eu pisquei de volta e coloquei meu dedo sobre meus lábios também. Uma vez que Tyler entrou, eu lhe servi um copo de vinho e, em seguida, meu próprio, e esperei ela notar. Ela serviu um pouco de espaguete, derramou um pouco de molho sobre cada um, em seguida, sentou-se para pegar o garfo. Ela hesitou por um minuto, sorriu e olhou para Jeremy. Claro que, por agora, Jeremy estava tentando desesperadamente esconder seus risos, mas foi inútil.


"Jeremy Dean Florentino, o que vou fazer com você?" Ela balançou a cabeça com um sorriso, levantou-se da mesa e foi até a cozinha. Uma vez que ela estava fora do alcance da voz, eu me inclinei para a frente. "Sabe o que mais irrita sua mãe?" Ele balançou a cabeça e eu contei-lhe o meu pequeno segredo. Jeremy riu quando Tyler voltou. "O que você está rindo?" Jeremy deu uma risadinha. "Nada, mamãe." Ele olhou para mim e deilhe uma piscadela. Eu olhei para o meu prato e o cheiro do bolonhesa me bateu. Era um cheiro familiar que eu vim a amar quando Tyler estava morando em Londres. Eu sempre quis saber sobre esta bolonhesa e agora eu estava prestes a experimentar. Eu dei a minha primeira mordida e meus olhos se arregalaram. "Mer..." Eu quase disse isso, mas segurei minha língua. "Está delicioso." Eu sorri timidamente, mas Tyler não achou graça. "Mamãe, Dean tem uma boca suja." Tyler concordou com a cabeça. "Ele certamente tem, não é?" Jeremy sorriu e eu revirei os olhos. "Oh, vamos lá. Eu nem disse isso." "Não, mas você estava quase." Tyler tentou parecer irritada, mas não estava funcionando. "Você tem que sentar-se na cadeira da desobediência agora. Sempre que eu falo uma palavra ruim ou faço algo errado, tenho que sentar-me no cantinho da desobediência." Jeremy olhou para Tyler, que sorriu. "Você está certo, Jeremy. É justo que Dean sente-se no cantinho da desobediência. Você quer levar ele?" Ele balançou a cabeça e eu me sentei lá em descrença. "Você não está falando sério, não é?"


Tyler sorriu. "Oh, sim. Você foi um menino travesso, Dean. Meninos travessos tem que sentar-se no cantinho da desobediência". Eu levantei minhas sobrancelhas. "E quanto tempo tenho que sentar lá?" Tyler olhou para Jeremy. "O que você acha, Jeremy? Será que cinco minutos está bem?" Ele riu e acenou com a cabeça. "Yep. Cinco minutos. Vou contar, mamãe." Tyler sorriu. "Ok, você conta e tira Dean de lá quando achar que ele aprendeu sua lição." Eu não podia acreditar nisso. Jeremy levantou-se, estendeu a mão para mim e eu tomei-a com um sorriso. Eu balancei a cabeça para Tyler, que apenas deu de ombros. "Nós não toleramos bocas sujas nesta casa." Ela piscou e esse pequeno gesto quase me deixou de joelhos. Será que ela não percebe o que faz comigo? "Meu Deus, você é linda", eu disse, enquanto ia para o corredor. Eu tive apenas o tempo suficiente para ver seu rosto atordoado antes de Jeremy me colocar na frente da escada. "Você tem que sentar aqui agora até eu dizer-lhe para sair. Entendeu?" Eu sorri, sentei e acenei com a cabeça. "Eu entendi, mas acho que é muito injusto. Eu realmente não disse a palavra." Eu dei-lhe um sorriso travesso e Jeremy riu de novo. Eu amava seus risos. Eu pisquei para ele e me inclinei para frente. "Lembre-se do que eu disse?" Jeremy assentiu com um sorriso e saltou em direção a sala de jantar. Depois de um par de minutos, eu olhei para o relógio e suspirei. "Você sabe, isso é altamente injusto. Estou morrendo de fome aqui. Você vai me deixar aqui com fome?"


Eu ouvi Jeremy rir novamente, então Tyler gritou, "Talvez da próxima vez, você se lembre de não usar tais palavras feias. Você tem mais três minutos aí." Eu sentei lá e meu coração começou a bater freneticamente no meu peito. Vai realmente ter uma próxima vez? Eu certamente esperava que sim, porra. Após os próximos três minutos se passarem, Jeremy veio pela porta com um grande sorriso. "Você está triste por dizer uma palavra feia?" Eu balancei a cabeça e mergulhei a cabeça. "Eu realmente sinto muito, Jeremy. Você me perdoa?" "Ele diz que sente muito, mamãe!" Jeremy estava ali, balançando a parte de trás de seus calcanhares, mãos mantidas firmemente por trás das costas. "Ok, então. Ele pode voltar para a mesa agora!" Jeremy estendeu a mão e eu a peguei. Eu adorava que ele parecia tão confortável em torno de mim, mas não sabia se ele sentia a mesma conexão que eu. Se assim for, ele não entenderia isso ainda, mas eu esperava que ele um dia entendesse. Eu queria que Jeremy soubesse que ele tinha um pai agora. Depois que voltei para a mesa, fui capaz de devorar a bolonhesa dentro de cerca de cinco minutos. Tyler ficou me olhando ali, comer muito rapidamente, e eu achei uma porra de sexy. Certamente não fez muito, mas, por algum motivo, seu comportamento como uma mãe fez meu pau ter espasmos. Eu sabia que tinha de acalmá-lo, no entanto. Jeremy estava aqui e não importa o quanto eu quisesse estender a mão para Tyler, eu tinha que lembrar que meu filho estava ali. Eu não queria perturbá-lo. Ele precisava de tempo para se adaptar. Eu só esperava que Tyler me desse esse tempo. Eu gostaria de tomar qualquer coisa que ela me desse neste momento. Depois do jantar, eu ajudei com os pratos, então nós nos sentamos e jogamos cartas por um tempo. Eu estava tentando ensinar a Jeremy como jogar cartas. Lembrando como Tyler e eu costumava jogá-lo, eu olhei para ela e ela me


deu um sorriso de parar o coração. Quanto mais ela me aquecia, mais meu coração disparava e minhas esperanças elevavam. Quando chegou em torno de nove horas, Tyler levou Jeremy para ficar pronto para dormir. Ele amuou, então se virou para mim. "Você vai ler uma história para mim?" Os olhos de Tyler se arregalaram. Eu não entendo muito bem o significado por trás disso, mas eu estava determinado a descobrir mais tarde. Eu olhei para baixo com um sorriso e ofereci-lhe a minha mão. "Claro que sim, grandão." Jeremy riu de novo e liderou o caminho ao andar de cima. Tyler ainda estava olhando um pouco fora dos eixos, e eu esperava que não fosse porque estava zangada com alguma coisa ou, pior ainda, comigo. Uma vez lá em cima, Jeremy colocou o dedo sobre os lábios e rastejou no que deve ser o quarto de Tyler. Ele estava lá por alguns segundos e, em seguida, saiu, rindo mais do que nunca. "Você acabou de fazer o que acho que você fez?" Jeremy assentiu. "Ah, grandão, você vai entrar em um monte de problemas mais tarde." Jeremy riu e correu para seu quarto e saltou em sua cama. "Você pode ler O Gruffalo?" Eu sorri e sentei ao seu lado em sua cama. "Claro que sim. Eu amo essa história." "Eu também. Mamãe lê uma história a cada noite, mas esta é a minha favorita." Jeremy pegou o livro de sua cama e me entregou. Uma vez que sabia que ele estava acomodado, comecei a ler. Eu tentei o meu melhor para colocar a minha melhor voz de Gruffalo, mas não tinha certeza se eu estava fazendo justiça. Jeremy, no entanto, ria toda vez que fiz isso, então devo ter feito algo certo.


Assim que terminei, eu dei o livro a Jeremy e ele colocou de volta onde o encontrou. "Você é engraçado. Quando você virá nos visitar de novo?" Mordi o lábio, porque não sabia como responder a isso. A bola estava inteiramente na mão de Tyler agora. "Eu não tenho certeza, Jeremy. Eu espero que seja em breve, apesar de tudo." Jeremy puxou as cobertas para cima. "Eu também. Boa noite, Dean." Inclinei-me, beijei-lhe a cabeça, e me levantei. "Boa noite, grandão." Eu esperei até que ele se virou e fechou os olhos antes de fazer o meu caminho de volta para baixo. Eu sabia que Tyler e eu precisávamos falar, mas eu também sabia que ela precisava de seu espaço. Agora que eu tinha a imagem de Jeremy, as coisas eram obviamente diferentes. Eu precisava pisar com mais cuidado. Uma vez que voltei para a sala de estar, Tyler me deu outra cerveja. "Você quer sentar-se lá fora comigo por um tempo?" Eu sorri. "Claro." Uma vez que nos reunimos, me virei para ela. "Por que você parecia tão chocada quando Jeremy me pediu para ler para ele?" Tyler se recostou na cadeira e limpou a garganta. "Ele normalmente não deixa ninguém ler para ele, com exceção de mim. Mesmo depois de todos esses anos que ele conheceu Evan, ele nunca nem uma vez pediu-lhe". Após o chute no estômago com a menção do homem „caqui‟, eu pensei sobre isso e sorri. Tyler olhou para mim e me empurrou com a mão. "Não há nenhuma necessidade de parecer todo presunçoso, Dean." Dei de ombros e lhe dei um sorriso insolente. "Eu não posso fazer nada, Tyler. Ele é meu filho, depois de tudo." O sorriso de Tyler desapareceu e ela me olhou sério. "Sim, ele é. E como você se sente sobre isso?"


Eu suspirei. "Bem, não vou negar que foi um choque, mas você e eu sempre fomos destinados para nos casarmos e termos filhos. As coisas não funcionaram como eu queria, mas merda acontece, eu acho." Tyler deu um gole no copo de vinho e recostou-se na cadeira. "Eu estava tomando a pílula. Eu não sei se você se lembra, mas fiquei doente com um problema estomacal e isso não deve ter funcionado por um tempo. O médico disse que provavelmente aconteceu nessa época." Ela suspirou um pouco e olhou para mim. "É engraçado, na verdade. Depois que passou o choque inicial, eu me senti feliz. Eu sabia que iria perder você, então o pensamento de ter uma parte de você sempre comigo me fez sentir melhor. Eu não sei se isso faz qualquer sentido". Eu me lembrei daquele tempo. Eu também me lembro de gritar com ela no escritório, porque ela tinha passado todo esse tempo fora, mas eu estava frustrado por não saber o que diabos estava acontecendo. Eu não sabia sobre Jeremy na época e isso me incomodava. Eu nunca vou superar ser um merda total para ela. "Faz todo o sentido. Qualquer parte de você que você pode me dar, eu vou aceitar de braços abertos. Eu acho que você já sabe disso, apesar de tudo." Tomei um gole de cerveja e esperei que ela dissesse alguma coisa. "Você sabe que eu realmente não tenho ideia do que fazer? Eu não posso pensar, está tudo distorcido na minha cabeça. Eu não esperava que você voltasse." Ela parou e eu poderia dizer que ela estava achando difícil continuar. Eu coloquei minha mão em seu ombro e ela olhou para mim. "Tyler, não estou esperando respostas imediatas. Eu não vou forçá-la a pensar sobre o que você quer. Eu estou aqui, embora. Eu estarei aqui por tanto tempo quanto você me queira. Mas a única coisa que preciso lhe pedir é por favor, não leve o Jeremy para longe de mim agora que encontrei ele. Ele precisa de mim. Eu sou o pai dele." Tyler acenou com a cabeça vigorosamente. "Eu sei. Eu nunca faria isso com você. Mas você tem que entender uma coisa. Eu mantive Jeremy longe de você porque estou com medo por ele. Você continuou o que seus pais deixaram para trás. Você se associa com pessoas que são perigosas, Dean. Eu não posso ter


isso em torno de meu filho. Eu também não posso ter você colocando sua vida em risco o tempo todo. E se a gente chegar perto de você e nós recebermos aquele telefonema temido um dia nos dizendo que você está morto? O que isso faria para mim? O que faria para Jeremy?" Deitando minha mão sobre a dela, eu a parei. "Eu já disse a você, Tyler. Vou desistir de tudo. Jeremy é mais importante do que qualquer uma dessas merdas. Você é mais importante. Eu vou onde quer que você vá." Tyler sorriu. "Você sempre vai me seguir." Ela estava fazendo uma piada sobre eu a perseguindo. Eu acho que merecia isso. "Você sabe que é verdade. Pelo menos você nunca pode dizer que eu desisto facilmente. Não quando é preciso." Tyler balançou a cabeça. "Não, não acho." Ela olhou para baixo por um momento, então para mim novamente. "Uma parte de mim quer te deixar entrar, mas a outra parte está cagando de medo, Dean. Não sei o que esperar. Eu ainda estou tão dividida, ainda assim penso sobre tudo o que aconteceu. Como faço para seguir em frente?" Porra, se isso não rasgar-me por dentro. Eu queria fornecê-la com as respostas de que precisava, mas como é que começo a até mesmo fazer isso certo para ela? Como é que começo a tentar tirar a dor que eu causei? "Eu não posso mentir para você e dizer que tenho todas as respostas, Tyler. Porra, eu desejo que tivesse, mas eu não tenho. Tudo o que posso dizer é que faria qualquer coisa e tudo que for preciso para fazer isso direito. Eu nunca vou parar até que eu faça. Eu amo você, Tyler. E prometo que nunca vou te machucar novamente. Eu quero dizer isso. Eu levo as minhas promessas muito a sério e nunca vou prometer nada, a menos que saiba que posso manter isso." Tyler sorriu resolutamente e suspirou. "Eu acredito que você vai." Eu agarrei a mão dela e olhei nos seus olhos. "Vai levar tempo, mas vou fazer você acreditar em mim novamente um dia." Peguei minha cerveja, bebi de


um gole, depois me levantei. Eu estava pronto para sair, mas Tyler parecia chocada. "Eu não posso ficar por mais tempo, Tyler. Se ficar, vou segurá-la em meus braços e nunca mais sair. Eu não quero confundir Jeremy agora. Ele precisa me conhecer mais. Ele precisa saber que não sou apenas um visitante que passa". Tyler assentiu com a cabeça e levantou-se com lágrimas nos olhos. "Quando você era jovem, você esperou por mim. Agora, como um adulto, você está esperando pelo seu filho. Obrigada pela compreensão". Mudei-me para ela e coloquei minha mão em seu rosto. Como antes, ela inclinou-se, fechando os olhos. Inclinei-me e levemente beijei-a na boca. Eu poderia dizer que Tyler queria aprofundar o beijo, mas eu não podia levá-la mais longe. Se o fizesse, eu estaria perdido. Eu tinha que ser forte. Havia alguém mais em que pensar agora. A respiração de Tyler tornou-se dura e foi muito difícil me afastar. Tinha sido muito tempo desde que eu senti o que era como estar dentro dela. "Eu tenho que ir", respirei em sua boca. Tyler encostou a testa contra a minha e assentiu. Cada parte de mim estava gritando para não deixá-la, mas ela também precisava ver o tipo de pessoa que eu poderia ser. A pessoa que se apaixonou todos aqueles anos atrás. Eu peguei a mão dela na minha e caminhei em direção à porta da frente. Uma vez que a abri, eu virei para ela. "Posso vê-la amanhã?" Tyler sorriu e acenou com a cabeça. "Eu gostaria disso. Eu também acho que Jeremy nunca me perdoaria se fosse de outro modo. Por que você não chama Jimmy? Está previsto ser mais quente amanhã. Nós podemos ficar à beira da piscina e fazer um churrasco. Eu também vou ver se Tara quer vir". Eu sorri. "Parece ótimo. Que tal a uma da tarde?" Tyler assentiu. "Perfeito."


Desci os degraus um pouco e, em seguida, virei. "Certifique-se de ligar o alarme quando você voltar para dentro." Eu olhei para o lugar, então de volta para Tyler. "Esta casa leva uma carga preciosa." Eu pisquei para ela e ela estava parada na porta com um grande sorriso no rosto. Foi difícil, mas eu estava orgulhoso de mim mesmo por não cair na tentação angustiante que Tyler sempre soube como colocar no meu caminho. Minha bela bruxa, sexy de salto alto.


Capítulo 11 Tyler Como Dean sempre tem esse dom de me fazer querer ele mais do que o ar que eu respiro? Ele se segurou quando eu era jovem e o queria. Agora ele está adiando por causa de seu filho e... oh, meu Deus... isso me deixa ligada! Eu quero tanto ele, a dor era um pulsar constante. A única coisa que me reprimiu um pouco foi quando subi para me arrumar para dormir. O que vi fez todos os tipos de fogo correrem dentro de mim. "Oh meu Deus!" Ouvi uma risadinha, então subo para o corredor apenas a tempo de encontrar Jeremy correndo de volta em direção ao seu quarto. Corri atrás dele e uma vez que eu estava dentro de seu quarto, Jeremy estava escondido debaixo das cobertas, rindo. Eu não pude deixar de sorrir. "Será que você tem algo a ver com isso?" Eu segurei o papel higiênico que consegui arrancar fora um pouco antes de correr atrás de Jeremy. Outra a agitação constante de sua risada, ele não se mexeu. "Jeremy, olhe para mim quando estou falando com você." Muito lentamente, ele puxou as cobertas de seu rosto e olhou para mim, somente uma exibição de um olho. O outro ainda estava dobrado com segurança sob as cobertas. Eu duvidava de que isso iria salvá-lo, no entanto. Eu levantei o papel higiênico. "Porque você entrou no meu banheiro e colocou o papel do lado errado?" E estava do jeito errado. Ele tinha que estar ciente disso. Jeremy me deu o seu melhor, O que? Eu? olhar. Ele tinha uma arte escrita nele.


"Será que Dean te contou isto?" Jeremy franziu os lábios, tentando esconder o sorriso. Ele balançou a cabeça. "Não minta para mim, Jeremy." "Eu não sei do que você está falando." Era isso. Corri para lá, deixei cair o papel higiênico, e fiz cócegas. Jeremy gritou e gritou, rindo. Ele estava sempre rindo e eu adorava. Isso me fez sentir como se ele fosse uma criança feliz. Uma vez que ambos nos acalmamos um pouco, eu baguncei seu cabelo. "Não faça isso de novo." Rapaz, eu tenho que ter uma conversa séria com Dean amanhã. "Você foi engraçada, mamãe." Ele abriu um grande sorriso e meu peito se apertou. Como eu poderia sequer pensar em colocar para fora quando ele sorria para mim assim. "Bem, eu estou feliz que pude entretê-lo." Jeremy riu de novo e se deitou em sua cama. "Você vai ver Dean novamente?" Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Sim, ele vem amanhã. Com sorte, você vai conhecer o seu amigo Jimmy, também. Eu também vou chamar a Tara e ver se ela quer vir." Jeremy sorriu. "Bom. Eu gosto de Dean. Você gosta de Dean, mamãe?" Eu sorri e acariciava seus cabelos. "Sim, eu gosto do Dean. Eu gosto muito dele."

No dia seguinte, quando a campainha tocou, Jeremy saltou para cima, pensando que era Dean, mas eu tive que dizer a ele para manter seus cavalos. Todos eles não deveriam chegar por mais três horas ainda. Quando eu liguei e


chamei Tara, ela ficou emocionada. Parece que ela e Jimmy tinham ficado juntos desde que ele voltou. Eu espiei pelo buraco da fechadura e alguém estava ali de pé, segurando um grande buquê de rosas. "Quem é, mamãe?" Eu abri a porta. Um homem com óculos me cumprimentou com um grande sorriso. "Eu tenho uma entrega para Srta. Florentino." Eu balancei a cabeça. "Sou eu." Ele segurava uma prancheta para mim. "Você pode assinar aqui?" Eu fiz e ele me entregou as flores. "Tenha um bom dia, senhora." "Obrigada. Você também." Eu fechei a porta atrás de mim e espiei dentro do buquê para encontrar um bilhete. "Quem mandou isso, mamãe?" Sentei-me no sofá. "Eu não tenho certeza. Acho que nós vamos descobrir, não é?" Eu tinha um pressentimento de quem seria, assim abri o cartão imediatamente. Com certeza, elas eram de Dean.

Tyler, Eu sempre disse que você era o tipo de garota que merecia flores todos os dias, por isso aqui vai. Chame essa da primeira do resto de sua vida. Se você me quiser, eu prometo te fazer a mulher mais feliz do mundo. Eu não posso esperar para vê-la e Jeremy mais tarde. Certifique-se de dizer-lhe que estou ansioso por isso. Todo o meu amor, Dean


Eu tentei o meu melhor para não chorar, mas era difícil. Jeremy ainda estava olhando para mim com expectativa. "Elas são de Dean. Ele disse para ter certeza de dizer-lhe que está ansioso para vê-lo mais tarde." "Você está chorando de novo, mamãe?" Eu não estava, mas estava perto. "Eu estou bem, querido. Não se preocupe." Jeremy deu de ombros. "Eu não sei se elas são lágrimas de felicidade. Elas são lágrimas de felicidade?" Eu balancei a cabeça. "Sim, elas são." "Será que Dean quer casar com você? Porque somente maridos compram flores para as esposas". Eu ri. "Bem, isso não é inteiramente verdade, Jeremy. Às vezes as pessoas compram flores para outras pessoas para dizer obrigado, ou eu te amo, ou mesmo se tiver havido uma perda de algum tipo." A testa de Jeremy enrugou um pouco. "Então, por que Dean te enviou flores?" Bem, isso foi estranho. "Erm, eu acho que é porque nós nos conhecemos há muito, muito tempo. Ele sempre foi muito especial para mim". Jeremy chutou sua perna para cima e para baixo. "Você o ama?" Eu não podia mentir para ele. O amor pode ser dito de muitas maneiras com tantos significados diferentes. "Sim. Nós sempre fomos muito próximos". "Você não vai mandá-lo embora como o Evan, vai?" Senti a culpa vir. Eu tinha passado por essa conversa com Jeremy em relação a Evan. Eu expliquei que ainda éramos amigos, mas nós não vamos mais


nos ver, como costumávamos fazer. Ele levou muito bem, apesar do fato de que ele o havia conhecido tipo toda a vida dele, mas ouvi-lo agora me fez pensar que ele estava escondendo seus verdadeiros sentimentos. "Eu sei que te perguntei isso antes, mas você está chateado com Evan não estar mais por aqui?" Jeremy deu de ombros. "Eu gosto de Evan. Ele é bom, mas ele não é meu pai." Eu balancei a cabeça. Eu sempre tive a certeza de que ele sabia disso. "Sim, você está certo. Ele não é seu pai." "Eu gosto de Dean. Ele é engraçado." Ele riu de novo, como se ele se lembrasse de algo. "Quando é que ele vem?" Olhei para o meu relógio. "Será mais três horas ainda. Temos que ir até a loja para comprar um pouco de carne para o churrasco." "Posso ter hambúrgueres de carne?" Eu balancei a cabeça. "Claro." "E cachorros quentes?" Eu balancei a cabeça novamente. "Nós podemos ter um monte de coisas." Jeremy saiu correndo ao redor, fingindo que era um avião, por isso, tomei isso como minha deixa para colocar as flores em um pouco de água e me preparar para ir ao mercado. Jeremy estava ansioso para ir, porque significava que ele poderia me incitar a escolher mais coisas do que eu queria ou precisava. Quando eu ia com Jeremy, sempre as compras dobravam. Ele era um garoto faminto com um dente doce, mas ele era saudável e feliz. Essa foi a coisa principal... e tudo o que eu poderia pedir. Uma vez que nós voltamos das compras, coloquei o Jeremy para me ajudar a colocar todos os itens nos seus lugares. Nós nos sentamos depois e jogamos um de seus jogos de aprendizagem favorito. Considerando que ele não


estava na escola, no entanto, eu queria educar sua mente, mas também torná-lo tão divertido quanto possível. O cérebro das crianças eram como esponjas na sua idade. Eles absorvem tudo e os mantem lá. Eu só queria ter certeza de que ele estava tão pronto quanto poderia, uma vez que ele começasse a escola. Depois disso, eu peguei todas as carnes, pratos, talheres e arrumei tudo na ilha da cozinha. Depois que chegou perto de uma hora, ouvi a campainha da porta. Jeremy saltou e gritou enquanto corria para ela. "Segure seus cavalos, Jeremy. Precisamos ter certeza de que é ele primeiro." A voz de Dean, de repente ecoou pela porta, me fazendo pular, "Ela está certa, grandão. Nunca atenda a porta sem ver quem é primeiro!" Jeremy riu, pulando para cima e para baixo. Seu entusiasmo era contagiante. Uma vez que abri a porta, os três estavam ali. Dean se inclinou para Jeremy e bagunçou seu cabelo. "E nunca atenda a porta sozinho, ok? Mamãe precisa estar com você o tempo todo. É importante para mantê-lo seguro." Jeremy assentiu, mas viu que Dean estava ali de pé, segurando alguma coisa por trás das costas. "O que você tem atrás de suas costas?" Dean levantou a sobrancelha. "Ah, você quer dizer isso?" Ele jogou o braço para a frente e na mão tinha o último homem de brinquedo que Jeremy tinha me incomodado para levá-lo algumas semanas atrás. Jeremy gritou, pulou e pegou o brinquedo. "O que você diz, Jeremy?"


Ele olhou para mim com seus olhos azuis brilhantes antes de olhar para Dean. "Obrigado!" Ele correu para os braços de Dean e deu-lhe um grande abraço. Era difícil conter as lágrimas. Convidando todos para dentro, Jimmy me deu um beijo na bochecha, assim como Tara. "Obrigado por nos convidar. Fomos informados de que você está fazendo um churrasco?" Jimmy estava ali, sua sobrancelha levantada. "Sim, isso mesmo." Jimmy acenou com a cabeça. "Se você não se importa, Dean e eu vamos fazê-lo. Dessa forma, vocês senhoras podem fofocar na piscina com um copo de vinho. Tenho certeza que vocês vão ter muito o que conversar." Ele deu a Tara um sorriso atrevido. Tara riu e carinhosamente colocou a mão sobre o peito de Jimmy. "É melhor aceitar sua oferta, Tyler. Eles não fazem homens como este mais." Eu ri e acenei com a cabeça. "Ok, isso vai ser perfeito. Obrigada." Jimmy trouxe Tara em um abraço e piscou para mim. "Por nada. Assim, mostre-me o caminho." Fiz um gesto em direção à parte de trás da casa. Olhei para Dean. Ele estava agitado sobre Jeremy, que estava animado sobre o seu novo brinquedo. Quando chegamos até a cozinha, Tara colocou uma garrafa de Prosecco no balcão. "Esse é o meu favorito." Dean olhou para cima, sorriu, e focou de volta em Jeremy. Tara piscou. "Eu sei. É por isso que trouxe isso para você." "Obrigada, Baby. Eu vou abrir. Jimmy, a churrasqueira é por aquelas portas." Jimmy beijou o topo da cabeça de Tara, arregaçou as mangas imaginárias, e caminhou em direção a porta de trás. "Entendi."


Tara olhou para Dean e Jeremy, então de volta para mim. Jeremy riu com algo que Dean disse, então Tara se inclinou. "Jeremy parece está ficando próximo com Dean." Eu balancei a cabeça. "Ele imediatamente o amou, mas, não posso culpá-lo por isso." Tara olhou para mim com uma expressão preocupada. "Como você está indo? Sei que as coisas tem sido duras com você ultimamente." "Tem sido difícil, mas acho que preciso lidar com isso no dia a dia. Foi um choque ver Dean novamente, mas eu realmente não deveria ter esperado algo diferente". Tara olhou para os dois e depois para mim. "Eu posso ver que ele te ama." Eu sorri e balancei a cabeça, pensando que era melhor mudar de assunto para agora. "Eu só vou levar cada dia de uma vez. Isso é tudo que posso fazer." Eu suspirei e, em seguida, dei-lhe um sorriso atrevido. "Então, como estão as coisas com loverboy? Você praticamente juntou o quadril desde que ele veio algumas semanas atrás." Tara olhou para longe, uma expressão sonhadora no rosto. Ela então olhou para Jimmy, que agora estava na churrasqueira. Seus olhos se arregalaram. "Como você pode não querer gastar todo momento com isso? Você já viu seus músculos? Eu tenho andado por aí com John Wayne nas últimas duas semanas. Ele é foda de insaciável." Eu comecei a rir e Dean olhou para cima com um sorriso. O que eu não daria para estar andando por aí com o meu John Wayne agora. Lembrei-me de como é bom ser fodida por Dean, mas eu também me lembrei de como senti quando ele fez amor comigo. Eu queria sentir mais disso agora. Não ajudou em nada quando ele me penetrou com aqueles olhos e sorriu para mim do jeito que ele fez. Isso sempre me fazia sentir como da primeira vez. Voltei para quando tinha seis anos.


Tara me cutucou. "Pare de babar", ela sussurrou com uma risadinha. Engoli em seco. "Eu não estou babando." Tara balançou a cabeça. "Garota, você está babando, mas eu estaria se tivesse isso também." Ela olhou para Dean com um sorriso, então piscou para mim. Eu ri. "Vamos, Tara. Vamos pegar algum sol." Olhei para Jeremy, que ainda estava brincando com seu novo brinquedo. "Jeremy, você quer se trocar?" Jeremy disse. "Eu quero que Dean me ajude." Olhei para Dean para ver se ele estava bem com isso e ele concordou. "Ok. Sua roupa de banho já está na cama." Dean balançou a cabeça e levou Jeremy pela mão. Eles logo desapareceram no andar de cima. "Parece que fui despedida." Eu revirei os olhos para Tara. "Oooo, alguém está com ciúmes? Você devia estar feliz. Ele é o pai, de qualquer jeito." Saímos juntas e Tara assobiou para Jimmy, que rapidamente se aproximou e deu um tapa na bunda dela. Tara gritou quando nós duas fizemos o nosso caminho para as espreguiçadeiras. "É apenas estranho, Tara. Jeremy conheceu Dean há apenas 24 horas e já foi tomado por ele." Tara passou as pernas em cima da cadeira. "Eu posso ver isso. Toda a vez que o via com Evan, ele nunca, nem uma vez foi assim." Ela olhou para mim com um olhar severo. "Você já falou com Evan depois de tudo?" Eu me encolhi e balancei a cabeça. "Não. Eu continuo pensando que deveria dar-lhe algum espaço. Se fosse comigo, eu não ia querer que o meu ex ficasse me ligando e lembrando de que ele ainda está por aí a cada dia." Eu olhei para Tara e ela balançou a cabeça. "Você já o viu no hospital?"


Tara suspirou. "Ocasionalmente, mas não muito. Ele está tomando um monte de trabalho recentemente. Quando o vejo, ele parece um pouco triste, mas eu diria que ele está levando bem. Certamente não afetou seu trabalho." Fechei os olhos com um suspiro. "Bem, pelo menos é alguma coisa. Eu realmente não fui mais para o hospital para ler, também. Eu tinha ido um par de vezes desde então, mas eu tinha tanto medo de topar com ele. Eu sei que soa egoísta." Tara balançou a cabeça. "Você não pode dizer que é egoísta. Você é uma mulher ocupada, que está cuidando de seu filho sozinha. Eu sei que você está fora do trabalho por causa das férias de Verão, mas isso ainda não significa dizer que você não está ocupada. Não seja tão dura consigo mesma. Você vai quando puder." Tara me olhou séria e eu assenti com um sorriso. "Sim, senhorita Tara." Eu pisquei para ela e ela sorriu de volta. Jeremy logo surgiu, Dean o seguindo. Tudo o que ele estava usando era um short de surfista e, foda, ele parecia muito bom. Eu não consegui resistir, só lamber os lábios um pouco. "Merda," Tara soltou em voz baixa. "Como você pode se concentrar?" Ela olhou para Jimmy e riu. "É meu aniversário ou algo assim? Quando é que a música começa para eles tirarem suas roupas?" Eu comecei a rir. "Eles não têm muita roupa agora." Tara balançou a cabeça enquanto olhou de soslaio para Jimmy. "Maldição." Eu ri assim que Jeremy veio até mim. "Mamãe! Mamãe, Dean tem o meu nome em seu corpo!" Ele agarrou Dean pela mão e arrastou-o para nós. "Olhe!" Eu olhei para Dean quando ele encolheu os ombros. Eu me inclinei para a frente e belisquei a bochecha de Jeremy. "Eu sei. Isso é porque você é especial e todos sabem disso."


Jeremy olhou para Dean, então, para Jimmy. "Dean diz que elas são tatuagens. Eu gosto de tatuagens. Mesmo Jimmy tem tatuagens. Posso ter uma?" Todos riram. "Não, isso não funciona assim, querido", eu disse. Jeremy fez uma careta. "Por que não?" "Porque tatuagens são para adultos. Você não pode ter um até que você tenha, pelo menos, dezoito anos porque eles são uma marca permanente em sua pele. Você vai tê-la para a vida inteira." Jeremy parecia animado. "Então, Dean vai ter o meu nome em seu corpo para sempre?" Eu balancei a cabeça. "Sim." Eu olhei para Dean com um sorriso. "Ele o fará." Jeremy engasgou. "Uau, isso é legal. Dean tem tatuagens de dragão nas costas. Eles estão lutando, mas Dean diz que o dragão bom ganhou, porque esse é o jeito que deveria ser." Eu olhei para Dean, levantando uma sobrancelha. Lembrei-me daquela noite todos esses anos atrás. A noite que ele me disse que o dragão ruim venceu. "Essa é a maneira que deve ser." Dean ficou olhando para mim e minha frequência cardíaca acelerou. Por um breve momento, eu olhei para baixo e vi a flor de lótus no ombro. Foi então que lembrei-me. "Obrigada pelas flores." Dean sorriu. "Por nada." Mais fixamente nos olhamos. Uau, eu não conseguia desviar o olhar. Jeremy bateu no meu ombro. "Posso ir para a piscina agora?" Eu me agarrei fora dele e olhei para Jeremy. "Claro, mas você tem que colocar o protetor solar." "Eu já fiz isso." Dean olhou para mim com um sorriso.


"Você vem comigo?" Jeremy olhou com expectativa para Dean. Dean bagunçou seu cabelo. "Claro, grandão, mas tenho que fazer uma coisa primeiro. Você vai me ajudar?" Olhei para Tara com uma carranca e ela deu de ombros. Eu não tive muito tempo para esperar. Antes que eu percebesse, Dean chegou mais perto e me pegou em seus braços. Tara e Jimmy riram e Jeremy deu uma risadinha. "Ponha-me no chão!", Eu protestei. Dean olhou para Jeremy. "O que você acha, grandão? Devemos jogá-la dentro?" Dean bombeou o ar. "Sim!" "Jeremy, como você pode?" Eu olhei para ele e sorri. "Você vai me ajudar a jogar a mamãe na piscina? Ela é um pouco pesada." Bati em Dean no ombro. "Hey! Olha isso." Dean piscou para mim e inclinou-se em meu ouvido. "Eu vou fazer muito mais do que vê-la mais tarde." Minha boceta queimou com antecipação. Se não fosse pelo fato de que tínhamos alguém pequeno nos observando, eu teria tomado dele um beijo. Eu queria tanto aqueles lábios nos meus. Eu estava tão envolvida em nosso olhar, que nem percebi que Dean estava de pé na beira da piscina. "Você está pronto, grandão?" Jeremy assentiu. "Não se atreva! Eu ainda estou de vestido!" Eu gritei, mas foi inútil. Jeremy pegou no meu outro lado e Dean começou a balançar. "Um, dois... três!" Eles me jogaram dentro e eu desembarquei com um respingo grande. Eu gritei, mas tudo o que fiz foi fazer Jeremy rir ainda mais duro. Na verdade, todo


mundo estava rindo. Limpei meu cabelo molhado dos meus olhos. A água estava fria, mas era bom para o calor do dia. "Isso não foi engraçado, caras!" Jeremy riu ainda mais e correu em direção à piscina. "Geromino!" Ele espirrou do meu lado e água correu por toda parte. Dean logo se juntou e água estava sendo espirrada em cima de mim. O tumulto e as risadinhas pararam quando eu lhes dei o meu melhor olhar zangado. Dean olhou para Jeremy por um momento. "Sua mãe fica linda quando está molhada, não é?" Ele olhou para mim com uma piscadela atrevida e eu sabia que tipo de molhado ele realmente quis dizer. Eu balancei a cabeça e rolei meus olhos. "Você está morto." Dean olhou para mim desafiadoramente. "Eu mal posso esperar para isso acontecer." "Dean, você vai me jogar?" Dean olhou para Jeremy e assentiu. Encarei isso como minha deixa para sair da água. "Você não pode jogá-lo muito, Dean. Ele vai ficar doente." Ele balançou a cabeça com uma piscadela. "Sim, mamãe." Eu bufei, joguei água em seu caminho e Jeremy riu de novo. Uma vez que eu estava fora da piscina, a água do meu vestido ia por toda parte. Olhei para Tara e balancei a cabeça. "Meninos!" Tara riu. "Você não pode viver sem eles e tudo isso." "Seria muito chato!" Jimmy gritou com uma piscadela. "Amém!" Ela saudou com a taça cheia de Prosecco. "Quando você conseguiu isso?" Tara piscou. "Jimmy voltou na cozinha e pegou para nós, enquanto todo o tumulto estava acontecendo."


Fui até a mesa das espreguiçadeiras e peguei meu copo. "Obrigada, Jimmy." Ele virou-se da churrasqueira e me saudou. "Não foi nada." Ele então colocou algumas carnes na grelha. "Você está bem aí?" Jimmy virou. "Eu tenho a minha cerveja", ele fez um gesto com a mão. "E tenho o meu dispositivo para virar a carne. Então, estou bem." Eu ri. "Você quer dizer as suas pinças, Jimmy." Ele levantou-as e clicou juntas. "Esses são os únicos. A menos que você está falando sobre as pinças de Tara. Eu poderia fazer muito com elas." Jimmy piscou para Tara e ela riu. "Como o meu Johnson está indo, Jimmy?" Tara gritou. Eu não tenho ideia do que diabos ela estava falando. Jimmy virou e piscou para ela novamente. "Oh, ele está bem depois do que aconteceu esta manhã". Tara riu e eu soube imediatamente o que eles estavam falando. Revirei os olhos. "Oh, Deus..." Cheguei mais perto para Tara e ela encolheu para longe de mim. "Você pode ficar longe de mim? Você está me molhando." "Encantadora!" Eu balancei a cabeça e levantei meu vestido. Felizmente, eu estava usando um biquíni por baixo. "Uau, garota. Você tem malhado?" Olhei para Tara e assenti. "Um pouco. Eu parei por um tempo depois de ter Jeremy." Eu coloquei meu vestido sobre uma cadeira próxima para secar e me sentei. "Você está muito bem."


"Obrigada." Deitei-me e olhei para a piscina. Foi só então que percebi que Dean estava olhando para mim, luxúria em seus olhos. "Ele não pode tirar os olhos de você." Dean jogou Jeremy um par de vezes e Jeremy gritou. Era uma espécie de estranho estar nesta situação com Dean. Era quase como se tivéssemos nos adaptados em linha reta em uma vida familiar. Eu não tenho certeza se me sinto feliz ou desconfortável sobre isso. Olhei de volta para Tara. "É difícil para eu desviar o olhar, também." Eu tive que admitir isso. Era inútil esconder meus sentimentos. "Você acha que o perdoou?" Eu tomei um gole do meu Prosecco e coloquei-o de volta. "Eu realmente não sei, Tara. Uma parte de mim quer tanto isso." Fiz um gesto para a cena em frente de nós. "Isso é o que sempre sonhei. Você não sabe quantas vezes eu costumava sentar-se lá e imaginar este momento quando era mais nova. Dean e eu conversamos sobre isso quando éramos jovens". A sobrancelha de Tara levantou. "Vocês conversaram?" Eu balancei a cabeça. "Sim. Nós, às vezes, falávamos sobre o nosso futuro. Uma vez, Dean mostrou-me o que ele via no seu, e eu disse a ele o que via no meu. Era praticamente o mesmo." Tara tomou um gole de vinho. "Então, o que vocês viam lá?" "Bem, eu queria uma casa suficientemente grande para nós e nossos dois filhos. Gostaria de ser uma jornalista ou professora de jardim de infância, e Dean iria cuidar mim todas as noites." Eu sorri, pensando nisso. "Isso é doce. O que Dean queria?" "Oh, você sabe, a grande casa de costume, com uma centena de carros estacionados em frente." Comecei a rir. "Ele disse que queria cinco crianças."


Os olhos de Tara se arregalaram. "Cinco crianças?" Eu assenti. "Uau, você tem um monte para recuperar o tempo que perderam." Eu balancei minha cabeça. "De jeito nenhum, Tara. Nada de muitas crianças. Eu acho que dois é o suficiente para este mundo tão superpovoado, você não acha?" Tara me estudou por um tempo. "Hmmm, mas ele ainda quer os carinhos? Não são muitos homens que gostam de carinho." Um flash de memórias passaram por mim, me fazendo sorrir. "Dean e eu costumávamos ser muito carinhosos. Nunca muito tempo, porque ele disse que era difícil fazê-lo quando sabia que não podia me tocar. Ele subia na minha janela, e nós jogávamos cartas e outras coisas. Mas, às vezes, nos sentávamos para assistir a um filme. Aqueles eram os meus momentos favoritos, porque ficava abraçada com ele, perto dele, sentindo o cheiro dele." Eu olhei para longe de Tara, embaraçada com a minha confissão. "Uau, você realmente o amava, não era?" Eu suspirei, olhando para Jeremy e Dean brincando na piscina juntos. "Sim." Tara sorriu e acariciou minha mão, assim que Jimmy gritou: "O almoço está quase pronto!" Eu levantei da minha cadeira. "É melhor eu deixar a mesa pronta." Tara levantou-se comigo. "Só me mostre o que fazer e vou ajudá-la." Nós rapidamente reunimos todos os pratos, saladas e pães da cozinha. Nós agarramos mais cervejas para Dean e Jimmy e, muito em breve, todos nós nos sentamos para comer. Depois de morder o meu hambúrguer, apontei para Jimmy. "Está delicioso." Ele piscou para mim. "Eu disse a você. Sou o rei do churrasco."


"Rei de tudo, está bem," Tara murmurou baixinho. Jimmy sorriu para Tara e ela sorriu de volta. "Então, Dean, Jessica me disse que você a conhece desde que ela tinha seis anos. Eu aposto que você tem um monte de histórias para contar." Jeremy estava sentado ali, olhando para ele com expectativa. Dean sorriu e olhou para mim. "Sim, nós certamente temos uma história ou duas. A primeira vez que a conheci, eu bati em um menino que estava sendo rude com ela." Os olhos de Jeremy se arregalaram. "Você fez?" Dean assentiu. "Ninguém machuca a minha mãe", ele fez beicinho. Dean colocou a mão para fora. "Você tem esse direito, grandão." Eles bateram as mão em high-five e Jeremy deu uma risadinha. Eles pareciam tão certos juntos. Era irreal. "Nós costumávamos jogar um monte de jogos quando éramos jovens", continuou Dean. A postura de Jeremy pegou. "Como o quê?" Dean olhou para Jeremy. "Como aquele jogo de cartas que lhe mostrei ontem, e também Verdade ou Desafio." "O que é verdade ou desafio?" Dean franziu a testa. "Você quer dizer que não sabe, grandão?" Jeremy balançou a cabeça. "Mamãe, como você não disse a Jeremy sobre Verdade ou Desafio?" Ele inclinou-se para Jeremy e sussurrou: "Ela costumava adorar jogar isso comigo." Ele piscou para ele, depois sorriu de volta para mim. "Mostre-me! Me mostre. Eu quero jogar!" Jeremy saltou para cima e para baixo e todo mundo riu enquanto nós continuamos a comer. Dean olhou para mim por um momento. "Ok, vou começar. Mãe, você primeiro. Verdade ou desafio?"


Eu fiz uma carranca para ele por começar isto. "Verdade". Dean me deu um sorriso atrevido. "Alguma vez você já tocou alguma campainha e fugiu?" Ele levantou a sobrancelha e Jeremy olhou para mim, esperando por uma resposta. Fechei os olhos por um momento, sabendo exatamente onde isto estava indo. "Sim, eu fiz. Quando era mais jovem, eu costumava tocar a campainha da sra. Baxter. Ela gritando atrás de mim era muito engraçado". Jeremy riu. "Você é uma mãe travessa." Eu balancei a cabeça em concordância. "Sim, eu era, Jeremy. Eu percebo isso agora". "Sua vez, mãe." Dean olhou para mim e eu olhei de volta para ele. "Ok, Dean. Essa é para você. Verdade ou desafio?" Dean sorriu. "Desafio". Ele se mexeu na cadeira, esperando. "Eu desafio você a colocar uma cuecas sobre o seu shorts e correr ao redor na frente de casa, na rua, gritando ‘Eu sou o Superman’." Os olhos de Dean se arregalaram e todo mundo riu. "Eu não posso fazer isso." Eu levantei minha sobrancelha. "Você está perdendo o desafio?" Dean colocou o hambúrguer no prato. "Uh-uh, de jeito nenhum." Fiz um gesto com as mãos. "Bem, é melhor você começar a se mexer." Eu pisquei e ele sorriu de volta. "Você não vai escapar disso." Eu me inclinei para a frente e sussurrei: "Oh, eu acredito que sim." Dean balançou a cabeça e se levantou de seu assento. Todos os outros seguiram o seu exemplo, aplaudindo.


"Eu tenho que ver isso!" Jimmy gritou. Todos nós entramos na casa e Dean desapareceu no andar de cima. Quando ele reapareceu, ele estava usando uma cueca boxer branca da Calvin Klein em cima do short. Se ele estivesse usando apenas isso, eu teria morrido, mas ele parecia tão cômico. Ele balançou a cabeça para mim. "Eu não posso acreditar que você está me levando a fazer isso." Eu coloquei minha mão em seu peito e fiz beicinho. "Oh, não seja um bebê." Jeremy riu alto, pulando para cima e para baixo. "Faça isso, faça isso, faça isso!" Ele cantou mais e mais novamente. Dean passou as mãos pelo cabelo é e abriu a porta. Ele então correu para fora, braços abertos, gritando: "Eu sou Superman" uma e outra vez. Todos nós estávamos de pé na porta, rindo. Eu não conseguia me lembrar da última vez que tive tanta diversão. Felizmente para Dean, não havia ninguém, mas aposto que havia um par de pessoas que olhavam em suas janelas agora. "O que você acha Jeremy, meu homem?" Jimmy olhou para ele. "Eu acho que ele parece bobo e engraçado." Jeremy riu de novo e Jimmy estendeu a mão para um toca aqui. Foi bom ver Jeremy tão feliz. Ele precisava de pessoas como estas em torno dele. Eu não pude deixar de apreciar o que eu tinha naquele momento. Dean, de repente parou de correr ao redor. "Isso é o suficiente?" Eu sorri. Eu poderia ser mais má? "Sim. Eu acho que você disse a um número suficiente de pessoas que é o Superman agora." Talvez não.


Dean passou por mim e balançou a cabeça. Ele tinha esse brilho nos olhos. O tipo de brilho que falava de promessas à frente. Isso me deixou molhada... Dean correu para cima e dentro de um par de minutos, juntou-se a nós de volta à mesa, menos a cueca. "Isso foi muito divertido!" Tara gritou. "Eu não me lembro da última vez que ri tanto." Eu olhei para ela. "Você é a próxima. Quem você escolhe?" Tara engoliu seu bocado de salada e apontou o dedo para Jimmy. "Verdade ou desafio?" Jimmy levantou uma sobrancelha desafiadora. "Desafio". Tara sorriu e mexeu em seu assento. "Você sabe, Jeremy, Jimmy me disse algo alguns dias atrás. Você sabe que ele pode fazer acrobacias?" Jeremy balançou a cabeça com um sorriso. "Bem, esta é a nossa chance de vê-lo em ação." Ela virou-se para Jimmy. "Eu desafio você a fazer um back-flip na piscina?" Jimmy deu de ombros e fez o seu caminho até lá. Ele ficou de pé na borda, de costas para a água, e empurrou-se para o alto. Ele girou uma vez, em seguida, caiu com um respingo. Jeremy saltou de sua cadeira e começou a bater palmas freneticamente. Todos nós rimos e aplaudimos ele. Dean apontou para Jimmy quando ele saiu da piscina. "Uau, isso foi impressionante." Jimmy sacudiu a água para fora de seu cabelo, sacudindo-o na direção de Jeremy quando ele deu uma risadinha. "Obrigado, cara. Foi como eu costumava desfrutar e manter o ajuste quando eu era mais jovem." Jimmy tomou o seu lugar ao lado de Tara. "Suponho que eu sou o próximo?" Dean assentiu e Jimmy olhou para Tara. "Verdade ou desafio?" Tara sorriu. "Verdade".


Jimmy sorriu. "Qual é a coisa mais embaraçosa que você já fez em público?" Tara olhou para mim por um momento e levantou a sobrancelha. Eu ri. "Erm, eu teria que dizer que foi quando eu tinha uns dez anos e gostava de um menino na minha classe chamado Jake. Nós às vezes sorríamos um para o outro e diziamos um oi, mas nunca foi além disso. Então, um dia, eu ouvi rumores que ele ia me convidar para sair. Eu estava tão animada que estava pulando o dia todo. Então, quando chegou a hora de ir para casa, eu rapidamente corri para o banheiro antes de ir para o meu armário. Eu estava com tanta pressa, que não percebi que não só o meu vestido ficou dobrado em minha meia-calça, como o papel higiênico estava arrastando atrás de mim, também. Jake se aproximou de mim e eu estava ali de pé, esperando, quando as pessoas começaram a rir e apontar. Quando eu olhei para ver o que eles estavam apontando, eu quase morri. Eu agarrei o papel higiênico, arrumei o meu vestido, e corri para casa chorando." Ela balançou a cabeça, sorrindo. Aposto que ela não achava que era tão engraçado na época. "Isso soa horrível." Eu dei um sorriso simpático para Tara, mas Jeremy começou a rir. "Jeremy, pare de rir. Não é engraçado." Eu dei-lhe um olhar e ele baixou a cabeça com um sorriso. "O que aconteceu depois? Será que esse garoto Jake nunca mais te convidou para sair?" Dean olhou para Tara e todos nós viramos a cabeça para ela. "Oh, ele me convidou para sair. Eu não achei que ele faria, mas ele fez no dia seguinte." Tara assentiu com sua cabeça triunfante e nós rimos. "Eu acho que ele não podia resistir a um pouco de papel higiênico saindo do meu bumbum." Tara riu e Jeremy começou a rir de novo. "Ok, Jeremy. Você é o próximo." Eu olhei em cima da mesa para ele e ele olhou para longe. De repente, ele se virou para Dean. "Eu escolho Dean. Verdade ou desafio?"


Dean balançou a cabeça com um sorriso. "Bem, eu certamente não vou escolher desafio novamente, então vou com verdade". A cabeça de Jeremy assentiu com a cabeça em um movimento rápido. "Você ama a minha mãe?" O ar de repente fui pesado quando o silêncio nos cercou. Tudo correu tão quieto, tudo que você podia ouvir era a brisa suave e o farfalhar das folhas. Atordoado, Dean olhou para mim antes de olhar para Jeremy. "Sim, eu amo a sua mamãe." Ele olhou para mim. "Eu amo a sua mãe mais do que ela nunca vai saber."


