Page 1

Escola Secundรกria Jaime Moniz


O dia de bên ção d e capas represent a o final de uma e t apa na vida de cada aluno. Est a et apa engloba t odos os mome ntos d esde o ensino básic o até ao ens ino se cundár io. Par a mim, e ste even to vai fazer-me refl et ir so bre tudo o que já pa ssei, as met as q ue alcancei e o que evoluí como pessoa. Sempre tive em me nte q ue a sensação de est ar mos no final de al go , faz -no s recordar o i nício , e eu si nto is so exat a mente. Rel embro a minha entrada para o ensino básico, ou até mesmo na Esc ola Jaime M oniz, e p enso que muito mudou . Perdi amig os, ganhei amigos. C on heci im ensas pessoas , com diferente s m an eiras d e pens ar e diferentes persp etivas de vida. Aprendi que a vida é e fémera. Que est amos sujeitos a perd er as pessoas que ma is amam o s nu m pisca r de olhos. E que, por outro lado, ex istem muit as pe ssoas que nos desiludem, me ntem e, n o fund o, são pouc as as que con segu em s er leai s. Apr endi t am bém qu e sabendo sofrer, sofremos menos e que temo s d e aproveit ar todos os

dias como se fo sse o ú ltimo po is em algum mom ent o, eventualme nt e, esse dia che gar á. Algu mas lições for am mais f áceis de ap re nde r do qu e o ut ras . A p ess oa q ue mais co nt rib uiu par a e st a minh a apr en dizag em foi t a mb ém re spo nsável p ela minh a mot ivação de se r a lu na d a Jaime Mon iz. C ham ava -se Mar tim e er a o meu melho r amigo. Ele foi a pess oa mais car is mát ica, de te r minada e c orr et a q ue algum a vez con heci. O M art im am bicionava ser méd ico e ado rava


vi ver. E u e ele passávam o s os dia s juntos. E le aconselhava-m e, ouv iame e fez de m im q uem sou hoje. No d ia 30 de Novem bro de 20 09, dia d a sua bênção de cap as, o Martim falec e u. Nesse dia um a parte de mi m morreu co m el e. No dia do seu funer al todos prest aram a s ua homenagem ao Marti m, excep to eu. A minha homenagem será es te ano, na minha bênção de capa s . Pretendo at ingir a m et a que infelizmente o Mar tim não consegu iu. Tal como já tinha referi do, o final

faz -nos pensar no início e a pesa r de o Mart im não est ar fisic amente comigo ness e dia, est ará presente na m inha m em ór ia e ma rcado em c ada porm enor da pes soa que sou hoje… Jessica Atouguia e Bianca Marques 12º 11


O dia da Bên ção das Capas é um dia especial p ara to do s nós, finalist as do ensino secundário. Não é só uma tradição, m as repre sen t a anos de es forço e de dedicação p ara chegarmos at é aqu i. É um tempo decisivo na nossa vida, pois ter emos que en frent ar grande s respons abilidades e to mar as decisões m ais acert adas para garantir o futuro. Como e m qualqu er circunstância d a vida, o esforço vale rá s empre a pena, se fizer mos o que gost amo s. Sónia Fig ue ira 12º 34


O dia tr int a de Nove mbro t al com o é t radição, ob rig ou a que a Jaime M on iz se vestisse mais uma vez de fest a par a celebrar o ritual da Bênção das Capas. O n eg ro dos fatos esbateu-se entre as cor es dos nossos ro stos felizes e o s flashes das máquin as fot ográficas. O Lar go d e Jaime Mo niz en cheu- se d e finalist as, familiares e amigos par a com emo ra r o fim de um longo traject o escolar. Este dia m arca o fim d o secundá rio e ao mesmo temp o, o m om ento em que n os prep aram os p ara iniciar uma nova et ap a da no ssa vida, quer opt ando po r ingressar no mundo do tr abalho, quer pro ss eguindo estudos, em am bo s os casos com a cer teza de q ue o futuro nos irá r eser var grat as surpresas. Atr avessám os a cidade em cor t ejo, per ante o olhar curioso d e inúm eros tur ist as e de pessoas queridas que nos envolviam em sorrisos , para que as no ssas capas fo ss em abençoadas na Sé Cate dr al do Funchal. O dia t er minou com um jant ar comemorat ivo no Hotel Casino Madeira, segu ido do baile realizado no Madeira Mag ic. Estes propor cionar am mo men tos d e descontr ação e convívio se r vind o para fort alecer os laços de amizade e comp anheirismo criados ao longo d o nos so percurso escolar, sobretudo nos últimos anos. Cada mom ento q ue passam os ju nt os nunca irá ser e squ ecido p or nenhum de nós po is, por mais anos que passem, est a re cor dação acompanh ar- nos- á ao longo da vida. Este dia muit o especial ser á sempr e relembrad o por todos com c arinho e entusiasmo , é a p rova de que cada go t a d e suor e cad a lágrim a valer am a pena, po rq ue no f inal fomo s reco mpensados. F ilipa Ro sa 12º 09


