Issuu on Google+

www.omep.org.br

Jornal

OMEP/BR

Ano XXXI - Edição Nº 81 2º trimestre de 2010 - Brasil

Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

JORNAL

PARTICIPE DAS REDES SOCIAIS

12

OMEP/BR/MS

vantagens de ser um Saiba quais são as

parceiro da

Organização Mundial para Educação Pré-Escolar

OMEP/BR/MS Você já conhece as vantagens de ser um parceiro da OMEP? Além de ajudar no desenvolvimento de nossas atividades, o contribuinte tem a vantagem de desembolsar menos na hora de pagar o Imposto de Renda tanto de Pessoa Física como de Pessoa Jurídica. As doações para a OMEP podem ser 100% restituídas. O valor máximo a ser deduzido é equivalente a 6% do imposto de renda devido, no caso de pessoas físicas, e 1%, no caso de empresas. Caso esteja dentro desta margem, a restituição é sobre o valor total doado. Para esses casos, na hora de declarar, é preciso optar pela declaração completa de Imposto de Renda.

OMEP/BR/MS www.omepms.org.br

ção é /MS Forma e d EP/BR o M t u O it t 3 s la In pe Pág. urado g u a in

Livro reúne experiências de educação ambiental com crianças Pág.3

Como fazer: Faça uma doação a uma unidade da OMEP! Lembrando que, para ser passível de dedução no IR, essa doação deve ser feita para os fundos controlados pelos conselhos nacional, municipail e estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente. Depois de depositado o valor, o fundo deve emitir um recibo de doação com o nome e Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do contribuinte, data e quantia da doação, nome do fundo e Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) da entidade. Ao preencher a declaração, o contribuinte deve informar no local descrito para “pagamentos e doações efetuados” os valores doados e o CNPJ dos beneficiários. O programa calculará automaticamente o imposto devido e fará o desconto do montante doado. Vale lembrar que as doações feitas por pessoas jurídicas só são dedutíveis quando efetuadas às instituições autorizadas por lei federal e às entidades civis, legalmente constituídas, sem fins lucrativos que prestem serviços gratuitos em benefício de empregados da pessoa jurídica doadora e respectivos dependentes, ou em benefício da comunidade onde atuem, nos moldes das disposições contidas no Regulamento do Imposto de Renda – RIR (feitas mediante crédito em conta corrente bancária diretamente em nome da entidade beneficiária).

EXPEDIENTE

Clique Esperança

Presidente Maria Aparecida Salmaze

Uma maneira ainda mais fácil para você fazer a doação, com garantia de dedução no imposto de renda, é utilizar o site do Clique Esperança. Acesse o site, selecione a

Clínica odontológica amplia atendimento Pág.8

OMEP/BR/MS articula rede sul-matogrossense de defesa dos direitos da primeira infância. Pág.5

OMEP e contribua para a promoção

da Educação, da defesa dos direitos da criança e do aprimoramento dos recursos humanos envolvidos na Educação Infantil.

Vice-presidente Adelma Maria P. Galeano Secretária Tereza Delci Garay Tesoureira Luziete Amarilha Diretora Administrativa Maura Aurora Espósito Diretor de Comunicação e Marketing Rodrigo Messa Puerta

Departamento de Comunicação e Marketing Diretor Rodrigo Messa Puerta Assessor de Comunicação Riedel Gomes de Souza Assessoria de Imprensa Luciana Modesto (Drt/MS 142) Marcus Vinícius Espíndola Assessora técnica Karla Mascarenhas Design Instrucional Ednilson C. Herlemann

www.cliqueesperanca.org

Inscrições

Cursos online IFOMEP

www.ifomep.org.br

A tradição de ensino da OMEP agora está na plataforma de Educação a Distância para auxiliar na formação continuada de profissionais que buscam novos aprendizados. Os cursos online contam com uma tutoria especializada, garantindo atualização freqüente de conhecimentos.

Informações:

matogrossodosul@omepms.org.br

OMEP/BR/MS

www.omepms.org.br

Ferramentas modernas

Agilidade e interação

(67)

3305-2227


OMEP/BR/MS Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

Jornal

www.omep.org.br

Jornal

PARTICIPE DE NOSSAS REDES SOCIAIS

2

OMEP/BR/MS Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

PARTICIPE DAS REDES SOCIAIS

www.omep.org.br

11

Amigo leitor, Uma longa, mas alegre caminhada. Até aqui, são 35 anos de OMEP em Mato Grosso do Sul. Comemoramos a maturidade, a sabedoria e as conquistas acumuladas em todos esses anos em defesa de nossas crianças. Construímos, tijolo a tijolo, ação e mais ação, toda essa nossa trajetória. E que trajetória! Foi um caminho que nasceu mesmo antes da OMEP/BR/MS. Nasceu lá na década de 50 quando iniciamos no Brasil nossa luta por uma sociedade mais justa e igualitária. A OMEP é referência mundial no cuidado e na defesa dos direitos da criança e na formação de profissionais para atuação na área da Educação Infantil. Isso muito nos orgulha, mas ainda há muito por fazer: novas conquistas e novos desafios se lançam a cada dia. Em 2011, nossa maior vitória foi a inauguração do Instituto de Formação da OMEP, o IFOMEP, que disponibilizará por meio de cursos presenciais, semi-presenciais e a distância o acesso à experiência adquirida pela OMEP em mais de 60 anos de atuação em todo o mundo. Essa disseminação e o acesso a esse conhecimento é muito importante para os profissionais que atuam junto às crianças, nossa maior razão de ser. E para dar mais força a tão necessária luta em defesa dos nossos pequenos, convidamos o poder público, a iniciativa privada e outras instituições do terceiro setor que atuam com este mesmo objetivo para atuarmos juntos à REDE ESTADUAL PELA PRIMEIRA INFÂNCIA em Mato Grosso do Sul , a REPI-MS. Em junho, apresentaremos a REPI/MS à sociedade e a cerca de 1000 profissionais da educação durante nosso 22° Encontro Estadual de Educação Infantil e Primeiros Anos do Ensino Fundamental E 8° Seminário Internacional da OMEP/ BR / MS. Convidamos a todas as pessoas interessadas no bem-estar das crianças e todas as instituições atuantes em nosso estado a aderirem a esta rede para que possamos fazer cada vez mais por nossos pequenos. Vamos juntos? Professora Mestra Maria Aparecida Salmaze Presidente da OMEP/Brasil Presidente da OMEP/BR/MS Vice-Presidente da OMEP/Mundial da América Latina Muito obrigada e boa leitura!