Capítulo 12 Dean Compreensão e ternura surgiria entre nós Não importa o quão ruim as coisas estão, E encontramos redenção nos mesmos lugares que nos machucamos mais. Lin Jenson

O resto da tarde para a noite correu muito bem. De fato, todo o dia deve ter sido um dos meus favoritos. Mas, então, novamente, o tempo gasto com Tyler era sempre o meu favorito. Sentamos ao redor, comemos até que estávamos cheios, então conversamos sobre coisas que fizemos quando éramos pequenos. Aprendi também um monte de coisas sobre Jimmy que não sabia, como a forma como ele era um escoteiro quando ele era pequeno, e que ele era o vocalista de uma banda chamada The Ravens quando tinha dezessete anos. Isso levou a Tara a implorar-lhe para cantar para nós. Eventualmente, ele cedeu e cantou uma canção chamada "Losing You". Essa era uma das canções de sua banda e era realmente muito boa, não que eu alguma vez iria dizer-lhe. Mais tarde, à noite, Jimmy e eu jogamos com Jeremy na piscina um pouco mais. Ele amava ser jogado em todo o lugar, mas eu estava consciente de não fazê-lo muito, porque não queria que ele ficasse doente. Foi um pouco difícil não fazer qualquer coisa que ele pedia, no entanto. Eu queria dar-lhe tanto quanto eu podia. Eu tinha perdido grande parte de sua vida, de modo que qualquer momento era precioso. Ajudou que ele tinha uma das personalidades mais impressionantes para um menino de sua idade. Eu apenas queria estar perto dele o tempo todo, porque ele me fazia sentir feliz. Agora, eu era o pai mais orgulhoso


do mundo, mas também o mais triste, porque ele não sabia de nada disso. Eu não tinha estado lá para ele. Se eu tivesse, teria visto seus primeiros passos, ouvido suas primeiras palavras, me sentiria radiante a primeira vez que ele me chamasse de pai. Eu daria qualquer coisa para não ter perdido isso. Mas como eu poderia estar com raiva? Eu não tinha o direito de estar. Não depois do que fiz. Por volta das oito, Jeremy desmaiou no sofá. Jimmy e eu devemos tê-lo deixado exausto com todo os saltos na piscina. Tyler foi buscá-lo, mas eu me ofereci e ela sorriu. Acho que ela sabia que eu precisava desses momentos. Eu precisava de todas essas vezes que nunca consegui levar meu filho para a cama. Era a melhor sensação do mundo. Meu pai estava certo sobre esse momentos. Você apenas nunca sabia quando poderia ser o seu último. Após colocando-o em sua cama, eu beijei sua testa e olhei para ele por um tempo antes de descer as escadas. Jimmy e Tara ficaram por mais algumas horas, enquanto nos deitamos fora e conversamos. Tara estava em uma cadeira de praia com Jimmy, e eu estava na outra com Tyler. Foi muito bom porque me aconcheguei a ela e cheirei seu cabelo. Em mais de uma ocasião, eu fiquei duro, eu tinha que saciar meu desejo por ela. Não ajudava ela praticamente desfilar em seu biquíni durante todo o dia. Será que ela não sabe o quão sexy ela era? Uma vez que Jimmy e Tara foram embora, eu estava de pé na cozinha, sem saber o que fazer. Quando olhei para Tyler, cada parte de mim gritava para levá-la em meus braços. Eu queria abraçá-la, violentá-la, agradá-la, mas não queria ser demasiado forte. Eu não quero colocar qualquer pressão sobre ela quando Jeremy estava apenas no andar de cima. Era a experiência mais frustrante da minha vida. Tyler ficou na ilha da cozinha, olhando inquieta para mim. Ela mordeu o lábio e meu pau estremeceu instantaneamente na minha bermuda. Estávamos ambos vestidos agora, mas uma parte de mim desejava que não estivesse. Uma parte de mim só queria rasgar o seu vestido fora de seu corpo. Eu não faria isso, porém, porque ela parecia muito bonita em seu vestido longo vermelho. Essa cor fazia seus olhos se destacarem mais.


O silêncio se estendeu sobre nós, quando nosso olhar fixamente nos aqueceu. Meu pau estava latejando agora, o que não era uma coisa boa em shorts. Claro, Tyler percebeu e olhou para baixo antes de lamber os lábios. Isso foi o suficiente para mim. Eu não conseguia me segurar mais. Correndo em direção a ela, eu agarrei-a em meus braços e ataquei sua boca. Eu queria me enterrar nela de qualquer maneira que eu pudesse. A minha boca, minha língua, meus dedos, meu pau... Eu só queria me perder nela. Tyler gemeu e eu não podia fazer nada além de empurrar meu pau em sua virilha. Eu precisava tanto dela, que doía. Sem fôlego, me afastei, minha lógica tentando assumir o controle. "Tyler, nós não podemos. E Jeremy? E se ele acordar?" Tyler gemeu e puxou meu pescoço para aprofundar o nosso beijo. Eu estava perdido novamente, quase ao ponto de ruptura. Se ela empurrasse mais longe, eu me perderia completamente. "No banheiro." "O quê?" Perguntei, sem fôlego. "No banheiro, Dean. Leve-me para o banheiro." Eu comecei a protestar, mas ela me parou. "Então me ajude, Dean, se você não me levar ao banheiro e foder meu cérebro, eu vou te matar. Você entendeu?" Foda-me, isso foi quente. Tyler era sempre sexy, não importa o quê, mas quando ela estava com raiva? Merda, eu quase gozei em minha calça. Então eu cumpri o que ela pediu. Eu a peguei em meus braços e a levei para o banheiro do térreo. "Na pia," ela exigiu. Eu descansei sua linda bunda na borda da pia enquanto me aconcheguei dentro de suas pernas abertas. Beijei-a e ela avidamente me beijou de volta. Afastando-se, ela resmungou: "Sem preliminares, Dean. Eu quero que você me foda agora. Duro". Eu gemi. "Tyler, manter isso e eu não vou ser capaz de te foder. Estou perto de atirar minha carga agora." Ela não tinha ideia do que fazia para mim.


"Faça. Isso. Agora." Rosnei em sua boca enquanto puxei meu shorts para baixo e empurrei seu vestido para cima. Ela não estava usando calcinha, então empurrei meu dedo entre suas dobras e senti seu calor. Ela estava tão foda de molhada para mim. "Dean...", ela respirou quando coloquei meu dedo sobre seu clitóris. Quando circulei sua pequena protuberância, Tyler estremeceu e soltou um gritinho. "Dean, quero o seu pau dentro de mim. Agora!" Eu não perdi tempo. Eu posicionei meu pau em sua entrada e empurrei para a frente com facilidade. Eu senti Tyler apertar em torno de mim e tive que tomar um momento para me ajustar. "Me agarra, Dean. Aperta minha bunda." Se eu não estivesse tão chocado, eu ia rir. "Tyler, que porra é essa?" Eu tinha esquecido o quão porra de pervertida minha pequena bruxa era. Então, eu não a decepcionei. Eu enfiei nela uma e outra vez... mais duro, mais rápido, mais áspero. Tyler mordeu meu ombro, sem dúvida, tentando abafar seus gritos quando me perdi dentro dela. Senti-la era tão bom que eu queria retardá-lo o quanto eu pudesse, mas se a minha Tyler queria duro e rápido, então eu ia dar-lhe o caralho de duro e rápido. Eu agarrei seus quadris com as duas mãos e usei para empurrar mais áspero. O rosto de Tyler franziu a linda testa em agonia. Não era difícil de olhar para aquele rosto tão sexy, mas eu sabia que se eu fizesse muito mais tempo, eu explodiria. "Dean!" Ela gritou, enquanto agarrei seu cabelo e puxei-a para um beijo profundo. Tyler choramingou em voz alta e a senti apertar em torno de meu pau. Obrigado porra, que ela estava vindo, porque eu sabia que não seria capaz de aguentar muito mais tempo. Tyler me puxou para ela e mordeu meu pescoço enquanto eu empurrava o meu pau dentro dela uma última vez antes de gozar.


Por um tempo, ficamos ali, nossos peitos subindo e descendo, enquanto ambos tentamos firmar a nossa respiração. Uma vez que eu sabia que não podia ficar lá por muito mais tempo, puxei para fora dela e me abaixei para puxar o meu short. Quando dei minha mão para Tyler para ajudá-la a descer, um rangido soou na parede e eu apenas tive tempo de agarrar Tyler antes da pia desabar. Água saia de todos os lugares. Tyler gritou e eu corri para abrir a porta do banheiro. "Onde estão suas ferramentas?" Tyler apontou para o fundo da pia da cozinha e fui correndo pegar uma chave de boca. Corri de volta e desliguei a água o mais rápido que pude, mas não antes de encharcar o chão e nós. Levantei-me, olhando para Tyler. Ela começou a rir e não conseguia parar. Eu tive que rir com ela. "Se nos casarmos, nada poderia funcionar nesta casa, você percebe isso? Nós nunca seremos capaz de lavar, cozinhar, nada. Não depois do que você me fez fazer". Tyler engasgou. "O que eu fiz você fazer?" Ela olhou para mim toda inocente, como se eu tivesse machucado seus sentimentos. Tudo o que eu podia fazer era balançar a cabeça. "Você não acha que Jeremy ouviu, não é?" Tyler olhou para cima em direção à escada. "Normalmente quando ele está tão cansado assim, nada acorda ele. Por que você não vai verificar e eu vou limpar o chão. Podemos tomar um banho e eu vou secar a nossa roupa". Tomar um banho com Tyler soou foda agora. Eu balancei a cabeça e caminhei até as escadas para o quarto de Jeremy. Parei na porta, assustado que poderia acordá-lo. Eu empurrei a porta e espiei dentro. Ele estava exatamente onde eu o deixei, dormindo. Ele parecia tão calmo, que poderia observá-lo durante horas. Eu gentilmente fechei a porta atrás de mim e caminhei em direção ao quarto de Tyler. Eu joguei minhas roupas molhadas no chão do banheiro. Sorrindo, eu não podia ignorar o diabinho dentro de mim.


Um par de minutos depois, Tyler entrou, arregalando os olhos com minha nudez. Seu olhar breve a deriva, aterrissando no papel higiênico. Ela correu em direção a ela e puxou-o. "Seu fodido merdinha! Você sabe que Jeremy está fazendo isso agora?" Eu comecei a rir e puxei-a para mim. "Você é tão sexy quando fica com raiva." Tyler me afastou e voltou a colocar o papel higiênico do seu jeito. "Não force, Dean." Ela olhou para mim com aquela sobrancelha levantada sexy e ligou o chuveiro. Ela em seguida, puxou seu vestido sobre a cabeça e soltou o sutiã do biquíni. Ela ficou ali, completamente nua, e tudo que eu podia fazer era olhar para ela. Ela era bonita demais para dizer em palavras. "Você vai se juntar a mim, ou vai ficar só olhando para mim o dia todo?" Olhei em seus olhos e sorri. "Eu acho que posso fazer as duas coisas." Eu entrei e nós transamos mais uma vez. Desta vez, foi mais íntimo. Eu fui capaz de levar o meu tempo e Tyler me deixou. Minha Rosey precisava trabalhar isso e eu sabia exatamente como ela gostava. Eu estava determinado a não decepcionar. Depois do banho, nós nos secamos e Tyler caiu em um par de cuecas samba-canção de seda e uma camiseta que dizia „Eu tentei ser normal uma vez. Foi o pior dois minutos de minha vida.‟ Eu tive que rir disso. Era verdade para nós dois. Porque eu não tinha mais nada para vestir, mantive a toalha enrolada em volta da minha cintura. Tyler tentou, pelo menos, encontrar uma camiseta para mim, mas não conseguiu encontrar nada. Desistindo, nós fomos para o térreo e Tyler carregou todas as nossas roupas na secadora, então ela virou-se e olhou para mim. "Posso te perguntar uma coisa?" Eu respirei fundo e exalei "Qualquer coisa."


"Você vai me abraçar? Você sabe, como costumávamos fazer quando éramos mais jovens?" Eu sorri, pensando que não havia nada mais que eu preferiria fazer agora. Ela pegou minha mão e me levou para seu grande sofá. Tyler se esparramou, então eu subi também. Ela se aconchegou no meu lado e enterrou a cabeça no meu peito. O cheiro da sua brisa passou em minhas narinas e eu tive que fechar meus olhos por um segundo, me perguntando se isso era tudo um sonho. Certamente isto não poderia ser real. Certamente, depois de tudo que aconteceu, eu não estava realmente deitado aqui com Tyler em meus braços. Senti ela me apertar um pouco e meus olhos atiraram de volta abertos. Não. Eu não estava sonhando. E, certo mesmo, era que agora, eu era o mais feliz homem da porra do planeta.

Algo estava puxando meu braço. Minha cabeça estava confusa com o sono, então não prestei muita atenção a isso. Eu senti novamente e meus olhos se abriram. Jeremy estava olhando para mim com um sorriso. "O que está fazendo dormindo no sofá? Mamãe diz que você nunca deve dormir no sofá. É ruim para você." Eu olhei para Tyler e vi que ela ainda estava dormindo, com um sorriso no rosto. Isso me fez pensar por um momento se ela estava sonhando. E, em caso afirmativo, poderia, eventualmente, ser comigo? Fiz um gesto com o dedo para Jeremy para manter a calma. "Nós adormecemos, mas não tínhamos intenção." Parecia estranho ter que me defender para o meu filho, mas eu não queria que ele ficasse chateado com isso. Jeremy se inclinou e sussurrou: "Panquecas".


"O quê?" Eu sussurrei de volta. "Eu quero panquecas. Você pode me fazer panquecas?" Eu balancei a cabeça com uma piscadela. "Eu acho que você pode me mostrar o caminho, grandão." Jeremy riu um pouco. Tão delicadamente quanto pude, tentei manobrar Tyler de cima de mim. Ela aconchegou-se mais e eu odiava deixá-la, mas o dever chama. Meu filho queria panquecas. Quando eu coloquei o meu braço para fora dela, Tyler gemeu um pouco, mas caiu para trás em um sono agradável. Levantei-me do sofá, só então percebendo que ainda tinha apenas uma toalha enrolada em volta de mim e nada mais. Corri para o armário e puxei a porta da secadora. Eu tirei minha camisa polo e a coloquei, juntamente com o meu short. Uma vez que saí, Jeremy estava apontando para o chão do banheiro com a boca aberta. "O que a pia está fazendo no chão?" Oh merda. Eu fiquei atordoado por um momento, sem saber o que dizer. Minha boca abriu antes que meu cérebro processasse. "Jimmy foi lá ontem à noite e ele disse que uma perna estava coçando. Ele sentou-se na pia para que pudesse coçá-la e ele caiu no chão." Eu não sabia de onde diabos isso veio, mas eu mandei para ele. "O grande tio Jimmy é travesso." "Tio Jimmy?" Jeremy assentiu e subiu no banquinho para sentar-se. "Ele me disse que era como um irmão para você, de modo que o torna meu tio. Ele é muito grande como você."


Fiquei ali, atordoado por um momento. Eu sei que Jeremy não iria entender o significado por trás do que Jimmy disse, mas ele ainda não deveria ter dito isso. De repente, não me senti muito mal sobre a acusação de Jimmy com a pia. Eu decidi mudar de assunto. "Então, onde está a sua mistura para panquecas?" Jeremy apontou para os armários acima da máquina de lavar louça. "Lá. Você tem que colocar juntamente com o ovo e o leite. Isso é como minha mãe faz." Eu balancei a cabeça e passei a trabalhar fazendo as panquecas. Tudo parecia surreal. Eu tinha caído rapidamente em uma vida doméstica, ganhando um filho dentro de um par de dias e fazendo panquecas no café da manhã. E eu amei cada segundo disso. Quando tudo estava ficando pronto, Tyler se levantou do sofá, parecendo sexy como o inferno com seu cabelo todo despenteado, esfregando os olhos de sono. Se não fosse por Jeremy, ela estaria na pia da cozinha agora. "Bom dia, linda." Eu sorri e fiz sinal para que ela se sentasse. Por um momento, ela olhou para mim, depois para Jeremy. Eu poderia dizer o que ela estava pensando só de olhar para ela. Ela achava esta cena tão irreal como eu pensava, mas eu esperava que fosse de um bom jeito. "Você gostaria de algumas panquecas?" Tyler balançou a cabeça. "Café. Eu preciso de café." Ela caminhou em direção a coador, mas eu a parei. "Você se senta. Eu vou cuidar de tudo, inclusive fazer panquecas para você." Eu olhei para seu rosto fino. "Você parece que precisa de algumas". Tyler ergueu a sobrancelha para mim. "É mesmo?" Ela andou até Jeremy, beijou-lhe a cabeça, e sentou-se. "O Grande tio Jimmy tem sido muito travesso."


Tyler franziu a testa "Por..." "Porque ele quebrou a pia," eu interrompi. Eu olhei para Tyler, silenciosamente pedindo-lhe para ir junto, e ela balançou a cabeça. "Sim, ele tem sido muito travesso." Eu respirei um suspiro de alívio e voltei a fazer as panquecas. "Se Jimmy é meu tio, então o que Dean é?" Eu endureci. Sem saber o que dizer ou fazer, eu me virei para enfrentar uma Tyler chocada. Ela tropeçou em suas palavras, não tinha a menor ideia de como responder. "Isso me faz ser quem você quer que eu seja, grandão." Eu sorri descaradamente e dei-lhe uma piscadela. Tyler visivelmente relaxou e me deu um sorriso de gratidão. Jeremy apenas deu de ombros. "Ok." E foi isso. Obrigado. Eu não tinha certeza de que Jeremy estava pronto para a grande revelação ainda. Eu não sei quanto tempo Tyler queria esperar até nós dizermos a ele, mas ela provavelmente pensou que era muito cedo. Gostaria apenas de ter que esperar até Tyler achar o momento certo. Nosso futuro era incerto, e eu sabia que não podia ficar aqui sem tomar uma decisão permanente na minha vida. Uma que afeta a todos nós. Se Tyler disser que me quer de volta, eu não hesitaria. Eu iria para casa, embrulharia tudo, e mudaria minha bunda. Eu não me importo com o que seria necessário. Uma vez que as panquecas estavam prontas, consegui fazer Tyler comer uma e Jeremy três. Eu não sabia onde ele colocou tudo, mas foi realmente bom observá-lo comer. Ele estava confuso, mas que menino de quase quatro anos de idade não estava? Quando terminamos, tomei um banho e me vesti de volta com as mesmas roupas de ontem. Eu meio que senti como se eu estivesse no limbo. Eu não tinha certeza do que Tyler queria. O que eu deveria fazer? Devo ficar? Devo ir?


"Devo chamar Jimmy e ver se ele pode me ajudar a encontrar e instalar um novo dissipador para você hoje?" Tyler estava sentada na ilha de cozinha, a máquina de café na mão, lendo o jornal de hoje. Jeremy estava na sala de estar, brincando feliz com seus brinquedos. "Eu não quero te causar muito problema, Dean." Sentei-me ao lado dela e peguei sua mão. "Quando algo que faço para você é demais? Eu quero fazer isso porque te amo. Eu quero fazer isso porque preciso encontrar qualquer desculpa só para passar mais tempo com você e Jeremy. Eu quero fazer tudo isso." Tyler sorriu e entrelaçou os dedos com os meus. Ela olhou para eles ligados entre si. "Muitos anos se passaram desde que devidamente nos demos as mãos assim. Houve um tempo em que eu achava que nunca iríamos voltar a este ponto." Olhei para ela com tristeza. "Eu sei." Tyler suspirou, ainda olhando para nossas mãos. "Você é o pai do nosso filho. Se você quer nos ver mais, eu não posso ficar no seu caminho. Não vou ficar no seu caminho." Ela olhou de volta para atender meus olhos. "Além disso, quero você também. Eu quero que você fique." Meu coração explodiu com esperança naquele momento. Eu queria gritar aos quatro ventos apenas como fodido feliz eu estava, como somente uma frase me fez assim. Ela queria que eu ficasse. Eu não sabia se ela queria dizer para o bem, mas foi um grande começo. Eu não poderia segurar o sorriso que chegou aos meus lábios. "Isso significa que você quer ficar?" Tyler olhou timidamente para mim. "Rosey, vou ficar o tempo que você e Jeremy me quiserem. Se você quer que eu fique, nem cavalos selvagens poderiam fazer-me sair."


Tyler se inclinou para frente e tocou a testa à minha. "Eu não sei o que o nosso futuro reserva, Dean. Eu não posso tomar qualquer decisão definitiva ainda. Eu tenho que pensar em Jeremy antes de tudo isso." Eu balancei a cabeça. "Claro que sim. Ele é a sua prioridade número um, assim como vocês dois são a minha." Tyler se inclinou para trás e sorriu. "Obrigada. Basta dar-me tempo. Se você pode ficar em torno por enquanto, eu gostaria de ver como as coisas vão." Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Isso é tudo que posso pedir." Tyler suspirou com um sorriso. "Bom." Então ela se virou na direção do corredor para a sala de estar. "Será que Jeremy nos encontrou juntos no sofá esta manhã?" Eu balancei a cabeça e ela me deu uma carranca preocupada. "O que ele disse?" Eu sorri. "Ele disse que você disse que dormir no sofá era ruim para você." Ela começou a rir. "Eu disse-lhe que devíamos ter adormecido sem perceber, e é aí que ele me pediu para fazer panquecas." Tyler ergueu a sobrancelha. "Panquecas, ha? Você até me fez comer uma. O que foi isso tudo?" Desci do banquinho e fiquei entre suas pernas. Eu aninhei seu pescoço e ela abriu meu caminho até seu ouvido. "Você costumava ser tão cheia de curvas. Eu amava suas curvas, Tyler. Você não percebe que meninos gostam de um pouco mais de carne para segurar à noite?" Eu me afastei para calibrar sua reação. Tyler deu uma risadinha. "Você realmente está em um rolo com as canções pop, ultimamente, não é?" Inclinei a cabeça um pouco. "Apesar de estar em meus trinta anos, eu ainda gostaria de manter-me com os tempos atuais." Tyler riu. "Ah, é?" Puxei Tyler para a frente em minha dureza. Ela engasgou quando sorri. "Sim. Eu também quero lamber você de cima abaixo até que você diga para parar."


Ela levantou a sobrancelha. "Sério?" Eu assenti. "O que faz você pensar que vou dizer para parar? Será mais como 'me lambe gostoso'." Ela respirava pesadamente em minha boca e eu não podia esperar mais. Eu coloquei meus lábios nos dela e senti o calor deles contra os meus. Eu poderia provar o café que ela tinha bebido e sentir o cheiro do perfume que ela usava. Os meus sentidos estavam indo na ultrapassagem. Eu a queria novamente. Eu queria ela todo o maldito tempo. Acho que foi ainda pior sabendo que tinha que me conter mais em torno dela por causa de Jeremy. Quanto mais eu sabia que não poderia empurrar isso, mais eu queria. De repente, como se estivesse lendo minha mente, Tyler se afastou e começou a rir. "O que é tão engraçado?" Meu sorriso imitou o dela. "Só parece como se fôssemos adolescentes pervertidos. É quase como se a vida está nos fazendo reviver o que nós perdemos todos esses anos atrás. Isso faz algum sentido?" Fazia sentido. "Bem, eu não estou certo de que teria quebrado as pias de nossos pais." Tyler começou a rir, então ficou vermelha. "Erm... Sim, bem, eu só me perdi no momento. Fazia muito tempo." Eu balancei a cabeça e esfreguei minha virilha na dela. "Rosey, você pode se perder no momento que quiser comigo. Tudo que você tem a fazer é pedir e eu estarei lá." Tyler ergueu a sobrancelha. "Isso é uma promessa?" Ela estava sorrindo, mas eu sabia que havia uma sugestão de algo enervante sob ele. Era dúvida? Preocupação? Incerteza? Esperança? Eu não poderia colocar o dedo sobre isso, mas estaria ferrado se eu não a quisesse olhando assim para mim. Eu precisava que ela confiasse em mim novamente, e eu ia tentar o meu melhor para fazer isso acontecer.


"Tyler, eu prometeria a você o mundo se pudesse, mas há uma coisa que você nunca pode ter qualquer dúvida, e é como me sinto por você. Eu prometo a você com todo meu coração, alma e corpo estar lá para você, enquanto você me quiser. Tudo que é meu é seu de qualquer maneira." Tyler suspirou com um sorriso resoluto e acenou com a cabeça. "Eu acredito em você." Ela pegou minha mão e beijou as costas antes de inclinar sua bochecha contra ela. Eu senti sua pele suave contra a minha e apenas seu toque fez meu pau latejante para ela. Eu fechei meus olhos, tentando lutar contra a vontade de agarrá-la e puxá-la para o banheiro novamente. Talvez então nós poderíamos quebrar o vaso sanitário, mas certamente não com Jeremy ao redor. Eu suspirei, beijei o topo de sua cabeça e puxei o meu telefone do meu bolso. Tyler ergueu a sobrancelha interrogativamente. "Eu vou mandar uma mensagem para o Jimmy." Eu mandei uma mensagem para ele vir quando estivesse pronto. Ele respondeu segundos depois. Eu estou indo imediatamente porque Tara está trabalhando e eu estou entediado para caralho. Dentro de 20 minutos, Jimmy estava batendo na porta e, como de costume, Jeremy estava ansiosamente esperando por quem estivesse do outro lado. Uma vez que a porta se abriu, Jeremy saltou para cima e para baixo quando ele gritou. "Grande tio Jimmy está aqui!" Tyler se inclinou e beijou Jimmy na bochecha. "Hey, Jimmy. Tara foi trabalhar hoje?" Ele balançou a cabeça com uma careta. "Sim. É uma mer..." Ele cobriu a boca rapidamente e olhou para Jeremy. "Desculpe, Jeremy. Como está o meu garotão?" Jeremy riu e apontou para as escadas. "Você falou palavra suja. Você tem que sentar-se no cantinho da desobediência e agora porque você quebrou a pia da mamãe."


Jimmy franziu a testa. "Eu não..." "Você não se lembra quando sentou-se na pia ontem à noite e ela quebrou?" Jimmy olhou para mim como se eu tivesse ficado louco. Eu olhei para ele, então olhei para Jeremy. Lentamente, um sorriso se espalhou pelo seu rosto. "Ah, doce, eu esqueci. Eu realmente sinto muito por isso." Jeremy agarrou sua mão e levou Jimmy para as escadas. Eu vi a boca de Tyler dizer ‘sinto muito’ quando Jeremy fez ele sentar-se no degrau. "Você tem que ficar aqui por cinco minutos. Entendeu?" Jeremy abanou o dedo para Jimmy e foi a coisa mais cômica que eu já vi. Jimmy pareceu surpreso. "Ok. Quando sei que posso descer?" "Quando eu disser que você pode." Jeremy acenou com a cabeça e se afastou. "Eu sinto muito", sussurrou Tyler, afastando-se com um enorme sorriso. "Que diabos foi isso?" Jimmy assobiou baixinho. "Dean!" A voz estridente de Jeremy podia ser ouvida. "Jimmy tem que ficar aí por conta própria!" Eu puxei minha cabeça para trás e gritei: "Estou indo!" Eu me inclinei para a frente e rapidamente sussurrei: "Tyler e eu quebramos a pia ontem à noite e eu disse a Jeremy que foi você. Desculpe, cara." Eu dei um tapinha em suas costas, me virei e fui embora. "Seu merdinha!" Por alguma estranha razão, o tempo de Jimmy foi prorrogado passando dos cinco minutos.


Capítulo 13 Tyler Os próximos dias se passaram em um turbilhão e eu estava mais feliz do que tinha sido em um tempo muito longo. As flores continuavam vindo... assim como Dean prometeu. Nós estávamos gastando cada momento em conjunto. Fomos fazer compras para uma nova pia, e Dean e Jimmy instalaram para mim. Dean comprou para Jimmy uma guitarra para se desculpar pelo incidente da pia. Ele ficou um pouco chateado depois de ter que se sentar nos degraus por dez minutos, mas a guitarra e promessas de abundância de cerveja parecia trazê-lo de volta. Eu gostava de Jimmy. Embora tenha havido um elemento de perigo sobre ele, parecia haver também um gigante gentil escondendo-se entre sua fachada de durão. Eu podia ver por que Tara gostava tanto dele. Ele era bonito, mas ele também tinha essa dureza. Estávamos todos nos tornando muito próximos e isso me fez finalmente me sentir como se eu tivesse em uma verdadeira família agora. Dean e eu éramos os pais durante o dia, e à noite? Bem, vamos apenas dizer que o animal em nós saía. Acho que foi porque a gente sabia que tinha que se comportar em torno de Jeremy. Nos esgueirávamos para um beijo ocasional e tomamos qualquer oportunidade para um abraço, por isso estávamos tão acabados à noite, o que terminava com o que eu só posso descrever como sexo selvagem. Não sei porque, mas eu era completamente selvagem em torno de Dean. Eu deixei minhas paredes caírem com ele. Deixava-me ser quem eu realmente queria ser. Eu me sentia tão confortável em torno dele, isso só parecia fácil para mim. As coisas eram diferentes quando eu estava com Evan. Eu o conhecia há quatro anos, mas nunca no mesmo nível de intimidade que Dean e eu tinhamos.


Como você pode bater namorados de infância? Como qualquer um poderia passar de seu primeiro amor verdadeiro? O único que ficou preso. O que fez promessas e esperanças. Eu sempre soube que estaria perdida sem ele. E essa é a parte que mais assusta a merda fora de mim. Ele me machucou muito, essa parte nunca vai embora, mas o amor que eu tinha por ele era mais forte do que qualquer outra emoção. Ela governava tudo. Meu coração, cabeça, corpo e alma. Dean tinha tudo de mim, e isso me assustou a merda fora. Não deixei Dean saber como eu me sentia com a sensação incômoda de que eu ainda tinha. Eu ainda estava de luto. Eu ainda tenho raiva quando pensava sobre o meu amigo Jeremy e a vida preciosa que ele perdeu. Eu ainda sentia a dor na boca do estômago sabendo que foi Dean que feriu o nosso relacionamento da pior maneira possível. Jeremy morreu pensando que eu fiz a coisa mais hedionda imaginável. Ele morreu pensando que eu o traí... e foi tudo culpa do Dean. Ainda era difícil aceitar isso. Ainda era tão difícil deixar ir. Na verdade, às vezes eu ia ficar com raiva de Dean porque ele não poderia consertar isso. Eu sei que era ilógico pensar dessa forma, mas eu fazia. Minhas emoções estavam por todo o lugar. As vezes, eu me pego olhando para Dean e penso em como ele pode ter feito isso comigo? Eu fico com raiva e frustrada, e sinto-me ferver. Mas tudo que ele tinha que fazer era se virar, me encarar com aqueles olhos, e sorrir para mim. Apenas esse gesto simples lavava tudo. Aquelas eram as vezes que eu sentia que poderia deixá-lo entrar novamente. Amá-lo da mesma forma que sabia que ele me amava. Confiar que ele queria ficar comigo pelas razões certas. Confiar que ele me amava. Confiar que ele amava Jeremy. Às vezes, o animal em você vencia. Você quer limitar no momento em que o via, ou não. Com nosso filho e Dean, era muito simples. Eles respiravam cada um o outro. Eu podia vê-los e senti-los. Jeremy estava ligado a ele agora, então eu sabia que Dean nunca ser uma parte de nós não seria mais uma opção. Nosso filho escolheu o nosso caminho para nós. Dean seria sempre uma parte de nossas vidas. Era sábado e, como de costume, Dean e Jimmy tinham chegado. Tara tinha que trabalhar até seis, mas uma emergência médica veio e ela precisava ficar


mais tempo. Dean me disse que Jimmy não precisa mais ficar na cidade porque ele já tinha me encontrado, mas eu tinha a sensação de que ele queria ficar porque ele estava secretamente apaixonado por Tara. Pensar nisso me fez sorrir. Tara precisava de alguém bom em sua vida e, por alguma razão, eu sabia que Jimmy era ele. Ela tinha passado por tanta coisa em seu relacionamento anterior com o marido, que ela merecia ter alguma felicidade. Assim, sempre que Tara trabalhava, eu disse a Jimmy que ele era bemvindo para vir. Ele foi rapidamente tornando-se uma parte muito importante da vida de Jeremy, como Dean era. Ele o chamou de Grande tio Jimmy o tempo todo e agora, até o último par de dias, e Dean tornou-se D.D. Jeremy não me disse qualquer coisa mais do que isso e sempre que eu perguntava, ele movia seu polegar e o indicador sobre a boca em um movimento de zip, balançando a cabeça. "É um segredo", ele dizia. Às vezes as crianças eram tão frustrantes! Foi depois de sete e com os meninos na piscina, que decidi fazer algum jantar. Coloquei o frango para grelhar, fiz um pouco de salada, e coloquei batatas no forno. Era um outro dia quente, então eu congratulei a brisa fresca que às vezes flutuava pelas portas da cozinha. "Você sabe, eu poderia te ver todo dia ali de pé como a deusa doméstica que você é." Olhando para cima, vi Dean parado na porta, gotículas de água caindo dele para o chão. Ele me chamou de deusa, mas de pé na minha frente ele era um pouco mais que um deus. Seus músculos estavam tensos e fortes, e ele agora tinha um impressionante bronzeado que mostrava muito bem suas tatuagens. Eu nunca pensei que eu iria gostar de um homem com tatuagens, mas vendo Dean sempre com elas, me fazia tremer. Engraçado como uma coisa pequena como essa poderia transformá-lo tanto. Alguns mechas de seu cabelo molhado caiam na testa, e sua pele brilhava com o sol batendo em seu corpo. Enquanto ele segurou a porta com a mão, seu músculo flexionado e minhas entranhas viraram uma poça. Como uma pessoa poderia me reduzir a uma poça de necessidade? Eu tinha conhecido Dean toda a minha vida e o efeito dele sobre mim era sempre o mesmo.


Seja pessoalmente ou na minha mente, ele nunca deixou de fazer meus joelhos fracos. "Deusa doméstica, ha? Não tenha ideias sobre colocar um avental em mim e amarrar-me a pia da cozinha." Dean levantou a sobrancelha e veio mergulhando. Eu ri e tentei correr, mas ele rapidamente me agarrou e me segurou no lugar. Eu estava prestes a protestar, mas o olhar que ele me deu me roubou o discurso. Seus olhos dançaram dos meus olhos para os meus lábios e de volta novamente. Ele estava fazendo amor com cada polegada do meu rosto. "Gostaria muito de amarrá-la na pia da cozinha, mas por razões diferentes do que você está pensando," ele rosnou. Ele agarrou-me mais apertado, tirando o meu fôlego. Ele olhou ao redor da cozinha, em seguida, de volta para mim com um sorriso brincalhão. "Na verdade, onde estão os seus aventais?" Eu balancei minha cabeça. "Oh, não, não, não, Deaney rapaz. Não aqui. Não agora." Dean se inclinou em meu pescoço e inalou. "Você sabe, meu tio Humphrey me chama Deaney rapaz." Eu ri. "Parece ser um bom nome quando você não está fazendo nada de bom. Aposto que ele te chama pelas mesmas razões que eu agora." Ele puxou sua cabeça para trás e franziu a testa. "Eu nunca quis amarrar meu tio na pia da cozinha, e se eu o fizesse, seria por razões completamente diferentes. Com você, eu só quero torná-la desamparada. Eu gosto de vê-la amarrada e à minha mercê. Eu gosto do fato de que posso fazer qualquer merda que eu quero com você. Completamente indefesa. Completamente submissa. Completamente minha." Minhas pernas de repente amoleceram quando um gemido torturado saiu dos meus lábios. Dean agarrou-me mais apertado quando um rosnado saiu dos seus lábios. "Você não percebe o que diabos você faz para mim, Tyler. Cada


olhar que você me dá, cada toque que sinto, cada gemido liberado é como a melhor porra de preliminares. Eu preciso estar dentro de você agora." Dean olhou para mim com fome, mas eu balancei minha cabeça. Meu corpo estava gritando para mim que queria ele, mas não podemos. Não agora. "Jeremy e Jimmy..." "Jeremy e Jimmy estão muito bem lá fora. Jimmy me viu vindo aqui e me disse que ele nos daria alguns minutos." Eu levantei minha sobrancelha. "Apenas alguns minutos?" Dean deu uma risada gutural profunda e olhou para os meus lábios novamente. "Teria que ser rápido, o que significa duro, rápido, áspero, e agora". Sem hesitar, eu peguei a mão de Dean e nós corremos escada acima. Tudo o que ele tinha a fazer era dar-me a promessa de grande, sexo violento e eu era um massa de vidraceiro nas suas mãos. Assim que chegamos ao topo, eu arrastei Dean para o banheiro da família e fechei a porta. A janela estava ligeiramente aberta, então eu rapidamente fechei-a o mais silenciosamente possível. Os sons externos foram abafado, mas você ainda pode ouvir os pulos de Jeremy e Jimmy, junto com lotes de salpicos. Acho que estamos bem. Dean puxou para cima o meu vestido. "Sinto muito, não temos muito tempo. Eu tinha que ter você. Preciso ter você, Tyler. Eu sempre quero estar enterrado dentro de você. Você não sabe o quanto me mata esperar." Meu Deus, ele me ligou quando falou para mim assim. Os incêndios se enfureceram, mas em vez de recebê-lo, o sentimento apenas me frustrou mais. Agarrando o pescoço, eu segurei seu olhar. "Dean". "Sim?" "Apenas cale a boca e me fode." Dean sorriu. "Sim, senhora."


Sentindo como se eu precisava ser levada, eu me virei, deixando Dean saber o que eu queria. Sem hesitar, ele puxou meu vestido acima da minha cintura e empurrou seus dedos dentro de mim. Eu sabia que ele estava checando para ver se eu estava molhada o suficiente, mas ele não precisava se preocupar. Eu estava constantemente molhada em torno dele. Puxando para fora, ele gentilmente circulou em volta do meu clitóris, fazendo-me animar-me contra ele. "Porra, Tyler. Você é tão sexy, é irreal." Eu sabia que Dean queria trabalhar um pouco em mim, mas eu já estava lá. "Dean, por favor", eu mal sussurrei enquanto minha respiração tornouse mais errática. Senti o puxão em seu shorts e com um impulso rápido, Dean estava dentro de mim. "Foda-se!" Ele assobiou enquanto nos manteve ali por um segundo. Sentia-se tão grande e tão bom dentro de mim. Eu estava desesperada para ele se mover, assim eu empurrei para ele um pouco. Dean riu, mas a risada foi logo embora quando ele começou a bombear em mim. O Senhor sabe onde ele encontrava tanta resistência para mover tão rápido, mas ele o fez. Ele certamente não estava brincando quando disse que tinha que ser rápido e áspero. E, rapaz, eu estava amando cada minuto. "Pegue o meu cabelo, Dean. Eu preciso que você me possua." Eu não sabia de onde diabos isso veio, mas eu estava perdida no momento. Dean resmungou, mas respeitou meus desejos quando puxou meu cabelo. Eu gemia quando uma onda de prazer vibrou ao longo de todo o meu corpo. Eu já estava perto. Eu tinha estado perto no minuto que Dean começou com as preliminares verbal no piso térreo. "Porra, Tyler. Você se sente tão bem para caralho. Eu simplesmente não consigo ter o suficiente de sua doce, boceta apertada." Ele bateu em mim duro, bateu o ponto doce que sempre me dava os melhores orgasmos. Eu queria gritar, então agarrei a mão de Dean do meu cabelo


e mordi sua mão com toda a minha força. Dean gemeu, mas deixou-me montar fora de meu orgasmo. "Porra, Tyler. Eu estou indo para..." Senti seu sêmen quente explodir dentro de mim e o sentimento era como nenhum outro. Toda vez que ele gozava dentro de mim, isso nunca deixou de manter o meu orgasmo indo um pouco mais. Era puro êxtase. Senti Dean respirando pesadamente atrás de mim enquanto inclinei minha cabeça contra a parede do banheiro. Eu sempre adorava esses momentos juntos. Eu sabia que nunca era por muito tempo, mas eu adorava eles, no entanto. Eu estava prestes a virar e beijar Dean quando um alarme começou lamentando pela casa. Dean saiu de mim rapidamente e arrastou sua bermuda. Ele estava fora da porta antes que eu mesmo tivesse tempo de registrar que ele tinha ido embora. Eu empurrei o meu vestido e corri para as escadas. Quando cheguei ao fundo, havia fumaça em todos os lugares quando Dean puxou o frango do grill. Jimmy e Jeremy estavam ali, parecendo perplexos. "Mamãe queimou o frango de novo," Jeremy riu. Engoli em seco. "O que quer dizer de novo?" Eu olhei para Jimmy e ele piscou para mim com um conhecimento do olhar. Eu não poderia deixar de corar. Dean logo jogava a fumaça para fora e, eventualmente, o alarme de fumaça se acalmou. "Você não se lembra quando a Sra. Carlson veio à procura de leite e vocês ficaram conversando por tanto tempo, que você esqueceu da galinha?" Jeremy sorriu para mim e eu mordi meu lábio. Porra, eu tinha esquecido disso. Olhei para ambos Dean e Jimmy, que tinham o mesmo nível de diversão em seus rostos.


"Bem, ela gosta de falar muito." Eu joguei minha cabeça no ar e caminhei em direção ao frango queimado. Quando olhei para trás, todo mundo estava à beira do riso. No final, eu pensei que ia começar primeiro. Quando nos acalmamos, Jimmy se aproximou de seu telefone. "Eu vou pedir comida chinesa." Jeremy aplaudiu e gritou, "pato crocante. Pato crocante!" Virei-me para Dean e sussurrei: "Você percebe que isso é tudo culpa sua, certo?" Eu levantei minha sobrancelha para ele e Dean sorriu. "E você percebe que foi tudo culpa sua, para começar. Se você não parecesse tão porra de sexy o tempo todo, eu não teria sentido a necessidade de tê-la logo em seguida. Na verdade, olhando para você agora com seu cabelo despenteado tudo me faz querer levá-la novamente." Meus olhos se arregalaram e eu me inclinei para trás para olhar para a porta do forno espelhado. Engoli em seco. Meu cabelo estava mais do que apenas despenteado. Parecia que eu tinha sido arrastada por uma cerca viva para trás. Sem nenhuma pergunta, Jimmy estava sorrindo para mim. Passando rapidamente os dedos pelo meu cabelo, eu tenho um pouco mais sob controle. Dean apenas ficou ali, rindo. "Oh, cale a boca!" Rosnei quando passei por ele. Eu não poderia ajudar o sorriso que subiu no meu rosto, no entanto.

Uma vez que a comida chinesa chegou, todos nós comemos direto das das caixas, que era algo que não estávamos acostumados a fazer na Inglaterra. Era maravilhoso como comer comida chinesa em uma pequena caixa poderia fazer o melhor sabor. Eu não poderia obter o suficiente disso. Eu certamente estava abrindo o meu apetite. Era depois das nove agora. Jeremy estava deitado com segurança na cama e eu ainda não tinha ouvido falar de Tara. Eu percebi a inquietação de


Jimmy que verificava seu telefone a cada cinco minutos com uma carranca no seu rosto. Ele parecia realmente preocupado e se eu não estivesse preocupada também, acharia adorável. No final, eu pensei em mandar uma mensagem de texto para ela. Onde

você

está,

querida?

Seu

significativo

namorado

está

parecendo mais pálido a cada minuto. Por favor, coloque-o fora de sua miséria. Xx Vinte minutos se passaram e eu ainda não tinha ouvido falar dela. Até agora, Jimmy estava praticamente mastigando suas unhas. No final, eu me levantei e coloquei minha mão em seu ombro. "Eu vou ligar para ela." Ele exalou e me deu um sorriso agradecido. Caminhando em direção ao telefone, eu estava prestes a pegá-lo quando ele tocou. "Oh, talvez seja ela!" Eu praticamente dancei o resto do caminho, fazendo ambos Dean e Jimmy rirem. "Olá, esta é a residência Louca. Sra. Louca falando." Eu olhei para os homens e pisquei. Eu ouvi um soluço sussurrado, "Jessica..." Meu coração bateu até minha boca quando meu sorriso desapareceu. "Tara? Tara, é você?" A urgência na minha voz fez tanto Dean quanto Jimmy lutarem para se levantar. Ela disse algo, mas eu não conseguia entender o que era. Tudo o que eu podia ouvir era a respiração rápida. "Tara, eu não posso ouvi-la. Qual o problema? Diga-me." Ela disse algo de novo, mas eu não podia ouvi-la. Ela parecia tão assustada. "Tara, por favor..." "Ele está aqui", ela sussurrou ao telefone. "Jessica, ele está aqui. Ele está na minha casa. Marcos me achou." A cor sumiu do meu rosto quando ouvi um barulho, em seguida, um grito estrangulado. "Com quem você está falando, puta?!" Tara gritou novamente e o telefone ficou mudo.


Segurei o telefone com força e eu podia sentir-me tremer violentamente. Eu olhei na direção de Jimmy e seu rosto era uma mistura de terror e raiva. "Eu preciso chamar a polícia. O ex-marido de Tara a encontrou." Eu balancei enquanto tentava discar o número. Jimmy me parou. "Não envolva a polícia. Eu vou cuidar disso." Eu assenti. Seu rosto parecia como um trovão quando se dirigia para a porta. Dean olhou para mim. "Eu tenho que ir com ele, Tyler." Eu não queria que ele fosse, mas sabia que Dean não se sentiria bem com isso se ele não o fizesse. Simplesmente assenti. "Por favor, tenha cuidado." Dean sorriu e beijou minha cabeça. "Eu prometo. Eu estarei de volta em pouco tempo." Com um beijo em meus lábios, ele se virou e saiu pela porta.


Capítulo 14 Jimmy Tara nunca disse-me muito sobre seu ex-marido, mas o que eu sabia dele fez o meu sangue do caralho ferver. A simples menção de seu nome e ela se calava. Nenhuma mulher nunca deveria passar por um relacionamento abusivo. Nunca. Ouvir sobre qualquer mulher ser violada fazia a porra do meu radar ligar, mas quando era alguém que eu amava? É melhor correr e se esconder porque eu iria fazer mais do que acabar com a sua bunda. E era exatamente isso o que eu ia fazer com Mark. No momento em que eu soube que era Tara na linha, também sabia que ela estava em apuros. Quando ouvi seu grito, era isso. Eu estava fora. Dean veio correndo atrás de mim enquanto eu caminhava para fora de casa o mais rápido possível. No minuto em que entrei no carro ele disparou por cima, me virei para ele enquanto ele estava abrindo a porta do passageiro. "Você não precisa vir comigo, Dean. Eu tenho isso. Eu não preciso de sua ajuda." Dean entrou no carro e agarrou o meu ombro. "Parte de Tara é da nossa família agora. Se alguém machuca nossa família, eles pagam, Jimmy. É tão simples como isso. Você já esteve lá por mim. Agora é a hora de eu estar lá por você." Em circunstâncias normais, eu teria sorrido e lhe agradecido, mas tudo que podia fazer era acenar enquanto fugia do estacionamento, os pneus guinchando quando nós saímos.


"Você tem um plano?" Segurei o volante com força. Quanto mais pensava sobre Tara estar lá sozinha com aquele monstro, mais eu queria explodir. "Não", eu disse com os dentes cerrados. "Eu só quero vê-lo morto. Mas quero que ele sofra em primeiro lugar." Dean me deu um sorriso e acenou com a cabeça. "Bom, porque tenho algumas coisas para ele, Jimmy. Eu acho que você vai gostar." Ele não disse mais e eu não perguntei. Eu poderia dizer que Dean estava tão ansioso para chegar lá quanto eu. Quanto mais eu dirigia, mais pensei que era provavelmente melhor que ele tinha vindo comigo. Dean era muito mais calculista do que eu. Ele pode planejar as coisas até o último detalhe. Se fosse por mim, eu provavelmente iria matá-lo e terminar com ele. Pelo menos Dean poderia me controlar um pouco, fazer um planejamento para o desprezível. Um que eu não tinha a menor dúvida da porra que iria desfrutar. O carro levou cerca de 15 minutos e foi um dos piores 15 minutos da minha vida. A última vez que eu já tinha me sentido assim foi quando ouvi que Grace tinha sofrido um acidente de carro. Jurei nunca me importar o suficiente para chegar nesta posição novamente, mas Tara mudou tudo isso. A primeira vez que a vi naquele bar, meu mundo desabou em um bom caminho. Eu nunca acreditei em amor à primeira vista, mas sabia que algo entre nós despertou naquela noite. Eu tive essa sensação de que havia mais para ela do que apenas uma boa transa. Não me interpretem mal. Eu queria transar com ela, mas queria mais do que isso. Eu só queria estar com ela. Naquela noite no bar foi uma das melhores noites que já tive. Eu nunca vou esquecer os segredos que nós compartilhamos, quando ela derramou seu coração para fora sobre a porra de um marido imbecil. O tempo todo ela estava falando sobre ele, eu estava cerrando os punhos, pronto para saltar no filho da puta. Como ele se atreve a pensar que pode voltar e levá-la longe de mim. Como se atreve até mesmo tentar, porra. Parando em frente de sua casa, eu não me incomodei nem mesmo em fechar a porta atrás de mim enquanto me apressava na calçada da frente. A porta


estava entreaberta, então empurrei através e gritei o nome de Tara. Eu não ouvi nada no início, mas algo fora do canto do meu olho me chamou a atenção. Eu me virei e vi Tara no chão, suas roupas rasgadas, o rosto inchado, sangue escorrendo de sua boca. Eu estava prestes a correr para ela quando uma figura apareceu na outra extremidade da casa e arremessou para fora da porta traseira. Dean agarrou o meu ombro. "Eu tenho isso, Jimmy. Você vai ver a Tara." Eu balancei a cabeça e Dean correu fora. Eu não tinha dúvida de que ele ia pegar o filho da puta. Eu já tinha visto Dean em ação antes e, na ocasião, ele tinha me superado. Correndo para Tara, me abaixei e peguei seu rosto em minhas mãos. "Está tudo bem agora, Tara. Eu tenho você. Eu não vou deixar ele te machucar novamente. Você entendeu?" Ela assentiu com a cabeça e soltou um pequeno soluço de cortar o coração. "Você precisa ir para o hospital?" Ela balançou a cabeça. "Onde é que ele a machucou?" Tara apontou para seu rosto, em seguida, seu coração. Porra, eu queria matar o filho da puta. Correndo para a geladeira, saí a procura de gelo, um pano para embrulha-lo, e alguns lenços para seu lábio cortado. Corri de volta e gentilmente pressionei o gelo em seu olho. Tara estremeceu, mas sorriu para mim. Meu coração doía e meu corpo vibrava. Eu queria matar seu ex-marido agora, mas Tara tinha visto violência suficiente para uma noite. Olhei para suas roupas rasgadas, então de volta para Tara. "Ele não..." Tara balançou a cabeça. "Não. Eu disse a ele que alguém estava chegando e ele me bateu em seu lugar". Eu respirei um suspiro de alívio, mas isso não impediu a raiva que sentia. Uma vez que Dean o encontre, eu vou lhe ensinar uma lição. Eu acariciei o cabelo de Tara e embalei-a em meus braços. Ela parecia se apertar a mim como se eu fosse de repente desaparecer, mas eu não ia a lugar nenhum. Quando eu estava pensando sobre o que fazer, o celular de Tara tocou com o som familiar de "Bump and Grind" de R. Kelly. Ela olhou para cima e estava


começando a se mover quando coloquei minha mão para fora para ela. "Fique quieta. Vou ver quem é." Tara acenou com a cabeça enquanto eu caminhava até seu telefone. O nome "Jessica" estava piscando na tela, então eu respondi. "Tyler". "Jimmy, obrigada foda. Eu vou sair da minha mente. Tara está ok?" Eu suspirei, pensando sobre o que „se‟. Fez-me foder com mais raiva a cada minuto que passava. "Ela está bem. O filho da puta bateu nela, mas ela está bem." Tyler engasgou. "Será que ela precisa ir para o hospital?" Olhei para Tara enquanto ela inclinou a cabeça para trás para o braço do sofá. "Ela diz que não quer ir." "Traga ela aqui. Eu vou cuidar dela. Diga-lhe que não vou tomar nenhum não como resposta do caralho. Você entendeu?" Se esta situação não fosse tão séria, eu teria rido. Tyler era boa para Dean. Um completava o outro. "Entendi. Vou leva-la." Tyler suspirou. "Bom. Vejo vocês em breve." Eu desliguei e caminhei de volta para Tara. "Ouça, Tyler disse que ela quer que você fique com ela. Eu vou ter que levá-la porque tenho medo pelas minhas bolas se eu não for." Tara riu, em seguida, fez uma careta de dor. Onde diabos estava Dean? Assim que pensei isso, ele apareceu... sozinho. Eu olhei para ele, um olhar interrogativo no meu rosto. Ele gesticulou ao lado e colocou os polegares para cima. "Tyler ligou. Ela quer que eu leve Tara até a casa dela." Dean sorriu. "Vá. Eu posso cuidar das coisas aqui. Não se preocupe. Eu vou mantê-lo aquecido para você. " Dean piscou.