O dia começa com um a agit aç ã o já habitual nest a cé lebre dat a. Corremos para o cab ele ire iro , po mo s a fati ot a à mão e dam os um toquezinho de maqui lhagem . Co m as devidas indumentárias, é tempo de s e apr esent a r na E sco la Secund ária Ja ime Mo niz, on de o convívi o ent re os finalist as faz despert ar o começo da fest a. Dá-se o iní cio do desfile, onde caminhamos se mp re acompanhados de caras familiares e onde os flashes não s ão em m eno r quantidade. Chegados à S é Catedral, aprox ima se a altura mais im p ort ante do dia , a bênção das capas. Por entre câ ntic os, re zas e le ituras, a mi ssa desenvolve-se com u m esp írito jov ial e cristão. No fi nal, ainda há tem po par a recor dar o m omento, pousand o para as fo tos que darão álbuns memor ávei s. O jant ar de co rre sempre com uma dose de d iver tim ento, um as c olheradas de ris os e uma p it ada de elegância. Aproxi ma- se o final da noite, onde música e felici dade nã o irã o falt a r no t ão esperad o baile do Liceu. Assim con tinua a ser vi ven ciado o dia 30 de Novem bro. B renda N unes 12º05

Na minha opin ião , a cer imón ia da ben ção das capas é o po nt o mais alto de um lo ngo p er cur so efectuad o ao lon go do ensin o s ecun dário. É um dia ún ico, o q ual te re i opor tu nidad e d e co memor ar - as emo çõe s e as vivên cias - com os me us c olegas , d e tur ma e da esco la. É um aco nt ecimen to esp ecial n a minh a vida re alizad o a tr avés da c er im ónia r eligio sa e do baile de finalist as e qu e, d e st a for ma, f icar á na mem ór ia. Este dia é , d e cer to mod o, vist o co mo uma r eco mpen sa p elo traba lh o á rd uo esco lar e, p or vezes, sof r edo r ao lo ng o d est es anos e at ravé s d est a cer imón ia pedirei nas minha s or açõ es p ara qu e Deus ilum in e o meu f utur o, com a finalidad e d est e se r r ea lizado com suc esso . F ilipa Fr eit as, 12º 08


A bênção das capas rep resent a para nós u ma ho men ag em ao esforço e dedic ação de todo s os a lunos que consegu iram co mplet ar tr ês anos, apesar das natu rais a dversidades, e q ue estão ago ra a um pass o de seguir vi agem . É um moment o mar cante p ara cada um de nós po is vem os que é mais uma et apa consegu ida. Ser f inalist a é t er orgul ho, é receber a bênção apen as aqu ela vez na vi da, é ser feliz e, aci m a de tudo, é senti r-se r ealizado. Jé ssica Gom es e Pat rí ci a Gonçalves, 12º 11

O dia da Bênç ão da s Capas é um dia espec ial, pois represent a o fina liz ar de um longo percurs o num momento import a nt e da vida de es tudante, o fim do secundário. Significa t am bém uma ma ior responsabilidade, pois obriga a uma reflexão do que será o início de uma nova et a pa , a universidade ou a ins erção numa profis são. Laura Freit as, 12º 08


Uns dias antes do grand e dia, o dia da bênção d as capas, estou e u a experi men t ar o fato, qu ando m e olho ao esp elho e p enso, "que roupas são est as?", "que significa is to?", "que re present a e ste dia para mi m?", e de repente dou por mim perdida em mi lhares de pergunt as. Par a m uit as pes so as pode não significar nada, m as para mim e para a maiori a dos finalist as que estão pre se ntes neste dia, signific a o fim de m ai s uma e t apa na s nossas v idas, o fim do secundá rio, mas por outro lado, abre-nos as port as para u ma "nova vida", para novas perspet ivas, novo s conhecimentos e u ma nova form ação, começ ando p elo acesso ao e nsino superior. E quem e ra aque la rapariga qu e est ava ali reflecti da no espelho? Sim, era eu! Uma r ap ari ga co m sonhos de uma grande m ulhe r. Qu an do era pequenina não sonhava che gar a est e dia, pois nem sabia da sua existênc ia, agora que cá ch eguei, nem quero acred it ar que já se passou t anto tempo… É um dia que me faz refletir que cheguei ao fim d e um a me t a e a o princípio d e um a o utra. Sara Pinto, 12 08


A cer imónia da bênção das capas , par a além de u m acontecimento memorial, fo i-o t am bém inolvi dá vel no pl ano his tór ico da minha vida estudant il, pois sim boliza a última fase do en sino secun dário. Co ntudo, r epresen t a-m e de form a global o pre núncio e o culmin ar de toda a vida acad émi ca. Considero que este evento deveria ocorrer no decurso final do 2º período do ano letivo, a anteceder a vi agem de fi nalist as, visto que já nessa altu ra conceberei d eterminadamen te o i ngr esso na facul dade, havendo todo um m i sto de ensejo promovido i nt rinsecamente pelo experi encia r du m espí rito académico. Já numa perspe tiva m ai s det alhada, a ce rim ónia con sti tuiu u m impact o muito forte , por toda a ceri mónia em si, que r pelos incentivos proclam ados, com ideias m uito insp irado ras para o m eu futu ro, quer pela s d edicatóri as que me foram d irigidas por fami liares e amigos. Relativa ment e ao jant ar e ao ba ile for a m, indiscut ive lm ente, outros grandes momentos de convivênc ia e diver tim en to. Tudo ist o o riginou o aug e dum gra nde m arco histó rico pessoal. Pedro Santos, 12º 06


