Issuu on Google+

Antigos trabalhadores da Porto Cavaleiros recebem créditos a 5 de Junho Os antigos trabalhadores da fábrica de papel Porto Cavaleiros, no concelho de Tomar, encerrada há catorze anos, vão receber parte dos valores de que são credores no processo de insolvência, na quinta-feira, dia 5 de Junho, entre as 15h30 e as 17h30, no edifício da antiga Junta de Freguesia de Santa Maria dos Olivais, em Tomar. De acordo com um comunicado do Sindicato das Indústrias Transformadoras do Centro Sul,

os antigos trabalhadores da empresa papeleira ou herdeiros devem, afim de levantarem os respectivos cheques de pagamento, levar para entrega uma fotocópia do cartão de identificação (Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão). Conforme o nosso jornal noticiou em Abril último, o processo de pagamento de créditos da fábrica de papel Porto Cavaleiros arrasta-se desde o ano 2000 e envolve 128 antigos trabalha-

dores. A demora do processo na justiça levou a que alguns dos créditos já não sejam pagos aos trabalhadores mas sim aos herdeiros, dado que alguns dos credores já faleceram. Para qualquer esclarecimento adicional, os interessados podem contactar o dirigente do Sindicato, Fernando Pina, pelo número de telemóvel 912 470 099.

ECONOMIA Zona Industrial de Almeirim é um grande centro de empresas

29 de Maio de 2014

Apoio a fundo perdido para implementação do sistema de qualidade Empresas interessadas em obter certificação de gestão da qualidade, podem fazê-lo através da Nersant 10

Seriedade e responsabilidade são marcas de Luís Coelho

Capacidade de ouvir os clientes é essencial para encontrar a melhor solução Empresa da Semana 4

Eduardo Galvão da Canelas Irmãos, Lda

Vítor Raposo da Raposo, Lda

David Dias da Ecoveg S.A.

A pouco e pouco as empresas foram saindo da malha urbana. Para maior segurança e sossego dos habitantes. Ruído, maus cheiros, conflitos de trânsito, foram minimizados. Nas zonas industriais as empresas passaram a ter mais espaço para desenvolver o seu trabalho e para receber clientes. Podem crescer. Têm cargas e descargas sem constrangimentos, acessos facilitados às principais vias de comunicação. Novas empresas, geradoras de riqueza e de postos de trabalho não têm que ir para onde não querem devido à falta de espaço dentro das localidades. Almeirim é um bom exemplo. Especial 2

José Luís Carvalho o rosto da Ribapor, Socidráulica e Industejo

Trabalha há quatro décadas e meia na área da metalomecânica 9

Maurício & Calvário uma empresa de gerações em Almeirim 8

Quem está no ramo Secretário de Estado do turismo tem que diz que Escola Profissional de Rio Maior tem futuro dizer que existe Um produto turístico, seja ele qual for, não pode ser escondido como um tesouro, mesmo que seja um tesouro. Há agentes de turismo que têm ideias fantásticas ou que possuem produtos fabulosos mas que acham que cabe aos potenciais interessados descobrirem o que têm. Há investidores que nos cálculos dos seus investimentos se esquecem sempre da rubrica destinada à divulgação e promoção, como se esse trabalho fosse obrigação de outras entidades. E há aqueles que, por saberem que estão no ramo do turismo, publicitam o que têm para oferecer. Especial 6

Quatro dias de história viva na Feira Medieval de Torres Novas Cidade vai ser palco da quinta edição da Feira Medieval 7

Criação do EVOA é um bom exemplo de turismo sustentável O espaço criado para observação de aves é um oásis 6

Destacados resultados acima da média no decurso das Jornadas Profissionais 8

Masterseguros em Santarém há 12 anos que desenvolve soluções globais

10


2

ESPECIAL ZONA INDUSTRIAL DE ALMEIRIM 29 MAIO 2014

Zona Industrial de Almeirim como um grande centro comercial de empresas A pouco e pouco as empresas foram saindo da malha urbana. Para maior segurança e sossego dos habitantes. Ruído, maus cheiros, conflitos de trânsito, foram minimizados. Nas zonas indus-

triais as empresas passaram a ter mais espaço para desenvolver o seu trabalho e para receber clientes. Podem crescer. Têm cargas e descargas sem constrangimentos, acessos facilitados

às principais vias de comunicação. Novas empresas, geradoras de riqueza e de postos de trabalho não têm que ir para onde não querem devido à falta de espaço dentro de localidades.