Eu sorri e balancei a cabeça. Dean estava citando a mesma linha que disse todos esses anos atrás, quando ele obteve a sua vingança sobre esse babaca do Pinzano. Olhando para Tara, estremeci e a raiva ressurgiu rapidamente. Eu estava ansioso para ensinar a esse porra de idiota uma lição, mas eu tinha que ter certeza que Tara estava bem e que ela seria cuidada primeiro. Trazendo-a em meus braços, eu fiz o meu caminho para fora. "Você não tem que me levar, você sabe. Eu ainda posso usar minhas pernas". Tara sorriu, mas eu poderia dizer que ela estava com dor. Ela tinha um lábio cortado e o inchaço parecia estar piorando. "Mantenha o gelo em seu olho, Tara. Isso vai ajudar com o inchaço." Apoiei aberta a porta do carro com o meu pé e coloquei ela para baixo. Ela estremeceu novamente. "O que é isso?" Tara tentou um sorriso e balançou a cabeça. "Não é nada, Jimmy. Estou bem." Eu não acreditava nela. Eu coloquei minha mão na parte inferior de sua camisa e puxei para cima. Ela tinha contusões ao redor de suas costelas. "Filho da puta!" Levantei-me para cobrar de volta para a casa. Nesse ponto, eu estava tão consumido com raiva, que teria apenas estalado seu pescoço. Tara rapidamente agarrou meu pulso. "Pare. Por favor, não me deixe." Porra, eu estava rasgado. Eu queria estar lá para Tara, mas também queria rasgar o coração daquele filho da puta fora. Eu sabia que tinha que ficar forte para ela. Eu tive que tomar sobre a prática de Dean de ser capaz de esperar, não importa o quanto queria correr de volta lá e colocar minhas mãos em torno da sua porra pescoço esquelético. Ele precisava ser ensinado uma lição. Ele precisava perceber as consequências de se atrever a colocar uma mão sobre Tara. Por ousar machucá-la. Suspirando, eu me ajoelhei de volta e acariciei sua bochecha. "Eu não vou deixar você, Tara, e prometo que ele nunca vai te machucar novamente. Você entendeu?"


Tara olhou para mim por um momento. Eu acho que ela podia ver a pessoa dentro de mim. A pessoa que vivia em tomar a lei em suas próprias mãos. A pessoa que era juiz, júri e carrasco. Eu tinha insinuado meu estilo de vida para ela, mas nunca havia expressado em voz alta. Eu vi uma lágrima cair pelo rosto de Tara. Ela assentiu com a cabeça resolutamente. "Eu entendi." Eu carinhosamente beijei-a na cabeça. Eu queria beijar seus lábios, mas estava com medo de machucá-la. Isso apenas me irritou ainda mais. Fechando a porta do passageiro, corri para o outro lado. Eu não queria perder mais tempo. Quanto mais tempo isso continuasse, menos escuridão teríamos como nossa vantagem. E eu tinha como plano fazer ser uma longa noite. Entrei no carro e dirigi o mais rápido que pude. Todo o caminho até lá, eu estava segurando o volante com força, mas nem sequer percebi até que Tara colocou uma mão amorosa no meu braço. Relaxando imediatamente, olhei para seu rosto bonito. O que ele agora tinha marcado. A última vez que ele tinha ousado marcá-la. Eu sorri, mas voltei a olhar para a estrada. Eu peguei a mão dela na minha e segurei-a com força. Este era o único conforto que poderia oferecer a ela agora. Eu queria ficar com ela e cuidar dela esta noite, mas tinha que conseguir isto feito, e eu sabia que Tyler faria tudo o que podia para fazer que ela tenha o melhor atendimento. Eu poderia dizer que Tyler amava e se importava com ela e, eu tinha que admitir que, assim como eu. Eu nunca pensei que pudesse amar alguém depois de Grace. Ela era a única com quem eu estava destinado a passar a minha vida. Ela era a única com quem eu deveria me casar e ter filhos. Eu gostaria de ter cuidado de Grace. Eu teria a amado e protegido com tudo o que eu tinha. Mas sentado aqui com Tara, eu não podia negar o que sentia por ela. Eu não podia negar que a primeira noite que ela olhou para mim, eu senti um floreio de esperança dentro de mim pela primeira vez em um longo tempo. Senti coisas que não tinha sentido desde Grace. Pela primeira vez, senti como se, talvez eu e Grace nunca fomos destinos a ficar juntos. Eu tinha acabado de ver que tinha me


enganado ao longo desses anos, de que nunca poderia encontrar qualquer outra pessoa lá fora. Hoje à noite realmente me fez perceber isso. Eu não podia perder Tara. Eu não podia perdê-la agora que a tinha encontrado. Eu não queria que a vida me desse outro golpe, levando alguém longe de mim, quando eu tinha acabado de achá-la. Eu me recuso a deixar que isso aconteça. Eu me recuso a deixar Tara viver sua vida sob a capa de sombras. Hoje à noite me fez perceber algo. Eu a amava. Conduzindo para a garagem de Tyler, coloquei o carro na vaga e desliguei a ignição. Antes que eu estivesse fora do carro, olhei para Tara, aperteilhe a mão suavemente, e dei a volta para o seu lado do carro. Ela já estava saindo, agarrando suas costelas. "Tara, espera. Deixe-me ajudá-la." De repente, Tyler abriu a porta da frente e saiu correndo. Seus olhos regados enquanto ela contemplava sua amiga, colocando delicadamente a mão no rosto de Tara. "Que tipo de pessoa faz isso a outro ser humano?" Tyler olhou para mim. Embora não houvesse nada dito, eu entendi cada palavra. Tara colocou a mão no braço de Tyler, fazendo-a olhar de volta para ela. "Estou bem. Parece pior do que é". "Vem para dentro, Tara. Precisamos deixar você limpa e confortável". Com o meu braço em torno dela, corremos para dentro. Uma vez que a porta estava fechada, eu ajudei Tara a sentar-se no sofá e tirei suas sandálias fora. Eu puxei seus pés de modo que ela pudesse deitar e Tyler apareceu com dois comprimidos e um copo de água. "Para a dor e inchaço." Tara assentiu com a cabeça e tomou os comprimidos, suspirou e fechou os olhos. "Eu sinto muito."


Eu estava prestes a dizer algo, mas Tyler chegou antes de mim. "Não se atreva a pedir desculpas, Tara. Nós te amamos e queremos cuidar de você e fariamos qualquer coisa por você. Você nunca peça desculpas por isso. E não peça desculpas pelo que aquele maldito fez com você." Tyler, de repente virou-se para mim. "Tara está bem comigo. Eu vou cuidar dela, Jimmy. Eu prometo. Você vai fazer o que tem que fazer." Ela colocou a mão no meu braço e apertou com um aceno de cabeça. Lendo a mensagem alta e clara, eu assenti. Voltei-me para Tara e peguei seu rosto em minhas mãos. "Eu preciso ir agora, mas quando voltar, nós vamos ter uma pequena conversa, ok? Eu preciso te segurar em meus braços e dizer-lhe algo, algo que você precisa saber." Ela sorriu e acenou com a cabeça. "Onde você está indo, e quando você vai voltar?" Eu suspirei. Eu odiava deixa-la, mas ela tinha que ver que eu estava fazendo isso por ela. Eu estava fazendo isso por qualquer mulher que foi infeliz o suficiente para se deparar com um homem assim. "Eu estou indo me certificar de que ele não vai machucá-la mais nenhuma vez. Eu estou indo para certificar-me de que você está segura. Eu não sei quanto tempo vou levar, mas apenas relaxe e se concentre em melhorar." Eu olhei profundamente em seus olhos, tentando transmitir a minha mensagem. Ela procurou meus olhos por um momento, depois assentiu. "Eu estarei esperando por você." Eu respirei um enorme suspiro de alívio e sorri para ela, em seguida, beijei sua cabeça e levantei. Tyler sorriu e acenou com a cabeça, quando fiz meu caminho para fora da porta, Tyler me seguiu. Uma vez que estava do lado de fora, me virei para ela. "Vou colocar Tara no quarto à direita do banheiro. Quando estiver pronto, volte e fique lá com ela. Dean tem minhas chaves. Apenas certifique-se de que os dois voltem, ok?" Ela pegou minha mão e apertou. Eu sorri e acenei. "Não se preocupe. Ok. Dean tem sorte de ter você."


Tyler sorriu. "E Tara tem sorte de ter você." Ela puxou minha mão e colocou os braços em torno de mim. "Por favor, tenha cuidado." Eu balancei a cabeça, afastei e apertei a mão dela mais uma vez. "Não se preocupe. Pode demorar um pouco, mas vamos estar de volta antes de Jeremy se levantar para suas panquecas de manhã". Tyler riu, em seguida, viu-me olhar para trás na casa. "Não se preocupe. Ela vai ficar bem. Vou cuidar bem dela até você voltar." Eu sorri. "Eu sei. Eu não quero deixá-la, mas tenho que fazer..." "Eu sei", ela interrompeu. "Eu sei que você tem que ir. Apenas certifiquese de voltar." Eu soltei sua mão e acenei com a cabeça. Eu estava a meio caminho para o carro quando Tyler falou: "Diga a Dean que estarei esperando por ele também." Olhei para trás e acenei com a cabeça. Então ela se virou e voltou para a casa. Eu sabia que ela cuidaria bem de Tara agora. Eu só queria que fosse eu. Eu balancei a cabeça e entrei no carro. Cuidar de Tara teria que vir mais tarde. Primeiro, eu tinha de lidar com um inconveniente. Algo que não deveria sequer estar respirando o mesmo ar que Tara. Eu voltei para a casa dentro de 20 minutos. Uma vez que Dean abriu a porta, ele me levou para o quarto, onde ele manteve o babaca. Ele estava amarrado, amordaçado e inconsciente. E também parecia que Dean tinha batido nele algumas vezes. Ele já estava sangrando e machucado. "O que você fez com ele?" Eu olhei para Dean e ele sorriu. "Bem, cada vez que ele acordou, eu o coloquei de volta para dormir novamente. Eu acho que ele precisa estar adormecido para esta parte, porque ele precisa guardar toda a força para mais tarde." Ele piscou para mim, em seguida, seu sorriso desapareceu. "Como está Tara?"


"Nada bem, mas ela vai se curar. Tyler está cuidando dela." Dean sorriu carinhosamente para o menção de seu nome. "Tyler é uma ótima garota." Dean assentiu. "Eu sei." "Ela me disse para dizer-lhe para correr para casa. Eu acho que ela está preocupada com a gente." Dean tem um brilho nos olhos. Foi a primeira vez que eu o tinha visto assim. "Pedir para você me dizer para me apressar para ir para casa, para ela... Ela não percebe o que isso significa para mim." O ex de Tara pareceu se agitar e eu o chutei. Deus, isso me fazia sentir bem. "Você acha que ela está finalmente deixando você entrar?" O ex de Tara grunhiu e se moveu um pouco. Dean rapidamente lhe deu um soco e ele caiu de volta. "Eu espero que sim. Eu não sei o que faria se ela me desse as costas agora. Eu pensei que estava quebrado antes, mas isso iria esmagar-me completamente." Ele olhou para a pilha no chão e suspirou. "É melhor começar antes que ele acorde." "Onde vamos leva-lo?" Dean sorriu maliciosamente para mim. "Eu sei exatamente o lugar. E Jimmy, meu amigo, acho que você vai adorar isso." Eu puxei o carro na garagem e nós esvaziamos o desprezível no portamalas do carro. Dean dirigia a cerca de meia hora em uma floresta densa. Muito em breve, nós paramos fora de um armazém. Era no meio do nada e nenhuma pessoa podia ser vista. "Como diabos você encontrou este lugar?" Dean sorriu. "Eu sempre procuro esse lugares, Jimmy, apenas no caso. Você nunca sabe quando você pode precisar de algo com pressa." Ele piscou e eu balancei minha cabeça. "Você é inacreditável, porra, você sabe disso?"


Dean riu. "Para ser perfeitamente honesto, eu vim aqui há alguns dias para procurar material para montar uma nova cerca em torno do quintal de Tyler. O primeiro dia fui até a casa dela, percebi que não era muito seguro. Estou recebendo um projetado aqui. Eu conheci o proprietário e começamos a conversar. Ele me contou sobre os ratos." Eu levantei minha sobrancelha. "Ratos?" Dean sorriu. "Sim, ele mantém ratos. Alguns deles são do tamanho de gatos. Ele mostrou-me um casal em seu escritório. Enormes bastardos do caralho." Olhei para Dean e rapidamente peguei o que ele estava dizendo. "Eu gosto do seu estilo, cara." Dean riu. "Eu sabia que você ia adorar. Este lugar é foda de perfeito. Ele também deixou escapar que havia uma fazenda de porcos cerca de uma milha abaixo da estrada". Isso chamou a minha atenção. Eu sabia que Dean tinha um enorme carinho por porcos. Ele amou-os simplesmente porque eles limpavam as provas. Eles comem tudo... até os ossos. Dean abriu o porta-malas e um par de olhos escuros aterrorizados nos cumprimentou. Ele era um pouco mais velho do que Tara e, sinceramente, eu não poderia entender como ele podia bater em mulheres. Vendo-o assim me fez ver cada pedaço da criatura patética ele era. Ele era tão foda de magricela, suas inseguranças provavelmente o fez lançar-se a isso. Aposto que ele nunca se sentiu no controle, por isso que ele decidiu tirá-lo sobre Tara. Agora era hora de fazê-lo sentir um pouco do que Tara sentia. Agora era hora de fazê-lo suar. Ambos Dean e eu pegamos uma extremidade dele e o arrastamos para fora do porta malas. Ele lutou e grunhiu, mas isso só me fez apertá-lo mais ainda. "Pare de lutar, babaca. Você vai desperdiçar energia."


Chegamos à porta, mas havia um cadeado na porta. "O que nós vamos fazer? Se nós quebrarmos aquela coisa, o proprietário vai saber que alguém esteve aqui." Dean o abaixou e tirou uma gazua3 do bolso. Ele sorriu, abaixou-se e passou a trabalhar destravando o cadeado. Olhei em volta para ter certeza de que ninguém estava por vir. Nada. Muito em breve, eu ouvi um clique e Dean olhou para cima. "Está vendo? Não há necessidade de quebrá-lo." Ele se inclinou para trás, para baixo e agarrou as pernas para iça-lo, então me inclinei e passei meus braços debaixo dos seus novamente. Nós caminhamos no interior e tivemos o cuidado de fechar a porta atrás de nós. No interior, era vasto, com máquinas em todos os lugares. Era um armazém de metalúrgico, e eu entendi imediatamente por que de repente Dean favoreceu este lugar. Era o cenário perfeito para a tortura final. "Fique aqui. Eu vou olhar ao redor. Temos de nos preparar e nós temos que ser rápidos." O ex de Tara estava gemendo, resmungando algo através de sua mordaça. Eu chutei ele. "Cale a boca, idiota." Abaixei-me e agarrei seu pescoço. Seus olhos arregalados olhavam para mim. "Tara é minha senhora agora, você entendeu? Qualquer um que machuca o que é meu, tem de pagar. Você cometeu o maior erro de sua vida voltando para ela. Você cometeu o maior erro de sua vida no dia que levantou a mão para ela. Eu não levo muito gentilmente homens que batem em mulheres, mas eu particularmente não tomo muito gentilmente alguém que pensa que pode ferir o que é meu." Eu o agarrei e puxei mais forte seu pescoço. "Eu vou mostrar para Tara o que é ser amada por alguém que vai cuidar dela. Alguém que nunca, jamais, irá machucá-la. Eu vou mostrar-lhe que amar alguém pode vir sem dor. E a primeira coisa que vou fazer para mostrar-lhe é me certificar que ela nunca terá que se preocupar com a porra de um babaca como você novamente. Você vai se 3

Gazua é o termo usado para se referir a uma ferramenta qualquer que tenha por função fazer funcionar fechaduras e cadeados. Por ser instrumento usualmente empregado na prática do crime de furto, sua fabricação, cedência e venda são proibidos no Brasil, com pena de prisão simples de 6 meses a 2 anos, e multa.


arrepender do dia que se atreveu a colocar a porra de sua mão sobre ela." Eu empurrei-o para o chão. Eu precisava me afastar por um momento, porque eu podia sentir-me prestes a porra de perdê-lo. Eu sabia que Dean ia fazê-lo sofrer uma morte lenta e agonizante, e eu tinha que ter certeza que ele tivesse. Muito em breve, Dean surgiu com um aquecedor e uma gaiola segurando dois dos maiores malditos ratos que já tinha visto na minha vida. "Merda. Com que o proprietário está alimentando esses filhos da puta?" Dean riu. "Eu já vi grandes, mas esses são muito grandes, não são?" Eu balancei a cabeça, divertido. Ele agarrou a corda e olhou em volta. Encontrando uma caixa de madeira, ele chutou por cima. "Precisamos dele deitado sobre isso para que suas costas estejam fora do chão. Precisamos fazer um buraco para que os ratos possam escapar." Olhei para o desprezível e vi seus olhos se arregalarem. Ele olhou para mim e deu-me um olhar de suplica. Não havia nenhuma maneira que eu estava ajudando esse filho da puta. Ele estava implorando para a pessoa errada. Olhei para Dean interrogativamente e sorri antes de voltar minha atenção para o desprezível. "Parece que ele sabe o que estamos fazendo." Dean assentiu. "Parece que ele mexeu com a mulher errada, não é mesmo, Jimmy?" Fiz uma careta para Mark. "Sim." O canalha tensionou contra a mordaça. Dean olhou para mim. "Eu acho que ele quer dizer alguma coisa. Devemos conceder-lhe este pedido antes dos ratos brincarem com ele?" Eu balancei a cabeça. Eu não tinha dúvida de que ele iria implorar por sua vida. Era algo que eu iria receber com uma grande quantidade de apreciação.


Dean abaixou-se e desfez a mordaça. O saco de merda respirou fundo e olhou para nós dois. "Olha, cara, eu sinto muito. Prometo ir embora e nunca mais voltar. Tara nunca vai me ver novamente." Rosnei. "Você está malditamente certo. Vou me certificar disso." Ele balançou a cabeça. "Eu não queria. Eu só fico com tanta raiva." Cerrei os punhos. "Isso não é desculpa de merda." "Eu sei. Eu sei. Mas ela matou o nosso bebê. Ela já te disse isso? Ela estava grávida de nosso filho e matou-o. Que tipo de mulher faz isso?" Seus olhos estavam arregalados e com raiva. A revelação chocou-me, mas eu sabia que Tara deve ter tido suas razões. Ele provavelmente pensou que isso iria me chocar e me deixar com raiva. Ele estava certo, mas era com ele que eu estava com raiva. Não com Tara. Eu nunca poderia estar com raiva de Tara. Em vez disso, me abaixei e peguei a camisa dele. "Ela provavelmente salvou a criança de um futuro miserável que ela sabia que o bebê teria com a porra de um babaca como você como pai." Seus olhos se estreitaram. "O que, matando-o? Nenhuma criança merece ser morta. Fui criado em uma das famílias pró-vida. Tara sabia disso e ela sabia que ia me matar, porra. Ela queria acabar comigo e ela fez isso da maneira mais pior e sádica possível. Como alguém poderia perdoar alguém por isso?" Eu não conseguia tirar muito mais desse merda. Tara nunca me disse nada sobre o bebê, mas eu sabia que tipo de coração ela tinha e eu confiei que a decisão que ela fez para abortar o bebê deve ter sido uma tarefa difícil. Eu também confio que ela tomou essa decisão porque sentiu que era a coisa certa a fazer. O que a levou a fazer isso, fez minha cabeça explodir de raiva. Este cabeça de bosta me queria do seu lado, mas tudo o que ele fez foi tornar-me mais irritado do que nunca. Ele a fez chegar a essa decisão. Ela deve ter ficado com o coração partido, mas ele a fez fazer isso.


Sem hesitar, coloquei a mordaça de volta ao redor da boca, fazendo-o gritar em torno dela, e me virei para Dean. "Eu não quero ouvir mais nada dele, Dean. Vamos apenas chegar a ele. Temos desperdiçado a porra de tempo suficiente com ele." Dean balançou a cabeça e começamos a trabalhar fazendo um buraco na caixa de madeira. O levantando nós o colocamos de costas em cima do buraco. Dean encontrou uma armadilha e formou-o em uma gaiola com o inferior e superior. Ele pegou uma faca do bolso e entregou-me. "Faça uma incisão entre as costelas. Os ratos farão o resto." Eu sorri de volta para ele. "Vai ser o meu prazer." Ajoelhei-me e os gritos abafados do idiota podiam ser ouvidos. Isso não iria ajudá-lo agora. Ele selou seu destino no dia que ele veio para a minha Tara. Eu pressionei na faca e cortei no meio de seu torso. O sangue veio derramando no mesmo tempo que seus gritos se intensificaram. Eu sabia que ele estava com dor, mas não me importei. Eu também sabia que deveria ter me preocupado porque estava desfrutando deste momento. Eu torturava pessoas, mas nunca tive prazer com isso. Era apenas um trabalho, puro e simples, mas isto era pessoal. Este homem precisava pagar por fazer Tara sofrer todos estes anos. Não foi apenas o abuso físico que ela teve que suportar. Foi a tortura diária que ela carregava, perguntando se ele iria encontrá-la. Ele estava em seus pesadelos a torturando, quando ela às vezes gritava em seus sonhos para alguém ajudá-la, resgata-la de um homem que ela nunca ficaria livre. Eu iria libertá-la. Eu iria dar a minha Tara, sua vida de volta. Ela nunca teria que se preocupar, sobre se ele iria encontrá-la. Hoje à noite, nos certificaremos disso. Uma vez que fiz a incisão, Dean puxou os ratos fora de sua jaula e os colocou para baixo sobre o seu torso. Eles não perderam tempo. Eles começaram a roer ele no momento em que cheiraram seu sangue. O canalha gritava em agonia e eu sabia que ele iria desmaiar logo por causa da dor. Era só uma questão de tempo.


"Aqui, certifique-se que os ratos não podem escapar." Eu coloquei minhas mãos em cima da armadilha que agora enjaulava os ratos dentro e olhei para Dean. Ele tinha encontrado um aquecedor de halogéneo em algum lugar. Colocou algumas baterias nele e aproximou-se da armadilha. Mudei a minha mão e coloquei-o em cima. Ele olhou para mim. "Isso vai tornar o processo mais rápido. Os ratos vão ficar muito quentes e sua única maneira de escapar é..." Ele fez um gesto para baixo com o seu dedo. Essa foi a razão para o buraco no fundo. "Eu não sei quanto tempo vai demorar. Ele logo estará morto de qualquer maneira. Precisamos esperar um par de horas para ver como ele progride." Eu balancei a cabeça e vi quando Dean colocou o aquecedor para o topo da armadilha. "Eu não vou colocálo muito quente. Apenas quente o suficiente para fazer os ratos trabalharem mais rápidos." Dean começou a trabalhar. Isso me fez perceber o quão estranho esta situação realmente era. Normalmente, eu capturava e torturava pessoas para Dean, e não o contrário. Eu normalmente era pago com um salário considerável para fazê-lo, também. No entanto, Dean não estava pedindo qualquer coisa e eu sabia que ele não iria. Ele estava fazendo isso para ajudar um amigo, que era algo que nunca pensei que Dean e eu iriamos nos tornar. Claro, nós nos conhecíamos há anos, e apesar da brincadeira estranha que nós tivemos agora, Dean sempre manteve nosso relacionamento estritamente profissional. Ele, na verdade, reveloume uma vez que não gostava de pessoas muito perto dele. Se ele deixar alguém entrar, as suas fraquezas em breve seriam reveladas, tornando-o vulnerável. Naquela época, eu entendi o lado dele, mas também sabia que ele não tinha necessidade de ser mais aquela pessoa. Não era realmente ele. Foi o enorme malentendido que teve com Tyler que o tornou esse homem. Dia após dia, eu posso ver Tyler trazendo o garoto que ela conheceu uma vez. E, dia após dia, Dean estava deixando ela fazer. Isso era acolhedor. É por isso que eu sabia que esta noite era um grande negócio para ele. Para ajudar um amigo, ele era novamente o homem que estava tentando fugir. Eu sabia que estava tomando um monte para ele fazer isso e eu sabia que ele ia se


preocupar

com

Tyler

e

que

ela

ia

pensar

nisso

uma

vez

que

ele

voltasse. Porque, não importa o quão longe Dean corre e se esconde, suas raízes sempre irão alcançá-lo. "Você quer tomar um café? Eu conheço uma lanchonete aberta a noite toda que nós poderíamos ir?" A voz de Dean puxou-me dos meus pensamentos. "Porra, cara, você conhece tudo agora? Você é como a porra de um GPS." Dean sorriu, depois franziu a testa em aborrecimento com os gritos abafados do idiota. "Pelo menos isso é melhor do que ser chamado fodido." Ele sorriu. "Venha, vamos embora. Este pedaço de merda está me dando dor de cabeça". Dean virou-se e eu o segui até o carro. "Você não está preocupado que alguém virá enquanto estamos longe?" Dean balançou a cabeça. "Se alguém vier, ele já estará morto e não estaremos aqui. Podemos voltar mais tarde. Não se preocupe. Eu vou ter cuidado quando nós dirigirmos de volta. Tenho certeza de que a intermitência das luzes dos carros da polícia vai nos alertar em primeiro lugar." Eu balancei a cabeça e entrei no carro. Enquanto estávamos dirigindo pela estrada de terra que tinha chegado em frente, eu olhei para Dean. "Obrigado por esta noite, Dean. Eu sei que teve um monte para você fazer, você sabe... com Tyler e tudo mais." Dean parecia preocupado por um momento, mas balançou a cabeça com um sorriso. "Os amigos são para isso, ok?" Eu olhei para ele por um momento enquanto uma questão girou na minha cabeça. Gostaria de perguntar, então apenas deixei escapar para fora, "Quando foi a primeira vez que você viu um cadáver?" Dean riu. "Merda, Jimmy, é só ir para o matar, não é?" Eu dei de ombros. "Eu só estou curioso, acho."


Dean suspirou e olhou para fora da janela. "Fui criado em uma longa linha de Scozzari. Cada membro era um criminoso. Era apenas a vida que levavam. Mas quando os meus pais me tiveram, eles queriam tentar mudar. Nós nos mudamos quando eu tinha oito anos e tentamos nos estabelecer em uma área melhor. Pouco a pouco, eles tentaram empregos, mas os laços eram muito fortes. Como você sabe, tivemos inimigos." Ele olhou para mim por um segundo antes de se concentrar de volta na estrada. "Os Pinzanos." Dean assentiu. "Os Pinzanos. Eles eram uma família rival que queria chegar ao topo. Queriam governar, mas primeiro eles queriam devorar. Eles ouviram que minha família estava tentando se afastar desse modo de vida, mas em vez de abraçar isso, eles queriam nós todos erradicados. Eles queria remover todos os últimos Scozzari, por isso nunca houve qualquer possibilidade de termos um novo futuro." "Com a minha família, havia sempre um último trabalho a fazer. Sempre alguma coisa que eles precisavam colocar fora do caminho." Ele respirou fundo e eu pude ver em seus olhos que algo ruim estava chegando. "Quando eu tinha dezesseis anos, meus pais me levaram para o clube do meu tio. Não foi grande coisa quando fui com eles. Na maioria das vezes, sentava lá e só bebia minha coca-cola e balançava a cabeça com a batida da música. No entanto, uma noite, fiquei curioso. Eu sabia que minha mãe e meu pai tinham desaparecidos no porão da casa de meu tio, então deslizei para fora do meu lugar e fiz meu caminho até lá. Eu queria saber o que eles estavam fazendo. Eu queria saber o que os meus pais realmente eram." Eu vi o aperto de Dean no volante com força, rangendo os dentes. "Eu acho que você descobriu." Dean deixou escapar um suspiro, mas seu corpo ainda estava rígido. "Meu pai estava torturando alguém enquanto minha mãe, meu tio, e os seus amigos apenas assistiam. Minha mãe estava realmente lixando as unhas como se ela estivesse entediada. Você pode acreditar nessa porra?" Ele balançou a cabeça.


"Mas então algo foi dito e a postura da minha mãe mudou. Foi então que eu sabia que ela não estava entediada. Ela estava apenas escondendo sua dor. Foda-se!" Dean bateu no volante. "Desculpe, Jimmy. É só que cada vez que penso sobre isso..." Eu coloquei minhas mãos para cima. "Tudo bem, Dean. Você não tem que me dizer mais." Dean deixou escapar um suspiro exasperado. "Está tudo bem. Eu vim até aqui." Ele olhou para mim com um sorriso apertado. "Eu não sabia da história toda até que perguntei ao meu pai mais tarde, mas o cara que vi naquela noite, o homem que meu pai estava torturando, estuprou minha mãe". Dean apertou os olhos fechados momentaneamente antes de olhar para a estrada novamente. Mesmo depois de todo esse tempo, eu não poderia culpá-lo por ficar com raiva. Eu seria exatamente o mesmo se fosse ele. "Um dos homens de meu pai os tinha traído. Ele lhes disse que o irmão de Antonio Pinzano queria se encontrar para formar uma trégua, mas ele só iria se encontrar com a minha mãe, porque ele sabia quanto de uma porra de cabeça quente meu pai era. Era tudo uma armadilha, no entanto. O homem de meu pai, aquele que foi enviado com ela para a sua proteção, estava secretamente trabalhando para eles. A Porra do irmão do Pinzano a prendeu, amarrou-a e estuprou repetidamente. Ele a enviou para casa toda contundida e machucada, ela mal conseguia andar por semanas." Eu estremeci. "Porra. Sinto muito, cara." Dean suspirou. "Foi o que aconteceu e, infelizmente, eu não posso levar isso de volta. Eu sempre tinha evitado o que meus pais fizeram. Eu sempre pensei que o lado deles era feio. Mas quando eu ouvi sobre o que ele fez com a minha mãe, a única coisa que conseguia pensar era que preferia que fosse eu ali torturando aquele filho da puta. Eu gostaria de ter a lâmina que ele o cortou. Eu desejei que meus punhos estivessem esmagando seu rosto. Naquela noite, percebi que realmente era um Scozzari. Eu sabia o que corria pelo meu sangue, e não


havia absolutamente nada que eu pudesse fazer sobre isso, porra. Eu tive que aceitar isso como meu destino". Ele parou por um minuto e sorriu. "Mas a única coisa que me manteve são, a única pureza que vivia fora de mim, era Tyler. No dia seguinte, fui para ela. Eu estava cansado e com tanta porra de raiva. Eu sabia que um olhar para ela iria tirar tudo. Eu sabia que sua inocência iria derreter a porra da feiúra que estava inevitavelmente crescendo dentro de mim." Ele riu um pouco. "Ela me perguntou onde eu tinha estado e eu lhe disse que tinha ido na casa noturna do meu tio. Bastava lembrar isso que rasgava meu interior. Mas então ela ficou com ciúmes de mim com as meninas quentes do clube. Você pode acreditar nisso?" Dean balançou a cabeça. "Se ela soubesse." Dean ficou em silêncio por um momento e balançou a cabeça, rindo novamente. "Certo então, eu não me importei sobre qualquer outra coisa, somente ela. Ela estava com ciúmes que eu estava olhando para as meninas, não percebendo nem metade. Sua inocência e beleza me surpreendeu. Eu estava dividido naquele momento. Eu queria me afogar nela e nós dois enterrarmos isso, mas eu também sabia que o meu lado que escondia longe de vista, um dia viria à tona. Eu não sabia o que diabos ia fazer em seguida, mas o lado egoísta da minha parte, necessitava dela. Eu precisava de sua pureza para manter minha cabeça acima da água. Para me manter são." Ele balançou a cabeça com uma risada. "Eu não sei se estou fazendo qualquer sentido da porra aqui, mas..." "Você está," eu interrompi. "Você está fazendo todo o sentido. Por que você acha que chamei minha Grace de „Graça de Deus‟? Ela sempre me mantinha equilibrado. Eu sempre podia contar com isso, no fim da minha merda, do dia de cão. Ela estaria lá para mim, como o meu farol de luz. Eu sempre saberia como chegar em casa." Dean riu, balançando a cabeça. "Olhe para nós... dois malditos sentimentais da porra." Meus lábios se curvaram em um sorriso. "Eu sei. Eu poderia ir sobre o meu dia torturando pessoas e não pensaria em nada disso. Eu estava acostumado


a isso pelo tempo que eu tinha deixado a SAS4. Eu tinha sido insensível. A única razão pela qual deixei era porque o dinheiro da tortura civil era muito mais rentável. Era um trabalho, puro e simples. Mas, no final do dia, eu chegava em casa a um par de braços amorosos e o momento em que ela me tocava, ela poderia pedir algo e eu daria a ela. Grace era minha tortura. Ela era a minha doce tortura." Eu fiquei em silêncio por um tempo, apreciando as memórias. "E agora? Que tal agora, Jimmy? E sobre Tara? Você certamente não vai ter todo esse problema, só porque você simplesmente se preocupa com ela. Você está apaixonado por ela, não é?" Eu balancei a cabeça. "E você sabe qual a parte mais doente em tudo isso?" Dean deu de ombros e olhou para mim por um momento. "Foi preciso hoje à noite para perceber isso. Levou seu ex-marido encontrá-la e agredi-la para eu perceber o quanto a amo. Como doente da porra que isso é, Dean? Como fodido torcido sou por ser tão cego até aquele momento? Eu estava lutando pelo que sentia por ela porque, no fundo, pensei que estava manchando a memória de Grace. Eu senti como se estivesse a traindo quando tudo o que eu estava fazendo era sempre brincar comigo mesmo. Estou bem e verdadeiramente doente da cabeça." Eu balancei minha cabeça com a ironia de tudo isso. "Você não está doente da cabeça, Jimmy. Você é humano. Grace nunca vai embora. Ela irá ser sempre uma parte de você. Mas você tem que perceber que sua saída não significa a sua felicidade com ela. Ela sempre terá um lugar especial em seu coração, mas um novo começo é preciso tomar o centro do palco agora. Tara é uma garota legal, Jimmy. Vocês são bons um para o outro. O fato de que você fez o que você fez por ela hoje à noite mostra que realmente se importa. Se você também tem que ver como realmente sentia por ela, então por que não? Às vezes as coisas boas podem sair de uma situação ruim. Não pense nisso como um sinal de ser doente da cabeça. Pense nisso como uma chamada para acordar. Você tem sonhado com tudo isso por todos esses anos com Grace em mente. Agora é hora de acordar, Jimmy. É hora de abrir os olhos."

4

SAS - Special Air Service


Eu ri um pouco em sua analogia. "Você está fazendo a sério esta merda comigo, Dean?" Dean riu. "Nah, você é demasiado de um punheteiro para isso." Girei minha cabeça para trás. "Se eu sou um punheteiro, faz de você a porra de um idiota." "Masturbador". "Saco de merda." "Chupador de Sapo". "Comedor de ovelhas". Dean puxou sua cabeça para trás e riu. "Eu poderia bater a merda viva fora de você por isso, mas isso é muito engraçado." "Baaaaa." Eu não pude evitar o riso. Ele olhou para mim com uma sobrancelha levantada e balançou a cabeça. "Será que Tara sabe a merda que sai da sua boca?" Eu levantei minha sobrancelha em descrença fingida. "Será que Tyler sabe?" Dean balançou a cabeça com uma risada. "Touché, seu pequeno filho da puta." Ele puxou para uma entrada de automóveis para uma pequena lanchonete. "Eu amo os nomes de pequenos animais de estimação que você tem para mim. Isso realmente me faz sentir querido." Dean riu e saiu do carro. Eu fiz o mesmo e nós batemos nossas portas fechadas. "Não me empurre, Jimmy." Dean balançou a cabeça novamente enquanto o segui até a lanchonete.


Uma hora depois, estávamos de volta na estrada. Era perto das três horas, por isso sabíamos que tinhamos que ser rápidos. A luz do dia estava apenas algumas horas de distância. Quando voltamos para o armazém, ele já estava morto e os ratos estavam cerca da metade dentro de seu peito. O cheiro estava maldito de horrível, mas eu estava acostumado com isso agora. Abracei-o, considerando que Tara nunca teria de se preocupar novamente. Temos de trabalhar tirando os ratos para fora e queimar a madeira que tinha sido encharcada do seu sangue. Nós embrulhamos folhas em torno de seu corpo e limpamos tudo como se não tivéssemos colocado os pés aqui. Dean colocou os ratos de volta com as barrigas cheias e nós carregamos o carro com o resto do canalha. Viajamos cerca de uma milha abaixo da estrada para a fazenda de porcos. Felizmente para nós, a casa era perto de lugar nenhum, por isso fomos capazes de derrubar o corpo para os porcos sem sermos detectados. Eu não sentia nada quando o deixei. Se eu sentisse alguma coisa, seria alívio. Alívio no conhecimento que aquele desprezível nunca mais será capaz de ferir Tara novamente. Ambos Dean e eu estávamos cansados e nossas roupas estavam manchadas de sangue, mas sabíamos que o que tínhamos conquistados esta noite, seria algo que iria fazer um mundo de diferença na vida de uma mulher. A mulher que eu passei a estar irremediavelmente apaixonado. A viagem de volta foi tranquila, mas acho que nós dois saudamos a paz. Eu estava morrendo de vontade de chegar em casa para ver como Tara estava. Eu queria ter certeza de que ela estava bem e que ela ainda me acolheria depois de saber que matei seu ex-marido. Uma parte de mim estava preocupado, mas a outra parte não se importava. Não importa o que ela pensava de mim, ela nunca terá que olhar sobre o ombro novamente. Isso é um pedaço de conhecimento que terei o prazer de viver.


Assim que entramos na garagem, e saímos do carro e caminhamos até a passagem da frente. Dean abriu a porta e rapidamente mudou o alarme. Ele balançou a cabeça e sussurrou: "Droga. Tyler não liga a porra do alarme." Ele balançou a cabeça em descrença e marchamos até a lavanderia. "Dê-me suas roupas e eu vou colocar para lavar. Eu sei que você deve estar morrendo de vontade de chegar a Tara." Ele sorriu para mim descaradamente. Eu fiz como instruído e tirei a minha boxer, entregando as roupas para Dean e hesitei. Ele viu-me hesitar e sorriu. "Vá. Agora." Ele resmungou e balançou a cabeça, mas eu não perdi mais tempo. Corri até as escadas tão rápido quanto minhas pernas poderiam me carregar e cheguei a sua porta. Eu respirei fundo e abri até encontrar a silhueta de Tara. Eu pensei que ela estava dormindo até que ela falou. "Jimmy, você está bem?" Eu balancei a cabeça com um sorriso e fechei a porta atrás de mim. "Você está machucada, mas você me pergunta se eu estou bem? Tara, isso assustou a merda fora de mim esta noite." Ouvi-a suspirar enquanto procurava por ela através da escuridão. Eu puxei os lençóis e escorreguei para a cama. Eu gentilmente coloquei meu braço atrás dela e segurei-a suavemente. Isso era tudo o que eu queria fazer toda a noite. Era tudo o que queria fazer todas as noites a partir de agora. "Eu sei e sinto muito." Eu suspirei. "Nunca peça desculpas. Está bem? Você está com dor? Você precisa de mim para alguma coisa?" Ela riu. "Não, só você estar aqui é tudo que preciso. Tyler fez realmente um bom atendimento em mim esta noite. Ela cuidou de meus machucados, me ajudou com um banho, e serviu-me um copo de Prosecco enquanto ouvia minha merda. Ela é a melhor amiga que eu poderia desejar. Ela é uma enfermeira melhor do que eu hoje à noite." Eu a senti rir contra o meu peito e puxei-a delicadamente para eu inalar seu belo perfume e suspirar.


"Eu duvido muito disso", respirei. "Além disso, por vezes, os enfermeiros precisam de cuidados também. Só queria que eu estivesse aqui para cuidar de você esta noite." Tara passou um dedo ao longo do meu braço, me fazendo tremer. "O que aconteceu hoje à noite, Jimmy?" Eu fiquei tenso e sabia que ela sentiu. "Eu não posso te dizer." Eu tinha que protegê-la. Se algum dia fosse pego pelo que fiz hoje à noite, eu tinha que ter certeza que Tara estaria a salvo. E para mantê-la segura, tinha que deixá-la na ignorância. Eu só podia dizer a ela o que precisava saber. "Mas o que eu vou dizer é isto. Você nunca mais terá de se preocupar com ele novamente." Eu beijei sua cabeça e ternamente acariciei seu rosto. "Eu prometo a você que está segura. Você entende, Tara?" Senti seu acenar com a cabeça contra mim. "Eu entendo, Jimmy. Perfeitamente." Ela suspirou e eu odiei que não podia ver o rosto dela. Ela começou arrastando o dedo ao longo do meu braço e eu sabia que estávamos bem. "Então, o que foi que você queria me dizer? Você me tem em seus braços agora, Jimmy. Você queria dizer alguma coisa, por isso, fala." Eu ri um pouco e arrastei meu nariz contra a base de seu pescoço. Eu amava seu cheiro. Ela sempre cheirava tão limpa e fresca. "Eu queria que você soubesse que preciso de você em meus braços para sempre, Tara. Eu quero cuidar e protegê-la com tudo o que resta em mim. Por quê? Porque te amo. Eu nunca pensei que iria dizer essas palavras novamente, mas é verdade. Eu te amo para caralho, isso até dói, Tara Becksworth." Por um momento ela ficou em silêncio e eu estava lá, minha respiração ficou presa violentamente no meu peito. Esperando sua resposta estava me fazendo agonizar. Por um momento, achei que ela não ia dizer nada, ou que ela iria simplesmente me desligar. Mas então ouvi ela fungando um pouco quando ela apertou minha mão. "Eu também te amo, Jimmy."


MĂşsica para os meus malditos ouvidos.


Capítulo 15 Dean Como você sabe que o que buscava era a redenção E não justa vingança? Pete Abrams

Coloquei as roupas de Jimmy e as minhas na lavadora. Eu estava cansado, verdadeiramente fodido de exausto, e a única coisa que me manteve alerta foi saber que Tyler estava no andar de cima. Sozinha. Possivelmente nua. Também possivelmente decepcionada com seu Dean. O Dean que ela sempre soube que era seu porto seguro. O Dean que agora ela rapidamente sabe que não é o menino que ela sempre achava que ele era. Eu não sabia se Tyler iria me expulsar. Ela deve saber agora por que a maçã não cai longe da árvore, mas eu não poderia me ajudar. Considero Jimmy família e quando ele se machuca, eu me machuco. Era puro instinto que me dirigiu hoje à noite, fazendo-me ir junto com Jimmy e fazer os planos que eram necessários. Se Jimmy tivesse ido por conta própria, ele provavelmente teria resultado em um monte de tiros, um monte de espancamento, um assassinato, em seguida, um carro da polícia levando Jimmy longe. Eu não podia deixá-lo ir, sabendo que seus sentimentos por Tara acabaria por levar à sua queda. Ele precisava de alguém do lado de fora olhando para dentro. Ele precisava de alguém para controlá-lo e deixá-lo saber que atacando nunca levaria ao melhor resultado. Eu queria vingança tanto quanto ele. O cara era um desprezível. Ele bateu em uma mulher. Acima de tudo, isso nunca deve ser tolerado, mas a forma como Jimmy teria ido sobre ele, teria acabado com ele na cadeia. Eu nunca poderia deixar isso acontecer.


Assim, com as roupas na lavagem e com meu rabo entre as pernas, fui lá em cima e em silêncio caminhei para dentro do quarto de Tyler. Olhei para onde ela estava deitada na cama e encarei a sua beleza por um momento. Ela estava deitada de lado, com a mão debaixo de seu travesseiro enquanto sua lenta respiração, sem sonhos, escapava de seus lábios. Seu cabelo estava em cascata pelas costas, expondo-a sua omoplata esculpida que doía para ser tocada. Isso pedia para ser beijada. Foda-me, eu queria muito isso. Eu a queria tão mal como Jimmy queria Tara, mas eu sabia que algo contradizia completamente o que disse a Jimmy hoje à noite. Jimmy pensou que ele havia se encontrado em sua Grace, mas, ele conheceu Tara. Comigo, Tyler foi a minha primeira e única. Ela sempre tinha sido. Se Tyler deixasse de existir, nada mais neste mundo me importaria mais. Era um simples fato que eu nunca poderia ignorar. Tyler foi e sempre seria minha única. Suspirando para mim mesmo, eu relutantemente me virei e fui para o chuveiro. Eu tinha sangue nas minhas mãos. Provas que preciso lavar. Mais uma vez, Tyler foi a minha pureza. Sua inocência lavou todos os meus pecados. Eu preciso ter certeza de que ela nunca via essa parte de mim. A parte que ela tinha tanto medo. E quem poderia culpá-la. Ela tinha Jeremy agora e ele sempre seria uma prioridade acima de mim. Eu aceito, porque ele é o nosso filho. Jeremy primeiro, segundo eu. Eu nunca poderia fazê-la escolher algo que era sem escolha. Nosso filho foi sua escolha. E eu não teria nenhuma outra maneira. Entrei no banheiro, fechei a porta atrás de mim, liguei o chuveiro. Eu puxei minha boxer fora, esperando o chuveiro se aquecer. Uma vez que eu sabia que estava quente o suficiente, entrei em cena e deixei a água lavar o sangue. Ele rapidamente ficou vermelho enquanto eu assistia desaparecer pelo ralo. De repente, senti os braços de Tyler em torno de mim quando a evidência ainda caía em cascata para baixo do meu corpo e no chão chuveiro. Eu imediatamente endureci quando a assisti ver o sangue. Eu me encolhi, sabendo o


que estava por vir. Este lado de mim não era o que ela queria. Ela me pediu para mudar e prometi a ela que faria. Hoje à noite, quebrei essa promessa. Prendi a respiração, esperando que ela me pedisse para sair. Eu estava esperando sua voz ecoar com raiva através do meu cérebro. Eu me preparei para isso. Por instinto, tentei protegê-la de ver a maldade que agora manchava o chão. Em vez disso, ela chocou-me, apertando os braços em volta de mim. "Está feito?" Ela simplesmente sussurrou contra meu peito. Eu não sabia o que fazer. Eu não sabia se respirar, mover ou dizer a ela que sinto muito. Eu só congelei por um momento. "Sim." Eu de repente exalei um fôlego e apertei meus braços em torno dela, com medo que ela seria tirada de mim. Tyler suspirou e meu coração doeu. "Bom", ela simplesmente respondeu, e eu não podia acreditar na porra que estava ouvindo. Será que ela não me odeia? Será que ela não acha que a trai mais uma vez? Ela não acha que eu fui contra tudo que ela já me pediu? "Tyler..." Ela me parou com o dedo em meus lábios quando olhou nos meus olhos. "Não diga nada, Dean. Por favor. Você não precisa explicar." Ela substituiu o dedo com seus macios lábios quentes, e eu me perdi. Será que ela realmente me perdoou pelo que ela sabia que devia ter feito esta noite? Ela perdoou esse lado de mim? O lado que queria fora de sua vida por amor de Jeremy? Eu concordei com ela sinceramente. Eu realmente acreditava que meus pais queriam viver uma vida normal por mim, mas eles nunca trabalharam duro o suficiente para isso. Agora eu estava carregando isso da mesma forma. Eu tinha um filho que queria proteger dessa parte da minha vida. Eu queria mantê-lo seguro a todo custo, mas tudo que fiz foi tornar-me a mesma pessoa que tinha odiado em meus pais todos os anos, e por quê? Era necessário, era importante, e era vital para manter Tara segura. Isso era o que estava me empurrando hoje à noite. Isso foi o que me manteve. Eu tinha que ter certeza que a justiça foi feita. E a porra da ironia de


tudo isso? Na minha busca por justiça, eu tinha chupado Tyler para o meu mundo. O momento em que seus lábios tocaram os meus, eu sabia que ela aceitou o fato de que eu tinha matado esta noite. Eu tinha tirado a vida de outra pessoa, e Tyler sentiu que era perfeitamente aceitável. Devo estar louco? Deveria estar perguntando o porquê? Eu não sabia. A coisa toda fodeu com a minha mente e me deixou querendo saber o que era certo e o que era errado. Por alguma razão, de repente eu me encontrei puxando para longe. "Tyler..." Eu não sabia o que dizer. Como eu poderia esconder dela? Como poderia protegê-la de mim? Eu nunca quis que ela conhecesse esse lado de mim. "Pare de se esconder de mim, Dean. Não feche esse lado de você. Eu não sou mais uma garotinha. Você não pode me proteger dos horrores deste mundo. Eu não sou estúpida o suficiente para pensar que as coisas ruins não acontecem a pessoas boas e pessoas más também têm isso quando eles fazem algo ruim." Segurei seu rosto em minhas mãos e suspirei. Carinhosamente, parei o meu polegar sobre seus lábios enquanto ela estremeceu. Como é que eu, o homem indigno de tal porra de beleza diante de mim, começa a senti-la murchar com o meu toque? "Como você me levanta, Tyler? Como você pode até olhar para mim quando sabe que tipo de homem me tornei?" Uma única lágrima deslizou por seu rosto e eu corri para capturá-la com a minha boca. Eu disse a ela que ia beijar todas as suas lágrimas e quis dizer cada palavra. Tyler sorriu. "Isso é como é." Meu coração bateu no meu peito. Como pode palavras insignificantes me tornar tão impotente? Render-me sem palavras? Me colocam completamente sob seu feitiço? Eu não sabia que ela me amava tanto. Eu só confiava que ela fazia. "O que isso significa, Tyler?" Eu tinha que perguntar. Eu tinha que saber o que ela estava pensando. Ela olhou para mim com tal adoração e muito temor


em seus olhos, mas eu havia me tornado um monstro. Era apenas quem eu era, quem estava tentando fugir, que nunca conseguia escapar. Tyler fechou a distância e colocou as mãos nos meus braços. Ela se aconchegou no meu pescoço e inalou como se ela estivesse tentando saborear meu aroma. Finalmente, ela olhou para mim com um sorriso tão suave, que quase me tirou o fôlego. "Isso significa que quero você aqui comigo. Isso significa que preciso de você aqui comigo. Eu o perdi uma vez, Dean. Eu não posso te perder de novo. Eu não tenho como negar isso para mim por muito tempo. Sem você, não sou eu mesma. Isso não é uma vida que quero viver. Isso é uma vida que não posso suportar." Seus olhos verdes estavam cheios com lágrimas, fazendo a cor se destacar como uma estrela brilhando. Ela era tão linda. E ela era toda minha. "Eu nunca vou deixar você ir." Ela assentiu com um suspiro. "Eu sei, Dean. Eu sei. E, pela primeira vez, posso admitir que não quero que você me deixe ir." Puxei-a em meus braços e ferozmente a abracei. Eu não queria levá-la, apesar da fúria de tesão que agora pressionava em sua barriga. Eu queria senti-la perto por um momento. Banhá-la, adorá-la como eu sabia que ela merecia ser adorada. "Isso significa que tenho que acordar com você em meus braços amanhã? Isso significa que posso chegar a ser acordado por nosso filho e fazer panquecas enquanto você está deitada na cama?" Senti Tyler rir na dobra do meu pescoço. "Sim", ela simplesmente sussurrou. "Eu adoraria isso." Então eu a banhei e ela me banhou. Nós levamos tempo um com o outro, então fui para a cama, Tyler envolta em meus braços. Nós fizemos amor naquela noite. Não era o sexo com raiva que eu sabia que Tyler amava às vezes. Desta vez, sabia que ela queria tomar o nosso tempo. Ela queria a lenta, agonizante paixão a chiar e transbordar. E eu não terminei até que ouvi meu nome várias vezes antes dela cair nos meus braços. No momento em que


tinha terminado, Tyler estava dormindo, era de manhã, bem e verdadeiramente sobre nós, e eu podia ouvir o suave toque de pés minúsculos quando o trinco do quarto de Tyler de repente se abriu. No início, meu coração estava na minha boca, porque não sabia como Jeremy iria reagir a eu estar no quarto de Tyler, em sua cama, dormindo ao meu lado. Com um dedo nos meus lábios, eu agarrei a minha camiseta ao lado da cama e deslizei sobre a minha cabeça. Jeremy apenas ficou lá com seu pequeno pijama do Homem-Aranha. Seu cabelo loiro estava revolto de sono quando ele inclinou a cabeça para um lado, me observando. Eu não poderia dizer de olhar para ele, como ele sentia por ver-me lá. Eu tinha ficado lá antes, sim, mas sempre tinha feito sexo com Tyler e depois dormir no quarto de hóspedes. Mas era onde Jimmy e Tara estavam agora. Eu estava armado com uma desculpa, mas com diria isso ao meu filho? Agarrando sua mão, levei nós dois para fora do quarto e fechei a porta suavemente. Eu estava exausto depois de ontem à noite, mas disse a Tyler que gostaria de fazer as panquecas do nosso menino de manhã. Tornava-se um ritual diário agora. Uma vez que chegamos lá embaixo, peguei Jeremy e o coloquei na ilha da cozinha. Eu sorri para ele e baguncei seu cabelo um pouco. "O que vai ser esta manhã, grandão, ou que eu preciso perguntar?" Jeremy ficou ali sentado, balançando as pernas um minuto antes de falar: "Você estava com a mamãe na cama." Porra. Eu pensei que tinha acabado com isso. "Erm, sim. A coisa é, Tara teve um acidente na noite passada e ela está ficando no quarto de hóspedes com Grande tio Jimmy". Jeremy engasgou um pouco. "O que aconteceu com Tara?"