O que é a OMEP A Organização Mundial para a Educação Pré-Escolar (OMEP) é uma entidade filantrópica internacional fundada em 1948 que se ocupa de todos os aspectos relacionados aos cuidados e Educação da Primeira Infância. Entidade consultiva da UNESCO e do UNICEF, é reconhecida mundialmente por sua gestão ética, pelo trabalho em defesa dos direitos da criança e da valorização dos profissionais da Educação. Atuação abrangente: · 70 países; · 18 estados brasileiros; · 30 municípios com Associações Municipais; · Sede nacional em Campo Grande/MS; · Presente em Fóruns e Conselhos em todo o território nacional: Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA), Fórum Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselho de Alimentação Escolar (CAE), entre outros; · Certificada no Conselho Nacional de Assistência Social 28983.000115/94-14 (Dec.123) desde maio de 1997, por seu trabalho realizado diretamente com as comunidades. Missão estratégica: · Desenvolvimento e publicação de pesquisas; · Atendimento a crianças e adolescentes em situação de risco; · Atuação em parceria com a Sociedade e o Poder Público em prol de uma realidade social que promova e permita o pleno desenvolvimento do ser humano. Utilidade Pública: A OMEP/BR/MS também é reconhecida por oferecer serviços básicos e de livre acesso à população, declarados como de Utilidade Pública Municipal (Lei Nº 2137) desde junho de 1983, em Campo Grande e como de Utilidade Pública Estadual (Lei Nº 581) desde setembro de 1985, em Mato Grosso do Sul. Conheça mais sobre o trabalho desenvolvido pela OMEP acessando nosso portal na internet: www.omepms.org.br

Professor: campanhas promovem valorização profissional Adaptação às novas tecnologias, contextualização de acontecimentos no país e no mundo, estímulo à busca constante por novos conhecimentos, resgate da cultura e disseminação de valores éticos e morais. O papel do professor ultrapassa o simples repasse de informação. Mesmo reconhecido como determinante na formação de profissionais de excelência, o professor ainda enfrenta dificuldades como remunerações baixas, carga horária variável, jornadas mais extensas de trabalho e precariedade de materiais de apoio nas salas de aula. Para a acadêmica de Pedagogia, Aline Guerra, a falta de valorização do professor vem desanimando futuros profissionais. “Estou no último ano de pedagogia e tenho muita vontade de ser professora. Já tive a oportunidade de entrar na sala de aula algumas vezes, mas, para seguir no magistério, nós precisamos de uma garantia, algo mais palpável. Ser professor é algo que dá orgulho e fica estampado. Quem gosta transparece, mas é claro que falta o reconhecimento do esforço desse profissional que ainda carece de um salário atraente e de boas condições no ambiente de trabalho”, alega a universitária. Protestos e até mesmo paralisações em defesa do professor se tornaram frequentes diante da importância de evitar um déficit ainda maior de graduados no mercado de trabalho. Uma dessas recentes manifestações é a campanha lançada pelo movimento Todos Pela Educação no último dia 30 de maio. Uma página com vídeos e anúncios da campanha "Um bom professor, um bom começo" pretende destacar a importância do magistério. Além disso, outra manifestação que também faz parte dessa campanha de valorização do profissional de educação é feita através do Twitter. Por meio do microblog, internautas poderão “postar” depoimentos com a hashtag "#1bomprofessormeensinou" deixando as declarações expostas no site oficial da campanha. Segundo a diretora-executiva do movimento, Priscila Cruz, o objetivo é a valorização do bom professor que tem o foco no aprendizado dos alunos e que, assim, contribui efetivamente para a melhoria da qualidade da Educação no Brasil. Entre as peças produzidas, estão vídeos para TV, anúncios para jornais e revistas e spots de rádio. Novos tempos “Com novas ferramentas ao alcance do professor, é possível que esse profissional possa ser visto com outros olhos. Não novos, mas sim como antes: um formador de opinião, um educador, um trabalhador que tem bagagem para contribuir com o crescimento da sociedade”, explica o professor de língua portuguesa recémformado, Guilherme Bittencourt. O cenário de mudanças não é recente. Para a professora aposentada pela rede pública de ensino desde 2008, Maria Lúcia Cavalcante, a internet tem agregado novos desafios ao educador.