Ecoveg SA, em Almeirim Qualidade atestada por vinte anos de experiência no mercado nacional

Tendo iniciado a sua actividade 2000, a ECOVEG SA conta com profissionais com mais de 20 anos de experiência no mercado nacional. Actua como grossista na distribuição de produtos para a agricultura, fornecendo aos seus clientes

produtos de prestigiadas marcas internacionais de adubos granulados, adubos solúveis, bioestimulantes, organo-minerais, orgânicos em pellet, turfas e substratos, plásticos, tabuleiros de esferovite, entre outros produtos.

Localizada na Zona Industrial de Almeirim em pleno coração Ribatejano, conferindo-lhe centralidade a nível do território nacional, dispõe de instalações modernas e capazes de satisfazer logisticamente os seus clientes nacionais e internacionais.


29 MAIO 2014 ESPECIAL

A Canelas Irmãos Ldª é gerida por António Francisco e Eduardo Galvão Uma grande distribuidora de produtos alimentares e bebidas A empresa chama-se Canelas Irmãos Ldª e foi fundada há 17 anos por António Francisco. Fica situada na zona industrial de Almeirim, no lote 32. É uma distribuidora de produtos alimentares e bebidas. É distribuidora oficial de produtos Central de Cervejas, Coca Cola Eberian Partners e de outras grandes marcas de bebidas. Produtos alimentares secos e de confeitarias das marcas Nestlé, Kraft (Chocolate Milka), Ferrero, Regina, Dancake, Cuétera, para além dos cafés são das marcas Nestlé e Cristhina e Parmalate, também são distribuídos pela Canelas Irmãos, Ldª que Vende para restaurantes, pastelarias e bares. Dá emprego a duas dezenas de pessoas e trabalha para toda a região envolvente, nomeadamente para os concelhos de Almeirim, Azambuja, Benavente, Cartaxo, Chamusca, Coruche, Salvaterra de Magos,

Santarém, Alpiarça. A Canelas Irmão Ldª dispõe de um serviço personalizado, bom atendimento e garante pontualidade nas entregas, sendo essa a principal valia da casa). "Cada colaborador é responsável pela área que faz. As Rotas estão definidas e não se alteram mas quando um cliente se esquece de encomendar um produto não tem de esperar pela visita seguinte. O mesmo é levado por outro carro ou o cliente vem buscá-lo ao armazém. Estamos cá para facilitar a vida aos clientes", explica o gerente, Eduardo Galvão.

ZONA INDUSTRIAL DE ALMEIRIM

3


4

ESPECIAL ZONA INDUSTRIAL DE ALMEIRIM 29 MAIO 2014

Raposo na vanguarda de revestimentos de pavimentos e paredes Também fabrica equipamentos inox para hotelaria e instala ar condicionado A empresa Raposo, Comércio e Aplicação de Revestimentos lda, está entre as empresas líderes do mercado dos revestimentos, há muitos anos. Tal posição resulta da procura constante das soluções mais competitivas e inovadoras para os seus clientes. Actualmente a Raposo lda encontra-se organizada internamente por unidades de produção com valências e recursos distintos que se complementam entre si, nomeadamente o comércio e aplicação de revestimentos em pavimentos e paredes, fabrico e comercialização de equipamentos inox para a hotelaria e instalação de ar condicionado. O novo modelo de organização que resultou da fusão das quatro empresas do grupo foi adoptado como forma de adaptação a uma nova realidade do mercado e a novas exigências

dos clientes. A decisão foi acertada uma vez que permitiu um crescimento da empresa em 2013 tanto no mercado interno como a nível internacional, nomeadamente nos mercados de França, Brasil, Angola e Moçambique. Para consolidar ainda mais a qualidade dos serviços prestados pela Raposo, lda foi  já este ano criado um departamento de Marketing e apoio pós-venda. "Nunca foi tão importante manter um bom relacionamento com os clientes como agora" salienta o gerente, Vítor Raposo. Vítor Raposo destaca o Capital Humano da empresa como a componente essencial na construção do êxito da empresa. Informação detalhada dos serviços da empresa pode ser consultada no site www.raposolda.pt. No site está disponível para download o catálogo de produtos e serviços.


6

ESPECIAL TURISMO 29 MAIO 2014

Quem está no ramo do turismo tem que dizer que existe Um produto turístico, seja ele qual for, não pode ser escondido como um tesouro, mesmo que seja um tesouro. Há agentes de turismo que têm ideias fantásticas ou que possuem produtos fabulosos mas que acham que cabe aos potenciais interessados descobrirem o que têm. Há investidores

que nos cálculos dos seus investimentos se esquecem sempre da rubrica destinada à divulgação e promoção, como se esse trabalho fosse obrigação de outras entidades. E há aqueles que, por saberem que estão no ramo do turismo, publicitam o que têm para oferecer.