Eu coloquei seu rosto em minhas mãos. "Não se preocupe com Tara. Ela está bem. Sua mãe e Jimmy ajudaram a cuidar dela na última noite. Ela caiu e se machucou, mas ela vai ficar melhor." Eu odiava mentir. Eu usei a mesma porra de desculpa esfarrapada que as mulheres usavam para proteger seus maridos abusivos que tinham acabado de bater nelas, mas Jeremy precisava ser protegido deste lado feio do mundo. Agora, tudo o que precisava saber era que ele estava cercado por pessoas que o amavam, e que o Papai Noel o visitaria a cada Natal. E mal podia esperar para estar perto para ver o Natal. "Eu não gosto quando caio e me machuca. Eu recebo um dodói e dói como o inferno." Eu levantei minha sobrancelha para ele. "Você acabou de usar uma palavra feia?" Jeremy riu e acenou com a cabeça, então eu fazia cócegas nele. Ele riu com seus braços e pernas violentamente acenando ao redor, mas segurei firme até ouvi-lo tentando recuperar o fôlego. Eu parei, e Jeremy riu um pouco mais. Uma vez que ele se acalmou, olhou para mim um momento. "Você vai se casar com a mamãe agora?" Meus olhos se arregalaram e eu recuei. Casar-me com Tyler era tudo que sempre quis fazer desde que eu era pequeno, fodido e magro. Eu sorri e balancei a cabeça. "Eu não posso me casar com sua mãe ainda." Jeremy franziu a testa e um pouco de ruga formou no topo da sua cabeça, fazendo-o parecer com Tyler. Isso fez o meu coração inchar e minha barriga dançar. Cara, eu estava me transformando em uma porra de garota. O que havia de errado comigo? "Por que não?"


Eu sorri para Jeremy e belisquei seu nariz. "Bem, você vê, há uma pessoa que preciso perguntar primeiro antes que eu possa casar com sua mãe. Eu estava sob instruções estritas." Eu vi Jeremy inspirar e estava prestes a falar quando algo chamou sua atenção. Virando-me, eu vi Tyler esfregando os olhos sonolentos enquanto ela desfilava suas pernas longas e sedosas para a cozinha. Ela nunca deixava de me fazer querer ela tudo de novo. Tinha sido apenas um par de horas desde que eu tinha suas pernas em volta de mim, mas ansiava por ela novamente. Eu precisava dela novamente. É especialmente não ajudava que estávamos no coração do verão, porque tudo o que tinha era sua parte superior da camiseta e um par de short muito curto. Ela era como um ímã do caralho. Eu era seu negativo e ela era meu positivo. "O que temos aqui?" Ela sorriu para a cena e eu poderia dizer que o sorriso que ela deu foi um de pura felicidade. Ela adorava que parecia ser uma família e eu ia fazer tudo ao meu alcance para dar a ela o que ela queria. "Tara caiu e ela fez um dodói. Eu não gosto de dodói, mamãe. Você beijou os dodói de Tara?" Ela riu, mas eu poderia dizer que havia uma pitada de tristeza em seu riso. O que aconteceu na noite passada afetou todos nós. "Eu fiz, mas ela vai sentir um pouco de dor por um tempo. Você está bem com ela ficando aqui até que fique melhor, não é?" Ela olhou para mim brevemente antes de lançar seu olhos de volta para Jeremy. "Tara é uma enfermeira e enfermeiros ajudam as pessoas a ficarem melhor." Tyler assentiu. "Isso mesmo." "Então Tara precisa de ter alguém para cuidar dela agora. Ela está sempre ajudando outras pessoas. Agora é a sua vez. "


Eu estava tão orgulhoso de chamar Jeremy de meu filho, mais ainda agora. Para alguém que ainda estava com quase quatro, ele era tão sábio. Ele era o meu pequeno campeão. Tyler tinha lágrimas em seus olhos quando ela balançou a cabeça com um sorriso. "Sim, isso mesmo. Tara precisa ser cuidada por um tempo". Jeremy assentiu. "Então Tara fica e nós colocamos os pedaços juntos novamente." Nós todos sorrimos por um momento, em seguida, Jeremy fez uma careta. "Isso significa que o grande tio Jimmy pode ficar também?" Seus olhos de repente se iluminaram. Eu acho que não havia como negar que ele gostava de ter Jimmy redor. Tyler assentiu. "Jimmy cuida muito de Tara, então acho que ele vai querer ficar. É justo". Jeremy levantou as mãos e aplaudiu. "Eu vou ter duas mamães e dois papais". Em estado de choque, Tyler e eu olhávamos um para o outro. Eu acho que nós sabíamos que o tempo para dizer-lhe ia ser em breve, mas também sabíamos o quão difícil poderia ser. E se a verdade acabasse com ele me odiando? Eu não poderia viver com isso. Ele pode me culpar por não estar com ele todo esse tempo, e eu teria que concordar com ele. As circunstâncias que o rodeiam foram além do meu controle, mas não havia forma de explicar isso para Jeremy. Toda a situação era fodida. Uma vez que o choque passou, Tyler bagunçou o cabelo de Jeremy e sorriu. "Eu suponho que você está certo. Que sorte você tem?" Ela piscou para Jeremy e ele riu. "Posso ter panquecas agora?" Nós dois rimos. "Estão indo, grandão." Eu pisquei para ele e fui direto trabalhar nas panquecas. Engraçado como algo tão pequeno poderia tornar-me o mais feliz, porra de idiota vivo.


Capítulo 16 Tyler É engraçado como deixar ir poderia fazer você se sentir o maior alívio da vida. Foi assim que eu me sentia agora. Era como me sentia quando percebi que não importa o quê, eu não podia deixar Dean ir. Foi a preocupação de ontem à noite. A jogar e virar na minha cama, a agonizante espera, o alívio de ouvir Dean ligar o chuveiro quando ele entrou. Ele estava tentando ser tão suave, para não me acordar, mas como eu poderia dormir quando ele estava lá fora, fazendo o que eu sabia que ele estava fazendo? Eu não era cega. Eu não sabia os detalhes e nem queria. Eu apenas senti alívio por Tara, o alívio que isso trás, e o imenso alívio de finalmente ceder a ele. Quando o vi no chuveiro, com a cabeça pendurada para baixo, tudo o que eu queria fazer era envolver meus braços ao redor dele. Quando fiz, eu vi o sangue. Dean tentou me esconder longe dele. Mesmo depois de todo esse tempo, ele estava tentando me proteger do mundo exterior feio. Isso me frustrou, isso me fez sorrir. Acima de tudo, isso me fez amá-lo ainda mais. Eu deveria ter ficado chocada com a visão do sangue, mas eu sabia que não era de Dean, e em vez de ficar chocada, a única emoção que sentia era alívio de saber que Tara estava finalmente livre e ela nunca teria que olhar por cima do ombro novamente. Naquela noite, depois que tinha comido o jantar, todos nós nos sentamos ao redor com um copo de vinho. Jeremy tinha sido muito atencioso com Tara hoje. Depois do choque inicial de ver suas contusões, ele beijou cada uma e não tinha deixado seu lado durante todo o dia. Ele estava sendo o enfermeiro que Tara era em uma base diária. Ele me deixou tão orgulhosa, e eu poderia dizer que ele fez Dean orgulhoso também.


Dean estava atualmente perseguindo Jeremy ao redor da sala. Ele tinha acabado de tomar banho e deveria estar se preparando para dormir. Em vez disso, Dean estava enrolando ele e eu pensei que ele nunca iria se acalmar. A quantidade de aplausos, risos e gritos fazia meus tímpanos quase explodirem. Foi no momento em que encontrei Dean no chão, com as pernas no ar e um Jeremy voando no topo de seus pés que tive que intervir. "Será que vocês, crianças podem parar esta bagunça?!" Eu tive a minha mão no meu quadril para uma boa medida. Dean piscou e me deu o seu sorriso digno de um desmaio. Desgraçado! "Não seja um desmancha-prazeres. Estamos nos divertindo." "Sim. Não seja um desmancha-prazeres, mamãe." Jeremy riu e eu bufei. Voltei-me para Dean. "Não faz muito tempo que ele comeu. Você vai fazer ele..." E, então, aconteceu. Jeremy vomitou no pescoço e peito de Dean. Eu poderia ter gritado eu avisei, mas, em seguida, Jeremy fez beicinho e subiu as escadas correndo. Eu estava prestes a ir quando Dean me parou. "Eu vou cuidar disso. A culpa foi minha. Sinto muito." Ele parecia que sentia tanto, que eu não poderia ficar brava com ele. Em vez disso, corri para o banheiro, molhei uma toalha, e voltei correndo, vendo Dean tirar a camisa. era totalmente inadequado para eu me embasbacar com o peito liso, impecável agora, mas não poderia me ajudar. Eu era uma merda de uma viciada, sempre que Dean estava por perto. "Obrigado." Ele olhou para mim, depois limpou-se. Uma vez terminado, ele entregou a toalha de volta. Nós não dissemos uma palavra, mas às vezes um certo olhar fala muito. Dean limpou a garganta. "Vou subir e cuidar de Jeremy. Vou descer o mais rápido que puder." Eu balancei a cabeça e vi quando ele subiu as escadas correndo. Enquanto eu caminhava de volta para a cozinha, peguei Jimmy carinhosamente


acariciando o rosto de Tara. Tara passou todo tímida, então engasgou quando ela sabia que eu a peguei. "Aww, não é tão doce?" Eu fiz beicinho como uma menina e fiz sons de beijo. "Uh-uh, Tyler. Não me fale sobre você, minha amiga." Ela jogou as mãos no ar e gritou: "Dean, me bate. Dean, agarre minha bunda. Dean, puxe meu cabelo. Oh, Dean, beije-me, seu sexy filho da puta!" Agora foi a minha vez de suspirar. "Quando no inferno...?" Eu tentei pensar em quando ela podia ter ouvido. A única vez que eu conseguia pensar era quando Jeremy estava em uma festa na última semana, e apesar do fato de Jimmy e Tara estarem aqui, Dean e eu ainda não conseguimos esperar para chegar em nossas mãos um do outro. Eu coloquei minha cabeça em minhas mãos e Tara riu. "Aha, agora ela se lembra." "Oh, Deus!" Jimmy começou a rir. "Não se preocupe com isso, Tyler. Seu segredo está seguro com a gente." Olhei para cima e sorri para ele, mas eu ainda me sentia totalmente mortificada. Eu realmente tinha que aprender a me controlar, mas como poderia, quando o homem dos meus sonhos satisfazia todas as minhas fantasias? Isso só parecia fora do meu controle. Mordi o lábio quando me sentei. "Eu não sabia que era tão alto." Tara fez um som soprando e, em seguida, olhou para mim. "Err... sim." Ela riu um pouco, e olhei para ela. Ela estava se curando bem, mas ainda era difícil vê-la sabendo que o monstro que ela sempre pensou que era o amor de sua vida tinha batido nela. "Como está se sentindo, Tara?"


Ela suspirou e olhou para Jimmy com um sorriso. "Estou bem. Eu vou chegar lá, suponho." Eu ainda podia ver sua dor. Ela escondia bem, mas por baixo daquele exterior duro era uma mulher que só queria ser amada. E ela era. Quando Jimmy tinha saído, Tara e eu corremos para um banho nela, ela me contou tudo sobre sua gravidez. Eu não sabia nada sobre isso até então. Seu escroto marido queria um filho, mas Tara não estava pronta. Foi então que as coisas azedaram entre eles. O marido amoroso que uma vez começou a bater nela, escondeu suas pílulas de controle de natalidade, e a mantinha trancada em seu quarto por três semanas inteiras e repetidamente a estuprou. De qualquer jeito, ela tinha esperança de que não ficasse grávida. Por outro lado, ela esperava que estivesse porque sabia que ele estava disposto a fazer tudo de novo se ela não estivesse. Quando o inevitável aconteceu, ela teve que fingir estar feliz. Depois de algumas semanas, ela conseguiu convencê-lo que ela estava em êxtase. Ele finalmente acreditava nela, a deixou sozinha, nem sequer começou cuidar dela, mas era tarde demais. Ela não queria uma vida criada pela violência. Ela não queria trazer uma nova vida a seu mundo. Ela disse que não era justo para o bebê. Ela chorou e eu a confortei. Ela se sentiu mal por isso. Ela sentia que tinha cometido assassinato, mas foi apenas as palavras de seu ex-marido que flutuava em torno de sua cabeça. Ela fez sua escolha por uma razão e eu realmente esperava que, um dia, ela iria receber tudo o que ela merecia e mais. Eu esperava que Jimmy seria uma parte disso, mas se eles foram feitos para ser, eles foram destinado a ser. Tara limpou a garganta. "Eu estava pensando que poderia ir para casa amanhã. Eu não quero me aproveitar da sua hospitalidade." Colocando minha mão em seu braço, eu balancei minha cabeça. "Não, você não faz isso, Tara. Eu não vou ouvir nada desse disparate. Eu quero que você fique aqui até que esteja realmente pronta." Eu olhei para Jimmy. "Não é isso, Jimmy?" Ele sorriu e acenou com a cabeça. Tara apenas suspirou.


"Escute, eu gosto de ter você aqui, assim como Jeremy e Dean. Não há dúvida de que Jeremy estará chamando você de tia Tara em breve." Eu ri, pensando em como doce Jeremy era. Se ele realmente gostava de você, ele sempre o chamava como tia ou tio... além de Dean, claro. Eu não sei onde diabos ele conseguiu D.D. "Eu nunca fui uma tia antes, então adoraria isso. Você tem muita sorte de tê-lo, Jessica. Eu aposto que você está muito orgulhosa." Eu sorri e acenei. "Eu definitivamente estou." Só então, ouvi uma batida na minha porta. Minha postura pegou quando olhei para a porta, então de volta para Tara e Jimmy. Dei de ombros e Jimmy imediatamente ficou tenso, correndo para a porta. Corri atrás dele e tentei espreitar por cima do ombro enquanto ele empurrou a cortina de lado. Uma vez que Jimmy estava satisfeito, ele colocou a cortina e olhou para mim com um sorriso. "Quem é, Jimmy? Diga-me!" Ele começou a rir. "Eu vou apreciar isto." "O quê?" Jimmy não disse nada, então eu bufei em sua direção e abri a porta. Eu desejei que eu não tivesse feito. Cara, eu desejei que não tivesse. "Tyler, porque você não está respondendo a nenhuma das minhas ligações? Eu ouvi sobre você e Evan. Por favor, não me diga que é por causa dele?" Oh merda. Eu sabia que teria de encarar essa música um dia, mas não estava pronta agora. Meus pais iriam ficar loucos quando perceberem que Dean estava aqui e é uma parte muito importante da minha vida agora. Suspirei e abri mais a porta assim minha mãe e meu pai poderiam entrar. Quando eles caminharam para dentro, ambos perceberam que eu tinha companhia. "Boa noite, Sr. e Sra O'Shea."


Limpei a garganta. "Mamãe, papai, este é Jimmy, e eu acho que vocês já conhecem Tara." Ambos sorriram. "Sim, eu me lembro de você, Tara. Você é uma enfermeira do hospital. Minha querida, o que aconteceu com você?" Minha mãe foi até Tara e colocou uma mão em seu braço. Tara sorriu timidamente. "É uma longa história, mas estou bem." Ela olhou para mim, então de volta para a minha mãe. "Eu acho que é melhor deixar vocês terem alguma privacidade." Tara saiu, mas Jimmy ainda estava lá com um grande sorriso no rosto. "Jimmy!" Jimmy saltou, o que foi muito engraçado ver, considerando seu tamanho. Eu poderia dizer que ele queria ficar, mas não havia nenhuma maneira no inferno que ele ficaria assistindo o "O‟Shea Show". Tara gritou o nome dele novamente e Jimmy suspirou. "O dever me chama. Vou deixá-los a sós." Ele sorriu e, relutantemente, afastou-se. "Venha aqui, abóbora." Meu pai correu e me tomou em seus braços. "Por que você esteve evitando-nos?", ele sussurrou em meu ouvido. Eu endureci e olhei para a minha mãe, mas ela tinha os olhos fixos em outra coisa... ou alguma outra pessoa. "É por isso." Ela apertou os dentes e olhou para Dean enquanto descia a escadas. Minha mãe estava prestes a gritar, mas Dean levantou a mão. "Por favor. Eu acabei de colocar Jeremy para dormir. Eu sei que você..." "O quê? Você sabe o que?" Minha mãe estava ficando num alvoroço. Ela se virou para mim. "O que é isso, Tyler? Explique." Eu sabia que ela ia dizer isso, mas merda essa era a cereja no topo. "Erm." Eu não sabia o que dizer em primeiro lugar. Minha língua estava toda torcida na minha boca. Eu sabia que essa conversa estava chegando, mas certamente não esperava que fosse agora. Sentindo a minha inquietação, Dean veio correndo e colocou um braço sobre meu ombro. As narinas da minha mãe


estavam queimando, o que provavelmente não era o melhor dos sinais, mas sabendo que Dean estava lá para apoiar-me, me dar força. "Eu sei que você deve estar com raiva...", comecei. "Com raiva?" Minha mãe cuspiu. "Por que diabos eu iria ficar com raiva, Tyler? Este homem, que tem um braço em torno de você, há perseguiu por anos, invadiu sua casa, e você ficou com tanto medo que teve que fingir sua própria morte e se mudar para milhares de milhas de distância. Por que eu iria ficar com raiva sobre algo assim?" Dean colocou a mão para fora em um gesto calmante. "Sra. O'Shea, sei que esta é uma responsabilidade muito grande, mas eu nunca, nunca iria machucar sua filha. Ela é minha prioridade número um. Ela sempre foi." Minha mãe bufou. "Você ouve isso, Derren? Aparentemente, o cara que assustou a nossa filha até a morte e fez com que ela rompesse com sua família, nos diz que Tyler é sua prioridade número um. Isso não é suave?" Meu pai estava prestes a responder, mas Dean interrompeu, "Eu estraguei tudo, mas vou fazer tudo em meu poder para fazer as pazes com Tyler. Para tentar fazer as pazes com vocês." Minha mãe cerrou os punhos. "Você é perigoso, Dean. Você sempre foi. Você tem seguido os passos de seus pais, e agora está trazendo isso a porta da minha filha. Como você pôde?" Dean olhou para o meu pai por um momento. Ele não estava dizendo nada, o que ele quis dizer com clareza não era tão irritado como minha mãe agora. Eu esperava que tinha um aliado nele, mas não estava muito certa onde minha mãe estava preocupada. "Eu terminei com essa vida, Sra. O'Shea. Isso nunca foi onde eu queria ter nascido em primeiro lugar. Eu não posso fazer nada com o que meus pais eram".


Minha mãe balançou a cabeça em consternação. "Não, mas você poderia ter ajudado a maneira que você tratou Tyler. Você poderia ter sido o homem mais corajoso e apenas a deixado sozinha." Dean assentiu. "Você está certa, Sra. O'Shea. Você está certa. Mas há uma coisa que você está errada. Eu amo Tyler. Eu não posso respirar sem ela. Você não pode ver isso agora? Será que você não viu quando éramos crianças? A maneira que eu olhava para ela? Era quase como se eu não podia ver, a menos que meus olhos encontrassem os dela. Isso não importa, não é? Meus pais sempre ficaram no meu caminho de amar sua filha, porque selei o meu destino. Não importa o que eu fazia, você sempre escolhia Ian. Olhe o que ele fez com ela." Minha mãe respirou fundo. "Não se atreva a trazê-lo para isso, Dean. Eu posso admitir que estava errada sobre Ian, e que eu empurrei Tyler em direção a ele, em vez de você, mas só porque pensei que ele realmente a amava. Só porque pensei que você iria trazer perigo para ela. Eu não sou estúpida. Eu sei que ela sempre privilegiou você sobre ele, mas agi sobre os interesses da minha filha. Eu sempre farei e sempre amarei. Só porque ela é uma adulta, não me impede de ser uma mãe." Sua voz quebrou um pouco e eu sabia que era a minha vez de entrar em cena. Agarrando sua mão, apertei um pouco. "Toda a minha vida, você tentou fazer escolhas por mim." Minha mãe abriu a boca para falar, mas apertei a mão dela novamente. "Está tudo bem, mãe. Eu sei a razão do por que e eu realmente a amo por isso. Mas você tem que perceber uma coisa. Eu ficava miserável quando você me empurrava para Ian, e eu fiquei de coração partido quando Dean me deixou. Eu me apaixonei por ele no momento em que o conheci. Isso nunca mudou para mim. Isso nunca vai mudar para mim. Eu sei que você está com raiva que me sinto assim. Você está com raiva que Dean foi a causa de eu fugir todos esses anos, mas tudo que sempre fugi foi dos meus sentimentos. Dean nunca me deixou, mãe. Ele estava sempre aqui." Eu coloquei a mão no meu coração. "Ele nunca deixou. E me pedindo para ficar sem ele é como me pedir para ficar sem as coisas fundamentais que me mantêm viva. Apesar de tudo que ele fez, eu o amo." Olhei para Dean e sorri através das minhas lágrimas. "Eu o amo." Olhamos um


para o outro por um par de segundos e eu estava perdida naqueles profundos olhos azuis. Minha mãe se separou de repente, jogando as mãos no ar. Elas vieram para baixo, aplaudindo contra suas coxas enquanto ela balançou a cabeça. Ela afastou-se e sentou-se no sofá. Meu pai foi se juntar a ela, e colocou a mão sobre a dela e olhou para nós. "Você tem que entender o quanto isso afeta a sua mãe, Tyler. Todos os dias, ela se tortura, perguntando se você está segura... querendo saber se você está feliz." Suspirei e me senti como uma merda. Eu sabia que minha mãe cuidava de mim profundamente, e sabia que meus pais fariam qualquer coisa por mim. Eu tinha sido verdadeiramente grata, mas eles precisavam entender uma coisa. "Eu sinto muito. Eu sei que vocês estão apenas sendo pais, e eu serei eternamente grata por tudo que vocês fizeram por mim, mas tenho que ser honesta. Eu nunca fui feliz. Eu não tenho sido feliz desde que tinha dezesseis anos. Estou feliz agora. Agora que aprendi a deixar ir o passado, eu me sinto eufórica. Eu não sei onde, hoje, amanhã, ou no dia seguinte vai me levar, mas se Dean está comigo, isso é tudo que importa." Eu vi a resolução nos olhos de meus pais. Eu odiava dizer isso, mas eu tinha que ser honesta. Eu precisava que eles soubessem. "Quando Dean foi embora, eu chorei em meu travesseiro todas as noites durante mais de um ano." Minha mãe olhou para mim com lágrimas nos olhos. "Eu nunca disse a ninguém como me sentia, porque sabia que estava sozinha. Eu não podia falar com ninguém." Eu senti Dean apertar meu ombro enquanto ele me ofereceu um sorriso gentil. Eu poderia dizer que isso o afetou, mas ele precisava ouvir isso, também. Ele precisava ver que eu tinha sempre sido a garota que ele se apaixonou. Essa parte de mim nunca tinha mudado. "Cada vez que o telefone tocou, meu coração pulava na minha boca, esperando que fosse Dean. Cada vez que a campainha tocou, uma carta viria, ou um ruído soaria contra a minha janela, eu sempre esperei e rezei que fosse Dean".


Meu pai disparou. "Eu suspeitava que algo estava acontecendo em seu quarto." Oops, isso foi um deslize. Eu suspirei. "Sim, Dean costumava subir até minha janela, mas era só para ficar comigo. Ele nunca... ", eu desviei o olhar por um momento, sentindo meu rosto ficar vermelho, "me tocou. Ele sempre esteve esperando por mim." Minha mãe colocou as mãos no rosto e balançou a cabeça. "Isto é um pesadelo." Ela olhou para cima. "Eu já entrei em um pesadelo." Dean deu um passo adiante. "Sra. O'Shea, eu nunca faria mal a sua filha. Eu prometo." Minha mãe bufou. "Muito tarde, Dean. Você já fez. E o que aconteceu com Ian? Eu não acredito nem por um segundo que ele fugiu, para nunca mais voltar. Não houve uma única palavra dele desde aquela noite". Eu vi as narinas de Dean incendiaram. "E você se importa... por quê? Você percebe o que ele fez com Tyler? Você percebe o tipo de monstro que ele era o tempo todo?" Minha mãe olhou. "E eu suponho que você está mais branco que o branco, Dean?" Ele franziu os lábios por um momento, respirando fundo. "Eu nunca fingi ser nada além do que sou. Eu não estou orgulhoso do que me tornei, e certamente não estou orgulhoso da dor que causei a Tyler. Minhas intenções com ela sempre foram honradas. Foi apenas o que Ian fez, que me fez acreditar que ela tinha me traído. Eu estava errado. Eu era patético e sempre estarei triste pelo que fiz para ela. Eu sempre vou amá-la e prometo protege-la todos os dias até o meu último suspiro. Eu nunca vou permitir que nada aconteça com Tyler. Ela é meu mundo, e nada pode tirar isso de mim." O olhar de minha mãe era resoluto. "O que aconteceu com Ian, Dean?" Ela então olhou para mim e eu rapidamente desviei os olhos. "O que aconteceu?"


Dean suspirou. "Ian foi embora e nunca vai ter a chance de machucar Tyler novamente. Eu posso prometer-lhe isso." Minha mãe suspirou. "Você o matou." Eu estava prestes a responder quando ela olhou para mim. "E você quer viver com um homem que vive sua vida deste jeito? Você quer trazer Jeremy para este estilo de vida? Eu pensei que era por isso que você fugiu." Dean respirou fundo e estava prestes a responder quando coloquei minha mão em seu braço. "Eu fugi por causa disso, mas não posso mudar a maneira como me sinto. Eu não posso mudar o fato de que durante toda a minha vida, Dean foi o único homem que eu amei." Eu olhei para o meu pai e sorri. "Além de você, pai." Ele sorriu de volta, mas minha mãe ainda não estava feliz. "Você não entende como estar com ele coloca todos em perigo?" Dean deu um passo adiante. "Eu entendo completamente as suas preocupações, Sra. O'Shea, mas eu terminei com essa vida. Tyler e Jeremy são as minhas prioridades agora. Eu estou deixando essa vida para trás e não dando-lhe um segundo olhar." Minha mãe deu de ombros. "Então você está indo arrumar tudo na Inglaterra e mudar para cá para ficar com Tyler e Jeremy." Dean assentiu. "Sim. Eu vou para onde Tyler for. Eu sempre vou." Dean sorriu para mim e colocou um braço em volta de mim. "Não brinque com essas coisas, Dean. Isso ainda não muda o fato de que você machucou minha filha profundamente. Você não viu a dor que tinha em seu olhar naquela noite que ela veio até mim, depois de tudo o que aconteceu. Você levou minha filha para longe de mim. Você tirou minha chance de ver meu neto crescer a cada dia. Você sempre foi a causa de tanta destruição e sofrimento." Minha mãe colocou a cabeça para baixo, com tristeza. Dean apertou meu ombro um pouco. Eu não tinha certeza se era para mim ou se confortar a confissão de minha mãe que estava afetando ele.


"Eu sei que você não vai acreditar em mim, mas todos os dias desde aquela noite, eu tenho me punido mais uma e outra vez. Viver com o que tenho feito é nada menos do que insuportável para mim. Eu nunca vou me perdoar por tratar Tyler da maneira que fiz, então eu entendo completamente que você se sente do mesmo jeito. A única coisa que posso dizer em minha defesa é que amo Tyler e Jeremy. Eu vou proteger eles até meu último suspiro, e não acho que você nunca vá encontrar outro homem lá fora que sinta isso tão fortemente como eu faço com eles. Eles são a minha vida. Jeremy é a minha carne e sangue, e eu vou fazer o que for preciso para mantê-los seguros". Meu pai suspirou. "Não há como negar isso, Dean. Eu posso dizer como você se sente sobre Tyler. Eu tenho visto isso na sua cara desde que você era um menino, mas você pode entender como teríamos dúvidas. Você pode entender como nos preocupamos com a nossa filha... e nosso neto." Dean assentiu. "Nem precisa dizer, Sr. O'Shea. Francamente, eu não iria querer isso de nenhum outro jeito. Mas, como disse a Tyler há pouco tempo, vou fazer qualquer coisa e tudo o que ela pedir. Eu vou cumprir tudo e qualquer coisa que vocês pedirem... exceto deixar Tyler ir. Eu não posso parar de amá-la, e eu serei amaldiçoado se deixá-la ir novamente. Tyler é o meu oxigênio. Eu simplesmente não posso viver sem ela". Meu pai olhou para Dean, por um momento, depois olhou para mim. "E você se sente da mesma maneira?" Eu balancei a cabeça. "Claro. Eu sempre fiz, pai. Compreendo que isso vai levar tempo para ajustar e curar, mas não vou ser capaz de curar sem ele. Eu só estou esperando, com o tempo, vocês começarem a ver isso também". Meu pai balançou a cabeça resolutamente. Ele parecia triste e eu odiava isso. "Então não há mais nada para discutir aqui." Ele olhou para a minha mãe. "Clara, eu acho que nós temos nossas respostas. Não há mais nada que possa ser feito."


Minha mãe olhou para cima em choque. "Mas... mas... como você pode dizer isso? Ele traz perigo para a nossa família. Perigo para todos nós! Ele seguiu a nossa filha, a atormentava há anos, e só Deus sabe como ele conseguiu isso!" Eu desviei o olhar. Eu nunca poderia explicar-lhes as circunstâncias sobre a concepção de Jeremy. Pareceu-me um pouco sórdido para mim. Como eu poderia explicar o que se passou entre nós todos esses anos? "Mãe, por favor, não se aborreça. Eu sou uma mulher adulta agora. Eu preciso tomar minhas próprias decisões." Minha mãe estava prestes a falar, mas meu pai tocou nela, "Ela está certa, Clara. Tyler é uma mulher adulta, com uma família própria para cuidar. Ela tem que tomar suas próprias decisões, e nós temos que confiar que ela está fazendo o melhor." Minha mãe suspirou, levantou-se e sacudiu a cabeça. "Eu não acredito nisso." Ela correu para fora da porta sem olhar para trás. "Obrigado." Dean sorriu para o meu pai. Meu pai olhou para ele com uma expressão severa. "Isso não significa que estou feliz com isso, Dean. Se você fizer a minha filha feliz, quem sou eu para tentar tirar isso dela? Mas, porra, se você sequer respirar com ela na direção errada, vou te caçar e matar você. Você entendeu?" Meus olhos se arregalaram em choque. Eu nunca tinha visto meu pai assim antes. Foi ainda a primeira vez que eu o ouvi xingar. "Mensagem recebida alto e claro, Sr. O'Shea. Eu prometo a você que nunca tem que se preocupar com isso. Eu adoro o chão que sua filha pisa". Meu pai concordou. "Bem, apenas certifique-se de mantê-lo dessa maneira." Dean balançou a cabeça e meu pai se virou para mim. "Agora, tenho algum controle de danos para cuidar." Ele me deu um pequeno sorriso e se virou em direção à porta.


Uma vez que ele estava lá, eu o interrompi. "Eu sei que é difícil para vocês, mas estou mais feliz agora do que já estive em um longo tempo." Meu pai gentilmente colocou o dedo embaixo do meu queixo e me deu um sorriso triste. "Eu sei disso, abóbora. Eu só não quero ver você se machucar." Eu sorri de volta. "Eu sei, e sinto muito que estou colocando você nisto..." Eu olhei para longe. "Hey." Meu pai puxou minha cabeça para trás para olhar em meus olhos. "Como você pode sentir muito por se apaixonar? Você não pode forçar seus sentimentos, Tyler. Estou triste que tudo aconteceu da forma como o fez. Talvez se não tivéssemos empurrado você..." "Não comece, pai." Eu ri e ele riu de volta. "Todos nós podemos ficar por aí dizendo se, mas nunca vai resolver nada. Isso nunca vai parar o resultado com Dean e eu". Ele balançou a cabeça com um sorriso. "Eu entendo." De repente percebi que não tinha ideia de quando eles chegaram ou quanto tempo eles estavam hospedados. "Quanto tempo você estão aqui?" Meu pai suspirou. "Nós realmente não temos trabalhado nisso ainda. Eu acho que sua mãe quer ver Emily antes de voar de volta." Eu balancei a cabeça com um sorriso triste. "Ei, não se preocupe com isso, Tyler. Dê-lhe tempo. Ela só precisa se ajustar. Acho que nós dois precisamos." Eu balancei a cabeça novamente e o abracei. "Obrigada, pai. Eu sinto sua falta e penso em vocês todo o tempo." Eu inalei o perfume em seu peito e acariciei meu rosto na curva de seu pescoço. Eu sempre fui a filhinha de papai. Meu pai beijou minha testa e me afastei. "Eu sinto sua falta e penso em você o tempo todo, também. Tome cuidado, Tyler. Nós estaremos em contato." Ele sorriu para mim e olhou para Dean. Ele deu-lhe um aceno superficial e saiu pela porta.


Uma vez que a fechei atrás de mim, cai contra ela e suspirei. Fechei os olhos por um momento antes de olhar para Dean. "Eu sinto muito por isso." Dean riu um pouco. "Tyler, isso tinha que ser feito. Eu só sinto muito para caralho que nunca dei esse passo há 17 anos atrás." Eu levantei minhas sobrancelhas. "Deu esse passo?" Dean balançou a cabeça com um sorriso. "Você sabe o que quero dizer." Eu suspirei e coloquei meus braços em torno dele, fechando os olhos. "O que está feito está feito. Estamos aqui e agora estamos juntos. Tudo é assim que deve ser." Dean apertou os braços em volta de mim. "É, mas nós não chegamos lá ainda." Atordoada, eu puxei para trás para olhar para ele. "O que você quer dizer?" Dean sorriu e piscou para mim. "Eu estou trabalhando nisso, Tyler, mas vamos apenas desfrutar o que temos por agora." Ele viu minha expressão e balançou a cabeça. "Não me dê o olhar de cachorrinho. Eu só não vou dizer a você, então é melhor você parar." Eu estava prestes a dizer-lhe que ele era um burro quando Tara e Jimmy timidamente surgiram. "Está tudo bem?", perguntou Tara. Eu sorri. "Está tudo bem. Eu acho que todos nós precisamos de um pouco de tempo, mas tenho certeza que vamos chegar lá." A postura de Jimmy tensionou. "Então, seus pais não castraram esse homem aqui?" Eu ri. "Não." Jimmy balançou a cabeça. "Maldito, porra de vergonha." Dean respirou profundamente. "Olha você mesmo, pau fino."


Jimmy sorriu de volta. "Punheteiro." "Cara de bunda." "Chupador de pau." "Cérebro de bosta." "Fodido". "Otário do caralho." Eu joguei minhas mãos no ar. "Será que vocês dois curtem essa merda?!" Eu suspirei e balancei a cabeça no sentido de Tara. Dean e Jimmy fizeram todos nós rir. "Homens!" Tara gritou. "Às vezes, eles nunca crescem." Ela riu e eu assenti. Jimmy andou atrás de Tara, colocou os braços ao redor dela, e mordiscou seu pescoço. "Sim, mas onde vocês estariam sem nós, baby?" Tara deu-lhe um tapa brincalhão, mas você poderia dizer que não foi de verdade. Ela estava caída por Jimmy. Eu iria rir sobre isso, mas estava tão feliz que ela tinha encontrado alguém que eu sabia que iria amá-la e cuidar dela com tudo o que tinha. Tara precisava disso agora. Ela tinha passado por muita coisa. Eu sorri em sua direção, então me virei para Dean. "Como Jeremy está?" Dean sorriu. "Ele estava um pouco chateado com toda essa coisa de vomitar, mas eu disse-lhe que tudo estava bem e que eu estava arrependido que tinha começado isso." "O que ele disse?" O sorriso de Dean foi ainda mais brilhante desta vez. "Ele me disse que estar comigo era muito divertido e ele amava me ter por perto."


Eu suspirei enquanto minha felicidade me consumia. Eu não estava mentindo quando disse que me deixar ir, me fazia sentir eufórica. Tudo parecia tão perfeito, e eu estava amando cada minuto disso.

Mais tarde naquela noite, depois de conversar por algumas horas, fomos para a cama. Era bom ter uma casa cheia. Eu adorei saber que nunca estava sozinha. Havia sempre alguém por perto sempre que eu precisava deles agora. Isso me fazia sentir querida. "O que você está fazendo?" Eu olhei para no meu espelho do banheiro para Dean, que estava olhando para a minha pasta de dente. Eu estava confusa. "O que você quer dizer?" Ele apontou para o tubo na minha mão. "Você não espreme a partir do meio, não é?" Não pegando imediatamente, eu olhava para ele. "Que diabos você está falando?" Dean suspirou. "Você está apertando a pasta de dentes a partir do meio em vez do fundo." Eu ri. "Sim. E daí?" Dean balançou a cabeça. "Não é o caminho certo para espremer creme dental." Agora era realmente tempo para o riso entrar em erupção. Ele estava falando sério? "Não é a maneira certa de espremer creme dental?" Ele balançou a cabeça. "Não. Você deve fazê-lo a partir do fundo." Só para ser infantil, eu apertei mais para fora do meio. Dean resmungou. "Oh, vamos lá, Tyler. Agora você está apenas sendo boba."


Engoli em seco. "Sendo boba? Eu sendo boba?!" Eu gritei. "Você sabe quantas vezes tive que girar o rolo de papel higiênico da maneira certa na minha casa?" "Eu não sei. Quantas?" Eu fiz uma careta. "Eu não sei, mas foi muito! E agora você tem a coragem de me dizer como espremer minha própria pasta de dentes?" Dean marchou e virou o papel higiênico do jeito errado, então caminhei até ele e espremi um pouco do creme dental em seu peito. Dean suspirou. "Você se sente melhor agora?" Eu andei em torno dele e virei o papel higiênico da maneira correta antes de olhar para ele. "Agora eu faço." Com uma sobrancelha levantada, Dean espreitava para mim. Com um dedo, ele limpou um pouco do creme dental em seu peito e colocou-o na boca. Então, ele limpou o restante de creme dental e lentamente passou em toda a parte do meu peito que estava exposto. Eu não sabia o porquê de ter pasta de dentes em cima de mim me deixava ligada, mas aqui estava eu, meus joelhos tremendo de necessidade. Eu não me importo sobre o papel higiênico mais, deixe sozinho a pasta de dentes. Eu só queria Dean. Curvando-se, Dean enfiou a língua para fora e lambeu seu caminho para cima do meu peito para o minha boca. Minha respiração tornou-se pesada quando sua língua sedutoramente lambeu ao redor dos meus lábios. Eu poderia imediatamente sentir o cheiro e sabor da hortelã na sua respiração, enquanto sua língua continuava sua agonia. Eu sabia o poder que possuía a sua língua e de repente eu tinha essa dor que precisava ter tudo de mim. "Você não percebe o quão sexy você está, Tyler. Mas quando você é desobediente, isso leva cada bocado de força de vontade minha para não colocá-la por cima do meu joelho e bater em você como uma menina que é agora."


Senti minhas narinas dilatarem. "Desobediente? Eu?" Eu recuei um pouco, mas Dean colocou um dedo dentro da minha parte superior e me puxou para a frente. "Onde diabos você acha que está indo?" Seus olhos viajaram sobre meu rosto antes de olhar em meus olhos novamente. Minhas pernas ficaram bambas de repente e me senti sob seu olhar intenso e de desejo. Como poderia apenas um olhar dele me tornar incapaz de falar? Incapaz de qualquer coisa? Tudo sobre Dean gritava poder. Dominância gritava. Embora eu tentei ser uma mulher melhor do que qualquer outra mulher lá fora, seria motivo de orgulho, eu falhei miseravelmente quando se tratava de Dean. "Você está sendo um idiota." Sim, bem, ninguém jamais iria dizer que tenho dez pontos por originalidade. Dean levantou a sobrancelha. "Um idiota?" Eu cruzei os braços como uma criança. "Sim. Um idiota. " Dean agarrou meus braços e os empurrou fora. "Nunca coloque quaisquer entraves à frente do que é meu, Tyler. Eu sempre vou ganhar. " Meus olhos se arregalaram. "Seu pequeno..." Ele colocou o dedo em meus lábios. "Não diga o que você pode acabar lamentando mais tarde. Eu odiaria ver você sentada sobre os joelhos pelos próximos dias porque a sua bunda está muito dolorida." Colocando minha mão em seu peito, empurrei Dean contra a parede. "Não mexa comigo, Dean, porque não acho que você vai gostar se você fizer." Ele olhou para mim com aquele maldito sensual olhar semicerrado dele. "Hmm, que agressiva." Eu dei um passo para trás. "Agressiva? Eu?" Dean assentiu com um sorriso, então peguei alguns lenços, me enxuguei, e pisei para o quarto. Dean observava enquanto passei para o meu guarda-roupa.


"O que você está fazendo?" "Paciência". Eu passei por todas as minhas coisas, mas todas as minhas coisas de verão estavam na frente. Eu sabia o que estava procurando, mas estaria ferrada se eu me lembrava onde o coloquei. Puxando todas as minhas coisas longe de uma pilha, finalmente encontrei. Sorrindo, o puxei para fora e o coloquei. Dean estava ali, um sorriso estampado em seu rosto. Eu coloquei o capuz para cima e apontou para a cama. "Vá para a cama. Olhe para a frente. Nem fodendo olhe para mim, porque vou puni-lo." Eu disse na minha voz mais profunda que poderia reunir. Até agora, Dean estava rindo. Então, de repente, parou e olhou para mim, e eu sabia o que ele estava pensando. Em um fôlego, corri em volta da minha cama. "Não, você não pode!" Gritei, pulando na minha cama e saltando para o outro lado, Dean saiu em perseguição. Sem dúvida, ele iria me pegar em uma fração de segundo. Em um momento, Dean me agarrou, me puxando em direção a ele. Eu ri e me virei para ele. Com a mão livre, eu manchei o resto do creme dental sobre o seu peito. Dean olhou para baixo, em seguida, de volta para mim. Ele lambeu os lábios e me deu um olhar de reprovação. "Tyler, Tyler, Tyler... Você está gulosa por um castigo, não é?" Com um puxão rápido, ele tirou o capuz de cima de mim e alastrou minha frente através de seu joelho como uma menina de cinco anos. Senti sua mão descer em um movimento rápido, ele me deu um tapa na bunda. Eu deveria ter sentido raiva e degradada por isso, mas eu era Tyler O'Shea, a mulher que convidou um estranho em sua casa e o deixou espancá-la e transar com ela dentro de uma polegada de sua vida. "Você vai pedir desculpas para mim, Tyler?"


Eu tentei fazer beicinho, apesar de minha buceta latejar mais do que nunca. Por que ele tem que ir e me bater assim? Ele sabia que era a minha fraqueza, e ele estava usando-a para o seu pleno aproveitamento. "Eu só gostaria de ter mais pasta de dente." Ele me bateu de novo, me fazendo ganir. "Resposta errada, Tyler." Eu suspirei. "Você sabe, o supermercado local tem realmente uma boa promoção de creme dental. Talvez eu devesse tirar proveito disso amanhã." Ele me espancou novamente. Tudo o que eu podia fazer era fechar os olhos e saborear cada momento do sentimento que ele me deu. Eu era como uma vadia devassa. "Tyler, minha paciência está se esgotando. Você vai se desculpar, ou vou ter que recorrer a medidas mais duras?" Fechei os olhos. Dean sabia exatamente qual a resposta para isso. Eu levaria sua punição e então mais. "Eu acho que é o tipo de pasta de dentes que tem branqueamento nela. Você sabe o que eu quero dizer." Senti sua mão contra meu traseiro de novo antes que ele me virasse e me jogasse na cama. Ele ficou lá por um tempo e eu olhei para ele. Ele parecia um cruzamento entre irritado e com tesão, e que porra de combinação. Apenas do olhar. Isso foi tudo que me tomou. Com minhas mãos sobre a cama, me empurrei ainda mais para cima e longe de Dean. "Rapaz, que olhar de raiva", eu provoquei. Dean inalou e seu peito se destacou, doendo para ser tocado. E ele falou sobre eu não perceber o quão sexy eu era? "Você não tem ideia do caralho, Tyler." Ele me olhou de cima e abaixo, em seguida, fez a única coisa que completamente e totalmente me deixava louca. Ele lambeu os lábios. "É hora para a sua próxima punição."


Eu levantei minha sobrancelha para ele, sedutoramente acariciando minha perna, minha pantorrilha todo o caminho até a minha coxa até que alcancei meu peito. "Oh, realmente? E o que poderia s..." Dean pulou sobre mim. Agarrando meus pulsos, ele me prendeu à cama e apertou sua virilha em mim. Eu não poderia ajudá-la. Eu gemia alto e arqueei as costas. "Você nunca será capaz de esconder isso, não é, Tyler? Quanto você me quer, está escrito em seu rosto." Eu coloquei a minha língua para ele. "Seu chupa bunda." Dean levantou a sobrancelha para mim. "Hmmm..." Sem aviso, Dean me capotou, puxou minhas calças de pijama para baixo, em seguida, começou sugando a vida fora na minha parte inferior. Isso normalmente seria tão estranho, mas não quando se tratava de Dean e eu. Eu não percebi o quão excitada tê-lo chupando minha bunda me faria. "Dean, o que você está fazendo?" Eu estava tentando ser aberta sobre isso, mas não poderia ajudar ficando sem fôlego. Ele levantou a cabeça e me deu aquele sorriso de tirar o fôlego. "Eu estou chupando bunda. Eu chupo a bunda bem, Tyler? Devo mostrar-lhe algo mais que posso chupar?" Antes

que

eu

pudesse

responder,

Dean

puxou

minha

calça

completamente fora e virou-me de volta para encará-lo. Ele me olhou por um momento, seus olhos sexy semicerrados do caralho. Com um simples toque de suas mãos, minhas pernas estavam bem separadas. "Isto", disse ele, apontando para minha camiseta, "Precisa sair." Eu arqueei minhas sobrancelhas para ele. "Então o que você está esperando?" Dean sorriu e balançou a cabeça. Inclinando-se para frente, ele agarrou minha camiseta e levantou-o acima da minha cabeça. Por um momento, ele olhou


para os meus seios. Meus mamilos estavam duros. Não havia dúvida que Dean sabia exatamente como eu estava ligada. "Hmmm... Tão. Porra. Sexy". Agachou-se sobre mim e se inclinou em direção ao meu mamilo. Picando sua língua para fora, ele sedutoramente lambeu em toda a minha carne rosa. Eu não poderia me segurar. Eu arqueei minhas costas, dando-lhe acesso total aos meus seios. Ele não decepcionou, sugando cada um. Ele estava tomando seu tempo doce e me deixando em um frenesi. "Dean, por favor. Eu preciso de você dentro de mim." Ele olhou para mim e me beijou com ternura nos lábios. "Paciência, Tyler." Ele me beijou novamente, em seguida, correu seus beijos por todo o caminho do meu pescoço para baixo da minha barriga. "Paciência", ele sussurrou contra a minha pele. Eu não poderia ajudar, apenas gemer de prazer. Ele estava tomando seu tempo, e sabia o quanto isso me irritava e me deixava louca ao mesmo tempo. Enquanto beijava contra a minha pele sensível, sua língua empurrou de repente para fora e começou a lamber em torno do meu umbigo, em seguida, para baixo para minhas coxas. Eu arqueei de novo e gemi. Ele era uma tortura celestial. Seu rosto estava bem ali, olhando para o único lugar que eu queria que ele tocasse. O único lugar que queria sua boca. Como se sentindo a minha urgência, Dean olhou para cima com um sorriso arrogante. "Onde você quer minha boca agora, Tyler?" Fechei os olhos por um momento. "Se você tem que perguntar, nós temos um problema sério." O sorriso de Dean era mais largo. "Sério?" Ele olhou para minha boceta, em seguida, desviou o olhar para minhas pernas. Curvando-se, ele lambeu o interior da minha coxa esquerda. "Aqui?", Disse ele, arrastando beijos ao longo de minha pele. "Dean, por favor... Você está me deixando louca!"