“Em pouco tempo muita coisa mudou. Tive a oportunidade de trabalhar diferentes escolas particulares e da rede pública de ensino e pude notar como os alunos estavam adotando novos métodos de aprendizado. O computador estava ganhando espaço e o professor passou a ser o responsável também por tirar dúvidas vindas da internet”, analisa. Remuneração No último mês de fevereiro, o Ministério da Educação elevou o piso nacional do professor do ensino básico que teve um reajuste de 15,85%. Com isso, o valor passaria de R$ 1.024,67 para R$ 1.187,08 e, pela lei, nenhum professor de nível médio, com jornada de 40 horas semanais, poderá ganhar menos que isso.


OMEP/BR/MS Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

Os professores da rede pública de ensino contam com recursos e verbas destinados à formação e capacitação. Busque em seu Estado ou município mais informações. · Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) · Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE-Escola) · Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE)

Cursos ONLINE auxiliam a Educação Infantil Despertar o hábito da leitura nas crianças é um desafio para pais e professores. Para desenvolver o gosto por livros nos pequenos é necessário preparo. É com esse objetivo que o curso Literatura: a arte de contar e encantar brincando foi estruturado pela equipe do Instituto de Formação da Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (IFOMEP) como parte do Ciclo de Cursos para Atividades Complementares em Educação, oferecido online, com duração de 120 horas/aula. Em maio, a turma contou com alunos de 12 estados brasileiros e de países como EUA, Uruguai, Espanha e Indonésia.

Além da orientação dos tutores, o aluno conta com ferramentas que facilitam o aprendizado na internet como fóruns de discussão, vídeo aulas e download de materiais, entre outros. Inaugurado em 2011, o IFOMEP conta com a tradição de ensino da OMEP, criada em 1948, presente em 70 países, e que já capacitou mais de 50 mil pessoas no Brasil. Em maio, o instituto oferece ainda o Curso Básico de Libras nas modalidades online e presencial. O Ciclo de Cursos para Atividades Complementares em Educação terá também novas turmas para esse ano. Para se inscrever, os alunos podem acessar o site www.omep.org.br, escolher o curso e participar das próximas turmas.

Ciclo de Cursos para Atividades Complementares

Curso: O processo de Alfabetização e Letramento com Ludicidade Curso: Literatura: A arte de contar e encantar brincando Prático, ágil e interativo Os acadêmicos de Pedagogia e demais áreas ligadas à Educação contam agora com a facilidade e comodidade de cursos na modalidade EAD; para auxiliar a necessidade da realização de atividades complementares e formação continuada. São cursos livres, com ferramentas modernas que auxiliam o aprendizado dos alunos e facilitam a interação entre os participantes. Com as praticidades oferecidas pelo ensino via internet, o aluno pode determinar onde e quando estudar.

Mais de 50 mil profissionais capacitados

40 Horas

+ + 40 Horas = 120 Horas 40 Horas

POR R$ 120,00 EM ATÉ

12 x

O Instituto de Formação da OMEP, IFOMEP, conta com a tradição de ensino da Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (OMEP), criada em 1948, presente em 70 países, e que já capacitou mais de 50 mil pessoas no Brasil. São profissionais altamente qualificados e preparados para o mercado. Ferramentas modernas Fórum de discussão

Objetos de aprendizagem

Interação promovida por profissionais especialistas na área

Glossário Animações em flash

Vídeo aulas produzidas a partir das práticas nos CEINFs

Moodle 2.0

Material de apoio para download

Materiais produzidos por equipe multidisciplinar

Informações: (67)

3305-2227 3305-2228

PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS

www.omep.org.br

Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

9

de jovens campo-grandenses

Novos conhecimentos, atualização ou formação. Para qualquer objetivo profissional, o Instituto de Formação da OMEP (IFOMEP) conta com uma série de cursos de capacitação voltados para os profissionais e futuros profissionais da Educação, da rede privada e pública de ensino. Os cursos são ministrados por professores qualificados, com a experiência de atuação na OMEP, que já capacitou mais de 50 mil pessoas em todo o país.

Curso: Rotinas na Educação Infantil: Estrutura do tempo e espaço.

OMEP/BR/MS

Programa de capacitação tem mudado a vida

Formação continuada: investimento profissional com retorno garantido

O ciclo conta ainda com o curso Rotinas na Educação Infantil: Estrutura do tempo e espaço. “A rotina no desenvolvimento do trabalho pedagógico, situando a criança no tempo e no espaço, facilita sua adaptação e orientação durante o período em que ela está na escola e traz segurança para aluno e professor”, explica a pedagoga Alessandra Muzzi Chaves. No curso O processo de Alfabetização e Letramento com Ludicidade, o participante conhece sobre os métodos e propostas de alfabetização, a leitura e a escrita na Educação Infantil.

Jornal

4

www.omep.org.br

Jornal

PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS

Incrições:

www.ifomep.org.br www.omep.org.br

Para os jovens que buscam oportunidade no mercado de trabalho, o programa Jovem Aprendiz representa uma oportunidade para um emprego remunerado e de formação continuada, com aulas de português, matemática, informática, entre outras disciplinas. Na OMEP/BR/MS, 45 vagas tem sido oferecidas, anualmente, para jovens entre 18 e 24 anos. Pelo programa, os jovens trabalham nos Centros de Educação Infantil (CEINF) da capital e recebem salário, valetransporte e, enquanto participam do projeto, permanecem registrados em carteira de acordo com as normas da CLT. Transformação Joysihany Coman, 22 anos, casada e mãe da Eduarda, de três anos, completou um ano de participação no programa, trabalhando no CEINF Jardim Canguru. A experiência transformou a vida da jovem. “Melhorou minha autoestima. O conhecimento obtido com libras, português e informática, por exemplo, vai me ajudar profissionalmente no futuro”, afirma a jovem. Para a jovem Simone Ribeiro dos Santos, 23 anos, o trabalho que realizou no CEINF Yasmin Ibraim Bacha representou o resgate de um sonho. “Sempre tive vontade de fazer Pedagogia. Trabalhando aqui, tive motivação e hoje já estou no primeiro ano da faculdade”. Quem também sai do programa com novas aspirações é a jovem Gleicimar Martins, de 21 anos. “Tive, aqui, um crescimento não só como profissional, mas como pessoa. Descobri que gosto de trabalhar com Educação. Quero retornar aos estudos e fazer faculdade. O Jovem Aprendiz abre as portas para a gente”, aponta Gleicimar.