Criação do EVOA em Vila Franca de Xira é um bom exemplo de turismo sustentável O espaço criado para observação de aves é um oásis a vinte minutos da capital do país

Sandra Paiva, Andreia Silva, Florbela Coutinho, Luís Arede, Vítor Manique O Espaço de Visitação e Observação das Aves (EVOA) na Lezíria Sul, em Vila Franca de Xira é um verdadeiro oásis que fica a cerca de vinte minutos de Lisboa. No meio do campo é possível observar aves no seu estado selvagem. Percursos camuflados e observatórios estrategicamente colocados garantem o conforto e tranquilidade dos visitantes. No núcleo central existe um excelente centro de acolhimento com cafetaria, espaço de exposições e loja, com uma magnífica paisagem a perder de vista. A visita às lagoas é um verdadeiro antídoto anti-stress.  Sandra Paiva, coordenadora do EVOA, explica que “para as aves, o Estuário do Tejo é uma autêntica estação de serviço. Durante as suas passagens migratórias, constitui um óptimo local de repouso e alimentação. Esta rota circular tem como principal objectivo divulgar o Estuário do Tejo como um dos melhores locais na Europa para observar aves”.  O tema do Dia Mundial das Aves Migrató-

rias de 2014 que se comemorou a 10 de Maio, centrou-se na observação da vida selvagem e no turismo sustentável como um veículo para a conservação de aves migratórias e seus habitats. O objectivo é promover os produtos turísticos inovadores junto das principais rotas migratórias do mundo.  No âmbito dos European Business Awards for the Environment - Prémio de inovação para a sustentabilidade,  organizados anualmente pela Agência Portuguesa do Ambiente, a Companhia das Lezírias venceu na categoria Empresas pela Biodiversidade com o seu projecto EVOA, o qual tem como objectivo a promoção dos valores naturais e como principal motivação a conservação da avifauna. Ao longo do ano o EVOA  tem vários programas de visitas guiadas interpretativas e de observação, de acordo com os diferentes públicos e idades. Os visitantes são acompanhados por guias que revelam os segredos da Lezíria. Informação detalhada pode ser obtida em www.evoa.pt. UM DIA PERFEITO COM PASSAGEM PELO EVOA A mais recente actividade realizada no Espaço de Visitação e Observação de Aves foi realizada a 10 de Maio. Tratou-se de uma actividade especial associada às comemorações do dia mundial das aves migratórias, que teve o apoio da Reserva Natural do Estuário do Tejo. Uma dezena de participantes realizou um percurso circular pela Rota do Estuário do Tejo, passando pelas salinas do Samouco, hortas, zona de vaza, lezírias e pelas recentes lagoas do EVOA, locais conhecidos pelas aves europeias e africanas, mas desconhecidos da população e dos turistas nacionais e estrangeiros. O percurso incluiu transporte, guias, entradas nos vários espaços a visitar, equipamentos de observação de aves e seguro. Tudo foi pensado ao máximo pormenor para que este dia, que começou bem cedo, fosse perfeito.


29 MAIO 2014 ESPECIAL

Quatro dias de história viva na Feira Medieval de Torres Novas Evento organizado pela “Turriespaços” decorre de 5 a 8 de Junho Torres Novas vai ser palco, entre 5 e 8 de Junho, da quinta edição da Feira Medieval, um evento que já alcançou projecção nacional e que este ano tem como tema “Na senda de Gil Paes”. A iniciativa é marcada pelo rigor histórico que a organização “Turrisespaços” lhe confere, destacando-se a componente pedagógica que está reflectida na transmissão de conhecimentos sobre a história local e nacional. Segundo uma lenda, Gil Paes, que foi alcaide-mor de Torres Novas, quando das invasões castelhanas em 1372, terá sacrificado um dos seus filhos ao recusar entregar o castelo em troca da sua libertação uma vez que tinha sido feito prisioneiro pelos inimigos. De acordo com a organização são “quatro dias de história viva, animação, magia e surpresas, num centro histórico onde impera um castelo renovado e uma praça plenos de vida”. Ao nível da programação, o evento conta com um programa de animação permanente, performances musicais e teatrais, momentos de recriação histórica nos quais se faz a contextualização histórica do evento, cortejos e danças, a par de um programa de actividades lúdicas que asseguram a sua forte componente pedagógica. Na Feira Medieval de Torres Novas não

vão faltar os espaços de atracção tais como as Bodegas e Tabernas ou a famosa zona do Postigo da Traição, “um trilho obscuro e perigoso, onde são despejados os enfermos, desvalidos, órfãos e dementes”. Música e bailes, artesãos e cozinheiros, reis e mendigos marcam ainda outros aspectos desta Feira Medieval que leva o visitante a uma viagem ao Portugal do séc. XV.

TURISMO

7


Especial Zona Industrial de Almeirim e Turismo