Rindo, ele acariciou a mão na minha perna e começou a beijar e lamber o interior da minha coxa direita. "Ou aqui?" Será que sua voz tem que ser tão sexy? Isso, por si só, me fez quase ter um orgasmo. Eu estava ficando perigosamente perto da combustão, e ele ainda não tinha ido em qualquer lugar próximo ao que ele sabia que eu desejava que fosse. "Dean!" Eu estava choramingando como uma menina agora. Eu estava perto de deixar que ele tivesse alguma coisa que ele queria, desde que comecei a sentir sua língua em mim, senti-lo dentro de mim... nada! Ele cantarolava contra a minha coxa e senti os tremores correndo através de mim. Novamente, ele passou os dedos ao longo minhas pernas, então um dedo circulou fora da minha buceta. Querendo levá-lo mais perto, eu me arqueei. Eu precisava tanto que ele me tocasse lá, isso machuca. Inalando, Dean fechou os olhos. "Eu posso cheirar sua excitação a uma milha de distância, Rosey. Você quer que eu te prove?" Ele beijou ao longo do interior das minhas pernas. Isso era o mais perto que ele poderia estar sem realmente me tocar lá. Eu estava praticamente fulminante na necessidade agora. "Sim!", Gritei, ofegante. Ele correu seu nariz ao longo do interior da minha coxa, me fazendo tremer. "Sim, o quê?" Eu mudei meus quadris para cima para encontrar seu rosto. "Eu quero que você me prove, Dean." Ele sorriu e olhou para baixo. "Você está tão inchada, Tyler." Ele colocou um dedo dentro de mim, fazendo-me empurrava meus quadris para cima para encontrá-lo mais. Dean resmungou e olhou para o meu clitóris. "Tão. Porra. Sexy". E então ele estava lá. Sua cabeça estava mergulhando cada vez mais baixo e, sem querer, prendi a respiração, esperando por esse primeiro toque de


sua língua. Eu sabia que o minuto em que ele me tocasse, eu estaria tão perto. Ele tinha trabalhado tanto em mim que eu sabia que iria perdê-lo a qualquer momento. Olhando para baixo, vi Dean deslizar sua língua para fora. Prendi a respiração quando ele se aproxima mais e mais ao meu clitóris inchado. Com um toque de sua língua, ele me lambia e todo o ar escapou dos meus pulmões de uma vez. Agarrando seu cabelo, eu gemi e empurrei meus quadris para cima para encontrá-lo. Dean resmungou novamente, lambendo as bordas exteriores da minha buceta e até o meu clitóris novamente. "A melhor porra de gosto no mundo." "Dean, por favor", eu implorei novamente. Eu precisava tanto gozar, isso estava se tornando doloroso. Agarrando meus quadris, Dean esfregou sua língua em minha boceta. Eu gemia de novo, enquanto sua língua chicoteou fora contra mim. Eu já podia sentir o nascente do meu orgasmo. Cada parte do meu corpo tenso enquanto o calor escaldante subia a partir da ponta dos meus dedos dos pés para o topo da minha cabeça. Eu estava prestes a gozar e sabia que ia ser violento. Eu já estava lá. Apenas mais alguns lambidas de sua língua magnífica e eu estaria gritando seu nome. Ele lambeu ao redor do mamilo mais algumas vezes, cantarolando contra mim. Ele fez isso. Eu puxei seu cabelo em minhas mãos. "Dean, eu vou..." Ele se afastou. "Eu sei." Ele olhou para mim com um sorriso travesso. O filho da puta parecia um gato que obteve seu leite. "O que diabos de amor você acha que está fazendo?" Eu estava tão chateada. Tão perto de gozar, em seguida, Dean tirou isso de mim. "Eu disse que estava indo puni-la. Importa-se de me dizer como você está arrependida agora?" Senti meu rosto ferver de raiva. Se ao menos eu pudesse me esfregar contra ele e obter minha libertação. Eu precisava tanto agora.


"Foda-se, Dean. Vou apenas ir ao banheiro e terminar sozinha. Então você vai ter que se contentar com isso." Eu apontei para sua excitação evidente e levantei minha sobrancelha. Tentei mover para fora da cama, mas Dean agarrou meus tornozelos e me puxou para a borda. "Eu não terminei com você ainda." Eu bufei. "Eu acho que você terminou." Em seguida, uma centelha engenhosa veio até mim. "Não importa o quanto você me torture, você nunca vai me fazer gozar. Eu vou me certificar disso agora." Ele olhou para mim com uma sobrancelha levantada. "Sério?" Eu balancei a cabeça. "Sim, realmente. Na verdade, onde está meus esmaltes? Eu acho que posso passar esmaltes nas unhas um pouco. Você está me entediando." Dean fez um som gutural em sua garganta enquanto seus olhos perfuravam os meus. Eu segurei seu olhar e quando ele percebeu que eu não estava me mexendo, ele puxou seu pijama para baixo, puxou meus quadris direito a extremidade da cama, e enfiou em mim. Duro. Tentei não fazer um som. Eu até mordi o lábio para abafar meus gritos, mas precisava isso dele. Eu precisava do meu alívio e rápido. Dean puxou para fora e bateu em mim novamente. Meus olhos quase rolaram ao redor na parte de trás da minha cabeça. "Não importa o quão duro você tente, Tyler, vou fazer isso acontecer. Vou sentir você gozar contra meu pau e vou ouvir você gritando meu nome." Eu sabia disso muito bem, mas ainda precisava jogar com isso. "É..." Ele puxou para fora e empurrou mais profundo. "Não..." Ele fez a mesma coisa novamente. "Arrrghhhh..." Ele empurrou seu pênis dentro de mim de novo e eu já podia sentir que minhas pernas estavam tremendo. "Vai!" Eu gritei quando ele bateu em mim novamente e novamente. Eu ainda tentei não mostrar a ele o quanto amava o caralho de cada movimento que fazia. Mordi o lábio, determinada a prender meus gritos, mas eu


estava quase lá. Eu podia senti-lo subindo novamente e, desta vez, estava vindo com tudo, mais rápido e mais forte do que nunca. "Tente a porra de me dizer isso agora, Tyler." Eu sabia que ele podia sentir-me chegando perto e sabia que ele estava determinado a me fazer chegar lá. Eu certamente não iria impedi-lo. Fechando os olhos por um momento, eu deixei subir. Senti meus mamilos endurecerem em antecipação e todo o meu corpo ficou rígido. Agarrando os lençóis tão firmemente quanto pude, eu deixo ir. Meu corpo comemora meu orgasmo enquanto ele me percorre. Eu arqueei minhas costas e gritei quando as estocadas de Dean se tornaram mais violentas do que nunca. Eu sabia que ele estava perto, mas queria que ele provasse do seu próprio remédio. "Tyler!", Ele gemeu, sua respiração tornando-se grossa e rápida. Eu sabia que ele estava no limite, portanto não havia tempo a perder. Apenas quando pensei que ele estava prestes a gozar, me afastei dele. Dean resmungou e olhou para mim com uma expressão severa. "Que porra é essa?" "Dois podem jogar esse jogo, Deaney rapaz." Eu pisquei para ele e tentei embaralhar fora da cama, o que foi um pouco difícil, considerando que meu orgasmo ainda estava zumbindo através de mim. Dean cerrou os punhos, seu pau latejante por atenção. Parecia sólido e com raiva. Eu não tinha duvidas de que a dor por sua libertação era primordial, mas ele precisava saber o quão fodido de enlouquecedor era para ter algo tão perto e, em seguida, tê-lo tirado. Eu sabia que ele ia me perseguir e sabia que não havia como escapar. Eu não era estúpida o suficiente para achar que isso não iria acabar com ele gozando dentro de mim.


Eu corri para o banheiro e, sem hesitar, Dean saiu em perseguição. Ele me agarrou pelos quadris, me virou e empurrou contra a parede ao lado da porta do banheiro. Agarrando meus pulsos, ele me segurou lá, beijando meu pescoço. "Não há nenhuma porra de jeito de você escapar agora, Rosey. Não importa o quanto você corra, eu estarei sempre perseguindo você. Você entendeu?" Fechando os olhos, eu gemia e estremeci debaixo de seu toque. Ele soltou meus pulsos e me levantou contra a parede. "Tente ficar longe de mim agora. Boa tentativa, Tyler, mas eu lhe disse que sempre ganho." Sorri e o beijei. "E, sabendo muito bem que você podia, eu lhe disse que você não podia me fazer gozar". Ele sorriu maliciosamente para trás antes de entrar em mim novamente. Ele posicionou sua cabeça contra meu ombro e mordeu quando empurrou dentro de mim novamente e novamente. "Minha!" Ele rosnou enquanto enfiava em mim. Ele mordeu com mais força e gemeu. Eu sabia que ele estava perto novamente. Sua respiração tornou-se frenética enquanto ele apressou o

passo. Ele agarrou meus quadris

e

violentamente empurrou dentro de mim uma última vez antes de gozar. "Porra, Tyler!", Ele gritou quando me segurou contra a parede. Ele permaneceu dentro de mim por um tempo, a testa apoiada no meu ombro

enquanto

ofegava

sua

respiração.

Eu

estava

ofegante

também,

considerando que ele praticamente me fodeu através da parede. "Você não acha que nós estávamos muito alto, não é?" Ele respirou contra a minha pele. Eu ri e ele puxou sua cabeça para trás para olhar para mim. "O que é tão engraçado?" Eu me inclinei para a frente e beijei-o levemente. "É por você se adaptar a paternidade. Você está preocupado em nós acordarmos Jeremy. É doce." Dean sorriu. "Bem, sim. Eu não dou a mínima se Jimmy e Tara nos ouve. Na verdade, se Jeremy não estivesse aqui, eu estaria fazendo você gritar


uma e outra vez." Revirei os olhos, e Dean me cutucou. "Ei, o que é isso?", Ele perguntou com um sorriso. Eu dei de ombros. "Inferno, não sei. Por que você não bate no seu peito, pega meu cabelo, e me puxa para a sua caverna, enquanto você está nisso?" Dean se inclinou e mordiscou minha orelha. "Isso soa bastante tentador, Tyler." Para mim também, eu pensei.

No dia seguinte, levei Jeremy para o hospital para visitar todas as crianças. Tinha sido um tempo e eu queria ver todo mundo. Dean disse que ele ia ficar em casa porque tinha que cuidar de alguma coisa. Quando lhe perguntei o que, ele sorriu e me disse que eu iria ver uma vez que chegasse em casa. Eu estava no meio da leitura de Katie, O Gruffalo, e Jeremy sentado no meu joelho, embrulhado em toda a história. Era sempre certeza que uma história ia ganhar a atenção de qualquer criança. Eu tinha acabado de terminar a última linha

quando

olhei

para

cima

e

vi

Katie

olhando

para

algo

acima

da minha cabeça. Eu ouvi um pigarro, então olhei atrás de mim. "Evan!" Jeremy gritou quando ele saiu do meu colo e correu até ele. Evan sorriu e bagunçou seu cabelo. "Ei amigo. Como você está?" Jeremy sorriu mais amplo. "Estou ótimo. Dean está cuidando da casa enquanto mamãe lê para Katie uma história." Meu estômago caiu. O problema com as crianças era que sua inocência, por vezes, fugia com eles. Eles diziam coisas sem querer, mas isso afetava as pessoas. Olhei para Evan e vi a dor em seus olhos. Eu me senti como uma vadia. Nunca tive a intenção de machucá-lo. Eu sabia que ele estava apaixonado por mim e eu o deixei porque era egoísta. Eu estava sozinha, e por essa razão eu


permiti-lhe continuar. Evan mascarou minha dor. Isso nunca o afastava, mas aliviava só ele estar lá para mim. Ele olhou para mim um momento, depois desviou os olhos de volta para Jeremy. Ele tentou sorrir para ele, mas eu poderia dizer que foi forçado. "Isso é ótimo. Que história você está ouvindo?" "O Gruffalo", tanto Jeremy quanto eu dissemos juntos. Eu acho que meu nervosismo mostrou. Evan olhou para cima com um sorriso apertado. "Como você tem estado?" Eu sorri de volta, sem jeito. De repente, a sala estava desabando sobre mim e eu só queria escapar. "Eu estou bem, obrigada. E você?" Eu revirei os olhos para dentro. Eu sabia a resposta para isso, mas era como uma reação automática quando alguém perguntava. Ele limpou a garganta e se remexeu um pouco. Ele estava obviamente nervoso. "Eu estou OK. Estou aqui para ver Bobby. Ele tem uma cirurgia mais tarde hoje." Olhei para o outro lado da enfermaria. Bobby foi internado há alguns dias atrás porque ele tinha tido problemas com seu coração. Ele precisava de um transplante e tinha estado na lista por meses. Um coração compatível tinha finalmente chegado para ele. Eu balancei a cabeça. "Eu ouvi. Isso é muito bom, sei que ele está em mãos mais do que capazes." Eu sorri para ele e Evan apenas olhou por um momento. Ele olhou para os meus lábios, em seguida, de volta para os meus olhos antes de limpar a garganta novamente. "Err... obrigado. É melhor eu ir. Tenho coisas para..." Ele apontou atrás dele e eu assenti enquanto me virava. "Isso é bom, Evan. É bom te ver. Eu estarei pensando em você mais tarde na cirurgia. Tenho certeza que tudo vai ficar bem." Eu sabia como ele ficava nervoso quando tinha que operar uma criança e eu só queria mostrar-lhe que ele


ainda tinha o meu apoio. Só porque não estávamos juntos não queria dizer que eu não me importei. Evan assentiu. "Obrigado." Ele saudou Katie e Jeremy, e caminhou em direção a cama de Bobby. Eu o observei, em seguida, virei para Jeremy e Katie. "Ele ama você", Katie disse. "Ele ficou todo nervoso, da forma como eles ficam nos livros, às vezes. Ele ficou se mexendo e agindo de forma engraçada". Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Eu acho que tenho lido muitas histórias para você, Katie." Ela apenas deu de ombros. "Eu estou apenas dizendo o que vejo." Eu não falei mais nada, apesar de saber como ela estava certa. Foi um pouco demasiado difícil uma conversa, ainda mais com Jeremy sentado no meu joelho. "Ouvi dizer que você pode ir para casa em breve?" Eu sorri e Katie sorriu de volta. "Sim, eu mal posso esperar. Estou me sentindo muito melhor agora. Dr. Kendal diz que estou em remiss em... remiss... " "Remissão". "É isso mesmo!", Ela gritou, fazendo com todos nós rir. "Como tem passado, Jeremy? Ouvi dizer que você tem pessoas se hospedando em sua casa?" Jeremy sorriu. "Eu tenho Dean, Grande Tio Jimmy, e Tia Tara. Tem sido divertido. Dean e Jimmy me jogam na piscina. Eu gosto quando eles me jogam na piscina." Bem, agora Tara tinha sido atualizada. Eu sabia que não ia demorar muito. "Isso parece legal. Eu adoraria ser jogada em torno de uma piscina".


Eu coloquei minha mão sobre a dela. "Bem, quando você ficar melhor, você é mais do que bem-vinda para mergulhar na nossa piscina, tanto quanto você queira. Ela não é, Jeremy?" Jeremy sorriu e acenou com a cabeça. "Isso soa incrível. Obrigada." Seu grande sorriso aqueceu meu coração. "Por nada, Katie."

Deixamos o hospital e fizemos uma viagem ao shopping. Jeremy estava ficando sem sapatos novos e roupa. Parecia que ele passou por um par de tênis em uma semana. Ele sempre desgastava na primeira hora que usava, e eu nunca soube como diabos ele fazia isso. Ele estava crescendo rápido, também. Parecia que o sol de verão o fez atirar para cima. Ele ia ser alto, tal como o seu pai, o que me fez sorrir. Infelizmente, a loja não tinha o tamanho de Jeremy em estoque. O cavalheiro me disse que estaria recebendo outra remessa no dia seguinte. Parecia que teríamos mais uma viagem ao shopping amanhã. "Podemos comprar sorvete, mamãe?" Nós tínhamos acabado de sair de uma loja de roupas depois de gastar perto de uma centena de dólares em novas roupas para Jeremy. Tinha sido bom o tempo que estivemos lá, então eu imaginei que um sorvete deve ser a sua recompensa. "Sim", eu sorri. "Por que não." "Yay!", Ele sorriu, pegando a minha mão e praticamente me arrastando para as escadas rolantes. Quando nós alcançamos o primeiro andar, nós caminhamos para a sorveteria e pedimos chocolate e creme para Jeremy e iogurte congelado para mim. Nós pagamos, então encontramos uma mesa para sentar. Eu coloquei todas as sacolas e suspirei de alívio. Eu gostava de fazer compras como qualquer outra pessoa, fazia parte das fêmeas, mas isso me cansava.


Jeremy pegou uma enorme massa de sorvete em sua boca e chocolate manchou todo seus lábios. Eu ri, puxei alguns guardanapos e limpei sua a boca. Eu balancei minha cabeça. "Eu não sei por que estou fazendo isso! Você vai ter chocolate em torno de sua boca novamente na próxima colher." Nós rimos e foi então que olhei para cima e notei um homem na mesa ao lado, sorrindo para nós. Bem, mais como um menino enquanto ele parecia que não estava fora das fraldas há muito tempo. Ele deve ter uns vinte e um, no máximo, mas ele parecia muito inteligente com seu terno cinza e gravata. Sua presença gritava dinheiro, e seu perfeitamente corte de cabelo loiro gritava isso ainda mais. Eu nervosamente sorri e desviei meus olhos. Eu o vi levantar do canto do meu olho e olhei para ele. Seu sorriso era ainda maior agora. "Perdoe-me por olhar fixamente. É apenas bom ver o momento amoroso de uma mãe e filho." Notei seu sotaque Inglês e ri. "Bem, eu imagino porque você não consegue ver muitos deles." O cara riu e se inclinou para frente. "Sou Charlie." Eu sorri. "Tyler." Eu o vi olhar para Jeremy. "E este é o Jeremy." "Como você está indo, Jeremy? Apreciando o seu sorvete?" Jeremy assentiu com a cabeça e eu ri. "Ele está comendo. Você não terá muita conversa enquanto ele toma sorvete. Ele ama essas coisas." Charlie piscou para Jeremy. "Eu também. É uma das minhas fraquezas. Acabei de terminar três bolas de Chunky Monkey." Eu sorri, desviei os olhos e olhei para Jeremy. "Então, de onde na Inglaterra você é? Eu posso dizer imediatamente que nós dois não somos daqui." Olhei para ele novamente e sorri. "Não. Me mudei para cá há alguns anos atrás. Sou originalmente de Londres."


Charlie acenou com a cabeça. "Sem brincadeira. Eu também." "Então, o que o traz aqui?" Ele puxou um lado de seu terno. “Infelizmente, estou aqui a negócios. Eu cheguei uns dias atrás e precisava de tempo fora das chatas reuniões que tive que participar. Felizmente, eu só tenho mais um passo importante, então vou voar para casa." "Bem, pelo menos ele vai ser o seu último." Ele balançou a cabeça com um sorriso. "Sim." Ele cruzou as pernas e olhou para Jeremy. "Então, Jeremy, você tem um pai esperando por você em casa?" Será que meus ouvidos me enganaram? Certamente ele não estava pescando para descobrir se eu era solteira. Jeremy balançou a cabeça. "Meu pai está perdido." Charlie franziu a testa e eu quase enterrei minha cabeça em minhas mãos. Ele olhou para minha mão esquerda. Agora era óbvio que ele estava pescando sobre ser ou não solteira. Eu não sabia se devia me sentir lisonjeada ou irritada. "Isso é uma vergonha." Eu estava feliz por ele não empurrar o problema do pai ainda mais. Foi estranho o suficiente. Nenhuma conversa dessas precisava vir em breve, eu estava muito ocupada curtindo o meu tempo com Dean. "Mamãe, eu posso pegar mais algumas coberturas agora?" Olhei de volta para Jeremy. "Eu pensei que você não queria?" Ele deu de ombros. "Eu mudei de ideia." Eu fui para se levantar. "Ok, então."


Jeremy me parou. "Eu sou um menino grande. Eu posso escolher por mim mesmo." Jeremy franziu a testa e me sentei para trás novamente. Em sinal de rendição simulada, eu levantei minhas mãos. "Ok. Você pode ir escolher". Eu assisti quando Jeremy se levantou e caminhou em direção ao balcão. "Parece que ele tem uma raia muito independente." Eu olhei de volta para Charlie e revirei os olhos. "Nem me fale sobre isso." Ele se inclinou para frente. "E quanto a sua mãe? Ela tem uma raia independente?" Bom! Agora, ele estava flertando comigo. Eu poderia dizer pela forma como a sobrancelha arqueou enquanto ele se inclinava em minha direção. "Acho que sim." Charlie me deu um sorriso insolente. "Então, não há Sr. Tyler esperando em casa?" Eu balancei minha cabeça. "Bem, não, mas..." "Isso é bom, porque eu gostei da mãe do Jeremy. Eu gostaria de levá-la para sair antes de voar para casa." Bem, isso definitivamente confirmou para mim. "Por que você está interessado? Eu sou uma mãe e definitivamente muito mais velha do que você. Na verdade, eu provavelmente poderia ser sua mãe." "Você é linda. Por que eu não gostaria de levá-la para sair? O fato de que você é um pouco mais velha que eu não deveria sequer ser um fator. A idade é apenas um número." Ele piscou para mim e eu não poderia ajudar, e sorri de volta. "Você tem um sorriso tão cativante, e seu rosto fica vermelho quando alguém te elogia. Como alguém poderia resistir a isso?"


Eu podia sentir-me ficar todo atrapalhada. Não porque eu gostava dele, mas porque ele estava me elogiando e me chamando para sair, e mesmo sabendo que eu era uma mulher mais velha com um filho. "Eu posso não ser casada, Charlie, mas eu tenho alguém." Ele colocou uma mão sobre o coração e fingiu estar com dor. "Oh, Deus. Isso dói mais do que pensei que seria. Como poderia alguém como você não ter alguém? Eu certamente não iria deixá-la ir se tivesse você." Eu sorri e olhei para Jeremy, agora caminhando de volta com suas coberturas. "Bem, isso é muito gentil de você dizer." Jeremy sentou-se e sorriu. "Olha o que eu tenho, mamãe." Eu olhei para tudo o que tinha. Ele deve ter encomendado o lote inteiro. "Hmmm...", eu pensava. "Talvez eu deveria ter ido até lá com você, Jeremy. Você vai ficar doente com tudo isso." Jeremy sorriu e tudo o que vi foi o chocolate cobrindo seus dentes perfeitamente brancos. "Muito bom". Jeremy riu e voltou a comer seu sorvete. Com o canto do meu olho, notei Charlie se levantar. "Bem, é melhor eu ir. Foi legal conhecê-la." Eu balancei a cabeça e Jeremy acenou. "Se você mudar de ideia, aqui está o meu cartão. Estou aqui pelos próximos dois dias." Eu olhei para o cartão em frente de mim e tomei dele com um sorriso. Eu não queria parecer rude. "Obrigada." Charlie assentiu com a cabeça e se afastou. "Eu espero vê-la em breve. Tchau." Ele acenou e entrou na multidão. "O que é que ele te deu, mamãe?" Eu olhei para baixo para o cartão e o li. Seu nome era Charlie Wilkins e ele era um corretor. Não admira que todas as suas reuniões eram chatas. Eu balancei minha cabeça. "Não é nada, Jeremy. Apenas um cartão."


Capítulo 17 Dean As pessoas encontram significado e redenção Nas ligações humanas mais incomuns. Khaled Hosseini

Tudo estava acabado. Eu coloquei a cerca de madeira estúpida para baixo e substitui por uma de aço. No minuto em que foi colocada, me senti melhor. Sabendo que Tyler e Jeremy estavam mais seguros em sua casa, era tudo que importava para mim. Ainda havia muito o que fazer, incluindo o fato de que o alarme era um pouco desatualizado. Essa era a minha próxima prioridade. Nenhuma despesa ia ser poupada quando era para a segurança da minha família. Eu inalei uma respiração profunda, eufórica. Eu já tinha uma família pronta e isso me encheu de um novo sentimento de esperança. Eu estava feliz que Tyler tinha se mudado para o exterior porque isso fez deixar o meu passado para trás muito mais fácil. Eu tinha falado com Humphrey esta manhã e contei-lhe meus planos. Ele me chamou de florzinha, mas depois disse que estava feliz por mim. Eu sabia que tinha que ir para casa algum dia para resolver algumas coisas, mas estava relutante em deixar Tyler agora que a tinha encontrado. Eu queria pedir-lhe para vir comigo, mas não sabia como ela se sentiria sobre isso. Enquanto eu estava ponderando sobre isso na minha cabeça, a ouvi puxar o carro na garagem e Jeremy guinchando sua voz, feliz. Ele era uma criança tão feliz e era contagiante. Orgulho nem sequer começa a explicar como me sinto sobre os dois. "Temos uma nova cerca, mamãe!", Ele gritou quando entrou pela porta.


Tyler olhou para mim e eu sorri. "Sim, parece que temos." Ela franziu a testa. "O que havia de errado com a outra?" Será que ela ainda precisa perguntar? "Não era segura, Tyler, e você sabe como me sinto sobre..." "Entendi. Eu entendo." Ela acenou com a mão na minha frente. "Carga preciosa, certo?" Ela sorriu para mim, e porra, isso me fez querer ela logo em seguida. Eu dei-lhe um sorriso atrevido. "Isso é certo." Jeremy correu para mim, com os braços para fora e eu me coloquei pronto para pegá-lo. "D.D!", Ele gritou e isso fez meu coração derreter. Nós só ficamos longe um do outro por algumas horas, por isso, saber que ele ficou satisfeito ao ver-me fez meu coração inchar. Jeremy envolveu as pernas em volta da minha cintura e eu me aninhei em seu pescoço, fazendo-o rir. Eu beijei-lhe a cabeça, e depois olhei para Tyler. Ela tinha lágrimas em seus olhos. Tudo o que eu queria fazer era pressionar ela, mas eu sabia que só iria piorar as coisas. Virando-me para Jeremy, eu sorri. "Então, como foi o seu dia foi, grandão?" Jeremy tocou na corrente de ouro em volta do meu pescoço. "Foi bom. Fomos para o hospital e lemos para a Katie. Então Evan apareceu para dizer oi. Em seguida, fomos tomar um sorvete, e um homem chamado Charlie deu a mamãe um cartão." Meu corpo todo ficou rígido quando olhei para Tyler. Ela parecia envergonhada e mordeu o lábio. Tudo o que eu tinha era pura raiva e absoluta que o foda do caqui estúpido tinha falado com minha Tyler. Eu não o quero em qualquer lugar perto dela agora, muito menos falando com ela. E quem diabos era o pateta do Charlie? "Então... Você viu Evan?"


Tyler podia sentir o tom de minhas palavras. Ela sabia que eu estava chateado. Ela mordeu o lábio por um momento. "Sim, eu estava lendo e ele veio para dizer oi." Jeremy puxou minha corrente um pouco. "Katie diz que ele ainda a ama." Tyler suspirou. "Jeremy, por favor, isso não está ajudando." Eu, por outro lado, tinha outros pensamentos. "Jeremy, você pode me dizer isso." "Ele foi visitar um menino chamado Bobby. Ele está tendo seu coração cortado. Eca." Ele estremeceu debaixo de mim, mas eu o segurei com força. De repente, me senti doente. Eu odiava Evan com uma vingança, porque ele queria o que era meu, mas eu não poderia odiá-lo porque, no final do dia, ele salvava vidas. Foi essa merda torcida de sentimento com o qual eu tinha que lidar. "E quanto a este idiota Charlie... Quer dizer, o homem com o cartão?" Tyler suspirou. "Não foi nada. Jeremy e eu nos sentamos para comer sorvete e esse cara estava sentado na outra mesa. Ele notou que éramos mãe e filho conversando e pensou que era bom. Depois de um momento que conversamos..." Eu coloquei minha mão para interrompê-la. "Desculpe. Depois de um tempo conversando?" Por que eu tenho esta vontade súbita de ir ao shopping, encontrar o filho da puta, e arrancar seu coração fora? Talvez então, caqui estaria tão ocupado o costurando de volta junto, que ele não teria nenhuma porra de tempo para tentar roubar a minha garota. Tyler suspirou de novo, assim que Jeremy decidiu esquivar do meu aperto. Eu o deixei no chão e ele correu em direção as escadas. "Onde você está indo, Jeremy?" Tyler parecia um pouco assustada de repente.


"Eu vou brincar com o meu homem de ação." Ele correu para cima e fora da vista. "Não por muito tempo, porém, Jeremy. Vamos dar um mergulho na piscina em um pouco! " Ele gritou: "Tudo bem!" Então ele bateu com a porta. Tyler saltou e olhou para mim, assim que Jimmy entrou na sala. Ele estava prestes a dizer algo quando coloquei minha mão para cima. "Não agora, Jimmy." Ele deu de ombros, olhou para Tyler com um sorriso, e se afastou. Aproveitei a oportunidade e fechei a distância entre nós. Muito em breve, Tyler estava apoiada contra a parede da sala de estar. Mesquinho ciumento. Isso era tudo o que era. Eu tinha essa vontade súbita de marcá-la tanto quanto possível e deixar o mundo saber que ela era minha e de mais ninguém. "Você estava dizendo?" Eu parei um dedo para o lado de seu rosto, fazendo-a tremer. Eu sabia que Tyler nunca iria me trair, mas ainda não arrefeceu a raiva que eu tinha de saber outros homens a cobiçavam, ansiavam por ela, desejavam estar dentro dela. Isso me deixou selvagem. Era algo que sentia desde que eu era uma criança e nunca tinha desaparecido. A respiração de Tyler estava errática de repente enquanto ela olhava para os meus lábios. "É... não foi nada. Ele disse que eu era bonita e queria saber se ele poderia me levar para jantar." De repente eu rosnei. Eu não sabia de onde veio, mas estava pronto para porra de um soco parede. "E ele perguntou-lhe sabendo que você tinha um filho? Ele perguntou-lhe isso na frente de Jeremy?" Tyler mordeu o lábio. "Jeremy foi buscar coberturas e ele me perguntou então. Ele notou que eu não tinha um anel de casamento, mas eu disse a ele que tinha alguém." Porra! "Isso é algo que precisa ser sanado em breve." Eu olhei para ela e para baixo. "Onde está o cartão?"


Tyler riu. "Não seja bobo, Dean." "Onde está a porra do cartão?" Eu estava pronto para bater no babaca. "Onde você acha que está, Dean? está no lixo, é claro. Assim que saímos, joguei fora. Você não confia em mim?" Eu me senti como um pau, mas não conseguia me segurar quando isso veio para Tyler. "Eu confio em você, Tyler. É nos outros filhos da puta que pensam que podem levá-la para longe de mim que eu tenho um problema." Tyler colocou uma mão calmante sobre meu peito e se inclinou para me beijar. Eu a senti quente, seus lábios convidativos e quase me perdi. De repente, ela se afastou e a perda de contato foi violenta. "Você será sempre o único para mim, Dean. Não importa o que alguém diga, eu sou sua. Eu sempre fui". Fechei os olhos e inclinei minha cabeça contra sua testa. "Eu estou sendo um idiota." Eu aninhei meu nariz com a dela. "Eu sinto muito." Tyler riu e abri meus olhos para olhar para ela. "Você sempre foi tão mal-humorado... mesmo quando éramos crianças." Tyler suspirou e acariciou minha bochecha. "Eu amo você, Dean, com verrugas e tudo." Ela riu de novo e eu não pude evitar o sorriso que passou pela minha face. "As verrugas? A última vez que verifiquei, eu não tinha nenhuma." Como Tyler tinha esse dom de me acalmar em uma fração de segundo, eu não tinha ideia. Um minuto atrás, eu estava pronto para enfrentar o mundo. Agora, tudo o que queria fazer era fazer amor com minha mulher. Eu era uma massa de modelar em suas mãos delicadas. "Você sabe o que quero dizer", ela riu. "Além disso, é uma espécie sexy quando você começa todo homem das cavernas em mim." Eu levantei minha sobrancelha. "Sério? Puxando o cabelo? Batendo no peito?"


Tyler pegou minha mão e pegou o meu dedo do meio. Abrindo sua boca, ela chupou ele, fazendo um som zumbindo enquanto fazia isso. Jesus, ela não sabe o que fez comigo? "Tyler, é melhor você parar; caso contrário, a sua nova pia vai ser atacada." Tyler parou e puxou meu dedo de sua boca. De repente, senti uma perda instantânea e desejei que poderia tomar de volta o que disse. Eu quis estar perto dela de qualquer maneira possível. Ela era como uma droga para mim. "Desculpe", ela fez beicinho. "Eu simplesmente não posso me ajudar em torno de você." Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Tyler, você não tem ideia do caralho." Atrás de nós, ouvi um pigarro. "É seguro entrar agora?" Revirei os olhos. "Jimmy. Sempre em perfeito sincronismo porra, pau fino." Eu me virei e vi ele sorrindo para nós. "Desculpe, babaca, mas Tara fez algo para comermos." Ele olhou para Tyler. "Ela imaginou que você estaria com fome depois de fazer compras." Tyler sorriu. "Isso é muito gentil da parte dela, Jimmy. Obrigada." Ela olhou para mim e eu imediatamente a queria tudo de novo. Eu amei a Tyler agressiva tanto quanto ela amava o Dean agressivo. Nós caminhamos para a cozinha, o cheiro de massas enchendo a sala. Tara sorriu. "Ei, Tyler. Como foi a sua viagem de compras?" "Foi...", ela olhou para mim, "agitada. Eu tenho que voltar amanhã e levar Jeremy para comprar sapatos. Eles não têm o seu tamanho no estoque". Jimmy riu. "Não há dúvida de que ele vai crescer fora daqueles dentro de um par de semanas. Eu não estive aqui muito tempo e até eu notei o quanto ele cresceu."


O rosto de Tyler caiu. "Eu sei. É bastante assustador. Antes que perceba, ele estará crescido, namorando meninas, e se mudando para a faculdade". Os olhos de Tara arregalaram. "Tyler, ele não tem nem mesmo quatro anos ainda." Ela começou a rir. Ela olhou para baixo. "Eu sei. É só que às vezes ele me faz lembrar da minha própria mortalidade, se isso faz sentido. Quando ele crescer, vou me sentir velha. No momento, ele é tão jovem e faz me sentir jovem." Estendi a mão e agarrei a mão dela. Eu queria apaziguar todos os seus medos. "Não se preocupe, Tyler. Assim que nos casarmos, nós podemos começar a trabalhar na criação de mais Jeremys." Eu pisquei para ela com um sorriso. Seus olhos se arregalaram. "Quanto Jeremys que você está pensando?" Dando de ombros, eu tentei parecer tão legal quanto um pepino. "Eu não sei. Talvez metade de um time de futebol?" Tyler engasgou. "Você tem que estar brincando comigo! Dean, por favor, me diga que você está brincando." Eu comecei a rir e todos, além de Tyler, juntou-se. "Não se preocupe com isso, Tyler. Gêmeos funcionam em minha família. Talvez tenhamos sorte e teremos um par. Isso vai ajudar a acelerar as coisas." Tyler parecia prestes a me matar. Deus, eu queria ela agora. Ela fez uma careta para mim. "Eu não sou uma máquina de fazer bebês, Dean. Tire isso da sua cabeça agora." Jimmy riu. "Hey, isso rima. Ele faria um grande título da música." Tyler fez uma careta. "O quê? Uma máquina de bebê, Dean?" "Ei, eu não sou o único a fazer bebês." Tyler puxou minha mão. "Oh, então está tudo bem se eu continuar a bombea-los para a sua conveniência?" Ela bufou um pouco e isso me fez querer bater contra a parede.


Eu dei de ombros. "Eu ouvi que era como descascar ervilhas." Tyler praticamente gritou. "Descascando ervilhas?! Ervilhas?! Você sabe quanto de dor foi com Jeremy?" Meu intestino torce. Naquele momento, senti qualquer desejo que tive de enrola-la ainda mais. Tyler viu a minha expressão cair, e seu próprio sorriso desapareceu. Ela apertou minha mão. "Sinto muito. Eu não quis dizer isso." Eu balancei minha cabeça. "Você nunca tem que se arrepender, Tyler. Eu só desejo que estivesse lá. Se tivermos mais filhos no futuro, quero estar lá para segurar sua mão o tempo todo." Jimmy riu. "Eu acho que você vai estar fazendo mais do que segurar a mão dela, Dean." Eu sorri para Jimmy. "Cale-se, cara de bunda." Ele balançou a cabeça, sorrindo de volta. "Não, cabeça de bosta." "Bunda lisa." "Pavio de foda." "Cabeça oca". "Respiração mucosa." Eu fiz uma careta para ele. "Que porra é..." "Ok, rapazes. Isso é o suficiente." Tyler balançou a cabeça para Tara, então me encarou. "Sigam em frente e vou fazer vocês dois se sentarem no cantinho da desobediência." Ela olhou para Jimmy um momento e ele realmente abaixou a cabeça. Eu teria rido se não fosse pelo fato de Tyler estar sendo séria. "Vocês dois realmente querem isso?" Jimmy balançou a cabeça, mas eu tinha outras ideias. "Posso optar por outra punição?"


Tyler tentou não sorrir, mas falhou miseravelmente. "E o que você tem em mente?" Eu estava prestes a dizer-lhe quando Tara colocou os dedos em seus ouvidos. "La, la, la, la, la... Eu não quero ouvi-lo. Jeremy! Hora do almoço!" Ela olhou para nós. "Isso deve calar sua conversa suja." Ela assentiu com a cabeça triunfante quando ouvimos o som de pequenos passos descendo as escadas.


Capítulo 18 Tyler No dia seguinte, depois de um mergulho na piscina, eu decidi ir comprar os sapatos de Jeremy. Ele veio comigo porque eu precisava ter certeza de que eles se encaixavam. No momento em que nos propusemos, que era duas da tarde e o sol estava alto no céu. Pelo menos, tinhamos ar condicionado no carro. Uma vez na loja, Jeremy provou os tênis que ele escolheu. Eles eram brancos do Homem aranha, que iluminavam toda vez que ele dava um passo. Jeremy estava em seu elemento enquanto ele vagou em torno da loja. Toda vez que ele pisou e acendia a luz, ele ria alto, e praticamente toda a loja estava assistindo e rindo junto com ele. Isso era uma coisa sobre Jeremy. Suas risadas eram tão adoráveis e contagiosas que as pessoas não podiam deixar de participar. Ele não queria tirá-los, então eu paguei e ele pôs os antigos em uma sacola da loja. Saí com um sorriso. Eu estava me sentindo bem sobre a minha vida. Eu ainda tinha muito para lidar com quanto os meus pais estavam preocupados, mas eu tinha certeza de que eles viriam ao redor com o tempo. Por agora, eu estava tão feliz que finalmente tinha a família com Dean que sempre desejei. No caminho para o carro, peguei a mão de Jeremy e sorri enquanto ele ficou em silêncio. Ele estava muito ocupado assistindo seus sapatos acenderem enquanto ele andava. Enquanto caminhávamos, Jeremy soltou minha mão e começou a correr para o carro. "Olha, mamãe! Meus sapatos ficaram loucos!" O pânico aumentou quando ele correu para longe de mim. "Jeremy, devagar!"


Eu tentei correr atrás dele, mas, do nada, uma van parou na frente dele. Um homem, que eu instantaneamente reconheci, saltou para fora. Ele me deu um sorriso maligno, pegou Jeremy, e pulou para trás dentro da van. Jeremy gritou enquanto eu corria atrás deles, mas já era tarde demais. No momento em que cheguei, a van tinha saido em disparada e guinchou quando ele virou a esquina. Tentei memorizar a placa, mas meu cérebro simplesmente não queria trabalhar. Bile subiu na minha garganta enquanto congelei por um segundo antes de chegar na minha bolsa e ir buscar o meu telefone. Com as mãos trêmulas, eu tentei discar 911, mas meus dedos escorregavam. Depois gritando algumas vezes, eu consegui. "Nove-um-um. Qual é a sua emergência?" "Por favor, ele levou meu filho. Eu estou no estacionamento do Centro Comercial Finchey no primeiro andar. Ele pegou meu filho e saiu em disparada em uma van." "Você sabe quem levou o seu filho?" "Não!" Eu gritei. "Ele estava no shopping ontem e obviamente estava me seguindo." "Que idade tem seu filho?" "Ele tem apenas três. Por favor," Eu soluçava. "Por favor, me ajude." "Você pode me dar qualquer informação sobre a van... modelo, cor, a placa?" "A van era azul." Eu disse a ela o quanto da placa poderia lembrar e ela me agradeceu, me dizendo que um policial estaria comigo em breve. Assim que eu desliguei, tentei discar meu telefone de casa três vezes antes de realmente conseguir. Eu tremia tanto, meus olhos cheios de lágrimas, que eu não conseguia dar um soco nos números certos. Dean respondeu após dois toques. "Dean!" Eu mal podia respirar, dificilmente funcionar. Olhei em torno enquanto Dean estava gritando meu nome


ao telefone. "Ele levou Jeremy. Ele levou o nosso bebê!" Meus joelhos se dobraram debaixo de mim enquanto eu tentava recuperar o fôlego. "Eu preciso encontrá-lo. Preciso..." "Tyler, quem levou Jeremy?" Eu podia ouvir o pânico em sua voz. "O homem de ontem. Aquele cara, Charlie. Ele tinha um sotaque de Londres." "Porra! Tyler, como ele se parece?" Tentei me lembrar de seu rosto. "Ele era jovem. Eu acho que em seus vinte e poucos anos, se não mais jovem. Ele tinha cabelo loiro, olhos escuros. Seu sorriso era mal, Dean. Quem é ele, e por que ele levou o nosso filho?" Dean ficou em silêncio por um momento. Naquele instante, eu sabia que ele sabia exatamente quem era. "Você o trouxe aqui com você, não é, Dean?" Lágrimas escorriam pelo meu rosto enquanto minha respiração engatava. "Tyler, eu nunca vou deixar que nenhum dano lhe acontecer. Eu juro. Vou trazê-lo de volta, mesmo que seja a última coisa que eu faça." "Quem é ele?" Eu praticamente gritei. "Antonio Pinzano, Jr." O nome era de alguma forma familiar, mas eu não conseguia me lembrar onde tinha ouvido falar dele. Eu tentei embaralhar meu cérebro, mas quanto mais pensava, mais esse maldito estava fugindo com o meu filho. "O que ele quer, Dean?" Dean suspirou. "Ele me quer, Tyler. Ele acha que matei seu pai". "E você matou?" "Tyler..." "Não brinque comigo, Dean! Você matou o seu pai?"


Dean suspirou. "Sim. Ele matou meus pais, Tyler. Eu não tinha outra escolha." "Nenhuma outra escolha?" Eu gritei. "Você tinha uma escolha e essa escolha agora resultou em nosso filho estar em perigo. É isso que você queria? Valeu a pena?" Eu desliguei, não querendo saber a resposta. Eu estava irritada com ele e queria desesperadamente encontrar Jeremy. Quanto mais eu ficava lá esperando, mais o tempo estava sendo desperdiçado. Em pânico, olhei em volta e vi um carro da polícia à distância. Corri para ele com toda a energia que tinha em mim. O policial viu meu pânico e veio a uma parada abrupta. Corri para o lado do passageiro, assim que seu parceiro estava saindo do carro. Até agora, as lágrimas escorriam pelo meu rosto. "Por favor. Meu filho..." Agarrei-o e chorei em seu peito antes de agarrar o colarinho. "Você tem que encontrar o meu filho." O oficial agarrou meus ombros suavemente. "Tudo bem, senhora. Você precisa tomar uma respiração profunda e dizer-me tudo o que aconteceu. " Ele tentou o seu melhor para parecer o mais calmo possível, mas eu estava longe de ser calma. Eu pensei que minha cabeça explodiria. Em uma tentativa de tentar fazer o meu melhor para me lembrar de tudo, tomei uma respiração profunda e assenti. "Eu estava no shopping comprando um ténis novo do Homem-Aranha para meu filho. Você sabe, aqueles que acendem quando você anda?" Ele balançou a cabeça enquanto olhou para o outro policial, que estava escrevendo algo em seu bloco. "Isso é bom. Você pode me dizer o que aconteceu depois?" Eu tomei uma respiração profunda. "Pegamos o elevador até aqui. Estou estacionada bem ali." Eu apontei para o meu Land Rover Evoke estacionado um par de corredores para baixo. "Uma vez que estávamos fora do elevador, Jeremy correu. Ele queria me mostrar o quão rápido seus tênis se iluminavam quando ele corria "


"Então ele estava usando tênis do Homem-Aranha?" Eu assenti com um soluço. Gostaria de comprar-lhe todos os tênis do mundo se eu pudesse tê-lo de volta em meus braços novamente. "Ele estava na metade do caminho quando um o carro, uma van azul arrancou do nada. Um homem que conheci ontem saiu, pegou Jeremy, e pulou de volta para a van. Eles sairam em disparada e isso é quando eu liguei para vocês". O policial assentiu com um sorriso tranquilizador. "Eu entendo que você deu para o operador da 911 a placa do carro?" Eu assenti. "Temos pessoas o rastreando agora. Você pode me dizer mais sobre este homem que levou Jeremy?" Eu vacilei um pouco. Eu sabia que ia ter que trazer Dean para ele, mas não me importei. Eu apenas queria meu filho de volta. "Aparentemente, seu nome é Antonio Pinzano, Jr. Ou é isso que acho que ele poderia ser. Quando eu o conheci ontem, ele me disse que seu nome era Charlie. Ele me deu um cartão e me convidou para sair. Ele disse que estava aqui a negócios por alguns dias. Seu cartão dizia que ele era um corretor." O oficial fez uma careta. "Então, o que faz com que você pense que ele é outra pessoa?" Eu suspirei, sabendo que tinha que dizer alguma coisa. "Meu parceiro, o pai de Jeremy, acredita que é Antonio Pinzano Jr. Você vê, este homem odeia o pai de Jeremy e é por isso que acho que ele levou meu filho." "E quem é o pai de Jeremy?" "O nome dele é Dean Scozzari. Ele está na minha casa agora, eu acho. Olhe. Não deveríamos estar tentando encontrá-lo? Eu não posso ficar aqui o dia todo. Eu vou ficar louca." O oficial estendeu a mão em um gesto calmante. "Tudo a seu tempo, senhora. Primeiro de tudo, nós precisamos de mais detalhes. Vou precisar de seu nome completo, endereço, nome completo de Jeremy, data de nascimento, e o que ele estava vestindo. Você tem uma foto recente dele?"


Peguei minha bolsa da minha sacola de compras, tirei a última foto de dois meses atrás, e entreguei a ele. Eu disse-lhe todos os detalhes que precisava, incluindo o meu nome agora, mas eu apenas queria decolar e descobrir o que diabos estava acontecendo. O oficial falou com o outro policial, disse algo a ele, então o outro começou a falar em seu rádio. "Eu preciso chegar em casa", disse enquanto caminhava de volta para mim. "Você precisa de nós para levá-la?" Eu balancei minha cabeça. "Eu tenho o meu carro." Ele não parecia convencido. "Tem certeza que você pode dirigir?" Eu balancei a cabeça. "Eu vou ficar bem." O policial assentiu com um sorriso. "Nós vamos segui-la para casa para que possamos obter mais detalhes e falar com o seu parceiro." Eu balancei a cabeça e, com as pernas trêmulas, começamos a caminhar de volta para o carro. Eu me atrapalhei com as minhas chaves, finalmente consegui colocar na ignição, o liguei, e sai da minha vaga. Desde a noite que tive que escapar de Dean, eu tinha aprendido a estacionar de ré. Isso foi uma coisa que eu poderia ser grata agora, porque eu poderia sair facilmente. Com um aceno para os oficiais, eu dirigi para fora do estacionamento e fiz meu caminho para casa. O tempo todo, tudo que eu conseguia pensar era em Jeremy e quão assustado ele deveria estar. Toda vez que ele surgia na minha cabeça, eu chorava um pouco mais. Eu era um náufrago. Eu realmente não deveria ter conduzido, mas eu precisava do carro apenas no casoeu tivesse que sair para pegar Jeremy. Eu orei a Deus que seria em breve. Enquanto eu dirigia para a garagem, Tara emergiu, com lágrimas escorrendo pelo rosto, quando saí do carro. "Tyler, estou aqui por você, querida." Ela acariciou minha cabeça suavemente e me apertou firmemente a ela.


Olhei para cima e Jimmy estava na porta, parecendo abatido. Eu estava prestes a perguntar-lhe onde Dean foi quando os dois policiais que me seguiram sairam do carro. "Você é Dean Scozzari?" Jimmy balançou a cabeça. "Não, eu sou um amigo da família. Dean não está aqui. Ele foi à procura de Jeremy." Ele olhou para mim por um momento antes de olhar para os oficiais. "Isso é ruim. Nós realmente precisamos falar com ele. Existe alguma maneira de conseguir entrar em contato com ele pelo telefone?" Jimmy deu de ombros. "Bem, ele quer manter a linha telefônica aberta apenas no caso do cara que levou Jeremy ligar." O oficial deu um passo adiante. "E ele ligou?" Jimmy balançou a cabeça. "Não que eu saiba. Tenho certeza de que Dean vai ligar no minuto que houver uma chamada ou exigências serem feitas." O oficial balançou a cabeça. "Eu não acho que é uma boa ideia para o Sr. Scozzari agir sozinho nisso. Alguém pode se machucar." Jimmy deu um passo para fora da casa. "Jeremy é seu filho. Ele vai fazer tudo ao seu alcance para trazê-lo de volta. Você deve entender isso. Você não tem filhos?" O policial assentiu. "Sim." Jimmy deu-lhe um pequeno sorriso. "Será que você não faria tudo o que pudesse para conseguir seu filho de volta? Você ficaria sentado em casa e esperando?" Ele balançou a cabeça. "Claro que não, não. Eu entendo. Só não é apenas aconselhável para ele ir sozinho. Ele precisa deixar isso para a polícia". Jimmy soltou uma gargalhada. "Você obviamente não conhece Dean. Ele é a pessoa mais teimosa que conheço. Ele também precisa fazer isso." Jimmy


olhou para mim. "Ele queria que você soubesse que promete fazer tudo que puder para traze-lo de volta." Eu balancei a cabeça com um leve sorriso. Eu não tinha reservas, na medida do que estava em causa. Eu sabia que Dean faria tudo o que podia. Eu só queria que ele não tivesse vindo para isso em primeiro lugar. Eu estava zangada com Dean, que imagino que ele percebeu até agora. Mas não importa o quão zangada estava com ele, isso ainda não tira o fato de que ele estava colocando sua própria vida em perigo. Eu queria que eles voltassem em uma única peça. Era a dor na boca do estômago que estava me dizendo o contrário. Suspirei e olhei nos olhos de Tara. "Eu só quero que ele volte para casa." Eu agarrei sua camisa enquanto as lágrimas começaram a fluir novamente. Tara acariciou meu rosto, enxugando minhas lágrimas quando ela própria vinha à tona. "Eu sei, Jessica," ela sussurrou com um aceno de cabeça. "Eu sei." Olhei para os oficiais. "Vocês querem entrar?" Um oficial sorriu. "Precisamos fazer uma coisa aqui em primeiro lugar. Nós vamos entrar quando terminarmos." Eu balancei a cabeça e entrei na casa com Tara e Jimmy. Assim que a porta foi fechada, Jimmy passou a mão pelo cabelo. "Foda-se!" Ele olhou para mim se desculpando. "Eu sinto tanto, Tyler." Eu fiz uma careta. "Por que você está arrependido? Você não fez nada." Jimmy balançou a cabeça com um bufo. "Eu estou tão nisso quanto Dean. Pinzano, Jr., estava ansioso para pegar Dean. Ele quer Dean morto, então duvido que qualquer dano virá a Jeremy". Eu me encolhi quando meu coração afundou. "Isso não me faz sentir melhor, Jimmy."