O t rab a l ho em E ducação, desenvolvido com crianças, motivou Patrícia Oliveira Campitelli, de 23 anos, a conquistar novos horizontes. “Passei no vestibular em Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e quero trabalhar com a Educação Infantil e, principalmente, com crianças de comunidades menos favorecidas. Essa vivência aqui vai ficar para o resto da vida”, afirma Patrícia, emocionada. Programa formou mais de 100 Confiança, determinação e compromisso com o futuro. Esses são alguns dos sentimentos de 108 jovens já formados pelo Programa Jovem Aprendiz, da OMEP/BR/MS. A cerimônia de formatura da quarta turma foi realizada dia 3/5, na sede da OMEP Tiradentes, em Campo Grande. “É com orgulho que acompanhamos a evolução desses jovens. Ao formarmos uma turma, sabemos que nosso maior objetivo foi alcançado: de que preparamos profissionais que respeitam o trabalho da Educação e sabem de sua importância na formação de cidadãos”, afirma a presidente da OMEP Brasil e OMEP/BR/MS, Maria Aparecida Salmaze. A coordenadora do programa na OMEP/BR/MS, Lucia Guedes Salmazio, complementa que quem passa pelo Jovem Aprendiz sai preparado para o mercado de trabalho. “Eles vivenciam o dia a dia de um profissional, que realiza as atividades no

CEINF e ainda contam com aulas que vão complementar o conhecimento que adquiriram. Eles saem daqui com a experiência que o mercado exige”, diz. A possibilidade de um futuro melhor para a filha Carinna, uma das formadas, é a maior realização para Benedita Fuzitani. “Ela já tem um grande começo”, afirma a mãe. Para Carinna, a experiência agregou novos conhecimentos. “Vai me ajudar muito profissionalmente”, diz. A diretora do CEINF Tupinambás em que Carinna trabalhou, Elizangela da Silva, considera que a parceria da OMEP traz resultados não somente aos jovens. “O comprometimento dos participantes do programa nas atividades do dia a dia nos ajuda muito e contribui com o nosso objetivo maior que é atender nossas crianças com qualidade”, aponta. Estiveram presentes ainda na cerimônia de formatura a diretora administrativa da OMEP/BR/MS Maura Aurora Espósito de Souza e todos os professores do Programa. Rodrigo Messa Puerta, diretor executivo do Instituto de Formação da OMEP – IFOMEP, Ruth Aquino, da Secretaria Municipal de Educação, Brigite Gubert, da Secretaria de Políticas Públicas e Ações Sociais e Cidadania, Advane de Deus, diretora do CEINF Cordeirinho de Jesus, e Ivani Nunes, diretora do CEINF Maria Dulce Prata Cançado, também prestigiaram o evento. Seleção Em 2011, 45 jovens foram aprovados no pro cess o s elet ivo que reuniu 110 participantes. O processo, realizado em abril, contou com aulas e avaliações.


PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS

www.omep.org.br

Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

10

LER, CONTAR E ENCANTAR: A LINGUAGEM DA LITERATURA INFANTIL O contato com a literatura infantil faz-se necessário desde a primeira infância, uma vez que o ato de ler é um dos instrumentos favoráveis ao desenvolvimento infantil, tanto no campo cognitivo, afetivo como também na ampliação do repertório linguístico. Desta forma, é importante que, desde pequena, a criança tenha acesso aos diferentes portadores literários, pois ao contar histórias de maneira encantadora, possibilitamos o contato com o imaginário além de momentos de lazer e bem-estar. Segundo Abramovich: É ouvindo histórias que se pode sentir (também) emoções importantes, como a tristeza, a raiva, a irritação, o bem-estar, o medo, a alegria, o pavor, a insegurança, a tranqüilidade, e tantas outras mais, e viver profundamente tudo o que as narrativas provocam em quem as ouve – com toda amplitude, significância e verdade que cada uma delas fez (ou não) brotar... Pois é ouvir, sentir e enxergar com olhos do imaginário. (1989,p.17) Por meio da leitura, fomentamos na criança a apropriação de novas experiências e saberes diferenciados, que lhe oferecerão informações que a ajudarão na construção do seu conhecimento. A literatura é um dos caminhos viáveis para desenvolver a formação de ideias e opiniões, além de proporcionar a criatividade, atrelando o lúdico à linguagem oral e corporal. É fundamentalmente importante que o professor ofereça às crianças diferentes tipos de histórias, como por exemplo, os clássicos em diferentes versões, recontos orais trazidos pela cultura da família e histórias c r i a d as p el as própr i as c r i anç as , desenvolvendo assim a linguagem oral e ampliando a relação escola/família. Segundo Olga Reverbel (1998), a criança desperta para a leitura, para a interpretação, para a expressão, uma vez que as atitudes de expressão liberam a personalidade pela espontaneidade e formam-na pela cultura. As crianças, não diferentes dos adultos, têm seus conflitos e dificuldades emocionais e, por estarem ainda em desenvolvimento, não possuem habilidades em resolver seus problemas necessitando assim das