Pa ra mim, o dia da bên ção das capas re present a a cele bração dos tr ês anos p assados no secundá rio, em que todo s o s al unos tiveram a hipó tes e de co meçar a construir o seu futuro, b em como a oportunidade de realiz ar novas amizades. É t ambém um a desped ida dos nossos t emp os de lice u e o abraçar de um novo f utur o, pois o fim d e um a et apa é sempre o iní cio de outra. Sofia Reynolds Perei ra 12 08


O dia há muit o m arcado no ca lendário! O dia em q ue terminava o prazo da extenu an te escol ha da indumentá ria ! Finalm ente o grande dia! Assim , o feedb ack geral resumiuse a um gran de e bonito puzz le impossível de complet ar, pois algumas p e ças si mpl esmente nã o se encont ravam presentes. Presente som ente a trad ição, onde bravos e elegantes jovens fora da sua zon a d e conforto orgulhos amente mar chavam até à grande Sé, antiga “c ompanhei ra” de st a geraci on al celebração, peq uenin a nes s e dia par a t ant os cu riosos. Fic am fot os apenas para recordar. Todavia, sem pr e fica alg o por c oncreti zar. A mí lcar, 12º 05


O di a da Bê n ção das C apas é um dia e special para todos nós, finalist as do ensino secund ário . Não é só uma tr adição, mas rep resen t a anos de esforço e d e dedicação para chegarmos até aqui. É um tempo decisi vo na nossa vida, pois teremos que e nfr ent ar grand es responsabilidad e s e tom ar as de cisões mais ac ert adas para g arantir o futur o. Como em q ualqu er circu ns tânci a da vida, o esforço valerá sempre a pena, se fizermos o que gost amos. S ónia Figuei ra 12º 34


O dia tr int a de Nove mbro t al com o é t radição, ob rig ou a que a Jaime M on iz se vestisse mais uma vez de fest a par a celebrar o ritual da Bênção das Capas. O n eg ro dos fatos esbateu-se en tr e as cores do s nossos rostos felizes e os f lashes das máq uin as fot ográficas. O Largo d e Jaim e M on iz encheu-se de finalist as, familiar es e amigos p ar a come morar o fim de um longo t raje cto escolar. Est e dia m arca o fim do secundár io e ao mesmo tempo, o momen to e m qu e nos prepar amos par a iniciar um a nova et apa da nossa vida, quer opt ando por ing ressar no mu nd o do t rabalh o, qu er pro sseg uin do es tudos, em ambos os casos com a cert eza de que o futuro n os irá reser var gr at as surp resas. Atravessámos a cidad e em cor tejo, perante o o lhar curioso de in úm er os turist as e de pessoas que ridas que nos e nvolviam em sorriso s, par a que as nossas capas fossem abençoadas na Sé Catedral do Fu nchal. O dia term in ou com um ja nt ar comem or ativo no Hote l Casino Madeira, seguido do b aile r ealiza do no Madeir a Magic. Est es pr op orcionaram moment os de de scon tração e convívio ser vindo par a for t alecer os laços de amiz ade e companheirismo cr iados ao lo ng o do nosso percurso escolar, sobretu do nos ú ltim os anos. Cada mome nt o qu e passamo s junt os nunca irá se r esq ue cido po r nenhum de nós pois, por m ais an os que passem , e st a record ação acompanhar- nos-á ao longo d a vida. Este dia m uito especial se rá sempre r elembr ado por tod os com c arinho e entusiasm o, é a prova de que cada g ot a de suor e cada lág rima valeram a p ena, porque no f inal fomos recompensados. F ilipa Rosa 12 º 09


Fazer parte d e u ma e scola de excelênci a pod e ser, ou não, um fator de press ão para muitos estuda ntes, felizmente no m eu caso é s ó mais um incen tivo para o suces so esco lar, sen do o Liceu Jaime M oni z o e st a be lecimento de ensino que me pro porciona a sede de al cançar o meu obje tivo. Posso com certez a dizer que o Liceu proporciona a tod os os se us d ocentes uma sensação de facilidade aca démica, as sim co mo respei to e c a mara dagem en tr e alunos, pro fessores e funcionári os. Co mo é de esperar, todos es t a s e ntidades têm falha s , e o Lice u não é exceção, con tudo contorna as d ificuldades de ma neira m agistral de fo rma a n ão a fet a r o normal fun cionam ento da es cola. Em suma digo qu e estou sat isfeit a com o seu funcion amento feli cit a ndo a Direcção pelo esforço feit o. A riana Ga lhanas Pragana 12º 05


Ser aluno da Jaime Moni z é represent ar um a escola com 175 anos, parti lhá-la com mais de 10 0 0 alunos e me sm o assim conhecer o diret or. É andar pelos corredores , falar com os pro fessore s e os funci onár ios tr at a rem-nos pe lo primeiro nom e. Ser al uno da Jaime Mon iz é u m gr ande orgu lho , é fazer parte de uma comunidade edu cativa de a lt a cat egori a , é per tencer a um loca l onde se conhecem centenas de pessoas... Mas principalmente s er al uno da Jaime M oniz é uma gra nde HONR A! É rika Bernardi no, 12º 07