Ele fez uma careta. "Eu sei. Sinto muito. Eu sei que nada pode fazer você se sentir melhor agora. Eu apenas não sei o que diabos dizer ou fazer para tornar tudo bem." Eu caí no sofá e coloquei minha cabeça em minhas mãos. Senti o braço de Tara envolvendo meus ombros. Eu olhei para Jimmy. "Onde está Dean, Jimmy?" Jimmy inalou. "Eu estava dizendo a verdade quando disse que estava procurando Pinzano. Ele sabia que você deveria ter chamado a polícia e ele não queria que eles o impedissem de trazer Jeremy de volta. Ele só está fazendo o que pensa que é melhor. Ele vai ligar quando precisar de mim. No momento, ele quer manter a linha livre. Ele sabe que Pinzano acabará por ligar. Eu acho que ele quer apenas fazer Dean suar um pouco." Fechei os olhos. "Ele não é o único." Eu afundei de volta no sofá e suspirei. Eu queria sair da casa. Eu queria ter o meu bebê, mas não havia nada que pudesse fazer. Eu nem saberia por onde começar. Por agora, eu tinha que colocar toda minha confiança em Dean, que ele faria o melhor. Só espero que ele não quebre sua promessa.


Capítulo 19 Dean O amor é um tal assunto poderoso Porque se trata de tantas formas e tamanhos diferentes. É questão de tempo, o destino, o fracasso, a redenção. Jim Sturgess

Eu estava enfurecido. Eu pensei que tinha sentido toda a raiva na minha vida que havia para sentir, mas estava errado. Eu estva um segundo longe de perder minha merda. Eu estava com raiva. Com muita raiva de Pinzano, com raiva do seu filho, e com raiva de mim mesmo por não pressionar Tyler mais sobre essa porra de Charlie no shopping ontem. O minuto que Tyler desligou na minha cara, eu sabia o que tinha que fazer. Pinzano, Jr., me queria morto. Eu sabia disso. Eu ficaria feliz em sacrificar minha vida por Jeremy. Tudo o que ele tinha a fazer era pedir. E eu sabia que ele faria, porque era o seu objetivo final. Ele me queria morto e fora do caminho para que ele pudesse assumir para seu pai. Não importava que eu não poderia me importar menos sobre o funcionamento do show mais. Ele queria a competição fora. Eu duvidava que ele estava prestes a matarme por seu pai, ou qualquer um. Era tudo uma farsa para que ele pudesse ter certeza que eu tinha ido embora. Quando ele estava por perto, o seu pai não daria uma merda sobre seu filho, então eu duvidava que era realmente por vingança. Isso que eu mantinha me dizendo... apenas para manter a farsa. Apenas o pensamento dele tocando em Jeremy fez meu sangue ferver. Eu queria cortar suas mãos. Se eu tenho a minha chance esta noite, eu iria matálo com minhas próprias mãos. Eu não me importava se isso acabasse comigo na


prisão. Você não se atreve a machucar minha família. Nunca. E ele precisava saber disso, tão logo que fosse humanamente possível. Eu dirigi ao redor, tentando encontrar áreas onde pensei que ele poderia estar se escondendo. Eu até tentei ligar em um número que eu tinha guardado alguns meses atrás. Tudo o que fez foi ir para a caixa postal. Ele provavelmente sabia que era eu, mas estava tentando prolongar isso o maior tempo possível. O desgraçado estava doente e torcido. Quanto mais cedo ele fosse enterrado ao lado de seu pai, melhor. Enquanto eu dirigia para o estacionamento de uma lanchonete, eu entrei, pedi café, e pensei se deveria ligar para Tyler. Eu sabia que ela estava com raiva de mim e não poderia culpá-la. Isto apenas provou sua teoria de que eu iria trazer perigo para ela. Eu tinha provado a teoria para toda a família. Eles nunca me perdoariam por isso e eu não poderia culpá-los. Eu nunca me perdoaria. Assim, essa foi a verdadeira razão de correr quando Tyler ligou? Eu era um covarde. Eu não queria que ela me olhasse com aqueles olhos de decepção. Eu não queria ver o seu amor perdido agora, porque eu tinha ido e mostrado a única coisa para a qual ela me empurrou em primeiro lugar. Saber isso me matou, que trouxe isso para sua porta, mas iria matar-me ainda mais ver a dor em seus olhos. O conhecimento do olhar que eu falhei em proteger o nosso filho. Porra da minha própria carne e sangue estava lá fora em algum lugar com a porra de um imbecil que achava que podia fazer isso com a minha família e fugir. Foi por isso que eu empurrava as pessoas para longe. Foi por isso que eu afundei mais profundo e mais profundo em meu próprio mundo escuro e não deixei ninguém entrar. Chegando perto faz você fraco. E, agora, eu era fraco como a merda. Lá se foram meus maus caminhos, o rapaz gangster, o único que pensou que ele governou todos e tudo em torno dele. Eu era um pai agora. Um pai que faria qualquer coisa para ter seu filho de volta e mantê-lo a salvo. Isso era tudo o que importava para mim agora, tudo o que importava até a última respiração deixar meu corpo.


Enquanto eu bebia meu café, olhava para o telefone. Eu tracei o contorno da tela com o dedo, desejando que tocasse. Tyler iria me ligar, ou aquele filho da puta, para me dizer onde encontrá-lo. Era apenas uma questão de tempo, e eu estava pronto. Se ele me queria, eu estava pronto. Depois de mais de dez minutos, meu telefone começou a tocar. Eu sabia que era ele. Não era seu telefone, mas eu sabia que era ele. "Sim." Eu o ouvi rindo. "Bem, bem, bem. Se não é o infame Dean Scozzari. Parece que nós te demos um pequeno apuro hoje, não demos?" Minha raiva fervia. "Eu juro, se você machucá-lo, eu irei pessoalmente quebrar todos os ossos do caralho do seu corpo com as minhas próprias mãos." "Uh-uh. Não há necessidade para isso, Dean. Somos todos amigos aqui. Eu só quero o que foi tomado longe de mim." Eu bufei. "Nada foi tirado de você, seu merdinha. Você nunca teve isso em primeiro lugar." "Você levou o meu pai de mim! Que tal eu levar o seu filho e nós estamos quites?" Segurei o telefone mais apertado. Eu queria gritar, meus pulmões gritaram em protesto. "Não se atreva a tocar em um fio de cabelo em sua cabeça," Eu rosnei. "Isto não é sobre Jeremy. Isto é sobre você querendo toda a glória. Você pode assumir toda a Londres que não me importo. Terminei com essa merda". Pinzano riu. "Você me decepcionou, Dean. Eu pensei que você teria colocado mais luta nisso. Suponho que se tornar pai fez de você uma mulherzinha. Será que Jeremy sabe sobre seu pai?" Fiquei em silêncio. "Aww, ele não, não é? Ele não tem ideia de quem você é. Talvez eu deveria dizer a ele, ha? Devo colocá-lo ao telefone para falar com o seu pai?"


"Seu pedaço de merda. Deixe Jeremy sozinho e só me diga quando e onde. Estarei lá." Ele riu novamente. "Tudo a seu tempo." Eu ouvi um som abafado, então a linha ficou clara novamente. "Jeremy, você quer falar com o seu pai?" Eu ouvi ele gritar meu nome e meu mundo inteiro parou. Naquele momento, eu nunca me senti mais desesperado em toda a minha vida. Eu queria que Jeremy soubesse sobre mim, mas não assim. "Não faça isso com ele, Pinzano. Você pode ser um homem melhor do que o seu pai era." "Não foda falar comigo sobre o meu pai. Você não tem esse direito." Eu o ouvi respirar no telefone. "Jeremy, venha aqui e fale com o seu pai." Cada músculo do meu corpo se apertou. O filho da puta sabia o que estava fazendo. Ele estava me fazendo sofrer. Ouvi pequenas respirações de Jeremy vir na linha. "D.D.?" Senti um soluço repentino que queria rasgar através do meu peito ao som de sua voz choramingando. "Ei, grandão. Como você está? Você está bem? Você não está machucado, está?" Eu ouvi um pequeno soluço e quase arrancou meu coração fora. "Não, mas não quero ficar aqui mais. Eu não gosto de estar aqui." Eu tentei permanecer o mais calmo possível. A última coisa que precisava era de Jeremy ver eu perder a minha merda. "Jeremy, me escute, ok? Eu vou te buscar, vai ficar tudo bem. Você só tem que esperar e eu vou buscá-lo." Jeremy fungou. "Você promete?" Fechei os olhos por alguns instantes. Como eu não poderia prometer-lhe isso? Eu sabia que tinha, e sabia que tinha que ter certeza que guardei. "Eu prometo. Eu irei, e você pode voltar para a sua mamãe, Ok?" Eu ouvi um pequeno soluço e sabia que ele estava sofrendo. "Ok."


Porra, isso era difícil. Cada osso do meu corpo parecia pesado. Eu queria rasgar as paredes, gritar tão alto quanto pudesse, e porra dar um soco em algo até que eu não pudesse sentir mais. Esta foi a experiência mais dolorosa da minha vida. Eu não podia perder Jeremy agora. Não depois que eu tinha acabado de encontrar ele. "Isso foi doce." Rosnei quando ouvi a voz do pequeno filho da puta na linha novamente. "Você fez o que queria. Agora, porra, vá em frente. Quando e onde?" Ele fingiu um suspiro. O que eu não faria para empurrar minha mão através do telefone e rasgar sua garganta. "Está ansioso, não? Tem certeza de que quer se encontrar com seu criador tão cedo?" Eu suspirei. "Eu só quero isso terminado logo, mas quero que você me prometa uma coisa." Ele riu novamente. "Eu não acho que você está em uma posição de exigir nada de mim, não é?" Eu suspirei de novo. "Apenas me ouve, Pinzano. Você me quer, não é? Isto não tem nada a ver com Jeremy, por isso proponho um negócio. Eu irei para você de bom grado. Sozinho... sem armas, sem nada. Vou fazer tudo isso se você prometer deixar Jeremy voltar para sua mãe. Eu vou concordar com isso cem por cento. Mas, Pinzano, se você não concordar e pretender manter Jeremy, eu te prometo. Eu vou te caçar, matar todos os seus homens, e deixá-lo por último. Eu vou tomar meu tempo com você, e prometo que isso irá resultar em sua morte. Eu fui claro?" Silêncio.

Perguntei-me

se

eu

o

empurrei

longe

demais.

Se

ele

machucasse Jeremy, Tyler nunca me perdoaria. Eu não tinha certeza se ela nunca faria de qualquer maneira. "Bem. Eu vou concordar com esse negócio. Venha para mim e somente você. Eu tenho uma escuta no seu telefone, então sei se você ligar para alguém. E não tenha ninguém na sua cola, Dean, porque vou saber isso, também. Se você


fizer tudo isso, você tem a minha palavra de que Jeremy será entregue em segurança de volta à sua mãe. Eu vou mandar as instruções para você." Depois que desliguei, me levantei, joguei um par de notas sobre a mesa, e corri para o telefone público. Eu disquei o número de Jimmy e ele respondeu ao primeiro toque. "Ele entrou em contato." Jimmy suspirou. "O que você precisa que eu faça?" Eu belisquei a ponte do meu nariz com os dedos. "Eu imagino que a polícia está com você?" Ele ficou em silêncio por um momento. "Sim." "E Tyler?" Ele suspirou de novo. "Eu acho que você pode imaginar que ela está." Eu sabia que ele estava sendo enigmático, pelo amor de Tyler, mas ela tinha que saber. "Diga a ela algo por mim. Diga a ela que prometo tudo de mim, que vou buscar o nosso filho de volta. Eu estou no meu caminho para lá agora. Ele me disse que está monitorando meu telefone e que ele vai saber se alguém está me seguindo". Jimmy respirava com dificuldade. "Você conseguiu o que você precisa, e sabe o que fazer. Onde você está agora?" "Estou no restaurante Half Moon na avenida Sterling. Vou sair daqui". "Bom. Basta deixar as migalhas de pão que vou encontrá-lo. Eu tenho suas costas, Dean. Sempre terei". Fechei os olhos e orei para que tudo ficasse bem. "Obrigado, Jimmy. Eu só quero que você me prometa uma coisa?" "Qualquer coisa."


"Eu não quero nada feito até que saiba que Jeremy está a salvo e de volta para Tyler. Você me ouviu, Jimmy? Prometa-me." "Eu prometo." Eu respiro fundo. "Obrigado. Deseje-me sorte." Eu bufei uma risada. "Você não precisa disso. Você é o Dean Fodido Scozzari. Você faz o que você sempre faz melhor". Eu não poderia ajudar o meu sorriso, mas, no fundo, sabia que isso só ia acabar mal. Acima de tudo, eu só queria saber que Jeremy e Tyler estavam a salvo. "Eu aprecio tudo o que você fez por mim, Jimmy. Eu sei que continuo a pedir, mas preciso que você me prometa uma última coisa". "Diga." "Se alguma coisa me acontecer, certifique-se de que Tyler e Jeremy fiquem bem." "Oh, homem, não fale assim. Você vai passar por isso. Tudo vai ficar bem. Não fode com essa conversa, como se você nunca fosse voltar disto." Eu cerrei os dentes. "Pode vir a isso, Jimmy. Eu tenho que ser realista aqui, porra. Pinzano não quer me conhecer, tomar chá, e discutir a porra do tempo. Ele me quer morto. Nós dois sabemos que há uma chance muito boa de que não vou sair dessa vivo." Eu ouvi Jimmy maldizer sob sua respiração. "Ok, Dean. Eu ouvi você, e prometo tudo isso, mas você tem que me prometer algo em troca." Eu sorri. "O que é?" Ouvi um som abafado, em seguida, ele sussurrou, "Não ouse desistir. Se você receber uma chance, segure o coração do filho da puta para fora e alimente o próximo animal faminto que você vê." Eu ri um pouco. "Eu nunca precisaria te prometer isso, Jimmy. Nem precisa dizer, porra".


Ele suspirou. "Bom. Agora vá buscar o seu filho, e vou ver você em breve, cabeça de bunda." "Não se eu vê-lo primeiro, filho da puta." Eu desliguei e rapidamente corri para o meu carro alugado. Eu tinha tudo o que precisava comigo agora e, felizmente para mim, tinha ficado escuro. Isso fez o que eu precisava fazer e ficar longe muito mais fácil. Eu tinha que ter cuidado, no entanto. Eu tinha que ter certeza que ninguém estava olhando. Quando entrei no carro, peguei meu telefone e, com certeza, havia um texto contendo as instruções sobre onde ir. Eu fiz uma nota mental, colocando o telefone no painel, e disparei o motor. Enquanto dirigia para a saída, fiz a minha primeira marca. Era uma maldita tragédia, sujando o carro desse jeito, mas tinha que ser feito. Eu não me importo o quanto isso me custaria no fim. Eu tinha que ter certeza que Jeremy estava a salvo. Eu levei à direita na saída e dirigi cerca de uma milha antes de virar à esquerda no cruzamento. Novamente, deixei a minha marca antes de virar. Toda a viagem até lá, agarrei o volante com tanta força, que meus dedos começaram a ficar brancos. A viagem levou cerca de meia hora. Na última vez, eu eliminei as provas e dirigi outra meia milha para baixo, uma estrada longa de terra. Eu estava no meio de uma floresta no meio de lugar nenhum. Eu mal podia esperar algo diferente. Assim que cheguei a uma grande casa no final da estrada, fui recebido por dois homens com armas. Desliguei meu carro. Um abriu a porta com uma mão enquanto segurava sua arma em mim com a outra. Ambos foram cautelosos. Eu acho que a minha reputação me precedia. "Senhores. Como o diabo estamos esta noite?"


O cara apontando a arma para mim de repente começou a acenar. Ele já estava suando. Não é um bom sinal. "Ponha as mãos para cima e saia da porra do carro!" Eu ri, mas obedecendo a seu comando. "Whoa, meninos. Vamos lá. Não há necessidade de obter sua cueca em uma torção. Eu vou ser bom." O outro cara revistou o carro enquanto eu estava lá com as minhas mãos para cima. Uma vez que ele estava satisfeito, ele pegou meu telefone e entregou ao cara suada na minha frente. "Reviste ele." Eu suspirei, mas deixei o homem passar sobre o seu trabalho. Eu só queria chegar em casa tão logo que fosse possível. Eu tinha que ter certeza de que Jeremy estava bem. Uma vez que o homem estava satisfeito, que eu não estava usando quaisquer fios ou tinha quaisquer armas, cara suada apontou para a casa com sua arma. Eu estava muito ansioso para fazer o que ele instruiu. Só havia sentido medo duas vezes em minha vida. Uma vez foi quando pensei que eu tinha perdido Tyler... e agora. Não porque eu temia pela minha própria vida, mas porque temia pela segurança do menino que tinha roubado o meu coração. Eu só estava fodido que não iria nunca ser capaz de dizer-lhe isso. Enquanto eu caminhava pela porta, minhas mãos ainda para cima, notei Jeremy sentado no sofá no meio da sala. Seus olhos estavam inchados de tanto chorar e suas bochechas estavam vermelhas, sem dúvida dele constantemente esfregar as lágrimas. Jeremy olhou para cima e, provavelmente pela primeira vez desde esta manhã, seu rosto se iluminou. Ele levantou-se e veio correndo em minha direção. "Dean!" Ele gritou, correndo para os meus braços. Eu peguei ele e beijei-o na face. "Você está bem, grandão?" Ele balançou a cabeça. "Eu estou bem agora." Ele aconchegou a cabeça no meu pescoço e eu inalei como se fosse meu último suspiro.


"Bem, onde você veria isso? Como é doce ver um vínculo entre pai e filho". Minha cabeça disparou para encontrar Pinzano sorrindo. Se não fosse pelo fato de que eu estava segurando Jeremy em meus braços, eu teria pulado às pressas em cima dele. Mas ele provavelmente sabia disso e, sem dúvida, previa o meu ataque. Ele tinha todo o controle agora e sabia disso. "Eu mantive minha parte no acordo. Agora espero que você mantenha a sua." Ele assentiu com a cabeça e caminhou entre os dois homens. "Sim, eu sou um homem de palavra. Jeremy será entregue de volta para sua mãe com segurança, desde que você me dê sua plena cooperação." Eu balancei a cabeça de acordo. "Claro. É evidente." Pinzano sorriu para mim. "Muito bem, então." Ele acenou para um de seus homens que veio e tentou tirar Jeremy dos meus braços. "Não!" Ele gritou, me segurando tão apertado quanto nunca. "Eu não vou embora sem você agora. Não agora que encontrei você. Não me faça sair! Você tem que vir comigo. Você tem que vir!" O homem lutou para tirá-lo de meus braços, mas tudo o que fez foi fazer Jeremy gritar ainda mais alto. "Deixa ele em paz!" Eu gritei. Eu berrei tão alto, que mesmo Jeremy parou de lutar. A sala inteira virou um silêncio mortal. Tomando duas respirações profundas, eu olhava o homem para baixo. "Eu faço isso". O homem olhou para Pinzano e ele concordou. Uma vez que ele viu o aceno de cabeça, ele voltou para me dar algum espaço. Ajoelhando-me, coloquei Jeremy em seus pés e tentei tirá-lo de mim. Quando ele soube que tive que deixar ir, coloquei a cabeça entre as mãos e enxuguei as lágrimas. "Eu não posso ir com você, Jeremy." Ele abriu a boca para


falar, mas o interrompi. "Jeremy, você tem que ir para a sua mãe. Ela está preocupada com você." "Mas, eu não quero deixá-lo." Ele disse com uma voz tão suave, que quase me quebrou. "Eu sei, Jeremy, mas você tem que ir. Sua mamãe está esperando por você e eu tenho que ter certeza que você chegue até ela em segurança." Jeremy fez uma careta. "E então você pode voltar para casa?" "Não..." Eu coloquei minha mão até parar Pinzano de falar mais. Eu cerrei os dentes e olhei para ele antes de olhar para Jeremy novamente. "Eu farei o meu melhor para chegar até você, mas não posso até saber que você está com sua mamãe, ok?" Jeremy assentiu e limpei as lágrimas restantes no seu rosto. "Agora, você tem que ir com este homem, ele irá levá-lo para sua mãe. Eu vou ficar bem aqui, Jeremy. Não se preocupe comigo." Eu sorri com ternura e beijei-lhe a mão antes do cara dar um passo a frente novamente para levar ele de mim. Ele fez um movimento para sair pela porta no momento que dois homens me algemaram. "E outra coisa..." O homem ainda se levantou e se virou para que Jeremy ficasse de frente para mim. "Estou muito feliz que encontrei você também, grandão." Com, provavelmente, o último sorriso que eu iria oferecer, pisquei para ele. Eu sabia que no minuto que aquela porta se fechasse, minha vida estava se fechando com ela. Só um milagre poderia me ajudar agora.


Capítulo 20 Jimmy Eu estava sentado na casa de Tyler, inquieto mais do que já estive na minha vida. Eu estava no limite e sabia que merda estava prestes a acontecer. A cada minuto que passava era um minuto mais perto da morte de Dean. Eu sabia que ele estava indo para uma armadilha, mas ele estava fazendo isso para salvar seu filho. Que pai não faria isso? Tara tentou acariciar minhas costas para me acalmar, mas quanto mais eu olhava para a angústia sobre o rosto de Tyler, mais queria entrar em ação. Eu estaria ferrado se deixasse Jeremy tornar-se órfão agora, depois de apenas encontrá-lo. Fazia uma hora que eu tinha falado com Dean no telefone. Toda a porra de uma agonizante hora de espera. Eu sabia o que fazer quando recebi esse chamado. Eu também sabia que a polícia iria me seguir. Eu não era estúpido o suficiente para pensar que eles me deixariam ir sozinho. Pode ser uma coisa boa para mim no fim. O telefone de Tyler começou a tocar e ela correu para buscá-lo. A polícia estava lá e ouviu a conversa. "Olá?... Sim, é Tyler..." Ela agarrou a parte superior de seu vestido apertado, eu achava que ela iria rasgá-lo. "Onde?... Eu te encontro lá." Ela desligou o telefone e rapidamente agarrou as chaves. "Minha senhora, você não pode ir sozinha", um dos oficiais disse.


Os olhos de Tyler se arregalaram. "Você ouviu o que ele disse. Eu não tenho nenhuma outra escolha. Você quer ser o único responsável pela morte de meu filho?" O oficial fez uma careta. "Não, mas..." "Então não me siga. Eu quero ir buscar o meu filho. Por favor." Ela olhou para ele suplicante e o oficial cedeu. Cavando em seu bolso, ele tirou um telefone. "Então, por favor, tome isso. Nós vamos ser capazes de rastreá-la com ele. O minuto que você tem Jeremy, eu quero que você dirija o mais longe possível e ligue para nós. Ok?" Ela assentiu com a cabeça e olhou para mim. Eu balancei a cabeça em uma conversa silenciosa. Foi um gesto que disse que eu sabia o que fazer, e estaria ferrado se não iria tentar o meu melhor para colocar as coisas direito. Com um sorriso apertado, Tyler saiu, deixando Tara e eu nos agarrando um ao outro. Ela estava perturbada e queria confortá-la, mas eu estava rígido com a ansiedade. Olhei para cima para o oficial que tinha entregado a Tyler seu telefone. Seu nome era sargento Phil Shaw, e pelo que tinha visto até agora, ele parecia um bom rapaz. Ele poderia dizer que o desespero estava lá, para se certificar que Jeremy voltasse para casa com segurança. Eles haviam feito a pergunta de por que, mas tudo o que disse a eles foi que os Pinzanos queriam a família de Dean morta há anos. Se eles procurassem por ele, veriam que isso era verdade. "Uma vez que nós temos a palavra que Jeremy está de volta com Jessica, eu preciso ir. Eu vou saber onde encontrá-lo." O nome falso de Tyler era estranho na minha língua agora. Oficial Shaw franziu a testa para mim. "O que você quer dizer?" Eu sorri. "Você já ouviu falar de João e Maria, certo?" O policial assentiu. "Migalhas de pão de rosca. Dean teria me deixou migalhas de pão." Eu sorri para o oficial de novo, então sorri para Tara. Eu queria tentar tranquilizá-la de que tudo estava bem, mas quanto mais o tempo passava, mais meu intestino apertou.


Após cerca de meia-hora a mais de espera, finalmente recebemos a chamada de Tyler. Jeremy tinha sido entregue com segurança para ela e eles estavam a caminho de casa. Ela tinha escolta policial com ela, então eu sabia que agora era a hora de agir. Atirando para fora do meu assento, peguei minhas chaves e me virei para Tara. Ela parecia tão assustado. "Por favor, volte para mim." Uma única lágrima correu pelo seu rosto, e eu a beijei suavemente. "Eu vou estar em casa antes de você perceber." Eu pisquei para ela e ofereci um sorriso tranquilizador. Eu não sabia se minhas palavras eram verdadeiras, mas tinha que oferecer-lhe algo. "Amo você, menina linda." Eu beijei-lhe a mão e ela sorriu. "Eu também te amo." Com um último sorriso, eu me virei para o oficial. "Eu preciso ir. Siga-me se você quiser, mas não há tempo a perder." Oficial Shaw assentiu. "Vamos manter uma cauda de cerca de cinco carros para baixo." Eu balancei a cabeça e todos nós corremos para os nossos carros. O minuto que estava com o cinto, liguei o carro e dirigi em direção ao restaurante. Eu já tinha obtido as coordenadas no GPS antes de partir. Cerca de vinte minutos, eu vi o restaurante, virei, e imediatamente vi a marca de tinta na saída. Eu tinha aprendido essa técnica de meus dias no exército há muitos anos. Sabendo que eu não podia localizá-lo usando a tecnologia, achei melhor entregar-lhe uma lata de tinta spray amarelo e instrui a fazer um buraco no fundo de seu carro. A tinta era de uma cor que iria mostrar-se facilmente. Em cada cruzamento, Dean deveria ter marcado a estrada e apontado para onde seguiria. Agora eu só tinha que encontrá-lo, e eu o faria.


Tão rápido quanto eu podia, dirigi fora da saída da lanchonete. Avistei o carro com o oficial um pouco mais abaixo na estrada. Concordei com eles e virei à direita para a estrada principal. Eu dirigi por cerca de uma milha antes que vi a próxima marcação. Quanto mais a viagem seguia, mais a floresta me cercava. Um esconderijo perfeito para torturar e matar alguém, eu acho. Eu apenas não esperava que fosse tarde demais. Quando me aproximei da última marca, notei que o spray foi colocado ao lado de uma árvore e sabia que isso deveria ser o destino final. Deixei o carro estacionado em um ponto isolado, e fiz o resto do caminho a pé. Eu estava fodido com raiva que eu não tinha uma arma, mas eu fui treinado para lutar sem elas, então eu mal podia reclamar sobre isso agora. Corri tão rapidamente e tão silenciosamente quanto possível ao lado do caminho que levou para algumas luzes à distância. Eu não tinha ideia se a polícia estava me seguindo agora, mas não conseguia parar de seguir em frente. Eu tinha chegado tão longe e eu não iria recuar agora. Eu corri um pouco mais até que podia ver a casa à distância. Eu vi um homem com uma arma escaneando o perímetro, de modo que me escondi atrás de uma árvore e olhei em volta para quaisquer outros sinais de vida. Nada. Andando tão baixo quanto possível, corri atrás do homem. Eu sabia que não poderia matá-lo, que me traria um montão de problemas com a polícia atrás de mim, então eu estava feliz que conhecia certos pontos de pressão que tornariam um homem inconsciente. Deixaria a polícia lidar com ele depois disso. Eu bati-lhe no ombro. Ele girou em tempo para eu dar-lhe um sorriso brilhante e golpear o pescoço. Ele caiu em uma fração de segundo. Sorrindo, tomei a arma dele e fiz meu caminho mais perto da casa. Olhando ao redor, podia ver quatro outros caras lá fora, todos com armas e todos patrulhando os arredores. Eu suspirei, sabendo que chegar ao Dean ia demorar mais tempo do que eu pensava. Eu tinha que fazer isso, e eu tinha que ter cuidado.


Um por um, subi para cada rapaz e fiz a mesma coisa, recolhendo suas armas enquanto seguia. No tempo que fiz isso para o quinto cara, o Oficial Shaw me tocou, uma expressão atordoada no seu rosto. "Vocês são das forças especiais ou algo assim?" Eu sorri para ele. "Eu era." Eu olhei para as armas e entreguei-as a ele. "Aqui. Você pode ficar com isto. Eu preciso ir para dentro. Você pode cobrir minhas costas." Shaw, ainda atordoado, tomou as armas de mim e apenas olhou. Até o momento eu estava no meu caminho, notei vários outros oficiais que estavam cercando a casa. Isso era uma coisa boa. Ao menos eu tinha alguém vigiando minhas costas agora. Corri em direção à borda da casa e fugi para baixo perto da janela da frente. Eu levantei um pouco para olhar na janela e vi dois homens no interior, ambos com armas. Fiz sinal ao oficial que havia dois homens naquela sala, ambos armados. Eu arrastei meu caminho junto a outra janela e olhei para encontrar a cozinha. Ninguém estava lá. Fiz um gesto de que estava tudo claro. Um outro oficial apontou para mim que eles estavam indo em torno da casa. Concordei e me arrastei ao longo até que cheguei à porta da frente. Eu senti um toque no meu ombro e virei. "Nós vamos levá-lo a partir daqui," o oficial sussurrou. "Não há nenhuma necessidade para você ir mais longe. É muito perigoso." Eu suspirei, sabendo que tinha empurrado tanto quanto podia. Eu meio que sabia que não iriam deixar um civil executar o show, mas pensei que valia a pena tentar. Eu balancei a cabeça e fiz sinal para que eles me passassem. Eu segurei e deixei todos correrem para a casa. Eu meio que tive um pressentimento de onde Dean estaria, então me mudei para a parte de trás da casa para ver se eu poderia encontrar uma outra maneira de entrar. Tiros em breve soaram. "Foda-se!" Eu freneticamente olhei em volta e vi uma corda que estava sob a vegetação rasteira. Sem perder tempo, puxei a corda para trás, encontrando um alçapão, uma escada levando para baixo. Tomei cada


etapa o mais rápido que pude, deixando a porta aberta para que a polícia pudesse vê-lo. A primeira coisa que notei foi como muito mais frio que estava lá embaixo do que acima do solo. Em seguida, havia o cheiro. Era cheiro de mofo, que eu imagino ficava pior quando os meses de inverno atingiam. Eu vi uma luz fraca vinda através de uma porta na distância, sons abafados vindos de trás dele. Ouvi grunhido e no minuto que o som me bateu, eu estava desligado. Se havia uma chance de que Dean estava vivo, eu teria que me mexer rapidamente. Eu cheguei à porta e notei que estava entreaberta. Eu mexi tão lenta e silenciosamente quanto possível. Meu coração estava batendo no meu peito, adrenalina correndo através de mim. Eu não tinha ideia do que iria encontrar, mas tinha que olhar. A morte pode vir rapidamente para mim, mas eu tinha que fazer uma tentativa de salvar Dean. O que eu vi uma vez que abri a porta me chocou. Eu não sabia por que, porque eu estava acostumado a esse tipo de coisa dia após dia, mas era alguém que me preocupava recebendo a força do peso da tortura neste momento. Dean mal parecia vivo. Seus braços estavam acima de sua cabeça, seus pulsos amarrados com corda. Era a única coisa que o mantinha em pé. Havia sangue por toda parte, que escoava para fora de múltiplos cortes em seu corpo. Ele tinha marcas de queimadura, três das quais formavam as letras "A", "P" e "J" em seu peito. Sem dúvida, esta foi uma tentativa por parte de Pinzano para ser engraçado. Eu certamente não estava rindo. Eu vi um chicote de repente atacar, e Dean levantou a cabeça com a dor. Eu podia ver que ele estava tentando o seu melhor para não gritar. Eu sabia que ele nunca iria querer dar a esse filho da puta essa satisfação. "Eu vou fazer você gritar, mesmo que seja a última coisa que faça. Há tanta coisa que um homem pode tomar, Dean. Talvez eu devesse ter sequestrado sua amiga e teria um pouco de diversão com ela enquanto você assistia. Você teria gritado então, ha?"


"Foda-se", ele rosnou com os dentes cerrados. Ele era um homem quebrado, mas seu espírito não conseguiu desistir. Avancei um pouco mais, tentando ver quem mais estava na sala. Dean olhou para cima, seus olhos inchados tentando olhar de volta para mim. Parecia que Mike Tyson tinha estava no quarto e estava em sua décima segunda rodada com ele. Tudo o que fez foi fazer minha raiva subir ainda mais. Dean era meu chefe, sim, mas nos últimos dois anos, nós nos tornamos mais próximos. E foi tudo por causa de uma senhora em sua vida, ele nunca poderia perder a esperança. Eu não poderia ficar lá por mais tempo e vê-lo ser torturado. Ele tinha encontrado Tyler novamente. Eu tinha que salvá-lo. Eu tinha que ter certeza que ele perseguiu o seu felizes para sempre. Sem pensar um momento, entrei no quarto, tendo apenas um segundo para tomar tudo. Além de Pinzano, havia dois outros homens na sala. Ambos tinham armas e ambas voltadas diretamente para mim. Eles foram rápidos, mas eu fui mais rápido. "Que porra é essa?" Pinzano gritou. Corri e fiquei atrás de um homem tão rapidamente quanto possível. Tiros foram disparados e o homem que eu estava atrás teve um impacto direto. Dentro de um instante, eu levantei a arma da mão do homem morto e atirei de volta no outro. Ele estava caído dentro de um instante, e lá estávamos nós, Pinzano e eu face a face. Eu tinha uma arma agora, mas assim como ele. "Por que você demorou para caralho?" Dean murmurou, tentando rir em uma tentativa de me deixar saber que ele estava bem. "Desculpe, eu estar tão atrasado, querido. O trânsito estava terrível." Eu sorri para ele. "Cale a boca!" Pinzano gritou. Eu suspirei. "É tarde demais. Seu tempo acabou. A polícia está aqui e não vai demorar muito tempo para nos encontrar".


Ele resmungou e murmurou algo sob sua respiração. "O que foi isso, querido? Eu não terminei de pegá-lo." Eu me virei para Dean. "Eu acho que ele pode estar tendo dificuldade em obter as suas palavras." Só então, ouvimos gritos acima de nós. Pinzano olhou para cima e eu corri para Dean, tentando o meu melhor para desatar pelo menos uma mão, enquanto apontava a arma para Pinzano. Ele lançou seu olhar de volta para mim, assim que consegui soltar a corda. "Deixe-o!" Ele rosnou, mas, embora ele tentou o seu melhor para ficar mal, sua voz estava trêmula. Mesmo suas mãos estavam começando a tremer um pouco. Eu fiz um som de desaprovação. "Eu não acho que você teve o bastante, Pinzano. Você está em desvantagem. Por agora, todos os seus homens devem estar ou mortos ou sob custódia da polícia. Você é apenas o último pequeno verme que eles têm de recolher entre a sujeira de onde você veio." Tudo então parecia acontecer em câmera lenta. Dean conseguiu se desatar no momento em que a polícia veio correndo. Pinzano rugiu, correndo para Dean. Eu fui rápido, tirei a arma da sua mão, mas Pinzano balançou e esfaqueou Dean no peito com o que parecia ser um picador de gelo na outra mão. Tiros soaram quando Pinzano e Dean cairam no chão. Em pânico, corri para Dean, agarrando a mão, enquanto a polícia pelo rádio chamava uma ambulância. Maldito, por eu não estar mais alerta, agarrei meus olhos fechados por um momento antes de ver Dean me encarando. "Aguente aí, Dean. Nós vamos ajudar você." Ele me deu um pequeno sorriso. "Devemos estar ficando velho, Jimmy. Nós dois estamos um pouco lentos." Eu ri. "Meus reflexos não são o que costumavam ser." "Seja honesto comigo." Eu assenti. "Você acha que Tyler vai gostar das minhas novas tatuagens?" Ele sorriu novamente, em seguida, fez uma careta de dor.


Olhei para suas marcações. "Provavelmente não. Eu pegaria seu fodido dinheiro de volta se fosse você. Uma das cartas está toda torta." Dean tentou rir, mas ele inalou bruscamente. Calmante, ele olhou para mim. "Você acha que eles vão me aceitar?" Confuso, eu pensei que ele estava delirando. "Aceitar onde, Dean?" Ele fez uma careta com a dor. "Os portões de pérolas. Você acha que meus pecados serão lavados agora que Jeremy está seguro? Por favor, me diga que eles estão seguros." Eu balancei a cabeça e, pela segunda vez na minha vida, senti as lágrimas transbordando. "Eles estão seguros, Dean, mas você não vai chegar a esses portões de pérolas ainda. Você pode me ouvir? Você tem que lutar, Dean. Lute por Tyler. Lute pelo seu filho." Ele fechou os olhos e eu apertei sua mão. "Não vá dormir em mim, Dean. Fique acordado." "É engraçado. Eu pensei que iria sentir frio, mas não sinto. Talvez estou indo para o inferno." Seus olhos começaram a rolar para trás, então puxei sua mão. "Ouçame, seu merdinha. Você não vai a lugar nenhum, a não ser para o hospital. Você tem muitas pessoas que se preocupam com você. Não ouse desistir." Dean sorriu. "Você se preocupa comigo, Jimmy? Eu sempre pensei que você gostava de mim." Eu ri. "Não deixe isso subir a porra da sua cabeça. Você não é tão boa aparência." Eu olhei para um dos oficiais e ele acenou para mim. "A ambulância está a caminho." Eu balancei a cabeça para trás e olhei para o picador de gelo ainda no peito de Dean. Não ousei tirá-lo, mas ele precisava ser visto por um médico. Uma batida forte de repente ouviu-se de outra porta do outro lado da sala. Em breve, mais policiais chegaram e mais entraram. Fiquei contente que


havia outra saída daqui porque isso significava que tirar Dean ia ser um pouco mais fácil. Segurei sua mão. "Calma aí, homem. A ajuda está quase aqui." "Quão ruim está?" Sua respiração foi ficando mais e mais irregular. "Eu já vi você parecer bem melhor, Dean, mas você está bem. Você vai se curar". Dean moveu a cabeça de um lado, com os olhos cada vez mais fora de foco. "Diga ao grandão que seu pai o ama e que ele precisa cuidar de sua mãe." Eu balancei minha cabeça. "Pode dizer a ele você mesmo, seu pequeno pau. Dean, pelo amor de Deus, não ouse morrer em mim." Sua respiração ofegou um pouco mais. "Diga a Tyler que eu a amo, e que sinto muito." "Porra! Não faça isso comigo, Dean. Não me faça dizer isto. Você precisa se manter vivo e dizer a eles você mesmo. Ao vivo, pelo amor de Deus. Basta viver." Ele lutava para respirar, então me olhou nos olhos. "Obrigado, viado." Ele sorriu e fechou os olhos. "Não, não, não, não! Dean!" Eu olhei para cima. "Onde está a porra da ambulância?" Um policial entrou correndo. "Eles estão vindo agora." Olhei de volta para Dean e apertei sua mão mais uma vez. "Você escuta aqui, cara foda. Você não veio de tão longe para deixar Tyler sozinha, apenas não desista. Você tem um filho agora. Você tem que viver por ele. Você tem que vê-lo crescer. Se você não fizer o que digo, eu pessoalmente vou matá-lo." Eu sabia que era a coisa errada a dizer, mas estava com raiva. Eu odiava que tanto trabalho que tivemos para ele encontrar o caminho do seu amor, apenas para tê-lo arrancado de ambos. Mais uma vez.


Dois paramédicos vieram correndo, carregando uma maca. Eu soltei a mão de Dean e os deixei ir trabalharem. Eles o colocaram na maca e ligaram uma IV. Eles tomaram a sua pressão arterial, o que eu vi foi muito baixo. Ele tinha um pulso fraco, mas pelo menos ainda estava lá. "Nós temos que levá-lo ao hospital. Nós não temos nenhuma ideia de quão perto a sua lesão está de qualquer artéria principal. Ele perdeu muito sangue." O policial acenou para o paramédico. "Onde você o está levando?" Os paramédicos levantaram a maca e começaram a carregá-lo para fora. "Hospital Hampton." Eu reconheci o nome, pois é onde Tara trabalha. Merda. O que eu ia dizer a elas quando voltar para a casa? Tyler devia estar saindo da porra de sua mente agora. Um toque no meu ombro me fez girar ao redor. Era o oficial Shaw. "Precisamos tomar a sua declaração." Eu balancei a cabeça. "Eu vou te dar tudo que você precisa, mas preciso chegar ao hospital e entra em contato com a namorada de Dean." Shaw sorriu, acenando com a cabeça, e todos nós fizemos o nosso caminho para fora da área. Notei que a ambulância tinha ido embora e quatro homens de Pinzano ainda estavam vivos. Esfregando o rosto com as duas mãos, olhei para cima para encontrar Shaw olhando para mim. "Você pode me seguir. Há apenas um lugar que quero estar agora." "Isso é bom. Você não está preso, mas nós ainda precisamos tomar sua declaração". Eu balancei a cabeça e fiquei dentro do meu carro. Antes de ligá-lo, peguei meu telefone do meu bolso e disquei o número de Tyler. Olhei para ele por um momento, incapaz de me mover. O que eu ia dizer a ela? O que poderia dizer a


ela que faria o que aconteceu mais fácil? Seu mundo estava prestes a desabar mais uma vez, e eu ia causar isso. Eu odiava dar más notícias. Eu odiava ser o único a fazer o coração de alguém quebrar em dois, mas tinha que fazer. Ele não era tão invencível como todos nós pensamos que ele fosse. Tyler tinha que saber que Dean foi muito seriamente ferido. E, desta vez, ele poderia não sobreviver.


Capítulo 21 Tyler Quando recebi o telefonema de Jimmy, pensei que meu mundo tinha chegado ao fim. Sim, eu tinha ficado louca como o inferno por Dean trazer a única coisa na minha porta que eu tinha sempre corrido longe. Mas ele fez uma promessa para salvar Jeremy, e ele manteve sua promessa. E agora que fui confrontada com a possibilidade de perder Dean, havia apenas uma coisa que eu poderia fazer. Perdoá-lo. E eu fiz. Eu o perdoei outra vez, porque, não importa o que, Dean era minha fraqueza. Eu não poderia viver sem ele. Após o telefonema de Jimmy, eu desabei nos braços de Tara e ela me segurou enquanto as últimas 12 horas veio caindo para fora como um redemoinho. Uma vez que ela me confortou e eu sequei meus olhos, disse a Tara para ia ao hospital e pedi para ela cuidar de Jeremy. Sem dúvida, exausto, ele tinha caído adormecido não muito tempo depois que chegou em casa. Senti raiva de Dean por colocar nosso filho nisso tudo, mas quando Jeremy olhou para mim com aqueles grandes olhos azuis e disse: "Eu o encontrei" antes de adormecer, eu sabia. Não era só sobre mim. Éramos uma família, e a família toma decisões em conjunto. Não havia nenhuma maneira que eu poderia deixar Dean ir agora, porque não havia maneira que Jeremy deixaria Dean ir. Ele tinha que segurar. Ele tinha que lutar. Nós tivemos que continuar a ser uma família. Essa foi a única maneira que nós poderíamos passar por tudo isso. Mas, primeiro, Dean tinha que viver. Ele tinha que ficar forte. Eu gostaria de poder


dizer-lhe o quanto o queria, mas infelizmente, eu estava sentada no hospital durante as últimas três horas, esperando e esperando para descobrir alguma notícia sobre o estado de Dean. Ele havia sido levado às pressas direto para a cirurgia no minuto que ele chegou e eu não tinha ouvido nada desde então. Eu tinha Jimmy comigo, apesar de tudo. Ele tinha sido a minha rocha. Ele segurou a minha mão, me perguntou se eu queria café, conversou comigo sobre qualquer coisa. Não é de admirar que Tara o amava tanto. Acho que eu mesma estava me apaixonando por ele. Ele era definitivamente parte da nossa família agora. Grande Tio Jimmy. O pensamento me fez sorrir. "Porque você está sorrindo?" Olhei para cima para ver seu rosto cansado, mas ansioso de Jimmy. Ele usava um sorriso como eu. Era uma ameaça do real, mas um sorriso duro. Um sorriso que escondia o que ele estava realmente sentindo. "Eu estava pensando sobre a sua alcunha, cortesia do nosso pequeno malandro." Jimmy riu. "Você quer dizer o mini Dean? Ele se parece com ele." Eu balancei a cabeça, e Jimmy veio para sentar-se ao meu lado. "Ele vai passar por isso. Eu lhe disse que iria matá-lo se ele não fizesse". Eu comecei a rir. "Vocês dois são uma coisa." Jimmy ergueu a sobrancelha. "Ele me chamou de viado pouco antes de ficar inconsciente." Eu comecei a rir mais duro. "Mesmo nessas circunstâncias, vocês dois ainda estão chamando cada um desses nomes." Jimmy deu de ombros. "Eu acho que tenho um pouco também em contato com meus sentimentos. Ele estava tentando me fazer voltar para a terra. Eu acho que me chamar de viado foi a única maneira que conhecia." Ele estremeceu um pouco, como se houvesse mais na história do que o que ele estava me dizendo. Eu não quero saber. O que quer que Dean tinha a dizer, ele poderia


me dizer ele mesmo, uma vez que conseguisse passar por isso. Ele tinha que passar por isso. "Cara, eu odeio hospitais." Jimmy levantou-se novamente e começou a andar um pouco antes de sentar de volta. Eu me sentia mal por ele. "Por que você não volta para casa para Tara? Eu vou ligar se houver alguma notícia." Ele balançou a cabeça. "Eu não quero deixá-la sozinha. Além disso, quero saber o minuto em que ele sair da cirurgia." Eu balancei a cabeça, sem dizer mais nada. Se era isso que ele queria, eu não iria sentar aqui e discutir com ele. "Da última vez que eu estava esperando em um hospital foi quando a minha namorada morreu." A sala estava tão silenciosa, você poderia cortar a tensão com uma faca. Jimmy estava inclinado de volta em sua cadeira, olhando para o teto com lágrimas nos olhos. Era tão estranho ver, considerando que ele sempre pareceu tão duro. Ele era apenas um grande urso de pelúcia por baixo. "Sinto muito por ouvir isso. Quantos anos ela tinha?" Jimmy suspirou e olhou para mim. "Vinte e dois. Ela queria ser uma parteira." Ele riu. "Que figura, ha? Eu acho que você não pode se manter afastado de uma garota de uniforme." Ele riu novamente, em seguida, olhou de volta ao teto por um momento. "Ela sempre amou bebês. Eu teria dado a ela vinte se ela quisesse. Eu só queria fazê-la feliz, mas depois entramos nessa luta grande e eu a deixei sair para se refrescar. Pior erro da minha vida. É por isso que eu estava determinado a ajudar Dean lutar por você. Eu não queria que vocês acabassem como eu." Jimmy passou a contar-me mais sobre Grace e o que aconteceu. No final, ele suspirou, fechando os olhos. Eu coloquei minha mão na sua e dei-lhe um aperto. Seus olhos se abriram e ele encarou de volta para mim com um sorriso.


"Estou feliz por Tara estar com você." Jimmy sorriu. "Eu a amo." Eu balancei a cabeça. "Eu sei que você faz. Eu também sei que ela ama você, também." O sorriso em seu rosto se iluminou completamente. Eles estavam apaixonados e não tinham medo que soubessem. Eu tinha que sorrir de volta porque era difícil não sorrir. "Você e Dean... Vocês tem tanta história juntos. Ele me contou tudo sobre quando vocês eram crianças. Ele disse que estava esperando por você para que pudessem ficar juntos. Sabendo tudo o que eu sei agora, é como a leitura de uma história de amor trágico. Vocês devem escrever um livro sobre isso." Eu comecei a rir. "Nossa história é um pouco fora do comum." Jimmy ajeitou a postura. "Ah, mas onde estaria a diversão se não fosse?" Ele piscou para mim, me fazendo rir. "Eu não posso terminar agora, Jimmy. Não agora que finalmente encontramos um ao outro novamente. Não agora que ele está na minha vida novamente." Eu senti as lágrimas caindo quando Jimmy apertou minha mão. "Eu sei, Tyler. Não há nenhuma maneira que podemos fechar o seu livro agora. A história não acabou para vocês dois. Ela está apenas começando." Eu suspirei, sentindo correr as lágrimas. "Eu realmente espero que isso seja verdade, Jimmy. Eu conheço o que é viver sem ele e é uma porcaria. Eu não poderia fazê-lo novamente." Jimmy viu a dor óbvia nos meus olhos e fez uma careta. "Eu amei Grace com uma paixão e ela terá sempre um lugar especial no meu coração. Mas tenho Tara agora e sinto que posso viver novamente. Eu entendo isso agora. Eu não estou dizendo isso para tentar fazer você ver que há vida após Dean, porque sei que com vocês dois, isso pára aqui. É por isso que ele tem que lutar uma última vez. Ele tem que lutar por sua família."


Eu sorri e balancei a cabeça, mas o seu último comentário me fez lembrar. "Seu tio... Não deveríamos dizer a ele?" Jimmy amaldiçoou e se levantou. "Sim, você está certa. Eu vou ligar para ele." Eu balancei a cabeça e observei Jimmy quando ele andou para fora da sala. Foi nesse momento, sentada sozinha, que eu soube que Jimmy estava certo sobre ele estar aqui comigo. Em apenas aqueles poucos minutos que ele estava usando o telefone, me senti muito sozinha. Em sua ausência, ele me deu tempo para pensar em tudo o que tinha acontecido, e o futuro incerto diante de nós. Em um momento de fraqueza, eu debrucei sobre uma dor esmagadora cauterizada através do meu intestino. As lágrimas começaram a cair quando visões de uma possível vida sem Dean correu pela minha cabeça. A vida seria tão cruel para mim? Eu poderia realmente ser dada esta oportunidade, apenas para tê-lo roubado longe de mim mais uma vez? É engraçado como momentos como este faz você questionar as coisas. Eu me sentia egoísta, porque tudo o que pude pensar era como isso me afetou, e como eu poderia possivelmente até mesmo começar a pensar que eu poderia viver sem ele. Eu queria gritar aos quatro ventos sobre como o universo foi cruel por me dar apenas uma amostra. Isso é tudo que eu tinha. Um sabor de uma vida com Dean. Tudo que eu tinha era um mero pedaço dele, e eu me senti enganada. Senti a injustiça de ser autorizada a amar alguém que eu nunca poderia ser capaz de ver novamente. Foi enquanto eu estava no meu desespero, segurando meu estômago, que senti uma presença no quarto. Alguém estava me observando. Virando minha cabeça para cima, vi um par de olhos procurando os meus, uma mão que me alcançava. Sabendo que ele tinha sido apanhado, Evan jogou a mão para trás. Notei que ele ainda estava em seu uniforme, que só significava uma coisa para mim. Eu senti o aumento de terror e tive esse instinto para cobrir meus ouvidos e fechar os


olhos, fechando o mundo fora, então eu não tinha que ouvi-lo. Mas tinha que ser forte. Eu tinha que saber. "Ele está...?" Eu não poderia colocar a palavra para fora. Senti-me muito estranho na minha língua. Era quase como se dizendo essa palavra significava que era real. "Não." Ao ouvir essa palavra normalmente nunca me faz feliz. „Não‟ era uma palavra negativa. „Não‟ normalmente obtinha as coisas que você não queria. Mas, agora, „não‟ era a palavra mais bonita na terra. Significava que Dean ainda estava vivo. Ele ainda estava respirando. Ele ainda era meu. Liberando a respiração que eu não sabia que estava segurando, olhei para Evan. Ele parecia em conflito. Ele era quase como se estivesse lutando para manter um relacionamento ou membro do médico/familiar, ou simplesmente ser meu amigo. Agora, eu precisava muito. Eu precisava da informação e precisava do conforto. Eu precisava dele para me dizer que tudo ia ficar bem. "Você... você operou nele?" Evan assentiu. "O picador de gelo foi muito próximo à artéria coronária principal. Eu precisava estar lá para a remoção. Ele tinha algumas outras lesões, incluindo

algumas

costelas

quebradas,

um

nariz

quebrado,

e

algumas

queimaduras de segundo grau, mas o principal motivo de preocupação era a ferida no peito. Ele também teve hemorragia interna. Seus pulmões estavam cheios de sangue e tivemos que colocar um dreno de tórax. No ponto, sua pressão arterial caiu perigosamente e tivemos de reanimá-lo. Ele é forte e isso o ajudou a passar por isso, mas as próximas 24-48 horas serão críticas." Eu balancei a cabeça, sentindo-me um pouco aliviada, então notei Jimmy de pé na porta. "Você conseguiu isso?" Ele balançou a cabeça e olhei de volta para Evan. "Obrigada por salvar sua vida." Eu queria perguntar se foi difícil para ele, considerando nosso passado, mas não acho que era adequado. Quão irônico é que o meu ex-namorado acabou salvando meu amor perdido há muito tempo?