Jornal

Jornal

OMEP/BR/MS

OMEP/BR/MS

PARTICIPE DE NOSSAS REDES SOCIAIS

www.omep.org.br

Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

OMEP inaugura Instituto de Formação e publica livro sobre Desenvolvimento e Sustentabilidade na Infância

intervenções de um adulto. Neste aspecto, a literatura infantil pode ser uma aliada da família e do professor, pois algumas histórias são internalizadas, podendo oferecer possibilidades de enfrentamento por meio da relação entre a história e sua experiência. A literatura infantil ainda traz ao professor a probabilidade de trabalhar de maneira prazerosa questões de ética, normas de comportamento, conteúdos curriculares entre outros assuntos da escola e da sociedade. Neste sentido: Por meio da contação de histórias a criança passa a visualizar de forma mais clara, sentimentos que têm em relação ao mundo. As histórias trabalham problemas existenciais típicos da infância como medos, sentimentos de inveja e de carinho, curiosidade, dor, perda, além de abordarem infinitos assuntos. Muitos sentimentos afloram por meio de uma história, pode-se descobrir outros lugares, outros tempos, outros jeitos de agir e de ser, outras regras, outra ética, outra ótica... A criança aprende história, filosofia, e muitas outras áreas do conhecimento. ABRAMOVICH (1997) A literatura infantil possibilita uma viagem ao universo da imaginação e da representação, permitindo ao leitor/ouvinte uma experiência que permite reportar-se aos personagens ou situações e acontecimentos. A criança em sua simplicidade e pureza tem o poder de se permitir entrar no mundo da fantasia sem esforço algum, e ainda assim experimentar o surreal como se fosse sua única verdade naquele momento tão único e singular. O professor no momento da leitura e contação de histórias tem a oportunidade de apresentar situações que leve a criança a ampliar a capacidade criadora e a fantasia. Por meio do encantamento o professor precisa reacender estes aspectos em sua criança interior para desenvolver junto à criança, uma linguagem em comum onde unir a palavra falada com o imaginário é mesmo uma arte. Assim:

“A literatura infantil é arte, fenômeno de criatividade que representa o mundo, o homem, a vida por meio da palavra. Funde os sonhos e a vida prática, o imaginário e o real”. ZILBERMAN (1985, p. 17) A literatura infantil deve ser desenvolvida de maneira a subsidiar o trabalho do professor, como por exemplo, por meio de uma leitura sistematizada, organizada e planejada, podendo possibilitar à criança não somente o prazer pelo prazer, mas considerar a leitura como ato político prop orc i on an d o m om e nto s d e discussões onde a criança tenha liberdade de se expressar, compartilhar suas opiniões, ampliando assim seu conhecimento de mundo.

Promover o acesso aos conhecimentos pedagógicos em cursos presenciais, semipresenciais e na modalidade a distância. Essa é a missão do o Instituto de Formação da OMEP (IFOMEP), inaugurado em março, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. A abertura do evento realizada pela vicepresidente da OMEP na América Latina, presidente da OMEP/BRASIL, presidente da OMEP/BR/MS professora Maria Aparecida Salmaze, contou com a presença de autoridades como a senadora da República Marisa Serrano, a secretária de Educação de Campo Grande, Maria Cecília Amendola da Motta e a ex-presidente da OMEP, professora Ângela Costa.

A solenidade contou ainda com as presidentes das outras federações da OMEP no Brasil, profissionais que atuam em Educação no país e no exterior, e amigos da Instituição. Na ocasião, estiveram presentes as quatro últimas presidentes da OMEP em Mato Grosso do Sul. A sede do IFOMEP conta com salas de aula climatizadas e equipadas com data show e um auditório para cursos e palestras. O local também abriga a nova unidade da Clínica Odontológica da OMEP. Durante a cerimônia de inauguração, foi lançado o livro “Desenvolvimento e Sustentabilidade: revelando olhares e valorizando vozes na Educação da Infância”. A publicação, composta por 21 artigos escritos por 33 profissionais, surgiu da necessidade da OMEP/Brasil em promover uma educação voltada à sustentabilidade que vá além das teorias e que alerte as pessoas da importância de proteger o meio ambiente e as relações sustentáveis dos indivíduos. Essa preocupação foi apontada em um projeto mundial da OMEP e a OMEP/Brasil aderiu, promovendo a disseminação e realização de uma pesquisa com 284 crianças sobre sustentabilidade, em cinco estados brasileiros: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Sergipe, Maranhão e Rio de Janeiro.

Shara Martins Lúcia Guedes

REFERÊNCIAS ABRAMOVICHI, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo, Scipione, 1989, p. 17. ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 1981. ZILBERMAN, Regina. A literatura Infantil Brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. Olga Reverbel. A literatura infantil e a escola. Disponível em : http://www.infoeducativa.com.br/index.asp?page=artigo&id=190 ac

Vale lembrar... No dia 18 de Abril é comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil. A data marca o aniversário de nascimento de José Bento Renato Monteiro Lobato (1882 –1948), um dos principais escritores de literatura infantil do Brasil. Autor de aventuras com figuras tipicamente brasileiras, trabalhou os costumes e lendas do folclore nacional misturando os personagens com elementos da literatura universal, da mitologia grega, dos quadrinhos e do cinema. Através do trabalho de autores como Monteiro Lobato, é possível promover o des envolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura.