É com pr os peridade e ventur a que recordo o início de uma nova et apa na minha vida, d ensa mente marca da pela bênçã o das capas do Liceu Jaime M oniz 2011. Enalt eç o o orgulho de per tencer a um a tão conceituada instituiçã o, que tão bem apr ont a os seus a lunos para uma realidade próxima, que é a vida ac adémica. É primeir amente um louvor ref letir o que a pr en di, apr endo, e o que aprenderei n est a instituiç ão. Nós, alunos, est amos a um passo do ensino superior, e, além de formaç ão pessoal a nível escolar, carecemos de formação a nível cívico. O civis mo adquir e- se, e a Jaime Moniz é, indubit avelmente, uma componente princ ipal da nos sa form ação pess oal como cidadãos. Luís Filipe Gomes Baptist a, 12º 05


Ser um alun o da Jaime Mon iz é um motivo de org ulh o. Um orgulho porquê? Todos os ano s as matrí culas, aqui na escola, e m po ucos dias, acabam por se esgot ar devido à grande popular idade d a e scola. Para al ém do Liceu ser uma das melhore s es cola s da RAM , é t am bém a m ai s popular. Junt a nd o estes do is factores obtemos assim um a gran de escola. A nível acad émico, est amos muito bem prep arados poi s, ao nosso la do , tem os professores de gra nde qualidade e exi gência q ue nos a compan ham ao lon go do calendári o exige nte de testes e d e exames que efetuamos. Assim, dest a for ma, gar an ti mos uma boa not a na paut a final do trimestre. Porém, actualmente , no secundári o t ambém com eçamos a noss a vi da social e que melhor lu gar senão o Lice u para a co me çar. Como se costu ma di zer “ Todos os caminho s vão dar a Rom a” eu diria: “Tod os os cam inho s vão da r ao Liceu”. Por mim até considerari a, est a minha expressão, como uma “Verdade Universal” em termos mate mátic os. Este facto é demonstra do pel a si mpl es raz ão de que se for mos para o po rtão de entra da da escola, ve mos alunos da APEL, da Fr an ci sco Franco e até de Câmar a de Lobo s, q ue apare ce m por cá apen as p ara “social izar ”. Ou seja, dizer q ue pertence s a este “clu be restrito” de alun os só te tra rá bene fíc ios se tens dificulda des em encon tr ar am igos. O que eu p reten do dizer com is to é que a qui , na Jaim e Mon iz, temos tudo o que é n e cessário para termos sucesso na vida, t anto a nível aca démico co mo a ní vel soci al, a té pode ser que aq ui encon tres aquele/a “mais que tu do” que te fará feliz . Tiago Cat anho 12º08


Fantásti co . A Escol a Secund ária Ja ime Mon iz , na minha op ini ão é a melhor do país, send o assim , é uma honra pod er frequ entá-l a. É uma escola em q ue rei na um bom ambiente e onde o s p rofessores, na sua m aior ia, nos incen tivam a estudar, em ve z de nos o bri garem. É clar o qu e , como em q ualq uer outra escola, de m odo a que s e tenha um am biente propí cio à aprendizagem , tem os de cumprir dete rm inad as r egras, p odendo depois apr ove it ar o m elhor que o Lic eu t em para no s o ferecer. Tolerâ ncia Ze ro foi o q ue tod os os alunos no seu pr imei ro dia de aula s ouviram e, se assim não fosse, ninguém s e ent enderia. Num síti o como este, é uma honra aprender com professores d e exc elência que r ealmen te se i mp ort a m com a apr endizagem dos al unos e que se dedicam aos mesm os. Fi nalizando, a Jaim e Mon iz oferece-nos os m elho res três anos da nossa vi da, prep arando-no s para uma nova fa se e tornando- nos melhores, com val ores apropriados t a l como com po rt am entos adequados a diver sas situações. Clésia Gouvei a, 12º 9

É fazer par te da tr adiç ão, abrindo ao mesm o tempo a s port as de um futuro r isonho qu e se av izinha. É enc ont rar em tudo o que nos rodeia símbolos da excelênc ia e intempora lidade de todos quantos aqui pas sara m. É saber que fa zemos part e de uma grande família e que, sim ult a neam ente, somos aprec iados pelos nos sos incans áveis esfor ços po r nos tornarmos pess oa s melhores. É reconhecer que uma mã o amiga está mesmo a li ao lado. No e nt anto, num pis car de olhos o tem po pas sou, na memória f icam gravadas toda s as a legrias e tr ist eza s, as gargalhadas e as lá grim as e todos aqueles que nos ac om pa nhar am ao longo dest es c ur tos a nos. É tudo isto que faz de nós a luno s dest a esc ola, sentindo que far emos pa rte dela enquanto est a pe rdur ar na s noss as mais queridas lembr anças . Mariana Ra quel Vieira Dia s 12º5


