Issuu on Google+

Ecetistas em Luta Boletim

Edição São Paulo - nº 722 -quarta-feira, 11 de setembro de 2013

- Distribuição gratuita -

Órgão da corrente nacional Ecetistas em Luta

Na Internet: olhovivoecetista.blogspot.com.br • fones: (11) 36373273 Receba o boletim Ecetistas em Luta por e-mail, escreva para: olhovivoecetista@pco.org.br

DIVISÃO É TRAIÇÃO!

GREVE NACIONAL É 17 DE SETEMBRO! Mostrar a força dos trabalhadores de São Paulo e derrotar o golpe da direção pelega do Sintect-SP e da direção da ECT

O mentor da proposta de divisão da greve é o presidente dos Correios, e orientador político da Findect, Wagner Pinehiro, diante da disposição da categoria para a luta chamou seus filhotes para uma forte e ampla greve nacional Está em marcha um golpe contra a Campanha Salarial dos mais de 120 mil trabalhadores dos Correios. A direção do Sintect-SP, Sintect-RJ e demais sindicatos da federação paraguaia, a Findect, decidiram acabar com a campanha salarial antes da greve nacional da categoria em 17 de setembro. Os planos da direção da empresa e dos sindicalistas vendidos é nas reuniões desta semana em Brasília, discutirem uma nova proposta miserável, mas um pouco melhor que o índice apresentado na semana passada de 5,27%. Talvez um abono ou aumento linear. A esta mixaria estaria vinculada a aprovação do acordo já feito e assinado pelos pelegos da Findect: “a manutenção da Cláusula 11”. A palavrinha mágica “manutenção” significa na verdade a aceitação do Postal Saúde que é

a privatização do Convênio Médico dos trabalhadores (ver no verso desse boletim). Rejeitar a cumplicidade da federação anã com o golpe da empresa Às vésperas da assembleia convocada pelos pelegos da federação fajuta, a findect, com objetivo de dividir a categoria e aplicar um golpe contra os trabalhadores, o PSTU/Conlutas mais uma vez apareceu em vários setores de trabalho fazendo o trabalho sujo do sindicato. No Jaguaré, apareceu junto com os pelegos do PCdoB fazendo propaganda para que os trabalhadores participem do golpe preparado pela empresa. Também foram vistos em outros setores, como o CDD Lapa levando a mensagem da máfia do sindicato. Estes pelegos esquerdistas querem que o trabalhador se curve à ditadura do sindicato, das assembleias de bate paus. Não aceitar o acordo dos sindicalistas vendidos e da direção da ECT É preciso derrotar este golpe.

A direção da empresa e o governo sabem do descontentamento da categoria. Sabem que este ano os trabalhadores prometem realizar a maior greve dos últimos tempos. Sabem que em São Paulo os ecetistas já protagonizaram grandes lutas. Os sindicatos da Findect neste momento são um instrumento da empresa para acabar com a campanha salarial e impedir uma greve unificada nacionalmente. Impedir que os lutadores de São Paulo se unifiquem ao resto do país e realizem uma greve que pode colocar a direção da empresa contra a parede e arrancar as nossas reivindicações. Chamamos todos os trabalhadores a rejeitarem esse golpe e dar uma resposta à máfia do Sintect-SP, do “Diviza onista”, “Peixe Podre” e demais capachos do Wagner Pinheiro se unificando na greve nacional de 17 de setembro. Não à divisão da categoria! Rejeitar o golpe da ECT e dos pelegos! Inflação + esmola não! 47,8% ou greve! Fim do Postal Saúde!


Boletim Ecetistas em Luta - edição Brasília

2

Fim do Postal Saúde EM DEFESA DO CORREIOS SAÚDE, UNIDADE NACIONAL ECETISTA Somente uma luta unificada dos trabalhadores pode por fim à tentativa da ECT de privatizar o convênio médico da categoria. É preciso dizer não ao Postal Saúde e ao golpe da “manutenção da cláusula 11” O plano de saúde dos trabalhadores é mais uma vez o centro da luta da categoria dos Correios na Campanha Salarial 2013-2014. Como parte das medidas de contenção de gastos com os trabalhadores, a direção da ECT (Empresa de Correios e Telégrafos) está buscando de todas as maneiras mudar o sistema de gestão do convênio médico da categoria. Atualmente o Correios Saúde funciona como gestão compartilhada, um plano próprio da empresa e dos trabalhadores. O significa dizer que está submetido à decisões dos trabalhadores e não de seguradoras ou empresas privadas que apenas se preocupam com o lucro. O objetivo da empresa é justamente colocar o Convênio Médico sob controle externo. Com o tempo seria retirado do acordo coletivo e estaria submetido apenas às ANS (Agência Nacional de Saúde). Como um plano de saúde comum. E todo mundo conhece os problemas dos planos de saúde, o descaso, os abusos etc. No funcionalismo público em geral e outras categorias como bancário, foi assim que destruíram os planos de saúde. No caso dos servidores públicos federais o plano foi completamente destruído e hoje os trabalhadores estão obrigados a contratar planos privados, desembolsando valores altíssimos. No caso dos bancários a Cassi ainda não foi totalmente privatizada, mas as mudanças na gestão já sig-

nificaram em problemas com o atendimento de dependentes, e aumento do valor pago por consultas, exames e outros. A diferença é que todas essas categorias têm salários superiores à média salarial do trabalhador ecetista. Se em todos os casos foi um crime a privatização do serviço, no caso dos Correios a situação é ainda mais grave, pois com o salário que recebe hoje a categoria não tem nenhuma condição de pagar um plano de saúde privado. Por exemplo, um carteiro com pouco mais de 35 anos, com esposa e 2 filhos teria que desembolsar em torno de R$ 500,00 por mês para pagar um plano equivalente ao atual Convênio Médico. É metade do salário médio de um trabalhador dos Correios. Para enganar os trabalhadores nos corredores a empresa diz que o plano apenas estaria em vigor para os novos contratados. Mas esse é o golpe de sempre. Começam com o plano valendo para os novos, e vão sucateando o serviço atual (como de fato já vem acontecendo) para forçar a migração de todos para o novo plano. Como fizeram com o PCCS 2008 da escravidão. Colocam o trabalhador que não adere ao plano na berlinda até que se vê forçado pelas circunstâncias, ainda que contra sua vontade, a aderir às imposições da empresa. Como fez em 2012 a campanha salarial deste ano não pode permitir esse ataque da direção da ECT. Se a empresa quer

economizar, economize nos altos salários, no repasse para o governo, nos patrocínios, acabe com a corrupção e compra de sindicalistas vendidos; não atacando direitos e destruindo o plano de saúde, um benefício fundamental para o trabalhador ecetista e sua família, o que representa mais de 400 mil pessoas. Nesse sentido também é necessária a luta em unidade de todos os trabalhadores. Para derrotar a greve dividida, pois os sindicatos que estão falando em entrar em greve antes do 17 de setembro, já concordaram com o golpe da “manutenção da Cláusula 11”, ou seja, não questionaram o Postal Saúde e se submeteram aos planos da direção da ECT. Greve nacional em defesa do Correios Saúde a partir das 22h do dia 17 de setembro.


Boletim Ecetistas em Luta São Paulo 11/09/2013