Evan sorriu timidamente. "Eu estava apenas fazendo o meu trabalho." Suponho que tive a minha resposta certa lá. Ele estava apenas fazendo seu

trabalho.

Isso

era

definitivamente

Evan.

Ele

sempre

foi

totalmente

comprometido com o seu trabalho, não importa o que. Eu o admirava por isso. "Quando eu posso vê-lo?" Evan suspirou um pouco. "Ele foi levado para a UTI. Eu normalmente não iria permitir que os amigos visitassem pacientes internados na UTI, mas eu conheço você e vou fazer uma exceção." Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Obrigada, Evan. Eu posso levar Jimmy, também. Ele é como uma família." Eu sorri para Jimmy e o vi sorrindo de volta. Era o orgulho que vi no seu sorriso? Evan de repente olhou para Jimmy, então de volta para mim. Era quase como se ele quisesse dizer algo para mim, mas não queria dizer com Jimmy ali. Jimmy sentiu isso e apontou para a porta. "Err, eu vou esperar lá fora." Eu balancei a cabeça e virei para Evan. "Você parece cansada, Jessica. Quando foi a última vez que você dormiu ou comeu alguma coisa?" Eu tinha que sorrir. Evan estava sempre pensando nos outros. "Eu acho que posso dizer com segurança que hoje foi o pior dia da minha vida... e, acredite em mim, eu tive muito poucos em minha vida." Eu ri um pouco. "Como está Jeremy?" Meu sorriso desapareceu e eu senti imediatamente as lágrimas virem. "Ele está bem", eu resmunguei. Evan colocou os braços em mim. "Venha aqui." Eu fui para seu abraço. Eu senti ele suspirar enquanto aconcheguei minha cabeça em seu peito. Evan era sempre bom e reconfortante. Eu não tinha dúvida de que ele faria um marido fantástico para alguém.


Talvez em outra vida, eu poderia ter amado Evan com a paixão que ele precisava. Isso apenas nunca vai acontecer com Dean em minha vida. "Há tantas coisas que quero dizer que não tenho o direito de dizer-lhe mais, mas me dói ver você sofrendo assim. Eu desejo que pudesse ser o único a tirar tudo. Eu desejo que eu não soubesse. Eu só queria." Eu senti ele suspirar novamente. Eu olhei para ele enquanto as lágrimas caíam. "Eu sinto muito, Evan." E eu sentia mesmo. Infelizmente eu não poderia lhe dar o que ele precisava de mim. Fiquei triste que não podia aceitar o seu conforto e oferecer-lhe o meu em troca. Infelizmente, eu não poderia ser a mulher que ele tanto desesperadamente queria. E eu sentia mesmo, tão mal, que não poderia amá-lo do jeito que ele, obviamente, me amava. Eu realmente queria amá-lo no início. Quando cheguei a esse estágio em nosso relacionamento, não havia nada que eu queria mais do que aceitar Evan em meu coração. Mas, Dean estava sempre determinado a fazer-se ser o único homem na minha vida. O que uma piscadela quando eu tinha seis anos fez por mim. Apenas uma piscadela pequena e minha vida foi gravada na pedra. Nenhum outro homem jamais poderia chegar perto de Dean... e isso eu tinha maldita certeza. "Você não tem que se desculpar, Jessica. Entendo. Eu não gosto disso, devo admitir, mas entendo." Eu concordei e ele franziu a testa um pouco. "Posso te fazer uma pergunta?" "Qualquer coisa." Evan olhou para o lado, como se sentindo desconforto. Ele finalmente conseguiu acalmar-se e olhou para mim. "Será que... isto muda alguma coisa? Quero dizer, com o que aconteceu agora?" Eu tinha quase certeza que sabia o que ele estava falando. Suponho que devia mudar as coisas, mas desde que encontrei Dean todas essas semanas, ele só tinha selado para mim. Isso era, puro e simples.


"Eu suponho que isso devia mudar as coisas, mas isso não acontece. Eu não posso... Eu não vou..." Meu Deus, era difícil. Como eu posso dizer a Evan, sem feri-lo, que amava tanto Dean? Evan sorriu e me salvou. "Eu sei. Eu gostaria que não fosse assim, mas eu sei." Ele desviou os olhos e se afastou do nosso abraço. "Eu... É melhor voltar ao trabalho." Ele fez um gesto para a porta e sorriu. Ele estava hesitante, mas eu sabia o porquê. Eu acho que ele sabia que não deveria ficar. Foi apenas mais difícil para nós dois. "Eu sei. Você tem outras vidas para salvar." Eu sorri brilhantemente e observei enquanto ele caminhava para a porta. "Adeus, Evan." Com a mão na porta, Evan abruptamente parou. Eu vi quando ele baixou a cabeça antes de inalar bruscamente um fôlego. Com um passo através da porta, ele tinha ido embora. Eu odiava ser a única a quebrar seu coração. Eu odiava ficar aqui e rasgando o Band-Aid fora dele com uma lágrima violenta. Isso tinha que ser feito, porém, para o nosso bem. Uma vez que ele estava fora da porta, Jimmy timidamente abriu um sorriso. "Você está pronta?" Eu suspirei. "Como eu nunca vou ser." Eu saí após ele, mas Jimmy tocou meu ombro. "Ele não a machucou, não é?" Eu balancei minha cabeça. "Não. Evan nunca poderia me machucar. Nós apenas dissemos algumas coisas que precisavam ser ditas." Jimmy suspirou e olhou em conflito. "Eu não quero que você pense que estou perguntando por causa do Dean. Eu acho que estou apenas..." "Cuidando de mim?" Eu terminei para ele. Ele abriu um grande sorriso. "Sim, exatamente."


Eu estendi minha mão. "Vamos, Jimmy. Vamos ver a nossa dor na bunda." Ele riu, mas pegou minha mão. "Vou depois de você." Começamos a andar, então ele olhou para mim com um brilho divertido em seus olhos. "É bom ver você usando o humor novamente. Eu estava começando a me preocupar com você." Eu suspirei. "Se eu não rir, vou desmoronar. Eu não posso estar fazendo isso. Não agora. Eu preciso ser forte por Jeremy, e eu preciso ser forte por Dean." "O que você vai dizer a Jeremy?" Eu suspirei de novo. "Ele sabe quem Dean é agora. Eu só não tive a chance de falar com ele corretamente sobre o Dean. Estou preocupada com sua reação ao descobrir sobre Dean estar aqui, mas, ao mesmo tempo, não posso mentir para ele, Jimmy. Eu acho que já fiz o suficiente. Ele precisa começar a ser um pai e aceitar o fato de que eu tenho a responsabilidade de fazer o que é certo para o nosso filho." Chegamos à UTI e Jimmy apertou minha mão. "Eu entendo." Foi lá que fechei meus olhos. A última vez que visitei uma unidade de UTI foi quando perdi alguém que considerava um irmão para mim. Eu tinha que admitir que estava apavorada. Eu não quero que isto aconteça uma segunda vez. Foi muito antes, mas isso seria insuportável agora. Como se sentindo a minha angústia, Jimmy colocou a mão no meu ombro. "Você pode fazer isso. Eu sei que você pode." Ao ouvir Jimmy dizer essas palavras me fez sorrir. Não foi o suficiente para tirar o meu medo, mas foi o suficiente para eu seguir em frente. O suficiente para me forçar a ver Dean. Felizmente para mim, olhei na janela e vi uma enfermeira que eu estava familiarizada, mas cujo nome me escapou. Ela olhou para cima e sorriu quando acenei para ela. Ela se aproximou e abriu a porta. "Jessica, oi. Evan me disse que você viria."


"Ele fez? Isso é bom." Eu vi Jimmy olhar para cima e para baixo. Não foi um olhar óbvio, mas um olhar no entanto. "Este é Jimmy, um amigo muito próximo." Ela estendeu a mão. "Oi, eu sou a Chelsea." Chelsea! Como na terra esqueci isso, era uma incógnita, considerando que eu morava perto de Chelsea em Londres durante anos a fio! Jimmy deu a ela um olhar „vou trazer-lhe problemas no minuto em que você ver o meu sorriso‟ e balançou sua mão. "Prazer em conhecê-la, Chelsea." Eu poderia dizer que Jimmy não estava flertando com ela, mas acho que ele só tinha essa maneira natural sobre ele que te faz pensar que ele estava. Chelsea certamente parecia que mal podia esperar um encontro. "Posso entrar?" Eu pensei que tinha que quebrar o feitiço. Jimmy foi tomado e só o faria decepcionando-a ainda mais quando ela descobrisse. Ela estalou a cabeça para mim e limpou a garganta. "Claro", disse ela, dando um passo para o lado. Eu segui em frente, mas Jimmy agarrou meu braço. "Eu vou ficar aqui por um momento. Eu quero deixar você ficar sozinha com ele por um tempo. Basta vir e me pegar quando você estiver pronta." Eu balancei a cabeça, vendo como ele estava ansioso para vê-lo. "Claro." Eu sorri e ele soltou meu braço. Chelsea fechou a porta atrás de mim e me levou para a cama. Eu não esperava a minha reação, mas quando senti a enfermeira me segurando, eu sabia que tinha quase entrado em colapso. "Sinto muito", eu murmurei. Dean parecia metade do homem que eu sabia que ele era. Seu rosto estava quase irreconhecível. Ambos os olhos estavam inchados fechados e machucado. Suas bochechas estavam inchadas e machucadas. Levou tudo em meu poder para me manter de pé. "Você está bem?"


Eu não tinha percebido até aquele momento que tinha minha mão agarrada firmemente ao meu peito. Talvez eu estava tentando segurar meu coração no lugar. Só de olhar para ele me quebrou mais uma vez. Ele não podia morrer. Eu não iria deixá-lo. "Eu estou bem", eu menti. "Eu só não esperava ver... para ver..." Eu não poderia dizer mais. Se eu proferisse mais uma palavra, acho que teria um colapso. Chelsea bateu no meu ombro. "Vai levar tempo, mas ele se segurou até agora." Eu sorri para ela, sabendo que era o quanto ela poderia me oferecer. Eu sabia que ela não podia prometer que ele ficaria bem, que tudo iria dar certo no final. O tempo era tudo que eu tinha agora. "Sente-se ao lado dele por um tempo. Fale com ele. Deixe-o saber que você está aqui. " Eu balancei a cabeça enquanto ela se afastava. Sentando-me ao lado da cama. Eu coloquei minha mão sobre a dele, mas eu tinha medo de quebrá-lo. Eu tive que rir com essa analogia. Dean era inquebrável, assim como eu poderia possivelmente me preocupar se devo ou não segurar sua mão? Parecia insondável, mas eu ainda não podia ajudá-lo quando olhei para ele. Agora, o considerava uma boneca de porcelana. Cada toque tinha que ser suave, tão suave quanto possível. Eu coloquei minha mão sobre a dele, notando como a minha parecia frágil comparado a sua. Um pequeno movimento e ele poderia quebrar o meu dedo no meio. Eu lentamente arrastei meus dedos para cima e para baixo do dorso da mão. Eu ainda me sentia como se tivesse que ser tão suave quanto possível. Eu olhei para cima, levando na visão dele. Ele estava ligado a cada peça concebível das máquinas. Seu coração estava sendo monitorado, ele tinha um tubo de respiração inserido, e faixas cobriam seu peito e ombros. A dor tomou conta

de

mim

quando

me

lembrei

do

que

Evan

disse

sobre

marcas de queimadura em sua pele. Como uma pessoa poderia fazer isso para outro? O que tornou pior foi que Dean tomou. Ele foi lá, provavelmente sabendo que seria torturado, mas fez de qualquer maneira.


Ele fez isso para salvar nosso filho. "Dean..." Eu suspirei. Era tão duro tentar obter as palavras, mas eu tinha que fazer. "Da última vez que eu estava em um lugar como este, foi um dos piores dias da minha vida. Eu pensei que tinha experimentado a dor antes, mas nada se compara a hoje. Nada se compara a ver você assim. Eu perdi um dos meus melhores amigos naquele dia. Por favor, não me faça perder outro. Eu não posso aguentar muito mais do mesmo. Não quero mais isso, Dean. Eu não quero continuar, me perguntando se vou perder você de novo. Você tem que lutar, tem que ficar vivo, e tem que continuar seguindo por mim. Por Jeremy." As lágrimas deslizavam pelo meu rosto enquanto eu tentava limpá-las com uma mão. Não ousando deixá-lo ir com a outra. "Além disso", eu disse, rindo um pouco, "você ainda tem alguns coisas importantes para fazer." Eu ri um pouco mais, então cai triste quando tudo que eu podia ouvir era o som das máquinas o mantendo vivo. "Você sabe que no outro dia quando fui ao shopping com Jeremy? Bem, no caminho até lá, uma música veio no rádio e algo que me fez ouvir cada palavra. É apenas quando ela tinha terminado que percebi que era para mim. Foi a minha canção para você. É por isso que você não pode deixar-me ainda, Dean. Nossa música não terminou. Nem em um milhão de anos." Eu puxei minha bolsa em cima e cavei meu telefone. "Uma vez que descobri quem cantava, eu baixei para o meu telefone para que um dia, no momento certo, eu poderia tocá-la para você. Suponho que agora é um bom momento." Eu olhei para o meu telefone e rolei através das minhas canções. Não demorou muito tempo antes que achei a que eu queria. Com um suspiro, eu virei o volume para baixo um pouco e pressionei PLAY. Fechei os olhos quando a bela voz de Ella Henderson veio. Fiquei ali sentada escutando, as lágrimas escorrendo pelas minhas bochechas. Curvando-me, eu beijei as costas da mão de Dean. "A música se chama „Yours‟. Eu acho que você pode ver porque é a minha canção para você. Eu sou sua, Dean. Eu sempre fui e sempre serei. Você pediu-me uma e outra vez para não ignorar esse fato e aceito-o em meu coração. Eu te aceito. Eu te aceitei porque eu sou sua. Nunca ia ser qualquer outro, apenas você." Eu senti um desgraçado


soluço no meu peito com o pensamento que nunca poderia chegar a dizer para ele novamente. "Você veio aqui para me encontrar, Dean. Bem, você me pegou agora. Não ouse desistir de mim. Você precisa acordar para que eu possa dizer-lhe todos os dias de nossas vidas que eu sou sua. Você precisa ficar e ouvir. Eu preciso que você fique." Segurei os lençóis enquanto a minha respiração tornou-se difícil. "Por favor, Dean. Você não pode desistir. Você tem que ficar para mim. Você tem que ficar para o nosso filho. Ele precisa de você. Ele ama você. Nós não podemos viver sem você". Tomei algumas respirações profundas e acariciei sua mão. "Jimmy está esperando lá fora. Ele quer ver você, mas também queria deixar-me ter alguns momentos a sós com você. Acho que ele está esperando que eu ameaçaria sua vida se você se atrever a me deixar, então esteja preparado para ele dizer o mesmo quando entrar." Eu ri novamente com o pensamento. "Eu não vou ameaçar sua vida, mas vou deixar você saber de uma coisa. Se você não lutar por sua vida, Dean, então você vai acabar quebrando meu coração tudo de novo. Você quer isso? Você quer me ver novamente quebrada? Porque vou quebrar se você se atrever a me deixar. Você prometeu que me daria o mundo se pudesse, mas eu não quero o mundo. Eu só quero você. Se há algo que você iria lutar para me dar, por favor, deixe-o ser você." Eu respirei fundo e tentei o meu melhor para exalar toda a calma possível. Foi difícil verter meu coração para fora como isto, e foi exaustivo. Eu só queria que ele estivesse acordado para me ouvir. Depois de alguns minutos de tentar me acalmar, beijei a mão dele, sorri e me levantei. "É melhor ir buscar Jimmy agora. Ele provavelmente está andando de um lado para outro lá fora." Eu parei por um momento e fechei os olhos. "Eu amo você, Dean... mais do que as palavras podem dizer."

Ainda não havia mudança no dia seguinte. Era de partir o coração, mas me mantive dizendo que nenhuma mudança significava que ele ainda estava vivo. Ele ainda estava respirando.


Desde ontem, eu estava em casa brevemente para estar com Jeremy por um tempo. Eu estava dividida. Jeremy precisava de mim por causa do que ele tinha passado, ao mesmo tempo, eu precisava estar no hospital para Dean. Surpreendentemente, Jeremy estava muito calmo depois de seu calvário. Ele estava realmente lutando porque queria ver Dean. Eu daria qualquer coisa para deixá-lo ver seu pai, mas não agora. Não quando ele parecia tão ruim quanto estava. Eu mal podia conseguir vê-lo assim, muito menos nosso filho de três anos de idade. No final, eu tive que dizer a Jeremy que eles não permitiriam que crianças com menos de doze entrasse na UTI e que ele teria que esperar até que Dean estivesse bem o suficiente para deixar a ala. Uma vez que passei algum tempo em casa, voltei para o hospital com a promessa de Jeremy que eu estaria de volta o mais rápido que pudesse. Uma vez que cheguei lá, fui recebida por Jimmy saindo da UTI. Ele apontou para dentro. "Seu tio apareceu. Eu estou deixando ele ter alguns momentos." Eu balancei a cabeça. "Ok. E como você está, Jimmy? Por que você não volta, pega algo para comer, e descansa. Jeremy sente falta de você." Eu sorri para ele enquanto ele sorriu de volta. "Ele sente?" Eu balancei a cabeça com uma risada. "Isso é o que ele me disse." Jimmy passou as mãos pelo seu cabelo loiro. "Acho que é melhor eu voltar e ver o meu amiguinho então." Ele piscou para mim. "Não deixe ele te ouvir dizer isso, Jimmy. Você sabe como ele fica quando alguém o chama de pequeno". Ele riu. "Como ele está?" Eu suspirei. "Ele está surpreendentemente bem, considerando tudo. Ele não parava de me incomodar sobre trazê-lo para o hospital. Ele está desesperado para ver Dean." Jimmy me deu um pequeno sorriso. "Eu acho que ele deve estar muito confuso no momento. Será que ele disse alguma coisa?"


Eu balancei minha cabeça. "Não, nenhuma uma coisa. Ele não mencionou o fato de que ele agora sabe que Dean é seu pai. Ele não mencionou nada disso. Ele só continua dizendo que ele quer ver D.D. Ele ainda não vai dizerme o que isso significa." Eu balancei minha cabeça novamente, perplexa. Jimmy riu. "Tenho certeza que ele vai revelar um dia. Se não, acho que Dean vai ter que fazer cócegas nele." Eu ri. "O problema é que acho que Jeremy adoraria isso." Jimmy sorriu. "Bem, você sabe, eles dizem que cócegas é uma forma de tortura. Eu tenho certeza que nós vamos tirar isso dele eventualmente." Ele me viu estremecer e ele cerrou os dentes. "Porra. Sinto muito. Não estava pensando." Eu coloquei minha mão em seu ombro. "Está tudo bem, Jimmy. Realmente. Eu estou bem." Ele balançou a cabeça. "Merda. Talvez eu devesse ir antes de enfiar mais um grande pé na minha boca”. Eu dei um tapinha nas suas costas. "Não se preocupe com isso, Jimmy. Sério. Vá. Descanse um pouco." Ele

olhou

para

mim

ansiosamente.

"Se

houver

qualquer

mais

novidades..." "Eu prometo te ligar. Não se preocupe com nada aqui. Eu tenho-o agora." Jimmy me deu um beijo na bochecha e saiu. "Oh, Jimmy?" Ele se virou. "Eu sei que continuo dizendo a Tara isto, mas deixe-a saber o quanto sou grata por ela cuidar de Jeremy por mim, ok?" Jimmy sorriu. "Eu vou, mas duvido muito que ela vai aceitar isso, Tyler. Nós somos todos uma família agora, e a família olha pelo o outro. Família fica junta." Ele piscou, saudou com seus dedos, e se afastou. Uma vez que Jimmy estava fora de vista, eu me sentei, dando a Humphrey tempo suficiente para estar com seu sobrinho. Eu não sabia o que


esperar uma vez que ele veio para fora da porta. Será que ele me reconhece? Será que ele ficaria bem comigo? Ele saiu, parecendo cada pedaço do mesmo homem que eu me lembrava, com seu cabelo prateado e pontudo bigode. Ele parecia muito inteligente, mas casual em calça bege e camisa branca aberta no peito. No minuto em que seus olhos pousaram em mim, eu soltei "Então, nós finalmente nos encontramos, Alfred Pennyworth." Por que acabei de deixar escapar isso? Eu me perguntei se ele iria gritar comigo, lançar-me fora, alguma coisa. Em vez disso, o bigode curvou para cima nas bordas com um grande sorriso. "Sim. Parece que Mestre Wayne é incapaz de exercer as suas funções como Batman no momento". Eu soltei a respiração que estava segurando e sorri para ele. Humphrey estendeu a mão. "Humphrey Scozzari, a seu serviço, minha senhora." Eu levantei minha mão e Humphrey delicadamente levou meus dedos. Curvando-se, ele colocou um beijo na parte de trás da minha mão. "Não é de admirar que Dean recebe suas luvas de boxe em uma reviravolta em cima de você." Ele piscou e eu encontrei-me corar. "Ah, e eu entendi agora porque Rosey. Prazer em conhecê-la." Eu ri. "Será que Dean sabe que você é um namorador escandaloso?" Humphrey riu. "Sim, mas isso é apenas a maneira que a família Scozzari é. Nós sempre apreciamos uma bela mulher." Eu levantei minha sobrancelha. "Hmm... Você não acha que Dean ficaria um pouco chateado com você apreciando sua mulher?" Humphrey sorriu largamente. "Sim. Eu me pergunto como ele reagiria se soubesse." Humphrey piscou para mim novamente e reconheci o tipo de relacionamento que Dean e seu tio tinham.


"Então, senhorita O'Shea, agora você está classificando-se como mulher de Dean?" Ele levantou a sobrancelha para mim. Senti-me corar um pouco. "Eu já fui algo menos?" Imaginei que Humphrey sabia sobre a nossa história. Humphrey sorriu. "Não. Acho que não." Eu suspirei. "Bem, é bom finalmente conhecê-lo. Embora teria preferido que sob diferentes circunstâncias." Humphrey balançou a cabeça e parecia um pouco triste. "Sim. Não é a melhor das circunstâncias." Ele olhou para a sala de UTI e apontou. "Você quer entrar? Tenho certeza que você quer vê-lo e, para ser honesto, eu gostaria de falar com você um pouco mais." Eu balancei a cabeça. "Claro." Nós entramos e fomos recebidos por uma enfermeira diferente desta vez. Uma que reconheci, mas não sabia o nome dela novamente. Quando chegamos ao lado da cama de Dean, ele estava como eu o deixei. Quebrado. Machucado. Eu só esperava que, se o seu corpo curasse, sua mente rapidamente faria também. Humphrey fez sinal para eu sentar. "Para ser honesto, queria falar com você já há algum tempo." Eu levantei minha sobrancelha. "Sério?" Ele se apoiou no parapeito da janela. Olhando para ele, ele parecia cada bocado de gangster que mais provavelmente era. Apesar de sua idade, você poderia dizer que ele cuidou de si mesmo. Ele era, obviamente, jovem no coração... mesmo com o bigode pontudo. Ele olhou para fora da janela por um momento, mas vi um vislumbre de seu rosto. Ele parecia em conflito, aflito. Eu só imaginava o que ele estava lidando, apesar de saber que seu sobrinho não podia lidar agora. Eventualmente, ele suspirou e olhou para mim. "Eu quero me desculpar com você."


Meus olhos se arregalaram. "Desculpar? Por quê?" Ele começou mexendo com os dedos. "Por tudo o que aconteceu, srta. O'Shea." Eu pisqueii rapidamente, sentindo o meu ritmo cardíaco pegar um entalhe. "Eu não acho que haja nada para se desculpar, e eu também acho que você pode parar de me chamar Srta. O'Shea agora. Meu nome é Tyler." Humphrey suspirou e fechou os olhos. "Eu sei. Isso é o que me dói. Durante anos, o nome Tyler era uma fonte de ódio desnecessário dentro de nossa casa. O nome é uma memória de algo imperdoável que aconteceu. Eu não sei como você aguenta o nome Scozzari." Por um momento, eu olhava, incapaz de dizer uma palavra. "Eu o amo." As palavras saíram como se elas fossem meu único argumento contra o que Humphrey dizia. Eu sabia que Dean estava arrependido e eu poderia dizer que seu tio estava apenas tentando se colocar no lugar dele. Humphrey suspirou e balançou a cabeça, olhando para fora da janela novamente. "Eu sei. Eu sei, assim como sei o quanto Dean te ama. Ele sempre foi apaixonado por você, mesmo quando ele acreditava que você o tinha traído." Eu olhei para ele por um tempo quando um sentimento inquietante entrou na boca do estômago. "Por que isso faz você parece tão infeliz? Como seu tio, a felicidade de Dean quer dizer alguma coisa para você?" Sua cabeça virou-se para mim de repente. "Claro que ele sim. Eu só acho que ele foi longe demais com você. Eu o avisei e o tolo teimoso nunca me ouviu." Eu relaxei um pouco e sorri. "Talvez ele vai ouvi-lo mais no futuro, então, ha?" Humphrey sorriu de volta. "Eu não tenho certeza se estou na melhor posição para dar conselhos. Foi apenas, que no momento, eu estava do lado de fora olhando para dentro. Eu podia vê-lo se afundando mais e mais, e o quanto mais fundo ele ia, mais eu sabia que estava perdendo ele. Você vê, Dean é tão lúcido e inteligente, quando não há ninguém para se preocupar. Ele avançou


rapidamente através dos altos níveis simplesmente porque ele era muito bom no que fazia. Ele foi muito melhor do que seus pais, e eu acho que fazer isso tão bem foi mais pelo fato de que não tinha ninguém para se preocupar. Ninguém para fazê-lo parecer fraco. No minuto em que ele começou a brincar com o fogo se envolvendo você foi o momento que tudo mudou para ele. Ele não fez as escolhas certas. Ele não acabou com o resultado que estava procurando. Eu tentei dizer a ele, mas ele iria ouvir?" Humphrey colocou as mãos no ar em frustração. Ele olhou para Dean, por um momento, então de volta para mim. "Você realmente o perdoou por tudo que ele fez?" Olhei para Dean e de volta para Humphrey. "Sim... sim, eu o perdoei." Humphrey suspirou e inclinou-se para mim. Ele pegou minha mão na sua e acariciou-a. "Você acha que poderia honrar um homem velho com a mesma cortesia?" Ele sorriu e eu sorri de volta. "Isso nem precisa dizer, Humphrey." Ele acariciou minha mão. "Bom. Você é uma mulher melhor do que Dean lhe dá crédito, e uma que estará sempre protegida até os confins da terra por parte dos homens Scozzari. Eu posso prometer-lhe isso." Ele olhou para Dean novamente. "Talvez eu possa roubar-lhe longe de Dean antes que ele acorde. Eu posso ser um pouco mais velho do que você, mas ainda posso movê-la e agita-la melhor do que ele." Humphrey piscou para mim e olhou para Dean. Eu ri. Se falar assim comigo fizesse Dean acordar, eu era toda dele.

Uma semana depois, eles permitiram que Dean saísse da UTI. Ele permaneceu inconsciente, mas ele parecia melhor a cada dia que passava. Seus sinais vitais estavam ficando mais fortes e seu rosto não estava tão inchado e machucado. O resto de nós podemos agora respirar um enorme suspiro de alívio.


Eu era finalmente capaz de levar Jeremy para ver seu pai. Mesmo que Dean parecia muito melhor, o estresse que Jeremy passou, juntamente com a forma como Dean parecia, podia empurrá-lo sobre a borda. Eu estava tão nervosa, que estava mexendo e agitada toda a manhã. Eu estava tentando fazer um café da manhã, mas minhas mãos tremiam tanto que Tara teve que assumir. "Ele vai ficar bem. Pare de se preocupar tanto." Eu suspirei, inclinando-me sobre o balcão. "Eu não consigo controlar. Eu me preocupo muito sobre como Jeremy vai levar as coisas." Sua risada de repente soou na sala ao lado, onde Jimmy estava brincando com ele. "Eu só acho que ele pode não levá-lo muito bem. Ele foi sequestrado, pelo amor de Deus. Ele não tem nem quatro anos e está rindo na sala ao lado." A sobrancelha de Tara levantou quando ela pegou uma faca de manteiga para fora da gaveta. "Você prefere que ele chore e grite por todo o lugar?" Deixei escapar um suspiro de frustração. "Não, claro que não, mas pelo menos sei que ele está sentindo alguma coisa. Eu só estou com medo de que ele está, mas não diz nada." Tara coloca a faca em um prato e se aproxima de mim. Ela colocou as mãos nos meus braços e os esfregou um pouco. "Talvez Jeremy é apenas um osso duro de roer, como sua mãe e seu pai. Você já pensou nisso? Ele não é um menino que normalmente engarrafa as coisas, Jessica. Se ele tem algo a dizer, ele vai dizer." Ela levantou a sobrancelha. "Você não se lembra quando ele viu uma mulher grávida alguns dias atrás, apontou para ela e disse: „Eu sei o que você fez?‟ Ou como da vez quando fomos ao restaurante e, no final da refeição, ele agarrou uma nota de cinco dólares da conta, colocou no bolso da garçonete, e disse "„Aqui está, Wendy. Vá e compre algo bom para você‟ e se afastou?" Ela balançou a cabeça com um sorriso. "Sim, aquele rapaz não tem medo de dizer o que está em sua mente." Nós duas começamos a rir e eu senti meu tremor diminuir um pouco. "Sim, suponho que você está certa."


Ela assentiu com a cabeça e voltou a pôr manteiga na torrada. "Quando ele estiver pronto, vai falar, e você vai lidar com ele como sempre lidou com isso. Ele é seu filho. Isso vem naturalmente." Tara sorriu e desviou o olhar para continuar a fazer o café da manhã. Era engraçado quanto você crescia quando se torna um pai. Durante anos, tudo o que já fiz foi pensar em mim. Agora eu tinha alguém para pensar. Na verdade, sempre fiquei em segundo lugar por Jeremy. Suas necessidades assumiam tudo desde que ele nasceu.

No momento em que tinha acabado o café da manhã, Jeremy e eu fomos para o hospital. Humphrey tinha me mandado uma mensagem mais cedo, dizendo que ele estava lá. Eu estava realmente feliz que ele estava por perto, porque entre Jimmy, Humphrey, e eu, Dean sempre teria alguém com ele. Ele pode estar fora de perigo, mas ainda estava se recuperando de uma cirurgia de grande porte. Uma vez que chegou à enfermaria, Jeremy soltou a minha mão e saiu correndo para o quarto de Dean. Ele parou quando viu Humphrey e franziu a testa. "Mamãe, há um homem com um cabelo muito engraçado em sua cara, sentado ao lado de D.D." Humphrey riu e olhou para mim. "Acho que este é o Jeremy?" Eu assenti. "Prazer em conhecê-lo, Jeremy. Eu sou o tio de Dean, Humphrey." Jeremy caminhou até ele e apertou sua mão, em seguida, seus olhos caíram sobre Dean. Ele ficou parado por um momento, estudando Dean com uma careta. Ele, então, caminhou até a cama e colocou as mãos para fora para eu levantá-lo. Eu fiz, mas avisei para ter cuidado. Eu assisti quando Jeremy ternamente tocou o rosto de Dean. "Será que o homem mau que fez isso?" Meus olhos se arregalaram um pouco, porque esta foi a primeira vez que Jeremy tinha feito qualquer referência ao que aconteceu.


"Sim." Eu não podia mentir para ele. O que eu poderia dizer? Ele caiu da escada? "Será que o homem mau se foi agora?" Eu balancei a cabeça novamente, sorrindo. "Sim. Ele não vai machucar ninguém." Jeremy assentiu. "Bom." Ele olhou para Dean um pouco mais e cutucou um pouco. "D.D, acorde para que você possa brincar comigo." Eu comecei a rir. "Jeremy, ele está descansando. Ele não pode ouvi-lo porque precisa dormir. É muito importante para que ele se cure". Jeremy inclinou a cabeça um pouco enquanto continuou olhando. "Ele disse que ia tentar voltar para casa. Ele disse que estava feliz que eu o encontrei". Senti as lágrimas caírem. "Ele está mais do que feliz com isso, Jeremy." Jeremy olhou para Humphrey. "D.D. me chama de grandão." Humphrey sorriu. "Eu gosto disso. Você é um menino grande para... Quantos anos você tem? Vinte e seis?" Jeremy deu uma risadinha. "Não, bobo. Tenho quase quatro." Humphrey engasgou. "Quatro? Wow... Você é um menino grande." Ele olhou para mim, depois para Jeremy. "Então, todos nós sabemos o apelido de Dean. Importa-se de nos dizer o que D.D. significa?" Eu balancei minha cabeça para Jeremy, esperando, querendo saber se ele iria revelar. Por um momento, ele ficou silencioso e apenas olhou para Dean. Então ele suspirou e sussurrou: "Papai Dean5."

5

Daddy Dean


Capítulo 22 Dean Buscando esquecer torna o exílio todo o tempo; O segredo da redenção está na memória. Richard Von Weizsaecker

Em algumas ocasiões, eu estava consciente. Pelo menos, acho que estava. Esforcei-me para abrir os olhos as vezes, mas a escuridão esmagadora assumia, e o nada retornava. Às vezes, eu estava ciente de Jeremy estar lá. Eu o ouvia me chamar de papai, e foi o melhor sentimento no mundo, mas também o pior. Eu estava aqui por uma razão, e a razão era porque tinha colocado a minha família em perigo. Eu. E me rasgou que eu os coloquei nisso. Tyler tinha fugido de tudo isso, e eu a recompensei a perseguindo implacavelmente. Eu a recompensei colocando ela e Jeremy em perigo. Às vezes, quando a escuridão vinha, eu congratulava-me com ela, porque quando estava consciente, isso me dava tempo para pensar. Me dava tempo para recordar tudo o que aconteceu. Me dava tempo para me afogar na culpa sempre crescente que consumia todos os meus pensamentos. Como um parceiro e um pai, ambos eu tinha falhado. A única coisa que pensei que poderia ser sempre, era um marido protetor e pai, e eu não poderia nem mesmo fazer isso. Eu era patético. Eu era um fracasso.


Eu tinha vergonha. Envergonhado, envergonhado de que falhei quando realmente importava. Como eu poderia prometer o mundo para Tyler agora? Se a única coisa que provei foi que nunca poderia manter a minha palavra. Eu sabia que Jimmy estava lá às vezes, e sabia que meu tio estava, também. Eu ouvi o tom zombeteiro quando Tyler estava lá. Eu ouvia a maneira como ele flertava com ela, e sabia que ele estava tentando me fazer acordar. Na verdade, eu só ouvia ele dizer como ela era bonita e se ela já se encheu de mim, ela sabia onde ele queria chegar. Eu queria gritar com ele. Eu queria dizer a ele para manter suas imundas mãos fora dela, mas eu estava preso. Sabendo que ela estava na sala, e estava preso. Deixei-me cair sob novamente. A próxima vez que acordei, lentamente abri um olho para encontrar Humphrey sentado no peitoril da janela, olhando para fora. Tentando o meu melhor, eu sussurrei, "Você flerta com Tyler mais uma vez, e juro que vou cortar a porra de sua língua para fora, velho." A cabeça de Humphrey virou e ele olhou para mim com um sorriso. "Ah, então nós estávamos escutando. Eu tinha que dizer alguma coisa para fazer a sua cara feia acordar. Quanto tempo você estava pensando em ficar aqui? Esta não é uma porra de férias, seu pedaço preguiçoso de merda." Eu tentei me esforçar, mas era doloroso. Eu não poderia ajudar, mas suavemente ri dele. Este era Humphrey. "E eu também te amo." "Você acabou de perder Tyler. Ela está vindo aqui todos os dias. Ela ainda se sente culpada cada vez que tem que sair para cuidar de Jeremy. Eu não sei por que ela está exagerando sobre você." Eu sabia que ele estava apenas brincando comigo, mas suas palavras atingiram mais do que ele percebeu. "Eu sei."


"Eu conheci o meu pequeno sobrinho, mas não ouse chamar-lhe de pequeno. Acho que ele é tão assustador como a porra do seu pai teimoso." Eu sorri. Eu acho que ele era um pouco assustador às vezes. Mais do que algumas vezes, Jimmy e eu tivemos que sentar no cantinho da desobediência porque nós acidentalmente dissemos uma palavra rude, ou fizemos algo considerado ruim. E cada vez, não importa o que, Jimmy e eu gostariamos de fazer o que ele dizia. "Ele certamente tem alguma coragem, não é?" Humphrey balançou a cabeça. "O pior é que não há dúvidas que ele é seu filho. Além de seu cabelo, ele é como uma réplica de você. Seus olhos, o nariz, a boca... a mesma carranca que você faz sempre que está pensando em matar alguém." Eu bufei. "Eu duvido muito que a carranca de Jeremy é por esse motivo." Humphrey bufou. "Ele é filho de seu pai, então quem sabe? Ele poderia estar tramando o próximo maior assalto a banco em seu pequeno cérebro". Eu tentei rir outra vez, mas doeu meu peito. "Bem, eu não estou pensando nele seguindo as pegadas do seu pai, de jeito nenhum." Humphrey pigarreou. "Tyler cuida muito bem dele." Eu sorri. "Sim, ela faz." Então eu venho e estrago tudo. Humphrey se levantou. "Devo ir e chamá-la de volta? Ela não saiu há muito tempo. Tenho certeza que ela não hesitaria em voltar e..." Eu balancei a cabeça ligeiramente. "Não. Eu não quero falar com Tyler no momento. Eu quero que você chame o cirurgião que me operou". Os olhos de Humphrey se arregalaram. "Você quer dizer o ex de Tyler? Eu ouvi sobre isso. Quer dizer, eu sei que você quer bater em seu ex, mas você tem certeza que quer fazer isso com aquele que salvou a sua vida?"


Eu coloquei minha mão para cima. "Eu nem fodendo ia conseguir vencêlo, Humphrey. Você não notou que estou um pouco incapacitado no momento? Eu só preciso falar com ele sobre algo. E eu preciso que você faça alguns planos para mim, por favor." Os olhos de Humphrey passou longe. "Foda-se, isso deve ser sério. O menino pediu por favor." Eu balancei a cabeça com um sorriso. "Não mexa comigo, velho. Eu tomei uma decisão, e acredite em mim quando digo que esta é a mais difícil do caralho decisão que já tive que fazer na minha vida toda." O sorriso de Humphrey desapareceu quando ele me olhou sério. "Ok, Dean, qualquer coisa que você precise. Eu vou chamar o doutor para você."


Capítulo 23 Tyler Era um par de semanas mais tarde e as coisas estavam começando a ficar estranhas. Eu iria visitar Dean no hospital, mas ele permanecia inconsciente. Humphrey estava muito tranquilo e, às vezes, eu o encontrava olhando para mim com um olhar sombrio no rosto. Alguma coisa estava errada, mas eu não conseguia colocar o dedo sobre isso. Quando o visitei ontem, Humphrey me abraçou quando eu fui embora e me disse para me cuidar. Eu fiz uma careta e lhe perguntei por que ele estava dizendo isso, mas ele apenas deu de ombros e disse que precisava comer e dormir mais. Ele até brincou dizendo que Dean não valia a pena todo o stress e que fugir com ele seria melhor. Nós rimos, mas não impediu a sensação incômoda de que algo estava errado. Na verdade, pensei que era tão errado que encontrei-me me preparando um inferno de muito mais rápido do que o normal para ir vê-lo. Jeremy queria ir, mas algo estava me dizendo para não trazê-lo. No final, eu dei uma desculpa que Jimmy queria brincar na piscina com ele, para que pudéssemos voltar para o hospital mais tarde. Isso parecia mantê-lo feliz. Eu corri para o hospital o mais rápido que pude e tomei o elevador para o segundo andar. Uma vez fora, eu corri para o quarto de Dean, mas quanto mais perto chegava, mais o sentimento de afundamento parecia cair em mim. Uma vez na porta, respirei fundo e abri-a. Eu entrei e vi uma cama vazia. Ninguém estava lá. Não havia nada mesmo que sugerisse que alguém sequer tinha estado lá. A cama estava arrumada com lençóis novos.


Eu senti um barulho atrás de mim e, quando me virei, vi Evan ali de pé, parecendo envergonhado. Meu pânico aumentou. "Evan?" Meus olhos cheios de lágrimas. "Por favor, não me diga que ele..." Ele balançou a cabeça. "Não. Ele, err..." Ele colocou a mão na parte de trás do seu pescoço e foi então que vi que ele tinha uma carta na mão. "Ele saiu esta manhã com seu tio. Eles voaram de volta para o Reino Unido". Meus olhos se arregalaram enquanto as lágrimas escorriam. "Mas ele está doente. Ele não pode voltar atrás." "Eu disse que ele precisava ficar por mais algumas semanas, então ele foi considerado apto a voar. Ele vai ter mais cuidado, uma vez que ele esteja de volta em casa." Eu balancei minha cabeça, me perguntando se ouvi corretamente. "Desculpe? Duas semanas atrás, ele disse isso? Cada vez que o visitei ele esteve inconsciente." Evan mordeu o lábio e olhou para baixo. "Ele recuperou a consciência cerca de duas semanas atrás. Ele estava apenas esperando o momento que pudesse voar de volta para casa." Eu tropecei um pouco e estendi a mão para a cama. Sentei-me na borda e apenas olhei. Como ele poderia fazer isso comigo? Eu pensei que isso era o que ele queria. Ele tinha me perseguido, pelo amor de Deus. Não o contrário. Ele veio para mim de novo, só para quebrar meu coração novamente... e agora ele está fodido longe? Bastardo! Com o canto do meu olho, vi Evan acenando com a mão. Olhei para cima e podia ver a carta que ele estava segurando. "Ele me pediu para lhe dar isso." Eu balancei a cabeça e tomei dele. Eu não queria dizer nada, porque estava com medo que dissesse algo que me arrependeria depois. Eu estava com raiva dele. Eu estava com raiva de Humphrey. Mas, principalmente, estava com raiva de Dean por ser um covarde e fugir. Ele deveria ter ficado e me encarado. Em


vez disso, ele fez Evan e Humphrey o cobrirem para que ele pudesse planejar sua fuga. Sim, sem dizer que foi uma boa ideia. Uma vez que peguei a carta de Evan, ele ficou ali por um momento e me observava. Quando eu não disse nada, ele limpou a garganta. "É melhor eu voltar ao trabalho." Ele caminhou para fora da porta, deixando-me com a carta na mão. Fiz uma pausa por um momento e acariciei as letras no envelope. Então, rasguei-a e comecei a ler. Tyler, Agora, você já deve saber que tenho me recuperado o suficiente para voltar para casa. Eu sei que você vai estar com raiva de Evan por manter isso de você, mas por favor, não fique. Ele quer o que é melhor para você, tanto quanto eu, e é por isso que decidi deixá-la ir. Eu falhei com você e Jeremy, e nada neste mundo vai compensar a mágoa que causei, o perigo que trouxe, e a dor inimaginável que causei a você quando deixei um desprezível homem levar nosso filho. Eu te traí da pior maneira, e realmente sinto muito. Se eu pudesse ter uma varinha mágica e ter tudo de volta, eu... mas não posso. Eu sou um homem egoísta, Tyler. Eu cacei e persegui implacavelmente você, porque eu pensava sobre as minhas próprias necessidades acima de qualquer outra pessoa. O egoísmo trouxe perigo, por mim, é além do reparo. Eu nunca vou me perdoar depois do que fiz para você, e pelo que fiz para Jeremy. Você está muito melhor sem mim. Na verdade, você estava vivendo muito bem sem mim. Você tem um menino bonito, inteligente, e estou muito orgulhoso disso. Nosso filho nunca vai precisar de qualquer coisa, e eu posso ir embora como um homem feliz, sabendo que ele tem a melhor mãe do mundo. Eu irei apoiá-lo, Tyler. Eu prometo a você isso. Vou enviar dinheiro uma vez por mês para que você tenha tudo que precisa para o nosso filho. Qualquer coisa que você precise, basta pedir e vou buscar para você. Isso, pelo menos, você pode confiar.


Você queria que eu fosse embora porque estava com medo pelo nosso filho, e você estava certa de ter medo. Você tinha razão para me afastar. Eu prometo a você que vou embora e nunca vou perturbá-la novamente. Você pode viver uma vida despreocupada com Jeremy, sem a preocupação constante de olhar por cima do ombro. Você pode aprender a amar de novo e ter um homem cuidando de você do jeito que você merece ser cuidada. E, Tyler, é melhor você ter certeza que ele é digno de você. Se não, vou ter que caçá-lo e quebrar suas pernas do caralho! Vou sentir saudades, Rosey. Vou sentir muitas saudades, porra dói... mas você deve perceber que faço porque é justo nós estarmos separados. Eu só ia lhe trazer dor. Eu só ia trazer sofrimento. Eu só ia trazer perigo. Eu desejo que estivesse errado, mas nós dois sabemos que não estou. Eu sinto muito. Diga ao grandão como estou orgulhoso dele, e quanto seu papai Dean o ama. Seja feliz, minha preciosa Rosey. Eu sempre vou te amar. D

Sentei-me na cama, com lágrimas escorrendo pelo meu rosto. Fiquei chocada e magoada, mas, acima de tudo, eu estava com raiva. Na verdade, quanto mais me sentava lá, mais a raiva crescia e crescia antes de eu amassar a carta e ficar de pé. "Você acha que pode tentar fugir de mim sem ser homem e dizer no meu rosto, Dean? Bem, idiota, eu acho que você tem outra coisa vindo!"


Capítulo 24 Dean Eu não acredito que o mundo é um lugar particularmente bonito, Mas eu acredito na redenção. Colum McCann

Três semanas mais tarde

Pensei que estar separado de Tyler iria ficar mais fácil com o tempo, mas eu estava apenas brincando comigo mesmo. Quando ser separado dela iria ficar mais fácil? Um punhado de vezes nas últimas três semanas, eu quase reservei um voo para voltar para ela e pedirlhe perdão, mas era a parte egoísta de mim querendo o que eu não poderia ter novamente. Escrever essa carta me matou. Matou dar permissão para ela amar outro homem. E maldito perto me empurrou sobre a borda quando eu pedi a Evan para cuidar dela. Na verdade, lhe dei permissão para cuidar do que era meu. Ela seria sempre minha, não importa o que. Eu culpo os analgésicos por pedir-lhe para fazer isso. Apertando minhas mãos, eu fiz uma careta ao pensar que ela poderia estar com ele agora. Cada parte de mim ainda doía da tortura física que sofri nas mãos do merdinha do Pinzano, mas nada disso poderia chegar perto do tsunami emocional que me varria a cada porra de dia, sabendo que eu não poderia estar com ela. Memórias de nós, velhas e novas, me consumiam. Na verdade, eu estava pensando muito sobre a nossa infância, eu me encontrei no parque, que


utilizamos para ir para Buckinghamshire. Era exatamente como eu lembrava, mas algumas mudanças foram feitas. O parque infantil foi reformado completamente, e parecia que havia mais plantas e flores do que eu tinha lembrado. Era agosto era um dia agradável com muito sol. Os pais estavam fora com seus filhos, brincando nos balanços, e eu estava no meu próprio. Assistindo. Pensando. Lembrando. Eu andei em direção a um grande lago que me lembro de jogar pedras quando era criança. Por instinto, peguei uma pedra e fiz exatamente isso. Eu vi quando ela saltou na água, em seguida, desapareceu. "Você não perdeu seu toque, eu vejo." Minha cabeça se levantou para ver Tyler ali de pé em um vestido floral bonito. Ela parecia fantástica, mas ela sempre parecia. Seu cabelo loiro estava ondulado e ela tinha aquele olhar sexy que me revolvia, que eu sempre amei sobre ela. Foda-se, eu sentia falta dela. Eu tropecei para dizer algo, mas ela chegou antes de mim. De repente, ela parecia muito zangada. "Eu tenho uma importante fodida conversa a ter com você." "Tyler, eu..." Ela veio andando em minha direção, seu dedo indicador. "Você não diga porra de 'Tyler' para mim, idiota. Como você se atreve a porra de me deixar. Como você ousa voltar, me faz amar você mais uma vez, em seguida, vá se foder. Como você se atreve..." Enquanto ela falava, tudo que eu conseguia pensar era quão bonita, sexy do caralho ela parecia. Tyler era sexy como o inferno em todos os momentos, mas quando ela estava com raiva? Inferno, eu queria jogá-la para cima contra o objeto mais próximo que poderia encontrar e rasgar suas malditas roupas. Então, sem pensar, fechei a distância entre nós e ela deu um passo atrás. "Eu conheço esse olhar. Você não ouse, Dean."


Eu sorri para ela. "O que?" Ela sacudiu o dedo para mim e eu rosnei. "Aquele olhar que você dá quando está prestes a me atacar. Eu ainda estou com raiva de você." "Rosey, abane o dedo para mim mais uma vez. Só mais uma merda de desculpa. Vamos lá, baby. Apenas me dê mais uma." Ela caminhou para trás, mas eu continuei vindo. "Eu estou advertindo-o, Dean..." "Foda-me, você sabe como você é sexy?" Ela apertou os lábios. "Dean!" Ela resmungou. Eu lambia o meu próprio. "Eu estou esperando, Tyler. Eu estou esperando por uma coisa que sei que você pode me dar. Somente. Uma. Porra. Mais. De. Desculpa." "Você me toca, Dean, e eu vou gritar." Seus olhos se arregalaram quando ela apoiou em uma árvore. Eu levantei minha sobrancelha e fechei sobre ela. "Exatamente onde quero você, porra." Eu capturei seus lábios com os meus, saboreando o gosto dela, inalando seu cheiro, consumindo sua alma. Eu era como um animal faminto que tinha ficado sem comida por semanas. Eu precisava dela como precisava de alimento. Como eu poderia deixá-la ir? Tyler gemeu, enterrando as unhas em minhas costas. Eu arqueei, mas o leve movimento causou uma dor no meu peito. Eu estremeci e ela parou abruptamente. "Desculpe." Sua respiração era dura quando ela procurou meus olhos por sinais que ela me machucou. Ela nunca poderia me machucar. Não com isso. Eu descansei minha testa na dela e apertei minha cabeça. "Você não tem que nunca se desculpar, Tyler. Sinto muito. Eu estou tão triste por tudo."