Quando o ensino secundário chega ao fi m, a dú vida em re lação ao futuro é const ante. O passo seguinte revela- se uma in certeza en tre aqueles que agora ter mi nam o seu liceu e, re ce ntem ente, ati ngem a ma iori dade . Par a mu itos, est a fase represent a a penas a tra nsição do liceu para a universidade, pelo que se trad uz no seguir a sua profis são, perseg uir um so nho e torna rse autónomo vi ve ndo l onge dos pa is . Contra riamen te a est a si tuação, exis tem mui t os jovens para os q uais est a fas e s e tor na inq uiet an te e frustrante, pois manifest am med o de não conseguir toma r a decisão corret a e, mais t arde, se a rrependerem dessa m esma escolha . Nã o obst ante to da a inform ação cedida aos alunos, é e sem pre se rá um risc o escolher um c urso e uma área que pode determinar o nosso futu ro e estilo de vida. Para lelament e a est a situ ação de inc erteza e es co lha pr ofi ssion al , ex iste a inda o ri sc o de se p reencher alguns anos da vida a estudar e a formar-se para futuramente não encon trar em prego num a determinada área, tendo em cont a a s dif iculdades económ icas atu ais . Contudo, quando o secun dário chega a o fim, o sonh o deve ser perseguido independen temente dos o bstáculos que se possam atravessar. A realiz açã o pes s oa l é inconte st avelme nte um factor import ante par a se ser feliz. A na S ous a 12º 11


Chega a se gunda semana de junho. O tempo p ára. Term inam os toques da campainha e, na escola, só circula m os professores, corr endo at arefados de uma reunião par a outra. O cal or dific ult a o trabalh o . Os al unos, alguns já em féri as, ou tr os a com eçar o pe ríodo stressant e dos exam es, rarame nte pas sa m pela escol a . Ora, fora um ano longo e compl icado, agor a, professores só pa ra o ano! Para os não finalist as, isto significa volt ar à mesma "casa", encontrar os mesmos co legas e cum prim ent ar os professores do ano an terior nos corredores ainda vazi os ou já cheios de nova s cara s curiosas acabadas de vir do ensino bási co . Para os finalist as, o significado é bem diferent e, o secundário term ina . Que exci t açã o! Que felicidade! Outra et apa da vi da começa. Mui tos opt am por não conti nuar os estudo s, e nquanto outros opt am pe la vida da faculdade. Que a nsi edad e de com eçar. Viver soz inho, apr ender a coz in har, ser al uno da fac uldade e não do secundário. É outro est a tut o, é claro ! C ontu do, será tudo tã o c or de ros a? Neste camin ho esquec emos os alunos que não t iveram boa sorte nos exames, aque les qu e não têm poss es par a pagar a faculd ad e, aqu eles que não têm m édia par a o que desej avam, aqueles que t êm de te rminar o secundário

para tra balhar, pois a vida nã o está fác il. Neste cam inho, tão desejado, há barreiras a salt ar, há port a s a abrir e mont anhas a derrubar. Ao longo da v ida surgirã o pes soas e obstá culos com o intuito de nos dificult a r o c aminho que t ão bem escolhemos. É nesses obs táculos que percebemos, qua ndo o ensino s ec undário chega ao f im, que tudo chega ao f im. Ser ão as últimas ris ot as na s ala de a ula , as última s part ida s nos ba lneár ios, as últim as brinc adeira s nos corredores e as últim as discussões sem sentido nos trab alhos de grupo. A vida muda, outr a et apa c omeça e tudo isto porque o ens ino sec undário chega ao fim. .. Carolina Car doso, 12º 08


Exist e um período da nossa vida em q ue t odos pensamos “O qu e quer o ser quando for gr and e?”. In icialm ent e possuímos to dos os son hos, quer emo s ser médicos, engen he iros, pro fe ssor es, polícias, bombeiros… pois, nor malm ente, enquant o crianças te mos sem pre alguém que admiramos, alg ué m de quem quer emos seg uir as p isadas. Agora, já numa re alidade dist int a , chega o mome nt o em qu e o e nsin o secundár io chega ao fim, onde algumas escolhas par a o futuro já foram feit as, de sde o moment o da esco lha d o curso em que querem os entr ar, até ao emp en ho e e sforço que e mpr egamo s na no ssa vida diária como estudant es, de modo a at ingir as tão desejad as not as p ara ingressar na universidade. E é então que che ga o d err ade iro pass o, onde na maioria das ve ze s t em os de r etirar um pequeno inst ant e par a r ef lectir não so br e aquilo que tínhamo s desejado ser enquanto crian ças, mas sim s obre aquilo que irá garant ir uma vida futu ra estável, o que ne m se mpre corresponde às nossa s expet at ivas. E é ne sse pequeno inst ant e, que en tra a cir cunstância da verdade, em que jovens de 17 e 18 anos esco lhem especif icam ente o futur o da sua vid a profissional, qu er seja pelo ingresso na univer sidade, que r s eja pelo ingr esso no próprio mundo do t rabalho, pois os momento s que atravessam os economicamente não p ossib ilit am famílias com menos posse s f inanceira s, contribuir para o enr iqueciment o e ducacional d os seus filhos. Assim, quando o secund ário chega ao fim, pensamos no f utur o, t alvez não da maneir a que mais quer er íamos, mas da maneira que a re alidade o expõe e, p or isso, nos ad apt am os, pois apesa r de todas as peq ue nas bat alhas enc ontr adas no percur so escolar, conseguimos ver o iniciar de u ma vida difer en te, o nde possivelme nt e a nossa ger ação tenha uma palavra a d izer so bre a verd ade das coisas, com uma m en te m ais abert a e com mais soluções, para ultrap assar problem as que a sociedade hoje enf rent a . Letícia Vascon celos , 12 º11