O livro reúne as experiências dessa pesquisa, com relatos de educadores e professores quanto aos caminhos para uma Educação que busca soluções para o problema da preservação e defesa da terra e de seus habitantes. Como parte da apresentação do livro, foram promovidas dezessete palestras com os autores, profissionais da educação no Brasil e na América Latina, sobre Educação e Cidadania, Formação de Professores e Práticas de Sustentabilidade. Ao total, as palestras contaram com um público de 180 pessoas.

3


OMEP/BR/MS Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

Escola de Pais reforça papel da família na educação das crianças A participação da família na escola é essencial para o desenvolvimento do aluno. É dessa forma que o Projeto Escola de Pais tem sido desenvolvido pela Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (OMEP/BR/MS) em uma creche que atende 180 crianças em Campo Grande. Mensalmente, pais e professores debatem sobre temas relacionados ao bem-estar familiar, cuidados em saúde e orientações pedagógicas. “Sempre aprendo coisas novas. Há quatro anos venho aqui e a cada reunião, recebemos novidades, dicas e conselhos”, afirma Ângela Salazar Gomes, mãe de Luis Henrique, de oito anos, e da pequena Aline, de cinco anos, que estuda no Instituto Educação Infantil Marisa Serrano (IEMS), mantido pela OMEP. Para Selma Costa de Souza, mãe da Lorena, de três anos, até mesmo seu ambiente familiar melhorou com a participação nas reuniões. “Aprendemos a maneira certa de incentivar nossos filhos, da importância de elogiá-los e o quanto isso é saudável para todos nós”, conta. O projeto Escola de Pais é desenvolvido desde 2009 e, além de assistir pais de crianças atendidas pela IEMS, também está aberta à comunidade. “É preciso envolver a família no cotidiano da escola. Nossa proposta é o atendimento integral às crianças e aos pais. As reuniões são de caráter preventivo”, explica a assistente social coordenadora do Projeto, Simone de Farias. Em março, o tema da reunião foi auto-estima e, em abril, foi debatida a importância do acompanhamento familiar na vida escolar dos filhos e os cuidados com saúde e higiene das crianças, com apresentação de Simone de Farias, Vera Sandri, coordenadora administrativa do IEMS, Arilma Maria de Almeida Spindola, coordenadora pedagógica da instituição. Cada evento reuniu cerca de 40 pessoas.

Escolas e CEINFs recebem capacitação em Primeiros Socorros Conhecimento prático para prestar atendimento de urgência a crianças em caso de acidentes nas escolas. Esse é o foco do Curso Noções Básicas de Primeiros Socorros da OMEP/BR/MS que irá capacitar, até setembro, 1.500 profissionais de 98 Centros de Educação Infantil e 98 escolas da rede pública de ensino de Campo Grande, MS. As aulas acontecem aos sábados na sede do Instituto de Formação da OMEP (IFOMEP) e têm duração de 10 horas/aula. “O objetivo é orientar o professor e educador sobre qual a conduta deve tomar. O curso é importante porque vai minimizar os impactos de agravos de saúde na criança que sofreu algum acidente antes da chegada do atendimento médico especializado”, afirma o instrutor do curso Cleiton Travassos que é bombeiro militar e acadêmico de Enfermagem. Em maio, a prefeitura de Campo Grande regulamentou a Lei 4.947 que estabelece aulas de primeiros socorros para o corpo docente das escolas municipais de Ensino Fundamental. “Durante o curso, os participantes aprendem quanto ao atendimento específico de crianças recém-nascidas até os 12 anos, mas, na verdade, são técnicas para o atendimento de uma pessoa de qualquer idade. O que muda é apenas a maneira e a força aplicada no paciente”, complementa Cleiton.

De forma prática, são repassados os procedimentos do exame primário, preconizados mundialmente para detectar sinais vitais básicos (temperatura, pulso, respiração e pressão arterial) e quais providências diante de casos de engasgos, insuficiência respiratória, fraturas (fechadas ou expostas), insolação, parada cardíaca (com instruções de uso no desfibrilador externo automático), hemorragias, convulsões e queimaduras, entre outros casos. Os participantes também aprendem quanto à legislação que rege a obrigatoriedade de capacitação em primeiros socorros, sobre o funcionamento do serviço público e o uso de caixa de primeiros socorros.

Jornal

6

www.omep.org.br

Jornal

PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS

PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS

OMEP/BR/MS

www.omep.org.br

Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

Teoria e prática auxiliam

profissionais

para atuação no

7

atendimento às

crianças Conhecimentos em assistência social, noções básicas de primeiros socorros e arte foram alguns dos temas apresentados durante a Capacitação para Educadores em Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. O curso de 50 horas, realizado de 11 a 15 de abril, foi promovido através de convênio entre a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura Municipal de Campo Grande e a OMEP/BR/MS, reunindo 40 profissionais de Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e de ONGs municipais. O convênio irá beneficiar, ao longo do ano, cerca de 120 pessoas. A capacitação é promovida pelo Instituto de Formação da OMEP (IFOMEP). Nas aulas, a informação e a prática agregaram ainda mais à vivência de quem trabalha diretamente com crianças. Para Aparecida Gonçalves, educadora no CRAS Vida Nova há oito anos, a capacitação serviu para atualizar conhecimentos fundamentais para seu diaadia. “Precisamos recarregar as baterias e estar sempre atualizado. Isso colabora, inclusive, com a nossa autoestima”, afirma. Fernanda Raquel Barbosa, educadora do CRAS Hercules Mandeta há um ano e quatro meses, ficou surpreendida com as aulas do curso. “Aprendemos a contar histórias de