Ela colocou o dedo em meus lábios. "A única coisa que você tem que se desculpar é por deixar-nos. Você realmente acha que poderia tornar-se uma parte de nossas vidas, em seguida, deixar sem um olhar para trás? Você realmente acha que eu iria deixar você ir... ou Jeremy faria?" Eu estremeci e olhei em volta. "Como ele está? Onde ele está?" "Ele está no parque com Tara e Jimmy. Ele está bem." Eu sorri. "Jimmy e Tara estão com você?" Ela assentiu com a cabeça. "Louisa vai se casar amanhã, então tive que vir para isso. Tara queria conhecer a Inglaterra, e Jimmy queria resolver seu visto para os EUA. Eu acho que ele está planejando ficar por um tempo... embora ele não está exatamente feliz com você agora. Nem Jeremy. Eu acho que alguns minutos no cantinho da desobediência está em ordem para você." Ela sorriu. "Estou muito feliz por ele te punir." Aposto que ela estava. "Será que ele me odeia?" Eu sussurrei. Tyler parecia triste, mas ela balançou a cabeça. "Não, ele não te odeia, Dean, mas está confuso. Ele não entende por que você foi embora. Ele está um pouco machucado, mas a necessidade de vê-lo supera tudo." Eu suspirei, sentindo-me como um pedaço de merda. É claro que eu o feri. Isso era exatamente o que eu fiz. "Eu posso ver ele?" Tyler ergueu a sobrancelha. "Isso depende. Você vai fugir novamente?" "Mas como você pode..." Ela acariciou minha bochecha, parando minhas próximas palavras. "Com verrugas e tudo. Lembra?" Ela sorriu e meu coração disparou. Havia apenas uma resposta para ela. "Então nunca vou deixar seu lado novamente. Eu prometo." Tyler sorriu. Eu vi a sugestão de lágrimas nos seus olhos, mas ela parecia determinada a não mostrar. "Então está resolvido. Você é um maldito


idiota e será punido em conformidade. Até então, eu acho que vamos fazer bonito e você pode ir rastejar para o seu filho. Eu estava morrendo para ver isso." Meu pau imediatamente veio à vida. Atrevida Tyler era sexy como o inferno. Ela viu através de mim. "Não olhe para mim assim. Você ainda está em minha lista negra." Inclinei-me e mordisquei sua orelha. "Você tem certeza que não há nada que eu possa fazer por você?" Ela tremeu ligeiramente. Seu corpo sempre a traiu. "Eu não sei. Vou ter que pensar sobre isso." Eu olhei para ela e levantei minha sobrancelha. Eu não tinha dúvida de que ela iria pensar sobre isso. "Leve todo o tempo que precisar, Rosey. Pense muito e muito, muito duro sobre isso." Ela me deu um tapa no ombro. "Ei, o que foi isso?" Ela bufou. "Você sabe." Ela colocou o braço no meu e murmurou, "bastardo sujo." "Ei, eu ouvi isso." Ela se virou para mim. "Quem disse que eu estava tentando escondê-lo?" Ela enfiou a mão na bolsa

e tirou seu telefone. Pressionando um botão, ela

esperou. "Você pode trazê-lo agora." Ela apertou um botão de novo e olhou para mim. "Você está trazendo a multidão para vir acabar comigo?" Ela levantou a sobrancelha. "Pior. Seu filho." "Eu acho que teria preferido a máfia", eu murmurei. Tyler me olhou. "Não me tente." Deus, ela estava me matando. "Você tem certeza que não tem tempo antes deles chegarem aqui?"


Seus olhos se arregalaram. "Tempo para quê?" Eu ri. "Eu tenho que soletrar? Você, eu, aquela árvore... Que tal?" Tyler riu. "Em seus sonhos, Dean." Eu sorri. "Sim, você está neles. Sempre." Olhamos um para o outro por um tempo. Novamente, foi um daqueles olhares que diziam tudo. Tyler e eu raramente precisávamos dizer uma palavra quando queríamos conseguir o nosso ponto de vista. Apenas um olhar foi o suficiente. "D.D!" Eu desviei o olhar de Tyler e vi Tara na distância. Jeremy estava correndo em minha direção, de modo que ajoelhei-me e abri meu braços para pegá-lo. "Grandão!" Eu gritei de volta quando seu sorriso cresceu mais amplo do que nunca. Como eu poderia ter alguma vez me convencido de que estava tudo bem viver sem isso? Minha família. Meu filho. Jeremy saltou no meu peito com tanta força, que bateu o ar fora de mim. Senti ele tenso. "Desculpe", ele soprou em meu ouvido. "Você nunca tem que se desculpar comigo, grandão. Sinto muito. Estou tão, tão triste." Eu senti minhas paredes quebrando e as lágrimas ameaçaram em meus olhos. "Eu senti tanto sua falta." Jeremy quebrou com um sorriso e começou a brincar com a grossa corrente de ouro em volta do meu pescoço. "Mamãe disse que você tinha que vir para a Inglaterra para ficar melhor." Minha cabeça se levantou para encontrar Tyler sorrindo para mim maliciosamente. Eu não sabia se devia agradecer ela por me salvar da ira do meu filho, ou espancá-la por me fazer acreditar que ele sabia que eu tinha fugido. Hmm... talvez ambos nesta ordem mais tarde.


Eu pisquei para ela e olhei para Jeremy em meus braços. "Estou melhor agora, Jeremy. Vim aqui e os médicos me arrumaram." Jeremy sorriu. "Isso significa que você pode voltar para casa agora?" Eu olhei para Tyler e vi-a olhando para mim. De repente, senti como dizer que eu acho que é melhor, porque tenho um sentimento que sua mãe vai me atirar nas bolas se eu não fizer isso, mas me segurei. Em vez disso, eu assenti. "Sim, posso ir para casa agora." Seu sorriso era grande e senti meu danificado coração começar a curar-se. "O que você achou da Inglaterra até agora?" Sem dúvida esta foi a sua primeira vez chegando ao local de nascimento de seus pais. Seus olhos se arregalaram de repente, como se ele se lembrasse de algo. De repente, ele colocou suas mãos nos bolsos e tirou um saco meio comido de Hula Hoops de queijo e cebola. "Mamãe me comprou isto quando descemos do avião grande. Eu gosto do avião grande, mas eu também realmente, realmente gosto disto." Eu ri, mas olhei para Tyler com um olhar de cumplicidade. Hula Hoops sempre tinha um lugar especial no meu coração. "Então, grandão ... Como tem estado as coisas em casa?" Se ele me dissesse que Evan tinha estado ao redor, eu pessoalmente iria a sua casa e tiraria as suas rótulas fora. Meus pensamentos sobre Evan eram conflituosos. Ele salvou minha vida, que eu sou grato por isso, mas eu queria odiá-lo. Eu queria perfurar a porra dos seus olhos, mas que tipo de monstro iria me fazer? "Mamãe está em casa parecendo triste, e Jimmy e Tara estão sempre chupando o rosto." Meu riso rolou para fora, naturalmente, quando ouvi sobre Jimmy e Tara, mas não gosto de ouvir sobre Tyler estar triste. Eu olhei para ela com um sorriso, depois de volta para Jeremy. Coloquei meu dedo sob o queixo e olhei em seus olhos. Os mesmos olhos que os meus.


"Bem, eu não posso fazer nada sobre Jimmy e Tara, mas espero que possa talvez fazer alguma coisa sobre a sua mãe estar triste. Você gostaria disso?" Eu tinha um plano e quanto mais eu pensava nisso, mais o meu coração disparou. Ele era como um farol me chamando e eu não podia ignorá-lo. Você não poderia enganar o destino, e aninhado nas mãos de Jeremy estava o meu destino. Meu sinal que eu tinha que agir agora. Jeremy assentiu. "Eu quero que a mamãe seja feliz novamente." Eu olhei para Tyler e vi que ela tinha lágrimas em seus olhos. Eu queria que ela fosse feliz, e eu sabia que poderia fazê-la dessa forma. Eu sabia que era para ela, então qual era o ponto em pendurar isso por mais tempo? Decidindo que era agora ou nunca, eu me inclinei para sussurrar no ouvido de Jeremy. Eu não queria que Tyler ouvisse esta parte da nossa conversa. Isto era entre nós. Pai e filho. "Jeremy, eu gostaria de lhe fazer uma pergunta." Eu senti seu aceno de cabeça. "Lembra quando você me disse que eu tinha de lhe pedir permissão para casar com sua mãe?" Ele balançou a cabeça novamente, e meus nervos se lançaram. Eu não poderia lidar com isso, se ele dissesse que não. "Bem, eu realmente quero me casar com sua mãe. Eu sempre quis me casar com ela. Você pode me dar a permissão para lhe fazer a pergunta?" Eu puxei meu rosto para longe de seu ouvido para que pudesse calibrar sua reação. Ele estava franzindo a testa um pouco, como se estivesse imerso em pensamentos. Ele tinha um pouco de ruga na parte superior de seu nariz que era muito bonito, eu queria beijá-lo. Mas não agora. Agora, eu estava mais assustado por seu silêncio. Ele realmente vai dizer não? De repente, seu cenho se transformou em um sorriso quando ele riu e acenou com a cabeça. "Sim", ele sussurrou e senti meu coração explodir de amor por esse menino. Com um enorme sorriso, eu olhei para Tyler e vi sua testa franzida. Ela estava alheia à nossa pequena conversa, mas estava bem. Eu queria o elemento surpresa. Virando a atenção para Jeremy, apontei o saco de Hula Hoops. "Você se importa se eu pedir um de seus Hula Hoops, Jeremy?"


Jeremy balançou a cabeça e abriu o saco. Com sua pequena mão, ele enfiou a mão dentro do saco e tirou um anel de Hula Hoops. Ele entregou-me com um sorriso e, nesse momento, eu nunca tinha tido mais certeza de nada na minha vida. Eu não sabia se Tyler ia dizer sim, mas eu tinha que fazer isso. Eu tinha que ver se ela faria essa viagem comigo. Eu tinha que fazê-la acreditar que nunca iria deixar seu lado novamente. Dean e Tyler juntos... sempre. Eu agarrei o Hula Hoop de Jeremy, e gentilmente coloquei-o no chão. "Se você me desculpar, Jeremy. Eu tenho algo a pedir a sua mãe," eu sussurrei. Eu dei-lhe uma piscadela e ele tentou piscar de volta. Teria sido divertido ver em qualquer outro momento, mas agora? Agora eu estava prestes a fazer a pergunta mais importante da minha vida, e se ela não me desse a resposta que eu queria, eu estava acabado. Levantei-me e enfrentei Tyler com o Hula Hoop em minhas mãos. Os olhos fixos para mim, então o Hula Hoop. Assim que o viu, seus olhos se arregalaram. Ela já sabia o que ia acontecer. Ajoelhei-me em um joelho na frente dela e estendi minha mão. Tyler imediatamente colocou a mão sobre a boca, tentando capturar o pequeno soluço que escapou de seus lábios. Por um momento, pensei que ela não ia me dar a mão dela, mas ela lentamente colocou-a na minha. Deixei escapar um suspiro que estava segurando e olhei em seus olhos. Aqueles lindos olhos verdes que me capturaram quando eu era apenas um garotinho. Aqueles mesmos olhos que vi nos meus sonhos. "Tyler," eu comecei, "Acho que você sempre soube que esse dia chegaria. Acho que nós dois pensamos que nunca iria chegar lá, mas como poderíamos evitar o inevitável? Eu a amo com paixão nos últimos 28 anos. Isso nunca diminuiu. Na verdade, só cresce mais forte e mais forte a cada dia que passa. Eu não posso imaginar como isso é possível, mas é verdade. Você está nisso comigo, Tyler. Você sempre será única para mim. Eu não sei como poderia possivelmente mostrar a você, mas acho que isso é um começo." Eu levantei o Hula Hoop e Tyler olhou para ele quando uma lágrima escorrendo pelo seu rosto.


"Em seu décimo segundo aniversário, eu prometi a que você que conseguiria um verdadeiro anel um dia, mas, por agora, eu tenho que me contentar com um desses novamente. Eu sei que isto não é o gesto mais romântico, mas não posso esperar mais, Tyler. Eu esperei muito tempo por isso." Eu vi outra lágrima rolar pelo seu rosto, e eu não podia deixar de olhar para o quão bonitos seus olhos pareciam. Eu poderia me perder naqueles olhos. Pegando seu dedo anelar, eu gentilmente coloquei o Hula Hoop no final e suspirei. Senti meu interior queimando. "Tyler, quando estou com você, sinto que posso respirar novamente. Você nunca escapou de mim." Eu coloquei minha mão em minha cabeça. "Ou aqui." Eu mudei a mesma mão ao meu coração. "Você me pertence, tanto quanto eu pertenço a você, e quero provar a você fazendo-lhe uma pergunta. Uma questão que, se você me der a resposta certa, vai fazer-me o homem mais feliz do universo, porque é você que me faz feliz, Tyler. Sempre foi e sempre será." Eu respirei fundo. "Você quer se casar comigo?" Tyler sorriu enquanto as lágrimas escorriam pelo seu rosto. Eu a vi olhar brevemente na direção de Jeremy antes de voltar sua atenção para mim. "Sim", ela sussurrou, e meu coração explodiu de felicidade. Eu não hesitei com o anel falso. Eu empurrei-o em seu dedo, tanto quanto podia. Ela não tinha mais doze anos, mas isso tinha que bastar até que eu pudesse chegar em casa e colocar o real. O que eu tinha guardado para ela desde que tinha dezoito anos. Eu atirei e puxei Tyler em meus braços. "Eu prometo que nunca te deixarei. Eu prometo ama-la com tudo o que tenho. Eu prometo a você o mundo, Tyler. Você acredita em mim?" Ela assentiu com a cabeça e eu capturei sua boca com a minha. Por um momento, estávamos perdidos um no outro, esquecendo que tínhamos uma audiência. "Ugh, cara. Eu não gosto disso". Tyler e eu nos afastamos e comecei a rir. Nós voltamos nossa atenção para o nosso filho e sorrimos quando o pegamos em nossos braços.


"Então, como se sente sobre isso, grandão? Você se importaria de me ter ao redor... tipo, para sempre?" Jeremy sorriu e balançou a cabeça. "Eu quero o meu D.D. de volta." "Bem, você tem ele agora, grandão. Agora que nós encontramos um ao outro, eu nunca vou deixar vocês." Jeremy assentiu com um sorriso assim que Jimmy e Tara apareceram. "Então, estamos bem agora?" Perguntou Tara. Tyler ergueu seu dedo. "Você poderia dizer isso." Tara engasgou. "Você está se casando?" Dei de ombros e sorri. "Bem, Jeremy disse que estava tudo bem." Tyler engasgou. "Isso é o que todo aquele sussurro era." Eu balancei a cabeça e puxei-a com força. Eu tinha tudo o que precisava em meus braços, e eu era o o homem mais feliz do mundo. Tara nos deu um abraço, e Jimmy me deu um tapa duro na parte traseira. Bundão da porra. Tara olhou para todos nós, em seguida, olhou para Jeremy. "Jeremy, podemos ir brincar nos balanços?" Ela estendeu a mão e o senti lutar para fora dos meus braços. Relutantemente, eu o deixei ir e vi quando ele correu para Tara, pegando sua mão. Logo ela estava fora do alcance da nossa voz. "Então," Jimmy começou. "Você finalmente veio a seus sentidos, seu cabeçudo?" Tyler revirou os olhos quando sorri para Jimmy. Eu sabia que ele iria encontrar sua própria maneira de me chamar de chupador de pau. Eu concordei com ele, mas certamente não ia deixá-lo fugir com isso. "Eu suponho que sim, punheteiro". Jimmy sorriu. "Boneca".


Eu sorri de volta. "Pau de queijo." "Buraco fodido." "Martubador." "Cérebro de merda." Tyler começou a acenar as mãos. "Ok, isso é o suficiente!" Ela colocou as mãos em seus quadris que, na minha presença, era como acenar uma bandeira vermelha para um touro. Eu levantei minha sobrancelha para ela e ela fez uma careta para mim. Oh, as coisas que eu faria se Jimmy não estivesse aqui. "Porque você não pode apenas dar um abraço e fazer as pazes?" Eu ri e olhei para Jimmy por um momento. "Estamos nos abraçando. É assim que nós fazemos." Tyler balançou a cabeça e revirou os olhos. "Homens!" Ela jogou as mãos para uma boa medida. "Eu também te amo, Rosey." Eu pisquei para ela e ela fez uma careta para mim. Ela estava tentando desesperadamente esconder o sorriso, mas estava falhando miseravelmente. "Oh, cale a boca!" Ela triunfou e, brevemente, eu vi o sorriso enorme no rosto. Virei-me para Jimmy. "Yep. Ela me ama." Jimmy balançou a cabeça. "E eles dizem que o romance está morto." Eu assisti enquanto Tyler caminhou mais e mais longe de nós, seus quadris se movendo sensuais enquanto ela

andava. Eu não poderia segurar o

suspiro. "Nem em um milhão de anos de merda, Jimmy." "Então, este é o começo do resto de sua vida?"


Eu sorri. Eu estava t達o feliz para caramba agora. "Sim", eu respondi. "E mal posso esperar."


Epílogo Dean Cinco anos mais tarde

"Dean!" Eu ouvi o grito dela. "Eu vou matar você!" Virei-me para Jeremy e arranquei em sua manga. Ele estava ficando muito grande para um menino de apenas nove anos. "Eu acho que nós estamos em apuros, Jeremy. Talvez devêssemos nos dividir?" Jeremy sorriu para mim. "Sim. Mamãe fica assustadora quando está grávida." Eu pisquei para ele e nós dois fizemos um movimento para correr, mas já era tarde demais. "Onde vocês dois acham que estão indo?" Ao seu lado, a pequena Isabella estava rindo enquanto ela agarrava no vestido de Tyler. Ela era meu pequeno raio de sol. Com apenas quatro anos, Isabella era tão mal-humorada e bonita como Tyler. Ela tinha o cabelo de Tyler e os olhos de Tyler. Ao longo do tempo, o cabelo de Jeremy tinha crescido mais escuro, mas eu esperava que Isabella nunca perdesse a cor do dela. Ela era adorável com suas ondas loiras em cascata para baixo de suas pequenas bochechas rosadas. Isabella riu mais alto. "Mamãe encontrou o rolo de papel higiênico." Ela olhou para mim e apontou. "Você está em apuros, papai." Ela riu novamente. "E você acha isso engraçado? Isabella, estou decepcionado com você. Tenha um pouco de coração pelo seu pai."


Ela riu novamente e Tyler bufou. Cara, ela parecia chateada... e sexy. Ela tinha cinco meses de gravidez do nosso terceiro filho. Um menino. Eu queria experimentar para ter outra menina após este nascer, mas Tyler ameaçou cortar o meu pau fora. Eu meio que cedi depois disso. "Isabella sabe que você foi desobediente, Dean. Não comece um movimento de rotação, ou eu vou torcer algo seu." Ela olhou para mim. Eu quase estendi a mão para a minha virilha. Abaixei-me e sussurrei no ouvido de Jeremy, "O que devo fazer?" Jeremy rapidamente virou a cabeça para mim, os olhos arregalados. "Diga que você está arrependido. Diga que você está arrependido... rápido." Eu endireitei e olhei para Tyler. "Eu sinto muito, Rosey. Você pode me perdoar?" Dei a ela o meu melhor sorriso e cutuquei Jeremy. "Como foi isso?" Eu sussurrei. "Bom, pai." Ele sorriu. "Não pense que eu não posso ouvi-lo." Tyler sorriu e colocou as mãos nos quadris. Minha sobrancelha levantou-se. Ela sabia exatamente o que fazia para mim. Eu tinha mostrado com frequência suficiente. "Jeremy, você se importaria de levar sua irmã para o quarto dela por um momento? Eu preciso ter uma pequena conversa com sua mãe." Jeremy sorriu um pouco e balançou a cabeça. "Eu não me importo." Ele me deu um tapinha no ombro. "Boa sorte", ele sussurrou antes de tomar a mão de Isabella e leva-la para subir as escadas. Assim que soube que eles tinham ido embora, eu fui para matar. Tyler deu um passo para trás, mas suas costas logo encontraram a parede. "Hmmm... apenas onde quero você." "Não me toque, Dean. Eu ainda estou com raiva de você."


Eu parei o meu dedo pelo seu rosto e vi como ela estremeceu. Isso me fez sorrir, que ainda tinha esse efeito sobre ela, mesmo depois de todos esses anos. "Eu tenho certeza que posso convencê-la de outra forma." Eu mordisquei sua orelha um pouco e ouvi sua respiração acelerar. "Eu odeio você, às vezes," ela sussurrou. "E eu te amo todo o tempo." Eu beijei seu pescoço com ternura e suavemente escovei o polegar sobre o mamilo. Estava duro como pedra, apenas sofrendo para ter minha boca sobre ele. Eu queria forçar, mas não com o nosso filho e filha apenas alguns pés acima de nossas cabeças. "Dean, você não está jogando limpo", ela gemeu quando coloquei seu seio em minha mão e apertei seu mamilo. "Quando se trata de você, Tyler, nunca vou jogar limpo. Você deve saber sobre mim agora." Eu escovei meu polegar sobre seu mamilo novamente e ela tremeu. "Por favor, Dean. Não faça isso comigo. Você sabe que meus hormônios estão por todo o lugar no momento. Mais um toque e vou arrastá-lo para o banheiro eu mesma. Essa nova pia ainda não foi quebrada ainda." Ela levantou a sobrancelha para mim, como em desafio. Eu aceitaria essa porra de desafio qualquer dia da semana. Eu estava prestes a responder quando a campainha tocou. Eu coloquei minha cabeça em seu ombro e gemi. "Caralho, Oh. Eu esqueci que eles estavam vindo". Tyler me deu um tapa. "Vá com calma, Dean. Você sabe que eles ainda estão um pouco feridos." Meus olhos se arregalaram. "Tyler, faz quase dez malditos anos e quase três filhos mais tarde! Você acha que eles encontraram em seu coração me perdoar agora." Eu gemi novamente. "Dê-me um Pinzano todo o dia, mas não isto. Por favor, Tyler." Eu peguei a mão dela. "Eu vou te dar qualquer coisa que você pedir."


Ela olhou para mim, sacudindo a cabeça. "Não brinque com isso, Dean. Não é engraçado." Eu quase fiz beicinho. Eu? Assustado, porra? Eu devo estar ficando velho e macio. "Sinto muito, Rosey." Eu dei-lhe um sorriso que sabia que iria me sair com qualquer coisa. Ela era fraca para meus sorrisos. Seus lábios se curvaram e eu sabia que tinha ela. "Ok, ok, mas você vai atender a porta." Ela disse, e sua mão escorregou da minha mão. Eu gemi de novo, mas obedientemente fiz como minha esposa adorada me pediu. Abri a porta da frente e alívio imediatamente tomou conta de mim. "Jimmy, obrigado, porra. Eu pensei que você fosse a bruxa má e..." Jimmy saiu do caminho e meu coração afundou. Porra! "Sra. O'Shea, como é adorável ver você de novo." Eu acho que minhas bolas murcharam e morreram. Um olhar dela era tudo que tomou. Não ajuda que Jimmy tinha esse sorriso de comedor de merda na sua maldita face. O que eu não daria para limpar isso fora agora. "Tenho certeza", ela resmungou. "Você vai nos deixar entrar?" Como que do nada, Derren e uma Tara muito grávida apareceram. Como diabos isso aconteceu? Será que Jimmy propositadamente escondeu todos eles de mim? Eu ia ter uma conversa com ele mais tarde. Mudei-me para fora do caminho. "Claro, entrem." Logo que me mexi, ouvi Isabella guinchando e descendo as escadas. "Abóbora!" Derren gritou. Salvo por meu raio de sol. Esperemos que a pressão estivesse fora de mim agora. Talvez agora seria um bom momento para se esconder no canto em algum lugar, enquanto a mãe de Tyler pensava na próxima poção que ela podia mexer em seu caldeirão. Eu acho que agora tenho uma outra porra de dez anos de trabalho duro.


Ótimo. Ótimo para caralho. "Vovô!" Isabella gritou. Vi o brilhante sorriso de Derren. Ele era tanto bobo para as mulheres O'Shea como eu. Eu olhei para Clara e vi sua carranca. Bem, talvez não todas as mulheres O'Shea. Isabella correu para os seus braços, assim que Jeremy desceu as escadas. Dei-lhe um olhar „por favor, me ajude‟, mas tudo o que ele fez foi sorrir e balançar a cabeça. Eu não tenho nenhum aliado na minha própria casa? Assim que pensei isso, Tyler veio por trás de mim e colocou uma mão suave nas minhas costas. Eu imediatamente relaxei quando vi o seu sorriso. Ela era linda. "Aha!", Exclamou Derren. "Minha outra abóbora. Como você está, querida?" Tyler abriu um grande sorriso e deu tanto em Derren quanto a Clara um abraço. "Muito bem, obrigada. Ficando maior a cada dia, mas bem." Ela olhou para Tara. "Tara, olhe para você." Tara balançou a cabeça. "Por favor, não mencione. Eu me sinto como uma casa. Eu só quero que eles saiam de mim já. Jimmy deixou de mencionar a parte sobre sua avó ter gêmeos." Ela olhou para ele e Jimmy quase se encolheu. Eu levantei minha sobrancelha para ele como se dissesse: Sim, é uma cadela, não é? Mas onde estaríamos sem eles? "Você trouxe presentes?" Isabella perguntou animadamente. "Isabella, não seja rude. Eles acabaram de chegar." Tyler riu e Clara balançou a cabeça. "Tudo bem." Ela se abaixou para pegar a mão de Isabella. "Agora, por que estaríamos trazendo presentes hoje?"


Isabella balançava seus quadris para trás e para a frente, fazendo o vestido balançar. Ela era bastante menininha. Ela queria tudo da última moda... sapatos, vestidos. Ela estava me custando uma fortuna sangrenta, mas ela valia a pena cada centavo. "É meu aniversário!", Ela gritou. Clara engasgou. "Não! É sério?" Isabella deu um pulo. "É isso. É isso!" Com o canto do meu olho, vi Derren sair pela porta, pegar alguma coisa, então veio de volta. "É uma coisa boa que lhe trouxemos esses, então." Em sua mão tinha cerca de seis presentes. Eles eram tão grandes, ele mal podia passar através da porta. Parece que todo mundo era uma massa nas mãos de Isabella. Isabella gritou e bateu palmas. "Yay! Papai... Papai, olhe!" Seu olhar estava tão animado, eu não podia deixar de sorrir. "Eu sei, Bella. Você é uma garota de sorte." Eu pisquei para ela e ela voltou sua atenção para os presentes. Derren colocou-os no chão para ela, mas Isabella hesitou. "Está tudo bem, abóbora. Você pode abri-los agora." Derren sorriu, mas Isabella estava agora concentrada na tarefa a mão. Os únicos sons eram os papéis rasgando. Ela estava praticamente os retalhando. "Então, como vai os negócios, Dean?" Eu sorri para Derren. Ele era amigável comigo agora. Eu não sabia o quanto isso era apenas tolerância, ou se ele estava realmente se aquecendo para mim. "Muito bem, obrigado. Nós estamos expandindo para a costa oeste, não está de todo mau." Derren sorriu e parecia genuíno. "Isso é uma grande notícia."


Meu negócio de propriedades tinha tomado alguma forma. Acho que o mercado recuperar ajudou. Entre Scott Cooper e eu, tínhamos criado uma pequena mina de ouro. Não que eu precisava. Com praticamente todos os meus investimentos no Reino Unido, Tyler e eu estávamos preparados para a vida. Não havia nenhuma necessidade para nós trabalharmos novamente. Tyler ainda fazia, no entanto. Ela era dedicada a seu trabalho como uma professora de jardim de infância. Funcionou bem para nós, porque ela trabalhava sempre que as crianças estavam na escola. Suponho que, apesar do fato de nós não termos que trabalhar, ambos precisavamos disso. Deixei Humphrey com o resto, porque senti que eu, pelo menos, lhe devia alguma coisa, mas Tyler e eu nunca tivemos que nos preocupar com coisa nenhuma. Nossos filhos nunca teriam que se preocupar com nada. "E Tyler... Como está o trabalho?" Tyler sorriu. "Bom, papai." Ela estava prestes a dizer mais, mas Isabella gritou. "Mamãe! Papai! Olhe!" Ela levantou a última Barbie que tinha uma bolsa que ela sempre quis. Elas eram difíceis de conseguir. De acordo com Tyler, ela não conseguiu encontrá-la em qualquer lugar. Tyler parecia chocada. "Como você...?" Derren bateu em seu nariz com o dedo e piscou. "Um avô nunca revela seus segredos".

Mais tarde naquela noite, Tyler estava dentro da casa com Jeremy, Isabella, Tara, e seus pais, enquanto eu estava sentado tomando uma cerveja com Jimmy. Eu tomei um gole. "Então, como está Tara com sua gravidez?"


Jimmy suspirou com um sorriso. "É uma puta merda, cara. Toda vez que eu a toco, ela praticamente rosna para mim. É foda de assustador." Eu ri, pensando em como semelhante Tyler e Tara eram. Eu acho que tive sorte porque ela estava em seu segundo trimestre e ela não me deixava em paz. Inferno, quem iria reclamar sobre isso? Eu sabia que não iria durar, no entanto. Ela acabaria por ficar mais pesada e mais desconfortável, mas eu estaria lá. Tudo o que podia fazer era segurar sua mão e orar para que ela não cortasse meu pau fora. Só de pensar nisso me fez estremecer. "O que há de errado com você, que porra é essa?" Estremeci. "Nada... Eu só tive um pensamento indesejável, isso é tudo." Jimmy riu. "As mulheres são foda de assustadoras, não são? Dê-me um idiota para bater todo nível de excremento fora de mim qualquer dia, mas Tara?" Jimmy estremeceu. Eu ri. "Eu disse algo semelhante depois que você bateu na porta, mas foi sobre os pais de Tyler." "O que sobre os pais de Tyler?" Tara estava de pé na soleira da porta, Tyler logo atrás dela. Ambos pareciam ansiosas pela minha resposta. Eu me endireitei. "Nada." Tyler saiu e veio se sentar no meu colo, Tara fez o mesmo com Jimmy. Ela envolveu os braços em torno de mim, aconchegou a cabeça no meu pescoço e me mordeu. Foda-me, ela estava um pouco agressiva. E, como de costume, meu pau reagiu. Tyler obviamente notou, porque a sobrancelha levantou-se. Ela estava com tantos problemas mais tarde. E, para ser honesto, eu não teria isso de outra maneira. A vida era exatamente como deveria ser agora. "Isso não é o que você estava me dizendo mais cedo." Jimmy ergueu a sobrancelha.


Eu estava indo matá-lo. Na verdade, se Tyler não estivesse no meu colo e Tara no dele, eu teria envolvido minhas mãos em torno da porra de seu pescoço. Eu olhei para ele e ele deu de ombros. "Ei, se eu estou indo para baixo, posso também levar você comigo." Tara olhou para ele. "O que é que isso quer dizer?" Eu ri e pisquei para Jimmy. Ele estava morto. Jimmy fez um som beijando Tara. "Nada, querida. Eu te amo." Tara colocou a mão em seu rosto e empurrou-o de volta. "Por favor." Eu ri ainda mais duro. "Cara de puta," Jimmy zombou. "Esguicho de Bicha." "Chupador de bunda". "Fodedor de maçaneta." "Soprador de pau." "Assaltante de bunda." Tyler cobriu minha boca e suspirou. "Vocês podem cortar isso!" Todos nós rimos, quando aconcheguei a cabeça no pescoço de minha Rosey. Eu era o mais feliz homem do caralho vivo. Sim, eu pensei, quando suspirei contente. A vida estava definida como deveria ser.


Capítulo Bonus Jimmy Ontem, eu voei para Dulles, EUA. Eu tinha prometido a Dean que faria o que fosse necessário para ajudá-lo a ganhar Tyler de volta. Eu estava nervoso, no entanto. Desde que voltei para o Reino Unido, eu estava pensando em Tara. Eu não conseguia tirar as imagens da minha cabeça. Fechando os olhos quando toquei ela, o caminho dos seus sensuais lábios se separaram quando eu batia esse ponto doce, e do jeito que ela gritava meu nome quando deixava ir abaixo de mim. Eu não conseguia parar de pensar em seus olhos castanhos suaves e a forma como eles pareciam penetrar minha alma. Ela tinha os olhos e o corpo mais surpreendentes. Merda, eu não queria nem começar a pensar em seu corpo. Sua pele era tão macia e suave, pensei que poderia facilmente me perder dentro dela. Seus gemidos sobre mim todas as vezes. Apesar de tudo isso, pensei que eu poderia ir para casa e continuar minha vida normal. Ambos Tara e eu passamos todo momento juntos quando eu estava nos EUA, mas nós dois sabíamos que não iria durar. Qual era o ponto quando vivemos tão longe um ao outro? Mas, ainda assim, lá estava eu, do lado de fora de sua porta como um cachorrinho doente de amor, me perguntando se eu deveria bater. Eu estava parado lá pelos últimos cinco minutos. Fiquei surpreso que ninguém tinha gritado para mim ou chamado a polícia ainda. Era bobagem vir aqui, mas eu não consegui me segurar. Quando saí, tanto Tara e eu concordamos que o que tínhamos era apenas um pouco de diversão. Nós gostamos um do outro e não conseguia tirar as nossas mãos um do outro, então porque não? Qual era o problema? Bem, parecia que o problema foi


descobrir quanto de uma coisa boa que eu estava perdendo. O problema foi eu brincando comigo mesmo que jamais poderia me manter longe dela. Fiquei ali, rindo de mim mesmo. Foi engraçado, na verdade. Eu sempre tinha sido amável e cortês com as mulheres. No final do dia, isso nos dava vida, nos fazia feliz, e possuía a única coisa que poderia fazer um homem de joelhos. Mas eu nunca tinha me comprometido. Eu dizia a toda a senhora que eu entrei em contato como eu nunca seria a coisa certa. Se elas aceitassem isso, bom. Se elas queriam mais, „foi um prazer conhecê-la, mas estou fora‟. Eu nunca tinha prometido nada mais do que eu era. Eu era transparente, mas tinha me mantido fora da água quente. Isso me manteve no estilo de vida que eu estava acostumado. Ninguém para amar. Ninguém para me causar dor. Ninguém para arrancar meu coração quando eles desaparecessem da minha vida. Eu tinha ficado feliz com isso por anos. Eu poderia ser selvagem, livre, único, e eu nunca teria que responder a ninguém. Eu poderia ir onde quisesse. Ficava contanto que eu quisesse. Isso funcionou para mim. Mas a verdade por trás de tudo isso? Eu odiava voltar para casa, para uma casa vazia. Eu odiava acordar sem sentir uma mulher ao meu lado. Eu tinha perdido a minha "Graça de Deus" e, desde então, eu tinha sido o solitário, criatura mais patética viva. Eu sempre pensava que Grace e eu poderíamos nos estabelecer, casar, ter filhos. Eu sempre achei que ela era para mim e ninguém mais poderia se comparar. Até que conheci Tara. De repente, ela apareceu como o meu farol de luz. Ela era uma lufada de ar fresco. Eu tinha conhecido algumas mulheres no meu tempo, mas ninguém como Tara. Ela tinha essa energia sobre ela que gritava animada, valente, e no controle. Ao mesmo tempo, havia uma vulnerabilidade que gritava para ser cuidada. E cada parte de mim queria responder a seus gritos. Mas do lado de fora de sua casa, eu não podia ajudar, mas acho que não importa como me sentia, isso não mudaria o fato de que havia concordado em que nunca mais nos veríamos outra vez. Não importa o quanto eu queria vê-la, Tara pode não retribuir.


E foi esse pensamento que me fez virar e começar a caminhar em direção ao meu carro. Foi assim que tinha me estendido a mão para a porta do carro para abri-lo. "Jimmy?" Eu congelei, incapaz de me mover. Era a voz dela. Aquela voz que me fez fechar os olhos por um momento e saboreá-la como se fosse a única palavra que já ouvi. "Jimmy?" Ela disse de novo, e eu sabia que não podia ficar assim para sempre. Eu me virei e vi o rosto que tinha assombrado os meus sonhos nas últimas três semanas. Ela parecia absolutamente deslumbrante. Vestindo um vestido de chiffon azul claro que parecia que foi feito para ela, Tara parecia mais bonita do que eu me lembrava. Ela tinha o cabelo em um coque, mas destacou seu chocolate perfeito nos olhos castanhos e pele cor de caramelo. Cada parte de mim queria tocar sua pele agora, mas me segurei. Ela pode até não me querer lá. Completamente atordoada, ela estava lá. Então, quando se ela se recompôs, as mãos dela foram direto para seus quadris. "Então, você voou quatro mil milhas apenas para olhar para minha porta por cinco minutos e depois ir embora?" Eu não poderia ajudá-la. Meu pau reagiu. Encontrando a minha voz, eu sorri. "Eu não sabia se você iria querer me ver novamente. Você sabe, depois que tivemos aquela conversa." Ela balançou a cabeça. "Eu não me importo com isso. Por que você está aqui?" Ela se adiantou um pouco, esperando pela minha resposta. Na verdade, ela parecia realmente interessada em saber. Era, provavelmente por causa que ela pensava que eu estava com Dean e ela estava preocupada com Tyler. Eu poderia entender isso, considerando que ela estava tão perto.


"Eu não vou mentir para você, Tara. Estou aqui a negócios, mas, verdade seja dita, queria te ver". A sobrancelha de Tara levantou-se. "Negócio? Que negócio?" Eu sorri. "Eu não posso dizer." Ela cruzou os braços na frente dela. "Hmmm... Enquanto Dean não está com você." Eu balancei minha cabeça. "Não. Dean voltou para o Reino Unido. Ele tem estado lá pelas últimas três semanas." Tara suspirou com um sorriso. "Então você está aqui a negócios, mas queria me ver?" Eu vi um pouco de brilho nos seus olhos e, foda, eu queria levá-la em meus braços. "Outra verdade?" Ela assentiu com a cabeça. "Eu não parei de pensar em você." Tara sorriu largamente e meu coração começou a bater. De repente, seu sorriso desapareceu. "Você quer saber a verdade?" Eu balancei a cabeça, mas não tinha certeza se realmente queria ouvir. "Eu também." Ela riu e eu balancei a cabeça com um sorriso. Sem outro pensamento, corri para ela e peguei-a nos braços. Tara riu alto e foi como música para meus ouvidos. "Assim, você pode me deixar entrar, Tara? Tem sido uma longa jornada e meu cavalo e eu estamos muito cansados." Tara riu de novo. "Você e seu cavalo? Eu sei que disse que seu pau parecia um, mas não achei que você iria levar a sério." Tara balançou a cabeça. Eu ri. "Acredite em mim quando digo, quando uma mulher diz isso para um homem, ele leva muito a sério." Tara sorriu, depois olhou para os meus lábios. Seu sorriso desapareceu e foi substituído por um olhar aquecido. No momento que ela me olhou daquele jeito, meus lábios estavam sobre ela. Ela provou exatamente como eu lembrava, mas quanto mais eu provava seus lábios, mais queria provar algo mais. "Eu senti


falta de beijar você", eu respirei, relutantemente me afastando. "Eu senti falta de te beijar toda." Tara gemeu. "Jimmy, você sabe exatamente como fazer uma entrada, não é?" Eu levantei minha sobrancelha. "Eu gostaria de fazer uma entrada, mas não tenho certeza se vou mostrar uma Saída." Tara riu. "Continue falando sobre me beijar em todos os lugares e uma entrada que mais definitivamente será." Eu não esperei mais. Peguei Tara em meus braços e felizmente ela pulou, acondicionando suas pernas em volta da minha cintura. Uma vez lá dentro, fechei a porta com o pé e fiz meu caminho para o quarto. Ao pé da cama, Tara agarrou meu pescoço e me puxou para um beijo. Nossas línguas dançaram e seu corpo tremeu quando tracei meus dedos pelas suas costas. Eu podia sentir meu pau esforçando para sair. Tinha tanto tempo desde que eu tinha estado dentro de uma mulher. Na verdade, Tara foi a última mulher que eu tinha feito amor. Eu estava morrendo de fome por ela. Deitando-a sobre a cama, me afastei de seus lábios, os beijos fugindo de seu pescoço para seus ombros, em seguida, para o peito. Com uma mão, puxei um lado de seu vestido para baixo, ela não estava usando sutiã. Foda-me. Eu já morri e fui para o céu. Seu peito era firme e seu mamilo estava duro. Eu não poderia ajudar, mas me maravilhar com ele por um segundo antes que senti Tara puxando minha cabeça. Liguei a minha língua para fora e brincava com ela um pouco antes de colocar todo seu mamilo em minha boca. Tara gemeu e eu chupava um pouco quando sua respiração tornou-se mais e mais pesada. Abaixo de mim, ela estava gemendo e tentando desesperadamente esfregar sua virilha contra a minha. Ela estava desesperada por uma liberação. Eu sabia, porque eu estava tão desesperado quanto.


Com a outra mão, puxei o outro lado de seu vestido para baixo e continuei até que estava completamente livre dele. Ela estava nua agora. Sem calcinha. Não havia barreiras entre nós. Era quase como se ela soubesse que eu estava chegando e ela estava esperando por mim. "Porra, você é linda." Fiquei olhando para a sua nudez, sua pele impecável, as queimaduras que um bastardo de um ex-marido tinha feito a sua marca. Tal como acontece todas as vezes, eu me abaixei para beijar essas marcas porque, não importa quantas vezes ela me diga que elas eram feias, elas eram uma parte dela. Cada pedacinho dela era bonito. Ele havia tentado manchar essa beleza, mas não funcionou. Ela era simplesmente deslumbrante. "Jimmy...", ela respirou enquanto eu beijava em torno de seu umbigo e para baixo em direção a seus quadris. "Cada parte de você..." Eu beijei seu quadril. "Traz-me..." Eu beijei o interior de sua coxa. "Para meus..." Beijei-a outra coxa, quando abri bem suas pernas. "Joelhos..." Abaixei-me e coloquei um dedo em torno de sua entrada. Eu já podia ver que ela estava excitada, mas eu precisava senti-la. Eu precisava saboreá-la. Colocando meu dedo dentro dela, Tara gemeu e levantei seus quadris para me conhecer. Eu não me decepcionei. Liguei o clitóris com a língua quando empurrei meu dedo mais profundo. "Oh Deus, Jimmy. Isso é tão bom." Eu não podia evitar o sorriso. "Mais?" Eu a vi acenando com os olhos fechados. Ela lambeu os lábios e contorceu os quadris, fazendo-me querer explodir. "Sim. Mais. Por favor." Ela estava implorando e eu não estava indo para mantê-la em espera. Voltei para lamber sua deliciosa boceta. Ela era exatamente como eu me lembrava.


"Porra, eu senti falta do seu gosto. Eu não posso obter o suficiente dele." Eu estava tão longe por agora, eu substitui um dedo por dois e voltei a lapida-la. "Porra, Jimmy. Você vai me fazer chegar muito rapidamente se mantiver em... Oh merda!" Eu ignorei seus apelos quando meu lado egoísta precisava que ela gozasse logo antes de eu explodir. Eu precisava muito estar dentro, minhas bolas estavam quase estrangulando-se. Porra, era doloroso. Eu podia sentir meu braço flexionando enquanto empurrava dentro e fora de sua apertada boceta molhada. Sua pequena protuberância, que eu não conseguia parar de lamber, estava dura agora. Eu rodei e dancei minha língua em torno dele, certificando-me de dar a sua boceta uma melhor atenção. Era seus gemidos e seus gritos para mim que me levavam em cada tempo, especialmente quando ela gozou. Seus gritos eram outra coisa. Eu empurrei, sentindo Tara enrijecer embaixo de mim. Seu orgasmo era iminente e eu não ia parar. Eu continuei a lamber e chupar duro a protuberância dela. "Merda, Jimmy, eu vou gozar..." Ela gritou o meu nome uma e outra vez enquanto eu gentilmente dançava minha língua nela. Sua vagina se apertou com tanta força em meus dedos, que quase desmaiei da sensação dela. Eventualmente, ela começou a acalmar e eu trabalhei para baixo, olhando para como ela gemia debaixo de mim. Meu Deus, ela era impressionante. Quando a respiração se acalmou um pouco, puxei meus dedos para fora dela e beijei com ternura em torno de sua boceta. "Tara, você é foda demais." Tara abriu os olhos e sorriu para mim. "Eu poderia dizer o mesmo para você." Sentando-se, ela apontou para o meu jeans. "Agora é a sua vez." Eu não hesitei. Eu atirei, desabotoei minha calça jeans, e puxei para baixo, aliviado quando consegui deixar meu menino livre. Ele era eternamente


grato. Eu podia sentir isso. Puxei minha boxers junto e empurrei meu jeans longe, saindo deles. Olhei para cima para encontrar Tara olhando para o meu Johnson. "Johnson parece com raiva." Tara sorriu para mim maliciosamente. A segunda vez que tive relações sexuais, eu tipo deixei escapar que o chamava assim. "Johnson está muito feliz em vê-la. Ele não a vê há muito, muito tempo, e ele quer se reencontrar". Tara acenou com o dedo. "Bem, Johnson venha por aqui, então." Rosnei e praticamente me lancei para ela. Eu estava tão excitado, tudo que queria fazer era estar dentro dela tão rapidamente quanto possível. Sem mesmo perguntar se estava tudo bem, puxei Tara para debaixo de mim e afundei meu pênis profundamente dentro dela. Tara gemeu, e eu não poderia ajudar o que me escapou. Sentia-se tão quente, tão apertado, por isso porra, era perfeito. "Jimmy, e o preservativo?" Eu fiquei dentro dela e gentilmente beijei sua boca. "Sem barreiras. Eu quero sentir você. Preciso sentir você. Tudo bem?" Tara sorriu e acenou com a cabeça. Eu sabia que era egoísta da minha parte fazê-lo antes de perguntar, mas eu acabei de sair do controle. Eu sempre fazia quando estava perto dela, mas era ainda pior porque tinha ficado sem pelas últimas três semanas. No minuto em que a vi acenar de cabeça, eu estava em movimento, cuidando para não machucá-la. Ela se sentiu bem, no entanto. Bem demais. Envolvendo suas pernas em volta de mim, Tara mudou de modo que seus quadris estavam inclinados. Era apenas o ângulo certo para ir mais fundo. Foda-se, ela era gloriosa.


"Jimmy...?", Ela respirava. "Sim?" Era uma maravilha que eu poderia dizer uma palavra. Eu estava enterrado tão profundamente dentro dela, até mesmo as palavras me escaparam. "Eu quero ir em cima." Eu parei abruptamente e olhei para ela. Eu não queria sair de onde estava agora, mas se o meu bebê queria estar em cima, então eu ia deixá-la ficar em cima. Balançando-a, Tara gritou e riu. Eu estava determinado a ficar dentro dela... em todo momento. Uma vez que estávamos em nossas posições, Tara empurrou para cima e passou as mãos pelo meu peito. Um estrondo vibrou de mim quando Tara moveu as mãos para seus seios. "Linda ... simplesmente linda." Tara sorriu, em seguida, seus quadris começaram a se mover. Fechei os olhos por um segundo e me deixei sentir o que era tê-la em cima. Eu gostei de controle, mas poderia me acostumar com isso. Cada movimento de seus quadris era como uma fodida doce tortura. Quando ela acelerou e gemia, eu agarrei seus quadris e puxei-a para mim e outra vez. Eu podia sentir minhas bolas apertarem. O olhar dela saltando no meu pau, os seios magníficos dançando para cima e para baixo, era outra coisa, mas o fato de que sua boceta parecia como nenhuma outra que eu já estive dentro antes, foi a minha ruína. "Tara, foda-me, você está indo me fazer gozar." Eu agarrei seus quadris à força e praticamente bati-a contra mim uma e outra vez. Eu podia sentir o acúmulo, sentir minhas bolas mais e mais pesadas enquanto meu pau pulsava por sua liberação. Tara gemeu meu nome e senti suas paredes apertando meu pau. Isso foi para mim. Eu explodi dentro dela como uma onda do caralho. "Tara!" Eu gritei


enquanto puxei-a em cima de mim uma última vez antes de deixar seu colapso no meu peito. O sexo nunca fica velho, mas o sexo com Tara me fez sentir como se eu tivesse sido criado exclusivamente para dar prazer a ela. Seu prazer era o meu prazer. Eu poderia entender isso agora. Eu podia sentir a felicidade se formando dentro de você, sabendo que você tinha feito a pessoa que você se preocupava feliz. E eu queria cuidar de Tara. Eu gostava dela mais do que ela percebeu. "Wow...", ela respirou, aninhando o nariz no meu peito. Eu sorri. "Totalmente merda de wow. Se eu pensasse que iria receber uma saudação assim, teria voltado mais cedo." Ela olhou para mim. "Por que não?" Eu sorri, puxando seu cabelo para fora de seu coque e vi quando ele caia em cascata para seus ombros. Ela simplesmente me tirava o fôlego. "Você sabe... O medo da rejeição, não querendo fazer um tolo de eu mesmo, Furacão Tara chovendo na minha bunda... Esse tipo de coisa." "Hey!" Ela gritou, me cutucando as costelas quando eu ri. Eu afastei uma mecha de cabelo do seu rosto. "Verdade?" Ela assentiu com a cabeça. "Eu estava com medo. Nós decidimos não ver um ao outro novamente, então não sabia como você me veria fora de sua porta." Tara me olhou por um momento. "Bem, eu devo admitir, estava realmente surpresa de ver você." "Você estava?" Eu tive que pressionar por mais. Tara não era de apenas admitir seus sentimentos tão livremente.


"Sim. E a verdade?" Eu assenti. "Fiquei feliz quando olhei pela janela e vi você ali de pé." Eu sorri e a puxei para mim para outro beijo. Depois, que Tara suspirou e colocou a cabeça de volta no meu peito. Lambi meus lábios e pude ainda saborear seu doce perfume. Isso me fez faminto por ela mais uma vez. "Você sabe, o seu gosto é o melhor sabor em todo o mundo de merda." Tara riu. "Sério?" Eu balancei a cabeça. "Porra, sim!" Tara riu, mas ficou em silêncio por um tempo. "Então," ela começou, correndo um dedo sobre o meu peito. "Quanto tempo você estava pensando em me degustar desta vez?" Ela riu novamente, mas eu sabia que, sob a forma lúdica, havia um tom de incerteza. Será que ela realmente me queria em torno dela? Com o meu braço em volta dela, comecei a acariciar seu cabelo. "Eu estava, tipo pensando em quanto tempo você vai me querer." Tara ficou em um silêncio mortal e eu me perguntava se tinha fodido por entrar demasiado forte, muito cedo. Eu me perguntei se deveria dizer mais alguma coisa, sair com a porra de um especial Jimmy, e fazê-la pensar que eu estava apenas brincando. Em seguida, ela suspirou e correu o dedo ao redor do meu peito de novo. "Gostaria muito disso." Sentindo-me como o gato que comeu o canário, eu puxei Tara firmemente para mim, com um sorriso, distribuía beijos pelo meu rosto. Tara esfregou o rosto no meu peito de novo e, por um tempo, eu não poderia deixar de ponderar mais e mais na minha cabeça... Eu me pergunto se sempre teria esse gosto.

Jaimie roberts redenção livro 2  
Jaimie roberts redenção livro 2