Qu and o o e nsino se cun dár io chega r a o fim, significará par a m im a entrada na universidad e. Para o secundário e st ar of icialme nt e acabado, é ne cessár io que a universidade nos ace ite. Daí que nó s, es tudant es, ao recebe rmos a famo sa cart a de adm issão à faculd ade ten ham os t anto medo da respost a. Depois d ess a cart a e de t ermos a resp ost a como “co locado”, f icamos log o a pe nsar n o futuro. Naturalmente, qu and o o e nsino se cundário acaba, t em os t endência a fa zer uma arrum ação ger al, de folh as , c adernos, etc. po is, agor a, e le co rresponde ao passa do . Pr ocu ramos ( par a quem vai estudar fora) uma casa o m ais per to possível da un iver sidade e o mais r azoável em termos d e cust os. Ou seja, a nos sa perspe tiva, a par tir d a en tr ada na faculdade, está só virada para o f uturo. Na maior ia das vezes, ficamo s ner vosos , pois não sabemos o que é qu e v irá, dando tendência a m udarm os t anto ment almente , co mo fisicament e. Ment almente, po rque p recisam os de s er mais responsáveis. Te mos cur iosidade de como é qu e fu ncionam as cont as, como funcionam os com elas, c omo poupa r, qual a alim ent ação m ais ap ro pr iada, … Fisicamen te , porque mudamos de estilo de vestuário para parecermos mais maduros e respon sáveis e, t alvez , t ambém faç am os exercício físico para manter a linha. Concluindo, após o secundário, nós estudante s só pe nsam os n o que vem a seguir, deixando o passado n uma fr ação de segundos e par tindo par a um a nova aventur a. Ana Cat arina Soares Dias, 12º 11


A nossa vida, a par tir de uma cert a altur a, é influenciad a por det er minada s decisões q ue t om amos. Mas … com o sabemos qu al a decisão cer t a a s eguir ? Na nossa inf ância, quem to ma as decis ões por nós são o s nossos pa is, com o o que deve mos vestir, co mer, em que escola an dar, coisas que ainda não tem os maturidad e par a fazer. À me dida qu e o tem po avança , co m o nosso crescimento vê m as respon sabilidades e a capacid ade de t om arm os as nossas pró prias decisões, co mo por exemplo , o que fazer q uan do o ens ino secundário chega ao fim. Ao longo do nosso p rocesso d e c resc iment o existiu sempr e uma pergunt a que o acompanhou - “o que qu er es ser quando for es gr and e?” - p er gunt a que m ais ouvimo s, feit a pelo s pais professores e am igos, curiosos co m a nossa respost a. Quando decidimos se r alg uma coisa , depr essa essa p rime ira ideia é esquecida, porque ouvimos algo mais inte ressante par a ser. Antes e ra fácil decidir, m as e ago ra? Com o fim do ensino sec undário, a decisão mais dif ícil a to mar, s er á escolher o cur so para tir ar nu ma faculdade. Em suma, o tem po em que devem os t er certezas é o tem po em que temos mais dúv idas. Joana Vicente, 12º 11


Quando o secundário che ga ao fim é a ltur a de r eflexão e de del ib eraçã o. Tra t ase, port ant o, de um m omento onde ponderamos sobr e toda a nossa ex periência escolar e pessoal até a í v iv ida e, é t ambém, cir cunstânci a de medit a ç ão e proc ura i nt erior ace rca do fu turo a es colher. S uce de-se a dúvida e a inquiet açã o das idei as, expet ativas e desejos préformado s. Chega , assim, a hora da d ecisã o, a m ais compl exa das nossas vi das, pois implicará a nossa auto nomia e empreendedori smo, est ando exclusivam en te dependen te de nó s o nosso futuro profis sional e, consequentem ente , o nos so bem-est ar. Guida Silva e Vitória S ilva , 12º 11


Quando o ensino secundário chega ao fi m, um mis to de nost alg ia e de ansiedade invad e po dero samente os espíritos estudantis . As crianças de outrora s ão agora joven s capazes de raci oc inar autonomamente. Uma sensação de efemeri dade apert a o cora ção dos mai s sensí veis. Porém há aqueles, os mai s so nhadores, que nã o conseg uem, nem quere m, d eixar de pens ar nas novas expe riênci as que aí s e av izinham, qu er na uni versidade, quer no traba lho , ou simpl esmen te a des frut ar da sua existên cia. É fechado, assim, mais um capítulo da nossa his tória . O cam inho é para a frent e e não de re torno. É o início de uma vida cheia de respo nsabilidades e de escolhas, as q uais i nfl uenciarão subst anci almente o progresso dos nossos dias. Os alicerces estão construídos . Res t a agor a decidir se q ueremo s che ga r a o topo ou f icar ap enas pelo que já nos é conhecido . A cautela nunca será demais, já a qued a p ode rá ser deva st a dora . Andreia Patrícia Lopes 12º08