uma forma ainda mais envolvente. Agora temos mais conteúdo, mais informações para o trabalho com nossas crianças”, conta. “Esse curso representa um avanço em nossa atuação. A OMEP tem a pre o c up aç ão de ag ir de for ma abrangente tanto na Educação, quanto na Saúde e na Assistência Social”, afirma Maria Aparecida Salmaze, presidente da OMEP/BR/MS. De acordo com a SAS, a ação aborda a necessidade de reflexão e busca constante de conhecimento. “Essa interação proporciona a motivação dos profissionais e a melhora na sua autoestima. A parceria com a OMEP nos garante uma capacitação de qualidade em função de sua estrutura e da qualificação de seus profissionais”, aponta Eneida Cristina Gonçalves Ribeiro, gestora da SAS de Campo Grande. “A OMEP é uma instituição preocupada com a formação humana e profissional, é uma entidade que contribui efetivamente na capacitação das pessoas”, complementa Inês Mongenot, diretora de proteção Social Básica da SAS. “Tudo para mim é novidade e me alimento de cada palavra nova aqui”, diz Edenilza Borges de Almeida Silva, que está há dois meses na ONG Associação

de Mães Trabalhando a Inclusão (AMATI). Após terminar o magistério no ano passado, Edenilza sonha agora com a formação em Pedagogia. A capacitação oferecida pelo convênio entre OMEP e SAS é a “primeira de tantas experiências”, afirma. “Eu era dona de casa e estou apaixonada por essa nova etapa em minha vida. Quero aprender sempre”, finaliza. Para o professor de Educação Física, Waldir Barros, que trabalha na CRAS Lili Fernandes da Cunha, situado no bairro Rouxinóis, a capacitação vem acrescentar ao conhecimento que ele adquiriu em oito anos de atuação em Centros de Referência de Assistência Social. “Além da atividade física, tenho trabalhado com eixos sociais, aulas de cidadania, sociabilização e interação de crianças menos favorecidas e é preciso preparo constante”, analisa Waldir.

Omepiana na vice-presidência nacional da Undime Maria Cecilia Amendola da Motta, secretária de Educação de Campo Grande, foi eleita, em maio, vice-presidente da União Nacional dos Dirigentes em Educação (Undime). A professora, que já ocupava o cargo de presidente da Undime/MS, foi presidente da OMEP Brasil e OMEP/BR/MS e atualmente é vice-presidente da OMEP Região Centro-Oeste. “A eleição legitima o comprometimento de tantos anos do trabalho de Maria Cecília na Educação e muito nos orgulha”, analisa Maria Aparecida Salmaze, presidente da OMEP/Brasil e OMEP/BR/MS. Ao lado de Cleuza Repulho, dirigente municipal de Educação de São Bernardo do Campo, São Paulo, Maria Cecília assume a vice-presidência na gestão 2011/2013. “É motivo de satisfação e grande responsabilidade frente às lutas a serem desenvolvidas no âmbito da educação pública brasileira e estamos prontas para os desafios visando a superação das dificuldades”, afirma Maria Cecília.


Acadêmicos de Pedagogia da

www.omep.org.br

UEMS visitam Instituto de

OMEP/BR/MS Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

Educação da OMEP/BR/MS “Os espaços são bem utilizados, o trabalho da equipe é bem planejado e isso faz com que as crianças não tenham tempo ocioso. Aqui os acadêmicos percebem que é possível oferecer um serviço diferenciado do que estamos acostumados a observar nas escolas e creches”, analisa. Para pedagoga, Alessandra Muzzi, o IEMS pode ser considerado como um laboratório para os futuros profissionais de Educação na infância. “Priorizamos o acompanhamento pedagógico, planejamento, interação da equipe para troca constante de experiências e práticas, bem como a garantia do espaço lúdico e a v a l or i z a ç ã o d o br i n c ar”, af i r m a Alessandra. A rotina das crianças foi acompanhada pelos acadêmicos que analisaram a organização da estrutura física do IEMS, a metodologia de ensino e o atendimento às crianças e aos pais. “Percebemos que tudo na instituição é pensado para a criança, de acordo com cada faixa etária. A criança é respeitada e tem sua infância valorizada”, avalia o acadêmico Flávio Rodrigues. “A atuação da equipe é voltada para o educar e brincar. A criança é sempre incentivada. É um grande aprendizado para nós”, complementa a acadêmica Analgiza Cristina Corsino da Silva. Criado em 1997, o instituto conta atualmente com 41 funcionários que além do trabalho pedagógico realizam atendimento odontológico, psicológico, de orientação nutricional às crianças e programas de mobilização e saúde com os pais e a comunidade. O IEMS também promove palestras, oficinas e ações voltadas para promoção da qualidade de vida, aumento da autoestima e renda. Uma turma de 21 acadêmicos do 2° e 3° ano de Pedagogia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul de Dourados (UEMS) realizou, em maio, uma visita técnica ao IEMS, mantido pela OMEP/BR/MS. O instituto atende 180 crianças de zero a quatro anos, em período integral. “O objetivo é proporcionar aos estudantes a vivência de uma proposta diferenciada de atendimento às crianças”, explica Giana Amaral, professora do curso de Pedagogia da UEMS de Dourados. Para a professora Almerinda Vieira Rodrigues, da UEMS, a Educação Infantil no IEMS é referência no Estado.