Lembro -me, com o se fosse hoje, do primeiro dia de aulas do décimo a no. Um passado tão pr óximo que se torna difícil de acredit ar que, ao ritmo do tempo, tr ês anos passaram, sem nunca ter a certez a do que fazer depoi s. Q uando me pe rgunt am sobre o meu futuro e qu e prof issão pretendo seguir, não digo nada em con creto, p ois es s as mes mas pe rgunt as an do eu a fazê-las a mim própria d esde o começo. Eu c a í no hábit o de viver um d ia de cada vez e de não me pre ocupar com o fu turo, já que, ingenuament e, pensava que estives s e longe. Eng ane i-m e, esse fu turo es tá bem per to e cont inuo sem saber o que fazer n a vida. Pro cu ro prosseguir os estudos, t enciono ao m enos licenciar-me, no ent a nto , n ão só o facto de v iver numa ilha, mas t ambé m a situa ção do nosso país, im pede-me de sonha r muito al to. Assust a-m e saber que, daqui a menos de um ano, est arei a d ar os primeiros passos para aquilo qu e fa rei o res to da m inha vida. Talvez seja des se rec eio qu e todas as m inhas dúv idas e incer tezas surg em. Ai nd a tenho m uito em que pensa r e muit a s decisões para tomar. Es pero, neste c urt o espaço de tem po , enc ontra r al guma área que m e cati ve, licenc ia r-me e consegui r arranjar trabalho. Cl áud ia C aro lina Serrão Pest a na 12º 08


Sempre que p en so no meu futur o, vis ualizo-me com q ue m m ais g ost o e a fa zer aquilo que mais gosto, a co ns eguir superar todos os m eus objectivos e a a lcançar met as que pensei se rem inalcançáveis. Eu imagin o uma vida em que t od os os m inut os que passam sejam mágico s e inigualáveis, onde ex ist am m omentos inesquecíveis, c oisas inexplicáveis e pessoas in comp aráveis. Hoje eu não consig o saber, n em ter noção que vida viverei. Não se i se realizar ei tudo aquilo q ue pre tendo rea liz ar, não sei se concretizarei tud o aquilo que passo dias a sonhar, mas de uma c oisa estou ce rt a, eu ir ei lu t ar par a conseguir, porque a força qu e te nh o ho je será igual à for ça que ter ei am anhã e sempre, at é que chegue aqu ele exact o dia em que posso afir mar com to das as pa lavr as:” Eu fiz tudo aq uilo que q uis, pude e consegui, e sou comp let am ente feliz ! Ana Car olina Freit as Hen riques 12º 08


Após t rês an os de intensa dedica çã o e empenho, at ing ir e st a met a é, cert amente, mu ito grat ificante. Olhar para tr ás e relembrar dete rminados momentos , é como inte rio riz ar que tem os tudo par a bri lhar, bast a querer! In icialm en te, t odos nós passamos por uma fase em que amb icionamos o fim do secundár io e planeam os um futuro perfeit o. Contudo, quando ess a dat a se apr ox ima, h á um a inversão de s entimentos e, subit amente , muito s de nós s e sent em invadidos por algu ma inquiet ação e ind e ci são. Há, efectivam ente, determinados m om entos em que nã o sabemos o que qu eremos seguir, bem como, vem os com receio a po ssibilida de de ter que nos afast ar do n osso lar e da nossa ilha para pode r real iz ar o nos so sonho. Pessoalmen te, encaro o futuro c omo uma opo rtuni dade d e mostrar que nada do que fazemos é em vão e, por isso, quer o ent rar na faculd ade, concluir o meu curso e p rovar qu e é em nós , “geraçã o à r asca”, q ue está a m uda nç a! Assi m sendo, é import ante reter que a nossa sociedade e a no ssa própria espéci e a travessam m om entos com plica dos, pelo que é necessári o que as pess oa s possuam um nível de escolaridade elevado e sej a m capaze s d e al arga r os s eus horizonte s, cr iando sol uções prá tic as sem, contu d o, desrespei t ar e des valorizar os dir eitos de cada cidadão. Em s uma, ao fin alizar mais uma et apa da nossa vida, sobra-nos uma s ensa çã o de orgulho e est e tornar- se -á ainda m a is ev ident e quando usufruirmos da oportunidade de d izer que de um a i lha tão pequena como a nossa podem surgir grandes Homens capazes de revolucionar ment ali dades e pro porciona r um a evolução gr andiosa. Jéssica Freit a s, 12º 11


O f uturo é algo i ncerto e i mprev isível. Por m ais que elaboremos planos, o no sso desti no está e m c onst ant e mudança e, por vezes, damos por n ós num labirinto, s em sabe r que decisão tomar. Talvez devido a essa im previsibilidade, cada vez que p enso onde est ar ei daq u i a cinco ou dez an os, o meu cor ação acelera o seu pass o, porque si nt o a inseguran ça p rovocada por factor es como a inst a bilidade económi ca do país. N o pas sado, se m e questionass em acerca d as m inhas expect ativas par a o futuro respond ia, sem hesit a ção “quer o continu ar a estuda r numa U niver sidad e no m eu pa ís”. Con tudo, os t empos mu daram e a minha situação t ambém . Ag ora , frequentemen te, pen so em aba ndonar a ilha onde nasci, cresci e da qual nunc a saí.

Q ua ndo penso em estudar nout ro pa ís im agino um amanhã mais calmo e sólido, sonho c om uma vida m elhor, com maior s eguranç a e perspec tivas ma is va st as . Muitos profis sionais, extremament e qualific ados , t êm dificuldades em enc ont rar um traba lho que valor ize as s uas qualidades em t errit ór io português, por iss o deixam a sua pátr ia chor ando saudade, partindo à proc ur a de um futuro mais sorridente. Q uanto a o meu f utur o apena s tenho a cert ez a d o qua nto incerto é. Ta lvez numa universidade de um pa ís que me permit a imagina r um a manhã mais c olorido ou por ventura em Portuga l, a na ção que me deu exist ência. Ros a Pest a na 12º 11


Sempre q ue penso no m eu futuro, visualizo-m e com quem m ais gos to e a fazer aqui lo qu e mais gosto, a conseguir s up erar todos o s meus objectivos e a alcançar m et as que pensei serem i nalcançávei s. Eu imagino uma vi da em que todos os minutos que passam sej am mágicos e ini gualá vei s, onde exist am moment os ine sq uecíveis, coi sas inexpl icáveis e p essoas incomparávei s. Hoje eu não con si go saber, nem ter noção que vida viverei . Nã o s ei se realiz are i tud o aq uilo que pretendo realizar, não sei se concretiza rei tudo aq uilo que passo dia s a sonh ar, mas de um a coisa e stou cer t a , eu i rei lut ar para conseg uir, porque a força que te nho hoj e s erá igual à fo rça que terei am anhã e sempr e, até qu e cheg ue aquele ex acto dia em que posso afirm ar com todas as palavras:” Eu fi z tudo aquilo que q uis, pu de e consegui, e so u compl et amente feliz ! ”. Ana C arol in a H enrique s, 12º 08


Enquant o estudantes, especulam os muito sobr e o nosso futuro, sobre as nossas expet ativas d e vida e de como at ingi-las. Cada um d e nós tem obj etivos diferentes, mas no fu ndo trabalhamos para a m esma coi sa: al can çar o que quer emos. Para i sto é necessár io muit o tr abalho e dedicaçã o, par a além de u ma regra fundam ent al: nunca de sis ti r apesar dos obstá culos. Luísa A ndra de, Madal ena Pinto, C láudia Bra zão, 12º 11


Lembro- me, com o se fosse hoje, do primeir o dia de aulas do d éc imo ano. Um passado tão pró xim o que se tor na difícil de acr edit ar qu e, ao r itm o do t empo, trê s anos p assar am, sem nu nca ter a cer teza do que fazer depois. Q uando me pergunt am so br e o meu futuro e qu e prof issão p ret end o seguir, não dig o nada em concreto , p ois essas me smas pe rgunt as ando eu a faz ê- las a mim própria d esd e o co meço. Eu caí no há bito de viver um dia de cada vez e de não me pr eo cup ar com o f uturo, já que , ingenuam en te, pensava que estive sse lo ng e.


Enganei-m e, esse futuro está bem perto e conti nuo sem saber o que fazer na vida. Procuro prosseguir os estudos, ten ci ono ao meno s l icenciar-me, n o ent anto, não só o facto de viver num a ilha, mas t ambém a situação do no sso país, impede-me d e so nhar mui to alto. As sust a-me sab er que, daqui a menos de um an o, est arei a dar os pri meiros p assos para aqui lo que farei o resto d a mi nha vi da. Talvez seja dess e recei o que todas as minhas dúv idas e i ncertez as surgem. Ainda t enho mu ito em que pensar e muit as decisõ es para tom ar.

Espero, nest e cur to espaço de tempo, enc ont rar alguma área que me cat ive, licenciar-me e c onseguir arra njar tra ba lho. Cláudia Car olina Pest ana , 12º8


Atualmente , so mos bo mbardeados com notícias menos agr adáveis. Fala- se t an to d e crise, de d es emprego, de falê ncia d e emp resas e de dívidas dos paíse s, e são es t as dificuldades q ue t êm pe ne trado prof undamente n o dia-a-d ia das pessoas, nas su as atitud es, est ados de espír ito e nas suas per spetivas. Bast a ver mos as notícias ou abr irm os o jor nal, para no s depararm os com casos de suicídio e violência r esult antes do desespero da actual situação q ue tod os est am os a passar. Com este ce nár io n egro que nós encaram os dia apó s dia, s urge a questão se o futuro continua rá a ser assim ou se ainda será pior. O que me deparo é que muitos jovens já pensam no fu tu ro com algum de sânimo e in certez a. Todos os dias refletimos sobre as g randes dific uldades q ue n os espera m, porém, na minha pe rsp etiva, acho que pensar no futuro com o u ma época de dificuldade, e deixar- se levar pelo de sânimo, só piora a situação. Co nsidero que n ão devemos fugir nem ign or ar a realidade, que infelizmente é essa, assust ador a, contu do , reconheço q ue devemos enfr entá- la com toda a for ça e fazer por m udá-la. Assim, mesmo p erante as cara cterísticas da atualidade, as minh as perspet ivas par a o futuro são positivas, porque se i qu e se cad a um quiser e se for responsáve l nas suas funções com o mun do que o r odeia, tod os ju nt os ir em os conseguir torn ar o mun do num lu gar m ais bonit o de se viver. Par a t al, nada melhor qu e enfr ent ar as dificuldades com pr ojetos e, concluindo, a minha p erspet iva resume- se na seguinte frase, de um escrit or anó nimo : “ Se você quer vencer, não f ique olhan do a escad a. Come ce a sub ir, deg ra u por degrau, até chegar ao to po”. Rit a Pe qu en eza 12º 11


Bênção das Capas do Liceu Jaime Moniz 2011  

Bênção das Capas do Liceu Jaime Moniz 2011

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you