Clínica Odontológica da OMEP/BR/MS amplia atendimento O trabalho de atendimento em serviços odontológicos oferecidos pela OMEP/BR/MS, realizado desde 2005 com as crianças e jovens atendidos pela instituição, foi ampliado em Campo Grande. Com uma nova sede equipada e inaugurada em 2011, a OMEP/BR/MS estendeu o atendimento à população da capital. Pela Clínica são oferecidos tratamentos de endodontia, o r t o d o nt i a , i mp l a nt o d o nt i a e periodontia. “É um tratamento completo, com prof issionais qualificados e preparados”, conta a dentista responsável pela clínica Adriana Helam Correa. Adriana explica que o atendimento é feito com agendamento e os pre ços s ão compatíveis com o mercado.

“A Clínica oferece facilidade no pagamento, dividindo-o em até 10 vezes sem juros”. O atendimento odontológico é gratuito para as 180 crianças do IEMS e para quem participa do programa Jovem Aprendiz. No IEMS, os educadores trabalham ainda a saúde bucal das crianças com orientações de escovação e higiene da boca. As orientações também são estendidas aos pais, que participam mensalmente de reuniões na instituição. Os recursos auferidos pela Clínica Odontológica da OMEP são aplicados na manutenção das atividades da instituição e no IEMS mantido pela OMEP/BR/MS.

Clínica Odontológica Unidade I Rua Barão de Ubá, 556. Bairro Tiradentes, Campo Grande/MS Tel.: (67) 3341-1013 Clínica Odontológica Unidade II Rua Estevão Capriata, 206 Vila Progresso, Campo Grande/MS Tel.: (67) 3305-3041

Jornal

8

Jornal

PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS

OMEP/BR/MS

PARTICIPE DAS NOSSAS REDES SOCIAIS

www.omep.org.br

Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar

5

OMEP/BR/MS articula a Rede Estadual pela Primeira Infância no Estado de Mato Grosso do Sul (REPI/MS) Ampliar a participação de instituições na Rede Estadual pela Primeira Infância – Mato Grosso do Sul (REPI/MS) para fortalecer o trabalho de defesa dos direitos das crianças no Estado. É com esse objetivo que a Organização Mundial para Educação Pré-Escolar – OMEP/BR/MS e demais participantes têm buscado a adesão de novas instituições do governo, privadas e não governamentais à iniciativa. A REPI/MS foi criada no dia 13 de abril. Em maio, a rede estabeleceu um cronograma de reuniões no Estado para estabelecer as próximas ações em benefício das crianças sul-mato-grossenses. “Estamos disseminado o Plano Nacional pela Primeira Infância que norteia com muita eficiência as ações que o Estado e municípios devem adotar em seus trabalhos. Precisamos disseminar essas boas práticas e a REPI/MS vai contribuir para isso”, afirma a presidente da OMEP/Brasil e OMEP/BR/MS, Maria Aparecida Salmaze. Atualmente, apenas os estados de Ceará, Maranhão e Santa catarina contam com iniciativa semelhante. A Rede Nacional pela Primeira Infância conta atualmente com a adesão de cerca de 100 instituições. Além do estudo do plano, as instituições componentes da rede querem analisar mecanismos de mapeamento da situação da criança nas áreas de Educação, Saúde, Assistência Social, Lazer, Cultura, entre outras. “Nosso objetivo é a excelência no atendimento integral dos direitos da criança, para isso precisamos do apoio de mais instituições na REPI/MS. Vamos levantar as informações da real situação das crianças de 0 a 6 anos em nosso Estado, compartilhar experiências e colaborar na construção de planos locais que vão de encontro a essas necessidades”, explica o Rodrigo Messa Puerta, diretor executivo do Instituto de Formação da OMEP – IFOMEP. Para entidades como a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação em MS (Undime) a Rede vai colaborar principalmente na ampliação dos trabalhos em todo o Estado. “É uma iniciativa fundamental para assegurarmos os direitos da criança. Nessa rede, a Undime se coloca como polinizadora. Faremos com que essa teia da infância chegue a todos os municípios”, aponta Claudia Nogueira Lopes, secretária executiva da Undime/MS. As entidades que irão compor a rede também contarão com o fortalecimento de sua atuação. “A rede vai colaborar na congregação de todas as entidades que trabalham pela infância e

fortalecer suas propostas. Com isso, todos ganhamos maior representatividade”, analisa Angela Maria Costa, professora de Pedagogia da UFMS e coordenadora do Núcleo Regional da Aliança pela Infância. Para a efetividade do trabalho da rede, Angela ressalta que é preciso buscar envolvimento da classe política.

Além da Educação, a Rede contempla todas as áreas estratégicas para o desenvolvimento das crianças. “Teremos resultados não somente na Educação, mas na Saúde e Assistência Social. São ações bem-vindas”, diz Mariete Felix Rosa, coordenadora do Fórum Permanente de Educação Infantil de MS. As instituições que aderiram formalmente à REPI/MS foram a União dos Conselhos Municipais de Educação no Estado (UNCME), o Conselho Municipal de Educação de Campo Grande (CME), o Espaço Imaginário Convivência e Cultura da Criança, o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino (SINEPE/MS) e o Fórum Permanente de Educação Infantil de MS (FORUMEIMS). Outras entidades e órgãos estiveram presentes na reunião de maio como a UNDIME/MS, Casa da Criança Peniel, as Secretarias de Educação dos municípios de Campo Grande, Bela Vista, Três Lagoas, IESF-Funlec, CONSEA, MIEIB, Conselhos de Educação de Campo Grande e Três Lagoas, UCDB, UFMS, UEMS, SEMAC, Núcleo Estadual do Observatório dos Direitos da Criança e do Adolescente, OMEP/BR/MS, IEMS, SEDIMS, Aliança pela Infância, Fundação Barbosa Rodrigues, União dos Escoteiros, CEE-MS e IFOMEP.


MS 81